edp edp Resultados do 1S de Julho de 2007 sinta a nossa energia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia"

Transcrição

1 sinta a nossa energia Resultados do 1S de Julho de

2 1S07: Principais Acontecimentos Crescimento de EBITDA: +27% com base em crescimento orgânico Turnaround das actividades em mercado: enfoque em rentabilidade e clientes 50% de aumento na capacidade instalada eólica; nível de emissões CO 2 /GWh: -15% Melhorias de Eficiência / Manutenção de Sólida Base de Actividades Reguladas Crescimento do Resultado Líquido: +13% excluindo mais-valias Compra da Horizon Wind nos EUA: Concluída a 2 de Julho de 2007 Acordo final CAE/CMEC & Extensão concessão das hídricas: MIBEL iniciou-se no dia 1 de Julho de

3 Dados Financeiros 1S07 Em condições de mercado desfavoráveis consegue apresentar forte crescimento: tanto ao nível do EBITDA como do Resultado Líquido: (Milhões de ) 1S07 1S06 Var.% Margem Bruta % Custos Operacionais % EBITDA % EBIT % Resultados Financeiros (176) (36) - Resultado Líquido % Funds from Operations (FFO) % Investimento Operacional % Dívida Liquida (1) % Divida Liquida / EBITDA (2) 3,6 4,0-10% Crescimento do Free Cash Flow Orgânico: Sem Impactos de Aquisições (1) Dívida Líquida relativa a Dez-06 (2) EBITDA dos últimos 12 meses 2

4 Risco controlado Crescimento de EBITDA: +27% com base em crescimento orgânico Turnaround das actividades em mercado: enfoque em retorno e clientes 50% de aumento na capacidade instalada eólica; nível de emissões CO2/GWh: -15% Melhorias de eficiência / manutenção de Base Sólida de Actividades Reguladas 3

5 Mercado ibérico de electricidade: Preços baixos no 1S07 Preço Médio Ponderado do Mercado Espanhol (OMEL) / MWh , ,4 25 J F M A M J J A S O N D J F M A M J Evolução Curva Preços - Futuros Mercado Ibérico (OMIP) 03-Jan Jun T2007 4T Coeficiente de Hidraulicidade 0,65 Portugal Espanha 0,53 1S06 30-Jun Jun-07 Direitos emissão CO ,88 1S07 0,77 Direitos de emissão de CO2 ( /ton) 16, , Direitos emissão CO Preço da Pool: - 36% Crescimento da procura: +2,4% Capacidade Instalada: +5,6%: Eólica: +21% CCGTs: +18% Produção Hídrica: +40% Preço CO2: Perto de zero Preços a prazo: Influenciados pelo CO2 Preços a prazo para o 2S07: -20% ao longo do 1S07 Preços a prazo para 2008: Suportado pelo preço CO Volatilidade do mercado reforça a importância de contratar a prazo e ter clientes 4

6 Produção: Mercado Ibérico Liberalizado Activos de produção eficientes em Portugal e Espanha +3,6% Volume TWh 9,7 0,7 0,5 Hídrica Nuclear 10,0 0,8 0,6 Produção liberalizada: Total do mercado: -0,7% Centrais liberalizadas da EDP : +3,6% 3,9 CCGT 3,4 Produção termoeléctrica convencional: Total do mercado: +1,3% Centrais liberalizadas da EDP: +2,9% 4,6 Carvão 5,3 Factor de utilização das centrais a carvão no 1S07: Média do mercado: 65% Custo variável / MWh 1S S07 25 Centrais liberalizadas da EDP: 79% -5,7% Produção aumentou 3,6% vs. queda de 0,7% do mercado; custos a caíram 5,7% 5

7 EDP na Comercialização Liberalizada: Portugal e Espanha Boa gestão da carteira de clientes: Fundamental para a criação de valor Preço médio ( /MWh) % % 58 Quota de mercado 59% 52% 14% 15% Volume TWh Q06 2Q06 3Q06 4Q06 1Q07 2Q07 Ofertas competitivas face à tarifa e rentáveis para a Eventual queda de tarifas pode limitar oferta 1Q06 2Q06 3Q06 4Q06 1Q07 2Q07 Nova politica de contratação no 2S06 Aumento de tarifas em suporta crescimento Preços recolocados em níveis rentáveis; retoma dos volumes vendidos no 2T07 6

8 Produção e Comercialização liberalizada: Visão Integrada Melhoria de rentabilidade um enquadramento de mercado desfavorável Produção e mercado grossista 1S07 (fontes de energia) Custo variável / MWh 26 Mercado Hídrica Nuclear CCGT Volume TWh 10, Clientes e mercado grossista 1S07 (energia vendida) Volume TWh Preço de venda / MWh Mercado Grossista de Futuros Mercado Grossista à vista EBITDA ( m) 1S07 % Var % Carvão Clientes Liberalizados Activos eficientes + forte plataforma de retalho + estratégia de cobertura de risco acertada crescimento de EBITDA: +84% num período desfavorável de mercado * Produção + compras de electricidade no mercado grossista 7

9 Vendas a clientes em mercado vs. Produção em mercado EDP face a outros operadores Ibéricos Historicamente, a comercialização liberalizada é uma actividade core para a HC em Espanha Volumes de Electricidade Vendidos no Mercado Liberalizado / Produção de Electricidade Liberalizada (Pen. Ibérica) 1S06 1S07 75% 61% 46% 43% 17% 7% 24% 30% 19% 12% Comp. 1 Comp. 2 Comp. 3 Comp. 4 EDP tem o maior nível de GWh vendidos a clientes / produzidos em mercado 8

10 Contratação a prazo em mercado: estádio a Jun-07 Vendas já contratadas com clientes Dão boa visibilidade de resultados da Produção TWh 19, Vendas de elecrricidade TWh (peso %) produção TWh S07 Vendas de Electricidade TWh (peso%) Hydro Nuclear 0,3 0,7 CCGT Coal 4,1 4,9 8,6 (86%) 5,4 (30%) 1 85% da produção esperada para o 2S07 já contratada e coberta a um preço médio > 50 /MWh* 30% da produção esperada para 2008 vendida a um preço médio próximo dos 55 /MWh* * Antes de pagamento de cpacidade 9

11 Gás liberalizado em Espanha Mercado Liberalizado - Volumes & Margem de Venda EBITDA Milhões de Volume Gás GWh Margem Unitária ( /MWh) 2,0 2,2-1,0-0,5 0,3 23,4-2, T2006 2T2006 3T2006 4T2006 1T2007 2T2007 (6) 1S06 1S07 Turnaround do EBITDA suportado pelo aumento dos volumes e crescimento da margem 10

12 Crescimento Crescimento de EBITDA: +27% com base em crescimento orgânico Turnaround das actividades de mercado: enfoque no retorno e clientes 50% de aumento na capacidade instalada eólica; nível de emissões CO2/GWh: -15% Melhorias de eficiência / manutenção de base sólida de actividades reguladas 11

13 Energia Eólica: Aumento da Capacidade Instalada Europa: 462 MW adicionais através de crescimento orgânico nos últimos 12 meses Capacidade Instalada Eólica - Europa (MW Brutos) Aquisições (AE: 155 MW) Crescimento orgânico 82% Dez-05 1S06 2S06 1S07 Jun E 2010E EUA:Compra da Horizon: Concluída em Julho 2007 Consolidação integral no 3T07 Capacidade Instalada Eólica - EUA (MW Brutos) Jun E 2010E 12

14 Turbinas Eólicas Contratadas Vantagem competitiva da dimensão na contratação de turbinas em termos preço e volumes Necessidades de turbinas vs. contratadas Necessidades de turbinas (+Horizon) Fornecimento assegurado Necessidades cobertas Contratos recentes - Gamesa; 100% >85% >80% - Vestas; - GE; Negociações em curso 1,600 1,400 1,200 para cobertura das necessidades de 2008 e 2009 durante o 2S Elevada Cobertura das necessidades de turbinas para os anos 2008 e

15 Portfolio eólico: qualidade na localização & regulação estável O Crescimento do portfolio não afecta o factor médio de utilização: Pipeline com elevada qualidade em termos de recursos eólicos Portugal: Factor de Utilização Espanha: Factor de Utilização Neo Média Portugal Neo Média Espanha 24,1% 25,3% 25,1% 27,7% 28,5% 26,3% 1S06 1S07 1S06 1S07 1S07 Espanha: Menores tarifas devido a queda do preço da pool; Clarificação da regulação no longo prazo Espanha: Tarifa Média Eólica ( /MWh) -17% S06 1S07 Preços da pool ( /MWh) -42% S06 1S07 RD 661/2007: trouxe estabilidade a longo prazo para rentabilidade de energia eólica em Espanha Horizon nos EUA enquadra-se na estratégia da : Recursos eólicos de elevada qualidade + Regulação estável 14

16 Desenvolvimento na Produção Hídrica: Portugal & Brasil Operação de MW de centrais hídricas no mercado depois do fim dos CAE A pagará 759 Milhões de euros pelos direitos de concessão até 2052 A planeia construir MW de centrais hídricas até 2015, 1,768 MW em estudo: Repotenciação de Picote (+231MW) e Bemposta (+178MW): em construção; Acordo com Martifer: Desenvolvimentos de centrais hídricas nos rios Paiva e Vouga; Reduzido número de novos projectos devido a dificuldades com licenças ambientais Margem de reserva do sistema eléctrico a cair A tem 555 MW em estudo: 235 MW em centrais hídricas de média dimensão 330 MW de mini-hídricas Procura activa de oportunidades no desenvolvimento de hídricas em Portugal e no Brasil 15

17 Mix de produção total Investimento hídrico e eólico suporta crescimento do mix de geração e reduz exposição da às emissões de CO2 Mix de produção da GWh (percentagem) Emissões de CO2 (CO2 ton/mwh) Carvão + Fuel + Cogeração CCGTs 48% 17% 40% 14% 28% 18% 26% 0,53-15% 0,45 <0,35 Hídrica Eólica & Outros* 28% 7% 37% 9% 28% 1S06 1S E 1S06 1S E Em linha com o objectivo de atingir mais de 50% de produção de energia sem CO 2 em 2010 * Outros inclui Resíduos, Biomassa e Nuclear 16

18 Eficiência superior Crescimento de EBITDA: +27% com base em crescimento orgânico Turnaround das actividades de mercado: enfoque no retorno e clientes 50% de aumento na capacidade instalada eólica; nível de emissões CO2/GWh: -15% Melhorias de eficiência / manutenção de base sólida de actividades reguladas 17

19 Produção Contratada: CAEs Cash Flow Estável: ROA contratado de Longo Prazo de 8,5% Margem Bruta dos CAE s da Produção (Milhões de ) 466 Margem Energética Ligeiro impacto negativo, Capacidade de Carga não recorrente, relativo à compra de fuelóleo a preços elevados 1H06 Perda na margem energética 1H07 CAE s substituídos pelos CMEC s a partir de Jul-07: sem impacto económico para a EDP 18

20 Distribuição de Electricidade: Portugal e Espanha Crescimento EBITDA: +17% Melhor Regulação em Espanha + Custos com Energia Inferiores + Enfoque na Eficiência Distribuição Ibérica Contributo para o EBITDA (Milhões de ) (24) 310 1S06 Margem Bruta Custos Operacionais 1S07 Esforço continuado para melhorar níveis de eficiência e qualidade do serviço: Rácios de Eficiência Tempo de Interrupção Equivalente (min) 1S06 1S07 Var. % 1S06 1S07 Var. Opex/MWh * 10,2 10,8 +5,5% Portugal Empregados/TWh ,1% Espanha (Astúrias) * Opex inclui Fornecimentos e Serviços Externos, Custos com Pessoal e com Benefícios Sociais 19

21 Distribuição de Electricidade: Brasil Crescimento EBITDA : + 103%; Crescimento recorrente do EBITDA : + 13% EBITDA Distribuição Brasil: 1S07 vs. 1S06 (Milhões de ) EBITDA IFRS Desvios Tarifários (1) Custos não recorrentes redução de pessoal EBITDA Recorrente 1S07 1S06 Var. % % (95) (6) % (1) Desvios tarifários acumulados, aumentos tarifários diferidos, perdas com o racionamento + Parcela A e outros Plano de redução de pessoal actual com impacto positivo nos rácios de eficiência: Distribuição Rácios de Eficiência 1H07 1H06 Var.% Opex / MWh (R$/MWh) 22,6 22,4 (2) +0,6% Empregados / TWh ,1% (2) Opex incluí fornecimentos e serviços externos, custos com pessoal e benefícios sociais. Não inclui custo não recorrente relativo ao PDV no 1S06 (R$51.6M) 20

22 Créditos Regulatórios Redução dos créditos regulatórios a receber devido a custos com compra de energia inferiores ao esperado no 1S07 Créditos Regulatórios (Milhões de ) % Brasil Desvios tarifários acumulados Perdas com racionamento e Parcela A Espanha Défice tarifário de 2006 de 154M Défice tarifário de 2007 de 34M Portugal Défice tarifário de 2006 de 125M Défice tarifário de 2007 de 25M Jun-06 Set-06 Dez-06 Mar-07 Jun-07 Desvios tarifários acumulados Recuperação de créditos regulatórios suporta melhoria do Free Cash Flow 21

23 Distribuição de Gás: Portugal e Espanha EBITDA cresceu 7,5%; Impulsionado pela ligação à rede de novos clientes (Milhões de ) % 7 (1) 76 EBITDA 1S06 Margem Bruta Custos Operacionais EBITDA 1S Kms de rede de distrubuição e transporte; + 52,000 clientes ligados às nossas redes face a Jun-06 Nota: No 1S07, Gasnalsa foi consolidado integralmente e no 1S06 era consolidada proporcionalmente a 50% -> impacto 2,3M 22

24 Melhorias de eficiência 72M de poupanças anuais já asseguradas: em cumprimento do objectivo para 2007 OPEX - Poupanças (Milhões de ) Medidas implementadas em 2006 Medidas implementadas até Jun (80%) % % (48%) Principais medidas de corte de custos já implementadas Custos com Pessoal: 35,5M de poupanças anuais através: Redução líquida de nº empregados (entre Dez-05 e Jun-07): empregados no Brasil empregados na Península Ibérica Medidas de corte de custos já implementadas Target 2007 Target 2010 Fornecimentos e Serviços Externos: 36,2M de poupanças anuais através: Custos Controláveis / Margem Bruta 28% Menor visibilidade na fase inicial ao nível da DR devido a custos não-recorrentes de implementação, nomeadamente relativos a redução de pessoal Medidas de reestruturação serviços de TI Utilização mais eficiente do imobiliário Gestão integrada do seguros Consolidação de publicidade e propaganda 23

25 Custos com Pessoal Custos com pessoal e custos com benefícios socais 1S06 Portugal Milhões de 222 Spain Milhões de 59 Brasil Milhões de reais 197 Pro-forma 1S06 (1) Recorrente Variação Nº trabalhadores Aumento médio salários (6) 10 3 (21) +1,8% +7,3% - 5,7% S07 recorrentes Aumento de custos c/ benefícios sociais Diminuição de TPEs e Outros Custos com pessoal e custos com benefícios socais 1S07 10 (4) (35) Número de Empregados: -6% vs. 1S06; Expansão nas Renováveis; Aumento dos custos com benefícios sociais (1) Alteração no perímetro de consolidação Venda da ONI 24

26 Dados Financeiros 1S07 Em condições de mercado desfavoráveis consegue apresentar forte crescimento: tanto ao nível do EBITDA como do Resultado Líquido: (Milhões de ) 1S07 1S06 Var.% Margem Bruta % Custos Operacionais % EBITDA % EBIT % Resultados Financeiros (176) (36) - Resultado Líquido % Funds from Operations (FFO) % Investimento Operacional % Dívida Liquida (1) % Divida Liquida / EBITDA (2) 3,6 4,0-10% Crescimento do Free Cash Flow Orgânico: Sem Impactos de Aquisições (1) Dívida Líquida relativa a Dez-06 (2) EBITDA dos últimos 12 meses 25

27 Detalhe do EBITDA Consolidado no 1S07 Crescimento essencialmente orgânico: o EBITDA proforma cresceu 26,4% Breakdown do EBITDA (Milhões de ) Mercado Ibérico Produção e Com. 1S2007 1S /06 1, % % Eólicas Europa (NEO) Brasil 23% Produção Contratada 27% Eólica Europa (NEO) % 7% Distribuição Gás Brasil Outros & aj % % % % Consolidado 1,353 1,067 27% Gás Liberalizado 2% Gás Regulado 5% Distribuição 22% Produção Liberalizada 14% Crescimento de elevada qualidade com o EBITDA a crescer em 27% sem aquisições 26

28 Investimento Operacional Consolidado 80% do investimento operacional foi alocado às actividades reguladas e de produção contratada a longo prazo: Investimento operacional: 1S07 vs. 1S06 (Milhões de ) 1S06 1S07 Var. % Expansão % Manutenção % Total % Prod. & Comerc. Ibérica % 1S07 - Breakdown do investimento operacional da por negócio (percentagem) Gás Ibérico Brasil 4% 14% Outros 1% 27% Prod. & Comerc Ibericos Eólico Europa Distribuição Ibérica % % 19% Gás Ibérico Brasil Outros % % % Distribuição Ibérica 35% Eólico Europa > 50% do investimento do Grupo foi alocado à expansão da actividade 27

29 Resultados Financeiros Resultados Financeiros (Milhões de ) Juros financeiros líquidos Rendimentos de particip. de capital Diferenças de câmbio Outros ganhos e perdas financeiros Resultados Financeiros ( M) Dívida Líquida ( M) Custo Médio da Dívida (%) FFO / Juros Financeiros 1S06 1S07 Var. % (197) (223) -13% % % % (36) (176) -390% % 3,9% 4,6% +0,7 pp 3,7x 5,2x +40% Custo da dívida aumenta em linha com o mercado Impacto não recorrente no 1S06: 148M de ganho de capital com o derivado sobre o CMEC Crescimento de EBITDA e FFO mais do que compensam aumento dos juros líquidos 28

30 Outlook para o 1S07 Contratação de 85% da Produção em Mercado Liberalizado Proporciona Estabilidade Integração da Horizon no 3T07: Nova Plataforma de Crescimento com Plano de Investimentos Agressivo CMECs Implementados desde 1 de Julho: Provável Securitização nos Próximos Trimestres Venda de 25% da REN: Conclusão da Operação no 4T07 Manutenção de Crescimento de EBITDA orgânico acima do Sector 29

31 Agenda Estratégica Contratação para 2008: Manutenção do Enfoque na Rentabilidade e nos Clientes Estratégia de Fornecimento de Gás: Crescimento Baseado na Flexibilidade dos Contratos de Fornecimento a Baixo Custo Energia Eólica: Enfoque no Cumprimento do Pipeline Anunciado para a Europa e EUA Concretização do desenvolvimento dos projectos Hídricos em Portugal e no Brasil Manter um Perfil de Investimento de Elevado Crescimento com Baixo Risco 30

32 Conclusões Boa Performance em Condições de Mercado Adversas: EBITDA +27%; Resultado Líquido +13% Turnaround das Actividades em Mercado: Enfoque no Retorno e nos Clientes Hedging baseado num portfolio de geração eficiente e numa forte plataforma comercial Plano de Investimentos em Curso: Capacidade Eólica (Europe + US) e Hídrica (Portugal + Brasil) Eficiente e em produção sem emissão de CO2 com baixo risco e rentabilidades atractivas Esforço continuo na melhoria da eficiência: Plano de Investimento em Curso Base de Activos de Baixo Risco: Regulados & Actividade Contratada de LP: 85% do EBITDA Em Linha para Cumprimento do Plano de Negócios Taxa Crescimento Média Anual EBITDA > 13% Taxa Crescimento Média Anual Resultado Líquido por Acção > 14% 31

33 sinta a nossa energia 32

& ' & )*( " # $%# Status. Eficiência superior. Crescimento orientado. Risco controlado

& ' & )*(  # $%# Status. Eficiência superior. Crescimento orientado. Risco controlado ! 0 " # $%# & ' ( & )*( + % +,# #! Status Risco controlado 1. Gestão activa dos desafios regulatórios para sustentar o baixo perfil de risco 2. Desenvolver uma estratégia de comercialização lucrativa como

Leia mais

O Valor dos Activos Hídricos

O Valor dos Activos Hídricos edp sinta a nossa energia O Valor dos Activos Hídricos António Castro, Administrador de Desenvolvimento de Projectos, EDP Produção O Valor da Energia Hídrica Produção flexível da Hídrica permite obter

Leia mais

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL 1ª Conferência Luso-Espanhola de Direito da Concorrência Lisboa, 01 e 02 de Julho de 2010 O Grupo EDP tem presença significativa no mundo E.U.A Capacidade

Leia mais

informação financeira

informação financeira RELATóRIO e CONTAS 2009 informação financeira 142 ANÁLISE FINANCEIRA 148 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS e NOTAS 140 141 RELATóRIO E CONTAS 2009 análise financeira i. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCiOS DO GRUPO EDP Em 2009,

Leia mais

Resultados 1T2007. Lisboa, 3 de Maio de 2007. Direcção de Relações com Investidores. Miguel Viana, Director Elisabete Ferreira Ricardo Farinha

Resultados 1T2007. Lisboa, 3 de Maio de 2007. Direcção de Relações com Investidores. Miguel Viana, Director Elisabete Ferreira Ricardo Farinha Resultados Direcção de Relações com Investidores Miguel Viana, Director Elisabete Ferreira Ricardo Farinha Tel: +351 21 001 2834 Fax: +351 21 001 2899 Email: ir@edp.pt Site: www.edp.pt Reuters: Bloomberg:

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

Seminário Mercado Liberalizado de Energia

Seminário Mercado Liberalizado de Energia Seminário Mercado Liberalizado de Energia A EDP Comercial no Mercado Liberalizado Carlos Neto Lisboa, 26 de Outubro de 2012 As cadeias de valor da electricidade e do gás têm grandes semelhanças A convergência

Leia mais

Perspectiva dos Operadores

Perspectiva dos Operadores OS NOVOS DESAFIOS DO MIBEL Perspectiva dos Operadores Rui Cartaxo 1 de Junho de 2010 Rede Eléctrica Nacional, S.A. A especialização geográfica dos perfis de produção faz sentido mas implica mais e melhores

Leia mais

Tereos Internacional Resultados do Primeiro Trimestre 2014/15

Tereos Internacional Resultados do Primeiro Trimestre 2014/15 Tereos Internacional Resultados do Primeiro Trimestre 20 São Paulo 12 de agosto de 2014 Principais Iniciativas e Destaques do Operacional 2 Cana-de-açúcar Brasil: Aumento dos benefícios do programa Guarani

Leia mais

O preço das Renováveis

O preço das Renováveis O preço das Renováveis Comissão de Especialização em Engenharia da OE Ciclo de encontros sobre o preço da energia Lisboa, 17 de Fevereiro de 2011 Pedro Neves Ferreira Director de Planeamento Energético

Leia mais

Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008

Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008 Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008 0 Índice I Introdução II Internacionalização III Estratégia em Portugal 1 I Introdução

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 19 de Março de 2015 1 Destaques No ano de, o Resultado líquido atingiu 112,8M, menos 7,0% do que em igual período de (-8,5M ), tendo sido penalizado pela contribuição

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Resultados 1T11. 4 de Maio de 2011. www.edprenovaveis.com

Resultados 1T11. 4 de Maio de 2011. www.edprenovaveis.com Resultados 1T11 4 de Maio de 2011 www.edprenovaveis.com Agenda I Destaques do 1T11 II Performance Operacional e Financeira do 1T11 III Perspectivas e Conclusão Destaques do 1T11 Elevada performance operacional

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

2013 1. Produção Contratada de Longo Prazo no Mercado Ibérico - 11-2. Actividades Liberalizadas no Mercado Ibérico - 12 -

2013 1. Produção Contratada de Longo Prazo no Mercado Ibérico - 11-2. Actividades Liberalizadas no Mercado Ibérico - 12 - Conteúdo Destaques.... Performance Financeira Consolidada 3 Resultados abaixo do 4 Investimento Operacional... 5 Cash Flow 6 Demonstração da Posição Financeira Consolidada 7 Dívida Líquida 8 Áreas de Negócio

Leia mais

Evolução do lucro líquido (em milhões de reais) - jan fev mar abr mai jun jul ago set

Evolução do lucro líquido (em milhões de reais) - jan fev mar abr mai jun jul ago set DISCUSSÃO E ANÁLISE PELA ADMINISTRAÇÃO DO RESULTADO NÃO CONSOLIDADO DAS OPERACÕES: PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2001 COMPARATIVO AO PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2000 (em milhões de reais, exceto

Leia mais

EDP Renováveis Resultados 2013

EDP Renováveis Resultados 2013 EDP Renováveis Resultados 2013 26 de Fevereiro de 2014 14:00 GMT 15:00 CET www.edpr.com 1 Disclaimer Esta apresentação foi preparada pela EDP Renováveis, S.A. (a Sociedade ) apenas para ser utilizada na

Leia mais

EDP Renováveis Resultados do 1º Semestre 2013

EDP Renováveis Resultados do 1º Semestre 2013 EDP Renováveis Resultados do 1º Semestre 2013 24 de Julho de 2013 14:00 GMT 15:00 CET www.edpr.com 1 Disclaimer Esta apresentação foi preparada pela EDP Renováveis, S.A. (a Sociedade ) apenas para ser

Leia mais

1T15. Resultados. Conteúdo. Destaques... Performance Financeira Consolidada

1T15. Resultados. Conteúdo. Destaques... Performance Financeira Consolidada Conteúdo Destaques.... Performance Financeira Consolidada 3 Resultados abaixo do 4 Investimento Operacional e Financeiro 5 Cash Flow Demonstração da Posição Financeira Consolidada Dívida Líquida Áreas

Leia mais

Resultados. Conteúdo. Destaques... Performance Financeira Consolidada. Resultados abaixo do EBITDA - 4 - Investimento Operacional e Financeiro - 5 -

Resultados. Conteúdo. Destaques... Performance Financeira Consolidada. Resultados abaixo do EBITDA - 4 - Investimento Operacional e Financeiro - 5 - Conteúdo Destaques.... 2 Performance Financeira Consolidada 3 Resultados abaixo do 4 Investimento Operacional e Financeiro 5 Cash Flow Demonstração da Posição Financeira Consolidada Dívida Líquida Áreas

Leia mais

RESULTADOS PRIMEIRO TRIMESTRE 2015

RESULTADOS PRIMEIRO TRIMESTRE 2015 1 27 Abril, 2015 RESULTADOS PRIMEIRO TRIMESTRE 2015 Operador integrado de energia focado na exploração e produção DISCLAIMER 2 Esta apresentação contém declarações prospetivas ( forward looking statements

Leia mais

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição A edp em várias geografias Situação Portuguesa As metas da renovável A edp A produção em regime especial O Operador da Rede de Distribuição e a

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO Estratégia para o Crescimento Verde A ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL António Sá da Costa 22 de Janeiro de 2015 ÍNDICE 1. A ENERGIA EM PORTUGAL 2. CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadora Capital Social: 169.764.398 Euros sob o número único de matrícula e de pessoa colectiva 503 219 886 COMUNICADO

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

3T12 TRADING UPDATE 0

3T12 TRADING UPDATE 0 TRADING UPDATE Lisboa, 8 novembro 2012 0 Aviso importante O presente comunicado contém objetivos acerca de eventos futuros, de acordo com o U.S. Private Securities Litigation Reform Act de 1995. Tais objetivos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T 2015. 11 de Maio de 2015

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T 2015. 11 de Maio de 2015 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T 2015 11 de Maio de 2015 1 Destaques O EBITDA totalizou 138,3M, um crescimento de 9,4% (11,8M ) versus. Este indicador beneficiou da venda da participação da REN na Enagás

Leia mais

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Maia - Portugal, 5 de Março de 2015 Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Resultado Direto atinge 52,7 milhões EBIT de 106,1 milhões Resultado Indireto atinge 43,6 milhões Dois

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

Resultados. Direcção de Relação com Investidores. Miguel Viana, Director Sónia Pimpão Elisabete Ferreira Ricardo Farinha Pedro Coelhas Noélia Rocha

Resultados. Direcção de Relação com Investidores. Miguel Viana, Director Sónia Pimpão Elisabete Ferreira Ricardo Farinha Pedro Coelhas Noélia Rocha Resultados Direcção de Relação com Investidores Miguel Viana, Director Sónia Pimpão Elisabete Ferreira Ricardo Farinha Pedro Coelhas Noélia Rocha Tel: +351 21 001 2834 Email: ir@edp.pt Site: www.edp.pt

Leia mais

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia Aplicação da Directiva 2009/28/CE Apresentação das previsões da APREN desenvolvidas no âmbito do Projecto Europeu REPAP 2020 63% 31% 85% Enquadramento

Leia mais

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Carlos Firme 07 de Julho de 2010 Índice 1. A Biomassa no Contexto das Energias Renováveis 2. A Emergência de um novo tipo de investidor 3. Os Economics

Leia mais

9M14 1. Produção Contratada de Longo Prazo no Mercado Ibérico - 11 - Resultados. Conteúdo. Destaques... Performance Financeira Consolidada

9M14 1. Produção Contratada de Longo Prazo no Mercado Ibérico - 11 - Resultados. Conteúdo. Destaques... Performance Financeira Consolidada Conteúdo Destaques.... Performance Financeira Consolidada 2 3 Cash Flow Demonstração da Posição Financeira Consolidada 7 Dívida Líquida Áreas de Negócio Enquadramento: Mercado Ibérico de Electricidade

Leia mais

EDP Renováveis Resultados 1S15

EDP Renováveis Resultados 1S15 EDP Renováveis Resultados 1S15 29 de Julho de 2015 15:00 CET 14:00 UK/Lisbon www.edpr.com Disclaimer Esta apresentação foi preparada pela EDP Renováveis, S.A. (a Sociedade ) apenas para ser utilizada na

Leia mais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais Eficiência e Inovação no sector da energia Jorge Cruz Morais Paradigma do século XX Energia abundante Energia barata factores da alteração Preço dos combustíveis fósseis Aumento da Procura Emissões de

Leia mais

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 1 INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 3. PRIORIDADES ESTRATÉGICAS 3.1 Concretizar o Potencial da Biedronka 3.2 Assegurar o Crescimento de Longo Prazo 1. THE GROUP TODAY 4. EXPLORAR TODO O POTENCIAL

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

Earnings Release. Press Release. Resultados anuais 2012. 28 de fevereiro de 2013

Earnings Release. Press Release. Resultados anuais 2012. 28 de fevereiro de 2013 2009 Earnings Release Resultados anuais 2012 Press Release 28 de fevereiro de 2013 01 Comunicado Lisboa, Portugal, 28 de fevereiro de 2013 A Portugal Telecom é um operador geograficamente diversificado,

Leia mais

III Conferência Anual da RELOP

III Conferência Anual da RELOP Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade III Conferência Anual da RELOP Rio de Janeiro 4 Novembro 2010 Vítor Santos Agenda 1. A Política Energética Europeia e Nacional 2. Remuneração e alocação

Leia mais

O contributo da EDP para o reforço da produção energética nacional com origem renovável: O Investimento em Hidroelectricidade

O contributo da EDP para o reforço da produção energética nacional com origem renovável: O Investimento em Hidroelectricidade O contributo da EDP para o reforço da produção energética nacional com origem renovável: O Investimento em Hidroelectricidade Apresentação no Seminário FEPAC Lisboa, 4 de Abril de 2013 Principais mensagens

Leia mais

Assembleia Geral de Accionistas EDP 2010

Assembleia Geral de Accionistas EDP 2010 Assembleia Geral de Accionistas EDP 2010 António Mexia Presidente do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 16 de Abril de 2010 EDP: Uma visão global, integrada e sustentável #1 hídrica na Europa

Leia mais

DISCLAIMER. Aviso Legal

DISCLAIMER. Aviso Legal ANÁLISE FINANCEIRA DISCLAIMER Aviso Legal Esta apresentação inclui afirmações que não se referem a factos passados e que se referem ao futuro e que envolvem riscos e incertezas que podem levar a que os

Leia mais

RESULTADOS 2T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 26 de julho de 2011

RESULTADOS 2T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 26 de julho de 2011 RESULTADOS 2T11 Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades 26 de julho de 2011 DESTAQUES DO 2T11 Impacto macroeconômico > IPCA 12 meses: +6,7% > Crescimento real GPA Alimentar: +2,3% > Aumento taxa Selic

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS CUSTOS E BENEFÍCIOS DA ELECTRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL

AVALIAÇÃO DOS CUSTOS E BENEFÍCIOS DA ELECTRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL estudo AVALIAÇÃO DOS CUSTOS E BENEFÍCIOS DA ELECTRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL AVALIAÇÃO DOS CUSTOS E BENEFÍCIOS DA ELECTRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL 1 Parceiros a nível internacional Quem somos A Associação

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal

Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal Jorge Esteves, XI Reunião Ibero-Americana de Reguladores de Energia Madrid, 18 de Junho de 2007 Entidade Reguladora dos Serviços

Leia mais

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL CONTRIBUTO PARA DISCUSSÃO 31 de Março de 2011 O presente documento resume as principais conclusões do Estudo O Sector Eléctrico em Portugal Continental elaborado

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T14 8 de maio de 2014

Teleconferência de Resultados 1T14 8 de maio de 2014 Teleconferência de Resultados 8 de maio de 2014 Destaques do Expressivo crescimento em vendas mesmas lojas (25,4%) com rentabilidade Crescimento da receita líquida total: 28,5% versus 1T13 R$2,3 bilhões

Leia mais

EDP. Aquisição de Activos de Gás em Espanha à Gas Natural

EDP. Aquisição de Activos de Gás em Espanha à Gas Natural EDP Aquisição de Activos de Gás em Espanha à Gas Natural 20 de Julho de 2009 0 Resumo da Transacção A Naturgas (detida em 64% pela EDP) assinou um contrato de compra e venda com a Gas Natural para a compra

Leia mais

2002 - Serviços para empresas

2002 - Serviços para empresas 2002 - Serviços para empresas Grupo Telefónica Data. Resultados Consolidados 1 (dados em milhões de euros) Janeiro - Dezembro 2002 2001 % Var. Receita por operações 1.731,4 1.849,7 (6,4) Trabalho para

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 %

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 % DESTAQUES página 3 O total de Proveitos Operacionais foi de 592,9 M, a registar uma subida de 15 % quando comparado com o ano anterior, a refletir um crescimento significativo no volume de negócio das

Leia mais

RESULTADOS ANUAIS 2011

RESULTADOS ANUAIS 2011 RESULTADOS ANUAIS 2011 15 de Fevereiro de 2011 VAA - Vista Alegre Atlantis, SGPS, SA sociedade aberta com sede no Lugar da Vista Alegre em Ílhavo, com o número de contribuinte 500 978 654, matriculada

Leia mais

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro Projecto HidroValor Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro 11 Agradecimentos Os autores do presente estudo, querem

Leia mais

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Receitas consolidadas de 62,6 M, uma subida de 10,8% no 3º trimestre, sendo de referir:

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T15. 31 de julho de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2T15. 31 de julho de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2T15 31 de julho de 2015 Magazine Luiza Destaques do 2T15 Vendas E-commerce Ganho consistente de participação de mercado Redução na receita líquida de 10,1% para R$2,1 bilhões

Leia mais

SONAECOM RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2007 JANEIRO - MARÇO

SONAECOM RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2007 JANEIRO - MARÇO SONAECOM RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2007 JANEIRO - MARÇO Índice 1. Mensagem de Paulo Azevedo, CEO da Sonaecom...2 2. Principais indicadores...4 3. Resultados consolidados...5 3.1. Demonstração de resultados

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

ELECTRICIDADE E SUSTENTABILIDADE O caso das renováveis Intermitentes

ELECTRICIDADE E SUSTENTABILIDADE O caso das renováveis Intermitentes ELECTRICIDADE E SUSTENTABILIDADE LUIS MIRA AMARAL Engenheiro (IST) e Economista (Msc NOVASBE) ORDEM DOS ENGENHEIROS 21 de Setembro de 2015 1 I - O MONSTRO ELECTRICO PORTUGUÊS: EÓLICAS, BARRAGENS, CENTRAIS

Leia mais

Mercados & Reguladores duas faces da mesma moeda Manuel Rosa da Silva Administrador Executivo

Mercados & Reguladores duas faces da mesma moeda Manuel Rosa da Silva Administrador Executivo Financiamento das Telecoms Mercados & Reguladores duas faces da mesma moeda Manuel Rosa da Silva Administrador Executivo III Forum Telecom & Media Diário Económico Lisboa, 22 de Setembro 2004 Agenda Wall

Leia mais

Portugal Enquadramento Económico

Portugal Enquadramento Económico Portugal Enquadramento Económico Fonte: INE PIB e Procura Interna em Volume (Tvh) em % do PIB 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Formação bruta de capital fixo (total economia) FBCF excepto Construção FBCF Construção

Leia mais

Implicações para a Produção Descentralizada de Energia

Implicações para a Produção Descentralizada de Energia Membro nacional da Implicações para a Produção Descentralizada de Energia 31 de Março de 2006 Álvaro Brandão Pinto Vice-Presidente do Conselho Director da COGEN Portugal Índice 1. O Conceito 2. O Comércio

Leia mais

Sonae Sierra registou Resultado Líquido de 1,3 milhões no primeiro semestre

Sonae Sierra registou Resultado Líquido de 1,3 milhões no primeiro semestre Maia, 31 de Julho de 2008 Desempenho afectado por desvalorização dos activos ditada pelo mercado Sonae Sierra registou Resultado Líquido de 1,3 milhões no primeiro semestre Rendas cresceram 4,5% numa base

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Rio de Janeiro, 10 de maio de 2013. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Desempenho Operacional LIGHT ENERGIA (GWh) 1T13 1T12 % Venda no Ambiente de Contratação Regulada 263,7 1.052,0-74,9% Venda no

Leia mais

Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português. Proposta de Reorganização

Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português. Proposta de Reorganização Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português Proposta de Reorganização 3 de Abril de 2003 Política Energética Governamental: uma política para o Futuro A reorganização proposta pelo Governo

Leia mais

EDP Renováveis Resultados 9M15

EDP Renováveis Resultados 9M15 EDP Renováveis Resultados 9M15 28 de Outubro de 2015 15:00 CET 14:00 UK/Lisboa www.edpr.com Disclaimer Esta apresentação foi preparada pela EDP Renováveis, S.A. (a Sociedade ) apenas para ser utilizada

Leia mais

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 O CONSUMO MUNDIAL DE ENERGIA CONTINUARÁ A CRESCER, MAS AS POLÍTICAS DE EFICIÊNCIA TERÃO UM FORTE IMPACTO

Leia mais

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS RENOVÁVEIS 2 1. QUEM SOMOS 3 A APREN A APREN - Associação

Leia mais

GERAÇÃO ELÉCTRICA SEGURA E COMPETITIVA Gás Natural e Carvão Limpo

GERAÇÃO ELÉCTRICA SEGURA E COMPETITIVA Gás Natural e Carvão Limpo GERAÇÃO ELÉCTRICA SEGURA E COMPETITIVA Gás Natural e Carvão Limpo 21.Abril.2009 Victor Baptista O Futuro Energético em Portugal Museu da Electricidade - Lisboa «Current global trends in energy supply and

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

Grupo Reditus reforça crescimento em 2008

Grupo Reditus reforça crescimento em 2008 Grupo Reditus reforça crescimento em 2008 Nota Prévia Os resultados reportados oficialmente reflectem a integração do Grupo Tecnidata a 1 de Outubro de 2008, em seguimento da assinatura do contrato de

Leia mais

relatório e contas 2013 1º trimestre

relatório e contas 2013 1º trimestre relatório e contas 2013 1º trimestre índice a edp 04 edp no mundo 05 visão, valores e compromissos 06 reconhecimento 07 objectivos e metas 08 indicadores chave demonstrações financeiras 16 evolução dos

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

Resultados 2014 Fevereiro, 2015

Resultados 2014 Fevereiro, 2015 Resultados Fevereiro, 2015 Destaques do e Afluência na região SE/CO em de 69% da MLT 1 (vs. 102% em ) Hidrologia Nível de reservatórios das usinas da AES Tietê encerraram em 34,7% vs. 51,1% em Rebaixamento

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Avaliação dos custos e dos benefícios da energia eléctrica de origem renovável

Avaliação dos custos e dos benefícios da energia eléctrica de origem renovável Avaliação dos custos e dos benefícios da energia eléctrica de origem renovável Relatório final do estudo Lisboa, Julho de 2011 1 Nota introdutória (1/3) > As opções de política energética de Portugal têm

Leia mais

Resultados 1T15 Maio, 2015

Resultados 1T15 Maio, 2015 Resultados Maio, 2015 Destaques Afluência no SIN no de 62% da MLT 1 (vs. 64% no ) Hidrologia Nível de reservatórios do SIN encerraram em 30,1% vs. 40,5% em Rebaixamento médio do MRE de 20,7% no vs. 3,9%

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2012 13 MARÇO 2013

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2012 13 MARÇO 2013 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2012 13 MARÇO 2013 AGENDA Destaques do ano Desempenho dos negócios e consolidado Desenvolvimentos estratégicos Desafios e prioridades DESTAQUES VOLUME DE NEGÓCIOS: EBITDA RECORRENTE:

Leia mais

Teleconferência de Resultados. 4T12 e 2012

Teleconferência de Resultados. 4T12 e 2012 Teleconferência de Resultados e 2012 28 de fevereiro de 2013 Aviso Legal Algumas das informações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam

Leia mais

O comercializador, agente do novo mercado de energia

O comercializador, agente do novo mercado de energia O comercializador, agente do novo mercado de energia II Seminário Internacional CANA & ENERGIA Antonio Carlos C. Pinhel GCS Energia Riberão Preto, 29 de Agosto de 2002 Grupo Guaraniana Patrimônio líquido

Leia mais

1º Trimestre de 2014. Apresentação de Resultados

1º Trimestre de 2014. Apresentação de Resultados 1º Trimestre de 2014 Apresentação de Resultados Disclaimer Esta apresentação contém declarações prospetivas ( forward looking statements ), no que diz respeito aos resultados das operações e às atividades

Leia mais

Jerónimo Martins, SGPS, S.A. Resultados do Primeiro Trimestre de 2006

Jerónimo Martins, SGPS, S.A. Resultados do Primeiro Trimestre de 2006 Jerónimo Martins, SGPS, S.A. Resultados do Primeiro Trimestre de 2006 1. Sumário Para mais informação contactar: Cláudia Falcão claudia.falcao@jeronimomartins.pt (+351-21 752 61 05) Hugo Fernandes hugo.fernandes@jeronimomartins.pt

Leia mais

Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade

Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade XIV Reunión Anual Iberoamericana de Reguladores de la Energía Salvador - Bahía 28 a 30 de Abril de 2010 Vítor Santos Agenda 1. A Política Energética Europeia

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

O Conselho de Reguladores do MIBEL publica o primeiro estudo descritivo do funcionamento do Mercado Ibérico de Electricidade

O Conselho de Reguladores do MIBEL publica o primeiro estudo descritivo do funcionamento do Mercado Ibérico de Electricidade O Conselho de Reguladores do MIBEL publica o primeiro estudo descritivo do funcionamento do Mercado Ibérico de Electricidade O estudo analisa a evolução do Mercado Ibérico de Electricidade desde a sua

Leia mais

AJUSTAMENTOS REFERENTES A 2007 E 2008 A REPERCUTIR NAS TARIFAS DE 2009

AJUSTAMENTOS REFERENTES A 2007 E 2008 A REPERCUTIR NAS TARIFAS DE 2009 AJUSTAMENTOS REFERENTES A 2007 E 2008 A REPERCUTIR NAS TARIFAS DE 2009 Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

INVESTIMENTOS HÍDRICOS DO GRUPO EDP

INVESTIMENTOS HÍDRICOS DO GRUPO EDP ENCONTRO NACIONAL DO COLÉGIO DE ENGENHARIA CIVIL Desafios da EDP no Desenvolvimento Sustentável do seu Plano de Investimentos em Hidroelectricidade António Ferreira da Costa Administrador da EDP Produção

Leia mais

Resultados de 2014. »» As vendas consolidadas do Grupo VAA cresceram 20,3% face ao ano anterior atingindo os 65,2 milhões de euros;

Resultados de 2014. »» As vendas consolidadas do Grupo VAA cresceram 20,3% face ao ano anterior atingindo os 65,2 milhões de euros; COMUNICADO Ílhavo, 13 de Março de 2015 Destaques Resultados de 2014»» As vendas consolidadas do Grupo VAA cresceram 20,3% face ao ano anterior atingindo os 65,2 milhões de euros;»» EBITDA de 2,3 milhões

Leia mais

Resultados PRIMEIRO SEMESTRE 2010. 30 Julho 2010. Do sucesso para novos desafios

Resultados PRIMEIRO SEMESTRE 2010. 30 Julho 2010. Do sucesso para novos desafios Resultados PRIMEIRO SEMESTRE 2010 30 Julho 2010 Do sucesso para novos desafios Envolvente de mercado Análise financeira Perfil exportador Inovação e partilha do conhecimento 2 Sinais de retoma mostram

Leia mais

Destaques Financeiros e Operacionais Consolidados

Destaques Financeiros e Operacionais Consolidados nte São Paulo, 7 de maio de 2010 A General Shopping Brasil S/A [BM&FBovespa: GSHP3], empresa com expressiva participação no mercado de shoppings centers do Brasil, anuncia hoje seus resultados do primeiro

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER

MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER Braga, 26 de Outubro de 2012 Luis Alexandre Silva Porquê a presença no Mercado Elétrico? Expansão de Negócios Estratégia de diversificação (novos mercados) Crescimento nos

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO E DAS PREVISÕES DAS EMPRESAS REGULADAS

ANÁLISE DO DESEMPENHO E DAS PREVISÕES DAS EMPRESAS REGULADAS ANÁLISE DO DESEMPENHO E DAS PREVISÕES DAS EMPRESAS REGULADAS Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00 Fax: 21 303

Leia mais

Resultados do 1T15 Maio, 2015

Resultados do 1T15 Maio, 2015 Resultados do Maio, 2015 Destaques Operacional e Qualidade do Serviço Redução de 0,83 p.p. nas perdas totais no vs., totalizando 9,3% FEC de 3,21 vezes, 26,5% menor do que no ; DEC de 9,08 horas, 7,8%

Leia mais

Resultados. 2T14 Junho, 2014

Resultados. 2T14 Junho, 2014 Resultados Junho, 2014 Destaques Operacional & Comercial Rebaixamento da garantia física de 6,2%, em linha com as projeções da Companhia Comercialização de ~100 MWm com prazo e preço médios de 4,5 anos

Leia mais

Resultados Líquidos melhoram 94%

Resultados Líquidos melhoram 94% INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade aberta ) Sede: Rua do Salitre, 142, 1269 064 Lisboa Capital Social: 150 000 000 Euros Matrícula n.º 500 137 994 (anteriormente n.º 36 338) da

Leia mais