Estratégia da edp. Compromisso para a criação de valor: Risco controlado, eficiência superior e crescimento orientado

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estratégia da edp. Compromisso para a criação de valor: Risco controlado, eficiência superior e crescimento orientado"

Transcrição

1 Estratégia da edp Compromisso para a criação de valor: Risco controlado, eficiência superior e crescimento orientado Londres, 19 de Julho de 2006

2 Forward-looking statements Esta apresentação contém declarações prospectivas, na acepção da Private Securities Litigation Reform Act, dos Estados Unidos, de 1995, no que diz respeito à situação financeira, aos resultados das operações e às actividades da edp, bem como alguns planos e objectivos da empresa face a estas questões. As declarações prospectivas envolvem, por natureza, riscos e incertezas, em virtude de estarem associadas a eventos e a circunstâncias susceptíveis de ocorrerem no futuro. Os resultados e desenvolvimentos reais poderão diferir significativamente dos resultados expressos ou implícitos nas declarações em virtude de diferentes factores. Estes incluem, mas não se limitam, a mudanças ao nível dos custos, alterações ao nível de condições económicas e alterações a nível regulamentar e da política governamental. Informações adicionais, incluindo informações sobre factores que poderão afectar as actividades da edp, estão contidas no Relatório e Contas de 2005, da edp, no Formulário 20-F apresentado junto da U.S. Securities and Exchange Commission. 1

3 edp: uma nova estrutura de governo societário em harmonia com as melhores práticas internacionais Novo Conselho de Administração em funções desde a AG de 30 de Março (há 15 semanas). Novo Governo Societário desde 13 de Julho (alterações aos Estatutos da edp) Comissão de Acompanhamento de Matérias Financeiras Comissão de Remuneração Conselho Geral e de Supervisão Conselho de Administração Executivo António Mexia 16 membros; papel de supervisão com maioria de representantes independentes Comissão de Ambiente Chief Executive Officer Nuno Alves Chief Financial Officer Jorge Cruz Morais Comercialização de Electricidade - Ibéria Ana Fernandes Gás Ibéria e Energias Renováveis João Manso Neto Produção e Trading - Ibéria António Pita de Abreu Distribuição de Electricidade - Ibéria António Martins da Costa Brasil 2

4 Pontos fortes e competências distintas da edp para maximizar a criação de valor Forte posição no mercado 3.º maior operador na Península Ibérica com uma forte base de cash flows estáveis regulados Competências distintas e activos estratégicos Excelente operação de centrais hidroeléctricas e a carvão com um portfólio competitivo e equilibrado Um dos cinco maiores operadores no mundo na produção de energia eólica com pipeline credível Larga experiência na negociação de energias renováveis com entidades locais Um dos 3 maiores operadores privados de distribuição no Brasil Capacidades de recuperação dos negócios da distribuição, tanto em Portugal como no Brasil Base de clientes significativa no sector da electricidade e gás Forte notoriedade da marca e grandes capacidades de marketing 3

5 Compromisso para a criação de valor I Risco controlado : Portfólio e exposição regulatória de baixo risco face às congéneres ibéricas Líder ibérico na criação de valor através de uma eficiência superior, um crescimento orientado e um risco controlado II Eficiência superior : Racionalização das operações, disciplina no investimento e uma cultura de desempenho reforçada III Crescimento orientado : Investimentos selectivos com vista a criar uma posição de liderança no sector das energias renováveis e nos mercados brasileiro e ibérico 4

6 I. O perfil das actividades da edp no mercado ibérico é de baixo risco Distribuição geográfica % do EBITDA Espanha 25% Breakdown por áreas de negócio % do EBITDA Não regulado 24% 4% Renováveis 7% Gás 46% Distribuição Portugal 58% Regulado 76% 43% Produção (PPA) Brasil 17% Cash flow estável resultante de um portfólio com perfil de baixo risco 5

7 I. menos exposto aos riscos regulatórios do que as suas congéneres ibéricas Exposição regulatória da edp na Ibéria 68% (+90% é regulado) 31% (34% é regulado) EBITDA Iberia 2005 Produção Distribuição Sistema tarifário 80% dos activos de Receitas produção têm CAE regulatórias, com baixo risco quadro -8,5% ROA - Pass-through de definido até custos combust. e 2009 CO2 NPV dos CAE preservado através de CMEC em qualquer cenário MIBEL RD 3/2006 preço fixo nas transacções intragrupo Incerteza no abatimento das licenças de CO 2 O novo plano de remunerações deverá proporcionar receitas adicionais Sistema tarifário aditivo (pronto para a liberalização da distribuição) Fim do cap à taxa de inflação para os particulares, a partir de Janeiro de 2007 Sistema tarifário não aditivo (pressão para reduzir os défices tarifários) Estabilidade Potencial de melhoria 6

8 I. nomeadamente impacto limitado do RD 3/2006 espanhol Potencial impacto no EBITDA* de 2006 do negócio Ibérico de electricidade Contratos bilaterais: 42,35/MWh** Abatimento das licenças gratuitas de CO2 Congéneres Congéneres ibéricas*** edp Ibéria ibéricas*** edp Ibéria -9% -12% -9% -45% O RD 3/2006 terá um impacto limitado no EBITDA da edp, em resultado de uma exposição geográfica mais equilibrada na Península Ibérica * * Produção EBITDA + Regime Especial + Comercialização + Distribuição ** Preço de mercado em 2006: 57,6 /MWh *** Endesa, Iberdrola, Unión Fenosa e Gas Natural 7

9 I. Posição longa limitada na produção ibérica activamente gerida com vista a optimizar o risco/rentabilidade Repartição actual da produção para um ano hidrológico médio TWh 40 Não exposto ao risco de mercado, dos combustíveis e dos preços do CO2 20 Posição Longa no mercado: 8 Posição aberta limitada, a gerir através de uma combinação de: Contratos bilaterais de fornecimento Produção Total na Ibéria Não exposto aos riscos de volume Exposição limitada ao RD 3/2006 PPAs/ CMECs Distribuição Bilateral RD 3/ Outros Mercado Forward (OMIP) Mercado Spot (OMEL) 8

10 I. principalmente através do negócio da comercialização como cobertura dos activos de produção Cobertura na produção Foco na Rentabilidade Comercialização proporciona margem e cobertura para o negócio da produção Estabilidade das margens independentemente da pressão dos spreads no mercado Estabilidade das margens independentemente de potenciais alterações regulatórias Garantia de volumes crucial para gerir contratos take-or-pay de gás Foco em clientes rentáveis em vez de quota de mercado As tarifas proporcionam segmentos de clientes rentáveis Perspectiva de aumento das tarifas na Ibéria aumenta espaço para margens positivas Menor pressão competitiva no negócio da comercialização deverá também contribuir para margens superiores na comercialização Gerir Risco Contratual Contratos bilaterais de energia com clientes (e mercado forward ) Indexação aos custos com combustíveis sempre que possível e aceitável Encerrar a posição nos mercados forward para combustíveis e CO2 relativamente a posições bilaterais O encerramento da posição, a nível de imputs e outputs, possibilita a fixação das margens 9

11 I. A edp possuí uma estratégia clara para gerir a exposição ao CO >2012 Posição actual (M Tons) Necessidades Licenças + Trading 42,7 42,7 A edp já apresenta uma posição equilibrada no CO2 para o período Investimentos em CCGTs e parques eólicos Participação em fundos de CO 2 acima dos 5,6 Mton Participação em projectos CDM* com entrega de 1 Mton Outros projectos em análise Investimento em capacidade hidroeléctrica Aumento da posição em outras tecnologias renováveis Analisar a posição em projectos CCS** * Clean Development Mechanism ** Carbon Capture and Sequestration 10

12 Compromisso para a criação de valor I Risco controlado : Portfólio e exposição regulatória de baixo risco face às congéneres ibéricas Líder ibérico na criação de valor através de uma eficiência superior, um crescimento orientado e um risco controlado II Eficiência superior : Racionalização das operações, disciplina no investimento e uma cultura de desempenho reforçada III Crescimento orientado : Investimentos selectivos com vista a criar uma posição de liderança no sector das energias renováveis e nos mercados brasileiro e ibérico 11

13 II. Aumento de eficiência: implementar um programa de corte de custos transversal a toda a empresa Categorias de optimização em análise Projecto Opex Programa de redução de custos tem como objectivo colocar a edp entre as empresas mais eficientes do sector 1 Recursos humanos 2 Distribuição materiais/serviços técnicos especializados 3 Produção materiais/serviços técnicos especializados 4 Serviços especializados da Holding 5 Serviços e materiais não-específicos 6 Seguros 7 Sistemas de informação e TI 8 Imobiliário e gestão de espaços 9 Comercialização/Soluções Comerciais 10 Gás natural 11 Renováveis 12

14 II. Objectivo de poupanças anuais em opex entre M em 2008 Projecto Opex Base de custos do programa e objectivos de optimização Custos operacionais cash* 2005; M Iberia Brasil Categorias prioritárias em análise RH Ibéria Distribuição 1 Categorias Ibéria Brasil seleccionadas Holding RH Brasil Produção Serviços/ Seguros materiais não específicos Restantes categorias Custos cash totais Poupanças adicionais através da reestruturação do modelo de compras Lançamento do esforço de optimização de processos para garantir a sustentabilidade na captura de poupanças * Custos operacionais cash inclui custos com pessoal, FSEs e materiais 13

15 II. Execução do projecto opex : ganhos de curto prazo da implementação continuada do programa Categorias 6 Seguros Iniciativas Centralizar a contratação de seguros (Ibéria) Negociação directa com as seguradoras eliminando intermediários Renegociação dos prémios de seguro para o mesmo nível de cobertura Poupanças Anuais (M ) 2005 Poupanças Serviços de porte e cobrança (CTT) Negociação com os CTT de um desconto de 12% no custo unitário de envio Redução de 50% do número anual de facturas Aumento do número de subscritores da Conta- Certa : 1,6 M subscritores 2005 Poupanças RH Brasil Projecto Vanguarda Redução voluntária de 19% dos trabalhadores Objectivo de poupanças ~22 M em 2008 Aprox. 9 M alcançados no final de Poupanças

16 II. Elevada eficiência no investimento através de uma afectação de capitais mais disciplinada Implementação em curso de um programa de desafio do capex, que assegura: Concorrência interna para recursos financeiros Critérios de aprovação de capex claros e objectivos Critérios de investimento da edp Projectos de criação de valor, TIR/WACC>1,4 Avaliação de opções de projecto com rentabilidade incerta Escrutínio cuidado do investimento obrigatório (isto é, legal, regulamentar) Repartição do capex no core business Ibérico Índice 100% Gás Renováveis Distribuição Produção 6% 22% 42% 30% 31% média % 46% 18% média

17 II. Foco no core business e desinvestimento de activos não estratégicos Desinvestimentos Observações REN Imobiliário Telecable Telecomunicações Outros Objectivo de vender 25% da participação antes do final de 2007 Conclusão da avaliação de activos Execução em processo Processo de venda a decorrer Conclusão expectável antes do final de 2006 Processo de desinvestimento lançado recentemente Conclusão expectável antes do final de 2006 Actualmente a avaliar outros possíveis desinvestimentos Foco no core business e desinvestimento em activos nãoestratégicos num valor superior a 800 M 16

18 II. A execução dos projectos será acompanhada pelo Value Creation Office Prioridades do Value Creation Office Opex Capex Lean Portfolio Cliente Hedge Marca Talento Inovação Processos SOX Definir e implementar um programa transversal de redução de custos Optimizar o processo de repartição de recursos Definir e implementar metodologias lean Redefinir as prioridades estratégicas da edp assegurando um crescimento rentável Fortalecer a retenção e lealdade do cliente Implementar a estratégia para o mercado grossista de produção e comercialização Desenvolver uma estratégia coordenada para aumentar o valor da marca Redefinir a atracção de talentos, desenvolvimento e retenção dos RH Definir e implementar um novo modelo de I&D e inovação Rever e optimizar os processos e sistemas organizacionais Cumprir com os requerimentos do Sarbannes- Oxley Regulação Definir e implementar um plano de acção para responder aos desafios regulatórios 17

19 Compromisso para a criação de valor I Risco controlado : Portfólio e exposição regulatória de baixo risco face às congéneres ibéricas Líder ibérico na criação de valor através de uma eficiência superior, um crescimento orientado e um risco controlado II Eficiência superior : Racionalização das operações, disciplina no investimento e uma cultura de desempenho reforçada III Crescimento orientado : Investimentos selectivos com vista a criar uma posição de liderança no sector das energias renováveis e nos mercados brasileiro e ibérico 18

20 III. Investimentos focados no fortalecimento de uma posição de liderança em tecnologias/mercados com crescimentos rentáveis Prioridades de crescimento da edp 1. Consolidar a posição de top world-wide player nas renováveis (Ibéria e outros países) 2. Tornar-se um operador mais forte e mais equilibrado no Brasil (produção e distribuição) 3. Consolidar a posição na Ibéria através dos negócios de produção e gás 19

21 1. Nas renováveis, a edp já está entre os maiores operadores mundiais, apresentando ambições de crescimento significativo na Ibéria Ranking mundial de operadores de parques eólicos Capacidade instalada a Dezembro de 2005 (MW) Capacidade instalada bruta da edp MW MW já em operação 663 Total Objectivo 2008 Pipeline após Aumentos de Capacidade 20

22 1. Crescimento Ibérico suportado por estimativas conservadoras quanto ao potencial de elevada qualidade do pipeline da edp na Ibéria Breakdown do pipeline Ibérico actual (início no final 2008) MW Já foram concedidos direitos de ligação à rede a 59% do pipeline da edp, o que aumenta significativamente a probabilidade de execução dos projectos Pipeline Ibérico Em construção Com direitos de ligação à rede Sem direitos de ligação à rede Nota: 100% dos parques eólicos em construção e >40% dos parques eólicos com direitos de ligação à rede têm turbinas. 21

23 1. A qualidade do portfólio de parques eólicos da edp é superior à média espanhola Utilização equivalente de parques eólicos em operação em 2005 (horas) Os parques eólicos da edp apresentam um factor de utilização superior ao dos seus comparáveis devido a melhores localizações ,8% Média do Sector (Espanha) edp Parques eólicos da edp devem ser avaliados a múltiplos superiores face à média espanhola Utilização (%) 26% 29% 22

24 1. Adicionalmente, a edp está à procura de forma pro-activa de oportunidades de investimento internacional atractivas em energia eólica e a avaliar outras tecnologias emergentes Potencial de Crescimento Capacidade Adicional , GW Rendibilidade TIR do projecto (%) Mercados prioritários EUA Alemanha U.K. França Itália Irlanda Aústria 8,1 6,4 4,8 2,9 1,3 1,2 13,2 São alvo da edp parques eólicos em mercados de elevado crescimento, com TIRs equivalentes às dos projectos Ibéricos Suiça Holanda Polónia Grécia Bélgica Dinamarca 1,1 1,1 1,1 1,0 0,8 0,7 8% Adicionalmente, a edp está a avaliar projectos em outras tecnologias (2 projectos marés/ondas e 6 solar) Intervalo Ibérico 23

25 2. No Brasil, tendo alcançado os objectivos no negócio da distribuição, a edp está agora focada na área da produção No passado, a edp alcançou 1100 os objectivos propostos para 700 a distribuição 300 olhando para o futuro, o negócio da produção é uma oportunidade atractiva Evolução da produtividade da edp no Brasil Clientes/empregado Bandeirante Escelsa Enersul Evolução da margem de reserva * no Brasil Percentagem > Recuperação significativa da produtividade e melhoria da qualidade do serviço Espera-se tendência de subida dos preços da electricidade no mercado grossista Possibilidade de realizar contractos bilaterais de longo prazo Equilíbrio do portfólio produção /distribuição reduz risco regulatório * Margens de reserva (Oferta esperada - Procura prevista)/procura prevista 24

26 2. A edp tem por objectivo reforçar a sua posição como um dos maiores operadores brasileiros, equilibrando o seu portfólio com produção Operadores Privados Produção Quotas de Mercado 2005 Distribuição Comercialização GW TWh TWh 3% 14% 2% 0% 13% 28% <1% 8% 10% 1% 1% 1% 7% 5% 4% 7% 7% 2% Objectivo TIR>15% Brasil tem estratégia de crescimento autosustentável Oportunidade para reforçar posição na produção num mercado fragmentado Manter esforço contínuo de melhoria de eficiência Exposição limitada a 20% do EBITDA 25

27 3. Opção para 3 CCGTs adicionais em 2008 dependendo da evolução do mercado Principais alavancas para um portfólio sólido Portfólio verticalmente integrado Equilibrar o mix gás/carvão Reduzir emissões de CO2 Manter quota de mercado na produção capturando uma justa parte do crescimento da procura 3 a 5 CCGTs necessárias Capacidade instalada da edp ( Regime Convencional ) GW ~1,6 11,3 CCGT 18% 4 grupos em operação 1,2 3 CCGTs 2005 CCGT adicionais 12,5 26% licenças concedidas + 2 reconversões tecnológicas CCGT opções 26

28 3. edpestáa redefinir a sua estratégia de fornecimento de gás para assegurar a competitividade das CCGTs e do negócio da comercialização Necessidades de fornecimento de Gás (bcm) % Fornecimento 54% 50% 52% CCGT 4,6 4 Fornecedores actuais 2,8 100% 4,0 ~78% ~22% ~70% ~30% Cobertos por contratos existentes Em negociação A edp está actualmente a analisar as opções de fornecimento directo para aumentar a flexibilidade do seu portfólio de contratos A edp poderá estudar aceder a equity gas como uma opção alternativa Opções serão analisadas caso a caso Necessidades de gás da edp estão a aumentar à medida que os negócios das CCGTs e comercialização crescem 27

29 3. Estratégia de fornecimento é um factor de relevo para a visão integrada do negócio do gás Focar Desenvolver Expandir Criar edp gás com uma visão integrada para além do negócio do gás e aumentar a sua visibilidade Aumentar criação de valor com a unidade de geração Optimizar as operações de gás e preparar para a abertura do mercado Português Adequar os fornecimentos de gás e torná-los flexíveis Expandir do gás ibérico para a electricidade e actividades de B2B e B2C Lançamento do dualoffer em Portugal Alavancar na base de clientes actual para lançar novos produtos/serviços Aferir oportunidades no midstream ou upstream Líder do mercado de gás liberalizado em Portugal Focar Desenvolver Expandir

30 3. Negócio de electricidade na Ibéria vai continuar a ser um factor de crescimento suportado pela nova capacidade convencional e pelo aumento da procura Capacidade instalada da edp Regime Convencional + Renováveís GW Produção - edp TWh Comercialização edp TWh TCMA ,4% +5,0% 15 +7,5% 63 Nuclear Renováveis CCGT Fuel Óleo/Diesel 12 13% 4% 16% 17% 17% 13% Carvão 26% 18% Hidro 41% 33%

31 Em síntese, a edp pretende atingir EBITDA superior no negócio da produção através de maior eficiência e operações lean afectação do capital em negócios com criação de valor EBITDA TCMA* 10.4% >11% Capex acumulado por UN entre ( M) Renev Prod Brasil Dist Gas Outros Total Dívida Líquida /EBITDA ajustado e gestão próactiva da divida 4.6 x ~ 3.8 x Politica de dividendos Aumento dividendos >8% por ano * TCMA pro-forma (100% HC) seria 3,2% 30

32 Linhas gerais da estratégia da edp: risco controlado, eficiência superior e crescimento orientado Risco controlado 1. Gestão activa dos desafios regulatórios para sustentar o baixo perfil de risco 2. Desenvolver uma estratégia de comercialização lucrativa como cobertura natural ao negócio da produção 3. Reduzir as emissões de CO2 através de capacidade de produção limpa 4. Lançamento de um novo e ambicioso projecto de eficiência de custos Eficiência Superior 5. Forte disciplina no investimento incutindo competição interna pelos recursos 6. Desinvestir em activos não estratégicos e aumentar o foco no Core Business Crescimento orientado 7. Entrada de novos parques eólicos de elevada qualidade na Ibéria e lançar a expansão internacional 8. Crescimento em geração no Brasil mantendo uma exposição limitada 9. Construção de novas CCGTs na Ibéria até Desenvolver uma estratégia integrada de gás, assegurando o fornecimento de gás de forma competitiva 31

33 32

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia sinta a nossa energia Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 0 1S07: Principais Acontecimentos Crescimento de EBITDA: +27% com base em crescimento orgânico Turnaround das actividades em mercado: enfoque

Leia mais

Resultados 1T11. 4 de Maio de 2011. www.edprenovaveis.com

Resultados 1T11. 4 de Maio de 2011. www.edprenovaveis.com Resultados 1T11 4 de Maio de 2011 www.edprenovaveis.com Agenda I Destaques do 1T11 II Performance Operacional e Financeira do 1T11 III Perspectivas e Conclusão Destaques do 1T11 Elevada performance operacional

Leia mais

& ' & )*( " # $%# Status. Eficiência superior. Crescimento orientado. Risco controlado

& ' & )*(  # $%# Status. Eficiência superior. Crescimento orientado. Risco controlado ! 0 " # $%# & ' ( & )*( + % +,# #! Status Risco controlado 1. Gestão activa dos desafios regulatórios para sustentar o baixo perfil de risco 2. Desenvolver uma estratégia de comercialização lucrativa como

Leia mais

Seminário Mercado Liberalizado de Energia

Seminário Mercado Liberalizado de Energia Seminário Mercado Liberalizado de Energia A EDP Comercial no Mercado Liberalizado Carlos Neto Lisboa, 26 de Outubro de 2012 As cadeias de valor da electricidade e do gás têm grandes semelhanças A convergência

Leia mais

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL 1ª Conferência Luso-Espanhola de Direito da Concorrência Lisboa, 01 e 02 de Julho de 2010 O Grupo EDP tem presença significativa no mundo E.U.A Capacidade

Leia mais

Assembleia Geral de Accionistas EDP 2010

Assembleia Geral de Accionistas EDP 2010 Assembleia Geral de Accionistas EDP 2010 António Mexia Presidente do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 16 de Abril de 2010 EDP: Uma visão global, integrada e sustentável #1 hídrica na Europa

Leia mais

O Conselho de Reguladores do MIBEL publica o primeiro estudo descritivo do funcionamento do Mercado Ibérico de Electricidade

O Conselho de Reguladores do MIBEL publica o primeiro estudo descritivo do funcionamento do Mercado Ibérico de Electricidade O Conselho de Reguladores do MIBEL publica o primeiro estudo descritivo do funcionamento do Mercado Ibérico de Electricidade O estudo analisa a evolução do Mercado Ibérico de Electricidade desde a sua

Leia mais

Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008

Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008 Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008 0 Índice I Introdução II Internacionalização III Estratégia em Portugal 1 I Introdução

Leia mais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais Eficiência e Inovação no sector da energia Jorge Cruz Morais Paradigma do século XX Energia abundante Energia barata factores da alteração Preço dos combustíveis fósseis Aumento da Procura Emissões de

Leia mais

MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER

MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER Braga, 26 de Outubro de 2012 Luis Alexandre Silva Porquê a presença no Mercado Elétrico? Expansão de Negócios Estratégia de diversificação (novos mercados) Crescimento nos

Leia mais

Nova Directiva do Comércio Europeu de Licenças de Emissão (CELE)

Nova Directiva do Comércio Europeu de Licenças de Emissão (CELE) Nova Directiva do Comércio Europeu de Licenças de Emissão (CELE) Seminário AIP/E.Value Lisboa, 21 de Maio de 2009 A UE assumiu um compromisso independente de redução de 20% das emissões de GEE 1 até 2020,

Leia mais

Efeitos da Economia do Carbono sobre a Produção de Electricidade

Efeitos da Economia do Carbono sobre a Produção de Electricidade Tomar, 31 de Março de 2006 Efeitos da Economia do Carbono sobre a Produção de Electricidade Seminário TECNICELPA sobre Mercado de Carbono Gabinete de Planeamento Energético Agenda Ponto de situação do

Leia mais

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL NOVEMBRO DE 2014. Conselho de Reguladores

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL NOVEMBRO DE 2014. Conselho de Reguladores INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL NOVEMBRO DE 214 Conselho de Reguladores DESTAQUES DO MÊS Novembro de 214 O preço médio aritmético durante o mês foi de 46,8 /MWh na zona espanhola enquanto na zona portuguesa

Leia mais

Perspectiva dos Operadores

Perspectiva dos Operadores OS NOVOS DESAFIOS DO MIBEL Perspectiva dos Operadores Rui Cartaxo 1 de Junho de 2010 Rede Eléctrica Nacional, S.A. A especialização geográfica dos perfis de produção faz sentido mas implica mais e melhores

Leia mais

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009 EDP Energias do Brasil Novembro de 2009 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

Avaliação dos custos e dos benefícios da energia eléctrica de origem renovável

Avaliação dos custos e dos benefícios da energia eléctrica de origem renovável Avaliação dos custos e dos benefícios da energia eléctrica de origem renovável Relatório final do estudo Lisboa, Julho de 2011 1 Nota introdutória (1/3) > As opções de política energética de Portugal têm

Leia mais

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição A edp em várias geografias Situação Portuguesa As metas da renovável A edp A produção em regime especial O Operador da Rede de Distribuição e a

Leia mais

O contributo da EDP para o reforço da produção energética nacional com origem renovável: O Investimento em Hidroelectricidade

O contributo da EDP para o reforço da produção energética nacional com origem renovável: O Investimento em Hidroelectricidade O contributo da EDP para o reforço da produção energética nacional com origem renovável: O Investimento em Hidroelectricidade Apresentação no Seminário FEPAC Lisboa, 4 de Abril de 2013 Principais mensagens

Leia mais

ELECTRICIDADE E SUSTENTABILIDADE O caso das renováveis Intermitentes

ELECTRICIDADE E SUSTENTABILIDADE O caso das renováveis Intermitentes ELECTRICIDADE E SUSTENTABILIDADE LUIS MIRA AMARAL Engenheiro (IST) e Economista (Msc NOVASBE) ORDEM DOS ENGENHEIROS 21 de Setembro de 2015 1 I - O MONSTRO ELECTRICO PORTUGUÊS: EÓLICAS, BARRAGENS, CENTRAIS

Leia mais

Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português. Proposta de Reorganização

Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português. Proposta de Reorganização Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português Proposta de Reorganização 3 de Abril de 2003 Política Energética Governamental: uma política para o Futuro A reorganização proposta pelo Governo

Leia mais

EDP Renováveis Resultados 2013

EDP Renováveis Resultados 2013 EDP Renováveis Resultados 2013 26 de Fevereiro de 2014 14:00 GMT 15:00 CET www.edpr.com 1 Disclaimer Esta apresentação foi preparada pela EDP Renováveis, S.A. (a Sociedade ) apenas para ser utilizada na

Leia mais

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009

EDP Energias do Brasil. Novembro de 2009 EDP Energias do Brasil Novembro de 2009 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

3T12 TRADING UPDATE 0

3T12 TRADING UPDATE 0 TRADING UPDATE Lisboa, 8 novembro 2012 0 Aviso importante O presente comunicado contém objetivos acerca de eventos futuros, de acordo com o U.S. Private Securities Litigation Reform Act de 1995. Tais objetivos

Leia mais

INVESTIMENTOS HÍDRICOS DO GRUPO EDP

INVESTIMENTOS HÍDRICOS DO GRUPO EDP ENCONTRO NACIONAL DO COLÉGIO DE ENGENHARIA CIVIL Desafios da EDP no Desenvolvimento Sustentável do seu Plano de Investimentos em Hidroelectricidade António Ferreira da Costa Administrador da EDP Produção

Leia mais

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades:

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades: 1. QUEM SOMOS 2 A APREN A APREN - Associação Portuguesa de Energias Renováveis, é uma associação sem fins lucrativos, constituída em Outubro de 1988, com a missão de coordenação, representação e defesa

Leia mais

AJUSTAMENTOS REFERENTES A 2007 E 2008 A REPERCUTIR NAS TARIFAS DE 2009

AJUSTAMENTOS REFERENTES A 2007 E 2008 A REPERCUTIR NAS TARIFAS DE 2009 AJUSTAMENTOS REFERENTES A 2007 E 2008 A REPERCUTIR NAS TARIFAS DE 2009 Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00

Leia mais

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável Seminário: Biomassa Florestal, Energia e Desenvolvimento Rural João Bernardo, DGGE Índice Enquadramento do Sector Energético As fontes de Energia Renovável

Leia mais

Estratégia Empresarial, Investimentos e Infra-estruturas

Estratégia Empresarial, Investimentos e Infra-estruturas Estratégia Empresarial, Investimentos e Infra-estruturas ESTUDO DE CASO EMPRESA Verticalmente integrada (Produção; Distribuição; Comercialização) Electricidade, Água e Saneamento Pública Privada Contrato

Leia mais

Energia Offshore. Jorge Cruz Morais

Energia Offshore. Jorge Cruz Morais Energia Offshore Jorge Cruz Morais factores da alteração Aumento da Procura Emissões de CO2 O consumo mundial de energia primária Evolução do consumo mundial de energia primária, 1970-2009 Mtep 11.164

Leia mais

Nota Prévia Benefícios de Reforma Portugal Telecom Outubro 2006

Nota Prévia Benefícios de Reforma Portugal Telecom Outubro 2006 Portugal Telecom Benefícios de Reforma Primeiro Semestre de 2006 Outubro 2006 Nota Prévia Os investidores deverão consultar o Solicitation/Recommendation Statement on Schedule 14D-9 quando for remetido

Leia mais

Implementação e Consolidação da Unidade de Serviços Partilhados. Carlos Rocha

Implementação e Consolidação da Unidade de Serviços Partilhados. Carlos Rocha Apresentação do Estudo: Serviços Partilhados na Administração Pública 20 de Outubro de 2010 Sala do Senado, Reitoria da Universidade Nova de Lisboa Implementação e Consolidação da Unidade de Serviços Partilhados

Leia mais

MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 Companhia Aberta BOVESPA: MPXE3

MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 Companhia Aberta BOVESPA: MPXE3 MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 Companhia Aberta BOVESPA: MPXE3 FATO RELEVANTE MPX e E.ON Formam Joint Venture para Promover Crescimento no Brasil -- E.ON alcançará 10% de participação na

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T 2015. 11 de Maio de 2015

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T 2015. 11 de Maio de 2015 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T 2015 11 de Maio de 2015 1 Destaques O EBITDA totalizou 138,3M, um crescimento de 9,4% (11,8M ) versus. Este indicador beneficiou da venda da participação da REN na Enagás

Leia mais

Energia Eólica e Impactes Tarifários. Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010

Energia Eólica e Impactes Tarifários. Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010 Energia Eólica e Impactes Tarifários Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010 Agenda 1. A Política Energética Europeia e Nacional 2. Remuneração e alocação dos custos da Produção em Regime Especial 3. O Sobrecusto

Leia mais

EDP Renováveis Resultados 1S15

EDP Renováveis Resultados 1S15 EDP Renováveis Resultados 1S15 29 de Julho de 2015 15:00 CET 14:00 UK/Lisbon www.edpr.com Disclaimer Esta apresentação foi preparada pela EDP Renováveis, S.A. (a Sociedade ) apenas para ser utilizada na

Leia mais

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 O CONSUMO MUNDIAL DE ENERGIA CONTINUARÁ A CRESCER, MAS AS POLÍTICAS DE EFICIÊNCIA TERÃO UM FORTE IMPACTO

Leia mais

OPTIMIZAÇÃO DAS TARIFAS DE ELECTRICIDADE EM PORTUGAL

OPTIMIZAÇÃO DAS TARIFAS DE ELECTRICIDADE EM PORTUGAL N.SINDALA Henrique Gomes Ex-Secretário de Estado da Energia OPTIMIZAÇÃO DAS TARIFAS DE ELECTRICIDADE EM PORTUGAL 1. ENERGIA E COMPETITIVIDADE 1.1. A Energia na Europa Por toda a Europa, após os excessos

Leia mais

A Reforma da Fiscalidade Verde Análise comparativa KPMG Green Tax Index

A Reforma da Fiscalidade Verde Análise comparativa KPMG Green Tax Index A Reforma da Fiscalidade Verde Análise comparativa KPMG Green Tax Index 19 de Dezembro de 2014 Agenda Fiscalidade Verde Contexto Importância para as empresas Ferramenta de política The KPMG Green Tax Index

Leia mais

Seminário Evolução do Mercado Interno de Energia Sessão II O Mercado Nacional e o Mercado Interno Europeu

Seminário Evolução do Mercado Interno de Energia Sessão II O Mercado Nacional e o Mercado Interno Europeu Seminário Evolução do Mercado Interno de Energia Sessão II O Mercado Nacional e o Mercado Interno Europeu Mercado e Concorrência Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Minhas Senhoras e Meus

Leia mais

A EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. é uma sociedade emitente de acções que se encontram admitidas à negociação no mercado regulamentado da NYSE Euronext Lisbon (denominado Eurolist by NYSE Euronext Lisbon).

Leia mais

PROVEITOS PERMITIDOS DAS EMPRESAS REGULADAS DO SECTOR ELÉCTRICO EM 2011

PROVEITOS PERMITIDOS DAS EMPRESAS REGULADAS DO SECTOR ELÉCTRICO EM 2011 PROVEITOS PERMITIDOS DAS EMPRESAS REGULADAS DO SECTOR ELÉCTRICO EM 2011 Dezembro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00

Leia mais

Portugal Investimento

Portugal Investimento Portugal Investimento O Investimento Bruto atingiu os 32 mil milhões de euros e o acumulado 71,7 mil milhões de euros o que significa um crescimento de quase 50% nos últimos 5 anos. Cerca de 32% do IDE

Leia mais

RESULTADOS PRIMEIRO TRIMESTRE 2015

RESULTADOS PRIMEIRO TRIMESTRE 2015 1 27 Abril, 2015 RESULTADOS PRIMEIRO TRIMESTRE 2015 Operador integrado de energia focado na exploração e produção DISCLAIMER 2 Esta apresentação contém declarações prospetivas ( forward looking statements

Leia mais

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE Maria da Graça a Carvalho ISEP 27 Abril 2012 Índice Ensino Superior na Europa Investigação Científica na Europa Necessidade de Reforma das Instituições de E.S. Modernização

Leia mais

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 36/2005 ENDESA GENERACÍON, S.A. / FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.A.

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 36/2005 ENDESA GENERACÍON, S.A. / FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.A. DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 36/2005 ENDESA GENERACÍON, S.A. / FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.A. I INTRODUÇÃO 1. Em 16 de Maio de 2005, a Autoridade da Concorrência

Leia mais

Volatilidade e Mudanças Estruturais Impactos na Indústria de Petróleo

Volatilidade e Mudanças Estruturais Impactos na Indústria de Petróleo Volatilidade e Mudanças Estruturais Impactos na Indústria de Petróleo Cristina Brunet de Figueiredo Coordenadora da Comissão de Responsabilidade Social do IBP Coordenadora de Comunicação e Relações Externas

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO E DAS PREVISÕES DAS EMPRESAS REGULADAS

ANÁLISE DO DESEMPENHO E DAS PREVISÕES DAS EMPRESAS REGULADAS ANÁLISE DO DESEMPENHO E DAS PREVISÕES DAS EMPRESAS REGULADAS Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00 Fax: 21 303

Leia mais

2013 1. Produção Contratada de Longo Prazo no Mercado Ibérico - 11-2. Actividades Liberalizadas no Mercado Ibérico - 12 -

2013 1. Produção Contratada de Longo Prazo no Mercado Ibérico - 11-2. Actividades Liberalizadas no Mercado Ibérico - 12 - Conteúdo Destaques.... Performance Financeira Consolidada 3 Resultados abaixo do 4 Investimento Operacional... 5 Cash Flow 6 Demonstração da Posição Financeira Consolidada 7 Dívida Líquida 8 Áreas de Negócio

Leia mais

COMPANY NOTE. EDP Contratos garantem estabilidade nos cash-flows. VISÃO Manter. Sumário. Price Target: EUR 3,37. 2 Resultados

COMPANY NOTE. EDP Contratos garantem estabilidade nos cash-flows. VISÃO Manter. Sumário. Price Target: EUR 3,37. 2 Resultados EDP Contratos garantem estabilidade nos cash-flows VISÃO Manter Price Target: EUR 3,37 Preço e Performance Preço 3,40 Máx de 52 semanas 3,75 Mín de 52 semanas 2,42 YTD (%) 29,36 Volume médio diário (mn)

Leia mais

EDP Renováveis Resultados 9M15

EDP Renováveis Resultados 9M15 EDP Renováveis Resultados 9M15 28 de Outubro de 2015 15:00 CET 14:00 UK/Lisboa www.edpr.com Disclaimer Esta apresentação foi preparada pela EDP Renováveis, S.A. (a Sociedade ) apenas para ser utilizada

Leia mais

COMENTÁRIOS À PROPOSTA DE REVISÃO REGULAMENTAR REGULAMENTO TARIFÁRIO E REGULAMENTO DAS RELAÇÕES COMERCIAIS

COMENTÁRIOS À PROPOSTA DE REVISÃO REGULAMENTAR REGULAMENTO TARIFÁRIO E REGULAMENTO DAS RELAÇÕES COMERCIAIS COMENTÁRIOS À PROPOSTA DE REVISÃO REGULAMENTAR REGULAMENTO TARIFÁRIO E REGULAMENTO DAS RELAÇÕES COMERCIAIS 1. INTRODUÇÃO O presente documento pretende transmitir a posição da ELECPOR Associação Portuguesa

Leia mais

VII Conferência Anual do Turismo

VII Conferência Anual do Turismo VII Conferência Anual do Turismo O Contributo das Actividades do Mar Sustentabilidade Antonio Vidigal CEO da EDP Inovação Funchal, 3 de Maio de 2013 1 Não há falta de Energia Renovável e o Mar é um dos

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

Renova Energia. Overview

Renova Energia. Overview Renova Energia Overview A Renova Energia Histórico comprovado na prospecção, estruturação, execução e operação de projetos de geração de energia renovável. Fundação RENOVA Enerbras é fundada por Ricardo

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

António Luís Guerra Nunes Mexia 54 anos. Licenciado em economia pela Universidade de Genebra (Suíça). Entre 1979 e 1981, António Mexia exerceu o cargo de professor convidado no Departamento de Economia

Leia mais

António Luís Guerra Nunes Mexia

António Luís Guerra Nunes Mexia António Luís Guerra Nunes Mexia 54 anos. Licenciado em economia pela Universidade de Genebra (Suíça). Entre 1979 e 1981, António Mexia exerceu o cargo de professor convidado no Departamento de Economia

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

(EUR mn) 2012 2011 Var. %

(EUR mn) 2012 2011 Var. % VISÃO ACUMULAR Preço-alvo: EUR 2,57 Preço e Performance Preço 2,35 M áx de 52 semanas 2,45 M ín de 52 semanas 1,63 YTD (%) 2,75 Volume médio diário (mn) 5.403.836 Capitalização bolsista (mn) 8.604 Beta

Leia mais

Boletim de Janeiro Atractividade. Na competição global pela atracção de capital Janeiro 2014

Boletim de Janeiro Atractividade. Na competição global pela atracção de capital Janeiro 2014 Boletim de Janeiro Atractividade Na competição global pela atracção de capital Janeiro 2014 13 de Fevereiro de 2014 A missãocrescimento As entidades promotoras: O Conselho Geral: Esmeralda DOURADO Rui

Leia mais

SONAECOM DIVULGA RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2003 (NÃO AUDITADOS).

SONAECOM DIVULGA RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2003 (NÃO AUDITADOS). SONAECOM DIVULGA RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2003 (NÃO AUDITADOS). (Tradução de versão original em Inglês) Todas as contas apresentadas estão de acordo com as normas internacionais de contabilidade

Leia mais

Reflexão sobre a Evolução e Redesenho do Mercado Interno de Electricidade

Reflexão sobre a Evolução e Redesenho do Mercado Interno de Electricidade Reflexão sobre a Evolução e Redesenho do Mercado Interno de Electricidade Eduardo Catroga Presidente do Conselho Geral e de Supervisão da EDP Agradeço o convite que me foi dirigido por tão distinto Fórum.

Leia mais

Simulação Interactiva do Mercado de Energia Eléctrica

Simulação Interactiva do Mercado de Energia Eléctrica INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Área Departamental de Engenharia de Sistemas de Potência e Automação Simulação Interactiva do Mercado de Energia Eléctrica BRUNO MIGUEL FERREIRA ADÃO (Licenciado)

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2013

RELATÓRIO E CONTAS 2013 RELATÓRIO E CONTAS 2013 01 Índice COMEÇAR PELO INÍCIO Mensagem do Presidente do Conselho de Administração Entrevista com o CEO 8 Breve Enquadramento da EDPR 12 Apresentação da Empresa 14 5 Modelo de Negócio

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014 Dezembro 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Jorge Mendonça e Costa jmcosta@cogenportugal.com Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador: Motivação Manual de

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS AGENTE COMERCIAL. Junho 2007

MANUAL DE PROCEDIMENTOS AGENTE COMERCIAL. Junho 2007 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO AGENTE COMERCIAL Junho 2007 ÍNDICE 1. DISPOSIÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS...1 1.1. Disposições gerais... 1 1.1.1. Objecto... 1 1.1.2. Prazos de aplicação e modificações... 1 1.1.3.

Leia mais

7º Congresso do Comité Português da URSI

7º Congresso do Comité Português da URSI 7º Congresso do Comité Português da URSI Os desafios da eólica offshore flutuante Antonio Vidigal CEO da EDP Inovação Lisboa, 22 de Novembro de 2013 1 Não há falta de Energia Renovável, o Mar é um dos

Leia mais

Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt

Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt O recurso energético e o mercado potencial Estado actual da tecnologia Custos A Energia das Ondas em Portugal Conclusões Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO E POTENCIAL DO BIOMETANO EM PORTUGAL

AVALIAÇÃO DO IMPACTO E POTENCIAL DO BIOMETANO EM PORTUGAL REDES ENERGÉTICAS NACIONAIS AVALIAÇÃO DO IMPACTO E POTENCIAL DO BIOMETANO EM PORTUGAL INJEÇÃO DE BIOMETANO NAS REDES DE GÁS NATURAL A PERSPETIVA DA GESTÃO TÉCNICA GLOBAL DO SNGN 02 de Julho de 2015 ÍNDICE

Leia mais

Apresentação Corporativa Julho/2015

Apresentação Corporativa Julho/2015 Apresentação Corporativa Julho/2015 Aviso Legal Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas da Companhia

Leia mais

Resultados. Conteúdo. Destaques... Performance Financeira Consolidada. Resultados abaixo do EBITDA - 4 - Investimento Operacional e Financeiro - 5 -

Resultados. Conteúdo. Destaques... Performance Financeira Consolidada. Resultados abaixo do EBITDA - 4 - Investimento Operacional e Financeiro - 5 - Conteúdo Destaques.... 2 Performance Financeira Consolidada 3 Resultados abaixo do 4 Investimento Operacional e Financeiro 5 Cash Flow Demonstração da Posição Financeira Consolidada Dívida Líquida Áreas

Leia mais

Finanças Internacionais

Finanças Internacionais Universidade dos Açores Departamento de Economia e Gestão Mestrado em Ciências Empresariais Finanças Internacionais Ponta Delgada, Abril de 2009 Fernando José Rangel da Silva Melo Sumário 1 Gestão Financeira

Leia mais

estatísticas rápidas dezembro 2013

estatísticas rápidas dezembro 2013 estatísticas rápidas dezembro 213 Nº 16 Índice A. Resumo B. As energias renováveis na produção de eletricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro.

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro. Castelo de Vide 16.02.2009 Mais eco. Mais futuro. O mundo está nas nossas mãos... 1 O consumo energético mundial tem registado forte crescimento nos últimos anos, agravando o volume de emissões de CO 2

Leia mais

RESULTADOS 2T15 RIO DE JANEIRO, 13 DE AGOSTO DE 2015

RESULTADOS 2T15 RIO DE JANEIRO, 13 DE AGOSTO DE 2015 RESULTADOS RIO DE JANEIRO, 13 DE AGOSTO DE 2015 AVISO IMPORTANTE Esta apresentação contém declarações acerca de eventos futuros, de acordo com o U.S. Private Securities Litigation Reform Act de 1995. São

Leia mais

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Luiz Fernando Rolla Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Nossa base de acionistas assegura liquidez América do Norte Canadá Estados Unidos México Europa Luxemburgo

Leia mais

Renováveis em Cabo Verde

Renováveis em Cabo Verde Promoção das Energias Renováveis em Cabo Verde III Conferencia da RELOP Rio de Janeiro 4 e 5 de Novembro 2010 Apresentação :Rito Évora Administrador ARE Índice Porquê energias renováveis? Onde estamos?

Leia mais

9M14 1. Produção Contratada de Longo Prazo no Mercado Ibérico - 11 - Resultados. Conteúdo. Destaques... Performance Financeira Consolidada

9M14 1. Produção Contratada de Longo Prazo no Mercado Ibérico - 11 - Resultados. Conteúdo. Destaques... Performance Financeira Consolidada Conteúdo Destaques.... Performance Financeira Consolidada 2 3 Cash Flow Demonstração da Posição Financeira Consolidada 7 Dívida Líquida Áreas de Negócio Enquadramento: Mercado Ibérico de Electricidade

Leia mais

JOINT VENTURE MPX / E.ON. Rio de Janeiro Janeiro 2012

JOINT VENTURE MPX / E.ON. Rio de Janeiro Janeiro 2012 JOINT VENTURE MPX / E.ON Rio de Janeiro Janeiro 2012 AVISO LEGAL Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Powered by. Desenvolvimento

Powered by. Desenvolvimento Desenvolvimento de Sistemas Sustentáveis 1 Urbancraft Energia, S.A. FDO INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES, SGPS, S.A. ALEXANDRE BARBOSA BORGES, SGPS, S.A. 50% 50% A URBANCRAFT ENERGIA, S.A é uma sociedade

Leia mais

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA.

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida COSEC em resumo

Leia mais

Mercado Ca C mbia i l - Fo F re r x

Mercado Ca C mbia i l - Fo F re r x Mercado Cambial - Forex AVISO O presente documento foi preparado pelo Banco BEST com o objectivo de informar os leitores sobre as principais características dos produtos derivados aqui apresentados, não

Leia mais

Resolução de Conselho de Ministros N.º 110/2000

Resolução de Conselho de Ministros N.º 110/2000 Resolução de Conselho de Ministros N.º 110/2000 Resolução do Conselho de Ministros relativa à Iniciativa Internet O Governo tem vindo a desenvolver de forma consistente, desde 1995, uma política de desenvolvimento

Leia mais

DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL

DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Dezembro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.:

Leia mais

Programa de Transformação do Sector Eléctrico. Apresentação na Conferência 30 e 31 de Maio de 2013 Luanda

Programa de Transformação do Sector Eléctrico. Apresentação na Conferência 30 e 31 de Maio de 2013 Luanda Programa de Transformação do Sector Eléctrico Apresentação na Conferência 30 e 31 de Maio de 2013 Luanda 30 de Maio de 2013 1 Programa de Transformação do Sector Eléctrico Agenda 1. Enquadramento do Programa

Leia mais

Porto, 6 de Maio de 2010

Porto, 6 de Maio de 2010 A Responsabilidade Social na Internacionalização Porto, 6 de Maio de 2010 Indíce 1. AICEP Modelo de Negócio e Objectivos 2. International Business Intelligence Unit 3. Empresas e Responsabilidade Social

Leia mais

FRANCHISING APOSTE NUM NEGÓCIO DE SUCESSO. www.phonehouse.pt franchising@phonehouse.pt

FRANCHISING APOSTE NUM NEGÓCIO DE SUCESSO. www.phonehouse.pt franchising@phonehouse.pt FRANCHISING APOSTE NUM NEGÓCIO DE SUCESSO www.phonehouse.pt franchising@phonehouse.pt FRANCHISING OPORTUNIDADE 2 UMA HISTÓRIA DE ÊXITO Foi no ano de 1989 que Charles Dunstone, um jovem inglês com 25 anos,

Leia mais

Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica. Jaime Quesado

Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica. Jaime Quesado VII Encontro da PASC Plataforma Activa da Sociedade Civil 2 de Março de 2011 Sala do Senado da Reitoria da UNL Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica Jaime Quesado Patrocinadores Globais Inteligência

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

Crescimento e Competitividade em Portugal. Vítor Santos ISEG

Crescimento e Competitividade em Portugal. Vítor Santos ISEG Crescimento e Competitividade em Portugal Vítor Santos ISEG 1 Bibliografia Relatórios da Competitividade da Comissão Europeia, últimos anos; European Commission (2003), EU Productivity and Competitiveness:

Leia mais

Objectivos de Marketing

Objectivos de Marketing Negócios Internacionais Marketing e Finanças as Objectivos de Marketing Tipos de Marketing; Introduzir técnicas t para avaliar dimensões para determinados países; Enfatizar como as diferenças contextuais

Leia mais

PTSE Programa de Transformação do Sector Eléctrico

PTSE Programa de Transformação do Sector Eléctrico PTSE Programa de Transformação do Sector Eléctrico João Saraiva Engenheiro Ministério da Energia e Águas Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE ENERGIA E ÁGUAS INTERNATIONAL

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES Porque devemos utilizar a empresa Tungsten-Network para enviar as nossas facturas? Para além das vantagens indicadas anteriormente, a facturação electrónica é o método preferido pela

Leia mais