SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER"

Transcrição

1 SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SEMANA DE 08 A 12 DE JULHO Nesta semana, o SINDISIDER recebeu destaque em uma reportagem publicada na versão online do jornal o Estado de Minas, sobre as consequências da interrupção das estradas pelos protestos dos caminhoneiros e a onda de aplicações em tecnologia e inovação das empresas, a fim de garantir eficiência e evitar os problemas na entrega. A matéria traz, ainda, uma declaração do superintendente do SINDISIDER, Gilson Bertozzo, que fala sobre a os investimentos no transporte da indústria siderúrgica. Segundo o executivo, algumas mudanças favoreceram a segurança do transporte, como a renovação da frota, além do rastreamento do caminhão via satélite. Na segunda-feira, foi abordada pela Reuters, a informação da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com sede em Paris, que informou que, enquanto os países desenvolvidos estão ganhando ritmo, o crescimento nas principais economias emergentes desacelera. No caso do Brasil, o índice recuou para 99,1 ante 99,3. O jornal Valor Econômico apontou a nova aposta dos fabricantes de tubos: o saneamento básico. A situação mudou porque há investimentos previstos pelo Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab), para puxar o crescimento de suas receitas nos próximos 20 anos. O programa prevê investimentos de R$ 508,5 bilhões, porém o volume estimado para água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos corresponde a 78% do total - R$ 396 bilhões. O assunto que chamou a atenção no mercado de minérios foi o preço da commodity que registrou o maior ganho semanal desde o início de janeiro, com siderúrgicas chinesas recompondo seus estoques defasados, embora a precaução esteja dominando o mercado após a alta recente. A notícia foi divulgada pela agência Reuters. Boa leitura!

2 1- INDA TRANSPORTADORAS E FABRICANTES INVESTEM EM TECNOLOGIA A SERVIÇO DO CLIENTE A paralisação de linhas de produção da indústria e o desabastecimento nos postos de combustíveis que o Brasil enfrentou na semana passada, com a interrupção das estradas pelos protestos dos caminhoneiros, deixaram à mostra a sensibilidade do transporte de carga, como elo essencial da cadeia de fornecimento à população. Para ganhar eficiência e evitar problemas na entrega, as maiores empresas do setor lideram uma onda de investimentos em tecnologia e inovação. Dos pátios das operadoras para dentro, sistemas avançados de gestão, controle da entrega e do roteiro cumprido pela frota constituem tendência num mercado de grande competição, segundo a Federação das Empresas de Transporte de Carga do Estado de Minas Gerais (Fetcemg). Os principais aportes estão sendo feitos na área de automação do recebimento de mercadorias, transporte e distribuição, informa o presidente da instituição, Vander Francisco Costa. Tecnologia e inovação são fatores de melhoria nos resultados, a começar da cobrança correta do frete. É muito interessante ver a forma como os caminhões de transporte de cargas evoluíram nos últimos 10 anos. O desafio agora é investir na redução de gases poluentes, afirma. Não há estatística sobre o montante que está sendo investido. As políticas das transportadoras têm sido executadas com a destinação regular de percentuais da receita para os investimentos. O sistema de rastreabilidade da carga é um dos itens mais frequentes dos programas de modernização e inovação tecnológica, acompanhando a mercadoria desde a coleta até a entrega ao cliente por meio de códigos de barras e coletores com chips. Especializada na fabricação de equipamentos e sistemas inteligentes de rastreamento e monitoramento de frota, a Maxtrack, de Betim, na Grande Belo Horizonte, está investindo na expansão de seu parque industrial, para atender demanda crescente. Quando o motorista sai da fábrica já seguirá a rota ideal, acompanhado por sistema on-line, que controla a entrega ponta a ponta e monitora a segurança. É algo transparente para quem contrata um sistema de frete e que impacta diretamente no resultado da empresa e na melhoria operacional, afirma o diretor-executivo da Maxtrack, Etiene Guerra. A empresa comercializa os equipamentos e as soluções de logística, executadas por uma rede de 350 operadores parceiros. No desenvolvimento tecnológico, aplica, ao todo, entre 6% e 8% do seu faturamento. O parque industrial está sendo ampliado

3 da área atual de 3 mil metros para 5 mil metros quadrados, com aporte de R$ 5 milhões neste ano só em infraestrutura de galpões e maquinário. Longo caminho além da eficiência operacional, os investimentos no transporte e distribuição de mercadorias envolvem medidas para aumento da segurança de usuários, cargas e terceiros; melhoria e durabilidade de equipamentos e infraestrutura e eficácia no armazenamento, destaca José Henrique Diniz, coordenador da área de inovação e criatividade do Instituto de Educação Tecnológica (Ietec), de Belo Horizonte. Há enfoque, principalmente, nas tecnologias embarcadas, como as de rastreamento e localização de cargas e veículos, com uso intensivo de componentes eletrônicos e softwares de supervisão e controle. De acordo com Diniz, ainda há espaço para o surgimento de inovações voltadas para aumento de eficiência e segurança dos equipamentos e da infraestrutura, redução de custos e de emissões e aumento de vida útil. A preocupação faz todo o sentido, já que, ao estado precário das rodovias, se juntam desafios como a falta de equipamentos para controle do peso dos caminhões, o que encarece o transporte, elevando o custo de manutenção com estradas e veículos e, consequentemente, também o das mercadorias. No setor ferroviário, não é diferente. A mineradora Vale tem feito investimentos expressivos em inovações operacionais. Carlos Quartieri, diretor da Estrada de Ferro Vitória a Minas, informa que desde o ano passado a companhia vem adquirindo equipamentos em busca de economia, segurança e redução de mão de obra em atividade pesada, que é treinada e absorvida em outras áreas. Entre os grandes equipamentos adquiridos estão os carros controle, que medem mensalmente toda a linha por meio de sensores a laser e verificam pontos com defeitos e desgastes que precisam ser corrigidos, explica Quartieri. A partir dessa medição são gerados relatórios usados pela equipe de planejamento de manutenção de via permanente. Outros equipamentos realizam, posteriormente, procedimentos necessários, como a troca de dormentes e lastro. Tudo é feito de forma automática, com poucos profissionais envolvidos e com formação técnica maior, frisa o diretor. Arma contra avanço de concorrente chinês Das linhas de produção ao pátio do cliente, a indústria extrapolou seus controles para garantir a entrega, fator que interfere na disputa de mercado. O investimento se tornou vital nas fábricas de máquinas e equipamentos, observa Marcelo Luiz Moreira Veneroso, diretor regional da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). Os sistemas acompanham do gerenciamento do projeto de engenharia à entrega da máquina, com rastreamento contínuo e interface junto ao cliente que deseja participar do desenvolvimento do produto.

4 O comprador recebe o histórico completo das peças e dos componentes empregados na fabricação, contendo certificados e resultados de todos os testes feitos até a conclusão do equipamento. Nas indústrias modernas, esse é um diferencial diante dos concorrentes chineses, herança que os europeus deixaram ao Brasil. Assimilamos muito bem essa cultura e os controles estão tão bem instalados aqui quanto na Europa, afirma Marcelo Veneroso. Na indústria siderúrgica, os distribuidores também investiram em ferramentas de gestão para gerenciar a entrega dos produtos. Gilson Bertozzo, superintendente do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Produtos Siderúrgicos (Sindisider), afirma que o primeiro momento importante no trabalho é o da saída do produto bobinas e chapas da usina para os distribuidores. Algumas mudanças favoreceram a segurança do transporte, como a renovação da frota. O transporte exige veículos com no máximo cinco anos de uso, servidos de berço para as bobinas e amarração com cintas de náilon com pressão. As empresas investiram também na segurança dos caminhões, com rastreamento via satélite. As bobinas de aço inoxidável já saem da usina com chips de identificação, informando onde foram produzidas e o destino. O segundo momento consiste no armazenamento, especialmente no que se refere à aquisição de novos equipamentos capazes de lidar com bobinas quase três vezes mais pesadas que as produzidas há 10 anos. Antes, a bobina era cortada em pedaços e entregue em vários lugares. Hoje, a distribuidora transforma o material em partes ou componentes na medida que cada cliente necessita. A Usiminas modernizou suas ferramentas de gestão da informação para dar melhor qualidade e agilidade à logística. A empresa movimenta, todo mês, ao redor de 1 milhão de toneladas de matéria-prima e 580 mil toneladas de produtos acabados, o que exige sinergia entre as áreas de planejamento, suprimentos, vendas, produção, despacho e transporte. O sistema acessado pela intranet da siderúrgica disponibiliza informações atualizadas desde a produção ate a entrega do produto. Os clientes, por sua vez, passaram a contar, no fim do ano passado, com um novo sistema online que permite visualizar compras, gerenciar pedidos e monitorar entregas. Além disso, a equipe de logística desempenha o papel de otimizar a malha logística disponível para cumprir os fluxos com segurança, custo competitivo e dentro dos prazos, afirma Alejandro Laiño, diretor corporativo Supply Chain da Usiminas. Link: rtadoras-e-fabricantes-investem-em-tecnologia-a-servico-do-cliente.shtml

5 2 SETOR MAQUINÁRIO DA SILAT PREVISTO PARA AGOSTO Os primeiros equipamentos da Siderúrgica Latino-Americana (Silat), em construção em Caucaia, devem começar a chegar ao Ceará em agosto. Esta é a expectativa do diretorpresidente do empreendimento, Luiz Eduardo Moraes. Segundo ele, as máquinas chegarão quando já houver áreas cobertas no terreno. No momento, estão sendo realizadas as obras de terraplanagem, concretagem e estruturas de elevação da usina. A terraplanagem da área que abrigará a siderúrgica, iniciada em janeiro passado, deverá se estender por mais três ou quatro meses De acordo com Moraes, os equipamentos da usina chegarão da Espanha, país do grupo Hierros Añon, sócio majoritário do empreendimento, e da Áustria. A terraplanagem da área que abrigará a siderúrgica, iniciada em janeiro passado, deverá se estender por mais três ou quatro meses. Existem, atualmente, cerca de 100 pessoas, entre contratados e subcontratados, trabalhando nas obras. Testes em dezembro O diretor-presidente trabalha com a estimativa de que, em dezembro próximo, sejam iniciados os testes da primeira unidade da planta, a fábrica de malhas acabadas, que produz estruturas de aço que são utilizadas, por exemplo, na produção de lajes. Já o laminador de aços longos, que produzirá vergalhões e fio-máquina, entrará em testes em junho de A Silat é uma siderúrgica laminadora, que realiza uma etapa posterior à que fará a Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP). Entretanto, pelo menos inicialmente, as placas de aço para a Silat serão adquiridas de outros Estados ou países. A CSP produzirá placas de aço para laminação, mas as beneficiará na Coreia do Sul, pelas sócias internacionais da jointventure, Dongkuk e Posco.

6 A laminação na Silat ocorrerá em etapas. Na primeira fase, que está em processo de instalação, a planta produzirá vergalhões, fio máquina e malhas de aço acabadas, em uma área construída de 60 mil metros quadrados. A produção será de 600 mil toneladas por ano de vergalhões e fio máquina, e 60 mil toneladas por ano de malhas de aço acabadas. Nesta etapa, será feito um investimento de R$ 232 milhões. Somente na segunda fase, a Silat produzirá as chapas laminadas. Serão 700 mil toneladas por ano, em um investimento de mais R$ 700 milhões na instalação da estrutura. Por fim, a terceira fase contemplará uma aciaria, que produzirá o tarugo, matéria-prima para a laminação de aços longos. Link:

7 MINÉRIO TEM MAIOR GANHO SEMANAL EM 6 MESES COM COMPRAS CHINESAS Os preços do minério de ferro no mercado à vista asiático registraram o maior ganho semanal desde o início de janeiro, com siderúrgicas chinesas recompondo seus estoques defasados, embora a precaução esteja dominando o mercado após a alta recente. Um salto nos futuros do vergalhão de aço em Xangai nesta semana deram força ao minério, com as cotações atingindo uma nova máxima de seis semanas nesta sexta-feira e a melhor performance semanal desde dezembro. "Usinas têm mantido estoques reduzidos de minério de ferro nos últimos dois meses", disse um operador de Hong Kong. "Mas o minério de ferro pode ter atingido um pico de curto prazo por ora. Os preços subiram rápido demais e o mercado precisa digerir essa alta." O minério com 62 por cento de teor de ferro, referência no mercado, subiu 0,5 por cento para 122,60 dólares por tonelada nesta sexta-feira, conforme dados do Steel Index, maior valor desde 23 de maio. "Na China, muitos operadores estão agora segurando cargas com a expectativa de preços mais altos", disse o Steel Index. O minério de ferro, produto mais importado pela China em volume, teve alta de 5,3 por cento na semana. Os ganhos, tanto no minério quanto nos preços do aço na China, vieram após perdas fortes no primeiro semestre, que tornaram os preços dos produtos mais atrativos para compradores. O minério de ferro perdeu um quinto de seu valor entre janeiro e junho e o vergalhão em Xangai caiu 15 por cento.

8 EM MAIO, PRODUÇÃO INDUSTRIAL RECUA EM NOVE DOS 14 LOCAIS PESQUISADOS O ritmo da produção industrial na passagem de abril para maio, na série com ajuste sazonal, reduziu-se também em termos regionais, com quedas em nove dos 14 locais pesquisados. Os recuos mais intensos foram em São Paulo (-3,7%) e Santa Catarina (-2,5%), seguidos por Ceará (-1,9%), Rio de Janeiro (-0,8%), Região Nordeste (-0,6%), Pará (-0,4%), Espírito Santo (- 0,3%), Amazonas (-0,2%) e Bahia (-0,1%) Por outro lado, Goiás (3,2%) mostrou o avanço mais acentuado, com Minas Gerais (1,1%), Paraná (0,9%), Rio Grande do Sul (0,7%) e Pernambuco (0,6%) a seguir. A redução no ritmo da produção industrial nacional na passagem de abril para maio, série com ajuste sazonal, também foi observada em termos regionais, já que nove dos quatorze locais pesquisados tiveram quedas. Os recuos mais intensos foram em São Paulo (-3,7%), parque industrial mais diversificado do país, e Santa Catarina (-2,5%), que tiveram altas no mês anterior: 1,1% e 0,1% respectivamente. Ceará (-1,9%), Rio de Janeiro (-0,8%), Região Nordeste (-0,6%), Pará (-0,4%), Espírito Santo (-0,3%), Amazonas (-0,2%) e Bahia (-0,1%) também mostraram taxas negativas, embora menos intensas que a média nacional (-2,0%). Por outro lado, Goiás (3,2%), mostrou o avanço mais acentuado, recuperando parte da perda (-4,7%) acumulada em março e abril. Os demais resultados positivos foram em Minas Gerais (1,1%), Paraná (0,9%), Rio Grande do Sul (0,7%) e Pernambuco (0,6%).

9 Ainda na série com ajuste sazonal, a evolução do índice de média móvel trimestral para o total da indústria mostrou variação positiva de 0,2% no trimestre encerrado em maio frente ao nível do mês anterior, após também apontar taxas positivas em janeiro (0,4%), fevereiro (0,1%), março (0,4%) e abril (0,1%). Em termos regionais, ainda em relação ao movimento deste índice na margem, oito dos quatorze locais registraram taxas positivas, com destaque para Minas Gerais (2,6%), Paraná (2,1%), Pernambuco (1,9%) e Bahia (1,1%). Por outro lado, Pará (-2,1%), Santa Catarina (-0,9%), Ceará (-0,7%), São Paulo (-0,7%) e Goiás (-0,6%) assinalaram as perdas mais acentuadas nesse mês. Na comparação com igual mês do ano anterior, o setor industrial nacional avançou 1,4% em maio de 2013, com nove dos quatorze locais pesquisados apontando expansão na produção. Vale citar que maio de 2013 (21 dias) teve um dia útil a menos que igual mês do ano anterior (22). Nesse mês, as taxas positivas mais intensas foram observadas no Amazonas (6,6%) e Bahia (5,5%), impulsionados em grande parte pelo comportamento positivo dos setores de refino de petróleo e produção de álcool (gasolina automotiva), máquinas e equipamentos (fornos de micro-ondas e aparelhos de ar-condicionado) e alimentos e bebidas (preparações em xarope para elaboração de bebidas), no primeiro local, e produtos químicos (resinas termoplásticas), metalurgia básica (barras, perfis e vergalhões de cobre), refino de petróleo e produção de álcool (óleo diesel, gasolina automotiva, álcool e querosenes de aviação) e celulose, papel e produtos de papel (celulose), no segundo. Paraná (4,7%), Pernambuco (4,4%), Rio Grande do Sul (4,3%), Rio de Janeiro (3,0%), Região Nordeste (2,2%), São Paulo (1,3%) e Minas Gerais (1,0%) completaram o conjunto de locais que assinalaram taxas positivas nesse mês. Por outro lado, Pará (-19,6%) apontou o resultado negativo mais intenso no índice mensal de maio, pressionado, em grande parte, pelos recuos verificados em indústrias extrativas (minérios de ferro) e metalurgia básica (óxido de alumínio). As demais taxas negativas foram verificadas no Espírito Santo (-5,6%), Santa Catarina (-2,7%), Ceará (-0,6%) e Goiás (-0,4%). No acumulado no ano, a expansão observada na produção nacional alcançou oito dos quatorze locais pesquisados, com sete avançando acima da média nacional (1,7%): Rio de Janeiro (5,4%), Bahia (5,0%), Rio Grande do Sul (3,3%), São Paulo (2,8%), Amazonas (2,4%), Ceará (2,2%) e Goiás (2,1%). Região Nordeste (1,4%) completou o conjunto de locais com taxas positivas, enquanto Pernambuco (0,0%) ficou estável no índice acumulado dos cinco primeiros meses de Nesses locais, o maior dinamismo foi particularmente influenciado por fatores relacionados ao aumento na fabricação de bens de capital e de bens de consumo duráveis, além da maior produção vinda dos setores de refino de petróleo e produção de álcool, produtos têxteis, calçados e artigos de couro e alimentos. Por outro lado, Pará (-11,0%) e Espírito Santo (-

10 10,0%) assinalaram as perdas mais acentuadas, refletindo especialmente a menor produção de indústrias extrativas e metalurgia básica, no primeiro local, e de metalurgia básica e alimentos e bebidas, no segundo. Também com resultados negativos figuraram: Minas Gerais (-0,6%), Santa Catarina (-0,5%) e Paraná (-0,1%). A taxa acumulada nos últimos doze meses, ao recuar 0,5% em maio de 2013, mostrou redução no ritmo de queda frente às marcas registradas em março (-2,0%) e abril (-1,0%). Em termos regionais, oito dos quatorze locais pesquisados também apontaram taxas negativas em maio desse ano, mas nove assinalaram maior dinamismo frente ao índice de abril último, com destaque para Amazonas, que passou de -5,4% para -3,7%, Espírito Santo (de -8,9% para -8,2%), São Paulo (de -1,1% para -0,4%) e Rio de Janeiro (de -0,6% para 0,1%). Link:

11 INDICADOR DA OCDE APONTA DESACELERAÇÃO DE EMERGENTES Os países desenvolvidos estão ganhando ritmo enquanto o crescimento nas principais economias emergentes desacelera, afirmou na segunda-feira a OCDE. A Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com sede em Paris, informou que seu último indicador antecedente composto mensal como um todo subiu para 100,6 em maio, de 100,5 em abril. A ligeira melhora levou a medida, que cobre 33 países membros da OCDE e busca indicar momentos de virada na atividade econômica, para mais acima da média de longo prazo de 100. No caso do Brasil, o índice desacelerou para 99,1 ante 99,3. "O indicador aponta para melhora moderada do crescimento na maioria das principais economias da OCDE, mas em grandes economias emergentes o indicador aponta para uma estabilização ou desaceleração da força", disse a OCDE em comunicado. O Japão, beneficiando-se de uma forte rodada de estímulo monetário, liderou entre os países desenvolvidos com uma leitura de 101,3, ante 101,1 em abril. A leitura para os EUA ficou inalterada em maio em 101,0, o que segundo a OCDE sinaliza crescimento firme, conforme o banco central do país avalia se reduzirá seu programa de estímulo. Mesmo a zona do euro, que há tempos luta para sair da crise de dívida, viu melhora com sua leitura subindo para 100,3 ante 100,1. A OCDE destacou uma mudança de tendência na Itália, cuja leitura também subiu para 100,3 ante 100,1. A tendência foi menos encorajadora em economias emergentes. A China perdeu mais velocidade com uma leitura de 99,5, ante 99,6, enquanto a leitura para a Rússia caiu para 98,9, ante 99,2. Na contramão da tendência de economias emergentes, a Índia viu seu índice subir para 97,6 ante 97,5. Link:

12 FABRICANTES DE TUBOS APOSTAM NO SANEAMENTO Empresas que fornecem tubos para o setor de saneamento apostam nos investimentos previstos pelo Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab) para puxar o crescimento de suas receitas nos próximos anos. Saint-Gobain Canalização, FGS e Brastubo, por exemplo, estão de olho em projetos que podem ser impulsionados no pacote de R$ 396 bilhões previstos pelo plano para água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos até O Plansab prevê investimentos de R$ 508,5 bilhões nos próximos 20 anos, mas o volume estimado para água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos corresponde a 78% do total - R$ 396 bilhões. O restante estão orçados para a gestão dos projetos. "O plano de saneamento vai mostrar a necessidade de mais investimentos", diz David Molho, diretor geral da Saint-Gobain Canalização. A companhia, que faz tubos de ferro-fundido, espera crescer em torno de 10% ao ano, puxada principalmente pelo setor. Essa área corresponde por 66% de sua receita. A empresa também vende tubos para o transporte de água em outras atividades industriais, como petroquímica e bebidas. Na expectativa de um aumento dos projetos de saneamento, a fabricante de tubos de polietileno FGS investiu recentemente R$ 60 milhões em novas linhas de produção de tubos com diâmetros maiores, usados em projetos de água e esgoto, e contratou 140 funcionários, elevando seu quadro a 200 pessoas. A empresa atua na área há apenas quatro anos, e a maior parte de suas vendas ainda vem do setor de óleo e gás, com o qual trabalha há 16 anos. "No médio prazo, identificamos uma necessidade grande no segmento de tubos para saneamento e mineração", diz Roberto Gadotti, diretor-superintendente da empresa. Embora considere que o saneamento tenha como desafios a falta de regulamentação e a dependência do governo, Gadotti espera que o setor passe a ser a principal fonte de recursos da empresa e ajude a elevar sua receita em 69% neste ano, para R$ 110 milhões, e 18% no ano que vem, para R$ 130 milhões. Já a Brastubo, fabricante de tubos de polietileno e de aço carbono, está com um plano de investimentos parado à espera dos pedidos relacionados com o Plansab, segundo Luis Antônio Paiva, diretor comercial da empresa. "Estamos há dois ou três anos aguardando uma alavancada no setor", afirma. Segundo ele, a empresa optou por esperar os movimentos de

13 seus clientes. "Preferimos estar atrasados nos investimentos a nos adiantar." A Brastubo tem cerca de 70% de suas receitas vindas do saneamento e os demais 30% dos setores de portos e mineração. Para que as propostas do plano se concretizem, serão necessários investimentos de R$ 15 bilhões ao ano em água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos, comenta Edison Carlos, presidente do Instituto Trata Brasil. O valor é o dobro do que foi desembolsado nos últimos anos - cerca de R$ 8 bilhões. "Se o prazo de 30 anos for cumprido, dobrará o volume de obras no país", diz. No momento, o plano está em avaliação no Conselho Nacional de Meio Ambiente e já foi aprovado pelos Conselhos Nacionais de Saúde, de Recursos Hídricos e das Cidades. Em seguida, o Ministério das Cidades encaminhará o texto à Presidência da República. Link:

14 AÇO É SOLUÇÃO DURÁVEL E SUSTENTÁVEL Ecoeficiente em seu processo produtivo e 100% reciclável, material pode ser utilizado em qualquer tipo de obra, do projeto mais simples até o mais elaborado. Optar por um sistema construtivo baseado em estruturas metálicas garante maior rapidez e menor impacto no canteiro, se comparado a uma construção tradicional. O uso do aço proporciona a precisão de medidas, possibilitando a realização de uma obra aprumada e nivelada, o que facilita a inserção dos demais componentes. É uma solução que pode ser adotada em terrenos com os mais variados tipos de desníveis, evitando gastos com grandes movimentações de terra e aterros. Em grandes centros urbanos, com altos índices de congestionamento e dificuldade de mobilidade, permite menor movimentação de carga, auxiliando na redução da emissão de CO2. O engenheiro Fernando Matos, gerente executivo do Centro Brasileiro da Construção em Aço (CBCA), comenta que na construção com aço pode-se ter uma redução de até 40% no tempo da obra. "A fabricação da estrutura é feita em paralelo às fundações, permitindo trabalhar em diversas frentes de serviços simultaneamente. A diminuição de formas e escoramentos e o fato da montagem da estrutura ser menos afetada pela ocorrência de chuvas são outros fatores que contribuem para esta redução", explica. O material oferece também a possibilidade de reabilitação e utilização para construção de áreas anteriormente consideradas ruins ou inadequadas para suportar edificações convencionais. "A estrutura em aço mostra-se especialmente indicada nos casos onde há necessidade de adaptações, ampliações, reformas e mudança de ocupação de edifícios, em melhor aproveitamento do espaço interno e aumento da área útil", complementa o engenheiro. Mais leve, a modalidade pode reduzir em até 30% o custo das fundações e ainda tornar viável o uso de solos com baixa capacidade de carga. "A estrutura em aço mostra-se especialmente indicada nos casos onde há necessidade de adaptações, ampliações, reformas e mudança de ocupação de edifícios, em melhor aproveitamento do espaço interno e aumento da área útil" Especificação

15 Novos sistemas construtivos estão sendo implementados no Brasil. Hoje, há opções como a estrutura moldada in loco, a metálica, a pré-moldada em concreto, a metálica com pilar misto, a metálica com pilar pré-moldado e o light steel framing. "A partir da década de 80, observou-se um incremento na construção industrializada com a criação de novos sistemas, cada um com suas características e aplicações. Esta modalidade construtiva caracteriza-se pela velocidade de execução aliada à qualidade do produto final e elevada produtividade. A escolha do melhor sistema deve ser realizada com base nas necessidades de cada obra", afirma Matos. Segundo ele, a pergunta que deve ser feita pelos profissionais, construtores ou investidores, preocupados com o melhor resultado para o conjunto da obra, é qual o tipo de estrutura mais adequada para cada necessidade. "Na construção em aço, o setor conta com uma metodologia de avaliação, disponibilizada no Manual de Viabilidade Econômica do CBCA que utiliza planilhas interativas e possibilita a fácil simulação dos resultados de um empreendimento com estruturas de aço, podendo também fazer a comparação com outros sistemas estruturais", diz. O projetista de estruturas em aço é o profissional responsável por definir os tipos de materiais que serão utilizados e os sistemas de ligações a serem adotados. Em geral, são engenheiros civis e devem ter experiência em cálculo estrutural e especialização em estruturas de aço. "No que diz respeito aos materiais, o projeto deverá ter indicações explícitas dos elementos adotados, como os tipos de aço e seus limites de escoamento e de ruptura mínimos, tipos de parafusos, eletrodos para solda e conectores", menciona o gerente executivo. Normatização Para a elaboração de projetos estruturais em edifícios de aço, o profissional deverá ter pleno conhecimento das normas técnicas brasileiras vigentes. "Uma das principais inovações introduzidas pela norma de projeto de estruturas de aço e estruturas mistas de aço e concreto para edifícios, a ABNT NBR 8800:2008, diz respeito às exigências para garantir que, independente da estrutura projetada, seja obtida a vida útil prevista para o ambiente existente, com a manutenção preventiva especificada, dentro das condições de carregamento impostas. No Anexo N (normativo) dessa norma, que trata da durabilidade de componentes de aço frente à corrosão, são apresentadas informações sobre a qualificação do ambiente, escolha do sistema de proteção e detalhamento de projeto. A conformidade dos produtos de aço com as normas técnicas brasileiras, bem como o combate às importações fraudulentas, são ações que o setor já vem praticando há um bom tempo", argumenta Matos.

16 Aplicação "Estruturas em aço consomem apenas 6,3% do ciclo de vida total da energia de uma residência, o restante é utilizado na climatização e iluminação" As estruturas de aço são constituídas por um grupo de peças que, após serem unidas, formarão um conjunto estável que sustentará a edificação. A fabricação destes elementos acontece em uma unidade industrial, onde estão centrados os meios de produção, tais como, máquinas e equipamentos, matérias-primas, operários etc. "Na construção cada peça possui seu lugar específico na estrutura e desempenha um papel. O ato de unir os elementos no canteiro de obras para formar um conjunto é conhecido como montagem", explana o engenheiro. Para a montagem, são necessários equipamentos mecânicos que possibilitem o içamento das peças, tais como gruas estacionárias ou móveis, guindastes etc. Esta ação exige do montador habilidades específicas e conhecimento dos riscos envolvidos. "A segurança do acesso dos operários aos pontos de montagem deve ser garantida com todas as medidas preventivas cabíveis, tais como, andaimes, cabos-guia para ligação do cinto de segurança e trava-quedas", adverte o profissional. Manutenção A vida útil das estruturas envolve uma análise abrangente de todas as etapas do processo construtivo. Os engenheiros, que já pensam normalmente no ciclo de vida das estruturas, estão cada vez mais conscientes da necessidade de manutenção e se preparando para fazer o monitoramento e a manutenção preventiva e corretiva das estruturas. "Hoje, é fato conhecido que cada sistema construtivo tem as suas características e seus cuidados específicos. Portanto, a durabilidade das estruturas dependerá basicamente do cuidado com os detalhes no projeto, do nível de exposição da estrutura e de uma proteção adequada à agressividade do ambiente", alerta Matos. Vantagens As estruturas em aço apresentam um conjunto de características que as destacam como solução construtiva para determinadas aplicações. "Na fase de montagem a estrutura de aço chega a ser muito mais eficiente se comparada com outros tipos de estruturas. Qualidade que viabiliza um retorno mais rápido do capital investido, proporcionando ganho adicional pela ocupação antecipada do imóvel", afirma o gerente executivo. Outras importantes distinções das estruturas metálicas são a sua flexibilidade, precisão em milímetros e elevada resistência mecânica, que possibilitam a utilização de elementos

17 estruturais com menores dimensões e capacidade de vencer grandes vãos. "Com a utilização desta solução, há a possibilidade de abrir diversas frentes de serviço simultâneas, tais como lajes, paredes e instalações. O aço apresenta também um ótimo desempenho termoacústico", explica o profissional. Ele menciona que o principal entrave ao sistema está relacionado aos fatores culturais. "Trata-se de uma casa leve confrontando com os tradicionais elementos pesados utilizados no mercado. Porém, a leveza dos materiais não traz nenhuma desvantagem em relação à segurança ou conforto", comenta. Sustentabilidade Obras feitas em aço têm menor impacto negativo sobre o meio ambiente em termos de uso de energia, consumo de matérias-primas, geração de detritos e de impactos no canteiro de obras, como a criação de resíduos, emissão de poeira, tráfego e ruídos sonoros. "O material economiza água, justamente no momento em que este recurso vem se tornando mais escasso. Estruturas em aço consomem apenas 6,3% do ciclo de vida total da energia de uma residência, o restante é utilizado na climatização e iluminação. Além disso, em uma casa de 200 metros², por exemplo, a estrutura em aço pode gerar apenas um metro cúbico de resíduos recicláveis durante a construção", afirma o engenheiro. Há também uma melhor organização do canteiro devido, entre outros motivos, à ausência de grandes depósitos de areia, brita, cimento, madeiras e ferragens, reduzindo o inevitável desperdício desses materiais. O ambiente limpo oferece, ainda, melhores condições de segurança ao trabalhador contribuindo para a redução dos acidentes. "Além disso, é um material 100% reciclável e ecoeficiente em seu processo produtivo, podendo ser reciclado em sua totalidade sem perder nenhuma de suas qualidades", diz o gerente executivo. É bom saber Com a criação do CBCA em 2002, que tem como gestor o Aço Brasil, o mercado da construção e seus profissionais, passaram a contar com um centro dinâmico de serviços, com foco exclusivamente técnico e capacitado para promover e ampliar a construção em aço no mercado nacional. "Disponibilizamos manuais técnicos da construção em aço para download gratuito e oferecemos cursos à distância. O Guia Brasil da Construção em Aço é outra iniciativa que visa o crescimento do setor, mapeando e divulgando toda a cadeia produtiva que participa da construção em aço, facilitando o acesso dos consumidores aos diferentes produtos, serviços e soluções disponíveis no mercado", finaliza Matos.

18 EIKE BATISTA DEVE VENDER MMX EM 2 MESES Eike Batista deve vender uma fatia controladora da MMX dentro de apenas dois meses, segundo informou fonte próxima ao assunto à Dow Jones nesta sexta-feira, 5. Os banqueiros que gerenciam a reestruturação dos ativos de Eike aceleraram as conversas com possíveis compradores na tentativa de gerar caixa e restaurar o restante do Grupo EBX. As negociações envolvem a mineradora suíça Glencore Xstrata e a holandesa Trafigura, assim como siderúrgicas locais como a CSN, disse a fonte. A pessoa envolvida nas negociações afirmou que o nome da MMX pode sofrer alteração semelhante à da MPX, que vai retirar o X do nome - marca registrada das empresas do Grupo EBX. A fonte disse também que Eike Batista pode deixar completamente a gestão da companhia. Segundo outra fonte, se os planos de reestruturação forem bem-sucedidos, o valor total dos ativos de Eike pode cair para cerca de US$ 1 bilhão. A CSN não comentou o assunto. Já a Gerdau, que vinha sendo citada como possível parte das negociações com a MMX, negou interesse na compra dos ativos da empresa. Link:

Produção Industrial Cearense Cresce 2,5% em Fevereiro como o 4º Melhor Desempenho do País

Produção Industrial Cearense Cresce 2,5% em Fevereiro como o 4º Melhor Desempenho do País Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Açotubo anuncia fusão com Incotep e Artex Aços Inoxidáveis

Açotubo anuncia fusão com Incotep e Artex Aços Inoxidáveis Açotubo anuncia fusão com Incotep e Artex Aços Inoxidáveis Ter, 02 de Agosto de 2011 07:13 Com base nos movimentos de mercado e da companhia alinhados ao aquecimento da indústria e economia brasileiras,

Leia mais

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro Monitor do Déficit Tecnológico Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro de 2012 Monitor do Déficit Tecnológico de 2012 1. Apresentação

Leia mais

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SEMANA DE 29 DE OUTUBRO A 1º DE NOVEMBRO Um dos destaques desta semana é a reportagem do UOL sobre o recuo de 1% na produção industrial brasileira, entre setembro

Leia mais

Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online

Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online Pernambuco Na indústria, mais demanda por trabalho Texto publicado em 28 de Dezembro

Leia mais

Produção Industrial Março de 2015

Produção Industrial Março de 2015 Produção Industrial Março de 201 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - MARÇO/1 Em março, a indústria de Santa Catarina produziu 4,0% menos na comparação com o mesmo mês do ano anterior, sexto resultado

Leia mais

Coberturas duráveis, com galvanização

Coberturas duráveis, com galvanização Coberturas duráveis, com galvanização A Fifa definiu que a Copa do Mundo de Futebol no Brasil, em 2014, deverá perseguir o que chamou de Green goals, ou seja, metas verdes, numa alusão à desejada sustentabilidade

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a sustentabilidade da construção civil A CONSCIÊNCIA AMBIENTAL É TEMA DESTE SÉCULO, E PORQUE NÃO DIZER DESTE MILÊNIO REDUZA REUTILIZE

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários:

Leia mais

COMENTÁRIOS. Em agosto de 2015, o total do pessoal ocupado assalariado na. indústria mostrou queda de 0,8% frente ao patamar do mês imediatamente

COMENTÁRIOS. Em agosto de 2015, o total do pessoal ocupado assalariado na. indústria mostrou queda de 0,8% frente ao patamar do mês imediatamente COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Em agosto de 2015, o total do pessoal ocupado assalariado na indústria mostrou queda de 0,8% frente ao patamar do mês imediatamente anterior, na série livre de influências

Leia mais

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 A mineração nacional sentiu de forma mais contundente no primeiro semestre de 2012 os efeitos danosos da crise mundial. Diminuição do consumo chinês, estagnação do consumo

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários: 182 (2012) Faturamento:

Leia mais

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER 3ª SEMANA DE MAIO O Valor Econômico traz, novamente, declarações do presidente do INDA, Carlos Loureiro. Na reportagem, o porta-voz da entidade afirma que as medidas

Leia mais

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER 4ª SEMANA DE MARÇO A entrevista do presidente Carlos Loureiro para a Reuters sobre a reunião no MDIC continua recebendo destaque da mídia. Reproduções da reportagem

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL OUTUBRO DE 2014 Outubro de 2014 www.fiergs.org.br Indústria cresce pelo quarto mês seguido O IDI/RS, Índice de Desempenho Industrial do Rio Grande do Sul, apontou

Leia mais

Relatório de Análise. CSN: Boas perspectivas operacionais, mas duas incertezas. 4T12 Preços melhores e maior volume de minério

Relatório de Análise. CSN: Boas perspectivas operacionais, mas duas incertezas. 4T12 Preços melhores e maior volume de minério CSN: Boas perspectivas operacionais, mas duas incertezas A CSN teve um ano difícil em 2012, com perdas contábeis elevadas em seu investimento na Usiminas, expressiva redução na geração de caixa, aumento

Leia mais

CONSUMO APARENTE DE AÇO NO BRASIL DEVE VOLTAR AO PATAMAR DE

CONSUMO APARENTE DE AÇO NO BRASIL DEVE VOLTAR AO PATAMAR DE Aço AÇO BRASIL ABRIL I N F O R M A 28ª 28EDIÇÃO ABRIL 2015 CONSUMO APARENTE DE AÇO NO BRASIL DEVE VOLTAR AO PATAMAR DE 2007 O consumo aparente de aço no País deve fechar o ano de 2015 com queda de 7,8%

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011 Apoio às MPMEs Sorocaba/SP 30 de novembro de 2011 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Infra-estrutura

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T14 e 2014. São Paulo, 12 de fevereiro de 2015

Teleconferência de Resultados 4T14 e 2014. São Paulo, 12 de fevereiro de 2015 Teleconferência de Resultados 4T14 e 2014 São Paulo, 12 de fevereiro de 2015 Ressalva sobre declarações futuras Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 1/2 Julho de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

Resumo Histórico. Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas. Resumo Histórico. Setembro/2015. Resumo Histórico Coalbrookedale Bridge

Resumo Histórico. Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas. Resumo Histórico. Setembro/2015. Resumo Histórico Coalbrookedale Bridge Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas Resumo histórico e aspectos gerais Uso e aplicação de estruturas metálicas Composição do aço estrutural FTC-116 Estruturas Metálicas Eng. Wagner Queiroz Silva

Leia mais

4097610 - O ESTADO DE S. PAULO - ESPORTES - SÃO PAULO - SP - 04/12/2013 - Pág A 27

4097610 - O ESTADO DE S. PAULO - ESPORTES - SÃO PAULO - SP - 04/12/2013 - Pág A 27 Morumbi vai ter cobertura 4097610 - O ESTADO DE S. PAULO - ESPORTES - SÃO PAULO - SP - 04/12/2013 - Pág A 27 O São Paulo assinará no próximo dia 17 o contrato com a Andrade e Gutierrez para viabilizar

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Terça-feira, 03 de Setembro de 2013. DESTAQUES

Terça-feira, 03 de Setembro de 2013. DESTAQUES DESTAQUES Bovespa beira os 52 mil pontos Estrangeiros ampliam aposta na alta Produção da Petrobras no Brasil cai 4,6% Produção industrial muda de direção e cai 2% ATS tenta acelerar estreia no Brasil Disputa

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi PAC Programa de Aceleração do Crescimento Retomada do planejamento no país Marcel Olivi PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO Lançado em 22/01/2007 o programa é constituído por Medidas de estímulo

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

Título do Trabalho. Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas

Título do Trabalho. Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas Título do Trabalho Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas Autores: Antonio Carlos de Oliveira, Eng. Dr. Professor Pleno e Diretor e da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER PERÍODO DE 03 A 07 DE FEVEREIRO DE 2014

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER PERÍODO DE 03 A 07 DE FEVEREIRO DE 2014 SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER PERÍODO DE 03 A 07 DE FEVEREIRO DE 2014 Esta semana, destaque para duas reportagens: Comportamento do preço da barra chata no ano de 2013, do portal Infomet, e Siderurgia:

Leia mais

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA LINHAS DE FINANCIAMENTO E ACESSO AO CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO 13 / 4 / 09 ACESSO AO CRÉDITO PARA AS MICROS E

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Siderurgia 12 de maio de 2015 Demanda externa deve compensar parcialmente retração doméstica de produtos siderúrgicos Leandro de Oliveira Almeida Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos A retração

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

Siderurgia no Brasil

Siderurgia no Brasil www.pwc.com.br Siderurgia no Brasil Um panorama do setor siderúrgico brasileiro SICETEL Sindicato Nacional da Indústria de Trefilação e Laminação de Metais Ferrosos IABR Instituto Aço Brasil 1 Setor de

Leia mais

Willis Latin American Energy Conference

Willis Latin American Energy Conference Willis Latin American Energy Conference Planejamento Financeiro e Gestão de Riscos outubro 2012 Cátia Diniz Gerente Setorial de Seguros Internacionais Estas apresentações podem conter previsões acerca

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA.

PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA. PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA. Luís Augusto Piffer 1 José Henrique Coelho Wanderley Costa 2 RESUMO Após 10 anos

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval Automação Industrial Indústria O Tecnólogo em Automação Industrial é um profissional a serviço da modernização das técnicas de produção utilizadas no setor industrial, atuando na execução de projetos,

Leia mais

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil PATROCINADOR INICIATIVA REALIZAÇÃO SUBCAPA O trabalho e a pesquisa O TRABALHO E A PESQUISA A 4ª edição do relatório principais investimentos

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Excelência. locações e transporte Ltda. www.excelenciaguindastes.com.br

Excelência. locações e transporte Ltda. www.excelenciaguindastes.com.br www.excelenciaguindastes.com.br A Guindastes e uma empresa de Goiânia Goiás QUEM SOMOS que presta serviço em todo território nacional no segmento de Locação de Guindastes, Locação de Munck, Grupo Geradores,

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

Exercicios Produção e Logistica

Exercicios Produção e Logistica 1 PROVA: 1998 PARTE I: QUESTÕES OBJETIVAS 7 Uma empresa fabrica e vende um produto por R$ 100,00 a unidade. O Departamento de Marketing da empresa trabalha com a Equação da Demanda apresentada abaixo,

Leia mais

midiakit2012 A cadeia da construção merece uma revista de grande visibilidade

midiakit2012 A cadeia da construção merece uma revista de grande visibilidade construção, infraestrutura e sustentabilidade midiakit2012 A cadeia da construção merece uma revista de grande visibilidade www.grandesconstruções.com.br conjunto de mídias que funcionam Revista proposta

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos São José dos Campos, 7 de novembro de 2008 A Embraer (BOVESPA:

Leia mais

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria A evolução dos principais indicadores econômicos conjunturais sugere a paulatina dissipação dos efeitos da intensificação da crise financeira

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação O processo de desindustrialização pelo qual passa o país deve-se a inúmeros motivos, desde os mais comentados, como a sobrevalorização

Leia mais

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo;

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo; Fleury Pissaia * Entre 2011 e 2015, investimento previsto no setor industrial é de R$ 600 bilhões. Desse montante, indústria do petróleo representa 62%. No mesmo período, R$ 750 bilhões serão alocados

Leia mais

Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção

Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção siderúrgica. Ontário Canadá GESTÃO AMBIENTAL Sistema de gestão

Leia mais

POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL

POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL SOBRE LOG-IN BENEFÍCIOS MONITORAMENTO 24HS DAS CARGAS Monitoramento de risco e informação de todas as viagens; INTERMODALIDADE

Leia mais

Negócios. Gerdau aprimora gestão para ampliar resultados operacionais. 18,5 milhões de toneladas

Negócios. Gerdau aprimora gestão para ampliar resultados operacionais. 18,5 milhões de toneladas Negócios Gerdau inicia produção própria de bobinas a quente na usina Ouro Branco (MG). DESEMPENHO DAS OPERAÇÕES Gerdau aprimora gestão para ampliar resultados operacionais Ao longo de 2013, as vendas físicas

Leia mais

Linhas de Financiamento para a Construção Civil

Linhas de Financiamento para a Construção Civil Linhas de Financiamento para a Construção Civil Câmara Brasileira da Indústria de Construção 16 de dezembro de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da

Leia mais

SISTEMA DE FÔRMAS PARA CONCRETO

SISTEMA DE FÔRMAS PARA CONCRETO SISTEMA DE FÔRMAS PARA CONCRETO SOLIDEZ E ÉTICA, DESDE 1977 NO MERCADO DA CONSTRUÇÃO CIVIL. AGILIDADE NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO Desde 1977, a SF Sistema de Fôrmas para Concreto atua com visão empresarial

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23%

Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23% Índice de Preços ao Produtor Fonte IBGE Base: Setembro de 2011 Por Ricardo Bergamini Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23% Em setembro de 2011, o Índice de Preços ao Produtor (IPP)

Leia mais

Superando desafios em Centros de Distribuição com Voice Picking. Rodrigo Bacelar ID Logistics Paula Saldanha Vocollect

Superando desafios em Centros de Distribuição com Voice Picking. Rodrigo Bacelar ID Logistics Paula Saldanha Vocollect Superando desafios em Centros de Distribuição com Voice Picking Rodrigo Bacelar ID Logistics Paula Saldanha Vocollect Prêmio ABRALOG Índice Informações Gerais... 3 Dificuldades Encontradas...............

Leia mais

Apresentação de Resultados 4T10

Apresentação de Resultados 4T10 Apresentação de Resultados 4T10 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que apresentem expectativas da Administração da Companhia sobre eventos ou resultados futuros. Todas as declarações

Leia mais

Indústria de Transformação Cearense em 2013: Algumas Evidências para os Resultados Acumulados até o Terceiro Trimestre

Indústria de Transformação Cearense em 2013: Algumas Evidências para os Resultados Acumulados até o Terceiro Trimestre Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão Estamos presentes em mais de 38 países Geramos mais de 174 mil empregos no mundo Além de minérios, atuamos na área de fertilizantes e nos segmentos de logística, energia

Leia mais

Textos de apoio. Ciências. Ensino Fundamental I

Textos de apoio. Ciências. Ensino Fundamental I Textos de apoio Ciências Ensino Fundamental I 1 Latas de aço O mercado para reciclagem No Brasil, assim como no resto do mundo, o mercado de sucata de aço é bastante sólido, pois as indústrias siderúrgicas

Leia mais

Mensagens ambientais da HP

Mensagens ambientais da HP Mensagens ambientais da HP Definição da promessa Projeto para o meio ambiente Por ser líder ambiental há décadas no setor tecnológico, a HP faz a diferença com um projeto abrangente de estratégia ambiental,

Leia mais

USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ADEMILSO PINTO BRUNO TEIXEIRA DOCE USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL OSASCO 2012 2 ADEMILSO PINTO BRUNO TEIXEIRA DOCE USO DO AÇO NA CONTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

Na casa da minha vida, só cerâmica

Na casa da minha vida, só cerâmica Na casa da minha vida, só cerâmica Anicer lança campanha para promover o produto cerâmico A Anicer deu início a uma campanha publicitária com ênfase nas mídias digitais para valorização do produto cerâmico.

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Contribuição técnica nº 19 EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Autor: ROSANE BEVILAQUA Eng. Consultora Gerdau SA São Paulo, 01 de setembro de 2010. PROGRAMA Introdução Vantagens da utilização de Edifícios

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Produção Industrial Setembro de 2014

Produção Industrial Setembro de 2014 Produção Industrial Setembro de 2014 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - SETEMBRO/14 Conforme esperado, o segundo semestre está sendo melhor do que o primeiro. Estamos no terceiro mês consecutivo de

Leia mais

TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade

TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade O Cenário O contêiner passou a ser o principal meio de transporte

Leia mais

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Valor faz parte de plano de investimentos crescentes focado em manutenção, modernização e expansão das operações

Leia mais

CASE. Título Tecnix OPSO - Economia em Sistemas de Regulagem de Pressão em Instalações Residenciais de Gás Combustível. Categoria INFRAESTRUTURA

CASE. Título Tecnix OPSO - Economia em Sistemas de Regulagem de Pressão em Instalações Residenciais de Gás Combustível. Categoria INFRAESTRUTURA CASE Título Tecnix OPSO - Economia em Sistemas de Regulagem de Pressão em Instalações Residenciais de Gás Combustível Categoria INFRAESTRUTURA SINOPSE O Brasil apresenta historicamente uma forte dependência

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 Depenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 As exportações em junho apresentaram redução de 8,57% sobre maio após expansão por quatro meses consecutivos. Desta forma, supera a marca de US$ 1 bilhão

Leia mais

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica.

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica. PROJETO ATUALIZAR 2015 TEMA SISTEMA CANTAREIRA DATA DE APLICAÇÃO 09 a 13/03/2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS Cristiane e Felipe 1. SUGESTÕES DE PONTOS QUE PODEM SER ABORDADOS 1.1. A importância da água 1.2.

Leia mais

9 entidades + de 100 empresas fabricantes ASSOCIADAS DISTRIBUIDORES E COOPERATIVAS SEGMENTOS DO AGRONEGÓCIO PRODUTORES RURAIS FABRICANTES

9 entidades + de 100 empresas fabricantes ASSOCIADAS DISTRIBUIDORES E COOPERATIVAS SEGMENTOS DO AGRONEGÓCIO PRODUTORES RURAIS FABRICANTES SISTEMA CAMPO LIMPO L O G I S T I C A BRASIL POSSUI 1,7 MILHÕES DE KM DE RODOVIAS 12% PAVIMENTADAS (90% PISTAS SIMPLES) 62% APRESENTAM ALGUM TIPO DE PROBLEMA RESPONDE POR 61% DE TODO TRAFEGO DE MERCADORIAS

Leia mais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Visão da Indústria do Cimento Sergio Maçães Integração de atividades minerais e industriais Mineração: calcário matéria prima básica

Leia mais

José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A.

José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A. SISTEMA DE CONTROLE LOGÍSTICO DE FROTAS DE CAMINHÕES FLORESTAIS José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A. 1. RESUMO O desenvolvimento da tecnologia contribuiu para a evolução da gestão e dos controles

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais