Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE"

Transcrição

1 ITA Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras 25 Páginas

2 CRITÉRIOS BÁSICOS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA ESPECIAL DAE. NOTA: ESTA INSTRUÇÃO TÉCNICA SUBSTITUI A ITD 04/DED98. No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO ELABORAÇÃO DATA : 11/09/2003 RESPONSÁVEIS TÉCNICOS (NOME E CREA) EDUARDO R. DE MORAES RJ /D RUBRICA NOTAS DE CRÉDITO ESTA ITA FOI ELABORADA PELA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO E NORMALIZAÇÃO E TEVE A PARTICIPAÇÃO DO Eng OLYMPIO PASSOS DA M. NETO VISTO EMISSÃO APROVAÇÃO VANDERLEI ROBADEY CARVALHO JORGE RICARDO DE CARVALHO CESAR PEREIRA FERNANDES

3 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO 3 PROJETO 4 CONDUTORES 5 ESTRUTURAS DE FIXAÇÃO 6 POSTEAÇÃO 7 TRANSFORMADOERS DE DISTRIBUIÇÃO 8 DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO PARA M.T. 9 AFASTAMENTOS MÍNIMOS DAS REDES DE M.T. E B.T. 10 ATERRAMENTO 11 ILUMINAÇÃO PÚBLICA 12 RAMAIS PARA LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES 13 ANEXOS Processo de Engenharia e Obras Página 1 de 25

4 1. OBJETIVO Esta ITA Instrução Técnica tem por objetivo estabelecer os critérios básicos para elaboração de projetos de redes de distribuição aérea especial (rede com cabos concêntricos), de modo a garantir as condições necessárias a um adequado fornecimento de energia elétrica. São definidos, entre outros, critérios básicos para dimensionamento e aplicação de condutores, postes, transformadores, dispositivos para proteção em média e baixa tensão, bem como a metodologia para elaboração de projeto para a sua representação e construção. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO A rede de distribuição aérea especial, denominada DAE, é um sistema desenvolvido para atendimento a áreas com população de renda reduzida, ou ainda aquelas consideradas como áreas de grande incidência de consumo irregular (não medido) de energia. Desta forma, trata-se de sistema de distribuição basicamente desenvolvido para atendimento de clientes com baixa carga. 3. PROJETO 3.1. ROTEIRO A elaboração de projetos de redes de distribuição aérea especial obedecerá, de uma forma geral, ao estabelecido na ITD , naquilo que não conflitar com esta Instrução PLANEJAMENTO BÁSICO Os projetos deverão atender a um planejamento básico focado nos aspectos técnicos pertinentes e em características sociais da área. Tal planejamento consiste na análise das condições locais envolvendo dimensões dos lotes, tipo de ocupação, tendências regionais, rendas per capita, dados de carregamento, medição de consumo, etc. As áreas em que serão aplicados os critérios de Rede DAE, serão apontadas pela Área de Perdas e demarcadas no GEDIS. Processo de Engenharia e Obras Página 2 de 25

5 4. CONDUTORES 4.1. REDE DE M.T SEÇÕES PADRONIZADAS Ficam padronizadas como básicas as seções de condutores de alumínio nu # 2 AWG-CA e # 1/0 AWG-CA e de condutores de cobre nu # 16 mm², # 25 mm² e # 35mm 2, e suas escolhas serão em função do local de aplicação. Preferencialmente, será adotado o condutor de alumínio, ficando o de cobre para utilização em áreas onde existir poluição atmosférica (orla marítima em geral). Em caso de substituição de rede secundária, serão mantidas as bitolas dos condutores de MT existentes. Poderão ser projetadas outras bitolas padronizadas em casos especiais que se justifiquem CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS DOS CONDUTORES ALUMINIO SEÇÃO COBRE AMPACIDADE (A) Rx Ω/km X L Ω/km mm² 140 1,4850 0, mm² 190 0,9830 0, mm² 240 0,5940 0, AWG ,9630 0,4690 1/0 AWG ,6050 0, TRAÇADO DA REDE A rede de M.T. será trifásica, admitindo-se derivações bifásicas REDE SECUNDÁRIA SEÇÕES PADRONIZADAS Ficam padronizados os condutores concêntricos de cobre nas seções e características abaixo relacionadas: SEÇÃO NOMINAL FORMAÇÃO DOS CONDUTORES CENTRAIS ESPESSURA MÍNIMA DO ISOLAMENTO (mm) DIAMETRO EXTERNO APROX. PESO TOTAL APROX. TRAÇAO DE PRO- JETO CAPACIDADE DE CORRENTE CLASSE DE ISOLAMENTO (mm 2 ) (FIOS) INTERNO EXTERNO (mm) (Kg/M) (dan) (A) (kv) 2 x FIOS 0,7 1,4 16,0 0, ,6/1,0 3 x FIOS 0,7 1,4 18,0 0, ,6/1,0 Processo de Engenharia e Obras Página 3 de 25

6 QUEDA DE TENSÃO No cálculo de queda de tensão somente os lotes ocupados deverão ser considerados. Nenhuma ponta do circuito secundário, a partir do transformador, deverá exceder a 72 metros, e o limite de queda de tensão permitido para cada extremidade do circuito é de 4%. Para aplicação deste percentual deverá ser observada a queda de tensão total de acordo com o estabelecido pela legislação vigente. Tanto quanto possível, um circuito deverá apresentar quedas de tensão aproximadamente iguais nas suas extremidades. As pontas adjacentes de circuitos distintos deverão apresentar valores de queda de tensão aproximadamente iguais. O transformador deverá, sempre que possível, estar no centro de carga. Os valores de demanda média diversificada individual (DMDI) a adotar será em função do número de consumidores e devem estar de acordo com a ITA Cálculo de Demanda para Medição de Cliente em BT. Especificamente para consumidores monofásicos com demanda até 2,5 kva, que utilizam disjuntor de até 20 A, os valores de demanda média diversificada individual (DMDI), estão definidos a seguir : De 03 a 05 Consumidores - 0,60 kva De 06 a 10 Consumidores - 0,50 kva De 11 a 15 Consumidores - 0,45 kva De 16 a 20 Consumidores - 0,40 kva De 21 a 25 Consumidores - 0,35 kva Obs.: Para 1 ou 2 consumidores não é aplicável a diversificação da demanda. As Quedas de tensão unitárias (em volts) por kva por 100 metros, para as redes em cabos concêntricos de cobre serão: Para o cabo concêntrico # 2X10(10) mm 2 = 1,750 Para o cabo concêntrico # 3X10(10) mm² = 0,876 Os valores acima citados correspondem ao cálculo da queda de tensão levando-se em consideração fator de potência igual a 0,8. Caso se conheça o valor do fator de potência do circuito, deverão ser utilizadas as fórmulas à seguir: Circuitos bifásicos com condutores concêntricos tripolares: V = 0,909 x ( 2,34 x cos ϕ + 0,0948 x sen ϕ ) [ V / kva.km ] ou V = 0,909 x ( 2,34 x cos ϕ + 0,0948 x sen ϕ ) x 100/127 [ % / kva.km ] Processo de Engenharia e Obras Página 4 de 25

7 Circuitos trifáicos com condutores concêntricos tetrapolares: V = 0,454 x ( 2,34 x cos ϕ + 0,0948 x sen ϕ ) [ V / kva.km ] ou V = 0,454 x ( 2,34 x cos ϕ + 0,0948 x sen ϕ ) x 100/127 [ % / kva.km ] NEUTRO Para dois fins de linha no mesmo poste deverá ser realizado o fechamento do neutro com condutor de cobre isolado 750 V, com seção nominal de 10 mm 2, através do barramento das caixas de derivação. 5. ESTRUTURAS DE FIXAÇÃO 5.1. ESTRUTURAS PARA REDES DE M.T. Ficam padronizadas as estruturas primárias Normal, Meio-beco e Beco dos tipos 1 a 4 de uso tradicional na, ficando sua escolha a ser definida pelo afastamento necessário de fachadas, etc..., e seu tipo em função do ângulo de deflexão definido na tabela abaixo: ÂNGULOS DE DEFLEXÃO CONDUTOR ESTRUTURAS N1 N2 N4 CA - 2 AWG 0º a a CA - 1/0 AWG 0 a a a 60 Cu - 16 mm² 0 a a Cu - 25 mm² 0 a a a 60 Cu - 35 mm 2 0 a a a 60 NOTAS: 1. Os fins de linha em condutores CA-2AWG e Cu-16 mm² serão executados em estruturas do tipo N2. 2. Os fins de linha em condutores Cu-25 mm 2, Cu-35 mm² e CA 1/0 AWG serão executados em estruturas do tipo N3. 3. Os ângulos de deflexão superiores a 60º deverão prever as seguintes estruturas: Condutor Cu-16 mm² e CA-2 AWG: N2 - N2 Demais condutores: N3 - N3 Processo de Engenharia e Obras Página 5 de 25

8 5.2. ESTRUTURAS PARA REDES DE B.T Fica padronizada a estrutura secundária S1-D1 para sustentação da rede de BT em todos os postes, inclusive no poste do transformador e em fins de linha. Nestes casos, utilizar a alça pré-formada de aço para condutor isolado, ou alça pré-formada de cobre para condutor isolado nas áreas com agressividade salina. Por suas características especiais (rede seccionada em cada poste e interligada nos barramentos das caixas), a rede DAE é uma rede com os cabos de baixa tensão sempre ancorados nos isoladores por alças pré-formadas. Mesmo que, excepcionalmente, em postes onde não haja a necessidade de se conectar algum consumidor, a rede deverá ser ancorada, deixando-se uma folga no cabo, de tal forma que no futuro, caso necessite-se de uma ligação, o cabo possa ser seccionado para adentrar na caixa de derivação e energizar o barramento de ligação Para sustentação dos ramais de ligação dos consumidores, fixados abaixo da caixa de derivação ou proteção e derivação, deverão ser utilizadas estruturas secundárias com isoladores tantos quanto forem necessários, até o limite de 4 isoladores(estrutura F2-D2). Sempre que possível, recomenda-se utilizar no máximo 3 ramais por isolador Os ramais para ligação dos consumidores serão fixados nos isoladores por intermédio de alça preformada de aço para condutor isolado, devendo ser prevista a folga necessária destes condutores de forma a não dificultar sua conexão às caixas de proteção e derivação ou a de derivação. Nos casos de orla marítima agressiva utilizar a alça preformada de cobre para condutor isolado A alimentação de todos os ramais para ligação de consumidores e a ligação da iluminação pública em um mesmo poste será realizada através de caixas de derivação ou caixas de proteção e derivação. Estas caixas terão barramento bifásico ou trifásico conforme o número de fases do transformador, e o esquema de ligação dos condutores nestas caixas estão descritos nos ANEXOS 1,2 e 3. Para evitar poluição visual, que venha a dificultar a identificação de ligações irregulares, recomenda-se que cada poste tenha no máximo duas caixas com barramento. Não será necessária a instalação imediata de caixas no caso excepcional citado em Atenção especial deverá ser dada para a quantidade de consumidores a ligar no barramento das caixas de distribuição e proteção e distribuição, de forma a se obter o melhor equilíbrio possível de carregamento das fases e a não se ultrapassar a capacidade máxima de condução de corrente do barramento (100 A) A identificação das fases dos cabos concêntricos obedece a cor de sua isolação, de acordo com a seguinte tabela: FASE 1 ou A FASE 2 ou B FASE 3 ou C Isolamento na cor preta Isolamento na cor azul Isolamento na cor vermelha Processo de Engenharia e Obras Página 6 de 25

9 6. POSTEAÇÃO 6.1. Serão utilizados os postes constantes do Padrão de Materiais, onde são encontradas as suas características Preferencialmente, serão utilizados postes de concreto seção circular, em áreas de maior concentração urbana, ficando o uso de postes de madeira para pequenas localidades, áreas rurais e locais com agressividade salina. Em casos especiais que justifiquem o uso, podem ser projetados postes de concreto Duplo T Para as redes em M.T. ou em M.T. + B.T. serão utilizados postes de concreto seção circular de 11 metros de comprimento, e os vãos máximos nestes casos, serão de 72 e 36 metros respectivamente. Cada transformador poderá suprir, no máximo, dois vãos de rede secundária à direita e à esquerda O vão máximo será de 36 metros para as redes somente em B.T A utilização de postes de 9 metros somente se verificará em locais sem perspectivas de instalação de rede primária em M.T. No caso de projetos de rede em BT onde se verifique a viabilidade de utilização de postes de 11 m em função do crescimento futuro, deverá ser incluído no dimensionamento mecânico destes postes os esforços referentes à rede em M.T. futura Para o dimensionamento de postes de concreto seção duplo T, deverá ser observado que estes suportam até 100% de sua resistência nominal em sua face cheia, e até 50% em sua face vazia Postes com comprimento superior a 11 m deverão ser projetados em situações especiais, tais como: Para permitir conexão aérea (FLYING-TAP), quando necessário; Para permitir instalação de vários níveis de cruzeta; Para permitir a elevação de condutores em locais fortemente arborizados; Para permitir a instalação de mais de um circuito primário Os transformadores deverão ser instalados em postes de 400 dan, quando os esforços resultantes dos condutores das redes (M.T. e/ou B.T.) não forem superiores Os transformadores deverão ser instalados em postes de concreto seção circular nos casos de redes existentes em postes destes tipos ou de madeira. Para os casos de redes existentes em postes de seção duplo T, os transformadores serão instalados em postes destes tipos Os valores de tração para dimensionamento de postes e estruturas são encontrados nos gráficos do ANEXO 4. Processo de Engenharia e Obras Página 7 de 25

10 6.11. Os valores de Flecha e Tração de montagem estão no ANEXO TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO 7.1. Ficam padronizados os transformadores trifásicos na potência nominal de 15 e 30kVA, e os bifásicos nas potências nominais de 5, 10, 15 e 25 kva. Sempre que possível, deverá ser evitada a instalação inicial do transformador de 25 kva, dando-se preferência aos de 10 e 15 kva Em todo poste com transformador bifásico deverão ser instaladas : caixa para medidor com visor e caixa de proteção e derivação interligadas às buchas de B.T. do transformador conforme Anexo 5. Os transformadores trifásicos serão instalados com : caixa para medidor com visor, caixa de proteção na BT e caixa de derivação, interligadas às buchas de B.T. do transformador conforme Anexo 7. Os condutores utilizados serão: Bifásico de 5 kva Cabo concêntrico 2X10(10) mm 2. Bifásico de 10 kva Cabo concêntrico 2X10(10) mm 2. Bifásico de 15 kva Cabo concêntrico 2X10(10) mm 2. Bifásico de 25 kva - Cabo de cobre isolado em PVC para 750 V # 25 mm 2 (3 cabos singelos - ver nota) ou cabo de cobre isolado em XLPE # 35 mm² (3 cabos singelos). Trifásico de 15 kva Cabo concêntrico 3X10(10) mm 2. Trifásico de 30 kva Cabo pré-reunido de cobre, 0,6/1,0kV, # 25 mm 2. NOTA: Na ligação do transformador bifásico de 25 kva, quando forem utilizados os cabos com isolamento em PVC, os mesmos deverão ser envoltos com fita isolante para proteção contra os raios ultravioleta Os transformadores e disjuntores serão dimensionados de acordo com a carga, utilizando-se disjuntor com a capacidade de corrente mínima adequada. Os disjuntores não deverão ultrapassar as capacidades conforme tabela a seguir: POTÊNCIA DO TRANSFORMADOR (kva) CAPACIDADE NOMINAL DO DISJUNTOR (A) CAPACIDADE DE INTERRUPÇÃO (ka) SIMÉTRICA ASSIMÉTRICA TENSÃO NOMINAL (Vca) 5 (Bifásico) (Bifásico) (Bifásico) (Bifásico) (Trifásico) (Trifásico) Processo de Engenharia e Obras Página 8 de 25

11 NOTA: A operação de abertura do disjuntor de BT deverá ser, obrigatoriamente, precedida pela operação de abertura da chave fusível do transformador. A energização da BT do transformador (fechamento do disjuntor) deverá ser, obrigatoriamente, antes do fechamento da chave fusível do transformador. A área de Operação deverá ser informada da existência e localização de transformadores com esse tipo de operação Atenção especial deverá ser dada para a escolha das fases da rede de M.T. que alimentarão os transformadores bifásicos, visando o equilíbrio de fases. Estes deverão ser conectados às fases menos carregadas. 8. DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO PARA M.T CONTRA SOBRE-CORRENTES Deverão ser instaladas chaves corta-circuitos base tipo C em todos os ramais e transformadores, utilizando-se os seguintes elos: - Transformadores Trifásicos 11,4kV e 13,8kV 15 kva - 0,5 H 30 kva - 1,0 H - Transformadores Bifásicos 2 Buchas de MT 11,4kV e 13,8kV - 5 e 10 kva - 0,5 H - 15 e 25 kva - 1,0 H A proteção dos ramais deverá ser realizada com elos fusíveis do tipo K com valores de correntes nominais compatíveis com a potência instalada. A escolha do elo fusível adequado deverá ser feita através das curvas características tempo x corrente constantes nos anexos 8,9 e Para os casos de ramais com baixas potência instalada deverão ser utilizados elos do tipo H, desde que observada a coordenação entre os elos CONTRA SOBRE-TENSÕES Deverão ser instalados pára-raios em todos os transformadores. Prevalecerão, naquilo que não conflitar com esta orientação, os critérios definidos na Instrução Aplicação de Pára-Raios em Redes de Distribuição. Processo de Engenharia e Obras Página 9 de 25

12 9. AFASTAMENTOS MÍNIMOS DAS REDES DE M.T. E DE B.T AFASTAMENTO VERTICAL ENTRE CONDUTORES E O SOLO NATUREZA DO LOGRADOURO DISTÂNCIAS MÍNIMAS (mm) TENSÃO DE FORNECIMENTO 750 V >750 V e V RODOVIAS RUAS E AVENIDAS ENTRADAS DE PRÉDIOS E DE- MAIS LOCAIS DE USO RESTRI- TO A VEÍCULOS RUAS E VIAS EXCLUSIVAS A PEDESTRES FERROVIAS (Nota) Nota : Em ferrovias eletrificadas ou eletrificáveis, a distância mínima do condutor ao solo é de 12 metros para 13,8 kv ou 34,5 kv AFASTAMENTO VERTICAL E HORIZONTAL ENTRE CONDUTORES E EDIFI- CAÇÕES Conforme ANEXO 11. Processo de Engenharia e Obras Página 10 de 25

13 9.3. AFASTAMENTO VERTICAL ENTRE CIRCUITOS NA MESMA POSTEAÇÃO DISTÂNCIAS MÍNIMAS (m) CIRCUITOS EM CONDUTORES CONDUTORES CONDUTORES NUS NÍVEL SUPERIOR PRÉ-REUNIDOS CONCÊNTRCOS >750V >750V CIRCUITOS EM NÍVEL 750V e 750V e INFERIOR 15000V 15000V 750V CONDUTORES NUS 750V 0,6 0,8 0,6 0,8 0,6 750V 0,6 0,8 0,4 0,4 0,4 CONDUTORES PRÉ-REUNIDOS >750V e 0,8 0,8 0,4 0,4 0, V CONDUTORES CONCÊNTRICOS 750V 0,6 0,8 0,4 0,4 0,4 COMUNICAÇÃO 0,6 1,5 0,6 1,0 0,6 10. ATERRAMENTO Serão utilizadas a haste de aterramento cobreada para o aterramento de transformadores, chaves corta- circuito e pára-raios, e a haste de aterramento galvanizada para o aterramento do neutro da rede Deverão ser previstos aterramento do condutor neutro aproximadamente a cada 100 metros, e em estruturas de fim de linha primária ou secundária. A conexão do cabo de terra se dará no barramento de terminais A determinação do aterramento deve ser feita de acordo com a Parte 1 Seção 1-C do Padrão de Estruturas de Linhas e Redes, e observadas as instruções específicas sobre o assunto. 11. ILUMINAÇÃO PÚBLICA Deverão ser adotados os critérios definidos nas ITD s e Rev.1 e ANEXO Deverão ser utilizados preferencialmente luminárias com reator e base para relé incorporados, e cabo de controle 2 x 1,5 + 1,5 mm 2 ou cabo concêntrico tripolar 2 x 1,5 + 1,5 mm 2 para sua alimentação. Processo de Engenharia e Obras Página 11 de 25

14 12. RAMAIS PARA LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES Deverão ser utilizados condutores definidos nos Padrões de Medição de Consumidores em Baixa Tensão. 13. ANEXOS ANEXO 1 - Esquema de ligação na caixa de proteção para Transformadores Bifásicos e Trifásicos ANEXO 2 - Esquema de ligação na caixa de derivação Rede de B.T. Bifásica ANEXO 3 - Esquema de ligação na caixa de derivação Rede de B.T. Trifásica ANEXO 4 - Valores de tração de projeto em postes de 9 e 11 metros ANEXO 5 - Flecha e tração de montagem ANEXO 6 - Esquema de montagem de transformadores bifásicos em postes ANEXO 7 - Esquema de montagem de transformadores trifásicos em postes ANEXO 8 - Curvas características de fusão tempo x corrente - Elo tipo H ANEXO 9 - Curvas características de fusão tempo x corrente - Elo tipo K - grupo A ANEXO 10 - Curvas características tempo x corrente - Elos tipo K, grupo B ANEXO 11 - Afastamento vertical e horizontal entre condutores e edificações ANEXO 12 - Esquema de montagem de montagem de rede de B.T. em postes.. Processo de Engenharia e Obras Página 12 de 25

15 Processo de Engenharia e Obras Página 13 de 25

16 Processo de Engenharia e Obras Página 14 de 25

17 Processo de Engenharia e Obras Página 15 de 25

18 ANEXO 4 VALORES DE TRAÇÃO DE PROJETO EM POSTES DE 9 E 11 METROS CONDUTOR CONCÊNTRICO DE COBRE DEFLEXÃO 3 x 10 (10) mm² 2 x 10 (10) mm² 3 x 10 (10) mm² 2 x 10 (10) mm² (graus) 9 m 11 m Tração de Projeto - Condutores Concêntricos Tripolares Tração [dan] X 10(10) mm² Poste de 9 m 2 X 10(10) mm² Poste de11 m Ângulo de Deflexão [graus] Tração de Projeto - Condutores Concêntricos Tetrapolares Tração [dan] X 10(10) mm² Postes de 9 m 3 X 10(10) mm² Postes de 11 m Ângulo de Deflexão [graus] Processo de Engenharia e Obras Página 16 de 25

19 ANEXO 5 FLECHA E TRAÇÃO DE MONTAGEM Condutor Concêntrico Tripolar de cobre - 2 x 10 (10) mm² VÃO (m) TEMPERATURA ( C) T f T f T f T f (dan) (m) (dan) (m) (dan) (m) (dan) (m) , , , , , , , , , , , , , , , ,81 Condutor Concêntrico Tetrapolar de cobre - 3 x 10 (10) mm² VÃO (m) TEMPERATURA ( C) T f T f T f T f (dan) (m) (dan) (m) (dan) (m) (dan) (m) , , , , , , , , , , , , , , , ,89 Processo de Engenharia e Obras Página 17 de 25

20 Processo de Engenharia e Obras Página 18 de 25

21 Processo de Engenharia e Obras Página 19 de 25

22 ANEXO 8 CURVAS CARACTERÍSTICAS DE FUSÃO TEMPO X CORRENTE - ELO TIPO H EM CONFORMIDADE COM A NBR 5359/1989 Processo de Engenharia e Obras Página 20 de 25

23 ANEXO 9 CURVAS CARACTERÍSTICAS DE FUSÃO TEMPO X CORRENTE - ELO TIPO K GRUPO A EM CONFORMIDADE COM A NBR 359/1989 Processo de Engenharia e Obras Página 21 de 25

24 ANEXO 10 CURVAS CARACTERÍSTICAS DE FUSÃO TEMPO X CORRENTE - ELO TIPO K GRUPO B EM CONFORMIDADE COM A NBR 5359/1989 Processo de Engenharia e Obras Página 22 de 25

25 ANEXO 11 AFASTAMENTO VERTICAL E HORIZONTAL ENTRE CONDUTORES E EDIFICAÇÕES Processo de Engenharia e Obras Página 23 de 25

26 Processo de Engenharia e Obras Página 24 de 25

27 ÍNDICE ITEM TÍTULO PÁG. 1 OBJETIVO 02 2 CAMPO DE APLICAÇÃO 02 3 PROJETO Roteiro Planejamento básico 02 4 CONDUTORES Rede de M.T Seções padronizadas Características elétricas Traçado da rede Rede secundária Seções padronizadas Queda de tensão Neutro 05 5 ESTRUTURAS DE FIXAÇÃO Estruturas para redes M.T Estruturas para redes de B.T POSTEAÇÃO 07 7 TRANSFORMADOERS DE DISTRIBUIÇÃO 08 8 DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO PARA M.T Contra sobrecorrentes Contra sobretensões 09 9 AFASTAMENTOS MÍNIMOS DAS REDES DE M.T. E B.T Vertical entre condutores e o solo Vertical e horizontal entre condutores e edificações Vertical entre circuitos na mesma posteação ATERRAMENTO ILUMINAÇÃO PÚBLICA RAMAIS PARA LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES ANEXOS ANEXO 1 - Esquema de ligação na caixa de proteção para Transformadores Bifásicos e Trifásicos ANEXO 2 - Esquema de ligação na caixa de derivação Rede de B.T. Bifásica ANEXO 3 - Esquema de ligação na caixa de derivação Rede de B.T. Trifásica ANEXO 4 - Valores de tração de projeto em postes de 9 e 11 metros ANEXO 5 - Flecha e tração de montagem ANEXO 6 - Esquema de montagem de transformadores bifásicos em postes ANEXO 7 - Esquema de montagem de transformadores trifásicos em postes ANEXO 8 - Curvas caraterísticas de fusão tempo x corrente elo tipo H ANEXO 9 - Curvas caraterísticas de fusão tempo x corrente elo tipo K - Grupo A ANEXO 10 - Curvas caraterísticas de fusão tempo x corrente elo tipo K - Grupo B ANEXO 11 - Afastamento vertical e horizontal entre condutores e edificações ANEXO 12 - Esquema de montagem de rede de B.T. em postes 16 Processo de Engenharia e Obras Página 25 de 25

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 5

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 Página 1 de 1 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1.OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-17/09/2012 22/10/2012 ENGENHARIA E SISTEMAS TÉCNICOS (DTES-ES) APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI (DTES-ES) SUMÁRIO

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição NTC-18 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COMPACTA PROTEGIDA CLASSE 15 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA página APRESENTAÇÃO 1. OBJETIVO...03 2. CAMPO DE APLICAÇÃO...03

Leia mais

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO PADRÃO DE MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Egenharia Processo de Engenharia e Obras 3$'5 2'(0(',d 2,1',9,'8$/'(&/,(17(6 (0%$,;$7(16 2 No DATA

Leia mais

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Normas CEMIG ND2.1 - Instalações Básicas de Redes de Distribuição Áreas Urbanas ND3.1 - Projetos de Redes de Distribuição Aéreas Urbanas RDU Rede de Distribuição

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL

PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL DOCUMENTO NORMATIVO Código PADRÃO DE ESTRUTURA PE - 031 Página I REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, URBANA COM CABOS COBERTOS EM ESPAÇADORES CLASSE 15 kv página APRESENTAÇÃO 1. OBJETIVO...03 2.

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA NTD-14 NTD 14 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA CONTROLE DE VERSÕES NTD-14 - MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Nº.: DATA VERSÃO 1 13/07/4 0 2 03/9 1 NTD 14 MONTAGEM

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM 1 ND 3.5 PROJETOS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS Roberto Carlos de Souza - CEMIG Erivaldo Costa Couto -

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS RIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 6 Condutores elétricos - dimensionamento e instalação.

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção contra curtos-circuitos;

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS NORMA TÉCNICA NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS Cuiabá Mato Grosso - Brasil INDICE 1 OBJETIVO...03

Leia mais

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS 11 metros = 150 12 metros = 150 450 1000 máximo 11 metros = 850 12 metros = 1450 800 450 450 11 metros = 1700 12 metros = 1800 11 ou 12 metros 100 11 metros = 1300 12

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO.

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO. OBRA: COL. EST. RESIDENCIAL SÃO PEDRO - PROJETO PADRÃO SECULO XXI. LOCAL: - Rua Tucunaré com Rua Pacu e Avenida Astolpho Leão Borges APM-05, Residencial São Pedro Goianira - GO ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES

Leia mais

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO PADRÃO DE MEDIÇÃO AGRUPADA DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras PADRÃO DE M EDIÇÃO AGRUPADA DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO No

Leia mais

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS NTD-1 APRESENTAÇÃO 4 1. OBJETIVO 5. AMPLITUDE 5 3. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO 5 4. CONCEITUAÇÃO 5 4.1. REDE DE DISTRIBUIÇÃO 5 4.. REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU 5 4.3. REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS NORMA TÉCNICA NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS Cuiabá Mato Grosso - Brasil INDICE 1 OBJETIVO...03

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.01.01 CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS. Sumário

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.01.01 CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS. Sumário 1. Objetivo... 6 2. Aplicação... 6 3. Documentos de referência... 6 4. Obtenção de dados preliminares... 6 4.1. Características do projeto... 6 4.1.1. Localização... 6 4.1.2. Tensão de operação... 6 4.1.3.

Leia mais

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias NOVOS Disjuntores RX 3 A solução ideal para instalações residenciais e terciárias Ambiente Residencial - área úmida Ambiente Residencial Soho - Pequeno Escritório ou Home Office Ambiente Residencial -

Leia mais

NORMA TÉCNICA PADRÃO DE ESTRUTURAS DE REDE AÉREA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEX NTD-07

NORMA TÉCNICA PADRÃO DE ESTRUTURAS DE REDE AÉREA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEX NTD-07 NORMA TÉCNICA PADRÃO DE ESTRUTURAS DE REDE AÉREA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEX NTD-07 PÁG. APRESENTAÇÃO... 0/55. OBJETIVO... 0/55. AMPLITUDE... 0/55. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO... 0/55 4.

Leia mais

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI 1 - NOME DO CURSO: Projetos de RDI / RDP: RDI: Redes de Distribuição Aéreas Isoladas; RDP: Redes de Distribuição Aéreas Protegidas (Compactas). 2 - ÁREA: Eletrotécnica Sub

Leia mais

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com Projeto Elétrico Padrão de Medição, fornecimento de energia em tensão primária 13.8kV, a partir da rede aérea de distribuição para atender Defensoria Pública do Estado da Paraíba. Responsavel Técnico:

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4 ª 05/12/2011 4.8.7.18 - Placa de identificação de subestação abrigada.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4 ª 05/12/2011 4.8.7.18 - Placa de identificação de subestação abrigada. Processo Realizar Novas Ligações Atividade Código Edição Data SM04.00-00.03 7ª Folha 1 DE 48 26/08/2014 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior 1ª 06/11/2007 Edição

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Lançamento de Condutores 7. Fixação Definitiva do Condutor 8. Identificação de Fases

Leia mais

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda.

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. NORMA PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA REDE DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIA BT MULTIPLEXADA 1ª edição Versão 1.0 out/09 [Digite texto] MEDIDAS DE CONTROLE Revisão:

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4 ª 05/12/2011 4.8.7.18 - Placa de identificação de subestação abrigada.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4 ª 05/12/2011 4.8.7.18 - Placa de identificação de subestação abrigada. Processo Realizar Novas Ligações Atividade Código Edição Data SM04.00-00.03 5ª Folha 1 DE 46 30/11/2012 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior 1ª 06/11/2007 Edição

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Novas Normas NBR IEC 61643-1 - Dispositivos de proteção contra surtos em baixa tensão - Parte 1: Dispositivos de proteção conectados a sistemas de

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Autores Marcelo Artur Xavier de Lima CELPE; José Aderaldo Lopes CELPE. 1 AGENDA: A Celpe;

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

ND-5.1 7-1 FORNECIMENTO TABELA 1

ND-5.1 7-1 FORNECIMENTO TABELA 1 ND-5.1 7-1 TBEL 1 DIMENSIONMENTO DOS RMIS DE LIGÇÃO E D MEDIÇÃO PR UNIDDES CONSUMIDORS URBNS OU RURIS TENDIDS POR REDES SECUNDÁRIS TRIFÁSICS (127/220V) FORNECIMENTO TIPO B C D E FIX 1 2 3 B1 B2 Ramal de

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-025/2013 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-025/2013 R-00 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE /2013 DECISÃO TÉCNICA /2013 R- PARA FORMAR UM BANCO TRIFÁSICO FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica apresenta critérios para instalação

Leia mais

FASCÍCULO CONDIÇÕES GERAIS EMPREENDIMENTOS PARTICULARES LIVRO DE INSTRUÇÕES GERAIS

FASCÍCULO CONDIÇÕES GERAIS EMPREENDIMENTOS PARTICULARES LIVRO DE INSTRUÇÕES GERAIS FASCÍCULO CONDIÇÕES GERAIS EMPREENDIMENTOS PARTICULARES LIVRO DE INSTRUÇÕES GERAIS 2-22 INDICE INTRODUÇÃO... 3 1. OBJETIVO... 4 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 4 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 4 4. TERMINOLOGIA

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA Outubro 2008 Companhia Energética de Alagoas-CEAL Superintendência de Projetos e Obras-SPP Gerencia de Projetos e Obras

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NDU-010 VERSÃO 3.1 JUNHO/2013 SUMÁRIO Item Descrição Classe Desenho 1. Haste de Aço-Cobre para Aterramento...

Leia mais

PLANEJAMENTO E PROJETOS DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Projeto de Redes aéreas do sistema de distribuição

PLANEJAMENTO E PROJETOS DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Projeto de Redes aéreas do sistema de distribuição UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PLANEJAMENTO E PROJETOS DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição DICAS Instalações elétricas residenciais 8ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim

Leia mais

NORMA DE FORNECIMENTO

NORMA DE FORNECIMENTO NORMA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA REVISÃO: JULHO/2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO 3 DEFINIÇÕES 3.1 - Aterramento 3.2 - Caixa de Barramentos 3.3 - Caixa de Medição 3.4 - Carga Instalada

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE DT-144/2013 DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00 INSTALAÇÃO DE CAIXA DE PROTEÇÃO SECUNDÁRIA NA REDE DE BAIXA TENSÃO FOLHA DE CONTROLE DECISÃO TÉCNICA INSTALAÇÃO

Leia mais

SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC

SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 Página 1 de 13 COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 PADRÃO DE ENTRADA INDIVIDUAL ECONÔMICO COM POSTE DE AÇO E CAIXA DE POLICARBONATO TIPO PP Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Compartilhamento de Postes da Rede de Energia Elétrical Processo Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico Atividade Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.02-01.015 2ª Folha 1 DE 15 16/10/2008

Leia mais

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv Cuiabá Mato Grosso - Brasil APRESENTAÇÃO 1- OBJETIVO...04 2- CAMPO DE APLICAÇÃO...04

Leia mais

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-018 CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETOS E CONSTRUÇÕES DE REDES SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-018 CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETOS E CONSTRUÇÕES DE REDES SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-018 CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETOS E CONSTRUÇÕES DE REDES SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS NDU-018 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO 3.0 JULHO/2012 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2.

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES A descrição das atividades tem como propósito facilitar o relacionamento entre a CONTRATANTE e a CONTRATADA, na medida em que visa

Leia mais

Diretoria de Distribuição e Comercialização

Diretoria de Distribuição e Comercialização Classificação: Público CEMIG Distribuição SÃ Diretoria de Distribuição e Comercialização Manual de Distribuição PROJETOS DE REDES DE DISTRIBUIÇAO SUBTERRÂNEAS PARA ATENDIMENTO A CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS

Leia mais

São identificadas pelas características inerentes aos sistemas de distribuição:

São identificadas pelas características inerentes aos sistemas de distribuição: Capítulo2 CHAVE-FUÍVEI PARA PROTEÇÃO DE ALIMENTADORE E TRANFORMADORE 2.1 Introdução Classicamente, os sistemas de distribuição primários, aéreos, trifásicos e aterrados, constituídos por condutores nus,

Leia mais

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos Método da capacidade de condução de corrente Roteiro: 1. Calcular a corrente de projeto (I p ) dos circuitos da edificação; 2. Definir parâmetros de instalação

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Norma Processo Planejar, Ampliar e Melhorar a Rede Elétrica Atividade Elabora Projetos e Orçamentos / Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.06 1ª Folha 1 DE 48 30/07/2013

Leia mais

PD-4.009. Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia

PD-4.009. Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV ELABORADO

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 KV NORTEC01 Capítulo Descrição Página 1 Finalidade 01 2 Âmbito

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/01/2013 29/01/2013 APROVADO POR SEBASTIÃO J. SANTOLIN - DTES- SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO 1 OBJETIVOS Esta norma estabelece os requisitos, condições técnicas mínimas e os procedimentos a serem seguidos na elaboração e apresentação de projetos de compartilhamento de infraestrutura das redes

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Amarrações SEÇÃO 6 Cruzamentos SEÇÃO 7 Conexões e Emendas SEÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO MATERIAL CÂMARA TRANSFORMADORA Unid. Quant. V. unit.r$ V. TotalR$ Placa de

Leia mais

Cálculo de Demanda para Medição de Cliente em Baixa Tensão

Cálculo de Demanda para Medição de Cliente em Baixa Tensão ITA 001 Rev.3 Dezembro/2009 Cálculo de Demanda para Medição de Cliente em Baixa Tensão Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ CEP 24210-205 http:\\ www.ampla.com Diretoria Técnica Gerência de Planejamento

Leia mais

Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS

Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS O que é? É um Dispositivo de Proteção contra Surtos Elétricos (DPS) para uso em redes de distribuição de energia elétrica de baixa

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011 Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/10/2011 18/10/2011 ELABORAÇÃO Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES z CNCEITS BÁSICS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor

Leia mais