UM MODELO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE CONTROLE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM MODELO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE CONTROLE"

Transcrição

1 XXVI COBENGE 2337 UM MODELO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE CONTROLE Basilio, João Carlos, E.E., M.Sc. Ph.D. Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Engenharia - Depto. de Eletrotécnica Cidade Universitária - Ilha do Fundão Rio de Janeiro - R.J. RESUMO - Num curso introdutório de sistemas de controle são apresentados conceitos novos como funções de transferências, especificação da resposta transitória resposta em freqüência, estabilidade e realimentação. Como esses conceitos são apresentados na forma de blocos independentes, o aluno, ao final do curso, em geral não possui um conhecimento global da área de controle, nem sequer dos passos necessários para se chegar a um controlador. É sabido que o projeto de um sistema de controle compreende as seguintes etapas: modelagem/identifi-cação do sistema a ser controlado, projeto de um controlador que satisfaça as especificações de desempenho e estabilidade relativa, simulação utilizando computadores digitais e implementação do controlador no sistema real. O modelo de laboratório aqui proposto abrange todas essas etapas e, além de dar uma visão global da disciplina, tem a vantagem de propiciar que os alunos visualizem, na prática, conceitos que muitas vezes lhes parecem

2 2338 abstratos, tais como: diferentes funções de transferências para um mesmo sistema físico, sensibilidade a variações de parâmetros, ruídos e perturbações externas. 1 INTRODUÇÃO Num curso introdutório de Sistemas de Controle são apresentados conceitos novos tais como funções de transferências, especificações de desempenho, sensibilidade em relação à variação de parâmetros do sistema, ruídos e perturbações externas, estabilidade e realimentação. Um laboratório de Sistemas de Controle ministrado simultaneamente à disciplina teórica serviria para ilustrar os conceitos apresentados na disciplina teórica, porém seu escopo, em termos de um projeto global de um sistema de controle ficaria seriamente comprometido. v a (t) o Motor CC Gerador CC Tacômetro o v t (t) o o i g (t) o o Figura 1: Representação esquemática do grupo motor-gerador Um projeto de um sistema de controle compreende, de uma maneira geral, as seguintes etapas: modelagem/identificação do sistema a ser controlado, projeto de controladores que satisfaçam as especificações de desempenho e estabilidade relativa exigidas, simulação utilizando computadores digitais e implementação do controlador no sistema real. No modelo de laboratório de sistemas de controle aqui proposto, todas essas etapas são consideradas. A planta adotada é um grupo motorgerador, representado esquematicamente na figura 1, onde v a (t) representa a tensão nos terminais da armadura do motor, v t (t) a tensão nos terminais do tacômetro (proporcional à velocidade angular do motor/gerador) e i g (t) denota a corrente fornecida pelo gerador quando uma carga é conectada aos seus terminais.

3 XXVI COBENGE 2339 Assim como na prática, também aqui o aluno fará uso recursos computacionais tais como o MATLAB e o SIMULINK. O SIMULINK será usado na validação da identificação do sistema e para a análise do desempenho do sistema após a introdução do controlador, enquanto o MATLAB é utilizado como ferramenta auxilar de projeto. Essas duas ferramentas são fundamentais para um bom rendimento dos alunos no laboratório. Assim sendo, quando os alunos não são familiares com essas linguagens, devem ser reservadas algumas seções para o seu ensino. Este artigo está estruturado da seguinte forma: na seção 2 será feita a formulação do problema de controle e, em seguida, será apresentado um modelo matemático que descreve o grupo motor-gerador; na seção 3 serão descritas as etapas para a identificação do sistema; a seção 4 trata do projeto de um controlador que satisfaça as exigências impostas na seção 2 e finalmente, na seção 5, será considerada a implementação do controlador no sistema real. 2 FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DE CONTROLE E MODE- LAGEM DO SISTEMA Ao se formular um problema de controle, o primeiro passo é a definição da grandeza a ser controlada. Em nosso caso, a grandeza escolhida será a velocidade angular do gerador. A motivação para essa escolha reside no fato de que, na geração de tensões alternadas senoidais, a freqüência angular deve ser mantida dentro de um intervalo bastante rígido. Como a freqüência angular é proporcional à velocidade angular do motor, o controle da velocidade angular do gerador surge como um objetivo claro de projeto. De uma forma mais detalhada, o problema a ser perseguido aqui pode ser enunciado da seguinte forma: projete um controlador de tal sorte que o sistema realimentado (i) seja estável; (ii) tenha erro de regime permanente nulo para uma determinada velocidade de referência; (iii) rejeite assintoticamente (para valores infinitamente grandes do tempo) perturbações que, no sistema em estudo, são decorrentes da introdução de cargas nos terminais do gerador isto se deve ao fato de que tais cargas, ao demandarem corrente do gerador, aumentam o torque resistivo no eixo do motor, fazendo com que a

4 2340 velocidade de rotação do grupo motor-gerador tenda a diminuir; (iv) tenha um desempenho transitório pelo menos equivalente ao sistema sem compensação e (v) seja imune a variações nos parâmetros do grupo motor-gerado ou a erros de identificação dos parâmetros da sua função de transferência. Uma vez definidos os objetivos de controle, o passo seguinte é a modelagem do sistema. A partir do esquema da figura 2, observa-se que, para tanto, basta fazer a modelagem de um motor CC controlado pela armadura. A influência do gerador no modelo do motor será levada em conta conta pelo aparecimento de um torque de perturbação resultante da introdução de cargas de natureza elétrica nos terminais do gerador e pelo maior momento de inércia R a L a R g L g v a (t) Uma vez definidos os objetivos de controle, v t (t) o passoi g (t) seguinte é a Tacômetro Motor Gerador Figura 2: Circuito equivalente para o sistema motor-gerador-tacômetro O modelo matemático do motor CC será desenvolvido a partir do circuito equivalente da figura 3, onde i a (t) e v a (t) denotam, respectivamente, a corrente e a tensão de armadura, ω(t) é a velocidade angular do motor e J e f são o momento de inércia da carga e o coeficiente de atrito nos mancais, respectivamente. Pode-se demonstrar [1] que: R

5 XXVI COBENGE 2341 Ka Kd Ws () = Va () s Td () s (1) τs + 1 τs + 1 onde t d (t) representa o torque de perturbação, K a e K d são constantes que levam em conta os conjugados elétrico e mecânico do motor, a resistência de armadura e a fricção nos mancais e 1/τ representa a constante de tempo do sistema, que é função do momento de inércia da carga e também das mesmas grandezas que influenciam as constantes K a e K d. Note ainda que, como td ( t) = Kig (t), e inserindo-se o tacômetro no sistema, tem-se que a função de transferência que relaciona v t (t), v a (t) e i g (t) é dada por: K K K K a t g t Vt () s = Va () s Ig () s (2) τs + 1 τs + 1 que pode ser representada pelo diagrama de blocos da figura 4. i a (t) R a L a v a (t) R f V f L f I f (constante) f ω(t) J Figura 3: Circuito equivalente de um motor CC controlado pela armadura

6 IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS K a, K t, K g E τ Uma vez que se dispõe do modelo matemático da planta, o próximo passo é a identificação dos ganhos K a, K t e K g e da constante de tempo τ. I g (s) K g _ V a (s) 1 W a (s) K a τ s + 1 K t V t (s) Figura 4: Diagrama de blocos para o grupo motor-gerador 3.1 IDENTIFICAÇÃO DE K a E K t Inicialmente, assuma i g (t) = 0 (A), isto é, não há carga alguma conectada nos terminais do gerador e suponha que seja aplicado um sinal de tensão constante V a (V) nos terminais do motor. Portanto, V a (s)=v a /s e a equação (2) se torna: KaKt Va Vt ()= s. (3) τ s + 1 s Não é difícil verificar que, em estado permanente, v t (t) = V t = K a K t V a, o que mostra que quando uma tensão de valor constante é aplicada a um motor CC, a tensão em regime permanente nos terminais do tacômetro acoplado ao eixo desse motor será proporcional ao valor da tensão aplicada. Note, ainda, que v t (t) = K t ω(t) e, portanto, em estado permanente, para a mesma entrada V a, ω(t) = W = K a V a e V t = K t W. Isto sugere o seguinte procedimento para a identificação dos ganhos K a e K t : Algoritmo 1:

7 XXVI COBENGE Excita-se o motor com tensões constantes e iguais a V a1,v a2,...,v an, medindo-se os valores correspondentes de tensão nos terminais do tacômetro, V t1,v t2,...,v tn, e as respectivas rotações angulares no eixo do motor, W 1,W 2,...,W n. 2. Forme os seguintes grupos de pares cartesianos: (i) (V a1,v t1 ), (V a2,v t2 ),,...,(V an,v tn ); (ii) (V a1,w 1 ), (V a2,w 2 ),...,(V an,w n ); (iii) (W 1,V t1 ), (W 2,V t2 ),,...,(W n,v tn ); 3. Os valores de K a K t, K a e K t podem ser obtidos utilizando-se o método dos mínimos quadrados para ajustar os coeficientes das retas (i) V t = K a K t V a,; (ii) W = K a V a e (iii) V t = K t W aos pares ordenados obtidos em 2(i),(ii),(iii). 3.2 IDENTIFICAÇÃO DE K g Para a identificação de K g, suponha que seja conectada uma carga resistiva nos terminais do gerador. Isto fará com que circule uma corrente contínua de valor I g, que é função da tensão aplicada nos terminais do motor, conforme mostra a equação seguinte: KKV K K I a t a g t g Vt ()= s (5) τs + 1 s τs + 1 s de onde se pode concluir que o valor de estado permanente de v t (t) após a introdução da carga será V tg = V t - K g K t I g, onde V t = K a K t V a é o valor da tensão nos terminais do tacômetro para uma entrada igual a um degrau de amplitude V a, quando não há cargas conectadas ao gerador. Definindo-se V t = V t - V tg, tem-se que V t = K g K t I g. A identificação de K g pode ser feita de acordo com o seguinte algoritmo. Algoritmo 2: Inicialmente, sem carga alguma conectada aos terminais do gerador, aplica-se ao motor CC uma tensão igual a V a1 (V) e medese a tensão resultante nos terminais do tacômetro V t1 (V).

8 Mantendo a mesma tensão aplicada ao motor, conecte um carga resistiva ao gerador e meça a corrente fornecida pelo gerador, I g1 (A), e a tensão nos terminais do tacômetro, V tg1 (V). 2. Defina V t1 = V t1 - V tg1 e forme o par ordenado (I g1,v t1 ). 3. Repita os passos 1 a 3 acima para outros valores de V a, obtendo, ao final, os pares ordenados (I g1,v t1 ), (I g2,v t2 ),..., (I gn,v tn ). 4. Utilize o método dos mínimos quadrados para ajustar o coeficiente angular K g K t da reta V t = K g K t I g aos pontos obtidos no passo 4. Observação: Na identificação de K a, K t e K g utiliza-se o método dos mínimos quadrados para determinar o coeficiente angular de uma reta que passa pela origem. Este problema pode ser formulado da seguinte maneira: sejam n-pares cartesianos (x 1,y 1 ), (x 2,y 2 ),..., (x n,y n ) e considere o problema de se ajustar o coeficiente angular (α) da reta y = αx tal que a soma dos quadrados das diferenças entre as ordenadas y 1,y 2,...,y n e αx 1, αx 2,..., αx n seja mínima. Seja y t = [ y 1 y 2... y n ] e x t = [ x 1 x 2... x n ] e assuma que. 2 denota norma euclideana de um vetor, então ferramentas elementares de cálculo diferencial e álgebra linear permitem escrever: α= y t x 2 x (6) 3.3 IDENTIFICAÇÃO DE τ Considere novamente o gerador em vazio, isto é, assuma que não há carga alguma conectada nos seus terminais. Desta forma, tem-se que i g (t) = 0 e a função de transferência (2) torna-se: V G( s) = V t a ( s) ( s) 2 K a K t =. (7) τs + 1

9 XXVI COBENGE 2345 A constante de tempo τ pode, então, ser identificada a partir do diagrama de módulo de Bode, uma vez que, para freqüências muito menores que 1/τ rd, G(jω) db = 20 log(k a K t ), que corresponde à assíntota de baixa freqüencia e para freqüências muito maiores que 1/τ rd, tem-se que G(jω) db = 20 log(k a K t /τ) - log ω. As duas assíntotas se encontram em ω = 1/τ rd, sendo esta, portanto, a freqüência de canto. Como K a e K t foram determinados na seção 3.1, a constante de tempo τ pode ser determinada a partir de um experimento de resposta em freqüência de acordo com o seguinte algoritmo: Algoritmo 3: 1. Excite o motor com tensões senoidais de amplitude V ai (V) e freqüências f i medindo-se a correspondente tensão de saída V ti (V). 2. Construa, utilizando a função semilogx do MATLAB, o diagrama de módulo de Bode para o sistema, com os pontos cujas coordenadas são (ω,,20log V ti /V ai ), onde ω i = 2π f i. Em seguida, despreze os pontos que são discrepantes. 3. Represente, no mesmo gráfico obtido ao final do passo 2, a assíntota de baixa freqüência utilizando os valores de K a e K t obtidos na seção 3.1. Essa assíntota deve iniciar numa freqüência pelo menos uma década abaixo da menor freqüência utilizada em 1 4. Utilizando a função polyfit do MATLAB ajuste os pontos representados no gráfico obtido ao final do passo 2 por um polinômio p(ω) cujo grau será definido da seguinte forma: 4.1 Defina um vetor ϖ contendo freqüências, espaçadas logaritmicamente, iniciando-se pelo menos uma década antes da menor freqüência utilizada no passo 1 e terminado aproximadamente na maior freqüência utilizada em 1.

10 Calcule p(ϖ) para cada freqüência definida em 4.1 e, em seguida, represente no gráfico obtido ao final do passo 3 os pontos de coordenadas (ϖ i, p(ϖ i )). Se a curva ajustada for aproximadamente tangente à assíntota de baixa freqüência e passar próxima aos pontos representados no passo 2, então, p(ϖ i ), i = 1,...,k, onde k denota a dimensão do vetor ϖ, representa uma boa aproximação para o diagrama de módulo de Bode da equação (7). Caso contrário, escolha um novo grau para p(ϖ) e repita este passo. 5. Determine os dois pontos do vetor ϖ para os quais p(ϖ) é, respectivamente, maior ou igual e menor ou igual a 20 log K a K t - 3, e os correspondentes valores de p(ϖ). Em seguida, utilize interpolação linear para encontrar a freqüência ω c para a qual G(jω c ) db = 20 log K a K t - 3. A constante de tempo τ será igual a 1/ω c. 4 PROJETO DO CONTROLADOR Tendo sido obtido um modelo matemático para o grupo motorgerador, o passo seguinte é o projeto de um controlador que satisfaça as seguintes exigências: 1. Estabilidade; 2. Erro de regime permanente nulo, i.e., para uma dada tensão de referência v r (t) (V) (equivalente à velocidade angular desejada), a tensão nos terminais do tacômetro v t (t) deve ser, em regime permanente, igual à tensão de referência; 3. Baixa sensibilidade à variação dos parâmetros no modelo, que no presente caso se deve a erros de identificação de K a, K t, K g e τ. 4. Rejeição assintótica à perturbação, i.e., para uma carga inserida nos terminais do gerador, a tensão nos terminais do tacômetro deve, em regime permanente voltar a ser igual à da tensão de referência.

11 XXVI COBENGE Desempenho transitório satisfatório. Como se trata de uma plantadidática o desempenho do sistema será definido unicamente em termos do tempo de acomodação do sistema em malha aberta. Como o objetivo aqui é controlar a velocidade de rotação do motor, isto é, mantê-la em um determinado valor, é natural considerar como sinal de referência o degrau, i.e.: V r (V), t 0 vr (t) = (8) 0, t < 0 Como forma de ilustrar os benefícios da realimentação, iremos inicialmen-te considerar a possibilidade de usar um controle em malha aberta para, em seguida, introduzir a realimentação. 4.1 SISTEMA DE CONTROLE EM MALHA ABERTA A partir da equação (2) vê-se que o sistema em estudo é estável e, portanto, poder-se-ia considerar a possibilidade de se fazer um controle em malha aberta. Para tanto, considere o diagrama de blocos da figura 5, onde K(s) representa a função de transferência do controlador a ser projetado. Como, por simplicidade, foi adotado como satisfatório o tempo de acomodação do sistema sem compensação, pode ser adotado um controlador estático, isto é: K(s) = K (9) onde K será determinado de tal forma que, em regime permanente v t (t) = V r (V) (assumindo, inicialmente que não há carga conectada nos terminais do gerador). É fácil verificar que K=1/(K a K t ) leva o sistema a um erro de regime permanente nulo.

12 2348 I g (s V r (s) K(s) K g _ V a (s) 1 V t (s K a K t + τs + 1 Figura 5: Diagrama de blocos para o controle em malha aberta O passo seguinte é fazer a análise do desempenho do sistema compensado, utilizando o SIMULINK. Para tanto, deve-se inicialmente construir um modelo, em SIMULINK, do diagrama de blocos da figura 5 e, em seguida, proceder ao seguinte exercício de simulação com o objetivo de verificar se as exigências de desempenho 2 a 4 serão satisfeitos: 1. Para uma corrente i g (t) = 0 (A), aplica-se um degrau de amplitude igual a V r (V) com início em t = 0s. Os alunos verificarão que, de fato, o objetivo de erro de regime permanente foi atingido. Em seguida, registre o valor do tempo de acomodação (t s ) da resposta. 3. Suponha que tenha havido um erro de 10% na identificação de K a. Em seguida, ainda com i g (t) = 0 (A), aplica-se um degrau de amplitude igual a V r (V) com início em t = 0s. Os alunos terão, agora, a oportunidade de verificar que há um erro de regime permanente e, portanto, o controlador proposto não mais se mostra eficiente. 4. Finalmente, aplique simultaneamente as entradas v r (t) e i g (t), sendo ambas iguais ao degrau, com amplitudes, respectivamente, iguais a V r (V) e I g (A), e inícios em t = 0s e t=t o (s), onde t o é um instante superior ao tempo de acomodação. Os alunos mais um vez verificarão que haverá um erro entre a tensão de referência e aquela nos terminais do tacômetro.

13 XXVI COBENGE SISTEMA DE CONTROLE EM MALHA FECHADA A realimentação surge, então, como única alternativa para se superar as deficiências do controlador em malha aberta. Considere, portanto o diagrama de blocos da figura 6. I g (s) V _ r (s) V a (s) 1 K(s) K K V t (s) + _ + τs + 1 K g Figura 6: Diagrama de blocos para o controle em malha fechada O primeiro passo é definir uma estrutura para o controlador K(s). Para tanto, considere o seguinte resultado: Teorema 1: Considere um sistema realimentado (realimentação negativa) cujo sinal de perturbação atua na entrada da planta. Sejam G(s) = n G (s)/d G (s) e K(s) = n K (s)/d K (s) as funções de transferências da planta e do controlador, respectivamente, e R(s)=α(s)/β(s) e D(s) = γ(s)/δ(s) as transformadas de Laplace dos sinais de referência e de perturbação. Suponha ainda que K(s) estabiliza o sistema. (i) Assumindo d(t)=0 então lim e( t) = 0 se e somente d G (s)d K (s) t = x(s)β + (s), onde e(t) = r(t) - y(t), β + (s) é um polinômio cujos zeros são os zeros de β(s) com parte real positiva ou nula e x(s) um polinômio qualquer. (ii) Assumindo agora que d(t) 0, então lim y( t) = lim r( t), t t

14 2350 isto é, o sistema rejeita assintoticamente o sinal de perturbação d(t) se e somente se n G (s)d K (s) = p(s)δ + (s), onde δ + (s) é um polinômio cujos zeros são os zeros de δ (s) com parte real positiva ou nula e p(s) um polinômio qualquer. Prova: Ver [2]. O teorema acima mostra que para que um sinal possa ser rastreado (rejeitado) então os zeros do polinômio do denominador da transformada de Laplace do sinal a ser rastreado (rejeitado) com parte real positiva ou nula devem ser pólos do controlador ou da planta (pólos do controlador ou zeros da planta). No presente caso, tanto o sinal de referência como o de perturbação são degraus e portanto β + (s)=δ + (s)=s. Assim sendo o controlador deve ter ação integradora, i.e., K( s) K( s) = (10) s onde K (s) será determinada para que o sistema realimentado seja estável. Vamos inicialmente considerar um controlador integral puro, isto é, seja K ( s) = K. O diagrama do lugar das raízes para esse é dado na figura 7. Note que, o sistema realimentado será estável para todo valor de K maior que zero. Assim sendo, a escolha de K será feita com base no desempenho transitório do sistema. Com isso em mente, são calculados valores para K de tal sorte que o sistema realimentado será (i) criticamente amortecido e; (ii) sub-amortecido com percentual de ultapassagem menor que 5%. Em seguida, constrói-se um modelo em SIMULINK equivalente ao diagrama de blocos da figura 6. Observa-se que:

15 XXVI COBENGE 2351 Im(p) X -1/τ X Re(p) Figura 7: Lugar das raízes para K(s)=K /s 1. O tempo de acomodação da resposta o aluno verificará que o desempenho transitório do sistema realimentado é pior que o do sistema em malha aberta tanto para a condição de sub-amortecido quanto para criticamente amortecido. 2. Mesmo para um erro de 10% em K a, o erro de estado permanente continua igual a zero. 3. O sistema realimentado foi capaz de rejeitar a perturbação. Observe que o tempo de acomodação para o sistema em malha aberta é menor que o de malha fechada. Isto se deve ao fato de que, o sistema em malha aberta é de 1ª ordem, cuja constante de tempo é τ; o que implica que t s =4τ. Para o sistema realimentado com controlador integral puro, os pólos do sistema têm parte real igual a -1/2τ, o que implica que t s 8τ. Assim sendo, para que o desempenho seja aproximadamente igual ao do sistema em malha aberta, tais pólos devem ter parte real aproximadamente igual a -1/τ. Isto implica que o diagrama do lugar das raízes deve se deslocar para a esquerda e, para tanto, é necessário que exista um zero -z à esquerda de -1/τ. Portanto, K(s) deve ter a seguinte forma:

16 2352 K P ( s + z) K I K( s) = = K P + (11) s s onde K I = K P z. Note pela equação acima que a introdução do zero no controlador equivale a dotar o controlador de ação proporcional. É fácil verificar para K P =1/(K a K t ), os pólos do sistema realimentado terão parte real igual a -1/τ. Note ainda que a escolha de z ditará a ultrapassagem da resposta, isto é, qual mais próximo de 1/τ estiver z, menor será o percentual de ultrapassagem. Substituindo-se, então a função de transferência (12) no modelo do SIMULINK, obtém-se que o tempo de acomodação da resposta ao degrau será aproximadamente 4τ (s). Finalmente, observe que o procedimento acima permite, inclusive, obter um tempo de acomodação menor, bastando para isso aumentar K P. 5 IMPLEMENTAÇÃO Uma vez obtida a função de transferência para o controlador, o passo final é a implementação do controlador. Como se trata de um laboratório para um primeiro curso de Sistemas de Controle, são utilizados controladores analógicos. A implementação de sistema de controle, nada mais é do que a construção de circuitos analógicos do comparador e do controlador, do sistema realimentado mostrado na figura 6. Tais circuitos são mais facilmente projetados utilizando-se amplificadores operacionais, por exemplo, 741 ou LF356 (os últimos são preferíveis por serem construídos com transistores de efeito de campo e, por essa razão têm maior impedância de entrada).

17 XXVI COBENGE IMPLEMENTAÇÃO DO COMPARADOR O circuito para o comparador está representado na figura 8. Note que, para esse circuito tem-se que: e(t) = v tr (t) - v t (t). (12) Quando de sua implementação, a equação (12) não será, em geral, verificada, uma vez que os valores dos resistores não são exatamente iguais. Para se superar este problema, devem ser ligados potenciômetros em série com os resistores, que serão ajustados de tal forma que a equação (12) possa ser verificada (a menos do "offset" característico do amplificador operacional). O ajuste é feito da seguinte forma: (1) aplica-se o mesmo sinal de tensão a ambos os terminais (v t (t) e v tr (t)) e; (2) ajusta-se os potenciômetros até que a amplitude da tensão de saída seja aproximadamente igual ao "offset" do amplificador: v (t) v tr (t) e(t) Figura 8: Circuito elétrico para a implementação do comparador

18 IMPLEMENTAÇÃO DO CONTROLADOR Um circuito para um controlador PID (proporcional + integral + derivativo) está representado na figura 9, onde: Vc ( s) K I = ( K P + + K Ds) (13) E( s) s K P = C i /C f + R f /R i, K I = 1/(R i C f ) e K D = R f C i. Note que, como o controlador projetado na seção 4.2 é do tipo PI, então, o termo K P deve ser feito igual a zero, o que é conseguido fazendo-se R f 0. Em seguida, escolhe-se de R i, C i e C f são calculados de forma a que a o circuito da figura 9 tenha uma mesma função de transferência do controlador projetado o mais próxima possível daquela obtida em (11). Podemos salientar os seguintes fatos: 1. Além das ações proporcional e integral, o circuito tem ainda ação inversora, conforme pode ser visto a partir da equação (14); 2. O circuito compõem-se ainda de um amplificador de potência; R i R f C e(t) v (t) v (t) C i Figura 9: Circuito elétrico para o controlador-amplificador de potência Para solucionar o problema introduzido pela inversão, dois caminhos podem ser seguidos: (i) se o amplificador de potência for também um inversor, então o problema está resolvido; (ii) caso contrário, inverte-se as posições das entradas v t (t) e v tr (t) no circuito comparador da figura 8.

19 XXVI COBENGE CONCLUSÃO Neste artigo foi apresentado um modelo de laboratório para um primeiro curso de Sistemas de Controle. Devido ao fato de se basear num projeto, o laboratório proposto tem as seguintes vantagens: (i) faz uso de todos os conceitos apresentados na disciplina teórica, solidificando, portanto, tais conceitos; (ii) dota o aluno de conhecimentos suficientes para desenvolver projetos de sistemas de controle. AGRADECIMENTOS Este trabalho foi parcialmente financiado pelo CNPq (projeto de pesquisa no /96-3). REFERÊNCIAS [1] Dorf, R. C., Modern Control Systems. Addison-Wesley, Reading, MA, USA, [2] Basilio, J. C., Laboratório de Sistemas de Controle I. Editora da Escola de Engenharia da UFRJ, 1998.

Determinação dos Parâmetros do Motor de Corrente Contínua

Determinação dos Parâmetros do Motor de Corrente Contínua Laboratório de Máquinas Elétricas: Alunos: Professor: Leonardo Salas Maldonado Determinação dos Parâmetros do Motor de Corrente Contínua Objetivo: Ensaiar o motor de corrente contínua em vazio; Determinar

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Introdução Diagramas de Bode Gráficos Polares Gráfico de Amplitude em db Versus Fase. Aula 14. Cristiano Quevedo Andrea 1

Introdução Diagramas de Bode Gráficos Polares Gráfico de Amplitude em db Versus Fase. Aula 14. Cristiano Quevedo Andrea 1 Cristiano Quevedo Andrea 1 1 UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná DAELT - Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curitiba, Outubro 2012. 1 / 48 Resumo 1 Introdução 2 Diagramas de Bode 3

Leia mais

Controle de Velocidade

Controle de Velocidade 1 Capítulo 1 Controle de Velocidade 1.1 Objetivos O objetivo neste experimento é projetar um controlador que regule a velocidade do eixo do motor. O procedimento será baseado na análise da resposta em

Leia mais

CAPÍTULO 7 Projeto usando o Lugar Geométrico das Raízes

CAPÍTULO 7 Projeto usando o Lugar Geométrico das Raízes CAPÍTULO 7 Projeto usando o Lugar Geométrico das Raízes 7.1 Introdução Os objetivos do projeto de sistemas de controle foram discutidos no Capítulo 5. No Capítulo 6 foram apresentados métodos rápidos de

Leia mais

Conteúdo. Definições básicas;

Conteúdo. Definições básicas; Conteúdo Definições básicas; Caracterização de Sistemas Dinâmicos; Caracterização dinâmica de conversores cc-cc; Controle Clássico x Controle Moderno; Campus Sobral 2 Engenharia de Controle Definições

Leia mais

PMR3404 Controle I Aula 3

PMR3404 Controle I Aula 3 PMR3404 Controle I Aula 3 Resposta estática Ações de controle PID Newton Maruyama 23 de março de 2017 PMR-EPUSP Classificação de sistemas de acordo com o seu desempenho em regime estático Seja o seguinte

Leia mais

RESPOSTA EM FREQUÊNCIA: DIAGRAMA DE BODE

RESPOSTA EM FREQUÊNCIA: DIAGRAMA DE BODE RESPOSTA EM FREQUÊNCIA: DIAGRAMA DE BODE CCL Profa. Mariana Cavalca Baseado em: MAYA, Paulo Álvaro; LEONARDI, Fabrizio. Controle essencial. São Paulo: Pearson, 2011. OGATA, Katsuhiko. Engenharia de controle

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 Introdução 1. CAPÍTULO 2 Terminologia dos Sistemas de Controle 14

Sumário. CAPÍTULO 1 Introdução 1. CAPÍTULO 2 Terminologia dos Sistemas de Controle 14 Sumário CAPÍTULO 1 Introdução 1 1.1 Sistemas de controle 1 1.2 Exemplos de sistemas de controle 2 1.3 Sistemas de controle de malha aberta e malha fechada 3 1.4 Realimentação 3 1.5 Características da realimentação

Leia mais

Projeto de Compensadores no Domínio da Frequência

Projeto de Compensadores no Domínio da Frequência Projeto de Compensadores no Domínio da Frequência Maio de 214 Loop Shaping I No projeto de compensadores no domínio da frequência, parte-se do pressuposto de que o sistema a ser controlado pode ser representado

Leia mais

Circuitos Elétricos Ativos, análise via transformada de Laplace

Circuitos Elétricos Ativos, análise via transformada de Laplace Circuitos Elétricos Ativos, análise via transformada de Laplace Carlos Eduardo de Brito Novaes carlosnov@gmail.com 8 de maio de 0 Introdução Utilizando a transformada de Laplace, a modelagem dinâmica de

Leia mais

Sintonia do compensador PID

Sintonia do compensador PID Sintonia do compensador PID 0.1 Introdução DAELN - UTFPR - Controle I Paulo Roberto Brero de Campos Neste capítulo será estudado um problema muito comum na indústria que consiste em fazer o ajuste dos

Leia mais

Projeto de Compensadores/Controladores pelo Diagrama de Lugar das Raízes

Projeto de Compensadores/Controladores pelo Diagrama de Lugar das Raízes Projeto de Compensadores/Controladores pelo Diagrama de Lugar das Raízes Carlos Eduardo de Brito Novaes carlos.novaes@aedu.com http://professorcarlosnovaes.wordpress.com 2 de novembro de 202 Introdução

Leia mais

Controladores: Proporcional (P) Proporcional e Integral (PI) Proporcional, Integral e Derivativo (PID)

Controladores: Proporcional (P) Proporcional e Integral (PI) Proporcional, Integral e Derivativo (PID) Sistemas Realimentados Regulação e Tipo de sistema: Entrada de referência Entrada de distúrbio Controladores: Proporcional (P) Proporcional e Integral (PI) Proporcional, Integral e Derivativo (PID) Fernando

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Prof: Marcos Lajovic Carneiro Aluno (a): Sistemas de Controle I

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Prof: Marcos Lajovic Carneiro Aluno (a): Sistemas de Controle I Pontifícia Universidade Católica de Goiás Projeto de Escola de Engenharia ENG 3502 Controle de Processos Controle I Prof: Marcos Lajovic Carneiro Aluno (a): Sistemas de Controle I Estudo de Caso Antena

Leia mais

PID e Lugar das Raízes

PID e Lugar das Raízes PID e Lugar das Raízes 1. Controlador PID 2. Minorsky (1922), Directional stability of automatically steered bodies, Journal of the American Society of Naval Engineers, Vol. 34, pp. 284 Pilotagem de navios

Leia mais

Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal. Indutância mútua.

Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal. Indutância mútua. Capítulo 6 Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal. Indutância mútua. 6.1 Material Gerador de funções; osciloscópio; multímetro; resistor de 1 kω; indutores de 9,54, 23,2 e 50 mh. 6.2 Introdução

Leia mais

B. A. Angelico, P. R. Scalassara, A. N. Vargas, UTFPR, Brasil. Constituídodedoisgráficos: umdomóduloemdecibel(db) outrodoângulo de fase;

B. A. Angelico, P. R. Scalassara, A. N. Vargas, UTFPR, Brasil. Constituídodedoisgráficos: umdomóduloemdecibel(db) outrodoângulo de fase; Diagramas de Bode Constituídodedoisgráficos: umdomóduloemdecibel(db) outrodoângulo de fase; Ambos são traçados em relação à frequência em escala logarítmica; LembrequeologaritmodomódulodeG(jω) é20log 10

Leia mais

Experiência 3. Identificação de motor de corrente contínua com tacômetro. 1-Introdução. 2-Modelo do processo

Experiência 3. Identificação de motor de corrente contínua com tacômetro. 1-Introdução. 2-Modelo do processo Experiência 3 Identificação de motor de corrente contínua com tacômetro Autores: Adolfo Bauchspiess e Geovany A. Borges O objetivo deste experimento é levantar o modelo dinâmico do conjunto atuador e motor

Leia mais

3. Modelos de funcionamento transiente de motores a dois tempos.

3. Modelos de funcionamento transiente de motores a dois tempos. 3. Modelos de funcionamento transiente de motores a dois tempos. O modo de operação de um motor é resultado da combinação de diversos parâmetros de desempenho: a potência efetiva, kw e, o torque, Q e,

Leia mais

CAPÍTULO Compensação via Compensador de Avanço de Fase

CAPÍTULO Compensação via Compensador de Avanço de Fase CAPÍTULO 8 Projeto no Domínio da Freqüência 8.1 Introdução Este capítulo aborda o projeto de controladores usando o domínio da freqüência. As caracteristicas de resposta em freqüência dos diversos controladores,

Leia mais

1ā lista de exercícios de Sistemas de Controle II

1ā lista de exercícios de Sistemas de Controle II ā lista de exercícios de Sistemas de Controle II Obtenha uma representação em espaço de estados para o sistema da figura R(s) + E(s) s + z U(s) K Y (s) s + p s(s + a) Figura : Diagrama de blocos do exercício

Leia mais

Método da Resposta da Freqüência

Método da Resposta da Freqüência Método da Resposta da Freqüência Introdução; Gráfico de Resposta de Freqüência; Medidas de Resposta de Freqüência; Especificação de Desempenho no Domínio da Freqüência; Diagrama Logarítmicos e de Magnitude

Leia mais

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello 1

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência Carlos Alexandre Mello 1 Transformada de Laplace O que são Transformadas? Quais as mais comuns: Laplace Fourier Cosseno Wavelet... 2 Transformada de Laplace A transf.

Leia mais

Questões para Revisão Controle

Questões para Revisão Controle Questões para Revisão Controle 1. (PROVÃO-1999)A Figura 1 apresenta o diagrama de blocos de um sistema de controle, e a Figura 2, o seu lugar das raízes para K > 0. Com base nas duas figuras, resolva os

Leia mais

Método de Margem de Ganho

Método de Margem de Ganho Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS custo Método de Margem de Ganho Outros Processos e de de Fase Separação Prof a Ninoska Bojorge Resposta de

Leia mais

Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal

Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal 5 5.1 Material Gerador de funções; osciloscópio; multímetro; resistor de 1 kω; indutores de 9,54, 23,2 e 50 mh. 5.2 Introdução Nas aulas anteriores estudamos

Leia mais

V in (+) V in (-) V O

V in (+) V in (-) V O CAPÍTULO III INTRODUÇÃO AOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS Introdução aos OPAMPS I - Introdução : Os amplificadores operacionais são dispositivos aplicados à eletrônica analógica. É o dispositivo de maior

Leia mais

Experimento 7 Circuitos RC e RL em corrente alternada. Parte A: Circuito RC em corrente alternada

Experimento 7 Circuitos RC e RL em corrente alternada. Parte A: Circuito RC em corrente alternada Experimento 7 Circuitos RC e RL em corrente alternada 1. OBJETIO Parte A: Circuito RC em corrente alternada O objetivo desta aula é estudar o comportamento de circuitos RC em presença de uma fonte de alimentação

Leia mais

SC1 Sistemas de Controle 1. Cap. 5 Método do Lugar das Raízes Abordagem de Projetos Prof. Tiago S Vítor

SC1 Sistemas de Controle 1. Cap. 5 Método do Lugar das Raízes Abordagem de Projetos Prof. Tiago S Vítor SC1 Sistemas de Controle 1 Cap. 5 Método do Lugar das Raízes Abordagem de Projetos Prof. Tiago S Vítor Sumário 1. Introdução 2. Definições 3. Alguns detalhes construtivos sobre LR 4. Condições para um

Leia mais

CAPÍTULO IV AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 4.1. TENSÕES E CORRENTES DE COMPENSAÇÃO OU OFFSET

CAPÍTULO IV AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 4.1. TENSÕES E CORRENTES DE COMPENSAÇÃO OU OFFSET CAPÍTULO IV AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 4.1. TENSÕES E CORRENTES DE COMPENSAÇÃO OU OFFSET Definição : O offset é definido como uma tensão residual que aparece na saída do Amplificador Operacional quando

Leia mais

Experimento 9 Circuitos RL em corrente alternada

Experimento 9 Circuitos RL em corrente alternada 1. OBJETIVO Experimento 9 Circuitos RL em corrente alternada O objetivo desta aula é estudar o comportamento de circuitos RL em presença de uma fonte de alimentação de corrente alternada. 2. MATERIAL UTILIZADO

Leia mais

Controle de Processos: Solução analítica de sistemas lineares dinâmicos

Controle de Processos: Solução analítica de sistemas lineares dinâmicos Controle de Processos: Solução analítica de sistemas lineares dinâmicos Prof. Eduardo Stockler Tognetti & David Fiorillo Laboratório de Automação e Robótica (LARA) Dept. Engenharia Elétrica - UnB Conteúdo

Leia mais

Introdução ao controle de conversores

Introdução ao controle de conversores Unidade VI Introdução ao controle de conversores 1. Controle por Histerese 2. Controle Linear 3. Utilização da ferramenta SmartCtrl (PSIM) Eletrônica de Potência 1 Introdução Conversores estáticos devem

Leia mais

Controle de Sistemas Dinâmicos. Informações básicas

Controle de Sistemas Dinâmicos. Informações básicas Controle de Sistemas Dinâmicos Informações básicas Endereço com material http://sites.google.com/site/disciplinasrgvm/ Ementa Modelagem de Sistemas de Controle; Sistemas em Malha Aberta e em Malha Fechada;

Leia mais

CONTROLO. Transparências de apoio às aulas teóricas. Capítulo 11 (Parte A) Projecto de Compensadores. Maria Isabel Ribeiro António Pascoal

CONTROLO. Transparências de apoio às aulas teóricas. Capítulo 11 (Parte A) Projecto de Compensadores. Maria Isabel Ribeiro António Pascoal Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores (LEEC) Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores (DEEC) CONROLO 3º ano º semestre 2006/2007 ransparências de apoio às aulas

Leia mais

ERRO EM REGIME PERMANENTE

ERRO EM REGIME PERMANENTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA ERRO EM REGIME PERMANENTE Inicialmente veja o sistema realimentado mostrado na figura

Leia mais

Capítulo 10 Estabilidade e Compensação. em Freqüência. que possui a seguinte função de transferência. Considerações Gerais

Capítulo 10 Estabilidade e Compensação. em Freqüência. que possui a seguinte função de transferência. Considerações Gerais Capítulo 10 Estabilidade e Compensação Considerações Gerais em Freqüência A realimentação que é largamente utilizada por trazer diversas vantagens como as mostradas no capítulo 8, no entanto causa problemas

Leia mais

Compensadores: projeto no domínio da

Compensadores: projeto no domínio da Compensadores: projeto no domínio da frequência Relembrando o conteúdo das aulas anteriores: o Compensador (também conhecido como Controlador) tem o objetivo de compensar características ruins do sistema

Leia mais

Resposta dos Exercícios da Apostila

Resposta dos Exercícios da Apostila Resposta dos Exercícios da Apostila Carlos Eduardo de Brito Novaes carlos.novaes@aedu.com 5 de setembro de 0 Circuitos Elétricos. Passivos a) b) V o (s) V i (s) 64s + 400 s + 96s + 400, v o ( ) v i ( )

Leia mais

Descrição de Incertezas e Estabilidade Robusta

Descrição de Incertezas e Estabilidade Robusta Descrição de Incertezas e Estabilidade Robusta 1. Estabilidade robusta? 1.1. Função de transferência nominal e critério de estabilidade robusta 2. Caracterizando modelos de incertezas não-estruturadas

Leia mais

Capítulo 2 Dinâmica de Sistemas Lineares

Capítulo 2 Dinâmica de Sistemas Lineares Capítulo 2 Dinâmica de Sistemas Lineares Gustavo H. C. Oliveira TE055 Teoria de Sistemas Lineares de Controle Dept. de Engenharia Elétrica / UFPR Gustavo H. C. Oliveira Dinâmica de Sistemas Lineares 1/57

Leia mais

CAPÍTULO 4 - ANÁLISE DA RESPOSTA EM FREQÜÊNCIA

CAPÍTULO 4 - ANÁLISE DA RESPOSTA EM FREQÜÊNCIA CAPÍTULO 4 - ANÁLISE DA RESPOSTA EM FREQÜÊNCIA 4.. Introdução Pelo termo resposta em freqüência, entende-se a resposta em regime estacionário de um sistema com entrada senoidal. Nos métodos de resposta

Leia mais

I Controle Contínuo 1

I Controle Contínuo 1 Sumário I Controle Contínuo 1 1 Introdução 3 1.1 Sistemas de Controle em Malha Aberta e em Malha Fechada................ 5 1.2 Componentes de um sistema de controle............................ 5 1.3 Comparação

Leia mais

4.1 Pólos, Zeros e Resposta do Sistema

4.1 Pólos, Zeros e Resposta do Sistema ADL17 4.1 Pólos, Zeros e Resposta do Sistema A resposta de saída de um sistema é a soma de duas respostas: a resposta forçada e a resposta natural. Embora diversas técnicas, como a solução de equações

Leia mais

Experiência 2. Controle de Motor de Corrente Contínua com Tacômetro usando Lugar Geométrico das Raízes

Experiência 2. Controle de Motor de Corrente Contínua com Tacômetro usando Lugar Geométrico das Raízes Experiência 2 Controle de Motor de Corrente Contínua com Tacômetro usando Lugar Geométrico das aízes Professores: Adolfo Bauchspiess e Geovany A. Borges O objetivo deste experimento é realizar o controle

Leia mais

PSI.3031 LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELETRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA EXPERIÊNCIA 10: REDES DE SEGUNDA ORDEM

PSI.3031 LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELETRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA EXPERIÊNCIA 10: REDES DE SEGUNDA ORDEM ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI - EPUSP PSI.3031 LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELETRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA Edição 2017 E.Galeazzo / L.Yoshioka

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

CONTROLO. 3º ano 1º semestre Transparências de apoio às aulas teóricas. Capítulo Projecto Nyquist/Bode

CONTROLO. 3º ano 1º semestre Transparências de apoio às aulas teóricas. Capítulo Projecto Nyquist/Bode CONROLO 3º ano º semestre 202-203 ransparências de apoio às aulas teóricas Capítulo Projecto Nyquist/Bode Maria Isabel Ribeiro António Pascoal odos os direitos reservados Estas notas não podem ser usadas

Leia mais

TRANSFORMADA DE LAPLACE E OPERADORES LINEARES

TRANSFORMADA DE LAPLACE E OPERADORES LINEARES TRANSFORMADA DE LAPLACE E OPERADORES LINEARES O DOMÍNIO DE LAPLACE Usualmente trabalhamos com situações que variam no tempo (t), ou seja, trabalhamos no domínio do tempo. O domínio de Laplace é um domínio

Leia mais

Experimento 7 Circuitos RC em corrente alternada

Experimento 7 Circuitos RC em corrente alternada 1. OBJETIVO Experimento 7 Circuitos RC em corrente alternada O objetivo desta aula é estudar o comportamento de circuitos RC em presença de uma fonte de alimentação de corrente alternada.. 2. MATERIAL

Leia mais

CCL: CONTROLE CLÁSSICO. Profa. Mariana Cavalca

CCL: CONTROLE CLÁSSICO. Profa. Mariana Cavalca CCL: CONTROLE CLÁSSICO Profa. Mariana Cavalca Currículo Resumido Curso Técnico em Eletro-Eletrônica ETEP (São José dos Campos - SP) Iniciação científica (estatística) Estágio Empresa ITA júnior: microcontroladores.

Leia mais

Sistemas de Controle 1

Sistemas de Controle 1 Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Engenharia Sistemas de Controle 1 Cap2 - Modelagem no Domínio de Frequência Prof. Dr. Marcos Lajovic Carneiro Sistemas de Controle 1 Prof. Dr. Marcos

Leia mais

Função de Transferência do Amplificador re- alimentado

Função de Transferência do Amplificador re- alimentado p. 1/2 Resumo Efeito da Realimentação nos Pólos do Amplificador Amplificador só com um Pólo Amplificador com dois Pólos Amplificador com três ou mais Pólos Estabilidade usando Diagramas de Bode Compensação

Leia mais

VI. MÉTODO DO LUGAR GEOMÉTRICO DAS RAÍZES

VI. MÉTODO DO LUGAR GEOMÉTRICO DAS RAÍZES INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA-AERONÁUTICA MPS-43: SISTEMAS DE CONTROLE VI. MÉTODO DO LUGAR GEOMÉTRICO DAS RAÍZES Prof. Davi Antônio dos Santos (davists@ita.br) Departamento

Leia mais

5 a LISTA DE EXERCÍCIOS

5 a LISTA DE EXERCÍCIOS 5 a LITA DE EXERCÍCIO ) A ação de controle proporcionalderivativo só apresenta influência durante o regime permanente não tendo nenhum efeito durante os transitórios do sistema. Responda se a afirmação

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DINÂMICOS NA FORMA DO ESPAÇO DOS ESTADOS

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DINÂMICOS NA FORMA DO ESPAÇO DOS ESTADOS REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DINÂMICOS NA FORMA DO ESPAÇO DOS ESTADOS. Espaço dos estados Representação da dinâmica de um sistema de ordem n usando n equações diferenciais de primeira ordem. Sistema é escrito

Leia mais

Teoria de Controle. Helio Voltolini

Teoria de Controle. Helio Voltolini Teoria de Controle Helio Voltolini Conteúdo programático Introdução aos sistemas de controle; Modelagem matemática de sistemas dinâmicos; Resposta transitória de sistemas de controle; Estabilidade dos

Leia mais

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF. Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS. Diagrama de Bode. Outros Processos de Separação

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF. Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS. Diagrama de Bode. Outros Processos de Separação Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Disciplina: TEQ1- CONTROLE DE PROCESSOS custo Diagrama de Bode Outros Processos de Separação Prof a Ninoska Bojorge Informação Papel Bode 1 3 Papel

Leia mais

I Controle Contínuo 1

I Controle Contínuo 1 Sumário I Controle Contínuo 1 1 Introdução 3 1.1 Sistemas de Controle em Malha Aberta e em Malha Fechada................ 5 1.2 Componentes de um sistema de controle............................ 5 1.3 Comparação

Leia mais

RESPOSTA EM FREQUÊNCIA: CONTROLADOR AVANÇO E ATRASO DE FASE (LEAD-LAG) OGATA

RESPOSTA EM FREQUÊNCIA: CONTROLADOR AVANÇO E ATRASO DE FASE (LEAD-LAG) OGATA RESPOSTA EM FREQUÊNCIA: CONTROLADOR AVANÇO E ATRASO DE FASE (LEAD-LAG) OGATA CCL Profa. Mariana Cavalca Retirado de OGATA, Katsuhiko. Engenharia de controle moderno. 1. ed. Rio de Janeiro: Prentice Hall,

Leia mais

Erro em regime permanente em sistema de controle com

Erro em regime permanente em sistema de controle com Erro em regime permanente em sistema de controle com realimentação unitária 0.1 Introdução Controle 1 Prof. Paulo Roberto Brero de Campos Um dos objetivos de um sistema de controle é que a resposta na

Leia mais

Introdução teórica Aula 10: Amplificador Operacional

Introdução teórica Aula 10: Amplificador Operacional Introdução Introdução teórica Aula 10: Amplificador Operacional O amplificador operacional é um componente ativo usado na realização de operações aritméticas envolvendo sinais analógicos. Algumas das operações

Leia mais

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Controlo 2003/2004. Controlo de velocidade de um motor D.C.

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Controlo 2003/2004. Controlo de velocidade de um motor D.C. Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Controlo 2003/2004 Controlo de velocidade de um motor D.C. Realizado por : E. Morgado 1 e F. M. Garcia 2 -Março de

Leia mais

Máquinas Elétricas. Máquinas CC Parte IV

Máquinas Elétricas. Máquinas CC Parte IV Máquinas Elétricas Máquinas CC Parte IV Máquina CC eficiência Máquina CC perdas elétricas (perdas por efeito Joule) Máquina CC perdas nas escovas Máquina CC outras perdas a considerar Máquina CC considerações

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420

Circuitos Elétricos I EEL420 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto circuito...2

Leia mais

Aula 9. Diagrama de Bode

Aula 9. Diagrama de Bode Aula 9 Diagrama de Bode Hendrik Wade Bode (americano,905-98 Os diagramas de Bode (de módulo e de fase são uma das formas de caracterizar sinais no domínio da frequência. Função de Transferência Os sinais

Leia mais

Capítulo 2: Modelos Matemáticos de Sistemas -Sinais e Sistemas 1 -

Capítulo 2: Modelos Matemáticos de Sistemas -Sinais e Sistemas 1 - Modelos Matemáticos de Sistemas -Sinais e Sistemas 1 - Objetivos Sinais Sistemas 1 Sistemas Eletro Entender o que significa fisicamente e matematicamente a transformada de Laplace Encontrar a transformada

Leia mais

R + b) Determine a função de transferência de malha fechada, Y (s)

R + b) Determine a função de transferência de malha fechada, Y (s) FUP IC Teoria do Controlo xercícios Análise de Sistemas ealimentados Teoria do Controlo xercícios Análise de Sistemas ealimentados AS Considere o sistema da figura ao lado: a) Determine a função de transferência

Leia mais

Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados. 3. Efeitos de um terceiro pólo e um zero na resposta de um sistema de segunda ordem

Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados. 3. Efeitos de um terceiro pólo e um zero na resposta de um sistema de segunda ordem Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados 1. Sinais de teste 2. Desempenho de sistemas de segunda ordem 3. Efeitos de um terceiro pólo e um zero na resposta de um sistema de segunda ordem 4. Estimação

Leia mais

Translação e Rotação Energia cinética de rotação Momentum de Inércia Torque. Física Geral I ( ) - Capítulo 07. I. Paulino*

Translação e Rotação Energia cinética de rotação Momentum de Inércia Torque. Física Geral I ( ) - Capítulo 07. I. Paulino* ROTAÇÃO Física Geral I (1108030) - Capítulo 07 I. Paulino* *UAF/CCT/UFCG - Brasil 2012.2 1 / 25 Translação e Rotação Sumário Definições, variáveis da rotação e notação vetorial Rotação com aceleração angular

Leia mais

Aula 6 Redução de diagrama de blocos Prof. Marcio Kimpara

Aula 6 Redução de diagrama de blocos Prof. Marcio Kimpara FUNDAMENTOS DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 6 Redução de diagrama de blocos Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Prof. Marcio Kimpara 2 Sistemas de primeira ordem Existem casos

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 6.3 Máquinas Síncronas Prof. João Américo Vilela Máquina Síncrona Representação Fasorial Motor síncrono operando sobre-excitado E af > V t (elevada corrente de

Leia mais

Sistemas de Controle (CON) Modelagem de Sistemas de Rotação e Eletromecânicos

Sistemas de Controle (CON) Modelagem de Sistemas de Rotação e Eletromecânicos Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Departamento de Engenharia Mecânica DEM Sistemas de Controle (CON) Modelagem de Sistemas de Rotação e Eletromecânicos

Leia mais

EES-49/2012 Resolução da Prova 3. 1 Dada a seguinte função de transferência em malha aberta: ( s 10)

EES-49/2012 Resolução da Prova 3. 1 Dada a seguinte função de transferência em malha aberta: ( s 10) EES-49/2012 Resolução da Prova 3 1 Dada a seguinte função de transferência em malha aberta: ( s 10) Gs () ss ( 10) a) Esboce o diagrama de Nyquist e analise a estabilidade do sistema em malha fechada com

Leia mais

Estabilidade de sistemas de controle lineares invariantes no tempo

Estabilidade de sistemas de controle lineares invariantes no tempo Capítulo 2 Estabilidade de sistemas de controle lineares invariantes no tempo 2. Introdução Neste capítulo, vamos definir alguns conceitos relacionados à estabilidade de sistemas lineares invariantes no

Leia mais

LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos

LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Experimento 4 Transistor Bipolar Amplificador

Leia mais

Aula 3. Circuitos Complexos via Método das Malhas. Função de transferência múltiplas malhas

Aula 3. Circuitos Complexos via Método das Malhas. Função de transferência múltiplas malhas 2 Aula 3 Circuitos Complexos via Método das Malhas 1. Substituir todos os valores dos elementos passivos por suas impedâncias. 2. Substituir todas as fontes e todas as variáveis no domínio do tempo pelas

Leia mais

Se no terminal b do circuito for conectado um terceiro componente, como na figura abaixo, os resistores R 1 e R 2 não estarão mais em série.

Se no terminal b do circuito for conectado um terceiro componente, como na figura abaixo, os resistores R 1 e R 2 não estarão mais em série. Circuitos em Série Um circuito consiste em um número qualquer de elementos unidos por seus terminais, com pelo menos um caminho fechado através do qual a carga possa fluir. Dois elementos de circuitos

Leia mais

I Controle Contínuo 1

I Controle Contínuo 1 Sumário I Controle Contínuo 1 1 Introdução 3 11 Sistemas de Controle em Malha Aberta e em Malha Fechada 5 12 Componentes de um sistema de controle 5 13 Comparação de Sistemas de Controle em Malha Aberta

Leia mais

6 Controlador de Estado

6 Controlador de Estado 6 Controlador de Estado Apresenta-se a seguir o método para implementação do sistema de controle por estados (Ogata, 1990). Considera-se agora o sistema representado em sua forma de estado: (25) cujo o

Leia mais

Sistemas de Controle 2

Sistemas de Controle 2 Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Engenharia Sistemas de Controle 2 Prof. Dr. Marcos Lajovic Carneiro Sistemas de Controle 2 Prof. Dr. Marcos Lajovic Carneiro Planejamento da disciplina

Leia mais

Realimentação. gerados tanto por os componentes do circuito como interferências externas. (continua) p. 2/2

Realimentação. gerados tanto por os componentes do circuito como interferências externas. (continua) p. 2/2 p. 1/2 Resumo Realimentação Dessensibilização do Ganho Extensão de Largura de Banda Redução de Ruído Redução de Distorção não Linear As quatro tipologias básicas Amplificadores de Tensão Amplificadores

Leia mais

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Controlo 2005/2006

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Controlo 2005/2006 Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Controlo 2005/2006 Controlo digital de velocidade e de posição de um motor D.C. Elaborado por E. Morgado 1 e F. M.

Leia mais

Teoria do Controlo. Síntese de controladores. Controladores PID MIEEC

Teoria do Controlo. Síntese de controladores. Controladores PID MIEEC Teoria do Controlo Síntese de controladores Controladores PID MIEEC! Esquema de controlo r - G c (s) G p (s) y TCON 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 Controlador com pura ação proporcional

Leia mais

5. Síntese de leis de controlo usando técnicas polinomiais

5. Síntese de leis de controlo usando técnicas polinomiais 1 5. Síntese de leis de controlo usando técnicas polinomiais Objectivo: Projectar controladores discretos lineares por colocação de pólos, recorrendo a descrições entrada/saída do processo Referência:

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

Melhoramos a resposta temporal associando um compensador de avanço de fase que contribui com

Melhoramos a resposta temporal associando um compensador de avanço de fase que contribui com Compensador por Avanço / Atraso de fase A compensação de avanço / atraso de fase, é a composição das duas técnicas vistas anteriormente em um único compensador. Melhoramos a resposta temporal associando

Leia mais

Experimento #2 AMPLIFICADOR OPERACIONAL

Experimento #2 AMPLIFICADOR OPERACIONAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA Experimento #2 AMPLIFICADOR OPERACIONAL Aplicações com amplificadores

Leia mais

Aluno Data Curso / Turma Professor

Aluno Data Curso / Turma Professor Apostila Modelagem e Simulação de Sistemas Dinâmicos Aluno Data Curso / Turma Professor 24/10/09 Engenharia Industrial Mecânica / 2006-1 MODELAGEM MATEMÁTICA DE SISTEMAS DINÂMICOS Everton Farina, Eng.º

Leia mais

Ensaio 6: Característica de Tensão-Carga de Geradores CC: Excitação Independente, Shunt Auto- Excitado e Série

Ensaio 6: Característica de Tensão-Carga de Geradores CC: Excitação Independente, Shunt Auto- Excitado e Série Ensaio 6: Característica de Tensão-Carga de Geradores CC: Excitação Independente, Shunt uto- Excitado e Série 1. Objetivos Os objetivos desse ensaio são: a) Construir a curva característica de tensão-carga

Leia mais

Amplificador Operacional OTA Miller

Amplificador Operacional OTA Miller Amplificador de 2 Estágios Amplificador Operacional OTA Miller O que é um Amplificador Operacional? O OPAMP é um amplificador de alto ganho, acoplado em DC projetado para operar em realimentação negativa

Leia mais

Circuitos RC e RL com Corrente Alternada

Circuitos RC e RL com Corrente Alternada Experimento 6 Circuitos RC e RL com Corrente Alternada Parte A: Circuitos RC com corrente alternada 6.1 Material osciloscópio; multímetro digital; gerador de sinais; resistor de 10 Ω; capacitor de 2,2

Leia mais

Curso Técnico em Eletroeletrônica Eletrônica Analógica II

Curso Técnico em Eletroeletrônica Eletrônica Analógica II Curso Técnico em Eletroeletrônica Eletrônica Analógica II Aula 09 Amplificador Operacional: Características Buffer Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino 2016 AMPLIFICADORES OPERACIONAIS É um amplificador

Leia mais

Circuitos RC e filtros de frequência. 7.1 Material

Circuitos RC e filtros de frequência. 7.1 Material Circuitos RC e filtros de frequência 7 7. Material Gerador de funções; osciloscópio; multímetros digitais (de mão e de bancada); resistor de kω; capacitor de 00 nf. 7.2 Introdução Vimos que a reatância

Leia mais

Diagramas de Bode. Introdução

Diagramas de Bode. Introdução Diagramas de Bode Introdução Sistemas e Sinais Diagramas de Bode Escala Logarítmica de Amplitude Escala Logarítmica de Frequência Análise dos Termos das Funções de Resposta em Frequência Composição do

Leia mais

UMA BIBLIOTECA EM MATLAB PARA O ENSINO DE CONTROLES INDUSTRIAIS

UMA BIBLIOTECA EM MATLAB PARA O ENSINO DE CONTROLES INDUSTRIAIS UMA BIBLIOTECA EM MATLAB PARA O ENSINO DE CONTROLES INDUSTRIAIS João Carlos Basilio basilio@dee.ufrj.br Carine Valentini Botinhão carinevb@dee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial Resumo Sinais e Sistemas Transformada de aplace uís Caldas de Oliveira lco@istutlpt Instituto Superior Técnico Definição da transformada de aplace Região de convergência Propriedades da transformada de

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Disciplina de Controle II Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva

UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Disciplina de Controle II Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Disciplina de Controle II Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva 1. K. Ogata: Engenharia de Controle Moderno, 5 Ed., Pearson, 2011 2.

Leia mais