Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo. Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo. Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas"

Transcrição

1 Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas

2 Leite de mãe CMV positivo Como atuar 1. Aspectos gerais 2. Excreção no leite 3. Infecciosidade 4. Infecção sintomática 5. Processos de inactivação do vírus no leite 6. Atuação perante leite de mãe CMV +

3 CMV- vírus ubiquitário do grupo herpes. Infecção é assintomática no hospedeiro com sistema imunológico normal. No hospedeiro com imunodeficiência a infecção pode ser severa.

4 O vírus após infecção fica lactente no organismo do hospedeiro permanecendo nos monocitos e granulocitos. É excretado durante meses ou anos na saliva, urina, secreções genitais. Reactivação da infecção durante a lactação.

5 Taxa de prevalência 71% e 84% entre anos. (2º inquérito serológico nacional , DGS) Taxa de seropositivas na grávida de 58%. (Maternidade do Hospital de Dona Estefânia, )

6

7 É a transmissão do CMV para o RN por via não placentária. Fontes de infecção pós natal: Secreções maternas Leite materno é a maior fonte de infecção a CMV no primeiro ano de vida. (Stagno,NEJM)

8 No RN termo a infecção adquirida através do LM não está associada a doença. Imunização passiva transplacentária. Imunização natural. (Stagno,1980,NEJM) A infecção pós natal não está associada a sequelas neurológicas a longo prazo, nem a surdez neurosensorial.

9 Nova preocupação entre os neonatologistas: O RN prematuro pode apresentar infecção sintomática a CMV que ocasionalmente pode ser grave. (Richter,1997) No RN prematuro a infecção adquirida através do leite materno pode estar associada a doença. (Vochem,1998)

10

11 Taxa de excreção no leite materno é de cerca de 98% das mães seropositivas. Taxa de prevalência de seropositividade Taxa de reactivação (98%) Taxa de excreção CMV no LM (98%)

12 Detecção do DNA viral Polymerase chain reaction (PCR) DNA lactea. Cultura viral viru-lactea Detecção da reactivação da infecção Quantificação da Infecciosidade Carga viral Detecção fraccionada (células e soro) aumenta a sensibilidade

13 Baixo níveis de excreção na primeira semana Máxima excreção 4-8 semana Declínio da excreção após semanas Hamprechet, Pediatric research, 2004

14

15 A excreção precoce de DNA viral (PCR +) Excreção do vírus (e não apenas do DNA viral) cultura viral positiva Carga viral no leite alta As mães transmissoras tem IgG mais altos do que as não transmissoras Hamprechet, Lancet, 2001

16 Hamprechet, Lancet, 2001

17 Hamprechet, Lancet, 2001

18 Leite Fresco 100% Seropositivas 98% Reactivação Excreção no leite 20-30% Infecção Kurat, Clin Microbiol Infect, 2010

19

20 Leite Fresco 100% Seropositivas 98% Reactivação Excreção no leite 20-30% Infecção 5% Clínica Kurat, Clin Microbiol Infect, 2010

21 Kurat, Clin Microbiol Infect, 2010

22 Case-control study of symptoms and neonatal outcome of human milktransmitted cytomegalovirus infection in premature infants. Neuberger, Goelz, J Pediatrics, MBP CMV + com grupo controlo 40 MBP CMV Emparelhados por sexo, IG, dia de nascimento. MBP CMV + associado a : Trombocitopénia Neutropénia PCR mg/l 3 MBP CMV + Colestase (p<.001) Todos os parâmetros auto limitados

23 Case-control study of symptoms and neonatal outcome of human milktransmitted cytomegalovirus infection in premature infants. Neuberger, Goelz, J Pediatrics, MBP CMV + com grupo controlo 40 MBP CMV Emparelhados por sexo, IG, dia de nascimento. MBP CMV + NÂO associado a : DBP NEC Alt. crescimento PCR > 20 mg/l

24 Case-control study of symptoms and neonatal outcome of human milktransmitted cytomegalovirus infection in premature infants. Neuberger, Goelz, J Pediatrics, MBP CMV + com grupo controlo 40 MBP CMV Emparelhados por sexo, IG, dia de nascimento. Não encontraram diferença entre os 2 grupos: Necessidade de ventilação Necessidade de O2 Duração de internamento Peso á data da alta PC á data da alta

25 Case-control study of symptoms and neonatal outcome of human milktransmitted cytomegalovirus infection in premature infants. Neuberger, Goelz, J Pediatrics, MBP CMV + com grupo controlo 40 MBP CMV Emparelhados por sexo, IG, dia de nascimento. A clinica associado a à infecção a CMV é transitória e não afectou o prognóstico.

26 Casos clínicos com doença grave: Wakabayashi H Low HCMV Copies Sign. Symptoms in EPI Am J Perinatol 2012 Hamele M Severe morbidity bm-ass. CMV-Infection Ped Inf Dis J 2010 Takahashi R Severe postnatal CMV-Infection Neonatology 2007 Gessler P Cytomegalovirus-associated necrotizing enterocolitis J Perinatol 2004;24:124-6

27 Não há evidencia de sequelas a longo prazo. Não estão descritas surdez neuro sensorial ou alterações do neuro desenvolvimento. As séries publicadas são de pequenas dimensões.

28

29 Pasteurização Hodter : aquecimento a 62,5º C, 30 min. Pasteurização Flash: aquecimento a 72ºC, 5 seg. Congelação: 20ºC, 4 dias Hamprechet, Pediatric Research, 2004

30 Hamprechet, Pediatric Research, 2004

31 Pasteurização Holder aquecimento a 62,5º C, 30 min. Altera a: Qualidade nutricional Factores crescimento Factores imunológicos Não executável na prática clínica diária Hamprechet, Pediatric Research, 2004

32 Pasteurização Flash aquecimento a 72ºC, 5 seg. Preserva : Perfil proteico Alguns factores imunológicos- IgA, lisosina Reduz: Actividade enzimatica Imunoglobulinas Não executável na prática clínica diária Hamprechet, Pediatric Research, 2004

33 Congelação a 20ºC, 4 dias Hidrolise lípidos Diminui a actividade dos macrófagos e linfócitos Reduz a capacidade oxidativa Reduz alguns factores imunológicos Executável na prática clínica diária Hamprechet, Pediatric Research, 2004

34 série Taxa de infecção Infecção clínica Yasuda, 2003 Jim WT, 2004 Hayashi, PT < 34 S 42 PT < 32 S 15% 22 PT < 28 S 10% 0 Sepsis Hiperbili ( não estat. Sign.) 4,3% 0 A congelação não inactiva o vírus na totalidade mas diminui a infecciosidade e a infecção sintomática

35 Leite Leite congelado Fresco 100% Mães Seropositivas 98% Reactivação Excreção no leite % - 30% Infecção 0-1% 5% Clínica

36

37 Perfil serológico das mães Leite fresco com monitorização da infecção CMV Leite congelado < 28 S Pasteurização flash

38 Leite fresco com monitorização da infecção CMV Kurat,2010

39 Perfil serológico das mães Leite congelado < 28 S Iniciar a partir de 2º semana de vida Até 32S IC ou 8 semanas de idade cronológica

40 Perfil serológico das mães Pasteurização flash < 28 S Iniciar a partir de 2º semana de vida Até 32S IC ou 8 semanas de idade cronológica

41 Melhor conhecimento dos factores imunológicos implicados na infecção modo a identificar as mães e RN com maior risco de infecção. Procura de métodos de inactivação do vírus sem compromisso das características biológicas do leite.

42 Obrigada.

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

INFECÇÃO PELO CITOMEGALOVÍRUS DURANTE A GRAVIDEZ E NO RECÉM-NASCIDO

INFECÇÃO PELO CITOMEGALOVÍRUS DURANTE A GRAVIDEZ E NO RECÉM-NASCIDO INFECÇÃO PELO CITOMEGALOVÍRUS DURANTE A GRAVIDEZ E NO RECÉM-NASCIDO Recomendações para o Diagnóstico Pré-Natal Virológico Importância da determinação da Avidez, para o diagnóstico e prevenção das infecções

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

Rastreio neonatal sistemático tico de infecção por CMV

Rastreio neonatal sistemático tico de infecção por CMV Rastreio neonatal sistemático tico de infecção por CMV Maria Teresa Neto UCIN Hospital de Dona Estefânia Faculdade de Ciências Médicas M Universidade Nova de Lisboa Reunião dos Núcleos N da Associação

Leia mais

VÍRUS CITOMEGÁLICO HUM ANO CMV

VÍRUS CITOMEGÁLICO HUM ANO CMV VÍRUS CITOMEGÁLICO HUM ANO Todos os autores são unânimes em considerar que a infecção citomegálica é, no recém-nascido, a infecção congénita mais comum. Das cerca de 110 000 crianças que nascem anualmente

Leia mais

INFECÇÃO MATERNA x INFECÇÃO PERINATAL

INFECÇÃO MATERNA x INFECÇÃO PERINATAL INFECÇÃO MATERNA x INFECÇÃO PERINATAL Drª Glaucia Maria Ferreira Lima A Sepse neonatal está associada com alto índice de morbimortalidade nesse período. Diante dessa condição, cabe a nós que trabalhamos

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

BANCO DE LEITE HUMANO DO CHLC - MAC PERGUNTAS FREQUENTES

BANCO DE LEITE HUMANO DO CHLC - MAC PERGUNTAS FREQUENTES BANCO DE LEITE HUMANO DO CHLC - MAC PERGUNTAS FREQUENTES 1. O que é um Banco de Leite Humano? 2. Em que situações é utilizado o Leite Humano Pasteurizado, as suas vantagens e desvantagens? 3. Que critérios

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido ANTICORPOS Anticorpo é uma globulina sintetizada por linfócitos B e principalmente

Leia mais

Infecções e Gestação : Atenção ao Filho de Mãe com Toxoplasmose. I Encontro da rede Mãe Paranaense

Infecções e Gestação : Atenção ao Filho de Mãe com Toxoplasmose. I Encontro da rede Mãe Paranaense Infecções e Gestação : Atenção ao Filho de Mãe com Toxoplasmose Andrea Maciel de Oliverira Rossoni Serviço de Agenda Visão do pediatra e do médico generalista Sintomas Como investigar Como tratar Acompanhamento

Leia mais

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos?

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 4: NUTRIÇÃO Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Q Quais uais são são as as necessidades

Leia mais

2. ETIOLOGIA CITOMEGALOVIRUS

2. ETIOLOGIA CITOMEGALOVIRUS 3 1. INTRODUÇÃO Este trabalho tem como objetivo abordar as manifestações clínicas do citomegalovírus, assim como seu tratamento, transmissão e seu contato direto com as gestantes. O citomegalovírus (CMV)

Leia mais

ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO

ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS I - INTRODUÇÃO *NOVAS TECNOLOGIAS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO *DECISÃO DIAGNÓSTICA CONFIRMAÇÃO TRATAMENTO MONITORAMENTO PREVENÇÃO

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P.

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P. CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P. Luana Muriel Casarolli 1 Aneline Maria Ruedell Juliana Montijo Pinto Rosa Déborah

Leia mais

TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR

TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR Profª Filomena Aste Silveira HERPES GENITAL (origem grega significa alastrar-se) DNA virus - Alfaherpes viridae Dupla hélice PERÍODO de incubação 7

Leia mais

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características Vírus Virulogia Características Vírus- latim veneno - agentes filtráveis Parasita intracelular obrigatório Extracelular: virion Intracelular: vírus Possuem alta especificidade Vírus Características Alta

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

VARICELA ZOSTER VARICELA E GRAVIDEZ

VARICELA ZOSTER VARICELA E GRAVIDEZ ZOSTER E GRAVIDEZ A varicela é uma doença comum da infância considerada habitualmente benigna. Adquirida na idade adulta pode acompanhar-se de complicações que serão ainda mais graves se for uma mulher

Leia mais

Hepatites Virais. Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br

Hepatites Virais. Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br Hepatites Virais Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br Definição Hepatite viral: Doença causada exclusivamente por vírus hepatotrópico. Diagnóstico Diferencial: CMV, mononucleose

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Clostridium difficile: quando valorizar?

Clostridium difficile: quando valorizar? Clostridium difficile: quando valorizar? Sofia Bota, Luís Varandas, Maria João Brito, Catarina Gouveia Unidade de Infecciologia do Hospital D. Estefânia, CHLC - EPE Infeção a Clostridium difficile Diarreia

Leia mais

VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (VIH) PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL

VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (VIH) PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA () PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL Introdução A infecção na criança no nosso país faz-se quase exclusivamente por transmissão vertical pelo que é possível reduzir eficazmente

Leia mais

FATORES DE RISCOS OBSTÉTRICOS E NEONATAIS PARA OCORRÊNCIA DE PREMATURIDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR

FATORES DE RISCOS OBSTÉTRICOS E NEONATAIS PARA OCORRÊNCIA DE PREMATURIDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FATORES DE RISCOS OBSTÉTRICOS E NEONATAIS PARA OCORRÊNCIA DE PREMATURIDADE NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR Willian Augusto de Melo 1 ; Francislaine Men Castellini

Leia mais

Gean Carlo da Rocha. Declaração de conflito de interesse

Gean Carlo da Rocha. Declaração de conflito de interesse Gean Carlo da Rocha Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

O impacto da extrema prematuridade na vigilância europeia da paralisia cerebral

O impacto da extrema prematuridade na vigilância europeia da paralisia cerebral O impacto da extrema prematuridade na vigilância europeia da paralisia cerebral Daniel Virella UCIN, Hospital Dona Estefânia, CHLC, EPE Programa de Vigilância Nacional da Paralisia Cerebral Surveillance

Leia mais

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Métodos para detecção de alérgenos em alimentos Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Antigenos vs Alérgenos Antigeno Imunógeno Qualquer substância capaz de estimular

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

A i d s n a I n f â n c i a. Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS

A i d s n a I n f â n c i a. Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS A i d s n a I n f â n c i a Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS HISTÓRICO 1978- Em Nova York e San Francisco uma doença misteriosa e mortífera ataca homossexuais. 1981- A doença misteriosa ganha o

Leia mais

PLANEJANDO A GRAVIDEZ

PLANEJANDO A GRAVIDEZ dicas POSITHIVAS PLANEJANDO A GRAVIDEZ Uma pessoa que vive com HIV/aids pode ter filhos biológicos? Pode. As pessoas que vivem com HIV/aids não devem abandonar seus sonhos, incluindo o desejo de construir

Leia mais

Infecção pelo HIV e AIDS

Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS 1981: pneumonia por Pneumocystis carinii/jirovecii outros sinais e sintomas: infecção do SNC, infecção disseminada por Candida albicans, perda de peso,

Leia mais

ALEITAMENTO MATERNO um factor promotor de saúde

ALEITAMENTO MATERNO um factor promotor de saúde ALEITAMENTO MATERNO um factor promotor de saúde Direcção-Geral da Saúde Ministério da Saúde 12 Outubro 2007 Objectivo da sessão Abordar/relembrar os principais benefícios do aleitamento materno Lactente

Leia mais

Epidemia pelo Vírus Ébola

Epidemia pelo Vírus Ébola Epidemia pelo Vírus Ébola O vírus Ébola é neste momento uma das grandes ameaças virais em África e está a espalhar-se para outros Continentes. Actualmente são conhecidas quatro estirpes do vírus, e já

Leia mais

Condições justificáveis. para complementar ou. substituir o leite materno

Condições justificáveis. para complementar ou. substituir o leite materno Instituto de Saúde, 23 de março de 2009 Condições justificáveis para complementar ou substituir o leite materno Encontro Amamentando às Segundas Iniciativa Hospital Amigo da Criança PASSO 6 Não oferecer

Leia mais

HPV NO HOMEM. Artur Palmas Consulta de Andrologia do Centro Hospitalar Barreiro-Montijo

HPV NO HOMEM. Artur Palmas Consulta de Andrologia do Centro Hospitalar Barreiro-Montijo HPV NO HOMEM Artur Palmas Consulta de Andrologia do Centro Hospitalar Barreiro-Montijo 1 2 Agenda Caracterização; Epidemiologia; Patologia; Diagnóstico; Prevenção. 3 Caracterização Vírus bastante resistente;

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL 1 ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL Ana Carolina Borghesi Marques Branco Mariah Martins da Silva Josiane Correia Juliana Ferreira

Leia mais

Citomegalovírus: Transmissão Vertical e Doença

Citomegalovírus: Transmissão Vertical e Doença 179 Citomegalovírus: Transmissão Vertical e Doença Realidade de Uma Unidade Maria José Cálix*, Andreia Teles*, Anabela João RESUMO Introdução: O Citomegalovírus (CMV) é um dos principais agentes de infecção

Leia mais

1. Definição de Caso1: Sarampo

1. Definição de Caso1: Sarampo Digitally signed by Francisco Henrique Moura George Francisco DN: c=pt, o=ministério da Saúde, ou=direcção-geral da Henrique Saúde, cn=francisco Henrique Moura George Moura George Date: 2011.06.08 12:41:12

Leia mais

Uso da reação em cadeia da polimerase (PCR) para o diagnóstico neonatal de infecção perinatal pelo vírus da imunodeficiência humana tipo 1 (HIV)

Uso da reação em cadeia da polimerase (PCR) para o diagnóstico neonatal de infecção perinatal pelo vírus da imunodeficiência humana tipo 1 (HIV) 338 Jornal 0021-7557/94/70-06/338 de Pediatria - Vol. 70, Nº6, 1994 Jornal de Pediatria Copyright 1994 by Sociedade Brasileira de Pediatria ARTIGO ORIGINAL Uso da reação em cadeia da polimerase (PCR) para

Leia mais

Nutrição entérica no RN muito prematuro...

Nutrição entérica no RN muito prematuro... Nutrição entérica no RN muito prematuro... Israel Macedo Neonatologista UCIN - CHLC, EPE Lisboa Santarém, 16 Março 2013 Declaração de conflito de interesses O autor não tem conflitos de interesse a declarar

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: PORTARIA Nº 486, DE 16 DE MAIO DE 2.000 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: Art. 1º - Expedir a edição revisada e atualizada das orientações e critérios relativos

Leia mais

Médicos da idoneidade e da capacidade formativa para ministrar o Ciclo de Estudos Especiais de Neonatologia.

Médicos da idoneidade e da capacidade formativa para ministrar o Ciclo de Estudos Especiais de Neonatologia. Regulamento do Colégio de Subespecialidade de Neonatologia da Ordem dos Médicos para reconhecimento de Idoneidade e Capacidade Formativa para ministrar o Ciclo de Estudos Especiais de Neonatologia - Versão

Leia mais

RUBÉOLA E FAMÍLIA HERPESVIRIDAE. Prof. Sérvio Túlio Stinghen

RUBÉOLA E FAMÍLIA HERPESVIRIDAE. Prof. Sérvio Túlio Stinghen RUBÉOLA E FAMÍLIA HERPESVIRIDAE Prof. Sérvio Túlio Stinghen 1 Infecções congênitas e perinatais feto: efeitos devastadores gestantes: maioria pode ser assintomática testes sorológicos TORSCH: Toxoplasmose

Leia mais

Incidência e aspectos clínicos da infecção congênita por citomegalovírus (CMV) na região de Ilhéus, Bahia.

Incidência e aspectos clínicos da infecção congênita por citomegalovírus (CMV) na região de Ilhéus, Bahia. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Incidência e aspectos clínicos da infecção congênita por citomegalovírus (CMV) na região de Ilhéus, Bahia. Coordenador/E-mail:

Leia mais

Módulo 3: Diagnóstico do HIV na Criança

Módulo 3: Diagnóstico do HIV na Criança Módulo 3: Diagnóstico do HIV na Criança Módulo 3: Diagnóstico do HIV na Criança O Módulo 3 aborda os seguintes temas: Identificação de crianças com HIV ou em risco de infecção Desafios e vantagens do

Leia mais

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Características principais Agente etiológico das verrugas (tumores epiteliais benignos) Infectam epitélio de

Leia mais

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Adriana Barretto de Mello hemoba@hemoba.ba.gov.br Todo sangue é fracionado em componentes Vantagens Uma doação pode ajudar vários pacientes Para manter as propriedades

Leia mais

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C.

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. A) DIAGNÓSTICO ETAPA I - TRIAGEM SOROLÓGICA ( ANTI-HCV ) ETAPA II CONFIRMAÇAO

Leia mais

Do nascimento até 28 dias de vida.

Do nascimento até 28 dias de vida. Do nascimento até 28 dias de vida. CONDIÇÕES MATERNAS Idade : Menor de 16 anos, maior de 40. Fatores Sociais: Pobreza,Tabagismo, Abuso de drogas, Alcoolismo. Má nutrição História Clínica: Diabetes materna,

Leia mais

PAPILOMA VÍRUS HUMANO

PAPILOMA VÍRUS HUMANO PAPILOMA VÍRUS HUMANO PAPILOMA VÍRUS HUMANO *INNO-LiPA HPV Genotipagem Extra 28 genótipos HPV Controles Praticidade Aplicações Automação ESCOLHA DE QUALIDADE PARA O SEU LABORATÓRIO. Genótipos: 28 genótipos

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

LARGO DA ACADEMIA NACIONAL DE BELAS ARTES, 2 1249-105 LISBOA TELEF. 21 323 95 00 FAX.

LARGO DA ACADEMIA NACIONAL DE BELAS ARTES, 2 1249-105 LISBOA TELEF. 21 323 95 00 FAX. Plano de Vigilância da Febre do Nilo Ocidental Direcção Geral de Veterinária Direcção de Serviços de Saúde e Protecção Animal PORTUGAL Página 1 de 6 Plano de Vigilância Febre do Nilo Ocidental I - Introdução

Leia mais

AIDS PERINATAL. Licia Moreira UFBA

AIDS PERINATAL. Licia Moreira UFBA Licia Moreira UFBA Definição de AIDS na CRIANÇA Toda criança com menos de 13 anos com evidência laboratorial de infecção Uma amostra de soro repetidamente positiva em teste como ELISA, IFI (pesquisa de

Leia mais

Aleitamento materno e prevenção de infecções

Aleitamento materno e prevenção de infecções 356 Aleitamento materno e prevenção de infecções Maria Amélia Cunha* RESUMO O leite materno tem uma importância relevante na prevenção das infecções. Contém componentes imunológicos que o tornam único

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA:

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA: PROJETO DE LEI Nº 442/2005 Despacho DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE EXAME SOROLÓGICO PRÉ-NATAL EM MULHERES GRÁVIDAS PARA DIAGNÓSTICO PRECOCE DE VÍRUS DA AIDS, DAS HEPATITES B E C E DOS

Leia mais

CLINICA MÉDICA TERAPÊUTICA COM SANGUE E COMPONENTES ANEMIA NEUTROPENIAS TROMBOCITOPENIAS HEMATOLOGIA 2003-2004 TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOPATIAS

CLINICA MÉDICA TERAPÊUTICA COM SANGUE E COMPONENTES ANEMIA NEUTROPENIAS TROMBOCITOPENIAS HEMATOLOGIA 2003-2004 TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOPATIAS CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA TERAPÊUTICA COM SANGUE E COMPONENTES 2003-2004 ANEMIAS TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOPATIAS ANEMIA NEUTROPENIAS FERRO VITAMINA B12 ÁCIDO FÓLICO COAGULOPATIAS CONGÉNITAS COAGULOPATIAS

Leia mais

DETECÇÃO E DIFERENCIAÇÃO DOS POLIOMAVÍRUS JC E BK PELA REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) SEMI-NESTED

DETECÇÃO E DIFERENCIAÇÃO DOS POLIOMAVÍRUS JC E BK PELA REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) SEMI-NESTED DETECÇÃO E DIFERENCIAÇÃO DOS POLIOMAVÍRUS JC E BK PELA REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) SEMI-NESTED Alâna Costa de Oliveira 1, Marisa Chesky 2 Farmacêutica do Laboratório de Diagnóstico de Doenças

Leia mais

Infermun em parvovirose canina

Infermun em parvovirose canina em parvovirose canina Redução do tempo de recuperação em cães infectados por Parvovirus e tratados com Departamento I+D. Laboratórios Calier, S.A. INTRODUÇÃO: A Parvovirose é uma das enfermidades entéricas

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

Febre do Nilo Ocidental em Portugal Plano de Vigilância

Febre do Nilo Ocidental em Portugal Plano de Vigilância Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas Febre do Nilo Ocidental em Portugal Plano de Vigilância Maria Rita Ramos Amador Direcção Geral de Veterinária, DSSPA-DPPS Fórum Internacional

Leia mais

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Paulo Roberto Borges de Souza-Jr Célia Landmann Szwarcwald Euclides Ayres de Castilho A Terapia ARV no

Leia mais

Sífilis Passado e o Presente

Sífilis Passado e o Presente Passado e o Presente Passado Etiologia/Epidemiologia Infecção crónica generalizada cujo agente etiológico é o Treponema Pallidum Exclusiva dos seres humanos e não possui outros hospedeiros naturais. Utilização

Leia mais

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras Dispositivo Médico para Diagnóstico In vitro Nome Mandatário Fabricante Distribuidor Tipo de Teste Teste rápido. OraQuick ADVANCE /2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos /2 Aplicação Diagnóstica

Leia mais

As infecções que transtornam nosso dia a dia: coqueluche, influenza, varicela, tuberculose. Há esperança?

As infecções que transtornam nosso dia a dia: coqueluche, influenza, varicela, tuberculose. Há esperança? 18ª Jornada de Controle de Infecção Hospitalar - Hospital São Francisco As infecções que transtornam nosso dia a dia: coqueluche, influenza, varicela, tuberculose. Há esperança? Denise Brandão de Assis

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (texto de Marcelo Okuma) 1. Histórico e origem do vírus HIV Há fortes indícios para se acreditar que o vírus da imunodeficiência humana (HIV) tenha evoluído

Leia mais

Protocolos de Diagnóstico e Terapêutica em Infecciologia Perinatal SÍFILIS

Protocolos de Diagnóstico e Terapêutica em Infecciologia Perinatal SÍFILIS A sífilis é uma infecção transmitida sexualmente que pode atingir a grávida e o feto em qualquer altura da gestação. No adulto, não tratada, evolui de sífilis primária para secundária e terciária. No feto

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

Técnicas Moleculares

Técnicas Moleculares Biologia Molecular no Diagnóstico de Infecção :HPV Maria Elizabeth Menezes,MSc;Ph.D e-mail:melmenezes@dnanalise.com.br DNAnálise Laboratório Técnicas Moleculares HIBRIDIZAÇÃO IN SITU SEQÜENCIAMENTO PCR

Leia mais

VARICELA OU HERPES ZOSTER EM CRIANÇAS INTERNADAS

VARICELA OU HERPES ZOSTER EM CRIANÇAS INTERNADAS VARICELA OU HERPES ZOSTER EM CRIANÇAS INTERNADAS Ana Leça - HDE Maria João Branco - ONSA / INSA Maria João Brito - HFF / HDE Catarina Gouveia HDE João Farela Neves - HDE Baltazar Nunes - ONSA / INSA Introdução

Leia mais

Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim.

Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim. Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim. Assinale com uma cruz no(s) quadrado(s) que antecede(m) a(s)resposta(s) verdadeira(s):

Leia mais

Prematuro parto < 37 Semanas Limiar da viabilidade - 23-25 semanas

Prematuro parto < 37 Semanas Limiar da viabilidade - 23-25 semanas Consequências da Prematuridade Cristina Resende; Gabriela Mimoso; Adelaide Taborda A prematuridade Prematuro parto < 37 Semanas Limiar da viabilidade - 23-25 semanas Epidemiologia Portugal (2005) 6,6%

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

CITOMEGALOVIRUS Infecção congénita ou neonatal?

CITOMEGALOVIRUS Infecção congénita ou neonatal? CASO CLÍNICO Acta Méd Port 2004; 17: 335-340 CITOMEGALOVIRUS Infecção congénita ou neonatal? ANDRÉ GRAÇA, CRISTINA SILVÉRIO, JOSÉ P. FERREIRA, ANABELA BRITO, SOFIA ALMEIDA, PAULO PAIXÃO, LUÍS PINHEIRO

Leia mais

Alexandre O. Chieppe

Alexandre O. Chieppe Transmissão Vertical da Sífilis S e do HIV Alexandre O. Chieppe Coordenação Estadual de DST/AIDS-CVE Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro Câmara Técnica de AIDS do CREMERJ Do Início da Epidemia

Leia mais

Infecções virais: Rubéola e Mononucleose Infecciosa

Infecções virais: Rubéola e Mononucleose Infecciosa Infecções virais: Rubéola e Mononucleose Infecciosa RUBÉOLA 1ª descrição: Bergen em 1752 e Orlow em 1758 efeito teratogênico: catarata (1941) só tem um sorotipo, homem é único hospedeiro ASPECTOS CLÍNICOS

Leia mais

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE)

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) SUBPAV/SVS COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) VACINA INATIVADA CONTRA POLIOMIELITE (VIP) Crianças imunocomprometidas (com deficiência imunológica congênita ou

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Síndrome : Conjunto de sinais e sintomas que se desenvolvem conjuntamente e que indicam a existência de uma doença. A AIDS é definida como síndrome porque não tem

Leia mais

Silencioso. mas. Implacável

Silencioso. mas. Implacável Silencioso mas Implacável Autores Acácio Diniz Ana Fonte Ana Francisco André Coutinho Carla Monteiro Diana Ferreira Luís Dinis Luís Francisco Patrícia Filipe Paula dos Santos Pedro Cardeira Ricardo Santos

Leia mais

Introdução. A cinética da infecção pelo FIV pode ser dividida em 5 fases:

Introdução. A cinética da infecção pelo FIV pode ser dividida em 5 fases: Imunodeficiência viral felina Prof. Msc. Alexandre G. T. Daniel Universidade Metodista de São Paulo H.V. Santa Inês São Paulo SP Consultoria e atendimento especializado em medicina felina Introdução O

Leia mais

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Diretor da Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Sob este título o leitor poderá ter duas interpretações

Leia mais