OITAVA AULA DE CONSTRUÇÕES RURAIS INSTALAÇÕES PARA BOVINOS LEITEIROS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OITAVA AULA DE CONSTRUÇÕES RURAIS INSTALAÇÕES PARA BOVINOS LEITEIROS"

Transcrição

1 OITAVA AULA DE CONSTRUÇÕES RURAIS INSTALAÇÕES PARA BOVINOS LEITEIROS

2 Corredor de Alimentação Deve ser elevado ou profundo em relação ao bordo mais alto do cocho. Construído com cimento liso, com declividade de 1 a 2%, largura de 1,8 a 2,0m na posição frente a frente e 0,9 a 1,5 na costa a costa.

3

4 Corredor de Passagem Entre as linhas de baias deve ser prevista uma área de passagem para que as vacas alcancem o cocho e os bebedouros mais rapidamente. Devem possuir no mínimo 1,8m de largura, e serem elevados acima dos corredores principais para evitar que sejam atingidos pelos dejetos.

5

6

7 Cochos O cocho de um freestall é uma estrutura de simples construção. A ração é despejada em uma superfície elevada de 6 a 15 cm acima do piso do estábulo, ao longo dos corredores de alimentação. O animal alcança a ração passando a cabeça sobre uma mureta de 50 cm feita de concreto entre o corredor de distribuição d ração e o cocho, conforme pode ser visualizado abaixo. A grade, a qual define o limite superior do espaço para a passagem da cabeça da vaca, é feita de corda, cano ou madeira.

8

9 Espaçamento recomendado de cocho (cm/vaca) conforme o tipo de arraçoamento e idade das vacas. Tipo de arraçoamento Idade da vaca, meses >24 Feno ou silagem à vontade 10,0 10,0 15,0 15,0 15,0 15,0 Ração misturada à vontade 30,0 30,0 40,0 45,0 45,0 45,0 Feno, silagem ou ração, 1 x/dia 30,0 45,0 55,0 65,0 65,0 65,0-75,0 Geralmente recomenda-se um espaçamento de 45 a 60 cm de cocho por vaca no caso de se fornecer ração completa disponível a maior parte do dia, mas estas recomendações de espaço devem ser continuamente reavaliadas quando no futuro se for utilizar vacas com produção mais elevada.

10 Divisórias metálicas devem ser fixadas nas muretas, tanto para a contenção das vacas na área de alimentação, mas também para evitar competição por alimento. As divisórias devem possuir um sistema de contenção, de maneira que quando a vaca abaixe a cabeça para comer, o sistema feche, e rapidamente se abra quando a vaca tentar sair.

11 A contenção das vacas pode ser realizada com divisórias de metal. Sua altura varia de 1,40 a 1,60 metros e sua largura de 0,90 a 1,20 m. Pode ser feito com separação de ferro sobre o piso e essas separações devem apresentar de 1,0 a 1,20m de altura e comprimento de 2m. O cocho deve ser mantido limpo e livre de restos de alimento, a fim de estimular a ingestão de alimento e controlar as condições sanitárias do rebanho.

12

13 Os cochos devem ser de concreto de alta resistência ou, de outro material resistente como a cerâmica. Outra versão de comedouro, seria um cocho simples para alimentação, com cantos arredondados, com declividade de 0,15 a 0,20%, largura de 0,60 a 0,80m; profundidade de 0,25 a 0,50cm; sendo mais alto que o piso do estábulo com borda inferior de no mínimo 0,15 m acima do fundo e a superior de 0,40 a 0,60m acima do fundo; quanto mais liso melhor e a sua capacidade deverá ser de preferência para mais do que para menos alimento. O fundo do cocho deve estar 30 cm mais alto que o piso.

14 Bebedouros Os bebedouros devem possuir um espaço 5cm de perímetro de tanque par cada vacas. São necessários pelo menos dois bebedouros para cada grupo de vacas. A profundidade do bebedouro não deve ultrapassar os 20cm para que a água permaneça fresca e acumule menos sujeira. Instalar drenos ou ralos para facilitar a limpeza.

15

16 Imagem Modelo Capacidade da válvula Recomendação C5 5 litros/min* Bezerros C10 10 litros/min* Bezerros e novilhas C20 20 litros/min* Vacas de alta produção S22 22 litros/min* Vacas de alta produção

17

18 O acesso à água fresca torna-se mais importante no verão quando o consumo por vaca aumenta. Fornecer espaço para bebedouros extras a serem utilizados durante o clima quente. Outros pesquisadores indicam dois tipos de bebedouros, os individuais ou coletivos. Os coletivos são em geral ao longo do cocho, com as seguintes características: declividade de 0,15 a 0,20%, largura de 0,30 a 0,40m, e 0,25 m de fundo. Este é mais simples e barato e higiênico que o individual. Estes podem ser automáticos ou controlados por bóias.

19 Consumo de água de vacas em vários estágios de produção Animal Consumo de água, L/cabeça/dia Bezerras Novilhas Vacas Secas Vacas em Produção

20

21 Esta relação aos bebedouros de concreto armado, devem ser indispensavelmente limpos, de boa aparência e duração ilimitada. Ao redor do bebedouro aconselha o uso de piso, que pode ser do concreto ou pedras brutas, que vão evitar o acúmulo de lama. O nível do tanque á mantido por torneiras de bóias, que devem ficar protegidas.

22

23 Piso O piso deve ser de cimento rugoso com declividade de 2,0 a 2,5%, feito com argamassa para concreto (pedra brita, areia e cimento), dispensando o uso da cal, pois ela é facilmente corroída pelas fezes e urina. A espessura do piso cimentado deve ser de 7,0 a 10,0cm. O piso deve ter textura adequada para uma caminhada segura evitando quedas e escorregões.

24

25

26 Corredor de Limpeza Sua largura varia com a largura e comprimento do piso e a disposição das vacas. Do tipo frente a frente, mede de 1,40 a 1,60 m; no tipo costa a costa mede de 1,80 a 2,00m. O concreto dos corredores deve ser sulcado de modo a facilitar a limpeza e não prejudicar a movimentação das vacas. Rugosidade excessiva (pontas agudas) pode causar problemas nas patas ou pernas. Os sulcos devem ser espaçados de 10 a 15 cm e com profundidade de 1,5 a 2,5 cm. Devem ser paralelos na direção do raspador de dejetos com declividade de 0,5 a 1%.

27 Modelo de Freestall O modelo de freestall deve ser determinado com base: no manejo a ser utilizado, tanto dos animais, como do arraçoamento e limpeza de dejetos; no numero de animais a ser confinado e expansão futura. Um exemplo de freestall com quatro filas, com aproximadamente 200 baias e um centro de ordenha. São confinados 4 grupos de vacas, mas o freestall pode ser construído para acomodar 4 grupos de diferentes tamanhos.

28

29 Por exemplo, o freestall poderia ser ocupado por um grupo de 67 vacas leiteiras de alta produção, outro grupo de 33 vacas de média produção, outras 33 vacas em um grupo de baixa produção e o último grupo de 67 vacas na primeira lactação. Ou poderia alojar três grupos de vacas leiteiras (67 vacas de alta produção, 33 de baixa e 67 em primeira lactação) com um grupo de 33 vacas secas. Outras combinações podem ser feitas.

30 Caso seja necessário, a área do freestall pode ser subdividida com grades e portões para o confinamento de mais grupos de diferentes idades, permitindo a alimentação diferenciada. Expansões futuras podem ser feitas no freestall, no sentido do comprimento, podendo-se confinar de 400 a 500 vacas, devendo-se considerar a capacidade da ordenha. Uma variação no arranjo do freestall em quatro fileiras. As filas de baias são colocadas cabeça a cabeça para favorecer a ventilação e diminuir a chance de entrada de sol e chuva nas baias.

31 O esquema do freestall com 2 linhas de baias cabeça a cabeça, com corredor lateral de alimentação, associado a um esquema de área de ordenha e processamento do leite, é adequado para vacas leiteiras. Para rebanhos maiores, estábulos similares podem ser construídos paralelos ao primeiro. A distância entre os estábulos deve ser no mínimo de 20,0 m para favorecer a ventilação de verão.

32

33 Um freestall com 6 filas também pode possuir um corredor central de alimentação, com três linhas de baias em ambos os lados. Deve possuir no mínimo 26m de largura. O arranjo de seis filas resulta em menor custo de construção. Neste caso, o espaço construído por vaca é aproximadamente 20% menor do que um estábulo de quatro linhas.

34 Contudo, os custos da instalação, dos bebedouros, e portas permanecem os mesmos. Em um estábulo de seis linhas, reduz-se o espaço de alimentação em 3,75cm por vaca. As pesquisas tem mostrado que essa redução de espaço não é problema caso se use ração completa misturada e distribuída no cocho. Porem, maior atenção deve ser dada à ventilação em estábulo com arranjo de 6 linhas de baias, pois sua maior largura pode resultar em estresse, favorecendo temperaturas e umidade mais elevadas.

35 Baias para Touros Devem ser construídas no corpo do estábulo ou próximas dele, medindo 4 x 4m para touros de raças grandes e 3,5m para raças menores. As baias para outros deverão contar com cocho bebedouro, manjedoura e piquete anexo para exercício, com área mínima de 200 metros quadrados. É conveniente que a baia permita a alimentação do touro sem a entrada do tratador; as portas deverão ser reforçadas e tanto elas como as paredes deverão ter altura suficiente para que o touro não fuja.

36 Sala de ordenha Deverá estar situada no corpo do estábulo com arejamento e iluminação suficientes, com teto de estuque e piso impermeável e resistente; paredes revestidas de azulejo pelo menos até 2m de altura; janelas e portas teladas e providas de molas; as vacas podem estar dispostas em uma ou em duas filas de acordo com o tamanho do rebanho.

37

38

39

40

41

42

43

44 Existe grande variedade de tipos de salas de ordenha. Na escolha deve-se considerar o número de animais a ordenhar, ou ainda o tipo de ordenha isto é: - Ordenha Manual - Ordenha Mecânica

45

46

47 Os modelos sem fosso são indicados tanto para ordenha manual como para mecânica, e os modelos com fosso, apenas para ordenha mecânica. Em qualquer dos sistemas deve-se observar: - Localização: Local alto, seco, protegido dos ventos frios por quebravento, aberto para o norte; - Piso: Deve ser de cimento ou de laje, com um caimento de 2%, ou seja, 2 cm para cada metro, para vala desaguadoura;

48

49 - higienização: Em locais próprios, devem ser instaladas torneira de água, para facilitar a higienização, não só dos animais, mas do próprio recinto após a utilização. Sala de Espera É importante que a área de acesso à ordenha seja sombreada, com piso cimentado, pois é importante que no momento que antecede à ordenha as vacas não recebam nenhum tipo de estresse.

50 Sala de Leite Deve ficar ao lado da sala de ordenha; é o local onde o leite proveniente da ordenha é filtrado, resfriado e armazenado antes de seu beneficiamento no laticínio. Deve ter pé-direito mínimo de 3 m, laje ou forro e janela para ventilação, com tela fina, para evitar a entrada de insetos. O teto deve ser de estuque e piso de cimento ou ladrilhos; paredes revestidas de cimento liso ou azulejo brancos; portas telas.

51 É importante que seja limpa, livre de animais, com água em abundância para os serviços de higienização dos equipamentos de ordenha, tais como: baldes, coadores, latões, escovas, teteiras das ordenhadeiras.

52 Para o perfeito funcionamento, e de acordo com sistema de exploração do gado leiteiro, tem-se como equipamento e acessórios necessários à sala de leite: - Suporte para latões, tanque de água e sapata do resfriador; - Tanque para lavar equipamentos com banca lateral; - Resfriador para manter o leite até o embarque; - Mesa e prateleiras para produtos veterinários e pequenos utensílios; - Estrados metálicos para colocar latões limpos; - Dreno (caixa sifonada); - Bomba de vácuo para ordenha mecânica; - Filtro de leite e pré-resfriador; - Tanque resfriador para leite em aço inoxidável; - Painel de controle elétrico.

53

54

55

56

57

58 Bezerreiros Podem ser abrigados em um único estábulo, ou em abrigos individuais. Sendo o número de baias dependente do número de vacas do rebanho. Em bezerreiros é importante manter o local seco e limpo, e desinfetá-lo quinzenalmente até a altura de 1,5m. Deve haver um controle dos ventos frios, através de renques de vegetação ou fechando-se o lado da construção correspondente a incidência de vento.

59

60

61 Locar o bezerreiro de modo que as baias individuais recebam sol do nascente ou poente (Leste-Oeste). Devem ser construídas baias de dois tipos: individuais, para bezerros até 2 meses de idade e coletivas para bezerros de 2 a 6 meses de idade.

62

63

64

65

66 Curral É a área destinada ao manejo e alimentação do gado que não é totalmente confinado em estábulos, exigindo 4 a 8 m 2 de piso por vaca. Devem ser construídos com materiais resistentes, duráveis e que possibilitem maior eficiência no trato dos animais. Em alguns casos, pode ser necessário um curral de espera para ordenha (Sala de Espera).

67 Vacas 2 3 Semanas Pré-parto Estas vacas requerem um ambiente seco, limpo com acesso a um piquete seco para exercício. Devem ser separadas em um outro freestall a fim de fornecer alimentação diferenciada, facilitando a observação frequente, devendo ser próxima à área da maternidade.

68 Maternidade Deve ser em um freestall separado com divisões de baias para cada grupo de 20 vacas, separando uma área para isolamento das vacas em trabalho de parto. Cada baia maternidade deverá medir 4 X 4 metros e ser provida de cocho e bebedouro com piso de cimento áspero e de escoamento fácil. Deve possuir gaiolas individuais, especialmente para bezerreiras mais jovens. O ambiente deve ser ventilado e com baias limpas, secas e bem acolchoadas.

69

70 Vacas de até 7 dias Pós-parto Devem ser alojadas em uma áreas especial para observação antes de removê-la para o rebanho em produção. Esta área especial pode ter baias ou gaiolas largas. Em um rebanho maior, deve-se prever um estábulo especial hospital/maternidade, para alojar vacas nesta categoria de manejo bem como vacas que estão parindo ou tem outras necessidades especiais.

71

72

73 Vacas Secas Devem ser separadas do rebanho leiteiro para propósito de alimentação diferenciada e para realizar os tratamentos médicos recomendados.

74 Sala de Ração Em propriedades com grandes rebanhos alimentação em regime de confinamento ou semi-confinamento, recomenda-se a instalação de uma pequena fábrica de ração que geralmente, possui uma capacidade de produção de ração de 1 a 3 toneladas/hora. Uma pequena fábrica compõe-se dos seguintes equipamentos: - Peneira para pré-limpeza do grão; - Silo graneleiro para recepção e armazenamento de grãos, com carga e descarga automatizados;

75 - Silo pulmão para receber os grãos antes da moagem; - Moinho ou triturador; - Silo para recepção do grão moído localizado sobre a moega de pesagem; - Balança; - Misturador vertical e horizontal.

76

77

78

79 Silos A escolha adequada do tipo de silo tem papel importante no retorno dos investimentos gastos num sistema de exploração de leite. A lucratividade dos investimentos com silos depende: - Disponibilidade de mão-de-obra e da facilidade em manejar a silagem; - Da eficiência em preservar o valor nutritivo da forragem; - Do custo inicial dos investimentos e do custo anual da operação.

80

81 Existem basicamente dois tipos de estrutura de armazenamento de forragens ensiladas: os silos verticais e os horizontais. Entre os verticais, também conhecidos como silos cilíndricos, encontram-se os meia encosta e os cisternas e o torre. Entre os horizontais têm-se os trincheira, e o de superfície sem proteção lateral e o de superfície com proteção lateral tipo bunker conhecido como trincheira.

82

83 Depósito de Cama Situado próximo ao estábulo, com capacidade para armazenar cama para 2 dias no mínimo; calcula-se 5kg desse material par vaca dia.

84 Galpão de Feno É a construção simples, destinada armazenar o feno. Deve oferecer ótimas condições de conservação, isto é, deve ser bem ventilado e coberto, evitando chuva direta, para que não ocorra a lavagem do feno, o que diminui sensivelmente, seu valor nutritivo. As paredes laterais e o assoalho deverão ser feitos de sarrafos. A cobertura deverá ser de telhas de zinco, de eternit ou mesmo de telha francesa.

85

86 Mangueira, Brete e Tronco A mangueira ou curral, em algumas regiões, consiste em uma pequena área destinada a reunir e conter o gado para os trabalhos rotineiros da criação, ou seja, vacinação, sinalização, marcação, curativos, ou descornas. Convém construir as mangueiras em forma circular, evitando cantos onde o gado se acumula, se aperta, podendo resultar em injúrias nos mais fracos. O diâmetro varia de 15 a 50 m, ao maior quando a forma é elíptica. A superfície varia de acordo com o tamanho do rebanho.

87 Deve-se construir a cerca com postes reforçados, distanciados de 2 a 4 m. O curral continua com o funil, ou seringa, cuja abertura maior é separada da manga, por uma cancela, e a menor dá entrada ao brete. O brete deve ter 10 m de comprimento, na sua construção utiliza-se tábua de 1 a 2 polegadas com uma distância de 5 cm entre elas. Deve ter 1,4 a 1,6 m de altura, em forma de V, cortado em seu vértice cujas dimensões são de 46 cm na parte inferior e 94 cm na parte superior (estas medidas são internas).

88 Ao longo do brete, a cada 2m, faz-se furos nas tábuas junto ao palanque, para passar travessas roliças, objetivando trancar os animais. Quando necessário trabalhá-los, junto à parede do brete, ao longo dele, instala-se um andaime de cm de largura e a 50 cm do solo, por onde circula o produto para executar seu trabalho.

89 Na parte terminal do brete, instala-se o tronco com guilhotina, para imobilizar o animal a fim de examiná-lo mais demoradamente, ou executar uma tarefa mais delicada, evitando realizá-la a campo, no laço, porque muitas vezes o animal se acidenta, machucando-se com certa gravidade.

90 Cerca A contenção do rebanho dentro de uma prédeterminada área de campo é obtida por tapumes, conhecidos vulgarmente por cercas. Encontram-se os mais variados tipos de cercas, como as de arame farpado ou liso, ou de ambos (mista), de listões de madeira, de pedra e ainda a cerca elétrica.

91

92

93

94

95

96

97 Abrigos Naturais Os abrigos devem ser lugares bem drenados, secos e limpos de vegetação espinhosa. Devem possuir a forma de L ou U, dirigindo a abertura para o noute. Para uma área de 10ha, implanta-se um abrigo natural de 500m 2. Os abrigos podem também situar-se ao longo da cerca da divisa, ou ainda, em forma de capão (maciço), somando os cantos em cruz, dos quatro potreiros.

98 Os abrigos em V, L, ou U ao longo da cerca, são feitos de 4 a 5 fileiras de árvores, formando uma barreira de 4m de largura e comprimento proporcional. As espécies mais utilizadas são eucaliptos, álamos, plátanos, entre outras. Em locais de abundância de palha ou madeira, deve-se fazer abrigos rústicos, com o lado Sul fechado por uma meia parede e um telhado de palha que pode ser em cumieira ou ½ água, sendo a parte mais alta dirigida para o norte.

99 Esterqueira A esterqueira é uma instalação apropriada para receber o esterco produzido pelo rebanho recolhido em currais e estábulos, diminuindo o seu poder poluidor e possibilitando seu posterior aproveitamento como fertilizante para lavoura e pastagens. A localização ideal seria um terreno inclinado que, após corte, permitisse a carga na cota mais alta e descarga na inferior.

100

101

102 Deve ser construído em alvenaria com piso concentrado e ser dividido em três partes para receber o esterco. Enquanto a primeira está sendo carregada, a segunda está em curtimento e a terceira em descarga. Há vários modelos de esterqueiras, cuja diferença básica entre elas é o tipo de utilização dos dejetos líquidos ou sólidos.

103

104 A esterqueira para material líquido ou chorumeira é utilizado em propriedades que disponham de água em abundância para lavagem dos currais e carretas-tanque para transportar a água servida até as lavouras ou pastagens. Esta água é encaminhada por tubos ou canaletas diretamente para a esterqueira. O fundo da chorumeira deve ter um rebaixo do piso para facilitar a descarga e ser feita uma tampa para permitir o emprego de mangotes de sucção dos tanques coletores ou a realização de vistorias.

105

106 Apesar do curtimento do esterco com restos orgânicos em camadas sobre o solo, as esterqueiras para material sólido ainda são bem aceitas pilos produtores que possuam limitação de água e de equipamentos. As dimensões as esterqueira deverão ser de acordo com o tamanho do rebanho da propriedade, bem como de acordo com o período desejado para seu enchimento e o tempo considerado necessário para o esterco ficar curtido.

107

108 O esterco depois de raspado pode ser transportado por veículo, carroça ou reboque de trator e despejado pela parte de trás da esterqueira. A área deve ser coberta com telhas de fibrocimento, para proteger o material da incidência do sol e da água de chuva. O líquido que escorre deve ser encaminhado para um tanque que evita o ser escorrimento pelo terreno e a proliferação de moscas.

Instalações para caprinos e ovinos

Instalações para caprinos e ovinos Instalações para caprinos e ovinos Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução As instalações e equipamentos são de fundamental importância

Leia mais

INSTALAÇÕES PROPRIEDADE LEITEIRA

INSTALAÇÕES PROPRIEDADE LEITEIRA INSTALAÇÕES PROPRIEDADE LEITEIRA Prof. Me.: Whelerson Luiz Vitro Disciplina de Bovinocultura FEA ANDRADINA 30/05/2015 OBJETIVO DA ATIVIDADE LEITEIRA BEA; conforto térmico; Facilidade ao manejar os animais;

Leia mais

Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S.

Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. Email: vigoderis@hotmail.com www.vigoderis.hol.es Permitir possível expansão Evitar obstrução

Leia mais

INSTALAÇÕES PARA GADO DE CORTE

INSTALAÇÕES PARA GADO DE CORTE INSTALAÇÕES PARA GADO DE CORTE I. INTRODUÇÃO Considerando-se o efetivo do rebanho, taxa de abate e índices de exportação, os países que se destacam na bovinocultura de corte são Índia, China, Estados Unidos,

Leia mais

TELHADOS COBERTURAS. Elementos e tipos para se definir a Planta de Cobertura. Profª Dayane Cristina Alves Ferreira

TELHADOS COBERTURAS. Elementos e tipos para se definir a Planta de Cobertura. Profª Dayane Cristina Alves Ferreira TELHADOS COBERTURAS Elementos e tipos para se definir a Planta de Cobertura. Profª Dayane Cristina Alves Ferreira dayengcivil@yahoo.com.br Cobertura O TELHADO é uma categoria de COBERTURA, em geral caracterizado

Leia mais

Instalações para bovinos de leite. Professor: Leonardo Assis Dutra Disciplina: Bovinocultura de leite

Instalações para bovinos de leite. Professor: Leonardo Assis Dutra Disciplina: Bovinocultura de leite Instalações para bovinos de leite Professor: Leonardo Assis Dutra Disciplina: Bovinocultura de leite E-mail: leodutra@live.com Introdução Ponto fundamental na produção animal (leite) Devem ser amplas,

Leia mais

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros O Vigilante Sanitário http://ovigilanatesanitario.wordpress.com E mail : ovigilantesanitario@hotmail.com Cada segmento

Leia mais

Avicultura Frango de Corte Nome Frango de Corte Informação Produto Tecnológica Data Agosto Preço - Linha Avicultura Informações.

Avicultura Frango de Corte Nome Frango de Corte Informação Produto Tecnológica Data Agosto Preço - Linha Avicultura Informações. 1 de 5 10/16/aaaa 10:59 Avicultura Nome Informação Produto Tecnológica Data Agosto -2000 Preço - Linha Avicultura Informações Resenha resumidas sobre Autor(es) João Ricardo Albanez - Zootecnista Avicultura

Leia mais

Anexo Procedimento de Instalação de Alojamento

Anexo Procedimento de Instalação de Alojamento Anexo 1.4-8 - Procedimento de Instalação de Alojamento Revisão 00 Data 02/02/2015 1 de 15 Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: Eng. Segurança do Trabalho Gestão de QSMS Direção Indústria e Energia

Leia mais

Area de vivencia na construcao civil. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Seguranca do Trabalho

Area de vivencia na construcao civil. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Seguranca do Trabalho Area de vivencia na construcao civil Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Seguranca do Trabalho Area de vivencia As áreas de vivência devem ser mantidas em perfeito estado de conservação, higiene e

Leia mais

Boas Práticas de Produção: Influência na Qualidade do Leite

Boas Práticas de Produção: Influência na Qualidade do Leite Boas Práticas de Produção: Influência na Qualidade do Leite Fatores Importantes para o Sucesso das Boas Práticas de Produção Aceitação e cumprimento do Plano por parte do Produtor Rural; Engajamento de

Leia mais

Sauna passo-a-passo. SOCALOR saunas

Sauna passo-a-passo. SOCALOR saunas A escolha do tipo de sauna é fundamental e depende da finalidade do uso. Para comerciais onde o uso é maior, ou para sítios, chácaras, fazendas, casas e para quem gosta de mais originalidade e economia,

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO INDIVIDUAL DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMA DE TRATAMENTO INDIVIDUAL DE ESGOTO SANITÁRIO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Hidráulica e Saneamento Curso: Engenharia Civil Disciplina: TH030 - Sistemas Prediais Hidráulicos Sanitários Prof.ª Heloise Garcia Knapik

Leia mais

MANUAL DE MANUSEIO, TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO DE BOBINAS DE CABOS ELÉTRICOS

MANUAL DE MANUSEIO, TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO DE BOBINAS DE CABOS ELÉTRICOS MANUAL DE MANUSEIO, TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO DE BOBINAS DE CABOS ELÉTRICOS OBJETIVO Estabelecer condições para o correto manuseio, transporte e armazenamento de bobinas de cabos elétricos, com o objetivo

Leia mais

TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES AULA 03 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES AULA 03 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES AULA 03 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Prof. Msc. Anderson Alencar Edificações - IFPA INTRODUÇÃO Materiais de construção são todos os utilizados nas obras (construção de casas, prédios

Leia mais

Curso de Ensino à Distância - CERAT

Curso de Ensino à Distância - CERAT Curso de Ensino à Distância - CERAT PRODUÇÃO DE MANDIOCA DESCASCADA E SANITIZADA (MINIMAMENTE PROCESSADA) Educador: Dr. Marcelo Álvares de Oliveira Pesquisador CERAT 2006 DETALHES DA CONSTRUÇÃO, DA INSTALAÇÃO

Leia mais

Pilar: Empresa (Gestão - Condições físicas) AVALIAÇÃO SIM NÃO NA(*) OBS

Pilar: Empresa (Gestão - Condições físicas) AVALIAÇÃO SIM NÃO NA(*) OBS Resolução RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária Pilar: Empresa (Gestão - Condições físicas) AVALIAÇÃO SIM NÃO NA(*) OBS 1. EDIFICAÇÃO E INSTALAÇÕES 1.1

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 2

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Forros Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os forros Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação

Leia mais

AULA 03 SISTEMA E REGIME DE CRIAÇÃO

AULA 03 SISTEMA E REGIME DE CRIAÇÃO AULA 03 SISTEMA E REGIME DE CRIAÇÃO III.1 - SISTEMA EXTENSIVO DE CRIAÇÃO DE SUÍNOS 1. Não há preocupação com a produtividade, os animais não são identificados; 2. Não existe controle reprodutivo; 3. Suínos

Leia mais

Telhas ArcelorMittal

Telhas ArcelorMittal Telhas ArcelorMittal Apresentação As telhas de aço ArcelorMittal são produzidas a partir de bobinas de aço revestido que passam por perfiladeiras, assumindo formato trapezoidal ou ondulado. Os tipos de

Leia mais

Observação: Telhados verdes ou com vedados com Betumem podem causar a coloração da água.

Observação: Telhados verdes ou com vedados com Betumem podem causar a coloração da água. A melhor qualidade de água O filtro de água de chuva PURAIN cuida da qualidade da água da sua cisterna. Os filtros PURAIN são destinados à filtração da água da chuva, coletada de telhados cerâmicos, metálicos,

Leia mais

TABELA A NR 20 LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS ( ) 20.1 Líquidos combustíveis.

TABELA A NR 20 LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS ( ) 20.1 Líquidos combustíveis. NR 20 LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS (120.000-3) Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 Publicação -D.O.U. 06/07/78 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...2 5. Materiais e equipamentos necessários...2 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...3

Leia mais

A caixa-d água de polietileno polivalente da Eternit.

A caixa-d água de polietileno polivalente da Eternit. A caixa-d água de polietileno polivalente da Eternit. As caixas-d'água de polietileno Eternit são de alta densidade e grande resistência, produzidas pelo processo de rotomoldagem totalmente mecanizado,

Leia mais

Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Saúde e Produção Animal Setor de Zootecnia. Prof. Almir Vieira Silva

Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Saúde e Produção Animal Setor de Zootecnia. Prof. Almir Vieira Silva Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Saúde e Produção Animal Setor de Zootecnia Sistemas de ordenha, manejo e processamento industrial do leite Prof. Almir Vieira Silva Belém - 2011 1.Introdução

Leia mais

Profa. Dra. Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Ovinocultura 2013

Profa. Dra. Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Ovinocultura 2013 INSTALAÇÕES PARA OVINOS Profa. Dra. Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Ovinocultura 2013 Temperaturas e ZCT Cordeiros TCI 6oC ; TCS 34oC ; ZCT 25 a 30oC (Baêta e Souza,1997) Ovinos adultos TCI -20

Leia mais

trabalho e do sindicato profissional, laudo técnico relativo a ausência de riscos químicos, biológicos e físicos (especificamente para radiações) com

trabalho e do sindicato profissional, laudo técnico relativo a ausência de riscos químicos, biológicos e físicos (especificamente para radiações) com Norma NR 18 Condições de Trabalho na Indústria da Construção Publicada pela Portaria nº. 4, de 04/07/95. Juntamente com esta NR, A NR-7 e a NR-9 também determinam Programas referentes à Saúde Ocupacional

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 4

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 4 Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic Revisão: 4 Guia Prático de Instalação Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os produtos Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação em

Leia mais

23/6/2010. Dejetos fezes, urina, bebedouros, higienização e resíduos suínos, aves e bovinos leiteiros Confinamento. Dejetos.

23/6/2010. Dejetos fezes, urina, bebedouros, higienização e resíduos suínos, aves e bovinos leiteiros Confinamento. Dejetos. Dejetos fezes, urina, bebedouros, higienização e resíduos suínos, aves e bovinos leiteiros Confinamento Jean Berg Carolina Mendes Dejetos Manejo Riscos sanitários Homem e animal Difusão de microrganismo

Leia mais

Em alguns canteiros encontramos locais adequados para guarda da comida preparada em empresas especializadas.

Em alguns canteiros encontramos locais adequados para guarda da comida preparada em empresas especializadas. Em alguns canteiros encontramos locais adequados para guarda da comida preparada em empresas especializadas. Exemplos de estoques de alimentos organizados e dedetizados constantemente. Trabalhadores que

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CASA DE MADEIRA

MEMORIAL DESCRITIVO CASA DE MADEIRA 1 MEMORIAL DESCRITIVO CASA DE MADEIRA 1 - Base: 1.1 - Fundação: 1.1.1 - Brocas com diâmetro mínimo de 20 cm em concreto estrutural, executadas manualmente, com profundidade média de até 3,00 m. 1.1.2 -

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Forro NexaLux. Revisão: 2

Guia Prático de Instalação Completo Forro NexaLux. Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Completo Forro NexaLux Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os produtos Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação em ambientes

Leia mais

SOLUÇÕES EM GALPÕES MODULARES

SOLUÇÕES EM GALPÕES MODULARES SOLUÇÕES EM GALPÕES MODULARES ARMAZENAR É ESSENCIAL PA R A O C R E S C I M E N TO DE TODAS AS EMPRESAS OS GALPÕES MODULARES TÓ P I CO S Ã O A S M E L H O R E S O P Ç Õ E S D E C U S TO - B E N E F Í C

Leia mais

PROJETO-AVICULTURA COLONIAL AVIÁRIO PARA 500 AVES DE CORTE

PROJETO-AVICULTURA COLONIAL AVIÁRIO PARA 500 AVES DE CORTE PROJETO-AVICULTURA COLONIAL AVIÁRIO PARA 500 AVES DE CORTE CLIENTE-EMBRAPA CLIMA TEMPERADO ONSTRUÇÃO Projeto - Avicultura Colonial Aviário para 500 aves de corte Cliente Embrapa Clima Temperado Junho,

Leia mais

Processos de armazenamento e conservação de forragens. Alberto Amorim de Souza Daniel Barbosa de Miranda Geraldo Alves de Farias Embrapa Semiárido

Processos de armazenamento e conservação de forragens. Alberto Amorim de Souza Daniel Barbosa de Miranda Geraldo Alves de Farias Embrapa Semiárido Processos de armazenamento e conservação de forragens Alberto Amorim de Souza Daniel Barbosa de Miranda Geraldo Alves de Farias Embrapa Semiárido 1 Introdução ARMAZENAR: Guardar; CONSERVAR: Manter; FORRAGEM:

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS NECESSÁRIOS PARA A REALIZAÇÃO DAS COMPETIÇÕES DE VAQUEJADA OFICIALIZADAS PELA ABQM

REQUISITOS MÍNIMOS NECESSÁRIOS PARA A REALIZAÇÃO DAS COMPETIÇÕES DE VAQUEJADA OFICIALIZADAS PELA ABQM REQUISITOS MÍNIMOS NECESSÁRIOS PARA A REALIZAÇÃO DAS COMPETIÇÕES DE VAQUEJADA OFICIALIZADAS PELA ABQM 1) Divulgação e Inscrições do Evento a) Disponibilizar divulgação geral do evento, através de revista,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO Os equipamentos do Kit Chuva atendem as exigências da norma NBR 15527: Água de chuva - Aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis Requisitos. KIT CHUVA Filtro

Leia mais

EFEITOS AMBIENTAIS NO BEM-ESTAR ANIMAL: EXEMPLO NA BOVINOCULTURA LEITEIRA. Em que devemos pensar???

EFEITOS AMBIENTAIS NO BEM-ESTAR ANIMAL: EXEMPLO NA BOVINOCULTURA LEITEIRA. Em que devemos pensar??? EFEITOS AMBIENTAIS NO BEM-ESTAR ANIMAL: EXEMPLO NA BOVINOCULTURA LEITEIRA Em que devemos pensar??? Clima Instalação Manejo Animal Foto: Internet 1 REGIÃO INTERTROPICAL Trópico de Câncer Trópico de Capricórnio

Leia mais

AC FILTRO COLETOR DE ÁGUA DA CHUVA MANUAL DE INSTRUÇÕES E INSTALAÇÃO APLICAÇÃO PARA TELHADOS DE ATÉ 500m²

AC FILTRO COLETOR DE ÁGUA DA CHUVA MANUAL DE INSTRUÇÕES E INSTALAÇÃO APLICAÇÃO PARA TELHADOS DE ATÉ 500m² Água da Chuva AC-500 - FILTRO COLETOR DE ÁGUA DA CHUVA MANUAL DE INSTRUÇÕES E INSTALAÇÃO APLICAÇÃO PARA TELHADOS DE ATÉ 500m² FICHA TÉCNICA Filtro para aproveitamento de água da chuva Conexões de entrada:

Leia mais

Disciplina: Criação e Exploração de Aves Prof. Msc. Alício José Corbucci Moreira

Disciplina: Criação e Exploração de Aves Prof. Msc. Alício José Corbucci Moreira Produção de Ovos Comerciais Disciplina: Criação e Exploração de Aves Prof. Msc. Alício José Corbucci Moreira Objetivos Identificar e compreender as peculiaridades da produção de ovos comerciais, assim

Leia mais

Lista de exercícios 06. Aluno (a) : Série: 2º ano (Ensino médio) Professor: Flávio Disciplina: Matemática

Lista de exercícios 06. Aluno (a) : Série: 2º ano (Ensino médio) Professor: Flávio Disciplina: Matemática Lista de exercícios 06 Aluno (a) : Série: 2º ano (Ensino médio) Professor: Flávio Disciplina: Matemática No Anhanguera você é + Enem Observações: Data da entrega: 26/09/2015. A lista deverá apresentar

Leia mais

RECEITA PRÁTICA PARA UMA BOA INSTALAÇÃO

RECEITA PRÁTICA PARA UMA BOA INSTALAÇÃO RECEITA PRÁTICA PARA UMA BOA INSTALAÇÃO Madeiramento: Verifique se os ripões ou sarrafos foram bem fixados e distribuídos sobre os caibros com o espaçamento correto para o assentamento e fixação das telhas

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 2

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os produtos Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação em

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Rio de Janeiro - Campus Pinheiral Planilha Orçamentária - Projeto Padrão

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Rio de Janeiro - Campus Pinheiral Planilha Orçamentária - Projeto Padrão 1 SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 4.380,62 1.1 74077/001 SINAPI 1.2 85423 SINAPI 1.3 90778 SINAPI LOCACAO CONVENCIONAL DE OBRA, ATRAVÉS DE GABARITO DE TABUAS CORRIDAS PONTALETADAS, SEM REAPROVEITAMENTO ISOLAMENTO

Leia mais

Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (4ª PARTE)

Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (4ª PARTE) Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (4ª PARTE) Passo a passo para a elaboração do manual de BPF - Segurança no trabalho - Visitantes - Condições ambientais - 1-Visitantes Todas as pessoas

Leia mais

COBERTURAS. Professoras: Natália e Verônica

COBERTURAS. Professoras: Natália e Verônica COBERTURAS Professoras: Natália e Verônica DEFINIÇÃO A cobertura de uma estrutura tem a múltipla função de proteger a construção contra agentes externos, definir os aspectos arquitetônicos da estrutura

Leia mais

PROFISSIONAIS MOBILIÁRIO DE AÇO INOXIDÁVEL

PROFISSIONAIS MOBILIÁRIO DE AÇO INOXIDÁVEL DE AÇO INOXIDÁVEL TRAMONTINA Cada elemento que compõe uma cozinha é um mundo a ser descoberto. Os produtos Tramontina são planejados para se integrarem ao ambiente de trabalho oferecendo uma base perfeita,

Leia mais

Instalações Hidráulicas Prediais

Instalações Hidráulicas Prediais Instalações Hidráulicas Prediais Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Aula - 02 Prof.: Guilherme Nanni Grabowski NBR 8160/1999 Dimensionamento dos Dispositivos Complementares Itens a serem a bordados:

Leia mais

Decantador Lamelar ECODEPUR, modelo DEKTECH

Decantador Lamelar ECODEPUR, modelo DEKTECH 0 v1.2-300511 Decantador Lamelar ECODEPUR, modelo DEKTECH APRESENTAÇÃO Os Decantadores Lamelares ECODEPUR, Modelo DEKTECH são equipamentos destinados à separação das areias e lamas que são arrastadas pelo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS035 POÇOS DE VISITA TIPOS 1A,1B e 1C Revisão: 03 Mai/10 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS035 POÇOS DE VISITA TIPOS 1A,1B e 1C Revisão: 03 Mai/10 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e Equipamentos necessários...3 6. Métodos e Procedimentos de Execução...3

Leia mais

Como aumentar a eficiência de uma Exploração Leiteira

Como aumentar a eficiência de uma Exploração Leiteira Como aumentar a eficiência de uma Exploração Leiteira Eficiência Os Equipamentos e Instalações para produção de Leite, têm de satisfazer as necessidades do produtor ao consumidor A passagem do leite pela

Leia mais

PRECON GOIÁS É CERTEZA DE QUALIDADE.

PRECON GOIÁS É CERTEZA DE QUALIDADE. 1 PRECON GOIÁS É CERTEZA DE QUALIDADE. Na hora de construir ou reformar, o Brasil pode contar com a experiência, a qualidade e o respeito ao seu bolso que a Precon Goiás demonstra em cada produto. São

Leia mais

SUMÁRIO. laboração Revisão Data da revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Luiz Fernando J. Albrecht

SUMÁRIO. laboração Revisão Data da revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Luiz Fernando J. Albrecht SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...2 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...3

Leia mais

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos de alta aderência e impermeabilidade.

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos de alta aderência e impermeabilidade. VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos de alta aderência e impermeabilidade. Adere perfeitamente a concreto, bloco cerâmico e de concreto, fibrocimento, reboco e demais bases cimentícias.

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 15 Instalações Prediais de Esgoto Sanitário Profª Heloise G. Knapik 1 Instalações prediais de esgotamento

Leia mais

Manual instruções bomba submersível poço

Manual instruções bomba submersível poço Manual instruções bomba submersível poço Bomba Submersível Poço 1. Recomendações Antes de proceder à instalação, leia atentamente o conteúdo deste manual. Ele pretende fornecer toda a informação necessária

Leia mais

Sistemas de Ar Condicionado Residenciais

Sistemas de Ar Condicionado Residenciais Eng. Dr. Fulvio Vittorino - IPT 1 Sistemas de Ar Condicionado Residenciais Eng. Dr. Fúlvio Vittorino IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Objetivo Processos e equipamentos mecânicos

Leia mais

Instalações Hidráulicas Prediais

Instalações Hidráulicas Prediais Instalações Hidráulicas Prediais Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Aula -01 Prof.: Guilherme Nanni Grabowski Instalação predial de Esgoto Sanitário Tem por finalidade o transporte de todo o efluente

Leia mais

Ordenhadeira. Resfriador. Meia Cana. Resfriador. Vertical. Acesse o site para mais informações:

Ordenhadeira. Resfriador. Meia Cana. Resfriador. Vertical. Acesse o site para mais informações: Ordenhadeira Resfriador Meia Cana Resfriador Vertical Acesse o site para mais informações: www.agroinnox.com.br C A B A - Altura do chão até o motoredutor B - Largura total C - Altura do chão com a tampa

Leia mais

ÁREAS Impermeabilização em lajes resina acrílica. Lajes pequenas dimensões - Sem circulação.

ÁREAS Impermeabilização em lajes resina acrílica. Lajes pequenas dimensões - Sem circulação. 1 ÁREAS Impermeabilização em lajes resina acrílica. Lajes pequenas dimensões - Sem circulação. INDICE 1. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 01 2. MATERIAIS... 01 3. CUIDADOS INICIAIS... 02 4. TRATAMENTO: FISSURAS

Leia mais

Canis

Canis - Módulos pré-fabricados, alojamento expansível, fabricado numa estrutura de metal galvanizado. Telhado inclinado com crista móvel para facilitar a ventilação no interior do alojamento. Concebido para

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO DE COLETOR A TSSOLAR é uma empresa com grande conhecimento e experiência no mercado de aquecimento solar e engenharia de plásticos, sempre buscando inovar através

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Professor: João Carmo INTRODUÇÃO O TELHADO é uma categoria de COBERTURA, em geral caracterizado por possuir um ou mais planos

Leia mais

REQUISITOS DE HABITABILIDADE

REQUISITOS DE HABITABILIDADE REQUISITOS DE HABITABILIDADE 1 - DEFINIÇÕES a) Espaço para Redes é o espaço destinado ao transporte de passageiros com redes armadas, sendo considerada a rede o único elemento de permanência do passageiro.

Leia mais

Preparo do Café na Pós Colheita

Preparo do Café na Pós Colheita 9 Curso de Atualização Preparo do Café na Pós Colheita Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé Influencia na qualidade do Café: Condições da lavoura Localização/Micro Clima Nutrição e tratamento

Leia mais

MODELO COPPO VÊNETO- Telhas Cimentelha. Dimensões e Características. Madeiramento

MODELO COPPO VÊNETO- Telhas Cimentelha. Dimensões e Características. Madeiramento MODELO COPPO VÊNETO- Telhas Cimentelha Dimensões e Características Madeiramento Utilização de Terminais Normas para o projeto Colocação da cumeeira Ficha técnica da telha: Comprimento 420 mm Largura 330

Leia mais

GERÊNCIA DE INSPEÇÃO PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NORMAS DE CONSTRUÇÃO CARNE E DERIVADOS

GERÊNCIA DE INSPEÇÃO PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NORMAS DE CONSTRUÇÃO CARNE E DERIVADOS GERÊNCIA DE INSPEÇÃO PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NORMAS DE CONSTRUÇÃO CARNE E DERIVADOS NORMAS DE ORIENTAÇÃO PARA OS ESTABELECIMENTOS DE CARNE E DERIVADOS 1. O estabelecimento de produtos de origem animal

Leia mais

PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA SC 584 SC.

PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA SC 584 SC. PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA 584 SC 584 SC www.giragrill.com ELEVGRILL Medidas: E A C B D QUADRO BASE Modelo Prime / SC Medidas em centímetros A B C D E Qtde. Espetos ELEVGRILL 584 49 38 59 49

Leia mais

Sistemas para paredes

Sistemas para paredes Sistemas para paredes Wall Tech Descrição geral Aplicações Integra-se perfeitamente aos sistemas de pisos em MMA, formando um sistema monolítico único. Ideal para ambientes internos, é aplicável diretamente

Leia mais

Canteiro e Locação de obra. Tecnologia das Construções Engª e Profª Bárbara Silvéria

Canteiro e Locação de obra. Tecnologia das Construções Engª e Profª Bárbara Silvéria Canteiro e Locação de obra Tecnologia das Construções Engª e Profª Bárbara Silvéria Canteiro de Obras Canteiro de obras (Definição segundo a NBR 12264) Conjunto de áreas destinadas à execução e apoio dos

Leia mais

RELAÇÃO MENSAL DAS COMPRAS

RELAÇÃO MENSAL DAS COMPRAS Folha: 1/5 RELAÇÃO MENSAL DAS COMPRAS De acordo com o Artigo 16 da Lei Nr. 8.666, de 21 de Junho de 1993, alterada pela Lei Nr. 8.883, de 08 de Junho de 1994, esta é a relação de todas as compras realizadas

Leia mais

PRÁTICAS DE PEQUENAS OBRAS NO MEIO RURAL

PRÁTICAS DE PEQUENAS OBRAS NO MEIO RURAL PRÁTICAS DE PEQUENAS OBRAS NO MEIO RURAL Construção & Desenvolvimento Sustentável Modelo de produção linear Recursos naturais não renováveis Entulho Ciclo fechado de produção Reciclagem Reutilização Garantia

Leia mais

FICHA TÉCNICA SISTEMA DE PURIFICAÇÃO POR ULTRAFILTRAÇÃO COM MÓDULO DE ÁGUA PURIFICADA

FICHA TÉCNICA SISTEMA DE PURIFICAÇÃO POR ULTRAFILTRAÇÃO COM MÓDULO DE ÁGUA PURIFICADA FICHA TÉCNICA SISTEMA DE PURIFICAÇÃO POR ULTRAFILTRAÇÃO COM MÓDULO DE ÁGUA PURIFICADA 1. Características Gerais O sistema está desenhado para dispor a água filtrada (ou purificada) em múltiplos pontos

Leia mais

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO HIDROSSANITÁRIO

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO HIDROSSANITÁRIO ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO HIDROSSANITÁRIO O presente memorial descritivo trata das instalações hidrossanitárias do prédio acima descrito, o qual foi elaborado segundo as normas da ABNT e Dec. 9369/88

Leia mais

REVESTIMENTOS DE PAREDE

REVESTIMENTOS DE PAREDE REVESTIMENTOS DE PAREDE REVESTIMENTO DE PAREDES CHAPISCO EMBOÇO REBOCO CHAPISCO SUPERFÍCIE ÁSPERA ENTRE A ALVENARIA E O EMBOÇO ARGAMASSA DE CIMENTO E AREIA 1:3, CONSISTÊNCIA BEM PLÁSTICA COLHER DE PEDREIRO

Leia mais

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria Secagem, Armazenamento e Beneficiamento de Grãos Professora Roberta Magalhães Dias Cardozo Professora: Roberta

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVO SÃO JOAQUIM

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVO SÃO JOAQUIM - TIPO 02 - ÁREA = 2,73 m² BDI 19,69% 1,1969 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES. SUB TOTAL 112,67 1.1 74077/001 LOCACAO CONVENCIONAL DE OBRA, ATRAVÉS DE GABARITO DE TABUAS CORRIDAS PONTALETADAS, SEM REAPROVEITAMENTO

Leia mais

Zulmira Lopes Divisão de Leite e Lacticínios 2006

Zulmira Lopes Divisão de Leite e Lacticínios 2006 Zulmira Lopes Divisão de Leite e Lacticínios 2006 Cabe a cada estado membro preservar o seu ecossistema, de modo a promover a sua sustentabilidade e o bem-estar da população. Promover a implementação

Leia mais

Filtro para até 600 m² de telhado. useaguadechuva.com

Filtro para até 600 m² de telhado. useaguadechuva.com 1 Filtro para até 600 m² de telhado useaguadechuva.com Quem somos 2 USE ÁGUA DE CHUVA é um produto da empresa AQUARIUS METAIS (www.aquariusmetais.com.br), uma das principais distribuidoras de aço e soluções

Leia mais

Durabilidade para sua fazenda, qualidade para seu gado.

Durabilidade para sua fazenda, qualidade para seu gado. Durabilidade para sua fazenda, qualidade para seu gado. EQUIPAMENTO FINANCIADO www.realmaq.com 100% BRASILEIRA Novo MULTIMIX Auto carregável Disponível nos modelos: 2.5 4.0 6.0 8.0 é muita tecnologia!

Leia mais

Instruções de montagem do Irrigador Solar. Washington Luiz de Barros Melo

Instruções de montagem do Irrigador Solar. Washington Luiz de Barros Melo Instruções de montagem do Irrigador Solar Washington Luiz de Barros Melo Versão 8/2015 1 Irrigador Solar Irrigação ativada pelo sol Washington Luiz de Barros Melo 1. As partes do irrigador O irrigador

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Super Manta Líquida Código: SML001

Ficha Técnica de Produto Super Manta Líquida Código: SML001 1. Descrição: A é um impermeabilizante super elástico e flexível, aplicado a frio em forma de pintura e formulado à base de polímeros especiais acrílicos com alto teor de sólidos Forma uma película impermeabilizante,

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE LABORATÓRIOS DA EMBRAPA

INFRAESTRUTURA DE LABORATÓRIOS DA EMBRAPA INFRAESTRUTURA DE LABORATÓRIOS DA EMBRAPA Para atender os requisitos (BPL/ISO 17025) o projeto deve levar em conta: Dimensões. Detalhes construtivos. Localização/separação efetiva das diferentes atividades

Leia mais

Pisos frios e áreas molháveis Argamassa

Pisos frios e áreas molháveis Argamassa Pisos frios e áreas molháveis Argamassa Sistema Impermeabilizante especificado DRYKOTEC 5000 Revestimento impermeabilizante com alto teor de resina termoplástica e cimentos com cargas ativas, formando

Leia mais

A Norma EIA/TIA 569A. Silvio Lucas

A Norma EIA/TIA 569A. Silvio Lucas Enquanto a norma 568B divide os subsistemas de cabeamento estruturado em 7 subsistemas, a norma 569A trata dos detalhes dos caminhos e espaços bem como a infra-estrutura de dutos para as seguintes áreas:

Leia mais

Instalações em Edifícios II

Instalações em Edifícios II UNIVERSIDADE PEDAGÓGICA ESCOLA SUPERIOR TÉCNICA Instalações em Edifícios II Instalações Predias de Esgotos Sanitários 1 Índice 1. Esgotamento de Águas Residuais 1.1. Componentes do Sistema de Esgoto 1.1.

Leia mais

De propriedade da Sra. Edda Aulicino atualmente quem administra a fazenda é seu filho Eduardo Aulicino.

De propriedade da Sra. Edda Aulicino atualmente quem administra a fazenda é seu filho Eduardo Aulicino. Aftermarket NEWS! Edição nº 26 21/08/2009 A Fazenda Sucupira, localizada em Uberlândia/MG, já possui algumas décadas de história, mas recentemente renovou seus equipamentos e investiu na área leiteira.

Leia mais

ALTIMETRIA. O que é topografia? PLANIMETRIA. A topografia divide-se em em:

ALTIMETRIA. O que é topografia? PLANIMETRIA. A topografia divide-se em em: ALTIMETRIA O que é topografia? É a ciência que tem como objetivo representar, no papel, a configuração de uma porção de terreno com as benfeitorias que estão em sua superfície. Permite a representação

Leia mais

Book Comercial. Construindo e transformando sonhos em realidade

Book Comercial. Construindo e transformando sonhos em realidade Book Comercial Construindo e transformando sonhos em realidade Aquisição de Terreno e Construção Produto Conceito A HOME INCORP, visando atender às necessidades e à satisfação do cliente no quesito habitação,

Leia mais

SILO CI. UMA ALTERNATIVA PARA CONSERVACAO DA FORRAGEM. E~a. Meio-Norte

SILO CI. UMA ALTERNATIVA PARA CONSERVACAO DA FORRAGEM. E~a. Meio-Norte SILO CI. UMA ALTERNATIVA PARA CONSERVACAO DA FORRAGEM E~a Meio-Norte o perfodo de entressafra de forragem causa serios problemas, tais como queda na produ9ao de leite, perda de peso do gado, diminui9ao

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de coleta e condução de águas. Unidade I: pluviais

Unidade: Instalações prediais de coleta e condução de águas. Unidade I: pluviais Unidade: Instalações prediais de coleta e condução de águas Unidade I: pluviais 0 Unidade: Instalações prediais de coleta e condução de águas pluviais 1.1 Terminologia Área de contribuição: é a área somada

Leia mais

Após a silagem, a quantidade máxima de forragem que cabe no silo, em toneladas, é

Após a silagem, a quantidade máxima de forragem que cabe no silo, em toneladas, é Matemática LISTA: 02 2ª série Ensino Médio Professor: Marcelo Honório Turma: A ( ) / B ( ) Aluno(a): Segmento temático: PRIMAS DIA: MÊS: 08 2017 Questão 01) Na alimentação de gado de corte, o processo

Leia mais

Piscinas e reservatórios elevados Argamassa

Piscinas e reservatórios elevados Argamassa Piscinas e reservatórios elevados Argamassa Sistema Impermeabilizante especificado DRYKOTEC 1000 / DRYKOTEC 7000 Revestimento impermeabilizante com alto teor de resina termoplástica e cimentos com cargas

Leia mais

VEDAPREN PAREDE VEDAPREN PAREDE SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

VEDAPREN PAREDE VEDAPREN PAREDE SAC 0800-VEDACIT DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto é uma pintura impermeável, elástica e de base acrílica, que oferece grande aderência e durabilidade. dispensa a seladora. Pode ser deixado exposto ou receber pigmento líquido, tinta látex/acrílica,

Leia mais

SOJA PLUS. Relatório Contrapartida dos Produtores Rurais da Bahia R$ ,00. Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira

SOJA PLUS. Relatório Contrapartida dos Produtores Rurais da Bahia R$ ,00. Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SOJA PLUS Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Relatório Contrapartida dos Produtores Rurais da Bahia 1.500.000,00 PERÍODO: jul.2014 a dez.2016 CONTRAPARTIDA PRODUTORES RURAIS

Leia mais

Ficha Técnica IE01 ESTRUTURA: Piso e Cobertura

Ficha Técnica IE01 ESTRUTURA: Piso e Cobertura Ficha Técnica IE01 Piso e Cobertura Função: Acomodar a Estação Renova e seus leitos de secagem de lodo, protegendo-os dos raios solares e intempéries. O piso deverá ser construído de acordo com as dimensões

Leia mais

Instalações Hidráulicas Prediais

Instalações Hidráulicas Prediais Instalações Hidráulicas Prediais Sistemas Prediais de Águas Pluviais Prof.: Guilherme Nanni Grabowski Água Pluvial Deve: Captar, Conduzir e Destinar adequadamente as águas de chuva que precipitam nos edifícios.

Leia mais

Guia Prático de Instalação Revestimentos Nexacustic. Revisão: 1

Guia Prático de Instalação Revestimentos Nexacustic. Revisão: 1 Guia Prático de Instalação Revestimentos Nexacustic Revisão: 1 Guia Prático de Instalação Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os produtos Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação em ambientes

Leia mais

Dutos. 14 mm PLASTCS Emenda 90º PLASTCS-30 RETA Emenda Reta

Dutos. 14 mm PLASTCS Emenda 90º PLASTCS-30 RETA Emenda Reta Dutos Os Dutos Dutoplast têm uma infinidade de utilizações. Produzidos em PVC nas cores cinza, creme, azul, azul petróleo e preta, as barras têm medidas de 2 ou 4 metros, e têm comprovada utilização em

Leia mais

COMPOUND ADESIVO GEL

COMPOUND ADESIVO GEL Produto COMPOUND ADESIVO GEL é um adesivo estrutural de base epóxi que apresenta altíssimas resistências em baixas idades, alta fluidez, possibilitando a aplicação até mesmo em locais de difícil acesso.

Leia mais