REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM"

Transcrição

1 REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM 1

2 ND 3.5 PROJETOS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS Roberto Carlos de Souza - CEMIG Erivaldo Costa Couto - CEMIG 2

3 Sumário -Objetivo; -Considerações Gerais; -Atendimento aos Empreendimentos; -Projeto da Rede Primária; -Projeto da Rede Secundária; -Outras considerações. 3

4 OBJETIVO Estabelecer os critérios técnicos, procedimentos e padrões de projeto de Redes de Distribuição Subterrâneas para atendimento a condomínios e loteamentos. 4

5 CONSIDERAÇÕES GERAIS O PROJETO DEVE SER ELABORADO CONSIDERANDO: a) Previsão de cargas para um período mínimo de 10 anos; b) Flexibilidade para atendimento às cargas previstas (10 anos) sem necessidade de substituição de materiais ou de execução de obras; c) Materiais e equipamentos segundo padrões da Cemig D; 5

6 CONSIDERAÇÕES GERAIS d) Iluminação publica de acordo com ND Projetos de iluminação pública; e) Todo o projeto deve ser construído antes da energização; f) É permitido o compartilhamento de banco de dutos, porém, os cabos de energia e telecomunicações não podem ser instalados no mesmo duto, caixas de inspeção, caixas de passagem e câmaras. 6

7 CONSIDERAÇÕES GERAIS g) Outros serviços: Deve ser considerada a existência de outros serviços (telefone, TV a cabo, água, esgoto, etc.) que podem ser subterrâneos. Distância mínima entre dutos de energia elétrica e: dutos de comunicação: 75 mm para as linhas de duto concretadas, ou; 300 mm para as linhas de dutos de terra compactadas; redes de gás ou outros combustíveis: mínimo, 300 mm. 7

8 ATENDIMENTO AOS EMPREENDIMENTOS Devem ser considerados os seguintes aspectos: a)análise de viabilidade de acordo com o documento ED/CE Construção de Redes de Distribuição por Particulares PART; b)previsão de cargas: Consumidores residenciais individuais: Área do terreno (m²) Até 600m 2 De 601 a 1200m 2 De 1201 a 2000 m 2 Maior do que 2000 m 2 Demanda individual diversificada 3,5 kva 7 kva 10 kva 14 kva 8

9 ATENDIMENTO AOS EMPREENDIMENTOS b) Previsão de cargas (continuação): Consumidores não residenciais e edificações coletivas: Conforme ND Fornecimento de energia elétrica em tensão secundária Rede de distribuição subterrânea. Outras cargas: Cargas comuns ao empreendimento (administração, clube, etc.) de acordo com a ND Fornecimento de energia elétrica em tensão secundária Rede de distribuição subterrânea. 9

10 PROJETO DA REDE PRIMÁRIA a) A rede primária deve ser trifásica; b) A configuração do circuito primário deve ser: Em anel aberto para demandas de até 1MVA; Obs.: Caso existam cargas especiais, deve ser utilizado radial com recurso; Radial com recurso para demandas de até 2,5MVA; Obs.: Poderá ser necessária a construção de mais de um circuito para atendimento a um condomínio; Derivação poderá ser feita de redes aéreas ou subterrâneas. c) Para demandas superiores a 2,5MVA, deve ser construído mais de um circuito por empreendimento; 10

11 PROJETO DA REDE PRIMÁRIA Anel aberto Demanda de até 1MVA; Religador na interligação aéreo-subterrâneo (aéreo); Chave 3 vias para manobra do circuito de MT (aéreo); Chave 3 vias para manobra e proteção do circuito de MT (subterrâneo); Não utiliza chave nos transformadores desconectáveis loadbreak ; Atendimento individual a cargas especificas. 11

12 PROJETO DA REDE PRIMÁRIA Radial com Recurso Demanda de até 2,5MVA; Religador na interligação aéreo-subterrâneo (aéreo); Chave 2 vias para manobra do circuito de MT (aéreo); Chave 2 vias para manobra e proteção do circuito de MT (subterrâneo); Não utiliza chave nos transformadores desconectáveis loadbreak ; Chave duas vias no centro de carga para flexibilização operativa; Atendimento individual a cargas especificas. 12

13 PROJETO DA REDE SECUNDÁRIA Considerações gerais sobre o projeto da BT: a) Os circuitos secundários devem ser trifásicos, em cabos de alumínio, a 4 fios (3 fases + neutro), bitola do neutro igual a das fases; b) Nas travessias de ruas o circuito secundário deve ter, no mínimo, um duto reserva, de mesma bitola do duto principal; c) O duto deve ser de PEAD 125 mm²; d) O ramal de ligação, entre a caixa de inspeção da rede e a caixa de inspeção da divisa do lote deve ser, no máximo, de 30 metros; 13

14 PROJETO DA REDE SECUNDÁRIA Considerações gerais sobre o projeto da BT (continuação): e) Bitola do cabo de BT: 120mm2 ou 240mm2; f) Todos os cabos da rede secundária devem ser de mesma bitola; g) Utilização de QDP, para distribuição e proteção dos circuitos de BT; h) Distância máxima entre caixas de inspeção 80m; i) Comprimento máximo do circuito secundário 150m; 14

15 PROJETO DA REDE SECUNDÁRIA Considerações gerais sobre o projeto da BT (continuação): j) Flexibilidade operativa: distância entre as extremidades dos circuitos secundários inferior a 50m o circuito de maior bitola deve ser estendido até a caixa de inspeção do circuito adjacente; Distância superior a 50 metros e inferiores a 100 metros: deve ser previsto um duto de interligação com bitola mínima de 125 mm², sem instalação de cabos; Para distâncias superiores a 100 metros não necessita ser prevista a interligação de circuitos secundários. 15

16 PROJETO DA REDE SECUNDÁRIA DIAGRAMA BÁSICO DA BAIXA TENSÃO 16

17 OUTRAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RDS PARA CONDOMÍNIOS Transformadores: Pad-mounted; Potência: 45, 75 e 150kVA (uso geral) e 300 e 500kVA (consumidor exclusivo). Quadros de distribuição e proteção (QDP): Mínimo de 4 circuitos por transformador. 17

18 OUTRAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RDS PARA CONDOMÍNIOS Chaves RDS: Pad-mounted; Submersíveis. Desconectáveis Loadbreak 18

19 Obrigado Roberto Carlos de Souza (31)

Diretoria de Distribuição e Comercialização

Diretoria de Distribuição e Comercialização Classificação: Público CEMIG Distribuição SÃ Diretoria de Distribuição e Comercialização Manual de Distribuição PROJETOS DE REDES DE DISTRIBUIÇAO SUBTERRÂNEAS PARA ATENDIMENTO A CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS

Leia mais

Histórico de Redes Subterrâneas na Celesc e Investimentos Futuros. Junho de 2015

Histórico de Redes Subterrâneas na Celesc e Investimentos Futuros. Junho de 2015 Histórico de Redes Subterrâneas na Celesc e Investimentos Futuros Junho de 2015 Melhoria de padrão construtivo. - Melhoria de Indicadores de Continuidade (DEC/FEC) - Melhoria de DIC/FIC/DMIC - Redução

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Normas CEMIG ND2.1 - Instalações Básicas de Redes de Distribuição Áreas Urbanas ND3.1 - Projetos de Redes de Distribuição Aéreas Urbanas RDU Rede de Distribuição

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-018 CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETOS E CONSTRUÇÕES DE REDES SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-018 CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETOS E CONSTRUÇÕES DE REDES SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-018 CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETOS E CONSTRUÇÕES DE REDES SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS NDU-018 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO 3.0 JULHO/2012 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2.

Leia mais

Redes subterrâneas em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli*

Redes subterrâneas em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli* 46 Capítulo VI em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli* Tendência irreversível no mercado da construção civil, as redes subterrâneas a cada dia ganham mais terreno em obras em

Leia mais

DESAFIOS DE PLANEJAMENTO E PROJETO EM CENTROS URBANOS. Engº Rogério Macedo Moreira

DESAFIOS DE PLANEJAMENTO E PROJETO EM CENTROS URBANOS. Engº Rogério Macedo Moreira DESAFIOS DE PLANEJAMENTO E PROJETO EM CENTROS URBANOS Engº Rogério Macedo Moreira 570 Municípios 7,4 Milhões de Clientes Redes Subterrâneas: 195 km Primária 339 km Secundária 255 Condomínios 1) Introdução

Leia mais

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Autores Marcelo Artur Xavier de Lima CELPE; José Aderaldo Lopes CELPE. 1 AGENDA: A Celpe;

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 Página 1 de 1 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1.OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

FASCÍCULO CONDIÇÕES GERAIS EMPREENDIMENTOS PARTICULARES LIVRO DE INSTRUÇÕES GERAIS

FASCÍCULO CONDIÇÕES GERAIS EMPREENDIMENTOS PARTICULARES LIVRO DE INSTRUÇÕES GERAIS FASCÍCULO CONDIÇÕES GERAIS EMPREENDIMENTOS PARTICULARES LIVRO DE INSTRUÇÕES GERAIS 2-22 INDICE INTRODUÇÃO... 3 1. OBJETIVO... 4 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 4 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 4 4. TERMINOLOGIA

Leia mais

GERÊNCIA DO SUBTERRÂNEO

GERÊNCIA DO SUBTERRÂNEO GERÊNCIA DO SUBTERRÂNEO 4.578 Câmaras Transformadoras 10.200 Transformadores 2.590 Protetores Network 35 Subestações 27 Sistemas Reticulados 227 Alimentadores do Reticulado 673 Alimentadores 3.200 Km Rede

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-06/11/2009 06/11/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

APLICAÇÃO DE SISTEMA TELEMEDIÇÃO EM UNIDADES CONSUMIDORAS ALIMENTADAS POR REDES SUBTERRÂNEAS CASO PRAIA DO PAIVA

APLICAÇÃO DE SISTEMA TELEMEDIÇÃO EM UNIDADES CONSUMIDORAS ALIMENTADAS POR REDES SUBTERRÂNEAS CASO PRAIA DO PAIVA APLICAÇÃO DE SISTEMA TELEMEDIÇÃO EM UNIDADES CONSUMIDORAS ALIMENTADAS POR REDES SUBTERRÂNEAS CASO PRAIA DO PAIVA Jose A. Lopes, Marcelo A. X. Lima, CELPE, Brasil, Jose.lopes@celpe.com.br, marcelo.lima@celpe.com.br

Leia mais

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 02-03/09/2012 21/09/2012 APROVADO POR Edson Hideki Takauti DTES-BD / Marcelo Poltronieri DTES-ES SUMÁRIO 1. RESUMO...

Leia mais

SOLUÇÕES SIMPLES E PRÁTICAS APLICÁVEIS ÀS REDES DE ENERGIA ELÉTRICA SUBTERRÂNEAS. Autor: Joel P. Martins - Prysmian

SOLUÇÕES SIMPLES E PRÁTICAS APLICÁVEIS ÀS REDES DE ENERGIA ELÉTRICA SUBTERRÂNEAS. Autor: Joel P. Martins - Prysmian SOLUÇÕES SIMPLES E PRÁTICAS APLICÁVEIS ÀS REDES DE ENERGIA ELÉTRICA SUBTERRÂNEAS Autor: Joel P. Martins - Prysmian Potenciais áreas para implantação de redes de energia elétrica subterrâneas Iniciativa

Leia mais

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI 1 - NOME DO CURSO: Projetos de RDI / RDP: RDI: Redes de Distribuição Aéreas Isoladas; RDP: Redes de Distribuição Aéreas Protegidas (Compactas). 2 - ÁREA: Eletrotécnica Sub

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Regras práticas para projeto elétrico Iluminação, TUG, TUE Recomendações práticas Alguns símbolos diferentes (outra concessionária) Página do Professor - Manuel Rendón UFJF Manual

Leia mais

Aplicação. de Redes de Distribuição Subterrâneas na CEMIG Cabos 09. - Maceió 02/10/2009

Aplicação. de Redes de Distribuição Subterrâneas na CEMIG Cabos 09. - Maceió 02/10/2009 Aplicação de Redes de Distribuição Subterrâneas na CEMIG Cabos 09 - Maceió 02/10/2009 Apresentar Critérios Atuais e Tendências no Uso de Redes de Distribuição Subterrâneas de Energia Elétrica na Cemig

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

Sumário. 1 - Aspectos Gerais: aplicação, custos, vantagens e desvantagens. 2 - Sistemas Existentes. 3 - Novas Aplicações. 4 - Conclusão.

Sumário. 1 - Aspectos Gerais: aplicação, custos, vantagens e desvantagens. 2 - Sistemas Existentes. 3 - Novas Aplicações. 4 - Conclusão. Sumário 1 - Aspectos Gerais: aplicação, custos, vantagens e desvantagens. 2 - Sistemas Existentes. 3 - Novas Aplicações. 4 - Conclusão. Aplicação dos Sistemas Subterrâneos Determinada basicamente por 4

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares Check-List Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Diretoria de Serviços Operacionais 1. RESUMO Relação de documentos

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE REDES DIRETAMENTE ENTERRADAS E COM DUTOS ESTUDO DE CASO DO PARQUE NACIONAL DO IGUAÇU/PR

COMPARATIVO ENTRE REDES DIRETAMENTE ENTERRADAS E COM DUTOS ESTUDO DE CASO DO PARQUE NACIONAL DO IGUAÇU/PR COMPARATIVO ENTRE REDES DIRETAMENTE ENTERRADAS E COM DUTOS ESTUDO DE CASO DO PARQUE NACIONAL DO IGUAÇU/PR Fernando Araújo de Azevedo Flávio Aparecido dos Reis COPEL Distribuição S.A Área concessão ~ 195

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE DT-144/2013 DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00 INSTALAÇÃO DE CAIXA DE PROTEÇÃO SECUNDÁRIA NA REDE DE BAIXA TENSÃO FOLHA DE CONTROLE DECISÃO TÉCNICA INSTALAÇÃO

Leia mais

REUNIÃO COM SINDUSCON. Procedimentos de Atendimento. 3/2/2010 Gestão Operacional de Grandes Clientes

REUNIÃO COM SINDUSCON. Procedimentos de Atendimento. 3/2/2010 Gestão Operacional de Grandes Clientes REUNIÃO COM SINDUSCON Procedimentos de Atendimento 3/2/2010 Gestão Operacional de Grandes Clientes 1 Agenda Contatos para construtoras Atendimento a novos empreendimentos o Ligações MT/BT condomínios nios

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva 1 Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva J. A. Lopes, Gestor, CELPE e M. A. X. Lima, Engenheiro Pleno, CELPE Resumo--O trabalho

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1 a 6 1. OBJETIVO Definir as especificações necessárias para instalação de padrão de entrada em baixa tensão para atendimento a núcleos habitacionais. 2. APLICAÇÃO Instalação de padrão de entrada em tensão

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

ND-5.1 7-1 FORNECIMENTO TABELA 1

ND-5.1 7-1 FORNECIMENTO TABELA 1 ND-5.1 7-1 TBEL 1 DIMENSIONMENTO DOS RMIS DE LIGÇÃO E D MEDIÇÃO PR UNIDDES CONSUMIDORS URBNS OU RURIS TENDIDS POR REDES SECUNDÁRIS TRIFÁSICS (127/220V) FORNECIMENTO TIPO B C D E FIX 1 2 3 B1 B2 Ramal de

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 Página 1 de 19 COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 ATENDIMENTO DE NOVOS CONSUMIDORES LOCALIZADOS EM ÁREAS DE SISTEMAS SUBTERRÂNEOS DE DISTRIBUIÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.01.01 CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS. Sumário

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.01.01 CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS. Sumário 1. Objetivo... 6 2. Aplicação... 6 3. Documentos de referência... 6 4. Obtenção de dados preliminares... 6 4.1. Características do projeto... 6 4.1.1. Localização... 6 4.1.2. Tensão de operação... 6 4.1.3.

Leia mais

005/2012 NORMA TÉCNICA NT-005/2012 R-01

005/2012 NORMA TÉCNICA NT-005/2012 R-01 005/2012 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 005/2012 NORMA TÉCNICA NT-005/2012 R-01 FOLHA DE CONTROLE NORMA TÉCNICA Código Página Revisão Emissão NT-005 I 01 AGO/2012 APRESENTAÇÃO Esta

Leia mais

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA 1. DETERMINAÇÃO DA CARGA INSTALADA a) Para definição do tipo de fornecimento, o consumidor deve determinar a carga instalada, somando-se a potência

Leia mais

COPA 2014 - PROJETOS DE REFORMAS DA RDS DE BELO HORIZONTE GERÊNCIA DE SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO METALÚRGICA SL/MT

COPA 2014 - PROJETOS DE REFORMAS DA RDS DE BELO HORIZONTE GERÊNCIA DE SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO METALÚRGICA SL/MT COPA 2014 - PROJETOS DE REFORMAS DA RDS DE BELO HORIZONTE GERÊNCIA DE SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO METALÚRGICA SL/MT Revitalização RDS Belo Horizonte Quem somos QUEM SOMOS A Cemig é um dos mais sólidos e importantes

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica Em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Edificações Coletivas

Fornecimento de Energia Elétrica Em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Edificações Coletivas ND-5.2 Companhia Energética de Minas Gerais Manual de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica Em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Edificações Coletivas Belo Horizonte - Minas Gerais Brasil

Leia mais

Introdução ao Sistema Elétrico

Introdução ao Sistema Elétrico Fundação Universidade INTRODUÇÃO Federal de Mato AO Grosso SISTEMA do Sul ELÉTRICO 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Introdução ao Sistema Elétrico Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

Proteção Primária ria para Transformadores da Rede de Distribuição Subterrânea

Proteção Primária ria para Transformadores da Rede de Distribuição Subterrânea Proteção Primária ria para Transformadores da Rede de Distribuição Subterrânea Gerência de Redes Subterrâneas Diretoria Regional II Rafael Moreno Engenheiro Eletricista Campo rafael.moreno@aes.com Charles

Leia mais

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. 1 2 ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. A energia é o núcleo dos acontecimentos,

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 26/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Cálculo da Demanda em Edificações Tensão Secundária Cálculo da Demanda em Edificações Individuais (a)

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Critérios de Projetos de Redes de Distribuição Subterrâneas NTC-35

NORMA TÉCNICA CELG. Critérios de Projetos de Redes de Distribuição Subterrâneas NTC-35 NORMA TÉCNICA CELG Critérios de Projetos de Redes de Distribuição Subterrâneas NTC-35 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. CAMPO DE APLICAÇÃO 3 4. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA Outubro 2008 Companhia Energética de Alagoas-CEAL Superintendência de Projetos e Obras-SPP Gerencia de Projetos e Obras

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea - Edificações Individuais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea - Edificações Individuais ND-5.1 Companhia Energética de Minas Gerais Norma de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea - Edificações Individuais Belo Horizonte - Minas Gerais

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013)

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Novembro de 2012 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada

Leia mais

Especificação para o projeto elétrico de BT

Especificação para o projeto elétrico de BT Especificação para o projeto elétrico de BT O aluno deve escolher uma planta baixa de uma residência, que apresente carga instalada superior a 15 kw, considerando que a tensão da rede de distribuição seja

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. PROPRIETÁRIO: IFSULDEMINAS - Câmpus Muzambinho.. Estrada de Muzambinho, km 35 - Bairro Morro Preto.

MEMORIAL DESCRITIVO. PROPRIETÁRIO: IFSULDEMINAS - Câmpus Muzambinho.. Estrada de Muzambinho, km 35 - Bairro Morro Preto. MEMORIAL DESCRITIVO ASSUNTO: Projeto de adaptação de rede de distribuição de energia elétrica urbana em tensão nominal primária de 13.8KV e secundária de 220/127V, com 02 postos de transformação de 75KVA

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Edificações Coletivas

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Edificações Coletivas ND-5.2 Companhia Energética de Minas Gerais Manual de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Edificações Coletivas Belo Horizonte - Minas Gerais -

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-025/2013 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-025/2013 R-00 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE /2013 DECISÃO TÉCNICA /2013 R- PARA FORMAR UM BANCO TRIFÁSICO FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica apresenta critérios para instalação

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

DE PR OC ED IM EN TO S

DE PR OC ED IM EN TO S MA NU AL DE PR OC ED IM EN TO S SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA I-313.0023 LOTEAMENTOS

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO AMPLA (ESPECIAL) CPA-004/2014 R-01

CRITÉRIO DE PROJETO AMPLA (ESPECIAL) CPA-004/2014 R-01 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /24 CRITÉRIO DE PROJETO AMPLA (ESPECIAL) /24 R- FOLHA DE CONTROLE I DEZ/24 APRESENTAÇÃO Este Critério de Projeto Ampla (Especial)

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica em Média Tensão à Edificações de Uso Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executa Ligação AT Código Edição Data SM04.08-01.002 8ª Folha 1 DE 67 22/08/2014 HISTÓRICO

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 Página 1 de 13 COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 PADRÃO DE ENTRADA INDIVIDUAL ECONÔMICO COM POSTE DE AÇO E CAIXA DE POLICARBONATO TIPO PP Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0 1. OBJETIVO Este informativo técnico tem como objetivo orientar o envio dos documentos e o preenchimento correto da planilha do Projeto Expresso v 2.0 - Caixas Metálicas e planilha do Projeto Expresso

Leia mais

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES A descrição das atividades tem como propósito facilitar o relacionamento entre a CONTRATANTE e a CONTRATADA, na medida em que visa

Leia mais

Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais.

Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais. Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais. Daniel José Justi Bego Especialista em Regulação Superintendência de Regulação

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

COPA 2014 - PROJETOS DE REFORMAS DA RDS DE BELO HORIZONTE. 2014 WORLD CUP REFORM PROJECTS OF THE UNDERGROUND ELECTRIC SYSTEMS OF BELO HORIZONTE

COPA 2014 - PROJETOS DE REFORMAS DA RDS DE BELO HORIZONTE. 2014 WORLD CUP REFORM PROJECTS OF THE UNDERGROUND ELECTRIC SYSTEMS OF BELO HORIZONTE COPA 2014 - PROJETOS DE REFORMAS DA RDS DE BELO HORIZONTE. 2014 WORLD CUP REFORM PROJECTS OF THE UNDERGROUND ELECTRIC SYSTEMS OF BELO HORIZONTE Anderson de FIGUEIREDO, CEMIG DISTRIBUIÇÃO, Email: adfi@cemig.com.br

Leia mais

01 / 08 / 2005 01 / 08 / 2008 GEPEX

01 / 08 / 2005 01 / 08 / 2008 GEPEX Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT - 05.002.00 1 de 103 ÍNDICE 1 FINALIDADE... 5 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 5 3 REFERÊNCIAS... 5 4 DEFINIÇÕES... 5 4.1 Aterramento... 5 4.2 Cabine de Medição...

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO 1 OBJETIVOS Esta norma estabelece os requisitos, condições técnicas mínimas e os procedimentos a serem seguidos na elaboração e apresentação de projetos de compartilhamento de infraestrutura das redes

Leia mais

Principais alterações:

Principais alterações: 2 Principais alterações: Quantidade de medições De 1 a 2 medições no mesmo terreno Norma Norma número 13 Fornecimento em Tensão Secundária de Distribuição De 3 a 12 medições Unidade consumidora pertencente

Leia mais

Padrão de Entrada. prof.arbex@gmail.com

Padrão de Entrada. prof.arbex@gmail.com Padrão de Entrada Professor Cristiano prof.arbex@gmail.com Introdução O objetivo deste material é orientar os projetistas no que se refere ao projeto e dimensionamento do padrão de entrada, de acordo com

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NORMA. Junho/2008 NORMA NC.02

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NORMA. Junho/2008 NORMA NC.02 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NORMA NORMA NC.02 NC.02 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição - CERVAM Cooperativa de Energização e de

Leia mais

Postos de transformação. PFS Cabinas Subterrâneas para Postos de Transformação Até 36 kv

Postos de transformação. PFS Cabinas Subterrâneas para Postos de Transformação Até 36 kv Postos de transformação PFS Cabinas Subterrâneas para Postos de Transformação Até 36 kv PFS CABINAS SUBTERRÂNEAS PARA POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO DESCRIÇÃO A cabina PFS é uma envolvente monobloco de betão

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Subterrânea

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Subterrânea ND-5.5 Companhia Energética de Minas Gerais Norma de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Subterrânea Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil ND-5.5 Companhia

Leia mais

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO PADRÃO DE MEDIÇÃO AGRUPADA DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras PADRÃO DE M EDIÇÃO AGRUPADA DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO No

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Edificações Coletivas

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Edificações Coletivas ND-5.2 Companhia Energética de Minas Gerais Norma de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Edificações Coletivas Belo Horizonte - Minas Gerais -

Leia mais

SUMÁRIO. N.Documento: Categoria: Versão: Aprovado por: Data Publicação: Página: 119 Procedimento 2.2 Paulo Ricardo Bombassaro 30/09/2008 1 de 147

SUMÁRIO. N.Documento: Categoria: Versão: Aprovado por: Data Publicação: Página: 119 Procedimento 2.2 Paulo Ricardo Bombassaro 30/09/2008 1 de 147 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. CAMPO DE APLICAÇÃO 4. DEFINIÇÕES 4.1- Cabine Mista 4.2- Caixa de Disjuntores das Unidades Consumidoras 4.3- Caixa de 4.4- Caixa de Proteção e Manobra 4.5- Carga Instalada

Leia mais

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço 1 Entrada de energia DEFINIÇÕES Instalação de responsabilidade do consumidor, compreendendo ramal de entrada, poste particular ou pontalete, caixas, dispositivos de proteção, eletrodo de aterramento e

Leia mais

RECON MT Até 34,5 kv

RECON MT Até 34,5 kv RECON MT Até 34,5 kv Regulamentação para Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Média Tensão Coordenação de Engenharia Gerência de Planejamento da Expansão e Engenharia da Distribuição Diretoria

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 NORMA TÉCNICA CELG Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TIPOS

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4 ª 05/12/2011 4.8.7.18 - Placa de identificação de subestação abrigada.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4 ª 05/12/2011 4.8.7.18 - Placa de identificação de subestação abrigada. Processo Realizar Novas Ligações Atividade Código Edição Data SM04.00-00.03 5ª Folha 1 DE 46 30/11/2012 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior 1ª 06/11/2007 Edição

Leia mais

= CONSTANTE x CUB PR x M2

= CONSTANTE x CUB PR x M2 1 TABELA DE HONORÁRIOS MÍNIMOS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÃO ELÉTRICAS E TELEFONIA, TUBULAÇÃO DE ALARME/CFTV/LÓGICA/SOM/TV E SPDA (SISTEMA PROTEÇÃO CONTRA DESCARGA ATMOSFÉRICA). PRESCRIÇÕES

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DOP

DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DOP ANEXO IX GLOSSÁRIO 1. GLOSSÁRIO RELACIONADO À SEGURANÇA NO TRABALHO Acidente sem vítima: é aquele que provoca efeitos negativos ao patrimônio, tais como: Danos a equipamentos importantes do sistema elétrico

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA Estado da arte Aplicações atuais Perspectivas Landulfo Mosqueira Alvarenga Consultor Técnico Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação CEPEL 1 Seminário Internacional

Leia mais

Cabos e acessórios para redes subterrâneas

Cabos e acessórios para redes subterrâneas Cabos e acessórios para redes subterrâneas Evoluindo com você. A distribuição de energia Vida atual com alta dependência de energia elétrica: produção serviços uso doméstico Conseqüências nas grandes cidades:

Leia mais

TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS

TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS ANEXO II 1. REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA (RDU) Os serviços de Melhoria e Ampliação de Rede de Distribuição Urbana executados conforme projeto executivo elaborado serão

Leia mais

EXECUÇÃO DE INFRA ESTRUTURA PARA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE NA PETRÓLEO BRASILEIRO S.A PETROBRAS UNIDADE PAULÍNIA

EXECUÇÃO DE INFRA ESTRUTURA PARA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE NA PETRÓLEO BRASILEIRO S.A PETROBRAS UNIDADE PAULÍNIA EXECUÇÃO DE INFRA ESTRUTURA PARA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE NA PETRÓLEO BRASILEIRO S.A PETROBRAS UNIDADE PAULÍNIA Marcelo Telles Kalybatas LOGOTIP DA EMPRESA 1 A Silcon Drilling foi fundada com

Leia mais

Manual de Distribuição PROJETOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEAS PARA ATENDIMENTO A CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS

Manual de Distribuição PROJETOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEAS PARA ATENDIMENTO A CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS Classificação: Público ND-3.5 Diretoria de Distribuição e Comercialização Manual de Distribuição PROJETOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEAS PARA ATENDIMENTO A CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS Belo Horizonte

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Lançamento de Condutores 7. Fixação Definitiva do Condutor 8. Identificação de Fases

Leia mais