Kala-azar num doente VIH 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Kala-azar num doente VIH 2"

Transcrição

1 18º Congresso Nacional Medicina Interna 3º Congresso Ibérico Medicina Interna Maio 2012 Apresentação de Caso Clínico Kala-azar num doente VIH 2 Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca - Serviço de Medicina I / UCIP Diva Trigo, Alexys Borges, Marinela Major, Fernanda Louro, Paulo Freitas

2 NOTAS DE ADMISSÃO Género Idade Raça Naturalidade Residência Antecedentes médicos Masculino 41 anos Negra Guiné-Bissau Portugal há 15 anos Não

3 NOTAS DE ADMISSÃO - 6 Kg D -6 meses D -4 meses Foliculite r. inguinal esquerda Úlcera pénis D -1 mês Pápulas pruriginosas tronco e membros Febre baixa vespertina D 2 sem Hipoacúsia, otorreia Disfagia Tosse produtiva, toracalgia Astenia, cefaleias frontais D0

4 NOTAS DE ADMISSÃO Hábitos sexuais Epidemiologia Monogamia, sem utilização de preservativo Sem: - viagens recentes ao estrangeiro - contacto com animais potencialmente doentes - ingestão de alimentos potencialmente contaminados

5 NOTAS DE ADMISSÃO NOTAS DE ADMISSÃO Índice massa corporal 17 Kg/m 2 Temperatura 38º C Pressão arterial 127/97 mmhg Frequência cardíaca 93 bpm Frequência respiratória 16 cpm SpO 2 em ar ambiente 95% Exame neurológico Hipoacúsia

6 NOTAS DE ADMISSÃO Ouvidos Orofaringe Dor mastóides Otorreia

7 NOTAS DE ADMISSÃO Pele Auscultação cardíaca Auscultação pulmonar Abdómen Máculas dispersas Sem alterações Fervores crepitantes bases pulmonares Dor palpação hipocôndrio direito Sem hepatomegália

8 NOTAS DE ADMISSÃO NOTAS DE ADMISSÃO Orgãos genitais Adenopatias inguinais Erosões r. inguinais, escroto e glande, bordo circinado, dolorosas, sem exsudado Bilaterais

9 NOTAS DE ADMISSÃO Pele Máculas dispersas Ø palmas, plantas

10 NOTAS DE ADMISSÃO Sangue Hemoglobina VGM/HGM Leucócitos Neutrófilos Linfócitos Plaquetas VS INR Sódio Potássio AST/ALT FA ᵞ-GT LDH Bilirrubina total Glicose Prot T/Albumina Creatinina/Ureia PCR Ac anti VIH 1/2 9,2 81/ , ,0 93/ , /1,9 1,2/63 25 Neg g/dl fl / pg /μl /μl /μl 10 3 /μl mm mmol/l mmol/l UI/L UI/L UI/L U/L mg/dl mg/dl g/dl mg/dl mg/dl Urina Hb+, leucócitos 500, proteínas 100

11 NOTAS DE ADMISSÃO Radiografia tórax

12 HIPÓTESES DE DIAGNÓSTICO Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Anemia doença crónica

13 HIPÓTESES DE DIAGNÓSTICO DST? Sífilis 1ária Linfg venéreo Cancróide Herpes genital Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Anemia doença crónica

14 HIPÓTESES DE DIAGNÓSTICO DST? Sífilis 1ária Linfg venéreo Cancróide Herpes genital Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Anemia doença crónica Doença hepática não viral? Hepatite viral? CMV? EBV?

15 HIPÓTESES DE DIAGNÓSTICO DST? Pneumonia atípica? Tuberculose pulmonar? Sífilis 1ária Linfg venéreo Cancróide Herpes genital Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Anemia doença crónica Doença hepática não viral? Hepatite viral? CMV? EBV?

16 HIPÓTESES DE DIAGNÓSTICO DST? Pneumonia atípica? Tuberculose pulmonar? Sífilis 1ária Linfg venéreo Cancróide Herpes genital Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Endocardite? Anemia doença crónica Doença hepática não viral? Hepatite viral? CMV? EBV?

17 HIPÓTESES DE DIAGNÓSTICO DST? Pneumonia atípica? Tuberculose pulmonar? Sífilis 1ária Linfg venéreo Cancróide Herpes genital Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Endocardite? Anemia doença crónica Doença hepática não viral? Lesão Intracraniana? Hepatite viral? CMV? EBV?

18 MARCHA DIAGNÓSTICA DST? Pneumonia atípica? Tuberculose pulmonar? Sífilis 1ária Linfg venéreo Cancróide Herpes genital Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Endocardite? Ecocardiograma Anemia doença crónica Doença hepática não viral? Lesão Intracraniana? Hepatite viral? CMV? EBV?

19 MARCHA DIAGNÓSTICA DST? Pneumonia atípica? Tuberculose pulmonar? Sífilis 1ária Linfg venéreo Cancróide Herpes genital Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Endocardite Fej 65% Disf diastólica? S/vegetações Anemia doença crónica Doença hepática não viral? Lesão Intracraniana? Hepatite viral? CMV? EBV?

20 MARCHA DIAGNÓSTICA DST? Pneumonia atípica? Tuberculose pulmonar? Sífilis 1ária Linfg venéreo Cancróide Herpes genital Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Anemia doença crónica Doença hepática não viral? TC CE Hepatite viral? CMV? EBV?

21 MARCHA DIAGNÓSTICA DST? Pneumonia atípica? Tuberculose pulmonar? Sífilis 1ária Linfg venéreo Cancróide Herpes genital Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Anemia doença crónica Doença hepática não viral? Otomastoidite Sinusopatia Hepatite viral? CMV? EBV?

22 MARCHA DIAGNÓSTICA Pneumonia atípica? Tuberculose pulmonar? VDRL TPHA, FTA ABS neg IgM C.trachomatis neg Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Anemia doença crónica Doença hepática não viral? Hepatite viral? CMV? EBV?

23 MARCHA DIAGNÓSTICA Pneumonia atípica? Observação Dermatovenereologia Tuberculose pulmonar? Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Anemia doença crónica Doença hepática não viral? Hepatite viral? CMV? EBV?

24 MARCHA DIAGNÓSTICA Pneumonia atípica? Tuberculose pulmonar? Herpes genital crónico (HSV2) Prurigo nodular Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Anemia doença crónica Doença hepática não viral? Hepatite viral? CMV? EBV?

25 MARCHA DIAGNÓSTICA Serologias ag. atípicos neg Flora mista BAAR - HCs neg UC neg Herpes genital crónico (HSV2) Prurigo nodular Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Anemia doença crónica Doença hepática não viral? Hepatite viral? CMV? EBV?

26 MARCHA DIAGNÓSTICA Tuberculose pulmonar? Herpes genital crónico (HSV2) Prurigo nodular Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Anemia doença crónica Doença hepática não viral? Hepatite viral? CMV? EBV?

27 MARCHA DIAGNÓSTICA Mantoux anérgico Herpes genital crónico (HSV2) Prurigo nodular Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Anemia doença crónica Doença hepática não viral? Hepatite viral? CMV? EBV?

28 MARCHA DIAGNÓSTICA Broncofibroscopia Herpes genital crónico (HSV2) Prurigo nodular Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Anemia doença crónica Doença hepática não viral? Hepatite viral? CMV? EBV?

29 MARCHA DIAGNÓSTICA Broncofibroscopia Herpes genital crónico (HSV2) Prurigo nodular Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Anemia doença crónica Doença hepática não viral? Serologias vírus hepatotróp neg

30 MARCHA DIAGNÓSTICA Broncofibroscopia Herpes genital crónico (HSV2) Prurigo nodular Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Anemia doença crónica Ecografia abdominal

31 MARCHA DIAGNÓSTICA Broncofibroscopia Herpes genital crónico (HSV2) Prurigo nodular Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Anemia doença crónica Fígado Múltiplos nódulos hiperecog

32 MARCHA DIAGNÓSTICA TC toracoabdominopélvica Broncofibroscopia Herpes genital crónico (HSV2) Prurigo nodular Doença autoimune? Neoplasia? Infecção VIH/SIDA? Anemia doença crónica

33 MARCHA DIAGNÓSTICA TC toraco-abdomino-pélvica Nódulos pulmonares

34 MARCHA DIAGNÓSTICA TC toraco-abdomino-pélvica Nódulos esplénicos

35 MARCHA DIAGNÓSTICA TC toraco-abdomino-pélvica Área hepática hipocaptante sem individualização de lesões nodulares

36 EVOLUÇÃO CLÍNICA Objectivo Temperatura Pressão arterial 38,5º C 55/35 mmhg Frequência cardíaca 105 bpm Frequência respiratória 26 Auscultação pulmonar Diurese cpm Fervores crepitantes, roncos dispersos Oligoanúria GSA (FiO2 60%) ph 7,38 PaCO2 31,5 PaO2 48 HCO3-17 SatO2 84%

37 EVOLUÇÃO CLÍNICA Sangue Hemoglobina VGM / HGM Leucócitos Neutrófilos Linfócitos Plaquetas 9,2 81/27, ,6 80,6/26, INR D-dímeros 1, , Glicose Sódio Potássio AST/ALT FA ᵞ-GT LDH Bil T CrS / UrS PCR probnp Lactato ,0 93/ ,48 1,2/ ,2 15/ ,3/80 38 > ,8

38 EVOLUÇÃO CLÍNICA Transferência para UCIP

39 MARCHA DIAGNÓSTICA LBA: Pseudm aeruginosa Herpes genital crónico (HSV2) Prurigo nodular Repetição serologia VIH Populações linfocitárias Anemia doença crónica

40 MARCHA DIAGNÓSTICA TB pulmonar? Herpes genital crónico (HSV2) Pneumonia associada cuidados saúde Prurigo nodular Repetição serologia VIH Populações linfocitárias Anemia doença crónica

41 MARCHA DIAGNÓSTICA TB pulmonar? Herpes genital crónico (HSV2) Pneumonia associada cuidados saúde Prurigo nodular ELISA VIH 1/2 neg CD4+ 10 ( ) CD ( ) linf B totais 26 ( ) NK 78 ( ) Anemia doença crónica

42 MARCHA DIAGNÓSTICA TB pulmonar? Herpes genital crónico (HSV2) Pneumonia associada cuidados saúde Prurigo nodular ELISA VIH 1/2 neg CD4+ 10 ( ) CD ( ) linf B totais 26 ( ) NK 78 ( ) Anemia doença crónica Leucopénia Trombocitopénia

43 MARCHA DIAGNÓSTICA TB pulmonar? Herpes genital crónico (HSV2) Pneumonia associada cuidados saúde Prurigo nodular ELISA VIH 1/2 neg CD4+ 10 ( ) CD ( ) linf B totais 26 ( ) NK 78 ( ) Mielograma + Mielocultura

44 MARCHA DIAGNÓSTICA TB pulmonar? Herpes genital crónico (HSV2) Pneumonia associada cuidados saúde Prurigo nodular ELISA VIH 1/2 neg CD4+ 10 ( ) CD ( ) linf B totais 26 ( ) NK 78 ( ) Inconclusivo S/microrgan.

45 MARCHA DIAGNÓSTICA TB pulmonar? Herpes genital crónico (HSV2) Pneumonia associada cuidados saúde Prurigo nodular Lesões hepatoesplénicas ELISA VIH 1/2 neg CD4+ 10 ( ) CD ( ) linf B totais 26 ( ) NK 78 ( )

46 MARCHA DIAGNÓSTICA TB pulmonar? Herpes genital crónico (HSV2) Pneumonia associada cuidados saúde Prurigo nodular Biópsia hepática ELISA VIH 1/2 neg CD4+ 10 ( ) CD ( ) linf B totais 26 ( ) NK 78 ( )

47 MARCHA DIAGNÓSTICA TB pulmonar? Herpes genital crónico (HSV2) Pneumonia associada cuidados saúde Prurigo nodular Erosões + Ggs inguinais ELISA VIH 1/2 neg CD4+ 10 ( ) CD ( ) linf B totais 26 ( ) NK 78 ( ) Biópsia hepática

48 MARCHA DIAGNÓSTICA TB pulmonar? Herpes genital crónico (HSV2) Pneumonia associada cuidados saúde Prurigo nodular Biópsia gg + Biópsia pele ELISA VIH 1/2 neg CD4+ 10 ( ) CD ( ) linf B totais 26 ( ) NK 78 ( ) Biópsia hepática

49 MARCHA DIAGNÓSTICA TB pulmonar? Herpes genital crónico (HSV2) Pneumonia associada cuidados saúde Prurigo nodular Biópsia gg + Biópsia pele ELISA VIH 1/2 neg CD4+ 10 ( ) CD ( ) linf B totais 26 ( ) NK 78 ( ) Biópsia hepática

50 DIAGNÓSTICO Biópsia ganglionar inguinal Múltiplas colecções de histiócitos contendo inúmeros amastigotos de Leishmania

51 DIAGNÓSTICO Biópsia cutânea Histiócitos com numerosos microrganismos de morfologia compatível com Leishmania

52 DIAGNÓSTICO Leishmania infantum

53 Cônjuge SIDA (óbito em 2010) ELISA VIH 1/2 neg

54 DIAGNÓSTICOS DE SAÍDA Febre baço, fígado Kala-azar Perda peso Herpes genital crónico γ- globulina Pancito- pénia Imunodeficiência secundária a Leishmaniose? VIH?? Pneumonia associada cuidados saúde Choque séptico

55 EVOLUÇÃO CLÍNICA Reinternamento - Choque séptico com falência multiorgânica - Pneumonia associada a cuidados de saúde

56 EVOLUÇÃO CLÍNICA Reinternamento - Choque séptico com falência multiorgânica - Pneumonia associada a cuidados de saúde ELISA VIH 1/2 neg W-Blot VIH 1/2 indeterminado Carga viral VIH 1/2 em curso

57 EVOLUÇÃO CLÍNICA Reinternamento - Choque séptico com falência multiorgânica - Pneumonia associada a cuidados de saúde ELISA VIH 1/2 neg W-Blot VIH 1/2 indeterminado Carga viral VIH 1/2 em curso Óbito Autópsia

58 DIAGNÓSTICOS POST-MORTEM Autópsia - Biópsia gástrica

59 DIAGNÓSTICOS POST-MORTEM Autópsia - Biópsia gástrica Compatível com Sarcoma de Kaposi

60 DIAGNÓSTICOS POST-MORTEM C.viral VIH 2?

61 DIAGNÓSTICOS POST-MORTEM C.viral VIH cópias/ml

62 NOTAS FINAIS Suspeição clínica de infecção VIH Kala-azar no Mediterrâneo e imunodepressão dos hospedeiros Doenças definidoras de SIDA Serologia negativa em doente VIH: infecção recente vs. SEROREVERSÃO

63 18º Congresso Nacional Medicina Interna 3º Congresso Ibérico Medicina Interna Maio 2012 Grata pela vossa atenção Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca - Serviço de Medicina I / UCIP Diva Trigo, Alexys Borges, Marinela Major, Fernanda Louro, Paulo Freitas

Apresentação rara e de difícil diagnóstico de Linfoma Plasmocitóide

Apresentação rara e de difícil diagnóstico de Linfoma Plasmocitóide Sessão Clínica Inter-hospitalar da Sociedade Médica dos Hospitais da Zona Sul Hospital de Caldas da Rainha Apresentação rara e de difícil diagnóstico de Linfoma Plasmocitóide Catarina Louro Orientador:

Leia mais

Residente de Reumatologia da UNIFESP. São Paulo 03/08/2011

Residente de Reumatologia da UNIFESP. São Paulo 03/08/2011 Dra. Bruna Castro Residente de Reumatologia da UNIFESP São Paulo 03/08/2011 S EVOLUÇÃO DISCUSSÃO IDENTIFICAÇÃO HDA AMP VAB, 33 anos, feminina, i branca, solteira, auxiliar de enfermagem, natural de Monte

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

a) Aponte as medidas que deverão ser adotadas com relação aos contactantes. (5,0 pontos)

a) Aponte as medidas que deverão ser adotadas com relação aos contactantes. (5,0 pontos) 01 Concurso Uma adolescente de 17 anos de idade, estudante do ensino médio, chega para atendimento na UPA na segunda feira pela manhã, com relato de febre alta (> 38,5ºC), tosse seca, coriza e hiperemia

Leia mais

SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS ÚLCERAS DST ANORRETAIS Bacterianas - sífilis - cancróide - gonorréia - linfogranuloma venéreo - donovanose Virais - herpes simples - condiloma acuminado - citomegalovírus

Leia mais

Caso Clínico Mariana Sponholz Araujo Grupo de Doenças Intersticiais Pulmonares Divisão de Pneumologia - InCor Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Caso Clínico Masculino, 59 anos Dispnéia

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

Algoritmo de investigação Alterações do leucograma

Algoritmo de investigação Alterações do leucograma 2013 26 de Abril Sexta-feira Algoritmo de investigação Lígia Peixoto Manuel Ferreira Gomes Teste simples e barato. Consiste no estudo da série branca, efectuando-se uma contagem total Intervalos dos leucócitos

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Algoritmo de Investigação das Adenomegalias

Algoritmo de Investigação das Adenomegalias 2011 15 de Abril 6ª feira Algoritmo de Investigação das Adenomegalias João Espírito Santo Luís Brito Avô Manuel Ferreira Gomes Doente com adenomegalias Quadro agudo Recorrentes ou longa evolução Localização

Leia mais

Questão 1. a) Cite as duas hipóteses diagnósticas mais prováveis para o caso. b) Descreva, em linhas gerais, a abordagem terapêutica mais adequada.

Questão 1. a) Cite as duas hipóteses diagnósticas mais prováveis para o caso. b) Descreva, em linhas gerais, a abordagem terapêutica mais adequada. Questão 1 Uma paciente de 35 anos é internada com história de cinco dias de cefaleia progressiva, febre e astenia. A avaliação laboratorial mostrou contagem plaquetária de 23.000/mm³, anemia com hemácias

Leia mais

Caso Clínico ANAMNESE. IDENTIFICAÇÃO: RSC, 2 anos, sexo feminino, natural e procedente de Nazaré BA.

Caso Clínico ANAMNESE. IDENTIFICAÇÃO: RSC, 2 anos, sexo feminino, natural e procedente de Nazaré BA. Caso Clínico ANAMNESE IDENTIFICAÇÃO: RSC, 2 anos, sexo feminino, natural e procedente de Nazaré BA. QUEIXA PRINCIPAL: Febre alta e adinamia há 15 dias. Caso Clínico ANAMNESE HMA: Há 15 dias paciente iniciou

Leia mais

Faculdades Einstein de Limeira Biomedicina. SÍFILIS Diagnóstico Laboratorial

Faculdades Einstein de Limeira Biomedicina. SÍFILIS Diagnóstico Laboratorial Faculdades Einstein de Limeira Biomedicina SÍFILIS Diagnóstico Laboratorial SÍFILIS 1. CONCEITO Doença infecciosa, sistêmica, de evolução crônica 2. AGENTE ETIOLÓGICO espiroqueta Treponema pallidum. 3.

Leia mais

Nódulo pulmonar de novo?

Nódulo pulmonar de novo? Cecília Pacheco, João F Cruz, Daniela Alves, Rui Rolo, João Cunha 44º Curso Pneumologia para Pós-Graduados Lisboa, 07 de Abril de 2011 Identificação -D.B., 79 anos, sexo masculino, caucasiano. -Natural

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE Todos os indivíduos com suspeita de Pneumonia Adquirida na Comunidade (PAC) devem realizar telerradiografia do tórax (2 incidências)(nível A). AVALIAÇÃO

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial. Daniel Machado do Amaral Outubro 2012

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial. Daniel Machado do Amaral Outubro 2012 Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial Daniel Machado do Amaral Outubro 2012 ID: A.A.N., masculino, 29 anos, solteiro, natural de Santana do Acaraú, procedente

Leia mais

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos.

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA II Curso de Pneumologia na Graduação 11 e 12 de junho de 2010 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Doenças Pleurais Evaldo Marchi Grupo de Pleura -

Leia mais

- Manifestações clínicas associadas à infecção por VIH e SIDA

- Manifestações clínicas associadas à infecção por VIH e SIDA Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 24/Nov/2008 Disciplina: Medicina II - Infecciologia Prof.: Francisco Antunes Tema da Aula Teórica: INFECÇÃO VIH / SIDA Autor: Maria Salomé dos Santos Silva Equipa Revisora:

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir:

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir: 01 Concurso Público Menina de sete anos de idade apresentou imagem radiológica de pneumatoceles em ambos os pulmões. História pregressa de rash neonatal, atraso da dentição e fraturas recorrentes devido

Leia mais

7ª Reunião Luso-Galaica de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo. Caso Clínico. Hospital de Braga

7ª Reunião Luso-Galaica de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo. Caso Clínico. Hospital de Braga 7ª Reunião Luso-Galaica de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo Hospital de Braga Serviço de Cirurgia Director: Dr. Mesquita Rodrigues Sónia Ribas 12 de Dezembro F.C.R, sexo masculino, 69 anos Antecedentes

Leia mais

Infecção pelo HIV e AIDS

Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS 1981: pneumonia por Pneumocystis carinii/jirovecii outros sinais e sintomas: infecção do SNC, infecção disseminada por Candida albicans, perda de peso,

Leia mais

Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre.

Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre. 15 minutos de... D. Kawasaki Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre. A febre tem sido diária, com

Leia mais

HIV em. Especiais: O idoso. Keli Cardoso de Melo Outubro/2005

HIV em. Especiais: O idoso. Keli Cardoso de Melo Outubro/2005 HIV em Populações Especiais: O idoso Keli Cardoso de Melo Outubro/2005 HIV/AIDS x Idosos! 40 milhões de pessoas com HIV/AIDS! 10% dos casos de AIDS > 50 anos! ¼ em indivíduos > 60 anos! Mulheres " incidência

Leia mais

INFECÇÃO VIH/SIDA. Francisco Antunes

INFECÇÃO VIH/SIDA. Francisco Antunes INFECÇÃO VIH/SIDA Francisco Antunes Professor Catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e Director do Serviço de Doenças Infecciosas do Hospital de Santa Maria Disciplina de Doenças

Leia mais

Sífilis Passado e o Presente

Sífilis Passado e o Presente Passado e o Presente Passado Etiologia/Epidemiologia Infecção crónica generalizada cujo agente etiológico é o Treponema Pallidum Exclusiva dos seres humanos e não possui outros hospedeiros naturais. Utilização

Leia mais

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e CASO 01 - Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e muita sudoração. O médico examinou a paciente

Leia mais

Caso Clínico. Lucas de Araujo Aquino

Caso Clínico. Lucas de Araujo Aquino Caso Clínico Lucas de Araujo Aquino Identificação - A.M.P. - 17 anos - Sexo masculino - Branco - Estudante secundário Queixa Principal - Alergia no rosto há 10 dias, que não fica boa História da Doença

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Os participantes no estudo devem preencher o questionário de follow-up com intervalos regulares de - meses. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado.

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

Revista Portuguesa de Pneumología ISSN: 0873-2159 sppneumologia@mail.telepac.pt Sociedade Portuguesa de Pneumologia Portugal

Revista Portuguesa de Pneumología ISSN: 0873-2159 sppneumologia@mail.telepac.pt Sociedade Portuguesa de Pneumologia Portugal Revista Portuguesa de Pneumología ISSN: 0873-2159 sppneumologia@mail.telepac.pt Sociedade Portuguesa de Pneumologia Portugal Simões, Sandra; Santos, Arsénio; Vaio, Teresa; Leitão, Sara; Santos, Rui M;

Leia mais

Adolescência e Puberdade. Adolescere Pubescere

Adolescência e Puberdade. Adolescere Pubescere Adolescência e Puberdade Adolescere Pubescere Síndrome da Adolescência Busca de si mesmo e da identidade adulta Tendência grupal Necessidade de intelectualizar e fantasiar-elaboração do luto Crises

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

Anexo 2. Modelos dos documentos (formulários) para solicitações e da ficha de análise para instituições médicas

Anexo 2. Modelos dos documentos (formulários) para solicitações e da ficha de análise para instituições médicas Anexo 2 Modelos dos documentos (formulários) para solicitações e da ficha de análise para instituições médicas Índice Formulário de Solicitação para: 1 Aprovação para auxílio de controle da saúde, Aprovação

Leia mais

Caso Clínico! João Henrique Angelotto

Caso Clínico! João Henrique Angelotto Caso Clínico! João Henrique Angelotto Identificação Paciente feminina, 70 anos, nascida no leste da África, procedente de New England (EUA). Queixa Principal Dor nas costas e na perna há 2 semanas. HDA

Leia mais

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis Filipe Martinho, DVM III Congresso OMV - Novembro 2012 Oncologia e Répteis Aparentemente casos oncológicos são raros; Em colecções zoológicas até 23%

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Doença de Células Falciformes

Doença de Células Falciformes Doença de Células Falciformes Pedro P. A. Santos Médico Oncologista - Hematologista Setor de Oncologia e Hematologia Hospital da Criança Conceição Porto Alegre RS Setembro 2015 Doença Falciforme Breve

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS

MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS PRESTEZA, PRECISÃO E PROXIMIDADE índice 1. 2. MORFOLOGIA... 5 3. CITOGENÉTICA... 5 4. IMUNOFENOTIPAGEM POR CITOMETRIA DE FLUXO... 2 IMUNOGENÉTICA E HISTOCOMPATIBILIDADE...

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Sarampo. Rubéola (sarampo alemão)

Sarampo. Rubéola (sarampo alemão) DOENÇAS EXANTEMÁTICAS Sarampo Paramyxovirus Período de incubação: 10-14d. Período de transmissão: desde o prodromo até o fim dos sintomas Febre, tosse coriza, conjuntivite piora em 1 semana 40ºC, fotofobia,

Leia mais

T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28. T3 LIVRE Coleta: 18/11/2005 06:28. T4 - TETRAIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28

T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28. T3 LIVRE Coleta: 18/11/2005 06:28. T4 - TETRAIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28 AUTENTICIDADE: 755339 Set.Tecnico Imunoensaio T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28 Resultado 108.6 ng/dl Referencial: Criancas ate 5 anos 105.0 a 269.0 ng/dl 5 a 10 anos 94.0 a 241.0 ng/dl Maiores

Leia mais

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO HEPATITES Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO Hepatites virais: agentes etiológicos A B C D E Vírus hepatotrópicos G TT Herpes vírus EBV CMV Enterovírus Adenovírus Febre

Leia mais

Febre de Origem Inderterminada Diagnóstico Diferencial

Febre de Origem Inderterminada Diagnóstico Diferencial Universidade Federal da Bahia Febre de Origem Inderterminada Diagnóstico Diferencial Aknar Freire de Carvalho Calabrich Marianna Deway Andrade Orientadora: Dra. Nadya Carneiro Definições FOI clássica:

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS SINAN NET

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS SINAN NET MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS GT SINAN SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

Check-ups Específicos

Check-ups Específicos Check-ups Específicos Os nossos check-ups específicos permitem obter um exame rigoroso e detalhado de uma área concreta da saúde, segundo as necessidades concretas de cada paciente. TIPOS DE EXAMES ESPECIAIS:

Leia mais

Cancro do Pulmão. Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé

Cancro do Pulmão. Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé Cancro do Pulmão O DESAFIO CONSTANTE Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé Telma Sequeira Interna de Formação Complementar de Pneumologia Amadora,

Leia mais

Abcessos Hepáticos. Hospital de Braga. Cirurgia Geral. Director: Dr. Mesquita Rodrigues. Pedro Leão Interno de Formação Específica em.

Abcessos Hepáticos. Hospital de Braga. Cirurgia Geral. Director: Dr. Mesquita Rodrigues. Pedro Leão Interno de Formação Específica em. Hospital de Braga Cirurgia Geral Director: Dr. Mesquita Rodrigues Pedro Leão Interno de Formação Específica em Cirurgia Geral 18-05-2010 Lesões Hepáticas Focais Benignas Abcessos Hepáticos Piogénico Amebiano

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Caso Clínico. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmica: Milena Brandão (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Caso Clínico. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmica: Milena Brandão (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Caso Clínico Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmica: Milena Brandão (6 Ano) Anamnese Identificação ECS, 11 anos de idade, natural e procedente de Salvador-Ba.

Leia mais

IX Curso Nacional de Doenças Pulmonares Intersticiais. Tuberculose. Sumário. Patogenia da TB

IX Curso Nacional de Doenças Pulmonares Intersticiais. Tuberculose. Sumário. Patogenia da TB IX Curso Nacional de Doenças Pulmonares Intersticiais Tuberculose Marcus B. Conde marcusconde@hucff.ufrj.br marcusconde@fmpfase.edu.br Sumário Patogenia da TB Formas clínicas da TB miliar da TB miliar

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: PORTARIA Nº 486, DE 16 DE MAIO DE 2.000 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: Art. 1º - Expedir a edição revisada e atualizada das orientações e critérios relativos

Leia mais

Doenças Linfoproliferativas

Doenças Linfoproliferativas Doenças Linfoproliferativas Órgãos linfóides Linfoproliferações não clonais Agudas Mononucleose infecciosa Citomegalovirose Rubéola Sarampo Hepatites HIV Crônicas Tuberculose Toxoplasmose Brucelose Sífilis

Leia mais

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado HEMOGRAMA COMPLETO Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado ERITROGRAMA V.R: Homens Mulheres Hemacias em milhoes/mm3...: 5,08 4,5 a 5,9 4,0 a 5,4

Leia mais

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 2008.11.24. Tema do Seminário: Imunologia Clínica 2 Autora: Mariana Santos Equipa Revisora:

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 2008.11.24. Tema do Seminário: Imunologia Clínica 2 Autora: Mariana Santos Equipa Revisora: Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 2008.11.24 Disciplina: Medicina II Prof.: Dr. Manuel Branco Tema do Seminário: Imunologia Clínica 2 Autora: Mariana Santos Equipa Revisora: Bibliografia Anotada do ano

Leia mais

PROCEDIMENTOS, NORMAS E DIRECTRIZES DO ATENDIMENTO DAS PESSOAS QUE VIVEM COM O VIRUS DA IMUNODEFICIENCIA HUMANA

PROCEDIMENTOS, NORMAS E DIRECTRIZES DO ATENDIMENTO DAS PESSOAS QUE VIVEM COM O VIRUS DA IMUNODEFICIENCIA HUMANA Ministério da Saúde Direcção-Geral de Saúde Programa de luta contra a SIDA/IST, Tuberculose e Lepra PROCEDIMENTOS, NORMAS E DIRECTRIZES DO ATENDIMENTO DAS PESSOAS QUE VIVEM COM O VIRUS DA IMUNODEFICIENCIA

Leia mais

Caso Clínico 5. Inês Burmester Interna 1º ano Medicina Interna Hospital de Braga

Caso Clínico 5. Inês Burmester Interna 1º ano Medicina Interna Hospital de Braga Caso Clínico 5 Inês Burmester Interna 1º ano Medicina Interna Hospital de Braga Apresentação do caso J.M.G.M.F. Homem, 40 anos de idade, psicólogo, casado e com 4 filhos Antecedente de enxaquecas Ex-fumador

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

Dengue: Roteiro para capacitação. de médicos e enfermeiros. no diagnóstico e. tratamento

Dengue: Roteiro para capacitação. de médicos e enfermeiros. no diagnóstico e. tratamento Dengue: Roteiro para capacitação de médicos e enfermeiros no diagnóstico e tratamento Caso Clínico 1 2 Identificação: R.E.M.O, 42 anos, feminino, professora, natural de São Paulo, residente em Belém (PA)

Leia mais

HIPÓTESES: PERITONITE BACTERIANA ESPONTÂNEA EM CIRRÓTICO DESCOMPENSADO ENTEROINFECÇÃO (GASTROENTEROCOLITE)

HIPÓTESES: PERITONITE BACTERIANA ESPONTÂNEA EM CIRRÓTICO DESCOMPENSADO ENTEROINFECÇÃO (GASTROENTEROCOLITE) Caso Clínico 1 (2,0 pontos) Um homem de 50 anos, funcionário público, casado, etanolista diário, deu entrada na emergência, referindo dor abdominal, febre 38 C e evacuações diarreicas aquosas há 24 horas.

Leia mais

SÍNDROME FEBRIL EM DOENTE COM DOENÇA DE CROHN SOB TERAPÊUTICA BIOLÓGICA

SÍNDROME FEBRIL EM DOENTE COM DOENÇA DE CROHN SOB TERAPÊUTICA BIOLÓGICA Hospital Beatriz Ângelo Serviço Gastrenterologia SÍNDROME FEBRIL EM DOENTE COM DOENÇA DE CROHN SOB TERAPÊUTICA BIOLÓGICA 21-11-2015 Palmela C., Costa Santos M. P., Fidalgo C., Glória L., Tavares R., Rodrigues

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Metabolismo da Bilurribina e Icterícia

Metabolismo da Bilurribina e Icterícia Metabolismo da Bilurribina e Icterícia Degradação do heme da hemoglobina (tb dos citocromos) Bilirrubina Bilirrubina conjugada Transf. bactérias UDP-Glucuronil transferase R E S Sangue F í g a d o Excreção

Leia mais

1ª PARTE CONHECIMENTOS GERAIS MEDICINA

1ª PARTE CONHECIMENTOS GERAIS MEDICINA 1ª PARTE CONHECIMENTOS GERAIS MEDICINA Questão nº: 01 A coqueluche, ou pertussis, é uma doença respiratória aguda causada pela Bordetella pertussis, especialmente a Bordetella parapertussis. O organismo

Leia mais

INDICADORAS DE INFECÇÃO PELO HIV/AIDS DETECÇÃO TARDIA: A DOENÇA JÁ COMEÇOU

INDICADORAS DE INFECÇÃO PELO HIV/AIDS DETECÇÃO TARDIA: A DOENÇA JÁ COMEÇOU DOENÇAS INDICADORAS DE INFECÇÃO PELO HIV/AIDS DETECÇÃO TARDIA: A DOENÇA JÁ COMEÇOU Doenças indicativas de infecção Síndrome retroviral aguda Febre prolongada Diarréia crônica pelo HIV / AIDS Infecções

Leia mais

CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 SANGUE

CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 SANGUE 1 CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 2 SANGUE 3 4 5 6 7 PATOLOGIA DO GLÓBULO RUBRO ANEMIAS POLICITEMIAS Valores de referência Hemoglobina g/dl recém-nascido

Leia mais

Vacina contra Febre Amarela VIGILÂNCIA DE EVENTOS ADVERSOS PÓS-VACINA

Vacina contra Febre Amarela VIGILÂNCIA DE EVENTOS ADVERSOS PÓS-VACINA SECRETARIA DE SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE VIGILÂNCIA ESTADUAL EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROGRAMA ESTADUAL DE IMUNIZAÇÕES Vacina contra Febre Amarela VIGILÂNCIA DE EVENTOS ADVERSOS

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

AULAS TEÓRICAS SEMIOLOGIA MÉDICA GERAL I 5º PERÍODO 2009/2 DATA HORÁRIO ASSUNTO PROFESSORES

AULAS TEÓRICAS SEMIOLOGIA MÉDICA GERAL I 5º PERÍODO 2009/2 DATA HORÁRIO ASSUNTO PROFESSORES SEMIOLOGIA MÉDICA GERAL I 5º PERÍODO 2009/2 4 ago 11:00 ÀS 11:50 RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE E ÉTICA MÉDICA FLÁVIA MAGALHÃES 11 ago 11:00 ÀS 11:50 ANAMNESE FLÁVIA MAGALHÃES 18 ago 11:00 ÀS 11:50 SEMIOLOGIA

Leia mais

TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA

TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA Departamento de Clínica Médica Disciplina de Gastroenterologia PROTOCOLO DE TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA COM INTERFERON E RIBAVIRINA. INTRODUÇÃO A hepatite C vem sendo

Leia mais

Terapêutica da Dengue Hemorrágica

Terapêutica da Dengue Hemorrágica XXIII Congresso Médico da Paraíba Terapêutica da Dengue Hemorrágica Dr a Ana Isabel Vieira Fernandes Infectologista Dengue no Brasil Dengue Hemorrágica Óbitos 1995 2 114 Casos 1996 1997 1 9 46 69 1998

Leia mais

ENADE 2004 FISIOTERAPIA

ENADE 2004 FISIOTERAPIA ENADE 2004 FISIOTERAPIA QUESTÃO 38 Maurício Gomes Pereira. Epidemiologia teoria -- prática. Rio de Janeiro: Guanabra Koogan S.A., 1995, p. 31 (com adaptações). O gráfico acima demonstra os possíveis padrões

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA 1 ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE ASSUNTOS DESTE INFORME Agravos notificados

Leia mais

CASO CLÍNICO PEDIATRIA II

CASO CLÍNICO PEDIATRIA II Regente Professor Doutor Paulo Magalhães Ramalho Docente Dra. Filipa Nunes CASO CLÍNICO PEDIATRIA II Ana Catarina Henriques (3884), Ana Luísa Pereira (6197), Anabela Aires (3918), Duarte Martins (3969)

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

AIDS PERINATAL. Licia Moreira UFBA

AIDS PERINATAL. Licia Moreira UFBA Licia Moreira UFBA Definição de AIDS na CRIANÇA Toda criança com menos de 13 anos com evidência laboratorial de infecção Uma amostra de soro repetidamente positiva em teste como ELISA, IFI (pesquisa de

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral PARTE 2 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 FAMÍLIA HHV Alfaherpesvirinae HHV1(herpes bucal)

Leia mais

O Laboratório Clínico do D.A.V. do Jockey Club de São Paulo conta com amplo e bem estruturado espaço, além de equipamentos modernos que conferem

O Laboratório Clínico do D.A.V. do Jockey Club de São Paulo conta com amplo e bem estruturado espaço, além de equipamentos modernos que conferem O Laboratório Clínico do D.A.V. do Jockey Club de São Paulo conta com amplo e bem estruturado espaço, além de equipamentos modernos que conferem fidedignidade aos resultados. Seu principal objetivo é assegurar

Leia mais

Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios

Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios Inflamação Leucocitose fisiológica (epinefrina) Dor, medo, exercício Leucograma de estresse (glicocorticoide) Hiperadrenocorticismo, corticoterapia,

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH NEGATIVO

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH NEGATIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Os participantes no estudo devem preencher o questionário de follow-up com intervalos regulares de -6 meses. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado.

Leia mais

Isaac de Melo Xavier Junior Fernando Jose Goncalves Cardoso

Isaac de Melo Xavier Junior Fernando Jose Goncalves Cardoso 535C5710 «$E9T"J0 03.362451.01.41:15 Setor Técnico Urinalise Emissão 03/10/2008 SUMARIO DE URINA Coleta: 03/10/2008 ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS Valores de referência Cor Amarelo claro Amarelo claro - amarelo

Leia mais

rim medula óssea familiar tecidos córneas tecidos órgãos fígado fígado pulmão pulmão pâncreas pâncreas intestino intestino pâncreas pâncreas

rim medula óssea familiar tecidos córneas tecidos órgãos fígado fígado pulmão pulmão pâncreas pâncreas intestino intestino pâncreas pâncreas familiar rim medula óssea fígado fígado pulmão pulmão pâncreas pâncreas intestino intestino tecidos córneas rim rim pâncreas pâncreas fígado fígado pulmão pulmão órgãos tecidos órgãos rins rins coração

Leia mais

Infecções sexualmente transmissíveis

Infecções sexualmente transmissíveis Escola secundária com 2º e 3º ciclos Anselmo de Andrade Infecções sexualmente transmissíveis 9ºD Ciências Naturais 2011/2012 Professora: Isabel Marques Trabalho realizado por: Inês Pinto nº9 Mariana Cantiga

Leia mais