PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C."

Transcrição

1 PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. A) DIAGNÓSTICO ETAPA I - TRIAGEM SOROLÓGICA ( ANTI-HCV ) ETAPA II CONFIRMAÇAO ATRAVÉS DA DETECÇAO POR TÉCNICA BIOMOLECULAR DE ÁCIDO RIBONUCLÉICO (TESTE QUALITATIVO) B) ESTADIAMENTO ETAPA III BIÓPSIA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDENCIA DE VIGILANCIA EM SAÚDE - SUVIS LABORATÓRIO CENTRAL DE SAÚDE PÚBLICA - LACEN C) INCLUSÃO NO TRATAMENTO ETAPA IV GENOTIPAGEM E CARGA VIRAL (TESTE QUANTITATIVO) D) MONITORAMENTO DO TRATAMENTO ETAPA V - CARGA VIRAL (TESTE QUANTITATIVO) ETAPA VI DETECÇAO POR TÉCNICA BIOMOLECULAR DE ÁCIDO RIBONUCLÉICO (TESTE QUALITATIVO) ETAPA I Triagem Sorológica DIAGNÓSTICO - Esta etapa será realizada através da detecção de anticorpos Anti-HCV. - Para a realização deste exame e necessário constar da solicitação, os dados clínicos (abordagem sindrômica) do paciente, indicando a suspeita. - Todo caso positivo e obrigatório sua notificação a Vigilância Epidemiológica. - O caso positivo deverá ser coletado uma segunda amostra para confirmação da positividade da primeira amostra. ETAPA II Confirmação - Esta etapa será realizada através da detecção biomolecular de ácido ribonucléico (RNA), teste qualitativo (PCR-RNA-HCV). - Para a realização deste exame é necessário anexar junto à solicitação, no caso de Hepatite crônica, resultados de dois testes sorológicos positivos e no caso de Hepatite aguda de dois testes sorológicos comprovando a soroconversão. - Notificação à Vigilância Epidemiológica. Obs. O diagnóstico da infecção pelo vírus da Hepatite C, deverá seguir o fluxograma definido pelo Programa Nacional de Hepatites Virais do Ministério da Saúde (Anexo 1) 1

2 ESTADIAMENTO ETAPA III Biópsia - A biopsia hepática será realizada para verificar a atividade necro-inflamatório, portal ou peri-septal e/ou presença de fibrose. - De acordo com o grau da lesão estabelecida pela classificação da Sociedade Brasileira de Patologia, será ou não indicado à inclusão no tratamento (Portaria nº 34 de setembro de 2007). - Nos casos onde o paciente esteja impossibilitado da realização da biopsia, deverá der feito uma observação indicando o motivo, quando da solicitação dos exames para inclusão no tratamento. INCLUSÃO NO TRATAMENTO ETAPA IV Genotipagem e Carga Viral - A genotipagem está sendo realizada por reação em cadeia da polimerase (PCR) e enzima de restrição (RFLP). - A genotipagem poderá ser solicitada independente do resultado de carga viral (com agendamento prévio no LACEN ). - O teste de carga viral é feito através da detecção de acido ribonucléico (teste quantitativo). - O teste de carga viral pré-tratamento está indicado preferencialmente para o genótipo 1 e Co-infectado com HIV, para os tipos 2 e 3, não é necessário a sua realização, somente nos casos de retratamento. - A realização destes exames está condicionada ao resultado da biópsia indicando tratamento (atividade necro-inflamatória de moderada à intensa F2 e fibrose moderada a intensa A2, METAVIR) ou avaliação do medico, quando da impossibilidade do paciente realiza-la. MONITORAMENTO DO TRATAMENTO ETAPA V Carga Viral (Teste Quantitativo) - Este exame deverá ser realizado para o genótipo 1 e Co-infectado com HIV (independente do genótipo) com três meses após o início do tratamento (12 semanas) e para os genótipos 2 e 3 em retratamento na 12ª semana. ETAPA VI PCR-RNA-HCV (Teste Qualitativo) - Esta etapa serve para definir prognóstico do tratamento e monitorizacao da resposta virológica: - Para o genótipo 1 e Co-infectado com HIV, deverá ser realizado na 4ª, 48ª e 72ª semanas - Para o genótipo 2 e 3, deverá ser realizado na 4ª, 24ª e 48ª semanas. OBS: 1) A ordem seqüenciada destes exames devera ser seguida obrigatoriamente. 2) Os testes para detecção biomolecular de ácido ribonucléico, qualitativo e quantitativo serão realizados pelo LACEN/SC. 3) Os testes de genotipagem estão sendo realizados por Laboratório conveniado, devendo sua solicitação ser agendada com o LACEN ( Setor de Controle da Rede, telefone : ) Outras informações como abordagem sindrômica, procedimentos de coleta, armazenamento e transporte estão contidas nos anexos II e III. 2

3 SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDENCIA DE VIGILANCIA EM SAÚDE - SUVIS LABORATÓRIO CENTRAL DE SAÚDE PÚBLICA LACEN Propedêutica para Hepatite C ANEXO I Suspeita de hepatite C Solicitar anti-hcv Anti-HCV ( + ) Anti-HCV ( - ) HCV-RNA ( + ), Infecção crônica Solicitar HCV-RNA HCV-RNA ( - ), Cura* Se exposição precoce, repetir anti-hcv em 30 a 60 dias Anti-HCV ( + ), suspeita de infecção aguda Solicitar HCV-RNA Anti-HCV ( - ), Ausência de infecção HCV-RNA ( + ), Infecção aguda, repetir exame em 6 meses** HCV-RNA ( - ), Anti-HCV falso-positivo Solicitar ALT e AST HCV-RNA ( + ), infecção crônica HCV-RNA ( - ), Cura * Caso o paciente seja portador de imunodeficiência ou vítima de exposição de alto risco (p.ex.acidente perfuro-cortante com fonte sabidamente HCV +) repetir o exame em três meses. ** O tratamento da infecção crônica pelo HCV não está bem estabelecido na literatura e esta situação é muito rara na prática clínica. Caso haja possibilidade de realizar o tratamento da infecção aguda, repetir o HCV-RNA três a quatro meses após a exposição, se positivo, avaliar tratamento. 3

4 SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDENCIA DE VIGILANCIA EM SAÚDE - SUVIS LABORATÓRIO CENTRAL DE SAÚDE PÚBLICA - LACEN ANEXO II TESTES QUALITATIVOS BIOLOGIA MOLECULAR São métodos utilizados para detectar a presença de ácido nucléico (dna ou rna) em espécimes biológicos, na prática clínica utiliza-se apenas a pesquisa de HCV-RNA. o teste qualitativo do HBV-DNA não tem aplicabilidade prática, pois pode estar positivo mesmo na ausência de replicação viral. O HCV-RNA é utilizado para confirmar a infecção crônica pelo HCV, no monitoramento do tratamento com interferon associado ou não a ribavirina e no controle de cura. TESTES QUANTITATIVOS Estes testes determinam o número de cópias virais circulantes, são conhecidos também como carga viral, na hepatite B são utilizados para avaliar a presença de replicação viral em mutações pré-core ( que não produzem HbeAg) e no controle de cura destes casos, a carga viral do HBV é considerada positiva para valores acima de cópias/ml. A principal aplicação da carga viral do HCV é no monitoramento do tratamento com interferon peguilado associado à ribavirina, este exame não tem valor prognóstico em relação à evolução da doença. GENOTIPAGEM DO HCV O vírus da hepatite C apresenta seis subtipos diferentes, de 1 a 6, o tipo infectante não influencia na evolução da doença, no entanto, a duração do tratamento depende deste exame. No caso do tipo 1, mas freqüente na maioria dos países, o tratamento deve ser realizado por 12 meses. Nas infecções pelo tipo 2 e 3, o tratamento dura seis meses. Os tipos 4, 5 e 6 são bem menos freqüentes, existindo pouca experiência no tratamento dos mesmos. A literatura indica que se assemelham mais ao tipo 1. ABORDAGEM SINDRÔMICA As seguintes situações clínicas devem ser consideradas como suspeitas de hepatite viral: icterícia aguda e colúria; icterícia aguda, colúria, e aminotransferases (transaminases) 3 vezes o limite superior da normalidade; aminotransferases (transaminases) 3 vezes o limite superior da normalidade; história de exposição percutânea ou de mucosa a sangue e/ou secreções de pessoas portadoras ou com suspeita de infecção pelo hbv ou hcv; história de contato sexual ou domiciliar com indivíduo sabidamente HBSag reator e/ou anti-hbc reator; HBSag reator e/ou anti-hbc reator; exames sorológicos de triagem reatores para hepatites ( doadores de sangue e/ou órgãos, usuários de hemodiálise e ambulatórios de dst). 4

5 SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDENCIA DE VIGILANCIA EM SAÚDE - SUVIS LABORATÓRIO CENTRAL DE SAÚDE PÚBLICA - LACEN ANEXO III NORMAS PARA COLETA, TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO DE AMOSTRAS PARA TESTES BIOMOLECULARES QUALITATIVO QUANTITATIVOS (MARCA ROCHE) E GENOTIPAGEM DE HCV. deverão ser coletadas em tubos com GEL SEPARADOR com ou sem EDTA com o volume especificado no tubo (nem a mais nem a menos); não usar HEPARINA como anticoagulante; as amostras deverão ser CENTRIFUGADAS (1500 rpm/20 min) ATÉ 4 HORAS após a coleta, para separar o soro ou plasma; as amostras NÃO deverão ser manuseadas, ou seja, encaminhar ao Lacen no mesmo tubo da coleta, no prazo máximo de até 72 horas; as amostras deverão ser conservadas entre 2º C e 8ºC; as amostras HEMOLISADAS, LIPÊMICAS OU CONTAMINADAS deverão ser desprezadas; NUNCA CONGELAR AS AMOSTRAS; as amostras deverão ser identificadas com: nome, tipo de exame, origem e data da coleta; o transporte das amostras deverá ser realizado em isopor contendo gelo reciclável (gelox) na temperatura de 2ºC a 8ºC. OBS.: 1) as amostras somente serão aceitas no Lacen até 5ª feira de cada semana; 2) as amostras enviadas fora das normas acima estabelecidas, não serão processadas. 5

6 SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDENCIA DE VIGILANCIA EM SAÚDE - SUVIS LABORATÓRIO CENTRAL DE SAÚDE PÚBLICA - LACEN PRÉ-REQUISITOS 1) DIAGNÓSTICO (PCR-HCV QUALITATIVO) Hepatite C crônica: resultados de 02(dois) testes positivos para Anti-HCV ; Hepatite C aguda: resultado de 02(dois) testes Anti-HCV comprovando a soroconversão em um intervalo de 90 dias; Laudo médico para emissão de BPA -I; Cartão Nacional de Saúde; Número da notificação. 2) INDICAÇÃO DE TRATAMENTO COM INTERFERON PEGUILADO (PCR-HCV-QUANTITATIVO ) Resultado PCR-HCV qualitativo detectado; Resultado ou justificativa da exclusão da biópsia; Genotipagem HCV tipo 1; 3) INDICAÇÃO DE TRATAMENTO COM INTERFERON PEGUILADO EM CO-INFECTADO HIV/HCV (PCR-HCV-QUANTITATIVO) Resultado PCR-HCV-qualitativo detectado; Resultado ou justificativa da exclusão da biópsia Resultado de genotipagem 1,2 ou 3; Resultado sorologia para HIV positiva; 4) MONITORAR TRATAMENTO 4ª SEMANA: GENÓTIPO 1, 2 e 3 (PCR-HCV QUALITATIVO) 5) MONITORAR TRATAMENTO 12ª SEMANA: GENÓTIPO 1 E/OU CO-INFECTADO COM HIV (PCR-HCV-QUANTITATIVO) Formulário de encaminhamento de exame autorizado pela DIAF; 6) MONITORAR TRATAMENTO 24 SEMANAS FINAL TRATAMENTO (PCR-HCV-QUALITATIVO) Resultado da genotipagem tipo 2 ou 3; Laudo médico para emissão de BPA-I. 6

7 7) MONITORAR TRATAMENTO 48 SEMANAS FINAL DE TRATAMENTO (PCR-HCV-QUALITATIVO) Resultado da genotipagem tipo 1 8) AVALIAÇÃO DE 6 MESES APÓS ENCERRAMENTO DO TRATAMENTO (PCR-HCV-QUALITATIVO) Resultado da genotipagem tipo 1,2 e 3 Resultado PCR-HCV-qualitativo não detectado do final de tratamento; 9) INDICAÇÃO DE RETRATAMENTO (PCR-HCV-QUANTITATIVO) Resultado de genotipagem tipo 2 ou 3; PCR_HCV-qualitativo detectado no final do 1º tratamento com interferon convencional com ou sem ribavirina Laudo médico para emissão de BPA-I. 10) MONITORAR RETRATAMENTO 12ª SEMANA ( PCR-HCV-QUANTITATIVO ) Resultado de genotipagem tipo 2 ou 3; Formulario de encaminhamento de exame autorizado pela DIAF; 11) GENOTIPAGEM HCV Agendamento junto a divisão de controle da rede de laboratórios - LACEN ; PCR-HCV-qualitativo detectado ou PCR-HCV-quantitativo com resultado maior que 600UI/ml; Biópsia hepática ou avaliação medica descrevendo o motivo para sua contra indicação; Laudo médico para emissão de BPA-I. 7

8 SUS Ministério da Saúde Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde LAUDO MÉDICO PARA EMISSÃO DO BPA-I Pesquisa de anticorpos contra o Vírus da Hepatite C (anti-hcv) IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE (SOLICITANTE) UNIDADE SOLICITANTE CNES NOME DO PACIENTE DADOS DO PACIENTE Nº DO PRONTUÁRIO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE (CNS) NOME DA MÃE NOME DO RESPONSÁVEL ENDEREÇO (Rua, Nº, Bairro) DATA DO NASCIMENTO / / SEXO RAÇA/COR MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA CÓDIGO IBGE MUNICÍPIO Nº DE NOTIFICAÇÃO UF CEP CÓDIGO DO PROCEDIMENTO DADOS DA SOLICITAÇÃO PROCEDIMENTO Pesquisa de anticorpos contra o Vírus da Hepatite C (anti-hcv) JUSTIFICATIVA DO PROCEDIMENTO HIPÓTESE DIAGNÓSTICA CID 10 Motivo pelo qual o exame está sendo solicitado Triagem sorológica (1ª amostra) Triagem sorológica (2ª amostra) NOME DO PROFISSIONAL SOLICITANTE SOLICITAÇÃO DOCUMENTO ( ) CNS ( ) CPF DATA DA COLETA Nº DO CNS/CPF AUTORIZAÇÃO BPA-I = Boletim de Produção Ambulatorial (Individualizado) LABORATÓRIO CENTRAL DE SAÚDE PÚBLICA CNES Av. Rio Branco nº Fundos - Centro - CEP Florianópolis - SC Fone: (48) FAX: (48) Site:

9 SUS Ministério da Saúde Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde LAUDO MÉDICO PARA EMISSÃO DO BPA-I Genotipagem de vírus da Hepatite C IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE (SOLICITANTE) UNIDADE SOLICITANTE CNES NOME DO PACIENTE DADOS DO PACIENTE Nº DO PRONTUÁRIO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE (CNS) NOME DA MÃE NOME DO RESPONSÁVEL ENDEREÇO (Rua, Nº, Bairro) DATA DO NASCIMENTO / / SEXO RAÇA/COR MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA CÓDIGO IBGE MUNICÍPIO Nº DE NOTIFICAÇÃO UF CEP CÓDIGO DO PROCEDIMENTO DADOS DA SOLICITAÇÃO PROCEDIMENTO GENOTIPAGEM DE VÍRUS DA HEPATITE C JUSTIFICATIVA DO PROCEDIMENTO HIPÓTESE DIAGNÓSTICA CID 10 Motivo pelo qual o exame está sendo solicitado Indicação de Tratamento NOME DO PROFISSIONAL SOLICITANTE SOLICITAÇÃO DOCUMENTO ( ) CNS ( ) CPF DATA DA COLETA Nº DO CNS/CPF AUTORIZAÇÃO BPA-I = Boletim de Produção Ambulatorial (Individualizado) LABORATÓRIO CENTRAL DE SAÚDE PÚBLICA CNES Av. Rio Branco nº Fundos - Centro - CEP Florianópolis - SC Fone: (48) FAX: (48) Site:

10 SUS Ministério da Saúde Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde LAUDO MÉDICO PARA EMISSÃO DO BPA-I Quantificação de RNA do vírus da Hepatite C IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE (SOLICITANTE) UNIDADE SOLICITANTE CNES NOME DO PACIENTE DADOS DO PACIENTE Nº DO PRONTUÁRIO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE (CNS) NOME DA MÃE NOME DO RESPONSÁVEL ENDEREÇO (Rua, Nº, Bairro) DATA DO NASCIMENTO / / SEXO RAÇA/COR MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA CÓDIGO IBGE MUNICÍPIO Nº DE NOTIFICAÇÃO UF CEP CÓDIGO DO PROCEDIMENTO DADOS DA SOLICITAÇÃO PROCEDIMENTO Quantificação de RNA do vírus da Hepatite C JUSTIFICATIVA DO PROCEDIMENTO HIPÓTESE DIAGNÓSTICA CID 10 Motivo pelo qual o exame está sendo solicitado Indicação de tratamento (genótipo 1 e co-infectado HIV) Monitorar tratamento 12ª semana (IF- peguilado) Retratamento genótipo 2 e 3 (IF- peguilado) inicio Monitorar retratamento (IF- peguilado) 12ª semana NOME DO PROFISSIONAL SOLICITANTE SOLICITAÇÃO DOCUMENTO ( ) CNS ( ) CPF DATA DA COLETA Nº DO CNS/CPF AUTORIZAÇÃO BPA-I = Boletim de Produção Ambulatorial (Individualizado) LABORATÓRIO CENTRAL DE SAÚDE PÚBLICA CNES Av. Rio Branco nº Fundos - Centro - CEP Florianópolis - SC Fone: (48) FAX: (48) Site:

11 SUS Ministério da Saúde Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde LAUDO MÉDICO PARA EMISSÃO DO BPA-I Detecção de RNA do vírus da Hepatite C (Qualitativo) IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE (SOLICITANTE) UNIDADE SOLICITANTE CNES NOME DO PACIENTE DADOS DO PACIENTE Nº DO PRONTUÁRIO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE (CNS) NOME DA MÃE NOME DO RESPONSÁVEL ENDEREÇO (Rua, Nº, Bairro) DATA DO NASCIMENTO / / SEXO RAÇA/COR MUNICÍPIO DE RESIDÊNCIA CÓDIGO IBGE MUNICÍPIO Nº DE NOTIFICAÇÃO UF CEP CÓDIGO DO PROCEDIMENTO DADOS DA SOLICITAÇÃO PROCEDIMENTO Detecção de RNA do vírus da Hepatite C (Qualitativo) JUSTIFICATIVA DO PROCEDIMENTO HIPÓTESE DIAGNÓSTICA CID 10 Motivo pelo qual o exame está sendo solicitado Definir infecção (diagnostico pré-tratamento) Monitorar tratamento 24ª semana (final TTO-genótipo 2 ou 3) Monitorar tratamento 48ª semana- final de TTO Avaliação 6 meses após encerrado tratamento NOME DO PROFISSIONAL SOLICITANTE DOCUMENTO ( ) CNS ( ) CPF DATA DA COLETA SOLICITAÇÃO DATA DE SOLICITAÇÃO / / Nº DO CNS/CPF AUTORIZAÇÃO BPA-I = Boletim de Produção Ambulatorial (Individualizado) LABORATÓRIO CENTRAL DE SAÚDE PÚBLICA CNES Av. Rio Branco nº Fundos - Centro - CEP Florianópolis - SC Fone: (48) FAX: (48) Site:

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

Hepatites Virais. Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br

Hepatites Virais. Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br Hepatites Virais Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br Definição Hepatite viral: Doença causada exclusivamente por vírus hepatotrópico. Diagnóstico Diferencial: CMV, mononucleose

Leia mais

Situação da Hepatite B no Estado de Santa Catarina

Situação da Hepatite B no Estado de Santa Catarina Situação da Hepatite B no Estado de Santa Catarina Gerência de DST/Aids/Hepatites Virais Diretoria de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica Programa DST/HIV/Aids/HV Secretaria de Estado

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº. 12/DIVE/SUV/SES/2014

NOTA TÉCNICA Nº. 12/DIVE/SUV/SES/2014 GOVENO DE SANTA CATAINA Secretaria de Estado da Saúde Sistema Único de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica NOTA TÉCNICA Nº. 12/DIVE/SUV/SES/2014 Assunto:

Leia mais

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Lucia Mardini DVAS Hepatites Virais Hepatite: inflamação do fígado. As hepatites podem

Leia mais

MANEJO HEPATITES VIRAIS B/C - 2015

MANEJO HEPATITES VIRAIS B/C - 2015 MANEJO HEPATITES VIRAIS B/C - 2015 HEPATITE C PAPEL DA ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE FILIPE DE BARROS PERINI Assessor Técnico GEDST-DIVE-SES Infectologista Policlínica Municipal do Continente SMS-PMF Assessor

Leia mais

PERFIL HEPATITE. Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico.

PERFIL HEPATITE. Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico. PERFIL HEPATITE Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico. TLA - Total Lab Automation Agilidade e Confiança TAT (Turn Around Time) de produção de 2 horas. Quatro linhas de produção totalmente

Leia mais

Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya

Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014 Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya 1. Características da doença A Febre do Chikungunya (CHIKV) é uma doença causada por

Leia mais

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN Lucia Mardini DVAS Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS CEVS Rua Domingos Crescêncio Nº 132 sala 310 hepatites@saude.rs.gov.br

Leia mais

ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO

ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS I - INTRODUÇÃO *NOVAS TECNOLOGIAS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO *DECISÃO DIAGNÓSTICA CONFIRMAÇÃO TRATAMENTO MONITORAMENTO PREVENÇÃO

Leia mais

Hepatite C Casos Clínicos

Hepatite C Casos Clínicos DIA MUNDIAL DE ENFRENTAMENTO DAS HEPATITES VIRAIS Hepatite C Casos Clínicos Dr. Bernardo Machado de Almeida Hospital de Clínicas UFPR H. Municipal São José dos Pinhais Curitiba, 28 de julho de 2014 Para

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA EXAMES BPAI (solicitação somente em formulário específico de BPAI) MATERIAL BIOLÓGICO EXAMES INSTRUÇÕES DE COLETA CID / BPA CÓDIGO DO LAUDO MÉDICO BPA NECESSIDADE BPAI AMBULATÓRIO ENFERMARIA Genotipagem

Leia mais

HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER

HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER O QUE É HEPATITE? QUAIS OS TIPOS? Hepatopatias Hepatites Virais Doença hepática alcoólica Hepatopatias criptogênicas Hepatites tóxicas Hepatopatias auto-imunes Hepatopatias

Leia mais

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO HEPATITES Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO Hepatites virais: agentes etiológicos A B C D E Vírus hepatotrópicos G TT Herpes vírus EBV CMV Enterovírus Adenovírus Febre

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Gerusa Maria Figueiredo gerusa.figueiredo@saude.gov.br I CONGRESSO BRASILEIRO

Leia mais

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV)

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV) ANEXO II ANEXO DA RESOLUÇÃO SESA Nº.../2009 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ALTERAÇÃO DA CAUSA DE REJEIÇÃO DO CÓDIGO 57 (INCONCLUSIVO), PELOS SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA NO SHTWEB. 1. Segundo a RDC nº 153 de 14

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP EXAMES BPAI (solicitação feita somente em formulário específico de BPAI) MATERIAL BIOLÓGICO EXAMES INSTRUÇÕES DE COLETA CID / BPA CÓDIGO DO LAUDO MÉDICO BPA NECESSIDADE BPAI AMBULATÓRIO ENFERMARIA Genotipagem

Leia mais

HIV + sint. C.V. (> 1500 cópias/ml) PPE EXPANDIDO PPE PPE

HIV + sint. C.V. (> 1500 cópias/ml) PPE EXPANDIDO PPE PPE AVALIAÇÃO DO STATUS SOROLÓGICO Conhecida Solicitar consentimento para a realização dos seguintes exames: HBs Ag, Anti-HBc IgM+IgG, Anti-HCV e Anti-HIV (teste rápido para HIV*) Desconhecida Material de

Leia mais

Melhoria da qualidade da informação dos dados nacionais de Hepatites Virais do Brasil

Melhoria da qualidade da informação dos dados nacionais de Hepatites Virais do Brasil Melhoria da qualidade da informação dos dados nacionais de Ronaldo de Almeida Coelho Silvano Barbosa de Oliveira Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais OBJETIVO Melhoria da qualidade da informação

Leia mais

Hepatite C Grupo Vontade de Viver

Hepatite C Grupo Vontade de Viver Hepatite C Grupo Vontade de Viver De apoio aos Portadores de Hepatite C Apresentação Data de Fundação : 19 Maio de 2002 Formação do Grupo: Portadores e ex-portadores do vírus C Trasplantados de fígado

Leia mais

1 INTRODUÇÃO... 2 2 EPIDEMIOLOGIA... 2 3 QUADRO CLÍNICO... 4 4 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL... 4 5 DIAGNÓSTICO LABORATORIAL... 5

1 INTRODUÇÃO... 2 2 EPIDEMIOLOGIA... 2 3 QUADRO CLÍNICO... 4 4 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL... 4 5 DIAGNÓSTICO LABORATORIAL... 5 HEPATITES VIRAIS SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 EPIDEMIOLOGIA... 2 3 QUADRO CLÍNICO... 4 4 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL... 4 5 DIAGNÓSTICO LABORATORIAL... 5 6 ABORDAGEM SINDRÔMICA... 7 6.1 Hepatites virais agudas...

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR III ENCONTRO DE ENFERMAGEM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DO HEMOCE HEMOVIGILÂNCIA RETROVIGILÂNCIA : IDENTIFICANDO UMA SOROCONVERSÃO Enfª

Leia mais

Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho

Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho Assim que ocorrer o acidente Introdução Fluxo AT Com o objetivo de adotar medidas de cuidado e segurança à saúde de médicos, clientes e colaboradores, a

Leia mais

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea ENVIO DE AMOSTRAS Os requerimentos específicos para cada exame são fornecidos na lista alfabética da Tabela de Diretório de Exames Online. Para cada exame, são descritos o tipo de amostra, volumes mínimos,

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO

ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO CID-10: Z20.9 Elaboração: equipe técnica Camila Seixas - Médica - Vigilância em Saúde do Trabalhador Frederico Leão - Médico - Vigilância em Saúde

Leia mais

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras Dispositivo Médico para Diagnóstico In vitro Nome Mandatário Fabricante Distribuidor Tipo de Teste Teste rápido. OraQuick ADVANCE /2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos /2 Aplicação Diagnóstica

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES

NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES S ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES Assunto:

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA

TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA Departamento de Clínica Médica Disciplina de Gastroenterologia PROTOCOLO DE TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA COM INTERFERON E RIBAVIRINA. INTRODUÇÃO A hepatite C vem sendo

Leia mais

Hepatites virais e profissionais de saúde

Hepatites virais e profissionais de saúde Hepatites virais e profissionais de saúde Prof. Antonio Carlos de Castro Toledo Jr. Faculdade de Medicina da Unifenas-BH Pós-graduação em Medicina Tropical e Infectologia da Universidade Federal do Triângulo

Leia mais

INFECÇÃO ASSOCIADA AO ZIKA VÍRUS ORIENTAÇÕES: COLETA AMOSTRAS LABORATORIAIS VERSÃO PARANÁ

INFECÇÃO ASSOCIADA AO ZIKA VÍRUS ORIENTAÇÕES: COLETA AMOSTRAS LABORATORIAIS VERSÃO PARANÁ INFECÇÃO ASSOCIADA AO ZIKA VÍRUS ORIENTAÇÕES: COLETA AMOSTRAS LABORATORIAIS VERSÃO PARANÁ 15 Fone: (41) 3330 4467. Página 1 Diagnóstico Laboratorial Lacen/PR Amostras de Recém-Natos (RN) com Microcefalia

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 01/2014- SUVIGE/CPS/SESAP-RN

NOTA TÉCNICA Nº 01/2014- SUVIGE/CPS/SESAP-RN GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA COORDENADORIA DE PROMOÇÃO À SAÚDE SUBCOORDENADORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Av. Marechal Deodoro da Fonseca, 730, Cidade

Leia mais

A Secretária de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições, e considerando:

A Secretária de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições, e considerando: Detecção de anticorpos anti-hiv - Portaria 488 de 17/6/1998 Ementa: As unidades hemoterápicas, públicas e privadas, que realizam atividades de Hematologia, ficam obrigadas a cumprir as etapas do conjunto

Leia mais

Implantação do teste NAT no HEMOCE. Dra. Richeyla Custódio

Implantação do teste NAT no HEMOCE. Dra. Richeyla Custódio Implantação do teste NAT no HEMOCE Dra. Richeyla Custódio DEFINIÇÃO DO TESTE NAT Teste para detecção de ácido nucléico do vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) e do vírus da Hepatite C (HCV) em amostras

Leia mais

SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE PORTARIA Nº 34, DE 28 DE SETEMBRO DE 2007

SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE <!ID606503-0> PORTARIA Nº 34, DE 28 DE SETEMBRO DE 2007 SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE PORTARIA Nº 34, DE 28 DE SETEMBRO DE 2007 Dispõe sobre Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Hepatite Viral C. O SECRETÁRIO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE,

Leia mais

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Profilaxia Pós-Exposição ao HIV Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Fatores de risco para infecção ocupacional pelo HIV O risco de infecção ocupacional pelo HIV era aumentado quando: A exposição ocupacional

Leia mais

Suspeita clínic a de doença celíaca. + IgA sérica POSITIVO 3? Anti-gliadina IgG POSITIVO?

Suspeita clínic a de doença celíaca. + IgA sérica POSITIVO 3? Anti-gliadina IgG POSITIVO? DOENÇA CELÍACA Suspeita clínic a de doença celíaca ttg 1 IgA ou Antiendomísio (AEM) IgA 2 + IgA sérica 3? Probabilidade de doença celíaca é baixa Probabilidade de doença celíaca é alta Deficiência de IgA?

Leia mais

ISBN 978-85-334-1648-8 MINISTÉRIO DA SAÚDE 9 7 8 8 5 3 3 4 1 6 4 8 8

ISBN 978-85-334-1648-8 MINISTÉRIO DA SAÚDE 9 7 8 8 5 3 3 4 1 6 4 8 8 MINISTÉRIO DA SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais A B C D E DO DIAGNÓSTICO PARA AS HEPATITES VIRAIS Série A. Normas e Manuais Técnicos

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

20/12/2012 NOTA TÉCNICA

20/12/2012 NOTA TÉCNICA Data: 20/12/2012 NOTA TÉCNICA 56/2012 Medicamento X Material Solicitante Procedimento Juiz Almir Prudente dos Santos Cachoeira de Cobertura Minas Refere-se ao Processo nº. 009712001663-5 TEMA: interferon

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

MANUAL DE COLETA, ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DE AMOSTRAS BIOLÓGICAS PARA EXAMES LABORATORIAIS.

MANUAL DE COLETA, ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DE AMOSTRAS BIOLÓGICAS PARA EXAMES LABORATORIAIS. MANUAL DE COLETA, ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DE AMOSTRAS BIOLÓGICAS PARA EXAMES LABORATORIAIS. 2014 LACEN PB LABORATÓRIO CENTRAL DE SAÚDE PÚBLICA - LACEN-PB Governador de Estado Ricardo Vieira Coutinho

Leia mais

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 INDICE Introdução... 3 1) Definição da sorologia para HIV do paciente-fonte... 4 2) Locais de atendimento ao acidentado...

Leia mais

O Uso de Testes Rápidos na Campanha Fique Sabendo 2015

O Uso de Testes Rápidos na Campanha Fique Sabendo 2015 O Uso de Testes Rápidos na Campanha Fique Sabendo 2015 Testes Rápidos Diagnóstico de HIV Deverão ser solicitados para uso na Campanha com antecedência; O GVE deverá propor um fluxo de entrega dos kits

Leia mais

Diagnóstico molecular das Hepatites

Diagnóstico molecular das Hepatites Diagnóstico molecular das Hepatites B e C : novos algoritmos Dra REGINA CÉLIA MOREIRA Pesquisadora Científica VI - Instituto Adolfo Lutz SP regina.moreira7@gmail.com Vírus da hepatite B Partícula viral

Leia mais

GRUPO OTIMISMO DE APOIO AO PORTADOR DE HEPATITE

GRUPO OTIMISMO DE APOIO AO PORTADOR DE HEPATITE GRUPO OTIMISMO DE APOIO AO PORTADOR DE HEPATITE Av. Copacabana, 1133 SL. 205 - Copacabana - Rio de Janeiro - RJ - CEP: 22060-001 ONG - Registro n. 176.655 - RCPJ-RJ - CNPJ: 06.294.240/0001-22 e-mail: hepato@hepato.com

Leia mais

PCR em Tempo Real (RT-PCR) para o diagnóstico laboratorial das meningites bacterianas

PCR em Tempo Real (RT-PCR) para o diagnóstico laboratorial das meningites bacterianas PCR em Tempo Real (RT-PCR) para o diagnóstico laboratorial das meningites bacterianas Loeci Natalina Timm Daniele Menezes Julho de 2015 E-mail: bacteriologia@fepps.rs.gov.br fone: (51) 3288-4030 Princípios

Leia mais

COMISSÃO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES PROTOCOLO DE PRONTO ATENDIMENTO

COMISSÃO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES PROTOCOLO DE PRONTO ATENDIMENTO COMISSÃO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES PROTOCOLO DE PRONTO ATENDIMENTO EM ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO AO RISCO BIOLÓGICO ASSIS 2013 Página 1 de 7 COMISSÃO DE PREVENÇÃO

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

Diretoria de Vigilância Epidemiológica FEBRE DO CHIKUNGUNYA NOTA TÉCNICA 01/2014

Diretoria de Vigilância Epidemiológica FEBRE DO CHIKUNGUNYA NOTA TÉCNICA 01/2014 FEBRE DO CHIKUNGUNYA NOTA TÉCNICA 01/2014 Assunto: Informações e procedimentos para a vigilância da Febre do Chikungunya na Bahia. I. A Febre do Chikungunya é uma doença causada por um vírus do gênero

Leia mais

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue é uma doença endêmica que afeta mais de 100 países, incluindo as regiões de clima tropical e subtropical da África, Américas, Leste do Mediterrâneo,

Leia mais

SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO... 3 1.1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 3 1.2. CONCLUSÕES... 3 1.3. PERGUNTA ESTRUTURADA... 4 1.4. CONTEXTUALIZAÇÃO(1)...

SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO... 3 1.1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 3 1.2. CONCLUSÕES... 3 1.3. PERGUNTA ESTRUTURADA... 4 1.4. CONTEXTUALIZAÇÃO(1)... NT93/2013 Solicitante: Ilmo Dr Anacleto Falci 2ª Juiz de Direito Auxiliar Especial 7ª Vara Cível - Comarca de Governador Valadares/MG Data: 14/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração:

Leia mais

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia.

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia. Rua Santa Marcelina, 177 CEP 08270-070 SÅo Paulo SP Fone(11) 6170-6237- Fax 6524-9260 www.santamarcelina.org E-mail: dir.med@santamarcelina.org Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência

Leia mais

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h.

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Vigilância Epidemiológica de Febre Chikungunya No Brasil, a febre chikungunya é uma doença de notificação compulsória e imediata,

Leia mais

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA 1) PRIMEIRO PASSO - Recebimento da Notificação: Quando recebida a notificação de surto de DTA, deve-se notificar

Leia mais

Nota Técnica Conjunta nº 02/2011 - CEVS/SES/RS, CGVS/SMS/POA, IPB- LACEN/RS

Nota Técnica Conjunta nº 02/2011 - CEVS/SES/RS, CGVS/SMS/POA, IPB- LACEN/RS CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA NVES/INFEC Nota Técnica Conjunta nº 02/2011 - CEVS/SES/RS, CGVS/SMS/POA, IPB- LACEN/RS ASSUNTO: Detecção de infecção por Micobactéria

Leia mais

HEPATITES VIRAIS. Características clínicas e epidemiológicas. Descrição. Agente etiológico. Reservatório

HEPATITES VIRAIS. Características clínicas e epidemiológicas. Descrição. Agente etiológico. Reservatório Hepatites Virais HEPATITES VIRAIS CID 10: B15 (Hepatite A); B16 (Hepatite B); B17.1 (Hepatite C); B17.8 (Hepatite D); B17.2 (Hepatite E) Características clínicas e epidemiológicas Descrição As hepatites

Leia mais

2 Criança com idade de 2 a 24 meses 1º teste Abaixo do limite de detecção Repetir o teste após 2 meses Detectável Abaixo do limite de detecção Repetir o teste Imediatamente com nova

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Hepatites Virais

Diagnóstico Imunológico das Hepatites Virais Diagnóstico Imunológico das Hepatites Virais O Fígado Limpa o sangue Regula os hormônios Ajuda na coagulação sanguínea Produz bile Produz proteínas importantes Mantém o nível de açúcar sanguíneo Etc O

Leia mais

HEMOVIDA Web Coagulopatias

HEMOVIDA Web Coagulopatias HEMOVIDA Web Coagulopatias Manual de Operação Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 2.0 Fevereiro de 2009 HEMOVIDA Web Coagulopatias Manual de Operação Versão do produto: 1.0 Edição do documento:2.0

Leia mais

Vírus da Hepatite C: fonte de infecção dos casos notificados residentes na região da Subprefeitura da Capela do Socorro, São Paulo, SP, Brasil

Vírus da Hepatite C: fonte de infecção dos casos notificados residentes na região da Subprefeitura da Capela do Socorro, São Paulo, SP, Brasil Vírus da Hepatite C: fonte de infecção dos casos notificados residentes na região da Subprefeitura da Capela do Socorro, São Paulo, SP, Brasil Willy Brandt Braga Aluno do Curso de Graduação em Enfermagem.

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA SSP/GO CENTRO DE EXCELENCIA DO SISTEMA DE EXECUÇÃO PENAL CESEPE JUSTIFICATIVA DO CANDIDATO

SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA SSP/GO CENTRO DE EXCELENCIA DO SISTEMA DE EXECUÇÃO PENAL CESEPE JUSTIFICATIVA DO CANDIDATO ANEXO II SECRETARIA DE ESTADO DE /GO CENTRO DE EXCELENCIA DO CESEPE SOLICITAÇÃO DO RECURSO Concurso Público Edital nº001/2009 CARGO Requerente: Inscrição Nº: À Comissão Multidisciplinar do Processo Seletivo

Leia mais

TEXTO COMPLEMENTAR. Índice de siglas

TEXTO COMPLEMENTAR. Índice de siglas TEXTO COMPLEMENTAR Índice de siglas ACS: Agente Comunitário de Saúde. ADT: Assistência Domiciliar Terapêutica AIDS/SIDA: Acquired Immunodeficiency Syndrome/Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. ALT ou

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA EXAMES BPAI (solicitação somente em formulário específico de BPAI) MATERIAL BIOLÓGICO EXAMES INSTRUÇÕES DE COLETA CID / BPA CÓDIGO DO LAUDO MÉDICO BPA NECESSIDADE BPAI AMBULATÓRIO ENFERMARIA Genotipagem

Leia mais

Técnicas Moleculares

Técnicas Moleculares Biologia Molecular no Diagnóstico de Infecção :HPV Maria Elizabeth Menezes,MSc;Ph.D e-mail:melmenezes@dnanalise.com.br DNAnálise Laboratório Técnicas Moleculares HIBRIDIZAÇÃO IN SITU SEQÜENCIAMENTO PCR

Leia mais

Ácido nicotínico 250 mg, comprimido de liberação Atorvastatina 20 mg, comprimido; Bezafibrato 400 mg, comprimido; Pravastatina 20 mg, comprimido;

Ácido nicotínico 250 mg, comprimido de liberação Atorvastatina 20 mg, comprimido; Bezafibrato 400 mg, comprimido; Pravastatina 20 mg, comprimido; DISLIPIDEMIA PARA A PREVENÇÃO DE EVENTOS CARDIOVASCULARES E PANCREATITE (CID 10: E78.0; E78.1; E78.2; E78.3; E78.4; E78.5; E78.6; E78.8) 1. Medicamentos Hipolipemiantes 1.1. Estatinas 1.2. Fibratos Atorvastatina

Leia mais

Boletim Epidemiológico de Hepatites Virais do Estado do Paraná

Boletim Epidemiológico de Hepatites Virais do Estado do Paraná Boletim Epidemiológico de Hepatites Virais do Estado do Paraná 1º Semestre 2015 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Michele Caputo Neto SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE Sezifredo Paz DIRETOR GERAL Eliane Chomatas

Leia mais

Aspectos Clínicos Relevantes da infecção

Aspectos Clínicos Relevantes da infecção Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis Coordenação de Controle de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar Rotavírus ROTAVÍRUS O VÍRUS

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Secretaria de Vigilância em

Leia mais

Orientações para o preenchimento da planilha dos dados de produção de Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos

Orientações para o preenchimento da planilha dos dados de produção de Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos Orientações para o preenchimento da planilha dos dados de produção de Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos 1. Considerações iniciais Estas orientações têm por objetivo instruir os Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos

Leia mais

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Hepatite Viral C e Coinfecções

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Hepatite Viral C e Coinfecções Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Hepatite Viral C e Coinfecções Brasília DF, 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Hepatite Viral C e Coinfecções Brasília

Leia mais

MONITORAMENTO DE ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO. Alcyone Artioli Machado 14º Congresso Brasileiro de Infectologia

MONITORAMENTO DE ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO. Alcyone Artioli Machado 14º Congresso Brasileiro de Infectologia MONITORAMENTO DE ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO Alcyone Artioli Machado 14º Congresso Brasileiro de Infectologia Acidente Estresse Vírus Doença Letal TRANQUILIZAR O TRABALHADOR Subnotificação

Leia mais

Regulamenta o uso de testes rápidos para diagnóstico da infecção pelo HIV em situações especiais.

Regulamenta o uso de testes rápidos para diagnóstico da infecção pelo HIV em situações especiais. ATUALIZAÇÃO E NORMATIZAÇÃO DO DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DO HIV PORT 151/OUT 2009 Lúcia Sena Farmacêutica-Bioquímica do Programa de DST/AIDS do município de Duque de Caxias HISTÓRICO Diagnóstico Laboratorial

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

(nome da Unidade de Saúde), com sede na

(nome da Unidade de Saúde), com sede na TERMO DE COMPROMISSO que entre si celebram o Estado do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, neste ato representado pelo Dr. Luiz de Melo Amorim Filho, Diretor Geral do Instituto Estadual

Leia mais

Rede de Biologia Molecular para Hepatite C crônica no Estado de São Paulo

Rede de Biologia Molecular para Hepatite C crônica no Estado de São Paulo Capacitação para Médicos no Tratamento da Hepatite Viral C com os Inibidores Protease Boceprevir e Telaprevir no Estado São Paulo Re Biologia Molecular para Hepatite C crônica no Estado São Paulo Dra Regina

Leia mais

Testes sorológicos de triagem para componentes hemoterápicos.

Testes sorológicos de triagem para componentes hemoterápicos. Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 08/06 Tema: Testes sorológicos de triagem para doenças infecciosas em doadores de sangue I Data: 13/03/2006 II Grupo de Estudo: Dra. Célia Maria da Silva

Leia mais

COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SUPERVISÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL

COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SUPERVISÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SUPERVISÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL NORMA INTERNA NA OCORRÊNCIA DE ACIDENTE DE TRABALHO 2012 1 SUMÁRIO I Apresentação 03 II Objetivo 03 III Informações gerais 04 IV- Preenchimento

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS ano III nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico Hepatites

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Considerações sobre o diagnóstico de doenças transmitidas pelo sangue Ms. Paulo Germano de Carvalho O sangue é uma porta de entrada para

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº02/2015 SUVIGE/CPS/SESAP/RN. Assunto: Atualização sobre doença não esclarecida com exantema

NOTA TÉCNICA Nº02/2015 SUVIGE/CPS/SESAP/RN. Assunto: Atualização sobre doença não esclarecida com exantema GOVERNO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA COORDENADORIA DE PROMOÇÃO A SAÚDE SUBCOORDENADORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Avenida Marechal Deodoro da Fonseca, 730, 5 andar CEP:

Leia mais

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE TRANSMISSÍVEIS E IMUNOPREVINÍVEIS GERENCIA DE DOENÇAS

Leia mais

1. Aspectos Epidemiológicos

1. Aspectos Epidemiológicos 1. AspectosEpidemiológicos A influenza é uma infecção viral que afeta principalmente o nariz, a garganta, os brônquiose,ocasionalmente,ospulmões.sãoconhecidostrêstiposdevírusdainfluenza:a,b e C. Esses

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM DO PACIENTE COM HEPATITE VIRAL NA ATENÇÃO BÁSICA

PROTOCOLO DE ABORDAGEM DO PACIENTE COM HEPATITE VIRAL NA ATENÇÃO BÁSICA PROTOCOLO DE ABORDAGEM DO PACIENTE COM HEPATITE VIRAL NA ATENÇÃO BÁSICA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE ÍNDICE I INTRODUÇÃO ---------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-IM-021 ANTI HIV 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-IM-021 ANTI HIV 22/10/2015 PT-LB-IM-1 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O vírus da imunodeficiência humana é o agente causador da síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS). A AIDS foi pela primeira vez descrita nos Estados

Leia mais

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica 1 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC Av. Dr. Arnaldo, 351-6º andar SP/SP CEP: 01246-000 Fone: (11)3082-0957 Fax:

Leia mais

Pólos de testes anti-hiv para gestantes

Pólos de testes anti-hiv para gestantes Pólos de testes anti-hiv para gestantes Contexto Validação de testes rápidos para diagnóstico sorológico da infecção pelo HIV; Publicação, pelo Ministério da Saúde, da portaria número 34 de julho de 2005,

Leia mais

SICLOM Cadastramento

SICLOM Cadastramento 1 Cadastramento SICLOM Cadastramento Versão: 2011 Manual de utilização do menu de Cadastramento Versão: 2013 2 Cadastramento 3 Cadastramento Índice Introdução. 5 Cadastramento. 6 Cadastro de usuário SUS.

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais