Raiva. Replicação no citoplasma - corpúsculo de inclusão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Raiva. Replicação no citoplasma - corpúsculo de inclusão"

Transcrição

1 Família Rhabdoviridae forma de bala 70 x 170 nm -RNA envelope Proteina G Ac neutralizantes Proteína N grupo Vírus fixo/rua Perfil G-N= Origem do vírus Raiva

2 Raiva

3 Raiva Replicação no citoplasma - corpúsculo de inclusão

4 Raiva Vírus adquire envelope por brotamento Glicoproteína - imunogênica

5 Raiva - Patogenia

6 Raiva - Patogenia Penetração do vírus por lesões ou mucosa Tipo de ferimento X dose do vírus Local do ferimento: porção superior do tronco, terminais nervosos Período de incubação variável: 10 dias até 6 meses

7 Raiva - Epidemiologia Ciclo urbano: cão e gato Ciclo silvestre Canídeos - Europa, América do Norte Morcegos hematófagos e insetívoros na América Latina Também: macaco, raposa, coiote, chacal, gato do mato, jaritataca, guaxinim e mangusto

8 Raiva no cão Forma furiosa e forma paralítica Incubação entre 10 dias e 2 meses Período de transmissibilidade: 2 a 5 dias antes do aparecimento de sinais clínicos Morte: 5-7 dias após sinais clínicos

9 Raiva no cão Fase prodrômica: mudança de comportamento, anorexia, ansiedade, hipertermia, dilatação de pupilas Duração média 3 dias

10 Raiva no cão - Furiosa Agressividade (objetos, animais, dono), ptialismo, latidos roucos, fuga, incoordenação, convulsão, morte

11 Raiva no cão - Paralítica Breve excitação ou ausente, fotofobia, paralisia dos músculos da cabeça e membros posteriores, sialorréia morte

12 Raiva no gato Geralmente forma furiosa Incubação e eliminação: semelhante ao cão Geralmente primeira agressão é a arranhadura

13 Raiva no bovino Geralmente paralítica Longe do grupo, paralisia posterior, nem sempre lesão do morcego é visível Fonte:UFSM

14 Raiva: suíno e cavalo Geralmente paralítica Lesões na cernelha e glândula mamária. Fonte:UNICRUZ

15 Raiva no morcego Período de transmissibilidade maior que outros animais Paralítica ou Furiosa Suspeito quando encontrado em local e horário não-habitual

16 Raiva no morcego Infecção: aspiração ou mordeduras Frugívoros e hematófagos Desmodus rotundus

17 Raiva no humano Incubação média: 45 dias Fase prodrômica: 2-4 dias Mal-estar, cefaléia, angústia, irritabilidade, irritação no local da mordida

18 Raiva no humano Sintomas progressivos de hipererexcitabilidade, convulsões, paralisias, mantém a consciência Óbito em 5-7 dias

19 Diagnóstico Cérebro e cerebelo Medula para equídeos Cabeça, animal inteiro Cuidado na coleta - proteção individual Refrigerado,congelado, glicerina 50% Histórico e saco plástico duplo Até 48 horas após a morte do animal

20 Diagnóstico Corpúsculo de inclusão - Método de Sellers

21 Diagnóstico Imunofluorescência direta

22 Diagnóstico Inoculação de camundongo

23 Conduta em caso de possível exposição Limpeza do ferimento com água corrente, sabão e antisépticos (álcool-iodado, clorhexidine) Lavar mucosa ocular com solução fisiológica Contato indireto ou sem lesão: lavar Encaminhar o paciente ao Posto de Saúde

24 Conduta para o animal Observação por 10 dias: cães e gatos Morte ou sintomas: exame do SNC Bovinos, equinos, etc.:não são observados - avaliar o risco para o humano exposto Agresões por qualquer morcego: grave Sem gravidade: ratos, camundongos, cobaia, hamster e coelho

25 Conduta para o humano Limpeza do ferimento Avaliar: Lesão: local, profundidade, número Animal: espécie Silvestres: sempre de alto risco Produção: também de risco

26 Vacinação em humanos Decisão é tomada de acordo com o risco Tipos de vacina Fuenzalida e Palácios 1 ml, I.M., eventos adversos (1:8000) Cultivo celular 0,5-1 ml, IM, ev.adversos (1:500000)

27 Vacinação em humanos Pré-exposição: pessoas em risco como veterinários, trabalhadores em zoológico, captura de morcegos ou animais silvestres, laboratoristas 3 doses Controle sorológico - avaliação

28 Vacinação em humanos Pós-exposição vacinação anterior? Tipo de exposição Associar ao soro? Aplicado próximo à lesão heterólogo/ homólogo

29 Conduta após confirmação de caso Notificar a Secretaria da Saúde: Proprietário: entregar animal agredido por animal raivoso Sacrificar ou observar por 6 meses Vacinar todos os cães em raio de 5 km em 72 h após a confirmação do foco urbano

30 Conduta após confirmação de caso Apreender cães errantes revacinar cães e gatos em 90 dias raiva silvestre: vacinação dos animais e combate de morcego em raio de até 30 km captura e aplicação de warfarina

31 Conduta após confirmação de caso No caso de raiva humana, transmitida por morcego: Captura dos morcegos Vacinação/soro nos expostos Controle médico e vacinação profilática no foco

32 Profilaxia Vacinação dos animais vacina inativada Posse responsável dos animais Controle da população de cães Controle de morcegos hematófagos: áreas problema - monitoria de agressões e focos de raiva

33 Situação na América Raiva humana casos casos Raiva cães casos casos

34 Situação no Brasil Raiva humana: 21 casos (2004) 1 caso -Nordeste (cão) Demais casos - Norte morcego Pará e Maranhão Mudança de ecossistema pela exploração de minérios. Movimentação de animais seca, etc.

35 Situação no Brasil Profilaxia pós-exposição (PE): 7062 pacientes 83% casos -cães 16% gatos 0,4% primatas (macaco prego, sagui) 0,2 % morcego 40% até 14 anos de idade

36 Situação no Rio Grande do Sul Raiva bovina: casos (Osório, Vale do Sol) casos (Glorinha, Toropi) casos (Rolante, F.Westphalen) casos (Cruzeiro do Sul, Flores da Cunha) surto em Lomba Grande e Gravataí

Esquema para profilaxia da raiva humana com vacina de cultivo celular

Esquema para profilaxia da raiva humana com vacina de cultivo celular Esquema para profilaxia da raiva humana com vacina de cultivo celular CONDIÇÕES DO ANIMAL AGRESSOR TIPO DE EXPOSIÇÃO Cão ou gato sem suspeita de raiva no momento da agressão Cão ou gato clinicamente suspeito

Leia mais

INFORME TRIMESTRAL SOBRE A RAIVA

INFORME TRIMESTRAL SOBRE A RAIVA ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE ALAGOAS SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE SUVISA DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVEP INFORME TRIMESTRAL SOBRE A RAIVA Ano I nº 1 Edição:

Leia mais

Secretaria Estadual da Saúde do Estado do Ceará - SESA. Coordenadoria das Regionais de Saúde - CORES

Secretaria Estadual da Saúde do Estado do Ceará - SESA. Coordenadoria das Regionais de Saúde - CORES Raiva 1 Secretaria Estadual da Saúde do Estado do Ceará - SESA Coordenadoria das Regionais de Saúde - CORES 1ª Coordenadoria Regional de Saúde de Fortaleza 1ª CRES Programa de Profilaxia e Controle da

Leia mais

Raiva humana VS Componente Epidemiológico

Raiva humana VS Componente Epidemiológico GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal Subsecretaria de Vigilância à Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica Gerência de Vigilância Epidemiológica e Imunização

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Agravos Transmissíveis de Notificação Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN

Vigilância Epidemiológica de Agravos Transmissíveis de Notificação Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN INFORMATIVO EPIDEMIOLÓGICO AGRAVOS AGUDOS TRANSMISSÍVEIS 23 de fevereiro de 2015 Vol. 01/2015 NESTA EDIÇÃO INVESTIGAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA NOS CASOS DE CONTATO COM MORCEGO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE CENTRO

Leia mais

MITOS E VERDADES SOBRE A RAIVA

MITOS E VERDADES SOBRE A RAIVA MITOS E VERDADES SOBRE A RAIVA Autora: (Professora) Orientador: Hilton José Silva de Azevedo (Professor- Dr.) 2 RESUMO Os animais são excelentes companheiros das crianças e dos adultos. Mas algumas vezes,

Leia mais

Dóris Gómez Marcos Schuch

Dóris Gómez Marcos Schuch Universidade Federal de Pelotas Programa de Pós-graduação em Epidemiologia Mestrado Profissional Saúde Pública Baseada em Evidências FOCO DA PROFILAXIA ANTI-RÁBICA HUMANA PÓS-EXPOSIÇÃO NO ANO DE 2007 EM

Leia mais

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Controle da Raiva Animal em Aparecida de Goiânia Área Temática de Saúde Resumo A raiva continua sendo

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO. DICIONÁRIO DE DADOS - SINAN NET - Versão 4.0

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO. DICIONÁRIO DE DADOS - SINAN NET - Versão 4.0 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE GT-SINAN AGRAVO: RAIVA HUMANA 31. Data da Investigação

Leia mais

Guia de Vigilância Epidemiológica

Guia de Vigilância Epidemiológica Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Guia de Vigilância Epidemiológica 6ª edição Série A. Normas e Manuais Técnicos Brasília - DF 2005 2005. Ministério

Leia mais

Ocorrência de Raiva dos Herbívoros no Paraná

Ocorrência de Raiva dos Herbívoros no Paraná Ocorrência de Raiva dos Herbívoros no Paraná Curitiba PR 30 de outubro de 2015 INTRODUÇÃO: Revisão o sobre Raiva -Doença transmitida por vírus: Gênero Lissavírus - BRASIL: variantes 2-3-4-6 -Encefalite

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS SINAN NET

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS SINAN NET MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS GT SINAN AGRAVO: RAIVA HUMANA Nome do campo Data da Investigação

Leia mais

SAUDE. CASO COMPLEXO 12 Vila Santo Antônio. Fundamentação Teórica: Abordagem de pequenos ferimentos na Atenção Primária.

SAUDE. CASO COMPLEXO 12 Vila Santo Antônio. Fundamentação Teórica: Abordagem de pequenos ferimentos na Atenção Primária. CASO COMPLEXO 12 Vila Santo Antônio : Abordagem de pequenos ferimentos na Atenção Primária Katsumi Osiro Urgências e emergências Lesões corto-contusas e mordeduras por animais são situações que levam a

Leia mais

12/2/2009. São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. ZOONOSES *

12/2/2009. São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. ZOONOSES * ZOONOSES * São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. * Médico alemão Rudolf Wirchow(século XIX) Fco Eugênio D. de Alexandria Infectologista Zoon = animal

Leia mais

Arthropod-borne vírus Mosquitos e carrapatos Diferentes famílias de vírus. Togaviridae Bunyaviridae Flaviviridae. Arboviroses

Arthropod-borne vírus Mosquitos e carrapatos Diferentes famílias de vírus. Togaviridae Bunyaviridae Flaviviridae. Arboviroses Arthropod-borne vírus Mosquitos e carrapatos Diferentes famílias de vírus Togaviridae Bunyaviridae Flaviviridae Arboviroses Flaviviridae Flavivirus - único gênero Diversas espécies: f.amarela, dengue vírus

Leia mais

do Acidente Vascular Cerebral

do Acidente Vascular Cerebral Vacina Tratamento Contra - Raiva da Fase Humana Aguda do Acidente Vascular Cerebral Autoria: Academia Sociedade Brasileira de de Neurologia Pediatria Elaboração Final: 22 24 de Maio Julho de 2001 2008

Leia mais

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL COORDENAÇÃO GERAL DE COMBATE ÀS DOENÇAS COORDENAÇÃO DA RAIVA DOS HERBÍVOROS E DAS EETS

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL COORDENAÇÃO GERAL DE COMBATE ÀS DOENÇAS COORDENAÇÃO DA RAIVA DOS HERBÍVOROS E DAS EETS SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL COORDENAÇÃO GERAL DE COMBATE ÀS DOENÇAS COORDENAÇÃO DA RAIVA DOS HERBÍVOROS E DAS EETS PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA RAIVA DOS HERBIVOROS

Leia mais

RAIVA CID 10: A82. Características clínicas e epidemiológicas

RAIVA CID 10: A82. Características clínicas e epidemiológicas RAIVA CID 10: A82 Características clínicas e epidemiológicas Descrição Encefalite viral aguda, transmitida por mamíferos, que apresenta dois ciclos principais de transmissão: urbano e silvestre. Reveste-se

Leia mais

Profilaxia da Raiva Humana

Profilaxia da Raiva Humana GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

RAIVA. A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado.

RAIVA. A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado. RAIVA A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado. RAIVA PRINCIPAIS VETORES - Furão (ferrets) - Raposas - Coiotes - Guaxinins

Leia mais

RAIVA EQUINA RELATO DE CASO

RAIVA EQUINA RELATO DE CASO RAIVA EQUINA RELATO DE CASO NANTES, Jonathan H. Discente do curso de Medicina Veterinária da FAMED Garça ZAPPA, Vanessa Docente da Associação Cultural e Educacional da FAMED - Garça RESUMO O presente estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Faculdade de Ciências Biológicas e de Saúde Curso De Medicina Veterinária RAIVA URBANA NO ESTADO DO PARANÁ

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Faculdade de Ciências Biológicas e de Saúde Curso De Medicina Veterinária RAIVA URBANA NO ESTADO DO PARANÁ UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Faculdade de Ciências Biológicas e de Saúde Curso De Medicina Veterinária RAIVA URBANA NO ESTADO DO PARANÁ CURITIBA 2007 Silvana do Rocio Pedroso Mocellin RAIVA URBANA NO

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES RAIVA

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES RAIVA RAIVA O que é? A Raiva é uma enfermidade infecto-contagiosa causada por um RNA vírus, da família Rhabdoviridae e gênero Lyssavirus, que atinge o Sistema Nervoso Central (SNC) de mamíferos provocando encefalomielite

Leia mais

Diretrizes para a Vigilância e Controle de Morcegos em Áreas

Diretrizes para a Vigilância e Controle de Morcegos em Áreas Diretrizes para a Vigilância e Controle de Morcegos em Áreas Urbanas Marcelo Yoshito Wada Grupo Técnico da Raiva COVEV/CGDT/DEVEP/SVS/MS / /S S/ S Outubro, 2008 Importância para saúde pública Aproximadamente

Leia mais

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares.

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Dengue Dengue Agente Infectante Arbovirus Vetor / Transmissão Picada do mosquito Aedes Aegypti Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Profilaxia

Leia mais

PROGRAMAS DE SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - AÇÕES MUNICIPAIS. Resumo de aula ministrada dia 14 de setembro de 2012

PROGRAMAS DE SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - AÇÕES MUNICIPAIS. Resumo de aula ministrada dia 14 de setembro de 2012 PROGRAMAS DE SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - AÇÕES MUNICIPAIS Resumo de aula ministrada dia 14 de setembro de 2012 CENTROS DE CONTROLE DE ZOONOSES Sua implantação e capacidade de ação dependem de diversos

Leia mais

Introdução. Febre amarela. A mais famosa arbovirose (virose transmitida por artrópodes) Causa de morbidade importante desde o século XVII até hoje

Introdução. Febre amarela. A mais famosa arbovirose (virose transmitida por artrópodes) Causa de morbidade importante desde o século XVII até hoje A mais famosa arbovirose (virose transmitida por artrópodes) Causa de morbidade importante desde o século XVII até hoje Alta letalidade (em torno de 10%) Introdução Prof. Marco Antonio Zoonose endêmica,

Leia mais

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari Editorial Índice - Editorial - Doença Leishmaniose - Gráfico de Notificações - Doença Malária Este é o segundo número do ano de, com veiculação semestral, referente aos meses de janeiro a junho, contendo

Leia mais

Profilaxia Anti-rábica GVE Ribeirão Preto (parte 2) Ribeirão Preto, junho de 2013

Profilaxia Anti-rábica GVE Ribeirão Preto (parte 2) Ribeirão Preto, junho de 2013 Profilaxia Anti-rábica GVE Ribeirão Preto (parte 2) Ribeirão Preto, junho de 2013 Intervalo Perguntas? RAIVA RAIVA Profilaxia pós exposição 1. Cuidados com o ferimento 2. Avaliação da natureza do ferimento

Leia mais

INFORME EPIDEMIOLÓGICO CIEVS - PARANÁ EVENTOS - Semana Epidemiológica 25 26/06/2012

INFORME EPIDEMIOLÓGICO CIEVS - PARANÁ EVENTOS - Semana Epidemiológica 25 26/06/2012 INFORME EPIDEMIOLÓGICO CIEVS - PARANÁ EVENTOS - Semana Epidemiológica 25 26/06/2012 CENTRO DE INFORMAÇÕES E RESPOSTAS ESTRATÉGICAS DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CIEVS DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA E CONTROLE DE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE INSTITUTO BUTANTAN

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE INSTITUTO BUTANTAN vacina raiva (inativada) vírus rábico inativado FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Pó liofilizado injetável e diluente para suspensão injetável. - Cartucho contendo 5 frascos de uma dose + 5 ampolas com

Leia mais

FORM-IN - FORMULÁRIO DE INVESTIGAÇÃO DE DOENÇAS (INICIAL) Versão:jun/03

FORM-IN - FORMULÁRIO DE INVESTIGAÇÃO DE DOENÇAS (INICIAL) Versão:jun/03 FORM-IN - FORMULÁRIO DE INVESTIGAÇÃO DE DOENÇAS (INICIAL) Versão:jun/03 N.º FORM-IN N.º estadual do foco N.º nacional do foco Ano U.F. Página: 1 de 5 Se for o caso, assinalar na lacuna à direita o número

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Brasília-DF 2011

MINISTÉRIO DA SAÚDE Brasília-DF 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE Brasília-DF 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Normas Técnicas de Profilaxia da Raiva Humana Série A: Normas e Manuais

Leia mais

Aspectos práticos na prevenção da raiva humana

Aspectos práticos na prevenção da raiva humana 0021-7557/99/75-Supl.1/S135 Jornal de Pediatria Copyright 1999 by Sociedade Brasileira de Pediatria Jornal de Pediatria - Vol. 75, Supl.1, 1999 S135 ARTIGO DE REVISÃO Aspectos práticos na prevenção da

Leia mais

Informe Técnico - Vigilância de Primatas não humanos

Informe Técnico - Vigilância de Primatas não humanos SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS SUPRINTENDÊNCIA DE EPIDEMIOLOGIA GERÊNCIA DE VIGILÃNCIA AMBIENTAL COORDENADORIA DE CONTROLE DE ZOONOSES Informe Técnico - Vigilância de Primatas não humanos

Leia mais

RAIVA. Nomes populares. Agente causador. Espécies acometidas. Sintomas nos seres humanos. Sinais clínicos nos animais. Formas de transmissão

RAIVA. Nomes populares. Agente causador. Espécies acometidas. Sintomas nos seres humanos. Sinais clínicos nos animais. Formas de transmissão RAIVA Nomes populares Doença do Cachorro Louco, Hidrofobia Agente causador Lyssavirus, da família Rhabdoviridae com oito genótipos Espécies acometidas Animais domésticos principalmente cães e gatos. Animais

Leia mais

RAIVA. Agente etiológico - É um vírus RNA. Vírus da raiva humana, do gênero Lyssavirus, da família Rhabdoviridae.

RAIVA. Agente etiológico - É um vírus RNA. Vírus da raiva humana, do gênero Lyssavirus, da família Rhabdoviridae. RAIVA Aspectos Clínicos e Epidemiológicos Descrição A Raiva é uma antropozoonose transmitida ao homem pela inoculação do vírus rábico, contido na saliva do animal infectado, principalmente pela mordedura.

Leia mais

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Profilaxia Pós-Exposição ao HIV Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Fatores de risco para infecção ocupacional pelo HIV O risco de infecção ocupacional pelo HIV era aumentado quando: A exposição ocupacional

Leia mais

Febre do Nilo Ocidental em Portugal Plano de Vigilância

Febre do Nilo Ocidental em Portugal Plano de Vigilância Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas Febre do Nilo Ocidental em Portugal Plano de Vigilância Maria Rita Ramos Amador Direcção Geral de Veterinária, DSSPA-DPPS Fórum Internacional

Leia mais

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman DO de 08/08/13 NOVA ESTRUTURA 043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman Cumprir e fazer cumprir no Município do Rio de

Leia mais

vacina raiva USO ADULTO PEDIÁTRICO

vacina raiva USO ADULTO PEDIÁTRICO 1 vacina raiva Forma farmacêutica e apresentações: Pó liofilizado injetável. - Cartucho contendo 1 frasco de uma dose + 1 seringa com 0,5 ml de diluente; - Cartucho contendo 5 frascos de uma dose + 5 ampolas

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

Coleta e remessa de amostras

Coleta e remessa de amostras Isolamento viral- cultivo celular Coleta e remessa de amostras Diagnóstico Tecidos refrigerados Raiva, RS Méd. Vet. José Carlos Ferreira CRMV-RS Laboratório de Virologia Instituto de Pesquisas Veterinárias

Leia mais

S U M Á R I O. 1 Ainda Ocorrem Casos de Raiva Humana? 2 O que é a Raiva? 3 Como a Raiva é Transmitida? 4 Como Previnir a Raiva?

S U M Á R I O. 1 Ainda Ocorrem Casos de Raiva Humana? 2 O que é a Raiva? 3 Como a Raiva é Transmitida? 4 Como Previnir a Raiva? MEDICINA VETERINÁRIA RAIVA POR PROFA. DRA. ADRIANA MORAES DA SILVA S U M Á R I O 1 Ainda Ocorrem Casos de Raiva Humana? 2 O que é a Raiva? 3 Como a Raiva é Transmitida? 4 Como Previnir a Raiva? 5 O Que

Leia mais

O MÉDICO VETERINÁRIO NO CONTROLE DE ZOONOSES

O MÉDICO VETERINÁRIO NO CONTROLE DE ZOONOSES SEMINÁRIO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA MÓD. AVANÇADO EM SAÚDE PÚBLICA O MÉDICO VETERINÁRIO NO CONTROLE DE ZOONOSES Bagé, 11/10/2013 Celso Pianta celsopianta@hotmail.com Idade Média (800-1200 anos DC): Aglomeração

Leia mais

HIV + sint. C.V. (> 1500 cópias/ml) PPE EXPANDIDO PPE PPE

HIV + sint. C.V. (> 1500 cópias/ml) PPE EXPANDIDO PPE PPE AVALIAÇÃO DO STATUS SOROLÓGICO Conhecida Solicitar consentimento para a realização dos seguintes exames: HBs Ag, Anti-HBc IgM+IgG, Anti-HCV e Anti-HIV (teste rápido para HIV*) Desconhecida Material de

Leia mais

LARGO DA ACADEMIA NACIONAL DE BELAS ARTES, 2 1249-105 LISBOA TELEF. 21 323 95 00 FAX.

LARGO DA ACADEMIA NACIONAL DE BELAS ARTES, 2 1249-105 LISBOA TELEF. 21 323 95 00 FAX. Plano de Vigilância da Febre do Nilo Ocidental Direcção Geral de Veterinária Direcção de Serviços de Saúde e Protecção Animal PORTUGAL Página 1 de 6 Plano de Vigilância Febre do Nilo Ocidental I - Introdução

Leia mais

Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde Ambiental Gerência de

Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde Ambiental Gerência de Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde Ambiental Gerência de Vigilância de Vetores e Antropozoonoses GOVERNO DO ESTADO

Leia mais

Qual é a função do Sistema Nervoso Central?

Qual é a função do Sistema Nervoso Central? Câncer de SNC Qual é a função do Sistema Nervoso Central? O Sistema Nervoso Central (SNC) é constituído pelo cérebro, cerebelo e tronco cerebral. O cérebro é dividido em quatro lobos que controlam funções

Leia mais

M i c r o Z o o m. - um jogo de observação e memória -

M i c r o Z o o m. - um jogo de observação e memória - M i c r o Z o o m - um jogo de observação e memória - Material de Apoio Raiva A raiva é uma doença fatal. Isso significa que se uma pessoa que se uma pessoa não vacinada for contaminada pelo vírus da raiva

Leia mais

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006.

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Prof. Alexandre Vranjac NOTA TÉCNICA 2 Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

Universidade de Évora. Virologia. A raiva. Monografia realizada por: Leila Duarte nº17754 Mª Carmo Drago nº17427 Departamento de Biologia

Universidade de Évora. Virologia. A raiva. Monografia realizada por: Leila Duarte nº17754 Mª Carmo Drago nº17427 Departamento de Biologia Universidade de Évora Virologia A raiva Monografia realizada por: Leila Duarte nº17754 Mª Carmo Drago nº17427 Departamento de Biologia Janeiro de 2005 Índice Resumo ---------------------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes Sarampo Introdução O sarampo é uma doença infecciosa aguda de alta transmissibilidade, causada por um vírus da família Paramixoviridae, gênero Morbillivirus A transmissão ocorre através de secreções e

Leia mais

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho;

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1 Caso suspeito ou confirmado de: 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; 2. Acidente de Trabalho

Leia mais

Isolamento Viral em Cultivo Celular. Adriana Candido Rodrigues

Isolamento Viral em Cultivo Celular. Adriana Candido Rodrigues Isolamento Viral em Cultivo Celular Adriana Candido Rodrigues Vírus: Parasitas intracelulares obrigatórios Célula viva para replicação Sistemas Celulares Animais de Laboratório Ovos Embrionados Cultura

Leia mais

6) (ANÁPOLIS) Dois seres vivos pertencentes à mesma ordem são necessariamente:

6) (ANÁPOLIS) Dois seres vivos pertencentes à mesma ordem são necessariamente: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 1 Ano Disciplina: Biologia 1) Com que finalidade se classificam os seres vivos? 2) Considere os seguintes

Leia mais

Resumo da Conferência Electrónica: Preparando o Dia Mundial da Raiva

Resumo da Conferência Electrónica: Preparando o Dia Mundial da Raiva Resumo da Conferência Electrónica: Preparando o Dia Mundial da Raiva Entre 1 e 7 de Junho de 2009 decorreu a Conferência Electrónica Preparando o Dia Mundial da Raiva. Com esta iniciativa, o projecto SAPUVETNET

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Controle de Doenças INSTITUTO PASTEUR

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Controle de Doenças INSTITUTO PASTEUR INFORME TÉCNICO VACINA CONTRA A RAIVA CANINA E FELINA INTRODUÇÃO As campanhas de vacinação contra a raiva em cães e gatos foram suspensas em 2010, devido à ocorrência de reações adversas temporalmente

Leia mais

Ministério da saúde secretaria de Vigilância em saúde departamento de Vigilância epidemiológica. Raiva. Manual de Diagnóstico Laboratorial da

Ministério da saúde secretaria de Vigilância em saúde departamento de Vigilância epidemiológica. Raiva. Manual de Diagnóstico Laboratorial da Ministério da saúde secretaria de Vigilância em saúde departamento de Vigilância epidemiológica Manual de Diagnóstico Laboratorial da Raiva 1ª edição 1º reimpressão série a. normas e Manuais técnicos Brasília

Leia mais

Ecologia da Febre Maculosa

Ecologia da Febre Maculosa Ecologia da Febre Maculosa Depois dos mosquitos, carrapatos hematófagos estão em segundo lugar como fonte de trasmissão de patógenos aos seres humanos, mas estão em primeiro lugar como fonte de transmissão

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

Rodrigo Ribeiro de Lima¹, Letícia Kienen Laguer Rolim¹, Simone Tostes de Oliveira Stedile²

Rodrigo Ribeiro de Lima¹, Letícia Kienen Laguer Rolim¹, Simone Tostes de Oliveira Stedile² Atividade da Raiva : Transmissão de Conceitos e Cuidados Sobre a Raiva (Projeto Mini-hospital Veterinário UFPR) Rodrigo Ribeiro de Lima¹, Letícia Kienen Laguer Rolim¹, Simone Tostes de Oliveira Stedile²

Leia mais

Profª. Valéria de Sá Jayme Disciplina: Cuidados básicos com cães e gatos GOIÂNIA 2012

Profª. Valéria de Sá Jayme Disciplina: Cuidados básicos com cães e gatos GOIÂNIA 2012 CUIDADOS BÁSICOS COM CÃES E GATOS Profª. Valéria de Sá Jayme Disciplina: Cuidados básicos com cães e gatos GOIÂNIA 2012 INTRODUÇÃO Relação animais seres humanos positiva ou negativa Formas de convivência:

Leia mais

.Art. 1º Aprovar as Normas para o Controle e a Erradicação do Mormo..Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

.Art. 1º Aprovar as Normas para o Controle e a Erradicação do Mormo..Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 5 DE ABRIL DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 A doença de chagas é assim denominada em homenagem ao seu descobridor, o médico brasileiro Dr. Carlos Justiniano Ribeiro das Chagas.

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004 O SECRETARIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

CONTROLE DA RAIVA DOS HERBÍVOROS Manual Técnico 2005

CONTROLE DA RAIVA DOS HERBÍVOROS Manual Técnico 2005 CONTROLE DA RAIVA DOS HERBÍVOROS Manual Técnico 2005 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luiz Inácio Lula da Silva MINISTRO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Roberto Rodrigues SECRETÁRIO EXECUTIVO Luiz Carlos

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E BASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 168, DE 27 DE SETEMBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E BASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 168, DE 27 DE SETEMBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E BASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 168, DE 27 DE SETEMBRO DE 2005 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA

Leia mais

EPIDEMIOLÓGICO. Curitiba. Boletim. Redução da mortalidade infantil em Curitiba. Editorial. Impresso Especial

EPIDEMIOLÓGICO. Curitiba. Boletim. Redução da mortalidade infantil em Curitiba. Editorial. Impresso Especial Boletim EPIDEMIOLÓGICO Curitiba SMS ANO XXI DEZEMBRO/2010 de Impresso Especial 3600175213/2005/DR/PR PMC CORREIOS Editorial Com o objetivo de divulgar os dados epidemiológicos de Curitiba, bem como contribuir

Leia mais

Informe Epidemiológico Raiva 25/11/2014

Informe Epidemiológico Raiva 25/11/2014 Página 1 / 7 Aspectos Epidemiológicos A raiva é uma encefalite viral aguda, transmitida por mamíferos e que apresenta dois ciclos de transmissão: urbano e silvestre. É de grande importância epidemiológica

Leia mais

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4.

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4. Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (1). Edição 17 Shirley da Luz Gomes 1 Rômulo Luis de Oliveira Bandeira 2 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 3 Otacílio Batista

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS 1 - Acerca das doenças de interesse em saúde pública, estão corretas as afirmativas, EXCETO: (A) Dengue é transmitida, geralmente, pela picada do mosquito Aedes Aegypti que inocula na pessoa o vírus da

Leia mais

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro 01 de 05 Anexo 1 Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro Figura 2: Exemplo de caixa com tampa de material não poroso, rígido, resistente à descontaminação, identificada

Leia mais

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite 3267-4303 Orientações para Colheita e Remessa de Material para Exames Laboratoriais VOLUME 1 Histopatologia Citologia Necropsia www.petimagem.com PET IMAGEM - Diagnósticos Veterinários foi criado em abril

Leia mais

Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes. Família Mycobacteriaceae. Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium

Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes. Família Mycobacteriaceae. Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium Mycobacterium sp. Classe Actinomycetes Família Mycobacteriaceae Gêneros próximos: Nocardia, Rhodococcus e Corynebacterium Mycobacterium sp. Complexo M.tuberculosis M.tuberculosis M.bovis M.africanum Micobactérias

Leia mais

Raiva (Hidrofobia) 1 - Definição

Raiva (Hidrofobia) 1 - Definição Raiva (Hidrofobia) Família: Rhabdoviridae Género: Lyssavirus RHABDOVÍRUS RNA fita simples Envelopado Nucleocapsídeo com forma de cone ou projétil Resistência x Relevância Doenças infecciosas 1 - Definição

Leia mais

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A.

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. AFUGENTAMENTO E RESGATE DE FAUNA NA ÁREA DE SUPRESSÃO DA VEGETAÇÃO DA UNIDADE INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE CELULOSE DO MARANHÃO INTRODUÇÃO Atividades de resgate de fauna são normatizadas

Leia mais

MORDEDURA - RAIVA. Dra. SÔNIA MARIA DOS SANTOS

MORDEDURA - RAIVA. Dra. SÔNIA MARIA DOS SANTOS MORDEDURA - RAIVA Dra. SÔNIA MARIA DOS SANTOS RAIVA CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E EPIDEMIOLÓGICAS A raiva é uma encefalite viral aguda considerada uma antropozoonose transmitida ao homem pela inoculação do

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico ISSN 1806-0463 Secretaria da Saúde v. 15 n. 1 março 2013 Boletim Epidemiológico Raiva no Rio Grande do Sul Apresentação A raiva é uma zoonose viral que se caracteriza como uma encefalite progressiva aguda

Leia mais

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE TRANSMISSÍVEIS E IMUNOPREVINÍVEIS GERENCIA DE DOENÇAS

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Municipal de Controle Ético da População Canina e Felina

Mostra de Projetos 2011. Programa Municipal de Controle Ético da População Canina e Felina Mostra de Projetos 2011 Programa Municipal de Controle Ético da População Canina e Felina Mostra Local de: São José dos Pinhais Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais

Leia mais

FRANCISCO BEZERRA DE CARVALHO NETO A EVOLUÇÃO E SITUAÇÃO ATUAL DA RAIVA DOS HERBÍVOROS NO MATO GROSSO DO SUL BRASIL, NO PERÍODO DE 1981 A 2007

FRANCISCO BEZERRA DE CARVALHO NETO A EVOLUÇÃO E SITUAÇÃO ATUAL DA RAIVA DOS HERBÍVOROS NO MATO GROSSO DO SUL BRASIL, NO PERÍODO DE 1981 A 2007 FRANCISCO BEZERRA DE CARVALHO NETO A EVOLUÇÃO E SITUAÇÃO ATUAL DA RAIVA DOS HERBÍVOROS NO MATO GROSSO DO SUL BRASIL, NO PERÍODO DE 1981 A 2007 CAMPO GRANDE MS 2008 FRANCISCO BEZERRA DE CARVALHO NETO A

Leia mais

Situação epidemiológica e medidas de preparação. Jarbas Barbosa da Silva Jr. Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Situação epidemiológica e medidas de preparação. Jarbas Barbosa da Silva Jr. Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Situação epidemiológica e medidas de preparação Jarbas Barbosa da Silva Jr. Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Vírus Ebola Família Filoviridae, gênero Ebolavirus A primeira espécie de

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA VIGILÂNCIA DE DOENÇAS NERVOSAS EM RUMINANTES A CAMPO (RAIVA E ENCEFALOPATIAS ESPONGIFORMES TRANSMISSÍVEIS- EET)

PROCEDIMENTOS PARA VIGILÂNCIA DE DOENÇAS NERVOSAS EM RUMINANTES A CAMPO (RAIVA E ENCEFALOPATIAS ESPONGIFORMES TRANSMISSÍVEIS- EET) PROCEDIMENTOS PARA VIGILÂNCIA DE DOENÇAS NERVOSAS EM RUMINANTES A CAMPO (RAIVA E ENCEFALOPATIAS ESPONGIFORMES TRANSMISSÍVEIS- EET) Portaria Mapa nº 516, de 09.12.1997. Instrução Normativa SDA nº 18, de

Leia mais

FERNANDA ELISA DOS SANTOS O VÍRUS DA RAIVA

FERNANDA ELISA DOS SANTOS O VÍRUS DA RAIVA FERNANDA ELISA DOS SANTOS O VÍRUS DA RAIVA SÃO PAULO 2011 FERNANDA ELISA DOS SANTOS O VIRUS DA RAIVA Trabalho apresentado para o cumprimento de atividades referentes ao Módulo 05 do curso de Especialização

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Saúde. DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Marilina Bercini 23/10/14

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Saúde. DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Marilina Bercini 23/10/14 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Saúde DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Marilina Bercini 23/10/14 DVE - Histórico Vírus Ebola foi identificado em 1976 em 2 surtos: no Zaire (atual República

Leia mais

campanha nacional de combate ao tráfico de animais selvagens

campanha nacional de combate ao tráfico de animais selvagens campanha nacional de combate ao tráfico de animais selvagens CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA SISTEMA CFMV/CRMVs Campanha Nacional de Combate ao Tráfico de Animais *O tráfico de animais é a terceira

Leia mais