Instalações Elétricas Prediais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instalações Elétricas Prediais"

Transcrição

1 Abril de 2010

2 Sumário

3 Tópicos Sumário 1

4 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de telecomunicações. Os servíços não pertencentes à Concessionária, como interfones, sinalizações internas, antenas coletivas ou outros sistemas de telecomunicações particulares não conectados à rede pública, requererão uma tubulação independente e exclusiva.

5 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de telecomunicações. Os servíços não pertencentes à Concessionária, como interfones, sinalizações internas, antenas coletivas ou outros sistemas de telecomunicações particulares não conectados à rede pública, requererão uma tubulação independente e exclusiva.

6 As tubulações para as redes das centrais privadas de comutação telefônica dos tipos P(A)BX e Key System, que não pertençam a concessionária deverão ser separadas e independentes da tubulação telefônica do edifício. As tubulações telefônicas para as redes das centrais privadas de comutação telefônica deverão ser interligadas às ligações de uso exclusivo da Concessionária através da prumada mais próxima.

7 As tubulações para as redes das centrais privadas de comutação telefônica dos tipos P(A)BX e Key System, que não pertençam a concessionária deverão ser separadas e independentes da tubulação telefônica do edifício. As tubulações telefônicas para as redes das centrais privadas de comutação telefônica deverão ser interligadas às ligações de uso exclusivo da Concessionária através da prumada mais próxima.

8 Todos os projetos das tubulações telefônicas, referentes a edificações com três ou mais pavimentos e/ou seis ou mais pontos telefônicos deverão ser submetidos à aprovação da Concessionária. A concessionária deve orientar o construtor no sentido de que este deve solicitar a vistoria das tubulações tão logo estas estejam em condições de uso.

9 Todos os projetos das tubulações telefônicas, referentes a edificações com três ou mais pavimentos e/ou seis ou mais pontos telefônicos deverão ser submetidos à aprovação da Concessionária. A concessionária deve orientar o construtor no sentido de que este deve solicitar a vistoria das tubulações tão logo estas estejam em condições de uso.

10 Esquema Geral das Tubulações A Norma divide as tubulações em trê partes: Tubulação de Entrada Tubulação que dá entrada ao cabo da rede externa da Concessionária. Tubulação Primária Parte da ligação que compreende a caixa de distribuição geral, as caixas de distribuição e as tubulações que as interligam. Tubulação Secundária Parte da tubulação que abrange as caixas de saída e as tubulações que as interligam à caixas de distribuição.

11 Esquema Geral das Tubulações A Norma divide as tubulações em trê partes: Tubulação de Entrada Tubulação que dá entrada ao cabo da rede externa da Concessionária. Tubulação Primária Parte da ligação que compreende a caixa de distribuição geral, as caixas de distribuição e as tubulações que as interligam. Tubulação Secundária Parte da tubulação que abrange as caixas de saída e as tubulações que as interligam à caixas de distribuição.

12 Esquema Geral das Tubulações A Norma divide as tubulações em trê partes: Tubulação de Entrada Tubulação que dá entrada ao cabo da rede externa da Concessionária. Tubulação Primária Parte da ligação que compreende a caixa de distribuição geral, as caixas de distribuição e as tubulações que as interligam. Tubulação Secundária Parte da tubulação que abrange as caixas de saída e as tubulações que as interligam à caixas de distribuição.

13 Esquema Geral das Tubulações A Norma divide as tubulações em trê partes: Tubulação de Entrada Tubulação que dá entrada ao cabo da rede externa da Concessionária. Tubulação Primária Parte da ligação que compreende a caixa de distribuição geral, as caixas de distribuição e as tubulações que as interligam. Tubulação Secundária Parte da tubulação que abrange as caixas de saída e as tubulações que as interligam à caixas de distribuição.

14 Previsão dos Pontos Telefônicos Residências ou Apartamentos: De até 2 quartos 01 ponto telefônico. De 3 quartos 02 pontos tefônicos. De 4 ou mais quartos 03 pontos telefônicos. Lojas: 01 ponto telefônico/50 m 2 Escritórios 01 ponto telefônico /10 m 2

15 Previsão dos Pontos Telefônicos Residências ou Apartamentos: De até 2 quartos 01 ponto telefônico. De 3 quartos 02 pontos tefônicos. De 4 ou mais quartos 03 pontos telefônicos. Lojas: 01 ponto telefônico/50 m 2 Escritórios 01 ponto telefônico /10 m 2

16 Previsão dos Pontos Telefônicos Residências ou Apartamentos: De até 2 quartos 01 ponto telefônico. De 3 quartos 02 pontos tefônicos. De 4 ou mais quartos 03 pontos telefônicos. Lojas: 01 ponto telefônico/50 m 2 Escritórios 01 ponto telefônico /10 m 2

17 Previsão dos Pontos Telefônicos Residências ou Apartamentos: De até 2 quartos 01 ponto telefônico. De 3 quartos 02 pontos tefônicos. De 4 ou mais quartos 03 pontos telefônicos. Lojas: 01 ponto telefônico/50 m 2 Escritórios 01 ponto telefônico /10 m 2

18 Previsão dos Pontos Telefônicos Residências ou Apartamentos: De até 2 quartos 01 ponto telefônico. De 3 quartos 02 pontos tefônicos. De 4 ou mais quartos 03 pontos telefônicos. Lojas: 01 ponto telefônico/50 m 2 Escritórios 01 ponto telefônico /10 m 2

19 Previsão dos Pontos Telefônicos Residências ou Apartamentos: De até 2 quartos 01 ponto telefônico. De 3 quartos 02 pontos tefônicos. De 4 ou mais quartos 03 pontos telefônicos. Lojas: 01 ponto telefônico/50 m 2 Escritórios 01 ponto telefônico /10 m 2

20 Determinação do N das caixas de saída O número das caixas de saída previsto para uma determinada parte de um edifício deve corresponder ao número de pontos telefônicos mais as extensões necessárias. Residências ou apartamenos Prever, no mínimo, uma caixa de saída na sala, na copa ou cozinha e nos quartos. Escritórios até 10 caixas de saída, distribuir de forma equidistante. Mais de 10 caixas distribuir no piso conforme a necessidade.

21 Determinação do N das caixas de saída O número das caixas de saída previsto para uma determinada parte de um edifício deve corresponder ao número de pontos telefônicos mais as extensões necessárias. Residências ou apartamenos Prever, no mínimo, uma caixa de saída na sala, na copa ou cozinha e nos quartos. Escritórios até 10 caixas de saída, distribuir de forma equidistante. Mais de 10 caixas distribuir no piso conforme a necessidade.

22 Determinação do N das caixas de saída O número das caixas de saída previsto para uma determinada parte de um edifício deve corresponder ao número de pontos telefônicos mais as extensões necessárias. Residências ou apartamenos Prever, no mínimo, uma caixa de saída na sala, na copa ou cozinha e nos quartos. Escritórios até 10 caixas de saída, distribuir de forma equidistante. Mais de 10 caixas distribuir no piso conforme a necessidade.

23 Dimensionamento das tubulações primárias e secundárias Numero de pontos acumulados na seção Diâmetro interno mínimo dos tubos em (mm) Até De 6 a De 22 a De 36 a De 141 a De 281 a * 2* Acima de 420 poço de elevação * A critério da concessionária, deverá ser utilizado poço de elevação. Quantidade nima de Tubos

24 Dimensionamento das caixas internas As caixas de passagem, de distribuição e distribuição geral são dimensionadas em função do número de pontos telefônicos acumulados. Pontos acumulados Caixa de distribui- Caixa de caixa de na caixa ção Geral distribuição passagem Até 5 N o 1 De 6 a 21 N o 4 N o 3 N o 2 De 22 a 35 N o 5 N o 4 N o 3 De 36 a 70 N o 6 N o 5 N o 4 De 71 a 140 N o 7 N o 6 N o 5 De 141 a 280 N o 8 N o 7 N o 6 De 281 a 420 N o 8 N o 7 N o 7 Acima de 420 Poço de Elevação

25 Dimensionamento da tubulação de entrada Para Tubulação subterrânea: Número de Pontos Diâmetro Interno Quantidade Mítos do Edifício mínimo dos Dunima de Dutos (mm) Até De 70 a De 421 a Acima estudo conjunto com a Concessionária

26 Dimensionamento da caixa de entrada do edifício Número Total de Pontos do Edifício Tipo Dimensões Internas de Caixa Comprimento (cm) Largura (cm) Altura (cm) Até 35 R Até 36 a 140 R Até 141 a 420 R Acima de

27 Tópicos Sumário 1

28 Dimensionamento de poços de elevação Obrigatórios nos casos em que o número de pontos telefônicos acumulados na prumada exceder a 420. Constituídos de cúbiculos dispostos verticalmente, de altura igual ao pé direito, ligados entre si através de abertura nas lajes. O cubículo deve ter: Largura => 1,5 m; profundidade => 0,4 m. As portas dos cubículos devem ser providas de soleiras, de 0,10 m de altura, e devem ser 2,10 m de altura mínima. A largura das portas deve corresponder à largura do cubículo e pode ter uma ou duas folhas, abrindo para fora e possuir fechadura. As tubulações secundárias de cada andar devem sair pelo piso, enconstadas à parede do fundo do cubículo

29 Dimensionamento de poços de elevação Obrigatórios nos casos em que o número de pontos telefônicos acumulados na prumada exceder a 420. Constituídos de cúbiculos dispostos verticalmente, de altura igual ao pé direito, ligados entre si através de abertura nas lajes. O cubículo deve ter: Largura => 1,5 m; profundidade => 0,4 m. As portas dos cubículos devem ser providas de soleiras, de 0,10 m de altura, e devem ser 2,10 m de altura mínima. A largura das portas deve corresponder à largura do cubículo e pode ter uma ou duas folhas, abrindo para fora e possuir fechadura. As tubulações secundárias de cada andar devem sair pelo piso, enconstadas à parede do fundo do cubículo

30 Dimensionamento de poços de elevação Obrigatórios nos casos em que o número de pontos telefônicos acumulados na prumada exceder a 420. Constituídos de cúbiculos dispostos verticalmente, de altura igual ao pé direito, ligados entre si através de abertura nas lajes. O cubículo deve ter: Largura => 1,5 m; profundidade => 0,4 m. As portas dos cubículos devem ser providas de soleiras, de 0,10 m de altura, e devem ser 2,10 m de altura mínima. A largura das portas deve corresponder à largura do cubículo e pode ter uma ou duas folhas, abrindo para fora e possuir fechadura. As tubulações secundárias de cada andar devem sair pelo piso, enconstadas à parede do fundo do cubículo

31 Dimensionamento de poços de elevação Obrigatórios nos casos em que o número de pontos telefônicos acumulados na prumada exceder a 420. Constituídos de cúbiculos dispostos verticalmente, de altura igual ao pé direito, ligados entre si através de abertura nas lajes. O cubículo deve ter: Largura => 1,5 m; profundidade => 0,4 m. As portas dos cubículos devem ser providas de soleiras, de 0,10 m de altura, e devem ser 2,10 m de altura mínima. A largura das portas deve corresponder à largura do cubículo e pode ter uma ou duas folhas, abrindo para fora e possuir fechadura. As tubulações secundárias de cada andar devem sair pelo piso, enconstadas à parede do fundo do cubículo

32 Dimensionamento de poços de elevação Obrigatórios nos casos em que o número de pontos telefônicos acumulados na prumada exceder a 420. Constituídos de cúbiculos dispostos verticalmente, de altura igual ao pé direito, ligados entre si através de abertura nas lajes. O cubículo deve ter: Largura => 1,5 m; profundidade => 0,4 m. As portas dos cubículos devem ser providas de soleiras, de 0,10 m de altura, e devem ser 2,10 m de altura mínima. A largura das portas deve corresponder à largura do cubículo e pode ter uma ou duas folhas, abrindo para fora e possuir fechadura. As tubulações secundárias de cada andar devem sair pelo piso, enconstadas à parede do fundo do cubículo

33 Dimensionamento de poços de elevação Obrigatórios nos casos em que o número de pontos telefônicos acumulados na prumada exceder a 420. Constituídos de cúbiculos dispostos verticalmente, de altura igual ao pé direito, ligados entre si através de abertura nas lajes. O cubículo deve ter: Largura => 1,5 m; profundidade => 0,4 m. As portas dos cubículos devem ser providas de soleiras, de 0,10 m de altura, e devem ser 2,10 m de altura mínima. A largura das portas deve corresponder à largura do cubículo e pode ter uma ou duas folhas, abrindo para fora e possuir fechadura. As tubulações secundárias de cada andar devem sair pelo piso, enconstadas à parede do fundo do cubículo

34 Dimensionamento de poços de elevação-cont.

35 Dimensionamento de salas do distribuidor geral Quando for necessário uma caixa de distribuição de grandes dimensões, será necessário projetar uma sala especial para o distribuidor geral. As dimensões devem ser determinadas em conjunto com a concessionária. Uma orientação que poderá ser seguida é a seguinte: Edifícios com até 1000 pontos: 6 m 2. Edifícios com mais de 1000 pontos: 1 m 2 adicional para cada 500 pontos pi fração que ultrapassar ps 1000 pontos iniciais.

36 Dimensionamento de salas do distribuidor geral Quando for necessário uma caixa de distribuição de grandes dimensões, será necessário projetar uma sala especial para o distribuidor geral. As dimensões devem ser determinadas em conjunto com a concessionária. Uma orientação que poderá ser seguida é a seguinte: Edifícios com até 1000 pontos: 6 m 2. Edifícios com mais de 1000 pontos: 1 m 2 adicional para cada 500 pontos pi fração que ultrapassar ps 1000 pontos iniciais.

37 Dimensionamento de salas do distribuidor geral Quando for necessário uma caixa de distribuição de grandes dimensões, será necessário projetar uma sala especial para o distribuidor geral. As dimensões devem ser determinadas em conjunto com a concessionária. Uma orientação que poderá ser seguida é a seguinte: Edifícios com até 1000 pontos: 6 m 2. Edifícios com mais de 1000 pontos: 1 m 2 adicional para cada 500 pontos pi fração que ultrapassar ps 1000 pontos iniciais.

38 Dimensionamento de salas do distribuidor geral Quando for necessário uma caixa de distribuição de grandes dimensões, será necessário projetar uma sala especial para o distribuidor geral. As dimensões devem ser determinadas em conjunto com a concessionária. Uma orientação que poderá ser seguida é a seguinte: Edifícios com até 1000 pontos: 6 m 2. Edifícios com mais de 1000 pontos: 1 m 2 adicional para cada 500 pontos pi fração que ultrapassar ps 1000 pontos iniciais.

39 Dimensionamento de salas do distribuidor geral Quando for necessário uma caixa de distribuição de grandes dimensões, será necessário projetar uma sala especial para o distribuidor geral. As dimensões devem ser determinadas em conjunto com a concessionária. Uma orientação que poderá ser seguida é a seguinte: Edifícios com até 1000 pontos: 6 m 2. Edifícios com mais de 1000 pontos: 1 m 2 adicional para cada 500 pontos pi fração que ultrapassar ps 1000 pontos iniciais.

40 Tópicos Sumário 1

41 1 Tubulação secundária. 2 Tubulação Primária. 3 Tubulação de entrada.

42 1 Tubulação secundária. 2 Tubulação Primária. 3 Tubulação de entrada.

43 1 Tubulação secundária. 2 Tubulação Primária. 3 Tubulação de entrada.

44 Tubulação secundária Determinar o número e os locais onde deverão ser instaladas as caixas de saída em cada parte do edifício. Determinar, dentro de cada parte do edifício, onde ficará a caixa de saída principal que será interligada com a caixa de distribuição que atende ao andar. Determinar o trajeto da tubulação, interligando as caixas de saída à caixa principal. Adicionar caixas de passagem caso necessário. Determinar o diâmetro dos tubos e as dimensões das caixas pertencentes à tubulação secundária. Elaborar, caso necessário, a distribuição em malha no piso.

45 Tubulação secundária Determinar o número e os locais onde deverão ser instaladas as caixas de saída em cada parte do edifício. Determinar, dentro de cada parte do edifício, onde ficará a caixa de saída principal que será interligada com a caixa de distribuição que atende ao andar. Determinar o trajeto da tubulação, interligando as caixas de saída à caixa principal. Adicionar caixas de passagem caso necessário. Determinar o diâmetro dos tubos e as dimensões das caixas pertencentes à tubulação secundária. Elaborar, caso necessário, a distribuição em malha no piso.

46 Tubulação secundária Determinar o número e os locais onde deverão ser instaladas as caixas de saída em cada parte do edifício. Determinar, dentro de cada parte do edifício, onde ficará a caixa de saída principal que será interligada com a caixa de distribuição que atende ao andar. Determinar o trajeto da tubulação, interligando as caixas de saída à caixa principal. Adicionar caixas de passagem caso necessário. Determinar o diâmetro dos tubos e as dimensões das caixas pertencentes à tubulação secundária. Elaborar, caso necessário, a distribuição em malha no piso.

47 Tubulação secundária Determinar o número e os locais onde deverão ser instaladas as caixas de saída em cada parte do edifício. Determinar, dentro de cada parte do edifício, onde ficará a caixa de saída principal que será interligada com a caixa de distribuição que atende ao andar. Determinar o trajeto da tubulação, interligando as caixas de saída à caixa principal. Adicionar caixas de passagem caso necessário. Determinar o diâmetro dos tubos e as dimensões das caixas pertencentes à tubulação secundária. Elaborar, caso necessário, a distribuição em malha no piso.

48 Tubulação secundária Determinar o número e os locais onde deverão ser instaladas as caixas de saída em cada parte do edifício. Determinar, dentro de cada parte do edifício, onde ficará a caixa de saída principal que será interligada com a caixa de distribuição que atende ao andar. Determinar o trajeto da tubulação, interligando as caixas de saída à caixa principal. Adicionar caixas de passagem caso necessário. Determinar o diâmetro dos tubos e as dimensões das caixas pertencentes à tubulação secundária. Elaborar, caso necessário, a distribuição em malha no piso.

49 Tubulação primária Sumário Determinar o número de prumadas, que pode ser maior que um nas situações: Existência de obstáculos intransponíveis no trajeto da tubulação vertical. Concepções arquitetônicas que estabeleçam blocos separados sobre a mesma base. Edifícios que possuam várias entradas, com áreas de circulação independentes. Calcular o número de total de pontos telefônicos (não incluir as extensões) de cada andar atendidos através de uma mesma prumada.

50 Tubulação primária Sumário Determinar o número de prumadas, que pode ser maior que um nas situações: Existência de obstáculos intransponíveis no trajeto da tubulação vertical. Concepções arquitetônicas que estabeleçam blocos separados sobre a mesma base. Edifícios que possuam várias entradas, com áreas de circulação independentes. Calcular o número de total de pontos telefônicos (não incluir as extensões) de cada andar atendidos através de uma mesma prumada.

51 Tubulação primária Sumário Determinar o número de prumadas, que pode ser maior que um nas situações: Existência de obstáculos intransponíveis no trajeto da tubulação vertical. Concepções arquitetônicas que estabeleçam blocos separados sobre a mesma base. Edifícios que possuam várias entradas, com áreas de circulação independentes. Calcular o número de total de pontos telefônicos (não incluir as extensões) de cada andar atendidos através de uma mesma prumada.

52 Tubulação primária Sumário Determinar o número de prumadas, que pode ser maior que um nas situações: Existência de obstáculos intransponíveis no trajeto da tubulação vertical. Concepções arquitetônicas que estabeleçam blocos separados sobre a mesma base. Edifícios que possuam várias entradas, com áreas de circulação independentes. Calcular o número de total de pontos telefônicos (não incluir as extensões) de cada andar atendidos através de uma mesma prumada.

53 Tubulação primária Sumário Determinar o número de prumadas, que pode ser maior que um nas situações: Existência de obstáculos intransponíveis no trajeto da tubulação vertical. Concepções arquitetônicas que estabeleçam blocos separados sobre a mesma base. Edifícios que possuam várias entradas, com áreas de circulação independentes. Calcular o número de total de pontos telefônicos (não incluir as extensões) de cada andar atendidos através de uma mesma prumada.

54

55

56

57 Tubulação primária-cont. Quando o total de pontos for menor ou igual a 420, pode-se executar a prumada em tubulação convencional, segundo os critérios: Caixa de distribuição Geral. A caixa, obrigatoriamente, deverá estar localizada no andar térreo. a caixa não deve ser localizada dentro de salões de festas ou áreas de difícil acesso.

58 Tubulação primária-cont. Quando o total de pontos for menor ou igual a 420, pode-se executar a prumada em tubulação convencional, segundo os critérios: Caixa de distribuição Geral. A caixa, obrigatoriamente, deverá estar localizada no andar térreo. a caixa não deve ser localizada dentro de salões de festas ou áreas de difícil acesso.

59 Tubulação primária-cont. Quando o total de pontos for menor ou igual a 420, pode-se executar a prumada em tubulação convencional, segundo os critérios: Caixa de distribuição Geral. A caixa, obrigatoriamente, deverá estar localizada no andar térreo. a caixa não deve ser localizada dentro de salões de festas ou áreas de difícil acesso.

60 Tubulação primária-cont. Quando o total de pontos for menor ou igual a 420, pode-se executar a prumada em tubulação convencional, segundo os critérios: Caixa de distribuição Geral. A caixa, obrigatoriamente, deverá estar localizada no andar térreo. a caixa não deve ser localizada dentro de salões de festas ou áreas de difícil acesso.

61 Tubulação primária-cont Caixas de distribuição segundo a tabela: N o de andares até 2 Andares Térreo 2 o 5 o 8 o 11 o 14 o 17 o 20 o 23 o 26 o 29 o X de 3 a 4 X X de 5 a 7 X X X de 8 a 10 X X X X de 11 a 13 X X X X X de 14 a 16 X X X X X X de 17 a 19 X X X X X X X de 20 a 22 X X X X X x X X de 23 a 25 X X X X X X X X X de 26 a 28 X X X X X X X X X X de 29 a 31 X X X X X X X X X X X

62 Tubulação primária -Cont. Como regra geral, cada caixa de distribuição deve atender a um andar abaixo e um acima. As últimas caixas das prumadas podem ser atendidas por uma caixa de distribuição a dois andares. Determinar a tubulação, planejando as caixas de passagem se for necessário. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada trecho da tubulação e clacular o número de pontos atendidos por cada caixa de distribuição que alimenta um ou mais andares. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada caixa de distribuição, começando pela mais distante e terminando na caixa de distribuição geral.

63 Tubulação primária -Cont. Como regra geral, cada caixa de distribuição deve atender a um andar abaixo e um acima. As últimas caixas das prumadas podem ser atendidas por uma caixa de distribuição a dois andares. Determinar a tubulação, planejando as caixas de passagem se for necessário. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada trecho da tubulação e clacular o número de pontos atendidos por cada caixa de distribuição que alimenta um ou mais andares. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada caixa de distribuição, começando pela mais distante e terminando na caixa de distribuição geral.

64 Tubulação primária -Cont. Como regra geral, cada caixa de distribuição deve atender a um andar abaixo e um acima. As últimas caixas das prumadas podem ser atendidas por uma caixa de distribuição a dois andares. Determinar a tubulação, planejando as caixas de passagem se for necessário. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada trecho da tubulação e clacular o número de pontos atendidos por cada caixa de distribuição que alimenta um ou mais andares. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada caixa de distribuição, começando pela mais distante e terminando na caixa de distribuição geral.

65 Tubulação primária -Cont. Como regra geral, cada caixa de distribuição deve atender a um andar abaixo e um acima. As últimas caixas das prumadas podem ser atendidas por uma caixa de distribuição a dois andares. Determinar a tubulação, planejando as caixas de passagem se for necessário. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada trecho da tubulação e clacular o número de pontos atendidos por cada caixa de distribuição que alimenta um ou mais andares. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada caixa de distribuição, começando pela mais distante e terminando na caixa de distribuição geral.

66 Tubulação primária -Cont. Como regra geral, cada caixa de distribuição deve atender a um andar abaixo e um acima. As últimas caixas das prumadas podem ser atendidas por uma caixa de distribuição a dois andares. Determinar a tubulação, planejando as caixas de passagem se for necessário. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada trecho da tubulação e clacular o número de pontos atendidos por cada caixa de distribuição que alimenta um ou mais andares. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada caixa de distribuição, começando pela mais distante e terminando na caixa de distribuição geral.

67 Tubulação primária -Cont. Determinar as dimensões das caixas e a quantidade e diâmetro dos tubos que as interligam.

68 Tubulação de Entrada Inicialmente define-se se será subterrâneo ou aéreo. Subterrâneo: O edifício possuir mais que 20 pontos telefônicos. A rede da concessionária for subterrânea no local. Preferência do construtor. Aérea: O Edifício possuir 20 pontos telefônicos ou menos. As condições da concessionária permitirem.

69 Tubulação de Entrada Inicialmente define-se se será subterrâneo ou aéreo. Subterrâneo: O edifício possuir mais que 20 pontos telefônicos. A rede da concessionária for subterrânea no local. Preferência do construtor. Aérea: O Edifício possuir 20 pontos telefônicos ou menos. As condições da concessionária permitirem.

70 Tubulação de Entrada Inicialmente define-se se será subterrâneo ou aéreo. Subterrâneo: O edifício possuir mais que 20 pontos telefônicos. A rede da concessionária for subterrânea no local. Preferência do construtor. Aérea: O Edifício possuir 20 pontos telefônicos ou menos. As condições da concessionária permitirem.

71 Tubulação de Entrada Inicialmente define-se se será subterrâneo ou aéreo. Subterrâneo: O edifício possuir mais que 20 pontos telefônicos. A rede da concessionária for subterrânea no local. Preferência do construtor. Aérea: O Edifício possuir 20 pontos telefônicos ou menos. As condições da concessionária permitirem.

72 Tubulação de Entrada Inicialmente define-se se será subterrâneo ou aéreo. Subterrâneo: O edifício possuir mais que 20 pontos telefônicos. A rede da concessionária for subterrânea no local. Preferência do construtor. Aérea: O Edifício possuir 20 pontos telefônicos ou menos. As condições da concessionária permitirem.

73 Tubulação de Entrada Inicialmente define-se se será subterrâneo ou aéreo. Subterrâneo: O edifício possuir mais que 20 pontos telefônicos. A rede da concessionária for subterrânea no local. Preferência do construtor. Aérea: O Edifício possuir 20 pontos telefônicos ou menos. As condições da concessionária permitirem.

74 Tubulação de Entrada Inicialmente define-se se será subterrâneo ou aéreo. Subterrâneo: O edifício possuir mais que 20 pontos telefônicos. A rede da concessionária for subterrânea no local. Preferência do construtor. Aérea: O Edifício possuir 20 pontos telefônicos ou menos. As condições da concessionária permitirem.

75 Tubulação de Entrada Inicialmente define-se se será subterrâneo ou aéreo. Subterrâneo: O edifício possuir mais que 20 pontos telefônicos. A rede da concessionária for subterrânea no local. Preferência do construtor. Aérea: O Edifício possuir 20 pontos telefônicos ou menos. As condições da concessionária permitirem.

76 Tubulação de Entrada Junto à concessionária, deve-se coletar os seguintes dados: Se a rede no local é aérea ou subterrânea. De que lado da rua passam os cabos. Se há ou não previsão de alterações da rede no local. Se o cabo de entrada for subterrâneo: Locar uma caixa subterrânea para o atendimento do edifício. Determinar o trajeto da tubulação desde a caixa de entrada do edifício até a caixa de distribuição geral. Dimensionar a tubulação de entrada.

77 Tubulação de Entrada Junto à concessionária, deve-se coletar os seguintes dados: Se a rede no local é aérea ou subterrânea. De que lado da rua passam os cabos. Se há ou não previsão de alterações da rede no local. Se o cabo de entrada for subterrâneo: Locar uma caixa subterrânea para o atendimento do edifício. Determinar o trajeto da tubulação desde a caixa de entrada do edifício até a caixa de distribuição geral. Dimensionar a tubulação de entrada.

78 Tubulação de Entrada Junto à concessionária, deve-se coletar os seguintes dados: Se a rede no local é aérea ou subterrânea. De que lado da rua passam os cabos. Se há ou não previsão de alterações da rede no local. Se o cabo de entrada for subterrâneo: Locar uma caixa subterrânea para o atendimento do edifício. Determinar o trajeto da tubulação desde a caixa de entrada do edifício até a caixa de distribuição geral. Dimensionar a tubulação de entrada.

79 Tubulação de Entrada Junto à concessionária, deve-se coletar os seguintes dados: Se a rede no local é aérea ou subterrânea. De que lado da rua passam os cabos. Se há ou não previsão de alterações da rede no local. Se o cabo de entrada for subterrâneo: Locar uma caixa subterrânea para o atendimento do edifício. Determinar o trajeto da tubulação desde a caixa de entrada do edifício até a caixa de distribuição geral. Dimensionar a tubulação de entrada.

80 Tubulação de Entrada Junto à concessionária, deve-se coletar os seguintes dados: Se a rede no local é aérea ou subterrânea. De que lado da rua passam os cabos. Se há ou não previsão de alterações da rede no local. Se o cabo de entrada for subterrâneo: Locar uma caixa subterrânea para o atendimento do edifício. Determinar o trajeto da tubulação desde a caixa de entrada do edifício até a caixa de distribuição geral. Dimensionar a tubulação de entrada.

81 Tubulação de Entrada Junto à concessionária, deve-se coletar os seguintes dados: Se a rede no local é aérea ou subterrânea. De que lado da rua passam os cabos. Se há ou não previsão de alterações da rede no local. Se o cabo de entrada for subterrâneo: Locar uma caixa subterrânea para o atendimento do edifício. Determinar o trajeto da tubulação desde a caixa de entrada do edifício até a caixa de distribuição geral. Dimensionar a tubulação de entrada.

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 4: CAIXAS DE SAÍDA CONDIÇÕES As caixas de saída devem ser projetadas nas tubulações secundárias nas seguintes condições: a) Nas entradas e saídas de fios telefônicos nos eletrodutos; b) Para diminuir

Leia mais

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ESCOLAS Realização: fdte@fdte.org.br ÍNDICE 1. Objetivo..................................................................... 3 2. Elementos de uma Rede Telefônica:............................................

Leia mais

Manual Técnico Redes de Telecomunicações em Edificações

Manual Técnico Redes de Telecomunicações em Edificações Manual Técnico Redes de Telecomunicações em Edificações Agosto 2001 Presidente do SINDUSCON-MG Teodomiro Diniz Camargos Vice-Presidente da Área de Materiais de Tecnologia Cantídio Alvim Drumond Coordenação

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo SUMÁRIO DO PROJETO TORRE 5: 100% executado 95% executado - Revestimento fachada; - 100% concluído - Aplicação de textura; - 95% concluído -

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo: TORRE 5 100% executado 98% executado - Revestimento fachada; 100% concluído - Aplicação de textura; 100% concluído - Execução do telhado; 100%

Leia mais

INFRAESTRUTURA CIVIL - CÂMARAS TRANSFORMADORAS FASCÍCULO. Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras

INFRAESTRUTURA CIVIL - CÂMARAS TRANSFORMADORAS FASCÍCULO. Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras FASCÍCULO Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para elaboração de Projeto Civil de entradas consumidoras que envolvam a implantação de obras civis subterrâneas

Leia mais

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos Operações Centrais de Rede Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural 2 Índice 1. Objetivo 2. Documentos Necessários p/ a Apresentação

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS 7 INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS 7.1 Tipos de aparelhos a gás 7.2 Localização de aparelhos a gás 7.3 Ventilação do ambiente 7.4 Exaustão dos produtos de combustão 7.5 Exemplos de instalação de aparelhos

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC Especificação para implantação de infra-estrutura Diretoria de Redes Gerência de Engenharia da Distribuição Coordenação de Engenharia SISTEMA DE MEDIÇÃO E

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

Residencial Recanto do Horizonte

Residencial Recanto do Horizonte MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Recanto do Horizonte FUNDAÇÃO E ESTRUTURA As Fundações serão executadas de acordo com o projeto estrutural, elaborado de acordo com as normas técnicas pertinentes e baseadas

Leia mais

TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS

TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS 12 - ESCADAS APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher o tipo de escada ideal para a sua edificação; Calcular corretamente as

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Regras práticas para projeto elétrico Iluminação, TUG, TUE Recomendações práticas Alguns símbolos diferentes (outra concessionária) Página do Professor - Manuel Rendón UFJF Manual

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida ...rede interna estruturada

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 15 Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Vamos dimensionar as tubulações do sistema de esgoto abaixo: 1. Análise do projeto. Temos uma casa com um banheiro, área de serviço e cozinha.

Leia mais

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08 Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar um sistema em comum. PROF. FABRICIO

Leia mais

Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 14 Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Nos projetos de sistemas prediais de esgoto sanitário vamos traçar e dimensionar as tubulações que vão desde os aparelhos sanitários até o coletor

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822 LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA N O 21/2015 1. Informações gerais sobre o local da vistoria: Imóvel sito a rua Jornalista Irineu Marinho nº 441 Icaraí Niterói RJ Nome do Condomínio: Edifício Luanda CNPJ/MP:

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: CREA/UF: Autor do Projeto Resp. Técnico: CREA/UF: Co-Autor: CREA/UF: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO:

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

Redes de Computadores II. Redes de Computadores

Redes de Computadores II. Redes de Computadores Redes de Computadores II Redes de Computadores 1 1 Padrão EIA/TIA 569A Padrões de Caminhos e Espaços em Edifícios Comerciais 2 2 Padrões de Caminhos e Espaços em Edifícios Comerciais ANSI/TIA/EIA 569-A

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO O

MEMORIAL DESCRITIVO O MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial tem por objetivo estabelecer requisitos técnicos, definir materiais e padronizar os projetos e execuções da obra localizada na Rua Jorge Marcelino Coelho, s/n, Bairro

Leia mais

Proprietário Página 1 de 6

Proprietário Página 1 de 6 MEMORIAL DESCRITIVO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO ACOPIARA PREFEITURA MUNICIPAL DE ACOPIARA(CE) DATA 10/11/2011 MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição Fossa séptica 1 FOSSA SÉPTICA Em locais onde não há rede pública de esgoto, a disposição de esgotos é feita por meio de fossas, sendo a mais utilizada a fossa séptica. Esta solução consiste em reter a

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO

FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO Rua Rishin Matsuda, 562 Vila Santa Catarina CEP 04371-000 São Paulo SP Tel. 11 5563-6477 Fax 11 5563-3107 www.elevadoreszenit.com.br FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO ORIENTAÇÃO ELEVADORES CARGAS

Leia mais

Simbologia de instalações elétricas

Simbologia de instalações elétricas Simbologia de instalações elétricas Os símbolos gráficos usados nos diagramas unifilar são definidos pela norma NBR5444, para serem usados em planta baixa (arquitetônica) do imóvel. Neste tipo de planta

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75.

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75. Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Saneamento ecológico a/c Renato Cortez 1. caixa de gordura De acordo com a NBR 8160, para a coleta de apenas uma cozinha, pode-ser uma caixa

Leia mais

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS:

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: Á PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO EM ANEXO. VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: - 12 EDIFICIOS COM 10

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS CÁLCULO DA DEMANDA E OUTRAS PROVIDÊNCIAS Prof. Marcos Fergütz Outubro/2012 INTRODUÇÃO Para a elaboração de um projeto para edifício de uso coletivo, em Santa Catarina, deve-se

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO O cabeamento vertical, ou cabeamento de backbone integra todas as conexões entre o backbone do centro administrativo e os racks departamentais,

Leia mais

DISTRIBUIDORES PARA TELEFONIA 1

DISTRIBUIDORES PARA TELEFONIA 1 DISTRIBUIDORES PARA TELEFONIA 1 Tiago Ribeiro Sapia 2 Resumo: Este artigo apresenta a estrutura básica dos distribuidores de telefonia fixa comutada, desde 1. INTRODUÇÃO sua origem até o assinante comum.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004)

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004) MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela da NBR5410/004) Método de instalação número: Esquema ilustrativo Descrição Método de instalação a utilizar para a capacidade de condução de corrente 1 1 1 eletroduto de seção

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 8 Previsão de Cargas Porto Alegre - 2012 Tópicos Cargas dos pontos de utilização Previsão de cargas conforme a norma Exemplo

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL

PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL MEDIDAS PARA CONTER A PROPAGAÇÃO DO INCÊNDIO NOS EDIFÍCIOS Compartimentação horizontal Compartimentação vertical Controle da

Leia mais

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Sistemas de Cabeamento Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Cabeamento Estruturado Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Definição Entende-se por rede interna estruturada aquela que é projetada de modo a prover uma infra-estrutura

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Line Cords e Patch Cables.

Leia mais

Comparativo quantidade de operações / tipo operação / quantidade material

Comparativo quantidade de operações / tipo operação / quantidade material 1 Introdução 2 Objetivo do Estudo 3 otivação / Justificativa 4 etodologia 5 Visita Técnica (Case de Estudo) 6 ateriais 7 Análise de preservação do material 7.1 Armazenamento (desejos + realidade) (Norma

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

Telecomunicações em Edifícios no Projeto de Arquitetura. Conteúdo

Telecomunicações em Edifícios no Projeto de Arquitetura. Conteúdo Telecomunicações em Edifícios no Projeto de Arquitetura Copyright Editora PINI Ltda. Fabio Montoro Todos os direitos de reprodução reservados pela Editora PINI Ltda. Conteúdo Capítulo 1 Arquitetura e telecomunicações

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 Página 1 de 13 COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 PADRÃO DE ENTRADA INDIVIDUAL ECONÔMICO COM POSTE DE AÇO E CAIXA DE POLICARBONATO TIPO PP Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

Centro Universitário UNICAPITAL. Faculdades Integradas Paulista FIP. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Engenharia Civil

Centro Universitário UNICAPITAL. Faculdades Integradas Paulista FIP. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Engenharia Civil Centro Universitário UNICAPITAL e Faculdades Integradas Paulista FIP Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Engenharia Civil Calcular Escadas Prof a Suely Midori Aoki Estag. Eriki Masahiko

Leia mais

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS 7 INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS Versão 2014 Data: Março / 2014 7.1. Aparelhos a gás... 7.3 7.1.1. Introdução... 7.3 7.1.2. O ambiente onde será instalado o aparelho a gás... 7.3 7.1.2.1. Ambiente a ser

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural Universidade Estadual de Maringá - Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto I Professor: Rafael Alves de Souza Recomendações para a Elaboração do Projeto

Leia mais

Transporte Vertical em Edifícios Como projetar edifícios com elevadores?

Transporte Vertical em Edifícios Como projetar edifícios com elevadores? Transporte Vertical em Edifícios Como projetar edifícios com elevadores? Nós movimentamos 1 bilhão de pessoas a cada dia... Grupo Schindler Grupo Schindler - Fundado por Robert Schindler, em 1874, na Suíça

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS Referência: Projeto: Data: MD-SPDA CER - BRASIL OUTUBRO/2013 SUMÁRIO 1 GENERALIDADES 2 DESCRIÇÃO DO PROJETO 3

Leia mais

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM 1 ND 3.5 PROJETOS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS Roberto Carlos de Souza - CEMIG Erivaldo Costa Couto -

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil

Leia mais

Sistema de Esgoto. Órgãos acessórios. Profª Gersina Nobre

Sistema de Esgoto. Órgãos acessórios. Profª Gersina Nobre Sistema de Esgoto Órgãos acessórios Profª Gersina Nobre Concepção da coleta de esgoto sanitário Para a concepção da coleta de esgoto sanitário é necessária a definição dos dispositivos que serão empregados

Leia mais

3 Medidas, Proporções e Cortes

3 Medidas, Proporções e Cortes 3 Medidas, Proporções e Cortes 3.1 Garagens A Figura 3.1 apresenta algumas dimensões que podem ser usadas para projetos de garagens. Em geral, para projetos residenciais, podem-se usar as dimensões de

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO Dezembro de 2011 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406082 Revisão 0.0 Índice ÍNDICE... I INTRODUÇÃO 1... 1 CONTEÚDO DESTE MANUAL... 1 ONDE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 002 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº 002 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010. RESOLUÇÃO Nº 002 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010. Dispõe sobre as diretrizes técnicas e condições necessárias para aprovação de PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS pela OPERADORA DO S.A.A.E em empreendimentos localizados

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 5. MATERIAIS Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 Numa instalação hidráulica, os materiais são classificados em tubos, conexões e válvulas, os quais abrangem uma grande variedade de tipos,

Leia mais

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris Instalações Prediais de Esgotos Sanitários Prof. Cristiano Considerações Gerais Regidas pela NBR 8160,, as instalações de esgotos sanitários têm a tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL.

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO DOMÉSTICO Definição: esgoto gerado nas residências

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Residencial Nihal Rua Aragão Bozano, 131 Lotes 2, Quadra 57, Torres, RS

MEMORIAL DESCRITIVO. Residencial Nihal Rua Aragão Bozano, 131 Lotes 2, Quadra 57, Torres, RS MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Nihal Rua Aragão Bozano, 131 Lotes 2, Quadra 57, Torres, RS 1. LOCALIZAÇÃO: O empreendimento localiza-se à Rua Aragão Bozano,131 Lotes 2, Quadra 57, Praia Grande, Torres/RS.

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DE USO PRIVATIVO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DE USO PRIVATIVO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC)

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Seção III Dos Locais de Reunião Art. 19 - São considerados locais de reunião: I II III IV V - estádio; - auditórios, ginásios esportivos, halls de convenção e salões de exposição; - templos religiosos;

Leia mais

Manual de Referência Técnica Elevac 200

Manual de Referência Técnica Elevac 200 Apresentação O Elevador Pneumático Elevac, fabricado pela Elevac Tecnologia em Elevadores, indústria brasileira, com patente registrada, é um sistema de transporte vertical pneumático, sem cabos, pistões

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7

SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7 Nº RD e Data de aprovação: PÁGINA : SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7 CÓDIGO : GECOM/D.C. - 01 TÍTULO DA NORMA : SUBSTITUI : SISTEMA DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA 1. PROPÓSITOS: Estabelecer

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS ESCOLA POLITÉCNICA DA USP PEA - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS ESCOLA POLITÉCNICA DA USP PEA - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS ESCOLA POLITÉCNICA DA USP PEA - LABORATÓRIO

Leia mais