Principais alterações:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Principais alterações:"

Transcrição

1

2 2 Principais alterações: Quantidade de medições De 1 a 2 medições no mesmo terreno Norma Norma número 13 Fornecimento em Tensão Secundária de Distribuição De 3 a 12 medições Unidade consumidora pertencente a edificação de múltiplas unidades Norma número 4621 Medição agrupada para fornecimento em tensão secundária de distribuição Norma número 119 Fornecimento de Energia Elétrica a Edifícios de uso Coletivo Loteamentos Norma número 3757

3 3 Antes de montar o padrão de entrada, mesmo que monofásico, e necessário determinar a categoria, para tanto seguir as seguintes etapas: 1º) Na Norma de número 13 consultar o item: 14. DIMENSIONAMENTO DO PADRÃO DE ENTRADA 2º) Proceder com o cálculo; 3º) Com o valor obtido verificar na tabela 1 B a categoria que esta enquadrado; 4º) Montar o padrão de entrada conforme GED 13; 5º) Solicitar a ligação;

4 4 Dimensionamento por categoria

5 5 Principais alterações: 8. PROTEÇÃO E SECCIONAMENTO 8.1. Condições Gerais para CPFL/RGE A proteção geral deve ser localizada depois da medição, ser executada pelo cliente de acordo com o que estabelece esta Norma e dimensionada conforme as tabelas 1A e 1B para CPFL/RGE. Os disjuntores foram padronizados levando-se em consideração o padrão DIN - IEC 898 e IEC Os disjuntores deverão suportar corrente de curto circuito de no mínimo 5 ka atendendo a NBR e INMETRO.

6 6 Principais alterações: Necessidade de projeto Quais situações: A partir de três UC (inclusive) Motores com potência maior do que a permitida na tabela da norma número 13 Medição com lente no alto do poste Gerador de emergência Poste construído no local da obra Ancoragem no prédio Ramal de entrada subterrâneo *para outras necessidades consultar o GED 13, 4621 e 119

7 7 Principais alterações: Necessidade de ART ou RRT Quais situações: Locais de reuniões públicas, circos, cinemas, teatros, igrejas, escolas, praças, etc... (projeto e execução) Salões comerciais com área superior a 200 m² (execução) Demanda ou 38kVA Agrupamento (projeto e execução) Coluna construída no local da obra (poste maciço) e ponto de ancoragem na parede Geração própria (projeto e execução) Obstrução de acesso Observação: para ver mais, consultar item do GED 13 bem como 4621 e 119

8 8 Principais alterações: Características construtivas Quais situações: Medição indireta deve ter chave seccionadora Medição monofásica com carga instalada entre 10kW < C 15kW deve ter DJ 63A e condutor de 16mm² Medição bifásica com carga instalada 25kW deve ter DJ 63A e condutor de 25mm² Medição trifásica a partir de DJ 32A e condutor de 10mm² Agrupamento a partir de 3 unidade deve ter seccionadora

9 9 Principais alterações: Características dos materiais, caixas e poste com caixa acoplada Caixa e poste: Cada material tem sua norma especifica Somente são aceitas caixas de medição e postes cujos protótipos tenham sido homologados pela CPFL Não é permitido o uso de poste e nem caixa de madeira

10 10 Principais alterações: Características dos materiais, poste Ver item Poste Particular do GED 13 Nota importante: Antes da instalação do ramal de ligação pela CPFL/RGE, nos padrões com medição em muro ou mureta, o poste deve estar totalmente visível até o solo para verificação do traço demarcatório. Somente após a vistoria ou ligação, o poste poderá ser recoberto visando reconstituir o muro ou a mureta. Exemplo de um poste concretado na mureta que não observou a regra

11 11 Normas específicas Número Título 13 Fornecimento em Tensão Secundária de Distribuição 119 Fornecimento de Energia Elétrica a Edifícios de uso Coletivo 4621 Medição agrupada para fornecimento em tensão secundária de distribuição_3 a 12_uc 3412 Fabricantes de Materiais Padrão de Entrada Consumidor Projeto Loteamentos e Núcleos Habitacionais para rede aérea 3738 Projeto - Ligação de Clientes 6120 Sistema CPFL de Projetos Particulares Via Internet - Fornecimento a Edifícios de Uso Coletivo Fornecimento em Tensão Secundária de Distribuição - Ramal de Entrada Subterrâneo As normas podem ser acessadas no endereço abaixo

12 12 Especificação de Poste Número Título 2686 Poste de Concreto Armado para Entrada Consumidora 2740 Poste Tubular de Aço para Entrada de Consumidor 4881 Poste Compacto de Concreto Armado Duplo T para Entrada Consumidora Poste de Fibra de Vidro Conexão de Aterramento para Entrada BT

13 13 Especificação Padrão de entrada Número Título 4216 Padrão Compacto de Entrada em Tensão Secundária 5788 Padrão de Entrada Instalado no Alto do Poste com Leitura Através de Lente Padrão de Entrada BT para Atender Quatro Clientes Individuais no mesmo Poste com Descidas Individuais; Padrão de Entrada MINI para 1,2 e 3 Consumidores com Caixa de Medição e Proteção Incorporada; Padrão de Entrada BT com Caixas de Medição e Proteção Incorporadas ao Poste de Concreto Armado para 1 e 2 Clientes Padrão de Entrada com Caixa de Medição e Proteção para 3 e 4 Clientes com Única Descida; Padrão de Entrada para Micro e Mini geração Distribuída Padrão de Entrada Multi 100 para 3 Consumidores com Caixa de Medição e Proteção Incorporada;;

14 14 Especificação Caixa Metálica Número Título 2704 Caixa de Medição e Proteção Metálica 4136 Caixa de Medição Tipo II 4137 Caixa de Medição Tipo III 4138 Caixa de Medição Tipo IV 4139 Caixa de Medição Tipo V 4140 Caixa de Medição Tipo M 4143 Caixa de Medição Tipo L 4144 Caixa de Medição Tipo T 4145 Caixa de Medição Tipo H 4146 Caixa de Medição Tipo N 6262 Caixa de Distribuição Tipo U 6263 Caixa de Distribuição Tipo V 6264 Caixa de Distribuição Tipo W Caixa de Medição Tipo E

15 15 Especificação Caixa Policarbonato Número Título 3948 Caixas de Medição e Proteção em Policarbonato 4017 Caixa de Medição e Proteção em Policarbonato Tipo - CPFL PM-BC 4018 Caixa de Medição e Proteção em Policarbonato Tipo - CPFL PM-MC 4019 Caixa de Medição e Proteção em Policarbonato Tipo - CPFL PM-BTC 4020 Caixa de Medição e Proteção em Policarbonato Tipo - CPFL PM-BTM 4021 Caixa de Medição e Proteção em Policarbonato Tipo - CPFL PM-MC 4022 Caixa de Medição e Proteção em Policarbonato Tipo - CPFL PM-MM 4023 Caixa de Medição e Proteção em Policarbonato Tipo - CPFL PM-PP-B 4024 Caixa de Medição e Proteção em Policarbonato Tipo - CPFL PM-PP-M 4025 Caixa de Medição e Proteção em Policarbonato Tipo - PP-B 4026 Caixa de Proteção em Policarbonato Tipo PP-M 4027 Caixa de Proteção em Policarbonato Tipo PP-T 5780 Caixa de Medição Polifásica em Policarbonato com Leitura Através de Lente 5787 Caixa de Medição Monof em Policarbonato com Leitura Através de Lente

16 16 Especificação Caixa Policarbonato Número Título Caixa de Medição em Policarbonato Tipo MIP medição indireta; Caixa de Medição em Policarbonato Monofásica Tipo PM-MCA muro frontal Caixa de Medição em Policarbonato Monofásica Tipo PM-MM muro lateral Caixa de Medição em Policarbonato Polifásica Tipo PM-BTCA muro frontal Caixa de Medição em Policarbonato Polifásica Tipo Tipo PM-BTM muro lateral Caixa de Medição em Policarbonato Tipo HP Agrupada 6 Medições Monofásica Caixa de Medição em Policarbonato Tipo HP1 Agrupada 6 Medições Polifásica Caixa de Medição em Policarbonato Tipo LP Agrupada 4 Medições Monofásica

17 17 Especificação Caixa Policarbonato Número Título Caixa de Medição em Policarbonato Tipo LP1 Agrupada 4 Medições Polifásica Caixa de Medição em Policarbonato Tipo MP Agrupada 9 Medições Monofásica Caixa de Medição em Policarbonato Tipo MP1 - Agrupada 9 Medições Polifásica Caixa de Medição em Policarbonato Tipo NP Agrupada 12 Medições Monofásica Caixa de Medição em Policarbonato Tipo NP1- Agrupada 12 Medições Polifásica Caixa de Medição e Proteção em Policarbonato para clientes trifásico com Demanda limite de 30kW condutor

18 18 Especificação Caixa Fibra de Vidro Número Título Caixas de Medição e Proteção em Fibra de Vidro

19 19 Ilustração caixas metálicas Tipo II GED 4136 Tipo III

20 20 Ilustração caixas metálicas Tipo IV Tipo V

21 21 Ilustração caixas metálicas Tipo H Tipo K

22 22 Ilustração caixas metálicas Tipo L Tipo M

23 23 Ilustração caixas metálicas Tipo N Tipo T

24 24 Ilustração caixas metálicas Tipo U Tipo V Tipo W

25 25 Ilustração caixas metálicas Tipo E

26 26 Ilustração caixas metálicas

27 27 Ilustração caixas de Policarbonato bifásicos e trifásicas com o padrão de entrada com medição voltada para a calçada em padrão compacto GED 4017 Tipo PM-BC GED muro lateral monofásico com o padrão de entrada com medição voltada para a calçada em padrão compacto GED 4018 Tipo PM-MC GED 4022 muro lateral GED calçada 282

28 28 Ilustração caixas de Policarbonato utilização limitada a categoria C2 condutor 25 mm² e disjuntor de 80 A conforme tabela 1 A GED 13. O disjuntor deverá ser colocado em compartimento separado GED 4019 Tipo PM-BTC 377 utilização limitada a categoria C3 condutor 35 mm² e disjuntor de 100 A conforme tabela 1 A GED 13. O disjuntor deverá ser colocado em compartimento separado GED 4019 Tipo PM-BTC GED 4020 muro lateral

29 29 Ilustração caixas de Policarbonato utilização monofásicos com o padrão de entrada com medição voltada para a calçada em padrão compacto. O disjuntor deverá ser colocado em compartimento separado GED 4021 Tipo PM-MC 282 bifásicos com o padrão de entrada com medição voltada para a calçada em padrão compacto GED 4023 Tipo PP-B

30 30 Ilustração caixas de Policarbonato monofásicos com o padrão de entrada com medição voltada para a calçada em padrão compacto bifásicos GED 4024 Tipo PP-M GED 4025 Tipo PP-B

31 31 Ilustração caixas de Policarbonato monofásicos trifásicos GED 4026 Tipo PP-M GED 4027 Tipo PP-T

32 32 Ilustração caixas de Policarbonato bifásicos e trifásicos com o com leitura através de lente instalada no alto de postes 203 monofásicos com o com leitura através de lente instalada no alto de postes GED 5780 com lente GED 5787

33 MUDANÇA DO PADRÃO DE ENTRADA DE ENERGIA EM BAIXA TENSÃO Ilustração caixas de Policarbonato polifásicos com o padrão de entrada com medição indireta GED MIP 33

34 MUDANÇA DO PADRÃO DE ENTRADA DE ENERGIA EM BAIXA TENSÃO Ilustração caixas de Policarbonato Seccionadora Seccionadora polifásicos com o padrão de entrada com medição indireta GED MIP 34

35 MUDANÇA DO PADRÃO DE ENTRADA DE ENERGIA EM BAIXA TENSÃO Ilustração caixas de Policarbonato monofásicos com o padrão de entrada com medição voltada para a calçada GED Tipo PM-MCA 35

36 36 Ilustração caixas de Policarbonato monofásicos com o padrão de entrada com medição voltada para a calçada GED Tipo PM-MCA

37 37 Ilustração caixas de Policarbonato monofásicos com o padrão de entrada com medição muro lateral GED Tipo PM-MCA

38 MUDANÇA DO PADRÃO DE ENTRADA DE ENERGIA EM BAIXA TENSÃO Ilustração caixas de Policarbonato monofásicos com o padrão de entrada GED TIPO HP 6 medidores 38

39 39 Ilustração caixas de Policarbonato polifásicos com o padrão de entrada GED TIPO HP1 6 medidores

40 40 Ilustração caixas de Policarbonato monofásicos com o padrão de entrada com medição 4 medidores GED TIPO LP

41 41 Ilustração caixas de Policarbonato polifásicos com o padrão de entrada GED TIPO LP1 4 medidores

42 42 Ilustração caixas de Policarbonato monofásicos com o padrão de entrada GED TIPO MP 9 medidores

43 MUDANÇA DO PADRÃO DE ENTRADA DE ENERGIA EM BAIXA TENSÃO Ilustração caixas de Policarbonato monofásicos com o padrão de entrada GED TIPO MP 9 medidores 43

44 44 Ilustração caixas de Policarbonato polifásicos com o padrão de entrada GED TIPO MP1 9 medidores

45 45 Ilustração caixas de Policarbonato monofásico com o padrão de entrada GED TIPO MP1 12 medidores

46 46 Ilustração caixas de Policarbonato polifásico com o padrão de entrada GED TIPO MP1 12 medidores

47 47 Ilustração caixas de Policarbonato Pode atender até categoria C2 com limite de demanda de 30kW com cabo limite de 25mm² e proteção trifásica de 80A. GED 14586

48 MUDANÇA DO PADRÃO DE ENTRADA DE ENERGIA EM BAIXA TENSÃO Ilustração caixas de Policarbonato Pode atender até categoria C2 com limite de demanda de 30kW com cabo limite de 25mm² e proteção trifásica de 80A. GED **Ver agrupamento 48

49 49 Especificação Fibra de Vidro Número Título Caixas de Medição e Proteção em Fibra de Vidro Caixa Tipo II Caixa Tipo H Caixa Tipo K

50 50 Matriz comparativa com os tipos de caixas Categ Carga Metal Polímero o numero nas células corresponde ao GED Padrão Caixa Proteção A3 C F PM- MC 4021 F PM- MC 4022 L PM- MM F PM-MCA ou L PM- MM L F PM-PP-M ou 4026 PP-M A4 C 15 II(*) ou IV(*) 4018 F PM- MC 4021 F PM- MC 4022 L PM- MM F PM-MCA ou L PM- MM L F PM-PP-M B3 15 C F PM- BC 4020 L PM- BTM 4019 F PM- BTC F PM- BTCA ou L PM-BTM L 4023 F PM-PP-B ou 4025 PP-B C7 C8 C9 C10 25 C 75 III ou V 4020 L PM- BTM 4020 L PM- BTM 4020 L PM- BTM 4020 L PM- BTM 4019 F PM- BTC 4019 F PM- BTC 4019 F PM- BTC F PM- BTCA ou L PM-BTM F PM- BTCA ou L PM-BTM F PM- BTCA ou L PM-BTM F PM- BTCA ou L PM-BTM L 4027 PP-T L L C11 L + T MIP MIP

51 51 Para as dúvidas que persistirem pode ser encaminhado para o endereço abaixo.

52

Principais alterações:

Principais alterações: 2 Principais alterações: Quantidade de medições De 1 a 2 medições no mesmo terreno Norma Norma número 13 Fornecimento em Tensão Secundária de Distribuição De 3 a 12 medições Unidade consumidora pertencente

Leia mais

Padrão Técnico Distribuição Caixa de Medição Tipo V

Padrão Técnico Distribuição Caixa de Medição Tipo V 1- ÂMBITO DE APLICAÇÃO: Esta padronização se aplica a entradas de consumidores polifásicos onde o padrão de entrada tem medição voltada para a calçada atendidos em tensão secundária de distribuição das

Leia mais

SUMÁRIO. N.Documento: Categoria: Versão: Aprovado por: Data Publicação: Página: 13 Manual 2.7 Paulo Ricardo Bombassaro 03/07/2012 1 de 109

SUMÁRIO. N.Documento: Categoria: Versão: Aprovado por: Data Publicação: Página: 13 Manual 2.7 Paulo Ricardo Bombassaro 03/07/2012 1 de 109 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. TERMINOLOGIA 5. CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO 6. RAMAL DE LIGAÇÃO 7. RAMAL DE ENTRADA 8. PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CARGA, SURTO DE TENSÃO, DESCARGA

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO CSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBATO INDIVIDUAL E COLETIVO 1. OBJETIVO Padronizar entrada da unidade consumidora com a caixa tipo modular, fabricado em policarbonato e tampa transparente, para medição

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1 a 6 1. OBJETIVO Definir as especificações necessárias para instalação de padrão de entrada em baixa tensão para atendimento a núcleos habitacionais. 2. APLICAÇÃO Instalação de padrão de entrada em tensão

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 Página 1 de 1 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1.OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO

PADRÃO DE ENTRADA DA UNIDADE CONSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBONATO INDIVIDUAL E COLETIVO CSUMIDORA COM CAIXA MODULAR DE POLICARBATO INDIVIDUAL E COLETIVO 1. OBJETIVO Padronizar entrada da unidade consumidora com a caixa tipo modular, fabricado em policarbonato e tampa transparente, para medição

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

Padrão de Entrada. prof.arbex@gmail.com

Padrão de Entrada. prof.arbex@gmail.com Padrão de Entrada Professor Cristiano prof.arbex@gmail.com Introdução O objetivo deste material é orientar os projetistas no que se refere ao projeto e dimensionamento do padrão de entrada, de acordo com

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária a Edificações Individuais. Norma. Revisão 08 04/2015 NORMA ND.10

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária a Edificações Individuais. Norma. Revisão 08 04/2015 NORMA ND.10 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária a Edificações Individuais Norma 08 04/2015 NORMA Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária a Edificações Individuais ELEKTRO Eletricidade

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 Página 1 de 13 COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 PADRÃO DE ENTRADA INDIVIDUAL ECONÔMICO COM POSTE DE AÇO E CAIXA DE POLICARBONATO TIPO PP Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE 1. Localização e montagem... 2 1.1. Equipamento de contagem... 2 1.2. Dispositivos

Leia mais

Especificação para o projeto elétrico de BT

Especificação para o projeto elétrico de BT Especificação para o projeto elétrico de BT O aluno deve escolher uma planta baixa de uma residência, que apresente carga instalada superior a 15 kw, considerando que a tensão da rede de distribuição seja

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea - Edificações Individuais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea - Edificações Individuais ND-5.1 Companhia Energética de Minas Gerais Norma de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea - Edificações Individuais Belo Horizonte - Minas Gerais

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção contra curtos-circuitos;

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO E PROTEÇÃO DE UNIDADES CONSUMIDORAS INDIVIDUAIS OU AGRUPADAS EMISSÃO: JANEIRO /02 REVISÃO: MARÇO /06 FOLHA : 1 / 23 A P R E S E N

Leia mais

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO PADRÃO DE MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Egenharia Processo de Engenharia e Obras 3$'5 2'(0(',d 2,1',9,'8$/'(&/,(17(6 (0%$,;$7(16 2 No DATA

Leia mais

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço 1 Entrada de energia DEFINIÇÕES Instalação de responsabilidade do consumidor, compreendendo ramal de entrada, poste particular ou pontalete, caixas, dispositivos de proteção, eletrodo de aterramento e

Leia mais

TAF Indústria de Plásticos Linha de produtos 2013

TAF Indústria de Plásticos Linha de produtos 2013 TAF Indústria de Plásticos Linha de produtos 2013 A TAF Indústria de Plásticos surgiu com a privatização das concessionárias elétricas brasileiras e com objetivo oferecer ao mercado soluções na área de

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

ND-5.1 7-1 FORNECIMENTO TABELA 1

ND-5.1 7-1 FORNECIMENTO TABELA 1 ND-5.1 7-1 TBEL 1 DIMENSIONMENTO DOS RMIS DE LIGÇÃO E D MEDIÇÃO PR UNIDDES CONSUMIDORS URBNS OU RURIS TENDIDS POR REDES SECUNDÁRIS TRIFÁSICS (127/220V) FORNECIMENTO TIPO B C D E FIX 1 2 3 B1 B2 Ramal de

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO

REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO RIC NOVA PALMA ENERGIA REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO Versão: 02 Revisão: 02 Data: 12/04/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 06 2. Normas e Documentos Complementares 07 2.1. Normas da ABNT

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA A EDIFICAÇÕES INDIVIDUAIS NORMA NORMA ND.10. Versão 03 Maio/2004

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA A EDIFICAÇÕES INDIVIDUAIS NORMA NORMA ND.10. Versão 03 Maio/2004 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA A EDIFICAÇÕES INDIVIDUAIS NORMA Versão 03 Maio/2004 NORMA ND.10 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência de Engenharia

Leia mais

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO PADRÃO DE MEDIÇÃO AGRUPADA DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras PADRÃO DE M EDIÇÃO AGRUPADA DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO No

Leia mais

NORMA NT. 01. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária

NORMA NT. 01. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária NORMA NT. 01 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária NORMA Revisão 01 Setembro/2011 NT. 01 CETRIL Cooperativa de Eletrificação de Ibiúna

Leia mais

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA 1. DETERMINAÇÃO DA CARGA INSTALADA a) Para definição do tipo de fornecimento, o consumidor deve determinar a carga instalada, somando-se a potência

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO 51

COMUNICADO TÉCNICO 51 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO 51 INSTALAÇÃO DE PONTO DE ENTREGA NA VIA PÚBLICA SEM MEDIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição Página 2 de

Leia mais

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Autores Marcelo Artur Xavier de Lima CELPE; José Aderaldo Lopes CELPE. 1 AGENDA: A Celpe;

Leia mais

1. Definições 2. Faturamento e tributação 3. Procedimentos de Acesso 4. Itens de projeto 5. Inversores 6. Medição 7.

1. Definições 2. Faturamento e tributação 3. Procedimentos de Acesso 4. Itens de projeto 5. Inversores 6. Medição 7. 1. Definições 2. Faturamento e tributação 3. Procedimentos de Acesso 4. Itens de projeto 5. Inversores 6. Medição 7. Situação atual Microgeração distribuída: Central geradora com potência instalada de

Leia mais

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR 6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR Basicamente o transformador da subestação é dimensionado pela demanda da empresa no qual será instalado, porém este

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NDU-010 VERSÃO 3.1 JUNHO/2013 SUMÁRIO Item Descrição Classe Desenho 1. Haste de Aço-Cobre para Aterramento...

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC Especificação para implantação de infra-estrutura Diretoria de Redes Gerência de Engenharia da Distribuição Coordenação de Engenharia SISTEMA DE MEDIÇÃO E

Leia mais

CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES

CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES CÓDIGO ESP-I-GPC-01/13 VERSÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA R0 20/05/2013 CONTROLE DE REVISÃO

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

NTE - 007 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA

NTE - 007 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA NORA TÉCNICA NTE - 007 FORNECIENTO DE ENERGIA ELÉTRICA E TENSÃO SECUNDÁRIA Rede de distribuição aérea Edificações de uso coletivo Cuiabá ato Grosso - Brasil SUÁRIO Página 1. OBJETIVOS...3 2. CAPO DE APLICAÇÃO...3

Leia mais

Padrão Compacto Trifásico de Entrada de Energia Elétrica

Padrão Compacto Trifásico de Entrada de Energia Elétrica 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Padrão Compacto Trifásico de Entrada de Energia Elétrica R. M. Moreira, M. Moraes CPFL Piratininga marcelomoraes@cpfl.com.br J.A.Cipoli, B.E.M.Ferreira, L.P.Pasqua

Leia mais

AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S/A Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Rio Grande Energia S/A

AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S/A Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Rio Grande Energia S/A AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S/A Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Rio Grande Energia S/A REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA REDE

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO E-321.0001

PADRONIZAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO E-321.0001 PADRONIZAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO E - 3 2 1. 0 0 0 1 N O V E M B R O 2 0 0 7 PADRONIZAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BAIXA

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS CÁLCULO DA DEMANDA E OUTRAS PROVIDÊNCIAS Prof. Marcos Fergütz Outubro/2012 INTRODUÇÃO Para a elaboração de um projeto para edifício de uso coletivo, em Santa Catarina, deve-se

Leia mais

Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS

Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS O que é? É um Dispositivo de Proteção contra Surtos Elétricos (DPS) para uso em redes de distribuição de energia elétrica de baixa

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA. Diretoria Técnica. Engenharia e Obras

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA. Diretoria Técnica. Engenharia e Obras FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA Diretoria Técnica Engenharia e Obras FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA N o DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO 01 09/12/2011

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA 1. OBJETIVO O presente comunicado técnico tem como objetivo oferecer orientação aos projetistas

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

As Subestações de Entrada de Energia e Entradas de Serviço no Brasil

As Subestações de Entrada de Energia e Entradas de Serviço no Brasil VII CITTES - Congreso Internacional sobre: TRABAJOS CON TENSIÓN y SEGURIDAD EN TRANSMISIÓN Y DISTRIBUCIÓN DE ENERGÍA ELÉCTRICA Y MANTENIMIENTO SIN TENSIÓN DE INSTALACIONES DE AT. 15 al 18 de Septiembre

Leia mais

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Normas CEMIG ND2.1 - Instalações Básicas de Redes de Distribuição Áreas Urbanas ND3.1 - Projetos de Redes de Distribuição Aéreas Urbanas RDU Rede de Distribuição

Leia mais

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0 1. OBJETIVO Este informativo técnico tem como objetivo orientar o envio dos documentos e o preenchimento correto da planilha do Projeto Expresso v 2.0 - Caixas Metálicas e planilha do Projeto Expresso

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-003 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-003 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-003 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-003 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA A AGRUPAMENTOS OU EDIFICAÇÃO

Leia mais

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono.

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Definição ( montado): é uma combinação de dispositivos e equipamentos de manobra,

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

Norma de Instalações Consumidoras Fornecimento em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea

Norma de Instalações Consumidoras Fornecimento em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Norma de Instalações Consumidoras Rede de Distribuição Aérea HIDROPAN Hidroelétrica Panambi S/A REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS Rede de Distribuição Aérea 5 Edição Panambi - RS Agosto 2014 SUMÁRIO

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo VERSÃO Nº PADRÃO TÉCNICO ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-15/10/2012 09/11/2012 APROVADO POR Edson Hideki Takauti DTES-BD SUMÁRIO 1. RESUMO... 4 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

5. Instalações de chegada

5. Instalações de chegada 5. Instalações de chegada As instalações de chegada, adiante designadas também por ramais ou simplesmente chegadas, correspondem ao troço de rede eletrifica entre a rede de distribuição de BT e o sistema

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 4EN 2013/1 SOLIVAN ALTOÉ SISTEMA ELÉTRICO CONCEITOS BÁSICOS SISTEMA ELÉTRICO CONCEITOS BÁSICOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Transmissão de energia elétrica A tensão elétrica

Leia mais

Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança e dicas de instalações elétricas.

Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança e dicas de instalações elétricas. Artigos técnicos 02 Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança e dicas de instalações elétricas. Instalação elétrica defasada é foco de

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011 Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/10/2011 18/10/2011 ELABORAÇÃO Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO O

MEMORIAL DESCRITIVO O MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial tem por objetivo estabelecer requisitos técnicos, definir materiais e padronizar os projetos e execuções da obra localizada na Rua Jorge Marcelino Coelho, s/n, Bairro

Leia mais

Manual de Fornecimento Padrão EDP Bandeirante para Ligação de Unidade Consumidora Individual em Tensão Secundária de Distribuição - PB 01

Manual de Fornecimento Padrão EDP Bandeirante para Ligação de Unidade Consumidora Individual em Tensão Secundária de Distribuição - PB 01 O que você precisa saber sobre: Manual de Fornecimento Padrão EDP Bandeirante para Ligação de Unidade Consumidora Individual em Tensão Secundária de Distribuição - PB 01 www.dsempresarial.com.br contato@dsempresarial.com.br

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

COOPERATIVA DE ELETRIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE MOGI DAS CRUZES - CERMC

COOPERATIVA DE ELETRIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE MOGI DAS CRUZES - CERMC COOPERATIVA DE ELETRIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE MOGI DAS CRUZES - Manual Técnico FORNECIMENTO DE ENERGIA ELETRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA. Desenho técnico de padrões individuais de entrada aprovado

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

Índice 1. OBJETIVO... 5 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 5 3. REFERÊNCIAS... 6 3.1 - NORMAS DA ABNT... 6 3.2 - OUTRAS... 6 4. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES...

Índice 1. OBJETIVO... 5 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 5 3. REFERÊNCIAS... 6 3.1 - NORMAS DA ABNT... 6 3.2 - OUTRAS... 6 4. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES... Índice 1. OBJETIVO... 5 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 5 3. REFERÊNCIAS... 6 3.1 - NORMAS DA ABNT... 6 3.2 - OUTRAS... 6 4. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES... 7 4.1 - ATERRAMENTO... 7 4.2 - CAIXA DE MEDIÇÃO... 7 4.3

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA 02 12/03/2014 25/03/2014 ENGENHARIA E SISTEMAS TÉCNICOS (DTESES) MARCELO POLTRONIERI DTESES SUMÁRIO 1. RESUMO...

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-001

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-001 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-001 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES INDIVIDUAIS OU AGRUPADAS ATÉ 3 UNIDADES CONSUMIDORAS APROVAÇÃO Júlio César Ragone Lopes Diretor

Leia mais

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM 1 ND 3.5 PROJETOS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS Roberto Carlos de Souza - CEMIG Erivaldo Costa Couto -

Leia mais

AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S/A Companhia Estadual de Energia Elétrica Rio Grande Energia S/A

AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S/A Companhia Estadual de Energia Elétrica Rio Grande Energia S/A AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S/A Companhia Estadual de Energia Elétrica Rio Grande Energia S/A REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Simbologia de instalações elétricas

Simbologia de instalações elétricas Simbologia de instalações elétricas Os símbolos gráficos usados nos diagramas unifilar são definidos pela norma NBR5444, para serem usados em planta baixa (arquitetônica) do imóvel. Neste tipo de planta

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA I-321.00XX MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA PEP 1/27 1- OBJETIVO O presente manual tem o objetivo de orientar

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS FOLHA DE CONTROLE PADRÃO DE ESTRUTURA ESTRUTURAS ESPECIAIS Código Página

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTC 001

NORMA TÉCNICA NTC 001 COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA COCEL NORMA TÉCNICA 001 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Divisão de Medição e Fiscalização Emissão: 2008 Versão: 01/2015 SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 KV NORTEC01 Capítulo Descrição Página 1 Finalidade 01 2 Âmbito

Leia mais

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Documento complementar ao Guia de medição, leitura e disponibilização de dados Regras relativas à instalação, manutenção e verificação de equipamentos de medição, cabos e outros

Leia mais

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico Padrão de Entrada COELBA Informações do site www.coelba.com.br Padrão de Entrada é o conjunto de instalações composto de caixa de medição, sistema de aterramento, condutores e outros acessórios indispensáveis

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica Em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Edificações Coletivas

Fornecimento de Energia Elétrica Em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Edificações Coletivas ND-5.2 Companhia Energética de Minas Gerais Manual de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica Em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Edificações Coletivas Belo Horizonte - Minas Gerais Brasil

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01 20/10/2012/2012 20/10/2012 APROVADO POR Edson Hideki Takauti SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTC 010

NORMA TÉCNICA NTC 010 COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA COCEL NORMA TÉCNICA 010 CAIXA PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO E DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO DE MEDIÇÃO MODULADO Divisão de Medição e Fiscalização Emissão: 2015 Versão: 01/2015

Leia mais

Norma Técnica de Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Edificações Coletivas)

Norma Técnica de Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Edificações Coletivas) Norma Técnica de Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Edificações Página: 1/136 RES nº 179/2014, ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. REFERÊNCIAS... 3 4. CONCEITOS... 4 5. DIRETRIZES...

Leia mais

RECON - BT Novembro de 2007 1/186

RECON - BT Novembro de 2007 1/186 RECON - BT Novembro de 2007 1/186 APRESENTAÇÃO A presente Regulamentação tem por finalidade fixar as condições mínimas para projeto e execução de instalações de entradas individuais e coletivas nas atividades

Leia mais

Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais.

Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais. Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais. Daniel José Justi Bego Especialista em Regulação Superintendência de Regulação

Leia mais

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA Estado da arte Aplicações atuais Perspectivas Landulfo Mosqueira Alvarenga Consultor Técnico Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação CEPEL 1 Seminário Internacional

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Instalação de Geradores Particulares em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.007 2ª Folha 1 DE 6 18/08/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. 1 2 ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. A energia é o núcleo dos acontecimentos,

Leia mais

APLICAÇÃO DE SISTEMA TELEMEDIÇÃO EM UNIDADES CONSUMIDORAS ALIMENTADAS POR REDES SUBTERRÂNEAS CASO PRAIA DO PAIVA

APLICAÇÃO DE SISTEMA TELEMEDIÇÃO EM UNIDADES CONSUMIDORAS ALIMENTADAS POR REDES SUBTERRÂNEAS CASO PRAIA DO PAIVA APLICAÇÃO DE SISTEMA TELEMEDIÇÃO EM UNIDADES CONSUMIDORAS ALIMENTADAS POR REDES SUBTERRÂNEAS CASO PRAIA DO PAIVA Jose A. Lopes, Marcelo A. X. Lima, CELPE, Brasil, Jose.lopes@celpe.com.br, marcelo.lima@celpe.com.br

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais

RECON - BT ENTRADAS INDIVIDUAIS E COLETIVAS

RECON - BT ENTRADAS INDIVIDUAIS E COLETIVAS RECON - BT ENTRADAS INDIVIDUAIS E COLETIVAS Regulamentação para fornecimento de energia elétrica a consumidores em Baixa Tensão Coordenação de Engenharia Gerência de Planejamento da Expansão e Engenharia

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

NTC 001 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

NTC 001 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO DIRETORIA COMERCIAL GERÊNCIA DE COMERCIALIZAÇAO DE ENERGIA MANUAL DE GESTÃO EMPRESARIAL NTC 001 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Revisão nº 2 Outubro / 2008 MANUAL

Leia mais

www.ceee.com.br Regulamento de Instalações Consumidoras Fornecimento em Tensão Secundária de Distribuição Rede de Distribuição Aérea

www.ceee.com.br Regulamento de Instalações Consumidoras Fornecimento em Tensão Secundária de Distribuição Rede de Distribuição Aérea www.ceee.com.br Regulamento de Instalações Consumidoras Fornecimento em Tensão Secundária de Distribuição Rede de Distribuição Aérea Janeiro 2011 AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S/A Companhia Estadual

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 31/03/2003 Padronização do cabo multiplexado de cobre para ligações trifásicas.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 31/03/2003 Padronização do cabo multiplexado de cobre para ligações trifásicas. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a Edificações Individuais Processo Atendimento aos Clientes Atividade Código Edição Data SM01.00-00.001 13ª Folha 1 DE 118 30/07/2014

Leia mais