Fundamentos de Eletrônica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundamentos de Eletrônica"

Transcrição

1 Fundamentos de Eletrônica Lei de Ohm Última Aula Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Associação de Resistores Análise de Circuitos Leis de Kirchhoff Circuitos Equivalentes de Thévenin e Norton Roteiro Capacitor & Indutor Capacitor Indutor Capacitor e Indutor em Corrente Contínua Capacitor e Indutor em Corrente Alternada Transformador 3 Capacitor Componente com 2 terminais que armazena energia em um campo elétrico Contém duas placas condutoras separadas por dielétrico Placas de filme ou disco metálico (alumínio) Dielétrico (isolante) de vidro, cerâmica, ar, papel, mica, etc. Não dissipa energia (como os resistores) Energia é armazenada em campo elétrico Unidade de Capacitância: Farad [F], pelo cientista inglês Michael Faraday Valor da capacitância e tolerância Indicado no corpo do componente, com números impressos ou faixas de cores 4

2 Capacitor & Indutor Capacitor & Indutor Capacitor Símbolos Fixo Fixo com polaridade Variável Capacitor Relação Tensão/Corrente em um capacitor» Em regime, a corrente no capacitor é nula se a tensão é constante τ τ Associação de Capacitores Série: Paralelo: C 5 6 Capacitor & Indutor Capacitor & Indutor Indutor Componente com 2 terminais que armazena energia em um campo magnético Consiste de um condutor (fio) enrolado em forma de espiras Não dissipa energia (como os resistores) Energia é armazenada em campo magnético Unidade de Indutância: Henry [H], pelo cientista americano Joseph Henry Valor da indutância Indicado no corpo do componente, com números impressos Indutor Símbolos Fixo, núcleo de ar Fixo, núcleo de ferro Variável 7 8

3 Capacitor & Indutor Análise em Corrente Contínua Indutor Relação Tensão/Corrente em um indutor» Em regime, a tensão no indutor é nula se a corrente é constante τ τ Capacitor em Circuito CC Carga do Capacitor Associação de indutores Série: Paralelo: Análise em Corrente Contínua Análise em Corrente Contínua Capacitor em Circuito CC Descarga do Capacitor Capacitor em Circuito CC Mudando a chave rapidamente Carga e descarga se alternam ƒ ƒ Alterando R e C Tempo de carga (e de descarga) mudam ƒ ƒ 11 12

4 Análise em Corrente Contínua Análise em Corrente Contínua Capacitor em Circuito CC Constante de Tempo: τ Determina os tempos de carga e descarga do capacitor Para efeitos práticos, carga (ou descarga) completa com 5τ Unidade: segundo [s] Indutor em Circuito CC Carga do Indutor 1 Descarga do Indutor Análise em Corrente Contínua Indutor em Circuito CC Constante de Tempo: τ Determina os tempos de carga e descarga do capacitor Para efeitos práticos, carga (ou descarga) completa com 5τ Unidade: segundo [s] Resistor em Circuito CA Fonte de tensão sin ω Tensão no resistor sin ω Corrente no resistor sin ω Corrente e tensão em fase Potência sempre positiva 15 16

5 Capacitor em Circuito CA Fonte de tensão sin ω Tensão no capacitor sin ω Corrente no capacitor ω cos ω ω sin ω π 2 Corrente adiantada relação à tensão em 90 Potência positiva (carga) e negativa (descarga) 17 Capacitor em Circuito CA Representação Vetorial Reatância Corrente no resistor E sin ω R Corrente no capacitor ω sin ω π 2 Portanto, é equivalente a ω Reatância Capacitiva: ω Reatância varia inversamente com frequência 18 Indutor em Circuito CA Fonte de tensão sin ω Tensão no indutor sin ω Corrente no capacitor 1 cos ω ω ω sin ω π 2 Corrente atrasada relação à tensão em 90 Potência positiva (carga) e negativa (descarga) 19 Indutor em Circuito CA Representação Vetorial Reatância Corrente no resistor E sin ω R Corrente no indutor ω sin ω π 2 Portanto, ω é equivalente a Reatância Indutiva: ω Reatância varia diretamente com frequência 20

6 Impedância Elétrica () É a oposição que o circuito faz a passagem da corrente elétrica Estende o conceito de resistência elétrica a circuitos CA Possui magnitude (módulo) e fase (argumento) É representada como um número complexo: Parte real é a resistência Parte imaginária é a reatância» Reatância indutiva, quando parte imaginária é positiva: 0» Reatância capacitiva, quando parte imaginária é negativa: 0 Impedância Elétrica () Representações Cartesiana: Polar: θ Associação Série Associação Paralelo Circuito R-C Série Fonte de tensão: sin ω sin 2π V Impedância:» Associação série de 2 impedâncias» Resistor:» Capacitor: ω» Impedância equivalente: θ ω» Módulo da impedância: ω» Argumento da impedância: arg arctan arctan ω 23 Circuito R-C Série (cont.) Resposta com a Frequência Se a frequência aumenta, a reatância capacitiva diminui A frequência não altera o valor da resistência Portanto, para» o módulo da impedância equivalente diminui» o argumento da impedância equivalente fica menos negativo 24

7 Circuito R-C Série (cont.) Resposta com a Frequência Filtro Passa-Baixa Circuito R-C Série (cont.) Resposta com a Frequência Filtro Passa-Alta Circuito R-C Série (cont.) Exemplo Para 10 V, 60 Hz, 5 Ω, e 100 μf 10 sin 120π V, 100 π π 26,5 Ω, 26,5 90 Ω 526,5 2779, ,37 79,3 A0,070,36 A 5 0 0,37 79,3 1,85 79,3 V 26,5900,37 79,3 9,83 10,7 V 0,341,829,661, V Circuito R-C Paralelo Fonte de tensão: sin ω sin 2π V Impedância:» Associação paralelo de 2 impedâncias» Resistor:» Capacitor: ω» Impedância equivalente: ω θ» Módulo da impedância: ω 27» Argumento da impedância: arg arctan 28 arctan ω

8 Circuito R-C Paralelo (cont.) Exemplo Para 10 V, 60 Hz, 5 Ω, e 100 μf 10 sin 120π V, 100 V π π 26,5 Ω, 26,5 90 Ω 4,830,91 4,9110,7, ,91 10,7 2,04 10,7 A20,38 A A ,5 90 0, A 20,3772,0410,7 A Circuito R-L Série Fonte de tensão: sin ω sin 2π V Impedância:» Associação série de 2 impedâncias» Resistor:» Indutor: ω» Impedância equivalente: ω θ» Módulo da impedância: ω» Argumento da impedância: arg arctan arctan ω Circuito R-L Série (cont.) Resposta com a Frequência Se a frequência aumenta, a reatância indutiva aumenta A frequência não altera o valor da resistência Circuito R-L Série (cont.) Resposta com a Frequência Filtro Passa-Baixa - Filtro Passa-Alta Portanto, para» o módulo da impedância equivalente aumenta» o argumento da impedância equivalente fica mais positivo 31 32

9 Circuito R-L Série (cont.) Exemplo Para 10 V, 60 Hz, 5 Ω, e 10 mh 10 sin 120π V, 100 V 2π2π6010 m3,77 Ω, 3,77 90 Ω 53,77 6,2637, ,26 37,0 1,60 37,0 A1,280,96 A 5 0 1,60 37,0 7,98 37,0 V 3,77901,60 37,0 6,02 53,0 V 6,384,813,624, V Circuito R-L Paralelo Fonte de tensão: sin ω sin 2π V Impedância:» Associação série de 2 impedâncias» Resistor:» Indutor: ω» Impedância equivalente: ω» Módulo da impedância: θ ω 33» Argumento da impedância: arg arctan 34 arctan ω Circuito R-L Paralelo (cont.) Exemplo Para 10 V, 60 Hz, 5 Ω, e 10 mh 10 sin 120π V, 10 0 V 2π2π6010 m3,77 Ω, 3,77 90 Ω, 3,01 53,0 Ω ,01 53,0 3,32 53,0 A A ,77 90,0 2,65 90,0 V 22,653,3253,0 A Circuito R-L-C Série Fonte de tensão: sin ω sin 2π V Impedância:» Associação série de 3 impedâncias» Resistor:» Indutor: ω» Capacitor: ω» Impedância equivalente: ω ω θ 35 36

10 Transformador Circuito R-L-C Série (cont.) Exemplo Para 120 V, 60 Hz, 250 Ω, 650 mh, e 1,5 μf 120 sin 120π V, V 2π2π60650 m245 Ω π π, 1768 Ω ,7 Ω ,7 77,7 80,7 ma ,7m 80,7 19,4 80,7 V ,7m 80,7 19,0 170,7 V ,7m 80,7 137,5 9,3 V 3,119,218,83,1135,722, V 37 Dispositivo que transfere energia elétrica entre 2 ou mais circuitos através de indução eletromagnética Compõe de 2 ou mais indutores (denominados enrolamentos) acoplados magneticamente A corrente por cada um dos enrolamentos altera o campo magnético resultante influenciando a corrente induzida nos outros enrolamentos São usados para transformar tensão e corrente alternadas, isto é, alterar valores de tensão e corrente, mas mantendo a mesma potência ou 38 Transformador Na maioria dos casos tem 2 enrolamentos denominados de primário e secundário Enrolamento primário é conectado à fonte de energia Enrolamento secundário é conectado à carga Símbolos Núcleo de ar Núcleo de Ferro Análise Transformador Relação de transformação é dada pela relação entre os números de espiras de cada enrolamento Relação de tensão: Relação de corrente: Balanço de potência: 39 40

ELETROTÉCNICA ENGENHARIA

ELETROTÉCNICA ENGENHARIA Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica : engenharia / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 50 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Eletrotécnica.

Leia mais

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Princípios de Circuitos Elétricos Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Resistência, Indutância e Capacitância Resistor: permite variações bruscas de corrente e tensão Dissipa energia Capacitor:

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II Módulo V CIRCUITOS ACOPLADOS MAGNETICAMENTE INTRODUÇÃO AOS TRANSFORMADORES UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Campo Magnético Linhas de fluxo

Leia mais

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta 1 Sumário Capacitor Indutor 2 Capacitor Componente passivo de circuito. Consiste de duas superfícies condutoras separadas por um material não condutor

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação 2014 Roteiro Revisão Matemática Função matemática, função

Leia mais

Resistores e CA. sen =. logo

Resistores e CA. sen =. logo Resistores e CA Quando aplicamos uma voltagem CA em um resistor, como mostrado na figura, uma corrente irá fluir através do resistor. Certo, mas quanta corrente irá atravessar o resistor. Pode a Lei de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS #8 (1) FONTE DE CORRENTE a) Determine Io. b) Calcule

Leia mais

SIMULADO Radioeletricidade

SIMULADO Radioeletricidade 73 questões PY1IB SIMULADO Radioeletricidade 1ª Pergunta: Dois corpos carregados eletricamente com cargas, respectivamente, positiva e negativa exercem entre si uma força que tende a: A Aproximá los. B

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO EAOEAR 2002 05 No circuito mostrado na figura abaixo, determine a resistência

Leia mais

Abra o arquivo ExpCA05. Identifique o circuito da Fig12a. Ative-o. Anote o valor da corrente no circuito.

Abra o arquivo ExpCA05. Identifique o circuito da Fig12a. Ative-o. Anote o valor da corrente no circuito. Curso CA Parte3 a) Primeiramente deveremos calcular a reatância X C = 1 / (..60.0,1.10-6 ) =6.55 Agora poderemos calcular a impedância. Z = 40 6,5 = 48K b) = U / Z = 10V / 48K =,5 ma c) V C = X C. = 6,5K.,5mA

Leia mais

NÚMEROS COMPLEXOS EM ELETRÔNICA

NÚMEROS COMPLEXOS EM ELETRÔNICA NÚMEOS OMPEOS EM EEÔNA É uma forma na qual se inclui ângulo de fase e magnitude de uma ou mais grandezas. Uma expressão complexa compreende uma parte real e uma parte imaginária, conforme mostra a figura

Leia mais

GrandezasElétricase Principais Dispositivos

GrandezasElétricase Principais Dispositivos GrandezasElétricase Principais Dispositivos Vasos comunicantes podem ser uma analogia. Site Condutores, Isolantes e Semicondutores Lei de Ohm Resistor Resistor Um resistor é um componente que fornece

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE BÁSICA Exercícios Eletricidade Básica

EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE BÁSICA Exercícios Eletricidade Básica EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE BÁSICA Exercícios Eletricidade Básica Q1) Qual o valor de energia convertida por um ferro de passar roupas, de 600W, ligado por 2min? ( 2min=120s E=P*t=600*120= 72000J ) Q2)

Leia mais

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição)

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia Elétrica Disciplina: Conversão da Energia Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) 5.3) Cálculos

Leia mais

Conversores Estáticos

Conversores Estáticos Conversores Estáticos Circuitos Retificadores Monofásicos 08/03/2009 www.corradi.junior.nom.br Sinal Senoidal Os circuitos eletrônicos podem trabalhar com tensões e correntes continuas e alternadas. Um

Leia mais

Aula-11 Corrente alternada

Aula-11 Corrente alternada Aula-11 orrente alternada urso de Física Geral F-38 1º semestre, 014 F38 1014 1 Oscilações forçadas ( com fem) As oscilações de um circuito não serão totalmente amortecidas se um dispositivo de fem externo

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 4: Transformadores de potência Exercícios 4.1 Um transformador monofásico de dois enrolamentos apresenta os seguintes valores nominais: 20 kva, 480/120 V,

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II Módulo VI CIRCUITOS POLIFÁSICOS Sistema Monofásico a 3 Condutores O sistema possui duas fontes de tensão iguais: 2 Sistema Monofásico a 3 Condutores Considerando o circuito

Leia mais

Prof. Rogério Eletrônica Geral 1

Prof. Rogério Eletrônica Geral 1 Prof. Rogério Eletrônica Geral 1 Apostila 3 Continuação de Diodos III - CIRCUITOS COM DIODOS 1 - Sinal senoídal Um dos sinais elétricos alternados mais comuns é o senoídal. O sinal senoídal pode ser representado

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II Módulo IV POTÊNCIA E VALOR EFICAZ UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Potência Instantânea Potência entregue a um elemento em um

Leia mais

Regime Permanente Senoidal

Regime Permanente Senoidal egime Permanente Senoidal onceito Em regime permanente senoidal U ( t) U máx. sen( t) ( t) máx. sen( t) egime Permanente Senoidal apacitor Em egime Permanente Senoidal Para um circuito em regime permanente

Leia mais

CET ENERGIAS RENOVÁVEIS ELECTROTECNIA

CET ENERGIAS RENOVÁVEIS ELECTROTECNIA CET ENERGIAS RENOVÁVEIS ELECTROTECNIA CADERNO DE EXERCÍCIOS 1. Duas cargas pontuais q1 = 30µ C e q2 = 100µ C encontram-se localizadas em P1 (2, 0) m e P2 (0, 2) m. Calcule a força eléctrica que age sobre

Leia mais

MII 2.1 MANUTENÇÃO DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS ANALÓGICOS RETIFICAÇÃO

MII 2.1 MANUTENÇÃO DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS ANALÓGICOS RETIFICAÇÃO MII 2.1 MANUTENÇÃO DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS ANALÓGICOS RETIFICAÇÃO Contextualização Retificação Muitos circuitos eletrônicos necessitam de corrente contínua para operar. Porém, as companhias de energia

Leia mais

NÚMEROS COMPLEXOS. Prof. Edgar Zuim (*)

NÚMEROS COMPLEXOS. Prof. Edgar Zuim (*) NÚMEROS COMPLEXOS Prof. Edgar Zuim (*) 1 Conteúdo 1 - Introdução... 3 - Relações do fasor com a forma retangular... 4 3 - Operações com números complexos... 5 4 - Conversões de forma retangular/polar e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS #8 (1) FONTE DE CORRENTE COM CARGA ATERRADA (A) Encontre

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 1 Título Prática 4 Circuitos retificadores 2 Objetivos Estudo e montagem de diferentes circuitos retificadores. 3 Fundamentos

Leia mais

Experiência 05: TRANSITÓRIO DE SISTEMAS RC

Experiência 05: TRANSITÓRIO DE SISTEMAS RC ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

CIDADE DE CAMAQUÃ INSTRUÇÕES GERAIS. a c d

CIDADE DE CAMAQUÃ INSTRUÇÕES GERAIS. a c d SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC / SETEC CIDADE DE CAMAQUÃ INSTRUÇÕES GERAIS 1 - Este caderno de prova é constituído por 40 (quarenta) questões objetivas. 2 - A prova terá duração máxima de 04 (quatro) horas.

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora - Laboratório de Eletrônica 22

Universidade Federal de Juiz de Fora - Laboratório de Eletrônica 22 Universidade Federal de Juiz de Fora - Laboratório de Eletrônica 22 1 Título Prática 1 - Fonte de Alimentação Regulável 2 Objetivos Desenvolvimento de uma fonte de alimentação regulável. 3 Fundamentos

Leia mais

Aula 4_1. Capacitores. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 4

Aula 4_1. Capacitores. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 4 Aula 4_1 Capacitores Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 4 Capacitores Definição da Capacitância: capacitor e sua capacitância Carga de um capacitor Exemplos de Cálculo da Capacitância

Leia mais

MÓDULO 1 Noções Básicas de Eletricidade

MÓDULO 1 Noções Básicas de Eletricidade Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos ESCOLA SECUNDÁRIA DE TOMAZ PELAYO SANTO TIRSO 402916 MÓDULO 1 Noções Básicas de Eletricidade Eletrónica Fundamental Prof.: Erika Costa Estrutura da Matéria

Leia mais

Disciplina Física 3. Prof. Rudson R. Alves Bacharel em Física pela UFES Mestrado IFGW UNICAMP. Prof. da UVV desde 1998 Engenharias desde 2000

Disciplina Física 3. Prof. Rudson R. Alves Bacharel em Física pela UFES Mestrado IFGW UNICAMP. Prof. da UVV desde 1998 Engenharias desde 2000 Disciplina Física 3 Prof. Rudson R. Alves Bacharel em Física pela UFES Mestrado IFGW UNICAMP Prof. da UVV desde 1998 Engenharias desde 2000 Sobre a Apresentação Todas as gravuras, senão a maioria, são

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES:

GERADORES E RECEPTORES: COLÉGIO ESTADUAL JOSUÉ BRANDÃO 3º Ano de Formação Geral Física IV Unidade_2009. Professor Alfredo Coelho Resumo Teórico/Exercícios GERADORES E RECEPTORES: Anteriormente estudamos os circuitos sem considerar

Leia mais

Retificadores com tiristores

Retificadores com tiristores Retificadores com tiristores 5 O retificador controlado trifásico de meia onda Os retificadores trifásicos são alimentados pela rede de energia trifásica cujas tensões podem ser descritas pelas expressões

Leia mais

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar.

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar. ATEÇÃO: O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 2 que por sua vez, faz parte do CURO de ELETRO AALÓGICA -DIGITAL que vai do MÓDULO 1 ao 4. A partir da amostra da aula, terá uma

Leia mais

Listas de figuras. Listas de quadros. Fundamentos de Elétrica - Conceitos Básicos. Condutor e Isolante. Tensão e Corrente Elétrica

Listas de figuras. Listas de quadros. Fundamentos de Elétrica - Conceitos Básicos. Condutor e Isolante. Tensão e Corrente Elétrica Listas de figuras Listas de quadros Fundamentos de Elétrica - Conceitos Básicos Condutor e Isolante Tensão e Corrente Elétrica Resistência Elétrica Potência Elétrica Fator de Potência Potência dissipada

Leia mais

CAPITULO 1 0 CAPACITORES Campo Elétrico:

CAPITULO 1 0 CAPACITORES Campo Elétrico: CAPITULO 10 CAPACITORES O capacitor, assim como o indutor, são componentes que exibem seu comportamento característico quando ocorrem variações de tensão ou corrente no circuito em que se encontram. Alem

Leia mais

Eletrônica de Potência. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Eletrônica de Potência. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Eletrônica de Potência Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Conversores CA / CC Conversores CA /CC O fornecimento de energia elétrica é feito, essencialmente,

Leia mais

1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação

1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação Lista de exercícios 9 - Indução e Indutância 1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação φ B = 6,0t2 + 7,0t, onde φb está em miliwebers e t em segundos. (a) Qual

Leia mais

Electromagnetismo. Campo Magnético:

Electromagnetismo. Campo Magnético: Campo Magnético: http://www.cartoonstock.com/lowres/hkh0154l.jpg Campo Magnético: Existência de ímans Corrente eléctrica A bússola é desviada http://bugman123.com/physics/oppositepoles large.jpg Observação

Leia mais

Aula 6 Corrente Alternada e Corrente Contínua

Aula 6 Corrente Alternada e Corrente Contínua INTODUÇÃO À ENGENHI DE COMPUTÇÃO PONTIFÍCI UNIVESIDDE CTÓLIC DO IO GNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHI Professores velino Francisco Zorzo e Luís Fernando lves Pereira ula 6 Corrente lternada e Corrente Contínua

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 2 Conceitos básicos de eletricidade voltados às instalações elétricas.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 2 Conceitos básicos de eletricidade voltados às instalações elétricas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 2 Conceitos básicos de eletricidade voltados às instalações

Leia mais

Sensores Indutivos, Capacitivos e Piezoelétricos. Acelerômetros.

Sensores Indutivos, Capacitivos e Piezoelétricos. Acelerômetros. Sensores Indutivos, Capacitivos e Piezoelétricos. Acelerômetros. Outubro de 21 1 Sensores Indutivos 2 Sensores Capacitivos 3 Sensores Piezoelétricos 4 Acelerômetros Sensores Indutivos I Princípio Físico

Leia mais

CAMPO ELÉTRICO. Uma carga elétrica Q produz ao seu redor uma região afetada por sua presença denominada campo elétrico. Criado por cargas elétricas.

CAMPO ELÉTRICO. Uma carga elétrica Q produz ao seu redor uma região afetada por sua presença denominada campo elétrico. Criado por cargas elétricas. CAMPO ELÉTRICO Uma carga elétrica Q produz ao seu redor uma região afetada por sua presença denominada campo elétrico. Campo Elétrico Criado por cargas elétricas. Representado por linhas de campo. Grandeza

Leia mais

Questão 04- A diferença de potencial entre as placas de um capacitor de placas paralelas de 40μF carregado é de 40V.

Questão 04- A diferença de potencial entre as placas de um capacitor de placas paralelas de 40μF carregado é de 40V. COLÉGIO SHALOM Trabalho de recuperação Ensino Médio 3º Ano Profº: Wesley da Silva Mota Física Entrega na data da prova Aluno (a) :. No. 01-(Ufrrj-RJ) A figura a seguir mostra um atleta de ginástica olímpica

Leia mais

Indutores. Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br

Indutores. Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br Indutores Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br Indutores Consistem de um condutor enrolado com N voltas (espiras) na forma de um solenóide, ou de um tiróide. Podem conter ou não um

Leia mais

f = B. A. cos a Weber

f = B. A. cos a Weber FLUXO MAGNÉTICO (f) Tesla T f = B. A. cos a Weber Wb metros quadrados m onde a ângulo formado entre n e B UEPG 1 PERGUNTA gera Se vimos que i B, será que o contrário é gera verdadeiro? Isto é, B i? EXPERIÊNCIAS

Leia mais

U M A C A R G A A R T I F I C I A L R E S S O N A N T E

U M A C A R G A A R T I F I C I A L R E S S O N A N T E U M A C A R G A A R T I F I C I A L R E S S O N A N T E Introdução O nosso problema específico é o de se construir uma carga artificial para a faixa de 470 a 510kHz para a qual está sendo montado um transmissor

Leia mais

TRANSFORMADOR CONCEITOS TEORICOS ESSENCIAIS

TRANSFORMADOR CONCEITOS TEORICOS ESSENCIAIS EXPERIÊNCIA TRANSFORMADOR OBJETIVOS: - Verificar experimentalmente, o funcionamento de um transformador; - Conhecer as vantagens e desvantagens dos transformadores. CONCEITOS TEORICOS ESSENCIAIS O transformador

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 6.1 Máquinas Síncronas Prof. João Américo Vilela Bibliografia FITZGERALD, A. E., KINGSLEY Jr. C. E UMANS, S. D. Máquinas Elétricas: com Introdução à Eletrônica

Leia mais

16/Nov/2012 Aula 16 16. Circuitos RL (CC). Corrente alternada 16.1 Circuitos RL em corrente

16/Nov/2012 Aula 16 16. Circuitos RL (CC). Corrente alternada 16.1 Circuitos RL em corrente 16/Nov/01 Aula 16 16. Circuitos RL (CC). Corrente alternada 16.1 Circuitos RL em corrente contínua. 16. Corrente alternada (CA). 16..1 Numa resistência 1/Nov/01 Aula 17 17. Continuação - Corrente alternada

Leia mais

2ª série LISTA: Ensino Médio. Aluno(a): Professor(a): Jean Jaspion CAPACITORES. Segmento temático: Turma: A ( ) / B ( )

2ª série LISTA: Ensino Médio. Aluno(a): Professor(a): Jean Jaspion CAPACITORES. Segmento temático: Turma: A ( ) / B ( ) Professor(a): Jean Jaspion LISTA: 01 2ª série Ensino Médio Turma: A ( ) / B ( ) Aluno(a): Segmento temático: QUESTÃO 01 (UEPG PR/2015) Capacitores são dispositivos elétricos amplamente utilizados em aparelhos

Leia mais

CAPÍTULO 3 - CIRCUITOS RETIFICADORES ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 04

CAPÍTULO 3 - CIRCUITOS RETIFICADORES ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 04 CAPÍTULO 3 - CIRCUITOS RETIFICADORES ELETRÔNICA Aluno turma ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 04 1- Retificadores Todos os aparelhos eletrônicos necessitam de corrente contínua para funcionar, todavia, a rede

Leia mais

PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA 1 PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Curso: SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÔES Nome da disciplina: ELETRICIDADE E MAGNETISMO Código: 54155 Carga horária: 83 horas Semestre

Leia mais

Aula de Laboratório: DIODO

Aula de Laboratório: DIODO Aula de Laboratório: DIODO I.1 - Teste do estado de funcionamento de um diodo Utilizando a função apropriada do multímetro, meça a condutividade dos diodos fornecidos em ambos os sentidos de polarização.

Leia mais

Aula 01 Propriedades Gerais dos Materiais

Aula 01 Propriedades Gerais dos Materiais Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Materiais Elétricos - Teoria Aula 01 Propriedades Gerais dos Materiais Clóvis Antônio Petry, professor. Florianópolis, setembro

Leia mais

Aula 8.2 Conteúdo: Associação de resistores em paralelo, potência elétrica de uma associação em paralelo de resistores. INTERATIVIDADE FINAL

Aula 8.2 Conteúdo: Associação de resistores em paralelo, potência elétrica de uma associação em paralelo de resistores. INTERATIVIDADE FINAL Aula 8.2 Conteúdo: Associação de resistores em paralelo, potência elétrica de uma associação em paralelo de resistores. Habilidades: Diferenciar as formas de associação de resistores, bem como determinar

Leia mais

IFRN - Campus Parnamirim Curso de eletricidade turma de redes de Computadores 2011.2. Figura 35 Relé eletromecânico

IFRN - Campus Parnamirim Curso de eletricidade turma de redes de Computadores 2011.2. Figura 35 Relé eletromecânico Figura 35 Relé eletromecânico Figura 36 Aplicação para o relé eletromecânico INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE OS INDUTORES Três conclusões muito importantes podem ser tiradas em relação ao comportamento do

Leia mais

EFEITO MAGNÉTICO DA CORRENTE ELÉTRICA

EFEITO MAGNÉTICO DA CORRENTE ELÉTRICA EFEITO MAGNÉTICO DA CORRENTE ELÉTRICA Em 1819, Oersted ao aproximar uma bússola de um fio percorrido por corrente, observou que a agulha se movia, até se posicionar num plano perpendicular ao fio. Esta

Leia mais

PLANOS DE AULA DO MATERIAL INSTRUCIONAL

PLANOS DE AULA DO MATERIAL INSTRUCIONAL PLANOS DE AULA DO MATERIAL INSTRUCIONAL Professor: Alencar Material a ser aplicado a uma turma de 30 alunos do terceiro ano do Ensino Médio em seis períodos de 50 min cada. Plano para 1ª aula Objetivos

Leia mais

ELETRICIDADE. Eletrodinâmica. Eletrostática. Eletromagnetismo

ELETRICIDADE. Eletrodinâmica. Eletrostática. Eletromagnetismo ELETRICIDADE Eletrodinâmica Eletrostática Eletromagnetismo Átomo Núcleo Prótons carga positiva (+e). Nêutrons carga neutra. Eletrosfera Eletrons carga negativa (-e). Carga Elétrica Elementar e = 1,6 x

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

ELETRÔNICA I 2312A PROF. ALCEU FERREIRA ALVES 3ª LISTA DE EXERCÍCIOS CIRCUITOS COM DIODOS 15/09/2008

ELETRÔNICA I 2312A PROF. ALCEU FERREIRA ALVES 3ª LISTA DE EXERCÍCIOS CIRCUITOS COM DIODOS 15/09/2008 ELETRÔNIA I 2312A PROF. ALEU FERREIRA ALVES 3ª LISTA DE EXERÍIOS IRUITOS OM DIODOS 15/09/2008 * Para resolução da lista, considerar diodos ideais e tensão de rede 115V, exceto quando especificado contrário.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP FUNDAMENTOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS INTRODUÇÃO CIRCUITOS SÉRIE DE CORRENTE CONTÍNUA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP FUNDAMENTOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS INTRODUÇÃO CIRCUITOS SÉRIE DE CORRENTE CONTÍNUA UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP FUNDAMENTOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS INTRODUÇÃO CIRCUITOS SÉRIE DE CORRENTE CONTÍNUA Um circuito série é aquele que permite somente um percurso para a passagem da corrente. Nos

Leia mais

Tempo de Carga e Descarga de um Capacitor

Tempo de Carga e Descarga de um Capacitor Capacitores Capacitor É um componente constituído por dois condutores separados por um isolante: os condutores são chamados armaduras (ou placas) do capacitor e o isolante é o dielétrico do capacitor.

Leia mais

O CAPACITOR. -q E = V

O CAPACITOR. -q E = V MINISTÉRIO D EDUÇÃO SERETRI DE EDUÇÃO PROFISSIONL E TENOLÓGI INSTITUTO FEDERL DE EDUÇÃO, IÊNI E TENOLOGI DE SNT TRIN MPUS DE SÃO JOSÉ URSO TÉNIO INTEGRDO EM TELEOMUNIÇÕES Disciplina: nálise de ircuitos

Leia mais

ELETRICIDADE I NOTAS DE AULA

ELETRICIDADE I NOTAS DE AULA ELETRICIDADE I NOTAS DE AULA Prof. Antonio J. da S. Baptista 2012.1 ÍNDICE 1-CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA (REVISÃO) 2-DISPOSITIVOS QUE ARMAZENAM ENERGIA 3-CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA 4-TRANSFORMADORES

Leia mais

Capítulo I Grandezas Elétricas

Capítulo I Grandezas Elétricas Capítulo I Grandezas Elétricas 1 Introdução 1.1 Sistema Internacional de Unidades (SI) É um conjunto de definições utilizado em quase todo o mundo moderno, que visa uniformizar e facilitar as medições.

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Informação Prova da Disciplina de Física e Química - Módulo: 4 Circuitos elétricos. Modalidade

Leia mais

NOME: N RECUPERAÇÃO PARALELA DE FÍSICA I - TURMA 232 PROFº RODRIGO 1º BIMESTRE (VALENDO 2 PONTOS) FAZER EM PAPEL ALMAÇO COM LETRA LEGÍVEL)

NOME: N RECUPERAÇÃO PARALELA DE FÍSICA I - TURMA 232 PROFº RODRIGO 1º BIMESTRE (VALENDO 2 PONTOS) FAZER EM PAPEL ALMAÇO COM LETRA LEGÍVEL) 1925 *** COLÉGIO MALLET SOARES *** 2015 90 ANOS DE TRADIÇÃO, RENOVAÇÃO E QUALIDADE DEPARTAMENTO DE ENSINO DATA: / / NOTA: NOME: N RECUPERAÇÃO PARALELA DE FÍSICA I - TURMA 232 PROFº RODRIGO 1º BIMESTRE

Leia mais

Circuitos Elétricos Capacitores e Indutores

Circuitos Elétricos Capacitores e Indutores Introdução Circuitos Elétricos e Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e indutores: elementos passivos, mas e indutores não dissipam energia

Leia mais

As figuras acima mostram as linhas de indução de um campo magnético uniforme B r

As figuras acima mostram as linhas de indução de um campo magnético uniforme B r 1) No sistema mostrado abaixo, as roldanas e os fios são ideais e o atrito é considerado desprezível. As roldanas A, B, e C são fixas e as demais são móveis sendo que o raio da roldana F é o dobro do raio

Leia mais

ELETRÔNICA ANALÓGICA CEL099. Prof. Pedro S. Almeida

ELETRÔNICA ANALÓGICA CEL099. Prof. Pedro S. Almeida ELETRÔNICA ANALÓGICA CEL099 Prof. Pedro S. Almeida pedro.almeida@ufjf.edu.br Circuitos de Aplicação de Diodos 2 Conteúdo Circuitos Retificadores Retificador de Meia-Onda Retificador de Onda-Completa a

Leia mais

Sistemas de Accionamento Electromecânico

Sistemas de Accionamento Electromecânico Sistemas de Accionamento Electromecânico Exercícios Teórico-práticos (Transformadores de potência) 3.º Ano, 1.º Semestre 2007-2008 1. Desenhe o diagrama vectorial de um transformador monofásico em carga,

Leia mais

ENG Problema #1. No circuito abaixo, use as Leis de Kirchhoff para encontrar a potência fornecida / dissipada pela fonte de 8V.

ENG Problema #1. No circuito abaixo, use as Leis de Kirchhoff para encontrar a potência fornecida / dissipada pela fonte de 8V. Problema #1 No circuito abaixo, use as Leis de Kirchhoff para encontrar a potência fornecida / dissipada pela fonte de 8V. Problema #2 No circuito acima, determine a potência fornecida/dissipada por cada

Leia mais

EXERCÍCIOS DE PREPARAÇÃO DE EL - III B2

EXERCÍCIOS DE PREPARAÇÃO DE EL - III B2 EXERCÍCIOS DE PREPARAÇÃO DE EL - III B2 Exercício Resolvido : Determinar a resposta em freqüência do amplificador de pequeno sinal a JFET e a impedância de entrada e de saída, sabendo-se que : V DD 5V,

Leia mais

Princípios de Eletricidade e Eletrônica. Aula 2 Reatância. Prof. Marcio Kimpara

Princípios de Eletricidade e Eletrônica. Aula 2 Reatância. Prof. Marcio Kimpara 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Aula 2 Reatância Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2 Para relembrar (aula passada)... Tensão e Corrente Alternada

Leia mais

CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS

CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS Neste capítulo, o objetivo é o estudo das aplicações com os Amplificadores Operacionais realizando funções matemáticas. Como integração, diferenciação,

Leia mais

Componentes do Aparelho Celular

Componentes do Aparelho Celular Diodo Emissor de Luz O diodo emissor de luz, que tem como sigla LED é exatamente o que o seu nome sugere: Trata-se de um simples diodo, formado pela junção de dois materiais semicondutores diferentes,

Leia mais

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Graduação em Engenharia Elétrica TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROF. FLÁVIO VANDERSON GOMES E-mail: flavio.gomes@ufjf.edu.br Aula Número: 06 2 - 3 4 5 6 7 8 9 10

Leia mais

Teorema da superposição

Teorema da superposição Teorema da superposição Esse teorema é mais uma ferramenta para encontrar solução de problemas que envolvam mais de uma fonte que não estejam em paralelo ou em série. A maior vantagem desse método é a

Leia mais

Bobina de Tesla: Dos Circuitos Ressonantes LC aos Princípios das Telecomunicações

Bobina de Tesla: Dos Circuitos Ressonantes LC aos Princípios das Telecomunicações Projeto de Instrumentação para o Ensino - F809 Relatório Final Bobina de Tesla: Dos Circuitos Ressonantes LC aos Princípios das Telecomunicações Aluno: Gustavo Pires Marques - RA 981298 Orientador: David

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC MEDIDAS ELÉTRIC AS MANUAL DO PROFESSOR Manual

Leia mais

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada ELETRICIDADE Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Associação de impedâncias As impedâncias

Leia mais

Eletrônica e Circuitos Digitais. Circuitos Retificadores

Eletrônica e Circuitos Digitais. Circuitos Retificadores Eletrônica e Circuitos Digitais Circuitos Retificadores 1 ) Objetivo 2 ) Introdução Teórica 3 ) Lista de Materiais 4 ) Procedimento Material e Resultados 5 ) Discussão/Conclusão 1 ) Objetivo A experiência

Leia mais

CIRCUITOS COM CAPACITORES

CIRCUITOS COM CAPACITORES CIRCUITOS COM CAPACITORES 1. (Ufpr 13) Considerando que todos os capacitores da associação mostrada na figura abaixo têm uma capacitância igual a C, determine a capacitância do capacitor equivalente entre

Leia mais

And« Física 12. São dispositivos para armazenar energia. Os condensadores são usados, por exemplo, em:

And« Física 12. São dispositivos para armazenar energia. Os condensadores são usados, por exemplo, em: 25042016 CAPACDADE E CONDENSADORES And«CONDENSADORES São dispositivos para armazenar energia. Os condensadores são usados, por exemplo, em: Recetores de radio Dispositivos de armazenamento com flash Desfibrilhadores,

Leia mais

REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO

REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO ÍNDICE: PARTE I - O PROFISSIONAL DE REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO... PARTE II - FUNDAMENTOS... TIPOS DE CORRENTES ELÉTRICAS... CIRCUITOS ELÉTRICOS

Leia mais

Cargas elétricas em movimento (correntes) geram campos magnéticos B e sofrem forças

Cargas elétricas em movimento (correntes) geram campos magnéticos B e sofrem forças Capítulo 6 Campo Magnético 6.1 Introdução Cargas elétricas geram campos elétricos E e sofrem forças elétricas F e. Cargas elétricas em movimento (correntes) geram campos magnéticos B e sofrem forças magnéticas

Leia mais

Electromagnetismo e Física Moderna. Conhecer um método para a determinação da capacidade eléctrica

Electromagnetismo e Física Moderna. Conhecer um método para a determinação da capacidade eléctrica Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Física 1 Compreender o que é um condensador eléctrico Electromagnetismo e Física Moderna Capacidade e condensadores Conhecer

Leia mais

É uma variação completa da forma de onda. O ciclo é, em resumo, uma parte da forma de onda `que se repete sucessivamente.

É uma variação completa da forma de onda. O ciclo é, em resumo, uma parte da forma de onda `que se repete sucessivamente. Tensão Alternada. A tensão alternada, denomina normalmente de tensão CA, difere da tensão contínua porque troca de polaridade constantemente. Provocando nos circuitos um fluxo de corrente ora em um sentido,

Leia mais

Sumário. Revisão; Capacitor; Associação de Capacitor; Capacitor Caseiro;

Sumário. Revisão; Capacitor; Associação de Capacitor; Capacitor Caseiro; Aula 03 1 Sumário Revisão; Capacitor; Associação de Capacitor; Capacitor Caseiro; 2 3 Revisão Resistores O resistor é responsável por dificultar a passagem de corrente pelo circuito. Já tentaram isso,

Leia mais

1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura:

1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: 1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: Considere nula a resistência elétrica dos fios que fazem a ligação entre a bateria e as

Leia mais

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 CAPACITOR O capacitor é um dispositivo utilizado nos circuitos elétricos que apresenta um comportamento em corrente

Leia mais

Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara ELETICIDADE Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Circuito Elétrico Chamamos de circuito elétrico a um caminho fechado, constituído de condutores,

Leia mais

FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA

FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA FÍSICA (Eletromagnetismo) Nos capítulos anteriores estudamos as propriedades de cargas em repouso, assunto da eletrostática. A partir deste capítulo

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS 2016.1 1 PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

1. Sistemas Trifásicos

1. Sistemas Trifásicos Sistemas Elétricos de Potência 1. Sistemas Trifásicos Professor: Dr. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:raphaelbenedito@utfpr.edu.br disponível em: http://paginapessoal.utfpr.edu.br/raphaelbenedito

Leia mais

PSI 2221 Práticas de Eletricidade e Eletrônica I. Experiência 1- Componentes Passivos

PSI 2221 Práticas de Eletricidade e Eletrônica I. Experiência 1- Componentes Passivos PSI 2221 Práticas de Eletricidade e Eletrônica I Experiência 1- Componentes Passivos Objetivos Poder explicar característica elétrica dominante de um componente. Conceituar o que é um componente eletrônico.

Leia mais

Capacitores. Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br

Capacitores. Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br Capacitores Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br Capacitor Consiste em doiscondutores separados por um isolante, ou material dielétrico. Capacitores armazenam energia elétrica por

Leia mais