Avaliação Atuarial de Banco de Dados

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação Atuarial de Banco de Dados"

Transcrição

1 Avaliação Atuarial de Banco de Dados ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA - SP São José dos Pinhais, 12 de Junho de 2007.

2 Índice 1. Introdução Perfil Estatístico dos Beneficiários Número de Beneficiários por Faixa Etária e Sexo Beneficiários conforme Acomodação Beneficiários conforme Regulamentação Beneficiários conforme Segmentação Beneficiários conforme Contratação Beneficiários conforme Co-participação Análise da Utilização Análise das Despesas Assistenciais e Receitas (Sinistralidade) Considerações Finais

3 1. Introdução A Avaliação Atuarial é uma ferramenta de diagnóstico empresarial que tem se mostrado eficaz na gestão de custos com saúde. Ela permite identificar dentre seus planos, os beneficiários com alto ou baixo risco, bem como as ramificações onde demandam maior atenção. De forma geral, a análise consiste na avaliação técnica do histórico de gastos e utilização dos recursos disponíveis pelos planos de saúde. Segundo a Saúde Business Web, pesquisas recentes demonstram que conhecer detalhadamente os usuários de uma carteira e adotar medidas de prevenção customizadas podem reduzir em até 46% o gasto com o tratamento médico desta população. Sendo assim, neste estudo, é apresentado o perfil da Carteira de beneficiários da Associação Policial de Assistência a Saúde de São João da Boa Vista SP, considerando as diferentes classificações que influenciam diretamente nos riscos que envolvem os planos de saúde. Outros fatores observados são índices comparativos, utilização dos recursos pela massa específica e demonstrações de resultados de sinistralidade no período. Para obtenção dos resultados dispostos neste relatório, utilizamos dados concernentes aos beneficiários, eventos, receitas e despesas da Carteira de planos de saúde desta Operadora, compreendendo o período de Dezembro de 2005 a Novembro de Perfil Estatístico dos Beneficiários A análise do Perfil dos Beneficiários permite a Operadora observar como seus beneficiários estão distribuídos entre as variáveis faixa etária, sexo, acomodação, regulamentação, segmentação, contratação e co-participação. 2.1 Número de Beneficiários por Faixa Etária e Sexo Para avaliação da distribuição da massa de beneficiários da Operadora, utilizamos o gráfico de Pirâmide Etária. Este é adotado por vários institutos de pesquisa para mensurar a proporção de indivíduos por faixa etária e sexo de uma determinada população. 3

4 Analisando o gráfico 2.1., observamos a distribuição dos beneficiários ativos em Novembro de Verificamos que a massa de beneficiários é jovem, pois é observada maior proporção na base da pirâmide. Esta situação é considerada favorável para a Operadora, visto que a 1ª faixa etária, teoricamente, dispõe de despesas inferiores às demais e através do princípio do mutualismo** garante a sustentação e equilíbrio da Carteira Pirâmide Etária dos Beneficiários 59 Anos ou + 54 a 58 Anos 49 a 53 Anos 44 a 48 Anos 39 a 43 Anos 34 a 38 Anos 29 a 33 Anos 24 a 28 Anos 19 a 23 Anos 0 a 18 Anos Masculino Feminino **Mutualismo constitui-se do grupo de pessoas com interesses comuns constituindo uma reserva econômica para dividir o custo do risco de um acontecimento incerto. 2.2 Beneficiários conforme Acomodação A acomodação conta com risco considerável nos planos de saúde. Por este motivo ela é estudada quando da necessidade de precificar um plano. Os tipos de acomodação atualmente admitidos pela ANS são: Coletiva e Individual. Dentre os planos que possuem esta cobertura, a acomodação coletiva envolve menos custos, pois se trata de acomodação com mais de um leito e, assim, seus custos, tanto de diárias como de serviços e honorários, são menores do que a da acomodação individual. 4

5 Através do gráfico 2.2, observamos que 95,28% dos beneficiários ativos em Novembro de 2006 da Carteira desta Operadora possuíam planos com acomodação Coletiva Beneficiários segundo a Acomodação 95,28% 4,72% Coletiva Individual 2.3 Beneficiários conforme Regulamentação De acordo com a ANS, dentre os beneficiários do país que têm planos de saúde, 56,5% possuem planos com contratação posterior a Lei 9.656/98. Podemos observar no gráfico 2.3. que, em Novembro de 2006, data base da análise, 90,52% dos beneficiários ativos da Operadora possuíam planos posteriores a Lei 9.656/98. Este número tende a aumentar, uma vez que planos antigos não podem mais ser comercializados. 5

6 2.3. Beneficiários segundo a Regulamentação 90,52% 9,48% Planos Novos Planos Antigos 2.4 Beneficiários conforme Segmentação A Segmentação de um plano de saúde contempla as coberturas asseguradas pelo mesmo, sendo que a Ambulatorial cobre procedimentos de consultas, exames, terapias e atendimentos ambulatoriais (procedimentos eletivos caracterizados como urgência e/ou emergência), enquanto a Segmentação Hospitalar cobre atendimentos em unidade hospitalar e procedimentos necessários durante o período de internação. Lembramos que a ANS permite a combinação destas coberturas para a composição da Segmentação do plano. Nesta Avaliação, observamos que, no período da análise, todos os beneficiários ativos desta Operadora possuíam planos com Segmentação Ambulatorial + Hospitalar com Obstetrícia. 2.5 Beneficiários conforme Contratação De acordo com o 1º do artigo 2º da RN 137, de 14/11/2006: As entidades de autogestão só poderão operar plano privado de assistência à saúde coletivo. Sendo assim, constatamos que, na Carteira desta Operadora, 100% dos beneficiários ativos em Novembro de 2006, data base da análise, possuía planos com Contratação Coletiva por Adesão. Ressaltamos ainda, que a aplicação de reajustes anuais para planos coletivos, sem patrocínio, operados por Autogestões sem mantenedoras e que tenham sido contratados 6

7 após 1º de Janeiro de ou adaptados à Lei 9.656, dependerão de prévia autorização da ANS. 2.6 Beneficiários conforme Co-participação A Co-participação é um mecanismo de regulação importante para reduzir o uso em procedimentos dispendiosos, pois o beneficiário terá que pagar uma parte do serviço utilizado, reduzindo assim custos com despesas assistenciais e freqüência de utilização. Todos os planos da Carteira desta Operadora utilizavam co-participação como mecanismo de regulação. Conseqüentemente, a massa total de beneficiários estava vinculada a planos co-participativos. 3. Análise da Utilização Neste tópico avaliamos os indicadores de freqüência média anual de utilização, custo médio por evento e custo médio per-capita com o objetivo de identificar alguma anormalidade na utilização e/ou custos. Na Tabela 3., apresentamos a freqüência média anual de utilização por grupo de procedimentos. Tabela 3. Freqüência Média Anual de Utilização Planos Coletivos Por Adesão Procedimentos Freqüência de Utilização Consultas 3,5865 Exames 2,4955 Atend. Ambulatorial 0,2462 Terapias 0,7213 Internações 0,2072 Verificamos que, em Consultas e Atendimento Ambulatorial, é alto o índice de utilização dos procedimentos se comparado à segmentação Hospitalar, que evidencia utilização em menores proporções. Entretanto, na segmentação Hospitalar, os custos dos procedimentos são geralmente superiores. 7

8 Na Tabela 3.1. observamos o custo médio por grupo de procedimentos. Nota-se que as Internações apresentaram os maiores custos. Tabela 3.1. Custo Médio por Evento Planos Coletivos Por Adesão Procedimentos Custo Por Evento Consultas R$ 43,56 Exames R$ 74,20 Atend. Ambulatorial R$ 249,90 Terapias R$ 74,75 Internações R$ 2.349,16 A Tabela 3.2, a seguir, apresenta comparação entre a freqüência média anual de utilização e os custos médios por evento, com a média de mercado, usando como base os valores constantes no Caderno de Informação da ANS, de Março de 2007 : Grupo de Procedimentos Tabela 3.2 Freqüência Anual de Utilização e Custo Por Evento APAS - São João da Boa Vista Freqüência de Utilização Consultas 3,5865 R$ 43,56 4,7400 R$ 27,28 Exames 2,4955 R$ 74,20 5,7033 R$ 26,19 Atend. Amb. 0,2462 R$ 249,90 0,7033 R$ 76,45 Terapias 0,7213 R$ 74,75 0,6600 R$ 88,55 Internações 0,2072 R$ 2.349,16 0,1767 R$ 1.577,59 *Fonte: Caderno de Informação da ANS de MARÇO de Custo/Evento Dados de Mercado* Freqüência de Utilização Custo/Evento Observamos na tabela 3.2., que a freqüência de utilização desta Operadora apresentou-se abaixo da média de mercado nos grupos de procedimentos de Consultas, Exames e Atendimento Ambulatorial. No entanto, na comparação dos valores de custos por eventos, notamos que os custos destes procedimentos apresentaram-se maiores que às médias do mercado. Em relação a Internações, tanto a freqüência de utilização da Operadora quanto o custo por evento são maiores que a média do mercado. 8

9 A tabela 3.3. mostra o custo médio assistencial por beneficiário segundo grupo de procedimentos, onde podemos observar que a segmentação Ambulatorial da Operadora representou 48,41% dos custos assistenciais por grupo de procedimentos e Internações, 51,59%. Procedimentos Tabela 3.3. Custo Médio Per-capita Custo Médio Operadora Custo Médio Mercado* Consultas R$ 13,02 R$ 10,78 Exames R$ 15,43 R$ 12,45 Atend. Ambulatorial R$ 5,13 R$ 4,48 Terapias R$ 4,49 R$ 4,87 Internações R$ 40,56 R$ 23,23 TOTAL R$ 78,63 R$ 55,80 *Fonte: Caderno de Informação da ANS de MARÇO de Observamos que o custo médio assistencial per-capita da Operadora, no período analisado, foi de R$ 78,63, ou seja, apresentou-se em torno de 41% maior que a média do mercado. 4. Análise das Despesas Assistenciais e Receitas (Sinistralidade) Com objetivo de analisarmos as receitas e despesas assistenciais desta Operadora, adotamos gráfico de colunas e linhas, que possibilita o estudo do equilíbrio financeiro da Carteira de planos no período de Dezembro/2005 a Novembro/

10 4. Receitas e Despesas Assistenciais , , , , , ,00 - dez/05 jan/06 fev/06 mar/06 abr/06 mai/06 jun/06 jul/06 ago/06 set/06 out/06 nov/06 Despesas Receitas Através do gráfico 4., observamos que os valores referentes às Receitas da Operadora mantiveram-se constantes ao longo do período utilizado para Avaliação Atuarial, enquanto que as Despesas Assistenciais apresentou oscilações, com destaque para os meses de Junho e Outubro de 2006, onde observamos as maiores despesas. Na análise dos planos, divididos plano a plano, consideramos Carregamento de 8,00% de Despesa Administrativa e lembramos que o plano com número , na tabela abaixo, indica a junção de todos os planos antigos, que possui registro anterior à Lei 9.656/ APAS SÃO JOÃO DA BOA VISTA - ANÁLISE PLANO A PLANO PLANO CONTRATAÇÃO RECEITA INFORMADA DESPESAS ASSISTENCIAIS DESPESAS CARREGADAS DÉFICIT / SUPERAVIT Adesão - Coletivo , , , , Adesão - Privativo , , , , Adesão - Coletivo , , , ,46 TOTAL , , , ,75 10

11 Observa-se na tabela 4., que, na avaliação da Carteira desta Operadora, dois planos apresentaram déficit, com destaque maior para o plano /01-7 (Coletivo por Adesão com acomodação Coletiva). Considerando a Despesa Administrativa informada pela Operadora nas últimas atualizações de Nota Técnica (8,00%) verificamos, no geral, déficit de R$ , ou seja, o total das receitas acumulado no não ano foi suficiente para cobrir o total das despesas assistenciais mais despesas administrativas. Observamos ainda que, o índice de sinistralidade, sem os carregamentos, da Carteira da Operadora apresenta-se no percentual de 104,3%. Sendo que, considerando despesa administrativa da mesma, o limite de sinistralidade máxima para equilíbrio financeiro seria de 92,0%. De acordo com o Caderno de Informações da ANS, de Março de 2007, a sinistralidade observada em operadoras classificadas como Autogestão, no ano de 2006, foi de 81,2%. Ressaltamos que, para esta avaliação, não foram consideradas as Receitas de Repasse da Cruz Azul. 5. Considerações Finais O presente parecer tem como objetivo apresentar as conclusões constantes da Avaliação Atuarial, no período de 12 meses (Dezembro/2005 a Novembro/2006), mediante avaliação geral dos resultados obtidos através das demonstrações gráficas e explanações contidas dentre os tópicos do estudo desta Carteira de planos. O gráfico de Pirâmide Etária, apresentado no item 2.1., demonstra que a maior concentração de beneficiários encontra-se na primeira faixa etária, a qual teoricamente dispõe de custos e utilização mais baixos que as demais faixas etárias, contribuindo assim, para o equilíbrio da Carteira. Verificamos no item 3 que, além dos custos por eventos, também o custo médio assistencial por beneficiário (R$ 78,63), no período observado, foram maiores que os custos médios por 11

12 eventos e beneficiários apresentados pelo mercado, segundo Caderno de Informações da Agência Nacional de Saúde ANS. No item 4, verificamos que alguns planos apresentaram resultado operacional negativo no período utilizado para avaliação. Sendo assim, orientamos que, quando da renovação dos contratos, estes sejam alvos de análise criteriosa por parte desta Operadora com relação aos percentuais de reajustes a serem negociados, desde que, respeitando as cláusulas contratuais pactuadas entre as partes. Concluímos que a Carteira de planos desta Operadora não apresentou solvência no período analisado, pois foi observado déficit de R$ ,75. Salientamos que, para futuras avaliações, a Operadora deverá enviar dados referentes às Receitas com Repasse da Cruz Azul, pois assim será possível apresentar análise mais coerente com a realidade da Operadora. Por fim, vale lembrar que a tecnologia tem aumentado cada vez mais a perspectiva de vida da população mundial. Em especial, os brasileiros têm prolongado seus anos de vida zelando pela saúde e corpo, através de cuidados com alimentação, exercícios físicos e desenvolvendo trabalhos para aliviar tensões e stress do cotidiano. As Operadoras, em busca de redução de despesas assistenciais, estão utilizando ferramentas, como a prevenção a doenças através de exames preventivos, campanhas antiobesidade, anti-tabagismo, atividades físicas, entre outras. Num primeiro momento poderiam onerar os custos, porém, futuramente, reduziriam os custos assistenciais desta Operadora. Outro ponto importante para diminuir despesas desnecessárias é o uso de mecanismos de regulação, como a Co-participação, pois o beneficiário terá que pagar uma parte do serviço utilizado, reduzindo assim custos com despesas assistenciais e freqüência de utilização. Salientamos ainda que os resultados desta avaliação atuarial são extremamente sensíveis às variações das informações fornecidas, premissas e hipóteses utilizadas para o estudo e que, modificações futuras destes fatores, bem como adesões e exclusões de beneficiários, poderão implicar variações substanciais nos resultados atuariais apresentados. 12

13 Solicitamos avaliação dos resultados obtidos neste estudo, no intuito de aprovação desta Operadora no que concerne às características e particularidades demonstradas na análise. Permanecemos solícitos a quaisquer esclarecimentos que se façam necessários. Atenciosamente, Denise Tomaz de Souza Departamento Atuarial CTS Consultoria Técnica Atuarial e Seguros Ltda 13

CONSIDERAÇÕES PARA A ASSEMBLEIA DE 18/06/2015

CONSIDERAÇÕES PARA A ASSEMBLEIA DE 18/06/2015 CONSIDERAÇÕES PARA A ASSEMBLEIA DE 18/06/2015 1 INFORMES 1.1- Demonstrações contábeis 2014: Na reunião do Conselho Curador, ocorrida em Brasília/DF no período de 27 e 28 de abril de 2015, os Conselheiros

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI Nº 9.656, DE 1998

REGULAMENTAÇÃO DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI Nº 9.656, DE 1998 REGULAMENTAÇÃO DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI Nº 9.656, DE 1998 Dezembro, 2011 Mauricio Ceschin Diretor-Presidente Art. 30 da Lei nº 9.656/98 Art. 30. Ao consumidor que contribuir para produtos de que tratam

Leia mais

REAJUSTE DAS CONTRAPRESTAÇÕES PECUNIÁRIAS DE CONTRATOS DE CONTRATAÇÃO COLETIVA OPERADORA: PORTO DIAS SAÚDE CNPJ: 06.145.428/0001-09 REGISTRO ANS: 41.508-1 PERÍODO DE APLICAÇÃO: Maio/2016 a Abril/2017 PERCENTUAL

Leia mais

Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde

Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Francine Leite Apresentação Este trabalho introduz o tema Envelhecimento

Leia mais

5. Os índices de reajuste anual da Assefaz foram autorizados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS)?

5. Os índices de reajuste anual da Assefaz foram autorizados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS)? PERGUNTAS E RESPOSTAS REAJUSTE ANUAL DAS MENSALIDADES JULHO DE 2015 a JUNHO DE 2016 1. O que é um reajuste anual e qual é sua base legal? O reajuste anual é um mecanismo para corrigir os valores dos planos

Leia mais

5. O Plano do funcionário sofrerá reajuste?

5. O Plano do funcionário sofrerá reajuste? PERGUNTAS E RESPOSTAS REAJUSTE ANUAL E DENÚNCIA DE CONVÊNIOS E MENSALIDADES REAJUSTADAS JULHO DE 2014 REAJUSTE ANUAL 1. O que é um reajuste anual e qual é sua base legal? O reajuste anual é um mecanismo

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar 1. Informações Gerais No segundo trimestre de 2010, o número de beneficiários de planos de saúde cresceu 1,9%, totalizando 44.012.558

Leia mais

SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Curso: Ciências Atuariais. Minicurso: Noções do Mercado de Saúde

SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Curso: Ciências Atuariais. Minicurso: Noções do Mercado de Saúde SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL Universidade Federal do Rio Grande do Norte Curso: Ciências Atuariais Minicurso: Noções do Mercado de Saúde Suplementar Beatriz Resende Rios da Mata Atuária MIBA 1474 Outubro/2011

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar 1. Informações Gerais Pelo quarto ano consecutivo, a ANS apresenta dados de crescimento do número de beneficiários do setor acima de

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO. Edição: 25/02/14

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO. Edição: 25/02/14 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO Edição: 25/02/14 Direito de migrar para plano individual ou familiar aproveitando carência do plano coletivo empresarial Os beneficiários

Leia mais

Olhares sobre a Agenda Regulatória da ANS

Olhares sobre a Agenda Regulatória da ANS Olhares sobre a Agenda Regulatória da ANS Mercado de Saúde Suplementar Tabela 13 - Operadoras em atividade por porte, segundo modalidade (Brasil março/2012) Modalidade da operadora Total Sem beneficiários

Leia mais

GAMEC - GRUPO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA EMPRESARIAL DO CEARÁ LTDA.

GAMEC - GRUPO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA EMPRESARIAL DO CEARÁ LTDA. GAMEC - GRUPO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA EMPRESARIAL DO CEARÁ LTDA. NOTA TÉCNICA ATUARIAL REAJUSTE DO AGRUPAMENTO DE CONTRATOS COLETIVOS (RN 309/2012) MARÇO/2015 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 3 2. BASE LEGAL 3 3. METODOLOGIA

Leia mais

Orientações Jurídicas

Orientações Jurídicas São Paulo, 05 de junho de 2015. OJ-GER/021/15 Orientações Jurídicas Reajuste anual dos planos de assistência médico-hospitalar, com ou sem cobertura odontológica. Planos de contratação individual/familiar.

Leia mais

Com 30 participantes ou mais

Com 30 participantes ou mais MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE CUNHA ODONTOLOGIA S/S LTDA CNPJ n : 06.216.938/0001-20 N de registro na ANS: 41695-9 Site: www.cunhaodontologia.com.br Tel: Serviços: (62) 3945.5673

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS 29ª Edição Agosto de 214 SUMÁRIO EXECUTIVO Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (Mar/14): 5.722.522; Taxa

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE DIFERENÇAS ENTRE PLANOS INDIVIDUAIS E COLETIVOS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE DIFERENÇAS ENTRE PLANOS INDIVIDUAIS E COLETIVOS Operadora: ELOSAÚDE - CNPJ: 11.593.821/0001-03 03 - N ANS: 41729-7 - Site: www.elosaude.com.br - Tel.: (48) 3298-5555 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE DIFERENÇAS ENTRE PLANOS INDIVIDUAIS

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE.

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE. MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE. Operadora: Unimed Campo Grande MS Cooperativa de Trabalho Médico. CNPJ: 03.315.918/0001-18 Nº de registro na ANS: 312851 Site: http://www.unimedcg.com.br

Leia mais

Painel de Precificação Planos de Saúde 2012

Painel de Precificação Planos de Saúde 2012 Painel de Precificação Planos de Saúde 2012 Painel de Precificação Planos de Saúde 2012 Elaboração, distribuição e informações: Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Av. Augusto Severo, 84, Glória

Leia mais

PLANO INDIVIDUAL COMPLETO PLANO INDIVIDUAL COPARTICIPATIVO

PLANO INDIVIDUAL COMPLETO PLANO INDIVIDUAL COPARTICIPATIVO ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DE MINAS GERAIS - ALMG PESQUISA DE PREÇOS DE PLANO DE SAÚDE INDIVIDUAL E FAMILIAR REALIZADA EM BELO HORIZONTE ENTRE OS DIAS 22 E 24 DE AGOSTO DE GOLDEN CROSS** ESSENCIAL PLANO INDIVIDUAL

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS 30ª Edição Outubro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (jun/14): 50.930.043; Taxa

Leia mais

PRECIFICAÇÃO DE PLANOS. Oclair Custódio dos Santos

PRECIFICAÇÃO DE PLANOS. Oclair Custódio dos Santos PRECIFICAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE Oclair Custódio dos Santos 2 Programação - Precificação FDPR OBJETIVOS ASPECTOS CONCEITUAIS APLICADOS AO CÁLCULO ATUARIAL ASPECTOS DA GESTÃO DE RISCO NOS PLANOS DE SAÚDE

Leia mais

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo Sinog Dezembro/ 2011 Press Kit para Imprensa Sinog Sindicato Nacional das Empresas

Leia mais

1. Tipos de contratação: QUE TIPO DE PLANO DE SAÚDE VOCÊ PODE TER?

1. Tipos de contratação: QUE TIPO DE PLANO DE SAÚDE VOCÊ PODE TER? FIQUE ATENTO! A operadora é obrigada a divulgar os planos de saúde que comercializa em sua página na internet. 1. Tipos de contratação: QUE TIPO DE PLANO DE SAÚDE VOCÊ PODE TER? Individual ou Familiar

Leia mais

Manual de Orientação para contratação de Plano de Saúde

Manual de Orientação para contratação de Plano de Saúde Operadora: Allianz Saúde CNPJ: 04.439.627/0001-0 Nº de registro na ANS: 00051-5 Nº de registro do produto: conforme contratado pelo estipulante Site: www.allianz.com.br Telefone: 0800 7228148 Manual de

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO Operadora: GreenLine Sistema de Saúde - LTDA CNPJ: 61.849.980/0001-96 Nº de Registro na ANS: 32.507-4 Site: http://www.greenlinesaude.com.br Tel: 0800-776 - 7676 Manual de Orientação

Leia mais

Diferenças entre adaptação e migração nos planos privados de assistência à saúde

Diferenças entre adaptação e migração nos planos privados de assistência à saúde Diferenças entre adaptação e migração nos planos privados de assistência à saúde ADAPTAÇÃO MIGRAÇÃO Conceito É a alteração (aditamento) do contrato antigo, assinado antes de janeiro de 1999, para adequá-lo

Leia mais

Como são calculadas as mensalidades?

Como são calculadas as mensalidades? Este informe aborda os aspectos relacionados ao reajuste do valor das mensalidades do Plano de Assistidos e do Plano de vinculados administrados pelo Eletros-Saúde (ES) para o ano de 2015. mas antes, é

Leia mais

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo Sinog Março / 2011 Press Kit para Imprensa Sinog Sindicato Nacional das Empresas

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br OPERADORAS DE SAÚDE Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br O que são Operadoras de saúde? O que são Operadoras de saúde? Operadora é a pessoa jurídica que opera ( administra,

Leia mais

Índice. 1. Os preços dos planos de saúde são controlados? 2. Como funcionam as regras de reajuste. 3. Quais as regras de reajuste dos planos

Índice. 1. Os preços dos planos de saúde são controlados? 2. Como funcionam as regras de reajuste. 3. Quais as regras de reajuste dos planos Índice FenaSaúde na Redação Reajuste dos Planos de Saúde Apresentação 6 1. Os preços dos planos de saúde são controlados? 8 2. Como funcionam as regras de reajuste dos planos de saúde? 3. Quais as regras

Leia mais

SULAMÉRICA TRT 2ª REGIÃO / SP

SULAMÉRICA TRT 2ª REGIÃO / SP SULAMÉRICA TRT 2ª REGIÃO / SP 1. OBJETO: 1.1. A presente proposta tem por objeto disponibilizar seguros saúde da Sul América Seguros Saúde S.A., operadora registrada na Agência Nacional de Saúde Suplementar

Leia mais

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde Operadora: Unimed Curitiba Sociedade Cooperativa de Médicos CNPJ: 75.055.772/0001-20 Nº de registro na ANS: 30470-1 Site: http://www.unimedcuritiba.com.br Tel:(41) 3019-2000 Exclusivo para liberações de

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL Federação Nacional de Saúde Suplementar COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL Audiência Pública sobre a Mobilidade com Portabilidade (Consulta Pública ANS nº 29/2008) 19/11/08 Solange Beatriz Palheiro

Leia mais

NTRP Planos Coletivos Empresariais Adaptaçã. ção o de Contratos. Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos 13/07/2012

NTRP Planos Coletivos Empresariais Adaptaçã. ção o de Contratos. Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos 13/07/2012 Workshop Atuários NTRP Planos Coletivos Empresariais Adaptaçã ção o de Contratos Gerência-Geral Geral Econômico-Financeira e Atuarial dos Produtos Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos 13/07/2012

Leia mais

Variação dos Custos Médicos Hospitalares VCMH/IESS Data-base - junho de 2010

Variação dos Custos Médicos Hospitalares VCMH/IESS Data-base - junho de 2010 Variação dos Custos Médicos Hospitalares VCMH/ Data-base - junho de 2010 O VCMH/ é uma medida da variação das despesas médico-hospitalares per capita das operadoras de planos e seguros de saúde. Mede-se

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

CARTILHA PARA BENEFICIÁRIOS - F U R B

CARTILHA PARA BENEFICIÁRIOS - F U R B CARTILHA PARA BENEFICIÁRIOS - F U R B Caro beneficiário A FURB e a UNIMED estão em negociações com vistas à migração do atual Plano de Saúde, para um mais moderno e com muito mais coberturas assistenciais

Leia mais

Manual de Orientação para Contratação de Plano de Saúde

Manual de Orientação para Contratação de Plano de Saúde Manual de Orientação para Contratação de Plano de Saúde Manual de Orientação para Contratação de Plano de Saúde Operadora: Prodent Assistência Odontológica Ltda CNPJ: 61.590.816/0001-07 N de registro na

Leia mais

VCMH Variação dos Custos Médico-Hospitalares

VCMH Variação dos Custos Médico-Hospitalares VCMH Variação dos Custos Médico-Hospitalares José Cechin Superintendente Executivo José Cechin Carina Burri Martins Francine Leite Apresentação Entende-se por Custos Médico-Hospitalares o total das despesas

Leia mais

GUIA DE CONTRATAÇÃO DE PLANOS ODONTOLÓGICOS

GUIA DE CONTRATAÇÃO DE PLANOS ODONTOLÓGICOS GUIA DE CONTRATAÇÃO DE PLANOS ODONTOLÓGICOS GUIA DE CONTRATAÇÃO DE PLANOS ODONTOLÓGICOS 2 Diferenças entre planos individuais e coletivos: Os planos com contratação individual ou familiar são aqueles contratados

Leia mais

Caixa de Assistência Oswaldo Cruz

Caixa de Assistência Oswaldo Cruz Caixa de Assistência Oswaldo Cruz Propostas para nova tabela FioSaúde 2014 Data: 30.10.13 1 AGENDA 1. Objetivo da Assembleia 2. O contexto do mercado 3. A FioSaúde 4. O orçamento até setembro 5. O estudo

Leia mais

2014 SETEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 SETEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 SETEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

Reajuste de mensalidade

Reajuste de mensalidade Reajuste de mensalidade Conceitos básicos Reajuste por variação de custos Reajuste por mudança de faixa etária SÉRIE PLANOS DE SAÚDE CONHEÇA SEUS DIREITOS Reajuste de mensalidade SÉRIE PLANOS DE SAÚDE

Leia mais

Regius - Plano de Benefícios 03 1

Regius - Plano de Benefícios 03 1 Regius - Plano de Benefícios 03 1 Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios 03 da Regius Sociedade Civil de Previdência Privada em 31/12/2010, com o objetivo de identificar sua situação

Leia mais

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010 Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde Atibaia, 21 de abril de 2010 Cenário atual DESAFIOS Desafios da Sustentabilidade Pressão constante sobre os custos Incorporação de novas tecnologias

Leia mais

Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007.

Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007. Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007. Srs. Diretores, Membros do Conselho Fiscal e Deliberativo da CAC, Submetemos à apreciação

Leia mais

Elaboração, distribuição e informações:

Elaboração, distribuição e informações: Painel de Precificação Planos de Saúde 2013 Elaboração, distribuição e informações: Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Av. Augusto Severo, 84, Glória CEP: 20021-040, Rio de Janeiro RJ Tel.: +5521

Leia mais

Sustentabilidade do Setor de Saúde Suplementar. Leandro Fonseca Diretor Adjunto de Normas e Habilitação de Operadoras - DIOPE

Sustentabilidade do Setor de Saúde Suplementar. Leandro Fonseca Diretor Adjunto de Normas e Habilitação de Operadoras - DIOPE Seminário Anual de Saúde 2013 Sustentabilidade dos programas de saúde: desafios e oportunidades Leandro Fonseca ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar 16 de maio de 2013 2013 Towers Watson. Todos os

Leia mais

Seção II Das Definições

Seção II Das Definições RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 310, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012 Dispõe sobre os princípios para a oferta de contrato acessório de medicação de uso domiciliar pelas operadoras de planos de assistência à saúde.

Leia mais

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO PERGUNTAS E RESPOSTAS

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO PERGUNTAS E RESPOSTAS PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO PERGUNTAS E RESPOSTAS Para que todos os empregados possam ter suas dúvidas esclarecidas, os questionamentos recebidos pela Comissão Saúde serão respondidos

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE REGULAMENTADOS

PLANOS DE SAÚDE REGULAMENTADOS PLANOS DE SAÚDE REGULAMENTADOS Com relação a este tema, vamos explanar onde tudo começou: O Estatuto do Idoso (Lei n 10.741, de 01.10.03), reconhecendo a hipossuficiência do idoso, trouxe algumas conseqüências

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar Nota Acompanhamento do Carno Informação da Saú Suplementar 1. Informações Gerais Em 2009, após um semestre quase estagnação, o número planos saú cresceu 4,9%. Essa é uma taxa muito expressiva consirando

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇOS. Baltazar Luis Canello Gerência Atuarial e de Risco Unimed do Estado de SC

FORMAÇÃO DE PREÇOS. Baltazar Luis Canello Gerência Atuarial e de Risco Unimed do Estado de SC FORMAÇÃO DE PREÇOS EM SAÚDE Baltazar Luis Canello Gerência Atuarial e de Risco Unimed do Estado de SC 2 MODELO DE SANTA CATARINA A Federação Santa Catarina presta diversos serviços para as suas Singulares,

Leia mais

Projeto de gestão em serviços de urgência e emergência

Projeto de gestão em serviços de urgência e emergência Projeto de gestão em serviços de urgência e emergência Composição do Financiamento do Setor Saúde - estimativa para 2006 MEDICAMENTOS 16% FEDERAL 25% DESEMBOLSO DIRETO 10% ESTADUAL 11% PLANOS E SEGUROS

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Regulaçã. ção o Atuarial dos Planos de Saúde. Rosana Neves Gerente Gerente de Regulação Atuarial de Produtos - GERAT

Regulaçã. ção o Atuarial dos Planos de Saúde. Rosana Neves Gerente Gerente de Regulação Atuarial de Produtos - GERAT Regulaçã ção o Atuarial dos Planos de Saúde Rosana Neves Gerente Gerente de Regulação Atuarial de Produtos - GERAT Gerência-Geral Geral Econômico-Financeiro dos Produtos GGEFP/DIPRO Regulação do Setor

Leia mais

A SAÚDE SUPLEMENTAR E A REGULAÇÃO

A SAÚDE SUPLEMENTAR E A REGULAÇÃO A SAÚDE SUPLEMENTAR E A REGULAÇÃO IBDESS Fevereiro/2010 Fausto Pereira dos Santos Diretor-Presidente Vínculos a planos privados de assistência à saúde e registros no cadastro: Brasil (2000 2009) (milhões)

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2013 Março Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS)

Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS) Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS) Debates GVSaúde Acreditação Operadoras de Planos de Saúde Helton Marcondes Coordenação de Processos e Qualidade - GEPP Roteiro Unimed-BH em Números;

Leia mais

TERMO DE ADESÃO AO CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE UNIMED CASCAVEL Nº 155/13

TERMO DE ADESÃO AO CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE UNIMED CASCAVEL Nº 155/13 TERMO DE ADESÃO AO CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE UNIMED CASCAVEL Nº 155/1 ADERENTE: CNPJ: Endereço: CEP: Cidade: UF: Representante legal: CPF: RG: Endereço: CEP: Cidade: CLÁUSULA PRIMEIRA: A ADERENTE, doravante

Leia mais

Termo de uso genérico para designar qualquer grau de UNIMED Singular, Federação/ Central e Confederação, individualmente ou no conjunto.

Termo de uso genérico para designar qualquer grau de UNIMED Singular, Federação/ Central e Confederação, individualmente ou no conjunto. 1- INTERCÂMBIO A negociação entre as UNIMEDS do País, que geram relações operacionais específicas e normatizadas para atendimento de usuários na área de ação de uma cooperativa ou contratados por outra

Leia mais

CONTEXTO E DESAFIOS CASEMBRAPA 2014

CONTEXTO E DESAFIOS CASEMBRAPA 2014 CONTEXTO E DESAFIOS CASEMBRAPA 2014 1 CONTEXTO CUSTOS DA SAÚDE COLOCAM OPERADORAS EM RISCO FINANCEIRO O SETOR DE SAÚDE ESTÁ EM ALERTA O aumento dos custos com procedimentos médicos e hospitalares tem superado

Leia mais

PLANOS UNIMED CONVÊNIO ASDEP Contato: convênios@asdep.com.br

PLANOS UNIMED CONVÊNIO ASDEP Contato: convênios@asdep.com.br PLANOS UNIMED CONVÊNIO ASDEP Contato: convênios@asdep.com.br 1. PLANO UNIMAX COLETIVOS POR ADESÃO Características: Apresentam abrangência Nacional, com atendimentos e ampla utilização na rede Unimed, contando

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar

Agência Nacional de Saúde Suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar A agência reguladora de planos de saúde do Brasil Audiência Pública, 10 de abril de 2013 1 Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora do Governo

Leia mais

1 TERMO ADITIVO AO CONTRATO E CONDiÇÕES GERAIS DE PLANO COLETIVO ADESÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE

1 TERMO ADITIVO AO CONTRATO E CONDiÇÕES GERAIS DE PLANO COLETIVO ADESÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE 1 TERMO ADITIVO AO CONTRATO E CONDiÇÕES GERAIS DE PLANO COLETIVO ADESÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE QUALIFICAÇÃO DA OPERADORA - CONTRATADA Razão Social: UNIMED VITÓRIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO CNPJ: 27.578.434/0001-20

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM. Santa Maria, 06 de Junho de 2013.

PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM. Santa Maria, 06 de Junho de 2013. PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM Santa Maria, 06 de Junho de 2013. INTRODUÇÃO Trata-se de uma proposta de Plano de Saúde no sistema de pré-pagamento para atender os associados da ASSUFSM de Santa Maria/RS,

Leia mais

Cartilha de Extensão de Benefício do. Beneficiários Contributários Demitidos. ou Exonerados Sem Justa Causa e/ou. Aposentados

Cartilha de Extensão de Benefício do. Beneficiários Contributários Demitidos. ou Exonerados Sem Justa Causa e/ou. Aposentados Cartilha de Extensão de Benefício do Seguro-saúde Empresarial aos Beneficiários Contributários Demitidos ou Exonerados Sem Justa Causa e/ou Aposentados Dezembro / 2013 Índice Introdução... 02 1. Definições...

Leia mais

Audiência Pública. DF, 10mai2011

Audiência Pública. DF, 10mai2011 Audiência Pública DF, 10mai2011 FENASAÚDE Associadas 15 grupos empresariais Beneficiários 2010 20,2 milhões 33,6% do mercado planos médicos e odontológicos R$ 21,7 bilhões Despesas Assistenciais: (37,5%)

Leia mais

Desafios da Precificação de Riscos em Saúde

Desafios da Precificação de Riscos em Saúde Desafios da Precificação de Riscos em Saúde Painel de Precificação Planos de Saúde 2012 Preço médio sem outliers da faixa etária 44 aos 48 anos dos planos com internação de contratação individual ou familiar

Leia mais

ANS. Eixos Temáticos da Regulamentação e Garantia de Acesso à Informação como o empregador pode participar. Bruno Sobral de Carvalho

ANS. Eixos Temáticos da Regulamentação e Garantia de Acesso à Informação como o empregador pode participar. Bruno Sobral de Carvalho ANS Eixos Temáticos da Regulamentação e Garantia de Acesso à Informação como o empregador pode participar. Bruno Sobral de Carvalho Diretor de Desenvolvimento Setorial São Paulo, maio de 2011 Plano Coletivo

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - AGOSTO DE 2013 -

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - AGOSTO DE 2013 - PESQUISA DE ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - - Pesquisa de Aluguéis de Imóveis em Goiânia Índice Apresentação... pág. 02 Objetivo... pág. 02 Metodologia... pág. 02 Contratos reajustados e indicadores econômicos...

Leia mais

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS TIPOS DE PLANO:

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS TIPOS DE PLANO: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS TIPOS DE PLANO: ANTES DA CONTRATAÇÃO DE SEU PLANO DE SAÚDE CONHEÇA AS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS E TUDO QUE O SEU PLANO PODE OFERECER As regras de reajuste variam de

Leia mais

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - MARÇO DE 2013 -

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - MARÇO DE 2013 - PESQUISA DE ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - - Pesquisa de Aluguéis de Imóveis em Goiânia Índice Apresentação... pág. 02 Objetivo... pág. 02 Metodologia... pág. 02 Contratos reajustados e indicadores econômicos...

Leia mais

Dispõe sobre o agrupamento de contratos coletivos de planos privados de assistência à saúde para fins de cálculo e aplicação de reajuste.

Dispõe sobre o agrupamento de contratos coletivos de planos privados de assistência à saúde para fins de cálculo e aplicação de reajuste. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 309, DE 24 DE OUTUBRO DE 2012 Dispõe sobre o agrupamento de contratos coletivos de planos privados de assistência à saúde para fins de cálculo e aplicação de reajuste. A Diretoria

Leia mais

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - DEZEMBRO DE 2013 -

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - DEZEMBRO DE 2013 - PESQUISA DE ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - - Pesquisa de Aluguéis de Imóveis em Goiânia Índice Apresentação... pág. 02 Objetivo... pág. 02 Metodologia... pág. 02 Contratos reajustados e indicadores econômicos...

Leia mais

Regulamento da Campanha

Regulamento da Campanha Campanha NOSSO Plano de Saúde A gente cuida do que é NOSSO! ATUALIZAÇÃO EM 15.09.2014 PARA INCLUSÃO DE REGRAS DE ENTREGA DE BRINDE PARA TITULARES QUE INDICAREM NOVAS ADESÕES E ESTAS SE EFETIVAREM (ITEM

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:10:46 Número do protocolo: 005262 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PME ALTO TIETÊ - PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PME ALTO TIETÊ - PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS JAN/10 TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PME ALTO TIETÊ - PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS O presente aditamento é parte integrante do Contrato de Assistência Médica

Leia mais

Guia Plano de Saúde Agregados

Guia Plano de Saúde Agregados Guia Plano de Saúde Agregados Coberturas O plano de Saúde de Agregados, contratado pela Celos a Unimed Florianópolis, é regulamentado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar e possui segmentação Ambulatorial

Leia mais

Formação de preços e aumentos por mudança de faixa etária

Formação de preços e aumentos por mudança de faixa etária 1 Formação de preços e aumentos por mudança de faixa etária A presente nota tem o objetivo de esclarecer as regras gerais da atual regulamentação para a formação dos preços e dos aumentos por mudança de

Leia mais

ANEXO I GLOSSÁRIO A SER UTILIZADO PARA PREENCHIMENTO E ENVIO PELA INTERNET DAS INFORMAÇÕES DE QUE TRATA ESTA INSTRUÇÃO NORMATIVA.

ANEXO I GLOSSÁRIO A SER UTILIZADO PARA PREENCHIMENTO E ENVIO PELA INTERNET DAS INFORMAÇÕES DE QUE TRATA ESTA INSTRUÇÃO NORMATIVA. ANEXO I GLOSSÁRIO A SER UTILIZADO PARA PREENCHIMENTO E ENVIO PELA INTERNET DAS INFORMAÇÕES DE QUE TRATA ESTA INSTRUÇÃO NORMATIVA. 1. Nome do Plano Para os planos contratados após 1º de janeiro de 1999

Leia mais

Descrição Jan a Jun. 2013 Jan a Jun. 2014 Variação R$ Variação % Receitas Custos Assistenciais Resultado Operacional

Descrição Jan a Jun. 2013 Jan a Jun. 2014 Variação R$ Variação % Receitas Custos Assistenciais Resultado Operacional Comparativamente com o mesmo período de 2013, o percentual de crescimento dos custos assistenciais (atendimentos a beneficiários locais - 158) foi de 20,06%, enquanto que as receitas oriundas de mensalidades

Leia mais

VOCÊ JÁ CONHECE O PLANO DE SAÚDE DA UNIMED COM O SINTRAM?

VOCÊ JÁ CONHECE O PLANO DE SAÚDE DA UNIMED COM O SINTRAM? PLANO 6531 VOCÊ JÁ CONHECE O PLANO DE SAÚDE DA UNIMED COM O SINTRAM? É com satisfação que lhe apresentamos o UNIPAR 100. Um plano de saúde participativo, regulamentado pela Lei 9656/98, que garante ao

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre a adaptação e migração para os contratos celebrados até 1º de janeiro de 1999 e altera as Resoluções Normativas nº 63, de 22 de dezembro

Leia mais

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS MAIO/2007 Blumenau-SC, 18 de maio de 2007. À Rede Credenciada Prezados Credenciados: Como é de conhecimento de todos, dia 31 de maio de 2007 é o prazo que a Agência

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar. Chile, Agosto 2011

Agência Nacional de Saúde Suplementar. Chile, Agosto 2011 Agência Nacional de Saúde Suplementar Chile, Agosto 2011 Dados do Setor Planos de Saúde Planos de Saúde Médico Hospitalares Exclusivamente Odontológicos Consumidores Número de Operadoras Faturamento em

Leia mais

Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS

Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2014 ERRATA Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS. Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar

Leia mais

Padrão TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2013

Padrão TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2013 Padrão TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2013 SUMÁRIO Questão 1 - Valor dos eventos de atenção à saúde, por grupo e origem... 4 Questão 2 Quantitativo e valor dos eventos de atenção à saúde por prestador...

Leia mais

Check list portal da Operadora Atualização: Validade:

Check list portal da Operadora Atualização: Validade: Capítulo 01 RN 16 Estabelece medidas normativas a serem adotadas pelas Operadoras de planos privados de assitistência à saúde, relativas aos materiais publicitários de caráter institucional. RN 16 1.1

Leia mais

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Ministério da Saúde ANS Resolução Normativa RN Nº. 279, de 24.11.2011: Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU Nº. 20 e

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO AMIL

MANUAL DE UTILIZAÇÃO AMIL MANUAL DE UTILIZAÇÃO AMIL Preocupada com a qualidade do benefício mais nobre que uma empresa pode oferecer aos seus funcionários, a CULTURA INGLESA renovou com a AMIL a parceria que dura mais de 17 anos.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No-48, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA No-48, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA No-48, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015 Dispõe sobre o acompanhamento e avaliação da garantia de atendimento dos beneficiários pelas operadoras de planos de assistência à saúde, regulamenta

Leia mais

Segundo o disposto na lei dos planos de saúde, o direito de permanência no contrato coletivo requer a presença de três requisitos:

Segundo o disposto na lei dos planos de saúde, o direito de permanência no contrato coletivo requer a presença de três requisitos: Blumenau, 01 de Junho de 2.012 Às Empresas Contratantes Ref.: Novas Regras para demitidos e aposentados Prezados Senhores A Lei dos Planos de Saúde (Lei n 9.656/98) confere direito de permanência nos contratos

Leia mais

Regulamentação do Contrato. Coberturas Contratuais

Regulamentação do Contrato. Coberturas Contratuais Regulamentação do Contrato Coberturas Contratuais Regulamentação do Contrato Planos Não Regulamentados: Planos antigos que foram contratados antes de 1999, com direitos contratuais restritos em relação

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU nºs 20 e 21, de 7 de

Leia mais

Regulação 15 anos depois O papel da ANS: fiscalizar ou contribuir na produção da saúde? O que mudou e o que poderia ter mudado?

Regulação 15 anos depois O papel da ANS: fiscalizar ou contribuir na produção da saúde? O que mudou e o que poderia ter mudado? Regulação 15 anos depois O papel da ANS: fiscalizar ou contribuir na produção da saúde? O que mudou e o que poderia ter mudado? Mauricio Ceschin Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora

Leia mais