IT 179 Saneamento Básico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IT 179 Saneamento Básico"

Transcrição

1 IT 179 Saneament Básic Agst/ Reservatóris Definiçã e Finalidades Os reservatóris sã unidades hidráulicas de acumulaçã e passagem de água, situads em pnts estratégics d sistema de md a atenderem as seguintes situações: garantia da quantidade de água (demandas de equilíbri, de emergência e de anti-incêndi); garantia de aduçã cm vazã e altura manmétrica cnstantes; menres diâmetrs n sistema; e melhres cndições de pressã Classificaçã a) de acrd cm a lcalizaçã n terren (Figura 40): enterrad (quand cmpletamente embutid n terren); semi-enterrad u semi-apiad(altura líquida cm uma parte abaix d nível d terren; apiad (laje de fund apiada n terren); elevad (reservatóri apiad em estruturas de elevaçã); e stand pipe (reservatóri elevad cm a estrutura de elevaçã embutida de md a manter cntínua perímetr da secçã transversal da edificaçã). Os tips mais cmuns sã s semi-enterrads e s elevads. Os elevads sã prjetads para quand há necessidade de garantia de uma pressã mínima na rede e as ctas d terren dispníveis nã ferecem cndições para que mesm seja apiad u semi-enterrad, ist é, necessita-se de uma cta piezmétrica de mntante superir à cta de api d reservatóri n terren lcal. Guimarães, Carvalh e Silva 145

2 IT 179 Saneament Básic Agst/2007 Desde que as ctas d terren sejam favráveis, sempre a preferência será pela cnstruçã de reservatóris semi-enterrads, dependend ds custs de escavaçã e de elevaçã, bem cm da estabilidade permanente da cnstruçã, principalmente quand a reserva de água fr superir a 500 m 3. Reservatóris elevads cm vlumes superires implicam em custs significativamente mais alts, ntadamente s de cnstruçã, e precupações adicinais cm a estabilidade estrutural. Prtant a preferência é pel semi-apiad, cnsiderand-se prblemas cnstrutivs, de escavaçã, de empuxs e de elevaçã. Quand s vlumes a armazenar frem grandes, principalmente acima ds 800 m 3, e huver necessidade de ctas piezmétricas superires a d terren, na saída d reservatóri, a pçã mais cmum é a cnstruçã de um reservatóri elevad cnjugad cm um semi-enterrad. Neste cas tda a água distribuída pela rede à jusante será bmbeada d reservatóri inferir para superir a medida que a demanda fr slicitand, mantend-se sempre um vlume mínim n reservatóri superir de md a manter a cntinuidade d abasteciment em cas de interrupçã neste bmbeament. FIGURA 40 - Reservatóris em relaçã a terren. Guimarães, Carvalh e Silva 146

3 IT 179 Saneament Básic Agst/2007 b) de acrd cm a lcalizaçã n sistema: mntante (antes da rede de distribuiçã); e jusante u de sbras (após a rede). Os reservatóris de mntante caracterizam-se pelas seguintes particularidades: pr ele passa tda a água distribuída a jusante; têm entrada pr sbre nível máxim da água e saída n nível mínim; e sã dimensinads para manterem a vazã e a altura manmétrica d sistema de aduçã cnstantes. Os reservatóris de jusante caracterizam-se pelas seguintes particularidades: armazenam água ns períds em que a capacidade da rede fr superir a demanda simultânea para cmplementar abasteciment quand a situaçã fr inversa; e reduzem a altura física e s diâmetrs iniciais de mntante da rede; têm uma só tubulaçã servind cm entrada e saída das vazões (Figura 41). Figura 41 - Entradas e saídas ds reservatóris. Guimarães, Carvalh e Silva 147

4 IT 179 Saneament Básic Agst/ Vlume a armazenar Reservas Os reservatóris de distribuiçã sã dimensinads de md que tenham capacidade de acumular um vlume útil que supra as demandas de equilíbri, de emergência e anti-incêndi Reserva de equilíbri A reserva de equilíbri é assim denminada prque é acumulada nas hras de menr cnsum para cmpensaçã nas de mair demanda, u seja, cm cnsum é flutuante e a vazã de aduçã é cnstante, principalmente nas aduções pr recalque, nas hras em que cnsum fr inferir a demanda reservatóri enche para que nas hras nde cnsum na rede fr mair vlume acumulad anterirmente cmpense déficit em relaçã à vazã que entra. A parcela de equilíbri, V e, pde ser determinada cm empreg d diagrama das massas u de Rippl, nde s vlumes acumulads sã clcads em um par rdenad em funçã da variaçã hrária (Exempl 1). N cas de aduçã cntínua a reserva mínima de equilíbri será a distância vertical entre as duas tangentes, e n cas de aduçã durante um interval de algumas hras cnsecutivas d dia (situaçã cmum para pequens sistemas em virtude ds custs peracinais e da indispnibilidade de peradres qualificads, principalmente em cidades d interir), entã a reserva mínima será vlume necessári para supriment d cnsum durante as hras nde nã huver aduçã. Para que a reserva de equilíbri seja a menr pssível devems clcar a aduçã n interval nde cnsum fr mais intens, de md que a quantidade de água que saia permita menr acúmul pssível n reservatóri. Guimarães, Carvalh e Silva 148

5 IT 179 Saneament Básic Agst/2007 Exempl 1 - Cnhecida a variaçã hrária de cnsum de água de uma cmunidade fictícia, listada a seguir, calcular pel diagrama das massas, a reserva de equilíbri para a) 24 hras de aduçã e b) aduçã de 8 até às 16 hras, diariamente: Hra Cnsum (m 3 ) Guimarães, Carvalh e Silva 149

6 IT 179 Saneament Básic Agst/2007 Sluçã: 1º) Organiza-se uma tabela cm s cnsums acumulads (pcinalmente também da aduçã acumulada) cm mstrad a seguir e um gráfic ds cnsums hráris para visualizarms melhr as hras de pic de cnsum. Dads Vlumes Acumulads (m 3 ) Hra Cnsum (m 3 ) Cnsum Aduçã Cntínua Aduçã Descntínua , , , , , , , , ,50 563, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 Guimarães, Carvalh e Silva 150

7 IT 179 Saneament Básic Agst/2007 Figura 42 - Curva ds cnsums hráris. 2º) Cálcul para aduçã cntínua 1. Mnta-se gráfic da curva de cnsum acumulad e a reta de aduçã cntínua (para 24 hras de aduçã); (Observar que pnt inicial e final da curva de cnsum sã cmuns a reta de aduçã acumulada, de md a nã haver diferença entre cnsumid e aduzid). 2. Traça-se duas tangentes as pnts extrems da curva de cnsums acumulads paralelas a reta de aduçã. A reserva de equilíbri será a distância vertical entre estas duas paralelas - esta distância pderá ser lida n eix das rdenadas. Figura 43 - Reserva de equilíbri para aduçã cntínua. Guimarães, Carvalh e Silva 151

8 IT 179 Saneament Básic Agst/2007 3º) Cálcul para aduçã descntínua 1. Mnta-se gráfic da curva de cnsum acumulad e a reta de aduçã descntínua (cntínua durante 8 hras de aduçã); (Observar que pnt inicial da reta de aduçã acumulada situa-se às 8 hras, final às 16 hras cm anunciad, de md que nã há diferença entre cnsumid e aduzid). 2. A reserva de equilíbri será a sma da rdenada d cnsum acumulad de 0 às 8 hras e a de 16 às 24 hras - esta distância pderá ser lida n eix das rdenadas. OBS: Neste exempl, nde seria a situaçã ideal para a aduçã descntínua? Figura 44 - Reserva de equilíbri para aduçã descntínua (pr 8 hras cnsecutivas) Reserva Anti-incêndi Para determinaçã da reserva anti-incêndi Vi, deve-se cnsultar Crp de Bmbeirs respnsável pela segurança cntra incêndis na lcalidade. Cm as nrmas ficiais d CB, as nrmas da ABNT e as recmendações da Tarifa de Ressegurs d Brasil, pde-se, entã, a partir da definiçã da cupaçã urbana da área, estimar vlume a armazenar n reservatóri destinada a cmbate a incêndis na lcalidade. Pr exempl, uma área residencial cm casas isladas tem um tratament diferente de uma de edifícis de apartaments, uma área industrial é diferente de uma cmercial, uma cmercial de tecids e uma de eletrdméstics, uma residencial cm casas de alvenaria cmparada a uma cm casas de madeira, etc. Em média, para Guimarães, Carvalh e Silva 152

9 IT 179 Saneament Básic Agst/2007 densidades superires a 150 hab.ha -1, entã Q a partir de 30 L.s -1 e para as demais situações pdems empregar 15 L.s -1. Caracterizad tip de sinistr passível de crrência (natureza das edificações, materiais de cnstruçã e material de armazenament e a duraçã d incêndi) definims tip de hidrante a ser instalad bem cm sua capacidade de vazã. Determinada a necessária vazã pr hidrante e a duraçã d incêndi tems, entã tems cndições de calcular vlume a ser armazenad. Pequenas cidades, em cnsequência de suas características urbanas e pela ausência de CB na lcalidade, em geral, dispensam a previsã deste vlume ns reservatóris. Exempl 2: na situaçã d exempl 1, se huver a necessidade de que seja instalada uma rede de hidrantes, nde mais desfavrável seja destinad a suprir uma vazã de 30 L.s -1 durante 4 hras de frneciment cntínu, entã a reserva mínima antiincêndi será: Vi = 0,030 x 3600 x 4 = 432 m Reserva de emergência Este vlume destina-se a evitar que a distribuiçã entre em claps sempre que huver acidentes imprevists cm sistema de aduçã, pr exempl, uma falta de energia u um rmpiment da canalizaçã adutra. Entã, enquant prvidencia-se saneament d prblema, vlume armazenad para supriments de emergência, também denminad de reserva acidental, cmpensará a falta de entrada de água n reservatóri, nã deixand que s cnsumidres fiquem sem água. Em geral este acréscim de vlume é tmad, quantitativamente, cm a terça parte d vlume de equilíbri mais de cmbate a incêndis, u seja: Va= ((Ve + Vi)/3) Guimarães, Carvalh e Silva 153

10 IT 179 Saneament Básic Agst/2007 Exempl 3: na situaçã d exempl 1 e 2, a reserva de emergência para aduçã cntínua seria: Va = ( )/3 = 461 m 3, ttalizand uma reserva ttal de = 1843 m Frmas mais ecnômicas A frma mais ecnômica é a circular pr gastar mens material de cnstruçã. Cm alternativa a cnstruçã circular, a de mais fácil execuçã é a retangular. Em cnstruções multicelulares geminadas a retangular é a mais frequente. Sua frma mais ecnômica dependerá das relações largura/cmpriment. Exempl: para duas células Figura 45. Figura 45 - Cmpartimentaçã ideal para reservatóris retangulares dividids em duas células Cmpnentes cnstrutivs Dimensões De um md geral s reservatóris tem altura útil de 3 a 6 metrs, de md que nã resultem em cupaçã de grandes áreas hrizntais, nem grandes variações de pressã. Guimarães, Carvalh e Silva 154

11 IT 179 Saneament Básic Agst/ Estruturas de api A nã ser em reservatóris de aç, a laje de api nrmalmente é em cncret armad. Quand terren é rchs, estável e sem fendas, pde-se ptar pr cncret simples u ciclópic. O fund d reservatóri deve ter uma declividade em direçã a pnt de esgtament em trn de 0,5% a 1,0%, para facilitar perações de lavagens Estruturas de elevaçã Na mairia das vezes é em cncret armad, prém muit freqüentemente s enterrads e s semi-apiads sã cnstruíds em alvenaria de pedras u tijls cm cintaments u envlviments cm malhas de ferr u aç, enquant que s elevads de pequenas dimensões (mens de 100 m 3 ) em aç. Deve-se salientar que a ferta d material de cnstruçã e da mã de bra na regiã será um fatr decisiv na esclha d material. Reservatóris de grandes dimensões (acima de 1000 m 3 pdem ser ecnmicamente mais viáveis em cncret prtendid, principalmente s de secçã circular. Dependend ds cálculs estruturais, as paredes pdem ter secçã transversal retangular u trapezidal Cbertura A cbertura deve ser cmpletamente impermeável cm prevençã cntra cntaminações pr infiltrações de águas de chuva, bem cm psicinada de tal frma que nã permita a penetraçã ds rais slares s quais pderiam favrecer desenvlviment de algas na água armazenada. Quand cnstruídas de frma plana, dependend da dimensã da área de cberta, pde ser necessári a manutençã de uma lâmina de água de 10 a 20 centímetrs de espessura encima da laje, para garantia que nã haverá fissurament desta laje em decrrência das variações da temperatura ambiente. Frmas abbadadas u nduladas substituem a necessidade da lâmina de água de cbertura. Reservatóris elevads requerem ainda prteçã cntra descargas elétricas atmsféricas e sinalizaçã luminsa nturna. Guimarães, Carvalh e Silva 155

12 IT 179 Saneament Básic Agst/ Precauções especiais critéri na lcalizaçã; prteçã cntra enxurradas e águas subterrâneas; distância das canalizações de esgt sanitári (pel mens 15 metrs); cmpartimentaçã; sistema de mediçã d vlume dispnível; descarga e extravasã; cbertura e inspeçã prtegida; ventilaçã; e ns elevads prteçã cntra descargas elétricas e sinalizaçã; desinfecçã após lavagens Redes de distribuiçã Definições Chama-se de sistema de distribuiçã cnjunt frmad pels reservatóris e rede de distribuiçã, subadutras e elevatórias que recebem água de reservatóris de distribuiçã, enquant que rede de distribuiçã é um cnjunt de tubulações e de suas partes acessórias destinad a clcar a água a ser distribuída à dispsiçã ds cnsumidres, de frma cntínua e em pnts tã próxims quant pssíveis de suas necessidades. É imprtante, também, cnceit de vazões de distribuiçã que é cnsum distribuíd mais às perdas que nrmalmente acntecem nas tubulações distribuidras. Tubulaçã distribuidra é cndut da rede de distribuiçã em que sã efetuadas as ligações prediais ds cnsumidres. Esta tubulaçã pde ser classificada em cnduts principais, aqueles tais que pr hipóteses de cálculs permite a água alcançar tda a rede de distribuiçã, e secundáris, demais tubulações ligadas as cnduts principais. Guimarães, Carvalh e Silva 156

13 IT 179 Saneament Básic Agst/ Área Específica Em um sistema de distribuiçã denmina-se de área específica cada área cujas características de cupaçã a trna distinta das áreas vizinhas em terms de densidade demgráfica e d tip de cnsumidr predminante. Chama-se de vazã específica a vazã média distribuída em uma área específica. As áreas específicas pdem ser classificadas em funçã da predminância u ttalidade de cupaçã da área, da seguinte maneira: áreas residenciais; áreas cmerciais; áreas industriais; e mistas Znas de Pressã Znas de pressã em redes de distribuiçã sã cada uma das partes em que a rede é subdividida visand impedir que as pressões dinâmica mínima e estática máxima ultrapassem s limites recmendads e preestabelecids. Nta-se, entã, que uma rede pde ser dividida em quantas znas de pressã frem necessárias para atendiment das cndições técnicas a serem satisfeitas. Cnvencinalmente, as znas de pressã em redes de abasteciment de água ptável estã situadas entre 15 e 50 mca, tlerand-se até 60 mca em até 10% da área e até 70 mca em até 5% da mesma zna, cm pressã estática máxima, e até 10 mca em 10% e até 8 mca em até 5% da mesma zna para pressã dinâmica mínima. Em circunstâncias especiais, para ppulações de até 5000 hab, pde-se trabalhar cm até 6 mca cm justificativas garantind que nã crrerá riscs de cntaminaçã da rede. Guimarães, Carvalh e Silva 157

14 IT 179 Saneament Básic Agst/ Classificaçã Nrmalmente as redes de distribuiçã cnstituem-se de tubulações principais, também denminadas de tubulações trnc u mestras, alimentadas diretamente pr um reservatóri de mntante, u pr um de mntante e um de jusante, u, ainda, diretamente da adutra cm um reservatóri de jusante. Destas principais partem as secundárias das quais saem praticamente à ttalidade das sangrias ds ramais prediais. As redes pdem ser classificadas ns seguintes grups: a) de acrd cm traçad: ramificada (pequenas cidades, pequenas áreas, cmunidades de desenvlviment linear, puca largura urbana, etc); e malhada (grandes cidades, grandes áreas, cmunidades cm desenvlviment cncêntric, etc ). b) de acrd cm a alimentaçã ds reservatóris: cm reservatóri de mntante; cm reservatóri de jusante (pequens recalques u aduçã pr gravidade; cm reservatóris de mntante e de jusante (grandes cidades); e sem reservatóris, alimentada diretamente da adutra (pequenas cmunidades). c) de acrd cm a água distribuída: rede simples (rede exclusiva de distribuiçã de água ptável); e rede dupla (uma rede de água ptável e uma utra de água sem tratament, principalmente quand há dificuldades de btençã de água de ba qualidade). d) de acrd cm númer de znas de pressã: zna única; e múltiplas znas (cmunidades urbanas cm desníveis gemétrics acentuads - mais de 50m u muit extensas). Guimarães, Carvalh e Silva 158

15 IT 179 Saneament Básic Agst/2007 e) de acrd cm númer de cnduts distribuidres numa mesma rua: distribuidr únic; cm distribuidres auxiliares (cndut principal cm diâmetr mínim de 400 mm); e dis distribuidres laterais (ruas cm tráfeg intens, largura superir a 18 m e dependend d cust da repsiçã d paviment) Traçads ds Cnduts A redes de distribuiçã ds sistemas públics de abasteciment de água cnstituem-se de seguiments de tubulaçã denminads de trechs que tant pdem estar em psições tais que terminem em extremidades independentes cm em iníci de utrs trechs. Desta maneira a dispsiçã ds trechs pdem também ser de tal frma que frmem circuits fechads. De acrd cm cupaçã da área a sanear e as características ds arruaments, s traçads pdem resultar na seguinte classificaçã: ramificads; malhads; e mists. Embra as redes ramificadas sejam mais fáceis de serem dimensinadas, de acrd cm a dimensã e a cupaçã urbana da cmunidade, para mair flexibilidade e funcinalidade da rede e reduçã ds diâmetrs principais, recmenda-se que s cnduts devem frmar circuits fechads quand: área a sanear fr superir a 1 km 2 ; cnduts paralels cnsecutivs distarem mais de 250 m entre si; cnduts principais distarem mais de 150 m da periferia; vazã ttal distribuída fr superir a 25 L.s -1 ; fr slicitad pel cntratante; e justificad pel prjetista. Guimarães, Carvalh e Silva 159

16 IT 179 Saneament Básic Agst/ Cndições para Dimensinament N dimensinament hidráulic das redes de distribuiçã devem ser bedecidas determinadas recmendações que em muit influenciarã n resultad final pretendid, cm as que seguem: ns cnduts principais Q máx deve ser limitad pr uma perda limite igual a 8 m.km -1 ; diâmetr mínim ns cnduts principais deverã ser de 100 mm e ns secundáris 50 mm (2"), permitind-se particularmente para cmunidades cm ppulaçã de prjet de até 5000 hab e per capita máxim de 100 hab, empreg de 25 mm (1") para servir até 10 ecnmias, 30 mm (1.1/4") até 20 e 40 mm (1.1/2") para até 50 ecnmias; a lng ds trechs cm diâmetrs superires a 400 mm deverã ser prjetads trechs secundáris cm diâmetr mínim de 50 mm, para ligaçã ds ramais prediais; cnduts cm diâmetrs superires a 400 mm nã deverã trabalhar cm velcidades superires a 2,0 m.s -1 ; e deve-se adtar, n mínim, uma rugsidade equivalente de 1 mm para trechs nvs e 3 mm para s existentes Lcalizaçã e Dimensinament ds Órgãs Acessóris A malha de distribuiçã da rede nã é cmpsta smente de tubs e cnecções. Dela também fazem parte peças especiais que permitem a sua funcinalidade e peraçã satisfatória d sistema, tais cm válvulas de manbra, ventsas, descargas e hidrantes. Os circuits fechads pssuem válvulas de fechament (em geral válvulas de gaveta cm cabeçte e sem vlante) em lcais estratégics, de md a permitir pssíveis repars u manbras ns trechs a jusante. Ns cnduts secundáris estas válvulas situam-se ns pnts de derivaçã d principal. Ns pnts deverã ser indicadas válvulas de descarga (válvulas de gaveta cm cabeçte) para pssibilitarem esgtament ds trechs a mntante, n cas de eventuais repars. Estas válvulas pderã ser substituídas pr hidrantes. Nestes cass Guimarães, Carvalh e Silva 160

17 IT 179 Saneament Básic Agst/2007 deve-se ter máxim de esmer na lcalizaçã e drenagem d lcal para que nã haja perig de cntaminaçã da rede pr retrn de água esgtada. Ns pnts mais alts deverã ser instaladas ventsas para expurg de pssíveis acúmuls de ar n interir da tubulaçã. N cas de existir ligações de cnsumidres nestes pnts a ventsa pderá ser ecnmizada em funçã ds custs de aquisiçã, instalaçã e manutençã e de mair garantia cntra eventuais infiltrações de água cntaminada ns cnduts, embra, em sistemas de distribuiçã medids e intermitentes pssa haver um pequen prejuíz financeir para usuári. De um md geral deve-se bservar que: em um nó cm três u mais trechs deve haver válvula de fechament; as válvulas de descarga deverã ser n diâmetr d trech e n máxim de 100 mm; e habitualmente a distância máxima entre hidrantes é de 600 m. NOTA: para densidades habitacinais de até 150 hab.ha -1 devem ser feits cálculs para vazã pr hidrante de 30 L.s -1 e para as demais situações pdems empregar 15 L.s -1, desde que haja anuência d Crp de Bmbeirs (CB) respnsável pela segurança da lcalidade. Em qualquer circunstância CB atuante na lcalidade deverá ser uvid antes d iníci d cálcul de qualquer prjet de abasteciment urban de água. Lembrar também, que n Brasil, s CB sã crprações estaduais e, prtant, suas nrmas pdem variar de estad para estad Seccinament Fictíci Aplicaçã equivalente. Pequenas cmunidades (até 5000 hab) u áreas urbanas cm ppulaçã Guimarães, Carvalh e Silva 161

18 IT 179 Saneament Básic Agst/ Metdlgia Cnsiste basicamente na transfrmaçã de redes malhadas em redes ramificadas para efeit de dimensinament Seqüência de cálculs 1) Esbça-se traçad da rede na planta baixa da área a abastecer prcurand-se, a medida d pssível, desenhar na psiçã de implantaçã ds distribuidres; 2) lançam-se s trechs definitivs s quais nrmalmente serã limitads pels pnts de encntr (nós) u pelas extremidades livres (nós secs), send que cada trech nã deverá exceder 300 metrs. N cas de grandes distâncias entre dis nós cnsecutivs (além de 300 metrs) estes distribuidres serã dividids em trechs cm extensões máximas nesta dimensã; 3) identifica-se para cada nó a cta tpgráfica (nrmalmente cm base nas curvas de nível da planta em escalas 1:1000 u 1:2000, excepcinalmente 1:500 para áreas urbanas pequenas); 4) transfrmam-se as malhas existentes na rede em seqüências ramificadas (ficticiamente) de md que s seccinaments sejam lcalizads de tal maneira que a água faça menr percurs pssível entre reservatóri e nó secinad (ist é essencial para sucess d cálcul!); 5) numeram-se tds s trechs cm algarisms arábics a partir d númer 1, n sentid crescente das vazões, resultand em que um trech só pssa ser abastecid Guimarães, Carvalh e Silva 162

19 IT 179 Saneament Básic Agst/2007 pr um utr de númer mair e, send assim, trech de mair númer será que ligará a rede a reservatóri; 6) clcam-se na planilha tds s trechs, dispsts em rdem crescente de numeraçã, de md que a última linha seja exatamente trech de ligaçã a reservatóri; 7) preenche-se para cada trech as extensões e as ctas de mntante e de jusante de cada trech; 8) smam-se as extensões de tds s trechs, btend-se cmpriment ttal da rede de distribuidra, L; 9) calcula-se a taxa de distribuiçã em marcha (T a ), das vazões de prjet através da divisã da vazã de distribuiçã máxima hrária pela extensã ttal da rede distribuidra: q.p.k.k T 1 2 a = L 10) na planilha preenche-se a cluna de vazões em marcha, multiplicand-se Ta de prjet pela extensã individual de cada trech; 11) preenchem-se a seguir as vazões de jusante e de mntante para cada trech, seqüencialmente, de md que a de mntante de cada um seja igual a sma da distribuiçã em marcha cm a de jusante n mesm trech. Observar que a vazã de jusante, pr sua vez, é a sma das de mntante ds trechs abastecids pel em estud e que n cas de extremidades livres u secinadas esta vazã é zer; Guimarães, Carvalh e Silva 163

20 IT 179 Saneament Básic Agst/ ) calcula-se a vazã fictícia para cada um ds trechs, que será igual a semi-sma da vazã de jusante cm a de mntante. 13) cm base na vazã fictícia e ns limites de velcidade u de vazã mstrads n Quadr 12, indica-se diâmetr para cada um ds trechs da rede. Quadr 12 - Velcidades e vazões máximas pr diâmetr de tubulaçã. Diâmetr (mm) Velcidade (m.s -1 ) Vazã (L.s -1 ) 50 0,60 1, ,65 2, ,69 5, ,74 9, ,79 13, ,84 20, ,89 27, ,94 37, ,99 48, ,03 61, ,08 76, ,13 93, ,18 113, ,23 135, ,28 160,40 14) em funçã d diâmetr, da vazã e d material especificad para as tubulações, calculam-se as perdas de carga a lng de cada trech fazend-se us de tabelas, ábacs u da própria expressã usada para este cálcul; 15) estabelece-se para pnt de cndições de pressã mais desfavráveis as pressões extremas de serviç (mínima dinâmica e máxima estática). Estes limites Guimarães, Carvalh e Silva 164

21 IT 179 Saneament Básic Agst/2007 devem ser estabelecids para permitir abasteciment diret ds prédis de até três paviments que existirem na área e para prevenir dans às instalações prediais hidráulicas das edificações; 16) a partir da cta piezmétrica estabelecida n nó de menr pressã (cta d terren mais pressã mínima) calculam-se as ctas piezmétricas ds demais nós (mntante e jusante de cada trech) até reservatóri, cm base nas perdas de carga já definidas; bs.: estabelecida uma cta piezmétrica qualquer, entã a cta d nó seguinte será esta mais a perda se caminha cntra escament e mens a perda se a favr. Observar que nã se pde ultrapassar seccinaments! 17) calculam-se a seguir as pressões dinâmicas em cada nó, a mntante e jusante de cada trech. A pressã dinâmica é a diferença entre a cta piezmétrica e a cta d terren n mesm nó; bs.: se pr acas a cta arbitrada cm a de menr pressã nã fr esclhida crretamente, a realmente mais desfavrável irá aparecer cm pressã inferir a limite e, para crrigir prblema sma-se a diferença para valr mínim para tdas as ctas e pressões encntradas e, assim a menr ficará cm a pressã mínima! 18) na extremidade de mntante d trech de mair númer ler-se a cta d nível mínim da água n reservatóri de md a garantir a pressã mínima de serviç; 19) verificam-se para cada nó secinad as diferentes pressões resultantes e calculase a pressã média em cada um desses nós da qual nenhuma dessas pressões deverá se afastar mais que 5% desse valr médi para cada nó, u seja: n P - P j tem de ser, n máxim, igual a 0,05. P Guimarães, Carvalh e Silva 165

22 IT 179 Saneament Básic Agst/2007 em que: P = média das pressões de jusante n nó secinad; e n P j = uma das pressões de jusante d trech "n". Se esta cndiçã nã fr satisfeita s cálculs deverã ser refeits. Cas nã haja errs grsseirs u de seccinament prblema pderá ser crrigid cm as seguintes alterações (pela rdem): d traçad; de diâmetrs; na psiçã d reservatóri; na área a abastecer; e de limites nas pressões. 20) desenha-se a rede identificand-se em cada trech material, númer, a extensã, diâmetr e a vazã fictícia. Guimarães, Carvalh e Silva 166

23 IT 179 Saneament Básic Agst/2007 Exempl 1 - Dimensinar empregand seccinament fictíci, a rede esquematizada na figura abaix, send cnhecids K 1. K 2 = 1,80, q = 200 L.hab -1.d -1, P = 864 pessas, C = 140; encntrar, também, nível mínim da água n reservatóri para uma pressã mínima na rede de 10 mca. a) Cálcul d cnsum em marcha q.p.k1.k L T 2 a = T a = ( 1, ) ( ) -1-1 T a = 0,0018 L.s.m Guimarães, Carvalh e Silva 167

24 IT 179 Saneament Básic Agst/2007 Planilha de cálcul d exempl de seccinament fictíci Trech Extensã Vazã (L.s -1 ) Diâmetr Ctas d terren Perda Ctas Piezmétricas Pressões Dispníveis (m) (mm) (m) de Carga (m) (mca) Jusante Em Mntante Fictícia Mntante Jusante (m) Mntante Jusante Mntante Jusante marcha ,36 0,36 0, ,06 109,00 108,94 10,00 10, ,36 0,54 0,90 0, ,86 109,86 109,00 10, ,90 0,72 3,62 3, ,83 110,69 109,86 10,69 10, ,72 0,72 0, ,41 110,20 109,79 10,20 10, ,36 0,36 0, ,06 110,20 110,14 10,20 11, ,08 0,54 1,62 1, ,49 110,69 110,20 10,69 10, ,24 0 5,24 5, ,99 111,68 110,69 1,68 10,69 Guimarães, Carvalh e Silva 168

25 IT 179 Saneament Básic Agst/2007 b) Nós seccinads Apenas jusante d trech 4 cm jusante d trech 2 encntra-se seccinad implicand em, pis, numa única verificaçã de pressã. A pressã de jusante de 4 é de 10,88 m enquant a de jusante de 2 é de 10,00, resultand numa pressã média P de 10,44 m que, pr sua vez, frnece uma margem de variaçã de 5% igual a 0,52m. Cm estes resultads tems P - P i = P - P 4 j = 10,88-10,44 = 0,44 0,05. P = 0,05. 10,88 = 0,544 Entã: 0,44 < 0,544! Aceit! Para garantia de uma pressã mínima na rede de 10 mca em tds s nós é necessári que reservatóri tenha seu nível mínim a cta 111,68 (mntante d trech 7), u seja, 1,68 m acima d terren nde mesm lcalizar-se-á (veja pressã dispnível a mntante de 7). Para cmpletar a apresentaçã antam-se em cada trech, n esbç da rede, a sigla d material ds tubs (pr exempl: P se tubs de PVC), númer de identificaçã, sua extensã em metrs, seu diâmetr em milímetrs e a vazã fictícia em litrs pr segund. Guimarães, Carvalh e Silva 169

26 IT 179 Saneament Básic Agst/ Hardy-Crss Fundament Este métd aplica-se para áreas maires de distribuiçã, nde métd d seccinament fictíci mstra-se limitad e a rede frma cnstantemente circuits fechads (anéis). É um métd para cálcul de redes malhadas e cnsiste em se cncentrar as vazões a serem distribuídas nas diversas áreas cbertas pela rede, em pnts das malhas de md a parecer que há distribuições cncentradas e nã a lng d caminhament das tubulações, cm n cas d seccinament fictíci. O diâmetr mínim das tubulações principais de redes calculadas cm malhadas é de 150 mm quand abastecend zna cmercial u zna residencial cm densidade superir 150hab.ha -1 e igual a 100 mm quand abastecend demais znas de núcles urbans cm ppulaçã de prjet superir a 5000 habitantes. Para ppulações inferires a 5000 habitantes pdem ser empregads diâmetrs mínims de 75 mm Seqüência de cálculs 1) Definem-se as diversas micr-áreas a serem atendidas pelas malhas, calculam-se as vazões a serem distribuídas em cada uma delas e cncentra-se cada vazã em pnts estratégics (nós) de cada malha, distand, n máxim, 600m entre dis nós cnsecutivs; cada circuit fechad resultante é denminad de anel; Guimarães, Carvalh e Silva 170

CAPTAÇÃO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL

CAPTAÇÃO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL CAPTAÇÃO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL Captaçã Fntes de água para abasteciment O hmem pssui três tips de fntes para seu abasteciment que sã as águas superficiais (ris, lags, canais, etc.),

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7)

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) Rede de capitação, tratamento e distribuição de água Rede de drenagem de águas pluviais Rede de coleta e tratamento de esgoto Serviço de coleta e tratamento de resíduos

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado ATENÇÃO: Escreva a resluçã COM- PLETA de cada questã n espaç reservad para a mesma. Nã basta escrever apenas resultad final: é necessári mstrar s cálculs racicíni utilizad. Questã Caminhand sempre cm a

Leia mais

ABERTURAS EM ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE CONCRETO

ABERTURAS EM ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE CONCRETO Pntifícia Universidade Católica d Ri Grande d Sul Faculdade de Engenharia Curs de Engenharia Civil CONCRETO ARMADO III ABERTURAS EM ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE CONCRETO COMENTÁRIOS GERAIS 1/9 ABERTURAS EM

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Reservatórios e Redes de Distribuição de Água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resluçã COMPLETA de cada questã n espaç a ela reservad. Nã basta escrever resultad final: é necessári mstrar s cálculs u racicíni utilizad. Questã Uma pessa pssui a quantia de R$7.560,00

Leia mais

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Barreira Ó t i c a, Grade e C o r t i n a d e L u z, e S c anner L aser d e S e g u rança

Barreira Ó t i c a, Grade e C o r t i n a d e L u z, e S c anner L aser d e S e g u rança Barreira Ó t i c a, Grade e C r t i n a d e L u z, e S c anner L aser d e S e g u rança Sluções em Sistemas de Segurança e Autmaçã. E alg mais. Eletreletrônica Industrial Ltda. Análise de riscs segund

Leia mais

Tutorial Sistema Porto Sem Papel

Tutorial Sistema Porto Sem Papel Tutrial Sistema Prt Sem Papel 8 ESTADIA CONVENCIONAL: A estadia cnvencinal é aquela em que a embarcaçã deseja executar uma peraçã de carga, descarga, carga/descarga, embarque/desembarque de passageirs

Leia mais

CURSO NOVA NBR 5419 Proteção contra Descargas Atmosféricas

CURSO NOVA NBR 5419 Proteção contra Descargas Atmosféricas CURSO NOVA NBR 5419 Prteçã cntra Descargas Atmsféricas Públic alv: Engenheirs eletricistas e eletrônics, técnics em eletricidade, prje6stas de sistemas elétrics, eletrônics, de telecmunicações e de cntrle

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pntifícia Universidade Católica d S Faculdade de Engenharia LABOATÓO DE ELETÔNCA DE POTÊNCA EXPEÊNCA 4: ETFCADO TFÁSCO COM PONTO MÉDO ( PULSOS) OBJETO erificar qualitativa e quantitativamente cmprtament

Leia mais

Segmentação de Imagem

Segmentação de Imagem em pr bjectiv dividir a imagem em regiões u bjects segund um critéri Frequentemente resultad nã é uma imagem mas um cnjunt de regiões/bjects A precisã da fase de segmentaçã determina sucess u falha ds

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C Questã 46 O ceficiente de atrit e índice de refraçã sã grandezas adimensinais, u seja, sã valres numérics sem unidade. Iss acntece prque a) sã definids pela razã entre grandezas de mesma dimensã. b) nã

Leia mais

IARC. - Anexo 1 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas

IARC. - Anexo 1 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas IARC - Anex 1 - Anex à ferta de Infraestruturas Aptas a Aljament de Redes de Cmunicações Eletrónicas Características Técnicas das Cndutas e Câmaras de Visita Índice 1. Intrduçã 3 2. Enquadrament Preâmbul

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

CONSTRUMETAL 2010 CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 2 de setembro 2010

CONSTRUMETAL 2010 CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 2 de setembro 2010 CONSTRUMETAL 2010 CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA Sã Paul Brasil 31 de agst a 2 de setembr 2010 PRESCRIÇÕES DE SOLDAS APLICADAS EM LIGAÇÕES COM BASE NA NORMA BRASILEIRA DE PROJETO DE

Leia mais

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%.

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%. 1. TEORIA Para prcesss específics de utilizaçã, é necessári manter cndições de temperatura e umidade relativa d ar em cndições específicas para prduçã e u trabalh. Prcesss de desumidificaçã visam manter

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Informações Importantes 2015

Informações Importantes 2015 Infrmações Imprtantes 2015 CURSOS EXTRACURRICULARES N intuit de prprcinar uma frmaçã cmpleta para alun, Clégi Vértice ferece curss extracurriculares, que acntecem lg após as aulas regulares, tant n períd

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

Direção do deslocamento

Direção do deslocamento Referência: Sears e Zemansky Física I Mecânica Capítul 6: TRABALHO E ENERGIA CINÉTICA Resum: Prfas. Bárbara e Márcia. INTRODUÇÃO A imprtância d cnceit de energia se baseia n princípi da cnservaçã da energia:

Leia mais

INSTALAÇÃO DE GASES ESPECIAIS, GLP E AR COMPRIMIDO

INSTALAÇÃO DE GASES ESPECIAIS, GLP E AR COMPRIMIDO Labratóri de Bicmbustíveis Avançads da FEQ INSTALAÇÃO DE GASES ESPECIAIS, GLP E AR COMPRIMIDO Para se habilitarem para frneciment de Materiais e Mã de Obra para a execuçã d prjet de instalaçã de gases

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL CONCEITO CONCEITO Unidade do SAA constituída

Leia mais

Dimensionamento hidráulico da rede coletora de esgoto do esquema abaixo, considerados os seguintes parâmetros e dados:

Dimensionamento hidráulico da rede coletora de esgoto do esquema abaixo, considerados os seguintes parâmetros e dados: Exempl 1. Aula 3 Cálcul de Rede Cletra Dmensnament hdráulc da rede cletra de esgt d esuema abax, cnsderads s seguntes parâmetrs e dads: - cecente de retrn C 0,8 - cnsums eetvs: 120 /hab.da 160 /hab.da

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos Capítul V Técnicas de Análise de Circuits 5.1 Intrduçã Analisar um circuit é bter um cnjunt de equações u valres que demnstram as características de funcinament d circuit. A análise é fundamental para

Leia mais

INFORMAÇÃO GERAL. 3 Questionário Comunidade Versão 9 Agosto de 2015. Data de Aplicação. Entrevistador

INFORMAÇÃO GERAL. 3 Questionário Comunidade Versão 9 Agosto de 2015. Data de Aplicação. Entrevistador 3 Questinári Cmunidade Versã 9 Agst de 2015 A INFORMAÇÃO GERAL Data de Aplicaçã Entrevistadr A1 Nme cmunidade da Entidade lcal menr [Parâmetr nacinal] Entidade lcal mair [parâmetr nacinal] Entidade reginal

Leia mais

1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura. 1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura

1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura. 1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA A área de um triângul é dada

Leia mais

Aula 03 Circuitos CA

Aula 03 Circuitos CA Campus I Jã Pessa Disciplina: Análise de Circuits Curs Técnic Integrad em Eletrônica Prfª: Rafaelle Felician 1. Elements de Circuits n dmíni de Fasres Intrduçã Para cmpreender a respsta de dispsitivs básics

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios:

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios: Requeriments de Energia Temprária: Requeriments Mandatóris: Adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg deverá ser

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi Benefícis ds serviçs de transprte de táxis cmpartilhads Shared-transprt / Shared-taxi Reuniã de Especialistas sbre Transprte Urban Sustentável: Mdernizand e Trnand Eclógicas as Frtas de Táxis nas Cidades

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)...

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)... Questã 46 A partir de um bjet real de altura H, dispst verticalmente diante de um instrument óptic, um artista plástic necessita bter uma imagemcnjugadadealturaigualah.nesse cas, dependend das cndições

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) Este case apresenta a aplicaçã da sluçã Elipse E3 para aprimrar mnitrament da temperatura encntrada

Leia mais

12. PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO PARA ECONOMIA DE ENERGIA

12. PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO PARA ECONOMIA DE ENERGIA 12. PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO PARA ECONOMIA DE ENERGIA 12.1 MANUTENÇÃO: ELEMENTO CHAVE PARA A UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA Um prgrama bem elabrad de manutençã é um pnt imprtante de qualquer plítica

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

Estruturas de Concreto

Estruturas de Concreto Estruturas de Cncret ISSN 1519-4086 Númer 4 MODELOS DE PREVISÃO DA FLUÊNCIA E DA RETRAÇÃO DO CONCRETO JOSÉ MILTON DE ARAÚJO Editra DUNAS Estruturas de Cncret é uma publicaçã seriada cm bjetiv de abrdar

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br.

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br. REGULAMENTO 1. Sbre Event 1. A Gramad Adventure Running é uma prva de revezament junt à natureza que será realizada n dia 09/05/2015 (Sábad) em Gramad, n Estad d Ri Grande d Sul, cm participaçã de ambs

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta. a) calcule a área do triângulo OAB. b) determine OC e CD.

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta. a) calcule a área do triângulo OAB. b) determine OC e CD. Questã Se Amélia der R$,00 a Lúcia, entã ambas ficarã cm a mesma quantia. Se Maria der um terç d que tem a Lúcia, entã esta ficará cm R$ 6,00 a mais d que Amélia. Se Amélia perder a metade d que tem, ficará

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativ... 8 Participante Assistid...

Leia mais

Informática II INFORMÁTICA II

Informática II INFORMÁTICA II Jrge Alexandre jureir@di.estv.ipv.pt - gab. 30 Artur Susa ajas@di.estv.ipv.pt - gab. 27 1 INFORMÁTICA II Plan Parte I - Cmplementar cnheciment d Excel cm ferramenta de análise bases de dads tabelas dinâmicas

Leia mais

Requerimentos para Energia Temporária: Requerimentos para práticas de trabalho:

Requerimentos para Energia Temporária: Requerimentos para práticas de trabalho: Requeriments para Energia Temprária: Requeriments para práticas de trabalh: Adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Resposta. Resposta

Questão 2. Questão 1. Resposta. Resposta Instruções: Indique claramente as respstas ds itens de cada questã, frnecend as unidades, cas existam Apresente de frma clara e rdenada s passs utilizads na resluçã das questões Expressões incmpreensíveis,

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP Dissídi Retrativ Cálculs INSS, FGTS e geraçã da SEFIP A rtina de Cálcul de Dissídi Retrativ fi reestruturada para atender a legislaçã da Previdência Scial. A rtina de Aument Salarial (GPER200) deve ser

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00 UHE SANTO ANTONIO Titul: Dcument N. Rev. RELATÓRIO DE DESMOBILIZAÇÃO DO 3 MODULO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTE (ETE)- S D- RT- 0063-13 00 Elabraçã: Tarcis Camil MARGEM ESQUERDA Análise crítica:

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONIFÍCIA UNIVERSIDADE CAÓLICA DE GOIÁS DEPARAMENO DE MAEMÁICA E FÍSICA Prfessres: Edsn Vaz e Renat Medeirs ELERICIDADE E MAGNEISMO NOA DE AULA II Giânia 2014 1 ENERGIA POENCIAL ELÉRICA E POENCIAL ELÉRICO

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

Todos os direitos reservados Versão 1.2

Todos os direitos reservados Versão 1.2 Guia de Relatóris Tds s direits reservads Versã 1.2 1 Guia de Relatóris Índice 1 Pedids... 3 1.1 Mnitr de Pedids... 3 1.2 Pedids... 4 1.3 Estatísticas de Pedids... 5 1.4 Acess e Cnsum... 7 1.5 Pedids pr

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B Questã 1 Uma pesquisa de mercad sbre determinad eletrdméstic mstru que 7% ds entrevistads preferem a marca X, 40% preferem a marca Y, 0% preferem a marca Z, 5% preferem X e Y, 8% preferem Y e Z, % preferem

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006.

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. DISCIPLINA: Matemática 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. PARKIN, Michael.

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R.

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R. ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GAFICOS DE E. Vims cm cnstruir e utilizar s gráfics de cntrle. Agra vams estudar sua capacidade de detectar perturbações n prcess. GÁFICO de Em um julgament, veredict final será

Leia mais

O que a Lei diz sobre seguros de condomínios

O que a Lei diz sobre seguros de condomínios O que a Lei diz sbre segurs de cndmínis Segurs cndminiais, segund Códig Civil Códig Civil, Art. 1.346. "É brigatóri segur de tda a edificaçã cntra risc de incêndi u destruiçã, ttal u parcial." Este artig

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic Simuland Cadeias de Supriments v2.0 Lcal: em sala de aula Material Necessári:

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS.

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Ntas de Aula Ecnmia Industrial Nta_aula_4_Preç-Oligpli TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Bibligrafia: KON, Anita. Ecnmia Industrial. Sã Paul: Nbel, 2001. (CAPÍTULO 2) PINDYCK, RS e RUBINFELD,

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Capacitância e Capacitores

Capacitância e Capacitores Nessa prática, farems um estud sbre capacitres. erá intrduzid cnceit de capacitância e estudarems as leis de carga e descarga de capacitres, bem cm as regras de assciaçã desses elements de circuit. empre

Leia mais

Terremotos e Ressonância

Terremotos e Ressonância Ntas d Prfessr Terremts e Ressnância Pergunta em fc Cm mviment d sl causad pr um terremt afeta a estabilidade de edifícis de diferentes alturas? Ferramentas e materiais Dis pedaçs quadrads de madeira,

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF)

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) Wrkshp Nva Legislaçã que regula a aplicaçã de Prduts Fitfarmacêutics (PF) Quinta d Vallad, Vilarinh ds Freires Branca Teixeira 23 de mai de 2013 Nva Legislaçã Lei nº26/2013 de 11 de abril Regula as actividades

Leia mais

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING)

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui FUNCHAL CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) ÂMBITO A atividade de venda autmática deve bedecer à legislaçã aplicável à venda

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras FKcrreisg2_cp1 - Cmplement Transprtadras Instalaçã d módul Faça dwnlad d arquiv FKcrreisg2_cp1.zip, salvand- em uma pasta em seu cmputadr. Entre na área administrativa de sua lja: Entre n menu Móduls/Móduls.

Leia mais

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL AEPSA Audiçã sbre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL 13 de Març de 2013 AGENDA 1. Apresentaçã da AEPSA a) A AEPSA em Prtugal b) Estratégia

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

TECNOLOGIAS DE MICRO-GERAÇÃO E SISTEMAS PERIFÉRICOS. 6 Painéis Solares Fotovoltaicos

TECNOLOGIAS DE MICRO-GERAÇÃO E SISTEMAS PERIFÉRICOS. 6 Painéis Solares Fotovoltaicos 6 Painéis Slares Ftvltaics 48 6.1 Descriçã da tecnlgia A funçã de uma célula slar cnsiste em cnverter directamente a energia slar em electricidade. A frma mais cmum das células slares fazerem é através

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

LAR - 04/06/08/10. Manual do Usuário. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: SKYMSEN. 13241.1 Dezembro/2008 SE É SKYMSEN, PODE

LAR - 04/06/08/10. Manual do Usuário. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: SKYMSEN. 13241.1 Dezembro/2008 SE É SKYMSEN, PODE PRODUTOS SE É SKYMSEN, PODE CONFIAR. Manual d Usuári PRODUTOS METAL RGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 88351-410 Brusque Santa Catarina Brasil Fne: +55 47 3211 6000 / 3255

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

o que se entende por lente.

o que se entende por lente. 1062.0041 As lentes esféricas e suas principais características. 1. Habilidades e cmpetências. 3. Mntagem. B ::; A términ desta atividade alun deverá ter Cas necessári cnsulte a instruçã ]992.021. cmpetência

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Economia Financeira Internacional

Economia Financeira Internacional Ecnmia Financeira Internacinal Curs de Ecnmia, 3º an, 2001-2002 PADEF 11/07/2002 Parte A Sem cnsulta Duraçã: 1 hra 1. Cnsidere três praças financeiras, Lndres (L), Nva Irque (NY) e Paris (P), bem cm as

Leia mais