PROGRAMA. O bloco de Basquetebol I apresenta como objectivos específicos os seguintes alvos:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA. O bloco de Basquetebol I apresenta como objectivos específicos os seguintes alvos:"

Transcrição

1 FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA universidade técnica de lisboa UNIDADE ORGÂNICA DE CIÊNCIAS DO DESPORTO DIDÁCTICA DAS ACTIVIDADES FÍSICAS BASQUETEBOL I Professor: Prof. Aux. António Paulo Ferreira 1. Introdução PROGRAMA O jogo de basquetebol é uma actividade desportiva popular e cuja prrática está massificada na escola, no clube e nos espaços de lazer que preenchem o quotidiano dos jovens. A necessidade de conhecer o jogo, as suas especfcidades técnicas e tácticas, assim como o fundamental da sua didáctica, são domínios do conhecimento indispensáveis ao profissional Educação Física e Desporto que se hablite ao exercício profissional nos mais diversos terrenos que se lhe oferecem. É neste enquadramento e tendo como base estes objectivos que o bloco de Basquetebol I se fundamenta. A vivência do aluno ao longo do bloco está concentrada no conhecimento que os estudantes devem possuir acerca do como e do que deve ser ensinado, das dificuldades que o processo de aprendizagem vai colocando a quem aprende e de como se deve conduzir a aprendizagem enquanto a evolução dos praticantes vai ocorrendo. 2. Objectivos O bloco de Basquetebol I apresenta como objectivos específicos os seguintes alvos: Conhecer a estrutura formal e funcional do basquetebol como jogo de cooperação-oposição. Caracterizar os diferentes níveis de jogo Jogo Anárquico, Nível I e Nível II - e perceber as difculdades associadas ao processo de ensino-aprendizagem de cada uma das etapas. Analisar e interpretar a execução dos comportamentos tecnico-tácticos básicos relacionados com os níveis de jogo abordados. Dominar os mínimos exigidos para a execução dos comportamentos técnico-tácticos requeridos para os Níveis I e II como objectivos mínimos para a conclusão do bloco. Identificar os principais problemas didácticos que o ensino do jogo coloca e a sua consequente evolução requer. 3. Conteúdos Programáticos O desenvolvimento do bloco de Basquetebol I assenta no desenvolvimento dos temas apresentados abaixo: 1. As grandes fases do jogo de basquetebol. Simbologia e sinalética do basquetebol. 2. Caracterização do Jogo Anárquico, do Nível I e Nível II. 3. A desmontagem do jogo anárquico. O papel da Defesa e das Regras no processo de ensinoaprendizagem: o condicionamento da defesa à bola, a defesa ao jogador sem bola nesta fase. 4. A ocupação racional do espaço e a continuidade da sua conservação ao longo do ataque. 5. Os quandos e os comos da execuão dos gestos técnicos fundamentais. 6. O lançamento: características técnicas, tipos e utilização no contexto do jogo. Análise das componentes de controlo adapatadas à etapa de aprendizagem.

2 7. O drible: características técnicas gerais, tipos e utilização no contexto do jogo. Análise das componentes de controlo adapatadas à etapa de aprendizagem. 8. O passe e a recepção: características técnicas gerais, tipos e utilização no contexto do jogo. Análise das componentes de controlo adapatadas à etapa de aprendizagem. 9. A transição do jogo de Nível I para o jogo de Nível II. 4. Organização Curricular do Bloco Aula 1 Aula 2 Aula 3 Aula 4 Aula 5 Aula 6 Aula 7 Aula 8 Aula 9 Aula 10 Aula 11 Aula 12 Apresentação do programa da disciplina de DAF I Basquetebol: objectivos, pré-requisitos, conteúdos, metodologia de trabalho ao lonogo do bloco e avaliação. Recomendação bibliográfica recomendada para o cumprimento do programa. As grandes fases do jogo de basquetebol. Definição e caracterização. Simbologia e sinalética específica utilizada para a representação das acções do jogo de basquetebol. Avaliação inicial do nível de jogo: jogo formal em 5 contra 5. A caracterização do jogo anárquico. A noção de eficiência mínima. Definição das linhas metodológicas orientadoras do ensino do jogo de basquetebol: o ataque e a defesa, a técnica e a táctica, o jogo reduzido e o jogo formal, o exercício e o jogo, o papel da regra no ensino do jogo de basquetebol, a observação e intervenção do professor na gestão dos comportamentos dos aprendizes. Análise e situações da prática do jogo formal em 5 contra 5. O condicionamento da defesa ao jogador com bola. Definição das noções de enquadramento defensivo, linha da bola e linha da bola-cesto. O condicionamento da defesa ao jogador com bola. Definição das noções de enquadramento defensivo, linha da bola e linha da bola-cesto. O condicionamento da defesa ao jogador sem bola: a noção de triângulo perceptivo. A passagem da defesa de um jogador sem bola à necessidade da defesa ao jogador com bola: a adequação e manutenção de distâncias como condição para o critério de êxito. Análise e situações da prática do jogo formal em 5 contra 5. A ocupação racional do espaço em ataque: desde a transição ao ataque organizado. A posição da bola, as posições dos jogadores e a relatividade das ocupações espaciais face à bola e aos atacantes sem bola. A posição básica ofensiva com e sem bola. Análise e situações da prática do jogo formal em 5 contra 5. A sistematização dos quandos da utilização das técnicas: o lançamento, o passe, o drible. O trabalho sem bola como uma dimensão decisiva da manutenção da dinâmica do jogo. As grandes perguntas dos atacantes quando em ataque: (1) o que fazer e não fazer após o passe?; (2) a definição de primeira e segunda linha de passe e os critérios técnicos de leitura para agir. Definição de critérios de leitura para a tomada de decisão do jogador com e sem bola. A noção de aclaramento e da sua provocação. A ultrapassagem do jogo anárquico e a definição das características do jogo de nível I. Objectivos terminais do jogo de nível I. O lançamento. Os diversos tipos de lançamento e as componentes de controlo fundamentais. A metodologia do ensino do lançamento. O drible. Os diversos tipos de drible e respectivas componentes de controlo. A metodologia do ensino do drible. O passe. Os diversos tipos de passe e respectivas componentes de controlo. A metodologia do ensino do passe. A passagem do nível I para o nível II. Definição do nível II e caracterização dos comportamentos que o definem: objectivos comportamentais de nível. Teste escrito. 5. Avaliação O processo de avaliação admite dois modelos: a avaliação contínua e a avaliação final. A Avaliação Contínua implica a presença do aluno no mínimo a 2/3 das aulas. De acordo com o total de aulas previstas trata-se da presença mínima em 8 unidades curriculares. Desde que a participaçao do aluno esteja limitada (independentemente das razões apresentadas) e não permita a sua presença efectiva nos respectivos 2/3 de aulas, o aluno fica de imediato ao abrigo do regime de avaliação final. O modelo de avaliação contínua apresenta duas componentes: a prática e a teórica.

3 A componente prática concorre com uma ponderação de 50% para a nota final obtida no bloco; a componente teórica constitui 50% da mesma classificação. No percurso da aprendizagem a que cada aluno estará sujeito, a componente prática será sujeita a um processo de avaliação continuada que decorre de três vertentes: (1) do nível de desempenho motor apresentado para a resolução dos problemas postos pelo jogo, (2) do empenhamento colocado nas tarefas propostas e (3) na participação e assiduidade reveladas nas auas e actividades. Os intervalos de nível de domínio das competências do jogo e a respectiva cassificação asociada encontra-se apresentado no quadro abaixo. NÍVEIS ATAQUE DEFESA 1 (10-12) 2 (13-14) 3 (14-15) 4 (16-17) Recebe a bola, orienta a sua posição corporal face ao cesto Posição básica ofensiva Após entrar em posse de bola assume claramente a atitude de leitura da situação (ver para escolher e decidir) Desloca-se no campo de forma a não perder a visão da bola Distingue as situações que requerem a utilização do passe e do drible, cumprindo os respectivos objectivos ofensivos (fazendo avançar a bola) e ainda do lançamento (quanto está só e tem o cesto ao alcance) Distingue as situações que requerem a utilização dos diferentes tipos de passe (passe de peito, passe de ombro, passe picado) Ocupa racionalmente o espaço, tendo em atenção as distâncias relativas para a bola e para os companheiros Reconhece que a exploração da ofensividade difere consoante a distância da bola em relação ao cesto (maior distância-acções ofensivas mais rápidas, menor distância-acções ofensivas mais elaboradas) Reconhece as situações de lançamento e distingue a possibilidade de utilizar aos apoios para finalizar ou a paragem para subir Associa o acto de lançamento com a necessidade de apoiar o que dele resulta ida ao ressalto ofensivo Usa o drible com ofensividade aquando da transição defesa-ataque quando tem bola, quando não a possui distingue se tem condições para ir á frente da linha da bola ou não No ataque de posição joga sem bola utilizando acções de afastamento e aproximação do cesto/bola (mantendo as distâncias relativas da bola) Associa a recepção à noção de tripla ameaça Interpreta o 1c1 com intencionalidade e ofensividade. Liga o drible à penetração, ao domínio dos apoios e ao lançamento ou ao passe) Associa o acto de lançamento não apenas ao acto de lançamento como também ao de balanço defensivo Escolhe as linhas de passe mais ofensivas, percebendo que as linhas de passe interior constituem um privilégio que o ataque não deve deixar de assistir Interpreta a ocupação espacial em ataque com um dispositivo organizado, mantendo a integridade das movimentações globais (o corte, a reposição, o aclaramento são noções perfeitamente integradas) Distingue a exploração da ofensividade em função da recuperação da posse de bola associando os três momentos da fase de ataque: contra-ataque, ataque rápido e de posição Liga a recuperação da posse de boa no ressalto defensivo com a saída rápida da área descongestionada e reconhece a importância do primeiro passe desencadeamento do contraataque Revela uma intencionalidade objectiva nas acções com bola, estudando as possíveis soluções que a posse de bola possa ter (usa como recurso os tipos de arranque, as diferentes formas Associa o momento da perda da posse de bola com o inicio da fase de defesa, dispondo-se para ir de encontro aos adversários atacantes Distingue os comportamentos exigíveis para a permanência numa defesa em campo todo logo após a perda da posse de bola, e a recuperação defensiva para posterior organização de uma defesa individual em meio campo Defende o jogador com bola em todas as suas acções salvaguardando os dois aspectos mais críticos: manutenção do enquadramento defensivo e mantendo a distância necessária para não ser ultrapassado Assume interesse pela recuperação da posse de bola nas situações em que esta se disputa: ressalto, bola perdida, bola ao ar Defende o jogador com bola fazendo uma gestão equilibrada do espaço a oferecer ao atacante em função do seu nível de domínio do jogo: mais espaço para o deixar ler o jogo, mais pressão quando o nível de prática do jogo é uniforme entre ambos Acompanha na maioria das situações o atacante sem bola em todas as suas acções ofensivas, mantendo sempre a ideia de que a sua posição deve ter a preocupação de se situar entre as três referências: bola, cesto atacante Tenta sobremarcar uma linha de primeiro passe, fechando claramente a linha de passe, denotando-se claramente a sua distinção face à defesa de uma segunda linha de passe Controla o jogador com bola em todo o campo e em meio campo, distinguindo a necessidade de obrigar o atacante a encontrar zonas menos ofensivas, gerindo a sua posição defensiva básica em termos de distância da bola e pressão sobre a mesma Distingue a necessidade de ajudar o atacante que faz um passe penetrante e sobremarcar a linha de primeiro passe após um passe de segurança de um jogador que antes tinha a posse de bola Manifesta uma atitude defensiva sempre pronta a intervir sobre a bola sempre que esta coloque em causa a capacidade colectiva da defesa ajuda defensivamente uma penetração ou um passe interior Distingue defensivamente o lado da bola do lado contrário à bola no lado da bola sobremarca, no lado da bola ajuda defensivamente Bloqueia objectivamente o seu atacante directo (no lado da bola) na tentativa de disputar intencionalmente o ressalto defensivo com vantagem Transita com facilidade de diferentes solicitações defensivas que o jogo coloca sem nunca perder a capacidade para pressionar a bola quando se pretende, defender o corte quando necessário, ajudar e ressaltar, mantendo uma posição defensiva básica genericamente presente Distingue a defesa de uma linha de primeiro passe, segundo passe seja no lado da bola ou no lado contrário da mesma Define com total clareza as posições de ajuda em todas as linhas de passe situadas no lado contrário da bola

4 5 (18-20) de finta para desequilibrar o defensor seja para passar, arrancar ou lançar) Dá resposta cada vez mais oportuna e ajustada ás três situações de aclaramento (ao passe, aos drible e à sobremarcação) Distingue claramente as suas responsabilidades e a dos companheiros face ao lançamento. A ida ao ressalto ou o balanço defensivo Domina os fundamentos ofensivos com um grau de eficácia elevados seja em termos de domínio motor seja de acordo com o ajustamento da decisão face ao requisito do jogo Encontra soluções técnico-tácticas originais para a resolução dos problemas que o jogo lhe coloca (seja nas fases de transposição ou ataque de posição) Manifesta a possibilidade para no lado contrário da bola, face à necessidade de disputar o ressalto defensivo, dirigir-se para o seu atacante e bloquear defensivamente (em ajuda e face ao lançamento controla o atacante e só depois parte para o ressalto) Liga qualquer que seja a acção de natureza defensiva com a possibilidade de à recuperação da posse de bola transformá-la numa situação de vantagem numérica Domina com um elevado nível de eficácia as diferentes situações da defesa: com bola, sem bola nas diferentes situações, a defesa dos cortes e a procura de ganhar vantagem nas bolas divididas Encontra novas soluções defensivas para a resolução dos problemas que o ataque vai colocando A componente teórica consiste no desempenho obtido através da realização de um teste escrito que contempla toda a matéria desenvolvida nas aulas práticas e que é realizado no último dia de aulas do bloco. Deste modo o modelo de avaliação contínua é dado pela expressão: Licenciatura em Ciências do Desporto Clasificação Final do Bloco = 50% Componente Prática + 50% Componente Teórica Licenciatura em Gestão do Desporto Clasificação Final do Bloco = 40% Componente Prática + 60% Componente Teórica A Avaliação Final consiste na realização de um exame escrito e um exame oral-prático. No exame oralprático admite-se que se possa tratar de uma prova ndividual apesar do Basquetebol se tratar de um jogo de equipa. Nos casos em que o número de alunos propostos neste modelo de avaliação não permita a realização de situações de jogo formal, admite-se a oral e a forma reduzida de jogo como duas formas de avaliação que e designa por oral-prática. 6. Bibliografia Fundamental Adelino, J. (1994). As coisas simples do basquetebol (2º ed.). Lisboa. Associação Nacional de Treinadores de Basquetebol. Barreto, H; Gomes, M. (1989). Concretização de uma unidade didáctica em basquetebol. IDAF, Colecção Fundamentos/1. Barreto, H. (2000). Basquetebol, Orientações para a aprendizagem. Manual do bloco de basquetebol. Graça, A.; Oliveira, J. (1994). O ensino dos jogos desportivos. Centro de Estudos dos Jogos Desportivos. Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física. Universidade do Porto. Complementar Adelino, J.; Vieira, J.; Coelho, O. (1999). Treino dos jovens. O que todos precisam de saber. Lisboa, Centro de Estudos de Formação Desportiva, Instituto do Desporto Português. Barreto, H. (1984). Técnica individual ofensiva. Horizonte, Revista de Educação Física e Desporto, 1 (4), p Barreto, H. (1986). Técnica individual e transição. O Treinador, 15, p Barreto, H. (1988). Abordagem ao ensino ao ressalto. Horizonte, Revista de Educação Física e Desporto, 5 (25), p Bayer, C. (1994). O ensino dos desportos colectivos. Éditions Vigot, Paris. Beja, E. (1984). Transposição da defesa, um caminho a percorrer. Horizonte, Revista de Educação Física e Desporto, 1 (1), dossier.

5 Coelho, O. (1992). Lançamento na passada: aprender a técnica ou desenvolver capacidades? Horizonte, Revista de Educação Física e Desporto, 8 (46), p Coelho, O. (1998). Os jogos desportivos colectivos na educação física curricular: algumas sugestões de organização das situações de jogo. Horizonte, Revista de Educação Física e Desporto, 1 (4), p Franco, O. (1984). O papel das regras na abordagem do basquetebol. O Treinador, 11, p Garganta, J. (2000). Horizontes e órbitas no treino dos jogos desportivos. centro de estudos dos jogos desportivos. Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física. Universidade do Porto.

Basquetebol A transição defesa-ataque nos escalões de sub-14 e sub-16: como fazer e como construir

Basquetebol A transição defesa-ataque nos escalões de sub-14 e sub-16: como fazer e como construir Basquetebol A transição defesa-ataque nos escalões de sub-14 e sub-16: como fazer e como construir Helder Silva Considerações gerais Índice Proposta de ensino do tema Transição Defesa Ataque O que é?,

Leia mais

«Coaching ABM» Gabinete Técnico 05/06 Cadetes

«Coaching ABM» Gabinete Técnico 05/06 Cadetes Gabinete Técnico 0/06 Cadetes Gabinete Técnico 0/06 Cadetes Gabinete Técnico 0/06 Cadetes «Coaching ABM» GABINETE TÉCNICO DA ABM João Paulo Silva (Juca) Carlos Sousa - Quando se viaja em direcção a um

Leia mais

«Coaching ABM» Gabinete Técnico 05/06 Iniciados

«Coaching ABM» Gabinete Técnico 05/06 Iniciados Gabinete Técnico 0/06 Iniciados Gabinete Técnico 0/06 Iniciados Gabinete Técnico 0/06 Iniciados «Coaching ABM» GABINETE TÉCNICO DA ABM João Paulo Silva (Juca) Carlos Sousa "O valor das coisas não está

Leia mais

Nome: Turma : N.º. Grupo 1 (24 %) Basquetebol (Cada questão 3%)

Nome: Turma : N.º. Grupo 1 (24 %) Basquetebol (Cada questão 3%) Teste Escrito 1 Educação Física 3º CEB 1.º Período 2011/2012 Nome: Turma : N.º O Professor Encarregado de Educação Avaliação Lê atentamente as afirmações e as opções de resposta. De seguida, assinala na

Leia mais

Princípios de Jogo Formação - Infantis 2013-2014

Princípios de Jogo Formação - Infantis 2013-2014 O futebol é um jogo de oposição entre os jogadores de duas equipas e, simultaneamente, um jogo de cooperação entre os elementos da mesma equipa que procuram, a todo o momento, a adopção de comportamentos

Leia mais

O Rugby na Escola. Acção de Formação Maia Saudável Junho 2009. Francisco Carvalho - "Maia Saudável" - 2009

O Rugby na Escola. Acção de Formação Maia Saudável Junho 2009. Francisco Carvalho - Maia Saudável - 2009 O Rugby na Escola Acção de Formação Maia Saudável Junho 2009 História do Jogo O rugby teve origem em Inglaterra quando um estudante, Web Wellis do Colégio de Rugby, durante um jogo de futebol, segurou

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 10ª Classe

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 10ª Classe PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 10ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Formação Geral Ficha Técnica Título Programa de Educação Física - 10ª Classe Formação de Professores do 1º

Leia mais

AEC Atividade Física e Desportiva. Orientações pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC Atividade Física e Desportiva. Orientações pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC Atividade Física e Desportiva Orientações pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico A proposta de trabalho que se segue resulta de uma adaptação

Leia mais

Projecto de criação. Escola de Futebol do. Clube Académico de Futebol Viseu

Projecto de criação. Escola de Futebol do. Clube Académico de Futebol Viseu Projecto de criação Escola de Futebol do Clube Académico de Futebol Viseu Setembro de 2002 Índice Metas propostas do projecto... 3 Recursos humanos... 3 Recursos materiais... 4 Instalações... 4 Material

Leia mais

IMPACTOS Agudos / de Momento e Crónicos / Constantes.

IMPACTOS Agudos / de Momento e Crónicos / Constantes. Wash Scoring (Limpar a Pontuação) por Tom Tait (treinador de Voleibol dos EUA Penn State University e ex-adjunto das Selecções Sénior Masculinas; USA All-Time Great Coach Award) UM POUCO DE HISTÓRIA Em

Leia mais

Gestos Técnicos e Exercícios. de Mini-Volei

Gestos Técnicos e Exercícios. de Mini-Volei Gestos Técnicos e Exercícios de Mini-Volei Extraído de: La grammatica del gioco della pallavolo M. Gori S.S.S. & Il manuale della pallavolo G. Volpicella Idea Libri (Tradução: Miguel Margalho) Exercícios

Leia mais

CONSELHO DE ARBITRAGEM

CONSELHO DE ARBITRAGEM CONSELHO DE ARBITRAGEM Avaliação Época 2014/2015 Setúbal, 20 de Setembro de 2014 Observadores Distritais TESTE ESCRITO (a) 1. Identifique o comportamento e sinalética que estão estabelecidos numa situação

Leia mais

Master Leon 2005. Pepu Hernadez (Ex- Estudiantes) Mário Pesquera (Seleccionador nacional) Ricard Casas (Pamesa Valência) Mais defesa.

Master Leon 2005. Pepu Hernadez (Ex- Estudiantes) Mário Pesquera (Seleccionador nacional) Ricard Casas (Pamesa Valência) Mais defesa. Pepu Hernadez (Ex- Estudiantes) Mário Pesquera (Seleccionador nacional) Ricard Casas (Pamesa Valência) Mais defesa. Mário Silva 1 Filosofia: No basquetebol moderno não faz sentido defender da mesma forma

Leia mais

Treino da Velocidade dos Jovens no Voleibol Exercícios para o Desenvolvimento do Tempo de Reacção Complexo e da Velocidade de Execução

Treino da Velocidade dos Jovens no Voleibol Exercícios para o Desenvolvimento do Tempo de Reacção Complexo e da Velocidade de Execução Treino da Velocidade dos Jovens no Voleibol Exercícios para o Desenvolvimento do Tempo de Reacção Complexo e da Velocidade de Execução (1) UTAD Portugal Francisco Gonçalves (1;2) ; Ágata Aranha (1;2) (2)

Leia mais

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo Corrida de Barreiras José Carvalho F P A Federação Portuguesa de Atletismo CORRIDAS DE BARREIRAS José Carvalho Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EDUCAÇÃO FÍSICA AVALIAÇÃO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO (TIPO 2)

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EDUCAÇÃO FÍSICA AVALIAÇÃO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO (TIPO 2) DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EDUCAÇÃO FÍSICA CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO (TIPO 2) ENQUADRAMENTO Os programas de Educação Física não se estruturam segundo o fraccionamento de domínios/áreas da personalidade,

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO 7º ANO METAS ATIVIDADES DESPORTIVAS O aluno cumpre o nível INTRODUÇÃO de cinco matérias diferentes distribuídas da seguinte

Leia mais

Estado: ESPIRITO SANTO RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTAO DO SUS

Estado: ESPIRITO SANTO RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTAO DO SUS PLANILHA DE PACTUAÇÃO DAS - TCG Data da Validação: 31/03/2010 Data da Homologação: 12/04/2010 Revisão Nº:001 Pedido de Revisão: 30/03/2010 Portaria: 2.846 Data da Publicação: 25/11/2008 Estado: ESPIRITO

Leia mais

Jogos Lúdicos como Aquecimento na Aula de Ed. Física

Jogos Lúdicos como Aquecimento na Aula de Ed. Física JOGOS LÚDICOS PARA AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 5.1. JOGOS LÚDICOS SEM BOLA GAVIÃO Andebol, Futebol, Corfebol, Rugby. Aquecimento Não Específico: Atletismo, Ginástica, Voleibol. Material: 4 Cones, para delinear

Leia mais

Conteúdo de prova 2ª etapa 6º ano Fundamental

Conteúdo de prova 2ª etapa 6º ano Fundamental Conteúdo de prova 2ª etapa 6º ano Fundamental Jogos Populares Os jogos populares buscam resgatar jogos culturais e tradicionais de várias regiões do mundo. Vários costumes e acontecimentos na antiguidade

Leia mais

PROJECTO NACIONAL DE FORMAÇÃO ORDENDADA

PROJECTO NACIONAL DE FORMAÇÃO ORDENDADA PROJECTO NACIONAL DE FORMAÇÃO ORDENDADA CONCEITO e OBJECTIVOS FORÇA 8 é a sigla do Projecto Nacional da Formação Ordenada. Tem com principal objectivo a formação específica dos jogadores, treinadores e

Leia mais

Codigo Especificacao Projetos Atividades Oper. Especiais Total

Codigo Especificacao Projetos Atividades Oper. Especiais Total Estado do Parana Programa de Trabalho Folha: 1 Orgao...: 02 GOVERNO MUNICIPAL Unidade Orcamentaria: 02.01 GABINETE DO PREFEITO 04.000.0000.0.000.000 Administracao 31.191,67 31.191,67 04.122.0000.0.000.000

Leia mais

A importância da Psicologia no Desporto

A importância da Psicologia no Desporto ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ESCOLAS DE FUTEBOL APEF A importância da Psicologia no Desporto Pedro Teques Departamento de Psicologia e Comunicação da APEF Direcção de Contacto: Pedro Teques, Departamento de

Leia mais

"Na perspectiva da melhoria da qualidade de vida, da saúde e do bem-estar:

Na perspectiva da melhoria da qualidade de vida, da saúde e do bem-estar: Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais Educação Física Introdução A Educação Física, enquanto área curricular, estabelece um quadro de relações com as que com ela partilham os contributos

Leia mais

Andebol 2. . Anna Volossovitch. O ensino do Jogo dos 11 aos 14 anos. Miguel Ribeiro. autores. Um corpo de Conhecimentos

Andebol 2. . Anna Volossovitch. O ensino do Jogo dos 11 aos 14 anos. Miguel Ribeiro. autores. Um corpo de Conhecimentos Andebol 2 O ensino do Jogo dos 11 aos 14 anos autores Miguel Ribeiro. Anna Volossovitch Um corpo de Conhecimentos UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA 3 FACULDADE DE MOTRICIDADE

Leia mais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais Escola E.B. 2/3 dos Olivais Esta planificação foi concebida como um instrumento necessário. Os objectivos da Educação Física no ensino básico bem como os princípios de organização das actividades nas aulas,

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA SÉRIE: 7º ANO PROFESSORA:

Leia mais

A Sessão de Treino. A Sessão de Treino. Curso de Treinadores de Nível 1. Cascais, 27 de Setembro

A Sessão de Treino. A Sessão de Treino. Curso de Treinadores de Nível 1. Cascais, 27 de Setembro A Sessão de Treino 2008 Temas a abordar A Sessão de Treino Preocupações do Treinador no treino Instrução Gestão Clima Disciplina Formas de organização da sessão de treino Para que servem Critérios de selecção

Leia mais

(s15h PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000065 - LETRAS Nivel: Superior

(s15h PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000065 - LETRAS Nivel: Superior (s15h PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000065 - LETRAS Nivel: Superior Area Profissional: 0004 - BIBLIOTECA Area de Atuacao: 0042 - ACERVO/BIBLIOTECA Analisar e processar

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. HISTÓRIA DA MODALIDADE 5 3. CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE 7

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. HISTÓRIA DA MODALIDADE 5 3. CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE 7 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. HISTÓRIA DA MODALIDADE 5 3. CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE 7 3.1. CAMPO DE JOGO 7 3.2. POSTES E CESTO 8 3.3. BOLA 8 3.4. JOGADORES 9 3.5. ÁRBITRO 9 3.6. CRONOMETRISTA 10 3.7. JUIZES

Leia mais

O esporte no PST: estímulo e prática prazerosa para um futuro

O esporte no PST: estímulo e prática prazerosa para um futuro O esporte no PST: estímulo e prática prazerosa para um futuro esportivo emancipado O Esporte como meio pedagógico... Por que? O Que? COMO? Ensinar Onde? Quando? Quem? Perguntas que definem o método: Incidental

Leia mais

Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II

Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II UNIDADES DE FORMAÇÃO HORAS 1. TAEKWONDO II 32 2. HISTÓRIA E FILOSOFIA DO TAEKWONDO 4 3. REGRAS DE ARBITRAGEM: COMBATES E POOMSAES 4 4. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno

Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno ETAPA IDADES ESCALÕES PROVAS INICIAÇÃO ATÉ 9 ANOS APRENDIZES TRIATLO 9 A 10 ANOS BENJAMINS TRIATLO APRENDIZAGEM 11 A 12 ANOS INFANTIS TRIATLO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SERTANEJA, PARANÁ

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SERTANEJA, PARANÁ CADERNO DE PROVA PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA N.º DE INSCRIÇÃO DO(A) CANDIDATO(A) Domingo, 18 de janeiro de 2015. 1 6 11 16 21 2 7 12 17 22 3 8 13 18 23 4 9 14 19 24 5 10 15 20 25 ANTES DE INICIAR A PROVA,

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 ENSINO BÁSICO 6º ANO DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO 28 MODALIDADE PROVA ESCRITA E PROVA PRÁTICA INTRODUÇÃO: O presente documento

Leia mais

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade?

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? Discente em formação do curso de Licenciatura Plena em Educação Física, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Campus Jequié.

Leia mais

PERFORMANCE DESPORTIVA

PERFORMANCE DESPORTIVA VOLUME 2, NÚMERO 6 OUTUBRO-DEZEMBRO DE 2010 PERFORMANCE DESPORTIVA BOLETIM TÉCNICO-CIENTÍFICO PUBLICAÇÃO TRIMESTRAL DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM DESPORTO, SAÚDE E DESENVOLVIMENTO HUMANO (ISSN 1647-3280)

Leia mais

Corrida com Barreiras

Corrida com Barreiras 1 Corrida com Barreiras Mário Paiva (*) e Sara Fernandes (**) Esta corrida de velocidade associa a aptidão de percorrer determinada distância o mais rápido possível à capacidade de transpor obstáculos

Leia mais

usar, sendo também bastante abrangente, pois pode ser usado para várias modalidades colectivas.

usar, sendo também bastante abrangente, pois pode ser usado para várias modalidades colectivas. técnico FICHA DE OBSERVAÇÃO/AVALIAÇÃO MOTORA - FICHA PARA VERIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE JOGO DOS ALUNOS DO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO, NOS JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS AUTORES Francisco Gonçalves 1 Paulo

Leia mais

Escola Secundária Júlio Dinis- Ovar

Escola Secundária Júlio Dinis- Ovar Escola Secundária Júlio Dinis- Ovar Sumário: 1. Aspectos genéricos do treino desportivo 1.1.Evolução do Processo de treino; 1.2.Objectivos do treino e a definição de alto rendimento; 1.3.Fundamentação

Leia mais

SECÇÃO I DIRIGENTE ASSOCIATIVO ESTUDANTIL

SECÇÃO I DIRIGENTE ASSOCIATIVO ESTUDANTIL SECÇÃO I DIRIGENTE ASSOCIATIVO ESTUDANTIL 1.º INTRODUÇÃO O Decreto-Lei nº 152/91, de 23 de Abril, consagra o estatuto do dirigente associativo estudantil. O Decreto-Lei nº 55/96, de 22 de Maio, altera

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA VALDOMIRO DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA VALDOMIRO DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA VALDOMIRO DE OLIVEIRA O PROCESSO ENSINO-TREINAMENTO DA TÉCNICA E DA TÁTICA NO BASQUETEBOL DO BRASIL: UM ESTUDO SOB A ÓTICA DE PROFESSORES

Leia mais

INTERAÇÕES NO VOLEIBOL SEGUNDO ALUNOS DO CTISM¹: DA EDUCAÇÃO FÍSICA AO TREINAMENTO

INTERAÇÕES NO VOLEIBOL SEGUNDO ALUNOS DO CTISM¹: DA EDUCAÇÃO FÍSICA AO TREINAMENTO 11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias INTERAÇÕES NO VOLEIBOL SEGUNDO ALUNOS DO CTISM¹: DA EDUCAÇÃO FÍSICA AO TREINAMENTO Raquel Valente de Oliveira Universidade Federal

Leia mais

Expectativas superadas no maior Festival de Rugby Juvenil de Portugal

Expectativas superadas no maior Festival de Rugby Juvenil de Portugal MEO PORTUGAL RUGBY YOUTH FESTIVAL 2013 Expectativas superadas no maior Festival de Rugby Juvenil de Portugal Sucesso entre Participantes e Espectadores 4 e 5 de Maio Estádio Universitário de Lisboa www.portugalrugbyfestival.com

Leia mais

TAG RUGBY NA ESCOLA DOSSIERDO PROFESSOR

TAG RUGBY NA ESCOLA DOSSIERDO PROFESSOR TAG RUGBY NA ESCOLA DOSSIERDO PROFESSOR APOIO PRODUÇÃO www.fpr.pt ÍNDICE > TAG RUGBY: O MODELO DE INICIAÇÃO NAS ESCOLAS PORTUGUESAS 02 > O QUE É O TAG RUGBY? 03 > KIT TAG RUGBY 04 > O CINTO TAG 04 > VALORES

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Gestão de Equipamentos PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Instalação e Manutenção de Equipamentos Escolas Proponentes / Autores ETAP

Leia mais

PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN

PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN GENERAL CARNEIRO 2010 OBJETIVOS GERAIS DA DISCÍPLINA Proporcionar ao aluno a cultura corporal

Leia mais

A evolução do conceito de liderança:

A evolução do conceito de liderança: A evolução do conceito de liderança: um bolo feito de camadas Departamento de Economia, Sociologia e Gestão Licenciatura em Gestão, 3º Ano, 2º semestre, 2011-2012 Liderança e Gestão de Equipas Docentes:

Leia mais

Rugby de contato, bom ou ruim?

Rugby de contato, bom ou ruim? Vejo muitos treinadores reclamar do quanto seus jogadores jogam rugby de contato antes do treino ou nas horas vagas. Talvez tenham medo de que os jogadores criem maus hábitos e não se dediquem aos fundamentos

Leia mais

MISSÃO PORTUGUESA AOS JOGOS PARALÍMPICOS LONDRES 2012 29 DE AGOSTO 9 DE SETEMBRO -REMO - - ANÁLISE DE RESULTADOS -

MISSÃO PORTUGUESA AOS JOGOS PARALÍMPICOS LONDRES 2012 29 DE AGOSTO 9 DE SETEMBRO -REMO - - ANÁLISE DE RESULTADOS - MISSÃO PORTUGUESA AOS JOGOS PARALÍMPICOS LONDRES 2012 29 DE AGOSTO 9 DE SETEMBRO -REMO - - ANÁLISE DE RESULTADOS - 1 Análise dos resultados. - Dia 31 Agosto 2012 1ª Eliminatória Tempo 2ª Eliminatória 1º

Leia mais

NORMAS ESPECÍFICAS. Taça Fundação INATEL

NORMAS ESPECÍFICAS. Taça Fundação INATEL NORMAS ESPECÍFICAS Taça Fundação INATEL FUTEBOL - ÉPOCA 2009-2010 Taça Fundação INATEL NORMAS ESPECÍFICAS As normas específicas são regras estabelecidas pela Direcção Desportiva, em complemento do Código

Leia mais

MANUAL DE PROCESSAMENTO DE INSCRIÇÕES DE AGENTES DESPORTIVOS Época 2013/2014

MANUAL DE PROCESSAMENTO DE INSCRIÇÕES DE AGENTES DESPORTIVOS Época 2013/2014 MANUAL DE PROCESSAMENTO DE INSCRIÇÕES DE AGENTES DESPORTIVOS Época 2013/2014 1. INSCRIÇÕES A EFECTUAR OBRIGATORIAMENTE NA FEDERAÇÃO - PO 01 - PO 02 - PO 03 Todos os agentes desportivos, Treinadores e Oficiais,

Leia mais

ORGAO : 25000 - MINISTERIO DA FAZENDA UNIDADE : 25208 - SUPERINTENDENCIA DE SEGUROS PRIVADOS PROGRAMA/ACAO/SUBTIT ULO/PRODUTO

ORGAO : 25000 - MINISTERIO DA FAZENDA UNIDADE : 25208 - SUPERINTENDENCIA DE SEGUROS PRIVADOS PROGRAMA/ACAO/SUBTIT ULO/PRODUTO ORGAO : 250 - MINISTERIO DA FAZENDA UNIDADE : 25208 - SUPERINTENDENCIA DE SEGUROS PRIVADOS ANEXO I (SUPLEMENTACAO) PROGRAMATIC A PROGRAMA/ACAO/SUBTIT 0681 GESTAO DA PARTICIPACAO EM ORGANISMOS INTERNACIONAIS

Leia mais

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATUAÇÃO DO PROFESSOR no Nível de Habilidade no Nível de Desempenho DIVERSIDADE DE CONTEÚDO Inserção no Grupo na Auto-estima CONCEITOS E INFORMAÇÕES Comportamentos e Atitudes

Leia mais

REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9)

REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9) REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9) Introdução 1. Elementos intervenientes 1. 1. Um delegado 1. 2. Um árbitro 1. 3. Dois Jogadores (Conforme a competição), equipados de acordo com o estipulado pelo Bilhar Clube

Leia mais

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história de origem do futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história de origem do futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na FUTSAL O futebol de salão conhecido apenas como futsal é uma prática adaptada do futebol. Em uma quadra esportiva são formados times de cinco jogadores e assim como no futebol, o principal objetivo é colocar

Leia mais

MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I LANÇAMENTO DO PESO

MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I LANÇAMENTO DO PESO LANÇAMENTO DO PESO REGRAS DO LANÇAMENTO DO PESO Local da Competição A prova do lançamento do peso disputa-se num local específico da pista de atletismo, que deverá ter um círculo de lançamentos com 2,135

Leia mais

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 CURRICULUM VITAE Chefe do Departamento e Preparação Física do Minas Tênis Clube desde 1978 Preparador

Leia mais

Calendário de Educação Física

Calendário de Educação Física PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Calendário de Educação Física ANDRESON COSTA Graduado em Educação Física Especialista em Docência do Ensino Superior Doutorando em Ciências da Educação CREF5-6720-G/CE AULUS

Leia mais

ADAPTAÇÃO, RENDIMENTO E DESENVOLVIMENTO HUMANO GRUPO DE INVESTIGAÇÃO

ADAPTAÇÃO, RENDIMENTO E DESENVOLVIMENTO HUMANO GRUPO DE INVESTIGAÇÃO ADAPTAÇÃO, RENDIMENTO E GRUPO DE INVESTIGAÇÃO ?? Domínios de investigação 2 ADAPTAÇÃO HUMANA processos de avaliação cognitiva na adaptação a situações de stress? ADAPTAÇÃO HUMANA fatores psicológicos na

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global

Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global Marcio Faria CORREA Quando falamos em velocidade, uma capacidade neuro-motora tão importante para a maioria dos esportes,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Critéris de Avaliaçã Direçã Reginal de Educaçã d Nrte Agrupament de Esclas AMADEO DE SOUZA-CARDOSO Telões - Amarante EDUCAÇÃO MUSICAL 2ºCICLO An Letiv 2014/2015 Dmíni Cgnitiv

Leia mais

para a organização do jogo

para a organização do jogo Futebol: Referências para a organização do jogo 1 João do Nascimento Quina Futebol: Referências para a organização do jogo 59 João do Nascimento Quina Futebol: Referências para a organização do jogo SÉRIE

Leia mais

Programa Enquadrador CARIT Comité dos Altos Responsáveis das Inspecções do Trabalho da União Europeia

Programa Enquadrador CARIT Comité dos Altos Responsáveis das Inspecções do Trabalho da União Europeia Programa Enquadrador CARIT Comité dos Altos Responsáveis das Inspecções do Trabalho da União Europeia Campanha Europeia de Informação e Inspecção sobre a Avaliação de Riscos na utilização de Substâncias

Leia mais

VI CAMPEONATO NACIONAL DE FUTSAL

VI CAMPEONATO NACIONAL DE FUTSAL VI CAMPEONATO NACIONAL DE FUTSAL NORMAS DE INSCRIÇÕES E OUTRAS 1. Inscrições, entrega de documentação e caução Para inscrição da Equipa, será necessário preencher o template definido para o efeito e publicado

Leia mais

Guias de treinamento Basquetebol

Guias de treinamento Basquetebol Guias de treinamento Basquetebol Reconhecimentos A Special Olympics deseja agradecer os profissionais, voluntários, técnicos e atletas que ajudaram na produção do Guia de Treinamento de Basquetebol Eles

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE NO FUTEBOL BRASILEIRO

ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE NO FUTEBOL BRASILEIRO 2 ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE NO FUTEBOL BRASILEIRO Ricardo Souza de Brito Resumo: O presente trabalho pretende contribuir com profissionais que atuam na área da iniciação do futebol. Uma questão bastante discutida

Leia mais

ACÇÃO INTERMÉDIA DE AVALIAÇÃO E REFLEXÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS

ACÇÃO INTERMÉDIA DE AVALIAÇÃO E REFLEXÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL CONSELHO DE ARBITRAGEM ACÇÃO INTERMÉDIA DE AVALIAÇÃO E REFLEXÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 Leiria, 20 de Janeiro de 2007 ÉPOCA 2006/2007 TESTE ESCRITO

Leia mais

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA O DESPORTIVISMO NO JOGO É SEMPRE VENCEDOR (Fair play - The winning way) INTRODUÇÃO... 2 AS INTENÇÕES DO CÓDIGO... 2 DEFINIÇÃO DE FAIR PLAY... 2 RESPONSABILIDADE PELO FAIR PLAY...

Leia mais

IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA, S. A. Av. de António José de Almeida 1000-042 Lisboa

IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA, S. A. Av. de António José de Almeida 1000-042 Lisboa tudo se treina 2014 IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA, S. A. Av. de António José de Almeida 1000-042 Lisboa www.incm.pt www.facebook.com/incm.livros editorial.apoiocliente@incm.pt Reservados todos os direitos

Leia mais

Curso de Educação e Formação

Curso de Educação e Formação Curso de Educação e Formação Curso de Tipo 3 - - Ano letivo 2014/2015 1. Introdução A disciplina de desempenha hoje um papel fundamental no desenvolvimento da criança e do jovem, já que se mantém no currículo

Leia mais

Plano de Marketing de IV (Ivo Vieira) como independente para presidente da Junta de freguesia da Lapa

Plano de Marketing de IV (Ivo Vieira) como independente para presidente da Junta de freguesia da Lapa Escola Superior de Gestão de Santarém Marketing I Plano de Marketing de IV (Ivo Vieira) como independente para presidente da Junta de freguesia da Lapa Docente: Dr. Vitor Antunes Discente: Ivo Vieira nº

Leia mais

A Prevalência de Lesões no Voleibol

A Prevalência de Lesões no Voleibol 4º Ano de Licenciatura em Fisioterapia Seminário de Monografia I e II 2011/2012 A Prevalência de Lesões no Voleibol Volume II Projecto de Investigação Discente: Raquel de Abreu Freire Maia e Moura, nº

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000026 - COMUNICACAO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000026 - COMUNICACAO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000026 - COMUNICACAO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E SERVIÇOS MÉDICOS CONVENCIONADOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE ATLETAS E AGENTES DESPORTIVOS APÓLICE Nº 0001960563

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E SERVIÇOS MÉDICOS CONVENCIONADOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE ATLETAS E AGENTES DESPORTIVOS APÓLICE Nº 0001960563 MANUAL DE PROCEDIMENTOS E SERVIÇOS MÉDICOS CONVENCIONADOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE ATLETAS E AGENTES DESPORTIVOS APÓLICE Nº 0001960563 1 DEFINIÇÃO De acordo com as Condições Gerais da Apólice de

Leia mais

Hospital de Faro E.P.E optimiza recursos humanos e financeiros com solução Microsoft BI

Hospital de Faro E.P.E optimiza recursos humanos e financeiros com solução Microsoft BI Caso de sucesso Microsoft Hospital de Faro E.P.E optimiza recursos humanos e financeiros com solução Microsoft BI Sumário País: Portugal Sector: Saúde Perfil do Cliente Hospital de Faro EPE é o hospital

Leia mais

Mapa do Mercado de Trabalho no Brasil

Mapa do Mercado de Trabalho no Brasil Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestăo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Departamento de Emprego e Rendimento Estudos e Pesquisas Informaçăo Demográfica

Leia mais

SEQÜÊNCIA PEDAGÓGICA DO ESPORTE ORIENTAÇÃO (Direção e distância)

SEQÜÊNCIA PEDAGÓGICA DO ESPORTE ORIENTAÇÃO (Direção e distância) SEQÜÊNCIA PEDAGÓGICA DO ESPORTE ORIENTAÇÃO (Direção e distância) JOSÉ OTAVIO FRANCO DORNELLES Bacharel em EF CREF2/RS 3700 jodornelles@uol.com.br 1. A APRENDIZAGEM A aprendizagem é o centro de toda a educação.

Leia mais

Feminino 2ª Divisão 2010_11. FASE FINAL APURADOS (1º ao 6º LUGAR) REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO

Feminino 2ª Divisão 2010_11. FASE FINAL APURADOS (1º ao 6º LUGAR) REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO Campeonato Nacional Feminino 2ª Divisão 2010_11 FASE FINAL APURADOS (1º ao 6º LUGAR) REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO A. Clubes Apurados B. Modelo Competitivo C. Marcação de Jogos D. Arbitragem E. Inscrição das

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CANOAGEM Manual de Defesa e Ataque de Kayak-Polo

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CANOAGEM Manual de Defesa e Ataque de Kayak-Polo Indice DEFESA... 4 Defesa à Zona... 4 Defesa 2-2-1... 5 Defesa 2-2-1 com dois caçadores/perseguidores... 6 Defesa 1-3-1... 6 Movimentos Típicos... 7 Pontos Essenciais da Defesa à zona... 9 1 Manter a posição...

Leia mais

REGULAMENTO FUTEBOL SOCIETY

REGULAMENTO FUTEBOL SOCIETY XIII JOGOS AFFEMG Associação dos Funcionários Fiscais de Minas Gerais 1- DO LOCAL REGULAMENTO FUTEBOL SOCIETY 1.1 - Os jogos acontecerão em campos de futebol society de grama sintética ou natural, aprovados

Leia mais

PERFIL DE BRUNO DE CARVALHO

PERFIL DE BRUNO DE CARVALHO PERFIL DE BRUNO DE CARVALHO Bruno Miguel Azevedo Gaspar de Carvalho, 41 anos de idade e conhecido publicamente como Bruno de Carvalho é um empreendedor, empresário e gestor de empresas. Actualmente entre

Leia mais

DA COMPOSIÇÃO E FUNCIONAMENTO

DA COMPOSIÇÃO E FUNCIONAMENTO DA COMPOSIÇÃO E FUNCIONAMENTO Artº. 1º - O Conselho Jurisdicional é composto por três membros, a maioria dos quais licenciados em Direito, eleitos de conformidade com o estabelecido no Estatuto e Regulamento

Leia mais

COMISSÃO TÉCNICA PARA AS SELECÇÕES

COMISSÃO TÉCNICA PARA AS SELECÇÕES COMISSÃO TÉCNICA PARA AS SELECÇÕES Regulamento Depois de um ano de experiência com este modelo de selecção e preparação dos atletas para as competições internacionais, o balanço é muito positivo e encorajador

Leia mais

O novo Código dos Contratos Públicos Expectativas de Impacto económico

O novo Código dos Contratos Públicos Expectativas de Impacto económico I Fórum Nacional de Farmácia Hospitalar 29 de Novembro de 2008 O novo Código dos Contratos Públicos Expectativas de Impacto económico Sara Fernandes Advogada Consutora Jurídica Alinhamento de reflexão

Leia mais

Curso de Treinadores de Nível 1

Curso de Treinadores de Nível 1 Gestão da equipa em Competição 2008 Temas a abordar Gestão da equipa em Competição Preocupações do Treinador, na semana da Competição Aspectos relacionados com Logística Aspectos relacionados com os Treinos

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL.

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), 2013. 24 DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Murilo José de Oliveira Bueno¹ e Felipe Arruda Moura

Leia mais

TSAL (Registro de histórico de treinamento e limitações de atividades esportivas)

TSAL (Registro de histórico de treinamento e limitações de atividades esportivas) ABDEM Associação Brasileira de Desportos para o Deficiente Intelectual INAS-FID TSAL (Registro de histórico de treinamento e limitações de atividades esportivas) Conteúdo: Introdução TSAL FEVEREIRO DE

Leia mais

Matemática B Programa do 11 ō Ano Texto para Discussão

Matemática B Programa do 11 ō Ano Texto para Discussão Matemática B Programa do 11 ō Ano Texto para Discussão Novembro de 2000 1 Notas Introdutórias 1.1 No 10 ō ano, os estudantes dos Cursos Tecnológicos recuperaram e aprofundaram, para um nível secundário,

Leia mais

Plano de Atividades Provisório Lista U 2014/15. Junho. Setembro

Plano de Atividades Provisório Lista U 2014/15. Junho. Setembro Plano de Atividades Provisório Lista U 2014/15 Junho Mundial: Transmissão dos jogos da Seleção de Futebol Portuguesa no Mundial no Bar da Associação de Estudantes. Setembro Welcome Day: Evento de recepção

Leia mais

LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. MSc. Paulo José dos Santos de Morais

LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. MSc. Paulo José dos Santos de Morais LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA MSc. Paulo José dos Santos de Morais LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. Lazer Grande variedade de ações e atuações humanas nos mais diversificados

Leia mais

Acção de Formação Contabilidade Geral - Primavera v8

Acção de Formação Contabilidade Geral - Primavera v8 Acção de Formação Contabilidade Geral - Primavera v8 MoreData, Sistemas de Informação Campo Grande 28, 10º E 1700-093 Lisboa 213520171 info@moredata.pt Índice de Conteúdos Introdução...3 Sobre o Curso...4

Leia mais

TECNICO EM SEGURANCA DO TRABALHO. "(s15h " " PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO"

TECNICO EM SEGURANCA DO TRABALHO. (s15h   PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO (s15h PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 500560 - TECNICO EM SEGURANCA DO TRABALHO Nivel: Tecnico Area Profissional: 0044 - CONSTRUCAO CIVIL-TEC Area de Atuacao: 0395 - SEG.TRABALHO/CONSTR.CIVIL-TEC

Leia mais

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Homologado pelo

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Homologado pelo Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Homologado pelo Apresentação O Coaching Desportivo perfila-se, cada vez mais, como uma actividade complementar ao desenvolvimento de competências pessoais

Leia mais

Aqui você também vai encontrar o botão ""Autocompletar"", que ajuda na criação do alinhamento, caso você não consiga se decidir.

Aqui você também vai encontrar o botão Autocompletar, que ajuda na criação do alinhamento, caso você não consiga se decidir. 1. ATIVAR CARTA Nesta seção, localizada dentro do ""shopping center"", você precisa inserir o código que aparece no verso da sua carta real para adicioná-la à sua coleção virtual. Às vezes, você pode se

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

Cristiano Ronaldo O futebolista mais valioso do mundo. Janeiro 2014

Cristiano Ronaldo O futebolista mais valioso do mundo. Janeiro 2014 Cristiano Ronaldo O futebolista mais valioso do mundo Janeiro 2014 Índice Contexto 02 Objectivos 03 Metodologia 04 Imagem 05 Sports Reputation Index by IPAM 07 Determinação do valor potencial 12 Prevendo

Leia mais