A INDÚSTRIA DE PASTA E PAPEL E O SEU CONTRIBUTO PARA A BASE DO CONSUMO ELÉTRICO EM PORTUGAL JULHO 2017

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INDÚSTRIA DE PASTA E PAPEL E O SEU CONTRIBUTO PARA A BASE DO CONSUMO ELÉTRICO EM PORTUGAL JULHO 2017"

Transcrição

1

2 A INDÚSTRIA DE PASTA E PAPEL E O SEU CONTRIBUTO PARA A BASE DO CONSUMO ELÉTRICO EM PORTUGAL JULHO 2017

3 A INDÚSTRIA DE PASTA E PAPEL E O SEU CONTRIBUTO PARA A BASE DO CONSUMO ELÉTRICO EM PORTUGAL A NAVIGATOR COMPANY PERFIL UMA INDÚSTRIA ELETROINTENSIVA OS CONSUMOS DE ENERGIA ELÉTRICA AS PRODUÇÕES DE ENERGIA ELÉTRICA A BASE RENOVÁVEL INTRÍNSECA À NOSSA ATIVIDADE

4 A INDÚSTRIA DE PASTA E PAPEL E O SEU CONTRIBUTO PARA A BASE DO CONSUMO ELÉTRICO EM PORTUGAL A NAVIGATOR COMPANY PERFIL UMA INDÚSTRIA ELETROINTENSIVA OS CONSUMOS DE ENERGIA ELÉTRICA AS PRODUÇÕES DE ENERGIA ELÉTRICA A BASE RENOVÁVEL INTRÍNSECA À NOSSA ATIVIDADE

5 E N E R G I A F LO R E S TA PA S TA I &D PA P E L D I S T R I B U I Ç Ã O CONSUMIDORES

6 PERFIL A NAVIGATOR COMPANY Líder europeu e 4º a nível mundial na produção de papéis finos de impressão e escrita não revestidos (UWF, uncoated woodfree paper) Líder europeu e uma das maiores a nível mundial de pasta branqueada de eucalipto (BEKP, Bleached Eucalyptus Kraft Pulp) CAPACIDADE ANUAL INSTALADA 1,6 milhões de toneladas de papel 1,4 milhões de toneladas de pasta (das quais cerca de 1,1 milhões toneladas integradas em papel) 2,5 TWh de energia elétrica

7 PERFIL A NAVIGATOR EM NÚMEROS Volume anual de negócios superior a 1,5 mil milhões de euros, com vendas no exterior superiores a 1,2 mil milhões de euros 95% das vendas de pasta e papel para 130 países, nos 5 continentes Representa cerca de 3% das exportações portuguesas de bens e aproximadamente 1% do PIB nacional, sendo a empresa que gera mais Valor Acrescentado Nacional A Companhia gere 120 mil hectares de espaço florestal e é o maior produtor de plantas em Portugal É responsável pelo emprego direto de mais de Colaboradores qualificados, para além de dinamizar um maior número de postos de trabalho indiretos (cerca de )

8 ESTRUTURA PRODUTIVA INDUSTRIAL CACIA Pasta (Mercado) tad The Navigator Company possui 4 unidades fabris de dimensão internacional e tecnologia sofisticada FIGUEIRA DA FOZ Pasta (Integrada) tad Papel t VILA VELHA DE RÓDÃO Papel Tissue t t converting SETÚBAL Pasta (Integrada) tad Papel t

9 A INDÚSTRIA DE PASTA E PAPEL E O SEU CONTRIBUTO PARA A BASE DO CONSUMO ELÉTRICO EM PORTUGAL A NAVIGATOR COMPANY PERFIL UMA INDÚSTRIA ELETROINTENSIVA OS CONSUMOS DE ENERGIA ELÉTRICA AS PRODUÇÕES DE ENERGIA ELÉTRICA A BASE RENOVÁVEL INTRÍNSECA À NOSSA ATIVIDADE

10 INDÚSTRIA ELETROINTENSIVA O consumo de energia elétrica das unidades industriais da Navigator Company correspondeu a cerca de 3,6% do consumo nacional em Consumo de energia elétrica, The Navigator Company GWh Consumo de energia elétrica, Portugal Continental TWh ,1 49,2 48,8 49,0 49, Arranque do aumento de capacidade da fábrica de Cacia Inclusão dos consumos da fábrica Vila Velha de Rodão 3,4% 3,4% 3,5% 3,6% 3,6% Consumo das unidades industriais da The Navigator Company Consumo em Portugal Continental referido à produção líquida Percentagem de consumo das unidades industriais

11 INDÚSTRIA ELETROINTENSIVA A soma das potências de consumo das unidades industrias tem uma média de aproximadamente 200 MW, com uma variação de 3%. Representa por isso um consumo estável para o sistema elétrico nacional Diagrama de carga 17 Fevereiro 2016, MW MW Diagrama de carga das unidades industriais 17 Fevereiro 2016, MW 206 MW MW 194 MW Consumo Portugal Continental Consumo das unidades industriais da The Navigator Company Variação das potências nas unidades industriais (inclui autoconsumos)

12 A INDÚSTRIA DE PASTA E PAPEL E O SEU CONTRIBUTO PARA A BASE DO CONSUMO ELÉTRICO EM PORTUGAL A NAVIGATOR COMPANY PERFIL UMA INDÚSTRIA ELETROINTENSIVA OS CONSUMOS DE ENERGIA ELÉTRICA AS PRODUÇÕES DE ENERGIA ELÉTRICA A BASE RENOVÁVEL INTRÍNSECA À NOSSA ATIVIDADE

13 CONSUMOS DE ENERGIA DE ENERGIA ELÉTRICA O consumo de energia elétrica é repartido por quatro complexos industriais e três tipos de produção. Figueira e Setúbal com pasta e papel representam cerca de 85% do consumo. Consumo por tipo de produção 2016, GWh Consumo por complexo , GWh Complexo Industrial de Cacia Pasta 201,8 691,8 40% 774,0 45% Complexo Industrial de Figueira da Foz Pasta 263,9 Papel 427,9 Complexo Industrial de Setúbal Pasta 261,9 Papel 512,1 201,8 12% Cacia 57,2 3% Figueira da Foz Complexo Industrial de Vila Velha de Rodão Tissue 57,2 Setúbal Vila Velha de Rodão Notas: (1) Não considerados os consumos auxiliares das centrais térmicas a biomassa, dedicadas à produção de energia elétrica

14 CONSUMOS DE ENERGIA DE ENERGIA ELÉTRICA A energia elétrica representa aproximadamente 22% do consumo de energia global. Ainda assim com o aumento de produção dos últimos 5 anos, houve um esforço para redução dos consumos específicos de energia elétrica. Consumo específico de energia elétrica Base 2012 Consumo de energia % 103% 104% 105% 107% 22% 100% 97% 97% 97% 94% 88% Produção de pasta e papel Consumo específico de energia de pasta e papel Energia elétrica consumida Energia térmica consumida

15 A INDÚSTRIA DE PASTA E PAPEL E O SEU CONTRIBUTO PARA A BASE DO CONSUMO ELÉTRICO EM PORTUGAL A NAVIGATOR COMPANY PERFIL UMA INDÚSTRIA ELETROINTENSIVA OS CONSUMOS DE ENERGIA ELÉTRICA AS PRODUÇÕES DE ENERGIA ELÉTRICA A BASE RENOVÁVEL INTRÍNSECA À NOSSA ATIVIDADE

16 PRODUÇÃO DE ENERGIA DE ELÉTRICA Apesar da redução de cerca de 7,7% face ao ano anterior, em 2016 a energia elétrica gerada pela Navigator representou cerca de 4% da produção liquida nacional. Produção de energia elétrica, The Navigator Company GWh Produção de energia elétrica, Portugal Continental TWh ,6 47,8 49,0 48,2 55,9 Central de cogeração ciclo combinado a gás natural da Figueira da Foz em regime de autoconsumo 4,4% 4,9% 4,9% 4,8 3,8% Produção de energia elétrica na The Navigator Company Produção líquida Portugal Continental (Fonte: REN, 2017) Percentagem de consumo das unidades industriais

17 A INDÚSTRIA DE PASTA E PAPEL E O SEU CONTRIBUTO PARA A BASE DO CONSUMO ELÉTRICO EM PORTUGAL A NAVIGATOR COMPANY PERFIL UMA INDÚSTRIA ELETROINTENSIVA OS CONSUMOS DE ENERGIA ELÉTRICA AS PRODUÇÕES DE ENERGIA ELÉTRICA A BASE RENOVÁVEL INTRÍNSECA À NOSSA ATIVIDADE

18 BASE RENOVÁVEL INTRÍNSECA À NOSSA ATIVIDADE Nos últimos anos, apesar da redução de produção de energia, a geração a partir de biomassa manteve-se estável tendo em 2016 representado aproximadamente 52% da geração de energia elétrica. Produção de energia elétrica em 2016 GWh Contributo da biomassa na produção de energia GWh % % % 97% 97% 97% Cogerações renováveis a biomassa Cogerações a gás natural Centrais termoelétricas a biomassa 206 3% 94% Biomassa Outras fontes não renováveis

19 BASE RENOVÁVEL INTRÍNSECA À NOSSA ATIVIDADE A produção quatro cogerações renováveis e duas centrais termoelétricas a biomassa corresponde a mais de 51% da produção nacional de energia a partir de biomassa Produção de energia elétrica a partir de fontes renováveis , GWh Hídrica Eólica Biomassa Fotovoltaica Outras Total Energia elétrica a partir de biomassa 2016 The Navigator Company Outros The Navigator Company, GWh 51% 49% Total 2016, GWh Notas: (1) Fonte DGEG, Estatísticas rápidas de Dezembro 2016

20 O B R I G A D O

O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA.

O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA. O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA. Mensagem da Administração Bem-vindos ao Complexo Industrial da Figueira da Foz do grupo Portucel Soporcel. É com muita satisfação que Vos

Leia mais

Eletricidade Renovável no Contexto Atual Debate sobre a evolução do mercado de eletricidade Contribuição das renováveis

Eletricidade Renovável no Contexto Atual Debate sobre a evolução do mercado de eletricidade Contribuição das renováveis Eletricidade Renovável no Contexto Atual Debate sobre a evolução do mercado de eletricidade Contribuição das renováveis António Sá da Costa Lisboa, 18 de Junho de 2015 ENERGIA EM PORTUGAL 4 VISÃO GLOBAL

Leia mais

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA PORTUCEL SOPORCEL INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA Com uma posição de grande relevo no mercado internacional de pasta e papel, o Grupo Portucel Soporcel é uma

Leia mais

Case study PORTUCEL SOPORCEL. Estratégia Sustentável Eco-Eficiência, Inovação e Eco-Design EMPRESA

Case study PORTUCEL SOPORCEL. Estratégia Sustentável Eco-Eficiência, Inovação e Eco-Design EMPRESA Case study 2007 PORTUCEL SOPORCEL Estratégia Sustentável Eco-Eficiência, Inovação e Eco-Design EMPRESA Com uma posição de grande relevo no mercado internacional de pasta e papel, o Grupo Portucel Soporcel

Leia mais

Grupo Portucel Soporcel apoia a criação de um novo núcleo da exposição permanente do Museu do Papel

Grupo Portucel Soporcel apoia a criação de um novo núcleo da exposição permanente do Museu do Papel Informação à imprensa 18 de Setembro 2013 Com abertura prevista para 2014 Grupo Portucel Soporcel apoia a criação de um novo núcleo da exposição permanente do Museu do Papel O novo grande núcleo Da Floresta

Leia mais

Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica

Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica Relatório Quadrimestral de Acompanhamento dos Indicadores do Setor Elétrico Mundial Setembro a Dezembro de 212 Eduardo

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO CONSUMO DE ENERGIA FINAL ESPANHA PORTUGAL. Mtep. Mtep

BALANÇO ENERGÉTICO CONSUMO DE ENERGIA FINAL ESPANHA PORTUGAL. Mtep. Mtep DADOS IBÉRICOS 214 BALANÇO ENERGÉTICO ktep 212 213 (%) 212 213 (%) Consumo de Energia Primária 21 482 21 74 1 128 98 121 119-6 Petróleo 9 297 9 648 4 3 978 2 934-2 Carvão 2 91 2 63-9 1 1 1 31-32 Gás natural

Leia mais

Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal. Carlos Almeida Diretor Geral da DGEG

Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal. Carlos Almeida Diretor Geral da DGEG Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal Carlos Almeida Diretor Geral da DGEG Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal Estoril, 3 dezembro 2015 O consumo de energia em

Leia mais

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS RENOVÁVEIS 2 1. QUEM SOMOS 3 A APREN A APREN - Associação

Leia mais

Contributos da Gestão de Resíduos Urbanos para o Desenvolvimento Socioeconómico e Ambiental de Portugal

Contributos da Gestão de Resíduos Urbanos para o Desenvolvimento Socioeconómico e Ambiental de Portugal Contributos da Gestão de Resíduos Urbanos para o Desenvolvimento Socioeconómico e Ambiental de Portugal Apresentação Pública 28 de maio de 2014 PARCEIROS: ESTUDO PROMOVIDO POR: 1. INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

GRUPO PORTUCEL RELATÓRIO E CONTAS 2013

GRUPO PORTUCEL RELATÓRIO E CONTAS 2013 GRUPO PORTUCEL RELATÓRIO E CONTAS 2013 Grupo Portucel Relatório e Contas 2013 No Grupo Portucel assumimos cada vez mais um papel de relevo no desenvolvimento do nosso País, reforçando ao mesmo tempo,

Leia mais

a sustentabilidade do nosso PAPEL

a sustentabilidade do nosso PAPEL a sustentabilidade do nosso PAPEL Grupo Portucel Soporcel Mitrena Apartado 55 2901-861 Setúbal Portugal www.portucelsoporcel.com Desenvolvimento e Coordenação Comissão de Sustentabilidade Assessoria do

Leia mais

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal Francisco Goes Aveiro, 20 de Março de 2014 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Índice 1. A CELPA 2. O eucaliptal nacional 3.

Leia mais

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Informação 8 de Fevereiro de 2011 Campanha institucional do grupo Portucel Soporcel arranca hoje O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Arranca hoje a nova campanha institucional

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO Estratégia para o Crescimento Verde A ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL António Sá da Costa 22 de Janeiro de 2015 ÍNDICE 1. A ENERGIA EM PORTUGAL 2. CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

EnergyLive Expo RECURSOS, ENERGIA E ECONOMIA. Painel: Valorização do Potencial Energético Recursos Endógenos. A Energia e a Floresta

EnergyLive Expo RECURSOS, ENERGIA E ECONOMIA. Painel: Valorização do Potencial Energético Recursos Endógenos. A Energia e a Floresta EnergyLive Expo RECURSOS, ENERGIA E ECONOMIA Painel: Valorização do Potencial Energético Recursos Endógenos A Energia e a Floresta 1102JS0001P Centro Congressos de Lisboa, 23/Mar/2012 J. Ricardo Rodrigues

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 www.cceorg.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e

Leia mais

Politica Energética nacional desafios para 2020

Politica Energética nacional desafios para 2020 Seminário Estratégias para a Sustentabilidade Energética e Ambiental dos Territórios Politica Energética nacional desafios para 2020 João Pedro Bernardo Diretor de Serviços de Sustentabilidade Energética

Leia mais

Teleconferência 30 de julho de 2010

Teleconferência 30 de julho de 2010 Teleconferência 30 de julho de 2010 Suzano Energia Renovável Visão estratégica da Suzano Mercado de energia renovável Competitividade Suzano Visão geral da Suzano Energia Renovável 1 Suzano é um grupo

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Brasil Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Brasil Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Brasil Oportunidades e Dificuldades do Mercado Novembro 2014 Brasil Oportunidades e Dificuldades do Mercado (novembro 2014) Índice 1. Oportunidades 3 1.1. Comércio 3 1.1.1

Leia mais

Contas Económicas da Silvicultura 1990 2001

Contas Económicas da Silvicultura 1990 2001 Informação à Comunicação Social 27 de Dezembro de 22 Contas Económicas da Silvicultura 199 21 O Valor Acrescentado Bruto da Silvicultura decresceu,4% em termos reais, mas aumentou 35% em valor entre 199

Leia mais

CONTAS TRIMESTRAIS 1º TRIMESTRE DE 2016

CONTAS TRIMESTRAIS 1º TRIMESTRE DE 2016 CONTAS TRIMESTRAIS 1º TRIMESTRE DE 2016 CONTAS TRIMESTRAIS PARTE 1 RELATÓRIO DE GESTÃO 3 PARTE 2 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS......30 Semapa Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade

Leia mais

Biomassa. A maior e mais utilizada fonte de energia renovável na Europa e em todo o mundo desenvolvido

Biomassa. A maior e mais utilizada fonte de energia renovável na Europa e em todo o mundo desenvolvido Biomassa A maior e mais utilizada fonte de energia renovável na Europa e em todo o mundo desenvolvido Paulo Preto dos Santos Secretário-Geral da Associação de Produtores de Energia e Biomassa 15/10/2013

Leia mais

Apresentação de Resultados

Apresentação de Resultados Apresentação de Resultados 1º Trimestre de 2016 Semapa Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Av. Fontes Pereira de Melo, nº 14, 10º, 1050-121 Lisboa Número de Matrícula e Pessoa

Leia mais

A aposta em investimento em energias renovaveis em STP

A aposta em investimento em energias renovaveis em STP A aposta em investimento em energias renovaveis em STP I. Apresentação da HET - Service Lda. II. Situação das energias renováveis III.Possibilidade de Investimentos em E.R. Privado Estatal IV.Barreiras

Leia mais

Contributo para o quase zero de energia no edificado

Contributo para o quase zero de energia no edificado Energia nos EDIFÌCIOS: 40 % da energia primária consumida Contributo para o quase zero de energia no edificado 24% das emissões de GEE 30% do consumo de electricidade (per capita: 1,5 MWh/ano) Edifícios

Leia mais

14 de maio de 2013 Belo Horizonte (MG)

14 de maio de 2013 Belo Horizonte (MG) 14 de maio de 2013 Belo Horizonte (MG) Empresa: Anglo American Trabalho premiado: Utilização de biomassa no lugar de combustível fóssil no processamento de níquel Categoria: Processo Autores: Juliana Rehfeld

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

estatísticas rápidas dezembro 2013

estatísticas rápidas dezembro 2013 estatísticas rápidas dezembro 213 Nº 16 Índice A. Resumo B. As energias renováveis na produção de eletricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

Explora. Portugal: Energia em trânsito. Público-alvo. Recursos. Bibliografia e sites. Metas de aprendizagem a atingir

Explora. Portugal: Energia em trânsito. Público-alvo. Recursos. Bibliografia e sites. Metas de aprendizagem a atingir 1 Ciências Físico-Químicas 7.º ANO Explora Duarte Nuno Januário Eliana do Carmo Correia Ângelo Filipe de Castro Portugal: Energia em trânsito Público-alvo Alunos de Ciências Físico-Químicas do 7.º ano,

Leia mais

Perspectiva dos Operadores

Perspectiva dos Operadores OS NOVOS DESAFIOS DO MIBEL Perspectiva dos Operadores Rui Cartaxo 1 de Junho de 2010 Rede Eléctrica Nacional, S.A. A especialização geográfica dos perfis de produção faz sentido mas implica mais e melhores

Leia mais

Consumo e geração de energia equilibrados

Consumo e geração de energia equilibrados Consumo e geração de energia equilibrados Consumo e geração de energia equilibrados Em Portugal, a rede de transporte de energia foi concebida tendo em conta a produção maciça e contínua de energia proveniente

Leia mais

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades:

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades: 1. QUEM SOMOS 2 A APREN A APREN - Associação Portuguesa de Energias Renováveis, é uma associação sem fins lucrativos, constituída em Outubro de 1988, com a missão de coordenação, representação e defesa

Leia mais

Estudo de Avaliação da Estratégia e do Processo de Implementação das Estratégias de Eficiência Coletiva (EEC) - PROVERE

Estudo de Avaliação da Estratégia e do Processo de Implementação das Estratégias de Eficiência Coletiva (EEC) - PROVERE ESTUDO DE AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA E DO PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLETIVA () - PROVERE Estudo de Avaliação da Estratégia e do Processo de Implementação das Estratégias de

Leia mais

A Indústria de Pasta e Papel Um caso de estudo da Economia Circular Lipor, 17 de Junho de 2014

A Indústria de Pasta e Papel Um caso de estudo da Economia Circular Lipor, 17 de Junho de 2014 PROMOTOR: SPONSOR: A Indústria de Pasta e Papel Um caso de estudo da Economia Circular Lipor, 17 de Junho de 2014 Marta Souto Barreiros, CELPA Os Associados da CELPA 2 Os Associados da CELPA (2013) Gerem

Leia mais

O ESTADO ATUAL DO SETOR DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL. António Sá da Costa

O ESTADO ATUAL DO SETOR DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL. António Sá da Costa O ESTADO ATUAL DO SETOR DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL António Sá da Costa 1. A ENERGIA EM PORTUGAL E NO MUNDO A ENERGIA NO MUNDO Existe uma nova realidade no setor da energia a nível mundial Consumo

Leia mais

Primeira licença de utilização da marca PEFC para a gestão florestal em Portugal Grupo Portucel Soporcel obtém certificação florestal pelo PEFC

Primeira licença de utilização da marca PEFC para a gestão florestal em Portugal Grupo Portucel Soporcel obtém certificação florestal pelo PEFC Informação à Imprensa 13 de Agosto de 2009 Primeira licença de utilização da marca PEFC para a gestão florestal em Portugal Grupo Portucel Soporcel obtém certificação florestal pelo PEFC A certificação

Leia mais

grupo Portucel Soporcel A GLOBALIZAÇÃO DO MERCADO DO PAPEL Setúbal, 27 Novembro 2007 João Vinagre (Engº)

grupo Portucel Soporcel A GLOBALIZAÇÃO DO MERCADO DO PAPEL Setúbal, 27 Novembro 2007 João Vinagre (Engº) grupo Portucel Soporcel A GLOBALIZAÇÃO DO MERCADO DO PAPEL Setúbal, 27 Novembro 2007 João Vinagre (Engº) APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL LOGÍSTICA do gps (2006) EVOLUÇÃO DA LGÍSTICA POR MEIO DE TRANSPORTE Apresentação

Leia mais

Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma dos Açores.

Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma dos Açores. Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma dos Açores www.arena.com.pt arena@arena.com.pt População:241.000 habitantes Área:2.322 km 2 PIB: 1,7% de Portugal PIB per capita: 8.100 (70% de

Leia mais

Fontes de energia. A hidroeletricidade no Brasil

Fontes de energia. A hidroeletricidade no Brasil Fontes de energia A hidroeletricidade no Brasil O marco da energia elétrica no Brasil aconteceu em 1889, com a inauguração da usina hidrelétrica denominada Marmelos, no Rio Paraibuna, Município de Juiz

Leia mais

Estudo de Caso Reutilização de Água em Usina de Destilaria de Etanol Hidratado e Fabricação de Açúcar Através de Torres de Resfriamento

Estudo de Caso Reutilização de Água em Usina de Destilaria de Etanol Hidratado e Fabricação de Açúcar Através de Torres de Resfriamento Estudo de Caso Reutilização de Água em Usina de Destilaria de Etanol Hidratado e Fabricação de Açúcar Através de Torres de Resfriamento Empresa: Usina Açucareira Passos S/A Usina Itaiquara Endereço: Fazenda

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL 29 DE ABRIL DE 2015 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO DOIS DA ORDEM DE TRABALHOS. O Conselho de Administração da Portucel, S.A.

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL 29 DE ABRIL DE 2015 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO DOIS DA ORDEM DE TRABALHOS. O Conselho de Administração da Portucel, S.A. PORTUCEL, S.A. Sociedade aberta Capital - 767.500.000,00 Pessoa colectiva nº 503025798 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Setúbal Sede - Península da Mitrena, freguesia do Sado - Setúbal

Leia mais

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia Aplicação da Directiva 2009/28/CE Apresentação das previsões da APREN desenvolvidas no âmbito do Projecto Europeu REPAP 2020 63% 31% 85% Enquadramento

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE PESCADO (Produção acima de 1.500kg dia)

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE PESCADO (Produção acima de 1.500kg dia) Instituto de Proteção Ambiental do Estado do Amazonas PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE PESCADO (Produção acima de 1.500kg dia) 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Indique o consumo médio mensal

Leia mais

PORTUGAL é um dos 28 Estados-Membros da União Europeia (UE)...

PORTUGAL é um dos 28 Estados-Membros da União Europeia (UE)... PORTUGAL é um dos 28 Estados-Membros da União Europeia (UE)...... situado no ponto mais ocidental do continente europeu. PELA SUA PROXIMIDADE COM O ATLÂNTICO, É A PORTA DE ENTRADA NA EUROPA! INDICADORES

Leia mais

Betão de baixo carbono

Betão de baixo carbono Betão de baixo carbono 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Betão de baixo carbono O betão é o material de construção

Leia mais

AFLOBEI vai criar novas ZIF

AFLOBEI vai criar novas ZIF Folha Florestal Outubro 2007 www.aflobei.pt Folha Florestal Jornal da Associação de Produtores Florestais da Beira Interior Directora: Marta Ribeiro Telles Outubro 2007 Edição/ Design gráfico:rvj - Editores,

Leia mais

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 12 13 GRUPO PORTUCEL

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 12 13 GRUPO PORTUCEL RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 12 13 GRUPO PORTUCEL 2 A floresta tem sido, historicamente em Portugal, uma fonte de riqueza colectiva. Existem em Portugal cerca de 400 000 proprietários florestais que contribuem

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS INFORMAÇÃO Nº 46 EVOLUÇÃO DO MERCADO DOS COMBUSTÍVEIS RODOVIÁRIOS 1º TRIMESTRE DE 2016 - COTAÇÕES E PREÇOS GASOLINA 95, GASÓLEO RODOVIÁRIO E GPL AUTO INTRODUÇÃO

Leia mais

Cogeração SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA

Cogeração SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA O Que é Cogeração? SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA A cogeração a partir do gás natural é o processo que permite a produção de energia elétrica e térmica, de forma simultânea,

Leia mais

Centro de Operações de Energia - Petrobras

Centro de Operações de Energia - Petrobras Centro de Operações de Energia - Petrobras Parque Termelétrico, Concepção, implantação e atribuições CENOCON - 2014 O PARQUE GERADOR PETROBRAS USINAS DE GERADORAS, TECNOLOGIAS E COMBUSTÍVEL PARQUE GERADOR

Leia mais

AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL ABRIL DE 2013

AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL ABRIL DE 2013 AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL ABRIL DE 2013 ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. DADOS GERAIS 3. A CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTOS NACIONAL 4. O IMPACTO DAS RENOVÁVEIS NA FACTURA DE ELECTRICIDADE E

Leia mais

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL 1ª Conferência Luso-Espanhola de Direito da Concorrência Lisboa, 01 e 02 de Julho de 2010 O Grupo EDP tem presença significativa no mundo E.U.A Capacidade

Leia mais

PROPOSTA DE MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO ESPANHA-PORTUGAL

PROPOSTA DE MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO ESPANHA-PORTUGAL CMVM PROPOSTA DE MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO ESPANHA-PORTUGAL 1...Descrição geral do método e fases da sua implementação... 2 2...Mecanismo de leilões explícitos de capacidade... 2 3...Mecanismo

Leia mais

PARQUE FOTOVOLTAICO DE SERPA

PARQUE FOTOVOLTAICO DE SERPA PARQUE FOTOVOLTAICO DE SERPA 9 de Novembro de 2007 1. LOCALIZAÇÃO 1. LOCALIZAÇÃO A zona de implantação de 64 ha do Parque está localizada no Distrito de Beja, Concelho de Serpa, Freguesia de Brinches.

Leia mais

Administrador da EDP Produção Bioeléctrica, S.A. Uma parceria EDP / ALTRI

Administrador da EDP Produção Bioeléctrica, S.A. Uma parceria EDP / ALTRI Avaliação de Impactes e Energia Geração de Energia Eléctrica a partir de Biomassa A experiência pioneira da EDP Produção Bioeléctrica, S.A. na Central Termoeléctrica a Biomassa Florestal Residual de Mortágua

Leia mais

Projeto de Expansão de Cartões Revestidos

Projeto de Expansão de Cartões Revestidos 23 Março de 2005 1 Agenda 1 Klabin Perfil da Companhia Highlights Perspectivas 2005 Estratégia Empresarial Financeira Projeto de Expansão de Cartões Revestidos Tipos de Cartão Estrutura do Cartão Mercado

Leia mais

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte, 24 de abril de 2014 Associadas da ABRAGE Usinas das associadas da ABRAGE Hidrelétricas

Leia mais

ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS NO ESTADO DO PARÁ

ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS NO ESTADO DO PARÁ ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS NO ESTADO DO PARÁ David Leal Secretário de Estado de Indústria, Belém 2011 Sumário 1.O Estado do Pará 2.Principais Vocações 3. Diretoria de Mercado e Atração de Investimentos -

Leia mais

Biogás. Página 1 de 5

Biogás. Página 1 de 5 Biogás O atual sistema económico conduz à produção de grandes quantidades de resíduos agrícolas, industriais e domésticos, os quais, podem conter componentes importantes e valiosos, revelando-se ainda

Leia mais

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos Atividade Turística Junho 2013 14 de agosto de 2013 Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos A hotelaria registou 4,4 milhões de dormidas em junho de 2013, mais 8,6% do que em junho de 2012. Para

Leia mais

Fiscalidade na Floresta. 8 de Junho de 2011

Fiscalidade na Floresta. 8 de Junho de 2011 Fiscalidade na Floresta 8 de Junho de 2011 1 Agenda Introdução Principais questões IVA IRC Benefícios fiscais 2 Introdução O Grupo Portucel Soporcel assume uma posição de relevo no mercado internacional

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.019.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Eficiência Energética - Desafios na Busca da Sustentabilidade. João Carlos Mello A&C

Eficiência Energética - Desafios na Busca da Sustentabilidade. João Carlos Mello A&C Eficiência Energética - Desafios na Busca da Sustentabilidade João Carlos Mello A&C A APINE 55 associados Geradores privados e concessionárias de geração PCHs e hidráulicas de médio e grande porte Térmicas

Leia mais

MERCADO NACIONAL VINHOS TRANQUILOS

MERCADO NACIONAL VINHOS TRANQUILOS MERCADO NACIONAL VINHOS TRANQUILOS Janeiro a Março/2015 DADOS PRELIMINARES Análise baseada em dados Nielsen 30 de Abril de 2015 Elaborado por: DEAI Departamento de Estudos e Apoio à Internacionalização

Leia mais

III-058 - VALOR AGRÍCOLA E COMERCIAL DO COMPOSTO ORGÂNICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA USINA DE IRAJÁ, MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

III-058 - VALOR AGRÍCOLA E COMERCIAL DO COMPOSTO ORGÂNICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA USINA DE IRAJÁ, MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO III-058 - VALOR AGRÍCOLA E COMERCIAL DO COMPOSTO ORGÂNICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA USINA DE IRAJÁ, MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Jeferson de Azevedo Químico com Orientação Tecnológica pela Fundação

Leia mais

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia sinta a nossa energia Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 0 1S07: Principais Acontecimentos Crescimento de EBITDA: +27% com base em crescimento orgânico Turnaround das actividades em mercado: enfoque

Leia mais

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS (ELETRICIDADE E GÁS NATURAL) Contexto Regulamentar O enquadramento legal decorre da implementação do designado "Terceiro Pacote Energético", da União Europeia, do qual fazem

Leia mais

RESULTADOS ANUAIS 2014

RESULTADOS ANUAIS 2014 COMUNICADO DE IMPRENSA PARIS LA DÉFENSE, 4 DE MARÇO DE 2015 RESULTADOS ANUAIS 2014 Excelente desempenho operacional e econômico do primeiro contrato no Brasil Forte crescimento do resultado líquido de

Leia mais

Razões para omissões

Razões para omissões ÍNDICE GRI 2014 CONTEÚDOS PADRÃO GERAIS Conteúdos Padrão Gerais Número da página (ou Ligação) Omissões identificadas Razões para omissões A informação relacionada com Conteúdos Padrão requerida pelas opções

Leia mais

LIPOR VALOR AMBIENTE VALORSUL, S.A. Sistema Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto

LIPOR VALOR AMBIENTE VALORSUL, S.A. Sistema Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto Conteúdo Incineração de resíduos sólidos em Portugal Urbanos Industriais Hospitalares A Incineração de Resíduos em Portugal Resíduos Florestais Biomassa Susana Xará 28 de Outubro de 2009 Para cada tipo

Leia mais

negócios mais. suplemento

negócios mais. suplemento negócios mais. suplemento Este suplemento é da responsabilidade editorial do departamento comercial da Cofina Media, é parte integrante do Jornal de Negócios nº 2505, de 22 de maio de 2013, e não pode

Leia mais

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição A edp em várias geografias Situação Portuguesa As metas da renovável A edp A produção em regime especial O Operador da Rede de Distribuição e a

Leia mais

L I C E N C I A T U R A S

L I C E N C I A T U R A S P R O V A S D E A V A L I A Ç Ã O D E C A P A C I D A D E P A R A A F R E Q U Ê N C I A D O E N S I N O S U P E R I O R D O S M A I O R E S D E 2 3 A N O S Economia I INTRODUÇÃO 1. A atividade económica

Leia mais

GRUPO 1 FONTES DE ENERGIA ENDÓGENAS E RENOVÁVEIS

GRUPO 1 FONTES DE ENERGIA ENDÓGENAS E RENOVÁVEIS GRUPO 1 FONTES DE ENERGIA ENDÓGENAS E RENOVÁVEIS Medidas Propostas Recolha dos óleos alimentares usados domésticos para produção de biodiesel Energia eólica Energia fotovoltaica Central biogás efluentes

Leia mais

A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL

A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL Ciclo de Mesas Redondas A APREN e as Universidades A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL Comemoração do Dia nacional da Água 1 de outubro de 2014 2 A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL PROGRAMA 10:30 10:50 Sessão

Leia mais

PRESIDÊNCIA. Declaração

PRESIDÊNCIA. Declaração Declaração Os órgãos de comunicação social do passado fim-de-semana falavam num memorando de informação facultado aos interessados na privatização da ANA Aeroportos de Portugal, que tiveram de entregar

Leia mais

Processo de Recolha de Dados para cálculo de licenças de emissão gratuitas 2013-2020. DACAR-DPAAC, Maio de 2011, Amadora

Processo de Recolha de Dados para cálculo de licenças de emissão gratuitas 2013-2020. DACAR-DPAAC, Maio de 2011, Amadora Processo de Recolha de Dados para cálculo de licenças de emissão gratuitas 2013-2020 DACAR-DPAAC, Maio de 2011, Amadora Formulário Recolha de Dados - Notas Situações particulares, no que se refere ao Formulário,

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL 29 DE ABRIL DE 2015 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO UM DA ORDEM DE TRABALHOS. O Conselho de Administração da Portucel, S.A.

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL 29 DE ABRIL DE 2015 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO UM DA ORDEM DE TRABALHOS. O Conselho de Administração da Portucel, S.A. PORTUCEL, S.A. Sociedade aberta Capital - 767.500.000,00 Pessoa colectiva nº 503025798 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Setúbal Sede - Península da Mitrena, freguesia do Sado - Setúbal

Leia mais

Carlos Nascimento Lisboa 16 de Fevereiro de 2012

Carlos Nascimento Lisboa 16 de Fevereiro de 2012 Carlos Nascimento Lisboa 16 de Fevereiro de 2012 Situação Energética nacional Entre 1990 e 2005, o Consumo Energia Primária aumentou 54%, situando-se hoje nos 30% face a 1990 (igual a 1998). Em 2010 o

Leia mais

A Incineração de Resíduos em Portugal. Susana Xará. 28 de Outubro de 2009. Conteúdo. Incineração de resíduos sólidos em Portugal

A Incineração de Resíduos em Portugal. Susana Xará. 28 de Outubro de 2009. Conteúdo. Incineração de resíduos sólidos em Portugal A Incineração de Resíduos em Portugal Susana Xará 28 de Outubro de 2009 Conteúdo Incineração de resíduos sólidos em Portugal Urbanos Industriais Hospitalares Resíduos Florestais - Biomassa Para cada tipo

Leia mais

Produção de Energia Alternativa

Produção de Energia Alternativa Produção de Energia Alternativa Prof.Pedro Araújo Realizado por: - Diogo Fernandes nº27097 - Gonçalo Paiva nº26743 - José Silva nº27144 Introdução A produção de energias alternativas, tem vindo a ganhar

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS. EXERCÍCIO de 2008

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS. EXERCÍCIO de 2008 RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS EXERCÍCIO de 2008 Semapa Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, SA. Sociedade Aberta Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º

Leia mais

Grupo divulga importância da Certificação Florestal a convite da SEDRF

Grupo divulga importância da Certificação Florestal a convite da SEDRF Grupo divulga importância da Certificação Florestal a convite da SEDRF A convite da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural e das Florestas, o Grupo Portucel Soporcel participou numa série de Sessões

Leia mais

REDD NO BRASIL UM ENFOQUE AMAZÔNICO PARTE 1: EMISSÕES POR DESMATAMENTO TROPICAL E O PAPEL

REDD NO BRASIL UM ENFOQUE AMAZÔNICO PARTE 1: EMISSÕES POR DESMATAMENTO TROPICAL E O PAPEL REDD NO BRASIL UM ENFOQUE AMAZÔNICO PARTE 1: EMISSÕES POR DESMATAMENTO TROPICAL E O PAPEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA Grupo de Estudo em REDD Amapá Jaqueline Homobono EMISSÕES POR DESMATAMENTO TROPICAL E O

Leia mais

Anais do 1º Simpósio Internacional de Arborização de Pastagens em Regiões Subtropicais

Anais do 1º Simpósio Internacional de Arborização de Pastagens em Regiões Subtropicais 111 Demanda por lenha no Paraná: oportunidade para o sistema agrossilvipastoril Ives Clayton Gomes dos Reis Goulart 1, Gilson Martins 2, Emiliano Santarosa 3, Rogério Morcelles Dereti 4, Joel Penteado

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%)

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%) 1 PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA A Tabela 1 mostra o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e de Goiás no período compreendido entre 211 e 213. Nota-se que, percentualmente, o PIB goiano cresce relativamente

Leia mais

O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP.

O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP. O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP. SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015 INTRODUÇÃO Há três iniciativas simultâneas

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA BRASILIA, 46, 3º ESQ Localidade APELAÇÃO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA BRASILIA, 46, 3º ESQ Localidade APELAÇÃO Válido até 05/02/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA BRASILIA, 46, 3º ESQ Localidade APELAÇÃO Freguesia CAMARATE, UNHOS E APELAÇÃO Concelho LOURES GPS 38.816247, -9.130431 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

ECONOMIA DA EDUCAÇÃO Módulo 1 Princípios de Economia

ECONOMIA DA EDUCAÇÃO Módulo 1 Princípios de Economia Opções Estratégicas Para a Implantação de Novas Políticas Educacionais ECONOMIA DA EDUCAÇÃO Módulo 1 Princípios de Economia Bob Verhine Universidade Federal da Bahia verhine@ufba.br A divulgação desta

Leia mais

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM estatísticas rápidas Setembro/Outubro Nº 55/56 1/22 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito

Leia mais

Introdução à Economia Licenciaturas de Economia 2005/2006

Introdução à Economia Licenciaturas de Economia 2005/2006 Introdução à Economia Licenciaturas de Economia 25/26 Adelaide Duarte Cap- IV Contabilidade Nacional FEUC Introdução à Economia 1 Contabilidade Nacional Conceitos elementares Produto interno e produto

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Secundário da Madeira. Tipo de Curso d água Nome Bacia Hidrográfica

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Secundário da Madeira. Tipo de Curso d água Nome Bacia Hidrográfica 1. INFORMAÇÕES GERAIS PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Secundário da Madeira 1.1. Ocorrência Hídrica Tipo de Curso d água Nome Bacia Hidrográfica Distância do empreendimento (m) 1.2.

Leia mais

Setor Elétrico Portugal

Setor Elétrico Portugal Setor Elétrico Portugal Documentp realizado com informação disponível a 24 de julho de 2014. 1 A situação de relativa estagnação económica que o país enfrenta, leva Portugal a procurar encontrar soluções

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE DE CUSTOS. Professora Ludmila Melo

CURSO DE CONTABILIDADE DE CUSTOS. Professora Ludmila Melo CURSO DE CONTABILIDADE DE CUSTOS Professora Ludmila Melo Conteúdo Programático INTRODUÇÃO Agenda Aula 1: Conceitos, objetivos e finalidades da Contabilidade de Custos Aula 2: Classificação e Nomenclatura

Leia mais

Redes Subterrâneas de Energia Elétrica: Regulação e Projetos de P&D/ANEEL

Redes Subterrâneas de Energia Elétrica: Regulação e Projetos de P&D/ANEEL Redes Subterrâneas de Energia Elétrica: Regulação e Projetos de P&D/ANEEL Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética

Leia mais

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Reunión Ministerial Iberoamericana

Leia mais