Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos"

Transcrição

1 Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos Disciplina: Engenharia de métodos Prof. Manuel Jarufe

2 Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos Capas Sumário 1. Introdução / definição do problema (Contexto/tema, objetivos, justificativa, métodos, limitações, delimitação) 2. Informações gerais da empresa Breve descrição da empresa Principais matérias primas e insumos Principais produtos e serviços Missão e visão da empresa 3. Descrição do Processo de Produção (setor de aplicação do estudo). - Explicação do processo, incluindo imagens, esquemas, diagramas e leiaute. - Explicação da função dos principais equipamentos e tecnologias do processo de produção.

3 Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos 4. Estudo de Engenharia de Métodos. 4.1 Análise do problema: identificar problemas e oportunidades de melhoria através de: - Registro e análise do trabalho atual (gráficos do fluxo do processo, diagrama de análise do processo e operações, leiautes, trajetória, mapofluxograma, gráficos homem máquina, gráficos duas mãos, diagramas SIMO, diagramas de montagem) - Economia de movimentos (Uso do corpo humano; Disposição do local de trabalho; Projeto de ferramentas e equipamentos)

4 Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos 4.2 Pesquisa e avaliação de possíveis soluções (Propor métodos melhorados, principalmente, em relação a produtividade, qualidade e ergonomia). - Melhoria de métodos (eliminar trabalho desnecessário, combinar operações, modificar operações e/ou seqüência de operações e simplificar as operações). - Avaliar em função de objetivos/metas, critérios, custo benefício e restrições. 4.3 Desenvolvimento e padronização do método melhorado - Registro das condições de operação - Registro do método padronizado de operação (elaborar gráficos e diagramas propostos).

5 Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos 5.Conclusões e recomendações para ação(pré-produção e produção) Referências Bibliográficas. (anexos, apêndices e glosário é opcional)

6 Técnicas para o registro de operações Disciplina: Engenharia de métodos Prof. Manuel Jarufe

7 Conteúdo Tipos de Operação (revisão) Registro de atividades múltiplas / Gráfico homem-máquina Gráfico mão-direita mão esquerda (duas mãos)

8 Tipos de Operações As técnicas de registro que serão apresentadas servem a OPERAÇÕES DE SETUP OPERAÇÕES PRINCIPAIS FOLGAS PROCESSAMENTO TRANSPORTE INSPEÇÃO ESTOCAGEM

9 Operação de Setup Consiste na preparação das máquinas e equipamentos para a produção de determinado produto Exemplo: Mudança do carro A para o carro B na linha de produção

10 Operação de Setup As atividades mais comuns são preparação, remoção e ajustes de matrizes, ferramentas, etc. Exemplo: Troca da matriz de uma impressora off-set

11 Operação de Setup O setup compreende tipicamente quatro funções: Preparação da Matéria-prima, máquinas 30% Fixação e Remoção de Matrizes e Ferramentas 5% Centragem e Determinação das Dimensões das ferramentas 15% Processamentos Iniciais e Ajustes 50%

12 Operação de Setup Problemas relativos ao setup: Perda de volume de produção tempo de máquina parada Queda de eficiência da máquina e do operador Custo de matéria-prima perdida em ajustes e testes Custo de oportunidade do produto que seria produzido caso o setup fosse menor Necessidade de aumentar os lotes de produção Maior lead-time devido às esperas (do lote e do processo)

13 Operação de Setup: Melhoria Tipos de Setup Setup Interno operações que podem ser executadas somente quando a máquina estiver parada, como a fixação e remoção das matrizes Setup Externo - operações que devem ser concluídas enquanto a máquina estiver funcionando, como o transporte de matrizes, da montagem à estocagem ou no sentido inverso

14 Folgas Consistem em atividades indiretamente relacionadas com a produção e que interrompem ou reduzem seu ritmo normal São de três tipos: Na operação Entre operações Ligadas ao pessoal

15 Folgas - melhorias Folgas na tarefa/operação São atividades indiretamente relacionadas com a tarefa Exemplos: Lubrificação, retirada de rebarbas, aplicação de pintura anti-aderente, tratamento de produtos com defeito, quebras de máquinas, etc. Melhoria: Devem ser buscadas a lubrificação automática, uso de metais impregnados de óleo, pulverização de óleo, eliminação das causas do defeitos, remoção automática de cavacos (rebarbas)

16 Folgas - melhorias Folgas entre tarefas/operações São atividades indiretamente relacionadas com diversas operações Exemplos: fornecimento de material, disponibilidade de paletes. Melhoria: Deve ser buscada a utilização de alimentação automática das máquinas, paletização e estocagem automática

17 Folgas - melhorias Folgas ligadas ao pessoal São interferências ligadas às necessidades do operador Fadiga (física e mental) e necessidades fisiológicas Melhoria: Aperfeiçoamento dos métodos de trabalho, tirando a sobrecarga do trabalho Aumentando a motivação e o envolvimento das pessoas

18 Diagramas de registro de operações

19 Função dos diagramas Por que utilizar diagramas de registro de operações? São técnicas de registro que permitem a visualização completa de tarefas para a melhoria do método Seu estudo pode mostrar diversos pontos de melhoria: Eliminação de movimentos desnecessários Dispor os movimentos em uma melhor seqüência Aumentar a eficiência do trabalho humano e da utilização das máquinas

20 Função dos diagramas Eliminar os tempos de espera do homem e da máquina Promover o balanceamento do trabalho homem homem e homem - máquina Determinar o número adequado de homens e máquinas para as operações em análise

21 Diagrama de atividades múltiplas: Gráfico homem - máquina Este diagrama representa o trabalho coordenado entre uma ou mais pessoas, operando uma ou mais máquinas Sua utilização pode ocorrer também no registro do trabalho de um profissional e seu ajudante ou só de máquinas De uma maneira geral, é utilizado para trabalhos INTERMITENTES Consiste em um gráfico com colunas para pessoa e/ou máquina, com o tempo crescendo para baixo

22 Gráfico Homem-máquina: exemplo

23 Gráfico Homem-máquina Resumo: FREGUÊS VENDEDOR MOEDOR Tempo Ocioso 47s 25s 47s Tempo de Trabalho Tempo Total do Ciclo Índice de Utilização (em Porcentagem) 20s 42s 20s 67s 67s 67s 30% 63% 30%

24 Gráfico Homem-máquina Um processo de injeção de plástico apresenta um operador que maneja duas injetoras. O operador leva 2 min para carregar a injetora e 1 min para descarregá-la. Após carregada, a injetora tem um tempo de processo fixo de 4 min. Sabendo que o custo da máquina em operação, é de R$ 60,00/h e do operador é R$ 12,00/h: A) Construa o gráfico homem-máquina. B) Calcule a duração do ciclo. C) Calcule o tempo ocioso do operador e das máquinas. D) Calcule o índice de utilização. E) Calcule o custo de operação por ciclo do sistema H-M (desconsidere as operações de setup e manuteñção).

25 Gráfico mão direita mão esquerda A seta indica movimento / transporte. Exemplo: O movimento da mão em direção a uma peça O Círculo indica ações do tipo agarrar,posicionar ou soltar a peça.

26 Exemplo: arruelas e parafusos MÉTODO ANTIGO

27 Mão Esquerda Transfere o conjunto montado para a caixa1 Solta o conjunto na caixa 2 Alcança o parafuso na caixa 2 Agarra o parafuso na caixa 2 Leva o parafuso para a posição central Segura o parafuso Mão Direita Alcança a arruela de pressão na caixa 3 Agarra a arruela de pressão na caixa 3 Leva a arruela de pressão para a posição central Posiciona a arruela de pressão Monta a arruela de pressão no parafuso Alcança a arruela de aço na caixa 4 Agarra a arruela de aço na caixa 4 Leva a arruela de aço para o parafuso Posiciona a arruela de aço Monta a arruela de aço Alcança a arruela de borracha na caixa 5 Agarra a arruela de borracha na caixa 5 Leva a arruela de borracha para o parafuso Leva o conjunto montado para a caixa 1 Posiciona a arruela de borracha Monta a arruela de borracha Solta o conjunto montado

28 Exemplo: arruelas e parafusos MÉTODO MELHORADO

29 Mão Esquerda Alcança as arruelas de borracha na caixa 1 Agarra uma arruela de borracha na caixa 1 Desliza a arruela de borracha no receptáculo Posiciona no receptáculo 5 Alcança as arruelas de aço na caixa 2 Agarra uma arruela de aço na caixa 2 Desliza a arruela de aço no receptáculo Posiciona a arruela de aço no receptáculo 5 Alcança as arruelas de pressão na caixa 3 Agarra uma arruela de pressão na caixa 3 Desliza a arruela de pressão no receptáculo Posiciona a arruela de pressão no receptáculo Alcança os parafusos na caixa 4 Agarra um parafuso na caixa 4 Aproxima o parafuso às arruelas em 5 Posiciona o parafuso para inseri-lo nas arruelas(5) Efetua a montagem do parafuso e das arruelas Levanta o parafuso com arruelas, carrega o conjunto para a DIREITA e solta na fresta 6 Mão Direita Alcança as arruelas de borracha na caixa 1 Agarra uma arruela de borracha na caixa 1 Desliza a arruela de borracha no receptáculo Posiciona no receptáculo 5 Alcança as arruelas de aço na caixa 2 Agarra uma arruela de aço na caixa 2 Desliza a arruela de aço no receptáculo Posiciona a arruela de aço no receptáculo 5 Alcança as arruelas de pressão na caixa 3 Agarra uma arruela de pressão na caixa 3 Desliza a arruela de pressão no receptáculo Posiciona a arruela de pressão no receptáculo Alcança os parafusos na caixa 4 Agarra um parafuso na caixa 4 Aproxima o parafuso às arruelas em 5 Posiciona o parafuso para inseri-lo nas arruelas(5) Efetua a montagem do parafuso e das arruelas Levanta o parafuso com arruelas, carrega o conjunto para a ESQUERDA e solta na fresta 6

Gestão de sistemas em energia:

Gestão de sistemas em energia: MESTRADO EM ENERGIA Gestão de sistemas em energia: - Planejamento da Operação - Projeto de sistemas de energia Prof. Manuel Jarufe manueljarufe@ceunes.ufes.br Disciplina: Gestão de sistemas em energia

Leia mais

Tópicos Integradores Produção Enxuta. Manutenção Produtiva Total - TPM. Rodrigues, Roger Antônio.

Tópicos Integradores Produção Enxuta. Manutenção Produtiva Total - TPM. Rodrigues, Roger Antônio. Tópicos Integradores Produção Enxuta Manutenção Produtiva Total - TPM Rodrigues, Roger Antônio. R696m Manutenção produtiva total TPM / Roger Antônio Rodrigues. Varginha, 2015. 14 slides : il. colors. Sistema

Leia mais

Fluxo do Processo. Representações do fluxo do processo Mix de produtos, processos e tecnologia. Fluxograma de Fabricação e Montagem (FFM)

Fluxo do Processo. Representações do fluxo do processo Mix de produtos, processos e tecnologia. Fluxograma de Fabricação e Montagem (FFM) Representações do fluxo do processo Mix de produtos, processos e tecnologia Prof. Camarotto Fluxo do Processo SÍMBOLO ATIVIDADE DEFINIÇÃO DA ATIVIDADE significa uma mudança intencional de estado, Operação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e Controle de Produção (PCP) O PCP é uma função de apoio da administração de produção. Desenvolve funções de planejar

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO PROJETO DE MATRIZES DE FORJAMENTO A FRIO ATRAVÉS DA SIMULAÇÃO NUMÉRICA POR ELEMENTOS FINITOS

OTIMIZAÇÃO DO PROJETO DE MATRIZES DE FORJAMENTO A FRIO ATRAVÉS DA SIMULAÇÃO NUMÉRICA POR ELEMENTOS FINITOS 5 V CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 14 a 17 de abril de 2009 - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil OTIMIZAÇÃO DO PROJETO DE MATRIZES DE FORJAMENTO A FRIO ATRAVÉS DA SIMULAÇÃO NUMÉRICA

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Metalurgia

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Metalurgia : Técnico em Metalurgia Descrição do Perfil Profissional: O profissional Técnico em Metalurgia deverá ser capaz de realizar controle visual, dimensional e laboratorial de materiais e substâncias utilizadas

Leia mais

Métodos Tempos e Movimentos

Métodos Tempos e Movimentos Métodos Tempos e Movimentos O homem é a medida de todas as coisas Protágoras de Abdera (Abdera, 480 a.c. - Sicília, 420 a.c.) Assim como Sócrates, Protágoras foi acusado de ateísmo, tendo seus livros queimados

Leia mais

DEFINIÇÃO DE CAPACIDADE DE PRODUÇÃO PELO CONCEITO DE TEMPO-TAKT

DEFINIÇÃO DE CAPACIDADE DE PRODUÇÃO PELO CONCEITO DE TEMPO-TAKT DEFINIÇÃO DE CAPACIDADE DE PRODUÇÃO PELO CONCEITO DE TEMPO-TAKT Jessica Syrio Callefi Universidade Estadual de Maringá jeh_callefi@hotmail.com Daiane Maria De Genaro Chiroli Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

TECNOLOGIA DE LAVAGEM INDUSTRIAL

TECNOLOGIA DE LAVAGEM INDUSTRIAL TECNOLOGIA DE LAVAGEM INDUSTRIAL UM NEGÓCIO LIMPO www.durr.com LAVAGEM SUSTENTÁVEL E EFICIENTE DE PEÇAS INDUSTRIAIS PARA ATENDER SUAS SUAS NECESSIDADES NECESSIDADES A lavagem de peças industriais tem como

Leia mais

Organização da Produção

Organização da Produção Organização da Produção ESTUDO DE TEMPOS E MÉTODOS Jorge Muniz 2011 Velocidade do Operador A velocidade V (também denominada de RÍTMO) do operador é determinada subjetivamente por parte do cronometrista,

Leia mais

Qualidade e produtividade em serviços

Qualidade e produtividade em serviços Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Juazeiro Colegiado de Engenharia de Produção Qualidade e produtividade em serviços Disciplina: Gestão de serviços Professor: Marcel de Gois Pinto

Leia mais

Produtividade e lucratividade

Produtividade e lucratividade Produtividade e lucratividade Soluções SKF para o setor de papel e celulose O Poder do Conhecimento em Engenharia Precisa atingir um nível superior? Fale com especialistas. Forças de mercado e o aumento

Leia mais

420 RBLR. Máquinas industriais para o balanceamento de rodas automotivas

420 RBLR. Máquinas industriais para o balanceamento de rodas automotivas Projeto modular, que permite a otimização do layout em função do local de instalação Seqüência semi ou totalmente automática, aplicação flexível devido ao modo de operação mix (opcional), curstos tempos

Leia mais

Escopo da Intercontinental. Campo de atuação Engenharia de processos

Escopo da Intercontinental. Campo de atuação Engenharia de processos Escopo da Intercontinental É analisar o método aplicado no cenário operacional do cliente e realizar a padronização, desenvolvendo melhorias diante da aplicação da metodologia do micromovimento para determinação

Leia mais

Os ganhos com a implantação do SMED

Os ganhos com a implantação do SMED Os ganhos com a implantação do SMED A metodologia mostra que é possível alcançar bons resultados sem investimentos caros e vem se tornando uma decisão viável em muitas fábricas de embalagens de papelão

Leia mais

CNC Comando Numérico Computadorizado

CNC Comando Numérico Computadorizado CNC Comando Numérico Computadorizado 1 - Histórico Busca de melhoria ao produto, aliado ao desenvolvimento dos computadores. Principal fator: 2ª Guerra Mundial produção em massa (a guerra consumia tudo,

Leia mais

ESTUDO DOS TEMPOS. Ritmo de trabalho. Factor de actividade:

ESTUDO DOS TEMPOS. Ritmo de trabalho. Factor de actividade: ESTUDO DOS TEMPOS Ritmo de trabalho Factor de actividade: relaciona o ritmo de trabalho do operador com o ritmo de trabaho normal um trabalhador normal é um trabalhador representativo e qualificado Exemplo:

Leia mais

Manual de Instruções e Termo de Garantia

Manual de Instruções e Termo de Garantia Manual de Instruções e Termo de Garantia 1.Identificação dos itens. 2.Marque na porta a altura do centro da maçaneta (sugestão: 1,10m em relação ao piso). 4.Com auxílio de ferramentas (formão, furadeira,

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA N.º

NORMA REGULAMENTADORA N.º SUMÁRIO SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NORMA REGULAMENTADORA N.º 10 2. Formação profissional 2.1 Qualificação 2.2 Habilitação 2.3 Capacitação 2.4 Autorização 3. Medidas de controle

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS TÉCNICOS CÓD. 08

PROVA DE CONHECIMENTOS TÉCNICOS CÓD. 08 8 PROVA DE CONHECIMENTOS TÉCNICOS CÓD. 08 QUESTÃO 21: São tipos de manutenção: a) Preventiva, Corretiva, Preditiva b) Preventiva, Temporária, Corretiva c) Corretiva, Casual, Programada d) Previsiva, Corretiva,

Leia mais

ÍNDICE. CONSOLES PQMC - Consoles CARROS PQTA - Carro Motorizado... 8 PQTM - Carro Manual... 8

ÍNDICE. CONSOLES PQMC - Consoles CARROS PQTA - Carro Motorizado... 8 PQTM - Carro Manual... 8 ÍNDICE Introdução - Por que STR?...................................................................... 1 PRENDEDORES 0 PQHA - Prendedor Hidraúlico Articulado............................................................

Leia mais

Inovação para o Aumento da Competitividade da Indústria

Inovação para o Aumento da Competitividade da Indústria Inovação para o Aumento da Competitividade da Indústria João Emilio P. Gonçalves Gerente Executivo Política Industrial Diretoria de Desenvolvimento Industrial CNI - Confederação Nacional da Indústria Competitividade

Leia mais

For Smooth Operations. Lubrificação Profissional de A a Z. Bombas de Lubrificação, bombas de graxa de enchimento

For Smooth Operations. Lubrificação Profissional de A a Z. Bombas de Lubrificação, bombas de graxa de enchimento For Smooth Operations Lubrificação Profissional de A a Z Bombas de Lubrificação, bombas de graxa de enchimento Lubrificação profissional A função permanente e durável de qualquer componente mecânico só

Leia mais

Carlos Augusto de Oliveira. Inovação da Tecnologia, do Produto e do Processo

Carlos Augusto de Oliveira. Inovação da Tecnologia, do Produto e do Processo Carlos Augusto de Oliveira Inovação da Tecnologia, do Produto e do Processo Prefácio........................................................................ 19 1. O Planejamento da Qualidade.....................................................

Leia mais

MESA PARA CADEIRA DE RODAS MANUAL DE CONFECÇÃO (Regulável em altura pelo comprimento dos pés)

MESA PARA CADEIRA DE RODAS MANUAL DE CONFECÇÃO (Regulável em altura pelo comprimento dos pés) UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA TECNOLOGIA ASSISTIVA (http://www.damec.ct.utfpr.edu.br/assistiva/) MESA PARA CADEIRA DE RODAS MANUAL DE CONFECÇÃO (Regulável

Leia mais

ERGONOMIA APLICADA AO TRABALHO

ERGONOMIA APLICADA AO TRABALHO ERGONOMIA APLICADA AO TRABALHO HISTÓRICO A ergonomia nasce da constatação de que o Homem não é uma máquina, pois: - ele não é um dispositivo mecânico; - ele não transforma energia como uma máquina a vapor;

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO

A EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO A EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO Antes da Revolução Industrial: processos artesanais. A função da manutenção começou a emergir com o advento das primeiras máquinas têxteis (século XVI) Quem projetava a máquina,

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Não existem regras ou leis para gestão; Não existem países pobres ou ricos, mas simplesmente países mal e bem administrados, que sabem extrair o máximo dos recursos

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Damper tipo Borboleta

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Damper tipo Borboleta Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção Damper tipo Borboleta ISO 9001:2008 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua André Adolfo Ferrari, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era

Leia mais

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3 Parte I Gestão 1 CAPÍTULO 1 Gestão rural no século XXI 3 Estrutura do estabelecimento agropecuário 4 Novas tecnologias 7 A era da informação 8 Controle de ativos 9 Recursos humanos 10 Produção para atender

Leia mais

Construção de um equipamento que possa realizar o esmerilhamento da superfície de rolamentos dos trilhos

Construção de um equipamento que possa realizar o esmerilhamento da superfície de rolamentos dos trilhos ESMERILHADORA DE TRILHOS Antenor Pazini O trabalho da Esmerilhadora II foi premiado em 1 lugar com um carro zero km Esmerilhadora I: 6 rebolos -construída em 2004 Esmerilhadora II: 16 rebolos -construída

Leia mais

MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR. FEG UNESP Bruno Franco 2010

MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR. FEG UNESP Bruno Franco 2010 MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR FEG UNESP Bruno Franco 2010 Mapeamento do Fluxo de Valor Video Organização da Produção - FEG/UNESP - 2010 2 Mapeamento do Fluxo de Valor Mapear o fluxo de valor significa andar

Leia mais

Organização da Produção

Organização da Produção Organização da Produção ESTUDO DE TEMPOS E MÉTODOS Jorge Muniz 2011 Estudo de Tempos e Métodos Definição É o estudo sistemático dos sistemas de trabalho Objetivos Desenvolver um sistema e método que se

Leia mais

Prova de Injeção Plastificação Preenchimento, Pressurização e Recalque Resfriamento

Prova de Injeção Plastificação Preenchimento, Pressurização e Recalque Resfriamento Prova de Injeção 1- Defina claramente o conceito de ciclo de injeção. Adicionalmente faça desenhos que representem as principais etapas de um ciclo típico de moldagem por injeção em uma máquina injetora

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO PEA 2401 - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EXPERIÊNCIA - DISPOSITIVOS DE COMANDO RELATÓRIO NOTA Grupo:......... Professor:...Data:... Objetivo:......... 1 - ROTEIRO 1.1 - Análise das características

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MÁQUINAS CASE EMPLASTIC. Luis Franco de Campos Pinto Mestrando RA024435

PROGRAMAÇÃO DE MÁQUINAS CASE EMPLASTIC. Luis Franco de Campos Pinto Mestrando RA024435 PROGRAMAÇÃO DE MÁQUINAS CASE EMPLASTIC Luis Franco de Campos Pinto Mestrando RA024435 Roteiro Job Shop Scheduling Introdução Emplastic Introdução Processos Problema Características Dados Resultados Job

Leia mais

Layout / Arranjo Físico. Posicionamento físico: Disposição dentro de um ambiente ou de um local

Layout / Arranjo Físico. Posicionamento físico: Disposição dentro de um ambiente ou de um local Layout / Arranjo Físico - Posicionamento físico de recursos transformadores; Posicionamento físico: Disposição dentro de um ambiente ou de um local Recursos transformadores: Instalações, máquinas, equipamentos,

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 14º e 15º Encontro 09 e 13/04/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - ESTUDO DE TEMPOS E MÉTODOS (Introdução)

Leia mais

CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO DAS ESTAÇÕES DA CPTM PARA MELHORIA DO FLUXO DE PASSAGEIROS

CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO DAS ESTAÇÕES DA CPTM PARA MELHORIA DO FLUXO DE PASSAGEIROS CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO DAS ESTAÇÕES DA CPTM PARA MELHORIA DO FLUXO DE PASSAGEIROS DANILO TEMERLOGLOU DE ABREU EDSON LUIZ BELLUOMINI FÁBIO CÂNDIDO DOS SANTOS AGENDA OBJETIVO CONCEPÇÃO

Leia mais

Argamassas e Equipamentos

Argamassas e Equipamentos Componentes: Argamassas e Equipamentos Engº Fábio Campora Argamassa Equipamentos Logística de obra Equipe de aplicação Argamassa Definição Argamassa Mistura homogênea de agregados miúdos, aglomerantes

Leia mais

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Flange de Fixação Série STW

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Flange de Fixação Série STW IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Flange de Fixação Série STW As flanges de fixação STW pertencem às uniões por meio de pressão, com a finalidade de unir cubos com eixos lisos. Este tipo de união transmite

Leia mais

Centros de Distribuição e Movimentação Física: (ler capítulo 9 do livro Administração de Materiais, de Paulo Sérgio Gonçalves, Ed.

Centros de Distribuição e Movimentação Física: (ler capítulo 9 do livro Administração de Materiais, de Paulo Sérgio Gonçalves, Ed. Nesta aula você verá: O que é um centro de distribuição; As principais funções de um centro de distribuição; Os equipamentos destinados à movimentação, à armazenagem e à transporte de materiais; Sistemas

Leia mais

Verifique abaixo algumas características de transformação:

Verifique abaixo algumas características de transformação: GESTÃO DA PRODUÇÃO Evolução da produção para atender a demanda De acordo com Bertaglia (2009, p. 122), o termo produção normalmente nos remete a um conjunto de plantas, equipamentos e linhas de montagem.

Leia mais

AA e AA

AA e AA Manual Kit Trava Elétrica UP (a partir 2014) AA.42.0114 e AA.42.0115 www.softautomotiva.com.br UP (4P e 2P) A Soft coloca a disposição para o mercado automotivo o Kit Trava Elétrica para o UP a partir

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Atividades do Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Sistemas produtivos: abrange produção de bens e de serviços; Funções básicas dos

Leia mais

Layout das Instalações

Layout das Instalações Universidade Federal do Rio Grande FURG Universidade Aberta do Brasil UAB Curso - Administração Administração da Produção I Semana 3 Layout das Instalações Profª. M. Sc. Luciane Schmitt 1 Arranjo Físico

Leia mais

Planejamento Teoria e aplicações na fiscalização. Professor Mestre Erich Wolff

Planejamento Teoria e aplicações na fiscalização. Professor Mestre Erich Wolff Planejamento Teoria e aplicações na fiscalização Professor Mestre Erich Wolff wolff.erich@gmail.com erich.wolff@dnit.gov.br Quais são as partes da apresentação? Objetivo Introdução Discussão do conceito

Leia mais

O, S & M, O QUE É? SISTEMAS MÉTODOS ORGANIZAÇÃO ANALISTA DE O, S & M

O, S & M, O QUE É? SISTEMAS MÉTODOS ORGANIZAÇÃO ANALISTA DE O, S & M O, S & M, O QUE É? ORGANIZAÇÃO ANALISTA DE O, S & M SISTEMAS MÉTODOS ORGANIZAÇÃO Preocupa-se com a estrutura organizacional da Empresa e com a distribuição de funções, de forma que este conjunto possa

Leia mais

Data Warehouse ETL. Rodrigo Leite Durães.

Data Warehouse ETL. Rodrigo Leite Durães. Data Warehouse ETL Rodrigo Leite Durães rodrigo_l_d@yahoo.com.br Introdução Um dos desafios da implantação de um DW é a integração dos dados de fontes heterogêneas e complexas, padronizando informações,

Leia mais

TÉCNICA DE ABASTECIMENTO COM A FINALIDADE DE REDUZIR ESTOQUES COM ENTREGAS NO TEMPO E QUANTIDADES CERTAS, AUMENTAR A FLEXIBILIDADE DO PROCESSO

TÉCNICA DE ABASTECIMENTO COM A FINALIDADE DE REDUZIR ESTOQUES COM ENTREGAS NO TEMPO E QUANTIDADES CERTAS, AUMENTAR A FLEXIBILIDADE DO PROCESSO Just In Time DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA AULA PARA A TURMA DE ADMINISTRAÇÃO 2010 1 DEFINIÇÃO DO JUST IN TIME TÉCNICA DE ABASTECIMENTO COM A FINALIDADE DE REDUZIR ESTOQUES COM ENTREGAS NO TEMPO

Leia mais

Aplicação do EcoDrive. Descubra os benefícios e desafios de uma transformação ecológica na sua empresa.

Aplicação do EcoDrive. Descubra os benefícios e desafios de uma transformação ecológica na sua empresa. Aplicação do EcoDrive. Descubra os benefícios e desafios de uma transformação ecológica na sua empresa. O EcoDrive pode reduzir o consumo de energia, ajudando a melhorar sua eficiência energética. O consumo

Leia mais

02 CARACTERÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA -ASPECTOS FUNDAMENTAIS -

02 CARACTERÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA -ASPECTOS FUNDAMENTAIS - 02 CARACTERÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA -ASPECTOS FUNDAMENTAIS - AULA PASSADA Diferenciação das construções com relação as suas características (localização, uso, material, processo produtivo)

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife Dorival

Leia mais

PRENSAS PARA PROCESSAMENTO DE TERMOPLÁSTICOS DE ENGENHARIA E DE TERMOFIXOS. Dr. Philip von Pritzelwitz LFS EPUSP Prof. Dr. Hélio Wiebeck PMT EPUSP

PRENSAS PARA PROCESSAMENTO DE TERMOPLÁSTICOS DE ENGENHARIA E DE TERMOFIXOS. Dr. Philip von Pritzelwitz LFS EPUSP Prof. Dr. Hélio Wiebeck PMT EPUSP PRENSAS PARA PROCESSAMENTO DE TERMOPLÁSTICOS DE ENGENHARIA E DE TERMOFIXOS Dr. Philip von Pritzelwitz LFS EPUSP Prof. Dr. Hélio Wiebeck PMT EPUSP 1 PRINCIPAIS ELEMENTOS 2 AQUECIMENTO E RESFRIAMENTO 3 OUTRAS

Leia mais

a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO)

a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO) LOGÍSTICA INTEGRADA 4º AULA 06/SET/11 SISTEMAS DE PRODUÇÃO (continuidade) ARRANJO FÍSICO E FLUXO TIPOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO)

Leia mais

SEM534 Processos de Fabricação Mecânica. Professor - Renato G. Jasinevicius. Aula: Máquina ferramenta- Torno. Torno

SEM534 Processos de Fabricação Mecânica. Professor - Renato G. Jasinevicius. Aula: Máquina ferramenta- Torno. Torno SEM534 Processos de Fabricação Mecânica Professor - Renato G. Jasinevicius Aula: Máquina ferramenta- Torno Torno Torno Existe uma grande variedade de tornos que diferem entre si pelas dimensões, características,

Leia mais

Qualquer anormalidade detectada no processamento pode ser classificada

Qualquer anormalidade detectada no processamento pode ser classificada O Movimento ZD no Japão Começou com a disseminação massiva de métodos de CEQ (Deming e Juran) em todos os níveis hierárquicos - baseado em amostragens - pressupõe nível aceitável de defeitos A Detecção

Leia mais

Gerando Valor ao Cliente. Augusto Franco Gerente Nacional de Vendas

Gerando Valor ao Cliente. Augusto Franco Gerente Nacional de Vendas Gerando Valor ao Cliente Augusto Franco Gerente Nacional de Vendas Gerando Valor ao Cliente Programa da Apresentação: Valores e Missões Tecnologia Gerando Valor Redução de Custos Casos Práticos Ferramentas

Leia mais

Cont. Técnicas para Estudo do Método

Cont. Técnicas para Estudo do Método Aula 04 Cont. Técnicas para Estudo do Método 1 Gráfico Homem-Máquina Para a melhoria do método de trabalho pode-se construir uma representação clara da interrelação entre o tempo do homem e o tempo da

Leia mais

www.professoravanucia.blogspot.com A importância da Indústria A Indústria é um dos três setores de atividade da economia. Os outros dois são os serviços e a agropecuária. As atividades agrícolas, o comércio

Leia mais

Módulo 8 Teoria da Produção

Módulo 8 Teoria da Produção Módulo 8 Teoria da Produção Numa economia de mercado, consumidores e empresas representam respectivamente as unidades do setor de consumo e de produção, que se interrelacionam através do sistema de preços

Leia mais

FABRICAÇÃO MECÂNICA. Introdução aos Processos de Fabricação / Fundição. Material 1 Coletânea de materiais sobre fundição (livros, apostilas e resumos)

FABRICAÇÃO MECÂNICA. Introdução aos Processos de Fabricação / Fundição. Material 1 Coletânea de materiais sobre fundição (livros, apostilas e resumos) 2010 FABRICAÇÃO MECÂNICA Introdução aos Processos de Fabricação / Fundição Material 1 Coletânea de materiais sobre fundição (livros, apostilas e resumos) Prof. Alexander 1/1/2010 1 - INTRODUÇÃO 2 3 2 -

Leia mais

Manufatura definida Definição tecnológica

Manufatura definida Definição tecnológica Manufatura definida Definição tecnológica A aplicação de processos físicos e químicos para alterar a geometria, propriedades e/ou aparência de determinado material inicial com vistas a produzir peças ou

Leia mais

3B SCIENTIFIC FÍSICA. Aparelho de torsão Conjunto de extensão do aparelho de torsão Instruções de uso

3B SCIENTIFIC FÍSICA. Aparelho de torsão Conjunto de extensão do aparelho de torsão Instruções de uso 3B SCIENTIFIC FÍSICA Aparelho de torsão 1018550 Conjunto de extensão do aparelho de torsão 1018787 Instruções de uso 11/15 TL/UD 1. Descrição O aparelho de torsão destina-se à determinação do torque restaurador

Leia mais

RECURSOS HUMANOS DEFINIÇÃO DE CARGOS / JOB DESIGN

RECURSOS HUMANOS DEFINIÇÃO DE CARGOS / JOB DESIGN RECURSOS HUMANOS / JOB DESIGN Introdução Conceitos, definição e origens Introdução Conceitos, definição e origens (Re)Definição de cargos? Introdução Conceitos, definição e origens Definição, conceitos

Leia mais

For Smooth Operations. O Top C da tecnologia de dosagem Válvulas dosadoras série C

For Smooth Operations. O Top C da tecnologia de dosagem Válvulas dosadoras série C For Smooth Operations O Top C da tecnologia de dosagem Válvulas dosadoras série C A Série C de A ate Z Com a série C, ABNOX criou uma geração totalmente nova de válvulas de medição. O objetivo mais essencial

Leia mais

Automata Retrofit Solutions Suporte efetivo ao programa TPM.

Automata Retrofit Solutions Suporte efetivo ao programa TPM. Automata Retrofit Solutions Suporte efetivo ao programa TPM. Estendendo Oportunidades Modernização de equipamentos. Alguns dos nossos clientes Conte com a Automata do Brasil para ajudar a obter o desempenho

Leia mais

HXF. Força, Produtividade e Economia Ÿ Indústria Farmacêutica INJETORAS AUTOMÁTICAS PARA TERMOPLÁSTICOS

HXF. Força, Produtividade e Economia Ÿ Indústria Farmacêutica INJETORAS AUTOMÁTICAS PARA TERMOPLÁSTICOS HXF INJETORAS AUTOMÁTICAS PARA TERMOPLÁSTICOS Força, Produtividade e Economia Ÿ Indústria Farmacêutica Ÿ Indústria Alimentícia Ÿ Indústria Automobilística Ÿ Utilidade doméstica Ÿ Pré-formas Ÿ Peças técnicas

Leia mais

Máquinas automáticas para produção de escadas e escadotes

Máquinas automáticas para produção de escadas e escadotes Máquinas automáticas para produção de escadas e escadotes Fornecemos soluções para: Dobragem / Furação / Puncionamento / Rebitagem / Montagem Small Stepladder Aluminium Stepladder Extension Ladder Ladder

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO PARA MESA DE PASSADORIA THEOBOARD 03 CONFORME NORMAS DA NR-12

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO PARA MESA DE PASSADORIA THEOBOARD 03 CONFORME NORMAS DA NR-12 MANUAL DE INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO PARA MESA DE PASSADORIA THEOBOARD 03 CONFORME NORMAS DA NR-12 SINAIS DE ATENÇÃO! Atenção! Alta Voltagem 230/240V Atenção! Superfície quente! Vapor quente ou líquido. Atenção!

Leia mais

TERMINADOR ATIVO PROFIBUS-DP

TERMINADOR ATIVO PROFIBUS-DP MANUAL DO USUÁRIO TERMINADOR ATIVO PROFIBUS-DP AT303 A T 3 0 3 M P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas dos endereços

Leia mais

Sistema Giratório de Transporte de Peças

Sistema Giratório de Transporte de Peças Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento Acadêmico de Eletrônica Tecnologia em Mecatrônica Industrial Sistemas Microprocessados Sistema Giratório de Transporte de Peças Requisitos

Leia mais

ReCon Cummins. Remanufaturados Economia, agilidade e confiabilidade.

ReCon Cummins. Remanufaturados Economia, agilidade e confiabilidade. ReCon Cummins Remanufaturados Economia, agilidade e confiabilidade. Motor novo Manutenção Preventiva Remanufatura Revisões Reparo Linha do Tempo Motor novo Manutenção Preventiva Remanufatura Revisões Reparo

Leia mais

lasertec Uma nova era na colagem de bordos HOMAG lasertec

lasertec Uma nova era na colagem de bordos HOMAG lasertec O sucesso da tecnologia original Uma campanha da VDMA MARTINI-werbeagentur.de 05/2011 Uma nova era na colagem de bordos Um membro do HOMAG Group HOMAG Holzbearbeitungssysteme GmbH Homagstraße 3 5 72296

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO JOSÉ DOS CAMPOS ASPIRADOR DE CAVACO PARA CENTRO DE USINAGEM CNC

INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO JOSÉ DOS CAMPOS ASPIRADOR DE CAVACO PARA CENTRO DE USINAGEM CNC INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO JOSÉ DOS CAMPOS ASPIRADOR DE CAVACO PARA CENTRO DE USINAGEM CNC Alexsander Oliveira 1500988 Juliana Fernandes 140198x Paulo Sergio 1501151 DISCIPLINA PROJETO INTEGRADOR

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema de irrigação automático

Desenvolvimento de um sistema de irrigação automático Desenvolvimento de um sistema de irrigação automático Orientador: Rodrigo Grassi Martins Coorientador: Rodrigo do Prado Costa Alunos: Daruick Fagundes da Silva Cunha Gabriel Resende Miranda Marcossuel

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES 1375B 1375BT

MANUAL DE INSTRUÇÕES 1375B 1375BT MANUAL DE INSTRUÇÕES 1375B 1375BT Singer é uma marca registrada de The Singer Company Ltd ou suas afiliadas. Copyright 2006 The Singer Company Limited P/N 358543-001 ÍNDICE Acate as recomendações ou sujestões

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES LUMINÁRIAS DE EMERGÊNCIA LED

MANUAL DE INSTRUÇÕES LUMINÁRIAS DE EMERGÊNCIA LED MANUAL DE INSTRUÇÕES LUMINÁRIAS DE EMERGÊNCIA LED * Estas luminárias apenas ser montados em superfícies não-combustíveis (gesso, concreto, peças de metal, etc.), de modo que: "EM NENHUMA CIRCUNSTÂNCIA

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho. OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

AUMENTO DA CONFIABILIDADE DOS SISTEMAS DE FREIO E DE AR COMPRIMIDO NOS TRENS METROPOLITANO.

AUMENTO DA CONFIABILIDADE DOS SISTEMAS DE FREIO E DE AR COMPRIMIDO NOS TRENS METROPOLITANO. AUMENTO DA CONFIABILIDADE DOS SISTEMAS DE FREIO E DE AR COMPRIMIDO NOS TRENS METROPOLITANO. SÍNTESE: HISTÓRICO PROJETO E IMPLANTAÇÃO CONCLUSÃO HISTÓRICO: Diante dos problemas, ocasionados ao material rodante

Leia mais

Prof. Paulino G. Francischini PRO

Prof. Paulino G. Francischini PRO Troca Rápida de Ferramenta SMED Prof. Paulino G. Francischini 1 Troca Rápida de Ferramenta (Setup) Tempo de Setup: Tempo entre a última boa produção de um produto e a primeira boa produção de um próximo

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Avaliação da Conformidade de Produtos com especificação GD&T Tolerância Geométrica e Dimensionamento Joel Alves da Silva JAS-METRO Soluções

Leia mais

Gestão de Projetos. Aula 1. Organização da Disciplina. Organização da Aula 1. Contextualização. Fatos sobre Projetos. O Projeto

Gestão de Projetos. Aula 1. Organização da Disciplina. Organização da Aula 1. Contextualização. Fatos sobre Projetos. O Projeto Gestão de Projetos Organização da Disciplina Planejamento, projeto e Aula 1 viabilidades Estrutura do projeto Profa. Dra. Viviane M. P. Garbelini Dimensionamento e riscos do projeto Organização da Aula

Leia mais

09/09/2011 DEFINIÇÃO OBJETIVOS OBJETIVOS TIPOS DE ARRANJO ADM. DA PRODUÇÃO II

09/09/2011 DEFINIÇÃO OBJETIVOS OBJETIVOS TIPOS DE ARRANJO ADM. DA PRODUÇÃO II DEFINIÇÃO ADM. DA PRODUÇÃO II Planejamento do espaço físico objetivando sua melhor ocupação em relação ás máquinas e equipamentos necessários á produção de bens / serviços da empresa. OBJETIVOS Minimizar

Leia mais

TESTES DE SOFTWARE Unidade 1 Importância do Teste de Software. Luiz Leão

TESTES DE SOFTWARE Unidade 1 Importância do Teste de Software. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático 1.1 - O teste nas fases de vida e de desenvolvimento de um software. 1.2 - O teste na engenharia de sistemas e na engenharia de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TÉCNICA DE INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA B-SCAN PARA MAPEAMENTO DE REGIÕES COM PERDA DE ESPESSURA.

UTILIZAÇÃO DA TÉCNICA DE INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA B-SCAN PARA MAPEAMENTO DE REGIÕES COM PERDA DE ESPESSURA. UTILIZAÇÃO DA TÉCNICA DE INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA B-SCAN PARA MAPEAMENTO DE REGIÕES COM PERDA DE ESPESSURA. Arilson Rodrigues Mauro Duque de Araujo José A. P. Chainho German Engenharia e Serv. De Manutenção

Leia mais

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado III Sintaxe de Escrita (G, M, ) João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado III Sintaxe de Escrita (G, M, ) João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução ao Controlo Numérico Computorizado III Sintaxe de Escrita (G, M, ) João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Edição de programas de CN O sistema de controlo de uma máquina-ferramenta

Leia mais

Gerenciamento de Custos em Projetos: A Visão do PMBok

Gerenciamento de Custos em Projetos: A Visão do PMBok Gerenciamento de Custos em Projetos: A Visão do PMBok Definições... Gerenciamento de Custos do Projeto O gerenciamento de custos do projeto inclui os processos envolvidos em planejamento, estimativa, orçamentação

Leia mais

GERENCIAMENTO DO TEMPO DO PROJETO

GERENCIAMENTO DO TEMPO DO PROJETO DO PROJETO Gestão de Projetos de Infraestrutura Luciano Rodrigues de Souza GESTÃO DO TEMPO Começar um trabalho sem planejá-lo primeiro, ou seja, partir para o AGIR antes do PENSAR em como agir. Fazer atividades

Leia mais

Automata Retrofit Solutions Suporte efetivo ao seu programa Six Sigma

Automata Retrofit Solutions Suporte efetivo ao seu programa Six Sigma Automata Retrofit Solutions Suporte efetivo ao seu programa Six Sigma Estendendo as oportunidades Modernização de máquinas injetoras. Conte com a Automata do Brasil para obter o desempenho que a sua empresa

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MANUTENÇÃO DOSADOR ROSCAS

MANUAL DE OPERAÇÃO MANUTENÇÃO DOSADOR ROSCAS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DOSADOR ROSCAS R-10 / R-20 / R-30 / R-45 / R-60 MODELO: N O DE SÉRIE: FABRICAÇÃO: / / 1 INTRODUÇÃO É com grande satisfacção que a INEAL ALIMENTADORES LTDA coloca mais um

Leia mais

A SSISTÊNCIAST ÊCNICASAUTORIZADAS acesse: ou ligue: +55 (16) / Moto Esmeril de Coluna

A SSISTÊNCIAST ÊCNICASAUTORIZADAS acesse:  ou ligue: +55 (16) / Moto Esmeril de Coluna A SSISTÊNCIAST ÊCNICASAUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33844968 / 33842409 Moto Esmeril de Coluna MANUAL DE INSTRUÇÃO BAMBOZZI TALHAS E MOTO ESMERIL LTDA. Av.

Leia mais

Conceitos Básicos INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES

Conceitos Básicos INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES FACULDADE DOS GUARARAPES INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES Conceitos Básicos Prof. Rômulo César romulodandrade@gmail.com romulocesar@faculdadeguararapes.edu.br www.romulocesar.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

LCD DIGITAL de 3,5" com ajuste de Cor, Contraste, Brilho e Nitidez

LCD DIGITAL de 3,5 com ajuste de Cor, Contraste, Brilho e Nitidez LCD DIGITAL de," com ajuste de Cor, Contraste, Brilho e Nitidez Obs: Para evitar qualquer dano ao equipamento leia atentamente este manual. MONITOR PAINEL EXTERNO VOLTAGEM Bivolt automático Vdc pelo monitor

Leia mais

Sistemas de esteiras transportadoras de paletes

Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Intelligrated A Intelligrated oferece uma linha completa de sistemas de esteiras transportadoras de paletes

Leia mais

Por José Luís Carneiro

Por José Luís Carneiro Organização, Sistemas e Métodos Introdução Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Algumas definições Organização Associação ou instituição com objetivos definidos. Sistema Disposição das partes

Leia mais

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Recursos e PRP (Processo de Realização do Produto) Prof. Marcos César Bottaro Os Recursos RECURSOS: é tudo que gera ou tem a capacidade de gerar riqueza

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MACACO TELESCÓPIO

MANUAL DE INSTRUÇÕES MACACO TELESCÓPIO TERMOS DE GARANTIA I - PRAZO DE GARANTIA 1. A Marcon Indústria Metalúrgica Ltda. dispõe de garantia do produto pelo prazo de 06 (seis) meses (já inclusa a garantia legal referente aos primeiros noventas

Leia mais

Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES. Prof. Me. Livaldo dos Santos

Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES. Prof. Me. Livaldo dos Santos Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS Prof. Me. Livaldo dos Santos Administração de operações produtivas, seus objetivos e estratégia Objetivos da unidade: Entender a função produção nas diversas organizações.

Leia mais

Acelere o seu caminho para a cor.

Acelere o seu caminho para a cor. Entrega de Pacotes e Encomendas Impressoras Sistema de Impressão e Acabamento AcceleJet Rápido. Inteligente. Preciso. Acelere o seu caminho para a cor. Solução completa para produção, com impressão a jato

Leia mais