INSTALAÇÕES PROPRIEDADE LEITEIRA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTALAÇÕES PROPRIEDADE LEITEIRA"

Transcrição

1 INSTALAÇÕES PROPRIEDADE LEITEIRA Prof. Me.: Whelerson Luiz Vitro Disciplina de Bovinocultura FEA ANDRADINA 30/05/2015

2 OBJETIVO DA ATIVIDADE LEITEIRA BEA; conforto térmico; Facilidade ao manejar os animais; Produtividade e saúde; Facilitar produção, conservação e distribuição do produto.

3 FUNÇÕES BÁSICAS: Prover um ambiente saudável e confortável para as vacas; Prover uma condição de trabalho favorável e confortável para o ordenhador; Possibilitar boa integração com os sistemas de alimentação, ordenha e manejo de esterco; Obedecer os códigos sanitários vigentes; Ser economicamente viável.

4 LOCALIZAÇÃO Área ampla; Bem ventilada; Ensolarada; Fácil acesso; Livre de ventos frios; Boa drenagem; Relativamente distante de construções particulares, para evitar possíveis problemas com doenças, moscas e odores; No local deve existir água de boa qualidade e energia elétrica.

5 DIMENSÃO DAS INSTALAÇÃO Devem ser número suficiente e bem dimensionadas para alojar os animais jovens e adultos, em suas diversas categorias, em função da evolução atual e futura do rebanho. Oferecer condições adequadas para os animais serem bem manejados e alimentados. A recomendação que se faz, de acordo com o BEA é a seguinte: animais sob 2 ordenhas diárias: 300m; animais sob 3 ordenhas diárias: 200m.

6 Evitar, na construção: Cantos; Corredores estreitos e afunilados; Degraus e pisos escorregadios. Melhorando a locomoção dos animais e diminuindo os riscos de traumatismos, principalmente dos membros e úbere.

7 BEM ESTAR ANIMAL Conceito de BALDWIN (1979): o ambiente animal é composto por fatores físicos tais como: Temperatura, luz, tipo de piso e ventilação; Sociais: presença ou ausência de outros animais, hierarquia e dominância, tamanho, composição do grupo; Manejo: dieta, sistemas de desmame, tipos de arraçoamento.

8 BEM ESTAR ANIMAL Na produção intensiva: Todo o ambiente (físico, biológico e químico) interfere no animal quase sempre negativamente Ocasionando em perdas produtivas, que é compensada economicamente pela alta densidade. Essa influência pode ser medida na produção, no comportamento, na vocalização, na saúde dos animais e no próprio ambiente.

9 BEM ESTAR ANIMAL Ambiente térmico limita a produção. Grande desafio da produção animal: Produzir um alimento seguro, não abandonando as tecnologias, Manejos atualmente empregados para o efetivo controle da produção, Questões sanitárias do sistema produtivo, mínimo de estresse nos animais, sendo economicamente viável. Fundamental que se conheça muito bem o animal Oferecer um ambiente ideal de produção.

10 BEM ESTAR ANIMAL Segundo o Prof. Daniel Pereira, proporcionar o bem-estar aos animais em produção não só atende as novas exigências dos mercados consumidores, mas também proporciona a maximização dos índices produtivos, reduzindo as perdas produtivas e maximizando os lucros.

11 INSTALAÇÕES Importante para sistemas confinados (free-stall)

12 INSTALAÇÕES

13 INSTALAÇÕES Estábulo. Sala de ordenha. Cercas. Balança. Cochos para sal. Embarcadouro.

14 ESTÁBULO Deve possuir os seguintes componentes: curral de espera, sala de ordenha, bezerreiro, curral de alimentação, brete para manejo sanitário, embarcadouro, depósito de materiais, sala de manuseio de leite, cobertura do estábulo.

15 ANEXOS Tronco de contenção Lava pés Pedilúvio.

16

17 CURRAL DE ESPERA Infra-estrutura destinada a recepção dos animais vindos das pastagens (ou barracões do confinamento), os quais permanecem nesse local, à espera da ordenha, sem acesso à alimentação suplementar. Para manuseio de 20 animais adultos, o curral de espera deve ser de aproximadamente 8,10 x 5,80 m (47 m2). Preferencialmente, o piso deve ser de concreto ou cimentado, garantindo maior durabilidade.

18 SALA DE ORDENHA Visa permitir que as vacas fiquem posicionadas num único sentido, presas, ou não, através de canzis. Sua área depende do número de vacas em cada grupo de ordenha, A recomendação é 2,50 m, sendo 1,70 ação atual é trabalhar com comprimento total de 2,40 a 1,80 m para deposição do corpo do animal (vacas de 550 a 650 kg) e o restante para o movimento frontal da cabeça. O piso deve ser de concreto, cimentado ou de bloket, com um declive de 2%. Piso recoberto com areia (15 cm) ou serragem diminuir ocorrência de lesão no jarrete (pouco usado) Mais empregado tapetes de borracha.

19 Sala de ordenha - espinha de peixe

20 Sala de ordenha - paralela

21 Sala de ordenha - rotatórias

22 Sistema de ordenha Tie stall

23 BEZERREIRO Área coberta e que tenha duas baias(divisões): animais até 60 dias animais acima dessa idade. Pela parte externa, a baia dos animais mais jovens deve ser provida de: baldes para o fornecimento do leite, que servem, também, de bebedouro. o solo de cimento, sendo o piso do bezerreiro elevado, construído com sarrafos de madeira para permitir boa drenagem e ventilação.

24 BEZERREIRO Para proteção dos ventos fortes e chuvas: Cortina. Tanto o cocho de alimentação como o bebedouro devem ficar preferencialmente do lado externo do bezerreiro, para evitar contaminação do alimento ou da água, tendo-se o cuidado de colocá-los fora do alcance das chuvas.

25

26 Bezerreiros cuidado com estresse térmico

27 Bezerreiros

28 Bezerreiros

29 CURRAL DE ALIMENTAÇÃO É importante que parte desse curral seja coberto com telha ou palha, para evitar água nos cochos e para que os animais se protejam do sol nas horas mais quentes do dia.

30 CURRAL DE ALIMENTAÇÃO Vacas já ordenhadas e que serão suplementadas, com alimento volumoso (capim ou leguminosa de corte) ou com mistura concentrada (protéico-energética). O comprimento dos cochos deve permitir um espaço de 0,60 a 0,80 m para cada animal, podendo ser construídos com alvenaria ou com madeira.

31

32 Curral de alimentação fazendeiro russo instalou TVs para as vacas - acreditando na aumenta da produção.

33

34

35

36

37 BRETE PARA MANEJO SANITÁRIO Localizado no curral, É uma instalação para contenção dos animais no manejo sanitário, permitindo a saída para a área externa ao curral ou para o embarcadouro. Deve ser construído de madeira de lei, com piso de pedra, e largura de 0,40 m na base e de 1,20 m na parte superior. O comprimento deve comportar, no mínimo, 3 animais adultos (aproximadamente 4,80 m). Em um dos lados do brete, deve ser localizada uma bancada com 0,50 m de altura, para locomoção do operador no manejo do rebanho. O brete deve ser localizado na parte interna do curral, em local coberto.

38 Um tipo de brete de fácil construção e bastante eficiente, para pequenas propriedades leiteiras.

39

40 EMBARCADOURO Grande utilidade: Permite o embarque e o desembarque de animais, com segurança. Quando não utilizado com freqüência, pode ser construído com madeira serrada ou não. Para maior durabilidade - madeira de boa qualidade. O piso pode ser de tábua, pedra batida ou cimentado, devendo sua frente ficar a uma altura de 1,0 a 1,20 m do nível do solo. É recomendável 1 m de largura. Deve ficar localizado no final do brete.

41 Embarcadouro para o gado.

42

43 DEPÓSITO DE MATERIAIS Compartimento isolado do restante do curral; Construído em alvenaria; Acesso pela sala de ordenha e pela área externa ao curral; O acesso externo deve ser utilizado para a entrada de materiais e para limpeza periódica do local; Deve ser forrado, pintado com cal e piso cimentado.

44 SALA DE MANUSEIO DO LEITE Instalação de recepção do leite; Materiais de ordenha (balança, baldes, toalhas, tambores etc.), assim como o armário de medicamentos, resfriador etc. Deve conter: Forro ; Balcão; Pia; Fonte de água, sendo a parede preferencialmente revestida de louça (azulejada) e piso recoberto de lajota. Ao término de cada ordenha individual, o leite é trazido para essa sala e colocado, em tambor próprio, para condicionamento (tanque de expansão).

45

46 COBERTURA DO ESTÁBULO Podem ser utilizados: telha canal, fibrocimento, zinco ou palha. Deixar uma abertura na parte superior do telhado para saída de ar quente, diminuindo a temperatura no interior da instalação. A altura do pé direito deve ser de 2,70 a 3,00 m.

47

48 CERCAS Cercas convencionais: Investimento considerável numa propriedade agrícola e, por isso, devem ser construídas com material de boa qualidade, com moirões de madeira de lei, utilizando-se arame farpado ou liso. Sua altura pode variar de 1,30 a 1,70 m e os moirões distanciados de 2,5 m. Nas cercas periféricas ou em locais de contenção de bezerros, é recomendável o uso de 5 fios eqüidistantes em 0,27 m.

49

50 CERCAS Cercas elétricas: Muito utilizadas em propriedades leiteiras baixo custo e facilidade de instalação e manutenção. São compostas de um eletrificador ligado a uma fonte de energia, que pode ser a rede elétrica ou uma placa solar que abastece constantemente uma bateria de 12 Volts. Vantagens das cercas elétricas, em relação às cercas convencionais: a redução dos investimentos e da mão-de-obra, e a facilidade de manutenção e deslocamento ou remoção. Os moirões podem ser distanciados de até 10 m e o número de fios de arame depende da categoria animal a ser contida Vaca com cria 2 fios Vaca sem cria 1 fio

51

52 Balança Equipamento indispensável em qualquer propriedade com exploração pecuária. Em pequenas propriedades, pode ser de menor capacidade, permitindo o controle de peso individual quando ausente uso da fita. As balanças mais utilizadas são as mecânicas por causa do custo e da disponibilidade. oferecem mais benefícios, além de exigirem menores custos de implantação. Deve ser localizada, preferencialmente, na saída do brete, permitindo o acesso dos animais ao embarcadouro ou a sua volta ao curral.

53 Balança eletrônica :

54 COCHOS PARA SAL Material durável, pois o efeito corrosivo do sal mineral danifica essa instalação, principalmente se forem utilizados pregos para a fixação das peças. Fixos ou removíveis, dependendo da estrutura da propriedade. É importante evitar perdas por vento ou chuva. A altura deve permitir que os animais jovens tenham acesso ao cocho.

55 Cocho para mineralização dimensões segundo Pinto et al. (1999)

56

Criação de Gado Leiteiro na Zona Bragantinagfe

Criação de Gado Leiteiro na Zona Bragantinagfe Criação de Gado Leiteiro na Zona Bragantinagfe Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agroflorestal da Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Jonas

Leia mais

Instalações para caprinos e ovinos

Instalações para caprinos e ovinos Instalações para caprinos e ovinos Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução As instalações e equipamentos são de fundamental importância

Leia mais

Instalações para bovinos de leite. Professor: Leonardo Assis Dutra Disciplina: Bovinocultura de leite

Instalações para bovinos de leite. Professor: Leonardo Assis Dutra Disciplina: Bovinocultura de leite Instalações para bovinos de leite Professor: Leonardo Assis Dutra Disciplina: Bovinocultura de leite E-mail: leodutra@live.com Introdução Ponto fundamental na produção animal (leite) Devem ser amplas,

Leia mais

EFEITOS AMBIENTAIS NO BEM-ESTAR ANIMAL: EXEMPLO NA BOVINOCULTURA LEITEIRA. Em que devemos pensar???

EFEITOS AMBIENTAIS NO BEM-ESTAR ANIMAL: EXEMPLO NA BOVINOCULTURA LEITEIRA. Em que devemos pensar??? EFEITOS AMBIENTAIS NO BEM-ESTAR ANIMAL: EXEMPLO NA BOVINOCULTURA LEITEIRA Em que devemos pensar??? Clima Instalação Manejo Animal Foto: Internet 1 REGIÃO INTERTROPICAL Trópico de Câncer Trópico de Capricórnio

Leia mais

TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA PECUÁRIA INTENSIVA. Cleandro Pazinato Dias

TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA PECUÁRIA INTENSIVA. Cleandro Pazinato Dias TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA PECUÁRIA INTENSIVA Cleandro Pazinato Dias Apresentação Introdução: Tecnologias de produção mais limpa Sistemas produtivos da Pecuária Intensiva Bovinos de leite: Free

Leia mais

INSTALAÇÕES PARA GADO DE CORTE

INSTALAÇÕES PARA GADO DE CORTE INSTALAÇÕES PARA GADO DE CORTE I. INTRODUÇÃO Considerando-se o efetivo do rebanho, taxa de abate e índices de exportação, os países que se destacam na bovinocultura de corte são Índia, China, Estados Unidos,

Leia mais

Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. website:

Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S.   website: UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. Email: vigoderis@yahoo.com.br website: www.ricardovigoderis.tk Aproximação do homem com o leite

Leia mais

De propriedade da Sra. Edda Aulicino atualmente quem administra a fazenda é seu filho Eduardo Aulicino.

De propriedade da Sra. Edda Aulicino atualmente quem administra a fazenda é seu filho Eduardo Aulicino. Aftermarket NEWS! Edição nº 26 21/08/2009 A Fazenda Sucupira, localizada em Uberlândia/MG, já possui algumas décadas de história, mas recentemente renovou seus equipamentos e investiu na área leiteira.

Leia mais

Ambiente de produção de flores e plantas ornamentais

Ambiente de produção de flores e plantas ornamentais UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PAISAGISMO E FLORICULTURA Ambiente de produção de flores e plantas ornamentais Profª. Renata Canuto de Pinho Ambiente Protegido O cultivo protegido caracteriza-se pela construção

Leia mais

Criação de Bovinos de Corte no Estado do Paráedc

Criação de Bovinos de Corte no Estado do Paráedc Criação de Bovinos de Corte no Estado do Paráedc Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agroflorestal da Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento J

Leia mais

SÍTIO DO CEDRO SEBRAE/DPA CARMO DO PARANAÍBA - MG PASTO COMO OPÇÃO DE FORRAGEM RICARDO PEIXOTO

SÍTIO DO CEDRO SEBRAE/DPA CARMO DO PARANAÍBA - MG PASTO COMO OPÇÃO DE FORRAGEM RICARDO PEIXOTO SÍTIO DO CEDRO SEBRAE/DPA CARMO DO PARANAÍBA - MG PASTO COMO OPÇÃO DE FORRAGEM RICARDO PEIXOTO Por que pasto? Menor investimento inicial Instalações Rebanho Não confinar vacas no período chuvoso do ano

Leia mais

Como aumentar a eficiência de uma Exploração Leiteira

Como aumentar a eficiência de uma Exploração Leiteira Como aumentar a eficiência de uma Exploração Leiteira Eficiência Os Equipamentos e Instalações para produção de Leite, têm de satisfazer as necessidades do produtor ao consumidor A passagem do leite pela

Leia mais

Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Saúde e Produção Animal Setor de Zootecnia. Prof. Almir Vieira Silva

Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Saúde e Produção Animal Setor de Zootecnia. Prof. Almir Vieira Silva Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Saúde e Produção Animal Setor de Zootecnia Sistemas de ordenha, manejo e processamento industrial do leite Prof. Almir Vieira Silva Belém - 2011 1.Introdução

Leia mais

Instalações para Bovinos de Corte. Profa. Dra. Letícia Ane Sizuki Nociti

Instalações para Bovinos de Corte. Profa. Dra. Letícia Ane Sizuki Nociti Instalações para Bovinos de Corte Profa. Dra. Letícia Ane Sizuki Nociti Aspectos gerais As instalações adequadas facilitam o bom manejo do rebanho, devendo ser bem planejadas, projetadas e construídas,

Leia mais

André Mendes Jorge Zootecnista

André Mendes Jorge Zootecnista Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia FMVZ Campus de Botucatu Departamento de Produção Animal Produção P d ã de d Leite L it d Bubalinos de b li Parte 2 André Mendes Jorge Zootecnista Prof. Dr.

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE LABORATÓRIOS DA EMBRAPA

INFRAESTRUTURA DE LABORATÓRIOS DA EMBRAPA INFRAESTRUTURA DE LABORATÓRIOS DA EMBRAPA Para atender os requisitos (BPL/ISO 17025) o projeto deve levar em conta: Dimensões. Detalhes construtivos. Localização/separação efetiva das diferentes atividades

Leia mais

Telhas ArcelorMittal

Telhas ArcelorMittal Telhas ArcelorMittal Apresentação As telhas de aço ArcelorMittal são produzidas a partir de bobinas de aço revestido que passam por perfiladeiras, assumindo formato trapezoidal ou ondulado. Os tipos de

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio Desenho de Construção Civil 1 Introdução ao Desenho Arquitetônico e de Construção Civil Docente Fabrícia Mitiko

Leia mais

Ordenhadeira. Resfriador. Meia Cana. Resfriador. Vertical. Acesse o site para mais informações:

Ordenhadeira. Resfriador. Meia Cana. Resfriador. Vertical. Acesse o site para mais informações: Ordenhadeira Resfriador Meia Cana Resfriador Vertical Acesse o site para mais informações: www.agroinnox.com.br C A B A - Altura do chão até o motoredutor B - Largura total C - Altura do chão com a tampa

Leia mais

1 - MANEJO ALIMENTAR DE FRANGOS DE CORTE

1 - MANEJO ALIMENTAR DE FRANGOS DE CORTE 1 - MANEJO ALIMENTAR DE FRANGOS DE CORTE 1.1 Fase Inicial ( 1 a 21 ou 28 dias) Nos primeiros 21 dias de vida, os pintinhos não apresentam sistema termo-regulador ativo, ou seja, não produzem seu próprio

Leia mais

CONFINAMENTO DE BOVINOS DE CORTE Luís Fernando G. de Menezes

CONFINAMENTO DE BOVINOS DE CORTE Luís Fernando G. de Menezes CONFINAMENTO DE BOVINOS DE CORTE Luís Fernando G. de Menezes LUCROS DO CONFINAMENTO GANHO DO PRODUTOR Valorizaçãodo boi magro Peso de abate (logisticae produtividadepormatriz) Manejoda Pastagem e Recria

Leia mais

CANTEIRO DE OBRA 1. ESPECIFICAÇOES TECNICAS DOS SERVIÇOS

CANTEIRO DE OBRA 1. ESPECIFICAÇOES TECNICAS DOS SERVIÇOS CANTEIRO DE OBRA 1. ESPECIFICAÇOES TECNICAS DOS SERVIÇOS 1.1- FUNDAÇÕES Blocos em concreto simples 0.45mx0,40mx0,24m 1.4- COBERTURA Em telhas recicladas de tetra pack e alumínio. Uma cobertura ecologicamente

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Bovinocultura de Corte e Leite Código da Disciplina: AGR 361 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 7 p Faculdade responsável: Agronomia Programa em vigência

Leia mais

ALTERNATIVAS DE MANEJO ALIMENTAR, DE ORDENHA E DE CRIA PARA VACAS F1 HZ EM REGIME DE PASTAGENS

ALTERNATIVAS DE MANEJO ALIMENTAR, DE ORDENHA E DE CRIA PARA VACAS F1 HZ EM REGIME DE PASTAGENS ALTERNATIVAS DE MANEJO ALIMENTAR, DE ORDENHA E DE CRIA PARA VACAS F1 HZ EM REGIME DE PASTAGENS Clarice Bechara Meurer (1), José Reinaldo Mendes Ruas (2) (1) Bolsista PIBIC FAPEMIG/EPAMIG, claricebechara@yahoo.com.br;

Leia mais

MANEJO DO CORDEIRO RECÉM-NASCIDO. C. Otto de Sá e J. L. Sá

MANEJO DO CORDEIRO RECÉM-NASCIDO. C. Otto de Sá e J. L. Sá MANEJO DO CORDEIRO RECÉM-NASCIDO C. Otto de Sá e J. L. Sá Um dos maiores problemas na ovinocultura é a alta mortalidade de cordeiros. Quando muitos cordeiros morrem antes mesmo do desmame, o prejuízo do

Leia mais

TELHADOS COBERTURAS. Elementos e tipos para se definir a Planta de Cobertura. Profª Dayane Cristina Alves Ferreira

TELHADOS COBERTURAS. Elementos e tipos para se definir a Planta de Cobertura. Profª Dayane Cristina Alves Ferreira TELHADOS COBERTURAS Elementos e tipos para se definir a Planta de Cobertura. Profª Dayane Cristina Alves Ferreira dayengcivil@yahoo.com.br Cobertura O TELHADO é uma categoria de COBERTURA, em geral caracterizado

Leia mais

Treinamento: Bovinocultura de corte (manejo e sanidade) Cód. 403

Treinamento: Bovinocultura de corte (manejo e sanidade) Cód. 403 SISTEMAS DE PRODUÇÃO 1. SISTEMA EXTENSIVO: Quando os animais são criados extensivamente, no pasto, só são trazidos para o centro de manejo para a práticas zootécnicas (vacinações, castrações, brincagem).

Leia mais

Efeitos do Stress Térmico em Vacas Leiteiras

Efeitos do Stress Térmico em Vacas Leiteiras Efeitos do Stress Térmico em Vacas Leiteiras GEA Farm Technologies 2º Simpósio de Bovinocultura de Leite Unesp Campus de Dracena Stress Térmico 2 Stress Térmico- Animais de alto metabolismo Estudos provam

Leia mais

Vantagens e Benefícios: Vantagens e Benefícios:

Vantagens e Benefícios: Vantagens e Benefícios: Proteinados Independente da época do ano, a suplementação proteica tem se mostrado uma excelente ferramenta para aumentar o ganho de peso dos animais. O fornecimento do Proteinado agpastto melhora o padrão

Leia mais

Curso de Ensino à Distância - CERAT

Curso de Ensino à Distância - CERAT Curso de Ensino à Distância - CERAT PRODUÇÃO DE MANDIOCA DESCASCADA E SANITIZADA (MINIMAMENTE PROCESSADA) Educador: Dr. Marcelo Álvares de Oliveira Pesquisador CERAT 2006 DETALHES DA CONSTRUÇÃO, DA INSTALAÇÃO

Leia mais

CAIXA PARA JATAÍ MODELO CANDIDÉS

CAIXA PARA JATAÍ MODELO CANDIDÉS CAIXA PARA JATAÍ MODELO CANDIDÉS Desenvolvida por: Daniel Pereira da Costa Graduando em Zootecnia pelo CEFET-Bambuí no ano de 2007 Material para a caixa: Espessura da madeira 2,5 cm Tipo: madeira branca

Leia mais

Estratégias para produção eficiente de leite em sistema confinado. SANDRO VIECNHIESKI Med. Veterinário Gerente da Star Milk

Estratégias para produção eficiente de leite em sistema confinado. SANDRO VIECNHIESKI Med. Veterinário Gerente da Star Milk Estratégias para produção eficiente de leite em sistema confinado SANDRO VIECNHIESKI Med. Veterinário Gerente da Star Milk O QUE É IMPORTANTE PARA SE OPTAR POR UM SISTEMA DE PRODUÇÃO? PLANEJAMENTO!!!!!!!

Leia mais

Manual de produtos para pecuária Tela campestre

Manual de produtos para pecuária Tela campestre Manual de produtos para pecuária Tela campestre 24 Tela Campestre + Durabilidade Proteção máxima contra a ação do tempo e de agentes corrosivos; + Eficiência Malha inteligente que proporciona a melhor

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO DE COLETOR A TSSOLAR é uma empresa com grande conhecimento e experiência no mercado de aquecimento solar e engenharia de plásticos, sempre buscando inovar através

Leia mais

Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro

Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro Prof. Me.: Whelerson Luiz Vitro vitro@fea.br Disciplina de Bovinocultura FEA Andradina 2015 Introdução O desempenho adequado de qualquer sistema de produção

Leia mais

VEDAPREN PAREDE VEDAPREN PAREDE SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

VEDAPREN PAREDE VEDAPREN PAREDE SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto é uma pintura impermeável, elástica e de base acrílica, que oferece grande aderência e durabilidade. dispensa a seladora. Pode ser deixado exposto ou receber pigmento líquido, tinta látex/acrílica,

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Forro NexaLux. Revisão: 2

Guia Prático de Instalação Completo Forro NexaLux. Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Completo Forro NexaLux Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os produtos Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação em ambientes

Leia mais

Ergonomia aplicada aos Ambientes. Cozinha

Ergonomia aplicada aos Ambientes. Cozinha Ergonomia aplicada aos Ambientes Cozinha O bom projeto de uma cozinha deve levar em consideração a sua forma, espaço físico disponível, necessidades e hábitos dos usuários. Em linhas gerais podemos dividir

Leia mais

M20. Lavadora-Varredeira Integrada. Resultados de limpeza superior em apenas uma passagem - úmida ou seca - com a FloorSmart

M20. Lavadora-Varredeira Integrada. Resultados de limpeza superior em apenas uma passagem - úmida ou seca - com a FloorSmart M20 Lavadora-Varredeira Integrada Resultados de limpeza superior em apenas uma passagem - úmida ou seca - com a FloorSmart O máximo em produtividade com a tecnologia ec-h2o, limpeza sem o uso de produtos

Leia mais

18 a em 24 MESES: O QUANTO O CONFINAMENTO DEPENDE DO PASTO? César Borges Zootecnista, MSc Gerente de Desenvolvimento e Soluções - Phibro

18 a em 24 MESES: O QUANTO O CONFINAMENTO DEPENDE DO PASTO? César Borges Zootecnista, MSc Gerente de Desenvolvimento e Soluções - Phibro 18 a 21@s em 24 MESES: O QUANTO O CONFINAMENTO DEPENDE DO PASTO? César Borges Zootecnista, MSc Gerente de Desenvolvimento e Soluções - Phibro Introdução Evolução da área plantada e da produção de soja

Leia mais

Perspetivas da Produção de Leite na Região Autónoma da Madeira

Perspetivas da Produção de Leite na Região Autónoma da Madeira Perspetivas da Produção de Leite na Região Autónoma da Madeira Plano de Controlo Oficial do Leite na RAM (PCOL) Maria Celeste da Costa Bento Divisão de Controlo da Cadeia Agroalimentar São Vicente, 19

Leia mais

Produção de Ovos Comerciais

Produção de Ovos Comerciais Produção de Ovos Comerciais Introdução 1 Características das Granjas Modernas Operação em grandes volumes: Lucro pequeno, Crises cíclicas, Plantéis acima de 100.000 aves; Sistema tudo dentro / tudo fora;

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Bovinocultura de Corte e Leite Código: VET244 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta: 7 p Faculdade responsável: Medicina Veterinária Programa em vigência a partir

Leia mais

Comprimento de cocho para novilhas leiteiras

Comprimento de cocho para novilhas leiteiras Comprimento de cocho para novilhas leiteiras Por Carla Maris Bittar 1 e Vanessa Pillon dos Santos 2 A manutenção do adequado desempenho de lotes de novilhas, assim como o desempenho individual de cada

Leia mais

MODELO COPPO VÊNETO- Telhas Cimentelha. Dimensões e Características. Madeiramento

MODELO COPPO VÊNETO- Telhas Cimentelha. Dimensões e Características. Madeiramento MODELO COPPO VÊNETO- Telhas Cimentelha Dimensões e Características Madeiramento Utilização de Terminais Normas para o projeto Colocação da cumeeira Ficha técnica da telha: Comprimento 420 mm Largura 330

Leia mais

Prepare a sua construção para a instalação de energia solar

Prepare a sua construção para a instalação de energia solar Prepare a sua construção para a instalação de energia solar Se você está na fase de planejamento de sua construção, existem alguns pontos que devem ser previstos em seu projeto para facilitar a instalação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO

Prefeitura Municipal de Porto Alegre ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO IMPLANTAÇÃO 1. SERVIÇOS INICIAIS 1.1 PLACA DE OBRA PADRÃO SMOV*** UN 1,00 728,00 728,00 1.2 ENTRADA PROVISÓRIA DE ENERGIA PT 1,00 846,43 846,43 1.3 INSTALAÇÃO PROVISÓRIA ÁGUA-RESERVAT.C/REDE ALIMENT PT

Leia mais

Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S.

Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. Email: vigoderis@hotmail.com www.vigoderis.hol.es Permitir possível expansão Evitar obstrução

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO

AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO FERREIRA, F.O.B. 1 ; BARBOSA, K.A. 1 ; SENE, G.A. 1 ; JAYME, D.G.

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS AULA 02 Prof. Guilherme Nanni prof.guilherme@feitep.edu.br 7º Semestre Engenharia civil CONTEÚDO AULA RESERVATÓRIOS SUPERIOR INFERIOR RESERVAÇÃO DE ÁGUA FRIA CONSUMO DE

Leia mais

Produção de Ovos Comerciais

Produção de Ovos Comerciais Introdução 1- Características das Granjas Modernas Produção de Ovos Comerciais Operação em grandes volumes: Lucro pequeno Crises cíclicas Plantéis acima de 100.000 aves Sistema tudo dentro / tudo fora;

Leia mais

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT STEEL FRAME O Steel Frame é uma alternativa já consolidada e amplamente usada há dezenas de anos em países desenvolvidos. Ao contrário das estruturas convencionais de construção, são usados perfis de aço

Leia mais

índice Fases básicas da obra 3 Importância da estrutura .4 Mapa estrutural 5 Alvenaria 7 Cobertura 8 Acabamento 9 Como escolher o cimento

índice Fases básicas da obra 3 Importância da estrutura .4 Mapa estrutural 5 Alvenaria 7 Cobertura 8 Acabamento 9 Como escolher o cimento índice Fases básicas da obra...3 Importância da estrutura...4 Mapa estrutural...5 Alvenaria...7 Cobertura...8 Acabamento...9 Como escolher o cimento...10 Portfólio...12 Dicas...14 Uma obra passa por dezenas

Leia mais

TopComfort Brasilit TEMPERATURA AGRADÁVEL E MUITO MAIS CONFORTO.

TopComfort Brasilit TEMPERATURA AGRADÁVEL E MUITO MAIS CONFORTO. TopComfort Brasilit NOVA TELHA TÉRMICA DE FIBROCIMENTO TEMPERATURA AGRADÁVEL E MUITO MAIS CONFORTO. TopComfort Telhas Térmicas de Fibrocimento A Brasilit inovou outra vez. Agora, a linha de fibrocimento

Leia mais

8 Suínos crescimento e terminação importância prática

8 Suínos crescimento e terminação importância prática 1/37 Produção de Suínos Ciência e prática Eduardo Viola Qualyfoco Consultoria LTDA. eviola@terra.com.br 2/37 Alimento Disponível Água Disponível Ar Temperatura Umidade Espaço Adequado Proporcional Exigências

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00101/ SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00101/ SRP 65 - UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE 158196 - HOSPITAL UNIVERSITARIO ALCIDES CARNEIRO RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00101/017-000 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - ARAME GALVANIZADO ARAME

Leia mais

Produção de Ovos Comerciais

Produção de Ovos Comerciais Introdução 1- Características das Granjas Modernas Produção de Ovos Comerciais Operação em grandes volumes: Lucro pequeno Crises cíclicas Plantéis acima de 100.000 aves Sistema tudo dentro / tudo fora;

Leia mais

Suplementação Mineral para Bovinos de Corte: Maurício Bueno NERU 27/04/2011

Suplementação Mineral para Bovinos de Corte: Maurício Bueno NERU 27/04/2011 Suplementação Mineral para Bovinos de Corte: Maurício Bueno NERU 27/04/2011 1-) IMPORTÂNCIA DA MINERALIZAÇÃO DE BOVINOS Peso corporal de um bovino: minerais = 4% Importante função no metabolismo (conjunto

Leia mais

ÍTEM SINAPI DISCRIMINAÇÃO UNID.

ÍTEM SINAPI DISCRIMINAÇÃO UNID. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAIANO. CAMPUS BOM JESUS DA LAPA- BA OBRA: INSTALAÇÃO DE CURRAL DE MANEJO PARA BOVINOS LOCAL DOS SERVIÇOS: PERIMETRO IRRIGADO FORMOSO, LOTE 1194 BR

Leia mais

Coberturas em Telhados TC-038

Coberturas em Telhados TC-038 Coberturas em Telhados TC-038 Cobertura Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura, em geral caracterizado

Leia mais

TERMINAÇÃO. Sistemas de produção de carne no Brasil Sistema de 2010 (x 1000) 2010 (%) Sistemas de Produção 11/03/2015

TERMINAÇÃO. Sistemas de produção de carne no Brasil Sistema de 2010 (x 1000) 2010 (%) Sistemas de Produção 11/03/2015 TERMINAÇÃO Sistemas de produção de carne no Brasil Sistema de 2010 (x 1000) 2010 (%) produção Confinamento 3.047 7,39 Semiconfinamento Pastagens inverno 2.583 6,27 822 1,99 Pastagem sem 34.748 84,35 definição

Leia mais

FAZENDA VARGEM BONITA/MG (REF. 382)

FAZENDA VARGEM BONITA/MG (REF. 382) FAZENDA VARGEM BONITA/MG (REF. 382) ESTA FAZENDA É SOMENTE PARA GADO. CRIA E RECRIA. O PROPRIETÁRIO FAZ CONDIÇÕES DE PAGAMENTO E PEGA IMOVEIS EM QUALQUER CIDADE, DESDE QUE NÃO SEJA SITIO, E FAZENDA MENOR..

Leia mais

MANEJO DE MATRIZES PARTE I

MANEJO DE MATRIZES PARTE I FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS AVÍCOLAS Disciplina de Avicultura LAVINESP/FCAV MANEJO DE MATRIZES PARTE I Prof. Edney Pereira da Silva Jaboticabal

Leia mais

Maria Eugênia A. Canozzi e Prof. Júlio Barcellos NESPRO/UFRGS

Maria Eugênia A. Canozzi e Prof. Júlio Barcellos NESPRO/UFRGS Maria Eugênia A. Canozzi e Prof. Júlio Barcellos NESPRO/UFRGS Uruguaiana, 04/10/2012 Listeriose Salmonelose Escherichia Coli 1986 1994 OMC Medidas Sanitárias e Fitossanitárias Barreiras Técnicas ao Comércio

Leia mais

Guia de Projetos V1.00 R0.00 Setembro 2012

Guia de Projetos V1.00 R0.00 Setembro 2012 Guia de Projetos V1.00 R0.00 Setembro 2012 ibus - Guia de Projetos Este documento traz orientações gerais sobre o dimensionamento do sistema ibus. Importante: as orientações contidas neste documento não

Leia mais

CRIAÇÃO DE NOVILHAS DESMAMA AO PRIMEIRO PARTO 34) TAXA DE CRESCIMENTO Michel A. Wattiaux Babcock Institute

CRIAÇÃO DE NOVILHAS DESMAMA AO PRIMEIRO PARTO 34) TAXA DE CRESCIMENTO Michel A. Wattiaux Babcock Institute Instituto Babcock para Pesquisa e Desenvolvimento da Pecuária Leiteira Internacional University of Wisconsin-Madison Essenciais em Gado de Leite CRIAÇÃO DE NOVILHAS DESMAMA AO PRIMEIRO PARTO 34) TAXA DE

Leia mais

A caixa-d água de polietileno polivalente da Eternit.

A caixa-d água de polietileno polivalente da Eternit. A caixa-d água de polietileno polivalente da Eternit. As caixas-d'água de polietileno Eternit são de alta densidade e grande resistência, produzidas pelo processo de rotomoldagem totalmente mecanizado,

Leia mais

COMPARAÇÃO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE COM ALIMENTAÇÃO A BASE DE PASTO E CONFINAMENTO NOS SISTEMAS FREE-STALL E COMPOST BARN

COMPARAÇÃO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE COM ALIMENTAÇÃO A BASE DE PASTO E CONFINAMENTO NOS SISTEMAS FREE-STALL E COMPOST BARN COMPARAÇÃO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE COM ALIMENTAÇÃO A BASE DE PASTO E CONFINAMENTO NOS SISTEMAS FREE-STALL E COMPOST BARN Douglas Luiz Grando; Anderson Walter; Dionatan Camilo de Siqueira; Tadeu

Leia mais

ESTOQUE VARIADO E À PRONTA ENTREGA

ESTOQUE VARIADO E À PRONTA ENTREGA CHAPAS LISAS ESTOQUE VARIADO E À PRONTA ENTREGA Fundada em 1976 na cidade de Aparecida de Goiânia/GO, a Metalforte começou a sua história como uma indústria metalúrgica de carretas agrícolas. Crescemos

Leia mais

Soluções para Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções para Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções para Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Arame Recozido Trançadinho Recozido Prático Sapatas Recozido Fácil Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo

Leia mais

P O D E R J U D I C I Á R I O Comarca de Cantagalo - Estado do Paraná LAUDO DE AVALIAÇÃO

P O D E R J U D I C I Á R I O Comarca de Cantagalo - Estado do Paraná LAUDO DE AVALIAÇÃO 1 LAUDO DE AVALIAÇÃO JOÃO DANIEL VEIGANTES, Técnico Judiciario exercendo a função de Oficial de Justiça/avaliador judicial desta Comarca, em cumprimento ao mandado expedido nos autos de Carta Precatória

Leia mais

CC-MD-28 EXECUÇÃO DE SERVIÇOS COMPLEMENTARES DE CONSTRUÇÃO CIVIL FASE II

CC-MD-28 EXECUÇÃO DE SERVIÇOS COMPLEMENTARES DE CONSTRUÇÃO CIVIL FASE II CC-MD-28 EXECUÇÃO DE SERVIÇOS COMPLEMENTARES DE CONSTRUÇÃO CIVIL FASE II 1- INTRODUÇÃO Este memorial descreve e especifica os requisitos mínimos para contratação de empresa especializada para execução

Leia mais

Condições de montagem

Condições de montagem Condições de montagem para o SUNNY CENTRAL 350 Conteúdo Este documento descreve as dimensões e as distâncias mínimas a respeitar, os volumes de entrada e de evacuação de ar necessários para um funcionamento

Leia mais

EXCELÊNCIA EM CERCAS ELÉTRICAS AV TAMANDARÉ 3680, VILA DALILA CAMPO GRANDE MS BRASIL

EXCELÊNCIA EM CERCAS ELÉTRICAS AV TAMANDARÉ 3680, VILA DALILA CAMPO GRANDE MS BRASIL EXCELÊNCIA EM CERCAS ELÉTRICAS AV TAMANDARÉ 3680, VILA DALILA CAMPO GRANDE MS BRASIL O Eletrificador de cercas é um aparelho Eletrônico que envia pulsos de Alta Tensão, e curta duração; Quando se encosta

Leia mais

Criação de Novilhas Leiteiras

Criação de Novilhas Leiteiras Criação de Novilhas Leiteiras Introdução Tópicos Objetivos da criação de novilhas Estimativa do número de novilhas no rebanho Manejo da Novilha Considerações Econômicas (Criar ou Terceirizar?) Salvador,

Leia mais

BENFEITORIAS PARA A CRIAÇÃO DO BICHO-DA-SEDA

BENFEITORIAS PARA A CRIAÇÃO DO BICHO-DA-SEDA 1 BENFEITORIAS PARA A CRIAÇÃO DO BICHO-DA-SEDA As benfeitorias para a criação do bicho-da-seda são chocadeira ou criadeira, sirgaria ou barracão, depósito de ramos da amoreira, depósito de bosques, depósito

Leia mais

A Norma EIA/TIA 569A. Silvio Lucas

A Norma EIA/TIA 569A. Silvio Lucas Enquanto a norma 568B divide os subsistemas de cabeamento estruturado em 7 subsistemas, a norma 569A trata dos detalhes dos caminhos e espaços bem como a infra-estrutura de dutos para as seguintes áreas:

Leia mais

Pesquisa: resfriamento bem-sucedido de vacas leiteiras na Itália

Pesquisa: resfriamento bem-sucedido de vacas leiteiras na Itália Pesquisa: resfriamento bem-sucedido de vacas leiteiras na Itália Os produtores de leite em regiões quentes estão familiarizados com o impacto negativo do estresse calórico sobre o desempenho de suas vacas.

Leia mais

Importância do Manejo de Solos

Importância do Manejo de Solos CENTRO UNIVERSITÁRIO DO TRIÂNGULO IMPORTÂNCIA DO SOLO O seu uso adequado, além de garantir o suprimento de água para Importância do Manejo de Solos as culturas, criações e comunidades; previne a erosão

Leia mais

MANUAL TS SOLAR.

MANUAL TS SOLAR. MANUAL TS SOLAR www.tssolar.com.br INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE AQUECEDORES SOLAR ME CNPJ: 20.216.840/000101 Avenida Dez de Dezembro, 6505 Jd. Piza Londrina PR. MANUAL DE INSTALAÇÃO DE COLETOR A TSSOLAR é uma

Leia mais

Prof. João Darós Malaquias Júnior CRIAÇÃO DE BEZERRAS

Prof. João Darós Malaquias Júnior CRIAÇÃO DE BEZERRAS Prof. João Darós Malaquias Júnior CRIAÇÃO DE BEZERRAS CRIAÇÃO DE BEZERRAS ALEITAMENTO ARTIFICIAL ALEITAMENTO NATURAL CRIAÇÃO DE BEZERRAS Cuidados com a VACA GESTANTE: no terço final da gestação é que há

Leia mais

Nome: Paulo Fortes Função: Gerente de Território Regional: Sudeste. Prova de Resultado Lactance Terneira

Nome: Paulo Fortes Função: Gerente de Território Regional: Sudeste. Prova de Resultado Lactance Terneira Nome: Paulo Fortes Função: Gerente de Território Regional: Sudeste Prova de Resultado Lactance Terneira Desempenho de bezerros alimentados à base de ração peletizada x farelada Desempenho de bezerros alimentados

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO ATERRAMENTO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO ATERRAMENTO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO 1/8 1. Objetivo Estabelecer critérios básicos para a instalação de sistemas de aterramento das instalações e equipamentos utilizados em redes aéreas de distribuição. 2. Aplicação Distribuição. 3. Documentos

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 2

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Forros Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os forros Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação

Leia mais

O que vem a sua cabeça quando escuta a palavra?

O que vem a sua cabeça quando escuta a palavra? 1 Simpósio Gaúcho da Madeira SECAGEM DA MADEIRA Ricardo Dal Piva O que vem a sua cabeça quando escuta a palavra? 1 2 Por quê secar? Na fabricação de produtos de madeira, a secagem é o processo de redução

Leia mais

Planta Popular Pré Aprovada Tipo P1-2 Planta Baixa

Planta Popular Pré Aprovada Tipo P1-2 Planta Baixa Planta Popular Pré Aprovada Tipo P1-2 Planta Baixa 1 A implantação da obra deverá respeitar: A existência da calçada; O afastamento frontal de 3,00m; Os afastamentos laterais de 1,50m; A garagem poderá

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Miguel das Missões Construção de Lavanderia na UBS/Bairro Alegria PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

Prefeitura Municipal de São Miguel das Missões Construção de Lavanderia na UBS/Bairro Alegria PLANILHA ORÇAMENTÁRIA 3.3 73942/002 Prefeitura Municipal de São Miguel das Missões 1. SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 355,38 1.1 73801/001 DEMOLICAO DE PISO DE ALTA RESISTENCIA M² 8,25 R$ 17,84 R$ 22,30 R$ 183,98 1.2 LOCACAO CONVENCIONAL

Leia mais

Profa. Dra. Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Ovinocultura 2013

Profa. Dra. Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Ovinocultura 2013 INSTALAÇÕES PARA OVINOS Profa. Dra. Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Ovinocultura 2013 Temperaturas e ZCT Cordeiros TCI 6oC ; TCS 34oC ; ZCT 25 a 30oC (Baêta e Souza,1997) Ovinos adultos TCI -20

Leia mais

Câmaras Frigoríficas

Câmaras Frigoríficas Câmaras Frigoríficas 1. Definição É um recinto utilizado para condições controladas de armazenamento com auxílio da refrigeração; Empregadas em dois níveis básicos de armazenamento: Instalações com temperatura

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO RESFRIAMENTO DO LEITE USANDO EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS

MODELAGEM MATEMÁTICA DO RESFRIAMENTO DO LEITE USANDO EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS 1 MODELAGEM MATEMÁTICA DO RESFRIAMENTO DO LEITE USANDO EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS Resumo Caliandra Piovesan 1 Leonardo Alaor Boré 2 Diva Romana Descovi 3 Camila Nicola Boeri Di Domenico 4 O leite

Leia mais

REQUISITOS DE HABITABILIDADE

REQUISITOS DE HABITABILIDADE REQUISITOS DE HABITABILIDADE 1 - DEFINIÇÕES a) Espaço para Redes é o espaço destinado ao transporte de passageiros com redes armadas, sendo considerada a rede o único elemento de permanência do passageiro.

Leia mais

Produção de Leite de Cabras

Produção de Leite de Cabras Produção de Leite de Cabras * * * Prof. Dr. Silvio Doria de Almeida Ribeiro 1 Programa Introdução Introdução Produção Sistemas de produção Manejo Capril Serra de Andradas Considerações finais 3/73 4/73

Leia mais

AULA 03 SISTEMA E REGIME DE CRIAÇÃO

AULA 03 SISTEMA E REGIME DE CRIAÇÃO AULA 03 SISTEMA E REGIME DE CRIAÇÃO III.1 - SISTEMA EXTENSIVO DE CRIAÇÃO DE SUÍNOS 1. Não há preocupação com a produtividade, os animais não são identificados; 2. Não existe controle reprodutivo; 3. Suínos

Leia mais

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) MATERNIDADE Aula Passada 30/03/2016. Manejo de suínos do desmame ao abate. Maternidade (Aula Passada) Creche

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) MATERNIDADE Aula Passada 30/03/2016. Manejo de suínos do desmame ao abate. Maternidade (Aula Passada) Creche UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Jaboticabal Faculdade de ciências Agrárias e Veterinárias ZOOTECNIA I (Suínos) 1 Plano de aula Maternidade (Aula Passada) Creche Msc. Fabrício

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CASA DE MADEIRA

MEMORIAL DESCRITIVO CASA DE MADEIRA 1 MEMORIAL DESCRITIVO CASA DE MADEIRA 1 - Base: 1.1 - Fundação: 1.1.1 - Brocas com diâmetro mínimo de 20 cm em concreto estrutural, executadas manualmente, com profundidade média de até 3,00 m. 1.1.2 -

Leia mais

Disciplina: Criação e Exploração de Aves Prof. Msc. Alício José Corbucci Moreira

Disciplina: Criação e Exploração de Aves Prof. Msc. Alício José Corbucci Moreira Produção de Ovos Comerciais Disciplina: Criação e Exploração de Aves Prof. Msc. Alício José Corbucci Moreira Objetivos Identificar e compreender as peculiaridades da produção de ovos comerciais, assim

Leia mais

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros O Vigilante Sanitário http://ovigilanatesanitario.wordpress.com E mail : ovigilantesanitario@hotmail.com Cada segmento

Leia mais

Gerenciamento da Ovinocultura

Gerenciamento da Ovinocultura Gerenciamento da Ovinocultura Base da apresentação... 6 anos de coleta de dados a campo sobre sistemas de produção no LAPOC; Produção de uma dissert. Mestrado sobre análise do resultado econômico dos sistemas;

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DA PRODUÇÃO DE LEITE

BOAS PRÁTICAS DA PRODUÇÃO DE LEITE BOAS PRÁTICAS DA PRODUÇÃO DE LEITE INTRODUÇÃO A doença de maior relevância para o criador de bovino leiteiro é a mastite (figura 1), hoje considerada a doença de maior importância em todo o mundo quando

Leia mais