CAPÍTULO 6 - CULTURA ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 6 - CULTURA ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS"

Transcrição

1 CAPÍTULO 6 - CULTURA ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS 6.1. Recursos Humanos e Cultura Organizacional o interesse pela cultura organizacional remonta ao movimento do desenvolvimento organizacional do final dos anos sessenta do século passado. Todavia, a sua qualidade de variável e metáfora organizacional só é patente a partir do célebre artigo de A. Pettigrew, na Administrative Science Quarterly, no final dos anos setenta do século Xx 122 Uma das razões prende-se com a necessidade de integrar, na explicação do sucesso organizacional, causas de ordem simbólica e subjectiva. Na década de oitenta do século passado, também houve lugar a muitas fusões de empresas e o sucesso de tais operações foi medido, tendo em linha de conta a forma como a cultura de empresa tinha sido gerida. Há muitas definições de cultura organizacional. Aliás, esta multiplicidade de sentidos é herdada da ciência base, aquela que, por excelência, estuda a cultura, isto é, a Antropologia. Assim, encontramos definições desde as mais simples até às mais complexas, tais como: "a forma como se fazem as coisas aqui"; "normas, valores e crenças próprios de uma organi- 122 A. Pettigrew - On Studying Organizational Culture. Administrative Scien.ce Quarterly. Vol. 24 (1979), p

2 zação", passando pelos célebres "pressupostos básicos" de Edgar Schein123, até constituir um constructo multifacetado e polissémico, podendo ser encarado como "mapa mental", metáfora ou até mesmo como paradigma. Abordar as organizações de um ponto de vista cultural implica valorizar os aspectos humanos das organizações que, embora não seja uma abordagem nova na teoria organizacional - remonta a Elton Mayo -, acrescenta-lhe agora a conceptualização da própria organização como algo radicado na mente e no património das pessoas que a integram l24 Há diversas tipologias para classificar a cultura organizacional; umas são de dimensões unipolares (Deal e Kenndy, Harrison, Handy, White e Cock), outras são bipolares (Quinn, Denison)l2S. Deal e Kennedy identificam quatro tipos de cultura (cultura de risco, agressividade, acção, processo), formados através dos quadrantes de dois eixos: alto e baixo risco e alta e baixa velocidade. Harrison e Handy definem os quatro tipos de cultura (Zeus/poder, Apolo/função, Aténas/tarefa, Dionísio/atomista), através dos eixos de alta e baixa formalização e de alta e baixa centralização. White e Cock identificam os quatro tipos (regras, objectivos, inovação, apoio), usando os eixos de muito e pouco dinamismo e de muito e pouco controlo. Denison identifica quatro tipos de cultura (consistência, desenvolvimento, adaptabilidade, missão), usando os eixos controle/flexibilidade e interno/externo. Quinn usa os mesmos eixos de Denison e define os seguintes quatro tipos: regras, objectivos, inovação, apoio A Cultura Influencia e é Influenciada pela GRH Neste ponto, o que iremos tratar é da relação entre a gestão de recursos humanos e a cultura organizacional. Veremos como se poderá entender a cultura como uma consequência da gestão de recursos humanos ou, pelo contrário, como a gestão de recursos humanos é um artefacto da cultura. 123 João Bilhim - Teoria Organizacional. 3." ed. Rev. Lisboa: ISCSP, José Neves - Clima Organizacional, Cultura Organizacional, Gestão de Recursos Humanos. Lisboa: RH, João Bilhim - Teoria Organizacional. 3. ed. Rev. Lisboa: ISCSP,

3 A relação entre cultura organizacional e gestão de recursos humanos não é pacífica. Na literatura, as práticas de gestão de recursos humanos - recrutamento e selecção, fonnação, avaliação, remuneração, entre outras - são, por muitos autores, consideradas expressão da cultura da organização. Por outro lado, há quem saliente a influência recíproca entre gestão de recursos humanos e cultura. Quando se encaram as práticas de gestão de recursos humanos corno consequências da cultura organizacional, parte-se do pressuposto de que é a cultura que detennina o tipo de gestão que se pratica na organização. A cultura enfonna tudo e todos nos contextos organizacionais, colocando as práticas de gestão, em geral, e as de recursos humanos, em particular, na dependência directa das características dos contextos organizacionais. Deste ponto de vista, as práticas de gestão, para serem eficazes, precisam de ser desenvolvidas na dependência e em confonnidade com as exigências da cultura. Se tal dependência não tiver lugar, as práticas de gestão não possuem impacto real. Edgar Schein ilustra bem este ponto de vista, na sua obra de 1985 intitulada Corporate Cu/ture and Leadership. Com efeito, para Schein, é a cultura organizacional que detennina o tipo de práticas de gestão. Para o autor, a cultura organizacional é um "padrão de pressupostos básicos que um dado grupo (organização) inventou, descobriu ou desenvolveu, aprendendo a lidar com os seus problemas de adaptação externa e de integração interna e que têm funcionado suficientemente bem para serem considerados válidos e para serem ensinados aos novos membros corno o modo correcto de compreender, pensar e sentir em relação a esses problemas". Schein pensa que a cultura organizacional pode ser analisada a diferentes níveis. Um primeiro nível diz respeito aos aspectos visíveis e tangíveis (artifacts & creations), tais corno a arquitectura dos edificios da organização, a tecnologia usada, a maneira de vestir, falar e de se comportar, chegando até às publicações dessa organização. Este aspecto é visível, mas nem sempre a sua mensagem é decifrável. Um segundo nível relaciona-se com os valores (values), o qual para ser visto requer já um maior nível de consciência por parte dos diversos actores organizacionais. Um terceiro nível, invisível - tornado à partida corno indiscutível -, é representado pelos pressupostos básicos (basic assumptions). 165

4 Deste modo, as práticas de gestão de recursos humanos podem ser encaradas como uma das manifestações da cultura organizacional. Assim, tomando a cultura como uma variável organizacional, a ideia básica é captar as normas, os valores e crenças que estão subjacentes à vida organizacional e que resultam dum processo mais ou menos longo de socialização e ajustamento mútuo. Como observa Schein, a cultura, neste sentido, é um produto da aprendizagem, da experiência do grupo. A cultura é algo que a organização "tem". Por outro lado, o trabalho de Hofstede sobre a cultura da IBM, deste ponto de vista também pode ser paradigmático. O autor chama a atenção para o facto das práticas de gestão de uma multinacional reflectirem, de alguma forma, as cores da cultura nacional,onde a IBM se encontra. Para Hofstede, a cultura constitui uma espécie de programação mental, determinante, em parte, dos comportamentos, cognições e afectos das pessoas. As configurações culturais, para o autor, permitem distinguir países e agrupá-los por famílias culturais. Por isso, na perspectiva de Hofstede, os fundamentos das práticas de gestão encontram as suas raízes mais profundas na natureza da programação mental dos países onde tais práticas têm lugar. Há autores que assumem uma posição oposta à anterior, afirmando que são as práticas de gestão de recursos humanos que determinam a cultura. A proposta de Ulrich e Lafasto coloca-se na posição teórica do tipo cognitivo para quem: "compreender a cultura organizacional implica a estrutura mental - ou pensamento automático - que os indivíduos partilham numa organização (... ) e que representa as maneiras inconscientes através das quais os indivíduos agem e pensam as organizações". Para aqueles autores, estes pensamentos automatizados podem ser identificados nos diversos níveis da vida organizacional, podendo ser mudados ou mantidos através da transformação das práticas de gestão de recursos humanos. São as direcções de recursos humanos as responsáveis pelo tipo de cultura existente. Um tipo de cultura burocrática, inovadora, marcada pelos objectivos ou pelos processos é criada pela gestão de topo e pelas práticas de gestão de recursos humanos usadas. 166

5 É interessante entender a profundidade do pensamento dos autores a este respeito. Numa perspectiva cognitiva, os esquemas mentais (cultura) são criados pelas experiências e comportamentos e pela informação obtida. Ora, as práticas de gestão de recursos humanos visam o fomento da comuicação e a direcção comportamental em função da eficácia. Logo, as ráticas de gestão de recursos humanos marcam o tipo de cultura. PRÁTICAS DE GRH INFORMAÇÃO COMPORTAMENTO Desenvolvimento Comunica o que é valorizado Conforma-se com o que é aprendido na formação Avaliação Valoriza positivamente os pensamentos Promove comportamentos de automáticos adequados acordo com a avaliação Recompensas Paga de acordo com o que a informação Conformam-se com os valores diz estar certo e objectivos Estrutura Os papeis e a distribuição do poder Limita o quando e o como fazer indicam o que se deve fazer Comunicação Partilhada com a gestão de topo Indica o que está certo e errado Selecção Quem é valorizado, através de quem é Encoraja comportamentos que contratado, promovido ou mudado? levam a ser promovido Nesta perspectiva, as pessoas são remetidas para um papel passivo que se adapta ao imperativo ou determinação do sistema cultural. Quando se encara a cultura como sistema de ideias e significados parilhados, as organizações passam a assumir formas expressivas, manifestações da consciência humana. As organizações já não são estudadas em ermos económicos e materiais, mas nos seus aspectos simbólicos. Neste contexto, pode falar-se mais de as organizações serem cultura. Nesta acepção, procura-se compreender a organização, tentando interretá-la e descrevê-la, geralmente adoptando-se uma dupla perspectiva eórica: Cognitiva - em que se identificam os conhecimentos comuns utilizados pelos membros da organização para percepcionar, classificar e analisar fenómenos e comportamentos; Simbólica - em que se tenta compreender como é que cada membro da organização partilha um sentido comum da realidade que com a 167

6 experiência se tornou importante: o objecto de estudo é o processo que levou as pessoas a partilhar uma visão comum. Este tipo de ênfase no papel das práticas de gestão como enformadoras do tipo de cultura assume um carácter determinista, de sentido oposto ao de Edgar Schein e de Hofstede Culturas e Subculturas As organizações possuem cultura ou culturas? E se possuem apenas uma cultur~qual o papel das subculturas 12ó? A cultura dominante expressa as normas, os valores e as crenças essenciais a toda a organização e que são partilhados por um número maior ou menor de membros. Quando se fala de cultura organizacional, está-se a referir à cultura dominante, à macro visão da cultura que confere à organização a sua personalidade distinta. Nesta perspectiva de identidade cultural de toda a unidade social, há quem diga que a cultura está para a organização como a personalidade está para o indivíduo. Todavia, nem todos os autores estão de acordo em que haja apenas uma cultura organizacional. Deve-se a Sainsaulieu a ideia de proceder à análise cultural das relações de trabalho, mostrando que, sobretudo em empresas complexas e com marcada estratificação social, os diferentes grupos em presença referem-se a diferentes culturas e nelas baseiam inclusivamente os seus jogos e estratégias. Num modelo pluralista, que labore a partir da dicotomia e que valorize acentuadamente as questões políticas, a cultura actua como suporte das estratégias inter-grupo e fará todo o sentido encarar a organização como possuindo diversas culturas, nomeadamente a cultura das categorias socioprofissionais. No trabalho efectuado por Sainsaulieu, o autor concluiu a existência, numa única empresa, dos modelos culturais seguintes: 126 Geert Hofstede - Identifying Organizational Subcultures: An Empirical Approach. Journa) of Management Studies. VoI. 35, n.o 1 (1998), p

7 Operários não qualificados desenvolvem dois tipos de modelos: de "retirada", se a implicação na empresa é fraca (mulheres, emigrantes), de "unanimismo", se a implicação é mais forte (fundidores). Operários qualificados têm igualmente dois tipos de comportamentos diferentes, consoante são confrontados com técnicas clássicas na presença de "solidariedade democrática" ou com técnicas de ponta "separatismo". Técnicos, cujo comportamento, atraído pelo posição de quadro e pela lembrança da oficina, é caracterizado pela existência de "afinidades selectivas". Quadros confrontados com os problemas da autoridade e a resistência da organização, mas de forma individualizada, em que a "estratégia" é o modelo dominante. Empregados de escritório, repartidos entre dois modelos: "individua't'ismo» ou "acordo e compromisso", segundo o grau de integração na organização e nos grupos. Agentes de comando que, privilegiando e justificando por isso a sua posição hierárquica, seguem um modelo de "integração". Num modelo que labore a partir do princípio da unidade, a cultura é, sobretudo, encarada como processo de integração e faz todo o sentido falar de subculturas. Estas, embora partilhem os aspectos fundamentais da cultura comum a toda a organização, de alguma forma apresentam departamentos com especificidades. Geert Hofstede l21 afirma que: "as organizações têm culturas, mas partes das organizações podem ter distintas subculturas". É o caso dos diversos departamentos nas grandes organizações. Por exemplo, o departamento de contabilidade, à partida, possui normas, valores e crenças distintos dos do departamento de investigação e desenvolvimento. Jones, em 1983, distinguiu a existência, no interior de uma organização, de três tipos diferentes de subculturas: produção, burocracia ou serviços administrativos, profissional. No estudo que acabámos de citar, feito por Geert Hofstede numa empresa de seguros, o autor distinguiu a presença das seguintes três subculturas: profissional, administrativa e de quem tem a responsabilidade da relação directa com o cliente. 127 Geert Hofstede - Identifying Organizational Subcultures: An Empirical Approach. Journal ofmanagement Studies. Vol. 35, n." 1, (1998), p

8 As dimensões culturais, analisadas por Hofstede128 para caracterizar as três subculturas, foram: orientação para o processo ou para os resultados; orientação para o empregado ou para a função; postura paroquial ou profissional; sistema aberto ou sistema fechado; alto ou baixo controlo; orientação normativa ou pragmática. Se uma organização não tiver uma cultura, como variável independente, que permita aos seus membros uma interpretação comum do que seja adequado ou não fazer, naturalmente, nesta perspectiva, não sobreviverá. É, precisamente, este carácter de partilha de compreensão que confere à cultura a capacidade de guiar e dirigir os comportamentos. Para Shein, a cultura é o cimento integrador de toda a organização e produto dos líderes formais, sobretudo dos heróis fun,jadores, enquanto que, para Sainsaulieu, não se pode falar de uma só cultura mas de diferentes culturas, com os seus líderes formais e informais, a definir não uma realidade unitária e consensual mas um sistema de acção concreto, com os conflitos de interesse e jogos de poder. A cultura desempenha um papel crucial na manutenção de cumplicidade na estrutura orgânica, pois é, em parte, através da cultura que a gestão assegura que todos os valores sejam consistentes com aqueles que são exteriores à organização. Assim como os povos têm culturas diferentes, também o mesmo acontece com as organizações e os seus departamentos. Deste modo, tal como as culturas das sociedades ajudam a influenciar o comportamento dos seus membros, também a cultura das organizações influencia a opinião e o comportamento dos seus empregados Socialização e Cultura Organizacional A socialização nas normas, valores e crenças da organização constitui o mais importante processo de aculturação dos novos empregados. O processo de aculturação ocorre nos dois sentidos: da empresa sobre o indivíduo e destes sobre a empresa. A organização pode renovar-se com a admissão de novos empregados e assim mudar a sua cultura, mas os empregados 128 Geert Hofstede - ob. cito p

9 também, ao integrarem a cultura da empresa, de alguma forma mudam alguns traços do seu perfil. Todavia, na literatura, a perspectiva dominante é a que estuda o impacto da cultura da empresa sobre o comportamento dos indivíduos, com estes a assumirem uma atitude passiva e conformista face às imposições daquela. É neste sentido que Hellriegel L29 refere os resultados possíveis da socialização bem e mal sucedida. Assim, a socialização organizacional afirma-se como um processo compatível com a perspectiva integradora da cultura organizacional. Aqui, a cultura seria uma espécie de cola que uniria os diversos elementos, dando-lhes coesão e sentido sistémico do todo. SOCIALIZAÇÃO COM SUCESSO Satisfação profissional Clarificação do papel Forte motivação Compreensão e controlo Forte investimento no trabalho Forte adesão ao espírito organizacional Estabilidade de recursos humanos Elevada qualidade Aceitação interior dos valores SOCIALIZAÇÃO COM FRAOJIl'SSO Insatisfação profissional Ambiguidade e conflito quanto ao papel Fraca motivação Mal-entendidos, tensões, conflitos Fraco investimento Fraca adesão Absentismo e saídas para o exterior Prestação suficiente Rejeição dos valores Nesta perspectiva, em que a cultura tem a função de ligar as diversas partes da organização, os ritos organizacionais desempenham um papel fundamental no fortalecimento dos laços ou, antes, no reforço do cimento que liga os diversos tijolos do edifícios organizacional. No quadro abaixo, apresentam-se alguns exemplos de tais ritos. Ritos organizacionais RITOS Função Focagem Exemplo Passagem Ascensão Individual Promover Degradação Degradação Individual Despedir Reconhecimento Valorização Individual Premiar Renovação Nova estrutura Grupal Renovar a gestão Integração Revitalização Grupal Festejar Conflitos Equilíbrio Grupal Negociar 129 D. Hellriegel et ai. - Management des Organisation. Bruxelles: De Boeck,

10 Numa perspectiva diferente, Van Mann e Shein salientam os diversos resultados da socialização, tendo em conta um conjunto de tácticas de socialização desencadeadas pela organização para integrar os novos membros. O que está em causa é o facto de a organização poder influenciar o modo através do qual os seus novos membros desempenham o seu papel, ao configurar a informação que estes recebem no momento do seu acolhimento. Todavia, não será demais salientar que a socialização não tem lugar apenas no momento da integração de novos elementos. Na verdade, ao longo da sua vida profissional existem transições, sejam com origem na progressão hierárquica, sejam associadas a mudanças horizontais de funções. A socialização é um processo contínuo que acompanha o cic1h de vida profissional dos indivíduos. Edgar Schein, em 1997, chamou a atenção para o efeito desintegrador da existência de "comunidades ocupacionais", que atravessam as organizações e que têm que interagir com as culturas geradas na organização. O autor refere a existência de três culturas de gestão: cultura operacional; cultura de engenharia; cultura executiva. A cultura operacional ocorre no interior de uma organização ligada aos departamentos operacionais. Os gestores operacionais assumem que o funcionamento do sistema é fruto da interdependência de todos os factores humanos e técnicos que formam a organização e conhecem o papel importante que joga a qualidade da comunicação e a cooperação para que o trabalho seja efectuado. Reconhecem que o imprevisto terá uma alta probabilidade de ocorrer, por mais regras e especificações que sejam reproduzidas, as quais exigem respostas inovadoras. A cultura de engenharia é a dos elementos que concebem a tecnologia básica da organização e está presente nas tecnologias da informação, nos estudos de mercado, nos ~istemas financeiros. Esta cultura representa uma comunidade ocupacional que atravessa a organização, os sectores da actividade económica e os próprios países. A sua preocupação central é a concepção de soluções para os problemas que sejam tecnicamente eficientes, em que as pessoas podem ser fonte de perturbação. A cultura executiva integra os directores-gerais e os seus directos colaboradores. É igualmente uma cultura que atravessa as organizações, secto- 172 I I I

11 res e países, na medida em que os executivos tendem a ser confrontados com problemas semelhantes. A sua principal preocupação é a sobrevivência e a manutenção do crescimento financeiro da organização. As pessoas são fonte de custo a minimizar e a actividade de gestão deve ser efectuada com sistemas e rotinas impessoais. Para Schein, a dificuldade de aprendizagem organizacional reside nestas diferentes orientações culturais. Para os recursos humanos, o que se verifica é o facto de apenas uma destas culturas, a operacional, integrar as pessoas nas suas preocupações fundamentais. As outras relegam o J'apel dos recursos humanos para posições extremamente baixas na escala das suas preocupações Cultura Organizacional e Técnicas de GRH o sistema de compensação de uma determinada organização expressa de alguma forma a cultura, constituindo uma manifestação cultural em si mesma e nos valores, normas e crenças que se encontram subjacentes a tais práticas de gestão. Todavia, se o sistema de recompensas expressa uma determinada constelação de valores e pressupostos básicos, também não é menos verdade que se a cultura organizacional não se afigura adequada los objectivos estratégicos da gestão, as mudanças no sistema de recom Jensas vão contribuir para a mudança da cultura. Para Sethia e Von Glinow 1 relação entre cultura organizacional e recompensas é recíproca ljo Numa cultura organizacional altamente burocratizada, é expectável o nvestigador vir a encontrar um sistema de recompensas apoiado na anti ~idade. No entanto, se a mudança estratégica baseada nas novas exigên :ias da envolvente exige uma nova forma de recompensar, por exemplo, laseada no desempenho efectivo de cada indivíduo, esta mudança no sisema de remuneração terá influência na cultura. É que os valores subjacenes passam a ser outros. Os sinais que são dados pela gestão de topo vão o sentido de apoiar quem de facto contribuiu para os resultados e não uem à partida teria condições para os apoiar. Não se remunera com base o pressuposto de que um indivíduo com tais requisitos tem condições 130 N. Sethia, M. Von Glinow - Arriving at Four Cultures by Managing Reward System. ln R. ilman - Gaining Control on Corporate Culture. San Francisco: Jossey-Bass,

12 para contribuir para o desenvolvimento da organização. Remunera-se, independentemente dos requisitos, quem de facto contribuiu. Naturalmente, esta segunda forma de remunerar não está isenta de críticas. A questão neste caso, mais polémica consiste em saber se todos os indivíduos tiveram iguais oportunidades de trabalhar. Por exemplo, no sector comercial sabe-se que nem todos os clientes são iguais, nem todas as áreas geográficas são iguais. Assim, quando se remunera a partir do negócio efectivamente obtido por um determinado vendedor, aqueles que foram colocados nas melhores áreas geográficas ou nos mesmos cliente~ não se encontram em pé de igualdade com os restantes. De qualquer forma, no que toca à cultura organizacional, uma coisa é certa: passa a haver um novo valor para fundamentar o sistema de remuneração. A antiguidade deixou de ser um posto, as habilitações literárias abandonaram o seu papel de preditor do desempenho e apenas o trabalho efectivamente prestado é central como base do novo sistema. Por exemplo, o pagamento acima da média do sector económico ou de igual grupo profissional, entre o sector público e o privado pode gerar uma cultura de elite, enquanto que o desenvolvimento de abordagens participativas dos trabalhadores na definição do sistema de recompensas favorece uma cultura de participação. Aliás, é este o fundamento principal da ideia da gestão da cultura através dos sistemas de remuneração 131 Quanto ao subsistema de formação e desenvolvimento, há muito que se assumiu a reciprocidade da relação com a cultura organizacional. A cultura está presente no processo de recrutamento, selecção, acolhimento, e formação inicial, contribuindo para a socialização e aculturação do novo membro. Todavia, em simultâneo, estas práticas de gestão de recursos humanos também expressam e configuram de alguma forma a cultura, constituindo elementos cruciais dos seus artefactos e dos respectivos valores subjacentes. 131 Lawler & Jenkins - Strategic Reward System. ln M. Dunnette ; L. Hough (eds) - Handbook on Industrial and Organizado na I Psychology, 2th ed. Palo Alto: Consulting Psychologists Press,

13 Para Harrison 132, a cultura, a estrutura e o poder são os contextos onde fonnação se desenvolve. De igual modo, Latham e CrandallI33 referem ue a fonnação contribui, numa percentagem significativa, para a mudança o comportamento dos indivíduos e que as opções estratégicas assentes na ovação requerem fonnação, de fonna a que as pessoas aprendam a lidar om a ambiguidade e a incerteza. 132 Harrison - Training and Development. London: IPM, Latham, Crandall- Organizational and Social Factors. ln J. Morrison - Training for Perrmance: principies of applied human learning. Chichester: John Wiley,

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação CONTEXTOS DE COMUNICAÇÃO: COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS Aspectos gerais Definição de pequeno grupo Tipos de grupos Estrutura e Dinâmica de grupo Resolução

Leia mais

Cultura Organizacional. Jorge Correia Jesuino

Cultura Organizacional. Jorge Correia Jesuino Cultura Organizacional Jorge Correia Jesuino Cultura Organizacional Valores e crenças compartilhadas subjacentes à identidade duma organização. Caracteristicas 1º A cultura da organização transmite-se

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

Cultura Organizacional: Compreensão básica para a Gestão de Pessoas. Glaucia Falcone Fonseca

Cultura Organizacional: Compreensão básica para a Gestão de Pessoas. Glaucia Falcone Fonseca : Compreensão básica para a Gestão de Pessoas Glaucia Falcone Fonseca É importante verificar que há diversos grupos que compõem uma cultura. As subculturas, constituídas por grupos de pessoas com um padrão

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Organizações Modernas Visão da Sociologia - Giddens. Psicossociologia do trabalho 1

Organizações Modernas Visão da Sociologia - Giddens. Psicossociologia do trabalho 1 Organizações Modernas Visão da Sociologia - Giddens Psicossociologia do trabalho 1 Sumário As organizações modernas A transferência do papel da comunidade para as organizações O processo de interdependência

Leia mais

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações." - ISJ,

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações. - ISJ, 1. Introdução Este trabalho enquadra-se na área de Engenharia de Requisitos (ER). O problema abordado é o da insatisfação com as aplicações das Tecnologias de Informação (TI), utilizadas para suportar

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS ESTRATÉGIAS CULTURAIS NAS PRÁTICAS DE GESTÃO

IMPORTÂNCIA DAS ESTRATÉGIAS CULTURAIS NAS PRÁTICAS DE GESTÃO Recomendações Estratégicas Para as Organizações do Séc. XXI TEMA IMPORTÂNCIA DAS ESTRATÉGIAS CULTURAIS NAS PRÁTICAS DE GESTÃO Elsa Maria Nunes Barbosa (elsa.barbosa@estig.ipbeja.pt) Escola Superior de

Leia mais

Orientações para as políticas de emprego

Orientações para as políticas de emprego C 87 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 1.4.2010 23. Considera que, com a liderança da UE no provimento de apoio financeiro e técnico aos países em desenvolvimento, as probabilidades de sucesso nas

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

A ECOLOGIA ORGANIZACIONAL

A ECOLOGIA ORGANIZACIONAL A ECOLOGIA ORGANIZACIONAL 2012 Nuno Terenas Licenciado em Psicologia - variante Social e das Organizações E-mail: nunoterenas@sapo.pt RESUMO A ecologia organizacional surgiu como a principal perspectiva

Leia mais

Área Departamental de Engenharia Electrotécnica. 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25. Teste de.

Área Departamental de Engenharia Electrotécnica. 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25. Teste de. Área Departamental de Engenharia Electrotécnica 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25 Teste de Gestão 1. Defina organização e enuncie os seus princípios fundamentais. Podemos

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N. Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.º 32603 INTRODUÇÃO Na área do controlo de gestão chamamos atenção para

Leia mais

A Normalização e a Gestão do Risco

A Normalização e a Gestão do Risco A Normalização e a Gestão do Risco ISO 26000 e a Gestão do Risco 22 de Maio 2014 João Simião Algumas reflexões para partilhar 2 Curiosidades sobre riscos Sabia que o termo risco (risk) é referido em 141

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

Gestão da Inovação 4º Ano de Gestão

Gestão da Inovação 4º Ano de Gestão INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Universidade Técnica de Lisboa Gestão da Inovação 4º Ano de Gestão Ano Lectivo 2006/2007 2º Semestre Docente: Vitor Corado Simões PROGRAMA A. O que é a gestão da

Leia mais

Qualidade e inovação: principais implicações nas organizações portuguesas

Qualidade e inovação: principais implicações nas organizações portuguesas Q UALI DADE E I NO VAÇÃO: PRI NCIPAIS IMPLI CAÇÕES NAS O RG ANIZAÇÕES PO RT UG UESAS 95 Qualidade e inovação: principais implicações nas organizações portuguesas Margarida Saraiva Universidade de Évora

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

O IMPACTO DA MUDANÇA NA CULTURA DAS ORGANIZAÇÕES. Fabiana Gonçalves, Priscila da C. Custódio Vanessa Mª B. dos Santos, Drª Vera Lúcia Ignácio Molina

O IMPACTO DA MUDANÇA NA CULTURA DAS ORGANIZAÇÕES. Fabiana Gonçalves, Priscila da C. Custódio Vanessa Mª B. dos Santos, Drª Vera Lúcia Ignácio Molina O IMPACTO DA MUDANÇA NA CULTURA DAS ORGANIZAÇÕES Fabiana Gonçalves, Priscila da C. Custódio Vanessa Mª B. dos Santos, Drª Vera Lúcia Ignácio Molina UNIVAP/ Estudante do curso de Administração de Empresas/fabianacgoncalves@eaton.com

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

O PROJECTO EDUCATIVO COMO ESTRATÉGIA DE PROMOÇÃO DE CONGRUÊNCIA ENTRE AS DIMENSÕES ADMINISTRATIVO- ORGANIZATIVA E CURRICULAR

O PROJECTO EDUCATIVO COMO ESTRATÉGIA DE PROMOÇÃO DE CONGRUÊNCIA ENTRE AS DIMENSÕES ADMINISTRATIVO- ORGANIZATIVA E CURRICULAR O PROJECTO EDUCATIVO COMO ESTRATÉGIA DE PROMOÇÃO DE CONGRUÊNCIA ENTRE AS DIMENSÕES ADMINISTRATIVO- ORGANIZATIVA E CURRICULAR Escola Superior de Educação do Porto IPP RESUMO No domínio da actual investigação

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Planeamento Serviços Saúde

Planeamento Serviços Saúde Planeamento Serviços Saúde Estrutura Organizacional João Couto Departamento de Economia e Gestão Universidade dos Açores Estrutura Organizacional É o sistema de organização de tarefas onde se estabelecem

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Módulo 11 Socialização organizacional

Módulo 11 Socialização organizacional Módulo 11 Socialização organizacional O subsistema de aplicação de recursos humanos está relacionado ao desempenho eficaz das pessoas na execução de suas atividades e, por conseguinte, na contribuição

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente Inteligência Emocional A importância de ser emocionalmente inteligente Dulce Sabino, 2008 Conceito: Inteligência Emocional Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

sistemas de informação nas organizações

sistemas de informação nas organizações sistemas de nas organizações introdução introdução aos sistemas de objectivos de aprendizagem avaliar o papel dos sistemas de no ambiente empresarial actual definir um sistema de a partir de uma perspectiva

Leia mais

Planeamento e estratégia

Planeamento e estratégia Planeamento e estratégia Tipos de planos e vantagens Etapas do processo de planeamento Informação para o planeamento Análise SWOT Definir missão e objectivos Processo de gestão estratégica Níveis da estratégia

Leia mais

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Por: Patrícia Isabel Correia* A ausência de um Sistema de Gestão de Manutenção provocou, ao longo de muitos anos, a deterioração

Leia mais

Riscos do Outsourcing

Riscos do Outsourcing Riscos do Outsourcing RISCOS FINANCEIROS Custos associados (processo de negociação) Custos não esperados RISCOS TECNOLÓGICOS Qualidade do serviço (degradação/má qualidade) Concorrência entre fornecedores

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS PRINCIPIOS GERAIS I. OS FUNDAMENTOS DO ENOTOURISMO 1. Por enotourismo queremos dizer que são todas as actividades e recursos turísticos, de lazer e de tempos livres, relacionados com as culturas, materiais

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Manual Prático de Avaliação do Desempenho

Manual Prático de Avaliação do Desempenho Tendo em conta o planeamento das actividades do serviço, deve ser acordado conjuntamente entre o superior hierárquico e o trabalhador, o plano individual e os objectivos definidos para o período em avaliação.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO ORGANIZACIONAL DE ESTRATÉGIAS FORMATIVAS DE CONSULTORIA FORMATIVA RELATÓRIO FINAL

AVALIAÇÃO DO IMPACTO ORGANIZACIONAL DE ESTRATÉGIAS FORMATIVAS DE CONSULTORIA FORMATIVA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO IMPACTO ORGANIZACIONAL DE ESTRATÉGIAS FORMATIVAS DE CONSULTORIA FORMATIVA JULHO DE 2004 FICHA TÉCNICA Avaliação do Impacto Organizacional de Estratégias Formativas de Consultoria Formativa

Leia mais

TÓPICOS DE SOCIOLOGIA INDUSTRIAL. Escola Superior de Tecnologia de Setúbal IPS Olgierd Swiatkiewicz

TÓPICOS DE SOCIOLOGIA INDUSTRIAL. Escola Superior de Tecnologia de Setúbal IPS Olgierd Swiatkiewicz TÓPICOS DE SOCIOLOGIA INDUSTRIAL Escola Superior de Tecnologia de Setúbal IPS Olgierd Swiatkiewicz 1. Questões preliminares 1.1. O lugar da Sociologia Industrial nas Ciências Sociais Ciência vs. conhecimento,

Leia mais

Implementação e Consolidação da Unidade de Serviços Partilhados. Carlos Rocha

Implementação e Consolidação da Unidade de Serviços Partilhados. Carlos Rocha Apresentação do Estudo: Serviços Partilhados na Administração Pública 20 de Outubro de 2010 Sala do Senado, Reitoria da Universidade Nova de Lisboa Implementação e Consolidação da Unidade de Serviços Partilhados

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC/2000/01 CAP. 2 Introdução à Gestão das Organizações 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 2.1. Conceito de Gestão Vivemos numa sociedade de organizações (dos

Leia mais

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão Chegar a acordo sobre definições de qualquer tipo pode ser uma tarefa de pôr os cabelos em pé, e um desperdício de tempo. Normalmente requer compromissos por parte

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Gestão de Conflitos Organizacionais Jefferson Menezes de Oliveira Santa Maria, dezembro de 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

RECURSOS HUMANOS. Gestão Estratégica de. RH Management Series. www.iirangola.com LUANDA. Planificação Estratégica de Recursos Humanos

RECURSOS HUMANOS. Gestão Estratégica de. RH Management Series. www.iirangola.com LUANDA. Planificação Estratégica de Recursos Humanos RH Management Series Advanced Training for Strategic Advantage CICLO DE FORMAÇÃO EM Gestão Estratégica de RECURSOS HUMANOS Planificação Estratégica de Recursos s SEMINÁRIO Recrutamento, Selecção & Entrevista

Leia mais

Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão dos Negócios

Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão dos Negócios Workshop A Competitividade das Empresas & o Balanced Scorecard Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão JAIME RAMOS GUERRA JLM CONSULTORES DE GESTÃO, SA () INSTITUTO POLITECNICO DE LEIRIA jaime.guerra@jlm.pt

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

Definição estrutural operacional de Salamon e Anhheir (1996)

Definição estrutural operacional de Salamon e Anhheir (1996) José Alberto Reis Definição estrutural operacional de Salamon e Anhheir (1996) 1) têm um relativo nível de organização; 2) são privadas, i.e. separadas do governo; 3) não distribuem lucros; 4) são auto

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

Recursos Humanos. Universidade do Algarve Escola Superior de Tecnologia Engenharia Eléctrica e Electrónica Disciplina de Gestão.

Recursos Humanos. Universidade do Algarve Escola Superior de Tecnologia Engenharia Eléctrica e Electrónica Disciplina de Gestão. Universidade do Algarve Escola Superior de Tecnologia Engenharia Eléctrica e Electrónica Disciplina de Gestão Recursos Humanos Alunos: Docente: Jaime Martins Nelson Francisco nº 28586 Lereno Margarido

Leia mais

A MUDANÇA NAS EMPRESAS E A DESMOTIVAÇÃO

A MUDANÇA NAS EMPRESAS E A DESMOTIVAÇÃO A NAS EMPRESAS E A DESMOTIVAÇÃO No final de uma década em que o estudo do Cérebro Humano trouxe à comunidade empresarial dados indubitavelmente importantes para a compreensão dos processos emocionais das

Leia mais

(In)certezas e desafios na Gestão de Pessoas

(In)certezas e desafios na Gestão de Pessoas (In)certezas e desafios na Gestão de Pessoas As novas formas de organização do trabalho desafiam a gestão de recursos humanos (GRH) a reinventar os seus modelos e a integrar no seu portefólio ferramentas

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

PSICOSSOCIOLOGIA DO TRABALHO

PSICOSSOCIOLOGIA DO TRABALHO APRESENTAÇÃO PSICOSSOCIOLOGIA DO TRABALHO O QUE SE ESTUDA? O impacto que as variáveis: Individuais (Micro); De grupo (Meso); e Organizacionais (Macro); têm sobre o comportamento dentro das organizações

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

MESTRADO EM GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE MESTRADO EM GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Programas das cadeiras Gestão de Unidades de Saúde Pretende-se que os participantes identifiquem os conceitos fundamentais de gestão e a sua aplicabilidade no contexto

Leia mais

V JORNADAS DE CONTABILIDADE

V JORNADAS DE CONTABILIDADE V JORNADAS DE CONTABILIDADE Título da Comunicação: 1 AS RELAÇÕES ACCIONISTAS-GESTORES SEGUNDO OS TIPOS DE ORGANIZAÇÃO Autora: MARIA HÉLDER MARTINS COELHO (Mestre em Economia (FEP); Professora do ISCAP)

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Universidade do Algarve Escola Superior de Tecnologia Curso de Engenharia Eléctrica e Electrónica HUMANOS

Universidade do Algarve Escola Superior de Tecnologia Curso de Engenharia Eléctrica e Electrónica HUMANOS RECURSOS HUMANOS Disciplina: Gestão Docente responsável: Jaime Martins Autoras Ana Vieira, n.º 30367 Natacha Timóteo, n.º 30381 Faro, 20 de Novembro de 2007 ÍNDICE Introdução 3 Desenvolvimento 1. Recursos

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

Síntese de TGA. Teoria Comportamental da Administração

Síntese de TGA. Teoria Comportamental da Administração Síntese de TGA Teoria Comportamental da Administração A Teoria Comportamental surgiu nos Estados Unidos por volta de 1950, com uma redefinição dos conceitos antigos administrativos ao criticar as teorias

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 346. Secretariado e Trabalho Administrativo Itinerário de Formação 34601. Práticas Administrativas

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2005 2006

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2005 2006 MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2005 2006 1 DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 1º TRIMESTRE Contabilidade e Análise Financeira Introdução A era da informação A informação como instrumento de gestão Sistemas de informação

Leia mais

Balanced Scorecard e Desenvolvimento Sustentável

Balanced Scorecard e Desenvolvimento Sustentável Balanced Scorecard e Desenvolvimento Sustentável Planeamento estratégico num contexto de gestão ambiental, responsabilidade social e controlo financeiro Introdução Uma estratégia de Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Poder, Cultura e Mudanças nas Organizações. Prof.ª Dr.ª Rosa Maria Fischer Prof.ª Titular FEA/USP

Poder, Cultura e Mudanças nas Organizações. Prof.ª Dr.ª Rosa Maria Fischer Prof.ª Titular FEA/USP Poder, Cultura e Mudanças nas Organizações Prof.ª Dr.ª Rosa Maria Fischer Prof.ª Titular FEA/USP Conceito de Cultura Conjunto de pressupostos básicos que um grupo inventou descobriu ou desenvolveu ao aprender

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA 1. Introdução A materialização da Missão, Visão e Valores de uma Empresa traduz-se na actuação quotidiana dos seus colaboradores, de acordo com práticas éticas consensuais

Leia mais

CONCLUSÃO CONCLUSÃO Na última década, em Portugal, a escola pública tem sido alvo de uma retórica política democratizadora que contrasta, por sua vez, com a adoção de medidas reformadoras de cariz neoliberal

Leia mais

169 educação, ciência e tecnologia

169 educação, ciência e tecnologia 169 CULTURA ORGANIZACIONAL OLIVÉRIO DE PAIVA RIBEIRO * INTRODUÇÃO Numa análise antropológica, tal como refere Neves (2000), o termo cultura começou por ser definido como um componente do sistema social,

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Assegurar que o Progress produz resultados

Assegurar que o Progress produz resultados Assegurar que o Progress produz resultados Quadro estratégico para a execução do Progress, programa comunitário para o emprego e a solidariedade social (2007 2013) Comissão Europeia Assegurar que o Progress

Leia mais

QREN (2007-2013) PARTE IV Fichas Resumo prioridade «Factores de competitividade»

QREN (2007-2013) PARTE IV Fichas Resumo prioridade «Factores de competitividade» QREN (2007-2013) PARTE IV Fichas Resumo prioridade «Factores de competitividade» SISTEMA DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO DAS EMPRESAS 1 Os sistemas de incentivos ao investimento das empresas são um dos instrumentos

Leia mais

Por volta dos anos 80/90, ouve sefalardeumapedagogiacentradanaescolacomoorganização. Nesta

Por volta dos anos 80/90, ouve sefalardeumapedagogiacentradanaescolacomoorganização. Nesta A Escola portuguesa no séc. XXI (1/5) Falar de Escola é falar de educação. Compreender a escola é, também, compreender a evolução das ideias sobre educação ao longo dos tempos. Nesta linha de evolução,

Leia mais

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Planificação Anual da Disciplina de MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2013-2014 1 MÓDULO 1 - DESCOBRINDO

Leia mais

POWER-RH. organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS

POWER-RH. organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS POWER-RH Gestão estratégica a de mudança organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS PARA EMPRESAS - A Power-rh Somos peritos em gestão estratégica de mudança organizacional e desenvolvimento humano.

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Agosto de 2011 1 Contratos de Construção Enquadramento Contabilístico e Fiscal 2 Revisores e Auditores 7

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Agosto de 2011 1 Contratos de Construção Enquadramento Contabilístico e Fiscal 2 Revisores e Auditores 7 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Agosto de 2011 1 Contratos de Construção Enquadramento Contabilístico e Fiscal 2 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL AGOSTO DE 2011 Ministério das Finanças - Gabinete

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

PARECER N.º 51/CITE/2007

PARECER N.º 51/CITE/2007 PARECER N.º 51/CITE/2007 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho, conjugado com a alínea b) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo

Leia mais

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro DAVE ULRICH, JON YOUNGER, WAYNE BROCKBANK E MIKE ULRICH Qualquer bom profissional de RH quer ser melhor. Isto começa com um desejo

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

Licenciatura Psicologia do Desporto e do Exercício. PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Psicologia do Trabalho e das Organizações

Licenciatura Psicologia do Desporto e do Exercício. PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Psicologia do Trabalho e das Organizações INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR Licenciatura Psicologia do Desporto e do Exercício PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Psicologia do Trabalho e das Organizações Ano

Leia mais

ATENDIMENTO PESSOAL E TELEFÓNICO

ATENDIMENTO PESSOAL E TELEFÓNICO ÁREA COMERCIAL ATENDIMENTO PESSOAL E TELEFÓNICO Como entusiasmar clientes pela forma de atender? Desenvolver competências técnicas e relacionais que potenciem a angariação e satisfação de clientes. Atendimento

Leia mais

TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO

TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO. ORIGENS DA TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO A Teoria dos Sistemas foi introduzida na Administração, a partir da década de 1960, tornando-se parte integrante da

Leia mais