INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD"

Transcrição

1 ANEXO 5 Contrato de Fornecimento de Serviços de Exploração Industrial de Linhas Dedicadas EILD entre a BRASIL e a OPERADORA INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD Página 1 de 7

2 ESTE DOCUMENTO É PARTE INTEGRANTE DO CONTRATO DNO. XXX/200X DE FORNECIMENTO DE SERVIÇO DE EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL EILD PELA BRASIL À OPERADORA ANEXO V INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD. 1. DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1. Este Anexo foi elaborado com o objetivo de fornecer os procedimentos técnicos básico à OPERADORA no sentido de prover a devida infra-estrutura necessária para a correta instalação, ativação e manutenção do serviço EILD ofertado pela BRASIL O presente Anexo é aplicável especificamente para a instalação, ativação e recuperação de EILD realizada através de modem digital operando sobre cabos telefônicos (pares metálicos) Para os casos de instalação, ativação e recuperação de EILD, operando sobre fibra óptica os procedimentos de infra-estrutura serão tratados caso a caso entre as Partes Todos os procedimentos técnicos contidos neste documento estão sujeitos a modificações pela BRASIL, em acordo com as Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) Informações mais detalhadas poderão ser encontradas no site: no item fornecedores, acessar todos os detalhes no Manual de Tubulação. 2. DAS DEFINIÇÕES E RESPONSABILIDADES 2.1. A Exploração de Serviço de Linha Dedicada EILD, que utiliza a rede de cabos telefônicos (pares metálicos) entre os pontos de transmissão da BRASIL e o ambiente da OPERADORA, necessita da instalação de um equipamento denominado modem. Para efeito de atribuição de responsabilidades entre as partes envolvidas, o trajeto que os cabos telefônicos (pares metálicos) irão percorrer desde o ponto de transmissão da BRASIL até os Equipamentos Terminais da OPERADORA foi dividido conceitualmente em 2 (duas) partes bem definidas, a saber: Uma de responsabilidade da BRASIL, denominada Rede Externa e outra de responsabilidade da OPERADORA, denominada Rede Interna. A OPERADORA deverá prover toda a infra-estrutura pertinente à Rede Interna que garanta a devida instalação, ativação e recuperação do serviço solicitado A Rede Externa é constituída de inúmeros cabos multipares que derivam do ponto de transmissão da BRASIL até o primeiro ponto de terminação no ambiente da OPERADORA denominado Caixa de Distribuição Geral do Imóvel ou simplesmente Distribuidor Geral (DG). A BRASIL deverá providenciar toda a infra-estrutura necessária pertinentes à Rede Externa que garanta o correto funcionamento do serviço ofertado à OPERADORA A Rede Interna é o trecho compreendido desde o primeiro ponto de terminação no ambiente da OPERADORA, denominado Caixa de Distribuição Geral do Imóvel (inclusive), quando disponível, e o ponto onde será instalado o modem, disponibilizado pela BRASIL A OPERADORA é responsável por prover toda a infra-estrutura de Rede Interna, conforme padrões estabelecidos neste Anexo. Página 2 de 7

3 3. REDE INTERNA 3.1. Constituição da rede interna De modo geral, em casos de Edifícios, a OPERADORA deverá prover a ramificação interna de pares metálicos, composta de cabos saindo do Caixa de Distribuição Geral do Imóvel (DG), quando existir, e sendo distribuídos eqüitativamente entre DG intermediários (caixas de distribuição) localizados nos diversos andares do edifício. Destas caixas de distribuição, saem cabos de menor capacidade (pares de fios) para as salas e/ou ambientes dispostos nesses andares A OPERADORA deverá disponibilizar 02 (dois) pares de fios de cobre para cada EILD contratada A OPERADORA deverá, quando possível, prever a necessidade de pares reservas na Rede Interna compreendida entre o DG do Imóvel e o modem, quando da ocorrência de defeito irrecuperável em algum dos pares utilizados Para a execução de Rede Interna para o serviço EILD, a BRASIL recomenda à OPERADORA a utilização de cabos de Categoria 5, com bitola 0,5 mm, comumente utilizado em Redes Locais (LAN). Os pares deste cabo são mais trançados e confeccionados de uma liga metálica de melhor qualidade, tornando-se mais imunes a interferências externas. Este tipo de cabo pode ser utilizado para a rede interna, uma vez que ele é composto de quatro pares. Existem cabos de Categoria 5 com maior quantidade de pares no mercado. Cabos de Categoria 3 (fio telefônico normal) também podem ser utilizados. No caso da OPERADORA optar por este tipo de cabo, a BRASIL sugere que se utilize, sempre que possível, no mínimo um cabo de 10 (dez) pares. Com esta quantidade de pares, haverá uma maior probabilidade de se obter um melhor índice de imunidade quanto às interferências eletromagnéticas tanto externas quanto internas A OPERADORA deverá disponibilizar nas Caixas de Distribuição Geral do Imóvel, bem como nas Caixas de Distribuição Intermediárias, cabos da Rede Interna em terminações, preferencialmente conectorizadas A OPERADORA deverá utilizar, preferencialmente, Blocos de Engate Rápido A OPERADORA deverá garantir que os blocos, do tipo BLI ou BLA, devem estar afixados em racks na parede interna das Caixas de Distribuição Geral do Imóvel (DG), sempre que existir, e nas Caixas de Distribuição Intermediárias, sempre em posição vertical A OPERADORA deverá interligar todos os pares metálicos pertinentes à instalação, ativação e recuperação do serviço solicitado, desde a Caixa de Distribuição Geral do Imóvel (DG), sempre que existir, até o local onde será disponibilizado o modem pela BRASIL. Página 3 de 7

4 Os cabos utilizados na implementação da Rede Interna deverão ser totalmente isentos de emendas A OPERADORA deverá reservar e identificar todos os pares de fios a serem utilizados na instalação do circuito EILD no Distribuidor Geral (DG) de entrada do imóvel do cliente A BRASIL recomenda à OPERADORA que a instalação da fiação interna sobre lajes ou forro seja através de tubulação contínua e devidamente fixada ( tubos ou conduletes tipo PVC, tubo flexível Copex ¾ ) É de responsabilidade da BRASIL a disponibilização do cabo de alimentação do modem Condições ambientais De modo geral, a OPERADORA deverá disponibilizar as seguintes condições ambientais, a fim de possibilitar o correto funcionamento do serviço solicitado: O local deverá ter boa iluminação e espaço suficiente para permitir trabalhos de instalação e manutenção. Também deve ser livre de vibrações, de impactos mecânicos e da exposição aos raios solares para que não haja danos no modem e conseqüentemente interrupções no serviço O ambiente precisa ter permanente circulação de ar, ser livre de poeira, limalhas industriais, gases oxidantes, calor excessivo e umidade elevada para que não seja prejudicado o desempenho do modem e conseqüentemente, o desempenho do serviço objeto deste Contrato A BRASIL se isenta de qualquer penalidade nos casos em que, comprovadamente, o desempenho do serviço seja afetado em decorrência da presença dos itens relacionados no item acima, cabendo a OPERADORA, o valor de uma visita improdutiva Acomodação dos equipamentos Com relação à acomodação física do modem, a OPERADORA deverá disponibilizar a infra-estrutura descrita abaixo de modo a permitir a correta instalação, ativação e recuperação da EILD pela BRASIL Para que a BRASIL possa acomodar fisicamente o modem, a OPERADORA deverá disponibilizar a seguinte infraestrutura: Para a acomodação de até 4 (quatro) modens, a OPERADORA deverá disponibilizar, sempre que possível prateleira fixa à parede, tipo bandeja, mesa ou outro móvel adequado Quando a quantidade de serviços requeridos pela OPERADORA à BRASIL ultrapassar a 4 (quatro) circuitos para o mesmo endereço, independentemente da data da contratação, a OPERADORA deverá, sempre que Página 4 de 7

5 possível, disponibilizar bastidor com sub-bastidor para modens padrão Telebrás A bandeja, quando utilizada, deve possuir as seguintes dimensões: 19 x 2U x 25 cm (56 x 9 x 25 cm) A OPERADORA, sempre que possível, deve fazer com que a prateleira fixa seja instalada a uma altura de 1,50 m Na frente e atrás de cada modem, a OPERADORA deverá disponibilizar, sempre que possível, um espaço com a distância mínima de 20 cm de qualquer obstáculo fixo Acima de cada modem, a OPERADORA deverá disponibilizar, sempre que possível, um espaço livre mínimo de 30 cm A BRASIL recomenda que a OPERADORA oriente que o cliente final não coloque quaisquer tipos de objetos sobre o(s) modem(ns) De modo geral, a OPERADORA deverá garantir que toda cabeação pertinente ou não ao serviço seja canalizada pela parte traseira do(s) modem(ns) e/ou bandeja/bastidor Instalação elétrica Para a instalação do modem, a OPERADORA deverá disponibilizar tomadas elétricas com as seguintes características: Alimentação: 127V ou 220V ± 15% - Monofásico - 60 Hz ± 5% Tomadas: 3 pinos, tipo 2P + T (figura 4) Aterramento: 3º pino da tomada aterrada A OPERADORA deverá disponibilizar tomadas tripolares correspondentes ao número de modens instalados pela BRASIL e, adicionalmente, uma tomada sobressalente para conexão dos instrumentos de testes No caso de haver a instalação de um sub-bastidor, este deverá dispor de uma régua de tomadas tripolares padrão ABNT (conforme figura 4), incluindo-se também, tomada sobressalente para conexão de instrumento de teste A OPERADORA deverá manter, preferencialmente, todas as tomadas elétricas devidamente identificadas com informações sobre a tensão correspondente (127 ou 220 Volts) Na tomada de tripolar (figura 4), a OPERADORA deverá providenciar para que o fio terra esteja devidamente interligado a uma malha de aterramento. Página 5 de 7

6 A OPERADORA deverá garantir que a tensão neutro-terra da malha de aterramento seja de, no máximo, 1VAC A OPERADORA deverá garantir que a distância entre a tomada e o local do modem não seja superior a 1,5 m Proteção elétrica e aterramento O sistema de proteção elétrica é um conjunto de dispositivos que deverão ser instalados e mantidos pela OPERADORA para as seguintes finalidades: Garantir a segurança dos funcionários da OPERADORA e BRASIL Evitar danos no modem e materiais, reduzindo as tensões a que estes possam estar expostos Limitar níveis de interferências (ruído, diafonia, etc.) que venham a afetar o correto funcionamento do serviço solicitado Prover escoamento das descargas atmosféricas para ambiente seguro Manter a integridade dos equipamentos da OPERADORA e da BRASIL A OPERADORA deverá garantir que a resistência de aterramento tenha valor máximo de 10 Ohms (Ω) A OPERADORA deverá garantir que no sistema de aterramento do modem, só deverão estar conectados, preferencialmente, equipamentos com características similares (ex: facsímile, microcomputadores) A OPERADORA não poderá utilizar as malhas de aterramento das companhias de eletricidade e telefônicas como ponto de terra para o modem da BRASIL OPERADORA não poderá conectar a malha de aterramento ao neutro da concessionária de energia elétrica É imprescindível que o equipamento da OPERADORA ao qual irá conectar-se ao modem da BRASIL esteja no mesmo ponto de terra para que não haja nenhuma diferença de potencial A OPERADORA deverá prover, sempre que possível, módulos protetores, devidamente aterrados, para todos os pares metálicos destinados a atender o modem da BRASIL, com as seguintes características: Na Caixa de Distribuição Geral do Imóvel DG, quando existir, deverá ser instalado blocos H-311 (2 ou 10 pares) Página 6 de 7

7 providos de módulos protetores tipos MP-R, MP-S, MP-N ou equivalentes Equipamento terminal de dados do cliente A terminação digital dos equipamentos da OPERADORA tais como computadores, servidores, etc, que serão conectados ao modem da BRASIL, deverá estar dentro das recomendações (características elétricas e funcionais) da ITU-T (International Telecomunications Union) e ser compatível com as respectivas interfaces e conectores: Para velocidade de 64 Kbps e múltiplos, a BRASIL irá disponibilizar a interface digital V.35, conforme disposto no item do Anexo IV Para velocidade de 2 Mbps, a OPERADORA poderá optar pela interface digital V.35 ou G.703, conforme disposto no item do Anexo IV A OPERADORA é responsável pela disponibilização do cabo correspondente à interface digital utilizada A OPERADORA deverá garantir que a distância entre o modem da BRASIL e o respectivo equipamento (Terminal de Dados) não ultrapasse os valores máximos admissíveis correspondentes à interface digital utilizada. ÚLTIMA FOLHA DO ANEXO 5 AO CONTRATO DNO. /2006 DE FORNECIMENTO DE EILD ENTRE A BRASIL S.A. E A OPERADORA S.A. Página 7 de 7

REDE DE COMUNICAÇÃO DA COMUNIDADE FINANCEIRA DOCUMENTO DE INFRA-ESTRUTURA

REDE DE COMUNICAÇÃO DA COMUNIDADE FINANCEIRA DOCUMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DOCUMENTO DE INFRA-ESTRUTURA ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. IMPLANTAÇÃO DOS SERVIÇOS... 3 3. CONDIÇÕES BÁSICAS PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS... 4 3.1. INFRAESTRUTURA INTERNA RECOMENDAÇÕES:... 4 3.2. CONDIÇÕES

Leia mais

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz 1 Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz Prezado Usuário, A partir de agora você estará utilizando um sistema que integra Dados, Voz e Imagem em uma rede de alta confiabilidade, com equipamentos

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

Infra-estrutura tecnológica

Infra-estrutura tecnológica Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação ATTI Supervisão de Infra-estrutura Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Infra-estrutura tecnológica Rede Lógica

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

Redes de Computadores II. Redes de Computadores

Redes de Computadores II. Redes de Computadores Redes de Computadores II Redes de Computadores 1 1 Padrão EIA/TIA 569A Padrões de Caminhos e Espaços em Edifícios Comerciais 2 2 Padrões de Caminhos e Espaços em Edifícios Comerciais ANSI/TIA/EIA 569-A

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO)

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) Condições de atendimento Diretoria de Distribuição Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

ü Não é permitido utilizar a tubulação da rede elétrica para passagem dos

ü Não é permitido utilizar a tubulação da rede elétrica para passagem dos VÍDEO PORTEIRO COLORIDO VIP COLOR 7 Manual de Instalação 1) APRESENTAÇÃO DO PRODUTO A Amelco, oferece cada vez mais soluções em segurança eletrônica para seus clientes e apresenta o Vídeo Porteiro com

Leia mais

Manual de Instalação e Operações

Manual de Instalação e Operações Manual de Instalação e Operações Acionador On/Off Bivolt Sistema de Aquecimento para banheira de hidromassagem PARA SUA SEGURANÇA: Antes de Instalar este produto, leia atentamente este manual de instruções.

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO CATEGORIA: SIRENES ELETROMECÂNICAS Sirene Eletromecânica Industrial Convencional Para Médias e Grandes Áreas - Código: AFRT12. A sirene de alarme código AFRT12 é um equipamento que deve ser instalado no

Leia mais

INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL RESUMO

INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL RESUMO INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL Fernando Nascimento 1-21370122 Gabriela Sampaio Rêma 2-21370051 Marcos Vinícius Lemos da Silva 3-21270116 Paula da Silva Nogueira 4-21370049 RESUMO Poucas

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA EQUIPAMENTO ELETRÔNICO PARA CONVERSÃO DE VOLUME DE GÁS NATURAL ÍNDICE DE REVISÕES

PROCEDIMENTO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA EQUIPAMENTO ELETRÔNICO PARA CONVERSÃO DE VOLUME DE GÁS NATURAL ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 14 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 Rev. 4 Rev. 5 Rev. 6 Rev. 7 Rev. 8 DATA: 18/04/13 ELABORAÇÃO: Andre VERIFICAÇÃO:

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25, FASE COM SISTEMA IRRADIANTE

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25, FASE COM SISTEMA IRRADIANTE ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25, FASE COM SISTEMA IRRADIANTE COMPOSIÇÃO DA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25 A estação repetidora digital P25 será composta pelos seguintes equipamentos:

Leia mais

COOK. COOK ENERGIA E TELECOMUNICAÇÕES Tel: (55) 21 2609-4196, 9387-1021 e-mail cook@cookenergia.com site: www.cookenergia.com

COOK. COOK ENERGIA E TELECOMUNICAÇÕES Tel: (55) 21 2609-4196, 9387-1021 e-mail cook@cookenergia.com site: www.cookenergia.com ARMARIOS DE DISTRIBUIÇÃO TIPO ARDAL: Possibilita a interconexão de pares dos cabos telefônicos nas transições das redes alimentadoras (primárias) para as redes distribuidoras (secundárias). Constituído

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE CIRCUITO FECHADO DE TV CFTV PARA O ESCRITÓRIO REGIONAL DA ANATEL NO RIO GRANDE DO SUL ER05,

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE CIRCUITO FECHADO DE TV CFTV PARA O ESCRITÓRIO REGIONAL DA ANATEL NO RIO GRANDE DO SUL ER05, ANEXO I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES ANATEL CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE CIRCUITO FECHADO DE TV CFTV PARA O ESCRITÓRIO REGIONAL DA ANATEL NO RIO GRANDE DO SUL ER05, SITUADO EM

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 19 NOTA TÉCNICA 6.010 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR SECUNDÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÕES GERAIS SISTEMA DE AR CONDICIONADO

ANEXO I ESPECIFICAÇÕES GERAIS SISTEMA DE AR CONDICIONADO ANEXO I ESPECIFICAÇÕES GERAIS SISTEMA DE AR CONDICIONADO 1. OBJETIVO O presente memorial tem pôr objetivo conceituar, definir e apresentar as bases do sistema de ar condicionado que irá atender ao imóvel

Leia mais

Camada Física Camada Física Camada Física Função: A camada Física OSI fornece os requisitos para transportar pelo meio físico de rede os bits que formam o quadro da camada de Enlace de Dados. O objetivo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DECARGAS ATMOSFÉRICAS SPDA PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DO MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DO LESTE MT

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DECARGAS ATMOSFÉRICAS SPDA PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DO MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DO LESTE MT MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DECARGAS ATMOSFÉRICAS SPDA PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DO MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DO LESTE MT CUIABÁ, ABRIL DE 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 3 2. METODOLOGIA E TIPO

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A MONTAGEM DOS KITS NOS TELECENTROS APOIADOS PELO PROGRAMA

ORIENTAÇÕES PARA A MONTAGEM DOS KITS NOS TELECENTROS APOIADOS PELO PROGRAMA ORIENTAÇÕES PARA A MONTAGEM DOS KITS NOS TELECENTROS APOIADOS PELO PROGRAMA Versão 2013 1 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Condições 3. Diretrizes 4. Fundamentação Legal 5. Contrapartidas 5.1. Espaço Físico 5.2.

Leia mais

Introdução TIA/EIA-422 TIA/EIA-485. Conceitos Básicos de RS-485 e RS-422

Introdução TIA/EIA-422 TIA/EIA-485. Conceitos Básicos de RS-485 e RS-422 Introdução As normas RS-485 e RS-422 definem esquemas de transmissão de dados balanceados que oferecem soluções robustas para transmitir dados em longas distâncias em ambientes ruidosos. Estas normas não

Leia mais

Assim como o diâmetro de um cano é função da quantidade de água que passa em seu interior, a bitola de um condutor depende da quantidade de elétrons

Assim como o diâmetro de um cano é função da quantidade de água que passa em seu interior, a bitola de um condutor depende da quantidade de elétrons Elétrica Quem compõe a instalação elétrica - quadro de luz - centro nervoso das instalações elétricas. Deve ser metálico ou de material incombustível, e nunca de madeira (na sua parte interna ou externa).

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Kathiane Queiroz ATERRAMENTO ELÉTRICO Sistema de aterramento elétrico ATERRAMENTO ELÉTRICO Mas o que é o terra? Qual a diferença entre terra, neutro, e massa(carcaça do Equipamento)?

Leia mais

Manual do Usuário PRELIMINAR

Manual do Usuário PRELIMINAR Manual do Usuário PRELIMINAR Introdução O conversor KR-485/USB é a solução rápida e segura para a interface entre o PC e barramentos de comunicação industrial RS-485 ou RS-422. Ao ligar o KR-485/USB à

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS Instalação do sistema de geração de ozônio na piscina coberta do Centro de Atividades do SESC Ceilândia. Brasília-DF COMAP/DIAD Página 1 BASES TÉCNICAS PARA

Leia mais

Manual do Leitor ATG-Basic

Manual do Leitor ATG-Basic Manual do Leitor ATG-Basic O leitor ATG-Basic foi desenvolvido para uso em controle de acesso veicular. Esse leitor é para ser usado conectado à uma controladora através das interfaces Wiegand, Abatrack,

Leia mais

SISTEMA DE PRESSURIZAÇÃO DANCOR

SISTEMA DE PRESSURIZAÇÃO DANCOR SISTEMA DE PRESSURIZAÇÃO DANCOR Manual do Proprietário Utilização e Instalação S A Desd e1 94 6 BO MB AS EF ILTR OS - Consumidores - Representantes - Revendedores Serviço de Atendimento ao Consumidor Tel.:

Leia mais

NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Companhia Paranaense de Energia COPEL NORMAS TÉCNICAS COPEL NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Órgão Emissor: Coordenação de Comercialização de Energia - CCD Coordenadoria de

Leia mais

Manual de Recebimento e Instalação de Equipamentos nas Câmaras Municipais

Manual de Recebimento e Instalação de Equipamentos nas Câmaras Municipais Manual de Recebimento e Instalação de Equipamentos nas Câmaras Municipais Roteiro e Procedimentos para Instalação e Assistência Técnica dos Equipamentos e Programas www.interlegis.gov.br Presidente do

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRAS AVISO DE ESCLARECIMENTO Nº 04 EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO DAC Nº 26/2015

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRAS AVISO DE ESCLARECIMENTO Nº 04 EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO DAC Nº 26/2015 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRAS AVISO DE ESCLARECIMENTO Nº 04 EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO DAC Nº 26/2015 A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. ELETROBRAS, por

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado da Bahia. Criado e mantido pelos Empresários do Comércio de Bens, Serviços e Turismo

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado da Bahia. Criado e mantido pelos Empresários do Comércio de Bens, Serviços e Turismo CONVITE N. 44/2012 MEMORIAL DESCRITIVO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA REALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE AJUSTES E CORREÇÕES EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DO SESC COMÉRCIO, PARA INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS DE

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO Instalação Nobreak 60 KVA - 380 V PROPRIETÁRIO: Procuradoria Geral de Justiça. 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO DADOS DO PROPRIETÁRIO

Leia mais

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço 1 - Aplicação Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço Plano Nº 044 - Claro Online 5GB Requerimento de Homologação Nº 8876 Este Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço é aplicável pela autorizatária CLARO S.A.,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II 1 O PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES PARA O ELETRICISTA

Leia mais

ANEXO I. Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM

ANEXO I. Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM ANEXO I Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM CIDADE: VOTORANTIM/SP 1. Serviços Preliminares 1.1. Acesso Existe estrada de acesso ao local

Leia mais

Disciplina: Redes de Comunicação. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Setembro 2013

Disciplina: Redes de Comunicação. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Setembro 2013 Disciplina: Redes de Comunicação Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. João Oliveira Turma: 10º 13ª Setembro 2013 INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta os principais

Leia mais

SATECH TELECOMUNICAÇÕES. R. Professor Leônidas Ferreira da Costa, 525 Parolin - CEP 80220-410 Curitiba - Paraná - Brasil

SATECH TELECOMUNICAÇÕES. R. Professor Leônidas Ferreira da Costa, 525 Parolin - CEP 80220-410 Curitiba - Paraná - Brasil SATECH TELECOMUNICAÇÕES R. Professor Leônidas Ferreira da Costa, 525 Parolin - CEP 80220-410 Curitiba - Paraná - Brasil Fone: (41) 3332-2333 www.satech.com.br satech@satech.com.br Satech Sistemas de Telecomunicações

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Line Cords e Patch Cables.

Leia mais

MORAES TEIXEIRA RELATÓRIO TECNICO MEIOS DE TRANSMISÃO CABO DE PAR TRANÇADO (SEM BLINDAGEM)

MORAES TEIXEIRA RELATÓRIO TECNICO MEIOS DE TRANSMISÃO CABO DE PAR TRANÇADO (SEM BLINDAGEM) Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática ÂNDREA MORAES TEIXEIRA RELATÓRIO TECNICO

Leia mais

DISTRIBUIDORES PARA TELEFONIA 1

DISTRIBUIDORES PARA TELEFONIA 1 DISTRIBUIDORES PARA TELEFONIA 1 Tiago Ribeiro Sapia 2 Resumo: Este artigo apresenta a estrutura básica dos distribuidores de telefonia fixa comutada, desde 1. INTRODUÇÃO sua origem até o assinante comum.

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações ID-4.044 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos ELABORADO: Luiz Eduardo R. Magalhães Gerência

Leia mais

VÍDEO PORTEIRO COLORIDO VIP COLOR 4

VÍDEO PORTEIRO COLORIDO VIP COLOR 4 CERTIFICADO DE GARANTIA Este produto é garantido pela Amelco S.A. Indústria Eletrônica dentro das seguintes condições: 1- Fica garantida, por um período de 1 (hum) ano a contar da data de emissão da nota

Leia mais

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ESCOLAS Realização: fdte@fdte.org.br ÍNDICE 1. Objetivo..................................................................... 3 2. Elementos de uma Rede Telefônica:............................................

Leia mais

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com Projeto Elétrico Padrão de Medição, fornecimento de energia em tensão primária 13.8kV, a partir da rede aérea de distribuição para atender Defensoria Pública do Estado da Paraíba. Responsavel Técnico:

Leia mais

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR www.mastertec.ind.br 1 ÍNDICE 1. Recursos:... 3 2. Condições de funcionamento:... 3 3. Características técnicas:... 3 4. Características construtivas:... 3 5. Diagrama

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410. Revisão C

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410. Revisão C ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410 Revisão C SUPERINTENDÊNCIA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA - TI GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 Página 1 de 19 COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 ATENDIMENTO DE NOVOS CONSUMIDORES LOCALIZADOS EM ÁREAS DE SISTEMAS SUBTERRÂNEOS DE DISTRIBUIÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

Manual Técnico e Certificado de Garantia

Manual Técnico e Certificado de Garantia Parabéns! Você acabou de adquirir um ventilador de teto com luminária, especialmente criado para trazer mais conforto e beleza aos ambientes. Com design diferenciado o Efyx Nauta é pré-montado. Siga todas

Leia mais

Impressora HP Scitex FB950 Guia de preparação do local

Impressora HP Scitex FB950 Guia de preparação do local Impressora HP Scitex FB950 Guia de preparação do local 2008 Hewlett-Packard Development Company, L.P. As informações contidas neste documento estão sujeitas a alteração sem aviso prévio. As únicas garantias

Leia mais

Manual de Operação 1

Manual de Operação 1 Manual de Operação 1 Termo de Garantia A Midea do Brasil, garante este produto contra defeito de fabricação pelo prazo de um ano a contar da data da emissão da nota fiscal de compra para o consumidor final.

Leia mais

CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO

CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO CASA DE MÁQUINAS Item essencial para qualquer tipo de piscina. É nela que ficam acondicionados o Sistema Filtrante (Filtro e Bomba) registros, válvulas, fios e acionadores.

Leia mais

Jato suave e concentrado; Chuveiro com chave seletora para ajuste da temperatura (4 temperaturas); Inovação tecnológica;

Jato suave e concentrado; Chuveiro com chave seletora para ajuste da temperatura (4 temperaturas); Inovação tecnológica; 1 1. INFORMAÇÕES GERAIS Função O Chuveiro tem como função principal fornecer água com vazão adequada à higiene pessoal. Aplicação Utilizado para higiene pessoal em banheiros ou áreas externas como piscinas.

Leia mais

Manual Operacional Verificador de Preço VP240 / VP630 VP240W / VP630W

Manual Operacional Verificador de Preço VP240 / VP630 VP240W / VP630W Manual Operacional Verificador de Preço VP240 / VP630 VP240W / VP630W APRESENTAÇÃO Verificador de Preço da Tanca é o melhor equipamento para consulta do preço de produtos através dos códigos de barras.

Leia mais

Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC

Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC CONTATO E-MAIL: implantacao@redecidadania.ba.gob.br VERSÃO 9.0 MAIO / 2015 ESPECIFICAÇÕES DO ESPAÇO DO CDC Para a implantação do CDC é necessário encontrar

Leia mais

DXT3000 - PHONE CONTROL

DXT3000 - PHONE CONTROL Hamtronix DXT3000 - PHONE CONTROL Manual de Instalação e Operação Software V 1.0 Hardware Revisão A INTRODUÇÃO Índice... 01 Suporte On-line... 01 Termo de Garantia... 01 Em Caso de Problemas (RESET)...

Leia mais

DISPOSITIVO DE PARTIDA E TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA PARA GERADORES DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DO USUÁRIO

DISPOSITIVO DE PARTIDA E TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA PARA GERADORES DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DO USUÁRIO DISPOSITIVO DE PARTIDA E TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA PARA GERADORES DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DO USUÁRIO Por favor, leia este manual com atenção para uso do equipamento. Instruções de Operação do QTA. I.

Leia mais

CONDICIONADOR DE AR TIPO JANELA MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO LINHA: EGF GARANTIA. Condicionador de ar

CONDICIONADOR DE AR TIPO JANELA MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO LINHA: EGF GARANTIA. Condicionador de ar CONDICIONADOR DE AR TIPO JANELA MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO LINHA: EGF DE GARANTIA LEIA O CERTIFICADO Condicionador de ar 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8 9. 10. 11. 12. 13. 14. 15. CONDICIONADOR DE AR, PEÇAS

Leia mais

Descrição do Produto. Dados para Compra

Descrição do Produto. Dados para Compra Descrição do Produto Os módulos supressores para pontos analógicos AL-3492 e AL-3493 foram desenvolvidos para oferecer alta proteção contra surtos de tensão em pontos de entrada ou saída analógicos. Por

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Cabeamento Estruturado Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Definição Entende-se por rede interna estruturada aquela que é projetada de modo a prover uma infra-estrutura

Leia mais

Manual Técnico. Geradores de vapor elétrico com resistência eletrolítica. SOCALOR saunas

Manual Técnico. Geradores de vapor elétrico com resistência eletrolítica. SOCALOR saunas Manual Técnico Geradores de vapor elétrico com resistência eletrolítica Modelo Plus S Atenção: Não instale este aparelho sem antes ler e seguir detalhadamente as instruções técnicas deste manual ÍNDICE

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Fumaça Óptico Convencional + Módulo Endereçável Código: AFDFE. (Ideal Para Utilizar em Conjunto com a Central de Alarme de Incêndio AFSLIM). O detector de fumaça código AFDFE é um

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Cabeamento Estruturado Prof. Marciano dos Santos Dionizio Norma ANSI/EIA/TIA 568B Divide um sistema de cabeamento em subsistemas: 1. Facilidades de Entrada (pela NBR14565: Sala de Entrada de Telecomunicações

Leia mais

MANUAIS DE INSTRUÇÃO

MANUAIS DE INSTRUÇÃO MANUAIS DE INSTRUÇÃO ESPECIFICAÇÕES O DIMMER RACK 12 CANAIS CBI é fabricado para cumprir com as especificações do mercado de iluminação profissional, iluminação cênica, decorativa, shows, eventos e iluminação

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Transdutor de Resistência Transdutor de Temperatura W151 / W152. Revisão I

MANUAL DO USUÁRIO. Transdutor de Resistência Transdutor de Temperatura W151 / W152. Revisão I MANUAL DO USUÁRIO Transdutor de Resistência Transdutor de Temperatura W151 / W152 Índice Capítulo Página Introdução 3 Termo de Garantia 3 Características Técnicas 4 Esquemas de Ligação 6 Saída Analógica

Leia mais

TERMO DE GARANTIA. CONFORTO COM SEGURANÇA Cód: P26708 rev.:8 mod. 150

TERMO DE GARANTIA. CONFORTO COM SEGURANÇA Cód: P26708 rev.:8 mod. 150 TERMO DE GARANTIA A ELETROPPAR, Indústria Eletrônica Ltda, Localizada na Rua Carlos Ferrari nº2651, Distrito Industrial, Garça/SP, CEP 17.400-000, CNPJ 02.748.434/0001-08, IE 315.026.341.111 garante este

Leia mais

Autos nº 307553/2008 Assunto: Pedido de impugnação do edital da Tomada de Preços nº 01/2008.

Autos nº 307553/2008 Assunto: Pedido de impugnação do edital da Tomada de Preços nº 01/2008. Autos nº 307553/2008 Assunto: Pedido de impugnação do edital da Tomada de Preços nº 01/2008. Paulo Marcos de Campos Batista, brasileiro, advogado, inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil Seção Goiás,

Leia mais

FÓRUM DE POÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DAS INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO E SPDA

FÓRUM DE POÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DAS INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO E SPDA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA FÓRUM DE POÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DAS INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO E SPDA EMPRESA RESPONSÁVEL: Senemig Engenharia LTDA RESPONSÁVEIS

Leia mais

ANEXO I IMPLANTAÇÃO DA ERM MACAÉ - RJ CADERNO DE ENCARGOS INFRA-ESTRUTURA

ANEXO I IMPLANTAÇÃO DA ERM MACAÉ - RJ CADERNO DE ENCARGOS INFRA-ESTRUTURA ANEXO I IMPLANTAÇÃO DA ERM MACAÉ - RJ CADERNO DE ENCARGOS INFRA-ESTRUTURA 1 1. Introdução O presente caderno de encargos tem como objetivo orientar e subsidiar a contratação de empresa para a execução

Leia mais

3.1. Esta especificação faz referência aos seguintes documentos:

3.1. Esta especificação faz referência aos seguintes documentos: 1/7 1. OBJETIVO: 1.1. Esta Especificação Técnica tem por objetivo definir as características e estabelecer os critérios para a fabricação e aceitação do Sistema para Cabeamento Interno Aparente em Ambiente

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

MENSAGEM PREGÃO ELETRÔNICO N. 54/2008 ESCLARECIMENTO 1

MENSAGEM PREGÃO ELETRÔNICO N. 54/2008 ESCLARECIMENTO 1 MENSAGEM Assunto: Esclarecimento 1 Referência: Pregão Eletrônico n. 54/2008 Data: 08/09/2008 Objeto: Contratação de empresa para fornecimento e instalação do Circuito Fechado de Televisão CFTV digital,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE CABEAMENTO

MEMORIAL DESCRITIVO DE CABEAMENTO MEMORIAL DESCRITIVO DE CABEAMENTO PROPRIETÁRIO: Ministério Público de Patos Promotoria de Justiça da Comarca de Patos ENDEREÇO: Doutor Pedro Firmino, Patos PB BAIRRO: CEP: E-mail do contratado: projeto_cad@hotmail.com.

Leia mais

MANUAL DO USUARIO DIMMER ENERGY L.E.D Página 1 de 11 DCP ILUMINAÇÃO LTDA. DIMMER L.E.D DIMMER DMX PARA ILUMINAÇÃO. Manual do Usuário Versão 1

MANUAL DO USUARIO DIMMER ENERGY L.E.D Página 1 de 11 DCP ILUMINAÇÃO LTDA. DIMMER L.E.D DIMMER DMX PARA ILUMINAÇÃO. Manual do Usuário Versão 1 Página 1 de 11 DCP ILUMINAÇÃO LTDA. DIMMER L.E.D DIMMER DMX PARA ILUMINAÇÃO Manual do Usuário Versão 1 Página 2 de 11 Índice 1. INTRODUÇÃO...2 2. DESCRIÇÃO...2 3. POSICIONAMENTO/MEDIDAS/INDICADORES...3/4

Leia mais

Guia do Instalador & MANUAL DO USUÁRIO. AlbaLED Cores Piscina

Guia do Instalador & MANUAL DO USUÁRIO. AlbaLED Cores Piscina Guia do Instalador & MANUAL DO USUÁRIO AlbaLED Cores Piscina Copyright G2N Automação Indústria e Comércio Ltda. 2009. AlbaLED Cores Piscina Este Guia do Instalador e Manual do Usuário foi publicado pela

Leia mais

Índice. Apresentação. Características técnicas

Índice. Apresentação. Características técnicas P27055 - Rev. 1 Apresentação Índice Apresentação... 04 Características técnicas... 04 Central Electra 8K RF... 05 Instalação... 05 Fiação, isoladores e hastes... 06 Conexão do eletrificador com a cerca...

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1. GENERALIDADES Este documento tem por objetivo fornecer aos interessados no Chamamento Público as especificações básicas que deverão ser seguidas para o atendimento deste objeto.

Leia mais

Manual de Operação. Balança UR10000 LIGHT 300/100

Manual de Operação. Balança UR10000 LIGHT 300/100 Manual de Operação Balança UR10000 LIGHT 300/100 1 - INTRODUÇÃO Este equipamento foi projetado para atender aos mais rigorosos requisitos de precisão em pesagem, possuindo componentes de altíssima qualidade,

Leia mais

Guia de instalação SF 802 AF

Guia de instalação SF 802 AF Guia de instalação SF 802 AF SF 802 AF Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O switch SF 802 AF possui 8 portas Fast Ethernet com suporte a função PoE, cada

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Detector / Sensor de Fumaça Autônomo Rede AC e Bateria - Com Saída Rele NA/NF - Código: AFDFAR. O detector de Fumaça código AFDFAR é um equipamento que deve ser instalado no teto ou na parede das edificações

Leia mais

ANEXO I CONVITE N 001/2008-ER02/RJ. Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM

ANEXO I CONVITE N 001/2008-ER02/RJ. Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM ANEXO I CONVITE N 001/2008-ER02/RJ Caderno de Encargos de Infra-estrutura para Implantação de Estação Remota de Radiomonitoragem - ERM 1.Serviços Preliminares 1.1.Acesso CIDADE: CAMPOS/RJ O local onde

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1. GENERALIDADES Este documento tem por objetivo fornecer aos interessados no Chamamento em pauta as Especificações Básicas a serem seguidas para o atendimento deste Objeto. Estas

Leia mais

Manual de Instalação DIGISTAR XE - 10 DIGISTAR XE - 16 DIGISTAR XE - 16 A

Manual de Instalação DIGISTAR XE - 10 DIGISTAR XE - 16 DIGISTAR XE - 16 A Manual de Instalação DIGISTAR XE - 10 DIGISTAR XE - 16 DIGISTAR XE - 16 A Sumário 1 - Instalação 1.1 - Ambiente de Instalação... 3 1.2 - Fixação Mecânica... 3 1.3 - Rede Elétrica... 4 1.4 - Fiação... 5

Leia mais

www.telecelula.com.br MANUAL DE INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO, TERMO DE GARANTIA E SUPORTE Telecelula Magic LCD

www.telecelula.com.br MANUAL DE INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO, TERMO DE GARANTIA E SUPORTE Telecelula Magic LCD www.telecelula.com.br MANUAL DE INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO, TERMO DE GARANTIA E SUPORTE Telecelula Magic LCD INDÍCE MANUAL UTILIZAÇÃO MAGIC LCD 1. INTRODUÇÃO INSTALAÇÃO, GARANTIA... 3 1.1 COMO INSTALAR MAGIC

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço 1 - Aplicação Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço Plano Nº 045 - Claro Online Sem internet Requerimento de Homologação Nº 8879 Este Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço é aplicável pela autorizatária

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

Redes subterrâneas em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli*

Redes subterrâneas em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli* 46 Capítulo VI em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli* Tendência irreversível no mercado da construção civil, as redes subterrâneas a cada dia ganham mais terreno em obras em

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO AQUECEDOR ECOLÓGICO DE PAINEL ECOTERMIC AQC700

MANUAL DO USUÁRIO AQUECEDOR ECOLÓGICO DE PAINEL ECOTERMIC AQC700 MANUAL DO USUÁRIO AQUECEDOR ECOLÓGICO DE PAINEL ECOTERMIC AQC700 Obrigado por adquirir o Aquecedor Ecológico de Painel ecotermic Cadence, AQC700, um produto de alta tecnologia, seguro e eficiente. É muito

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO 1 - APRESENTAÇÃO: O presente memorial visa descrever as diretrizes básicas que devem ser observadas na reformulação da iluminação pública do Parque Marinha do Brasil. 2

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. PROPRIETÁRIO: IFSULDEMINAS - Câmpus Muzambinho.. Estrada de Muzambinho, km 35 - Bairro Morro Preto.

MEMORIAL DESCRITIVO. PROPRIETÁRIO: IFSULDEMINAS - Câmpus Muzambinho.. Estrada de Muzambinho, km 35 - Bairro Morro Preto. MEMORIAL DESCRITIVO ASSUNTO: Projeto de adaptação de rede de distribuição de energia elétrica urbana em tensão nominal primária de 13.8KV e secundária de 220/127V, com 02 postos de transformação de 75KVA

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOÁS SECRETARA DA SEGURANÇA PÚBLCA CORPO DE BOMBEROS MLTAR DRETORA DE DEFESA CVL Gerência de Segurança Contra ncêndio e Pânico NORMA TÉCNCA n. 40, de 05/03/07 Sistema de Proteção Contra Descargas

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET. Plano para revitalização da Rede de Transmissão de Dados e Imagens RTDI do sistema de CFTV Versão 2.

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET. Plano para revitalização da Rede de Transmissão de Dados e Imagens RTDI do sistema de CFTV Versão 2. COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET Plano para revitalização da Rede de Transmissão de Dados e Imagens RTDI do sistema de CFTV Versão 2.0 10/09/2015 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 4 2. LEVANTAMENTO TÉCNICO...

Leia mais

Manual do usuário XRE 1000

Manual do usuário XRE 1000 Manual do usuário XRE 1000 Modelo XRE 1000 Receptor de controle remoto Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e a segurança Intelbras. O receptor XRE 1000, com tecnologia 100% digital,

Leia mais

Cabeamento Estruturado (CBE)

Cabeamento Estruturado (CBE) Cabeamento Estruturado (CBE) Prof. Tiago Semprebom Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José tisemp@sj.ifsc.edu.br 09 de Março de 2010 Prof. Tiago (IFSC) Cabeamento

Leia mais