Especificação Técnica ACSS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Especificação Técnica ACSS"

Transcrição

1 Especificação Técnica ACSS ET.ACSS Serviço de Registo de Requisições de MCDT Interface para recepção de requisições electrónicas ICS DESCRITORES Sistema de recepção de requisições de meios complementares de diagnóstico, actos terapêuticos e consultas de especialidade, requisição, webservices, local de prescrição Documentos de Referência Data de Aprovação pela ACSS ELABORAÇÃO DCSTIC EDIÇÃO Julho de 2011 PREÇO ACSS reprodução proibida

2 ET.ACSS ÍNDICE Serviço de Registo de Requisições de MCDT...1 Interface para recepção de requisições electrónicas...1 Introdução...1 Âmbito...2 Requisitos de Utilização do Serviço...3 Retorno do Serviço...4 Fluxo de Execução...5 Modelo de Comunicação...6 Referências a Outros Documentos...6 Serviços Implementados...6 Registo Requisição MCDT... 6 Parâmetros de Entrada...6 Message Header... 7 Message Body... 8 Cabeçalho... 9 Utente... 9 MCDTAnulado... 9 Lista Items Requisição... 9 ItemRequisição Parâmetros de Saída...10 Características, Regras e Validações do serviço...12 Estruturas de Dados...13 RegistoRequisicaoMCDTProcessRequestType RegistoRequisicaoMCDTMessageBody ListaRequisicaoMCDTBody RegistoRequisicaoMCDTProcessResponse RegistoRequisicaoMCDTMessageBodyOutput ListaRequisicaoMCDTBodyOutput RequisicaoMCDTBodyOutput GenericCodeResult Tabelas de Referência de Mensagens de Retorno...15 Reenvio de Mensagens Informação Operacional...17 Endpoints...17 RegistoRequisicaoMCDTs Testes Produção WSDL...17 RegistoRequisicaoMCDTs Testes Produção Timeout...18 Segurança...18

3 INTRODUÇÃO Este documento serve o propósito de documentar tecnicamente o Serviço de Registo de Requisições de MCDT na Base de Dados Nacional de Prescrições (BDNP) disponibilizados pela Plataforma de Integração da ACSS. Todos os Serviços disponibilizados pela Plataforma de Integração da ACSS estão expostos na Gateway de Serviços da Plataforma de Integração da ACSS e o acesso aos mesmos é fornecido no âmbito do processo de certificação da responsabilidade da Unidade de Certificação e Normalização. A Documentação de Referência contempla um capítulo de especificação funcional - onde é disponibilizada informação mais detalhada no âmbito dos dados expostos pelo serviço, bem como na descrição do processo de negócio, e um capítulo de especificação técnica. Sempre que um Serviço disponibilizado pela Plataforma de Integração da ACSS utilizar Estruturas de Dados do Modelo de Dados Canónico da Plataforma de Integração da ACSS será feita referência a documentação de referência do Modelo de Dados Canónico, onde é possível analisar mais detalhadamente a definição das mesmas. 1

4 ÂMBITO O Serviço de Registo de Requisições de MCDT possibilita o registo de requisições na Base de Dados Nacional de Prescrições. Estas requisições deverão ter origem numa qualquer aplicação informática que disponibilize a funcionalidade de prescrição eletrónica de MCDT certificada pela ACSS. Concebido com o intuito de responder às necessidades de diversas entidades que operam na área da saúde, no âmbito da prescrição eletrónica de MCDT, este serviço visa promover a interoperabilidade entre as mesmas e a BDNP, recorrendo a standards tecnológicos com elevada disseminação no mercado. 2

5 REQUISITOS DE UTILIZAÇÃO DO SERVIÇO As aplicações que disponibilizem a funcionalidade de prescrição eletrónica de MCDT deverão utilizar este serviço, de preferência online e no ato de prescrição de MCDT, garantindo o envio da informação das requisições para a BDNP. Este requisito não é ainda de carácter obrigatório, no entanto sê-lo-á num futuro próximo, no âmbito do processo de desmaterialização da Prescrição de MCDT. O Software deverá estar preparado para garantir o reenvio das requisições que, por motivos técnicos ou por erro, não tenham tido sucesso no seu envio. Deverá ter a capacidade identificar as requisições que não foram enviadas com sucesso, e repetir o seu envio até ser ultrapassado o problema técnico (Problemas de comunicações, erro técnico devolvido pelo serviço, etc.) As requisições que sejam recepcionadas na BDNP mas em que existe uma mensagem de aviso, deverão ser analisadas, pelos fornecedores, no sentido de ser realizado um diagnóstico e se apurar se estamos perante uma não conformidade da prescrição. 3

6 RETORNO DO SERVIÇO Nas situações em que o serviço devolve um erro, ou em situações de indisponibilidade do serviço, torna-se necessário o reenvio da requisição. O Software deverá assegurar o seu reenvio até obter uma resposta com sucesso. Nas situações em que existe sucesso na receção da requisição mas seja retornado um aviso, deve ser analisada a causa que originou o aviso e deve ser corrigido o problema de forma a evitar avisos em situações futuras: 1. Avisos relacionados com o Profissional devem ser reportados à ACSS. Este aviso identifica que o profissional não é conhecido no sistema Central pelo que deverá ser notificado. 2. Avisos relacionados com o Local de Prescrição devem ser reportados à ACSS. Este aviso identifica que o local de prescrição não é conhecido no sistema Central pelo que deverá ser notificado. 3. Avisos relacionados com o utente: deve o Software verificar se a informação do utente está de acordo com a informação disponibilizada pelo RNU. Na situação de o subsistema identificado na prescrição ser o SNS (a comparticipação é assegurada SNS), o Software deverá assegurar que as prescrições emitidas são coerentes com a informação residente no Registo Nacional de Utentes (Nº de utente, nome, data de nascimento). 4. Avisos relacionados com o MCDT; deve a entidade verificar se a tabela de referência de MCDT Convencionados se encontra atualizada. 4

7 FLUXO DE EXECUÇÃO Abaixo representa-se em alto nível o fluxo de execução deste serviço. Prescrição MCDT Início Validar Entidade Entidade autorizada? Não Sim Fim Pesquisar Utente # Registos <> 1 = 1 Prescrição válida? Não Regista Prescrição Pendente Sim Legenda: Registar Prescrição MCDT Erro Aviso Fim Fim Sucesso Figura 1 Registo de Requisição de MCDT O serviço de Registo de Requisições tem 3 tipos de respostas possíveis: Sucesso, Aviso e Erro. Para mais informações sobre estas mensagens e ações a tomar relativamente a cada uma, consulte as Tabelas de Referência de Mensagens de Retorno, identificadas na Especificação Técnica deste documento. 5

8 MODELO DE COMUNICAÇÃO Referências a Outros Documentos De forma a respeitar as melhores práticas implementadas pela Plataforma de Integração da ACSS são reutilizadas estruturas de dados existentes na mesma. É exemplo disso o elemento do tipo RequisicaoType que é parte integrante da Estrutura de MCDT do Modelo de Dados Canónico da Plataforma de Integração da ACSS. Os elementos constantes das tabelas abaixo têm um cariz funcional e podem não representar a totalidade dos dados definidos nas mensagens expostas pelo serviço. Como complemento desta informação consulte, neste documento, o capítulo Especificação Técnica. Serviços Implementados Registo Requisição MCDT Este web service fornece as seguintes funcionalidades: Registo de uma Requisição de MCDT Anulação de uma Requisição de MCDT Parâmetros de Entrada Os parâmetros de entrada do serviço de Registo de Requisição de MCDT estão divididos em duas secções como se pode ver na imagem em baixo: Fig. 1 Estrutura dos dados de Entrada A secção MessageHeader engloba os dados técnicos do pedido efectuado (por ex: identificar a identidade que faz o pedido). A sessão MessageBody contém todos os dados relativos à Requisição emitida pela entidade externa que invocou o serviço. 6

9 Message Header Na imagem seguinte, representa-se a constituição do Message Header. Fig. 2 Estrutura MessageHeader Como se pode visualizar, esta parte do pedido de Registo de Requisição, é construída por 6 secções: From - entidades externas que acedem ao pedido; To - entidade de destino do pedido. Type - tipo de mensagem enviada (síncrona ou assíncrona); Operation - tipo de operação a realizar (Inserir, Anular, etc...); SentOn Data do Envio da mensagem; 7

10 ActivateOn Data de Activação da mensagem. Message Body O primeiro aspecto que se deve salientar no Message Body é que este permite a recepção de várias Requisições em simultâneo. Como se pode verificar na imagem seguinte, o elemento MessageBody é constituído pelo elemento Requisições MCDT que é simplesmente uma lista de Requisições de MCDT. Fig. 3 RegistoRequisicaoMCDT Body É no elemento RequisicaoMCDT que é definida cada Requisição a ser inserida. Para a inserção ser efectuada com sucesso existem vários elementos que obrigatoriamente têm que ser enviados. Fig. 4 Estrutura RequisicaoMCDT De seguida serão especificados os elementos, de maior relevância, deste segmento. 8

11 Cabeçalho Neste segmento da mensagem deverá ser preenchida a informação relativa a: Número da Requisição Emitida; Número de Vias da Requisição; Local de Emissão da Requisição; Identificação do Profissional que emite a requisição; Informação clínica fornecida na criação da requisição; Data de Emissão da Requisição; Informação da Entidade responsável pelo utente, caso aplicável; Indicação se o exame é realizado no domicilio; Indicação se o exame é urgente; Indicação se o exame é isento de taxa; Indicação se o exame é para ser realizado numa instituição externa. Utente Para a criação duma requisição é necessária a associação a um Utente. Para localizar o Utente correcto é obrigatório o preenchimento de 1 dos 2 grupos seguintes: 1. Envio do Numero do Serviço Nacional de Saúde do Utente (recomendado); 2. Envio do Nome, Data de Nascimento, Sexo, Nacionalidade e Freguesia de Naturalidade do Utente (quando aplicável); MCDTAnulado Este campo específica se estamos a tratar uma requisição anulada ou não. Este campo composto, informará se é uma anulação ou não (S/N), a data, profissional e local em que a mesma foi anulada. Deste modo o serviço terá de permitir, para além da criação de requisições, a anulação de requisições previamente criadas. Para distinção entre uma inserção e uma anulação para além do campo Operation do MessageHeader especificar o código Anular, o campo MCDTAnulado deverá conter informação relativa a essa anulação, nomeadamente: Código de Anulação; Motivo de Anulação; Data de Anulação; Lista Items Requisição Neste campo será colocada a informação relativa aos exames prescritos na Requisição de MCDT a ser inserida. Este campo é composto por elementos do tipo ItemRequisição, elemento este que especifica cada um dos exames prescritos. 9

12 ItemRequisição Este campo, tal como referido anteriormente, especifica a informação relativa a um determinado exame a ser executado no âmbito da requisição. A sua estrutura pode ser analisada na imagem seguinte. Para melhor análise da sua estrutura consultar o documento Estrutura de MCDT do Modelo de Dados Canónico da Plataforma de Integração da ACSS. Fig. 5 - Estrutura ItemRequisicao No âmbito destes serviços poderão ser ignorados os seguintes campos deste elemento: ExameCronico; Parâmetros de Saída A estrutura dos dados de retorno é em tudo semelhante à estrutura dos dados de entrada. Existe apenas uma pequena diferença que é importante referir de forma a se puder interpretar os dados de resposta. Tal como nos dados de entrada, a estrutura de resposta está dividida em duas secções 10

13 Fig. 6 - Estrutura de Retorno do Serviço O MessageHeader é igual ao mesmo campo nos dados de entrada. É no campo MessageBody que existe a pequena diferença que irá ser de seguida referida. O MessageBody da estrutura de resposta, tal como a estrutura de entrada, é constituída por uma lista de objectos. Fig. 7 - Estrutura MessageBody de saida Tal como na estrutura de entrada o pedido pode conter diversas requisições. Na resposta também é feita a distinção entre as diferentes requisições, ou seja o processamento é individual e é criada uma resposta para cada requisição. A estrutura ResultadoOperacao é constituída por 2 componentes, tal como se pode verificar na imagem seguinte: Fig. 8 - Estrutura ResultadoOperacao No campo GenericCodeResult virá a informação relativa ao (in)sucesso da operação enquanto que a estrutura RequisiçãoMCDT é igual à descrita anteriormente como elemento de entrada. No entanto para resposta apenas deverá ser tomado em consideração os seguintes campos da mensagem: MessageHeader; GenericCodeResult; NumeroRequisicao Presente no Cabecalho da RequisicaoMCDT. 11

14 CARACTERÍSTICAS, REGRAS E VALIDAÇÕES DO SERVIÇO 1. A autenticação e autorização da entidade são validadas através do cabeçalho WS-Security 2. O serviço deve ser invocado por requisição de MCDT. 3. O serviço permite inserir uma requisição de MCDT ou anular uma requisição já existente no sistema. 4. O número de requisição (Numero) é de preenchimento obrigatório. 5. A data da requisição (Data) é de preenchimento obrigatório. 6. Para registar uma requisição é necessário identificar o utente a quem foi prescrita essa mesma requisição. Seguem-se os dados mínimos que devem ser enviados para identificar o utente: a. Número do utente do Serviço Nacional de Saúde (NumeroSNS), quando aplicável; b. Nome do Utente (NomeCompleto); c. Data de Nascimento (DataNascimento). d. Sexo; e. País da nacionalidade, de acordo com a norma ISO , alpha 2 Nota 1: Podem ser enviados mais dados de identificação do utente Nota 2: O número do utente é obrigatório se a entidade financeira responsável for o SNS ou o CNPRP; Nota 3: O número de beneficiário é de preenchimento obrigatório para qualquer utente, excepto nas seguintes situações: a) O utente é beneficiário apenas do SNS; b) O utente é cidadão estrangeiro e não possui número de utente, nem cartão de EFR nacional, nem documento de direito. Neste caso a EFR deverá ser (Independente). c) Na situação da EFR ser o próprio utente ou uma Entidade Terceira. Neste caso a EFR deverá ser (Independente). Nota 4: O nº de utente, caso esteja preenchido, é preferencial relativamente aos restantes dados, para efeitos de validação. Podem ser enviados mais dados do utente; estes são apenas os considerados mínimos obrigatórios. 7. O elemento Profissional é de preenchimento obrigatório. 8. O elemento Grupo Funcional da estrutura Profissional é de preenchimento obrigatório. Os valores possíveis para este elemento são: a. Médicos 05 b. Dentistas 06 c. Odontologistas O elemento LocalPrescricao é de preenchimento obrigatório. 10. Uma requisição, cuja EFR seja o SNS, deve obedecer às seguintes regras: a. Só pode ter no máximo 6 MCDT b. Os MCDT têm que pertencer à tabela de convencionados publicada no site da ACSS e em vigor à data da requisição 12

15 ESTRUTURAS DE DADOS RegistoRequisicaoMCDTProcessRequestType Elemento Tipo Descrição MessageHeader int:messageheadertype Cabeçalho do pedido; a responsabilidade de preenchimento é da ACSS MessageBody rreq:registorequisicaomcdtmessagebody Corpo do Pedido RegistoRequisicaoMCDTMessageBody Elemento Tipo Descrição RequisicoesMCDT rreq:listarequisicaomcdtbody Lista de Requisições ListaRequisicaoMCDTBody Elemento Tipo Descrição RequisicaoMCDT emcdt:requisicaotype Requisição de MCDT, de acordo com a especificação do Modelo de Dados Canónico da Plataforma de Integração da ACSS. RegistoRequisicaoMCDTProcessResponse Elemento Tipo Descrição MessageHeader int:messageheadertype Cabeçalho do pedido; a responsabilidade de preenchimento é da ACSS MessageBody rreq:registorequisicaomcdtmessagebodyoutpu Corpo da Resposta t RegistoRequisicaoMCDTMessageBodyOutput Elemento Tipo Descrição ListaResultadosOperacao rreq:listarequisicaomcdtbodyoutput Lista com os resultados da inserção das Requisições de MCDT 13

16 ListaRequisicaoMCDTBodyOutput Elemento Tipo Descrição ResultadoOperacao rreq:requisicaomcdtbodyoutput Resultado do Registo de uma Requisição de MCDT RequisicaoMCDTBodyOutput Elemento Tipo Descrição GenericCodeResult int:genericcodetype Elemento representativo do estado da invocação (Sucesso, Erro, etc.) RequisicaoMCDT emcdt:requisicaotype Requisição, de acordo com a especificação do Modelo de Dados Canónico da Plataforma de Integração da ACSS. GenericCodeResult Elemento Tipo Descrição Code Texto Código representativo do estado da invocação (Sucesso, Erro, etc.) Description Texto Descrição do código de estado da invocação 14

17 TABELAS DE REFERÊNCIA DE MENSAGENS DE RETORNO O serviço de Registo de MCDT tem 3 grandes tipos de mensagens de retorno. Identificam-se de seguida os estados possíveis para as mensagens retornadas pelo serviço: Estado Sucesso Erro Aviso Acção Requisição registada/anulada com sucesso Solicita o reenvio da requisição Aceita a requisição e devolve código de código/informação incorrecta ou insuficiente Juntamente com o código de Sucesso é enviado também na mensagem o número da requisição inserida ou anulada. Valores possíveis para a mensagem: Código Descrição Tipo Requisição Inserida com Sucesso Sucesso Requisição anulada com sucesso Sucesso Erro ao pesquisar Utente Aviso Erro ao Pesquisar o Profissional Aviso Erro ao Pesquisar o Local de Emissão Aviso Erro ao obter Entidade Responsável Aviso Erro ao obter Modulo de Consulta Aviso Erro ao obter MCDT Aviso Requisição contem MCDT(s) com Área MCDT (Lado) Inválido Aviso Erro ao inserir Requisição Aviso Erro ao inserir itens de Requisição Aviso Número de Requisição já existe Aviso Tipo de Cartão de Entidade Inválido Aviso Requisição a anular não existe Aviso Dados insuficientes para cartão CESD Aviso Número de Beneficiário obrigatório para esta Aviso entidade Requisição contém MCDT(s) inválido(s) Aviso Requisição contem MCDT(s) com Produto Inválido Aviso Requisição não respeita normas definidas Aviso A Requisição tem demasiados MCDTs Aviso Uma requisição apenas pode ter MCDTs de uma Área Aviso A Requisição Possui exames que não podem Aviso 15

18 Código Descrição Tipo estar na mesma requisição Erro ao pesquisar o Num. Requisição Erro Erro no Processamento. Contactar ACSS Erro Numero de Requisição não Preenchido Erro Juntamente com o código de erro, será enviado à entidade um número único (GUID) que deverá ser guardado para futura identificação desse mesmo pedido. Esse identificador é enviado na resposta, na seguinte localização: Reenvio de Mensagens MessageHeader: RequestKey O reenvio da mensagem será apenas necessário em duas situações: a. Na eventualidade de um erro, o que originará uma mensagem com código de erro (Ver tabela de valores possíveis), b. Caso o serviço não responda, ou responda com uma mensagem inválida. Ambas as situações requerem contacto com a ACSS para que se possa averiguar e resolver o problema existente, possibilitando assim o reenvio da requisição a ser processada. Sendo retornado um aviso (ver tabela valores de possíveis) está garantido o armazenamento de todas as mensagens enviadas, pelo que não é necessário o seu reenvio. Caso seja devolvido um aviso, a ACSS deverá ser igualmente contactada de forma a que seja corrigido o erro que originou o aviso. 16

19 INFORMAÇÃO OPERACIONAL Endpoints Todos os serviços registados na Plataforma de Integração da ACSS são expostos na Gateway de Serviços da mesma. Abaixo estão enumerados os endpoints deste serviço em ambiente de testes e produção. RegistoRequisicaoMCDTs Testes Produção A DEFINIR WSDL Todos os serviços registados na Plataforma de Integração da ACSS são expostos na Gateway de Serviços da mesma. Abaixo estão enumeradas as localizações dos WSDL s deste serviço em ambiente de testes e produção. RegistoRequisicaoMCDTs Testes Produção A DEFINIR 17

20 Timeout O serviço estará configurado para fechar a ligação, retornando timeout ao fim de 30 segundos de tempo de invocação. Quando este problema surge é necessário o reenvio da mensagem. A autorização de reenvio está dependente de contacto prévio com a ACSS, por parte da entidade emissora, para esclarecimento da origem do timeout. Segurança A todas as entidades deverá ser fornecido credenciais de acesso. Estas credenciais de acesso (constituídas por um login e uma password) deverão ser incluídas no cabeçalho WS-Security (http://docs.oasis-open.org/wss/2004/01/oasis wss-wssecurity-secext-1.0.xsd) do serviço, de forma que seja possível efectuar a autenticação e autorização da entidade invocadora contra o servidor LDAP da ACSS. 18

Especificação Técnica ACSS

Especificação Técnica ACSS Especificação Técnica ACSS ET.ACSS 20:2011 Base de Dados Nacional de Prescrições Especificação da interface para recepção de receitas médicas ICS 35.240.80 DESCRITORES Informática médica; software; especificação

Leia mais

Especificação Técnica ACSS

Especificação Técnica ACSS Especificação Técnica ACSS ET.ACSS 4:2011/REV2 Produto de Software para requisição electrónica de meios complementares de diagnóstico e actos terapêuticos Características e fornecimento do produto Revisão

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software agosto, 2015 Versão 2,0 Este trabalho não pode ser reproduzido ou divulgado, na íntegra ou em parte, a terceiros nem utilizado para outros fins que não

Leia mais

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda?

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda? O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde Pedir Receitas A de pela Internet, no âmbito do Programa Simplex, surge no seguimento do

Leia mais

Prescrição Eletrónica de Medicamentos e Produtos de Saúde

Prescrição Eletrónica de Medicamentos e Produtos de Saúde Prescrição Eletrónica de Medicamentos e Produtos de Saúde Especificação dos Serviços para integração com a Sistema Central de Prescrições Março, 2013 Versão Os direitos de autor deste trabalho pertencem

Leia mais

Especificação Técnica ACSS

Especificação Técnica ACSS Especificação Técnica ACSS ET.ACSS 19:2010 ACSS Plataforma de Integração Receita Modelo de dados Canónico ICS 35.240.80 DESCRITORES Informática médica; software; especificação técnica; sistema de saúde;

Leia mais

FAQs PEM - Receita sem papel

FAQs PEM - Receita sem papel FAQs PEM - Receita sem papel A Receita sem Papel, ou Desmaterialização Eletrónica da Receita, é um novo modelo eletrónico que inclui todo o ciclo da receita, desde da prescrição no médico, da dispensa

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software PEM Dezembro, 2012 Versão 1,0 Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele contida é confidencial. Este trabalho não pode

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica Versão 1.0 Departamento de Segurança Privada Abril de 2012 Manual do Utilizador dos Serviços Online do SIGESP Versão 1.0 (30 de abril

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias da Informação Os

Leia mais

Prescrição Eletrónica Médica

Prescrição Eletrónica Médica Prescrição Eletrónica Médica Especificação dos Serviços para integração com o Sistema Central de Prescrições Agosto, 2015 Versão Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele

Leia mais

Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias de Informação

Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias de Informação Procedimento de concessão e acompanhamento da atribuição da Marca ACSS-Software Certificado a produtos de software para utilização nas instituições e Unidade Operacional de Normalização e Certificação

Leia mais

ADSE DIRECTA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE MANUAL DE APOIO AOS ORGANISMOS

ADSE DIRECTA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE MANUAL DE APOIO AOS ORGANISMOS ADSE DIRECTA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE MANUAL DE APOIO AOS ORGANISMOS Este documento destina-se a apoiar os serviços processadores na elaboração dos protocolos dos documentos de despesa em

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica Versão 2 Departamento de Segurança Privada Março de 2014 Manual do Utilizador dos Serviços Online do SIGESP Versão 2. (Março de 2014)

Leia mais

A. Questões de âmbito geral sobre Requisição Electrónica de MCDT

A. Questões de âmbito geral sobre Requisição Electrónica de MCDT A. Questões de âmbito geral sobre Requisição Electrónica de MCDT 1. O que é a requisição electrónica de MCDT e em que diploma está regulamentada? É o procedimento de emissão de requisições de meios auxiliares

Leia mais

Comunicação de Dados de Autenticação e Credenciais de Acesso para Resposta ao Inquérito

Comunicação de Dados de Autenticação e Credenciais de Acesso para Resposta ao Inquérito Mais informação Acesso ao Sistema de Transferência Electrónica de dados de Inquéritos (STEDI). Onde se acede ao sistema de entrega de Inquéritos? Deverá aceder ao sistema através do site do GEP www.gep.mtss.gov.pt

Leia mais

Este documento tem como objectivo aclarar o processo de Filiação de Agentes Desportivos na Plataforma Lince.

Este documento tem como objectivo aclarar o processo de Filiação de Agentes Desportivos na Plataforma Lince. APRESENTAÇÃO Este documento tem como objectivo aclarar o processo de Filiação de Agentes Desportivos na Plataforma Lince. A PLATAFORMA Após aceder à plataforma deve entrar em Agentes Desportivos e em Pedidos

Leia mais

Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL

Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL Índice 1. Introdução...3 2. Home Page...3 3. Pedido de Senha...4 3.1 Proponente...5 3.2 Técnico Qualificado...5 3.3 Proponente/Técnico

Leia mais

Princalculo Contabilidade e Gestão

Princalculo Contabilidade e Gestão COMUNICAÇÃO EXTERNA Junho/2013 REGIME DOS BENS EM CIRCULAÇÃO A obrigação é a partir de quando? 1 de Julho de 2013 Quem está obrigado? Os que no ano anterior tiveram um volume de negócios superior a 100.000

Leia mais

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores CGA Directa Manual do Utilizador Acesso, Adesão e Lista de Subscritores Versão 1.00 de 10 de Março de 2008 Índice Pág. Introdução 3 Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Acesso Acesso 4 Adesão Adesão 5 2.1

Leia mais

Manual de utilização da aplicação web Gestão de Delegados de Informação Médica

Manual de utilização da aplicação web Gestão de Delegados de Informação Médica Manual de utilização da aplicação web Gestão de Delegados de Informação Médica 1.1 Pedido de Login de Novas Entidades. Este ecrã irá proporcionar à entidade a realização do pedido de login. Para proceder

Leia mais

FAQ s. Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n.

FAQ s. Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n. FAQ s Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n.º 02/INFARMED/ACSS Versão Versão Data FAQ s Introduzidas FAQ s Retificadas 1.0 2012-06-01

Leia mais

Manual do Utilizador do Registo Prévio (Entidades Coletivas e Singulares)

Manual do Utilizador do Registo Prévio (Entidades Coletivas e Singulares) POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE SEGURANÇA PRIVADA (SIGESP) Manual do Utilizador do Registo Prévio (Entidades Coletivas e Singulares)

Leia mais

MANUAL DE ACESSO AO GeADAP

MANUAL DE ACESSO AO GeADAP MANUAL DE ACESSO AO GeADAP OBJETIVO DO MANUAL O objectivo deste manual é explicar como pode um utilizador aceder ao GeADAP. 1 ENDEREÇOS DE ACESSO AO GeADAP 1.1. Serviços da Administração Central Os utilizadores

Leia mais

- Instruções para Aplicação de Geração do Ficheiro Prestação -

- Instruções para Aplicação de Geração do Ficheiro Prestação - ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. - Instruções para Aplicação de Geração do Ficheiro Prestação - Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica Novembro de 2013 1/24 ÍNDICE ÍNDICE...

Leia mais

M a n u a l d o C a n d i d a t o

M a n u a l d o C a n d i d a t o Para efectuar o processo de candidatura deverá aceder ao site abaixo indicado. Link: http://ff.academicos.ul.pt/cssnetff Para iniciar o processo é necessário clicar no tipo de curso que se pretende candidatar,

Leia mais

Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias

Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias ICare-EHR (ASP) ou Application Service Provider, é uma subscrição de Serviço online não necess ICare-EHR (Clássico)

Leia mais

Sistema de Gestão de Ciclo de Vida de Farmácias AVP003. Manual de Utilizador Externo - Entregas ao Domicílio e Vendas via Internet

Sistema de Gestão de Ciclo de Vida de Farmácias AVP003. Manual de Utilizador Externo - Entregas ao Domicílio e Vendas via Internet Sistema de Gestão de Ciclo de Vida de Farmácias AVP003 Manual de Utilizador Externo - Entregas ao Domicílio e Vendas via de Índice 1 Introdução... 4 1.1 Objetivo...4 1.2 Funcionalidades...5 1.3 Autenticação...5

Leia mais

Manual do GesFiliais

Manual do GesFiliais Manual do GesFiliais Introdução... 3 Arquitectura e Interligação dos elementos do sistema... 4 Configuração do GesPOS Back-Office... 7 Utilização do GesFiliais... 12 Outros modos de utilização do GesFiliais...

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Sistema de Informação de Saúde Oral Manual de Utilização 1.0 11/06/2010 Engenharia de Software 2º Semestre 2009/2010 Grupo: 2 Membros: NUNO MESTRE 31140 DIOGO FIGUEIRAL 35979 HUGO FONSECA 36146 JOÃO LUÍS

Leia mais

ADSE DIRETA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE

ADSE DIRETA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE ADSE DIRETA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE MANUAL DE APOIO ÀS ENTIDADES EMPREGADORAS Este documento destina-se a apoiar as entidades empregadoras na elaboração dos protocolos dos documentos de

Leia mais

1.1 Candidaturas on-line

1.1 Candidaturas on-line 1.1 Candidaturas on-line Este manual é um documento de passo a passo de como efetuar a sua candidatura. As imagens apresentadas são exemplos do processo de candidaturas. De acordo com o regime de candidatura

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Manual Utilizador - Gestão de Processos de Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais - Front-Office

Manual Utilizador - Gestão de Processos de Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais - Front-Office Manual Utilizador - Gestão de Processos de Acidentes de Trabalho e - Front-Office V1.0 Página 1 Índice Índice... 2 1. Introdução... 3 2. Instruções Gerais... 4 2.1 Acesso... 5 2.1.1 Regras para Aceder

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 GRUPO 10. Vítor Martins 47121. Rui Fonseca 47081. David Barbosa 47076. Ricardo Boas 47023

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 GRUPO 10. Vítor Martins 47121. Rui Fonseca 47081. David Barbosa 47076. Ricardo Boas 47023 DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 David Barbosa 47076 Ricardo Boas 47023 Rui Fonseca 47081 Vítor Martins 47121 GRUPO 10 2009/2010 1 Índice 1. Introdução... 2 1.1 Visão Geral do Problema... 2

Leia mais

Novo Formato de Logins Manual de Consulta

Novo Formato de Logins Manual de Consulta Gestão Integrada de Acessos Novo Formato de Logins Manual de Consulta Gestão Integrada de Acessos Histórico de Alterações Versão Descrição Autor Data 1.0 Versão inicial DSI/PPQ 2014-07-11 Controlo do documento

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS...

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS... Índice 1 INTRODUÇÃO...2 1.1 JANELA ÚNICA DE ENTIDADES...3 1.2 PERMISSÕES POR UTILIZADOR...4 1.3 RESTRIÇÕES À VISUALIZAÇÃO/MANIPULAÇÃO...6 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 2.1 CRITÉRIOS DE PESQUISA...8 2.2 LISTA

Leia mais

Índice. Índice de figuras

Índice. Índice de figuras PASSO-A-PASSO Índice 1 Entrar no Portal das Escolas 3 2 Registo 3 2.1 Preencher o registo 3 2.2 Campos de registo a preencher 4 2.3 Autorização para tratamento de dados do Portal das Escolas 6 2.4 Mensagem

Leia mais

Guia de Utilização. Acesso Universal

Guia de Utilização. Acesso Universal Guia de Utilização Índice PREÂMBULO...3 ACESSO À PLATAFORMA...3 ÁREA DE TRABALHO...4 APRESENTAR PROPOSTAS...9 RECEPÇÃO DE ADJUDICAÇÃO...18 PARAMETRIZAÇÃO DA EMPRESA...19 Acesso universal Proibida a reprodução.

Leia mais

Perguntas mais frequentes sobre o sistema EudraCT

Perguntas mais frequentes sobre o sistema EudraCT Perguntas mais frequentes sobre o sistema EudraCT 1. Segurança do sistema e confidencialidade P: Como posso ter a certeza de que os dados introduzidos estarão seguros? 2. Configuração do sistema P: Como

Leia mais

MANUAL DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE UM MEDICAMENTO MODELO OMS E DECLARAÇÕES DE MEDICAMENTOS

MANUAL DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE UM MEDICAMENTO MODELO OMS E DECLARAÇÕES DE MEDICAMENTOS MANUAL DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE UM MEDICAMENTO MODELO OMS E DECLARAÇÕES DE MEDICAMENTOS GLOSSÁRIO... 2 INTRODUÇÃO... 3 Objectivo... 3 DEFINIÇÕES... 3 Certificado de um medicamento

Leia mais

O CITIUS é uma ferramenta mais avançada do que a antiga aplicação Habilus.net, permitindo um conjunto de novas funcionalidades.

O CITIUS é uma ferramenta mais avançada do que a antiga aplicação Habilus.net, permitindo um conjunto de novas funcionalidades. Projecto CITIUS CITIUS (do latim mais rápido, mais célere) é o projecto de desmaterialização dos processos nos tribunais judiciais desenvolvido pelo Ministério da Justiça. Englobando aplicações informáticas

Leia mais

Portal Fornecedores 1

Portal Fornecedores 1 Portal Fornecedores 1 o endereço Internet: http://www.jumbo.pt/pfornecedores 2 3 O Fluxo da Informação Inscrição no Portal Atualizar Dados / Gerir Utilizadores Aprovar Inscrição Manutenção de Artigos Aprovar

Leia mais

Plano Saúde Complementar

Plano Saúde Complementar Seguro de Saúde Resumo / Manual do Utilizador Anuidade 2013-2014 PROTOCOLO UNIVERSIDADE DE ÉVORA Plano Saúde Complementar Manual válido para o período de 01/09/2013 a 30/09/2014 O presente manual não substitui

Leia mais

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL Manual de Utilização Direcção dos Serviços de Economia do Governo da RAEM Novembro de 2014 SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL Manual

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

MANUAL ARTSOFT Mobile Pre Sales

MANUAL ARTSOFT Mobile Pre Sales MANUAL ARTSOFT Mobile Pre Sales INDÍCE O que é?... 3 Como se configura?... 3 ARTSOFT... 3 ANDROID... 3 Login... 4 Home... 5 Funcionalidades... 6 Sincronização... 6 Contas... 7 Consultas... 7 Resumos...

Leia mais

APOIO AO BENEFICIÁRIO - FEDER - - MAIS CENTRO - GUIA DE SUBMISSÃO ELECTRÓNICA DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO

APOIO AO BENEFICIÁRIO - FEDER - - MAIS CENTRO - GUIA DE SUBMISSÃO ELECTRÓNICA DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO APOIO AO BENEFICIÁRIO - FEDER - - MAIS CENTRO - GUIA DE SUBMISSÃO ELECTRÓNICA DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO: - SUBMISSÃO ELECTRÓNICA DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO - SUBMISSÃO DE CHECK-LIST

Leia mais

Plataforma de Benefícios Públicos Acesso externo

Plataforma de Benefícios Públicos Acesso externo Índice 1. Acesso à Plataforma... 2 2. Consulta dos Programas de Beneficios Públicos em Curso... 3 3. Entrar na Plataforma... 4 4. Consultar/Entregar Documentos... 5 5. Consultar... 7 6. Entregar Comprovativos

Leia mais

Documento de actualização funcional. Refª JURI-DEV-20121221-v1

Documento de actualização funcional. Refª JURI-DEV-20121221-v1 Documento de actualização funcional Refª JURI-DEV-20121221-v1 21 de Dezembro de 2012 Índice 1 Certificação com envio de ficheiro SAFT-PT para AT... 3 1.1 Sobre a Certificação... 3 1.2 Novas regras para

Leia mais

CC SMS Manual do Utilizador

CC SMS Manual do Utilizador CC SMS Manual do Utilizador Global Id - Creative Thinkers 2011 Índice Manual do Utilizador 02 Acerca do CC SMS 03 Instalação 04 Visão Geral 05 Sms 05 Noções Básicas e Requisitos 05 Envio de SMS 06 Como

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

GUIA DE APOIO ÀS CANDIDATURAS

GUIA DE APOIO ÀS CANDIDATURAS GUIA DE APOIO ÀS CANDIDATURAS Recomendações Gerais para Preenchimento do Formulário de Candidatura: ANTES do preenchimento da candidatura: o que precisa saber/ fazer? Reunir informação: Consultar as Normas

Leia mais

A. Questões de âmbito geral sobre Prescrição Electrónica de Medicamentos (PEM)

A. Questões de âmbito geral sobre Prescrição Electrónica de Medicamentos (PEM) A. Questões de âmbito geral sobre Prescrição Electrónica de Medicamentos (PEM) 1. O que é a prescrição electrónica de medicamentos e em que diploma está regulamentada? É o procedimento de emissão de receitas

Leia mais

COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE. Rui Ribeiro colibri@fccn.pt. FCCN - Dezembro 2010

COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE. Rui Ribeiro colibri@fccn.pt. FCCN - Dezembro 2010 COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE FCCN - Dezembro 2010 Rui Ribeiro colibri@fccn.pt Módulo COLIBRI Concebido por: José Coelho Universidade Aberta Apoiado por: Rui Ribeiro FCCN Vitor

Leia mais

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador MATRÍCULA ELECTRÓNICA Manual do Utilizador ÍNDICE 1 PREÂMBULO... 2 2 UTILIZAÇÃO PELOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO... 3 2.1 Matrícula Electrónica - Acesso através do Portal das Escolas... 3 2.2 Registo de

Leia mais

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Índice 1. Sobre o Guia... 4 1.1 Objectivo... 4 1.2 Utilização do Guia... 4 1.3 Acrónimos e Abreviações... 4 2. Introdução ao Extracto on Line Aplicação

Leia mais

Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online

Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online Integração Empresarial Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online Luís Costa - 8050120 Abril, 2012 1. Introdução Este documento apresenta detalhadamente o processo de negócio de uma

Leia mais

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A.

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. WinREST Sensor Log A Restauração do Séc. XXI WinREST Sensor Log Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. 2 WinREST Sensor Log Índice Índice Pag. 1. WinREST Sensor Log...5 1.1. Instalação (aplicação ou serviço)...6

Leia mais

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Manual do Utilizador

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Manual do Utilizador BlackBerry Internet Service Versão: 4.5.1 Manual do Utilizador Publicado: 2014-01-09 SWD-20140109134740230 Conteúdos 1 Como começar... 7 Acerca dos planos de serviço de mensagens para o BlackBerry Internet

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

Realizador por: Prof. José Santos

Realizador por: Prof. José Santos Realizador por: Prof. José Santos Objectivo Este guia tem como objectivo fornecer aos Encarregados de Educação uma breve explicação sobre o funcionamento da Plataforma de Aprendizagem Moodle do Colégio

Leia mais

Dentro da Rede Multicare. 1. Pagamento de Despesas. 2. Marcação de Consulta. 3. Marcação de Tratamento / Exame. 4. Autorização Prévia

Dentro da Rede Multicare. 1. Pagamento de Despesas. 2. Marcação de Consulta. 3. Marcação de Tratamento / Exame. 4. Autorização Prévia Dentro da Multicare O seu seguro Viva Melhor dá-lhe acesso a uma vasta lista de prestigiados médicos, clínicas, laboratórios, de todo o país a custos reduzidos. Pode consultar a lista em www.multicare.pt

Leia mais

Comunicação documentos de transporte AT via Webservice Singest Sistema Integrado de Gestão. 22-05-2013 Cambragest Serviços de Gestão e Software

Comunicação documentos de transporte AT via Webservice Singest Sistema Integrado de Gestão. 22-05-2013 Cambragest Serviços de Gestão e Software Comunicação documentos de transporte AT via Webservice 22-05-2013 Cambragest Serviços de Gestão e Software I. Índice I. Índice... 1 II. Introdução... 2 III. Configuração de documentos de transporte...

Leia mais

PONTO DE CONTATO ELETRÓNICO COM OS TRIBUNAIS ARBITRAIS

PONTO DE CONTATO ELETRÓNICO COM OS TRIBUNAIS ARBITRAIS PONTO DE CONTATO ELETRÓNICO COM OS TRIBUNAIS ARBITRAIS MANUAL DE UTILIZADOR INFARMED - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P. Parque de Saúde de Lisboa - Avenida do Brasil, 53 1749-004

Leia mais

Sistema de Informação Integrado da Universidade de Évora

Sistema de Informação Integrado da Universidade de Évora Sistema de Informação Integrado da Universidade de Évora Todos os Perfis MANUAL DE UTILIZAÇÃO Módulo: Autenticação O Módulo de Autenticação do SIIUE foi implementado tendo como linha condutora o desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES * Aprovado em assembleia-geral de 1/7/2003 Nos termos do al f) do n.º 1 do art.º 30.º, do n.º 6 do art.º 33.º e da alínea j) do art.º

Leia mais

Instruções para preenchimento de contratos

Instruções para preenchimento de contratos Instruções para preenchimento de contratos Este documento tem como objetivo esclarecer o correto preenchimento dos contratos de emissão e renovação dos certificados digitais qualificados fornecidos pela

Leia mais

1.1 Candidaturas on-line

1.1 Candidaturas on-line 1.1 Candidaturas on-line Para efectuar o processo de candidatura o candidato deverá aceder ao portal do ICS e clicar na informação com a

Leia mais

Serviço de Faturação Eletrónica

Serviço de Faturação Eletrónica E-Invoicing Serviço prestado em acordo de interoperabilidade com a: Nov.2013 Ref. 02.007.14353 ÍNDICE 1 O que é uma Fatura Eletrónica? 3 2 Porquê a Faturação Eletrónica? 4 3 Quais as Vantagens? 7 4 O papel

Leia mais

EDUTec Learning. José Paulo Ferreira Lousado

EDUTec Learning. José Paulo Ferreira Lousado EDUTec Learning MANUAL DO UTILIZADOR José Paulo Ferreira Lousado Índice Página Principal... ii Página de Desenvolvimento de Conteúdos... iii Página de Comunicações...iv Página de Transferência de Ficheiros...vi

Leia mais

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes Enunciados dos Trabalhos de Laboratório Instituto Superior Técnico - 2005/2006 1 Introdução A empresa XPTO vende serviços de telecomunicações. O seu portfólio de serviço inclui: acesso à Internet; serviço

Leia mais

Novo Formato TMENU. Instruções

Novo Formato TMENU. Instruções Novo Formato TMENU Instruções Após validação de utilizador e password é exibido o MENU referente às bases de dados disponíveis para acesso: Identificação Civil, Registo Automóvel, Pessoas Colectivas, Registo

Leia mais

Seguro de Saúde Resumo / Manual do Utilizador Anuidade 2014/2015

Seguro de Saúde Resumo / Manual do Utilizador Anuidade 2014/2015 Seguro de Saúde Resumo / Manual do Utilizador Anuidade 2014/2015 PLANO NÃO COMPLEMENTAR ALUNOS Manual válido para o período de 01/09/2013 a 30/09/2014 O presente manual não substitui as Condições Gerais,

Leia mais

Solução Planner para Nota Fiscal Eletrônica (P/NF-e 3.7)

Solução Planner para Nota Fiscal Eletrônica (P/NF-e 3.7) Solução Planner para Nota Fiscal Eletrônica (P/NF-e 3.7) Introdução Desde abril de 2008 a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) se tornou obrigatória para diversos setores da economia nacional. A cada 6 meses,

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Dúvidas Freqüentes: Autorizador Web

Dúvidas Freqüentes: Autorizador Web Dúvidas Freqüentes: Autorizador Web 1. Como faço pedido de intercâmbio pelo autorizador? Acessando a página inicial do autorizador encontrará na barra de tarefas lateral a opção INTERCÂMBIO. Para intercâmbio,

Leia mais

Plataforma. Manual de Utilização Acesso ao Procedimento Fornecedor. Electrónica BizGov

Plataforma. Manual de Utilização Acesso ao Procedimento Fornecedor. Electrónica BizGov Plataforma Manual de Utilização Acesso ao Procedimento Fornecedor Electrónica BizGov 2010 Índice 1 Solicitar acesso ao procedimento 2 Anexar comprovativo de Pagamento de Peças Procedimentais 3 Aceitar

Leia mais

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11 Índice Parte 1 - Introdução 2 Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4 Parte 2 Desenvolvimento 5 Primeiros passos com o e-best Learning 6 Como aceder à plataforma e-best Learning?... 6 Depois

Leia mais

A SÈTIMA. O nosso principal objectivo

A SÈTIMA. O nosso principal objectivo 03 A SÈTIMA A SÉTIMA produz soluções de software maioritariamente com recurso à WEB, de modo a dar suporte ao crescimento tecnológico que é já a maior realidade do século XXI. Esta aposta deve-se ao facto

Leia mais

soluções transversais SOLUÇÕES segurança

soluções transversais SOLUÇÕES segurança soluções transversais SOLUÇÕES segurança RESUMO DA SOLUÇÃO single sign-on acessos prevenção autenticação Os serviços de segurança são implementados como um layer do tipo Black Box, utilizável pelos canais

Leia mais

(Consulta Real em Ambiente Virtual)

(Consulta Real em Ambiente Virtual) BEM-VINDO AO C R A V (Consulta Real em Ambiente Virtual) A partir de hoje o Arquivo Nacional da Torre do Tombo oferece um novo serviço. O CRAV faculta uma nova forma de obter informação, produtos e serviços

Leia mais

Escola Secundária Eça de Queiroz

Escola Secundária Eça de Queiroz Escola Secundária Eça de Queiroz Curso de Instalação e Manutenção de Sistemas Informáticos Certificação digital de serviço universal Home Banking e ética na sua utilização. Autor: Daniel Filipe Inácio

Leia mais

SRCT Sistema de Gestão de Receitas e Cobrança de Taxas

SRCT Sistema de Gestão de Receitas e Cobrança de Taxas 01-01-2006 SRCT Sistema de Gestão de Receitas e Cobrança de Taxas Rev 1.0 1 INDICE 1 Indice... 2 2 Introdução... 3 2.1 Acesso ao sistema... 3 3 Login... 4 3.1 Primeiro Login... 4 4 Gestão de Declarações...

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Aplicação de RMAs - Instruções

Aplicação de RMAs - Instruções Aplicação de RMAs - Instruções 1 - Registo do Utilizador na Plataforma Existem duas possibilidades de um utilizador se registar na plataforma de RMAs. Utilizador com acesso ao site Utilizador sem acesso

Leia mais

Disponibilização da v4.12 do ETPOS, alterações e procedimentos

Disponibilização da v4.12 do ETPOS, alterações e procedimentos Introdução... 3 Comunicação dos elementos dos documentos de transporte... 3 Licenciamento via sms... 4 Configuração do ETPOS... 5 Dados para autenticação no Portal da AT... 5 Criação de uma nova série

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE. Site http://www.areastore.com/

POLÍTICA DE PRIVACIDADE. Site http://www.areastore.com/ a POLÍTICA DE PRIVACIDADE Site http://www.areastore.com/ A AREA Infinitas - Design de Interiores, S.A. ( AREA ) garante aos visitantes deste site ( Utilizador ou Utilizadores ) o respeito pela sua privacidade.

Leia mais

Seguro de Saúde Resumo / Manual do Utilizador Anuidade 2013/2014 Plano GC1 - Complementar

Seguro de Saúde Resumo / Manual do Utilizador Anuidade 2013/2014 Plano GC1 - Complementar Seguro de Saúde Resumo / Manual do Utilizador Anuidade 2013/2014 Plano GC1 - Complementar Manual válido para o período de 01/10/2013 a 30/09/2014 O presente manual não substitui as Condições Gerais, Especiais

Leia mais

Sistema de Informação Integrado da Universidade de Évora

Sistema de Informação Integrado da Universidade de Évora Sistema de Informação Integrado da Universidade de Évora Perfil Candidato MANUAL DE UTILIZAÇÃO Módulo: Candidaturas online (2.º/3.º Ciclo, e outros cursos não conferentes de Grau) O Módulo de Candidaturas

Leia mais

Seguro de Saúde Resumo / Manual do Utilizador Anuidade 2014/2015 Plano GC1 - Complementar

Seguro de Saúde Resumo / Manual do Utilizador Anuidade 2014/2015 Plano GC1 - Complementar Seguro de Saúde Resumo / Manual do Utilizador Anuidade 2014/2015 Plano GC1 - Complementar Manual válido para o período de 01/10/2014 a 30/09/2015 O presente manual não substitui as Condições Gerais, Especiais

Leia mais

lince Plataforma Desportiva

lince Plataforma Desportiva lince Plataforma Desportiva Definições Genéricas REGISTO Inscrição Electrónica de um Agente Desportivo na lince Plataforma Desportiva Electrónica da Federação Portuguesa de Atletismo. INSCRIÇÃO INICIAL

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Questões mais frequentes FAQs Maio/2012 Versão 2.0 DDO É obrigatório adoptar o novo formato para envio da informação de Folhas de Férias estabelecido na legislação em vigor

Leia mais

Configuração do cliente de e-mail (Microsoft Outlook)

Configuração do cliente de e-mail (Microsoft Outlook) De modo a melhorar os serviços informáticos disponibilizados à comunidade do ISMT foi melhorado o sistema de correio electrónico (e-mail). Esta reestruturação implica algumas alterações no acesso a estes

Leia mais

Sistema Nacional de Registro de Hóspedes - SNRHos. PGTUR Plataforma de Gestão do Turismo Manual Técnico de Utilização do Web Service Versão 2.

Sistema Nacional de Registro de Hóspedes - SNRHos. PGTUR Plataforma de Gestão do Turismo Manual Técnico de Utilização do Web Service Versão 2. Sistema Nacional de Registro de Hóspedes - PGTUR Plataforma de Gestão do Turismo Manual Técnico de Utilização do Web Service Versão 2.0 ÍNDICE 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS... 3 2. TECNOLOGIA WEB SERVICE...

Leia mais

Plataforma Colaborativa Gestão e Arquivo Digital de Documentos e Mensagens

Plataforma Colaborativa Gestão e Arquivo Digital de Documentos e Mensagens Pasta O / Entrada e Digitalização O / Back-Office O / Tratar Mensagem O / Registo de Entrada O / Pesquisa e Arquivo O / Recolha de Estatísticas Plataforma Colaborativa Gestão e Arquivo Digital de Documentos

Leia mais

Seguro de Saúde Resumo / Manual do Utilizador Anuidade 2014/2015

Seguro de Saúde Resumo / Manual do Utilizador Anuidade 2014/2015 Seguro de Saúde Resumo / Manual do Utilizador Anuidade 2014/2015 Plano GC1 - Complementar Manual válido para o período de 01/10/2014 a 30/09/2015 O presente manual não substitui as Condições Gerais, Especiais

Leia mais