DEFINIÇÃO DE CAPACIDADE DE PRODUÇÃO PELO CONCEITO DE TEMPO-TAKT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEFINIÇÃO DE CAPACIDADE DE PRODUÇÃO PELO CONCEITO DE TEMPO-TAKT"

Transcrição

1 DEFINIÇÃO DE CAPACIDADE DE PRODUÇÃO PELO CONCEITO DE TEMPO-TAKT Jessica Syrio Callefi Universidade Estadual de Maringá Daiane Maria De Genaro Chiroli Universidade Estadual de Maringá Resumo Uma empresa que não conhece os seus processos e suas capacidades de produção não tem condições de oferecer ao seu cliente final um produto de qualidade com baixo custo, muito menos ter maior lucratividade por meio de melhorias de processo. A partir desta problemática, as empresas devem visar meios de eliminar seus desperdícios e conhecer sua capacidade (operadores, máquina e tempo) de forma a melhorar sua produtividade com maior eficiência desta capacidade. Deste modo, o presente trabalho visa apresentar a metodologia takt-time (takt) e aplicação deste conceito em uma indústria no setor metal-mecânico. O propósito do tempo takt é combinar precisamente a produção (definição de capacidade) com a demanda. Ele fornece as informações do ritmo de um sistema de produção enxuta. Palavras-Chave: Capacidade; Tempo-Takt; Cronoanálise. 1. Introdução A competitividade e a busca por melhorias nas empresas são fatores cruciais para sobrevivência destas. Assim, o presente trabalho se justifica pela necessidade da empresa em estudo se autoconhecer e estabelecer indicadores confiáveis de forma a definir parâmetros de melhorias internas e externas à organização como meio de vencer a concorrência. Desta forma, é importante definir qual será a capacidade efetiva que a empresa conseguirá trabalhar, absorvendo na linha do tempo todos os desperdícios, que não

2 agregam valor no processo. O modelo Toyota de produção define - produtos defeituosos, excesso de produção, estoque, excesso de movimento, processamento, transporte e espera, como os sete desperdícios que devem ser eliminados. A produção máxima que um processo ou empresa pode manter economicamente sob condições normais é sua capacidade efetiva [ ] o Census Bureau define a capacidade como o maior nível de produção que uma empresa pode manter razoavelmente empregando horários de trabalho realistas dos funcionários e o equipamento atualmente instalado (RITZIMAN; KROFEWSKI, 2005, p.143). Para definir a capacidade efetiva de um processo, se faz necessário conhecer o tempo de ciclo, o qual é definido por Tubino (2004) como o ritmo de um sistema produtivo para a obtenção de certa quantidade de produtos em um determinado período. Sendo assim, o tempo ciclo é quem determinará a quantidade de trabalho a ser distribuída para determinado produto. Segundo Alvarez e Antunes (2001), a duração de um ciclo é definida pelo período entre a repetição de uma mesma operação de início ou fim do processo. E este tempo ciclo é definido considerando o tempo unitário de processamento de cada máquina ou posto de trabalho, e pelo número de trabalhadores deste posto. O takt-time é definido a partir da demanda do mercado e do tempo disponível para produção; é o ritmo de produção necessário para atender a demanda. Matematicamente, resulta da razão entre o tempo disponível para a produção e o número de unidades a serem produzidas (ALVAREZ; ANTUNES; 2001,p.7). Diante do exposto, objetiva-se neste trabalho apresentar a metodologia takt-time e aplicação deste conceito em uma indústria no setor metal-mecânico, situada na cidade de Maringá no estado do Paraná. 2. Materiais e Métodos No cenário atual, de crescimento da empresa, existe a necessidade da revisão de conceitos relacionados ao método de produção, visando obter processos que atendam as características especificadas no projeto do produto e à demanda resultante das necessidades dos clientes. A pesquisa apresenta uma abordagem qualitativa. Devido à necessidade de mudança, é necessária uma pesquisa do tema em questão, assim como uma

3 pesquisa-ação no processo da empresa. A pesquisa é considerada aplicada, pois visa propor melhorias a serem implementadas, sendo assim uma aplicação prática. De forma a alcançar os objetivos propostos os seguintes passos foram seguidos: Tomada de tempos - cronoanálise: Para a tomada de tempos pela cronoanálise foi utilizada uma folha contendo campos para definição de processo, observador, data, elementos da operação, tempo tarefa, tempo para um ciclo e observações. Fluxo de processo: Descrevia-se o fluxo do processo, já padronizado anteriormente por instruções de trabalho elaboradas pela engenharia de o que possibilitou a tomada de tempo com os desperdícios já reduzidos. Após elencar os processos, foram tomados os tempos, considerando o ponto de abrir porta da máquina como tempo inicial do ciclo. Também foram tomados os tempos ciclo de cada máquina no processo, e determinado qual o tempo ciclo, considerando-se o maior entre o ciclo automático e o ciclo do operador. Por fim, os dados foram transferidos para uma planilha que determina a capacidade da célula produtiva. Esta planilha contém dados sobre os processos que cada peça passa, possibilitando uma futura análise sobre como diminuir os desperdícios existentes. Também contém informações sobre o tempo ciclo da máquina, o tempo ciclo do operador, a capacidade/h a 100% e a capacidade por dia a 85% de eficiência. Para a determinação da capacidade efetiva foi utilizado o parâmetro de 85% de eficiência. E os outros 15% são para amortecer questões de setup, necessidade dos operadores, limpeza, medições, diálogos, preenchimento de diário de bordo, entre outros. 3. Resultados e Discussões A empresa pertence ao setor metal mecânico, se caracteriza por médio porte, possui aproximadamente 150 funcionários e está instalada em uma área de 20000m². A fim de alcançar o objetivo proposto, por meio de todos os dados e conhecimentos foi definida a capacidade de uma célula do setor de usinagem de peças da empresa. Esta célula contém um torno CNC, quatro furadeiras, e apenas um operador que é

4 responsável por todo procedimento para que a peça bruta saia pronta deste setor para ser montada. Quatro tipos diferentes de peças passam por estes mesmos processos, que são: furos, torneamento, brunimento, e medição. Para cada peça distinta varia-se o tempo ciclo do operador e o tempo ciclo de máquina. Como resultados da aplicação desta metodologia, tem-se a confecção de um quadro com as informações para tomada de decisões na linha atualizadas, de fácil acesso para o setor de planejamento e controle da produção e do operador no posto de trabalho, como o exemplificado no Quadro 1, evidenciando o tempo ciclo da máquina, o tempo ciclo do operador, a capacidade/h a 100% e a capacidade por dia a 85% de eficiência no posto de trabalho. Célula 1 Produto TCM TCO Capacidade/h (100%) Capacidade/dia (85%) Biela 1... Quadro 1: Exemplo de quadro de capacidade produtiva para célula 1 Por meio deste quadro (Quadro1), permitiu-se o fácil acesso a informações que auxiliam na tomada de decisões rápidas pelos gestores industrial, de planejamento e controle da produção, e até mesmo pelo operador. Por questão de sigilo empresarial, será apresentado apenas um exemplo de como o cálculo foi realizado, com dados fictícios. Para a determinação do takt, são necessárias as informações de necessidade de produção: 300 compressores; quantidade de componentes: 3 bielas por compressores; quantidade total necessária: 900 bielas; Menor tempo de ciclo do operador: 160 segundos; maior tempo de ciclo da máquina somado ao tempo de carga e descarga da máquina: 140 segundos. Como o maior tempo é o ciclo do operador, este valor foi considerado para determinação do takt, caso o tempo ciclo da máquina fosse maior, este valor deveria ser considerado. Na Equação 1 se apresenta o cálculo do takt. Equação 1: Cálculo do takt.

5 Portanto, a cada 5,6 segundos uma biela deve estar pronta neste setor para que se possa atender a demanda. A fim de determinar a capacidade a 100% de eficiência por hora, utiliza-se a Equação 2, conforme segue: Equação 2: Cálculo da capacidade a 100% de eficiência por hora A Equação 3 representa a forma de se determinar a capacidade a 85% de eficiência por dia: Equação 3: Cálculo da capacidade a 85% de eficiência por dia Onde 7,33 representa a quantidade de horas trabalhadas no dia. 4. Considerações finais Uma melhor definição das capacidades desta célula permitiu ao setor de programação e controle da produção parâmetros atuais para a determinação de programação de peças a serem usinadas no dia. Este item é de primordial importância, já que a falta de uma peça específica na montagem final implica em parar a linha de produção. A maior dificuldade deste trabalho foi a tomada de tempos das peças com pouca demanda, demorando a passar na linha produtiva, ou passando em pequenas quantidades, impossibilitando assim, a tomada de tempos em valores considerados confiáveis. Referências RITZMAN, L. P.; KROFEWSKI, L. J.. Administração da produção e operações. 1 a Edição. São Paulo: Editora Pearson Prentice Hall, TUBINO, D. F.. Sistema de produção: a produtividade no chão de fábrica. 1ª Edição. Porto Alegre: Editora Bookman, ALVARES, R. R.; ANTUNES, J. A.. Takt-time: Conceitos e contextualização dentro do sistema Toyota de produção. Revista Gestão e Produção. Edição 8, N 1, p. 1-18, 2001.

Prof. Silene Seibel, Dra.

Prof. Silene Seibel, Dra. Prof. Silene Seibel, Dra. silene@silene.com.br Início da produção em massa; Procurou identificar a melhor forma de fazer o trabalho baseado em princípios científicos. Inicio da engenharia industrial; Inovações

Leia mais

Dinâmica do Trabalho Padronizado Professora Silene Seibel, Dra.

Dinâmica do Trabalho Padronizado Professora Silene Seibel, Dra. Dinâmica do Trabalho Padronizado Professora Silene Seibel, Dra. Unidades de Trabalho Elemento de trabalho: é a menor ação de trabalho executada por uma pessoa que pode ser transferida para outra pessoa.

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING E DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO PARA MELHORIAS NO PROCESSO DE PRODUÇÃO

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING E DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO PARA MELHORIAS NO PROCESSO DE PRODUÇÃO APLICAÇÃO DE CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING E DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO PARA MELHORIAS NO PROCESSO DE PRODUÇÃO Dalila Regina Fernandes 1, Sérgio Augusto Rodrigues 2 1 Discente do curso de Produção Industrial

Leia mais

a) O aumento da complexidade e a rápida obsolescência dos produtos. b) Aprendizado mais rápido para eliminar falhas do processo.

a) O aumento da complexidade e a rápida obsolescência dos produtos. b) Aprendizado mais rápido para eliminar falhas do processo. 14 1. Introdução 1.1. Contexto Histórico O Sistema de Produção Just-in-Time (JIT) teve seu início no Japão no início da década de 70 e tinha como principais objetivos, além da redução de todo tipo de estoques:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO VISÃO SISTÊMICA DO SETOR PRODUTIVO ATRAVÉS DE INDICADORES DE DESEMPENHO. Área de concentração:

Leia mais

Reparação de Veículos

Reparação de Veículos data 2017-02-01 Gestores das Indústrias de Panificação Realizar capacitação empresarial nas panificadoras de Maringá e Região, a fim de fortalecer o segmento e adequá-lo às exigências do mercado em atendimento,

Leia mais

Salve, Franceschi e Canella Ltda

Salve, Franceschi e Canella Ltda Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Mecânica Coordenadoria de Estágio do Curso de Engenharia Mecânica CEP 88040-970 - Florianópolis - SC - BRASIL www.emc.ufsc.br/estagiomecanica

Leia mais

Aumento da Competitividade e

Aumento da Competitividade e data 2017-02-01 Aumento da Competitividade na Indústria Metal Mecânica na Região Metropolitana de Goiânia. Promover o aumento de produtividade com intervenções de baixo custo e foco na redução dos oito

Leia mais

Gráfico de Balanceamento de Operadores

Gráfico de Balanceamento de Operadores Gráfico de Balanceamento de Operadores } Tempo Padrão Também chamado de Conteúdo de Trabalho ou Carga de Trabalho, é a soma somente dos tempos que agregam valor ao cliente na produção de um componente

Leia mais

ROTEIRO DA AULA: junho de 17. Engenharia de Produção UNIVASF Disciplina: Engenharia de Métodos. Elaborado por: Profª Ana Castro 1

ROTEIRO DA AULA: junho de 17. Engenharia de Produção UNIVASF Disciplina: Engenharia de Métodos. Elaborado por: Profª Ana Castro 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROEN DEPARTAMENTO DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO DRCA COLEGIADO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Professora:

Leia mais

MANUFATURA ENXUTA NA CONFECÇÃO DE MOLDES E FERRAMENTAS

MANUFATURA ENXUTA NA CONFECÇÃO DE MOLDES E FERRAMENTAS MANUFATURA ENXUTA NA CONFECÇÃO DE MOLDES E FERRAMENTAS AGENDA Apresentação da Empresa 2BLean Tempo de desenvolvimento de um Molde de Injeção O que é Lean Aplicações Desperdícios SMED para reduzir o tempo

Leia mais

Metalmecânico. Ter 75% das empresas

Metalmecânico. Ter 75% das empresas data 2017-02-01 Aumento da Competitividade na Indústria Metal Mecânica na Região Metropolitana de Goiânia. Promover o aumento de produtividade com intervenções de baixo custo e foco na redução dos oito

Leia mais

PROCESSOS DE USINAGEM DE MADEIRA: COMPARAÇÃO ENTRE PROCESSOS

PROCESSOS DE USINAGEM DE MADEIRA: COMPARAÇÃO ENTRE PROCESSOS PROCESSOS DE USINAGEM DE MADEIRA: COMPARAÇÃO ENTRE PROCESSOS Jean Pierre Ludwig 1 RafaelBazzeiPaloschi 2 José de Souza 3 1 e 2 Acadêmicos do Curso de Engenharia de Produção na Fundação Educacional Encosta

Leia mais

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Recursos e PRP (Processo de Realização do Produto) Prof. Marcos César Bottaro Os Recursos RECURSOS: é tudo que gera ou tem a capacidade de gerar riqueza

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE AS PERDAS ERGONÔMICAS E AS SETE PERDAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO EM UMA USINA DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL

AS RELAÇÕES ENTRE AS PERDAS ERGONÔMICAS E AS SETE PERDAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO EM UMA USINA DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL AS RELAÇÕES ENTRE AS PERDAS ERGONÔMICAS E AS SETE PERDAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO EM UMA USINA DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL Suellen Szeremeta 1 ; Dra. Ana Regina de Aguiar Dutra (orientadora) 2. INTRODUÇÃO

Leia mais

A total automação implica que o sistema é capaz de detectar qualquer anormalidade, decidir sobre a forma de correção e aplicá-la

A total automação implica que o sistema é capaz de detectar qualquer anormalidade, decidir sobre a forma de correção e aplicá-la Autonomação (Jidoka) Definição: Jidoka significa, simplificadamente, que a máquina é dotada de inteligência humana. A autonomação faculta ao operador ou à máquina a autonomia de parar o processamento sempre

Leia mais

Prof. Linduarte Vieira da Silva Filho

Prof. Linduarte Vieira da Silva Filho Unidade II SISTEMA DE QUALIDADE Prof. Linduarte Vieira da Silva Filho Sistemas e Ferramentas de Gestão da Qualidade Estudaremos neste módulo técnicas e metodologias trabalhadas na área da administração

Leia mais

Clovis Alvarenga-Netto

Clovis Alvarenga-Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Materiais e processos de produção IV Maio/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 10 Planejamento, programação e controle da produção e estoques

Leia mais

Prof. Adm. Esp. Rodrigo Leão Brasileiro

Prof. Adm. Esp. Rodrigo Leão Brasileiro Prof. Adm. Esp. Rodrigo Leão Brasileiro Abordagem básica da Adm. Científica: Ênfase nas tarefas; Iniciada por Taylor, que teve como seguidores Gantt, Gilbreth, Ford Tentativa de aplicação dos métodos da

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas Administração das Operações Produtivas MÓDULO 14: A VISÃO DA QUALIDADE, DOS SISTEMAS E DOS MELHORAMENTOS Mesmo tendo sido acabado todo o projeto do produto e do processo, resta a atividade contínua do

Leia mais

O aumento da produtividade com o uso do Value Stream Mapping

O aumento da produtividade com o uso do Value Stream Mapping O aumento da produtividade com o uso do Value Stream Mapping Por Rodrigo Valillo Pensar Lean pode significar um aumento da capacidade produtiva, fazendo com que a necessidade de se investir em novos equipamentos

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 14º e 15º Encontro 09 e 13/04/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - ESTUDO DE TEMPOS E MÉTODOS (Introdução)

Leia mais

Arranjo Físico (Layout) Arranjo Físico 1

Arranjo Físico (Layout) Arranjo Físico 1 Arranjo Físico (Layout) Arranjo Físico 1 Projeto do Arranjo Físico (Layout) Projetar um arranjo físico é decidir onde colocar todas as instalações, máquinas, equipamentos e pessoal de produção. O arranjo

Leia mais

ANÁLISE DOS IMPACTOS DA TROCA RÁPIDA DE FERRAMENTAS EM PEQUENOS LOTES DE FABRICAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DOS IMPACTOS DA TROCA RÁPIDA DE FERRAMENTAS EM PEQUENOS LOTES DE FABRICAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO ANÁLISE DOS IMPACTOS DA TROCA RÁPIDA DE FERRAMENTAS EM PEQUENOS LOTES DE FABRICAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO Maicon Bittencourt de Oliveira (ICPG) maicon1@terra.com.br A alta competitividade do atual mercado

Leia mais

Pesquisa Operacional aplicada ao Planejamento e Controle da Produção e de Materiais Programação Linear

Pesquisa Operacional aplicada ao Planejamento e Controle da Produção e de Materiais Programação Linear Pesquisa Operacional aplicada ao Planejamento e Controle da Produção e de Materiais Programação Linear Introdução à Pesquisa Operacional Origens militares Segunda guerra mundial Aplicada na alocação de

Leia mais

ANÁLISE DE UM AMBIENTE DE MANUFATURA AVANÇADA EM UMA FÁBRICA DE MÓVEIS

ANÁLISE DE UM AMBIENTE DE MANUFATURA AVANÇADA EM UMA FÁBRICA DE MÓVEIS ANÁLISE DE UM AMBIENTE DE MANUFATURA AVANÇADA EM UMA FÁBRICA DE MÓVEIS William Ramos 1, Fernanda Cristina Pierre 2 1 Graduando do Curso de Tecnologia de Produção Industrial da FATEC - Botucatu, 1 williamramos_94@hotmail.com

Leia mais

Gestão de Produção Aula2: (cont.) Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção. Prof. Valdir Tavares de Lucena

Gestão de Produção Aula2: (cont.) Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção. Prof. Valdir Tavares de Lucena Gestão de Produção Aula2: (cont.) Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção Prof. Valdir Tavares de Lucena PRATICA 1 : Simulação de uma linha de montagem em sala, vivenciando: Produção empurrada

Leia mais

PRODUTIVIDADE E GESTÃO NA INDÚSTRIA BRASILEIRA

PRODUTIVIDADE E GESTÃO NA INDÚSTRIA BRASILEIRA PRODUTIVIDADE E GESTÃO NA INDÚSTRIA BRASILEIRA SEMINÁRIO PRODUTIVIDADE BRASIL OBSERVATÓRIO DA INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE/USP Renato da Fonseca Gerente Executivo de Pesquisa e Competitividade São Paulo,

Leia mais

ABCEM Estruturas Metálicas

ABCEM Estruturas Metálicas Selo de Excelência - avaliação criada pela ABCEM ABNT Único OC a realizar essa certificação Gestão empresarial de execução de estruturas metálicas. Especificidades técnicas Empresas que já obtiveram o

Leia mais

Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos

Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos Disciplina: Engenharia de métodos Prof. Manuel Jarufe Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos Capas Sumário 1. Introdução / definição

Leia mais

Eficiência e Eficácia

Eficiência e Eficácia Eficiência e Eficácia Desempenho das Organizações A eficiência é determinante da eficácia: caso haja recursos disponíveis, e estes forem utilizados corretamente, a probabilidade de atingir os objetivos

Leia mais

Proposições para Capacitação nas Máquinas para Madeira e Marcenaria

Proposições para Capacitação nas Máquinas para Madeira e Marcenaria Proposições para Capacitação nas Máquinas para Madeira e Marcenaria Departamentos Regionais Paraná São Paulo Santa Catarina Rio Grande do Sul Missão Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação

Leia mais

Just in Time e Kanban. Prof.ª Rosana Abbud

Just in Time e Kanban. Prof.ª Rosana Abbud Just in Time e anban Prof.ª Rosana Abbud Just in Time Just in Time SURGIMENTO Japão Década de 70 Toyota Motor CONCEITO Administração Qualidade Organização Cada processo deve ser abastecido com os itens

Leia mais

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Engenharia Mecânica PROGRAMA. Número de Créditos: TEÓRICOS: 04; PRÁTICOS: 0 ; TOTAL: 4

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Engenharia Mecânica PROGRAMA. Número de Créditos: TEÓRICOS: 04; PRÁTICOS: 0 ; TOTAL: 4 PROGRAMA Disciplina: INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Código: MECN0030 Carga Horária Semestral: 0 Horas Obrigatória: Eletiva : sim Número de Créditos: TEÓRICOS: 04; PRÁTICOS: 0 ; TOTAL: 4 Pré-Requisito:

Leia mais

Usinagem I Parte 3 Aula 23 Condições Econômicas de Corte. Prof. Anna Carla - MECÂNICA - UFRJ

Usinagem I Parte 3 Aula 23 Condições Econômicas de Corte. Prof. Anna Carla - MECÂNICA - UFRJ Usinagem I 2016.1 Parte 3 Aula 23 Condições Econômicas de Corte SELEÇÃO DE PARÂMETROS DE USINAGEM COMO FAZER? ü Avanço ü Profundidade de Corte ü Velocidade de Corte ü Fluido de Corte? Como aplicado? Delineamento

Leia mais

CAMINHOS DA INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA GAÚCHA PRONEX PROGRAMA DE APOIO A NÚCLEOS DE EXCELÊNCIA

CAMINHOS DA INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA GAÚCHA PRONEX PROGRAMA DE APOIO A NÚCLEOS DE EXCELÊNCIA Dado que as atividades de inovação podem estar tanto reunidas como espalhadas pelas mais diversas áreas da empresa, concentramos nossa atenção em quatro áreas: (1) Desenvolvimento, (2) Operações, (3) Administração,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS ENGENHARIA MECÂNICA Marcos Rodrigues Natassia B. Pereira Planejamento da São Luís 2016 PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO Conceitos de planejamento

Leia mais

Escopo da Intercontinental. Campo de atuação Engenharia de processos

Escopo da Intercontinental. Campo de atuação Engenharia de processos Escopo da Intercontinental É analisar o método aplicado no cenário operacional do cliente e realizar a padronização, desenvolvendo melhorias diante da aplicação da metodologia do micromovimento para determinação

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Processos de Usinagem Código da Disciplina: NDC 177 Curso: Engenharia Mecânica e Produção Semestre de oferta da disciplina: 8º Faculdade responsável: NDC Programa em

Leia mais

GESTÃO EM SAÚDE. Teorias da Administração. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

GESTÃO EM SAÚDE. Teorias da Administração. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 1 GESTÃO EM SAÚDE Teorias da Administração - 2 DEFINIÇÕES GESTÃO - engloba pessoas, processos e planejamento. ADMINISTRAÇÃO - finanças, contabilidade e mercado. 3 DEFINIÇÕES O conceito de administração

Leia mais

CALENDÁRIO ESCOLAR PREVISTO... 3 INSTRUÇÕES... 4

CALENDÁRIO ESCOLAR PREVISTO... 3 INSTRUÇÕES... 4 Sumário CALENDÁRIO ESCOLAR PREVISTO... 3 INSTRUÇÕES... 4 Programador de Manufatura Assistida por Computador (CAM)... 5 SolidWorks... 6 Inventor... 7 Torneiro Mecânico... 8 Operações em Torneiro Mecânico...

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO I AULA 16 E 17 UFPR. Prof.ª Nicolle Sotsek Ramos

SISTEMAS DE PRODUÇÃO I AULA 16 E 17 UFPR. Prof.ª Nicolle Sotsek Ramos SISTEMAS DE PRODUÇÃO I AULA 16 E 17 UFPR Prof.ª Nicolle Sotsek Ramos BREVE RESUMO Layout Determinação dos espaços Ferramentas: SLS (planejamento sistemático do layout) -Diagrama de relacionamentos LAYOUT

Leia mais

Sistema de Produção Lean Cap 4 Ferramentas Lean

Sistema de Produção Lean Cap 4 Ferramentas Lean UDESC/DEPS Sistema de Produção Lean Cap 4 Ferramentas Lean Prof. Silene Seibel, Dra. silene@silene.com.br UDESC/DEPS Cap 4 Fluxo Con9nuo Prof. Silene Seibel, Dra. silene@silene.com.br 2 Conteúdo do Capitulo

Leia mais

Organização da Produção

Organização da Produção Organização da Produção ESTUDO DE TEMPOS E MÉTODOS Jorge Muniz 2011 Estudo de Tempos e Métodos Definição É o estudo sistemático dos sistemas de trabalho Objetivos Desenvolver um sistema e método que se

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho. OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES. Prof. Me. Livaldo dos Santos

Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES. Prof. Me. Livaldo dos Santos Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS Prof. Me. Livaldo dos Santos Administração de operações produtivas, seus objetivos e estratégia Objetivos da unidade: Entender a função produção nas diversas organizações.

Leia mais

ÓTICA, ONDAS E ELETROMAGNETISMO CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

ÓTICA, ONDAS E ELETROMAGNETISMO CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS ÓTICA, ONDAS E ELETROMAGNETISMO CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS ESTATISTICA E PROBABILIDADE CALCULO DE DUAS VARIAVEIS CONTEÚDO ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 Arquitetura - Campus Mossoró) 3ª série

Leia mais

DESENHO AUXILIADO POR COMPUTADOR ( AULA 01)

DESENHO AUXILIADO POR COMPUTADOR ( AULA 01) 1 - INTRODUÇÃO DESENHO AUXILIADO POR COMPUTADOR ( AULA 01) Desenho Auxiliado por Computador - Aula -1 Colégio e Cursos P&C Página 1 A U A UL LA CAD: conceitos básicos Um problema Uma empresa de acessórios

Leia mais

SMART ASSET CONTROL SOLUTION OTIMIZANDO A UTILIZAÇÃO DE ATIVOS MÓVEIS PARA MELHORES RESULTADOS

SMART ASSET CONTROL SOLUTION OTIMIZANDO A UTILIZAÇÃO DE ATIVOS MÓVEIS PARA MELHORES RESULTADOS BROCHURE VENTURES SMART ASSET CONTROL SOLUTION OTIMIZANDO A UTILIZAÇÃO DE ATIVOS MÓVEIS PARA MELHORES RESULTADOS O DESAFIO DO CONTROLE DE EQUIPAMENTOS MÓVEIS Com o desafio econômico atual e a alta concorrência,

Leia mais

LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES

LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES Exercícios de Consolidação - formulação - Prof. Eduardo G. M. Jardim,

Leia mais

CÁLCULO DO ÍNDICE DE OEE - OVERALL EQUIPMENT EFFETIVENESS EM UM CENTRO DE CUSTO DE UMA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS AGRÍCOLAS

CÁLCULO DO ÍNDICE DE OEE - OVERALL EQUIPMENT EFFETIVENESS EM UM CENTRO DE CUSTO DE UMA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS AGRÍCOLAS 197 CÁLCULO DO ÍNDICE DE OEE - OVERALL EQUIPMENT EFFETIVENESS EM UM CENTRO DE CUSTO DE UMA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS AGRÍCOLAS CALCULATION OF THE OEE INDEX - OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVENESS IN A COST CENTER

Leia mais

Samuel Bloch da Silva, M.S.c. Pesquisador CCM Doutorando Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA

Samuel Bloch da Silva, M.S.c. Pesquisador CCM Doutorando Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA 1 Samuel Bloch da Silva, M.S.c. Pesquisador CCM Doutorando Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA RFID como ferramenta do Lean Manufacturing RFID como ferramenta do Lean Manufacturing 1 - sobre o CCM-ITA

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 PROJETO DE CONSULTORIA EMPRESARIAL CendyVenancio de Resende¹; Fabiana Roberta Santos²; Isabelle Bisinoto Alves da Silva³, Roberto Saito 4 ; Yago Vieira Castanheira 5 ; Wagner Cardoso 6 ; 1,2,3,4,5,6 Universidade

Leia mais

Para se planejar o processo de fabricação da peça é necessário conhecer em detalhes as suas características, como:

Para se planejar o processo de fabricação da peça é necessário conhecer em detalhes as suas características, como: Usinagem de peças a partir de blanks em tornos automáticos CNC Este artigo tem por objetivo apresentar as maneiras de se produzir peças torneadas em série e de forma automática através da utilização de

Leia mais

OEE OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVENESS

OEE OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVENESS OEE OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVENESS ENIND OEE - EFICIENCIA OPERACIONAL DOS EQUIPAMENTOS WWW.VALUESTREAM.PT 1 OEE EFICIÊNCIA OPERACIONAL (T) Tempo disponível total (A) Tempo de abertura (tempo planeado

Leia mais

MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR. FEG UNESP Bruno Franco 2010

MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR. FEG UNESP Bruno Franco 2010 MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR FEG UNESP Bruno Franco 2010 Mapeamento do Fluxo de Valor Video Organização da Produção - FEG/UNESP - 2010 2 Mapeamento do Fluxo de Valor Mapear o fluxo de valor significa andar

Leia mais

Sistema NEWPROD. Competitividade Adaptabilidade Escalabilidade Aderência

Sistema NEWPROD. Competitividade Adaptabilidade Escalabilidade Aderência Sistema NEWPROD Competitividade Adaptabilidade Escalabilidade Aderência Competitividade Nós temos que ser melhores que as outras Empresas Este é o conceito para os próximos anos Medir NEWPROD Somente pode

Leia mais

Qualquer anormalidade detectada no processamento pode ser classificada

Qualquer anormalidade detectada no processamento pode ser classificada O Movimento ZD no Japão Começou com a disseminação massiva de métodos de CEQ (Deming e Juran) em todos os níveis hierárquicos - baseado em amostragens - pressupõe nível aceitável de defeitos A Detecção

Leia mais

TÍTULO: AUTOMAÇÃO DE MÁQUINA DE PRÉ-FORMAGEM DE LAGRES FLEXIVEIS DE PVC PARA BOTIJÃO DE GÁS 13KG

TÍTULO: AUTOMAÇÃO DE MÁQUINA DE PRÉ-FORMAGEM DE LAGRES FLEXIVEIS DE PVC PARA BOTIJÃO DE GÁS 13KG 16 TÍTULO: AUTOMAÇÃO DE MÁQUINA DE PRÉ-FORMAGEM DE LAGRES FLEXIVEIS DE PVC PARA BOTIJÃO DE GÁS 13KG CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC

Leia mais

Senai Valinhos tem vagas disponíveis para cursos profissionalizantes oferecidos a partir de janeiro

Senai Valinhos tem vagas disponíveis para cursos profissionalizantes oferecidos a partir de janeiro Senai Valinhos tem vagas disponíveis para cursos profissionalizantes oferecidos a partir de janeiro A Escola Senai de Valinhos tem vagas disponíveis em vinte e um cursos de Formação Inicial e Continuada

Leia mais

Os ganhos com a implantação do SMED

Os ganhos com a implantação do SMED Os ganhos com a implantação do SMED A metodologia mostra que é possível alcançar bons resultados sem investimentos caros e vem se tornando uma decisão viável em muitas fábricas de embalagens de papelão

Leia mais

Romi Day /08/2014

Romi Day /08/2014 Romi Day 2014 12/08/2014 CONTEXTO MACROECONÔMICO 21,3 13,6 10,4 4,7 5,2 5,2 2,7 2,5 1,9-0,3 7,5 1,0 0,8 4,1-5,6 1,6 1,7-0,8-2,1-6,7-4,0 2008 2009 2010 2011 2012 2013 1T14 Fonte: IBGE (comparação com mesmo

Leia mais

Manutenção Produtiva Total - A Bíblia do TPM Plano de Aula - 36 Aulas (Aulas de 1 Hora).

Manutenção Produtiva Total - A Bíblia do TPM Plano de Aula - 36 Aulas (Aulas de 1 Hora). 5453 - Manutenção Produtiva Total - A Bíblia do TPM Plano de Aula - 36 Aulas (Aulas de 1 Hora). Aula 1 Capítulo 1 - Fundamentos do TPM 1. Origem...26 2. Conceitos...28 3. Etapas de Implantação... 31 4.

Leia mais

Carlos Lineu de Faria e Alves. Eng. Mec. (ITA/77) M. Eng, (ITA/79) Dr. (ITA/83) (12)

Carlos Lineu de Faria e Alves. Eng. Mec. (ITA/77) M. Eng, (ITA/79) Dr. (ITA/83) (12) OS DESAFIOS DAS EMPRESAS Ampliar o mercado de atuação Organizada para o cliente Gerenciada para maximizar valores e resultados Processos, pessoas e tecnologias atualizadas Carlos Lineu de Faria e Alves

Leia mais

10 Ferramentas de Gestão em Excel Essenciais para Negócios

10 Ferramentas de Gestão em Excel Essenciais para Negócios Uma empresa que está começando, ou até algumas mais maduras, sempre possuem dúvidas sobre quais ferramentas de gestão implementar para garantir eficiência no controle e execução de processos. Algumas tentam

Leia mais

PPCP. Sistemas de PCP no Chão de Fábrica. Prof. Nilton Ferruzzi. Prof. Nilton Ferruzzi 1

PPCP. Sistemas de PCP no Chão de Fábrica. Prof. Nilton Ferruzzi. Prof. Nilton Ferruzzi 1 PPCP Sistemas de PCP no Chão de Fábrica Prof. Nilton Ferruzzi Prof. Nilton Ferruzzi 1 Sistemas que podem ser utilizados simultaneamente (ou não) * Just in time * MRP * OPT (Optimized Product Technology)

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para identificação de não-conformidades, assim como a implantação de ação corretiva e ação preventiva, a fim de eliminar as causas das não-conformidades

Leia mais

Métodos Tempos e Movimentos

Métodos Tempos e Movimentos Métodos Tempos e Movimentos O homem é a medida de todas as coisas Protágoras de Abdera (Abdera, 480 a.c. - Sicília, 420 a.c.) Assim como Sócrates, Protágoras foi acusado de ateísmo, tendo seus livros queimados

Leia mais

7/30/2012. Formação. Bases Tecnológicas. Planejamento Programação e Controle da Produção PPCP. Rodrigo Moraes de Siqueira. Formação: Engenheiro

7/30/2012. Formação. Bases Tecnológicas. Planejamento Programação e Controle da Produção PPCP. Rodrigo Moraes de Siqueira. Formação: Engenheiro Planejamento Programação e Controle da Produção PPCP Rodrigo Moraes de Siqueira PPCP-Rodrigo Moraes de Siqueira 1 Formação: Engenheiro Formação Especializações: Sistemas de apoio a manufatura Sistemas

Leia mais

Sistema de Manufatura: Conceitos e Classificação PUC. Prof. Dr. Marcos Georges

Sistema de Manufatura: Conceitos e Classificação PUC. Prof. Dr. Marcos Georges Sistema de Manufatura: Conceitos e Classificação PUC CAMPINAS Manufatura: definições e Modelos Manufatura de bens: como sendo um sistema que integra seus diferentes estágios, necessitando para isso de

Leia mais

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais Formar profissionais com conhecimentos teóricos e práticos, críticos e reflexivos capazes de desenvolver e implementar projetos de

Leia mais

CAP - Curso de Aperfeiçoamento Profissional. Cronometragem e Cronoanálise - Nível Básico

CAP - Curso de Aperfeiçoamento Profissional. Cronometragem e Cronoanálise - Nível Básico Cronometragem e Cronoanálise - Nível Básico Toda empresa deve conhecer sua REAL capacidade de produção para que seja eficiente e produtiva, isso em qualquer tipo de segmento. Não conhecer os limites da

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

Palavras-chave: Ferramentas da Qualidade. Qualidade. Revisão Bibliográfica.

Palavras-chave: Ferramentas da Qualidade. Qualidade. Revisão Bibliográfica. ANÁLISE DE APLICAÇÕES DAS SETES FERRAMENTAS DA QUALIDADE: UMA ABORDAGEM TEÓRICA Raphaelly Antunes Alves¹, Paulo Henrique Paulista² (1) Acadêmico do curso de Engenharia de Produção do Centro Universitário

Leia mais

UN U I N VE V RS R IDA D D A E D FE F DE D RA R L A DO D ESPÍ P RI R TO SAN A T N O

UN U I N VE V RS R IDA D D A E D FE F DE D RA R L A DO D ESPÍ P RI R TO SAN A T N O UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

Administração da Produção e Operações

Administração da Produção e Operações Administração da Produção e Operações 1 Administração da Produção e Operações Professor: Marco Machado 1º Semestre 2011 Aula 04 - Estudo de Tempos, Movimentos e Métodos 4- Estudo de Tempos e Métodos: 1.

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DA DISPONIBILIDADE DE MÁQUINAS E IMPACTOS FINACEIROS DEVIDO A OPERAÇÃO DE PRÉ-AJUSTAGEM DE FERRAMENTAS EM EMPRESAS DE USINAGEM

TÍTULO: ESTUDO DA DISPONIBILIDADE DE MÁQUINAS E IMPACTOS FINACEIROS DEVIDO A OPERAÇÃO DE PRÉ-AJUSTAGEM DE FERRAMENTAS EM EMPRESAS DE USINAGEM 16 TÍTULO: ESTUDO DA DISPONIBILIDADE DE MÁQUINAS E IMPACTOS FINACEIROS DEVIDO A OPERAÇÃO DE PRÉ-AJUSTAGEM DE FERRAMENTAS EM EMPRESAS DE USINAGEM CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA:

Leia mais

CRONOANÁLISE COM FOCO EM MELHOR APROVEITAMENTO DA MÃO DE OBRA NO PÓLO CALÇADISTA DE JÁU.

CRONOANÁLISE COM FOCO EM MELHOR APROVEITAMENTO DA MÃO DE OBRA NO PÓLO CALÇADISTA DE JÁU. CRONOANÁLISE COM FOCO EM MELHOR APROVEITAMENTO DA MÃO DE OBRA NO PÓLO CALÇADISTA DE JÁU. Paulo Sérgio da Silva Barboza 1, Richard Alves Portela 2 1 Estudante na Fatec Jaú, email: paulinho_barboza@live.com

Leia mais

ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS NO PROCESSO DE CONFECÇÃO DE JALECOS

ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS NO PROCESSO DE CONFECÇÃO DE JALECOS ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS NO PROCESSO DE CONFECÇÃO DE JALECOS Ana Carla de Souza Gomes dos Santos (UCAM) anacarla.engenharia@gmail.com Layanne Andrade Mendonca (IFF) layanne.mendonca@iff.edu.br Danielle

Leia mais

Consumer Goods. Cadeia de abastecimento Produção Eficiente (MES)

Consumer Goods. Cadeia de abastecimento Produção Eficiente (MES) Consumer Goods Cadeia de abastecimento Produção Eficiente (MES) Anticipatingcustomers needs in a changingenvironment Consumer Goods Supply Chain - Efficient Manufacturing (MES) Objetivo / Desafio Os fabricantes

Leia mais

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas;

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas; 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento de bens e serviços, visando o fortalecimento de seu poder de compra

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina LOGÍSTICA EMPRESARIAL FAMEBLU Engenharia Civil Aula 5: Revisão Geral Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Estratégia Corporativa Estratégia corporativa é o processo essencial dentro das organizações,

Leia mais

MELHORIA EM PROCESSO DE FUNDIÇÃO: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DE PEÇAS PARA MOTOCICLETAS DO PIM

MELHORIA EM PROCESSO DE FUNDIÇÃO: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DE PEÇAS PARA MOTOCICLETAS DO PIM MELHORIA EM PROCESSO DE FUNDIÇÃO: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DE PEÇAS PARA MOTOCICLETAS DO PIM Marcel Mendes de Souza (UEA) marceumms@hotmail.com ingrid maryana almeida da rocha (UEA) maryana_bis@hotmail.com

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Esp. Fabiano Taguchi

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Esp. Fabiano Taguchi SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com ANTIGAMENTE... Administradores não precisam saber muito como a informação era coletada, processada

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre a ferramenta Importar do Excel.

Bem-vindo ao tópico sobre a ferramenta Importar do Excel. Bem-vindo ao tópico sobre a ferramenta Importar do Excel. 1 Neste tópico, você verá como importar cadastros de parceiros de negócios, dados do cadastro do item e listas de preços usando a ferramenta Importar

Leia mais

Sistemas de Produção: Estudos de Casos

Sistemas de Produção: Estudos de Casos Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção Sistemas de Produção I Prof. Dalvio Ferrari Tubino, Dr. Estudo de Caso 4 O Sistema Kanban - Puxar x Empurrar Objetivo: Este estudo de caso tem por finalidade

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE POKA YOKE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE POKA YOKE FERRAMENTAS DA QUALIDADE POKA YOKE 1 Definição O termo Poka Yoke significa À PROVA DE ERROS ; trata-se de um método que busca eliminar os defeitos causados por falhas ou erros humanos. 2 Definição 3 Objetivos

Leia mais

GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 01: Gestão das Cadeias de Suprimentos

GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 01: Gestão das Cadeias de Suprimentos GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 01: Gestão das Cadeias de Suprimentos Objetivos O aluno deverá ser capaz de: Entender os principais conceitos de Cadeia de Suprimentos Conhecer a origem da Cadeia

Leia mais

Aula 2. Histórico da Gestão de Processos de Negócio. Prof. Carina Frota Alves

Aula 2. Histórico da Gestão de Processos de Negócio. Prof. Carina Frota Alves Aula 2 Histórico da Gestão de Processos de Negócio Prof. Carina Frota Alves 1 O que mudou no mundo durante a Revolução Industrial? 2 História dos Meios de Produção Antes da revolução industrial, a economia

Leia mais

Processos de Projeto. Processos de Projeto. Tipos de Processos. Processo Jobbing. O que é um Mapa de Processo?

Processos de Projeto. Processos de Projeto. Tipos de Processos. Processo Jobbing. O que é um Mapa de Processo? Processos de Projeto Tipos de Processos de Manufatura Layout de Produção São os que lidam com produtos variados; Customizados; Período de tempo para fazer o produto ou o serviço é relativamente longo;

Leia mais

Lista de Exercícios P2 Método de Custeio por Absorção e Custo Padrão

Lista de Exercícios P2 Método de Custeio por Absorção e Custo Padrão Lista de Exercícios P2 Método de Custeio por Absorção e Custo Padrão Exercício 2: Uma indústria de confecções produz e vende dois tipos de roupas femininas: saias e vestidos. Ela não possui sistema de

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA E REESTRUTURAÇÃO DE LAYOUT COM O AUXÍLIO DO GRÁFICO DE BALANCEAMENTO DE OPERADOR EM UMA CÉLULA DE MANUFATURA

OTIMIZAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA E REESTRUTURAÇÃO DE LAYOUT COM O AUXÍLIO DO GRÁFICO DE BALANCEAMENTO DE OPERADOR EM UMA CÉLULA DE MANUFATURA ISSN 1984-9354 OTIMIZAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA E REESTRUTURAÇÃO DE LAYOUT COM O AUXÍLIO DO GRÁFICO DE BALANCEAMENTO DE OPERADOR EM UMA CÉLULA DE MANUFATURA Paula Machado Lange (FACENSA) Caroline

Leia mais

Da Escola Clássica à Produção Enxuta

Da Escola Clássica à Produção Enxuta Da Escola Clássica à Produção Enxuta Aula 4 EAD-610 2017 1 SUMÁRIO Evolução do Pensamento Administrativo Administração Científica Taylor Fordismo Sloan Processo Administrativo Fayol Evolução Produção Enxuta

Leia mais

PRODUTIVIDADE PROJETO CONJUNTO > SI QUALIFICAÇÃO COMPETE 2020

PRODUTIVIDADE PROJETO CONJUNTO > SI QUALIFICAÇÃO COMPETE 2020 + PRODUTIVIDADE PROJETO CONJUNTO > SI QUALIFICAÇÃO COMPETE 2020 1 RESULTADOS OBTIDOS > 1ª edição 2013/2015 Aumento da Produtividade Aumento da produtividade > 25% Aumento da Volume Vendas Aumento de eficiência

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Processos de Usinagem Código da Disciplina: NDC 177 Curso: Engenharia de Produção Semestre de oferta da disciplina: 8 Faculdade responsável: Núcleo de Disciplinas Comuns

Leia mais

Administração Logística

Administração Logística INTRODUÇÃO A LOGÍSTICA AULA PARA A TURMA DE ADMINISTRAÇÃO 2º SEMESTRE DE 2010 2 Administração Logística Processo de planejar, implementar e controlar o fluxo e armazenamento eficiente e eficaz em termos

Leia mais

Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios. Capítulo 1. Sistemas de Informação

Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios. Capítulo 1. Sistemas de Informação Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 1 Sistemas de Informação Gerenciais na Era Digital 2 1

Leia mais

Todos os Cursos. Nome do curso Tipo de curso Carga horária Descrição

Todos os Cursos. Nome do curso Tipo de curso Carga horária Descrição Confeccionador de esquadrias de 240 horas Profissional Confeccionador de Esquadrias de Madeira capacita você a realizar trabalhos de carpintaria. Com a qualificação você vai conhecer os materiais, ferramentas

Leia mais

Apêndice do Criando o Sistema Puxado Nivelado Pontos adicionais para a produção de baixo volume e alta variedade

Apêndice do Criando o Sistema Puxado Nivelado Pontos adicionais para a produção de baixo volume e alta variedade Apêndice do Criando o Sistema Puxado Nivelado Pontos adicionais para a produção de baixo volume e alta variedade Art Smalley Tradução: Odier Araújo Introdução Em 2004 escrevi um manual para o Lean Enterprise

Leia mais

APOSTILA GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE

APOSTILA GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE APOSTILA GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE AULA 3 ANÁLISE E MENSURAÇÃO DE PROCESSOS Como primeiro passo para o entendimento das características importantes de processos na área de produção, vamos definir

Leia mais