Aspectos celulares e moleculares da resposta imunitária a Leishmania spp. Cellular and molecular aspects of immune response to Leishmania spp

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aspectos celulares e moleculares da resposta imunitária a Leishmania spp. Cellular and molecular aspects of immune response to Leishmania spp"

Transcrição

1 ARTIGO DE REVISÃO REVISTA PORTUGUESA DE CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Aspectos celulares e moleculares da resposta imunitária a Leishmania spp Cellular and molecular aspects of immune response to Leishmania spp José C.C. de Freitas*, Diana C.S.N. Pinheiro Faculdade de Veterinária, Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza-Ceará Resumo: O sistema imunitário apresenta funcionamento complexo e envolve interações específicas entre os seus componentes, conferindo imunidade inata e adquirida ao indivíduo. A integração entre os sistemas inato e adaptativo trabalha de uma maneira orquestrada para a manutenção da homeostase do organismo. Dentre os agentes invasores destacam-se parasitos intracelulares como Leishmania spp. A resposta imunitária a Leishmania é iniciada no local de entrada do parasito, através das células sentinelas, onde as formas promastigotas são interiorizadas, promovendo a ativação da resposta imunitária. A interação de PAMPs nos patógenos com Toll-Like Receptors das células sentinelas desencadeará a ativação de fatores de transcrição, como o NF-κB e NF-AT, que estão envolvidos na ativação de genes que codificam para citocinas, como TNF-α, IL-1 e IL-12, quimiocinas, e a óxido nítrico sintetase induzível. A resposta imune direcionada por Th1, mediada por Interferon-γ e TNF-α, predominante nos cães assintomáticos tem sido relacionada à resistência à doença, enquanto que a resposta imune mediada por Th2, com produção de IL-4 e IL-10, é relatada nos casos sintomáticos. Embora o papel das citocinas liberadas por Th2 nos casos sintomáticos seja controverso, há evidências de sua correlação com a progressão da doença. Vêm sendo discutidas as atuações dos neutrófilos, mastócitos, basófilos, células natural killer (NK), linfócitos TCD8+ e T regulatórios (Treg) na leishmaniose. O estudo da resposta imunitária hospedeiro-parasito como fator de desencadeamento e severidade das lesões patológicas é essencial para melhor compreensão e caracterização da doença. Palavras-chave: Resposta imunitária, Leishmania spp, Células, Mediadores Summary: The immune system shows complex operation and involves specific interactions between its components, providing innate and acquired immunity to the individual. The integration between the innate and adaptive systems works in an orchestrated manner to maintain homeostasis. Among the invaders agents stand out intracellular parasites like Leishmania spp. The immune response to Leishmania starts at the entrance of the parasite, through the sentinel cells, where the promastigotes are internalized by promoting the activation of the immune response. The interaction of PAMPs on pathogens with Toll-Like Receptors of sentinel cells trigger the activation *Correspondência: Tel: +(55) ; Fax: +(55) of transcription factors such as NF-κB and NF-AT, which are involved in the activation of genes coding for cytokines such as TNF-α, IL-1 and IL-12, chemokines, and inducible nitric oxide synthase. The immune response directed by Th1 mediated by Interferon-γ and TNF-α, predominantly in asymptomatic dogs has been linked to disease resistance, while the immune response mediated by Th2 cells, with production of IL-4 and IL-10 is reported in symptomatic cases. Although the role of cytokines released by Th2 cells in symptomatic cases is controversial, there is evidence of its correlation with disease progression. Have been discussed the actions of neutrophils, mast cells, basophils, natural killer cells (NK), TCD8+ lymphocytes and T regulatory (Treg) in leishmaniasis. The study of immune response host-parasite as a factor in triggering and severity of pathological lesions is essential for better understanding and characterization of the disease. Keywords: Immune response, Leishmania spp, Cells, Mediators Introdução As leishmanioses são antropozoonoses, causadas por protozoários pertencentes ao gênero Leishmania, consideradas um problema de saúde pública, representando um complexo de doenças com importante diversidade epidemiológica e espectro clínico, que incluem as formas: cutânea, mucocutânea e visceral (Ministério da Saúde do Brasil, 2006). Leishmania spp são parasitos digenéticos que se desenvolvem com a forma promastigota no aparelho digestivo de insetos flebotomíneos e com a forma amastigota intracelular no sistema fagocítico mononuclear dos hospedeiros vertebrados, como os cães e humanos (Awasthi et al., 2004). O controle das leishmanioses é feito através do combate ao inseto vetor, detecção dos reservatórios e tratamento dos casos humanos (Santiago et al., 2008). Já o controle da leishmaniose canina (LCan) é baseado na detecção e sacrifício dos cães soropositivos para a doença, conforme norma da Organização Mundial de Saúde (OMS). Numerosos estudos apontam para uma variedade de fatores que contribuem para o estabelecimento da 11

2 leishmaniose como, características do parasito, relação parasito-hospedeiro e a resposta imunitária ao parasito. O estudo da resposta imunitária à Leishmania spp é essencial para a compreensão da dinâmica do parasito no hospedeiro e caracterização da doença. As leishmanioses são caracterizadas por apatia, perda de peso, alopecia, hepato-esplenomegalia, linfadenopatia, complicações renais e sistêmicas. Esses sinais e sintomas estão correlacionados às formas clínicas da doença. Sendo assim, este trabalho tem como objetivo fazer uma revisão descrevendo aspectos celulares e moleculares associados à resposta imunitária à Leishmania spp. Resposta imunitária na leishmaniose canina O sistema imunitário apresenta funcionamento complexo e envolve interações específicas entre os seus componentes e entre os diferentes parasitos. A atuação do sistema imunitário confere ao indivíduo a imunidade nas formas inata e adquirida, dirigidas em resposta a um antígeno. Apesar de a resposta imunitária adaptativa ser induzida especificamente, uma integração entre o sistema inato e adaptativo trabalha de uma maneira orquestrada para a manutenção da integridade do organismo do indivíduo. Dentre os agentes invasores estão os protozoários que apresentam uma grande variação estrutural entre espécies e, por isso, não é surpreendente que ativem diferentes respostas imunes específicas. Leishmania spp apresenta uma ampla variedade antigênica que permite a interação com as células do hospedeiro na promoção de sinais desencadeadores da liberação de mediadores e ativação de células da resposta imunitária inata e adaptativa. São parasitos intracelulares obrigatórios que invadem preferencialmente macrófagos ou células dendríticas, que estão envolvidas não só na destruição do parasito, mas na liberação de mediadores envolvidos na interação parasito-hospedeiro (Martinez et al., 2009). Imunidade inata A resposta imunitária a Leishmania é iniciada no local de entrada do parasito através das células sentinelas, incluindo células dendríticas e macrófagos, onde as formas promastigotas de Leishmania spp são interiorizadas por um processo chamado de fagocitose, formando um fagossomo que se une com lisossomos para formar um fagolisossomo (Rittig e Bogdan, 2000). Esse processo é realizado por um grupo de "fagócitos profissionais" e tem como alvo micro- -organismos, que são englobados em um compartimento celular no qual os mesmos podem ser mortos (Handman e Bullen, 2002). Os patógenos, dentre eles os protozoários, podem ser reconhecidos por fagócitos através das proteínas moleculares associadas ao patógeno (PAMPs) que interagem com receptores de reconhecimento de patógenos (PPRs) expressos nos fagócitos. Acredita-se, que esse reconhecimento sirva para a ativação da imunidade inata, bem como um sinal para os processos da imunidade adquirida (Muzio et al., 2000; Ross, 2000; Gordon, 2002; Janeway e Medzhitov, 2002). PAMPs estão presentes entre todas as classes de patógenos e podem representar um sinal em particular de cada classe. Uma característica comum de todos os PAMPS é que eles são produzidos por micro-organismos, mas nunca pelas células hospedeiras. Portanto, a detecção dos PAMPs pelos PPRs, dentre eles os receptores Toll-like (TLRs) pode representar o reconhecimento imune, com diferenciação entre "self" e "nonself" (Medzhitov e Janeway, 1997; Schnare et al., 2001). Muitas proteínas de Leishmania spp que já foram identificadas são expressas na forma amastigota e na forma promastigota. Essas proteínas contêm numerosos aminoácidos repetidos que representam uma alta porcentagem (75%) do total da molécula. Muitos genes são apresentados em cópias múltiplas, mas é desconhecido como essas cópias são expressas e como elas são usadas pelo parasito. Essas cópias múltiplas são capazes de produzir várias proteínas isoformes que devem favorecer a adaptabilidade do parasito. Algumas dessas características podem ser elucidadas no estudo do proteoma de Leishmania e relatadas para o genoma (Kubar e Fragaki, 2006). Portanto, essas proteínas estão relacionadas com a virulência e a resposta imunitária do hospedeiro ao parasito. Proteínas A2 expressas em amastigotas e LMPK expressas em promastigotas são fatores de virulência encontrados em várias espécies de Leishmania que tem papel importante na sobrevivência do parasito no hospedeiro mamífero, pois na ausência das mesmas os hospedeiros foram capazes de controlar a infecção (Wiese e Gorcke, 2001). As promastigotas "lmpk- -deleted" podem ser usadas como vacina, principalmente em cães, com infecção causada por L. infantum (Kubar e Fragaki, 2006). Outros fatores de virulência estão incluídos no potencial de sobrevivência do parasito: LPG (Turco et al., 2001), cisteina proteinase (Mottram et al., 1998), gp63 (Yao et al., 2003) e CRK3 (Hassan et al., 2001). O potencial de virulência do Lepp 12 permanece ainda incerto. Como L. major é a espécie que vem sendo estudada mais exaustivamente pelos imunologistas, existem menos informações sobre a forma visceral da doença do que a forma tegumentar (Fragaki et al., 2003). TLRs são uma família de receptores transmembrana com estrutura altamente conservada que reconhecem 12

3 produtos do metabolismo microbiano (PAMPS), ativam uma resposta imunitária específica ao patógeno (Trinchieri e Sher, 2007). Reconhecimento de um patógeno único pode envolver a ativação de múltiplos TLRs. São os únicos receptores que medeiam diretamente a maturação das células dendríticas. Além disso, o fato que eles são diferentemente expressos entre os subtipos de células dendríticas sugere que já estão diferencialmente ativados de acordo com os patógenos desafiados (Kelsall et al., 2002), induzindo a produção de diferentes citocinas em um único tipo de célula dendritica ou secretando diferentes citocinas em distintos subtipos de células dendríticas (Reis e Sousa, 2004). A interação TLR com PAMPs desencadeará a ativação de fatores de transcrição envolvidos na ativação de genes que codificam para diversas citocinas e síntese de outras moléculas (Grazzinelli e Denkers, 2006). Uma resposta imunitária adaptativa eficiente não requer somente a apresentação do antígeno no contexto do complexo de histocompatibilidade principal (MHC), mas também depende da ativação de sinais acessórios, como fatores co-estimulatórios e citocinas, nas APCs. TLRs expressos nas APCs podem regular esses sinais acessórios através do reconhecimento dos PAMPs e, conseqüentemente, controlar a ativação da resposta imunitária adaptativa antígeno-específica (Schnare et al., 2001). A fagocitose requer uma interação seqüencial e circunferencial entre receptores especializados na superfície das células fagocíticas e ligantes complementares na superfície das partículas fagocitadas. Como as promastigotas de Leishmania spp aderem aos fagócitos na região polar, pode-se então presumir que sua internalização é feita pelo alongamento de pseudópodes em torno do parasito de forma radial. A localização no sítio intracelular da Leishmania spp é predominantemente no vacúolo parasitófago (VP), podendo residir individualmente ou em grandes vacúolos com várias formas amastigotas (Rittig e Bogdan, 2000). Entretanto, estudos em pacientes com a forma cutânea foram observados um pequeno número de formas amastigotas na região citosólica da célula, e a partir de então foi verificada a possibilidade, de nesses casos, ser induzida a resposta imunitária mediada pelo MHC de classe I (Rittig e Bogdan, 2000). Uma vez dentro do fagócito mononuclear, as promastigotas sofrem significantes alterações bioquímicas e metabólicas, as quais resultam na forma intracelular obrigatória a amastigota. As formas amastigotas de Leishmania spp desenvolveram mecanismos para subverter e escapar da ação dos macrófagos, podendo reinvadir células dendríticas e fibroblastos, bem como novos macrófagos (Rittig e Bogdan, 2000; Handman e Bullen, 2002). O principal mecanismo de liberação das formas amastigotas no meio extracelular é feito de forma mecânica, pela elevada multiplicação intracelular (Handman e Spira, 1977). Por outro lado, também foi observado que Leishmania, no interior do fagolisossomo tem a capacidade de influenciar o sistema vacuolar da célula hospedeira, sugerindo que as amastigotas recrutem a maquinaria de exocitose auxiliando a liberação mecânica (Rittig e Bogdan, 2000). Recentes estudos demonstraram que a entrada e sobrevivência de Leishmania spp dentro de macrófagos, só são possíveis com a prévia infecção de neutrófilos que são recrutados como uma resposta normal à picada do inseto. Novos achados indicam que Leishmania spp são capazes de infectar os neutrófilos, sendo estes fagocitados por macrófagos, e assim desencadear um processo no macrófago conhecido como modelo "cavalo de Tróia" (Jochim e Teixeira, 2009). Macrófagos são células frequentes no local da infecção causada por Leishmania spp e apresentam múltiplas funções: servem como células hospedeiras na multiplicação do parasito, como célula apresentadora de antígenos e como células produtoras de citocinas moduladoras da resposta mediada por linfócitos T. Estas células medeiam a ativação de células Th1 que agem sobre os macrógafos infectados como efetores para a morte intracelular do parasito (Zer et al., 2001). Os macrófagos são oriundos da migração dos monócitos ao sítio infeccioso, que ocorre nos estágios iniciais após a picada do inseto, promovida pelos produtos da saliva do inseto vetor. A maturação destas células se dá pelo processamento antigênico, induzindo sua ativação e produção de mediadores, como as quimiocinas, dentre elas podemos citar a proteína inflamatória macrofágica (MIP-1β) (van Zandbergen et al., 2004). Nessa situação, os macrófagos são capazes de liberar citocinas que agirão diretamente na ativação e recrutamento de células T. Essas células desempenham papel muito importante, tanto diretamente, por mediarem respostas celulares na ativação dos próprios macrófagos residentes, quanto indiretamente, na regulação e produção de anticorpos produzidos por plasmócitos que derivam de linfócitos B (Teixeira et al., 2006; Martinez et al., 2009). Alguns fatores têm a capacidade de influenciar a resposta imunitária a Leishmania spp, participando diretamente na resistência ou susceptibilidade à doença, dentre eles podemos citar os mediadores inflamatórios e outras moléculas. Os leucotrienos (LTB4) e o fator de ativação plaquetária (PAF) participam diretamente no processo de resistência à infecção, agindo diretamente nos macrófagos, estimulando o aumento da produção de óxido nítrico (Serezani et al., 2006; Santiago et al., 2006). Já as prostaglandinas (PGE2), o fator de crescimento semelhante à insulina-1 (IGF-1), a adenosina e o fator indutor de hipóxia-1 estão diretamente relacionados aos processos que desencadeiem suscep- 13

4 tibilidade a infecção, onde PGE2 e IGF-1 interferem diretamente na produção do óxido nítrico pelos macrófagos (Maioli et al., 2004; Guimarães et al., 2006; Degrossoli et al., 2007; Vendrame et al., 2007). Outras células apresentadoras de antígenos (APCs), como é o caso das células dendríticas (CD), são consideradas importante vínculo entre a resposta imunitária inata e adaptativa numa infecção causada por Leishmania spp. CDs são um grupo heterogêneo e largamente distribuído de células migratórias, derivadas da medula-óssea, especializadas no reconhecimento, apreensão, transporte e processamento de antígenos patógenos. Na resposta imunitária inata e adaptativa ativam as células NK e os linfócitos T virgens (Granucci et al., 2004) e estão envolvidas na indução da tolerância periférica aos antígenos próprios (Steinman et al., 2003). CD possuem múltiplos mecanismos de sobrevivência que podem detectar os patógenos direta ou indiretamente; então, podem representar um importante ponto pelo qual sinais associados ao patógeno ou à vacina são integrados e transmitidos ao sistema imunitário adaptativo. Com isso, podem capturar um patógeno invasor e migrar para os órgãos linfóides de drenagem mais próximos onde, depois da maturação, apresentam os antígenos processados para ativar as células T, desse modo induzindo a diferenciação das células ativadas em células T efetoras (Biron et al., 2002; Garg et al., 2007). As células de Langerhans (CL) são um específico subtipo de células dendríticas da pele que formam uma densa rede na camada suprabasal da epiderme. CL podem atuar como células sentinelas na epiderme e também parecem possuir funções protetoras numa infecção causada por Leishmania spp (Moreno, 2007). Durante muitos anos foi aceite que, numa infecção microbiana, as CL aprisionavam os antígenos dos parasitos e migravam para uma área dependente de células T no linfonodo de drenagem da pele, com o objetivo de apresentá-los às células T virgens, e esse ciclo ficou estabelecido como um paradigma para outras CD (Wilson e Villadangos, 2004). Entretanto, em estudos recentes, ficou demonstrado que outros subtipos de CD falharam na atividade do ciclo de vida tipificado pelas CL (Romani et al., 2006). Tem sido proposto então que, a resposta imunitária mediada pelas células T contra L. major é gerada pelas CD da derme e que as CL tem uma função regulatória instalada e devem ser responsáveis pela supressão da resposta inflamatória (Ritter e Osterloh, 2006). Os macrófagos ativados em função da interação com o parasito ou através das citocinas secretadas pelas células efetoras Th1 passam a produzir óxido nítrico (NO) o qual é requerido para uma efetiva destruição de um elevado número de patógenos, os quais podem ser citados: vírus, bactérias, protozoários, fungos e helmintos (Shin et al., 2000). NO é sintetizado por uma família de enzimas conhecidas como óxido nítrico sintetase (NOS), podendo esse evento ocorrer em diferentes tipos celulares (Bogdan et al., 2000), como produtos da ativação de genes relacionados a produção de fatores de transcrição ativados pela interação celular com o parasito. Estudos realizados in vitro sugerem que a óxido nítrico sintetase induzida (inos) apresente uma elevada importância na regulação e no processo efetivo de controle da multiplicação intracelular das formas amastigotas de Leishmania spp. Macrófagos caninos infectados in vitro e ativados por interferon-γ (INF-γ) apresentaram uma elevada expressão de NO (Sisto et al., 2001) e ao serem incubados com linfócitos de cães imunizados anteriormente, apresentaram aumento na produção de NO, subseqüente à liberação de INF-γ, além de uma significante série de apoptose, mediada por NO, das formas amastigotas intracelulares (Holzmuller et al., 2006). Já em estudos realizados in vivo, nos quais foram utilizados humanos e camundongos, foram sugeridos que a expressão de inos pelos macrófagos ativados era o principal mecanismo efetor no controle das leishmanioses (Serarslan e Atik, 2005). A síntese de NO pelos macrófagos ativados é mediada pelas citocinas derivadas pelas células Th1, dentre elas está principalmente o INF-γ (Bogdan et al., 2000). Devido a falta de estudos sobre a expressão de inos em testes in vivo utilizando cães infectados com Leishmania spp, Zafra et al. (2008) avaliaram o efeito do NO produzido a partir de inos em macrófagos ativados demonstrando um importante papel no controle da disseminação da infecção por Leishmania spp nos cães e que a combinação de macrófagos ativados e a elevada expressão de inos são capazes de destruir ou mesmo inibir a multiplicação de formas amastigotas, e por outro lado a baixa expressão de inos pelos macrófagos pode facilitar a multiplicação das formas amastigotas de Leishmania spp. Também foi sugerido que um mecanismo de escape utilizado pelos parasitos seria a inibição da expressão de inos nos macrófagos ativados, mas sem apresentar ainda dados definitivos para a afirmativa (Zafra et al., 2008). O reconhecimento do parasito e a produção de citocinas são os dois principais mecanismos estimulatórios para as células NK, e ambos estimulam suas respostas efetoras (Alli e Khar, 2004). Muitos avanços têm sido feitos no entendimento dos receptores que ativam e inibem a funcionalidade das células NK maduras, as citocinas iniciando pela produção do INF-γ e a atividade citolítica. Entretanto, pouco se sabe sobre outros aspectos da diferenciação das células NK. Estudos in vitro sugerem que as células NK podem se diferenciar pela produção de interleucina-10 (IL-10) (Grant et al., 2008) e devem apresentar atividades regulatórias (Deniz et al., 2008). Evidências sobre a regulação inibitória das células NK nas doenças infecciosas, como as leishmanioses, necessitam de 14

5 estudos mais aprofundados (Maroof et al., 2008). Durante infecção causada por L. donovani, o baço apresenta uma extensiva remodelação associada com a esplenomegalia, que pode estar associada também ao aumento do número de células NK (Kaye et al., 2004), que se acumulam promovendo aumento no número absoluto considerável no baço e nos granulomas hepáticos em camundongos infectados, além de representar outra fonte de IL-10. Além disso, confirmando a hipótese de que a inibição da expressão do gene da IL-10 seja uma característica encontrada no momento inicial da ativação das células NK, somente as células isoladas de organismos com a infecção estabelecida são capazes de suprimir a resistência do hospedeiro, função essa que está associada com o aumento do RNA mensageiro de IL-10 e da secreção de IL-10 (Maroof et al., 2008). O principal mecanismo de ativação das células NK se dá através de interação do lipofosfoglicano (LPG) do parasito com TLR-2, que sinaliza fatores de transcrição para a síntese de IL-10 (Becker et al., 2003). A aproximação e fagocitose de partículas são também facilitadas pelos receptores de complemento (RC), RC1 e RC3, que participam de ambos os processos. A interação do parasito com os receptores de complemento ocorre de três formas: na presença do soro pela ativação do componente C3 do complemento, através do processo soro-independente com a aproximação de glicoproteína (gp63) para RC3 e do LPG do parasito com o sítio específico de RC3 e RC1 (Handman, 1999). RC4 também apresenta papel importante no processo de fagocitose do parasito (Alexander e Russell, 1992). Basófilos e mastócitos são importantes células efetoras no processo inflamatório mediado por IgE. Os basófilos são raramente encontrados no sangue circulante, perfazendo menos de 1% dos leucócitos sanguíneos, além de normalmente não serem encontrados nos tecidos. Entretanto, eles podem ser recrutados para alguns sítios inflamatórios, como o local da picada de insetos, onde os antígenos estão presentes (Kawakami e Galli, 2002), sendo assim capazes de liberar mediadores pró-inflamatórios no local, corroborando para o estabelecimento do processo inflamatório. Sendo assim, os basófilos podem aparecer como auxiliares e subverter a função das CD na apresentação de antígenos. Quando isso ocorre, elevadas concentrações de IL-4 são produzidas pelos basófilos e mastócitos, ocorrem alterações do perfil imunológico, direcionando o sistema imunitário para uma resposta mediada por células Th2 e consequentemente por IgE (Yoshimoto et al., 2009). Durante uma infecção parasitária, o sistema imunitário controla tanto o número de parasitos presentes no organismo quanto à resistência a infecção, mas também pode induzir a doença associada ao parasitismo. As células T desempenham papel muito importante, tanto diretamente, por mediarem respostas celulares, quanto indiretamente, na regulação e produção de citocinas e anticorpos (Belkaid e Tarbell, 2009). A ativação e diferenciação de células Th1 têm sido associadas à TLR, fato esse ainda não demonstrado nas respostas mediadas por células Th2. As respostas mediadas por Th2 podem ser dependentes de outros, ainda não-caracterizados, tipos de PPRs (Schnare et al., 2001). O principal mecanismo de defesa contra protozoários que sobrevivem dentro de macrófagos é através da imunidade mediada por células, principalmente através da ativação dos próprios macrófagos, por citocinas derivadas das células Th1 (Martinez et al., 2009). Imunidade adquirida Os linfócitos T constituem-se de duas principais subpopulações: as células T CD4+ e as células T CD8+. Em resposta aos antígenos protéicos dos micro-organismos, as células T CD4+ auxiliares podem se diferenciar em subpopulações de células efetoras, que produzem distintos grupos de citocinas. As subpopulações de células T CD4+ auxiliares efetoras são denominadas de Th1, Th2 e Th17, sendo o INF-γ, a IL-2 e o TNF as citocinas características de Th1, e a IL-4, IL-5, IL-10 e IL-13 as citocinas características de Th2. O INF-γ secretado pelas células Th1 promove a diferenciação de Th1 e inibe a proliferação das células Th2. De outro modo, a IL-4 produzida pelas células Th2 promove a diferenciação das próprias células Th2 e, juntamente com IL-10, inibe a ativação das células Th1. A diferenciação para subpopulações de células Th1 e Th2 está relacionada a três fatores: as citocinas presentes no ambiente da estimulação, o tipo de célula apresentadora de antígeno e a natureza e quantidade do antígeno (Hailu et al., 2005). A IL-12 é a principal indutora das células Th1, indicando que essa citocina tem participação no processo de resistência à infecção, com conseqüente aumento da produção de INF-γ (Santos-Gomes et al., 2002). A principal função das Th1 é a defesa mediada por fagócitos, especialmente no combate a micro-organismos intracelulares; enquanto a de Th2 ocorre nas reações imunes mediadas por IgE e pelos eosinófilos/mastócitos (Hailu et al., 2005). Animais infectados com Leishmania spp podem desenvolver uma infecção sintomática resultando em morte, enquanto outros permanecem assintomáticos, ou desenvolvem um ou poucos sintomas e são classificados como oligossintomáticos (Barbieri, 2006). Os animais sintomáticos apresentam algumas alterações imunológicas que envolvem as células T, dentre elas a ausência de hipersensibilidade do tipo retardado (DTH) (Cardoso et al., 1998; Solano-Galego et al., 2000), diminuição do número de células T no sangue periférico (Martinez-Moreno et al., 1995; De Luna et 15

6 al., 1999) e ausência de INF-γ e IL-2 (Pinelli et al., 1995; 1999; Santos-Gomes et al., 2002). A resistência à infecção está associada à ativação de células T CD4+ Th1 específicas para Leishmania spp, que produzem INF-γ, IL-2 e o fator de necrose tumoral-γ (TNF-α) e, desse modo, ativam os macrófagos para destruírem as amastigotas intracelulares, via produção de óxido nítrico, como já foi demonstrado em estudo realizado com cães infectados com L. infantum (Vouldoukis et al., 1996). Já a participação das citocinas de Th2 na LCan ainda não foi bem definida. Entretanto, em infecções humanas com L. chagasi, o aumento da produção de IL-10 tem apresentado correlação com patologia (Ghalib et al., 1993). Fato esse que confirma que, a ativação de células Th2 resulta no aumento da sobrevivência do parasito e na exacerbação das lesões, em razão das ações supressivas de suas citocinas nos macrófagos (Brachelente et al., 2005). Evidências de uma resposta mista de Th1 e Th2 têm demonstrado o aparecimento de cães assintomáticos, com os níveis de IL-2, INF-γ e IL-10 aumentados. Entretanto, a produção de IL-2 e INF-γ predominaram nos cães assintomáticos e a expressão de IL-10 não foi conclusiva para as infecções sintomáticas (Santos-Gomes et al., 2002; Chamizo et al., 2005). A expressão aumentada de mrna IL-4 não foi observada nas células do sangue periférico dos cães assintomáticos, contudo essa citocina foi detectada em cães assintomáticos estimulados por antígeno leishmanial solúvel (SLA) (Chamizo et al., 2005). Já nos animais sintomáticos, IL-4 foi detectada em aspirados de medula óssea de cães que apresentavam os mais severos sinais clínicos da doença (Quinnell et al., 2001). Essa polarização não é regra geral para todos os casos de infecções causadas por Leishmania spp, e isso se deve ao fato da participação de células T regulatórias (Treg) (Miyara e Sakaguchi, 2007). Células Treg são subpopulações de células T que apresentam atividade supressiva, essenciais na manutenção da homeostase, através da interação célula-célula e/ou pela produção de citocinas como a IL-10 e TGF-β (Miyara e Sakaguchi, 2007, Belkaid e Tarbell, 2009). Essas células podem ser divididas em dois tipos principais, de acordo com sua origem, geração e mecanismo de ação: as células que expressam naturalmente o fator de transcrição forkhead box P3 (Foxp3 + ), que se desenvolvem normalmente no timo e as células Treg induzidas (itreg), que se desenvolvem no sangue periférico através de uma diferenciação das células CD4 +, depois de serem expostas a alguns sinais como citocinas regulatórias, drogas imunossupressivas ou a algumas APCs, adquirindo a capacidade de secretar IL-10 e TGF-β (Sakaguchi et al., 2008). Treg são classicamente definidas por expressarem a cadeia α do receptor para IL-2 (CD25). Além desta, também expressam membros da família do receptor para o TNF, CD39 e CD73, além de altos níveis de receptor para folato (Shevach et al., 2006; Deaglio et al., 2007; Yamaguchi et al., 2007). Entretanto, nenhum desses marcadores é especifico para as células Treg, podendo ser expressos por outras células T ativadas. Já o fator de transcrição Foxp3 é o principal marcador para as células Treg (Shevach et al., 2006). Ficou demonstrado que o Foxp3 orquestra os programas celulares e moleculares envolvidos na função das células Treg através da interação com outros fatores de transcrição como o fator nuclear de células T ativadas (NFAT) e fator nuclear k de células B ativadas (NF-κB). A atividade do fator nuclear de células T ativadas (NFAT) é controlada por cálcio e por proteínas dependentes de cálcio e formam complexos com NF-κB e promovem a expressão de IL-2 e IL-4, além de outros genes, que contribuem para a ativação das células T e sua diferenciação em células T efetoras (Sakaguchi et al., 2008). IL-2 tem fundamental importância para as funções das células Treg, propiciando a proliferação e diferenciação das células T. O receptor de IL-2 tem alta afinidade com o marcador CD25 que é essencial para o desenvolvimento das células Treg (Belkaid et al., 2002; Sakaguchi et al., 2008). A participação das células Treg no controle da infecção por L. infantum já foi descrita em humanos e camundongos (Gantt et al., 2003; Campanelli et al., 2006). A participação dos linfócitos T CD8 + na resistência a LCan ainda não está bem documentada. Esses linfócitos são normalmente detectados em cães assintomáticos e não nos cães sintomáticos, sugerindo que ocorra lise dos macrófagos pelo linfócito T citotóxico, representando então um mecanismo adicional na resistência à infecção (Pinelli et al., 1995). Colaborando com esse achado, em estudo realizado com cães infectados com L. infantum, foi observada uma redução dos níveis de células T CD4 + e T CD8 + e após o tratamento, os níveis normais dessas células foram reestabelecidos (Bourdoiseau et al., 1997). Diversos estudos já foram realizados com o objetivo de se elucidar o perfil de imunoglobulinas (Ig) nos cães. Vem sendo estudada o papel da IgG na resposta imunitária a Leishmania spp, sobretudo às subclasses de IgG: IgG1 IgG4. As concentrações séricas de IgG obedecem a ordem de IgG1 > IgG2 > IgG3 > IgG4, entretanto esses estudos precisam ser ainda mais aprofundados, principalmente no que se refere ao conhecimento da função de cada subclasse, como a habilidade de carrear proteínas e carboidratos, fixar complemento, opsonizar, entre outras. Além disso, ainda não há evidências que associe as subclasses de IgG caninas com populações imunoregulatórias específicas (i.e. Th1 versus Th2) ou uma resposta imunitária dominada por um perfil de citocinas polarizados (Day, 2007). Entretanto, alguns estudos vêm sendo realizados, onde se caracteriza o perfil de Ig na LCan. A partir de 16

7 então, chegou-se a conclusão de que a correlação direta entre a indução de altos títulos de IgG1 anti-leishmania e o aparecimento de sinais clínicos foi demonstrada em cães infectados, enquanto anticorpos IgG2 foram associados com cães assintomáticos (Iniesta et al., 2005). No entanto, em estudo realizado em cães com diferentes formas clínicas de LCan, foi observado que animais assintomáticos possuíam níveis de IgG1 elevados, que decaíam à medida que havia progressão dos sintomas, e que níveis elevados de IgG2 estariam associados com a morbidade (Reis, 2001). Também foi observada forte relação entre títulos de IgG total e IgG2 em cães sintomáticos (Almeida et al., 2005). Além disso, sugere-se que a produção policlonal de anticorpos anti-leishmania, que inclui também a produção de IgE, poderia caracterizar a resposta mediada por Th2 na LCan. A hipótese segundo a qual susceptibilidade e resistência estão associadas à produção de anticorpos específicos IgG1 e IgG2 ainda não foi confirmada (Quinnell et al., 2003). Tem sido sugerido que, cães que desenvolvam resposta imunitária mediada pelas células T CD4 + são provavelmente capazes de evitar a disseminação do parasito para superfície mucosa e, como conseqüência, produzem níveis menores ou básicos de IgA específica, reconhecida como a principal imunoglobulina componente do sistema imunitário das mucosas (Rodriguez-Cortes, 2007). As subclasses de IgG1 e IgG2 têm sido utilizadas como marcadores para a evolução clínica da LCan, sendo consideradas mais confiáveis que a determinação de IgG total (Desplazes et al., 1995). Conclusões Durante uma infecção causada por Leishmania spp, a resposta imunitária é modulada por um sistema integrado que potencializa a imunidade inata e adquirida. Na última década, uma grande quantidade de conhecimento tem sido adquirida sobre a participação dos sinais moleculares na integração da imunidade inata e adquirida, além do incremento das pesquisas focadas nos mediadores sistêmicos, os quais têm crucial participação no direcionamento e controle da resposta protetora eficiente e nas alterações da sinalização e controle, que podem estar envolvidos na persistência e/ou aumento da expressão de mediadores inflamatórios e conseqüentes danos teciduais. O entendimento da cooperação entre os mediadores da ativação imune (citocinas) e mudanças celulares pode propiciar estudos futuros sobre a imunidade do hospedeiro a parasitas intracelulares. A compreensão de como o organismo responde a esse processo infeccioso, além de como esses parasitos se disseminam nos diferentes órgãos e tecidos, permitirá então diferenciar os casos sintomáticos e assintomáticos nos animais positivos para leishmaniose. O conhecimento imunológico das infecções causadas por Leishmania spp poderá fornecer subsídios para elaboração de fármacos eficazes ao tratamento dos casos caninos da doença. Bibliografia Alexender J, Russell DG (1992). The interaction of Leishmania species with macrophages. Adv Parasitol, 31, Alli RS, Khar A (2004). Interleukin-12 secreted by mature dendritic cells mediates activation of NK cell function. FEBS Lett, 559, Almeida MAO, Jesus EEV, Sousa-Atta MLB, Alves LC, Berne MEA, Atta AM (2005). Antileishmanial antibody profile in dogs naturally infected with Leishmania chagasi. Vet Immunol Immunopathol, 106, Awasthi A, Mathur R, Saha B (2004). Immune response to Leishmania infection. Indian J Med Res, 119, Barbieri CL (2006). Immunology of canine leishmaniasis. Parasite Immunol, 28, Becker I, Salaiza N, Aguirre M, Delgado J, Carrillo- -Carrasco N, Kobeh LG, Ruiz A, Cervantes R, Torres AP, Cabrera N, González A, Maldonado C, Isibasi A (2003). Leishmania lipophosphoglycan (LPG) activates NK cells through toll-like receptor-2. Mol Biochem Parasitol, 130, Belkaid Y, Piccirillo CA, Mendez S, Shevach EM, Sacks DL (2002). CD4+CD25+ regulatory T cells control Leishmania major persistence and immunity. Nature, 420, Belkaid Y, Tarbell K (2009). Regulatory T cells in the control of host-microorganism interactions. Annu Rev Immunol, 27, Biron CA, Sharma O, Kaye PM (2002). Dendritic cells at the host-pathogen interface. Nat Immunol, 3, Bogdan C, Rollinghoff M, Diefenbach A (2000). Reactive oxygen and reactive nitrogen intermediates in innate and specific immunity. Curr Opin Immunol, 12, Bourdoiseau G, Bonnefont C, Hoareau E, Boehringer C, Stolle T, Chabanne L (1997). Specific IgG1 and IgG2 antibody and lymphocyte subset levels in naturally Leishmania infantum infected treated and untreated dogs. Vet Immunol Immunopathol, 59, Brachelente C, Muller N, Doherr M, Sattler U, Welle M (2005). Cutaneous leishmaniasis in naturally infected dogs is associated with a T-helper-2-biased immune response. Vet Pathol, 42, Campanelli A, Roselino A, Cavassani K, Pereira M, Mortara R, Brodskyn C, Gonçalves H, Belkaid Y, Barral-Neto M, Barral A, Silva J (2006). CD4 + CD25 + T cells in skin lesions of patients with cutaneous leishmaniasis exhibit phenotypic and functional characteristics of natural regulatory T cells. J Infect Dis, 193, Cardoso L, Neto F, Sousa JC, Rodrigues M, Cabral M (1998). Use of a leishmanin test in the detection of canine Leishmania specific cellular immunity. Vet Parasitol, 79, Chamizo C, Moreno J, Alvar J (2005). Semi-quantitative analysis of cytokine expression in asymptomatic canine leishmaniasis. Vet Immunol Immunopathol, 103, Day MJ (2007). Immunoglobulin G subclass distribution in 17

8 canine leishmaniasis: A review and analysis of pitfalls in interpretation. Vet Parasitol, 147, 2-8. De Luna R, Vuotto ML, Ielpo MTL (1999). Early suppression of lymphoproliferative response in dogs with natural infection by Leishmania infantum. Vet Immunol Immunopathol, 70, Deaglio S, Dwyer KM, Gao W, Friedman D, Usheva A, Erat A, Chen JF, Enjyoji K, Linden J, Oukka M, Kuchroo VK, Strom TB, Robson SC (2007). Adenosine generation catalyzed by CD39 and CD73 expressed on regulatory T cells mediates immune suppression. J Exp Med, 204, Degrossoli A, Bosetto MC, Lima CB, Giorgio S (2007). Expression of hypoxia-inducible factor 1 alpha in mononuclear phagocytes infected with Leishmania amazonensis. Immunol Lett, 114, Deniz G, Erten G, Kucuksezer UC, Kocacik D, Karagiannidis C, Aktas E, Akdis CA, Akdis M (2008). Regulatory NK cells suppress antigen-specific T cell responses. J Immunol, 180, Desplazes P, Smith NC, Arnold P, Lutz H, Eckert J (1995). Specific IgG1 and IgG2 antibody responses of dogs to Leishmania infantum and other parasites. Parasite Immunol, 17, Fragaki K, Ferrua B, Mograbi B, Waldispuhl J, Kubar J (2003). A novel Leishmania infantum nuclear phosphoprotein Lepp12 which stimulates IL-1 synthesis in THP-1 transfectants. BMC Microbiol, 3, 7. Gantt K, Schultz-Cherry S, Rodriguez N, Jeronimo S, Nascimento E, Goldman T, Recker T, Miller M, Wilson M (2003). Activation of TGF-ß by Leishmania chagasi: importance for parasite survival in macrophages. J Immunol, 170, Garg R, Trudel N, Tremblay MJ (2007). Consequences of the natural propensity of Leishmania and HIV-1 to target dendritic cells. Trends Parasitol, 23, Ghalib HW, Piuvezam MR, Sheiky YA (1993). Interleukin 10 production correlates with pathology in human Leishmania donovani infections. J Clin Invest, 92, Gordon S (2002). Pattern recognition receptors: doubling up for the innate immune response. Cell, 111, Grant LR, Yao ZJ, Hedrich CM, Wang F, Moorthy A, Wilson K, Ranatunga D, Bream JH (2008). Stat-4-dependent, T-bet-independent regulation of IL-10 in NK cells. Gennes Immun, 9, Granucci F, Zanoni I, Pavelka N, Van Dommelen SLH, Andoniou CE, Belardelli F, Esposti MAD, Ricciardi- -Castagnoli P (2004). A contribution of mouse dendritic cell-derived IL-2 for NK cell activation. J Exp Med, 200, Grazzinelli RT, Denkers EY (2006). Protozoan encounters with Toll-like receptors signalling pathways: implications for host parasitism. Nat Rev Immunol, 6, Guimarães ET, Santos LA, Ribeiro dos Santos R, Teixeira MM, dos Santos WL, Soares MB (2006). Role of interleukin-4 and prostaglandin E2 in Leishmania amazonensis infection of BALB/c mice. Microbes Infect, 8, Hailu A, Baarle D, Knol GJ, Berhe N, Miedema F, Kager PA (2005). T cell subset and cytokine profiles in human visceral leishmaniasis during active and symptomatic or sub-clinical infection with Leishmania donovani. Clin Immunol, 117, Handman E (1999). Cell biology of Leishmania. Adv Parasitol, 44, Handman E, Bullen DVR (2002). Interaction of Leishmania with the host macrophage. Trends Parasitol, 18, Handman E, Spira DT (1977). Growth of Leishmania amastigotes in macrophages from normal and immune mice. Z Parasitenk, 53, Hassan P, Fergusson D, Grant KM, Mottram JC (2001). The CRK3 protein kinase is essential for cell cycle progression of Leishmania mexicana. Mol Biochem Parasitol, 113, Holzmuller P, Bras-Gonçalves R, Lemesre JL (2006). Phenotypical characteristics, biochemical pathways, molecular targets and putative role of nitric oxide-mediated programmed cell death in Leishmania. Parasitology, 132, Iniesta L, Gállego M, Portús M (2005). Immunoglobulin G and E responses in various stages of canine leishmaniosis. Vet Immunol Immunopathol, 103, Janeway CA, Medzhitov R (2002). Innate immune recognition. Annu Rev Immunol, 20, Jochim RC, Teixeira C (2009). Leishmania commandeers the host inflammatory response through neutrophils. Trends Parasitol, 25, Kawakami T, Galli SJ (2002). Regulation of mast cell and basophil function and survival by IgE. Nat Rev Immunol, 2, Kaye PM, Svensson M, Ato M, Maroof A, Polley R, Stager S, Zubairi S, Engwerda CR (2004). The immunopathology of experimental visceral leishmaniasis. Immunol Rev, 201, Kelsall BL, Biron CA, Sharma O, Kaye PM (2002). Dendritic cells at the host-pathogen interface. Nat Immunol, 3, Kubar J, Fragaki K (2006). Leishmania proteins derived from recombinant DNA: current status and next steps. Trends Parasitol, 22, Maioli TU, Takane E, Arantes RM, Fietto JL, Afonso LC (2004). Immune response induced by New World Leishmania species in C57BL/6 mice. Parasitol Res, 94, Maroof A, Lynette B, Zubairi S, Svensson M, Stager S, Kaye PM (2008). Posttranscriptional regulation of IL-10 gene expression allows Natural Killer cells to express immunoregulatory function. Immunity, 29, Martinez FO, Helming L, Gordon S (2009). Alternative activation of macrophages: An immunologic functional perspective. Annu Rev Immunol, 27, Martínez-Moreno A, Moreno T, Martínez-Moreno FJ, Acosta I, Hernández S (1995). Humoral and cell-mediated immunity in natural and experimental canine leishmaniasis. Vet Immunol Immunopathol, 48, Medzhitov R, Janeway CA (1997). Innate immunity: the virtues of a nonclonal system of recognition. Cell, 91, Ministério da Saúde do Brasil (2006). Manual de vigilância e controle da leishmaniose visceral. 2ª edição. Editora MS (Brasília). Miyara M, Sakaguchi S (2007). Natural regulatory T cells: mechanisms of suppression. Trends Mol Med, 13, Moreno J (2007). Changing views of Langerhans cell func- 18

9 tions in leishmaniasis. Trends Parasitol, 23, Mottram JC, Brooks DR, Coombs GH (1998). Roles of cysteine proteinases of trypanosomes and Leishmania in host-parasite interactions. Curr Opin Microbiol, 1, Muzio M, Bosisio D, Polentarutti N, D amico G, Stoppacciaro A, Mancinelli R, Van t Veer C, Penton-Rol G, Ruço LP, Allavena P, Mantovani A (2000). Differential expression and regulation of toll-like receptors (TLR) in human leukocytes: selective expression of TLR3 in dendritic cells. J Immunol, 164, Pinelli E, Gonzalo RM, Boog CJP (1995). Leishmania infantum specific T cell lines derived from asymptomatic dogs that lyse infected macrophages in a major histocom patibility complexrestricted manner. Eur J Immunol, 25, Pinelli E, Van Der Kaaij SY, Slappendel R (1999). Detection of canine cytokine gene expression by reverse transcription polymerase chain reaction. Vet Immunol Immunopathol, 69, Quinnell RJ, Courtenay O, Garcez LM (2003). IgG subclass responses in a longitudinal study of canine visceral leishmaniasis. Vet Immunol Immunopathol, 91, Quinnell RJ, Courtenay O, Shaw MA (2001). Tissue cytokine responses in canine visceral leishmaniasis. J Infect Dis, 183, Reis AB (2001). Avaliação de parâmetros laboratoriais e imunológicos de cães naturalmente infectados com Leishmania chagasi, portadores de diferentes formas clínicas da infecção. [Tese]. Universidade de Minas Gerais [Belo Horizonte]. Reis e Sousa C (2004). Toll-like receptors and dendritic cells: for whom the bug tolls. Semin Immunol, 16, Ritter U, Osterloh A (2006). A new view on cutaneous dendritic cell subsets in experimental leishmaniasis. Med Microbiol Immunol, 196, Rittig MG, Bogdan C (2000). Leishmania Host-Cell interaction: Complexities and alternative views. Parasitol Today, 16, Rodriguez-Cortes A, Fernandez-Bellon H, Ramis A, Ferrer L, Alberola J, Solano-Gallego L (2007). Leishmania-specific isotype levels and their relationship with specific cell-mediated immunity parameters in canine leishmaniasis. Vet Immunol Immunopathol, 116, Romani N, Ebner S, Tripp CH, Flacher V, Koch F, Stoitzner P (2006). Epidermal Langerhans cells changing views ontheir function in vivo. Immunol Lett, 106, Ross GD (2000). Regulation of the adhesion versus cytotoxic functions of the Mac-1/CR3alphaMbeta2-integrin glycoprotein. Crit Rev Immunol, 20, Sakaguchi S, Yamaguchi T, Nomura T, Ono M (2008). Regulatory T cells and immune tolerance. Cell, 133, Santiago HC, Braga-Pires MF, Souza DG, Roffê E, Côrtes DF, Tafuri WL, Teixeira MM, Vieira LQ (2006). Platelet activating factor receptor-deficient mice present delayed interferon-gamma upregulation and high susceptibility to Leishmania amazonensis infection. Microbes Infect, 8, Santiago MA, Ribeiro FC, Mouta-Confort E, Nascimento LD, Schubach AO, Madeira MF, Bertho AL (2008). Differentiation between canine cutaneous and visceral leishmaniasis by detection of immunoglobulin G specific for Leishmania (Viannia) braziliensis and Leishmania (Leishmania) chagasi antigens using flow cytometry. Vet Parasitol, 154, Santos-Gomes GM, Rosa R, Leandro C, Cortes S, Romão P, Silveira H (2002). Cytokine expression during the outcome of canine experimental infection by Leishmania infantum. Vet Immunol Immunopathol, 88, Schnare M, Barton GM, Holt AC, Takeda K, Akira S, Medzhitov R (2001). Toll-like receptors control activation of adaptative immune responses. Nat Immunol, 2, Serarslan G, Atik E (2005). Expression of inducible nitric oxide synthase in human cutaneous leishmaniasis. Mol Cell Biochem, 280, Serezani CH, Perrela JH, Russo M, Peters-Golden M, Jancar S (2006). Leukotrienes are essential for the control of Leishmania amazonensis infection and contribute to strain variation in susceptibility. J Immunol, 177, Shevach EM, Dipaolo RA, Andersson J, Zhao DM, Stephens GL, Thornton AM (2006). The lifestyle of naturally occurring CD4+CD25+ Foxp3+ regulatory T cells. Immunol Rev, 212, Shin T, Weinstock D, Castro DM, Acland H, Walter M, Kim HY, Purchase HG (2000). Immunohistochemical study of constutive neuronal and inducible nitric oxide synthase in the central nervous system of goat with natural listeriosis. J Vet Sci, 1, Sisto M, Brandonisio O, Panaro MA, Acquafredda A, Leogrande D, Fasanella A, Trotta T, Fumarola L, Mitolo V (2001). Inducible nitric oxide synthase expression in Leishmania-infected dog macrophages. Immunol Microbiol Infect Dis, 24, Solano-Gallego L, Llull J, Ramos G (2000). The Ibizian hound presents a predominantly cellular immune response against natural Leishmania infection. Vet Parasitol, 90, Steinman RM, Hawiger D, Nussenzweig MC (2003). Tolerogenic dendritic cells. Annu Rev Immunol, 21, Teixeira MJ, Teixeira CR, Andrade BB, Barral-Neto M, Barral A (2006). Chemokines in host-parasite interactions in leishmaniasis. Trends Parasitol, 22, Trinchieri G, Sher A (2007). Cooperation of Toll-like receptor signals in innate immune defence. Nat Rev Immunol, 7, Turco SJ, Spath GF, Beverley SM (2001). Is lipophosphoglycan a virulence factor? A surprising diversity between Leishmania species. Trends Parasitol, 17, Van Zandbergen G, Klinger M, Mueller A, Dannenberg S, Gebert A, Solbach W, Laskay T (2004). Cutting edge: neutrophil granulocyte serves as a vector for Leishmania entry into macrophages. J Immunol, 173, Vendrame CM, Carvalho MD, Rios FJ, Manuli ER, Petitto- -Assis F, Goto H (2007). Effect of insulin-like growth factor-i on Leishmania amazonensis promastigote arginase activation and reciprocal inhibition of NOS2 pathway in macrophage in vitro. Scand J Immunol, 66, Vouldoukis I, Drapier JC, Nüssler AK (1996). Canine visceral leishmaniasis: successful chemotherapy induces macrophage antileishmanial activity via the L-arginine nitric oxide pathway. Antimicrob Agents Chemother, 40,

10 Wiese M, Gorcke I (2001). Homologues of LMPK, a mitogen-activated protein kinase from Leishmania mexicana, in different Leishmania species. Med Microbiol Immunol, 190, Wilson NS, Villadangos JA (2004). Lymphoid organ dendritic cells: beyond the Langerhans cells paradigm. Immunol Cell Biol, 82, Yamaguchi T, Hirota K, Nagahama K, Ohkawa K, Takahashi T, Nomura T, Sakaguchi S (2007). Control of Immune Responses by Antigen-Specific Regulatory T Cells Expressing the Folate Receptor. Immunity, 27, Yao C, Donelson JE, Wilson ME (2003). The major surfaceprotease (MSP or GP63) of Leishmania spp. Biosynthesis, regulation of expression, and function. Mol Biochem Parasitol, 132, Yoshimoto T, Yasuda K, Tanaka H, Nakahira M, Imai Y, Fujimori Y, Nakanishi K (2009). Basophils contribute to Th2-IgE response in vivo via IL-4 production and presentation of peptide-mhc class II complexes to CD4 + T cells. Nat Immunol, 10, Zafra R, Jaber JR, Pérez-Ecija RA, Barragan A, Martinez- Moreno A, Perez J (2008). High inos expression in macrophages in canine leishmaniasis is associated with low intracellular parasite burden. Vet Immunol Immunopathol, 123, Zer R, Yaroslavski I, Rosen L, Warburg A (2001). Effect of sand fly saliva on Leishmania uptake by murine macrophages. Int J Parasitol, 31,

Microbiologia e Imunologia Clínica

Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo dos mecanismos naturais de defesa contra doenças. Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo do sistema imune do corpo e suas funções e alterações. Profa. Ms. Renata Fontes Fundamentos da Imunologia

Leia mais

Imunidade aos microorganismos

Imunidade aos microorganismos Imunidade aos microorganismos Características da resposta do sistema imune a diferentes microorganismos e mecanismos de escape Eventos durante a infecção: entrada do MO, invasão e colonização dos tecidos

Leia mais

RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS. Prof. Aline Aguiar de Araujo

RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS. Prof. Aline Aguiar de Araujo RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS Prof. Aline Aguiar de Araujo INTRODUÇÃO Número de indivíduos expostos à infecção é bem superior ao dos que apresentam doença, indicando que a maioria das pessoas tem condições

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194

Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 IMUNOPARASITOLOGIA Monitor: Alessandro Almeida Sumário 1 Introdução...1

Leia mais

Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS

Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS MULTIPLICATION 1 Defesas Resposta imune frente a infecções 2 Defesas Imunidade inata Defesa e recuperação Genética Fatores séricos

Leia mais

ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CÉLULAS T REGULADORAS EM PACIENTES PORTADORES DE TUBERCULOSE PULMONAR

ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CÉLULAS T REGULADORAS EM PACIENTES PORTADORES DE TUBERCULOSE PULMONAR ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CÉLULAS T REGULADORAS EM PACIENTES PORTADORES DE TUBERCULOSE PULMONAR Saara Barros Nascimento (bolsista do PIBIC/CNPQ), Raimundo Nonato da Silva (colaborador, UFPI), Rubens de Sousa

Leia mais

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado CITOCINAS/INTERLEUCINAS Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado Introdução Respostas imunes: interações entre as diferentes populações celulares.

Leia mais

ANTICORPOS: ESTRUTURA E FUNÇÃO

ANTICORPOS: ESTRUTURA E FUNÇÃO ANTICORPOS: ESTRUTURA E FUNÇÃO Por definição, anticorpos são moléculas de glicoproteína, também chamadas de imunoglobulinas. São glicoproteínas altamente específicas sintetizadas em resposta a um antígeno,

Leia mais

Imunidade Adaptativa Humoral

Imunidade Adaptativa Humoral Imunidade Adaptativa Humoral Daiani Cristina Ciliao Alves Taise Natali Landgraf Imunidade Adaptativa Humoral 1) Anticorpos: Estrutura Localização 2) Maturação de célula B: Interação dependente de célula

Leia mais

SANDRA BERTELLI RIBEIRO DE CASTRO LABORATÓRIO DE IMUNOLOGIA. Aviso: Início das aulas práticas

SANDRA BERTELLI RIBEIRO DE CASTRO LABORATÓRIO DE IMUNOLOGIA. Aviso: Início das aulas práticas ANTÍGENO E ANTICORPO SANDRA BERTELLI RIBEIRO DE CASTRO LABORATÓRIO DE IMUNOLOGIA Aviso: Início das aulas práticas Laboratório de Imunologia, Departamento de Parasitologia, Microbiologia e Imunologia, Instituto

Leia mais

RESPOSTA INFLAMATÓRIA

RESPOSTA INFLAMATÓRIA RESPOSTA INFLAMATÓRIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas INFLAMAÇÃO É uma reação dos tecidos a uma agente agressor caracterizada morfologicamente

Leia mais

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos Retrovírus: AIDS Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) Surgimento: -Provável origem durante

Leia mais

Disciplina de Imunologia. Curso de Biomedicina. Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular

Disciplina de Imunologia. Curso de Biomedicina. Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular Disciplina de Imunologia Curso de Biomedicina Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular Como o sistema imune exerce sua função fisiológica principal = Proteger o hospedeiro de infecções por agentes

Leia mais

Imunologia do câncer. Aarestrup, F.M.

Imunologia do câncer. Aarestrup, F.M. Imunologia do câncer Impacto da imunologia na cancerologia Biologia tumoral Diagnóstico : imuno-histoquímica Tratamento : imunoterapia Mecanismos da resposta imunológica contra o câncer Quais as células

Leia mais

Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim.

Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim. Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim. Assinale com uma cruz no(s) quadrado(s) que antecede(m) a(s)resposta(s) verdadeira(s):

Leia mais

Imunologia Docente: Margarida Telhada Nuno Domingues e Nuno Gonçalves

Imunologia Docente: Margarida Telhada Nuno Domingues e Nuno Gonçalves Imunologia Docente: Margarida Telhada Nuno Domingues e Nuno Gonçalves Deaglio, D.; Dwyer, K.; Gao, W.; Friedman, D.; Usheva, A.; Erat, A.; Chen, J.; Enjyoji, K.; Linden, J.; Oukka, M.; Kuchroo, V.; Strom,

Leia mais

PROPRIEDADES E VISÃO GERAL DAS RESPOSTAS IMUNES. FARMÁCIA PROFa SIMONE PETRI AULA - 1

PROPRIEDADES E VISÃO GERAL DAS RESPOSTAS IMUNES. FARMÁCIA PROFa SIMONE PETRI AULA - 1 PROPRIEDADES E VISÃO GERAL DAS RESPOSTAS IMUNES FARMÁCIA PROFa SIMONE PETRI AULA - 1 INTRODUÇÃO A função fisiológica do sistema imune é a defesa contra micro-organismos infecciosos. Entretanto, mesmo

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS SUBPOPULAÇÕES DE MONÓCITOS EXPRESSANDO CD14 E CD16 EM PACIENTES COM LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA

AVALIAÇÃO DAS SUBPOPULAÇÕES DE MONÓCITOS EXPRESSANDO CD14 E CD16 EM PACIENTES COM LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA AVALIAÇÃO DAS SUBPOPULAÇÕES DE MONÓCITOS EXPRESSANDO CD14 E CD16 EM PACIENTES COM LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA Ledice I A PEREIRA, Hélio GALDINO Jr, Ildefonso Alves DA SILVA Jr, Valéria Bernadete

Leia mais

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido ANTICORPOS Anticorpo é uma globulina sintetizada por linfócitos B e principalmente

Leia mais

CURSO de MEDICINA VETERINÁRIA - Gabarito

CURSO de MEDICINA VETERINÁRIA - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2005 e 1 o semestre letivo de 2006 CURSO de MEDICINA VETERINÁRIA - Gabarito Verifique se este caderno contém: INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Ana Carolina Étori Aguiar

Ana Carolina Étori Aguiar Ana Carolina Étori Aguiar SUMÁRIO Conceito; Imunidade Inata Componentes; Reconhecimento de microrganismos; Mecanismos efetores; Distúrbios congênitos e alterações na Imunidade Inata; Desafios e Previsões.

Leia mais

INFECÇÃO HIV: PERSPECTIVAS ACTUAIS

INFECÇÃO HIV: PERSPECTIVAS ACTUAIS INFECÇÃO HIV: PERSPECTIVAS ACTUAIS MARIA JORGE ARROZ, MD INSA PORTUGAL CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DO VIH A infecção requer a proteína CD4 na superfície da célula como receptor, logo apenas pode infectar

Leia mais

Complexo principal de histocompatibilidade

Complexo principal de histocompatibilidade Complexo principal de histocompatibilidade Todas as espécies possuem um conjunto de genes denominado MHC, cujos produtos são de importância para o reconhecimento intercelular e a discriminação do que é

Leia mais

Sumário Detalhado Elementos do sistema imune e suas funções na defesa Resumo do Capítulo 1 Questões 28 Imunidade inata Resumo do Capítulo 2

Sumário Detalhado Elementos do sistema imune e suas funções na defesa Resumo do Capítulo 1 Questões 28 Imunidade inata Resumo do Capítulo 2 Sumário Detalhado Capítulo 1 Elementos do sistema imune e suas funções na defesa 1 1-1 Numerosos micro-organismos comensais habitam os corpos humanos saudáveis 2 1-2 Patógenos são organismos infecciosos

Leia mais

O Sistema do Complemento

O Sistema do Complemento UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Programa de Pós- Graduação em Imunologia Básica e Aplicada Disciplina- Integração Imunologia Básica- Clínica O Sistema do Complemento Elyara

Leia mais

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características Vírus Virulogia Características Vírus- latim veneno - agentes filtráveis Parasita intracelular obrigatório Extracelular: virion Intracelular: vírus Possuem alta especificidade Vírus Características Alta

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º Avisos 1. Este documento apenas serve como apoio parcial às aulas de Biologia 12.º ano parte da Unidade 2 e Unidade 3 - leccionadas na Escola Secundária Morgado

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

ALTERAÇÕES DO SISTEMA IMUNOLÓGICO RELACIONADAS AO ENVELHECIMENTO E SUAS CONSEQUÊNCIAS

ALTERAÇÕES DO SISTEMA IMUNOLÓGICO RELACIONADAS AO ENVELHECIMENTO E SUAS CONSEQUÊNCIAS Revista da Universidade Ibirapuera São Paulo, v. 7, p. 11-19, jan/jun 2014 ALTERAÇÕES DO SISTEMA IMUNOLÓGICO RELACIONADAS AO ENVELHECIMENTO E SUAS CONSEQUÊNCIAS Denise Kinoshita Universidade Ibirapuera

Leia mais

COMPONENTES ANTIINFLAMATÓRIOS NA SALIVA DO LUTZOMYIA LONGIPALPIS, VETOR DA Leishmania chagasi

COMPONENTES ANTIINFLAMATÓRIOS NA SALIVA DO LUTZOMYIA LONGIPALPIS, VETOR DA Leishmania chagasi NOTA TÉCNICA COMPONENTES ANTIINFLAMATÓRIOS NA SALIVA DO LUTZOMYIA LONGIPALPIS, VETOR DA Leishmania chagasi Marta Chagas Monteiro 1 RESUMO ABSTRACT A inoculação da saliva de vetores na pele do hospedeiro

Leia mais

Resposta imunológica a. Ronei Luciano Mamoni

Resposta imunológica a. Ronei Luciano Mamoni Resposta imunológica a tumores Ronei Luciano Mamoni Tumores Conceitos gerais Neoplasias conceito Neoplasia (neo= novo + plasia = tecido) é o termo que designa alterações celulares que acarretam um crescimento

Leia mais

IV - IMUNOGLOBULINAS

IV - IMUNOGLOBULINAS Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 IV - IMUNOGLOBULINAS Sumário Monitor: Bruno Bezerril 1. Definição....

Leia mais

Mecanismos da Imunidade contra Bactérias, Evelin Oliveira

Mecanismos da Imunidade contra Bactérias, Evelin Oliveira Mecanismos da Imunidade contra Bactérias, Vírus e Fungos. Evelin Oliveira Imunidade aos microorganismos O desenvolvimento de doenças infecciosas envolve a interação entre o sistema imune do hospedeiro

Leia mais

Introdução ao sistema imune

Introdução ao sistema imune Introdução ao sistema imune Simone Aparecida Rezende Dep. de Análises Clínicas - Escola de Farmácia Fone: 3559-1032. Aulas, exercícios, exemplos de questões de prova e comunicação com alunos em: www.aulasecia.com/imunobasica

Leia mais

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari Editorial Índice - Editorial - Doença Leishmaniose - Gráfico de Notificações - Doença Malária Este é o segundo número do ano de, com veiculação semestral, referente aos meses de janeiro a junho, contendo

Leia mais

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Diretor da Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Sob este título o leitor poderá ter duas interpretações

Leia mais

Position Paper. Simulações dos padrões do bacilo de Koch em 3 dimensões

Position Paper. Simulações dos padrões do bacilo de Koch em 3 dimensões Position Paper Simulações dos padrões do bacilo de Koch em 3 dimensões Luís César da Costa, Maíra Gatti, Paulo Rogerio Motta, Diego Bispo, Geisa Martins Faustino, Carlos J. P. Lucena Laboratório de Engenharia

Leia mais

A importância hematofágica e parasitológica da saliva dos insetos hematófagos. Francinaldo S.Silva.

A importância hematofágica e parasitológica da saliva dos insetos hematófagos. Francinaldo S.Silva. Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Departamento de Parasitologia PET A importância hematofágica e parasitológica da saliva dos insetos hematófagos. Francinaldo S.Silva. Maria

Leia mais

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Métodos para detecção de alérgenos em alimentos Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Antigenos vs Alérgenos Antigeno Imunógeno Qualquer substância capaz de estimular

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina de Virologia. Prof. Marcelo de Lima

Universidade Federal Fluminense Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina de Virologia. Prof. Marcelo de Lima Universidade Federal Fluminense Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina de Virologia Prof. Marcelo de Lima Características gerais dos vírus Menores e mais simples microorganismos Genoma

Leia mais

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos.

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos. Questão 1 Você é um imunologista que quer ficar rico e decide deixar o mundo da ciência, conseguindo um emprego como consultor de roteiro em um novo seriado de drama médico. Você avalia o conhecimento

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 124 ARTIGOS COMPLETOS(RESUMOS)... 128

RESUMOS DE PROJETOS... 124 ARTIGOS COMPLETOS(RESUMOS)... 128 123 RESUMOS DE PROJETOS... 124 ARTIGOS COMPLETOS(RESUMOS)... 128 RESUMOS DE PROJETOS 124 A GENÉTICA E NEUROFISIOLOGIA DO AUTISMO... 125 PAPEL DO POLIMORFISMO IL17A (RS7747909) NA TUBERCULOSE.... 126 PAPEL

Leia mais

Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS

Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS EOSINOFILIA RELACIONADA COM A ENTAMOEBA COLI Dayane Santos de Oliveira. 1 ; Flavia Alves da Conceição¹ Henrique de Oliveira Medeiros¹ Eliana Alvarenga de Brito 2 1; Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente

Leia mais

Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira Ano: 2008 RESUMO SOBRE O SISTEMA IMUNE

Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira Ano: 2008 RESUMO SOBRE O SISTEMA IMUNE 1 Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira Ano: 2008 RESUMO SOBRE O SISTEMA IMUNE O sistema imune tem como principal finalidade a defesa do organismo contra as doenças infecciosas, ou seja, resistência

Leia mais

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Células e órgãos especializados em defesa CÉLULAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO Resposta imune Inata Resposta imune específica Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Quem são os invasores? Quem são os invasores?

Leia mais

Caracterização do perfil infeccioso in vitro de formas promastigotas de. Leishmania (L.) amazonensis frente ação da Zidovudina (AZT)

Caracterização do perfil infeccioso in vitro de formas promastigotas de. Leishmania (L.) amazonensis frente ação da Zidovudina (AZT) Caracterização do perfil infeccioso in vitro de formas promastigotas de Leishmania (L.) amazonensis frente ação da Zidovudina (AZT) Camilla Luiza Batista, Milton Adriano Pelli Oliveira, Valéria de Oliveira

Leia mais

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Células e órgãos especializados em defesa CÉLULAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO Resposta imune Inata Resposta imune específica Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Quem são os invasores? Quem são os invasores?

Leia mais

Inflamação: - Do latim inflamare

Inflamação: - Do latim inflamare INFLAMAÇÃO CONCEITOS: Inflamação: - Do latim inflamare Reação dos tecidos vascularizados a um agente agressor caracterizada morfologicamente pela saída de líquidos e de células do sangue para o interstício.

Leia mais

Resposta imunológica contra vírus

Resposta imunológica contra vírus Resposta imunológica contra vírus 9 Luiz Carlos Kreutz 1 Introdução...3 2 Resposta imune inata...3 2.1 Células dendríticas (DCs)...4 2.1.1 Interação entre as DCs e células NK...5 2.2 Células natural killer

Leia mais

Hipersensibilidade celular Monitor: Bruno de Bezerril Andrade.

Hipersensibilidade celular Monitor: Bruno de Bezerril Andrade. Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 Hipersensibilidade celular Monitor: Bruno de Bezerril Andrade.

Leia mais

Patogênese Viral Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia Prof. Dr. Charlotte Marianna Hársi

Patogênese Viral Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia Prof. Dr. Charlotte Marianna Hársi Patogênese Viral Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia Prof. Dr. Charlotte Marianna Hársi BMM-280-2009 Patogênese Viral Como os vírus causam doença no hospedeiro? Virulência =

Leia mais

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes Pós-graduação em Nutrição Clínica e Gastronomia Funcional do NECPAR NUTRIÇÃO NO CÂNCER Nut. Ariana Ferrari Período que ocorre os eventos necessários para a divisão celular 4 fases o Fase S o Fase M o Fase

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto Imunologia dos Transplantes Dayse Locateli Transplante: ato de transferir células, tecidos ou órgãos de um lugar para outro. Indivíduo doador Receptor Dificuldades: Técnicas Cirúrgicas Quantidade de doadores

Leia mais

Apoptose em Otorrinolaringologia

Apoptose em Otorrinolaringologia Apoptose em Otorrinolaringologia Teolinda Mendoza de Morales e Myrian Adriana Pérez García Definição A apoptose é um processo biológico existente em todas as células de nosso organismo, conhecida desde

Leia mais

infecciosas Immune response to infectious diseases Introdução

infecciosas Immune response to infectious diseases Introdução REVISÃO Resposta imune a doenças infecciosas Immune response to infectious diseases Arlete A. M. Coelho-Castelo 1, Ana P. F. Trombone 2, Carolina D. Rocha 2, Julio C. C. Lorenzi 3 RESUMO A interação do

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

A IMUNIDADE NO APARELHO DIGESTIVO

A IMUNIDADE NO APARELHO DIGESTIVO A IMUNIDADE NO APARELHO DIGESTIVO Oscar Morales Beatriz Cardoso D.M.V; M.Sc Vineland, E.U.A O aparelho digestivo pela sua própria natureza está em permanente contato com agentes e substâncias do meio externo.

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Núcleo de Pesquisas em Ciências Biológicas Laboratório de Imunopatologia

Universidade Federal de Ouro Preto Núcleo de Pesquisas em Ciências Biológicas Laboratório de Imunopatologia Universidade Federal de Ouro Preto Núcleo de Pesquisas em Ciências Biológicas Laboratório de Imunopatologia "Perfil de Citocinas, Linfócitos T e Níveis de Óxido Nítrico em Cães Imunizados com as Vacinas

Leia mais

Sinalização Celular. Por que sinalizar?

Sinalização Celular. Por que sinalizar? Comunicação Celular Sinalização Celular Por que sinalizar? Sinalização Celular Quando sinalizar? Sinalização Celular Como sinalizar? Sinalização Celular Onde sinalizar? Relevância Biológica Alteração no

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS GONÇALO MONIZ. Curso de Pós-Graduação em Patologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS GONÇALO MONIZ. Curso de Pós-Graduação em Patologia UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS GONÇALO MONIZ Curso de Pós-Graduação em Patologia TESE DE DOUTORADO CO-INFECÇÃO COM Leishmania major E Trypanosoma

Leia mais

Epidemiologia da infecção pelo HIV-1

Epidemiologia da infecção pelo HIV-1 Epidemiologia da infecção pelo HIV-1 Estrutura do HIV-1 http://www.w3.arizona.edu/~mbim/ahmad/lab.html Genoma viral e proteínas formadas Transporte nuclear do CPI Regulação da expressão viral anti-repressão

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=618>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Leishmaniose tegumentar americana em cão da raça Cocker Spainel proveniente da área

Leia mais

Interação Vírus Hospedeiros

Interação Vírus Hospedeiros Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic/diaadia Interação Vírus Hospedeiros Introdução Os vírus são microrganismos

Leia mais

Palavras-Chave: Células mononucleares; óxido nítrico; bovinos

Palavras-Chave: Células mononucleares; óxido nítrico; bovinos Efeito da estimulação com antígenos específicos do Mycobacterium sp na produção de óxido nítrico pelas células mononucleares de bovinos portadores de tuberculose Ediane Batista da SILVA 1 ; Arioldo C.

Leia mais

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

SISTEMA IMUNOLÓGICO UM SOFISTICADO SISTEMA DE DEFESA

SISTEMA IMUNOLÓGICO UM SOFISTICADO SISTEMA DE DEFESA 2009 Congregação das Filhas do Amor Divino Colégio Nossa Senhora das Neves Natal / RN. NOME: Nº ENSINO MÉDIO 2ª série TURMA Turno: matutino 1º Trimestre Data: / /2009 Componente curricular: Biologia Professora:

Leia mais

RESPOSTA INFLAMATÓRIA

RESPOSTA INFLAMATÓRIA RESPOSTA INFLAMATÓRIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas INFLAMAÇÃO Eventos: P r o c e s s o o r d e n a d o Irritação liberação dos mediadores

Leia mais

Morte Celular Programada (Apoptose)

Morte Celular Programada (Apoptose) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR Morte Celular Programada (Apoptose) Profa. Dra. Nívea Macedo APOPTOSE A morte celular desempenha

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) 1 Quando é que se deve suspeitar de leishmaniose visceral num cão? Sempre que o cão apresentar o conjunto de sintomas da doença, ou seja, emagrecimento,

Leia mais

RESISTAID Modulador natural do sistema imunológico

RESISTAID Modulador natural do sistema imunológico Informações Técnicas RESISTAID Modulador natural do sistema imunológico CAS NUMBER: 9036-66-2 SINÔNIMOS: Arabinogalactana, Lariço arabinogalactana, Galactoarabinina, Fibra lariço, Goma lariço NOME BOTÂNICO:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ANTÍGENOS DA FORMA AMASTIGOTA DE Leishmania chagasi IDENTIFICADOS POR DUPLA VARREDURA

Leia mais

ATUALIZAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

ATUALIZAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA ATUALIZAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA Daniel Martins do Nascimento 2,3 ; Cristiane Alves Fonseca 1,3 ; Andréia Juliana Leite 1,4 ; 1 Pesquisador Orientador 2 Voluntário Iniciação

Leia mais

Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo. Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas

Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo. Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas Leite de mãe CMV positivo Como atuar 1. Aspectos gerais 2. Excreção no leite 3. Infecciosidade 4. Infecção sintomática 5. Processos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE i MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE IL-10 na patogênese da leishmaniose visceral e o perfil da

Leia mais

Auto-imunidade Doenças auto-imunes. Sandra Bertelli Ribeiro sandrabertelliribeiro@hotmail.com Doutoranda Lab. de Imunologia

Auto-imunidade Doenças auto-imunes. Sandra Bertelli Ribeiro sandrabertelliribeiro@hotmail.com Doutoranda Lab. de Imunologia Auto-imunidade Doenças auto-imunes Sandra Bertelli Ribeiro sandrabertelliribeiro@hotmail.com Doutoranda Lab. de Imunologia Célula tronco-hematopoiética Pluripotente. - Progenitor linfóide comum - Progenitor

Leia mais

Iniciação. Angiogênese. Metástase

Iniciação. Angiogênese. Metástase Imunidade contra tumores Câncer Cancro, tumor, neoplasia, carcinoma Características: Capacidade de proliferação Capacidade de invasão dos tecidos Capacidade de evasão da resposta imune Câncer Transformação

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física Adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física Adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Componentes do sistema imunitário Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física Adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Manual Merck Capítulo 167 O sistema imunitário é composto por células

Leia mais

A expressão de proteínas pela técnica de imuno-histoquímica em doenças infecciosas

A expressão de proteínas pela técnica de imuno-histoquímica em doenças infecciosas cpagliari@usp.br A expressão de proteínas pela técnica de imuno-histoquímica em doenças infecciosas Carla Pagliari Imuno-histoquímica: etapas Coleta, preservação e fixação Processamento e obtenção dos

Leia mais

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea.

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea. BIO 10E aula 28 28.01. Para fazer a defesa do organismo, alguns leucócitos podem atravessar a parede dos vasos sanguíneos e atuar no tecido conjuntivo. Este processo é denominado diapedese. 28.02. A coagulação

Leia mais

6- Qual é a causa do câncer? genes DNA), moléculas de RNA cromossomos ribossomos Genes: Moléculas de RNA: Ribossomos:

6- Qual é a causa do câncer? genes DNA), moléculas de RNA cromossomos ribossomos Genes: Moléculas de RNA: Ribossomos: 6- Qual é a causa do câncer? Na realidade não há apenas uma causa, mas várias causas que induzem o aparecimento do câncer. Primeiramente é importante saber que todo o câncer tem origem genética por abranger

Leia mais

Imunidade aos Agentes Infecciosos

Imunidade aos Agentes Infecciosos Imunidade aos Agentes Infecciosos Juliana Micássio Agentes Infecciosos Roteiro de aula : Imunidade aos agentes infecciosos Primeira linha de defesa: Barreiras epiteliais Segunda linha defesa : Mecanismos

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Denominação geral dos tumores

Denominação geral dos tumores Imunologia dos tumores Denominação geral dos tumores Carcinomas - derivados de células epiteliais (rim, fígado, epitélio gastro-intestinal) Sarcomas - originários de fibroblastos, células musculares e

Leia mais

COMUNICAÇÃO CELULAR. Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto

COMUNICAÇÃO CELULAR. Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto COMUNICAÇÃO CELULAR Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto O que é comunicação celular? As células possuem um sistema responsável por: Geração Transmissão Recepção Resposta. Uma

Leia mais

DEFICIÊNCIA SELECTIVA DE ANTICORPOS

DEFICIÊNCIA SELECTIVA DE ANTICORPOS REUNIÃO DO GRUPO DE BRONQUIECTASIAS DEFICIÊNCIA SELECTIVA DE ANTICORPOS M. vanzeller, A. Amorim, A. Miguel 28 de Maio de 2011 SUMÁRIO o Conceitos Imunológicos o Definição o Associação com bronquiectasias

Leia mais

Resposta Imune. O que determina essas fases tão distintas???

Resposta Imune. O que determina essas fases tão distintas??? Resposta Imune Resposta Imune O que determina essas fases tão distintas??? Memory T Cells, Zanetti, 2010 Rompimento homeostasia Resposta Imune: Orquestragem Sinalizam sincronizando a atividade das células

Leia mais

Resposta inflamatória aguda sob a ótica imunológica

Resposta inflamatória aguda sob a ótica imunológica Resposta inflamatória aguda sob a ótica imunológica Tecnologias de Informação e Comunicação Professora Ana Paula Peconick Tutor Karlos Henrique Martins Kalks Lavras/MG 2011 1 P ágina Ficha catalográfica

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

Replicação viral conceitos básicos

Replicação viral conceitos básicos REPLICAÇÃO VIRAL conceitos básicos Replicação - síntese de moléculas de ácido nucléico - processo de multiplicação dos vírus Infecção - (latim infere = penetrar) - processo replicativo viral como um todo

Leia mais

4 - A radiação Ultra Violeta pode produzir efeitos lesivos para a célula e esta melhor representado pela alternativa:

4 - A radiação Ultra Violeta pode produzir efeitos lesivos para a célula e esta melhor representado pela alternativa: 1 - A respeito da inflamação crônica, analise as assertivas a seguir: I) A inflamação crônica sempre tem início após a inflamação aguda. II) A inflamação crônica inespecífica é observada em resposta à

Leia mais

Imunologia 06/07 Regulação da resposta imune Aula Teórica 10/11/06

Imunologia 06/07 Regulação da resposta imune Aula Teórica 10/11/06 Imunologia 06/07 Regulação da resposta imune Aula Teórica 10/11/06 Leitura recomendada: Immunology 7ed, Male et al, capítulo 11 Regulação pelo antigénio Regulação por anticorpos Regulação por linfócitos

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECCÕES PELO VÍRUS DA LEUCEMIA E IMUNODEFICIÊNCIA FELINA, EM GATOS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ Veruska Martins da Rosa

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

Os anticorpos são proteínas específicas (imunoglobulinas) capazes de se combinarem quimicamente com os antigénios específicos.

Os anticorpos são proteínas específicas (imunoglobulinas) capazes de se combinarem quimicamente com os antigénios específicos. Os anticorpos são proteínas específicas (imunoglobulinas) capazes de se combinarem quimicamente com os antigénios específicos. Ä Os anticorpos apenas reconhecem algumas regiões da membrana do antigénio

Leia mais

Esta revista já se encontra na sua 21ª edição. E,

Esta revista já se encontra na sua 21ª edição. E, apresentação Um salto de qualidade no trabalho realizado no interior do estado Esta revista já se encontra na sua 21ª edição. E, hoje, podemos dizer que ela se consagrou como um meio de comunicação impresso

Leia mais