Instalações Elétricas Prediais

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instalações Elétricas Prediais"

Transcrição

1 Abril de 2010

2 Sumário

3 Tópicos Sumário 1

4 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de telecomunicações. Os servíços não pertencentes à Concessionária, como interfones, sinalizações internas, antenas coletivas ou outros sistemas de telecomunicações particulares não conectados à rede pública, requererão uma tubulação independente e exclusiva.

5 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de telecomunicações. Os servíços não pertencentes à Concessionária, como interfones, sinalizações internas, antenas coletivas ou outros sistemas de telecomunicações particulares não conectados à rede pública, requererão uma tubulação independente e exclusiva.

6 As tubulações para as redes das centrais privadas de comutação telefônica dos tipos P(A)BX e Key System, que não pertençam a concessionária deverão ser separadas e independentes da tubulação telefônica do edifício. As tubulações telefônicas para as redes das centrais privadas de comutação telefônica deverão ser interligadas às ligações de uso exclusivo da Concessionária através da prumada mais próxima.

7 As tubulações para as redes das centrais privadas de comutação telefônica dos tipos P(A)BX e Key System, que não pertençam a concessionária deverão ser separadas e independentes da tubulação telefônica do edifício. As tubulações telefônicas para as redes das centrais privadas de comutação telefônica deverão ser interligadas às ligações de uso exclusivo da Concessionária através da prumada mais próxima.

8 Todos os projetos das tubulações telefônicas, referentes a edificações com três ou mais pavimentos e/ou seis ou mais pontos telefônicos deverão ser submetidos à aprovação da Concessionária. A concessionária deve orientar o construtor no sentido de que este deve solicitar a vistoria das tubulações tão logo estas estejam em condições de uso.

9 Todos os projetos das tubulações telefônicas, referentes a edificações com três ou mais pavimentos e/ou seis ou mais pontos telefônicos deverão ser submetidos à aprovação da Concessionária. A concessionária deve orientar o construtor no sentido de que este deve solicitar a vistoria das tubulações tão logo estas estejam em condições de uso.

10 Esquema Geral das Tubulações A Norma divide as tubulações em trê partes: Tubulação de Entrada Tubulação que dá entrada ao cabo da rede externa da Concessionária. Tubulação Primária Parte da ligação que compreende a caixa de distribuição geral, as caixas de distribuição e as tubulações que as interligam. Tubulação Secundária Parte da tubulação que abrange as caixas de saída e as tubulações que as interligam à caixas de distribuição.

11 Esquema Geral das Tubulações A Norma divide as tubulações em trê partes: Tubulação de Entrada Tubulação que dá entrada ao cabo da rede externa da Concessionária. Tubulação Primária Parte da ligação que compreende a caixa de distribuição geral, as caixas de distribuição e as tubulações que as interligam. Tubulação Secundária Parte da tubulação que abrange as caixas de saída e as tubulações que as interligam à caixas de distribuição.

12 Esquema Geral das Tubulações A Norma divide as tubulações em trê partes: Tubulação de Entrada Tubulação que dá entrada ao cabo da rede externa da Concessionária. Tubulação Primária Parte da ligação que compreende a caixa de distribuição geral, as caixas de distribuição e as tubulações que as interligam. Tubulação Secundária Parte da tubulação que abrange as caixas de saída e as tubulações que as interligam à caixas de distribuição.

13 Esquema Geral das Tubulações A Norma divide as tubulações em trê partes: Tubulação de Entrada Tubulação que dá entrada ao cabo da rede externa da Concessionária. Tubulação Primária Parte da ligação que compreende a caixa de distribuição geral, as caixas de distribuição e as tubulações que as interligam. Tubulação Secundária Parte da tubulação que abrange as caixas de saída e as tubulações que as interligam à caixas de distribuição.

14 Previsão dos Pontos Telefônicos Residências ou Apartamentos: De até 2 quartos 01 ponto telefônico. De 3 quartos 02 pontos tefônicos. De 4 ou mais quartos 03 pontos telefônicos. Lojas: 01 ponto telefônico/50 m 2 Escritórios 01 ponto telefônico /10 m 2

15 Previsão dos Pontos Telefônicos Residências ou Apartamentos: De até 2 quartos 01 ponto telefônico. De 3 quartos 02 pontos tefônicos. De 4 ou mais quartos 03 pontos telefônicos. Lojas: 01 ponto telefônico/50 m 2 Escritórios 01 ponto telefônico /10 m 2

16 Previsão dos Pontos Telefônicos Residências ou Apartamentos: De até 2 quartos 01 ponto telefônico. De 3 quartos 02 pontos tefônicos. De 4 ou mais quartos 03 pontos telefônicos. Lojas: 01 ponto telefônico/50 m 2 Escritórios 01 ponto telefônico /10 m 2

17 Previsão dos Pontos Telefônicos Residências ou Apartamentos: De até 2 quartos 01 ponto telefônico. De 3 quartos 02 pontos tefônicos. De 4 ou mais quartos 03 pontos telefônicos. Lojas: 01 ponto telefônico/50 m 2 Escritórios 01 ponto telefônico /10 m 2

18 Previsão dos Pontos Telefônicos Residências ou Apartamentos: De até 2 quartos 01 ponto telefônico. De 3 quartos 02 pontos tefônicos. De 4 ou mais quartos 03 pontos telefônicos. Lojas: 01 ponto telefônico/50 m 2 Escritórios 01 ponto telefônico /10 m 2

19 Previsão dos Pontos Telefônicos Residências ou Apartamentos: De até 2 quartos 01 ponto telefônico. De 3 quartos 02 pontos tefônicos. De 4 ou mais quartos 03 pontos telefônicos. Lojas: 01 ponto telefônico/50 m 2 Escritórios 01 ponto telefônico /10 m 2

20 Determinação do N das caixas de saída O número das caixas de saída previsto para uma determinada parte de um edifício deve corresponder ao número de pontos telefônicos mais as extensões necessárias. Residências ou apartamenos Prever, no mínimo, uma caixa de saída na sala, na copa ou cozinha e nos quartos. Escritórios até 10 caixas de saída, distribuir de forma equidistante. Mais de 10 caixas distribuir no piso conforme a necessidade.

21 Determinação do N das caixas de saída O número das caixas de saída previsto para uma determinada parte de um edifício deve corresponder ao número de pontos telefônicos mais as extensões necessárias. Residências ou apartamenos Prever, no mínimo, uma caixa de saída na sala, na copa ou cozinha e nos quartos. Escritórios até 10 caixas de saída, distribuir de forma equidistante. Mais de 10 caixas distribuir no piso conforme a necessidade.

22 Determinação do N das caixas de saída O número das caixas de saída previsto para uma determinada parte de um edifício deve corresponder ao número de pontos telefônicos mais as extensões necessárias. Residências ou apartamenos Prever, no mínimo, uma caixa de saída na sala, na copa ou cozinha e nos quartos. Escritórios até 10 caixas de saída, distribuir de forma equidistante. Mais de 10 caixas distribuir no piso conforme a necessidade.

23 Dimensionamento das tubulações primárias e secundárias Numero de pontos acumulados na seção Diâmetro interno mínimo dos tubos em (mm) Até De 6 a De 22 a De 36 a De 141 a De 281 a * 2* Acima de 420 poço de elevação * A critério da concessionária, deverá ser utilizado poço de elevação. Quantidade nima de Tubos

24 Dimensionamento das caixas internas As caixas de passagem, de distribuição e distribuição geral são dimensionadas em função do número de pontos telefônicos acumulados. Pontos acumulados Caixa de distribui- Caixa de caixa de na caixa ção Geral distribuição passagem Até 5 N o 1 De 6 a 21 N o 4 N o 3 N o 2 De 22 a 35 N o 5 N o 4 N o 3 De 36 a 70 N o 6 N o 5 N o 4 De 71 a 140 N o 7 N o 6 N o 5 De 141 a 280 N o 8 N o 7 N o 6 De 281 a 420 N o 8 N o 7 N o 7 Acima de 420 Poço de Elevação

25 Dimensionamento da tubulação de entrada Para Tubulação subterrânea: Número de Pontos Diâmetro Interno Quantidade Mítos do Edifício mínimo dos Dunima de Dutos (mm) Até De 70 a De 421 a Acima estudo conjunto com a Concessionária

26 Dimensionamento da caixa de entrada do edifício Número Total de Pontos do Edifício Tipo Dimensões Internas de Caixa Comprimento (cm) Largura (cm) Altura (cm) Até 35 R Até 36 a 140 R Até 141 a 420 R Acima de

27 Tópicos Sumário 1

28 Dimensionamento de poços de elevação Obrigatórios nos casos em que o número de pontos telefônicos acumulados na prumada exceder a 420. Constituídos de cúbiculos dispostos verticalmente, de altura igual ao pé direito, ligados entre si através de abertura nas lajes. O cubículo deve ter: Largura => 1,5 m; profundidade => 0,4 m. As portas dos cubículos devem ser providas de soleiras, de 0,10 m de altura, e devem ser 2,10 m de altura mínima. A largura das portas deve corresponder à largura do cubículo e pode ter uma ou duas folhas, abrindo para fora e possuir fechadura. As tubulações secundárias de cada andar devem sair pelo piso, enconstadas à parede do fundo do cubículo

29 Dimensionamento de poços de elevação Obrigatórios nos casos em que o número de pontos telefônicos acumulados na prumada exceder a 420. Constituídos de cúbiculos dispostos verticalmente, de altura igual ao pé direito, ligados entre si através de abertura nas lajes. O cubículo deve ter: Largura => 1,5 m; profundidade => 0,4 m. As portas dos cubículos devem ser providas de soleiras, de 0,10 m de altura, e devem ser 2,10 m de altura mínima. A largura das portas deve corresponder à largura do cubículo e pode ter uma ou duas folhas, abrindo para fora e possuir fechadura. As tubulações secundárias de cada andar devem sair pelo piso, enconstadas à parede do fundo do cubículo

30 Dimensionamento de poços de elevação Obrigatórios nos casos em que o número de pontos telefônicos acumulados na prumada exceder a 420. Constituídos de cúbiculos dispostos verticalmente, de altura igual ao pé direito, ligados entre si através de abertura nas lajes. O cubículo deve ter: Largura => 1,5 m; profundidade => 0,4 m. As portas dos cubículos devem ser providas de soleiras, de 0,10 m de altura, e devem ser 2,10 m de altura mínima. A largura das portas deve corresponder à largura do cubículo e pode ter uma ou duas folhas, abrindo para fora e possuir fechadura. As tubulações secundárias de cada andar devem sair pelo piso, enconstadas à parede do fundo do cubículo

31 Dimensionamento de poços de elevação Obrigatórios nos casos em que o número de pontos telefônicos acumulados na prumada exceder a 420. Constituídos de cúbiculos dispostos verticalmente, de altura igual ao pé direito, ligados entre si através de abertura nas lajes. O cubículo deve ter: Largura => 1,5 m; profundidade => 0,4 m. As portas dos cubículos devem ser providas de soleiras, de 0,10 m de altura, e devem ser 2,10 m de altura mínima. A largura das portas deve corresponder à largura do cubículo e pode ter uma ou duas folhas, abrindo para fora e possuir fechadura. As tubulações secundárias de cada andar devem sair pelo piso, enconstadas à parede do fundo do cubículo

32 Dimensionamento de poços de elevação Obrigatórios nos casos em que o número de pontos telefônicos acumulados na prumada exceder a 420. Constituídos de cúbiculos dispostos verticalmente, de altura igual ao pé direito, ligados entre si através de abertura nas lajes. O cubículo deve ter: Largura => 1,5 m; profundidade => 0,4 m. As portas dos cubículos devem ser providas de soleiras, de 0,10 m de altura, e devem ser 2,10 m de altura mínima. A largura das portas deve corresponder à largura do cubículo e pode ter uma ou duas folhas, abrindo para fora e possuir fechadura. As tubulações secundárias de cada andar devem sair pelo piso, enconstadas à parede do fundo do cubículo

33 Dimensionamento de poços de elevação Obrigatórios nos casos em que o número de pontos telefônicos acumulados na prumada exceder a 420. Constituídos de cúbiculos dispostos verticalmente, de altura igual ao pé direito, ligados entre si através de abertura nas lajes. O cubículo deve ter: Largura => 1,5 m; profundidade => 0,4 m. As portas dos cubículos devem ser providas de soleiras, de 0,10 m de altura, e devem ser 2,10 m de altura mínima. A largura das portas deve corresponder à largura do cubículo e pode ter uma ou duas folhas, abrindo para fora e possuir fechadura. As tubulações secundárias de cada andar devem sair pelo piso, enconstadas à parede do fundo do cubículo

34 Dimensionamento de poços de elevação-cont.

35 Dimensionamento de salas do distribuidor geral Quando for necessário uma caixa de distribuição de grandes dimensões, será necessário projetar uma sala especial para o distribuidor geral. As dimensões devem ser determinadas em conjunto com a concessionária. Uma orientação que poderá ser seguida é a seguinte: Edifícios com até 1000 pontos: 6 m 2. Edifícios com mais de 1000 pontos: 1 m 2 adicional para cada 500 pontos pi fração que ultrapassar ps 1000 pontos iniciais.

36 Dimensionamento de salas do distribuidor geral Quando for necessário uma caixa de distribuição de grandes dimensões, será necessário projetar uma sala especial para o distribuidor geral. As dimensões devem ser determinadas em conjunto com a concessionária. Uma orientação que poderá ser seguida é a seguinte: Edifícios com até 1000 pontos: 6 m 2. Edifícios com mais de 1000 pontos: 1 m 2 adicional para cada 500 pontos pi fração que ultrapassar ps 1000 pontos iniciais.

37 Dimensionamento de salas do distribuidor geral Quando for necessário uma caixa de distribuição de grandes dimensões, será necessário projetar uma sala especial para o distribuidor geral. As dimensões devem ser determinadas em conjunto com a concessionária. Uma orientação que poderá ser seguida é a seguinte: Edifícios com até 1000 pontos: 6 m 2. Edifícios com mais de 1000 pontos: 1 m 2 adicional para cada 500 pontos pi fração que ultrapassar ps 1000 pontos iniciais.

38 Dimensionamento de salas do distribuidor geral Quando for necessário uma caixa de distribuição de grandes dimensões, será necessário projetar uma sala especial para o distribuidor geral. As dimensões devem ser determinadas em conjunto com a concessionária. Uma orientação que poderá ser seguida é a seguinte: Edifícios com até 1000 pontos: 6 m 2. Edifícios com mais de 1000 pontos: 1 m 2 adicional para cada 500 pontos pi fração que ultrapassar ps 1000 pontos iniciais.

39 Dimensionamento de salas do distribuidor geral Quando for necessário uma caixa de distribuição de grandes dimensões, será necessário projetar uma sala especial para o distribuidor geral. As dimensões devem ser determinadas em conjunto com a concessionária. Uma orientação que poderá ser seguida é a seguinte: Edifícios com até 1000 pontos: 6 m 2. Edifícios com mais de 1000 pontos: 1 m 2 adicional para cada 500 pontos pi fração que ultrapassar ps 1000 pontos iniciais.

40 Tópicos Sumário 1

41 1 Tubulação secundária. 2 Tubulação Primária. 3 Tubulação de entrada.

42 1 Tubulação secundária. 2 Tubulação Primária. 3 Tubulação de entrada.

43 1 Tubulação secundária. 2 Tubulação Primária. 3 Tubulação de entrada.

44 Tubulação secundária Determinar o número e os locais onde deverão ser instaladas as caixas de saída em cada parte do edifício. Determinar, dentro de cada parte do edifício, onde ficará a caixa de saída principal que será interligada com a caixa de distribuição que atende ao andar. Determinar o trajeto da tubulação, interligando as caixas de saída à caixa principal. Adicionar caixas de passagem caso necessário. Determinar o diâmetro dos tubos e as dimensões das caixas pertencentes à tubulação secundária. Elaborar, caso necessário, a distribuição em malha no piso.

45 Tubulação secundária Determinar o número e os locais onde deverão ser instaladas as caixas de saída em cada parte do edifício. Determinar, dentro de cada parte do edifício, onde ficará a caixa de saída principal que será interligada com a caixa de distribuição que atende ao andar. Determinar o trajeto da tubulação, interligando as caixas de saída à caixa principal. Adicionar caixas de passagem caso necessário. Determinar o diâmetro dos tubos e as dimensões das caixas pertencentes à tubulação secundária. Elaborar, caso necessário, a distribuição em malha no piso.

46 Tubulação secundária Determinar o número e os locais onde deverão ser instaladas as caixas de saída em cada parte do edifício. Determinar, dentro de cada parte do edifício, onde ficará a caixa de saída principal que será interligada com a caixa de distribuição que atende ao andar. Determinar o trajeto da tubulação, interligando as caixas de saída à caixa principal. Adicionar caixas de passagem caso necessário. Determinar o diâmetro dos tubos e as dimensões das caixas pertencentes à tubulação secundária. Elaborar, caso necessário, a distribuição em malha no piso.

47 Tubulação secundária Determinar o número e os locais onde deverão ser instaladas as caixas de saída em cada parte do edifício. Determinar, dentro de cada parte do edifício, onde ficará a caixa de saída principal que será interligada com a caixa de distribuição que atende ao andar. Determinar o trajeto da tubulação, interligando as caixas de saída à caixa principal. Adicionar caixas de passagem caso necessário. Determinar o diâmetro dos tubos e as dimensões das caixas pertencentes à tubulação secundária. Elaborar, caso necessário, a distribuição em malha no piso.

48 Tubulação secundária Determinar o número e os locais onde deverão ser instaladas as caixas de saída em cada parte do edifício. Determinar, dentro de cada parte do edifício, onde ficará a caixa de saída principal que será interligada com a caixa de distribuição que atende ao andar. Determinar o trajeto da tubulação, interligando as caixas de saída à caixa principal. Adicionar caixas de passagem caso necessário. Determinar o diâmetro dos tubos e as dimensões das caixas pertencentes à tubulação secundária. Elaborar, caso necessário, a distribuição em malha no piso.

49 Tubulação primária Sumário Determinar o número de prumadas, que pode ser maior que um nas situações: Existência de obstáculos intransponíveis no trajeto da tubulação vertical. Concepções arquitetônicas que estabeleçam blocos separados sobre a mesma base. Edifícios que possuam várias entradas, com áreas de circulação independentes. Calcular o número de total de pontos telefônicos (não incluir as extensões) de cada andar atendidos através de uma mesma prumada.

50 Tubulação primária Sumário Determinar o número de prumadas, que pode ser maior que um nas situações: Existência de obstáculos intransponíveis no trajeto da tubulação vertical. Concepções arquitetônicas que estabeleçam blocos separados sobre a mesma base. Edifícios que possuam várias entradas, com áreas de circulação independentes. Calcular o número de total de pontos telefônicos (não incluir as extensões) de cada andar atendidos através de uma mesma prumada.

51 Tubulação primária Sumário Determinar o número de prumadas, que pode ser maior que um nas situações: Existência de obstáculos intransponíveis no trajeto da tubulação vertical. Concepções arquitetônicas que estabeleçam blocos separados sobre a mesma base. Edifícios que possuam várias entradas, com áreas de circulação independentes. Calcular o número de total de pontos telefônicos (não incluir as extensões) de cada andar atendidos através de uma mesma prumada.

52 Tubulação primária Sumário Determinar o número de prumadas, que pode ser maior que um nas situações: Existência de obstáculos intransponíveis no trajeto da tubulação vertical. Concepções arquitetônicas que estabeleçam blocos separados sobre a mesma base. Edifícios que possuam várias entradas, com áreas de circulação independentes. Calcular o número de total de pontos telefônicos (não incluir as extensões) de cada andar atendidos através de uma mesma prumada.

53 Tubulação primária Sumário Determinar o número de prumadas, que pode ser maior que um nas situações: Existência de obstáculos intransponíveis no trajeto da tubulação vertical. Concepções arquitetônicas que estabeleçam blocos separados sobre a mesma base. Edifícios que possuam várias entradas, com áreas de circulação independentes. Calcular o número de total de pontos telefônicos (não incluir as extensões) de cada andar atendidos através de uma mesma prumada.

54

55

56

57 Tubulação primária-cont. Quando o total de pontos for menor ou igual a 420, pode-se executar a prumada em tubulação convencional, segundo os critérios: Caixa de distribuição Geral. A caixa, obrigatoriamente, deverá estar localizada no andar térreo. a caixa não deve ser localizada dentro de salões de festas ou áreas de difícil acesso.

58 Tubulação primária-cont. Quando o total de pontos for menor ou igual a 420, pode-se executar a prumada em tubulação convencional, segundo os critérios: Caixa de distribuição Geral. A caixa, obrigatoriamente, deverá estar localizada no andar térreo. a caixa não deve ser localizada dentro de salões de festas ou áreas de difícil acesso.

59 Tubulação primária-cont. Quando o total de pontos for menor ou igual a 420, pode-se executar a prumada em tubulação convencional, segundo os critérios: Caixa de distribuição Geral. A caixa, obrigatoriamente, deverá estar localizada no andar térreo. a caixa não deve ser localizada dentro de salões de festas ou áreas de difícil acesso.

60 Tubulação primária-cont. Quando o total de pontos for menor ou igual a 420, pode-se executar a prumada em tubulação convencional, segundo os critérios: Caixa de distribuição Geral. A caixa, obrigatoriamente, deverá estar localizada no andar térreo. a caixa não deve ser localizada dentro de salões de festas ou áreas de difícil acesso.

61 Tubulação primária-cont Caixas de distribuição segundo a tabela: N o de andares até 2 Andares Térreo 2 o 5 o 8 o 11 o 14 o 17 o 20 o 23 o 26 o 29 o X de 3 a 4 X X de 5 a 7 X X X de 8 a 10 X X X X de 11 a 13 X X X X X de 14 a 16 X X X X X X de 17 a 19 X X X X X X X de 20 a 22 X X X X X x X X de 23 a 25 X X X X X X X X X de 26 a 28 X X X X X X X X X X de 29 a 31 X X X X X X X X X X X

62 Tubulação primária -Cont. Como regra geral, cada caixa de distribuição deve atender a um andar abaixo e um acima. As últimas caixas das prumadas podem ser atendidas por uma caixa de distribuição a dois andares. Determinar a tubulação, planejando as caixas de passagem se for necessário. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada trecho da tubulação e clacular o número de pontos atendidos por cada caixa de distribuição que alimenta um ou mais andares. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada caixa de distribuição, começando pela mais distante e terminando na caixa de distribuição geral.

63 Tubulação primária -Cont. Como regra geral, cada caixa de distribuição deve atender a um andar abaixo e um acima. As últimas caixas das prumadas podem ser atendidas por uma caixa de distribuição a dois andares. Determinar a tubulação, planejando as caixas de passagem se for necessário. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada trecho da tubulação e clacular o número de pontos atendidos por cada caixa de distribuição que alimenta um ou mais andares. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada caixa de distribuição, começando pela mais distante e terminando na caixa de distribuição geral.

64 Tubulação primária -Cont. Como regra geral, cada caixa de distribuição deve atender a um andar abaixo e um acima. As últimas caixas das prumadas podem ser atendidas por uma caixa de distribuição a dois andares. Determinar a tubulação, planejando as caixas de passagem se for necessário. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada trecho da tubulação e clacular o número de pontos atendidos por cada caixa de distribuição que alimenta um ou mais andares. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada caixa de distribuição, começando pela mais distante e terminando na caixa de distribuição geral.

65 Tubulação primária -Cont. Como regra geral, cada caixa de distribuição deve atender a um andar abaixo e um acima. As últimas caixas das prumadas podem ser atendidas por uma caixa de distribuição a dois andares. Determinar a tubulação, planejando as caixas de passagem se for necessário. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada trecho da tubulação e clacular o número de pontos atendidos por cada caixa de distribuição que alimenta um ou mais andares. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada caixa de distribuição, começando pela mais distante e terminando na caixa de distribuição geral.

66 Tubulação primária -Cont. Como regra geral, cada caixa de distribuição deve atender a um andar abaixo e um acima. As últimas caixas das prumadas podem ser atendidas por uma caixa de distribuição a dois andares. Determinar a tubulação, planejando as caixas de passagem se for necessário. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada trecho da tubulação e clacular o número de pontos atendidos por cada caixa de distribuição que alimenta um ou mais andares. Calcular o número total de pontos telefônicos acumulados em cada caixa de distribuição, começando pela mais distante e terminando na caixa de distribuição geral.

67 Tubulação primária -Cont. Determinar as dimensões das caixas e a quantidade e diâmetro dos tubos que as interligam.

68 Tubulação de Entrada Inicialmente define-se se será subterrâneo ou aéreo. Subterrâneo: O edifício possuir mais que 20 pontos telefônicos. A rede da concessionária for subterrânea no local. Preferência do construtor. Aérea: O Edifício possuir 20 pontos telefônicos ou menos. As condições da concessionária permitirem.

69 Tubulação de Entrada Inicialmente define-se se será subterrâneo ou aéreo. Subterrâneo: O edifício possuir mais que 20 pontos telefônicos. A rede da concessionária for subterrânea no local. Preferência do construtor. Aérea: O Edifício possuir 20 pontos telefônicos ou menos. As condições da concessionária permitirem.

70 Tubulação de Entrada Inicialmente define-se se será subterrâneo ou aéreo. Subterrâneo: O edifício possuir mais que 20 pontos telefônicos. A rede da concessionária for subterrânea no local. Preferência do construtor. Aérea: O Edifício possuir 20 pontos telefônicos ou menos. As condições da concessionária permitirem.

71 Tubulação de Entrada Inicialmente define-se se será subterrâneo ou aéreo. Subterrâneo: O edifício possuir mais que 20 pontos telefônicos. A rede da concessionária for subterrânea no local. Preferência do construtor. Aérea: O Edifício possuir 20 pontos telefônicos ou menos. As condições da concessionária permitirem.

72 Tubulação de Entrada Inicialmente define-se se será subterrâneo ou aéreo. Subterrâneo: O edifício possuir mais que 20 pontos telefônicos. A rede da concessionária for subterrânea no local. Preferência do construtor. Aérea: O Edifício possuir 20 pontos telefônicos ou menos. As condições da concessionária permitirem.

73 Tubulação de Entrada Inicialmente define-se se será subterrâneo ou aéreo. Subterrâneo: O edifício possuir mais que 20 pontos telefônicos. A rede da concessionária for subterrânea no local. Preferência do construtor. Aérea: O Edifício possuir 20 pontos telefônicos ou menos. As condições da concessionária permitirem.

74 Tubulação de Entrada Inicialmente define-se se será subterrâneo ou aéreo. Subterrâneo: O edifício possuir mais que 20 pontos telefônicos. A rede da concessionária for subterrânea no local. Preferência do construtor. Aérea: O Edifício possuir 20 pontos telefônicos ou menos. As condições da concessionária permitirem.

75 Tubulação de Entrada Inicialmente define-se se será subterrâneo ou aéreo. Subterrâneo: O edifício possuir mais que 20 pontos telefônicos. A rede da concessionária for subterrânea no local. Preferência do construtor. Aérea: O Edifício possuir 20 pontos telefônicos ou menos. As condições da concessionária permitirem.

76 Tubulação de Entrada Junto à concessionária, deve-se coletar os seguintes dados: Se a rede no local é aérea ou subterrânea. De que lado da rua passam os cabos. Se há ou não previsão de alterações da rede no local. Se o cabo de entrada for subterrâneo: Locar uma caixa subterrânea para o atendimento do edifício. Determinar o trajeto da tubulação desde a caixa de entrada do edifício até a caixa de distribuição geral. Dimensionar a tubulação de entrada.

77 Tubulação de Entrada Junto à concessionária, deve-se coletar os seguintes dados: Se a rede no local é aérea ou subterrânea. De que lado da rua passam os cabos. Se há ou não previsão de alterações da rede no local. Se o cabo de entrada for subterrâneo: Locar uma caixa subterrânea para o atendimento do edifício. Determinar o trajeto da tubulação desde a caixa de entrada do edifício até a caixa de distribuição geral. Dimensionar a tubulação de entrada.

78 Tubulação de Entrada Junto à concessionária, deve-se coletar os seguintes dados: Se a rede no local é aérea ou subterrânea. De que lado da rua passam os cabos. Se há ou não previsão de alterações da rede no local. Se o cabo de entrada for subterrâneo: Locar uma caixa subterrânea para o atendimento do edifício. Determinar o trajeto da tubulação desde a caixa de entrada do edifício até a caixa de distribuição geral. Dimensionar a tubulação de entrada.

79 Tubulação de Entrada Junto à concessionária, deve-se coletar os seguintes dados: Se a rede no local é aérea ou subterrânea. De que lado da rua passam os cabos. Se há ou não previsão de alterações da rede no local. Se o cabo de entrada for subterrâneo: Locar uma caixa subterrânea para o atendimento do edifício. Determinar o trajeto da tubulação desde a caixa de entrada do edifício até a caixa de distribuição geral. Dimensionar a tubulação de entrada.

80 Tubulação de Entrada Junto à concessionária, deve-se coletar os seguintes dados: Se a rede no local é aérea ou subterrânea. De que lado da rua passam os cabos. Se há ou não previsão de alterações da rede no local. Se o cabo de entrada for subterrâneo: Locar uma caixa subterrânea para o atendimento do edifício. Determinar o trajeto da tubulação desde a caixa de entrada do edifício até a caixa de distribuição geral. Dimensionar a tubulação de entrada.

81 Tubulação de Entrada Junto à concessionária, deve-se coletar os seguintes dados: Se a rede no local é aérea ou subterrânea. De que lado da rua passam os cabos. Se há ou não previsão de alterações da rede no local. Se o cabo de entrada for subterrâneo: Locar uma caixa subterrânea para o atendimento do edifício. Determinar o trajeto da tubulação desde a caixa de entrada do edifício até a caixa de distribuição geral. Dimensionar a tubulação de entrada.

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 4: CAIXAS DE SAÍDA CONDIÇÕES As caixas de saída devem ser projetadas nas tubulações secundárias nas seguintes condições: a) Nas entradas e saídas de fios telefônicos nos eletrodutos; b) Para diminuir

Leia mais

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ESCOLAS Realização: fdte@fdte.org.br ÍNDICE 1. Objetivo..................................................................... 3 2. Elementos de uma Rede Telefônica:............................................

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC Especificação para implantação de infra-estrutura Diretoria de Redes Gerência de Engenharia da Distribuição Coordenação de Engenharia SISTEMA DE MEDIÇÃO E

Leia mais

Redes de Computadores II. Redes de Computadores

Redes de Computadores II. Redes de Computadores Redes de Computadores II Redes de Computadores 1 1 Padrão EIA/TIA 569A Padrões de Caminhos e Espaços em Edifícios Comerciais 2 2 Padrões de Caminhos e Espaços em Edifícios Comerciais ANSI/TIA/EIA 569-A

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Seção III Dos Locais de Reunião Art. 19 - São considerados locais de reunião: I II III IV V - estádio; - auditórios, ginásios esportivos, halls de convenção e salões de exposição; - templos religiosos;

Leia mais

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos Operações Centrais de Rede Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural 2 Índice 1. Objetivo 2. Documentos Necessários p/ a Apresentação

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 8 Previsão de Cargas Porto Alegre - 2012 Tópicos Cargas dos pontos de utilização Previsão de cargas conforme a norma Exemplo

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Regras práticas para projeto elétrico Iluminação, TUG, TUE Recomendações práticas Alguns símbolos diferentes (outra concessionária) Página do Professor - Manuel Rendón UFJF Manual

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08 Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar um sistema em comum. PROF. FABRICIO

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS CÁLCULO DA DEMANDA E OUTRAS PROVIDÊNCIAS Prof. Marcos Fergütz Outubro/2012 INTRODUÇÃO Para a elaboração de um projeto para edifício de uso coletivo, em Santa Catarina, deve-se

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO

PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC Indicação Indicada para permitir acesso a desníveis de até 2m. Acesso a mezaninos, entradas de edifícios

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Cabeamento Estruturado Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Definição Entende-se por rede interna estruturada aquela que é projetada de modo a prover uma infra-estrutura

Leia mais

Crescendo com Você. Montagem de Sistemas

Crescendo com Você. Montagem de Sistemas Crescendo com Você Montagem de Sistemas Estocagem Armazene as chapas em local seco e abrigado. Transporte as chapas de duas em duas. Transporte as chapas na posição vertical. Os calços devem ter 5 cm de

Leia mais

Manual Técnico Redes de Telecomunicações em Edificações

Manual Técnico Redes de Telecomunicações em Edificações Manual Técnico Redes de Telecomunicações em Edificações Agosto 2001 Presidente do SINDUSCON-MG Teodomiro Diniz Camargos Vice-Presidente da Área de Materiais de Tecnologia Cantídio Alvim Drumond Coordenação

Leia mais

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Escadas Escada é o elemento de composição arquitetônica cuja função é proporcionar a possibilidade de circulação vertical entre dois ou mais pisos

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2011 Instrução Técnica nº 23/2011 - Sistemas de chuveiros automáticos 513 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

TABELA I CASAS POPULARES OU DE INTERESSE SOCIAL UNIFAMILIAR

TABELA I CASAS POPULARES OU DE INTERESSE SOCIAL UNIFAMILIAR -fl.44- TABELA I CASAS POPULARES OU DE INTERESSE SOCIAL UNIFAMILIAR PÉ DIREITO REVESTIMENTO PAREDES 01 SALA DE ESTAR 2.00 8.00 1/8 1/16 2.50 3 x P.D. - - 02 DORMITÓRIO ÚNICO 2.00 8.00 1/8 1/16 2.50 3 x

Leia mais

Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 14 Projeto de Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Nos projetos de sistemas prediais de esgoto sanitário vamos traçar e dimensionar as tubulações que vão desde os aparelhos sanitários até o coletor

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição Fossa séptica 1 FOSSA SÉPTICA Em locais onde não há rede pública de esgoto, a disposição de esgotos é feita por meio de fossas, sendo a mais utilizada a fossa séptica. Esta solução consiste em reter a

Leia mais

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico?

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico? PLANTA BAIXA AULA 09 Projetos de Arquitetura: Conceitos e Representações 1 O que é um Projeto Arquitetônico? conjunto de passos normativos, voltados para o planejamento formal de um edifício qualquer,

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD

INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD ANEXO 5 Contrato de Fornecimento de Serviços de Exploração Industrial de Linhas Dedicadas EILD entre a BRASIL e a OPERADORA INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD Página 1 de 7

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Lançamento de Condutores 7. Fixação Definitiva do Condutor 8. Identificação de Fases

Leia mais

Interfonia com Vídeo. * Dependendo dos recursos utilizados, os demais serão inviabilizados. Para maiores informações consulte cada produto

Interfonia com Vídeo. * Dependendo dos recursos utilizados, os demais serão inviabilizados. Para maiores informações consulte cada produto Interfonia com Vídeo Fácil instalação com maior segurança. Através de apenas quatro fios entre as unidades, já é possível atender a um visitante e vê-lo, sem a necessidade de ir até o portão / porta. Os

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil AULA 06 - LOCAÇÃO DE OBRAS Introdução: A locação da obra é o processo de transferência da planta baixa do projeto da edificação para o terreno, ou seja, os recuos, os afastamentos, os alicerces, as paredes,

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso

plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso OUT / 2011 plataforma elevatória ac 02 Indicação Indicada para permitir acesso a desníveis de até 2m. Acesso a mezaninos, entradas de edifícios residenciais

Leia mais

INSTALAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA PARA CABEAMENTO LÓGICO

INSTALAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA PARA CABEAMENTO LÓGICO INSTALAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA PARA CABEAMENTO LÓGICO ELETROCALHAS A instalação das eletrocalhas em uma infra-estrutura para suportar os cabos lógicos e elétricos devem seguir algumas normas para que não

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo: TORRE 5 100% executado 98% executado - Revestimento fachada; 100% concluído - Aplicação de textura; 100% concluído - Execução do telhado; 100%

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 43/2011 às normas de segurança contra incêndio edificações existentes

Leia mais

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Normas CEMIG ND2.1 - Instalações Básicas de Redes de Distribuição Áreas Urbanas ND3.1 - Projetos de Redes de Distribuição Aéreas Urbanas RDU Rede de Distribuição

Leia mais

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM 1 ND 3.5 PROJETOS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS Roberto Carlos de Souza - CEMIG Erivaldo Costa Couto -

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo SUMÁRIO DO PROJETO TORRE 5: 100% executado 95% executado - Revestimento fachada; - 100% concluído - Aplicação de textura; - 95% concluído -

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

CONVENÇÃO DE CONDOMÍNIO CENTRO EMPRESARIAL ASSIS CHATEAUBRIAND LOTE 01 SETOR DE RÁDIO E TV SUL

CONVENÇÃO DE CONDOMÍNIO CENTRO EMPRESARIAL ASSIS CHATEAUBRIAND LOTE 01 SETOR DE RÁDIO E TV SUL GRUPO OK CONSTRUÇÕES E INCORPORAÇÕES S/A, empresa com sede na rua Guararapes, no 1855, Conjunto 101, do 10º andar, Brooklin Novo, na cidade de São Paulo-SP, inscrita no CGC/MF sob o no 01.535.160/0001-06,

Leia mais

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. 1 Introdução

PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. 1 Introdução PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1 Introdução As instalações elétricas de baixa tensão são regidas no Brasil pela norma NBR 5410 (também conhecida por NB-3). Esta norma aplica-se às instalações

Leia mais

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações Laboratório de Redes. Cabeamento Estruturado Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações de edifícios

Leia mais

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS REDES DE ESGOTO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE REDE DE ESGOTO SANITÁRIO Deverão ser obedecidas as normas NBR 9649, 8160 e 9648 da ABNT sobre o assunto

Leia mais

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação.

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. ESCADAS Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. Componentes da escada: Degraus: São os múltiplos níveis

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014 Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014 1 DO OBJETO 1.1 Prestação de serviços de instalação de piso elevado acessível, com fornecimento de componentes, acessórios e materiais, visando

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7)

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) Rede de capitação, tratamento e distribuição de água Rede de drenagem de águas pluviais Rede de coleta e tratamento de esgoto Serviço de coleta e tratamento de resíduos

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA 1. OBJETIVO O presente comunicado técnico tem como objetivo oferecer orientação aos projetistas

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 6 Cabeamento Residencial Cabeamento residencial Sistema que integra os serviços de telecomunicações em uma residência: Rede local de computadores, acesso à internet, controle

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA I-321.00XX MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA PEP 1/27 1- OBJETIVO O presente manual tem o objetivo de orientar

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Cabeamento Estruturado Prof. Marciano dos Santos Dionizio Norma ANSI/EIA/TIA 568B Divide um sistema de cabeamento em subsistemas: 1. Facilidades de Entrada (pela NBR14565: Sala de Entrada de Telecomunicações

Leia mais

Simbologia de instalações elétricas

Simbologia de instalações elétricas Simbologia de instalações elétricas Os símbolos gráficos usados nos diagramas unifilar são definidos pela norma NBR5444, para serem usados em planta baixa (arquitetônica) do imóvel. Neste tipo de planta

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Colectores planos Suporte de instalação 6 720 643 442 (2010/03) PT 6720616592.00-1.SD Indice Indice 1 Esclarecimento dos símbolos e indicações de segurança...............................

Leia mais

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS 7 INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS 7.1 Tipos de aparelhos a gás 7.2 Localização de aparelhos a gás 7.3 Ventilação do ambiente 7.4 Exaustão dos produtos de combustão 7.5 Exemplos de instalação de aparelhos

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 23/2011 Sistema de chuveiros automáticos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

NPT 023 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NPT 023 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 023 Sistema de chuveiros automáticos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas

Leia mais

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS. Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 8 páginas

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS. Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 8 páginas Outubro 2014 Vigência: 08 outubro 2014 NPT 002 Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes e antigas CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 8 páginas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO O cabeamento vertical, ou cabeamento de backbone integra todas as conexões entre o backbone do centro administrativo e os racks departamentais,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO NATUR-GREASE

SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO NATUR-GREASE SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO EN 109 Km 160,3 2425-737 Ortigosa Leiria ; Telf, 244616073 / Fax: 244616074 E-mail: geo@tubofuro,pt www.tubofuro.pt Apresentação Os Separadores de Gorduras são construídos

Leia mais

plataforma elevatória até 4m modelos ac08 ac11 acionamento hidráulico

plataforma elevatória até 4m modelos ac08 ac11 acionamento hidráulico plataforma elevatória até 4m modelos ac08 ac11 acionamento hidráulico JUL/2011 Acionamento Hidráulico Atende às normas NBR 9050 e NBR15655-1 Movimentação por botão de pressionamento constante ou joystick

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 002 Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes e antigas CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 9 páginas

Leia mais

Manual Ref. Técnica Plataforma Elevac 250

Manual Ref. Técnica Plataforma Elevac 250 Apresentação 1 A Plataforma Elevac traz comodidade e praticidade para todas as pessoas com dificuldades permanentes ou temporárias de locomoção. Ideal para clínicas, escolas, hospitais, hotéis e quaisquer

Leia mais

FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO

FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO Rua Rishin Matsuda, 562 Vila Santa Catarina CEP 04371-000 São Paulo SP Tel. 11 5563-6477 Fax 11 5563-3107 www.elevadoreszenit.com.br FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO ORIENTAÇÃO ELEVADORES CARGAS

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Line Cords e Patch Cables.

Leia mais

Anexo I. Caderno de Especificações Técnicas. Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador

Anexo I. Caderno de Especificações Técnicas. Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador Anexo I Caderno de Especificações Técnicas Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador Porto Alegre/RS 1. Considerações Gerais Antes do início de quaisquer

Leia mais

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção.

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção. Consiste de um conjunto de produtos de conectividade, empregados de acordo com regras específicas de engenharia; Tais produtos garantem conectividade máxima para os dispositivos existentes e preparam a

Leia mais

ENSAIO DE BOMBAS EM SÉRIE E PARALELO

ENSAIO DE BOMBAS EM SÉRIE E PARALELO ENSAIO DE BOMBAS EM SÉRIE E PARALELO I. ASSOCIAÇÃO DE BOMBAS As bombas podem ser associadas em série e em paralelo dependendo das características do sistema. A associação em série é útil quando se tem

Leia mais

Cabeamento Estruturado (Parte 2) Prof. Eduardo

Cabeamento Estruturado (Parte 2) Prof. Eduardo Estruturado (Parte 2) Prof. Eduardo Para debater... O que vimos na aula anterior? Montar uma rede doméstica é diferente de montar uma rede local de uns 100 PCs? Na aula anterior trabalhamos com a combinação

Leia mais

Caderno de projetos para blindagens de ressonância magnética

Caderno de projetos para blindagens de ressonância magnética Caderno de projetos para blindagens de ressonância magnética A blindagem de ressonância magnética é um componente fundamental para o bom funcionamento do complexo sistema de ressonância magnética (MRI).

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO Página: 1 de 5 ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.15.1 Manter 18.15.1.1 18.15.2 Os andaimes devem ser dimensionados e construídos de modo a suportar, com segurança, as cargas de trabalho a que estarão

Leia mais

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris Instalações Prediais de Esgotos Sanitários Prof. Cristiano Considerações Gerais Regidas pela NBR 8160,, as instalações de esgotos sanitários têm a tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA BRASÍLIA - DF

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA BRASÍLIA - DF INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SPDA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BRASÍLIA - DF 1 - MEMORIAL DESCRITIVO 2 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

1. PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL

1. PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL 1. PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL Um Projeto Elétrico é a previsão escrita da instalação, com todos os seus detalhes, localização dos pontos de utilização da energia elétrica, comandos, trajeto dos condutores,

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

Sistema de Chuveiros Automáticos

Sistema de Chuveiros Automáticos SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas INSTRUÇÃO TÉCNICA

Leia mais

REDE DE COMUNICAÇÃO DA COMUNIDADE FINANCEIRA DOCUMENTO DE INFRA-ESTRUTURA

REDE DE COMUNICAÇÃO DA COMUNIDADE FINANCEIRA DOCUMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DOCUMENTO DE INFRA-ESTRUTURA ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. IMPLANTAÇÃO DOS SERVIÇOS... 3 3. CONDIÇÕES BÁSICAS PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS... 4 3.1. INFRAESTRUTURA INTERNA RECOMENDAÇÕES:... 4 3.2. CONDIÇÕES

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Detector / Sensor de Fumaça Autônomo Rede AC e Bateria - Com Saída Rele NA/NF - Código: AFDFAR. O detector de Fumaça código AFDFAR é um equipamento que deve ser instalado no teto ou na parede das edificações

Leia mais

V. 1.1 Pearson Sistemas Brasil

V. 1.1 Pearson Sistemas Brasil / 2 Projeto Instalação Lousa DIGI I - Touch V.. Pearson Sistemas Brasil Pearson, Centro de Serviços Compartilhados - Avenida Presidente Kennedy, 2295 Lagoinha. Ribeirão Preto SP Brasil Pag./2 Departamento

Leia mais

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B O PADRÃO BASEIA-SE NOS SEIS PRINCIPAIS COMPONENTES DE UM SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO, QUE SÃO: 1 FACILIDADE DE ENTRADA (Entrance Facility) : É COMPOSTA POR HARDWARE DE

Leia mais