ESCOLA NACIONAL DE PISTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA NACIONAL DE PISTA"

Transcrição

1 CONGRESSO INTERNACIONAL DE CICLISMO ESCOLA NACIONAL DE PISTA ANADIA, JULHO 2012 GABRIEL MENDES UVP-FPC

2 RESUMO ESCOLA DE CICLISMO DE PISTA O CONTEXTO OS OBJECTIVOS MODELO DE DESENVOLVIMENTO BASE DO SUCESSO A FORMAÇÃO DO CICLISTA vs CICLISMO DE PISTA AlGUNS MITOS MODELO DE FORMAÇÃO DA ESCOLA REGIME DE INTERNATO DESENVOLVIMENTO DE COMPETENCIAS ESCOLA DE CICLISMO DE PISTA 2 ANOS DE FORMAÇÃO 1 ANO 2 ANO ANADIA, JULHO

3 ESCOLA DE CICLISMO DE PISTA O CONTEXTO: NOV INAUGURAÇÃO DO CAR/VELODROMO NACIONAL A DISPONIBILIZAÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DE QUALIDADE PARA A PRÁTICA DA MODALIDADE. ANADIA, JULHO

4 ESCOLA DE CICLISMO DE PISTA O CONTEXTO: NOV INAUGURAÇÃO DO CAR/VELODROMO NACIONAL A DISPONIBILIZAÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DE QUALIDADE PARA A PRÁTICA DA MODALIDADE. ANADIA, JULHO

5 ESCOLA DE CICLISMO DE PISTA OBJECTIVOS DA ESCOLA - Formação e desenvolvimento de atletas na vertente de pista que possam representar a Selecção Nacional; - Promover e estimular o desenvolvimento da vertente; - Contribuindo para o desenvolvimento qualitativo e quantitativo da participação competitiva dimensões técnica e tática; ANADIA, JULHO

6 MODELO DE DESENVOLVIMENTO É uma ferramenta/metodologia de trabalho; Respeita as fases de desenvolvimento critico, capacidades e potencial dos atletas e seus estádios de desenvolvimento; Os jovens não podem ser vistos como adultos em ponto pequeno; aspectos diferentes a desenvolver e objectivos diferentes a previligiar. Bali's template for Long Term Athlete Development (LTAD) offers a very clear progression for developing athletes (Stuart Dernpster, Fonte: ANADIA, JULHO

7 MODELO DE DESENVOLVIMENTO Um atleta para atingir a última etapa do desenvolvimento leva em média 10 a 12 anos de formação sistematizada!! ANADIA, JULHO

8 MODELO DE DESENVOLVIMENTO Frank Dick (1998) Comparativo medalhas ganhas vs idade (Jogos Olímpicos de 1972 Munich e 1996 Atlanta) Planeamento de carreira e longevidade da carreira. ANADIA, JULHO

9 MODELO DE DESENVOLVIMENTO Conclusões sumárias: Ciclismo (pista e estrada) como desporto de especialização tardia, deve respeitar um modelo com estas características; As etapas não devem ser encurtadas e desrespeitadas; A principal qualidade exigida por pessoas ecomo nós envolvidas no desporto é a paciência, uma qualidade preciosa e, em geral, muito escassa (Frank Dick,1998). ANADIA, JULHO

10 A FORMAÇÃO DO CICLISTA vs CICLISMO DE PISTA No âmbito nacional, os atletas praticantes de ciclismo de pista são atletas provenientes do ciclismo de estrada os quais fazem a pista como complemento da sua preparação. Este enquadramento manter-se-á naturalmente nos próximos anos principalmente nas disciplinas de resistência da pista. Por outro lado, apesar do crescimento da vertente de pista em Portugal, principalmente nos últimos 2 anos, verifica-se ainda alguns mitos associados à prática de ambas as vertentes do ciclismo (pista e estrada). ANADIA, JULHO

11 A FORMAÇÃO DO CICLISTA vs CICLISMO DE PISTA Pista faz mal às pernas! É também comum ouvirmos por parte de alguns técnicos que expressões do género: tenho lá um atleta que não rende na estrada devia ir à pista A preparação de pista prejudica o trabalho da estrada. Vejamos então ANADIA, JULHO

12 A FORMAÇÃO DO CICLISTA vs CICLISMO DE PISTA Desenvolvimento da cadência de pedalada (velocidade) Desenvolvimento da técnica de pedalada ANADIA, JULHO

13 A FORMAÇÃO DO CICLISTA vs CICLISMO DE PISTA Melhoria da técnica de pedalada redução da assimetria, economia de movimento. ANADIA, JULHO

14 A FORMAÇÃO DO CICLISTA vs CICLISMO DE PISTA Exigências elevadas: capacidade para manter ritmos e intensidades submáximas elevadas, com variações de aceleração múltiplas ao longa da prova (63,5 km/h ; 144 rpm; ~673 Watt) ANADIA, JULHO

15 A FORMAÇÃO DO CICLISTA vs CICLISMO DE PISTA A promove o desenvolvimento das técnicas do ciclismo em geral e em especifico, a capacidade de condução em grupo, em linha num grupo, o ritmo e gestão do mesmo, etc.. ANADIA, JULHO

16 A FORMAÇÃO DO CICLISTA vs CICLISMO DE PISTA Algumas conclusões: A pista é uma vertente extremamente exigente; A pista é fundamental para o desenvolvimento das capacidades técnicas e motoras (velocidade/cadência; força, resistência especifica) do ciclismo em geral, um pilar para a formação do jovem ciclista; Nas provas de endurance da pista os atletas com desempenhos de topo são também excelentes atletas de estrada, os pré-requisitos para o sucesso são actualmente bastante elevados. ANADIA, JULHO

17 MODELO DE FORMAÇÃO DA ESCOLA REGIME DE INTERNATO ABERTO A ATLETAS MASCULINOS E FEMININOS; DIRECCIONADO PARA ATLETAS CADETES E JUNIORES (excepção Sub 23); CONJUGAÇÃO DA VIDA ESCOLAR COM A ACTIVIDADE DESPORTIVA NUMA PERSPECTIVA DA PROGRESSÃO E DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO PARA O ALTO RENDIMENTO; CONTROLO INTEGRAL DO PROCESSO DE TREINO E ACOMPANHAMENTO DOS ATLETAS. ANADIA, JULHO

18 MODELO DE FORMAÇÃO DA ESCOLA O TRABALHO QUE TEM SIDO DESENVOLVIDO CENTRA-SE NO DESENVOLMENTO DE COMPETÊNCIAS E CAPACIDADES: TÉCNICAS BÁSICAS E AVANÇADAS DO CICLISMO DE PISTA; CAPACIDADES MOTORAS E PSICOLOGICAS; ANADIA, JULHO

19 MODELO DE FORMAÇÃO DA ESCOLA ROTINAS E PROCESSOS, ALGUNS EXEMPLOS ANADIA, JULHO

20 MODELO DE FORMAÇÃO DA ESCOLA AVALIAÇÃO E CONTROLO DO TREINO (TESTES DE CAMPO E LAB) ANADIA, JULHO

21 ESCOLA DE CICLISMO DE PISTA 2 ANOS DE FORMAÇÃO 1º ANO: 11 ATLETAS (2 CADETES; 2 JUNIORES FEM; 7 JUNIORES); ARRANQUE DO MODELO DE TRABALHO, ANO DE ADAPTAÇÃO E APRENDIZAGEM; DESENVOLVIMENTO DA ESTRUTURA DE APOIO MATERIAL; 2º ANO: 7 ATLETAS (1 CAD FEM; 5 JUNIORES MASC; 1 SUB 23 FEM) ; CONSOLIDAÇÃO DO TRANALHO DESENVOLVIDO; MELHORIA DOS PROCESSOS DE ACOMPANHAMENTO (TREINO E ESCOLA); REFORÇO DO MATERIAL DE APOIO; ANADIA, JULHO

22 ESCOLA DE CICLISMO DE PISTA 2 ANOS DE FORMAÇÃO 2º ANO: RESULTADOS DESPORTIVOS: PISTA - NÍVEL NACIONAL: TAÇA DE PORTUGAL ELITES FEMININAS: 1º TODAS AS VERTENTES EM DISPUTA; CADETES FEMININAS: 1ºPERSEGUIÇÃO IND E 1ºELIMINAÇÃO; JUNIORES: 1ºPONTOS; 1ºELIMINAÇÃO; 1º PERSEGUIÇÃO INDIVIDUAL; 2ºKM; 2º VELOCIDADE; CAMP. NACIONAIS ELITES FEMININAS: 1º VELOCIDADE, 1º PERSEGUIÇÃO;1º ELIMINAÇÃO; 1º PONTOS; CADETES FEMININAS: 1ºPERSEGUIÇÃO IND E ELIMINAÇÃO; JUNIORES: 1ºPONTOS; 3º ELIMINAÇÃO; 1ºPERSEGUIÇÃO INDIVIDUAL; 2ºKM; 2º VELOCIDADE; ANADIA, JULHO

23 ESCOLA DE CICLISMO DE PISTA 2 ANOS DE FORMAÇÃO 2º ANO: RESULTADOS DESPORTIVOS: ESTRADA - NÍVEL NACIONAL: TAÇA DE PORTUGAL (2 PROVAS DISPUTADAS) 1ª PROVA 3º LUGAR INDIVIDUAL 2ª PROVA 4º LUGAR INDIVIDUAL 2º LUGAR COLECTIVO; CAMP. NACIONAIS JUNIORES: 2º E 3º LUGARES ELITES FEMININAS 8º LUGAR; ANADIA, JULHO

24 CONGRESSO INTERNACIONAL DE CICLISMO OBRIGADO PELA ATENÇÃO! ANADIA, JULHO

25 CONGRESSO INTERNACIONAL DE CICLISMO ANADIA, JULHO

26 CONGRESSO INTERNACIONAL DE CICLISMO OBRIGADO PELA ATENÇÃO! ANADIA, JULHO

III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL

III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL 1 www.fpatletismo.pt III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL Organização da Carreira Desportiva no Atletismo 2 www.fpatletismo.pt Treino com Jovens: Análise da Situação Actual

Leia mais

Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT. Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário

Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT. Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário Objetivo 1 apuramento para os jogos Objetivo 2 desenvolvimento geral da vertente

Leia mais

TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO

TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO AULA 1 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA Organização da Disciplina Repartição Lectiva Carga Horária Semestral (S2) Aulas Teórica- Práticas 4ª Feira

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA PLANO DE ATIVIDADES 2012 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA DESPORTIVA ALTO RENDIMENTO E SELEÇÕES NACIONAIS FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS MARKETING, COMUNICAÇÃO & IMAGEM 1.-

Leia mais

Novo Modelo de Formação

Novo Modelo de Formação Novo Modelo de Formação Conhecimento Melhoria Aperfeiçoamento Fomentar e favorecer a aquisição de conhecimentos Melhoria da qualidade de intervenção dos treinadores Promover o aperfeiçoamento qualitativo

Leia mais

Guia Técnico: Campeonato Nacional XCO 2016 Complexo Desportivo do Jamor APRESENTAÇÃO... 3 INFORMAÇÃO DA PROVA... 3 EQUIPA TÉCNICA... 3 PROGRAMA...

Guia Técnico: Campeonato Nacional XCO 2016 Complexo Desportivo do Jamor APRESENTAÇÃO... 3 INFORMAÇÃO DA PROVA... 3 EQUIPA TÉCNICA... 3 PROGRAMA... GUIA TÉCNICO INDÍCE APRESENTAÇÃO... 3 INFORMAÇÃO DA PROVA... 3 EQUIPA TÉCNICA... 3 PROGRAMA... 4 CARACTERISTICAS DA PROVA... 5 PRÉMIOS... 5 PISTA... 6 COMO CHEGAR... 7 CONTACTOS... 7 UVP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA

Leia mais

REGULAMENTO do CICLISMO DE INICIAÇÃO

REGULAMENTO do CICLISMO DE INICIAÇÃO REGULAMENTO do CICLISMO DE INICIAÇÃO 2009 U.V.P./F.P.C. Regulamento do Ciclismo de Iniciação Escolas de Ciclismo 2009 Página 1 de 8 REGULAMENTO de CICLISMO DE INICIAÇÃO 2009 Com o objectivo de uniformizar

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Abs Federação Portuguesa de Canoagem Plano de Alto Rendimento e Seleções Nacionais V Canoagem de Mar Séniores/Sub 23/Juniores 2016 I - Introdução Este documento pretende enunciar os critérios de selecção

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPEONATOS NACIONAIS FUNDO E CONTRARRELÓGIO

REGULAMENTO DOS CAMPEONATOS NACIONAIS FUNDO E CONTRARRELÓGIO DOS CAMPEONATOS NACIONAIS DE FUNDO E CONTRARRELÓGIO ÉPOCA 2016 APROVADO A 10/12/2015 1. ORGANIZAÇÃO 1.1. A U.V.P./F.P.C.- Federação Portuguesa de Ciclismo, organiza os Campeonatos abaixo mencionados, para

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Plano de Alto Rendimento e Seleções Nacionais III - Maratona I - Introdução Séniores/Sub 23/Juniores 2015 Este documento pretende enunciar os critérios de selecção da Equipa

Leia mais

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino do futebol/ futsal A metodologia para o ensino do futebol até a especialização

Leia mais

A minha Filosofia de Treino em Atletismo

A minha Filosofia de Treino em Atletismo A minha Filosofia de Treino em Atletismo Por Jorge Miguel Treinador de Atletas Olimpicos Como treinador de Atletismo há mais de trinta anos,a minha experiência nesta modalidade leva-me a afirmar que no

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA PLANO DE ACTIVIDADES 2011 1.- DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA DESPORTIVA Aumentar o número de praticantes e de Clubes filiados, assim como de praticantes informais da modalidade Realização de acções de divulgação

Leia mais

A formação de treinadores de Ginástica e Fitness: implicações da aplicação da nova legislação.

A formação de treinadores de Ginástica e Fitness: implicações da aplicação da nova legislação. A formação de treinadores de Ginástica e Fitness: implicações da aplicação da nova legislação. Paulo V. Anacleto Barata Director da Escola Nacional de Ginástica Federação de Ginástica de Portugal 24 de

Leia mais

Mínimos de Acesso a Provas Internacionais Triatlo (YB) / Tetratlo (YA) / Pentatlo (Jun-Sen)

Mínimos de Acesso a Provas Internacionais Triatlo (YB) / Tetratlo (YA) / Pentatlo (Jun-Sen) Mínimos de Acesso a Provas Internacionais Triatlo (YB) / Tetratlo (YA) / Pentatlo (Jun-Sen) 2016 NOTA INTRODUTÓRIA Na entrada para a recta final do ciclo olímpico a formula votos de continuidade da expressão

Leia mais

Grau I. Perfil Profissional. Grau I

Grau I. Perfil Profissional. Grau I Perfil Profissional O corresponde à base hierárquica de qualificação profissional do treinador de desporto. No âmbito das suas atribuições profissionais, compete ao Treinador de a orientação, sob supervisão,

Leia mais

Objetivos Gerais do plano de desenvolvimento técnico desportivo

Objetivos Gerais do plano de desenvolvimento técnico desportivo Introdução Promover, divulgar, ensinar, treinar e competir no desporto em geral e no andebol em particular obriga a uma determinada organização e objetivos diferenciados em cada um dos escalões. Assim,

Leia mais

ESGRIMA EVOLUÇÃO DO NÚMERO - AÇORES ATLETAS ANÁLISE DE ALGUNS INDICADORES POR REFERÊNCIA À ÉPOCA DESPORTIVA DE

ESGRIMA EVOLUÇÃO DO NÚMERO - AÇORES ATLETAS ANÁLISE DE ALGUNS INDICADORES POR REFERÊNCIA À ÉPOCA DESPORTIVA DE EVOLUÇÃO DO NÚMERO - AÇORES 38 32 22 15 6 7 28 19 9 34 34 35 36 29 25 25 20 14 9 10 7 2008-09 2009-10 2010-11 2011-12 2012-13 2013-14 2014-15 TOTAL MASC FEM - A modalidade desenvolve atividade somente

Leia mais

Os alunos Federados não podem competir na modalidade em que são praticantes. Isto não quer dizer que não possam frequentar o núcleo.

Os alunos Federados não podem competir na modalidade em que são praticantes. Isto não quer dizer que não possam frequentar o núcleo. !1 1. Concentrações 1.1 Competição individual As competições individuais realizar-se-ão em forma de Concentração. O acto da inscrição nas concentrações deverá ser feito no prazo de até 8 dias úteis à data

Leia mais

O Treino da Resistência Aeróbia na Escola

O Treino da Resistência Aeróbia na Escola O Treino da Resistência Aeróbia na Escola Leiria, 27 de Janeiro 2006 Análise da Situação Aumento da obesidade juvenil 1 terço das crianças (dos 7 aos 11 anos) é obesa Sedentarismo juvenil Jogam mais computador

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO AULA 3 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA ORGANIZAÇÃO E CONDUÇÃO DO PROCESSO DE TREINO As Componentes da Carga de Treino A Carga...no esforço

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO AULA 2 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA BASES CONCEPTUAIS PARA A CONSTRUÇÃO DOS EXERCÍCIOS DE TREINO Fundamentação Biológica do Treino Na temática

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Plano de Alto Rendimento e Seleções Nacionais MARATONA III Seniores/Sub23/Juniores 2017 I Introdução Este documento pretende enunciar os critérios de selecção da Equipa

Leia mais

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo PROGRAMA DE PROVAS DOS ESCALÕES JOVENS VERSÃO FINAL (Infantis, Iniciados e juvenis) SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas 60m 150m 4x 60m 80m 250m 4x 80m 100m 200m 300m 4x 100m Barreiras

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Vitor Hugo Fernando de Oliveira, Flávio da Rosa Júnior, Fábio Santos Mello Acadêmicos do Curso de Educação Física da UFSC Juarez

Leia mais

PRIORIDADES NO TREINO DE JOVENS SALTADORES. Leiria, 12 de Novembro de 2011

PRIORIDADES NO TREINO DE JOVENS SALTADORES. Leiria, 12 de Novembro de 2011 PRIORIDADES NO TREINO DE JOVENS SALTADORES Leiria, 12 de Novembro de 2011 Índice Objectivos do Treino -Gerais - Específicos - Prioritários Meios de Treino - Exemplos Objectivos do Treino GERAIS Gosto pelo

Leia mais

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO 1. A Sessão de Treino A Sessão de Treino é a unidade estrutural que serve de base para toda a organização do treino. O treinador deve individualizar o treino, adaptando a

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Plano de Alto Rendimento e Seleções Nacionais Maratona I - Introdução Séniores/Sub 23/Juniores Absolutos 2016 Este documento pretende enunciar os critérios de selecção

Leia mais

Guia Técnico: Campeonato Nacional XCO 2014 Póvoa de Lanhoso

Guia Técnico: Campeonato Nacional XCO 2014 Póvoa de Lanhoso _GUIA TÉCNICO_ APRESENTAÇÃO O Campeonato Nacional XCO e XCR (Team Relay Estafetas por equipas) 2014 é uma competição oficial da responsabilidade UVP/ Federação Portuguesa de Ciclismo. Esta prova disputam-se

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA FINALIDADE Regular a Orientação Técnica de 2013 às Federações filiadas à CBPM.

ORIENTAÇÃO TÉCNICA FINALIDADE Regular a Orientação Técnica de 2013 às Federações filiadas à CBPM. 1 ORIENTAÇÃO TÉCNICA 2013 1. FINALIDADE Regular a Orientação Técnica de 2013 às Federações filiadas à CBPM. 2. REFERÊNCIAS - Estatuto da CBPM; - Regulamento Técnico da CBPM; - Calendário Desportivo da

Leia mais

Eventos: CBC. Eventos: SEJEL/FPC. Eventos: MOUNTAIN BIKE Eventos: FPC/LIGAS/ASSOCIAÇÕES.

Eventos: CBC. Eventos: SEJEL/FPC. Eventos: MOUNTAIN BIKE Eventos: FPC/LIGAS/ASSOCIAÇÕES. CALENDÁRIO - ESTRADA / PISTA / MTB - 2016 Atualizado dia (05/01/2016) Eventos: CBC. Eventos: SEJEL/. Eventos: MOUNTAIN BIKE Eventos: /LIGAS/ASSOCIAÇÕES. Mês Realização Categorias Local Fevereiro 14 Copa

Leia mais

MARCAS DE QUALIFICAÇÃO NAS COMPETIÇÕES NACIONAIS ÉPOCA 2015/2016

MARCAS DE QUALIFICAÇÃO NAS COMPETIÇÕES NACIONAIS ÉPOCA 2015/2016 NAS COMPETIÇÕES NACIONAIS ÉPOCA 2015/2016 Condições de aceitação de marcas de qualificação: A. O prazo de obtenção de marcas de qualificação nas competições que o exijam é compreendido entre o dia 16 de

Leia mais

Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA

Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA A capacidade do organismo de resistir à fadiga numa actividade motora prolongada. Entende-se por fadiga a

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO REMO

REGULAMENTO ESPECÍFICO REMO REGULAMENTO ESPECÍFICO REMO 2014-2017 Índice 1. Introdução 2 2. Participação 2 3. Escalões Etários 2 4. Competições Encontros/Escolares 2 5. Regulamento Técnico 5 6. Casos Omissos 5 Regulamento Específico

Leia mais

Eventos: CBC. Eventos: SEJEL/FPC. Eventos: MOUNTAIN BIKE Eventos: FPC/LIGAS/ASSOCIAÇÕES.

Eventos: CBC. Eventos: SEJEL/FPC. Eventos: MOUNTAIN BIKE Eventos: FPC/LIGAS/ASSOCIAÇÕES. CALENDÁRIO - ESTRADA / PISTA / MTB - 2016 Atualizado dia (/01/2016) Eventos: CBC. Eventos: SEJEL/. Eventos: MOUNTAIN BIKE Eventos: /LIGAS/ASSOCIAÇÕES. Mês Realização Categorias Local Janeiro 16 a 17 Volta

Leia mais

Fundamentos do TE 27/11/2012

Fundamentos do TE 27/11/2012 Unidade I Fundamentos do Esportivo Conceito de Conceito de Esportivo Processo Conceito de É um processo pelo qual se submete alguém à busca de melhoria de alguma coisa. Visa a melhoria pois envolve diversas

Leia mais

O Planeamento o Treino de Rui Silva

O Planeamento o Treino de Rui Silva O Planeamento o Treino de Rui Silva Professor Bernardo Manuel Licenciado em Educação Física Mestre em Ciências do Desporto na área do treino de alto rendimento Professor Auxiliar Convidado FMH Treinador

Leia mais

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física UNIVERSIDADE DE COIMBRA Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física Parametrização das Estruturas Tácticas em Jogos Desportivos Colectivos Investigação Aplicada à Equipa Campeã Nacional no Escalão

Leia mais

Regulamento Específico Tenis de Mesa.

Regulamento Específico Tenis de Mesa. Regulamento Específico Tenis de Mesa Http://www02.madeira-edu.pt/dre 1. Concentrações 1.1 Competição individual As competições individuais realizar-se-ão em forma de Concentração. O acto da inscrição nas

Leia mais

Eventos: CBC. Eventos: SEJEL/FPC. Eventos: MOUNTAIN BIKE Eventos: FPC/LIGAS/ASSOCIAÇÕES.

Eventos: CBC. Eventos: SEJEL/FPC. Eventos: MOUNTAIN BIKE Eventos: FPC/LIGAS/ASSOCIAÇÕES. CALENDÁRIO - ESTRADA / PISTA / MTB - 2016 Atualizado dia (08/03/2016) Eventos: CBC. Eventos: SEJEL/. Eventos: MOUNTAIN BIKE Eventos: /LIGAS/ASSOCIAÇÕES. Mês Realização Categorias Local Janeiro 16 a 17

Leia mais

2007 Professor Pedro Correia

2007 Professor Pedro Correia Projecto de Vela Adaptada Vela para todos 2007 Professor Pedro Correia Projecto de Vela Adaptada Vela para todos Desde 2004 que existe uma cooperação entre a DREER e o Clube Naval do Funchal na inclusão

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO REMO (Revisto em setembro de 2015)

REGULAMENTO ESPECÍFICO REMO (Revisto em setembro de 2015) REGULAMENTO ESPECÍFICO REMO 2014-2017 (Revisto em setembro de 2015) Índice 1. Introdução 2 2. Participação 2 3. Escalões Etários 2 4. Competições Encontros/Escolares 2 5. Regulamento Técnico 5 6. Casos

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA QUESTIONÁRIO AOS TREINADORES DE FUTEBOL Este questionário faz parte de um estudo sobre a Análise do perfil de competências e das necessidades

Leia mais

PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR. Jorge Miguel Treinador

PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR. Jorge Miguel Treinador PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR ASPECTOS A CONSIDERAR: A motivação do treinador e as oportunidades. Os atletas e a sua motivação. Como chegar

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA Prova Escrita e Prova Prática Maio 2016 Prova 28 2016 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente

Leia mais

Eventos: CBC. Eventos: SEJEL/FPC. Eventos: MOUNTAIN BIKE Eventos: FPC/LIGAS/ASSOCIAÇÕES.

Eventos: CBC. Eventos: SEJEL/FPC. Eventos: MOUNTAIN BIKE Eventos: FPC/LIGAS/ASSOCIAÇÕES. CALENDÁRIO - ESTRADA / PISTA / MTB - 2016 Atualizado dia (15/02/2016) Eventos: CBC. Eventos: SEJEL/. Eventos: MOUNTAIN BIKE Eventos: /LIGAS/ASSOCIAÇÕES. Mês Realização Categorias Local Janeiro 16 a 17

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Cronograma: Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Aulas Teóricas Dezembro/08 Janeiro/09 As Capacidades Motoras 17 / Janeiro 19 / Janeiro 21 / Janeiro Avaliação Teórica Avaliação Prática 04 / Fevereiro

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau1 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU I O Grau I corresponde à base hierárquica de qualificação profissional do treinador desportivo.

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ano letivo 2011/2012 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Prova/Código: 311 Ano de Escolaridade: 12º ano (CH/AEDC) 1. Introdução

Leia mais

Orçamento Anual FPPM 2013 ANEXO AO PLANO DE ACTIVIDADES 2013 ANTERIOR Á DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IPDJ

Orçamento Anual FPPM 2013 ANEXO AO PLANO DE ACTIVIDADES 2013 ANTERIOR Á DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IPDJ Orçamento Anual FPPM 2013 ANEXO AO PLANO DE ACTIVIDADES 2013 ANTERIOR Á DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IPDJ DESCRIÇÃO 2013 Valor Euros 0 RECEITAS 373.620 1.1 Próprias 1.1.1 Quotizações Anuais 1.2 Entidades

Leia mais

Orçamento Anual FPPM 2012 (PROVISÓRIO) ANTERIOR À DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IDP

Orçamento Anual FPPM 2012 (PROVISÓRIO) ANTERIOR À DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IDP Orçamento Anual FPPM 2012 (PROVISÓRIO) ANTERIOR À DEFINIÇÃO DO FINANCIAMENTO PELO IDP DESCRIÇÃO 2012 Valor Euros 0 RECEITAS 230.469 1.1 Próprias 1.1.1 Quotizações Anuais 1.2 Entidades Oficiais 227.469

Leia mais

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Capoeira Modalidade/Disciplina: Capoeira Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau I Componente Prática: 18 horas Componente Teórica: 18 horas Total de

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO CAMPEONATO NACIONAL XCO 2009

REGULAMENTO GERAL DO CAMPEONATO NACIONAL XCO 2009 REGULAMENTO GERAL DO CAMPEONATO NACIONAL XCO 2009 1- INTRODUÇÃO 1.1- O Campeonato Nacional Cross Country Olímpico (XCO) é um troféu oficial da UVP/Federação Portuguesa de Ciclismo e consta de uma prova

Leia mais

AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES Funchal

AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES Funchal AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES 2015 - Funchal Ações Creditadas pelo PNFT 2015 Preços de Inscrição: 1) Ações de 1,4 créditos - 20,00 a. Preço para Filiados - 20,00 2) Ações de 0,8 créditos

Leia mais

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Lohan Tao Modalidade/Disciplina: Lohan Tao Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau 1 Componente Prática: 10 horas Componente Teórica: 20 horas Total de

Leia mais

Inteligência Esportiva

Inteligência Esportiva Inteligência Esportiva Objetivo Geral Produzir, aglutinar, sistematizar, analisar e difundir informações sobre o esporte de alto rendimento no Brasil e no mundo. Objetivos Específicos: Definir variáveis

Leia mais

PROJECTO DE DESENVOLVIMENTO DO REMO JOVEM

PROJECTO DE DESENVOLVIMENTO DO REMO JOVEM PROJECTO DE DESENVOLVIMENTO DO REMO JOVEM Reduzido número de atletas nas camadas jovens, quando comparado com os escalões de veteranos (melhorou em 2015) Poucas novas inscrições na FPR nas camadas jovens

Leia mais

OPapeldoesportenaescola; Porque somente os Esportes Coletivos são trabalhados na escola; Como trabalhar os esportes individuais na escola;

OPapeldoesportenaescola; Porque somente os Esportes Coletivos são trabalhados na escola; Como trabalhar os esportes individuais na escola; OPapeldoesportenaescola; Porque somente os Esportes Coletivos são trabalhados na escola; Como trabalhar os esportes individuais na escola; Introdução ao Atletismo; 1 PCN Parâmetro Curricular Nacional A

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO O Desporto Escolar (DE) tem de ser entendido como uma responsabilidade da comunidade escolar e é à escola, que compete criar as condições necessárias

Leia mais

Introdução. Desta afirmação ressaltam dois conceitos que merecem ser explorados: o conceito de eficácia e o da competência.

Introdução. Desta afirmação ressaltam dois conceitos que merecem ser explorados: o conceito de eficácia e o da competência. Treinador Eficaz Resende, R., Fernández, J. J., Aranha, Á., & Albuquerque, A. (2011). Treinador eficaz. In J. Prudente & H. Lopes (Eds.), Seminário Internacional de Desporto e Ciência 2011 (pp. 7). Funchal:

Leia mais

VELOCIDADE E ESTAFETAS III

VELOCIDADE E ESTAFETAS III VELOCIDADE E ESTAFETAS III 1. O Treino da Velocidade com Jovens Quando falamos de Velocidade é importante em primeiro lugar conhecer o conceito de movimento ciclíco, que correcponde a um movimento que

Leia mais

Planeamento. Avaliação

Planeamento. Avaliação Planeamento e Avaliação Planeamento e Avaliação Definição de Planeamento Fases de Planeamento Plano vs Projecto Relatório O quê? PLANEAMENTO Planear uma actividade, evento ou projecto, significa responder

Leia mais

OvarSincro - Clube de Natação /

OvarSincro - Clube de Natação / OvarSincro - Clube de Natação / 2011-2012 www.ovarsincro.pt http://facebook.com/ovarsincro.clubedenatacao Acerca da Natação Sincronizada... A natação sincronizada é um desporto multidisciplinar que abrange

Leia mais

1ª Jornada 12 Março, Estádio Arsénio Catuna. 16h00m Guia FC vs Associação Academia Alto Colina 16h00m FC Ferreiras vs Imortal DC

1ª Jornada 12 Março, Estádio Arsénio Catuna. 16h00m Guia FC vs Associação Academia Alto Colina 16h00m FC Ferreiras vs Imortal DC GOLFINHOS A 4 EQUIPAS Associação Academia Alto Colina FC Ferreiras 1ª Jornada 12 Março, Estádio Arsénio Catuna Hora 16h00m vs Associação Academia Alto Colina 16h00m FC Ferreiras vs 2ª Jornada 26 de Março

Leia mais

Apresentação da Taça da Europa de Cadetes - Coimbra 2017

Apresentação da Taça da Europa de Cadetes - Coimbra 2017 Apresentação da Taça da Europa de Cadetes - Coimbra 2017 24 de maio de 2017 Auditório do Pavilhão Municipal Multidesportos Dr. Mário Mexia A Apresentação da Taça da Europa de Cadetes - Coimbra 2017, realizou-se

Leia mais

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III UNIDADES DE FORMAÇÃO HORAS 1. CARACTERIZAÇÃO DO JOGO 6 2. REGRAS DO JOGO E REGULAMENTOS ESPECÍFICOS 4 3. MEIOS DE ENSINO DO JOGO 20 4. COMPONENTES

Leia mais

Forum da Disciplina de Ensino

Forum da Disciplina de Ensino Forum da Disciplina de Ensino Medicina Desportiva Maria João Cascais 7 de fevereiro de 2015 Medicina desportiva... a história Síria e Pérsia a equitação, pólo e hóquei 4000 e 2000 a.c. Índia no livro Ayur-Veda,1000

Leia mais

DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CURSOS PROFISSIONAIS - 11º ANO TAGD COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS

DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CURSOS PROFISSIONAIS - 11º ANO TAGD COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CURSOS PROFISSIONAIS - 11º ANO TAGD COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS Promoção da educação para a cidadania Promover: a iniciativa e a responsabilidade pessoal,

Leia mais

TÊNIS DE CAMPO COMPETIÇÃO INFANTO-JUVENIL. Profa.Ms. Cláudia Perrella Teixeira

TÊNIS DE CAMPO COMPETIÇÃO INFANTO-JUVENIL. Profa.Ms. Cláudia Perrella Teixeira TÊNIS DE CAMPO COMPETIÇÃO INFANTO-JUVENIL Profa.Ms. Cláudia Perrella Teixeira jeu de paume - tênis de campo - séc. XI - passatempo da nobreza - idade média - competições estudantis séc. XIX - profissionalismo

Leia mais

REGULAMENTO PARTICULAR DO CAMPEONATO NACIONAL XCO 2012 (Actualizado a )

REGULAMENTO PARTICULAR DO CAMPEONATO NACIONAL XCO 2012 (Actualizado a ) REGULAMENTO PARTICULAR DO CAMPEONATO NACIONAL XCO 2012 (Actualizado a 28.03.2012) 1- INTRODUÇÃO 1.1- O Campeonato Nacional Cross Country Olímpico (XCO) é propriedade exclusiva da UVP/Federação Portuguesa

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON

Versão Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Grau II Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Portuguesa

Leia mais

Ricardo Georges Affonso Miguel

Ricardo Georges Affonso Miguel Atleta mirim: Natureza jurídica da sua condição e a contribuição para o futebol. Ricardo Georges Affonso Miguel ricardo.miguel@trt1.jus.br O problema. A dificuldade econômica das famílias tem sido a principal

Leia mais

TAÇA DE PORTUGAL DHI VODAFONE SÃO BRÁS DE ALPORTEL GUIA TÉCNICO

TAÇA DE PORTUGAL DHI VODAFONE SÃO BRÁS DE ALPORTEL GUIA TÉCNICO TAÇA DE PORTUGAL DHI VODAFONE SÃO BRÁS DE ALPORTEL GUIA TÉCNICO JANEIRO 2012 SEJAM BEM-VINDOS Desde há vários anos que São Brás de Alportel é uma referência na organização de provas de Downhill. Com argumentos

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL EDUCAÇÃO FÍSICA. Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva OBJETIVOS TRANSVERSAIS

PLANIFICAÇÃO ANUAL EDUCAÇÃO FÍSICA. Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva OBJETIVOS TRANSVERSAIS PLANIFICAÇÃO ANUAL 2012.13 EDUCAÇÃO FÍSICA Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva OBJETIVOS TRANSVERSAIS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS Promoção da educação para a cidadania Promover: a

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO 2 ÍNDICE Preâmbulo Capítulo I Regime de alta-competição Artigo 1.º - Praticantes com estatuto de alta competição Artigo 2.º - Praticantes no

Leia mais

Ciclos de Treinamento. Ricardo L. Pace Jr.

Ciclos de Treinamento. Ricardo L. Pace Jr. Ciclos de Treinamento Ricardo L. Pace Jr. MICROCICLO DE CHOQUE Cargas altas; 80% - 90% da carga máxima; Estímulo ao processo ativo de adaptação; 2-5 cargas de choque por semana; Aplicação da carga no fim

Leia mais

Eduarda Lopes Rui Martins

Eduarda Lopes Rui Martins Eduarda Lopes Rui Martins Introdução Ao longo dos últimos 20 anos, a modalidade desportiva, Ginástica, tem vindo a ser reconhecida na cidade de Braga através do desporto escolar, sendo a Escola Secundária

Leia mais

PROTOCOLO. Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal

PROTOCOLO. Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal PROTOCOLO Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal Entre A Câmara Municipal de Setúbal, adiante designada por CMS, na qualidade de 1.º Outorgante, representada pela Presidente,

Leia mais

CURRÍCULO DO ATLETA DADOS PESSOAIS: Nome: Felipe Borges da Silva. Nome Esportivo: Felipe. Nasc.: 16/11/1994. Embarcação: Canoa Masculino C-1 - C-2

CURRÍCULO DO ATLETA DADOS PESSOAIS: Nome: Felipe Borges da Silva. Nome Esportivo: Felipe. Nasc.: 16/11/1994. Embarcação: Canoa Masculino C-1 - C-2 CURRÍCULO DO ATLETA DADOS PESSOAIS: Nome: Felipe Borges da Silva Nome Esportivo: Felipe Nasc.: 16/11/1994 Embarcação: Canoa Masculino C-1 - C-2 Naturalidade: Foz do Iguaçu-PR Estado Civil: Solteiro E-mail/msn:

Leia mais

Curriculum Vitae. Identificação

Curriculum Vitae. Identificação Curriculum Vitae Identificação Nome: José Francisco Nunes Guilherme Data de nascimento: 03/12/1960 Residência: Urbanização da Tavagueira, lote 5 R/C B Guia 8200-427 Albufeira Telemóvel: 969727947 Email:

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE S. MIGUEL

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE S. MIGUEL ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE S. MIGUEL Instituição de Utilidade Pública Pessoa Colectiva n.º 512019673 Fundada em 26.03.86 Filiada na Federação Portuguesa Atletismo RUA PINTOR DOMINGOS REBELO N.º 4 TELEFONE

Leia mais

REGULAMENTO PARTICULAR DO CAMPEONATO NACIONAL DHU 2009

REGULAMENTO PARTICULAR DO CAMPEONATO NACIONAL DHU 2009 REGULAMENTO PARTICULAR DO CAMPEONATO NACIONAL DHU 2009 1- INTRODUÇÃO 1.1- O CAMPEONATO NACIONAL DHU é um troféu oficial da UVP/Federação Portuguesa de Ciclismo e consta de uma prova única. 1.2- O campeonato

Leia mais

FINANCIAMENTO ÀS FEDERAÇÕES DESPORTIVAS. Organização de Eventos Desportivos Internacionais 2015

FINANCIAMENTO ÀS FEDERAÇÕES DESPORTIVAS. Organização de Eventos Desportivos Internacionais 2015 FINANCIAMENTO ÀS FEDERAÇÕES DESPORTIVAS Organização de Eventos Desportivos Internacionais 2015 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Com este Programa, o Instituto Português do Desporto e Juventude, I. P., tem por objetivo

Leia mais

Federação Portuguesa de Vela Departamento Técnico Etapas de desenvolvimento do Jovem Praticante. Modelo de desenvolvimento do velejador a longo prazo

Federação Portuguesa de Vela Departamento Técnico Etapas de desenvolvimento do Jovem Praticante. Modelo de desenvolvimento do velejador a longo prazo Federação Portuguesa de Vela Departamento Técnico Etapas de desenvolvimento do Jovem Praticante Modelo de desenvolvimento do velejador a longo prazo Novo paradigma de evolução do praticante de vela em

Leia mais

TAÇA DE PORTUGAL DE PISTA 2017

TAÇA DE PORTUGAL DE PISTA 2017 TAÇA DE PORTUGAL DE PISTA 2017 Mas. Feminina TAÇA DE PORTUGAL DE PISTA 2017 1. Organização A Taça Nacional de Pista 2017 é organizada pela UVP-FPC - Federação Portuguesa de Ciclismo, com a colaboração

Leia mais

PROJETO RIO MAIOR 2016 DESMOR CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TRIATHLON APRESENTAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO DE ATLETAS SETEMBRO 2010

PROJETO RIO MAIOR 2016 DESMOR CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TRIATHLON APRESENTAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO DE ATLETAS SETEMBRO 2010 PROJETO RIO MAIOR 2016 DESMOR CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TRIATHLON APRESENTAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO DE ATLETAS SETEMBRO 2010 1. INTRODUÇÃO A Confederação Brasileira de Triathlon (CBTri) criada no ano de

Leia mais

ENCONTRO INTER-CONCELHIO Cinfães E.B. 2, 3 CINFÃES. 27 de Maio de Cinfães / Resende / Castro Daire

ENCONTRO INTER-CONCELHIO Cinfães E.B. 2, 3 CINFÃES. 27 de Maio de Cinfães / Resende / Castro Daire ENCONTRO INTER-CONCELHIO Cinfães E.B. 2, 3 CINFÃES 27 de Maio de 2017 Cinfães / Resende / Castro Daire INTRODUÇÃO O Projeto está inserido nos Planos de Desenvolvimento Regional da Federação de Andebol

Leia mais

CAPACIDADES MOTORAS:

CAPACIDADES MOTORAS: CAPACIDADES MOTORAS: Na área da Educação Física e do desporto, capacidades motoras são pressupostos dos movimentos que permitem que as qualidades inatas de uma pessoa, como um talento, ou um potencial

Leia mais

Dinâmica interpessoal e de grupo

Dinâmica interpessoal e de grupo Dinâmica interpessoal e de grupo CTC75 Grau 2 28, 29, 30 Set. 2007 Paula Biscaia Licenciada em Educação Física Licenciada em Educação Física Licenciada em Psicologia (Área da Psicologia Desportiva) Mestre

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Plano de Alto Rendimento e Seleções Nacionais VELOCIDADE Ib S23b/Juniores/ Cadetes/Infantis 2017 Com este documento, a Federação Portuguesa de Canoagem (FPC), divulga os

Leia mais

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados)

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Nome: Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Observe a figura acima e responda as questões a seguir: 1. A sequência se refere à prova de. 2. Em que distâncias essa prova

Leia mais

MARCAS DE QUALIFICAÇÃO NAS COMPETIÇÕES NACIONAIS ÉPOCA 2016/2017

MARCAS DE QUALIFICAÇÃO NAS COMPETIÇÕES NACIONAIS ÉPOCA 2016/2017 NAS COMPETIÇÕES NACIONAIS ÉPOCA 2016/2017 Condições de aceitação de marcas de qualificação: A. O prazo de obtenção de marcas de qualificação nas competições que o exijam é compreendido entre o dia 16 de

Leia mais

Treinamento Esportivo

Treinamento Esportivo Treinamento Esportivo Introdução Fundamentos Aplicação dos conteúdos e foco Conceitos Atletas Não Atletas Treinamento Treinamento Esportivo Significado Esporte Composição Alto Rendimento Coordenação e

Leia mais

Secretaria Regional da Educação Direcção Regional da Educação

Secretaria Regional da Educação Direcção Regional da Educação Secretaria Regional da Educação Direcção Regional da Educação Gabinete Coordenador do Desporto Escolar Regulamento Específico Ténis de Mesa 2011/2012 Índice 1. Concentrações... 2 1.1 Competição individual...

Leia mais

PATINAGEM DE VELOCIDADE ÉPOCA 2015 PROTOCOLO. Alenquer Pavilhão Municipal de Alenquer. Balneários, casas de banho

PATINAGEM DE VELOCIDADE ÉPOCA 2015 PROTOCOLO. Alenquer Pavilhão Municipal de Alenquer. Balneários, casas de banho PATINAGEM DE VELOCIDADE ÉPOCA 2015 PROTOCOLO O Comité de Patinagem de Velocidade desta Associação vai levar a efeito a realização do 2º ENCONTRO REGIONAL INDOOR, pelo que informamos: Local: Alenquer Pavilhão

Leia mais

Enquadramento e Linhas-Guia para a progressão na carreira dos docentes do DI

Enquadramento e Linhas-Guia para a progressão na carreira dos docentes do DI Enquadramento e Linhas-Guia para a progressão na carreira dos docentes do DI Janeiro de 2006 1. Introdução, princípios e metas Este documento pretende, sucintamente, dar uma perspectiva acerca do desejável

Leia mais

GINÁSTICA ARTÍSTICA MASCULINA

GINÁSTICA ARTÍSTICA MASCULINA GINÁSTICA ARTÍSTICA MASCULINA SELEÇÕES NACIONAIS E ALTO RENDIMENTO CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E PARTICIPAÇÃO 2015: SENIORES TAÇAS DO MUNDO 2015 CAMPEONATO DA EUROPA MONTPELLIER JOGOS EUROPEUS BAKU UNIVERSÍADAS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE CASTELO BRANCO REGULAMENTO DAS SELECÇÕES DISTRITAIS

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE CASTELO BRANCO REGULAMENTO DAS SELECÇÕES DISTRITAIS ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE CASTELO BRANCO REGULAMENTO DAS SELECÇÕES DISTRITAIS ÍNDICE Capítulo I página 3 Participação na Selecção Distrital Artigo 1º - Principio geral Artigo 2º - Participação na Selecção

Leia mais

GINÁSTICA DE TRAMPOLINS

GINÁSTICA DE TRAMPOLINS GINÁSTICA DE TRAMPOLINS SELEÇÕES NACIONAIS E ALTO RENDIMENTO 2013-2016 PROCESSO DE SELEÇÃO CAMPEONATO DO MUNDO 2015 Duplo Mini Trampolim Tumbling Trampolim Individual PROCESSO DE SELEÇÃO DUPLO MINI TRAMPOLIM

Leia mais