f = 1MHz ε rms = 10V C = 220pF V Lrms = 39,1V V Crms = 30,0V V Rrms = 4,15V

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "f = 1MHz ε rms = 10V C = 220pF V Lrms = 39,1V V Crms = 30,0V V Rrms = 4,15V"

Transcrição

1 1 Circuito RLC série Quando adicionamos uma resistência ao circuito LC série, como mostrado no diagrama ao lado, o comportamento do circuito é similar ao comportamento do circuito LC sem a resistência, mas existem algumas variações. Com exemplo, para verificar as diferenças, usaremos os mesmo parâmetros utilizados no circuito LC discutido anteriormente, logicamente acrescido do resistor: f 1MHz ε rms 10V L 150µH C 220pF R 100Ω Com o acréscimo do resistor, medimos agora: V Lrms 39,1V V Crms 30,0V V Rrms 4,15V Isto faz sentido? Sabemos como lidar com a diferença entre V Lrms e V Crms, que é aproximadamente 9V, mas agora temos V Rrms com aproximadamente 4 volts. Como podemos converter uma voltagem de alimentação de 10V em uma voltagem de 13V? Ou estamos esquecendo alguma coisa? Como vimos anteriormente, temos que levar em consideração a diferença de fase. Entre a voltagem e a corrente em cada um do s três elementos do circuito. O diagrama de vetores à direita ilustra este conceito. Uma vez que temos um circuito série, a corrente é a mesma em todo o circuito e, portanto a estamos usando como referência (fase 0 ), mostrada em vermelho no diagrama. A voltagem no resistor é V R, em fase com a corrente e mostrada em verde. O vetor azul V L e está a +90, enquanto que o vetor dourado representa V C, que está a -90. Uma vez que V L e V C são diametralmente opostos, a voltagem reativa total é V L -V C. É este vetor diferença eu está somado com V R para encontrar V T mostrado em ciam no diagrama, e que é igual a ε Já sabemos que ε rms 10V. Agora podemos ver que também ε rms é um vetor soma de (V L -V C ) e V R. Por causa da presença de R, o ângulo de fase entre V T e I será arctan((v L -V C )/V R ), e poderá variar de -90 até +90.

2 2 Como sempre, o cálculo da voltagem e da corrente neste circuito será baseado na aplicação da Lei de Ohm. As expressões básicas são: Uma vez que temos um circuito série, o valor de I em cada expressão é o mesmo, ou seja, II L I C I R e será o valor de referencia para os cálculos. Precisarem também do valor de ω (2πf) para determina X L e X C. Pra f1mhz, ω 2πf 6, ,3 e completando nossos cálculos temos: ,3 x 0, ,4778Ω ,43156Ω ,3 x 220 x 10 ( ) + % (942, ,43156) % 240,79297 Ω &'( &'( , ,529452)* &'( &'( 0, , ,1405 &'( &'( 0, , ,04371 &'( &'( 0, , ,-( ) +. (39, ,04371) + 4, % 10 A voltagem do gerador obtida é exatamente 10V que é o valor inicialmente especificado. Portanto nossos cálculos conferem e nossos resultados são válidos. Um resultado da adição de uma resistência ao circuito aumentar sua impedância e, portanto reduzir a corrente através do circuito. Como isso afeta a na ressonância, quando X L X C?i

3 3 Efeito de R na ressonância Nas frequências muito baixas, o Capacitor C ser comportará como um circuito aberto e virtualmente nenhuma corrente atravessará o circuito. Nas frequências altas o indutor L se comportará como um circuito aberto e nenhuma corrente atravessará o circuito. Entretanto, nas frequências intermediárias, X C e X L terão valores moderados e a diferença entre eles serão pequenas. Na ressonância a diferença será zero e apenas R irá limitar a corrente fluindo no circuito. O gráfico à direitas mostra os valores os valores normalizados da corrente que atravessa um circuito RLC num intervalo de frequências angulares que vai de 1% da frequência de ressonância até 100 vezes a frequência de ressonância. Fora deste intervalo, como pode ser extrapolado do gráfico, nenhuma corrente significante atravessará o circuito. Dentro deste range, a corrente dependerá primariamente do valor de R. Para obter ω 0 igual a 1, temporariamente ajustamos os valores de L para 1 henry, C para 1 faraday e usamos a frequência em rad/s. Também assumimos um valor normalizado de ε1 volt. Desta forma podemos obter facilmente os valores da corrente apenas ajustando o valor de R. (Estes valores são usados apenas para obter um gráfico normalizado, uma vez que temos o gráfico, podemos mudar os valores dos componentes e o teremos ainda o mesmo comportamento do gráfico ao redor da frequência de ressonância, desde que a razão L/C não se altere. Adiante veremos o que acontece quando esta razão se altera.) Em um circuito completamente normalizado, teremos R1Ω. Assim teremos uma corrente de 1 ampere fluindo no circuito na ressonância, como indicado pela curva verde do gráfico. Da mesma forma, se ajustarmos o valor de R para 2Ω, a corrente na ressonância será 0,5A, como mostrado na curva azul. As outras curvas mostram o que acontece se reduzimos o valor de R para 0,5Ω (curva amarela) e para 0,1Ω (curva vermelha).

4 4 Note que para baixos valores de R a corrente na ressonância atinge valores de pico altos, mas cai rapidamente quando a frequência muda. Para Valores maiores de R, a curva é mais achatada e temos correntes de ressonância menores. Este é a relação comportamental entre a largura de banda (intervalo de frequências para o qual a corrente diminui para 0,707 do seu valor máximo) e corrente máxima e o valor de R é crítico para o controle deste fator. Mudando a relação L/C Podemos mudar o valor da relação L/C sem mudar o valor da frequência de ressonância. Para tanto devemos ter certeza de que o produto LC não se altere. Neste caso, mudamos o valor das duas reatâncias pra uma dada frequência qualquer se mudar a frequência de ressonância. Por exemplo, se temos L1H e C1F, LC1 e L/C1. Entretanto se L2H e C0.5F, ainda teremos LC1, mas agora L/C4. Ou, se L0,5H e C2F, L/C0,25. Mudando L e C dessa maneira, mudamos os valores de X L e X C na ressonância e ao redor dela, sem mudar a frequência de ressonância. Desta forma controlamos a impedância total do circuito nas proximidades da frequência de ressonância e damos ao resistor R, maior ou menor controle sobre a corrente na ressonância. O resultado é a mudança no intervalo de frequências em que o circuito irá conduzir quantidades significantes de corrente. Os três gráficos a seguir ilustram isto: L/C4 L/C1 L/C0,25 Quando fazemos os gráficos desta maneira, torna-se claro que quando L/C cresce, limitamos o circuito a permitir passagem de corrente numa banda num intervalo de frequências cada vez menor (largura de banda cada vez menor). Por outro lado, se reduzimos o valor de L/C alargamos a banda que permite passagem de corrente significativa no circuito. Isto é muito importante quando lidamos com este tipo de circuito trabalhando como filtros, e especialmente em circuitos sintonizados.

5 5 Circuito RLC paralelo O diagrama ao lado mostra três componentes conectados a um gerador, em paralelo. Mantendo consistência com nossos exemplos anteriores, usaremos neste exemplo os mesmos valores dos componentes, exceto para R.: ε rms 10V f 1MHz L 150µH C 220pF R 100Ω (ω ,3rad/s) (X L 942,4778Ω) (X C 723,43156Ω) E de acordo com a Lei de Ohm : &'( &'( 10 0, ,61033 ma 942,4778 &'( &'( 10 0, ,823008mA 723, &'( &'( 10 0,01 10mA 100 Se medirmos a corrente fornecida pela fonte encontraremos I mA, apenas 0,5mA a mais do que a corrente que atravessa o resistor, I R. Temos agora 10mA de corrente resistiva e aproximadamente 3,2mA de corrente reativa e a corrente total medida é apenas 10,5mA. Já estava na hora de esperarmos por isso, pois estamos familiarizados com as razões para tal aparente discrepância. Mesmo assim vamos completar o exercício e estudar o circuito com um pouco mais de detalhes. a a Como já vimos, o diagrama de vetores ao lado conta-nos estória. Como temos um circuito paralelo, a voltagem V (ε) é mesma sobre todos os componentes do circuito Agora é a corrente que possui fases e amplitudes diferentes em cada componente. Como a voltagem sobre os componentes é a mesma, usaremo-la como referência (ângulo de fase 0 ).A corrente sobre o resistor está em fase com a voltagem, portanto I R aparece também com fase 0. A corrente no indutor está atrasada em relação à voltagem e aparece com fase -90. A corrente no capacitor se adianta em relação à voltagem, e aparece com fase +90. Como I C é maior do que I L, a corrente reativa resultante é capacitiva, co fase +90.

6 6 Agora, a corrente total I T (I) é o vetor soma da corrente reativa com a corrente resistiva. Uma vez que R é significativamente maior do que (I C I L ), a impedância total Z do circuito é preponderantemente resistiva e o vetor representativo de I tem um pequeno ângulo de fase, como mostrado na figura. Como sempre, com os vetores acima temos uma clara ideia de como correntes atravessam cada componente do circuito, quais são as relações entre elas e com a corrente total fornecida pela fonte. De fato poderíamos desenhar os vetores em escala com precisão suficiente para realizarmos os cálculos e determinar suas magnitudes e ângulos de fase, entretanto, pela limitação em precisão destas medidas é sempre melhor calcular algebricamente e comparar os resultados finais com os valores do circuito real. Continuemos então com as relações básicas:, onde I X é a reatância total e φ é o ângulo de fase da corrente I. Substituindo os valores numéricos que temos, obtemos: (13, ,61033) ,503395)* 13, , ,3 10 Estes valores conferem com os valores medidos para a corrente fornecida pela fonte e também com o diagrama de vetores mostrado anteriormente. Quando X L X C Quando um circuito deste tipo opera na ressonância, temos que X L X C, o que implica que I L I C. Portanto, I C -I L 0, e a corrente fornecida pela fonte é I R. Este é de fato o caso. Na ressonância, uma corrente circula por L e C sem deixar estes dois componentes, e a fonte somente precisa fornecer corrente para compensar as perdas. Neste caso, R representa as perdas energéticas dentro do circuito e é o único componente que drena corrente da fonte. A impedância efetiva do circuito é nada mais do que R e a corrente fornecida pela fonte está em fase com a voltagem.

FIS1053 Projeto de Apoio Eletromagnetismo 23-Maio Lista de Problemas 12 -Circuito RL, LC Corrente Alternada.

FIS1053 Projeto de Apoio Eletromagnetismo 23-Maio Lista de Problemas 12 -Circuito RL, LC Corrente Alternada. FIS53 Projeto de Apoio Eletromagnetismo 23-Maio-2014. Lista de Problemas 12 -Circuito RL, LC Corrente Alternada. QUESTÃO 1: Considere o circuito abaixo onde C é um capacitor de pf, L um indutor de μh,

Leia mais

Aquino, Josué Alexandre.

Aquino, Josué Alexandre. Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica para engenharia de produção : análise de circuitos : corrente e tensão alternada / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 53 slides; il. Sistema requerido:

Leia mais

Resistores e CA. sen =. logo

Resistores e CA. sen =. logo Resistores e CA Quando aplicamos uma voltagem CA em um resistor, como mostrado na figura, uma corrente irá fluir através do resistor. Certo, mas quanta corrente irá atravessar o resistor. Pode a Lei de

Leia mais

FILTRO PASSA ALTAS (FPA) FILTRO PASSA BAIXAS (FPB)

FILTRO PASSA ALTAS (FPA) FILTRO PASSA BAIXAS (FPB) FILTRO PASSA ALTAS (FPA) FILTRO PASSA BAIXAS (FPB) A figura a seguir mostra dois circuitos RC que formam respectivamente um filtro passa altas (FPA) e um filtro passa baixas (FPB). Observa-se que a caracterização

Leia mais

Indutância Elétrica. Professor João Luiz Cesarino Ferreira

Indutância Elétrica. Professor João Luiz Cesarino Ferreira Indutância Elétrica Um indutor é essencialmente um condutor enrolado em forma helicoidal. Pode ser enrolado de forma auto-sustentada ou sobre um determinado núcleo. Para lembrar sua constituição, o símbolo

Leia mais

Experimento 9 Circuitos RL em corrente alternada

Experimento 9 Circuitos RL em corrente alternada 1. OBJETIVO Experimento 9 Circuitos RL em corrente alternada O objetivo desta aula é estudar o comportamento de circuitos RL em presença de uma fonte de alimentação de corrente alternada. 2. MATERIAL UTILIZADO

Leia mais

Unidade III. 2. Circuitos mistos: RL, RC, RLC. Ressonância. Circuitos série-paralelo. Circuitos CA

Unidade III. 2. Circuitos mistos: RL, RC, RLC. Ressonância. Circuitos série-paralelo. Circuitos CA Unidade III 2. Circuitos mistos: RL, RC, RLC. Ressonância. Circuitos série-paralelo. Circuito RL Circuitos RL são formados por resistências e indutâncias, em série ou paralelo. São usados para representar

Leia mais

Eletromagnetismo - Instituto de Pesquisas Científicas

Eletromagnetismo - Instituto de Pesquisas Científicas ELETROMAGNETISMO Vimos que a dissipação de energia num circuito nos fornece uma condição de amortecimento. Porém, se tivermos uma tensão externa que sempre forneça energia ao sistema, de modo que compense

Leia mais

Experimento 10 Circuitos RLC em corrente alternada: ressonância

Experimento 10 Circuitos RLC em corrente alternada: ressonância Experimento 10 Circuitos RLC em corrente alternada: ressonância 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento de circuitos RLC em presença de uma fonte de alimentação de corrente alternada.

Leia mais

Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Circuitos Elétricos Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Resposta em Frequência O que será estudado? Decibel Circuitos Ressonantes Filtros Ressonância Circuito Ressonante (ou sintonizado) Combinação

Leia mais

Física Experimental III

Física Experimental III Física Experimental III http://www.if.ufrj.br/~fisexp3 Unidade 6: Circuitos simples em corrente alternada: circuitos indutivos A maneira de apresentar o modelo elétrico que vamos nos basear para estudar

Leia mais

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência Experimento 8 Circuitos C e filtros de freqüência OBJETIO O objetivo desta aula é ver como filtros de freqüência utilizados em eletrônica podem ser construídos a partir de um circuito C Os filtros elétricos

Leia mais

Experimento 9 Circuitos RLC em série e em paralelo em corrente alternada: ressonância e filtros passa-banda e rejeita-banda

Experimento 9 Circuitos RLC em série e em paralelo em corrente alternada: ressonância e filtros passa-banda e rejeita-banda Experimento 9 Circuitos C em série e em paralelo em corrente alternada: ressonância e filtros passa-banda e reeita-banda. OBJETIO Parte A:Circuitos C em série Circuitos contendo indutores e capacitores

Leia mais

2 Ressonância e factor de qualidade

2 Ressonância e factor de qualidade Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Física Electromagnetismo e Física Moderna 2 Ressonância e factor de qualidade Os circuitos RLC Observar a ressonância em

Leia mais

Prof. Fábio de Oliveira Borges

Prof. Fábio de Oliveira Borges Exercícios Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil http://cursos.if.uff.br/fisica2-2015/ Exercício 01 01)

Leia mais

Circuitos Elétricos. Dispositivos Básicos e os Fasores. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Circuitos Elétricos. Dispositivos Básicos e os Fasores. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Circuitos Elétricos Dispositivos Básicos e os Fasores Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Fasores Método válido porém longo é somar algebricamente as ordenadas em cada ponto ao longo da abscissa.

Leia mais

Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada

Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento de indutores associados a resistores em circuitos alimentados com onda quadrada. 2.

Leia mais

Oscilações Eletromagnéticas e Corrente Alternada. Curso de Física Geral F328 1 o semestre, 2008

Oscilações Eletromagnéticas e Corrente Alternada. Curso de Física Geral F328 1 o semestre, 2008 Oscilações Eletromagnéticas e orrente Alternada urso de Física Geral F38 o semestre, 008 Oscilações Introdução os dois tipos de circuito estudados até agora ( e ), vimos que a carga, a corrente e a diferença

Leia mais

Lista de exercícios ENG04042 Tópicos 3.1 a 5.3. a corrente se atrasa em relação a v.

Lista de exercícios ENG04042 Tópicos 3.1 a 5.3. a corrente se atrasa em relação a v. 1) Um indutor de 10 mh tem uma corrente, i = 5cos(2000 t ), obtenha a tensão vl. V = 100 sen(2000 t ) V L 2) Um circuito série com R=10 Ω e L=20 mh, tem uma corrente de i = 2s en(500 t ). Calcule a tensão

Leia mais

T7 - Oscilações forçadas. sen (3)

T7 - Oscilações forçadas. sen (3) Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T7 FÍSICA EXPERIMENTAL I - 2007/08 OSCILAÇÕES FORÇADAS NUM CIRCUITO RLC 1. Objectivo Estudar um circuito RLC série ao qual é aplicada

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Lei de Ohm Última Aula Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Associação de Resistores Análise

Leia mais

PUC-RIO CB-CTC. P3 DE ELETROMAGNETISMO quarta-feira. Nome : Assinatura: Matrícula: Turma:

PUC-RIO CB-CTC. P3 DE ELETROMAGNETISMO quarta-feira. Nome : Assinatura: Matrícula: Turma: P3 1/6/13 PUC-IO CB-CTC P3 DE ELETOMAGNETISMO 1.6.13 quarta-feira Nome : Assinatura: Matrícula: Turma: NÃO SEÃO ACEITAS ESPOSTAS SEM JUSTIFICATIVAS E CÁLCULOS EXPLÍCITOS. Não é permitido destacar folhas

Leia mais

Circuitos RLC com corrente alternada: ressonância e filtros passa-banda e rejeita-banda

Circuitos RLC com corrente alternada: ressonância e filtros passa-banda e rejeita-banda Circuitos RLC com corrente alternada: ressonância e filtros passa-banda e rejeita-banda 8 8.1 Material Gerador de funções; osciloscópio; multímetros digitais (de mão e de bancada); resistor de 1 kω; capacitor

Leia mais

POTÊNCIA EM CIRCUITOS SENOIDAIS.

POTÊNCIA EM CIRCUITOS SENOIDAIS. POTÊNCIA EM CIRCUITOS SENOIDAIS. EXERCÍCIO 1: Um transformador com capacidade para fornecer a potência aparente máxima de 25kVA está alimentando uma carga, constituída pelo motor M1 que consome 4.8kW com

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO EAOEAR 2002 05 No circuito mostrado na figura abaixo, determine a resistência

Leia mais

Se no terminal b do circuito for conectado um terceiro componente, como na figura abaixo, os resistores R 1 e R 2 não estarão mais em série.

Se no terminal b do circuito for conectado um terceiro componente, como na figura abaixo, os resistores R 1 e R 2 não estarão mais em série. Circuitos em Série Um circuito consiste em um número qualquer de elementos unidos por seus terminais, com pelo menos um caminho fechado através do qual a carga possa fluir. Dois elementos de circuitos

Leia mais

Física Experimental III

Física Experimental III Física Experimental III Unidade 5: Experimentos simples em corrente alternada capacitores e circuitos http://www.if.ufrj.br/~fisexp3 agosto/26 omo já vimos na Unidade 3, Eq.(3.2), a equação caraterística

Leia mais

0.1 Introdução Conceitos básicos

0.1 Introdução Conceitos básicos Laboratório de Eletricidade S.J.Troise Exp. 0 - Laboratório de eletricidade 0.1 Introdução Conceitos básicos O modelo aceito modernamente para o átomo apresenta o aspecto de uma esfera central chamada

Leia mais

Retificadores com tiristores

Retificadores com tiristores Retificadores com tiristores 5 O retificador controlado trifásico de meia onda Os retificadores trifásicos são alimentados pela rede de energia trifásica cujas tensões podem ser descritas pelas expressões

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry. Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores Potência em CA Prof. Clóvis Antônio Petry. Florianópolis, agosto de 2007. Nesta aula Capítulo 19: Potência

Leia mais

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA EXPERIÊNCIA N o PEA50 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA RETIFICADORES NÃO CONTROLADOS DE DOIS CAMINHOS W. KAISER 0/009 1. OBJETIVOS Estudo do funcionamento e processo de comutação em retificadores

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 04 Correção de Fator de Potência

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 04 Correção de Fator de Potência ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 04 Correção de Fator de Potência NOME TURMA DATA 1. OBJETIVOS Compreender na prática os conceitos de potência aparente (S), potência ativa (P) e potência reativa

Leia mais

Aula-11 Corrente alternada

Aula-11 Corrente alternada Aula-11 orrente alternada urso de Física Geral F-38 1º semestre, 014 F38 1014 1 Oscilações forçadas ( com fem) As oscilações de um circuito não serão totalmente amortecidas se um dispositivo de fem externo

Leia mais

Abra o arquivo ExpCA05. Identifique o circuito da Fig12a. Ative-o. Anote o valor da corrente no circuito.

Abra o arquivo ExpCA05. Identifique o circuito da Fig12a. Ative-o. Anote o valor da corrente no circuito. Curso CA Parte3 a) Primeiramente deveremos calcular a reatância X C = 1 / (..60.0,1.10-6 ) =6.55 Agora poderemos calcular a impedância. Z = 40 6,5 = 48K b) = U / Z = 10V / 48K =,5 ma c) V C = X C. = 6,5K.,5mA

Leia mais

Em um circuito DC, seja ele resistivo ou não, a corrente varia somente no instante em que o circuito é aberto ou fechado.

Em um circuito DC, seja ele resistivo ou não, a corrente varia somente no instante em que o circuito é aberto ou fechado. Em um circuito DC, seja ele resistivo ou não, a corrente varia somente no instante em que o circuito é aberto ou fechado. Quando o circuito é puramente resistivo essas variações são instantâneas, porém

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry. Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores Potência em CA Triângulo das Potências e Correção de Fator de Potência Prof. Clóvis Antônio Petry.

Leia mais

ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS

ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS 2.1 - INTRODUÇÃO - EXISTEM CINCO ELEMENTOS BÁSICOS IDEAIS QUE SÃO UTILIZADOS EM CIRCUITOS ELÉTRICOS. - ELEMENTOS ATIVOS (GERAM ENERGIA ELÉTRICA)

Leia mais

CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS

CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS Neste capítulo, o objetivo é o estudo das aplicações com os Amplificadores Operacionais realizando funções matemáticas. Como integração, diferenciação,

Leia mais

Lista de exercícios - Regra de Kirchhoff

Lista de exercícios - Regra de Kirchhoff Lista de exercícios - Regra de Kirchhoff Circuitos Complexos Regra de Kirchhoff Existem alguns circuitos em que não é possível fazer a separação de partes em série e/ou em paralelo e além disto podem ter

Leia mais

Indução Magnética. E=N d Φ dt

Indução Magnética. E=N d Φ dt Indução Magnética Se uma bobina de N espiras é colocada em uma região onde o fluxo magnético está variando, existirá uma tensão elétrica induzida na bobina, e que pode ser calculada com o auxílio da Lei

Leia mais

Retificadores (ENG ) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo

Retificadores (ENG ) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo 01) Para o eletroimã da figura abaixo, determine: a) Calcule a densidade de fluxo no núcleo; b) Faça um esboço das linhas de campo e

Leia mais

Lista de Exercícios 3 - Circuitos Elétricos II

Lista de Exercícios 3 - Circuitos Elétricos II Lista de Exercícios 3 - Circuitos Elétricos II Tópicos: Potência instantânea, Potência Média, Valor Médio e Eficaz, Potência Aparente, Potência Ativa, Potência Reativa, Fator de Potência, Potência Complexa.

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EEL 012 Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia

Universidade Federal de Itajubá EEL 012 Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia Universidade Federal de Itajubá EEL 012 Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia Guia da 2 a aula prática 2014 Carga RLC Monofásica Assunto: - Medição de potência em carga RLC monofásica e correção

Leia mais

CIRCUITO AUTOPOLARIZAÇÃO Análise do modelo equivalente para o circuito amplificador em autopolarização a JFET.

CIRCUITO AUTOPOLARIZAÇÃO Análise do modelo equivalente para o circuito amplificador em autopolarização a JFET. MÓDULO 6: RESPOSTA EM FREQÜÊNCIA DO AMPLIFICADOR DE PEQUENOS SINAIS A JFET. 1. Introdução: O circuito amplificador de sinal a JFET possui ganho alto, uma impedância alta de entrada e ampla faixa de resposta

Leia mais

Lab. Eletrônica: Oscilador senoidal usando amplificador operacional

Lab. Eletrônica: Oscilador senoidal usando amplificador operacional Lab. Eletrônica: Oscilador senoidal usando amplificador operacional Prof. Marcos Augusto Stemmer 27 de abril de 206 Introdução teórica: Fasores Circuitos contendo capacitores ou indutores são resolvidos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANA CAARINA DEPARAMENO DE ENGENHARIA ELÉRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório AULA 07 POÊNCIA MONOFÁSICA E FAOR DE POÊNCIA 1 INRODUÇÃO A análise de circuitos em corrente

Leia mais

BC 1519 Circuitos Elétricos e Fotônica

BC 1519 Circuitos Elétricos e Fotônica BC 1519 Circuitos Elétricos e Fotônica Circuitos em Corrente Alternada 013.1 1 Circuitos em Corrente Alternada (CA) Cálculos de tensão e corrente em regime permanente senoidal (RPS) Conceitos de fasor

Leia mais

Circuitos Elétricos I

Circuitos Elétricos I Universidade Federal do ABC Eng. De Instrumentação, Automação e Robótica Circuitos Elétricos I Prof. Dr. José Luis Azcue Puma Excitação Senoidal e Fasores Impedância Admitância 1 Propriedades das Senóides

Leia mais

2 Objetivos Verificação e análise das diversas características de amplificadores operacionais reais.

2 Objetivos Verificação e análise das diversas características de amplificadores operacionais reais. Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 6 1 Título Prática 11 Características dos Amplificadores Operacionais 2 Objetivos Verificação e análise das diversas características

Leia mais

Universidade de Mogi das Cruzes Engenharia Curso Básico Prof. José Roberto Marques EXERCÍCIOS RESOLVIDOS DE ELETRICIDADE BÁSICA FORMULÁRIO UTILIZADO

Universidade de Mogi das Cruzes Engenharia Curso Básico Prof. José Roberto Marques EXERCÍCIOS RESOLVIDOS DE ELETRICIDADE BÁSICA FORMULÁRIO UTILIZADO rof. José oberto Marques XCÍCOS SOLDOS D LTCDAD BÁSCA FOMULÁO UTLZADO L D OHM Usamos quando se trata de uma de tensão elétrica e quando se trata da tensão sobre um resistor elétrico. Quando estamos alimentando

Leia mais

PSI LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS

PSI LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI 3212 - LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS GUIA DE EXPERIMENTOS Experiência 3 COMPORTAMENTO DE COMPONENTES

Leia mais

Notas de aula da disciplina de Ana lise de Circuitos 2

Notas de aula da disciplina de Ana lise de Circuitos 2 1 Notas de aula da disciplina de Ana lise de Circuitos 2 Prof. Luciano Baracho Rocha Maio de 2016 Sumário Potência aparente e fator de potência... 2 Exercício 1:... 4 Exercício 2:... 5 Potência Complexa...

Leia mais

CEFET BA Vitória da Conquista CIRCUITOS INDUTIVOS

CEFET BA Vitória da Conquista CIRCUITOS INDUTIVOS CEFET BA Vitória da Conquista CIRCUITOS INDUTIVOS Se numa tensão CA, v for aplicada a um circuito que tenha somente indutância, a corrente CA resultante que passa pela indutância, i L, estará atrasada

Leia mais

Retificadores de meia-onda Cap. 3 - Power Electronics - Hart. Prof. Dr. Marcos Lajovic Carneiro

Retificadores de meia-onda Cap. 3 - Power Electronics - Hart. Prof. Dr. Marcos Lajovic Carneiro Retificadores de meia-onda Cap. 3 - Power Electronics - Hart Prof. Dr. Marcos Lajovic Carneiro Tópicos da aula 3.1 Retificador de meia onda com carga resistiva (R) 3.2 Retificador de meia onda com carga

Leia mais

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal "-" associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal - associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1 1 Números Complexos. Se tivermos um circuito contendo uma multiplicidade de capacitores e resistores, se torna necessário lidar com resistências e reatâncias de uma maneira mais complicada. Por exemplo,

Leia mais

Resultados obtidos nas medições.

Resultados obtidos nas medições. Resultados obtidos nas medições. Os dados na sequência representam dois ensaios de aquecimento da água no reservatório de 200 litros de duas formas distintas. No primeiro aquecimento se faz o ensaio do

Leia mais

Capítulo 5: Casamento de impedância e transistor em Rf

Capítulo 5: Casamento de impedância e transistor em Rf Casamento de e transistor em Rf Introdução Cir. Eletrônica Aplica. Aplicação: Prover a máxima transferência possível de potência entre fonte e carga Teorema em DC: máxima potência será transferida da fonte

Leia mais

Resposta em Frequência dos Circuitos

Resposta em Frequência dos Circuitos Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Telecomunicações PRT- Princípios de Telecomunicações Resposta em Frequência dos Circuitos Prof. Deise Monquelate Arndt São José, abril de 2016 Resposta

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse:

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br ELETRÔNICA, princípios e aplicações 2 Capítulo 8 Amplificador de Sinais Sumário do capítulo: 8.1

Leia mais

Física Experimental III

Física Experimental III Física Experimental III Unidade 4: Circuitos simples em corrente alternada: Generalidades e circuitos resistivos http://www.if.ufrj.br/~fisexp3 agosto/26 Na Unidade anterior estudamos o comportamento de

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua).

Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua). Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua). Como vimo anteriormente, para que haja fluxo de corrente pelo circuito,

Leia mais

Experimento 6 Corrente alternada: circuitos resistivos

Experimento 6 Corrente alternada: circuitos resistivos 1. OBJETIO Experimento 6 Corrente alternada: circuitos resistivos O objetivo desta aula é estudar o comportamento de circuitos resistivos em presença de uma fonte de alimentação de corrente alternada.

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II Módulo IV POTÊNCIA E VALOR EFICAZ UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Potência Instantânea Potência entregue a um elemento em um

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE BÁSICA Exercícios Eletricidade Básica

EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE BÁSICA Exercícios Eletricidade Básica EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE BÁSICA Exercícios Eletricidade Básica Q1) Qual o valor de energia convertida por um ferro de passar roupas, de 600W, ligado por 2min? ( 2min=120s E=P*t=600*120= 72000J ) Q2)

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry. Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores Correção de Fator de Potência Prof. Clóvis Antônio Petry. Florianópolis, agosto de 2007. Nesta aula Capítulo

Leia mais

AULA 03 Exercícios Lista 01 Lista 02 Lista 03 Resolução de exercícios em sala

AULA 03 Exercícios Lista 01 Lista 02 Lista 03 Resolução de exercícios em sala AULA 03 Exercícios Lista 01 Lista 02 Lista 03 Resolução de exercícios em sala AULA 04 Tensão e Corrente alternada Ondas senoidais Ondas quadradas Ondas triangulares Frequência e período Amplitude e valor

Leia mais

Método das Malhas. Abordagem Geral

Método das Malhas. Abordagem Geral Método das Malhas Abordagem Geral Método das Malhas 1. Associe uma corrente no sentido horário a cada malha fechada e independente do circuito. Não é necessário escolher o sentido horário para todas as

Leia mais

Programa de engenharia biomédica

Programa de engenharia biomédica Programa de engenharia biomédica princípios de instrumentação biomédica COB 781 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto

Leia mais

Tutorial: Componentes passivos.

Tutorial: Componentes passivos. Tutorial: Componentes passivos. Autor: Samuel Cerqueira Pinto T-16 Data: 24/02/2013 Componentes Passivos Componentes passivos são os componentes eletrônicos que não possuem a capacidade de amplificar um

Leia mais

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 2 Circuitos Série e a Associação Série de Resistores Utilizando as chaves disponíveis

Leia mais

Sétima Lista - Lei de Faraday

Sétima Lista - Lei de Faraday Sétima Lista - Lei de Faraday FGE211 - Física III Sumário O fluxo magnético através de uma superfície S é definido como Φ B = B da A Lei da Indução de Faraday afirma que a força eletromotriz (fem) induzida

Leia mais

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00) Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00) Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores 1 2 Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores Utilizando as chaves

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA Dados: ANATEL - DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 1 RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA Fonte:

Leia mais

Cap. 4 Retificadores de onda completa

Cap. 4 Retificadores de onda completa Cap. 4 Retificadores de onda completa Retificadores de onda completa - Introdução Principal Vantagem Menos Ripple (em relação a retificadores de meia onda) Retificadores de onda completa de uma fase Retificadores

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420

Circuitos Elétricos I EEL420 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto circuito...2

Leia mais

CAPÍTULO Compensação via Compensador de Avanço de Fase

CAPÍTULO Compensação via Compensador de Avanço de Fase CAPÍTULO 8 Projeto no Domínio da Freqüência 8.1 Introdução Este capítulo aborda o projeto de controladores usando o domínio da freqüência. As caracteristicas de resposta em freqüência dos diversos controladores,

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE. Aula 4 Conceitos Básicos da Transmissão em Corrente Alternada

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE. Aula 4 Conceitos Básicos da Transmissão em Corrente Alternada LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE Aula 4 Conceitos Básicos da Transmissão em Corrente Alternada Tópicos da Aula Tensões e Correntes Variantes no Tempo Sistema em Regime Permanente Senoidal Interpretação

Leia mais

CF360 - Resumo Experimentos Prova 2

CF360 - Resumo Experimentos Prova 2 CF360 - Resumo Experimentos Prova 2 Fabio Iareke 19 de dezembro de 2011 1 Força Magnética sobre Condutores de Corrente 1.1 Roteiro de Estudos 1. Qual é a expressão para o campo magnético

Leia mais

O DECIBEL INTRODUÇÃO TEÓRICA

O DECIBEL INTRODUÇÃO TEÓRICA O DECIBEL OBJETIVOS: a) conhecer o decibel como unidade de relação entre potências ou tensões elétricas; b) conhecer níveis de referência de tensão e potência elétricas através da unidade de medida decibel;

Leia mais

φ = B A cosθ, em que θ é o ângulo formado entre a normal ao plano da

φ = B A cosθ, em que θ é o ângulo formado entre a normal ao plano da 01 As afirmativas: I) Falsa, pois o ângulo formado entre a normal ao plano da espira é de 60, assim o fluxo eletromagnético é: φ = B A cosθ, em que θ é o ângulo formado entre a normal ao plano da espira

Leia mais

NÚMEROS COMPLEXOS EM ELETRÔNICA Formulário para circuitos AC

NÚMEROS COMPLEXOS EM ELETRÔNICA Formulário para circuitos AC NÚMEOS OMPEOS EM EEÔNA Formulário para circuitos A É uma forma na qual se inclui ângulo de fase e magnitude de uma ou mais grandezas. Uma expressão complexa compreende uma parte real e uma parte imaginária,

Leia mais

NÚMEROS COMPLEXOS EM ELETRÔNICA

NÚMEROS COMPLEXOS EM ELETRÔNICA NÚMEOS OMPEOS EM EEÔNA É uma forma na qual se inclui ângulo de fase e magnitude de uma ou mais grandezas. Uma expressão complexa compreende uma parte real e uma parte imaginária, conforme mostra a figura

Leia mais

Eletricidade Aula 7. Circuitos de Corrente Alternada Parte 2

Eletricidade Aula 7. Circuitos de Corrente Alternada Parte 2 Eletricidade Aula 7 Circuitos de Corrente Alternada Parte 2 Expressão matemática mais usual da força eletromotriz de uma fonte alternada. Sendo E o valor da amplitude da fem, expressa-se usualmente seu

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA TLHO PÁTCO DETEMNÇÃO D ESSTÊNC NTEN DE UM PLH Objectivo Este trabalho compreende as seguintes partes: comparação entre as resistências internas de dois voltímetros, um analógico e um digital; medida da

Leia mais

Teorema da superposição

Teorema da superposição Teorema da superposição Esse teorema é mais uma ferramenta para encontrar solução de problemas que envolvam mais de uma fonte que não estejam em paralelo ou em série. A maior vantagem desse método é a

Leia mais

NÚMEROS COMPLEXOS. Prof. Edgar Zuim (*)

NÚMEROS COMPLEXOS. Prof. Edgar Zuim (*) NÚMEROS COMPLEXOS Prof. Edgar Zuim (*) 1 Conteúdo 1 - Introdução... 3 - Relações do fasor com a forma retangular... 4 3 - Operações com números complexos... 5 4 - Conversões de forma retangular/polar e

Leia mais

Circuitos Magneticamente Acoplados. Prof. André E. Lazzaretti

Circuitos Magneticamente Acoplados. Prof. André E. Lazzaretti Circuitos Magneticamente Acoplados Prof. André E. Lazzaretti lazzaretti@utfpr.edu.br Ementa Função de excitação senoidal Conceitos de fasor Análise de circuitos em CA Potência em circuitos CA Circuitos

Leia mais

LISTA COMPLETA PROVA 04

LISTA COMPLETA PROVA 04 ISTA OMPETA PROVA 4 APÍTUO 33 1E. A indutância de uma bobina compacta de 4 espiras vale 8. mh. alcule o fluxo magnético através da bobina quando a corrente é de 5. ma. 4,6 H que varia com o tempo t, conforme

Leia mais

O Amplificador Operacional como uma fonte de tensão controlada por tensão diferencial

O Amplificador Operacional como uma fonte de tensão controlada por tensão diferencial Slide 1 O Amplificador Operacional como uma fonte de tensão controlada por tensão diferencial entrada entrada entrada entrada configuração nula Amplificadores operacionais são amplificadores diferenciais

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51 Sumário CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13 Estrutura do átomo 13 Carga elétrica 15 Unidade coulomb 16 Campo eletrostático 16 Diferença de potencial 17 Corrente 17 Fluxo de corrente 18 Fontes de eletricidade

Leia mais

Realimentação. gerados tanto por os componentes do circuito como interferências externas. (continua) p. 2/2

Realimentação. gerados tanto por os componentes do circuito como interferências externas. (continua) p. 2/2 p. 1/2 Resumo Realimentação Dessensibilização do Ganho Extensão de Largura de Banda Redução de Ruído Redução de Distorção não Linear As quatro tipologias básicas Amplificadores de Tensão Amplificadores

Leia mais

Prof. Henrique Barbosa Edifício Basílio Jafet - Sala 100 Tel

Prof. Henrique Barbosa Edifício Basílio Jafet - Sala 100 Tel Prof. Henrique Barbosa Edifício Basílio Jafet - ala 100 Tel. 3091-6647 hbarbosa@if.usp.br http://www.fap.if.usp.br/~hbarbosa Tarefas da semana (1) Calibração da bobina sonda em carretel: Usando a bobina

Leia mais

ELETROTÉCNICA ENGENHARIA

ELETROTÉCNICA ENGENHARIA Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica : engenharia / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 50 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Eletrotécnica.

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:42. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:42. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 0 de Junho de 03, às 7:4 Exercícios esolvidos de Física Básica Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Doutor em Física pela Universidade

Leia mais

Aluno(a): Gabriel Vinicios Silva Maganha nº:... - Data:.../.../2010

Aluno(a): Gabriel Vinicios Silva Maganha nº:... - Data:.../.../2010 SENAI - Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini Curso Técnico em Automação Industrial 1º Período Avaliação Tecnologia Eletrônica I - 12 pontos Instrutor: Gabriel Vinicios Silva Maganha Aluno(a):

Leia mais

4 Modelo Proposto para Transformador com Tap Variável e Impacto em Estudos de Estabilidade de Tensão

4 Modelo Proposto para Transformador com Tap Variável e Impacto em Estudos de Estabilidade de Tensão 4 Modelo Proposto para Transformador com Tap Variável e Impacto em Estudos de Estabilidade de Tensão A representação de equipamentos elétricos através de simples combinações de resistências e reatâncias

Leia mais

Apostila do experimento CORRENTE ALTERNADA. Unesp - Faculdade de Ciências Departamento de Física Campus de Bauru

Apostila do experimento CORRENTE ALTERNADA. Unesp - Faculdade de Ciências Departamento de Física Campus de Bauru Apostila do experimento CORRENTE ALTERNADA Unesp - Faculdade de Ciências Departamento de Física Campus de Bauru Disciplina - Laboratório de Física III Autores: Carlos Alberto Fonzar Pintão Momotaro Imaizumi

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS #8 (1) FONTE DE CORRENTE a) Determine Io. b) Calcule

Leia mais

AMPLIFICADOR COLETOR COMUM OU SEGUIDOR DE EMISSOR

AMPLIFICADOR COLETOR COMUM OU SEGUIDOR DE EMISSOR AMPLIFICADOR COLETOR COMUM OU SEGUIDOR DE EMISSOR OBJETIVOS: Estudar o funcionamento de um transistor na configuração coletor comum ou seguidor de emissor; analisar a defasagem entre os sinais de entrada

Leia mais