PROGRAMAS DE SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - AÇÕES MUNICIPAIS. Resumo de aula ministrada dia 14 de setembro de 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMAS DE SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - AÇÕES MUNICIPAIS. Resumo de aula ministrada dia 14 de setembro de 2012"

Transcrição

1 PROGRAMAS DE SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - AÇÕES MUNICIPAIS Resumo de aula ministrada dia 14 de setembro de 2012 CENTROS DE CONTROLE DE ZOONOSES Sua implantação e capacidade de ação dependem de diversos fatores, como: Área Geográfica do Município Tamanho da População Disponibilidade de Recursos Humanos, Materiais e Financeiros Situação Epidemiológica Legislação Municipal Equipe Multidisciplinar SAÚDE DO TRABALHADOR Capacitação Exames periódicos de saúde Uso de EPIs Atividades lúdicas terapêuticas Rodízio de profissionais ADMINISTRAÇÃO Instalações Recursos Materiais Equipamentos, Veículos Compras Legislação (Federal, Estadual, Municipal) MUNICÍPIO DE SÃO PAULO População habitantes (IBGE, 2009) domicílios (IBGE, 2000) Área km2 96 Distritos administrativos 26 SUVIS População CASO estimada de cães domiciliados: População estimada de gatos domiciliados: SUSPEITO O CCZ de São Paulo foi criado em 1973 para o Controle da Raiva: É um Centro de Referência Nacional para Zoonoses Urbanas e é Centro Colaborador da Organização Mundial da Saúde para Treinamento e Pesquisa em Zoonoses Urbanas Missão do Centro de Controle de Zoonoses Prevenção e controle de zoonoses e agravos Controle de doenças transmitidas por vetores Manejo e controle de populações animais e promoção da saúde Lei Municipal /87 Fica o Centro de Controle de Zoonoses, da Secretaria de Higiene e Saúde, responsável, em âmbito municipal, sobre controle de populações animais e controle de zoonoses

2 AÇÕES DO CCZ Atividades programadas Atendimento às demandas solicitações pelo serviço VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA atividade multisetorial, atuação em conjunto com demais subgerências do CCZ, Supervisões de Vigilância em Saúde (SUVIS), Gerência de Vigilância Ambiental (GVISAM) da Coordenação de Vigilância em Saúde (COVISA). Investigação de casos de zoonoses - A partir de um caso suspeito/confirmado de zoonose em humano ou animal é realizada a investigação do foco, englobando as seguintes ações: Coleta de amostras para confirmação ou não do caso por exames laboratoriais Busca por novos casos animais Busca por novos casos ou pessoas envolvidas Pesquisa de vetor/reservatório Medidas de controle e prevenção nos animais Medidas de controle e prevenção para os humanos Exemplos: Investigações de casos de Febre Maculosa Brasileira Investigação de cães com sorologia reagente para Leishmaniose Visceral Americana Investigação, tratamento e acompanhamento de felinos com esporotricose Cobertura de focos de morcegos positivos para raiva Em municípios como São Paulo, em que a raiva canina está controlada, morcegos não hematófagos têm sido diagnosticados positivos, podendo transmitir a doença para outros animais e seres humanos A partir de um diagnóstico laboratorial positivo para raiva em morcegos, realiza-se: Visita ao local para investigar a possibilidade de pessoas ou animais que tenham tido contato com o morcego positivo; Busca ativa para localizar o abrigo dos morcegos; Atividade casa a casa com orientação e informação sobre a presença de morcegos e sobre a doença raiva num raio de 500 metros Vigilância das Agressões Agressão por cão ou gato - A maioria dos cães mordedores pertencem ao proprietário, amigos ou vizinhos da vítima. Os motivos mais comuns de agressões são defesa própria ou da prole, territorialidade, hierarquia, dominância. Diante disso, para prevenir novos acidentes e também evitar o abandono do animal agressor, faz-se: Contato com as vítimas para verificar se receberam atendimento médico;

3 Orientação para as vítimas que solicitam a remoção do animal; Acompanhamento da observação do cão ou gato durante 10 dias; Realização de exame laboratorial para raiva em cães e gatos que venham a óbito durante a observação; Agressão ou contato com morcegos ou outros animais silvestres: Contato com as vítimas para verificar se receberam atendimento médico; Realização de exame laboratorial para raiva em animais encontrados mortos; Orientação à população para evitar situações de risco (contato direto, mordeduras, arranhaduras) e orientações sobre a raiva. No caso de morcegos insetívoros, realiza-se busca do abrigo para localizar a colônia 2. VACINAÇÃO CONTRA A RAIVA Lei Art Todo proprietário de animal é obrigado a vacinar seu cão ou gato contra a raiva, observando para a revacinação o período recomendado pelo laboratório responsável pela vacina utilizada Campanha de Vacinação Anual contra a raiva de cães e gatos Vacinação contra a raiva de rotina em áreas rurais ou peri-urbanas Postos Fixos de vacinação em Cães e Gatos Investigação dos Eventos Adversos à vacinação contra a raiva em cães e gatos 3. CONTROLE DE ANIMAIS SINANTRÓPICOS E PEÇONHENTOS São realizadas ações visando: Manejo Integrado, Manejo Ambiental e Educação em Saúde. Utilização racional de praguicidas Capacidade de suporte do ambiente (oferta de alimento, água, abrigo) Deve-se ter especial atenção com: Resíduos químicos e biológicos Descarte de embalagens vazias Desativação de caldas de inseticidas Ações de controle das seguintes espécies: Abelhas e Vespídeos: eliminação de colméias e vespeiros Manejo de Morcegos: captura e encaminhamento para exame laboratorial de raiva Vigilância e Controle de Mosquitos (Culex) no Rio Pinheiros Problema: Incômodo, Filariose, Febre do Oeste do Nilo, Encefalites Controle larvário de mosquitos: larvicida biológico, utilizando o Bacillus sphaericus; Limpeza da vegetação aquática, das margens e monitoramento do clima (temperatura e pluviosidade) ; Recursos operacionais otimizados. Todos esses fatores em conjunto favorecem o decréscimo de larvas e insetos adultos com menor número de tratamentos. 4. LABORATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO E PESQUISA DA FAUNA SINANTRÓPICA Identificação de espécies animais, insetos, artrópodes. Colaboração na coleta de

4 amostras de vetores para monitoramento de áreas de risco para zoonoses e investigações epidemiológicas de focos de zoonoses. 5. LABORATÓRIO DE DIAGNÓSTICO DE ZOONOSES E DOENÇAS TRANSMITIDAS POR VETORES Realiza o diagnóstico das seguintes zoonoses: Raiva diagnóstico e sorologia Dengue Leptospirose Leishmanioses Toxoplasmose Toxocaríase Brucelose Histoplasmose Criptococose Esporotricose e outras doenças fúngicas Doença de Chagas Zoonoses parasitárias Febre Maculosa Brasileira Telefone para informações: ramal laboratório de zoonoses 6. VISTORIA ZOOSSANITÁRIA Os casos de criação inadequada ou de maus tratos a animais podem envolver pessoas em risco e com comprometimento de saúde física e mental; pessoas com histórico de violência ou problemas sociais. Por isso, às vezes é necessário trabalhar em conjunto com Unidades Básicas de Saúde ou com Unidades de Saúde Mental, além de manter interação com a Assistência Social e com a Atenção Primária LEI Nº , DE 18 DE MAIO DE 2001 Disciplina a criação, propriedade, posse, guarda, uso e transporte de cães e gatos no Município de São Paulo Art É de responsabilidade dos proprietários a manutenção de cães e gatos em condições adequadas de alojamento, alimentação, saúde, higiene e bem-estar, bem como a destinação adequada dos dejetos. 7. CONTROLE DE ANIMAIS DOMÉSTICOS Plantão de Atendimento de Urgências (24 h) Atendimento de urgências para remoção de animais em situação de risco (cães, gatos, cavalos) Eutanásia de cães e gatos após avaliação médica veterinária e quando for indicado Tratamento, manutenção e cuidados dos cães, gatos e animais de grande porte mantidos no CCZ durante os finais de semana e feriados Recebimento de materiais para diagnóstico laboratorial durante os finais de semana e feriados

5 Recolhimento programado e seletivo de animais de rua cães e gatos Animais que ofereçam risco à população e outros animais Instituições públicas como unidades de ensino e de saúde Recolhimento de eqüinos e outros animais doméstico de interesse econômico Recepção/atendimento ao usuário: RGA Adoção Vacinação Agendamento de cirurgia de esterilização 8. PROGRAMA SAÚDE DO ANIMAL Criado em setembro de 2001, tem por objetivo principal o controle eficiente das populações de cães e gatos: Controle populacional (Esterilização + Vacinação + Vermifugação) Registro e identificação Adoção responsável Educação em posse responsável Legislação 9. PROJETO EDUCATIVO PARA VIVER DE BEM COM OS BICHOS Tem por objetivo a educação continuada em posse responsável em escolas públicas e particulares de ensino fundamental e educação infantil Posse responsável: A condição na qual o guardião de um animal de companhia aceita e se compromete a assumir uma série de deveres centrados no atendimento das necessidades físicas, psicológicas e ambientais de seu animal, assim como prevenir os riscos (potencial de agressão, transmissão de doenças ou danos a terceiros) que seu animal possa causar à comunidade ou ao ambiente, como interpretado pela legislação pertinente. Definição da I Reunião sobre Posse responsável de Animais de Estimação e Controle de Populações WSPA / OPAS / CCZ. 10. DESAFIOS Garantir as determinações de saúde pública vigentes no país; Garantia da utilização de recursos financeiros repassados pelo Governo Federal (SUS); Controle social; Tecnificação das ações; Capacitação de funcionários; Reconhecimento pela população e pelo poder público. 11. RECOMENDAÇÕES FINAIS Interações e parcerias com outras instituições Realizar ações sempre respeitando as legislações vigentes; Atualizar-se constantemente; Buscar apoio jurídico quando necessário; Sempre documentar as ações.

6 12. SITES DE INTERESSE CCZ SP - SUCEN CVE CCD Ministério da Saúde ANVISA Instituto Pasteur Organização Pan-americana da Saúde (OPAS) Centro de Controle de Zoonoses Rua Santa Eulália, n 86 - Santana. Mais informações: Telefones: (11) ou ligue 156

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman DO de 08/08/13 NOVA ESTRUTURA 043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman Cumprir e fazer cumprir no Município do Rio de

Leia mais

NOTA TÉCNICA 02 2014

NOTA TÉCNICA 02 2014 NOTA TÉCNICA 02 2014 DEFINIÇÃO DAS AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE VOLTADOS PARA VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DE ZOONOSES E DE ACIDENTES CAUSADOS POR ANIMAIS PEÇONHENTOS E VENENOSOS, DE RELEVÂNCIA PARA A

Leia mais

A problemática do diagnóstico, monitoramento e vigilância de zoonoses e a implantação do atestado de óbito veterinário

A problemática do diagnóstico, monitoramento e vigilância de zoonoses e a implantação do atestado de óbito veterinário A problemática do diagnóstico, monitoramento e vigilância de zoonoses e a implantação do atestado de óbito veterinário Fernando Hosomi Centro de Controle de Zoonoses de São Paulo 1/15 Gerência do Centro

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Municipal de Controle Ético da População Canina e Felina

Mostra de Projetos 2011. Programa Municipal de Controle Ético da População Canina e Felina Mostra de Projetos 2011 Programa Municipal de Controle Ético da População Canina e Felina Mostra Local de: São José dos Pinhais Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais

Leia mais

Programa para seleção pública do AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS I - 2008

Programa para seleção pública do AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS I - 2008 Programa para seleção pública do AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS I - 2008 Conteúdo Saúde Pública Lei 8080 de 19/09/1990; Lei 8142 de 28/12/1990; ABC do SUS Doutrinas e Princípios - Ministério da Saúde; Avanços

Leia mais

Standard da OIE Controle de cães não domiciliados

Standard da OIE Controle de cães não domiciliados Standard da OIE Controle de cães não domiciliados Capítulo 7.7 Lizie Buss Med Vet Fiscal Federal Agropecuário Comissão de BEA/MAPA Conceito de bem-estar animal OIE Como um animal está se ajustando as condições

Leia mais

Diretrizes para a Vigilância e Controle de Morcegos em Áreas

Diretrizes para a Vigilância e Controle de Morcegos em Áreas Diretrizes para a Vigilância e Controle de Morcegos em Áreas Urbanas Marcelo Yoshito Wada Grupo Técnico da Raiva COVEV/CGDT/DEVEP/SVS/MS / /S S/ S Outubro, 2008 Importância para saúde pública Aproximadamente

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde 1 FLUXO DA VIGILÂNCIA SISTEMAS SETORIAIS RELACIONADOS COM SAÚDE E AMBIENTE (Saúde, Educação, Des. Urbano,

Leia mais

Para Viver de Bem com os Bichos PVBB-BH Ou Melhores Amigos Ou Nosso Mundo dos Animais Ou Um Belo Horizonte com os Animais

Para Viver de Bem com os Bichos PVBB-BH Ou Melhores Amigos Ou Nosso Mundo dos Animais Ou Um Belo Horizonte com os Animais Para Viver de Bem com os Bichos PVBB-BH Ou Melhores Amigos Ou Nosso Mundo dos Animais Ou Um Belo Horizonte com os Animais A moderna cosmologia nos fez, pois, compreender que o universo é um imenso processo

Leia mais

CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS

CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS Aspectos éticos Rita de Cassia Maria GARCIA 1, Nestor Alberto Calderon MALDONADO 2 ; Antonio LOMBARDI 3. A reflexão ética vem ganhando importância na discussão pública

Leia mais

CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS POR MEIO DE ESTERILIZAÇÃO CIRÚRGICA E EDUCAÇÃO PARA POSSE RESPONSÁVEL

CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS POR MEIO DE ESTERILIZAÇÃO CIRÚRGICA E EDUCAÇÃO PARA POSSE RESPONSÁVEL CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS POR MEIO DE ESTERILIZAÇÃO CIRÚRGICA E EDUCAÇÃO PARA POSSE RESPONSÁVEL BUQUERA, Luiz Eduardo C. 1 COSTEIRA, Jessica A. 2 FERREIRA, Rafael de L. 3 BASTOS, Rodolfo M.

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL PELO BEM ESTAR E SAÚDE ANIMAL NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO BÁSICO DA VILA FLORESTAL EM LAGOA SECA/PB

EDUCAÇÃO AMBIENTAL PELO BEM ESTAR E SAÚDE ANIMAL NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO BÁSICO DA VILA FLORESTAL EM LAGOA SECA/PB EDUCAÇÃO AMBIENTAL PELO BEM ESTAR E SAÚDE ANIMAL NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO BÁSICO DA VILA FLORESTAL EM LAGOA SECA/PB Luana da Silva Barbosa 1 ; Benedito Marinho da Costa Neto 2 ; Alfredo Rosas de Lima

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Foto 1: Imagem aérea da Ilha de Santa Catarina

APRESENTAÇÃO. Foto 1: Imagem aérea da Ilha de Santa Catarina APRESENTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO A cidade de Florianópolis é a capital da unidade federativa de Santa Catarina e está localizada no centro-leste do Estado. É banhada pelo Oceano Atlântico e a maior parte do

Leia mais

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 Departamento de Gestão da Vigilância em Saúde-DAGVS Secretaria de Vigilância em Saúde dagvs@saude.gov.br 06/03/2012 IMPLEMENTAÇÃO DO DECRETO

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF Preocupados com inúmeros questionamentos recebidos pela Comissão Nacional de Saúde Pública Veterinária do Conselho Federal de Medicina Veterinária, a CNSPV/CFMV vem por

Leia mais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais II eminário DENGUE: desafios para políticas integradas de ambiente, atenção e promoção da saúde Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais Instituto Oswaldo Cruz FIOCUZ Laboratório Fisiologia e Controle

Leia mais

Ficha de Inscrição do 18º Prêmio Expressão de Ecologia

Ficha de Inscrição do 18º Prêmio Expressão de Ecologia Ficha de Inscrição do 18º Prêmio Expressão de Ecologia OBS: Apresentação obrigatória na primeira página do case 1. Informações cadastrais a) Identificação: instituição b) Nome: Prefeitura Municipal de

Leia mais

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A Nota: A lista de critérios ou regramentos de acesso às ações e serviços constantes da RENASES está prevista no art. 7º da Portaria nº 842/GM/MS,

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE REPRODUTIVO DE CÃES E GATOS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

PROGRAMA DE CONTROLE REPRODUTIVO DE CÃES E GATOS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PROGRAMA DE CONTROLE REPRODUTIVO DE CÃES E GATOS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - COVISA CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES - CCZ 29 de abril/2014 Objetivos PPCRCG Promoção da

Leia mais

Raiva humana VS Componente Epidemiológico

Raiva humana VS Componente Epidemiológico GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal Subsecretaria de Vigilância à Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica Gerência de Vigilância Epidemiológica e Imunização

Leia mais

Otavio Augusto Brioschi Soares 1º Tenente Médico Veterinário Hospital Veterinário Academia Militar das Agulhas Negras Exército Brasileiro

Otavio Augusto Brioschi Soares 1º Tenente Médico Veterinário Hospital Veterinário Academia Militar das Agulhas Negras Exército Brasileiro Otavio Augusto Brioschi Soares 1º Tenente Médico Veterinário Hospital Veterinário Academia Militar das Agulhas Negras Exército Brasileiro introdução Introdução Medicina Veterinária Forças Armadas Introdução

Leia mais

de animais nos parques

de animais nos parques GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Abandono de animais nos parques Animais não são descartáveis. Não abandone o seu. Abandonar é maltratar e maus-tratos a animais é crime. Lei Federal

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇOES INICIAIS. Art. 3º O projeto mencionado nos artigos 1º e 2º desta Lei é destinado, prioritariamente, nesta ordem:

TÍTULO I DAS DISPOSIÇOES INICIAIS. Art. 3º O projeto mencionado nos artigos 1º e 2º desta Lei é destinado, prioritariamente, nesta ordem: LEI Nº 2.511, de 17 de setembro de 2015. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO PARA O CONTROLE POPULACIONAL DE ANIMAIS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE CATANDUVAS/SC QUE ESPECIFICA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS Gisa Aparecida

Leia mais

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 XV 55 Novembro de 2014 Especial Vigilância Ambiental da Dengue em Porto Alegre XV 54 Fevereiro de 2014 Atual Cenário Epidemiológica da

Leia mais

Proteção à saúde e vigilâncias

Proteção à saúde e vigilâncias EPIDEMIOLÓGICA Detecção ou prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e condicionantes de saúde individual ou coletiva. ZOONOSES Controle e prevenção de agravos transmitidos por animais. CEREST

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.474, DE 2013 (Do Sr. Dr. Ubiali)

PROJETO DE LEI N.º 6.474, DE 2013 (Do Sr. Dr. Ubiali) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.474, DE 2013 (Do Sr. Dr. Ubiali) Dispõe sobre o controle da reprodução de cães e gatos e dá providências correlatas. DESPACHO: APENSE-SE À(AO) PL-215/2007. APRECIAÇÃO:

Leia mais

RESOLUÇÃO CRMV-PA Nº008, de 11 de março de 2015

RESOLUÇÃO CRMV-PA Nº008, de 11 de março de 2015 RESOLUÇÃO CRMV-PA Nº008, de 11 de março de 2015 Normatiza os Procedimentos de Contracepção de Animais de companhia (Cães e Gatos, machos e fêmeas) em Programas de Educação em Saúde, Guarda Responsável

Leia mais

ANEXO 8 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS

ANEXO 8 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS ANEXO 8 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

Parecer sobre PL nº 563, de 2014

Parecer sobre PL nº 563, de 2014 Parecer sobre PL nº 563, de 2014 Considerando o compromisso ético dos profissionais médicos-veterinários, conforme resolução nº 722 de 16 de agosto de 2002 do Conselho Federal de Medicina Veterinária,

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre a organização do Sistema Nacional de Laboratórios de Saúde Pública. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 162

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 162 PROGRAMA Nº - 162 Monitoramento e Fiscalização Ambiental SUB-FUNÇÃO: 542 CONTROLE AMBIENTAL Promover o monitoramento da poluição do ar, hídrica e sonora indispensável ao desenvolvimento de de controle

Leia mais

Manejo das populações de cães e gatos em áreas urbanas

Manejo das populações de cães e gatos em áreas urbanas Manejo das populações de cães e gatos em áreas urbanas O planejamento e a execução de ações de manejo das populações de cães e gatos em áreas urbanas constituem grandes desafios para os gestores municipais.

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE INDAIATUBA

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE INDAIATUBA LEI N 2 6.047 DE 06 DE SETEMBRO DE 2012. "Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Proteção e Defesa dos Animais COMPDA, e dá outras providências." REINALDO NOGUEIRA LOPEZ CRUZ, Prefeito do Município

Leia mais

Competências da SUBVISA

Competências da SUBVISA (Decreto Nº 33.360 de 17 de janeiro de 2011 - Dispõe sobre a Estrutura Organizacional da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil - SMSDC) Competências da SUBVISA S/SUBVISA Subsecretaria de Vigilância,

Leia mais

Vacinação em empresas de médio e grande, quando solicitado via Ofício(DT, Hepatite)

Vacinação em empresas de médio e grande, quando solicitado via Ofício(DT, Hepatite) VIGILÂNCIA EM SAÚDE Horário de Funcionamento Segunda a Sexta das 7 horas e 30 minutos às 19 horas SUBDIVIDIDO A. EXPEDIENTE EXTERNO ATENDIMENTO AO PÚBLICO B. EXPEDIENTE INTERNO AMBIENTE INTERNO (Administrativo)

Leia mais

1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde. 1 Projeto Dengue. 1 Consultório na Rua. 1 Central de Ambulâncias

1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde. 1 Projeto Dengue. 1 Consultório na Rua. 1 Central de Ambulâncias Equipamentos de Saúde Gerenciados pelo CEJAM em Embu das Artes 11 Unidades Básicas de Saúde com 25 equipes de Estratégia Saúde da Família 1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde 1 Projeto Dengue

Leia mais

PROPOSTA PARA O CONCURSO VETERINÁRIO MIRIM 2013

PROPOSTA PARA O CONCURSO VETERINÁRIO MIRIM 2013 PROPOSTA PARA O CONCURSO VETERINÁRIO MIRIM 2013 Equipe proponente e organizadora: Rede de Defesa e Proteção Animal Responsável Prof. Alexander Welker Biondo Superintendência de Controle Ambiental Secretaria

Leia mais

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas INSTRUTIVO PARA PREENCHIMENTO DO ROTEIRO DE ACOMPANHAMENTO DA PROGRAMAÇÃO PACTUADA INTEGRADA DE EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DE DOENÇAS PPI-ECD - NAS UNIDADES FEDERADAS 1 2 Este instrutivo contém informações

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

Projeto de Controle Populacional de Cães e Gatos no município de Jaraguá do Sul-SC -- Minuta do Projeto --

Projeto de Controle Populacional de Cães e Gatos no município de Jaraguá do Sul-SC -- Minuta do Projeto -- Projeto de Controle Populacional de Cães e Gatos no município de Jaraguá do Sul-SC -- Minuta do Projeto -- Objetivo geral: Implementar o Projeto de Controle Populacional de Cães e Gatos no município de

Leia mais

SUP E RINT E NDÊ NCIA DE VIG IL ÂNCIA E M SAÚDE

SUP E RINT E NDÊ NCIA DE VIG IL ÂNCIA E M SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Gerência de Vigilância Epidemiológica Coordenação de Controle das Doenças Hídricas e Alimentares Av. 136, s/nº, Qd.F44, Lt 22 a 24, Edf. César Sebba, Setor Sul,

Leia mais

Raiva. Replicação no citoplasma - corpúsculo de inclusão

Raiva. Replicação no citoplasma - corpúsculo de inclusão Família Rhabdoviridae forma de bala 70 x 170 nm -RNA envelope Proteina G Ac neutralizantes Proteína N grupo Vírus fixo/rua Perfil G-N= Origem do vírus Raiva Raiva Raiva Replicação no citoplasma - corpúsculo

Leia mais

e LEGISLAÇÃO DO CRMV-RS RS PARA O CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS

e LEGISLAÇÃO DO CRMV-RS RS PARA O CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS AÇÕES DO MÉDICO M VETERINÁRIO RIO NA SAÚDE PÚBLICA P e LEGISLAÇÃO DO CRMV-RS RS PARA O CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS SEMINÁRIO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICAT MÓDULO AVANÇADO ADO SAÚDE PÚBLICAP 11

Leia mais

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari Editorial Índice - Editorial - Doença Leishmaniose - Gráfico de Notificações - Doença Malária Este é o segundo número do ano de, com veiculação semestral, referente aos meses de janeiro a junho, contendo

Leia mais

12/2/2009. São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. ZOONOSES *

12/2/2009. São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. ZOONOSES * ZOONOSES * São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. * Médico alemão Rudolf Wirchow(século XIX) Fco Eugênio D. de Alexandria Infectologista Zoon = animal

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PROJETO DE EXTENSÃO BIOMEDICINA E A TERCEIRA IDADE

PLANO DE TRABALHO PROJETO DE EXTENSÃO BIOMEDICINA E A TERCEIRA IDADE FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DO ESPÍRITO SANTO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA PLANO DE TRABALHO PROJETO DE EXTENSÃO BIOMEDICINA E A TERCEIRA IDADE Cariacica - ES 2010 2 1 - ENTIDADE/ÓRGÃO PROPONENTE

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 1.Notificação AÇÃO 1.1 Realizar notificação dos casos de sífilis em gestante 48.950 casos de sífilis em gestantes notificados. 1.2 Definir Unidades

Leia mais

Capturar e matar, capturar e matar... Capturar e matar cães e gatos ainda é a maior política do CCZ de São Paulo

Capturar e matar, capturar e matar... Capturar e matar cães e gatos ainda é a maior política do CCZ de São Paulo 1 * Este texto foi encaminhado pelo Vereador Roberto Trípoli à então Secretária da Saúde do Município, Maria Aparecida Orsini, e à então diretora de Covisa, Marisa Lima Carvalho, no final de 2006, durante

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 (Do Sr. Ricardo Izar e outros)

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 (Do Sr. Ricardo Izar e outros) PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 (Do Sr. Ricardo Izar e outros) Insere alínea ao inciso VI do artigo 150, da Constituição Federal, para vedar à União, Estados, Distrito Federal e Municípios

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) 1 Quando é que se deve suspeitar de leishmaniose visceral num cão? Sempre que o cão apresentar o conjunto de sintomas da doença, ou seja, emagrecimento,

Leia mais

CMDCA PROJETOS COOPERAÇÃO CAPELINHA/MG

CMDCA PROJETOS COOPERAÇÃO CAPELINHA/MG PROJETOS COOPERAÇÃO A trajetória da infância e adolescência em Capelinha, ao longo dos anos, teve inúmeras variações, reflexos das diferentes óticas, desde uma perspectiva correcional e repressiva, visando

Leia mais

FORTALECIMENTO DAS CAPACIDADES BÁSICAS EM PONTOS DE ENTRADA INDICADORES OMS

FORTALECIMENTO DAS CAPACIDADES BÁSICAS EM PONTOS DE ENTRADA INDICADORES OMS FORTALECIMENTO DAS CAPACIDADES BÁSICAS EM PONTOS DE ENTRADA INDICADORES OMS O Brasil vem trabalhando o fortalecimento das Capacidades Básicas para o Regulamento Sanitário Internacional RSI 2005, como Estado

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei nº 65/XIII-1.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei nº 65/XIII-1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei nº 65/XIII-1.ª Aprova medidas para a criação de uma rede de centros de recolha oficial de animais e para a modernização dos serviços municipais

Leia mais

Of. nº 387/GP. Paço dos Açorianos, 13 de abril de 2011. Senhora Presidente:

Of. nº 387/GP. Paço dos Açorianos, 13 de abril de 2011. Senhora Presidente: Of. nº 387/GP. Paço dos Açorianos, 13 de abril de 2011. Senhora Presidente: Submeto à apreciação de Vossa Excelência e seus dignos Pares o presente Projeto de Lei que Cria a Secretaria Especial dos Direitos

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PARACAMBI

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PARACAMBI SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PARACAMBI PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAUDE 2014 PROGRAMA: 06 Administração Governamental. Objetivo: Promover ações indispensáveis ao funcionamento administrativo e operacional

Leia mais

Estado do Amazonas Câmara Municipal de Manaus Gabinete do Vereador Gomes

Estado do Amazonas Câmara Municipal de Manaus Gabinete do Vereador Gomes PROJETO DE LEI Nº161/2014 Estado do Amazonas DISPÕE SOBRE O CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS NO MUNICÍPIO DE MANAUS ATRAVÉS DE UMA UNIDADE MÓVEL DE ES TERILIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS

PROGRAMA DE CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS PROGRAMA DE CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS O crescimento populacional de cães e gatos tem representado um problema de saúde pública, devido à possibilidade de transmissão de doenças entre animais

Leia mais

O programa é uma parceria entre as Secretarias do Verde e do Meio. Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS).

O programa é uma parceria entre as Secretarias do Verde e do Meio. Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS). O PAVS surge em 2007, da necessidade de se implementar políticas voltadas para a inclusão de questões ambientais no conjunto das ações de Promoção de Saúde e melhoria da qualidade de vida da população,

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU Nota Técnica nº 10 LIBERAÇÃO E SOLICITAÇÃO DE AMBULÂNCIA DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO DE MOSSORÓ-RN SOBRE AS FUNÇÕES DO CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES PERCEPTION OF MOSSORÓ-RN POPULATION ON THE ROLE OF ZOONOSES CENTER VILCELÂNIA ALVES COSTA 1, NILZA DUTRA ALVES

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO A Secretaria Municipal da Saúde, gestora do Sistema Único de Saúde no Município, é responsável pela formulação e implantação de políticas, programas e projetos

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU

Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU PLANO BÁSICO AMBIENTAL Saúde Equipamentos de saúde Controle da malária Saúde indígena O Plano de Saúde

Leia mais

O CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES E SUA IMPORTÂNCIA PARA A SAÚDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CATALÃO, GO

O CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES E SUA IMPORTÂNCIA PARA A SAÚDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CATALÃO, GO ANAIS ELETRÔNICOS DA I CIEGESI / I ENCONTRO CIENTÍFICO DO PNAP/UEG 22-23 de Junho de 202 - Goiânia, Goiás. O CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES E SUA IMPORTÂNCIA PARA A SAÚDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CATALÃO,

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº DE 2011. (Do Sr William Dib) Estabelece normas de controle de animais e dá outras providências. O Congresso Nacional Decreta: Art. 1º Esta lei estabelece normas de controle de animais.

Leia mais

LEI N.º 4.635 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2015

LEI N.º 4.635 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2015 LEI N.º 4.635 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2015 INSTITUI o Programa de Controle Populacional de Cães e Gatos do Município de Não-Me-Toque... TEODORA BERTA SOUILLJEE LUTKEMEYER, PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NÃO-ME-TOQUE/RS.

Leia mais

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009.

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO Dezembro/2009 Emergências em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) de Febre Amarela Silvestre em São Paulo e no Rio Grande do Sul e

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

Relatório das Atividades da APA durante o ano de 2011

Relatório das Atividades da APA durante o ano de 2011 Relatório das Atividades da APA durante o ano de 2011 Visando o controle populacional de caninos e felinos no Município de Jaboticabal, durante o ano de 2011, a APA, entre muitas atividades, realizou a

Leia mais

Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS

Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS 1. Terapêutica Clínica Geral: a. Equilíbrio ácido-básico e hidro-eletrolítico. b. Fluidoterapia. c. Terapêutica hematológica (transfusões). d. Utilização

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

LEI Nº 8. 565, DE 13 DE MAIO DE 2003. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 8. 565, DE 13 DE MAIO DE 2003. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 8. 565, DE 13 DE MAIO DE 2003 Dispõe sobre o controle da população de cães e gatos e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono

Leia mais

Programa Estadual de Controle da Tuberculose. Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder

Programa Estadual de Controle da Tuberculose. Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder SANTA CATARINA Programa Estadual de Controle da Tuberculose Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder tuberculose@saude.sc.gov.br SECRETARIA

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho;

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1 Caso suspeito ou confirmado de: 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; 2. Acidente de Trabalho

Leia mais

Reformar o Laboratório de Entomologia e reposição de mobiliário e equipamentos;

Reformar o Laboratório de Entomologia e reposição de mobiliário e equipamentos; PLANO DE AÇÃO O presente plano de ação é parte integrante do Ofício 1.407 de 04 de dezembro do corrente ano que solicitou ao Ministério da Saúde recurso financeiro para auxiliar o Estado em decorrência

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DO VEREADOR WILTON LIRA

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DO VEREADOR WILTON LIRA PROJETO DE LEI Nº 104 / 2012 Disciplina a doação e comercialização de cães e gatos no município de Manaus e dá outras providências. Art. 1º A reprodução de cães e gatos destinados a doação e comercialização

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Agravos Transmissíveis de Notificação Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN

Vigilância Epidemiológica de Agravos Transmissíveis de Notificação Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN INFORMATIVO EPIDEMIOLÓGICO AGRAVOS AGUDOS TRANSMISSÍVEIS 23 de fevereiro de 2015 Vol. 01/2015 NESTA EDIÇÃO INVESTIGAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA NOS CASOS DE CONTATO COM MORCEGO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE CENTRO

Leia mais

Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano na Cidade de São Paulo Vigiagua

Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano na Cidade de São Paulo Vigiagua Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano na Cidade de São Paulo Vigiagua Marília Rodrigues Médica Veterinária Sanitarista PMSP/SMS/COVISA/GVISAM Objetivo: Realizar a vigilância da qualidade

Leia mais

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL MEDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 E Ótica; Creches; Instituições de longa permanência para idosos; Instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 095

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 095 PROGRAMA Nº - 095 Manutenção e Operacionalização da SMS SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL Prover a SMS de Recursos materiais e Humanos para o bom desenvolvimento de suas funções.. Prover o bom atendimento

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS. Entre a crueldade para com o animal e a crueldade com o homem, há uma só diferença,a vítima.(lamartine)

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS. Entre a crueldade para com o animal e a crueldade com o homem, há uma só diferença,a vítima.(lamartine) EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Entre a crueldade para com o animal e a crueldade com o homem, há uma só diferença,a vítima.(lamartine) Os programas apresentados no projeto de lei visam o controle da natalidade de

Leia mais

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE / Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE Vigilância epidemiológica e controle vetorial

Leia mais

Implementação das Notificações dos Agravos e Acidentes Relacionados à Saúde do Trabalhador da Saúde no SINAN no Município de Jaramataia - Alagoas

Implementação das Notificações dos Agravos e Acidentes Relacionados à Saúde do Trabalhador da Saúde no SINAN no Município de Jaramataia - Alagoas CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Implementação das Notificações dos Agravos e Acidentes Relacionados à Saúde do Trabalhador da Saúde no SINAN no

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE APLICAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS

ORIENTAÇÕES SOBRE APLICAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS ORIENTAÇÕES SOBRE APLICAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS 1) PAB FIXO Podem ser custeados com o PAB-FIXO, todos os procedimentos pertinentes à atenção básica da saúde (ambulatorial),

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Geraldo Resende) Dispõe sobre a Política Nacional de Vacinação contra a Leishmaniose animal. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Fica instituída a Política Nacional

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

2. Operações de emergência

2. Operações de emergência Programa Nacional de Controle da Dengue CGPNCD/DEVEP Controle vetorial da Dengue (duas operações básicas) 1. Operações de rotina 2. Operações de emergência 1 Controle da Dengue (duas operações básicas)

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

METAS ELABORADA PELA APA DE JABOTICABAL PARA O PRÓXIMO QUADRIÊNIO: 2013-2016

METAS ELABORADA PELA APA DE JABOTICABAL PARA O PRÓXIMO QUADRIÊNIO: 2013-2016 1 ASSOCIAÇÃO PROTETORA DOS ANIMAIS de Jaboticabal SP - APA Lei Municipal de Utilidade Pública 3.193 de 07/10/03 - CNPJ 04.630.685/0001-00 www.apajaboticabal.org.br METAS ELABORADA PELA APA DE JABOTICABAL

Leia mais