ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE CASTELO BRANCO REGULAMENTO DAS SELECÇÕES DISTRITAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE CASTELO BRANCO REGULAMENTO DAS SELECÇÕES DISTRITAIS"

Transcrição

1 ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE CASTELO BRANCO REGULAMENTO DAS SELECÇÕES DISTRITAIS

2 ÍNDICE Capítulo I página 3 Participação na Selecção Distrital Artigo 1º - Principio geral Artigo 2º - Participação na Selecção Distrital Artigo 3º - Deveres especiais Artigo 4º Dever de colaboração dos clubes Capítulo II página 4 Competições, Treinos e Estágios das Selecções Artigo 1º - Definição das Competições Artigo 2º - Responsabilidade Financeira Artigo 3º - Convocação para as Selecções Distritais Capítulo III... página 5 Faltas aos trabalhos das Selecções Distritais Artigo 1º - Conceito de falta Artigo 2º - Faltas justificadas Artigo 3º - Faltas por doença ou lesão Capítulo V página 7 Regime Disciplinar Artigo 1º - Normas sancionatórias 2

3 Capítulo I Participação na Selecção Distrital Artigo 1º - Principio geral Constitui um dever a participação na Selecção Distrital, para todos praticantes de Futebol e Futsal (Masculinos e Femininos) que sejam seleccionados pelo Gabinete Técnico da Associação de Futebol de Castelo Branco. Artigo 2º - Participação na Selecção Distrital 1. A participação na Selecção Distrital está reservada aos cidadãos nacionais, para que possam vir a singrar na Selecção Nacional. 2. Os jogadores naturalizados que cumpram os parâmetros exigidos pela Federação Portuguesa de Futebol, poderão ser convocados para os trabalhos das Selecções Distritais e Nacionais. Artigo 3º - Deveres especiais 1. Ao serem convocados para os trabalhos das Selecções Distritais e ao integrarem os trabalhos das mesmas, devem os atletas, designadamente: a) Ser conhecedores das regras e normas pelas quais se rege a modalidade, e acatar com respeito, obediência e total isenção as instruções tanto dos Dirigentes como Treinadores e restantes agentes incumbidos de preparar as Selecções Distritais dadas no âmbito dos estágios, treinos ou competições. b) Aperfeiçoar os seus conhecimentos técnicos, tácticos e físicos como também desenvolver o seu espírito para um bom desempenho no que se refere à ética desportiva, com finalidade de representar condignamente a Selecção Distrital. c) Comparecer nos locais para os quais for convocado dentro das horas que lhe forem fixadas e munidos de equipamento necessário para o treino ou Estágio. 3

4 Artigo 4º - Dever de colaboração dos clubes 1. No que se refere aos trabalhos das Selecções Distritais, constitui dever dos clubes colaborar com a Associação de Futebol de Castelo Branco, designadamente, prestando apoio administrativo procedendo às notificações dos atletas, cedência de instalações desportivas e transporte dos atletas para treinos ou estágios. Capítulo II Competições, Treinos e Estágios das Selecções Artigo 1º - Definição das Competições 1. É da competência da Federação Portuguesa de Futebol designar as provas em que participaram as Selecções Distritais, e sendo assim, cabe à Associação de Futebol de Castelo Branco, fixar os períodos de treino e de estágio necessários a uma boa preparação das Selecções. 2. Para os efeitos do número anterior, a Associação dispõe de total liberdade para proceder, sempre que seja estritamente necessário, à alteração do calendário de competição regional. Artigo 2º - Responsabilidade Financeira É da responsabilidade da Federação Portuguesa de Futebol e da Associação de Futebol os encargos financeiros decorrentes das deslocações e trabalhos inerentes a preparação dos praticantes integrados nos trabalhos das Selecções Distritais. Aos clubes que efectuam os transportes dos seus atletas aos treinos ou estágios das Selecções Distritais é atribuído um apoio de 0,20 por quilómetro efectuado. Artigo 3º - Convocação para as Selecções Distritais 1. A convocação dos jogadores para a participação em qualquer actividade incluídas no âmbito das Selecções Distritais, será efectuada com antecedência mínima de 5 dias de calendário em relação ao primeiro dia da acção que se irá realizar e poderá ser feita das seguintes formas: 4

5 a) Por oficio expedido pelo correio, directamente para o clube do atleta. b) Por contacto pessoal com o notificando, sendo necessário posteriormente um oficio expedido, para o clube do atleta. c) Por Fax, directamente para o clube do atleta. d) No dia seguinte ao treino ou estágio, as respectivas informações referentes ao trabalho das Selecções Distritais, serão colocadas no portal da Associação de Futebol de Castelo Branco. 2. Nos casos previstos nas alíneas anteriores, a convocação será sempre efectuada para as sedes dos respectivos clubes, recaindo sobre estes a obrigação de proceder à notificação dos respectivos atletas. 3. O incumprimento por parte do clube do disposto no ponto anterior do presente artigo será sancionado nos termos do regulamento disciplinar em vigor, Artº. 113 do Regulamento Disciplinar da Federação Portuguesa de Futebol que a seguir se transcreve: 1. O Jogador que, regularmente convocado, abandone ou não compareça injustificadamente a treino, jogo ou actividade das Selecções Nacionais ou relacionada com a representação desportiva da FPF ou de Portugal, é punido com suspensão por 1 a 3 meses. (.) 4. O disposto neste artigo é aplicável à falta de comparência ou abandono de actividade das Selecções Nacionais ou Distritais, competindo o exercício do poder disciplinar aos órgãos jurisdicionais respectivos. Capítulo III Faltas aos trabalhos das Selecções Distritais Artigo 1º - Conceito de falta Considera-se falta a ausência do praticante durante a totalidade ou parte do período diário de presença obrigatória nas actividades que decorram no âmbito das Selecções Distritais. 5

6 Artigo 2º - Faltas justificadas 1. Consideram-se justificadas, desde que observados os condicionantes regulamentares abaixo designados, as seguintes faltas: a) Motivadas devido a facto não imputadas ao atleta, nomeadamente, doença, acidente, caso de força maior, ou em cumprimento de obrigações legais. b) As faltas que forem prévia ou posteriormente autorizadas pela Associação de Futebol de Castelo Branco. 2. As faltas justificadas quando previstas, deverão ser obrigatoriamente comunicadas à Associação de Futebol de Castelo Branco logo que sejam conhecidas. 3. As faltas justificadas quando imprevistas serão obrigatoriamente comunicadas à Associação de Futebol logo que sejam conhecidas, sob pena de serem consideradas injustificadas. 4. Todas as faltas não consideradas no nº1 do presente artigo são consideradas injustificadas. Artigo 3º - Faltas por doença ou lesão 1. Quando a falta for justificada por doença, esta deve ser comprovada mediante a apresentação de atestado médico. 2. O atleta impedido de comparecer por motivo de doença, nas acções para as quais tenha sido convocado, deve por si ou por interposta pessoa, comunicar o facto à Associação de Futebol no próprio dia ou, excepcionalmente no dia seguinte. 3. Caso o atleta convocado se encontre lesionado deverá comparecer de todas as formas, a fim de ser observado e avaliado pelo departamento médico da Associação de Futebol de Castelo Branco. 6

7 Capítulo IV Regime Disciplinar Todas as faltas injustificadas serão motivo e sancionadas com processo disciplinar. Artigo 1º - Normas sancionatórias O incumprimento do disposto no presente regulamento será sancionado nos termos do Regulamento de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol. O atleta será suspenso em todas as respectivas provas da Associação de Futebol, na semana do incumprimento da falta injustificada, competindo o exercício do poder disciplinar ao órgão jurisdicional respectivo. 7

Associação de Futebol de Lisboa

Associação de Futebol de Lisboa Associação de Futebol de Lisboa Conselho de Arbitragem FUTSAL NORMAS REGULAMENTARES PARA CRONOMETRISTAS EDIÇÃO - 2010 INDICE 5 / 00. TEMAS NOMEAÇÃO PARA JOGOS 01 TESTES ESCRITOS 02 ASSIDUIDADE E COLABORAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTUDANTE ATLETA

REGULAMENTO DO ESTUDANTE ATLETA REGULAMENTO DO ESTUDANTE ATLETA Preâmbulo A atividade física e desportiva é, no quotidiano, um fator primordial na formação do ser humano enquanto indivíduo que busca a integração plena na sociedade contemporânea.

Leia mais

REGULAMENTO SELEÇÕES NACIONAIS

REGULAMENTO SELEÇÕES NACIONAIS REGULAMENTO SELEÇÕES NACIONAIS Federação Portuguesa de Judo Dezembro 2015 Página 1 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º - Âmbito de aplicação Artigo 2.º - Seleção Nacional Artigo 3.º - Nacionalidade

Leia mais

Regulamento Interno Competição

Regulamento Interno Competição Regulamento Interno Competição O presente regulamento destina-se a definir os direitos e deveres dos intervenientes nas atividades desportivas de competição. [1] Índice 1. DESPORTISTA:...3 1.1 DIREITOS:...3

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CAMPO DE FUTEBOL SINTÉTICO DO PARQUE URBANO 25 DE ABRIL DE 1974 DE CASAL DE CAMBRA

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CAMPO DE FUTEBOL SINTÉTICO DO PARQUE URBANO 25 DE ABRIL DE 1974 DE CASAL DE CAMBRA REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CAMPO DE FUTEBOL SINTÉTICO DO PARQUE URBANO 25 DE ABRIL DE 1974 DE CASAL DE CAMBRA Proposta Regulamento de Utilização do Campo de Futebol Nota Justificativa A Junta de Freguesia

Leia mais

Regulamento Prova FUTEBOL 7 Gabinete de Actividades Desportivas da Universidade do Porto

Regulamento Prova FUTEBOL 7 Gabinete de Actividades Desportivas da Universidade do Porto Regulamento Prova FUTEBOL 7 Gabinete de Actividades Desportivas da Universidade do Porto GADUP Rua da Boa Hora n.º 18-A 4050-099 Porto Telefone: 222 074 164 Fax: 222 003 067 E-mail: gadup@sas.up.pt Web:

Leia mais

Associação de Futebol de Lisboa INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA

Associação de Futebol de Lisboa INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA Associação de Futebol de Lisboa INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA ADAPTAÇÕES AO REGULAMENTO DISCIPLINAR DA F.P.F. (Aprovadas de acordo com o Artº. 184º. do R.D.) Artigo 10º (Homologação táctica de resultados)

Leia mais

Regulamentos de Provas Oficiais Futebol 11 Seniores Masculinos

Regulamentos de Provas Oficiais Futebol 11 Seniores Masculinos Regulamentos de Provas Oficiais Futebol 11 Seniores Masculinos Associação de Futebol de Aveiro I REGULAMENTO DE PROVAS OFICIAIS CAMPEONATOS DISTRITAIS DE FUTEBOL 11 SENIORES 1 CAMPEONATO DISTRITAL DA I

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO 2 ÍNDICE Preâmbulo Capítulo I Regime de alta-competição Artigo 1.º - Praticantes com estatuto de alta competição Artigo 2.º - Praticantes no

Leia mais

FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL

FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL REGULAMENTO DESPORTIVO CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA 2012 Art.º 1 OBJETO 1. O presente regulamento estabelece as regras e normas aplicáveis ao Andebol de Praia

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO DESPORTIVO MUNICIPAL DE VILA PRAIA DE ÂNCORA (PELOURO DO DESPORTO)

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO DESPORTIVO MUNICIPAL DE VILA PRAIA DE ÂNCORA (PELOURO DO DESPORTO) REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO DESPORTIVO MUNICIPAL DE VILA PRAIA DE ÂNCORA (PELOURO DO DESPORTO) 1993 1 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO A prática do desporto para todos é uma divisa de essência social

Leia mais

18º TORNEIO CONCELHIO DE FUTSAL SUB-13 GONDOMAR 2015

18º TORNEIO CONCELHIO DE FUTSAL SUB-13 GONDOMAR 2015 A Escola Desportiva e Cultural de Gondomar vai, uma vez mais e pelo 18º ano consecutivo, em colaboração com a Câmara Municipal de Gondomar, levar a efeito o 18º. Torneio Concelhio de Futsal Sub-13 (Jovens

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO SANÇÕES DESPORTIVAS APENSO AO REGULAMENTO DE PROVAS PÓLO AQUÁTICO

REGULAMENTO ESPECÍFICO SANÇÕES DESPORTIVAS APENSO AO REGULAMENTO DE PROVAS PÓLO AQUÁTICO REGULAMENTO ESPECÍFICO DE SANÇÕES DESPORTIVAS APENSO AO REGULAMENTO DE PROVAS DE PÓLO AQUÁTICO Aprovado em Assembleia Geral de 17Nov06 1 CAPITULO I Artigo 1º 1- O presente documento aplica-se a todas as

Leia mais

Associação de Basquetebol de Lisboa

Associação de Basquetebol de Lisboa Associação de Basquetebol de Lisboa ORGÃOS SOCIAIS GABINETE TÉCNICO DIRECÇÃO Sel.Distritais Comissão Formação CONSELHO DISCIPLINA Disciplina Reuniões Inquéritos ASSEMBLEIA GERAL Minibasquete Sorteios CONS.JURISDICIONAL

Leia mais

Regulamento Prova TÉNIS DE MESA

Regulamento Prova TÉNIS DE MESA Regulamento Prova TÉNIS DE MESA Gabinete de Actividades Desportivas da Universidade do Porto GADUP Rua da Boa Hora n.º 18-A 4050-099 Porto Telefone: 222 074 164 Fax: 222 003 067 E-mail: gadup@sas.up.pt

Leia mais

Alterações ao Estatuto do Aluno. Disciplina

Alterações ao Estatuto do Aluno. Disciplina Disciplina Artigos 23º e 24º (Tipos e finalidades): Medida correctiva integração) (pedagógica, preventiva, dissuasora e de Medida disciplinar sancionatória (pedagógica, preventiva, dissuasora, de integração

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Plano de Alto Rendimento e Seleções Nacionais III - Maratona I - Introdução Séniores/Sub 23/Juniores 2015 Este documento pretende enunciar os critérios de selecção da Equipa

Leia mais

REGULAMENTO DE ACORDOS DE PATROCÍNIO COM CLUBES SATÉLITES ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE VIANA DO CASTELO

REGULAMENTO DE ACORDOS DE PATROCÍNIO COM CLUBES SATÉLITES ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE VIANA DO CASTELO REGULAMENTO DE ACORDOS DE PATROCÍNIO COM CLUBES SATÉLITES ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE VIANA DO CASTELO APROVADO EM ASSEMBLEIA GERAL DE 31.01.2014 REGULAMENTO DE ACORDOS DE PATROCÍNIO COM CLUBES SATÉLITE I.

Leia mais

É a conquista de um novo adepto para a modalidade.

É a conquista de um novo adepto para a modalidade. ÉTICA DA ARBITRAGEM Ser árbitro Ser O árbitro É a conquista de um novo adepto para a modalidade. É uma É maneira técnico desportivo para participar na aplicação com e interpre- É contribuir para a dignificação

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO. Regulamento da Carreira de Juiz Árbitro de Tiro Desportivo. Capítulo I Disposições gerais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO. Regulamento da Carreira de Juiz Árbitro de Tiro Desportivo. Capítulo I Disposições gerais FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO Instituição de Utilidade Pública por Decreto de 14/10/1929 Instituição de Utilidade Pública Desportiva (D.R. 288 de 11/12/1993) Oficial da Ordem Militar de Cristo Medalha de

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DESPORTO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DESPORTO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DESPORTO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Setembro de 2009 INTRODUÇÃO O presente regulamento aplica-se a todos os elementos que integrem delegações da Federação Portuguesa de Desporto

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DAS ESCOLAS DE TIRO 13 DE ABRIL DE 2010 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DAS ESCOLAS DE TIRO As Escolas de Tiro Desportivo são um pilar essencial no desenvolvimento

Leia mais

GesLoures, E.M. Quadro Normativo (Anexo IV) Área Desportiva Época 2015/2016

GesLoures, E.M. Quadro Normativo (Anexo IV) Área Desportiva Época 2015/2016 GesLoures, E.M. Artigo 1º Regime Especial de Frequência 1. O acesso às classes de pré-treino e treino constitui um benefício acrescido proporcionado aos alunos das aulas de natação, que se traduz no aumento

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO SALÃO POLIVALENTE

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO SALÃO POLIVALENTE Junta de Freguesia da Brandoa REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO SALÃO POLIVALENTE Ao abrigo da competência regulamentar das Autarquias Locais consagrada no artigo 241.º da Constituição da República Portuguesa,

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Plano de Alto Rendimento e Seleções Nacionais MARATONA III Seniores/Sub23/Juniores 2017 I Introdução Este documento pretende enunciar os critérios de selecção da Equipa

Leia mais

REGULAMENTO ARBITRAGEM

REGULAMENTO ARBITRAGEM Associação de Futebol Popular Barcelos REGULAMENTO ARBITRAGEM REGULAMENTO DE ARBITRAGEM DA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL POPULAR DE BARCELOS Em vigor a partir da época 2016-2017 Equipa de Arbitragem 1- A nomeação

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

Regulamento de Utilização do Campo Municipal de Jogos de Sobral de Monte Agraço

Regulamento de Utilização do Campo Municipal de Jogos de Sobral de Monte Agraço Regulamento de Utilização do Campo Municipal de Jogos de Sobral de Monte Agraço Reunião de Câmara (aprovação do projeto) 20/04/2015 Edital (apreciação pública) 29/2015, de 05/05/2015 Publicado (projeto)

Leia mais

TAÇA DE PROMOÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA

TAÇA DE PROMOÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA ÉPOCA 2014-2015 TAÇA DE PROMOÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA REGULAMENTO Regulamento da Taça de Promoção da Associação de Futebol da Guarda Época 2014-2015 Artigo 1.º Objeto 1. O presente Regulamento

Leia mais

REGRAS GERAIS DE COMPORTAMENTO E ÉTICA

REGRAS GERAIS DE COMPORTAMENTO E ÉTICA REGRAS GERAIS DE COMPORTAMENTO E ÉTICA Artigo 1.º Relativo aos Pais dos Atletas de escalões Jovens (idades até aos 10 anos) 1.- Deve aceitar com agrado qualquer resultado da prova desportiva, procurando

Leia mais

Comunicado Oficial n.º 1 Época: 2011/2012

Comunicado Oficial n.º 1 Época: 2011/2012 Comunicado Oficial n.º 1 Época: 2011/2012 1. ABERTURA DE ÉPOCA 2011/2012 - TÍTULO 11 - ARTº 2º Para efeitos regulamentares considera-se "ÉPOCA DESPORTIVA OFICIAL" o período compreendido entre a data do

Leia mais

REGULAMENTO DE ANDEBOL DE PRAIA DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL E ASSOCIAÇÕES * CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA REGULAMENTO DA PROVA

REGULAMENTO DE ANDEBOL DE PRAIA DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL E ASSOCIAÇÕES * CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA REGULAMENTO DA PROVA REGULAMENTO DE ANDEBOL DE PRAIA DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL E ASSOCIAÇÕES * CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA REGULAMENTO DA PROVA Art.º 1 Objeto 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

MUNICÍPIO DO CADAVAL Serviço de Desporto

MUNICÍPIO DO CADAVAL Serviço de Desporto MUNICÍPIO DO CADAVAL Serviço de Desporto MUNICÍPIO DO CADAVAL Serviço de Desporto 5º CAMPEONATO CONCELHIO DE FUTSAL 2009/10 (Seniores Masculinos) Normas de Participação 1- PARTICIPAÇÃO 1.1- Todas Associações

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO REGULAMENTO DE ARBITRAGEM

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO REGULAMENTO DE ARBITRAGEM FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO REGULAMENTO DE ARBITRAGEM Aprovado em Reunião de Direcção de 10/02/2011 TÍTULO I DOS ÁRBITROS CAPÍTULO I Princípios gerais Art. 1º 1. Os árbitros têm como primeira missão disciplinar

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA COMISSÃO DE QUALIFICAÇÃO DE JOGOS ORGANIZADOS PELA AF AVEIRO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA COMISSÃO DE QUALIFICAÇÃO DE JOGOS ORGANIZADOS PELA AF AVEIRO Associação de Futebol de Aveiro F I L I A D A N A F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E F U T E B O L Instituição de Utilidade Pública, fundada em 22.09.1924, - Contr. N.º 501.090.533 COMUNICADO OFICIAL

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE BASQUETEBOL DO PORTO

ASSOCIAÇÃO DE BASQUETEBOL DO PORTO ASSOCIAÇÃO DE BASQUETEBOL DO PORTO NORMAS E INSTRUÇÕES 2012-2013 I - ÂMBITO E VALIDADE DESTE DOCUMENTO 1. - As normas e instruções contidas neste documento vigorarão para a época de 2012-2013 e só no âmbito

Leia mais

GRAU II ESTÁGIO

GRAU II ESTÁGIO GRAU II ESTÁGIO 2016-17 ESTÁGIO Início: 3 de Outubro Fim: Até 30 de Junho Uma época desportiva: 800 horas (Inclui todas as atividades de treinador, desde o planeamento, preparação, treinos, reuniões, estágios,

Leia mais

REGIME DE FALTAS. I Marcação de faltas

REGIME DE FALTAS. I Marcação de faltas REGIME DE FALTAS 1 I Marcação de faltas 1. É obrigatória a marcação de faltas sempre que o aluno não se encontrar presente. a) A obrigatoriedade da marcação de faltas aplica-se a todas as atividades curriculares

Leia mais

Município de Bombarral

Município de Bombarral Município de Bombarral II Jogos Desportivos do Concelho de Bombarral NORMAS ORIENTADORAS DO FUTSAL CAPÍTULO I ORGANIZAÇÃO TÉCNICA 01 - GENERALIDADES 1. A elaboração do calendário, organização e administração

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BILHAR REGULAMENTO DISCIPLINAR

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BILHAR REGULAMENTO DISCIPLINAR Artº. 1 - O Regime Disciplinar estabelecido no presente regulamento aplica-se a todos os Associados, Praticantes Técnicos, Dirigentes e outros agentes desportivos. Artº. 2 - As Associações, Clubes e Salões

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO O ABSENTISMO LABORAL. AEP Associação Empresarial de Portugal

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO O ABSENTISMO LABORAL. AEP Associação Empresarial de Portugal O ABSENTISMO LABORAL Matosinhos, 21 de Julho 2009 Princípios Gerais em Matéria de Segurança e Saúde no Trabalho: Art.º 281.º n.ºs 1 e 2 do CT O trabalhador tem direito a prestar trabalho em condições de

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO FUTEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO FUTEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO FUTEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE BASQUETEBOL DO PORTO

ASSOCIAÇÃO DE BASQUETEBOL DO PORTO ASSOCIAÇÃO DE BASQUETEBOL DO PORTO NORMAS E INSTRUÇÕES 2015-2016 ÍNDICE I Âmbito Página 3 II Aspetos administrativos Página 3 1 Participação nas provas Página 3 2 Filiação e inscrição de categorias Página

Leia mais

REGULAMENTO Campeonato Nacional de Futebol de Praia

REGULAMENTO Campeonato Nacional de Futebol de Praia REGULAMENTO Campeonato Nacional de Futebol de Praia 0 ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS.. 2 1º - Norma habilitante 2º - Objeto 3º - Disposições prévias 4º - Princípios gerais 5º - Regras e integração

Leia mais

ÉPOCA 2015/2016 REGULAMENTO DA PROVA. Artigo 1 Prémios. 2. Ao Campeão Nacional será atribuído uma Taça e vinte e cinco medalhas.

ÉPOCA 2015/2016 REGULAMENTO DA PROVA. Artigo 1 Prémios. 2. Ao Campeão Nacional será atribuído uma Taça e vinte e cinco medalhas. PO40 CAMPEONATO NACIONAL DE VETERANOS MASCULINOS (Regulamento aprovado em Reunião de Direção de 06-05-15) REGULAMENTO DA PROVA Artigo 1 Prémios 1. O vencedor é declarado CAMPEÃO NACIONAL 2. Ao Campeão

Leia mais

Disposições gerais. Artigo 1º (Objectivo)

Disposições gerais. Artigo 1º (Objectivo) REGULAMENTO DESPORTIVO DA ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA FACULDADE DE ARQUITECTURA DA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA PARA O ANO LECTIVO 2010/2011 CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º (Objectivo) A Associação

Leia mais

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias, devido à sua proximidade com a população, são os órgãos de poder que mais facilmente poderão desenvolver condições

Leia mais

Regulamento de Estágios Curso de Ciências da Comunicação Escola Superior de Educação da Universidade do Algarve. Art.º 1.º Âmbito

Regulamento de Estágios Curso de Ciências da Comunicação Escola Superior de Educação da Universidade do Algarve. Art.º 1.º Âmbito Regulamento de stágios Curso de Ciências da Comunicação scola Superior de ducação da Universidade do Algarve Art.º 1.º Âmbito O disposto no presente regulamento aplica-se à realização dos estágios curriculares

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º Objecto

REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º Objecto JOÃO ANTÓNIO DE SOUSA PAIS LOURENÇO, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA COMBA DÃO, TORNA PÚBLICO O REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO, APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL, EM SUA SESSÃO

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VELA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VELA Artigo 1º Objecto O presente Regulamento visa a adopção de medidas preventivas ao caso de manifestações de violência associadas à Vela, com vista a garantir a existência de condições de segurança em recintos

Leia mais

CAMPEONATOS REGIONAIS DE EQUIPAS

CAMPEONATOS REGIONAIS DE EQUIPAS CAMPEONATOS REGIONAIS DE EQUIPAS 2016-2017 Pressupostos básicos - Poderão participar nestes Campeonatos todos os atletas filiados na ATMM, independentemente do seu escalão. - Para poder participar num

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL O desporto e a actividade física são elementos que contribuem para o bem-estar, para a saúde e para a qualidade de vida dos cidadãos. Assim,

Leia mais

REGULAMENTO ALTO RENDIMENTO

REGULAMENTO ALTO RENDIMENTO REGULAMENTO ALTO RENDIMENTO Federação Portuguesa de Judo Dezembro 2015 Página 1 TÍTULO I ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo 1.º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento estabelece as regras aplicáveis à prática

Leia mais

4 Torneio de Andebol Cidade de Castelo Branco-Páscoa REGULAMENTO

4 Torneio de Andebol Cidade de Castelo Branco-Páscoa REGULAMENTO REGULAMENTO. ORGANIZAÇÃO. Associação Desportiva Albicastrense. Associação de Andebol de Castelo Branco. Federação Portuguesa de Andebol.Câmara Municipal de Castelo Branco. PARTICIPANTES. As equipas participantes

Leia mais

Conselho de Arbitragem

Conselho de Arbitragem Associação de Futebol de Coimbra Conselho de Arbitragem FUTSAL Normas Para Classificação de Árbitros Para conhecimento geral seguidamente se publicam as Normas de Classificação para os Árbitros de Futsal,

Leia mais

Jogos Desportivos da União das Freguesias de Caparica e Trafaria Torneio de Ténis de Mesa

Jogos Desportivos da União das Freguesias de Caparica e Trafaria Torneio de Ténis de Mesa Jogos Desportivos da União das Freguesias de Caparica e Trafaria 2014 Torneio de Ténis de Mesa Regulamento 1. Disposições iniciais Este Regulamento define as normas de organização do Torneio de Ténis de

Leia mais

CAMPEONATOS REGIONAIS DE EQUIPAS

CAMPEONATOS REGIONAIS DE EQUIPAS CAMPEONATOS REGIONAIS DE EQUIPAS 2015-2016 Pressupostos básicos - Poderão participar nestes Campeonatos todos os atletas filiados na ATMM, independentemente do seu escalão. - Para poder participar num

Leia mais

REGULAMENTO Campeonato Nacional de Futebol de Praia

REGULAMENTO Campeonato Nacional de Futebol de Praia REGULAMENTO Campeonato Nacional de Futebol de Praia 1 Artigo 1º Organização 1.1. A FPF organiza a competição designada: Campeonato Nacional de Futebol de Praia, para a categoria sénior. 1.2. O Campeonato

Leia mais

FUTEBOL DE PRAIA 2015

FUTEBOL DE PRAIA 2015 FUTEBOL DE PRAIA 2015 I - Campeonato Nacional de Futebol de Praia 2015 1. O Campeonato Nacional de futebol de praia é composto por duas divisões: Elite e Nacional. 2. Participam na divisão de elite os

Leia mais

Masculino (+18) e Feminino (+14)

Masculino (+18) e Feminino (+14) I Torneio de Futebol 7 Município de Salvaterra de Magos Masculino (+8) e Feminino (+4) Introdução Com a organização do I Torneio de Futebol 7, o Município de Salvaterra de Magos pretende proporcionarr

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PROFESSORES Em vigor a partir de 13 de Setembro de 2013-1 - PARTE 0 PREÂMBULO 0.1 Introdução Uma das principais finalidades

Leia mais

REGULAMENTO DO TORNEIO DE FUTEBOL INDOOR

REGULAMENTO DO TORNEIO DE FUTEBOL INDOOR REGULAMENTO DO TORNEIO DE FUTEBOL INDOOR 1. ORGANIZAÇÃO O Clube Desportivo e Recreativo do Fogueteiro, com a colaboração da Junta de Freguesia de Amora e Câmara Municipal do Seixal. a) REGRAS: As regras

Leia mais

AJUSTE DIRECTO. Aquisição de Escultura em Pedra Mármore de Estremoz CADERNO DE ENCARGOS

AJUSTE DIRECTO. Aquisição de Escultura em Pedra Mármore de Estremoz CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRECTO Aquisição de Escultura em Pedra Mármore de Estremoz CADERNO DE ENCARGOS Índice Capítulo I - Disposições Gerais... Cláusula 1.ª Objeto... Cláusula 2.ª Local, prazo e modo da prestação...

Leia mais

REGULAMENTO. Praia de Carcavelos Bar do Moinho / Praia da Cresmina, Guincho (Junto ao Restaurante Meste Zé)

REGULAMENTO. Praia de Carcavelos Bar do Moinho / Praia da Cresmina, Guincho (Junto ao Restaurante Meste Zé) REGULAMENTO 1 Princípios Gerais Este regulamento tem como objectivo definir as principais linhas orientadoras que regem a Wanted Surf School, para que os alunos e pais saibam quais os seus deveres e direitos,

Leia mais

Regulamento de Apoio às Entidades e Agentes Desportivos do Concelho da Praia da Vitória. Atividade de treino e competição nos escalões de formação

Regulamento de Apoio às Entidades e Agentes Desportivos do Concelho da Praia da Vitória. Atividade de treino e competição nos escalões de formação Regulamento de Apoio às Entidades e Agentes Desportivos do Concelho da Praia da Vitória Atividade de treino e competição nos escalões de formação Preâmbulo O presente regulamento estabelece as normas de

Leia mais

Academia Olímpica de Portugal Regulamento Geral

Academia Olímpica de Portugal Regulamento Geral Academia Olímpica de Portugal Regulamento Geral Artigo 1.º Natureza Jurídica, Denominação e Sede 1. A Academia Olímpica de Portugal, adiante designada por AOP, é uma entidade integrada no, adiante designado

Leia mais

11316/01 PB/aam DG H II PT

11316/01 PB/aam DG H II PT CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 29 de Agosto de 2001 (OR. fr) 11316/01 ENFOPOL 86 ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS Assunto: Iniciativa do Reino da Bélgica tendo em vista a aprovação de uma

Leia mais

ÉPOCA 2016/2017 PO01 - A PROVA DE APURAMENTO AO CAMPEONATO NACIONAL SENIORES MASCULINOS 1ª DIVISÃO REGULAMENTO DA PROVA.

ÉPOCA 2016/2017 PO01 - A PROVA DE APURAMENTO AO CAMPEONATO NACIONAL SENIORES MASCULINOS 1ª DIVISÃO REGULAMENTO DA PROVA. PO01 - A PROVA DE APURAMENTO AO CAMPEONATO NACIONAL SENIORES MASCULINOS 1ª DIVISÃO (Regulamento aprovado em Reunião de Direção de 21-06-2016) REGULAMENTO DA PROVA Artigo 1 Prémios 1. Os dois primeiros

Leia mais

PROTOCOLO. Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal

PROTOCOLO. Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal PROTOCOLO Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal Entre A Câmara Municipal de Setúbal, adiante designada por CMS, na qualidade de 1.º Outorgante, representada pela Presidente,

Leia mais

PROGRAMA GERAL DAS SELECÇÕES DA ASSOCIAÇÃO DE TÉNIS DO PORTO - ÉPOCA 2011

PROGRAMA GERAL DAS SELECÇÕES DA ASSOCIAÇÃO DE TÉNIS DO PORTO - ÉPOCA 2011 PROGRAMA GERAL DAS SELECÇÕES DA ASSOCIAÇÃO DE TÉNIS DO PORTO - ÉPOCA 2011 DATA ACTIVIDADE ESCALÕES N.º DE ATLETAS OBJECTIVOS 26 e 27 Fevereiro 5 a 8 Março 5 a 8 Março 25 e 26 Março apreciação e moderação

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. Câmara Municipal de Coimbra. Juntas de Freguesia do Concelho de Coimbra. Associações Distritais da Modalidade

REGULAMENTO GERAL. Câmara Municipal de Coimbra. Juntas de Freguesia do Concelho de Coimbra. Associações Distritais da Modalidade REGULAMENTO GERAL Câmara Municipal de Coimbra Juntas de Freguesia do Concelho de Coimbra Associações Distritais da Modalidade Federações Nacionais da Modalidade 2 NOTA JUSTIFICATIVA É função do Município

Leia mais

Para conhecimento de todos os nossos filiados, Conselho de Arbitragem, Órgãos de Comunicação Social e demais interessados, se comunica o seguinte:

Para conhecimento de todos os nossos filiados, Conselho de Arbitragem, Órgãos de Comunicação Social e demais interessados, se comunica o seguinte: COMUNICADO OFICIAL Nº.: 004 DATA: 2016-07-18 Para conhecimento de todos os nossos filiados, Conselho de Arbitragem, Órgãos de Comunicação Social e demais interessados, se comunica o seguinte: SEGURANÇA

Leia mais

ÉPOCA DESPORTIVA 2010-2011 SEGURO DESPORTIVO DE GRUPO (OBRIGATÓRIO) ( JOGADORES E AGENTES DESPORTIVOS )

ÉPOCA DESPORTIVA 2010-2011 SEGURO DESPORTIVO DE GRUPO (OBRIGATÓRIO) ( JOGADORES E AGENTES DESPORTIVOS ) ÉPOCA DESPORTIVA 2010-2011 SEGURO DESPORTIVO DE GRUPO (OBRIGATÓRIO) ( JOGADORES E AGENTES DESPORTIVOS ) Para conhecimento dos Sócios Ordinários, Clubes, SAD s e demais interessados, passamos a informar:

Leia mais

Regulamento Taça dos Campeonatos Académicos do Porto

Regulamento Taça dos Campeonatos Académicos do Porto Regulamento Taça dos Campeonatos Académicos do Porto I. Disposições Iniciais Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento estabelece o funcionamento da Taça dos Campeonatos Académicos do Porto, organizados

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO REGULAMENTO ESPECÍFICO PARA O ESCALÃO DE SUB-14

REGULAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO REGULAMENTO ESPECÍFICO PARA O ESCALÃO DE SUB-14 REGULAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO REGULAMENTO ESPECÍFICO PARA O ESCALÃO DE SUB-14 1. INTRODUÇÃO 1.1. A FPB de acordo com as propostas da DTN aprovou o Regulamento Técnico- Pedagógico para o escalão de SUB-14,

Leia mais

CONTRATO EMPREGO-INSERÇÃO

CONTRATO EMPREGO-INSERÇÃO CONTRATO EMPREGO-INSERÇÃO Celebrado no âmbito da Medida Contrato Emprego-Inserção Desempregados Beneficiários das Prestações de Desemprego Entre (Denominação, forma jurídica e actividade da entidade),

Leia mais

Normas. Departamento de Cultura, Juventude e Desporto Divisão de Desporto e Juventude Núcleo de Actividades Desportivas

Normas. Departamento de Cultura, Juventude e Desporto Divisão de Desporto e Juventude Núcleo de Actividades Desportivas Normas Departamento de Cultura, Juventude e Desporto Núcleo de Actividades Desportivas Índice 1 Organização... 3 2 Calendarização e Local de Realização dos Jogos... 3 3 Inscrição... 3 3.1 Período de Inscrição...

Leia mais

REGULAMENTO Campeonato Nacional de Futebol de Praia

REGULAMENTO Campeonato Nacional de Futebol de Praia REGULAMENTO Campeonato Nacional de Futebol de Praia 1 Artigo 1º Organização 1.1. A FPF organiza a competição designada: Campeonato Nacional de Futebol de Praia, para a categoria sénior. 1.2. O Campeonato

Leia mais

AND PRAIA ª Edição REGULAMENTO DO CIRCUITO

AND PRAIA ª Edição REGULAMENTO DO CIRCUITO AND PRAIA 2016 18ª Edição REGULAMENTO DO CIRCUITO 1 Organização: A organização deste conjunto de eventos é da responsabilidade da Associação de Andebol do Porto, em colaboração com diversas entidades.

Leia mais

Regulamento das Entidades Formadoras

Regulamento das Entidades Formadoras Regulamento das Entidades Formadoras Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Norma habilitante O presente Regulamento é adotado ao abrigo do disposto no artigo 10.º e nas alíneas a) e c) do número 2 do

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM REGULAMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM Obs. Artigos 30º e 31º dos Estatutos da ADAC. Capítulo I Disposições Preliminares Art. 1º Âmbito de Aplicação 1. O presente Regulamento aplica-se ao Conselho de Arbitragem

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA nº 02/2004 de 20/02/2004

ORIENTAÇÃO NORMATIVA nº 02/2004 de 20/02/2004 ORIENTAÇÃO NORMATIVA nº 02/2004 de 20/02/2004 Nº PAUTA: 210.1 ASSUNTO: PROCEDIMENTO DISCIPLINAR ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: Código do Trabalho REVOGAÇÕES: Orientação Normativa nº.21/2000, de 20/11/2000

Leia mais

Regulamentos de Provas Oficiais Futebol 7 Juniores Masculinos D, E e F Com a alteração ratificada em Reunião de Direção de 17jun2014

Regulamentos de Provas Oficiais Futebol 7 Juniores Masculinos D, E e F Com a alteração ratificada em Reunião de Direção de 17jun2014 Regulamentos de Provas Oficiais Futebol 7 Juniores Masculinos D, E e F Com a alteração ratificada em Reunião de Direção de 17jun2014 Associação de Futebol de Aveiro 1. GENERALIDADES I FUTEBOL 7 JUNIORES

Leia mais

TÍTULO I JUÍZES, CHEFES DE JUÍZES E DIRECTOR TÉCNICO. Capítulo I Princípios Gerais. Art. 1º

TÍTULO I JUÍZES, CHEFES DE JUÍZES E DIRECTOR TÉCNICO. Capítulo I Princípios Gerais. Art. 1º TÍTULO I JUÍZES, CHEFES DE JUÍZES E DIRECTOR TÉCNICO Capítulo I Princípios Gerais Art. 1º 1. Os juízes tem como primeiras missões ajuizar e comparar a prestação dos atletas em actividade competitiva, de

Leia mais

PROVA DE LICENCIAMENTO DE JOGADORES, TREINADORES E ENQUADRAMENTO HUMANO

PROVA DE LICENCIAMENTO DE JOGADORES, TREINADORES E ENQUADRAMENTO HUMANO COMUNICADO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM COMUNICADO Nº 09 ÉPOCA: 2015/2016 DATA: 16/09/2015 Para conhecimento geral, a seguir se informa: PROVA DE LICENCIAMENTO DE JOGADORES, TREINADORES E ENQUADRAMENTO HUMANO

Leia mais

Autonomia e Gestão Novos Desafios

Autonomia e Gestão Novos Desafios Autonomia e Gestão Novos Desafios Francisco Oliveira Reforço da participação das famílias e comunidades na direcção estratégica da Escola Reforçar a liderança das Escolas Reforço da autonomia das Escolas

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SETÚBAL REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DE PAVILHÕES ESCOLARES/MUNICIPAIS

CÂMARA MUNICIPAL DE SETÚBAL REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DE PAVILHÕES ESCOLARES/MUNICIPAIS CÂMARA MUNICIPAL DE SETÚBAL REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DE PAVILHÕES ESCOLARES/MUNICIPAIS I DISPOSIÇÕES GERAIS 1. O presente Regulamento estabelece as normas gerais e as condições de utilização

Leia mais

COMUNICADO OFICIAL Nº

COMUNICADO OFICIAL Nº COMUNICADO OFICIAL Nº 1 2015-2016 1. ABERTURA DE ÉPOCA 2015-2016 - TÍTULO 8 - ARTº 2º Para efeitos regulamentares considera-se "ÉPOCA DESPORTIVA OFICIAL" o período compreendido entre a data do 1º Jogo

Leia mais

COMUNICADO OFICIAL REGULAMENTO DE EXAMES N.: 187 DATA: ASSUNTO: ARBITRAGEM

COMUNICADO OFICIAL REGULAMENTO DE EXAMES N.: 187 DATA: ASSUNTO: ARBITRAGEM COMUNICADO OFICIAL N.: 187 DATA: 2005.11.24 ASSUNTO: ARBITRAGEM REGULAMENTO DE EXAMES Para conhecimento geral, divulga-se em anexo, o Regulamento de Exames, recentemente aprovado. Pel A Direcção da F.P.F.

Leia mais

Associação de Futebol do Porto

Associação de Futebol do Porto DIRECÇÃO DE NEGÓCIO DE ACIDENTES TRABALHO E PESSOAIS Manual de Procedimentos Associação de Futebol do Porto Apólice AG63591584 Atletas (Masculinos e Femininos), Treinadores, Dirigentes Desportivos e demais

Leia mais

Regulamento da Taça de Portugal Sevens Feminino 2016/2017 2

Regulamento da Taça de Portugal Sevens Feminino 2016/2017 2 REGULAMENTO DA TAÇA DE PORTUGAL SEVENS FEMININO 2016/2017 Artigo 1.º (Regime Supletivo) À Taça de Portugal de Sevens Feminino aplicam-se as normas do Regulamento Geral de Competições em tudo o que não

Leia mais

2ª MARATONA DE FUTEBOL 5 JUNTA DE FREGUESIA AVENIDAS NOVAS Seniores

2ª MARATONA DE FUTEBOL 5 JUNTA DE FREGUESIA AVENIDAS NOVAS Seniores Uma Organização da 2ª MARATONA DE FUTEBOL 5 JUNTA DE FREGUESIA AVENIDAS NOVAS Seniores INTRODUÇÃO O TORNEIO realizar-se-á no dia 4 de Junho, de acordo com as regras da FIFA-FPF e Associação Futebol Lisboa.

Leia mais

CAPITULO I COMPETÊNCIA, CONSTITUIÇÃO E DEVERES Artigo 1.º COMPETÊNCIA

CAPITULO I COMPETÊNCIA, CONSTITUIÇÃO E DEVERES Artigo 1.º COMPETÊNCIA Aprovado em reunião de Direcção de 13 de Janeiro de 2010 CAPITULO I COMPETÊNCIA, CONSTITUIÇÃO E DEVERES Artigo 1.º COMPETÊNCIA 1. Ao Conselho de Arbitragem e Competições (CAC) compete coordenar e administrar

Leia mais

REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS INVESTIGADORES DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA. Preâmbulo

REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS INVESTIGADORES DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA. Preâmbulo REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS INVESTIGADORES DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA Preâmbulo O presente regulamento é elaborado ao abrigo do artigo 75º da Lei Geral do Trabalho em Funções Publicas, aprovado

Leia mais

REGULAMENTO X TORNEIO INTERNO DE FUTSAL 2016

REGULAMENTO X TORNEIO INTERNO DE FUTSAL 2016 REGULAMENTO X TORNEIO INTERNO DE FUTSAL 2016 Local e horário Os jogos serão realizados no Pavilhão Gimnodesportivo do CCDTCMP, aos sábados de manhã, entre as 09h00 e as 13h00. Inscrições a) Cada equipa

Leia mais

1ª Jornada 12 Março, Estádio Arsénio Catuna. 16h00m Guia FC vs Associação Academia Alto Colina 16h00m FC Ferreiras vs Imortal DC

1ª Jornada 12 Março, Estádio Arsénio Catuna. 16h00m Guia FC vs Associação Academia Alto Colina 16h00m FC Ferreiras vs Imortal DC GOLFINHOS A 4 EQUIPAS Associação Academia Alto Colina FC Ferreiras 1ª Jornada 12 Março, Estádio Arsénio Catuna Hora 16h00m vs Associação Academia Alto Colina 16h00m FC Ferreiras vs 2ª Jornada 26 de Março

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS DO COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS

REGULAMENTO GERAL DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS DO COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS (CAAD) REGULAMENTO GERAL DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS DO COMPLEXO DE APOIO ÀS ACTIVIDADES DESPORTIVAS Portaria n.º 455/2000 de 21 de Julho (Alterada

Leia mais

CNM - Clube Nacional de Montanhismo Departamento de Montanhismo. Projecto de Regulamento do Departamento INDICE

CNM - Clube Nacional de Montanhismo Departamento de Montanhismo. Projecto de Regulamento do Departamento INDICE INDICE CAPITULO I Objectivos do Departamento CAPITULO II Estrutura do Departamento de Montanhismo - SECÇÃO I Assembleia de Montanheiros - SECÇÃO II Direcção do Departamento - SECÇÃO III Conselho Técnico

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL Proposta de adequação ao novo EOE (Lei n.º 123/2015, de 2 de Setembro) PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE ALTO RENDIMENTO SELECÇÕES NACIONAIS E RANKING

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE ALTO RENDIMENTO SELECÇÕES NACIONAIS E RANKING FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE ALTO RENDIMENTO SELECÇÕES NACIONAIS E RANKING 06 DE DEZEMBRO DE 2016 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO Instituição de Utilidade Pública por Decreto de 14/10/1929

Leia mais