Mercado Liberalizado de Energia

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mercado Liberalizado de Energia"

Transcrição

1 Mercado Liberalizado de Energia BRAGA - 26/10/2012 1

2 ÍNDICE 1. PRESENÇA GLOBAL 2. NEGÓCIO LIBERALIZADO 3. IBERDROLA EM PORTUGAL 4. MERCADO LIVRE 5. CONTRATAÇÃO PÚBLICA 2

3 PRESENÇA GLOBAL 3

4 A IBERDROLA é hoje uma das maiores companhias elétricas do mundo, com atividades em mais de 40 países de quatro continentes Negócio Liberalizado Distribuição Iberdrola Renováveis Iberdrola Engenharia e Construção Escritório Central Armazenamento de Gás 4

5 O PROJETO GLOBAL A inovação, a sustentabilidade e o desenvolvimento de projetos, que favorecem o crescimento económico, constituem os princípios com que a IBERDROLA abordou o seu forte crescimento internacional nos últimos anos. Um processo que recebeu um decisivo impulso em 2007 com a integração da ScottishPower, seguida da integração da Energy East em 2008 (hoje IBERDROLA USA) e que teve o seu último marco em 2011 com a incorporação da distribuidora brasileira Elektro. Uma equipa de cerca de profissionais, empregos diretos gerados e prestam serviço a mais de 30 milhões de clientes de eletricidade e gás. Contribuição do setor eléctrico europeu % PIB UE Investimento Emprego 5% M

6 A APOSTA NAS RENOVÁVEIS Nos primeiros meses de 2012, dos MW de potência instalada a IBERDROLA superou os MW de potência instalada em renováveis, consolidando a liderança mundial em energias limpas. A IBERDROLA é também líder no sector eólico em Espanha e Reino Unido, ocupa a segunda posição nos Estados Unidos da América e tem instalações em Portugal, no Brasil, México, Alemanha, Itália, França e em vários países da Europa de Leste. Com este parque de geração renovável, a IBERDROLA poderá fornecer mais de sete milhões de habitantes e evitar a emissão para a atmosfera de mais de 25 milhões de toneladas de CO2. IBERDROLA aposta na promoção da energia eólica marinha (I&D) como uma das bases do seu crescimento futuro e persegue a liderança do desenvolvimento desta tecnologia, a que se considera a segunda revolução das energias renováveis. 6

7 Maior diversificação do parque de geração e incremento da produção de energia através de fontes renováveis Capacidade Instalada (MW) ,7% 10,2 Capacidade Instalada por Tecnologias 2,5 7,3 0,4 Ciclo Combinado 28,7 Renováveis Hidorelétrica Térmica Carvão Capacidade Eólica (MW) ,4% ,2 29,7 Nuclear Cogeração Térmica Fuel Produção (GWh) Capacidade Instalada por Tecnologias Produção Eólica (GWh) ,5% ,9 16,7 12,2 3,6 19,9 38,7 Ciclo Combinado Renováveis Hidorelétrica Térmica Carvão Nuclear Cogeração ,8%

8 NEGÓCIO LIBERALIZADO 8

9 EXPERIÊNCIA GLOBAL 9

10 NEGÓCIO LIBERALIZADO FINAL DE 2011 A produção superou os GWh As vendas ultrapassaram os GWh em eletricidade e gás Mais de 19 milhões de clientes EXPERIÊNCIA EM MERCADOS INTERNACIONAIS GWh negociados nos mercados maioristas europeus Presença nos mercados de 15 países (Espanha, Portugal, França, Alemanha, Itália, Holanda, Bélgica, Áustria, Suiça, Reino Unido, Grécia, Polónia, República Checa, Hungria e Roménia) 10

11 IBERDROLA EM PORTUGAL 11

12 IBERDROLA EM PORTUGAL A IBERDROLA opera em Portugal para fazer do seu compromisso ético e do respeito pelo meio ambiente, as bases para a confiança de todas as pessoas e dos diferentes grupos com os quais se relaciona. Para além da atividade de comercialização de eletricidade e gás, a IBERDROLA integra um forte programa de investimentos. 12

13 ÁREAS DE NEGÓCIO COMERCIALIZAÇÃO ELETRICIDADE E GÁS Presença no mercado desde clientes empresariais, administração pública e residenciais GWh de energia vendida em 2011 PRODUÇÃO ELÉTRICA Complexo Hidroelétrico do Alto Tâmega Parques Eólicos Central de Ciclo Combinado da Figueira da Foz EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Energia Verde Plano de Promoção da Eficiência no Consumo (PPEC) RESPONSABILIDADE SOCIAL Plano de Restauro do Românico Atlântico. 13

14 COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA GRANDES CLIENTES PME S CASA IBERDROLA ADMIN. PÚBLICA Cuidamos do seu negócio, antecipamonos às suas necessidades propondo-lhe as melhores soluções, graças à nossa ampla gama de produtos e serviços. Desfrute da energia, eletricidade e gás, que mais se adapta à sua empresa. A melhor proposta do mercado para o fornecimento de eletricidade a consumidores em baixa tensão normal. Acordo Quadro com a ANCP para fornecimento de energia elétrica no âmbito do mercado livre. 14

15 GRANDES CLIENTES ATENDIMENTO PERSONALIZADO ESCRITÓRIO ONLINE O GESTOR COMO UM CONSULTOR PROPOSTAS À MEDIDA DAS NECESSIDADES DO CLIENTE 15

16 PROJECTO ALTO TÂMEGA NMN 322 NMN 450 GOUVÃES 880 MW GWh 4 grupos reversibles NMN 231 NMN 890 Río Torno DAIVÕES 114 MW 159 GWh 2 grupos ALTO TÂMEGA 160 MW 139 GWh 2 grupos Río Tâmega Investimento M Prémio inicial 303,73 M Potência Total MW Produção Anual GWh 16

17 PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO IBERDROLA - ERSE PPEC PROJECTOS APROVADOS PELA ERSE EMPRESAS E PARTICULARES DISTRIBUIDOS POR TODO PAÍS MWh/ANO POUPADOS TON CO2/ANO POUPADOS

18 MERCADO LIBERALIZADO 18

19 MERCADO LIBERALIZADO 57% O consumo de energia elétrica no mercado liberalizado atingiu 57% do consumo total em setembro, tendo o número de clientes subido 8,9%, face a agosto, para , registando-se no último trimestre uma aceleração das migrações para o regime de mercado. Fonte: ERSE 23% Cota IBERDROLA no Mercado Liberalizado em setembro de

20 PREÇO DE ELETRICIDADE Mercado Regulado O preço da energia e das tarifas de acesso é definido pela ERSE e publicado trimestral/anualmente Desvios na previsão do preço da energia para o trimestre/ano seguinte são compensados nas tarifas de acesso do ano seguinte Mercado Liberalizado O preço da energia é negociado diariamente através do mercado diário (OMIE), do mercado de futuros (OMIP) ou de contratos bilaterais. O preço da energia apresentado ao cliente tem em conta a evolução destas transações diárias. Desvios no preço da energia acordado com um cliente são assumidos pelo comercializador. 20

21 jul-09 sep-09 nov-09 ene-10 mar-10 may-10 jul-10 sep-10 nov-10 ene-11 mar-11 may-11 jul-11 sep-11 nov-11 ene-12 mar-12 may-12 jul-12 sep-12 /MWh /MWh HISTÓRICO DE PREÇOS OMIE ANUAL OMIE MENSAL OMIE DIÁRIO OPERADOR MERCADO IBÉRICO PÓLO ESPANHOL (OMIE) 21

22 CONTRATAÇÃO PÚBLICA 22

23 CONTRATAÇÃO PÚBLICA LIMITAÇÕES DOS CONCURSOS PÚBLICOS Manutenção da proposta por um período entre 66 e 120 dias Indefinição relativamente à data de início de fornecimento Prestação de Garantia Bancária por parte do Comercializador Prazo de pagamento superior a 30 dias Custos com caderno de encargos Pedidos de preços para 3 anos SUGESTÕES IBERDROLA O CCP deveria ter em atenção as particularidades dos produtos eletricidade e gás Agilizar processos de publicação de relatórios preliminar e final Eliminar o pedido de prestação de garantia Prazo de pagamento máximo de 30 dias Distinção entre Comercializador e Distribuidor nos cadernos de encargos Prazo de entrega das propostas seja no mínimo de 15 dias 23

24 IBERDROLA GENERACIÓN PORTUGAL Avenida Boavista 1837,2ºAndar, Sala 2.3 (Edifício Burgo) Porto Portugal Tel : Av. da Liberdade, n.º 180A, 7º (Edif. Tivoli Forum) Lisboa Portugal Tel :

Estratégia Empresarial do Grupo Iberdrola

Estratégia Empresarial do Grupo Iberdrola Estratégia Empresarial do Grupo Iberdrola Presentación Plan Estratégico 2008-2010 Plano Estratégico 2008 2010 Joaquim Pina Moura Madrid, 24 de octubre de 2007 Conferência ERSE Regulação de Energia nos

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal Agosto de 218 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL Destaques do Setor Elétrico de Portugal Em termos acumulados, desde o início do ano as energias renováveis

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal Novembro de 217 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL Até ao final de novembro o preço da eletricidade no mercado grossista do MIBEL cifrouse

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal 1º Semestre de 218 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL Destaques do Setor Elétrico no 1º Semestre de 218 As energias renováveis representaram

Leia mais

Relatório de preços 2016

Relatório de preços 2016 Relatório de preços 216 Relatório de preços 216 Indice 1 MIBEL: Energia, volume econômico e tecnologias pag. 2 2 Mercado Diário pag. 7 3 Mercado Intradiário pag. 12 4 Liquidação do Mercado Diário e Intradiário

Leia mais

MIBEL ASPECTOS DE GOVERNAÇÃO E HARMONIZAÇÃO REGULATÓRIA

MIBEL ASPECTOS DE GOVERNAÇÃO E HARMONIZAÇÃO REGULATÓRIA MIBEL ASPECTOS DE GOVERNAÇÃO E HARMONIZAÇÃO REGULATÓRIA XV REUNION ANUAL IBEROAMERICANA DE REGULADORES DE LA ENERGIA Santo Domingo, República Dominicana 6-8 Abril de 2011 Hermínio Moreira AGENDA 1. Conselho

Leia mais

Energia nuclear no mercado de eletricidade

Energia nuclear no mercado de eletricidade Energia nuclear no mercado de eletricidade Audição Parlamentar Comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação da Assembleia da República 1 março 2017 Agenda

Leia mais

Eletricidade e Energias Renováveis em Portugal

Eletricidade e Energias Renováveis em Portugal Eletricidade e Energias Renováveis em Portugal VII Conferência Anual da RELOP Cabo Verde 4 de setembro de 2014 Alexandre Silva Santos Agenda 1. A evolução recente das energias renováveis no setor elétrico

Leia mais

O FUTURO DOS APROVEITAMENTOS

O FUTURO DOS APROVEITAMENTOS O FUTURO DOS APROVEITAMENTOS HIDROELÉTRICOS ANTÓNIO SÁ DA COSTA BARREIRO, 22 DE MARÇO DE 2017 ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL Consumo 1988 21 TWh Renovável 50 % Potência Renovável Instalada Grande Hídrica

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ELETRICIDADE RENOVÁVEL

CONTRIBUIÇÃO DA ELETRICIDADE RENOVÁVEL CONTRIBUIÇÃO DA ELETRICIDADE RENOVÁVEL PARA A DESCARBONIZAÇÃO DA ECONOMIA ANTÓNIO SÁ DA COSTA LISBOA, 17 DE MARÇO DE 2017 EVOLUÇÃO DO SETOR ELETROPRODUTOR PORTUGUÊS 2 EVOLUÇÃO DO MIX DE PRODUÇÃO ELÉTRICO

Leia mais

A EDP, através da NEO Nuevas Energías del Occidente, SL ( NEO ), adquiriu hoje a Relax Wind Parks, um conjunto de projectos para o desenvolvimento de

A EDP, através da NEO Nuevas Energías del Occidente, SL ( NEO ), adquiriu hoje a Relax Wind Parks, um conjunto de projectos para o desenvolvimento de ! %! &' ( "##$ %&' (%&' A EDP, através da NEO Nuevas Energías del Occidente, SL ( NEO ), adquiriu hoje a Relax Wind Parks, um conjunto de projectos para o desenvolvimento de parques eólicos na Polónia

Leia mais

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva Energia Eólica Elbia Melo Presidente Executiva 05/08/2013 Energia Eólica no Mundo Grande Porte 2 Ranking 1 China 75,56 2 EUA 60,01 3 Alemanha 31,33 4 Espanha 22,80 5 Índia 18,42 6 Reino Unido 8,45 7 Itália

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal Abril de 217 [GW] ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O passado mês de abril apresentou temperaturas elevadas e uma fraca pluviosidade, em

Leia mais

DADOS IBÉRICOS DADOS IBÉRICOS

DADOS IBÉRICOS DADOS IBÉRICOS DADOS IBÉRICOS DADOS IBÉRICOS BALANÇO ENERGÉTICO ktep 1 16 1 16 Consumo de Energia Primária 22 6 21 684-2% 122 236 123 242 1% Petróleo 9 447 9 17-3% 2 434 4 633 4% Carvão 3 29 2 848-13% 13 686 442-24%

Leia mais

A Regulação do Sector Energético

A Regulação do Sector Energético A Regulação do Sector Energético Apresentação realizada na FEUC Vítor Santos 25 de Maio de 2012 Agenda 1. Dimensões estratégicas da liberalização do setor energético 2. Liberalização do sector Energético

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL MIBEL. Agosto de 2007

RELATÓRIO MENSAL MIBEL. Agosto de 2007 RELATÓRIO MENSAL MIBEL Agosto de 27 16 Outubro 27 INDICE 1. Sumário Executivo 2. Incidentes e factos relevantes do MIBEL 3. Mercado a prazo 3.1. Estatística Mensal Global 3.2. Open Interest e Settlement

Leia mais

A I M P O R T Â N C I A D A B I O M A S S A. Dia Internacional das Florestas - A Importância da Biomassa no Mix Energético Nacional -

A I M P O R T Â N C I A D A B I O M A S S A. Dia Internacional das Florestas - A Importância da Biomassa no Mix Energético Nacional - A I M P O R T Â N C I A D A B I O M A S S A Dia Internacional das Florestas - A Importância da Biomassa no Mix Energético Nacional - 2018 A I M P O RTÂ N C I A DA B I O M A S S A A G E N D A 1 2 3 CONTEXTO

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal Dezembro de 217 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL Destaques do ano de 217 Um dos quatro anos mais quentes desde 1931. Mais 25 % de emissões

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal 1º Trimestre de 217 [GW] ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O primeiro trimestre de 217 distinguiu-se por uma pluviosidade reduzida e uma

Leia mais

ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL LISBOA, 26 DE SETEMBRO DE 2017

ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL LISBOA, 26 DE SETEMBRO DE 2017 ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL LISBOA, 26 DE SETEMBRO DE 2017 ELETRICIDADE NO MUNDO - 2016 Fonte: REN 21 - Renewables 2017 Global Status Report 2 POTÊNCIA RENOVÁVEL INSTALADA NO MUNDO - 2016 (EXCLUINDO

Leia mais

POTENCIAR AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL RENOVÁVEIS EM MERCADO: REALIDADE OU UTOPIA? LISBOA, 26 DE SETEMBRO DE 2017

POTENCIAR AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL RENOVÁVEIS EM MERCADO: REALIDADE OU UTOPIA? LISBOA, 26 DE SETEMBRO DE 2017 POTENCIAR AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL RENOVÁVEIS EM MERCADO: REALIDADE OU UTOPIA? LISBOA, 26 DE SETEMBRO DE 217 GWh EVOLUÇÃO DO MIX DE PRODUÇÃO ELÉTRICO EM PORTUGAL 5 4 3 2 1 Hídrica Eólica Bioenergia Solar

Leia mais

A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos

A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos Pablo Motta Ribeiro Neoenergia Plácido Nieto Ostos Iberdrola Hugo Nunes Neoenergia José Eduardo Tanure Neoenergia 1 2 Mudança de Paradigma no Brasil

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal Maio de 217 [GW] ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O mês de maio teve uma precipitação regular e apresentou temperaturas muito altas, em

Leia mais

FONTES ENERGÉTICAS. Prof. Dr. Adilson Soares Site:

FONTES ENERGÉTICAS. Prof. Dr. Adilson Soares   Site: FONTES ENERGÉTICAS Prof. Dr. Adilson Soares E-mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.wiki.br MATRIZ ENERGÉTICA Brasil e mundo Matriz Energética - Glossário Matriz Energética: Demanda total

Leia mais

Sumário POLÍTICA ENERGÉTICA DE CABO VERDE... 2 PRODUTORES DE ENERGIA... 3 TARIFAS DE ENERGIA EM VIGOR... 5 ELECTRICIDADE ENTREGUE À REDE...

Sumário POLÍTICA ENERGÉTICA DE CABO VERDE... 2 PRODUTORES DE ENERGIA... 3 TARIFAS DE ENERGIA EM VIGOR... 5 ELECTRICIDADE ENTREGUE À REDE... Sumário POLÍTICA ENERGÉTICA DE CABO VERDE... 2 PRODUTORES DE ENERGIA... 3 TARIFAS DE ENERGIA EM VIGOR... 5 ELECTRICIDADE ENTREGUE À REDE... 6 1 1. POLÍTICA ENERGÉTICA DE CABO VERDE A política energética

Leia mais

Laboratório de Eficiência Energética Universidade Federal de Juiz de Fora

Laboratório de Eficiência Energética Universidade Federal de Juiz de Fora Combate ao Desperdício de Energia Elétrica Laboratório de Eficiência Energética Universidade Federal de Juiz de Fora Energia - É a capacidade de realizar trabalho. aquilo que permite a mudança a na configuração

Leia mais

A importância da descentralização da produção de energia elétrica no âmbito da descarbonização da economia.

A importância da descentralização da produção de energia elétrica no âmbito da descarbonização da economia. A importância da descentralização da produção de energia elétrica no âmbito da descarbonização da economia. Raul Cunha dst Solar OERN Evolução da Potência Renovável Instalada em Portugal Produção de Energia

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil

Seminário Internacional Portugal Brasil Seminário Internacional Portugal Brasil Diversidades e Estratégias do Sector Eléctrico A Energia Hidroeléctrica no Actual Contexto do Mercado Ana Cristina Nunes Universidade do Minho Guimarães, 17 de Fevereiro

Leia mais

Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade. Mário Guedes 14 de Fevereiro de 2018

Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade. Mário Guedes 14 de Fevereiro de 2018 Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade Mário Guedes 14 de Fevereiro de 2018 Evolução de preços de eletricidade (consumidores domésticos) Portugal,

Leia mais

INTERLIGAÇÕES & EXPORTAÇÕES

INTERLIGAÇÕES & EXPORTAÇÕES INTERLIGAÇÕES & EXPORTAÇÕES Compromisso para o Crescimento Verde: Energia 2 Dezembro 2014 0 As metas da UE para 2030 3 objectivos de política energética METAS (%) 2030 UE POLÍTICA ENERGÉTICA DA UE OBJECTIVOS

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal Abril de 218 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL Destaques do Setor Elétrico em Abril de 218 Preço médio da eletricidade no mercado spot do

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal Fevereiro de 218 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL Até ao final de fevereiro a eletricidade de origem em fontes renováveis foi equivalente

Leia mais

Gestão de energia: 2009/2010

Gestão de energia: 2009/2010 Gestão de energia: 2009/2010 Aula # T06 Preços da energia - electricidade Prof. Miguel Águas miguel.aguas@ist.utl.pt Caracterização da produção eléctrica nacional DESAGREGAÇÃO POR TECNOLOGIA (2006) Tipo

Leia mais

Álvaro Rodrigues. Mai11 AR

Álvaro Rodrigues. Mai11 AR A Valorização do Território e as Energias Renováveis Guarda Maio de 2011 Energia Eólica Álvaro Rodrigues Energia e desenvolvimento (clima, território, etc.) Cultura energética dominante o petróleo e os

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Novembro 2016

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Novembro 2016 BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Novembro 2016 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O outono de 2016 tem-se caracterizado por temperaturas ligeiramente acima da média e uma produtibilidade

Leia mais

VI Conferência Anual da RELOP

VI Conferência Anual da RELOP VI Conferência Anual da RELOP Novos Desafios para a Regulação do Setor Energético Vitor Santos, Presidente da ERSE Luanda, 30 de Maio de 2013 Agenda 1. Dimensões estratégicas da liberalização do sector

Leia mais

Audiçao Pública. Revisão dos Regulamentos do Sector Eléctrico UNION FENOSA. Jorge Martín Alvarez. Lisboa, 20 de Maio de

Audiçao Pública. Revisão dos Regulamentos do Sector Eléctrico UNION FENOSA. Jorge Martín Alvarez. Lisboa, 20 de Maio de UNION FENOSA Audiçao Pública Revisão dos Regulamentos do Sector Eléctrico Jorge Martín Alvarez Lisboa, 20 de Maio de 2.005. XII CURSO SUPERIOR DE NEGOCIO ENERGÉTICO MÓDULO II: NUEVOS MARCOS REGULADORES

Leia mais

CLEAN ENERGY Energia Limpa para todos os Europeus

CLEAN ENERGY Energia Limpa para todos os Europeus CLEAN ENERGY Energia Limpa para todos os Europeus Conferência Descarbonização da Economia Centro de Congressos de Lisboa, 17 Março 2017 Directivas Regulações O pacote Energia Limpa para todos os Europeus

Leia mais

GN 2017/2018 BALANÇO

GN 2017/2018 BALANÇO Balanço do ano Gás GN 2017/2018 BALANÇO O GN tem responsabilidades no bom desempenho económico e ambiental Tipo Utilização 2017 2018 1 O GN em Portugal Produção de eletricidade: Indústria : É fonte de

Leia mais

Relatório Anual de Qualidade de Serviço 2015 / Electricidade

Relatório Anual de Qualidade de Serviço 2015 / Electricidade Relatório Anual de Qualidade de Serviço 2015 / Electricidade Índice A Endesa em Portugal 3 Introdução ao Relatório de Qualidade Comercial 3 Serviço de Atendimento ao Cliente 4 Atendimento Telefónico Comercial

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal Setembro de 218 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL Destaques do Setor Elétrico de Portugal As fontes de energia renovável representaram, em termos acumulados

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal Novembro de 218 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL Destaques do Setor Elétrico de Portugal Até ao final de novembro de 218, as fontes de energia renovável

Leia mais

Regulação, Sustentabilidade e Eficiência Energética. O PPEC (Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica)

Regulação, Sustentabilidade e Eficiência Energética. O PPEC (Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica) Regulação, Sustentabilidade e Eficiência Energética O PPEC (Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica) IV Conferência Anual da RELOP Vitor Santos Brasília, 1 de Julho de 2011 Agenda

Leia mais

URSI 2016 Comunicações críticas na operação da rede elétrica. 18 de Novembro de 2016

URSI 2016 Comunicações críticas na operação da rede elétrica. 18 de Novembro de 2016 URSI 2016 Comunicações críticas na operação da rede elétrica 18 de Novembro de 2016 De uma empresa nacional no setor da energia elétrica, a EDP transformou-se numa empresa global com uma forte presença

Leia mais

A seguir, destacamos os seguintes aspectos da evolução dos mercados do MIBEL no mês de Novembro de 2007:

A seguir, destacamos os seguintes aspectos da evolução dos mercados do MIBEL no mês de Novembro de 2007: 11 de Janeiro de 28 INDICE 1. Sumário Executivo 2. Incidentes e factos relevantes do MIBEL 3. Mercado a prazo 3.1. Estatística Mensal Global 3.2. Open Interest e Settlement Price 3.3. Negociação em Leilões

Leia mais

Com a força dos ventos a gente vai mais longe Seminário Internacional Portugal-Brasil: Diversidades e Estratégias do Setor Elétrico

Com a força dos ventos a gente vai mais longe Seminário Internacional Portugal-Brasil: Diversidades e Estratégias do Setor Elétrico Com a força dos ventos a gente vai mais longe Seminário Internacional Portugal-Brasil: Diversidades e Estratégias do Setor Elétrico 16 e 17 de Fevereiro de 2012 Élbia Melo Presidente Executiva QUEM SOMOS

Leia mais

BALANÇO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS Energia. 22 de junho de 2018

BALANÇO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS Energia. 22 de junho de 2018 BALANÇO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS Energia 22 de junho de 2018 Balanço das Políticas de Energia no âmbito da preparação do PNI 2030 1. Preços da Energia 2. Energia Renováveis 3. Transporte, distribuição e

Leia mais

1 Segurança energética e redução da dependência das importações; 4 Eficiência no fornecimento, distribuição e consumo

1 Segurança energética e redução da dependência das importações; 4 Eficiência no fornecimento, distribuição e consumo 1- POLÍTICA ENERGÉTICA DE CABO VERDE A política energética de Cabo Verde tem por objetivo construir um setor energético seguro, eficiente, sustentável e sem dependência de combustível fóssil. E está assente

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL MIBEL DEZEMBRO DE 2007

RELATÓRIO MENSAL MIBEL DEZEMBRO DE 2007 RELATÓRIO MENSAL MIBEL DEZEMBRO DE 27 COMITÉ TÉCNICO 29 de Janeiro de 28 INDICE 1. Sumário Executivo 2. Incidentes e factos relevantes do MIBEL 3. Mercado a prazo 3.1. Estatística Mensal Global 3.2. Open

Leia mais

A harmonização regulatória do MIBEL e o novo enquadramento europeu (3º Pacote)

A harmonização regulatória do MIBEL e o novo enquadramento europeu (3º Pacote) WORKSHOP ERSE-GESEL INTEGRAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA ELÉCTRICA E FORMAÇÃO DE PREÇOS A harmonização regulatória do MIBEL e o novo enquadramento europeu (3º Pacote) José Afonso 4 de Março de 2011 Índice

Leia mais

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 23.7.2014 COM(2014) 520 final ANNEXES 1 to 3 ANEXOS da COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Eficiência energética e a sua contribuição para a segurança

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Agosto 2016

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Agosto 2016 BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Agosto 2016 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O mês de agosto caracterizou-se por produtibilidade hidroelétrica, que atingiu temperaturas extremamente

Leia mais

Mercado de Biocombustíveis em Portugal. Perspetiva Institucional da APPB

Mercado de Biocombustíveis em Portugal. Perspetiva Institucional da APPB Mercado de Biocombustíveis em Portugal Perspetiva Institucional da APPB Jaime Braga - APPB (Secretário-geral) Lisboa, 14 de Março de 2016 1 A situação atual O Decreto-Lei n.º 117/2010, de 25 de Outubro,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE Alunas: Erika Martins dos Reis 1 Alessandra B. R. de Azevedo Disciplina: Química do Meio Ambiente

Leia mais

Relatório da Qualidade de Serviço 2016 Eletricidade

Relatório da Qualidade de Serviço 2016 Eletricidade Relatório da Qualidade de Serviço 2016 Eletricidade Índice Endesa em Portugal 3 Introdução ao Relatório de Qualidade Comercial 4 Serviço de Atendimento ao Cliente 5 Atendimentos Presenciais 5 Atendimento

Leia mais

estatísticas rápidas Abril 2008

estatísticas rápidas Abril 2008 estatísticas rápidas Abril 28 Nº 38 1/22 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

A AP e as TI Portugal na Europa Os desafios sectoriais da AP Sustentabilidade A AP e o PEC Rumo ao Green Datacenter.

A AP e as TI Portugal na Europa Os desafios sectoriais da AP Sustentabilidade A AP e o PEC Rumo ao Green Datacenter. A AP e as TI Portugal na Europa Os desafios sectoriais da AP Sustentabilidade A AP e o PEC Rumo ao Green Datacenter pedro.magalhaes@apcc.com A AP e as TI Portugal na Europa Disponibilização VS Sofisticação

Leia mais

A INDÚSTRIA DE PASTA E PAPEL E O SEU CONTRIBUTO PARA A BASE DO CONSUMO ELÉTRICO EM PORTUGAL JULHO 2017

A INDÚSTRIA DE PASTA E PAPEL E O SEU CONTRIBUTO PARA A BASE DO CONSUMO ELÉTRICO EM PORTUGAL JULHO 2017 A INDÚSTRIA DE PASTA E PAPEL E O SEU CONTRIBUTO PARA A BASE DO CONSUMO ELÉTRICO EM PORTUGAL JULHO 2017 A INDÚSTRIA DE PASTA E PAPEL E O SEU CONTRIBUTO PARA A BASE DO CONSUMO ELÉTRICO EM PORTUGAL A NAVIGATOR

Leia mais

O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos

O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos João Torres EDP Distribuição Coimbra, 8 de Setembro de 2011

Leia mais

Estratégias de Crescimento e Internacionalização no cluster Habitat. AICCOPN Associação dos Industriais de Construção Civil e Obras Públicas

Estratégias de Crescimento e Internacionalização no cluster Habitat. AICCOPN Associação dos Industriais de Construção Civil e Obras Públicas Estratégias de Crescimento e Internacionalização no cluster Habitat AICCOPN Associação dos Industriais de Construção Civil e Obras Públicas 1 Universo de Referência: A Fileira da Construção e do Imobiliário

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA DA INFORMAÇÃO SOBRE PRODUÇÃO EM REGIME ESPECIAL

NOTA EXPLICATIVA DA INFORMAÇÃO SOBRE PRODUÇÃO EM REGIME ESPECIAL NOTA EXPLICATIVA DA INFORMAÇÃO SOBRE PRODUÇÃO EM REGIME ESPECIAL Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

Energia Eólica Setembro 2016

Energia Eólica Setembro 2016 Energia Eólica Setembro 2016 2 3 4 12 ton. / pá BRASIL: 5.432 aerogeradores construídos 5 Associados 6 Panorama do Setor Eólico Trajetória Mundial (Capacidade Instalada Acumulada) --------------------

Leia mais

estatísticas rápidas Agosto/Setembro 2005

estatísticas rápidas Agosto/Setembro 2005 estatísticas rápidas Agosto/Setembro 25 Nº 6/7 1/21 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito

Leia mais

Experiências europeias no uso de energias renováveis e eficiência energética

Experiências europeias no uso de energias renováveis e eficiência energética 23 de novembro de 2016 Sede do Sistema FIRJAN RJ Experiências europeias no uso de energias renováveis e eficiência energética Rodrigo Nogueira - Edp Intercâmbio EDP Brasil EDP Comercial Seminário Técnologias

Leia mais

ENERGIA EÓLICAE. Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de set 07

ENERGIA EÓLICAE. Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de set 07 ENERGIA EÓLICAE Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de 2007 Enquadramento (Convenção Quadro NU Alterações Climáticas) Electricidade Directiva UE para as renováveis Actividade humana Gases c/efeito

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal Maio de 218 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL Destaques do Setor Elétrico em Maio de 218 Entre janeiro e maio de 218 as renováveis representaram

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal Setembro de 217 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL Nos primeiros nove meses de 217, a diminuição da produção de eletricidade renovável fez

Leia mais

Relatório da Qualidade de Serviço 2016 Gás natural

Relatório da Qualidade de Serviço 2016 Gás natural Relatório da Qualidade de Serviço 2016 Gás natural Índice A Endesa em Portugal 3 Introdução ao Relatório de Qualidade Comercial 4 Serviço de Atendimento ao Cliente 5 Atendimentos Presenciais 5 Atendimento

Leia mais

EM PORTUGAL. As Energias do Presente e do Futuro. Situação, objectivo e desafios. Lisboa, 21 de Novembro de Álvaro Rodrigues

EM PORTUGAL. As Energias do Presente e do Futuro. Situação, objectivo e desafios. Lisboa, 21 de Novembro de Álvaro Rodrigues As Energias do Presente e do Futuro Lisboa, 21 de Novembro de 2005 ENERGIA EÓLICA E EM PORTUGAL Situação, objectivo e desafios Álvaro Rodrigues Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Instituto

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL MIBEL. Julho de 2007

RELATÓRIO MENSAL MIBEL. Julho de 2007 RELATÓRI MENSAL MIBEL Julho de 27 21 Setembro 27 INDICE Conselho de Reguladores do MIBEL 21 Setembro 27 1. Sumário Executivo 2. Incidentes e factos relevantes do MIBEL 3. Mercado a prazo 3.1. Estatística

Leia mais

TARIFAS DE ENERGIA ELÉCTRICA PARA 2008

TARIFAS DE ENERGIA ELÉCTRICA PARA 2008 TARIFAS DE ENERGIA ELÉCTRICA PARA 2008 12 de Dezembro de 2007 1 Agenda 1. Qual é o enquadramento legal que condiciona a fixação das tarifas para 2008? 2. O que mudou no sector eléctrico que condiciona

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA DA INFORMAÇÃO SOBRE PRODUÇÃO EM REGIME ESPECIAL

NOTA EXPLICATIVA DA INFORMAÇÃO SOBRE PRODUÇÃO EM REGIME ESPECIAL NOTA EXPLICATIVA DA INFORMAÇÃO SOBRE PRODUÇÃO EM REGIME ESPECIAL Ago 2009 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão da

Leia mais

Portugal e a integração dos Mercados Elétricos europeus

Portugal e a integração dos Mercados Elétricos europeus Portugal e a integração dos Mercados Elétricos europeus Portugal e a integração dos Mercados Elétricos europeus 1. Portugal continental, MIBEL e Mercado Interno de Energia europeu 2. Facetas da construção

Leia mais

Opções de utilização da biomassa florestal

Opções de utilização da biomassa florestal utilização da biomassa florestal no nergético de Luís Manuel de Aguiar Teixeira Orientador: Prof. Vítor Leal nergético de Paradigma energético actual assente essencialmente nas Fontes Fósseis Consumo mundial

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL MIBEL Fevereiro de 2007

RELATÓRIO MENSAL MIBEL Fevereiro de 2007 RELATÓRI MENSAL MIBEL Fevereiro de 27 1. Sumário Executivo Destacam-se os seguintes aspectos na evolução dos mercados do MIBEL no mês de Fevereiro de 27: Negociaram-se 8.478 GWh no mercado diário gerido

Leia mais

» Presença em 14 países e quatro continentes. » 3ª maior empresa de produção de eletricidade no mundo e

» Presença em 14 países e quatro continentes. » 3ª maior empresa de produção de eletricidade no mundo e » Presença em 14 países e quatro continentes» 3ª maior empresa de produção de eletricidade no mundo e um dos maiores distribuidores de gás na Península Ibérica» 70% da energia com origem em recursos renováveis»

Leia mais

A Importância da Biomassa no Mix Energético Nacional

A Importância da Biomassa no Mix Energético Nacional A Importância da Biomassa no Mix Energético Nacional 24 de Março de 2017 Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra 10:00 10:10 10:10 10:30 10:30 10:50 Abertura Prof. Dr. Luís Neves,

Leia mais

A Regulação do Sector Energético

A Regulação do Sector Energético A Regulação do Sector Energético Seminário Internacional Portugal - Brasil Vítor Santos 16 de Fevereiro de 2012 ERSE - Entidade Reguladora dos Serviços Agenda 1. Liberalização do sector Energético na União

Leia mais

VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades

VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades Luís Fernando Badanhan Diretor do Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Energia eólica no Brasil

Energia eólica no Brasil Energia eólica no Brasil A. Ricardo J. Esparta Ecopart Assessoria I Jornada Internacional sobre Energias Renováveis, Eficiência Energética e Poder Local Betim, 19 de março de 2010 Experiência profissional

Leia mais

Aprofundamento do mercado interno de energia. Vitor Santos, Presidente da ERSE The Golden Age of Gas, de Outubro de 2012

Aprofundamento do mercado interno de energia. Vitor Santos, Presidente da ERSE The Golden Age of Gas, de Outubro de 2012 Aprofundamento do mercado interno de energia Vitor Santos, Presidente da ERSE The Golden Age of Gas, 2012 02 de Outubro de 2012 Agenda 1. Dimensões estratégicas da liberalização do sector energético 2.

Leia mais

Direito de Energia Professora Responsável: Doutora Suzana Tavares da Silva. Andréa Farias Cavalcanti

Direito de Energia Professora Responsável: Doutora Suzana Tavares da Silva. Andréa Farias Cavalcanti Direito de Energia Professora Responsável: Doutora Suzana Tavares da Silva Andréa Farias Cavalcanti CIDADES INTELIGENTES Não há uma definição consensual em relação ao conceito de cidade inteligente, existindo

Leia mais

ERSE e CNE finalizam proposta de funcionamento do MIBGAS

ERSE e CNE finalizam proposta de funcionamento do MIBGAS Comunicado de Imprensa ERSE e CNE finalizam proposta de funcionamento do MIBGAS A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) e a Comisión Nacional de Energia (CNE) apresentam uma proposta de Modelo

Leia mais

Planejamento Energético Matriz Futura

Planejamento Energético Matriz Futura Planejamento Energético Matriz Futura Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor PROMOÇÃO Belo Horizonte, MG 24 de Abril de 2014 O planejamento energético é orientado para atender

Leia mais

A Construção do Mercado Europeu de Eletricidade

A Construção do Mercado Europeu de Eletricidade A Construção do Mercado Europeu de Eletricidade Situação atual e perspetivas futuras Jorge Sousa Professor Coordenador ISEL Investigador INESC-ID Lisboa PORTUGAL jsousa@isel.pt 1 A G E N D A 2 Breve Caracterização

Leia mais

Medidas aprovadas no âmbito do PPEC 2013/2014

Medidas aprovadas no âmbito do PPEC 2013/2014 Medidas aprovadas no âmbito do PPEC 2013/2014 Apresentação IBERDROLA A EMPRESA MISSÃO & VALORES IBERDROLA PORTUGAL Uma das 5 maiores companhias elétricas do mundo; Líder mundial em Energia eólica; Equipa

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. a 29 de fevereiro 2016

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. a 29 de fevereiro 2016 BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS a 29 de fevereiro 2016 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O mês de fevereiro, à semelhança do anterior, continua a evidenciar o forte potencial das fontes

Leia mais

Gestão do Sistema Elétrico Português com grande penetração de renováveis REN

Gestão do Sistema Elétrico Português com grande penetração de renováveis REN Gestão do Sistema Elétrico Português com grande penetração de renováveis REN 21 Nov 2017 A MISSÃO DA REN Redes Energéticas Nacionais Realizar a transmissão de eletricidade e gás natural com eficiência

Leia mais

Energia Eólica Agosto / 2016

Energia Eólica Agosto / 2016 Energia Eólica Agosto / 2016 ABEEólica: Quem somos? A ABEEólica Associação Brasileira de Energia Eólica, pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos, fundada em 2002, congrega, em todo o Brasil,

Leia mais

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL JULHO DE Conselho de Reguladores

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL JULHO DE Conselho de Reguladores INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL JULHO DE 213 Conselho de Reguladores DESTAQUES DO MÊS Julho de 213 O preço médio aritmético durante o mês foi de 51,16 /MWh na zona espanhola enquanto na zona portuguesa foi

Leia mais

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL NOVEMBRO DE Conselho de Reguladores

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL NOVEMBRO DE Conselho de Reguladores INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL NOVEMBRO DE 213 Conselho de Reguladores DESTAQUES DO MÊS Novembro de 213 O preço médio aritmético durante o mês foi de 41,81 /MWh na zona espanhola enquanto na zona portuguesa

Leia mais

PRINCIPAIS MAGNITUDES

PRINCIPAIS MAGNITUDES AH ALTO TÂMEGA / 160 MW (2 grupos) AH DAIVÕES / 118 MW (2 + 1 grupos) AH GOUVÃES / 880 MW (4 grupos - bombagem) O PROJETO REPRESENTA MAIS DE 50% DO OBJETIVO DO PNBEPH UM DOS MAIORES PROJETOS HIDROELÉTRICOS

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal 1º trimestre de 218 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O primeiro trimestre de 218 ficou marcado pelo registo do mês de março em que pela

Leia mais

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL AGOSTO DE Conselho de Reguladores

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL AGOSTO DE Conselho de Reguladores INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL AGOSTO DE 213 Conselho de Reguladores DESTAQUES DO MÊS Agosto de 213 O preço médio aritmético durante o mês foi de 48,9 /MWh na zona espanhola enquanto na zona portuguesa foi

Leia mais

A BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA

A BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA A BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA Zilmar Souza Mesa Redonda: Energia Poços de Caldas - MG 21 de maio de 2015 BIOELETRICIDADE: CAPACIDADE INSTALADA EM 2015 3 o 7% 18% 62% Fonte de Combustíveis Utilizados

Leia mais

estatísticas rápidas novembro 2011

estatísticas rápidas novembro 2011 estatísticas rápidas novembro 211 Nº 81 1/22 Índice A. Resumo B. As energias renováveis na produção de eletricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

A Experiência Europeia e Ibérica de Integração de Mercados de Energia Eléctrica

A Experiência Europeia e Ibérica de Integração de Mercados de Energia Eléctrica WORKSHOP ERSE-GESEL INTEGRAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA ELÉCTRICA E FORMAÇÃO DE PREÇOS A Experiência Europeia e Ibérica de Integração de Mercados de Energia Eléctrica Hermínio Moreira 4 de Março de 2011

Leia mais

O FUTURO DO SETOR EÓLICO EXTENSÃO DE VIDA E REPOWERING DAS CENTRAIS EÓLICAS. Lisboa 7 de Dezembro Lisboa

O FUTURO DO SETOR EÓLICO EXTENSÃO DE VIDA E REPOWERING DAS CENTRAIS EÓLICAS. Lisboa 7 de Dezembro Lisboa O FUTURO DO SETOR EÓLICO EXTENSÃO DE VIDA E REPOWERING DAS CENTRAIS EÓLICAS Lisboa 7 de Dezembro Lisboa CARATERIZAÇÃO SETOR DA ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DEENERGIAS RENOVÁVEIS

Leia mais

estatísticas rápidas Dezembro 2005

estatísticas rápidas Dezembro 2005 estatísticas rápidas Dezembro 25 Nº 1 1/21 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

Soluções Concursais para Atribuição de Potência Eólica em Portugal. João A. Peças Lopes ERSE Lisboa Fevereiro 2010

Soluções Concursais para Atribuição de Potência Eólica em Portugal. João A. Peças Lopes ERSE Lisboa Fevereiro 2010 ERSE Lisboa Fevereiro 2010 Campus da FEUP Rua Dr. Roberto Frias, 378 4200-465 Porto Portugal T +351 222 094 000 F +351 222 094 050 www@inescporto.pt www.inescporto.pt Soluções Concursais para Atribuição

Leia mais