Elaboração de uma Proposta para Implantação do Sistema Kanban na Gestão de Miscelâneas da Produção de Painéis Eletrônicos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Elaboração de uma Proposta para Implantação do Sistema Kanban na Gestão de Miscelâneas da Produção de Painéis Eletrônicos"

Transcrição

1 Elaboração de uma Proposta para Implantação do Sistema Kanban na Gestão de Miscelâneas da Produção de Painéis Eletrônicos Priscila das Graças Felipe Santiago Engenheira de produção PUC Minas Andressa Silva Pereira Engenheira de produção PUC Minas Lidiane Alves Pereira Engenheira de produção PUC Minas RESUMO O presente artigo buscou avaliar como a ferramenta Kanban pode auxiliar no gerenciamento de miscelâneas (materiais de baixo valor agregado, alta aplicabilidade e pequeno lead time) no processo produtivo de painéis eletrônicos de baixa e média tensão em uma empresa especializada em energia localizada no município de Betim, MG. A pesquisa realizada é do tipo descritiva e possui natureza qualitativa, o que permite pesquisar o ambiente como fonte direta de informação. A técnica de pesquisa aplicada foi a de estudo de caso, no qual foi possível realizar uma análise profunda no processo de abastecimento de insumos de baixo valor agregado para a linha de produção e analisar como o Kanban interferiu nesse processo. Constatou-se que para a empresa ter um estoque menor que 30 dias e ter uma melhor qualidade de suas peças, é necessário investir em novos processos de produção. Palavras-chave: Estoque. Just in time. Kanban. Miscelâneas. Lean Manufacturing. ABSTRACT This paper aims to assess how the Kanban tool can help manage miscellany (materials with low added value, high applicability and small lead time) in the production process of electronic panels for low and medium voltage in a company that specializes in energy localized in Betim, MG. The research is a descriptive and qualitative features, which allows you to search the environment as a direct source of information. The technique applied research was the case study in which it was possible to perform an in depth analysis of low value-added inputs to the production line supply process and analyze how the Kanban interfering in this process. It was found that for the company to have a less than 30 days stock and have a better quality of its parts, it is necessary to invest in new production processes. Keywords: stock. Just in time. Kanban. Misc. Lean Manufacturing.

2 Elaboração de uma Proposta para Implantação do Sistema Kanban na Gestão de Miscelâneas da Produção de Painéis Eletrônicos 1. Introdução Métodos vinculados à filosofia Just in Time têm sido cada vez mais aplicados em todo o mundo, sendo o Kanban uma de suas principais ferramentas, que geralmente é empregado ao nível de chão de fábrica para auxílio do controle da produção. Este estudo de caso analisou a produção de painéis eletrônicos de baixa e média tensão no que se refere à falta de matéria prima de baixo valor agregado, conhecidas como miscelânea, para reduzir atrasos na produção e uma série de outros inconvenientes. Miscelâneas é o nome dado ao conjunto de peças de baixo valor agregado como porcas, arruelas, parafusos, terminais elétricos com isolamento ou de compressão, rebites, canaletas e trilhos, que não possuem planejamento de compra, são comuns a vários produtos e, no caso de falta, tornam-se um grande gargalo produtivo chegando a promover paradas de linha. Estas miscelâneas ficam armazenadas em um único lugar onde é possível encontrar todas as variações destes itens. Quando há necessidade de algum item, o operador desloca-se de seu posto de trabalho até o local de armazenagem, procura o material necessário e retorna à sua estação de trabalho. Se o material não estiver disponível, é realizada a solicitação do mesmo junto à supervisão, que por sua vez, fica responsável por requerer a logística o reabastecimento. A partir dessa situação foi possível identificar os seguintes problemas: a) No caso de falta da miscelânea procurada pelo operador, o mesmo escolhe um item similar e o utiliza na montagem do painel, gerando problemas de qualidade e padronização; b) O setor de logística que é responsável por comprar as miscelâneas, não recebe uma lista de materiais necessários em cada processo, como o código e a quantidade, podendo comprar itens diferentes dos específicos ao projeto, em quantidades inadequadas, e que possivelmente não chegarão a tempo para produção, devido ao lead time do fornecedor jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 95

3 Neste contexto, se insere a questão chave desse trabalho: Quais seriam os possíveis resultados da implantação da ferramenta Kanban na gestão de miscelâneas para a produção de painéis eletrônicos na empresa estudada? 2. Referencial Teórico 2.1 Técnicas e ferramentas de produção De acordo com Slack, Chambers e Johnston (2009), o Lean Manufacturing, também conhecido como o Sistema Enxuto de Produção ou Sistema Toyota de Produção (STP), teve início em 1950 na fábrica da Toyota no Japão, e foi criado e desenvolvido por de Eiiji Toyoda e Taiiichi Ohno. Para Slack, Clambers e Johnston (2009), a filosofia enxuta, propõe que todas as etapas do processo devem ser realizadas de maneira simples, cada vez melhor e sem desperdícios. O foco do STP é diminuir ou eliminar sete desperdícios: superprodução, tempo de espera, transporte, excesso de processamento, inventário, movimento e defeitos. Shigeo Shingo citado por Corrêa e Gianesi (2009) identifica sete categorias de desperdícios, são eles: a) Desperdício de superprodução: pode ser por produzir mais ou produzir antecipadamente; b) Desperdício de espera: espera do operador, do lote ou processo; c) Desperdício de transporte: relacionadas ao transporte de equipamentos e máquinas; d) Desperdício de processamento: processos desnecessários; e) Desperdício de movimento: diz respeito a movimentos do operador; f) Desperdício de produzir produtos defeituosos: retrabalho e desperdício de materiais; g) Desperdício de estoques: de matéria prima, material em processo ou produto acabado jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 96

4 O Just in Time (JIT), é um pilar da filosofia Lean, sendo um sistema utilizado pelas empresas que buscam aperfeiçoar seus sistemas de produção utilizando o conceito de puxar a produção a partir da demanda dos clientes, produzindo somente aquilo que for necessário, no tempo e quantidades necessárias. (CORRÊA; GIANESI, 2009). Kanban é uma técnica de gestão de materiais e de produção no momento exato ( Just in Time ), sendo controlado por meio do cartão ou caixas. É um sistema simples de autocontrole em nível de fábrica, que independe de controles paralelos. (MOURA, 1996). Os principais tipos de Kanban são: a) kanban de produção: serve para designar o tipo e a quantidade de itens que o centro produtor deve utilizar; b) kanban de aquisição: autoriza a aquisição do item pelo cliente, ou seja, sua circulação é entre o consumidor e o armazém; c) two bin system: usado principalmente para itens de baixo valor agregado. Seu funcionamento é da seguinte forma: quando os itens no primeiro bin terminar, um pedido é feito para reabastecer ou substituir esses itens. O segundo bin supostamente tem itens suficientes para durar até o momento em que o primeiro bin chegar. (ROSENTHAL, 2008). No tipo Two Bin, é preciso observar duas condições: a) As peças precisam ser relativamente de baixo custo, para que não haja b) preocupação em adquiri-las em excedente. O tempo de ir abastecer este contêiner e voltar com ele cheio é curto em relação ao tempo em que a operação levará para utilizar as peças que ficaram disponíveis no 2º contêiner. Neste cenário, a primeira caixa está vazia, e muito antes que o operador tenha esvaziado a segunda caixa, o primeiro é devolvido com segurança e está por trás dele na prateleira. Conforme Pace (2003), o sistema de duas caixas tem como objetivo evitar que a linha ou célula de produção fique sem componentes para processar, após uma caixa jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 97

5 esvaziar até ao próximo ciclo de abastecimento. A figura 1 exemplifica o sistema de duas caixas. Figura 1 Sistema de duas caixas Fonte: 4 Lean Conforme mostra a figura 1 no sistema de duas caixas, o operador logístico é responsável por recolher a caixa vazia e abastecer com uma cheia retirada do supermercado. É importante definir a quantidade de caixas ou cartões que devem ser utilizadas. De acordo com Corrêa e Gianesi (2009): O número de cartões Kanban entre dois centros de produção determina o estoque de material entre eles, pois cada Kanban corresponde um contêiner padronizado de peças. Geralmente o número de Kanban de movimentação e transporte são iguais, distribuindo o estoque nos dois centros. De acordo com Ribeiro (1989), o Kanban possui algumas vantagens, são elas: a) O número de cartões Kanban em circulação limita o estoque máximo; b) A eficiência do sistema é medida pela redução do número de cartões em circulação; c) As necessidades de reposição são identificadas visualmente; d) A burocracia é virtualmente eliminada; e) Não há programação de produção para itens controlados pelo Kanban jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 98

6 3. Metodologia A presente pesquisa é de natureza qualitativa, do tipo descritiva. Para Chizzotti (2001), a pesquisa qualitativa possui a intenção de provocar a explicação de uma situação qualquer. Já para Vergara (2000), o estudo descritivo aponta características de uma população, bem como de um fenômeno. Como técnica de pesquisa conduziu-se o método estudo de caso e pesquisa-ação. Para Yin (2005), o estudo de caso permite uma investigação com o objetivo de preservar as características dos fatos de um acontecimento qualquer. Realizou-se levantamento da situação atual na produção, visando diagnosticar como acontece o processo produtivo de painéis eletrônicos de baixa e média tensão. Em seguida, foi necessário avaliar quais materiais seriam considerados como miscelâneas, de acordo com o giro, o valor agregado, o lead time e a participação na composição do produto final. Para a implantação do Kanban, foi necessária além da descrição do processo, a análise da cultura organizacional, uma vez que os funcionários da empresa participarão das mudanças que poderão ocorrer no sistema produtivo. A empresa pesquisada está localizada na cidade de Betim, onde realiza suas atividades. Para se resguardar a organização preferiu que seu nome ficasse no anonimato. 4. O caso da empresa pesquisada 4.1 Diagnóstico A análise realizada no processo produtivo da empresa pesquisada aponta que atualmente, a fábrica apresenta diversas paradas de produção, e a maioria ocorre por falta de matéria prima, inclusive de miscelâneas. Ainda na seção do caso da empresa, serão apresentadas algumas variáveis que compõem as atividades produtivas da organização. 4.2 Definição de miscelâneas para os diversos setores Cada setor da empresa estudada possui um grupo de materiais os quais classifica como miscelâneas. A Engenharia de Produto juntamente com a equipe de Planejamento, é responsável por fazer todo o plano de produção por meio da BOM (bill of material), porém com base na Curva ABC dos insumos produtivos previstos nesse plano, os itens de classe C não estão relacionados, uma vez que os mesmos são itens comuns aos projetos e precisam jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 99

7 estar disponíveis na fábrica para qualquer linha de produção utilizá-los. O setor financeiro define que miscelânea é todo item comum, de baixo custo, com pequeno lead time e de alto giro, desde que sejam nacionais, como é o caso de algumas porcas, parafusos e arruelas. A produção deseja que a maioria dos itens sejam tratados como miscelâneas, uma vez que estes não se encontram relacionados na BOM do produto e, no caso de falta, tornam se um grande gargalo produtivo. Portanto, miscelâneas para este setor, incluem todos os itens em comum a vários projetos, independente do custo, do lead time e se é nacional ou importado. 4.3 Forma de abastecimento A Atualmente, as miscelâneas ficam armazenadas em uma prateleira, que é o único lugar onde é possível encontrar todas as variações conhecidas destes itens. Quando o funcionário necessita de uma minuteria, ele desloca-se de seu posto de trabalho até este local. Procura o item necessário e retorna à sua estação de trabalho. Se o material não estiver disponível, é realizada a solicitação do mesmo junto à supervisão, que fica responsável por requerer a logística o reabastecimento da miscelânea. A figura 2 apresenta a prateleira de armazenamento atual das miscelâneas. Figura 2 Prateleiras de miscelâneas Fonte: Empresa analisada De acordo com a figura 2, é possível verificar que os itens ficam armazenados em pequenos espaços, sem critérios de classificação e sem controle de nível de estoque, o que dificulta o gerenciamento dos mesmos jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 100

8 No processo atual, o setor de produção é o responsável por procurar por determinado item, se existe no estoque ou se está armazenado em algum lugar. Caso não haja o item em nenhum lugar, ele solicita a requisição de compra (REC) para à logística que é a responsável por manter o item no estoque. Para a reposição desse item na prateleira, é necessário um período de aproximadamente 39 dias. Para que o funcionário tenha a peça e consiga montar o painel, ele precisa realizar a atividade de ir buscar o parafuso na prateleira e retornar ao seu posto de trabalho, percorrendo uma distância média de 32 metros. Abaixo, na figura 3 está demonstrado o layout atual e o caminho realizado pelo operador até a prateleira Figura 3 Diagrama Spaghetti do operador até a prateleira de miscelâneas jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 101

9 Percebe-se, conforme a figura 3 que o layout é posicional, ou seja, cada montagem equivale a um painel, onde o produto está parado enquanto o operador gira em torno dele para realizar suas atividades. 4.4 Qualidade dos itens A Não existem controles de qualidade e/ou inspeções de recebimento para as miscelâneas. Portanto, muitas vezes, mesmo após a chegada do material, não é realizada a conferência, pois a equipe de qualidade está priorizando a análise e separação dos itens dos projetos. Por outro lado, a produção está à espera deste item, e acompanha a chegada das peças pelo fornecedor. Desta forma, quando o líder responsável pelo produto, localiza as minuterias no espaço do almoxarifado aguardando a conferência, rapidamente solicita ao operador a sua disponibilização na prateleira. Atualmente, a fábrica dispõe de diversos itens que possuem o mesmo tamanho, porém com finalidades diferentes. Não existe um registro na documentação do painel sobre qual é o item, por exemplo, qual parafuso deve ser fixado no produto. Além disso, existem diversidades dos códigos, conforme a tabela 1 abaixo: Tabela 1 Possibilidades de descrições iguais para códigos diferentes Fonte: Sistema de criação de REC jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 102

10 Na tabela 1 é demonstrado que alguns itens possuem a mesma descrição e diversos códigos, por exemplo, os códigos e referem-se ao mesmo material. Quando os itens chegam à fábrica, ficam organizados em espaços distintos, separados por códigos, e o mesmo material pode ser guardado em diferentes lugares. 4.5 Miscelâneas A falta de definição dos itens a serem tratados como miscelâneas tem como consequência principal, o fato de que cada setor se isenta da responsabilidade de gerir o estoque de determinados itens, levando à falta dos mesmos, que só é detectada no momento da produção ocasionando paradas de linha. Itens que apesar de caros e com alto lead time, são comuns a vários projetos, não são contemplados na BOM, pois cada material presente nesta lista precisa ser especificado quanto às normas de segurança, quantidade, entre outros. Isso faz com que as necessidades de materiais sejam detectadas apenas no momento de produção. Existem dificuldades no armazenamento, pois além de ocuparem grande espaço, os pedidos por projeto, ficam organizados em grupos separados, e é comum que algum projeto pare por falta de material, que está disponível em outro grupo, mas identificado de maneira distinta. Por não existir uma lista de demandas, não é possível desenvolver parcerias com os fornecedores para o estabelecimento de lotes de compras regulares e lead times menores, o que leva a um alto custo de aquisição. 4.6 Forma de abastecimento B A distância em que a prateleira está localizada em relação aos operadores gera um desperdício de movimentação, descrito entre os 7 desperdícios propostos pelo Lean Manufacturing. Abaixo, na tabela 2 estão apresentados alguns cálculos desta perda: jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 103

11 Tabela 2 Análise de perda por movimentação De acordo com a tabela 2, a fábrica tem uma perda anual de aproximadamente R$ 93 mil, referente à movimentação de operadores, sendo que a linha Senplus na montagem 3 contribui com uma perda financeira mais significativa. Um problema frequente que a área da Produção tem enfrentado é que mesmo os itens inseridos na BOM, não são solicitados em quantidades extras, e no caso de defeito nas peças, ou ajustes na estrutura, não existem materiais em quantidade suficiente para finalizar a produção. Outro ponto a ser observado é que a atividade de buscar o parafuso torna-se o momento oportuno para conversas informais, desvio de função, desperdício de tempo, entre outros. Se acontecer do operador não encontrar o item na prateleira, ele solicita a compra para o responsável, então, a partir deste ponto, o setor de logística inicia o processo de compra que está apresentado na figura 4 abaixo: De acordo com a figura 4 cada processo tem um tempo para ser cumprido, podendo ser de aproximadamente 39 dias, pois além do lead time ser de mais ou menos 20 dias (dependendo do item e fornecedor), os demais processos também demoram. O processo de compra não se desenvolve instantaneamente. Enquanto ocorre todo este processo, a produção está parada, o operador está esperando pela peça e o cliente aguardando pelo produto jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 104

12 Figura 4 Fluxo atual de compra de miscelâneas 4.7 Qualidade dos itens B As miscelâneas que chegam do fornecedor para suprir a produção ficam no almoxarifado esperando uma inspeção de qualidade, que não acontece, gerando atrasos na disponibilização dos materiais na prateleira. Com estes atrasos, a linha pode ficar parada esperando o item faltante. O líder de produção solicita ao operador a disponibilização das miscelâneas que estão esperando para serem conferidas e essas são entregues sem receber nenhuma análise de qualidade, com isso, podem ser inseridas na produção peças erradas ou com defeitos. Não há documentação formal que descreve qual o tipo de parafuso que compõe o painel, assim a qualidade do produto é infringida, porque, quando os operadores procuram o item que precisam na prateleira, eles podem optar por qualquer parafuso desde que atinja o objetivo final: a fixação. Como existem itens iguais que são classificados com códigos diferentes, não há o controle por parte do setor de logística de qual código é o mais usado, portanto em determinado momento, pede-se o código A e em outra oportunidade, pede-se o código B jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 105

13 As miscelâneas estão organizadas no almoxarifado por tipo de código, se a produção solicitar o item pelo código A e só o código B estiver disponível, a área de logística solicitará novamente a compra, pois entende que o produto de código A se trata de outro material, sendo que na verdade os itens A e B são exatamente iguais, apenas estão com códigos diferentes. 5. Proposições Esta etapa expõe a nova estrutura matriz para produção, conforme os seguintes pontos: 5.1 Miscelâneas e a curva ABC Como apontam Slack, Chambers e Johnston (2009) existe a necessidade de se estabelecerem critérios que possibilitem determinar o grau de criticidade e importância de cada material. Portanto, para determinar quais materiais devem ser classificados como miscelâneas, foi elaborada uma curva ABC, na qual os itens identificados como pertencentes ao grupo C, por representarem aproximadamente 80% dos itens do estoque e 10% do custo de manutenção deste, deverão ser tratados como miscelâneas. A análise da curva ABC possibilitou a divisão dos itens de acordo com a criticidade, como apresentado na tabela 3: Tabela 3 Análise da Curva ABC Classe A B C Material Engrenagens, parafusos torx, rebites, canaletas e cabos elétricos (classe 5) Cabos elétricos (tensão maior que 1Kv), chaparias, barramentos e parafusos importados Parafusos, arruelas, porcas, terminais elétricos e cabos elétricos (tensão até 1Kv) Quantidade de itens % dos Custos Portanto, conforme a tabela 3 fica estabelecido que miscelâneas serão itens da classe C, que em sua maioria são de alto giro e comuns a diversos projetos e que devem ser geridos através de Kanban. Assim, será possível aumentar a facilidade jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 106

14 de gestão de estoque e minimizar o grande problema de paradas de linha devido à falta de insumos. Como a maior parte dos materiais, aproximadamente 85%, passará a ser gerida por controle visual por meio de Kanban, possivelmente não faltarão peças. Problemas devidos à compra por projeto também serão minimizados, pois cada material será comprado de acordo com a necessidade do setor produtivo. 5.2 Forma de abastecimento C Para garantir uma melhor eficiência e produtividade, propõe-se alterar o layout da fábrica de posicional para linha, assim, facilitará o fluxo do material, dividindo as funções e atividades em postos, resultando em maior valor ao produto, redução do tempo de entrega e montagem, e aumento da qualidade, pois cada um torna-se cliente e fornecedor dentro de um mesmo processo. A seguir na figura 5 será demonstrado como poderá ser o novo layout. Figura 5 Diagrama Spaghetti das disposições das miscelâneas As linhas deverão ser divididas em sublinhas e em operações de trabalho, onde cada operação realizará a sua atividade e repassará para a operação seguinte, jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 107

15 sendo todas consolidadas ao final das etapas. Cada retângulo roxo presente na figura 5 representa uma pequena prateleira que deverão conter somente os itens utilizados naquele posto de trabalho. Com esta melhoria no layout será possível reduzir o custo financeiro com movimentação de noventa e três mil reais para aproximadamente dois mil reais, pois a distância percorrida reduziu para menos de um metro, conforme está apresentado na tabela 4 abaixo: Tabela 4 Análise futura de perda por movimentação Nas prateleiras disponíveis na linha, será aplicado o Kanban de produção que será do tipo Two Bin, que segundo Mark Rosenthal (2008) é usado principalmente para itens de baixo valor agregado. Este sistema funcionará conforme esquema abaixo: jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 108

16 Inicialmente serão utilizados dois contêineres, abastecidos com a quantidade necessária para a produção. Todos os contêineres devem estar identificados com os dados dos itens. A figura 6 ilustra esse procedimento. Figura 6 Esquema de abastecimento 1 a) Quando o primeiro escaninho esvaziar, ele irá para o retorno e o segundo escaninho descerá ocupando o lugar do primeiro, conforme mostra a figura 7. Figura 7 Esquema de abastecimento jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 109

17 b) A equipe da logística fará vistorias diárias para verificar a existência de algum escaninho no campo de retorno das prateleiras, conforme está demonstrado na figura 8. Figura 8 Esquema de abastecimento 3 c) O pessoal da logística recolherá o escaninho e abastecerá o mesmo, retornando-o para a produção no lugar que ele ocupa, conforme está apresentado na figura 9. Figura 9 Esquema de abastecimento 2 Deverá existir uma pessoa responsável por abastecer a linha e conferir o estoque, de modo que o processo que anteriormente demorava em média 39 dias reduzirá para 20 dias com a proposta de um supermercado e o controle visual do estoque. O jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 110

18 lead time do fornecedor poderá reduzir para 15 dias, uma vez que ele estará sempre atento aos pedidos, e tentará cumprir com o cronograma de entrega dos itens combinado com a empresa. Quando o material chegar, deverá ser conferido, inspecionado e armazenado no supermercado, em um prazo de cinco dias. A figura 10 mostra como o fluxo de compra ficará. Figura 10 Fluxo futuro de compra de miscelâneas A figura 10 ilustra a diminuição da complexidade do processo de compras de miscelâneas, no qual há uma redução aproximada de 51% no tempo entre a colocação de pedido e a disponibilização do material para a produção. A vantagem deste sistema é que as necessidades de reposição são identificadas visualmente, e os resultados da implantação do Kanban são: rapidez no atendimento aos pedidos, geração de capital para novos investimentos e melhoria no ambiente produtivo. 5.3 Qualidade dos itens C Para garantir o controle de qualidade das miscelâneas, será necessária uma equipe treinada para controlar a chegada de miscelâneas pelo fornecedor, assim como realizar inspeção de que tipo de miscelânea está chegando, se as mesmas estão conformes, ou seja, se estão dentro das especificações solicitadas e sem defeitos ou falhas. Somente a equipe de inspeção será responsável pela disponibilização das jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 111

19 miscelâneas ao supermercado, para que mantenham o controle da quantidade e tipo de miscelâneas que está saindo da área de recebimento. Após a definição de quais itens serão considerados como miscelâneas, a Engenharia deverá elaborar uma documentação informando quais os tipos irão compor cada painel. Além desta documentação, a empresa deverá realizar uma campanha de comunicação para conscientizar todos os funcionários sobre o que são miscelâneas, divulgando notícias na empresa, por meio de intranet, avisos, reuniões, treinamentos, s, entre outros. Para solucionar os problemas de códigos diferentes para os mesmos tipos de miscelâneas, a Engenharia deverá realizar uma verificação de todos os códigos existentes e fazer uma tabela de equivalência ou eliminar aqueles em que as descrições se repetem, padronizando somente um código para uma determinada miscelânea, conforme mostra a tabela 5 abaixo: Tabela 5 Correta classificação das miscelâneas por código A tabela 5 apresenta exemplos de descrições de miscelâneas que no processo atual possuem mais de um código, e que na proposta desse trabalho, poderiam ser associadas a apenas um identificador, e na coluna Equivalência, seriam relacionados outros códigos, os quais anteriormente eram utilizados para esse material. Com isso, a área de logística conseguirá controlar melhor quais os códigos deverão ser comprados e evitar problemas de compras e estoques desnecessários de jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 112

20 miscelâneas, levando em consideração a afirmação de Côrrea e Gianesi (2009) de que compras devem ser mantidas em volumes baixos. Será interessante pensar na correta realização do trabalho nas diferentes linhas de produção. Com isso, a produção junto à área de qualidade, deverá elaborar procedimentos operacionais para cada etapa do processo. Estes procedimentos servirão para dar um direcionamento de trabalho aos funcionários, mostrando como deverá ser realizada aquela atividade, quais produtos e miscelâneas deverão ser utilizados naquela etapa de produção. A seguir será demonstrada a tabela 6 em que está inserido o procedimento operacional proposto: Tabela 6 Procedimento Operacional PROCEDIMENTO OPERACIONAL 001 OPERAÇÃO MONTAGEM DA ESTRUTURA METÁLICA PAINEL 01 ETAPA 01 -CÓDIGO 20191: PARAFUSO CABEÇA ESCARIADO. M 5 X 10 mm. MISCELÂNEAS UTILIZADAS -CÓDIGO 10106: ARRUELA TIPO LISA. DIÂMETRO 10 mm. EPI s LUVAS DE PROTEÇÃO TEMPO OPERACIONAL 15 MINUTOS Na tabela 6 é ilustrado um procedimento operacional sugerido, a fim de padronizar a produção dos painéis e evitar erros por utilização errônea de componentes. Com utilização do Kanban de produção do tipo Two Bin nas diferentes etapas do processo produtivo, será importante realizar treinamentos dos líderes de produção e operadores, apresentando a filosofia Kanban e seu funcionamento. 6. Conclusão Amparado na ferramenta Kanban, este trabalho teve como objetivo encontrar uma alternativa ao problema de paradas de linha por falhas no gerenciamento de itens de baixa criticidade, na produção de painéis elétricos de baixa e média tensão na empresa estudada jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 113

21 Dados todos os passos para o processo de implantação do Kanban, certamente muitos problemas aparecerão, mas suas soluções servirão de base na expansão do sistema pelos outros setores da empresa. Neste estudo, buscou-se realizar todas as etapas conforme exposto nos subitens da proposição deste trabalho, porém, para que a empresa possa ter um estoque menor que 30 dias e ter uma melhor qualidade de suas peças, é necessário que se façam novos estudos de possíveis melhorias a serem implantadas neste processo, como por exemplo: a) Desenvolvimento de parceria estratégica com fornecedores padrão; b) Criar relacionamento estratégico com os fornecedores para que estes realize o controle do estoque de miscelâneas ainda na fábrica; c) Realizar auditorias internas e nos fornecedores; d) Elaborar e implementar indicadores de desempenho. A presente pesquisa realizada na empresa estudada, por meio de um estudo de caso, foi muito importante, oportuna e viável para as pesquisadoras, por permitirlhes colocar em prática, em um ambiente profissional, parte dos conhecimentos adquiridos nos últimos cinco anos de formação do curso de Engenharia de Produção. Referências CHIZZOTTI, Antônio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, CORRÊA, Henrique L.; GIANESI, Irineu G. N. Just in Time, MRP II e OPT: um enfoque estratégico. 2. Ed. São Paulo: Editora Atlas, MOURA, Reinaldo A. Kanban: a simplicidade do controle de produção. 4. Ed. São Paulo: Editora Instituto IMAM, PACE, João Henrique. O Kanban na prática. 1. Ed. Rio de Janeiro: Editora Qualitymark, jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 114

22 RIBEIRO, Paulo Décio. Kanban: resultados de uma implantação bem sucedida. 5. Ed. Rio de Janeiro: COP Editora, ROSENTHAL, MARK. O que é Two Bin? Disponível em: < Acesso em: 29 mar SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuart; JOHNSTON, Robert. Administração da Produção. 3. Ed. São Paulo: Editora Atlas, VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, jan./dez n. 1 v. 3 Santa Luzia REAC 115

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

Produção Enxuta. Kanban

Produção Enxuta. Kanban Produção Enxuta Kanban Relembrando Supermercado O Supermercado é onde o cliente pode obter: O que é necessário; No momento em que é necessário; Na quantidade necessária. O supermercado é um lugar onde

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida.

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. O sistema de gerenciamento ambiental está se tornando cada vez mais uma prioridade na gestão das empresas. Em diversas

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE KANBAN DE FORNECEDOR, TRANSPORTE E PRODUÇÃO: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DE CABINES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS

IMPLEMENTAÇÃO DE KANBAN DE FORNECEDOR, TRANSPORTE E PRODUÇÃO: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DE CABINES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& IMPLEMENTAÇÃO DE KANBAN DE FORNECEDOR, TRANSPORTE

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado 1 SÍNTESE E CONCLUSÃO Como acoplar ou integrar gerencialmente uma cadeia de valor (ou etapas de um processo produtivo) no âmbito da filosofia Lean? SISTEMA PUXADO NIVELADO SISTEMA PUXADO NIVELADO: É o

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS.

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. Marcelo ARAUJO (1); Luís Felipe SANTOS (2); Diego SOUSA (3); Wemerton Luis EVANGELISTA (4). 1Graduando do Curso Superior Tecnológico em

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações KANBAN Kanban A Simplicidade no Controle das Operações Desmistificando JIT e Kanban; O Problema dos altos estoques; O Sistema MRP Os desperdícios 1 2 Just in Time Desperdícios A Filosofia Just in Time

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Alessandro Lucas da Silva (EESC-USP) als@sc.usp.br Gilberto Miller Devós Ganga (EESC-USP) gilberto_mdg@yahoo.com.br Roberta

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS GESTÃO GESTÃO DE ESTOQUES (Parte 2) DEMANDA & CONSUMO Definição de Demanda: Demanda representa a vontade do consumidor em comprar ou requisitar um produto necessário na fabricação de um outro componente. Essa

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES

PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia Logística/6º 07/05/2015 PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES Hendy de Oliveira Analista de Suprimentos

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

KANBAN (capítulo 13)

KANBAN (capítulo 13) KANBAN (capítulo 13) O sistema kanban foi desenvolvido na Toyota Motor Company por Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda e ficou conhecido dentro do Sistema Toyota de Produção, como um sistema de combate ao desperdício.

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE ROTA LOGÍSTICA LEAN PARA O ABASTECIMENTO INTERNO DE MATERIAIS: ESTUDO EMPÍRICO EM UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO

IMPLEMENTAÇÃO DE ROTA LOGÍSTICA LEAN PARA O ABASTECIMENTO INTERNO DE MATERIAIS: ESTUDO EMPÍRICO EM UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO IMPLEMENTAÇÃO DE ROTA LOGÍSTICA LEAN PARA O ABASTECIMENTO INTERNO DE MATERIAIS: ESTUDO EMPÍRICO EM UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO Bruno Carara (UFRGS) bcarara@hotmail.com Felipe Muller Treter (UFRGS)

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time.

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Fiorella Del Bianco Tema O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Objetivo Apresentar a aplicação de uma técnica simples e altamente eficaz para auxiliar na implementação

Leia mais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais A movimentação de materiais não necessita exatamente ser um setor dentro da organização, na maioria dos casos, é uma tarefa atrelada ao almoxarifado

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE HORTIFRUTI NO MUNICÍPIO DE MARABÁ, PARÁ: COM BASE NOS CONCEITOS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE HORTIFRUTI NO MUNICÍPIO DE MARABÁ, PARÁ: COM BASE NOS CONCEITOS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE HORTIFRUTI NO MUNICÍPIO DE MARABÁ, PARÁ: COM BASE NOS CONCEITOS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO Andressa dos Santos Araújo (andressabeach@hotmail.com/uepa) Daianne

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

COMPREENDENDO O KANBAN: UM ENSINO INTERATIVO ILUSTRADO

COMPREENDENDO O KANBAN: UM ENSINO INTERATIVO ILUSTRADO COMPREENDENDO O KANBAN: UM ENSINO INTERATIVO ILUSTRADO Giancarlo de França Aguiar Professor - Engenharia da Computação - UnicenP/Centro Universitário Positivo giancarl@unicenp.edu.br Jurandir Peinado Professor

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Laureilton José Almeida BORGES¹; Warley Alves Coutinho CHAVES¹; Júlio César Benfenatti FERREIRA 2 ; Adriana Giarolla VILAMAIOR 2 ¹ Estudante de Engenharia

Leia mais

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura Aplicação de Layout Celular na Recuperação de Produtos: Uma Proposta Lean para Aumentar a Eficiência na Remanufatura (UFSC) - marinabouzon@gmail.com Carlos M. Taboada Rodriguez taboada@deps.ufsc.br Abelardo

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA

TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHAGUERA DE JUNDIAÍ AUTOR(ES): JEANNE

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

A FILOSOFIA JUST IN TIME COMO OTIMIZAÇÃO DO MÉTODO DE PRODUÇÃO. Palavras-chave: Just in time. Produção. Aumento de produtividade

A FILOSOFIA JUST IN TIME COMO OTIMIZAÇÃO DO MÉTODO DE PRODUÇÃO. Palavras-chave: Just in time. Produção. Aumento de produtividade RESUMO A FILOSOFIA JUST IN TIME COMO OTIMIZAÇÃO DO MÉTODO DE PRODUÇÃO Valério Givisiez Vilete Santos FACE - Faculdade Casa do Estudante Aracruz ES e-mail: vgvsantos@gmail.com.br 04/09/2014 A não existência

Leia mais

Exercicios Produção e Logistica

Exercicios Produção e Logistica 1 PROVA: 1998 PARTE I: QUESTÕES OBJETIVAS 7 Uma empresa fabrica e vende um produto por R$ 100,00 a unidade. O Departamento de Marketing da empresa trabalha com a Equação da Demanda apresentada abaixo,

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Auxiliar

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Teresa Maciel MSC, PhD Candidate Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Sobre a instrutora... Doutoranda em Engenharia de Software (métodos ágeis), Mestre em Engenharia de Software (melhoria de processos de

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Jonas Alves de Paiva (UFPB) jonas@ct.ufpb.br Thiago Miranda de Vasconcelos

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO

PROGRAMA DE TREINAMENTO Jogo de Empresa POLITRON Tutorial para Uso da Planilha PROGRAMA DE TREINAMENTO EM MRP II Tutorial para o uso da Planilha do POLITRON Direitos Reservados - Reprodução Proibida Janeiro/2001 Versão Demonstrativa

Leia mais

Planejamento de Manutenção e Fiscalização de Obras Industriais, Gestão de Materiais, Inventário de Estoques e Bens Patrimoniais.

Planejamento de Manutenção e Fiscalização de Obras Industriais, Gestão de Materiais, Inventário de Estoques e Bens Patrimoniais. Planejamento de Manutenção e Fiscalização de Obras Industriais, Gestão de Materiais, Inventário de Estoques e Bens Patrimoniais. Quem Somos A MDS soluções é uma prestadora de serviços que procura apoiar

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta RESUMO Danieli Tavares Rates da Silva 1 Rogério de Souza 2 Anderson da Silva 3 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO.

A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO. 1 A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO. Aline Carla Herrero Alves Elizabete Alves dos Santos Francisco Cesar Vendrame Jovira Maria Sarraceni Máris

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE Menor Lead Time Estrutura do STP Just-In-Time Fluxo Contínuo Takt Time Produção Puxada Kanban Custo Mais Baixo CLIENTE Segurança Moral Jidoka Separação Homem/ Máquina Poka-Yoke Inspeção Fonte Ação Imediata

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA NO MONITORAMENTO DO SISTEMA OPERACIONAL ENXUTO NA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA NO MONITORAMENTO DO SISTEMA OPERACIONAL ENXUTO NA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA NO MONITORAMENTO DO SISTEMA OPERACIONAL ENXUTO NA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Cristiano Marques de Oliveira Delphi Automotive Systems E-mail: cristiano.m.oliveira@delphi.com

Leia mais

Características das etiquetas Kanban

Características das etiquetas Kanban Etiqueta Kanban A etiqueta kanban é um tipo de kanban de produção usado quando a quantidade de produção é tão grande e a velocidade tão rápida que somente a etiqueta é utilizada para controle. Características

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

Exercícios. Exercício 1

Exercícios. Exercício 1 Exercícios Exercício 1 Considere um sistema de processamento com os seguintes tempos entre chegadas de tarefas: Tempo entre Chegadas (horas) Probabilidade 0 0.23 1 0.37 2 0.28 3 0.12 Os tempos de processamento

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11]

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Introdução Rogério Bañolas ProLean Logística Enxuta No artigo anterior, vimos uma seqüência recomendada para implementação, bem como uma explicação sucinta de como

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Planejamento da produção

Planejamento da produção Planejamento da produção Capítulo 3, parte B Sumário Capacidade de produção Elaboração do plano de produção Just-in-time Capacidade de produção O que é capacidade de produção? Capacidade de produção O

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Análise da acuracidade de estoques: um estudo da aplicação do método do inventário rotativo na empresa Alfa

Análise da acuracidade de estoques: um estudo da aplicação do método do inventário rotativo na empresa Alfa Análise da acuracidade de estoques: um estudo da aplicação do método do inventário rotativo na empresa Alfa Izadora Pereira (UNIFEBE) Izadorapereira@unifebe.edu.br André Luís Almeida Bastos (UNIFEBE/FURB/ESNT)

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Tatiane Vaz Ferreira Daudte 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Logística 4ª Série Operações de Terminais e Armazéns A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais