EXECUÇÃO DE INFRA ESTRUTURA PARA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE NA PETRÓLEO BRASILEIRO S.A PETROBRAS UNIDADE PAULÍNIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXECUÇÃO DE INFRA ESTRUTURA PARA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE NA PETRÓLEO BRASILEIRO S.A PETROBRAS UNIDADE PAULÍNIA"

Transcrição

1 EXECUÇÃO DE INFRA ESTRUTURA PARA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE NA PETRÓLEO BRASILEIRO S.A PETROBRAS UNIDADE PAULÍNIA Marcelo Telles Kalybatas LOGOTIP DA EMPRESA 1

2 A Silcon Drilling foi fundada com o objetivo de trazer ao Brasil soluções tecnológicas de vanguarda para a construção, substituição e reparo de tubulações subterrâneas pelo Método não destrutivo. Desde então, nos últimos 20 anos, instalou milhares de metros de tubulações para infraestrutura urbana em todo território nacional, com destaque para energia, gás, telecomunicações e saneamento. 2

3 APLICAÇÃO DA PERFURAÇÃO DIRECIONAL NO PROJETO U-5910 UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE V PETROBRAS Instalação de um banco de dutos composto por 64 tubos de PEAD com diâmetro de 125 mm cada e extensão de 304 metros, para infraestrutura de alimentação da unidade com energia elétrica e dados. Total de tubos instalados = metros 3

4 LOCAL DA OBRA PROPOSTA E SOLUÇÃO 4

5 VISTA AÉREA 5

6 CARACTERIZAÇÃO DO PROBLEMA Grande fluxo de veículos pesados no trajeto da rede, dificultando a abertura de valas. Subsolo bastante congestionado de interferências (redes existentes) Atendimento às normas Ambientais, Técnicas, Trabalhistas e de Segurança da PETROBAS. Falta de estudo geotécnico do subsolo local. Profundidade da rede projetada com até 8,00 metros 6

7 SOLUÇÃO E AÇÕES NECESSÁRIAS Execução da obra com Método Não Destrutivo através do Sistema de Perfuração Direcional. Estudo para subdivisão do banco de 64 dutos em 4 bancos de 16 dutos de forma a atender o projeto elétrico. Localização e identificação das redes existentes através de mapeamento por detecção eletromagnética e sondagens para confirmação. Caracterização geotécnica do subsolo para dosagem do fluido de perfuração 7

8 SOLUÇÃO E AÇÕES NECESSÁRIAS Criação de suporte para sustentação das hastes de perfuração nas escavações das caixas. Espaçamento mínimo de 1,50 m entre cada banco com 16 dutos. Atendimento às normas Ambientais, Técnicas, Trabalhistas e de Segurança da PETROBAS. 8

9 AÇÕES PARA ATENDER AS NECESSIDADES DO PROJETO Localização e identificação das redes existentes no local. 9

10 AÇÕES PARA ATENDER AS NECESSIDADES DO PROJETO Caracterização geotécnica do subsolo para dosagem do fluido de perfuração 10

11 AÇÕES PARA ATENDER AS NECESSIDADES DO PROJETO Criação de suporte para sustentação das hastes de perfuração dentro das aberturas das caixas 11

12 AÇÕES PARA ATENDER AS NECESSIDADES DO PROJETO Espaçamento mínimo 1,50 m entre cada banco de dutos 12

13 AÇÕES PARA ATENDER AS NECESSIDADES DO PROJETO Profundidade projetada para execução com 8,00 metros de profundidade. 13

14 AÇÕES PARA ATENDER AS NECESSIDADES DO PROJETO Profundidade projetada para execução com 8,00 metros de profundidade. 14

15 FURO PILOTO Equipamentos Utilizados 15

16 FURO PILOTO Suporte para sustentação de Hastes 16

17 FURO PILOTO Suporte para sustentação de Hastes 17

18 FURO PILOTO Suporte para sustentação de Hastes 18

19 PRÉ ALARGAMENTO E INSTALAÇÃO Retirada da sustentação das hastes para passagem do alargador 19

20 PRÉ ALARGAMENTO E INSTALAÇÃO Passagem de alargador PIG de limpeza do furo 20

21 PRÉ ALARGAMENTO E INSTALAÇÃO Passagem de alargador PIG de limpeza do furo 21

22 PRÉ ALARGAMENTO E INSTALAÇÃO Passagem de alargador PIG de limpeza do furo 22

23 PRÉ ALARGAMENTO E INSTALAÇÃO Passagem de alargador PIG de limpeza do furo 23

24 INSTALAÇÃO Preparação dos dutos para Instalação 24

25 INSTALAÇÃO Preparação e conexão dos dutos para Instalação 25

26 INSTALAÇÃO 26

27 INSTALAÇÃO Início da instalação da tubulação 27

28 INSTALAÇÃO Início da instalação da tubulação 28

29 INSTALAÇÃO Término da instalação (Vídeo) 29

30 INSTALAÇÃO Dutos instalados 30

31 INSTALAÇÃO DAS CAIXAS DE PASSAGENS Limpeza e Montagem das Caixas 31

32 INSTALAÇÃO DAS CAIXAS DE PASSAGENS Caixa de Interligação PEAD / Aço Galvanizado 32

33 INSTALAÇÃO DAS CAIXAS DE PASSAGENS Embocadura de dutos Caixa de Passagem 33

34 ENCERRAMENTO DA INSTALAÇÃO DOS DUTOS Obra segue com a Construção da Parte Civil 34

35 PRAZO TOTAL 60 DIAS CONTATO Marcelo Telles Kalybatas Supervisor de Obras de Perfuração HDD 35

PERFURATRIZES DIRECIONAIS (HDD) FERRAMENTAS PARA HDD

PERFURATRIZES DIRECIONAIS (HDD) FERRAMENTAS PARA HDD MND Shopping PERFURATRIZES DIRECIONAIS (HDD) Completa linha de perfuratrizes direcionais Tracto-Technik e Prime Drilling com capacidades de 4 a 500 toneladas de força de tração com ou sem martelo percussivo.

Leia mais

Anexo - IV. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas

Anexo - IV. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas Anexo - IV Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas Elaborado por: Data : 30/06/2005 Revisado por: Data: / / Fanton & Fanton Unidade Administrativa:

Leia mais

Métodos Não Destru.vos em Projetos de Dutos da Petrobras

Métodos Não Destru.vos em Projetos de Dutos da Petrobras Métodos Não Destru.vos em Projetos de Dutos da Petrobras Ana Cecília Soares Engenharia de Dutos da Petrobras Normalização Técnica Normas Internacionais ASME B31.4 ASME B31.8 Normas Brasileiras NBR 15.280-1

Leia mais

RESUMO DOS PROCESSOS DE CONTRATAÇÃO

RESUMO DOS PROCESSOS DE CONTRATAÇÃO RESUMO DOS PROCESSOS DE CONTRATAÇÃO 0 =- Objeto Fornecedor Prazo (Meses) Valor (Milhões) Orçamento Requisitante 1 Adequação do Sistema de Medição nas SE s de Furnas VERISSÍMO 16 2,06 CAPEX Luiz Carlos

Leia mais

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ESCOLAS Realização: fdte@fdte.org.br ÍNDICE 1. Objetivo..................................................................... 3 2. Elementos de uma Rede Telefônica:............................................

Leia mais

Rebaixamento do Lençol Freático

Rebaixamento do Lençol Freático Rebaixamento do Lençol Freático Índice 1. Rebaixamento por Poços 2. Bombas Submersas 3. Rebaixamento à Vácuo 4. Norma 5. Método construtivo 6. Equipe de trabalho 1. Rebaixamento Por Poços Rebaixamento

Leia mais

águas FURO NA LEI subterrâneas

águas FURO NA LEI subterrâneas águas subterrâneas ano 1 - ed. 01 - outubro 2007 Caso Jurubatuba Ainda sem solução, região em São Paulo enfrenta desafios para descontaminação FURO NA LEI XV Encontro Nacional de Perfuradores de Poços

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA INSTALADORES SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MODELO SAFIRA

RECOMENDAÇÕES PARA INSTALADORES SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MODELO SAFIRA RECOMENDAÇÕES PARA INSTALADORES SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MODELO SAFIRA 1. INSTALAÇÃO E INFRAESTRUTURA A Central de alarme e detecção de incêndio Safira exige cuidados importantes na hora

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

Este tutorial apresenta a infra-estrutura para implantação de redes ópticas.

Este tutorial apresenta a infra-estrutura para implantação de redes ópticas. Infra-estrutura para Redes Ópticas Este tutorial apresenta a infra-estrutura para implantação de redes ópticas. Marco Aurélio Martins Formado em Eletrônica com ênfase em Telecomunicações (Barretos/1993)

Leia mais

Antes de abrir uma vala, consulte a Comgás

Antes de abrir uma vala, consulte a Comgás cartilha ppd final imagem 2/24/06 6:12 PM Page 1 Antes de abrir uma vala, consulte a Comgás 08000 110 197 cadastroderede@comgas.com.br Companhia de Gás de São Paulo Rua das Olimpíadas, 205-10º andar (recepção)

Leia mais

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO Índice 1 Rebaixamento por Poços Injetores e Bombas Submersas 2 Método construtivo 3 Rebaixamento à Vácuo 4 Norma 5 Método construtivo 6 Equipe de trabalho 1 Rebaixamento Por Poços Rebaixamento por poços

Leia mais

O PROJETO BÁSICO EM OBRAS DE MND E A LEI 8666 mais a RESOLUÇÃO CONFEA 361

O PROJETO BÁSICO EM OBRAS DE MND E A LEI 8666 mais a RESOLUÇÃO CONFEA 361 O PROJETO BÁSICO EM OBRAS DE MND E A LEI 8666 mais a RESOLUÇÃO CONFEA 361 TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO UM EXEMPLO DE PROJETO Uma adutora por gravidade... A disponibilidade distante; As condições

Leia mais

Óleo & Gás. Produtos e serviços relacionados

Óleo & Gás. Produtos e serviços relacionados Óleo & Gás Produtos e serviços relacionados Da exploração ao refino Líder nas atividades de Engenharia Geotécnica, o Grupo Brasfond extende a aplicação de seu know-how tecnológico para o mercado de Óleo

Leia mais

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM 1 ND 3.5 PROJETOS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS Roberto Carlos de Souza - CEMIG Erivaldo Costa Couto -

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

MND: A Viabilidade Técnica para Obras de Infra-Estrutura Subterrânea em Cidades de Médio e Grande. 21 e 22 de Julho de 2010 São Paulo SP - Brasil

MND: A Viabilidade Técnica para Obras de Infra-Estrutura Subterrânea em Cidades de Médio e Grande. 21 e 22 de Julho de 2010 São Paulo SP - Brasil Tema Central: MND: A Viabilidade Técnica para Obras de Infra-Estrutura Subterrânea em Cidades de Médio e Grande SERGIO A. PALAZZO ABRATT ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO COMO SABEMOS A VIABILIDADE TÉCNICA DE

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS NÃO DESTRUTIVOS

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS NÃO DESTRUTIVOS INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS NÃO DESTRUTIVOS Palestrante: Engº Sérgio Augusto Palazzo ABRATT Associação Brasileira de Tecnologia Não Destrutiva - MND Associada a ISTT de Londres (International Society for Trenchless

Leia mais

SUSTENTÁVEL POR NATUREZA. Manual de Instalação para Ecofossas de 1000 e 1500 litros.

SUSTENTÁVEL POR NATUREZA. Manual de Instalação para Ecofossas de 1000 e 1500 litros. SUSTENTÁVEL POR NATUREZA Manual de Instalação para Ecofossas de 1000 e 1500 litros. INSTALAÇÃO PASSO A PASSO Reator Anaeróbico PASSO 01 Verifique se a rede de esgoto existente esta de acordo com a figura

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS

DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS Geodetect, Lda. DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS Travessa do Governo Civil, Nº4 2ºDrt. Sala 5 3810-118 Aveiro PORTUGAL (+351) 967 085 701 (+351) 963 829 703

Leia mais

Comparativo Tubos PEAD x Concreto. Engº Cláudio Zamith 02/12/2014

Comparativo Tubos PEAD x Concreto. Engº Cláudio Zamith 02/12/2014 Comparativo Tubos PEAD x Concreto Engº Cláudio Zamith 02/12/2014 METODOLOGIAS VALA NÃO ESCORADA Apesar de muitas vezes executadas sem escoramento, para maiores profundidades não estaria atendendo às Normas.

Leia mais

EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº 024/2014 CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO ANEXO Q8

EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº 024/2014 CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO ANEXO Q8 OBS.: CADA ITEM MENCIONADO A SEGUIR REFERE-SE AOS ITENS DA PLANILHA DE PREÇOS UNITÁRIOS (PPU) 1. Sub-item 1.1 e 1.2: Mobilização e Desmobilização. Será medido na conclusão total de cada sub-item, 100%

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

DEMANDAS DE BENS E SERVIÇOS PARA O EMPREENDIMENTO DA REFINARIA PREMIUM I

DEMANDAS DE BENS E SERVIÇOS PARA O EMPREENDIMENTO DA REFINARIA PREMIUM I WORKSHOP DE DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES DEMANDAS DE BENS E SERVIÇOS PARA O EMPREENDIMENTO DA REFINARIA PREMIUM I Maurício Lamartine PETROBRAS 1 Sumário O Empreendimento da Refinaria Premium I (Refinaria,

Leia mais

Oil & Gas Service Center. Soluções integradas para o mercado de óleo e gás

Oil & Gas Service Center. Soluções integradas para o mercado de óleo e gás Oil & Gas Service Center Soluções integradas para o mercado de óleo e gás Alta produtivida ParkerStore Macaé Loja dedicada à oferecer suporte técnico, serviços profissionais, produtos inovadores e soluções

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

ORÇAMENTO BÁSICO CONCORRÊNCIA N.O. 0-001-13 COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS - POTIGÁS

ORÇAMENTO BÁSICO CONCORRÊNCIA N.O. 0-001-13 COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS - POTIGÁS ORÇAMENTO BÁSICO CONCORRÊNCIA N.O. 0-001-13 COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS - POTIGÁS Item Descrição dos Serviços Unid. Quant. Valor Unitário Máximo aceitável pela Potigás 1.0 Mobilização vb 1 Conforme proposta

Leia mais

TECNOLOGIA NÃO DESTRUTIVA E A EXPANSÃO DE INFRAESTRUTURAS SUBTERRÂNEAS. O CASO DA REDE DE GÁS NATURAL

TECNOLOGIA NÃO DESTRUTIVA E A EXPANSÃO DE INFRAESTRUTURAS SUBTERRÂNEAS. O CASO DA REDE DE GÁS NATURAL TECNOLOGIA NÃO DESTRUTIVA E A EXPANSÃO DE INFRAESTRUTURAS SUBTERRÂNEAS. O CASO DA REDE DE GÁS NATURAL Vanessa Meloni Massara 1 Miguel Edgar Morales Udaeta 2 O artigo enfoca a relação entre a expansão das

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA

BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO RUA JOÃO POLITI, 1589 ITAJUBÁ MG BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA Responsável Técnico: Airton Leandro Seidel 1 INDICE GERAL DO MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO DO PROJETO 03 2. ESCOPO

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE REDES DIRETAMENTE ENTERRADAS E COM DUTOS ESTUDO DE CASO DO PARQUE NACIONAL DO IGUAÇU/PR

COMPARATIVO ENTRE REDES DIRETAMENTE ENTERRADAS E COM DUTOS ESTUDO DE CASO DO PARQUE NACIONAL DO IGUAÇU/PR COMPARATIVO ENTRE REDES DIRETAMENTE ENTERRADAS E COM DUTOS ESTUDO DE CASO DO PARQUE NACIONAL DO IGUAÇU/PR Fernando Araújo de Azevedo Flávio Aparecido dos Reis COPEL Distribuição S.A Área concessão ~ 195

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 53

COMUNICADO TÉCNICO Nº 53 Página 1 de 8 COMUNICADO TÉCNICO Nº 53 FIBRA ÓPTICA COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO PADRÃO DE EQUIPAMENTOS APLICADOS NA PROTEÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Automação ELABORADO POR: COLABORADORES:

Leia mais

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762 Apresentação Apresentação Fundada em 2003, a Masterfer é, hoje, uma renomada fornecedora de produtos para saneamento. Prima por possuir um atendimento de forma única e objetiva, o que a credencia apresentar

Leia mais

LIGAÇÕES PREDIAIS ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

LIGAÇÕES PREDIAIS ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 LIGAÇÕES PREDIAIS PÁGINA 1/49 MOS 4ª Edição ESPECIFICAÇÕES MÓDULO 17 VERSÃO 00 DATA jun/2012 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1701 a 1714 LIGAÇÃO PREDIAL DE

Leia mais

SINALIZAÇÃO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL DIRTEC

SINALIZAÇÃO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL DIRTEC Rev. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 DIRTEC ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-SUL-007.04 Rev. 12 CIA DE GÁS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 de 15 REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU

Leia mais

FAQ FREQUENT ASKED QUESTION (PERGUNTAS FREQUENTES)

FAQ FREQUENT ASKED QUESTION (PERGUNTAS FREQUENTES) FREQUENT ASKED QUESTION (PERGUNTAS FREQUENTES) PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE O SISTEMA DE DETECÇÃO DE VAZAMENTO EM DUTOS. SUMÁRIO Introdução...4 1. Qual é a distância entre os sensores?...5 2. O RLDS/I-RLDS

Leia mais

INSPEÇÃO DE DUTOS TERRESTRES - NÍVEL 1 Carga Horária. 1- Cálculo 4. 2- Unidade de Medidas Lineares, Angulares e Arredondamentos. 3- Noções de Física 4

INSPEÇÃO DE DUTOS TERRESTRES - NÍVEL 1 Carga Horária. 1- Cálculo 4. 2- Unidade de Medidas Lineares, Angulares e Arredondamentos. 3- Noções de Física 4 Curso ID.N1 INSPEÇÃO DE DUTOS TERRESTRES - NÍVEL 1 Carga Horária: 160 Conteúdo Programático Carga Horária 1- Cálculo 4 2- Unidade de Medidas Lineares, Angulares e Arredondamentos 2 3- Noções de Física

Leia mais

Métodos Não- Destrutivos TT

Métodos Não- Destrutivos TT Planejamento e instalação de tubulações com Métodos Não- Destrutivos TT O seu parceiro em instalação de tubulações por métodos não-destrutivos TRACTO-TECHNIK GRUNDOMAT- Perfuratriz pneumática (mole) Para

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DE REFERÊNCIA 1-7

TABELA DE PREÇOS DE REFERÊNCIA 1-7 Item Serviços do Grupo 1 Unida 1.1 Projeto instalação fibras ópticas aéreas metro 411770 R$ 947.071,00 1.2 Projeto instalação fibras ópticas subterrâneas metro 20680 R$ 66.176,00 1.3 Projeto instalação

Leia mais

APLICAÇÃO DOS TUBOS DE PEAD EM SANEAMENTO. 02 de dezembro de 2014

APLICAÇÃO DOS TUBOS DE PEAD EM SANEAMENTO. 02 de dezembro de 2014 APLICAÇÃO DOS TUBOS DE PEAD EM SANEAMENTO 02 de dezembro de 2014 ORGANIZAÇÃO ODEBRECHT Engenharia e Construção Investimentos em Infraestrutura e Energia Indústria Instituições Auxiliares Construtora Norberto

Leia mais

2.4.0 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E SERVIÇOS RELACIONADOS

2.4.0 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E SERVIÇOS RELACIONADOS Listagem Categorias Criticas Portugal Esta é a listagem de categorias de produto/serviço consideradas criticas pelas empresas que compõem a omunidade RePro em Portugal. Caso tenha inscrito ou pretenda

Leia mais

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações 1. MÉTODOS DIRETOS Os métodos diretos englobam todas as investigações que possibilitam a visualização do perfil e retirada de amostra. Os procedimentos de investigação são bem definidos nas normas ABNT

Leia mais

OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS

OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda. LPgomes@iecengenharia.com.br www.iecengenharia.com.br

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ATI-INFRA-OPT-003 (2012) MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE REDE DE FIBRA ÓTICA VERSÃO 1.0

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ATI-INFRA-OPT-003 (2012) MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE REDE DE FIBRA ÓTICA VERSÃO 1.0 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ATI-INFRA-OPT-003 (2012) MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE REDE DE FIBRA ÓTICA VERSÃO 1.0 ESTA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA FOI BASEADA NAS ESPECIFICAÇÕES DA REDE NACIONAL DE PESQUISA (RNP), SISTEMA

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção ISO 9001:2008 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua André Adolfo Ferrari, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era - Indaiatuba - São Paulo

Leia mais

Estaca Strauss CONCEITO

Estaca Strauss CONCEITO CONCEITO A estaca Strauss é uma fundação de concreto (simples ou armado), moldada no local e executada com revestimento metálico recuperável. Pode ser empregada em locais confinados ou terrenos acidentados,

Leia mais

Solução em Ar Comprimido: Tubulações em Alumínio

Solução em Ar Comprimido: Tubulações em Alumínio Solução em Ar Comprimido: Tubulações em Alumínio Quais são os principais problemas encontrados em redes de Ar Comprimido? Quais são os principais problemas encontrados em redes de Ar Comprimido? ❶ Vazamentos

Leia mais

CONCORRÊNCIA Nº. 04/2015

CONCORRÊNCIA Nº. 04/2015 ANEXO VIII CONCORRÊNCIA Nº. 04/2015 OBJETO: Contratação de empresa para o fornecimento e instalação de sistemas de telecomunicações integrados com alta disponibilidade, backbones ópticos e elétrica para

Leia mais

LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA

LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA A complexidade de serviços subterrados, tais como cabos elétricas, condutas de água, cabos de telecomunicações, etc. aumenta cada vez

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA

PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA A PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA define-se como: Um conjunto de operações com vista a averiguar a constituição, características mecânicas e outras propriedades do solo e do substrato do ou

Leia mais

17:44. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1)

17:44. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1) FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1) Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo de Materiais de Construção Versão 2013 1 Fundações indiretas profundas 1.Pré-moldadas 2.Moldadasin loco Prof. Dr. Marcelo

Leia mais

INFRAESTRUTURA CIVIL - CÂMARAS TRANSFORMADORAS FASCÍCULO. Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras

INFRAESTRUTURA CIVIL - CÂMARAS TRANSFORMADORAS FASCÍCULO. Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras FASCÍCULO Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para elaboração de Projeto Civil de entradas consumidoras que envolvam a implantação de obras civis subterrâneas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

Quem Somos. +55 12 21269800 comercial@4pipe.com.br www.4pipe.com.br

Quem Somos. +55 12 21269800 comercial@4pipe.com.br www.4pipe.com.br Quem Somos A 4Pipe Engenharia Industrial Ltda. é uma empresa que nasceu da experiência adquirida em campo, formada por pessoas que possuem vivência nos serviços do segmento de engenharia de dutos e ainda

Leia mais

VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO

VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO Gaveta Esfera VÁLVULAS DE REGULAGEM Globo Agulha Borboleta Diafragma VÁLVULAS QUE PERMITEM O FLUXO EM UM SÓ SENTIDO Retenção VÁLVULAS CONTROLE PRESSÃO DE MONTANTE Segurança

Leia mais

PIGS INSTRUMENTADOS PIGS INSTRUMENTADOS HISTÓRIA PRINCIPAIS FERRAMENTAS O QUE SÃO PIGS INSTRUMENTADOS?

PIGS INSTRUMENTADOS PIGS INSTRUMENTADOS HISTÓRIA PRINCIPAIS FERRAMENTAS O QUE SÃO PIGS INSTRUMENTADOS? PIGS INSTRUMENTADOS O QUE SÃO PIGS INSTRUMENTADOS? SÃO PIGS QUE REALIZAM MEDIDAS AO LONGO DO PERCURSO DO DUTO, REGISTRANDO AS INFORMAÇÕES. ESTAS INFORMAÇÕES NORMALMENTE SÃO UTILIZADAS PARA AVALIAR A INTEGRIDADE

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009 PSBJ- Programa de Saneamento da Barra da Tijuca, Jacarepaguá e Recreio dos Bandeirantes RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009 As obras (tanto as concluídas quanto as em andamento)

Leia mais

Válvulas Automáticas de Controle e Fluxo

Válvulas Automáticas de Controle e Fluxo Válvulas Automáticas de Controle e Fluxo As válvulas automáticas são utilizadas em processos de automação ou acionamento remoto para controle de fluxo de líquidos e gases, e também nos processos de dosagem

Leia mais

VAZAMENTO EM ADUTORAS DE FERRO FUNDIDO - CAUSA E SOLUÇÃO

VAZAMENTO EM ADUTORAS DE FERRO FUNDIDO - CAUSA E SOLUÇÃO VAZAMENTO EM ADUTORAS DE FERRO FUNDIDO - CAUSA E SOLUÇÃO Antônio Wilson Martins (1) Engenheiro Eletricista pela Faculdade de Engenharia de Barretos. Especialista em Engenharia Sanitária pela Universidade

Leia mais

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS Eng o Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda LPgomes@iecengenharia.com.br 21 2159

Leia mais

CONSÓRCIO ETDI RNEST

CONSÓRCIO ETDI RNEST CONSÓRCIO ETDI RNEST O CONSÓRCIO ETDI - RNEST O Consórcio é formado por duas empresas: EGESA Engenharia: Com forte atuação no mercado de construção civil pesada, com obras nos mais diversos estados brasileiros,

Leia mais

A INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA EM REDE DE COMPUTADORES

A INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA EM REDE DE COMPUTADORES 01 A INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA EM REDE DE COMPUTADORES A interferência eletromagnética (EMI) é um dos maiores causadores de falhas em redes de computadores, principalmente quando são utilizadas tubulações

Leia mais

INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA

INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA MEMORIAL TÉCNICO Memória Descritiva e Justificativa

Leia mais

FORMATO DA REDE. Basicamente existem dois formatos de rede: aberto ou em circuito fechado (anel). Formato Aberto: Formato Fechado:

FORMATO DA REDE. Basicamente existem dois formatos de rede: aberto ou em circuito fechado (anel). Formato Aberto: Formato Fechado: FORMATO DA REDE Basicamente existem dois formatos de rede: aberto ou em circuito fechado (anel). Formato Aberto: Quando não justifica fazer um anel, pode-se levar uma rede única que alimente os pontos

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM. Revisão 10 MONTAGEM DO DISCO SOLAR PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA

MANUAL DE MONTAGEM. Revisão 10 MONTAGEM DO DISCO SOLAR PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA MANUAL DE MONTAGEM Revisão 10 MONTAGEM DO DISCO SOLAR PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA Parabéns por adquirir um dos mais tecnológicos meios de aquecimento de água existentes no mercado. O Disco Solar é por sua

Leia mais

Rede de Distribuição de Gás Natural. Campanha Externa de Prevenção de Acidentes com a População - CEPAP

Rede de Distribuição de Gás Natural. Campanha Externa de Prevenção de Acidentes com a População - CEPAP Rede de Distribuição de Gás Natural Campanha Externa de Prevenção de Acidentes com a População - CEPAP Em caso de vazamento, o que fazer: 1 Isolar a área de ocorrência do vazamento ou combustão e se afastar

Leia mais

Obtenção de Direito de Passagem (RoW) de Redes na Prefeitura de São Paulo

Obtenção de Direito de Passagem (RoW) de Redes na Prefeitura de São Paulo Obtenção de Direito de Passagem (RoW) de Redes na Prefeitura de São Paulo Este tutorial apresenta a legislação e o processo para obtenção de Direito de Passagem (RoW) de redes de telecomunicações junto

Leia mais

Tubulações sob Pressão e Renovação de Redes de Esgotos

Tubulações sob Pressão e Renovação de Redes de Esgotos Tubulações sob Pressão e Renovação de Redes de Esgotos Orientação e Crescimento Ninguém se dá conta O nosso grupo iniciou actividade em 1933 como uma empresa de construção. Começámos por nos especializar

Leia mais

História NHP SERVICE.

História NHP SERVICE. História NHP SERVICE. No ano de 2007 era fundada a NHP SERVICE com o objetivo específico de ajudar a preservação do patrimônio, meio ambiente de seus clientes executando serviços diversificados para as

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA

MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA MANUAL DE INSTALAÇÃO SUSTENTÁVEL POR NATUREZA APRESENTAÇÃO SISTEMA ECOFOSSA A Ecofossa é um sistema biológico autônomo de tratamento de esgoto que não utiliza energia elétrica ou qualquer produto químico

Leia mais

A PETROBRAS E SUA ATUAÇÃO NA REGIÃO DE PAULÍNIA. Claudio Pimentel Gerente Geral da Refinaria de Paulínia

A PETROBRAS E SUA ATUAÇÃO NA REGIÃO DE PAULÍNIA. Claudio Pimentel Gerente Geral da Refinaria de Paulínia A PETROBRAS E SUA ATUAÇÃO NA REGIÃO DE PAULÍNIA Claudio Pimentel Gerente Geral da Refinaria de Paulínia VISÃO E MISSÃO Seremos uma das cinco maiores empresas integradas de energia do mundo e a preferida

Leia mais

TABELA DAS ATIVIDADES SUJEITA A DESONERAÇÃO (Antes da MP 612/2013) - Elaborada por Daniel Pinheiro

TABELA DAS ATIVIDADES SUJEITA A DESONERAÇÃO (Antes da MP 612/2013) - Elaborada por Daniel Pinheiro TABELA DAS ATIVIDADES SUJEITA A DESONERAÇÃO (Antes da MP 612/2013) - Elaborada por Daniel Pinheiro Prestação de Serviços e Comércio varejista Início Atividade de indústria Início TI e TIC exclusivamente:

Leia mais

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo;

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo; Fleury Pissaia * Entre 2011 e 2015, investimento previsto no setor industrial é de R$ 600 bilhões. Desse montante, indústria do petróleo representa 62%. No mesmo período, R$ 750 bilhões serão alocados

Leia mais

- Válvulas com Flange -

- Válvulas com Flange - Procedimentos de Montagem e Manutenção - Válvulas com Flange - Para Sistemas de Vapor, Óleo Térmico e Outros Processos Industriais. Em uma instalação industrial de aquecimento, devem ser previstas facilidades

Leia mais

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS UMA EXPERIÊNCIA PRÁTICA Luciano Pereira da Silva Francisco

Leia mais

PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL

PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL MEDIDAS PARA CONTER A PROPAGAÇÃO DO INCÊNDIO NOS EDIFÍCIOS Compartimentação horizontal Compartimentação vertical Controle da

Leia mais

O projeto abastecerá, de forma direta, 84 (oitenta e quatro) famílias, e também conectará, nos nós 5 e 7 na planta, a outra rede existente.

O projeto abastecerá, de forma direta, 84 (oitenta e quatro) famílias, e também conectará, nos nós 5 e 7 na planta, a outra rede existente. SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PICADA ARROIO DO MEIO ARROIO DO MEIO / RS MEMORIAL DESCRITIVO 1. Considerações preliminares O presente projeto visa à implantação de melhorias no sistema de abastecimento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO O cabeamento vertical, ou cabeamento de backbone integra todas as conexões entre o backbone do centro administrativo e os racks departamentais,

Leia mais

Aplicações do AutoCAD Plant 3D em Energias Renováveis

Aplicações do AutoCAD Plant 3D em Energias Renováveis Aplicações do AutoCAD Plant 3D em Energias Renováveis Diogenes Paranhos Andritz Hydro Inepar do Brasil S.A. Glycon Barros / Breno Miranda / Phillip Morais - Fluenge Engenharia de Fluídos Benefícios práticos

Leia mais

Vocação para ser líder.

Vocação para ser líder. Vocação para ser líder. Pioneirismo, tradição e inovação: o caminho certo para a liderança. A NM Engenharia preserva uma história de sucesso. Há mais de três décadas, a empresa deu início a suas atividades

Leia mais

Controlador Automático para Escoamentos de Gases

Controlador Automático para Escoamentos de Gases Controlador Automático para Escoamentos de Gases Aluno: Diego Russo Juliano Orientador: Sergio Leal Braga Introdução Medidores e controladores de vazão são peças fundamentais nos principais setores industriais,

Leia mais

TOTAL GERAL R$ 185.478,76

TOTAL GERAL R$ 185.478,76 P - 01 1.5 Execução de perfilagem óptica antes da limpeza do poço, com entrega em CD m 147,00 54,67 8.036,49 1.15 Execução de perfilagem óptica após a limpeza do poço, com entrega em CD m 147,00 54,67

Leia mais

mk indústria & comércio boletim técnico de produtos

mk indústria & comércio boletim técnico de produtos mk indústria & comércio boletim técnico de produtos BOLETIM TÉCNICO DE PRODUTOS W W W. M K - C O M E R C I O. C O M índice APRESENTAÇÃO argila mk bentonita mk MAXI MUD AG100 MAXI MUD AL45 maxi mud cl40

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II Informações sobre este material didático: Edição: 1ª Edição Data da versão: 30/12/2006 Autor(es): Bruno Campos Pedroza, DSc Professor

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE.

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. 1. OBJETIVO: 1.1.

Leia mais

Teste Hidrostático. Projeto de Dutos

Teste Hidrostático. Projeto de Dutos Teste hidrostático Definição (NBR 12712) Teste (ensaio) de pressão com água, que demonstra que um tubo ou um sistema de tubulação possui resistência mecânica compatível com suas especificações ou suas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA. Assunto: Procedimentos para Tamponamento de Poços

INSTRUÇÃO NORMATIVA. Assunto: Procedimentos para Tamponamento de Poços IN-2/06 Outubro/26 1/6 1. OBJETIVO Esta Instrução Normativa em sua primeira versão visa definir procedimentos genéricos para desativação de poços tubulares que tenham sido abandonados por qualquer motivo

Leia mais

Integridade de Infraestrutura para Passagem de Cabos Elétricos como Elemento Vital de Confiabilidade

Integridade de Infraestrutura para Passagem de Cabos Elétricos como Elemento Vital de Confiabilidade 1 Integridade de Infraestrutura para Passagem de Cabos Elétricos como Elemento Vital de Confiabilidade Osvaldo Barbosa Resumo Redes de cabos elétricos, e sua infraestrutura associada, constituem caminhos

Leia mais

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TODA DIFUSORES PARA LUMINÁRIAS O conjunto de difusão de ar completamente embutido, contribui para um visual leve e sem distorções. Sua flexibilidade própria,

Leia mais

Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda. Manual de Instruções

Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda. Manual de Instruções Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções CALHA PARSHALL Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto. Este manual traz informações importantes

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas.

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas. fls. 1/6 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Linhas Físicas de Telecomunicações, com Cabos Metálicos e com Fibras Ópticas. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 19ª REGIÃO VARA DO TRABALHO DE PENEDO-AL RUA EM PROJETO A (LAGOA DO OITEIRO), PENEDO-AL

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 19ª REGIÃO VARA DO TRABALHO DE PENEDO-AL RUA EM PROJETO A (LAGOA DO OITEIRO), PENEDO-AL TERESINA - PIAUÍ PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 19ª REGIÃO VARA DO TRABALHO DE PENEDO-AL RUA EM PROJETO A (LAGOA DO OITEIRO), PENEDO-AL SETEMBRO/ 2014 RELATÓRIO RS-23.09/2014 ÍNDICE

Leia mais

ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO CONCORRENCIA 06/2012 CADERNO 3 - ACÚSTICA

ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO CONCORRENCIA 06/2012 CADERNO 3 - ACÚSTICA 1 DE 5 ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO CONCORRENCIA 06/2012 CADERNO 3 - ACÚSTICA 2 DE 5 CLIENTE CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO OBRA PROJETOS EXECUTIVOS PARA REALOCAÇÃO DE GRUPOS

Leia mais

Apostila técnica de Mezanino 01 de 09

Apostila técnica de Mezanino 01 de 09 Apostila técnica de Mezanino 01 de 09 OBJETIVO: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento básico sobre Mezaninos, seus acessórios e suas aplicações, facilitando a solução de problemas

Leia mais