REVISTA CONTEÚDO O USO DAS FERRAMENTAS DE RECURSOS HUMANOS NA GESTÃO ESCOLAR THE USE OF THE TOOLS OF HUMAN RESOURCES IN THE SCHOOL MANAGEMENT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVISTA CONTEÚDO O USO DAS FERRAMENTAS DE RECURSOS HUMANOS NA GESTÃO ESCOLAR THE USE OF THE TOOLS OF HUMAN RESOURCES IN THE SCHOOL MANAGEMENT"

Transcrição

1 O USO DAS FERRAMENTAS DE RECURSOS HUMANOS NA GESTÃO ESCOLAR Patrícia Almeida Piumbini Martins 1 Shênia Soraya Soares Louzada 2 RESUMO Este artigo defende a possibilidade de aplicação de práticas/ferramentas de Administração de Recursos Humanos ao espaço escolar. Traz o conceito de Recursos Humanos, bem como as interações do indivíduo com as organizações. Aborda a Gestão Escolar e algumas transformações ocorridas na história a esse respeito, fazendo do espaço escolar um local mais autônomo e menos burocrático. Por fim, refere-se às práticas dos Recursos Humanos numa empresa com o intuito de tentar despertar o interesse pelo estudo de sua aplicabilidade na Escola. Palavras-chave: administração; gestão escolar; recursos humanos. THE USE OF THE TOOLS OF HUMAN RESOURCES IN THE SCHOOL MANAGEMENT ABSTRACT This article defends the possibility of application of practices / tools for Human Resource Management to the school. It brings the concept of Human Resources, as well as interactions with the individual organizations. Covers the School Management and some changes occurring in the story about this, making the school a more autonomous and less bureaucratic. Finally, it refers to the practices of human resources in an enterprise in order to try to arouse interest in the study of its applicability in the School. Keywords: administration; school management; human resources. 1 Pedagoga, aluna do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Gestão Escolar da Faculdade Cenecista de Vila Velha/ES-FACEVV 2 Psicóloga, doutoranda em Psicologia, Professora da FACEVV Revista Conteúdo, Capivari, v.1, n.5, jan./jul ISSN

2 INTRODUÇÃO Há muito que práticas pedagógicas vivenciadas nos espaços escolares (análise, síntese, dramatização, resolução de problemas, produção de texto, jogos, montagem de quebra-cabeças e outras) oferecem contribuições para o setor de Gestão de Pessoas ou de Recursos Humanos (RH). Pensando na possibilidade da recíproca ser verdadeira passamos a indagar se as ferramentas/práticas de Gestão de RH das empresas também seriam úteis na Gestão Escolar. De antemão, entendemos que aceitar tal reciprocidade é correr o risco de tratar, simplesmente, a empresa como escola e a escola como uma empresa que se move na direção da economia de mercado e sair do seu foco educacional. Deixando claro que nosso objeto de interesse é a escola acreditamos que tomados os devidos cuidados podemos aplicar ferramentas disponíveis na área empresarial para melhorar a escola e, consequentemente, a educação. Entendemos, a priori, que a orientação para atuação do profissional ou sua formação continuada em uma instituição escolar pode servir-se de ferramentas de RH de uma empresa com bastante êxito. Diante do exposto, nosso objetivo é defender a possibilidade de utilizar tais recursos no processo da Gestão Escolar para melhorar a qualidade na educação. Nesse sentido, optamos por refletir, de forma resumida, sobre o setor de RH nas empresas, descrever Gestão Escolar e defender o uso das práticas de RH empresarial na Gestão Escolar. REFLETINDO SOBRE A ADMINISTRAÇÂO DE RECURSOS HUMANOS Após a Revolução Industrial, uma nova organização do trabalho se fez necessária. As atividades que eram manuais e familiares passaram a se desenvolver de forma mais organizada, esquematizada, num maior volume de trabalho e de pessoas envolvidas no processo. De acordo com Chiavenato (1985) novas teorias administrativas foram surgindo até que por volta de 1950, o que era visto como Relações Industriais passou a ser tratado de Administração de Pessoal. Buscava-se então, administrar as pessoas de acordo com as legislações trabalhistas vigentes. Já nos anos de 70, ainda no século passado, o conceito foi se ampliando e as pessoas sendo consideradas como parte fundamental para o sucesso de qualquer organização. Contudo, ainda predominava a ideia de que os trabalhadores deveriam apenas desenvolver atividades planejadas e controladas pela Revista Conteúdo, Capivari, v.1, n.5, jan./jul ISSN

3 instituição, embora as mudanças continuassem ocorrendo. Nesse processo, atualmente já existem gestores e empresas com uma visão de trabalho conjunto, tendendo a administrar para e com as pessoas. Adotar tal postura de trabalho conjunto significa, entre outras coisas, que as pessoas do grupo estarão envolvidas na administração e serão foco e participantes da gestão daquele negócio. Significa também passar a tratar cada um como colaborador que tem potencialidades para se desenvolver e desenvolver o trabalho da e na empresa. Ou seja, os funcionários ou colaboradores devem ser tratados como parceiros, [...] como agentes ativos e proativos dotados de inteligência e criatividade, iniciativa e decisão, habilidade e competências e não apenas de capacidades manuais, físicas ou artesanais. Assim, o conceito de Administração de Recursos Humanos migrou para Administração de Pessoas (ou Gestão de Pessoas) por entender que as pessoas participam da administração da empresa como parceiros e não como meros recursos (TORRES, p. 1). Com esta expressão do autor compreende-se que deixar de considerar as pessoas como meros recursos é uma atitude que converge para os ideais da Revolução Francesa, a essência da Declaração Universal de Direitos Humanos 3 -DUDH e o espírito de outros documentos afins que surgiram posteriormente. Todos eles preconizam a valorização da pessoa humana, o respeito à sua individualidade e o reconhecimento da diversidade existente na humanidade. Em sua trajetória as empresas se modernizaram, adotaram tecnologias cada vez mais avançadas, mas continuaram sendo conduzidas por pessoas. Nesse contexto, a Administração de Recursos Humanos- ARH é uma especialidade que surgiu com o crescimento e a complexidade dessas organizações tratando do adequado aprovisionamento, da aplicação, da manutenção e do desenvolvimento das pessoas nas organizações (CHIAVENATO, 1985, p. 17). Com efeito, é difícil separar as organizações das pessoas, ainda mais quando aceitamos a ideia de que as organizações são um sistema aberto 4. Como em Biologia, o sistema aberto [...] descreve as ações e interações de um organismo vivo dentro de um ambiente circundante (CHIAVENATO,1985, p. 18), nas organizações o indivíduo age e interage com o ambiente, tendo com ele suas dependências e adaptabilidade. No sistema aberto das organizações aparecem as complexidades individuais e dos relacionamentos com o outro e com o meio. Acreditamos que este meio influencia 3 Adotada pela ONU em 10 de dezembro de Conceito emprestado da área de Biologia Revista Conteúdo, Capivari, v.1, n.5, jan./jul ISSN

4 o comportamento e as construções internas do indivíduo porque o ser humano não vive sozinho, isolado do mundo e quanto maior a interação ele tende a cooperar para o alcance de um objetivo comum. E isto é fundamental para a criação, o estudo, o planejamento e o sucesso da organização que precisa alcançar seus objetivos e que estes sejam ou se tornem também objetivos das pessoas que nela trabalham. Ter objetivos convergentes exige que a empresa se re-estude, se reprograme e a partir de uma postura mais contemporânea adote políticas de RH que visem ao crescimento e desenvolvimento dos colaboradores e da empresa; que considerem o indivíduo como parceiro, respeite seus direitos e requeira o cumprimento de seus deveres. Assim, uma política de RH não será unilateral ou autoritária porque terá [...] regras estabelecidas para governar funções e assegurar que elas sejam desempenhadas de acordo com os objetivos desejados (CHIAVENATTO, 1985, p. 90). Elas refletirão uma posição administrativa que previnem riscos e também [...] servem para prover respostas às questões ou aos problemas que podem ocorrer com certa frequência [ ] (CHIAVENATTO, 1985,p. 90). Ou seja, ao estabelecer regras para atingir objetivos, para orientar os funcionários e prepará-los para responder aos problemas que podem vir, a empresa está fazendo educação. É uma educação para o trabalho que, entretanto, não deixa de ser educação, evidenciando a similaridade entre empresa e escola. O preparo do ser humano para exercer a sua profissão reflete a política da empresa sobre educação, o que nesse caso é chamada de educação profissional, seja na Formação Profissional, que prepara para o exercício de uma profissão técnica ou superior; no Desenvolvimento Profissional, que visa ampliar, desenvolver e aperfeiçoar o crescimento profissional em determinada carreira na empresa ou cargo; e, no Treinamento, cujo foco é adaptar o profissional para as atividades e modo de ser de uma determinada empresa. Entendemos que essa visão de ARH voltada para os direitos e deveres do indivíduo, para a organização como sistema aberto, para a parceria, para objetivos comuns e para a educação do trabalhador da empresa tem pontos em comum com a educação escolar. Sendo assim, faz sentido discutir os caminhos da gestão escolar, principalmente, nos últimos anos. CAMINHOS E POSSIBILIDADES DA GESTÃO ESCOLAR Dentro de uma visão simplista, Gestão Escolar é a maneira como se dirige ou Revista Conteúdo, Capivari, v.1, n.5, jan./jul ISSN

5 conduz o espaço escolar e seus componentes. Porém, discutir Gestão Escolar não é tão simples, uma vez que a escola reflete a forma como a sociedade se organiza, os seus processos históricos, a relação com a democratização social e sua evolução. Basta que se recorde o que ocorreu após a Revolução Industrial no final do século XIX. A Escola passou a reproduzir o ambiente das indústrias e sua finalidade passou a ser principalmente o de preparar a mão-de-obra para atuar no mercado. De lá pra cá foram surgindo movimentos educacionais que defendiam teorias para que a educação pudesse cumprir um papel diferente na vida das pessoas. É bom lembrar que nenhum movimento educacional existe separado da conjuntura política e social e para evidenciar essa afirmação basta relembrar o período da Ditadura Militar no Brasil, iniciada em Naquele tempo, a escola pública possuía uma estrutura administrativa centralizadora e burocratizada em quase todos os estados e municípios. Entretanto, apesar e por causa do regime ditatorial, muitos educadores não deixaram de reivindicar uma maior autonomia escolar e a possibilidade de experimentar alternativas pedagógicas e administrativas que diminuíssem a evasão escolar e a repetência, um dos grandes problemas da escola e da sociedade. Dentre essas alternativas, a gestão escolar democrática e autônoma surge como forte possibilidade. Os argumentos que defendiam a necessidade de uma gestão escolar autônoma como condição para melhorar a qualidade do ensino [...] (KRAWCZYK,1999. p. 3) e a idéia de que no espaço escolar seria possível iniciar a diminuição dos problemas educacionais convergiam para a autonomia e a democratização da escola. Com a redemocratização do Estado Brasileiro nos anos finais do século XX, cresceu também o debate sobre a Gestão Escolar e a co-responsabilidade do estado, de alunos, de professores, de outros funcionários e da comunidade no processo educacional. Aqueles que lutavam na direção da democracia alcançaram sucesso porque segundo Krawczyk (1999, p. 1) [...] uma das grandes vitórias das escolas no campo político-educativo foi a conquista da liberdade de ação e de decisão em relação aos órgãos superiores da administração e a maior participação da comunidade escolar [...].Tal liberdade possibilitaria ao gestor escolar não só a administração um pouco mais autônoma dos recursos financeiros e materiais como também a [...] a concretização de idéias progressistas como eqüidade, justiça social, redução do clientelismo [...] (KRAWCZYK, 1999, p. 3) na relação com as pessoas que lidam com a parte pedagógica, seja na formação continuada do pessoal ou na adoção de políticas Revista Conteúdo, Capivari, v.1, n.5, jan./jul ISSN

6 internas mais adequadas para o funcionamento de uma escola específica que tem suas demandas também específicas e reais. Pensando na parte especificamente educacional, não só no Brasil, mas em todo continente latino-americano os debates visavam à qualidade da educação oferecida dentro das novas exigências mundiais do setor produtivo e as novas tecnologias. As novas exigências do mercado de trabalho indicavam as propostas pedagógicas para uma melhor qualificação do indivíduo frente aos enfrentamentos econômicos que se tinha que fazer, ou seja a gestão educacional tinha um papel articulador Sobre o papel articulador, Krawczyk chama a atenção para as metas políticopedagógicas e as aplicações na atividade escolar. Nesse caso, [...] é possível pensar a gestão escolar como um espaço privilegiado de encontro entre o Estado e a sociedade civil na escola (KRAWCZYK, 1999, p. 5). Um espaço em que as ações financeiras, administrativas e pedagógicas são abrangentes e mais autônomas, de forma que os princípios administrativos das empresas podem ser considerados como possibilidades na gestão escolar. Nesse caso, a escola precisa estar aberta ao que ocorre em outros setores da sociedade que podem ajudá-la a cumprir seu papel de promover [...] o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho (BRASIL, 1996, art 2º) sem ficar refém da economia de mercado. Diante do exposto, com o conceito ampliado de gestão escolar, mesmo sabendo que nas empresas, os fatores do processo educativo são vistos como insumos, e a eficiência e as taxas de retorno, como critérios fundamentais de decisão [...] de produção material e de competição do mercado (MEZOMO apud KRAWCZYK,1999. p. 7) é possível defender o uso de estratégias e ferramentas da ARH na escola desde que não substitua a preocupação com a identidade moral e cultural pelo imperativo da eficácia (BALL apud KRAWCZYK, 1999, p. 8). DEFENDENDO O USO DAS PRÁTICAS DE RH NA EDUCAÇÃO Pensando nos objetivos da escola e na necessidade frequente de melhoria da educação defendemos que é válido fazer uso de ferramentas que lhe possibilite melhorar sua atuação. Aqui se apresenta um grande desafio: a construção de um novo modelo gestão escolar ousado, que esteja aberta a novas possibilidades, mas não deixe de levar em consideração os princípios pedagógicos e culturais da sua atividade. Revista Conteúdo, Capivari, v.1, n.5, jan./jul ISSN

7 Reafirmamos que se a empresa aplica técnicas pedagógicas em seus espaços para conseguir melhores resultados, mesmo atenta à economia de mercado, dentro de uma visão sistêmica, acreditamos que a gestão escolar pode se beneficiar dessas práticas. Ressaltamos que fazer Gestão Escolar não é a mesma coisa que atuar na ARH de uma empresa, mas concordamos que existem similaridades entre elas. Por exemplo, tanto uma como outra deve promover o desenvolvimento das pessoas para também atingir seus objetivos educacionais, sendo que uma das formas de tal promoção é a [...] criação de ambiente propício a mudanças e aprendizagem organizacional, como um dos pré-requisitos para a inovação organizacional e tecnológica (SANTOS et all p. 2). Dificilmente se consegue o desenvolvimento sem ambiente, principalmente em um Sistema Aberto 5 como as empresas e a escola. Com esse pensamento, ao se pensar em articular práticas de RH com educação, há de se pensar como trabalhar princípios empresariais num ambiente acadêmico dentro de um modelo de gestão estratégica. De um lado, a ARH da empresa leva em conta os negócios, o trabalho em equipe, a aprendizagem e a cultura da organização numa interligação que faz com que cada um seja considerado essencial. De outro, na gestão de uma escola, o fato de montar um organograma, poderá evidenciar que todos fazem parte de um sistema interligado, onde o sucesso de um departamento depende da cooperação de todos os outros. Além da ideia de uso das ferramentas, de interdependência ou interligação, as práticas de RH na escola serão bem-vindas se também estimularem a motivação da equipe porque ela é responsável por fazer o indivíduo se esforçar por alcançar um objetivo. Entretanto, é necessário entender que motivação não é algo externo que alguém ou alguma instituição possa dar ao outro. A motivação consiste em muito mais, ela é um [...] conjunto de forças internas que mobiliza o indivíduo para atingir um dado objetivo como resposta a um estado de necessidade, carência ou desequilíbrio. É o processo responsável pela intensidade, direção e persistência dos esforços de uma pessoa para o alcance de uma determinada meta. A palavra Motivação vem do latim movere, que significa "mover. É, então, aquilo que é suscetível de mover o indivíduo, de levá-lo a agir para atingir algo e de lhe produzir um comportamento orientado.( NOVAES, 2007, p. 4) 5 Conceito já citado no item anterior. Revista Conteúdo, Capivari, v.1, n.5, jan./jul ISSN

8 E nesse aspecto, a motivação está relacionada às necessidades do indivíduo. Se ele sente alguma necessidade ele terá motivo para satisfazê-la. A teoria das necessidades criada por Maslow, bem conhecida em alguns setores empresariais e também educacionais demonstra que os motivos do comportamento humano residem no próprio indivíduo: sua motivação para agir e se comportar deriva de forças que existem dentro dele e de suas necessidades. O esquema da teoria citada é apresentado na forma de hierarquia, o que ajuda a entender a motivação pessoal de acordo com a importância e influência. Fonte: Esta figura, além de nos fazer compreender quais são as necessidades que precisamos satisfazer primeiro, ela também indica, por inferência, que caso isso não aconteça poderá trazer um quadro de desinteresse ou desmotivação para qualquer área, inclusive a do trabalho bem feito ou da realização profissional e pessoal. O importante para nós é que a motivação também tem a ver com as necessidades do ser humano, sejam elas primárias ou secundárias. Se o gestor conseguir perceber as necessidades de sua equipe e oferecer algo que venha como proposta de satisfação, ele conseguirá estimular a motivação em seu grupo na empresa ou na escola. Além da preocupação em estimular a equipe de forma que ela se sinta motivada, a escola pode usar outras ferramentas da ARH das empresas como o treinamento; o recrutamento ou a seleção por competência; a segurança; a higiene; a instituição do banco de talentos; a consultoria interna; a avaliação de desempenho; as dinâmicas de grupo; a valorização do funcionário por meio de retorno positivo;; o diagnóstico de setores; a capacitação e descoberta de líderes em potencial; a adoção de políticas de Revista Conteúdo, Capivari, v.1, n.5, jan./jul ISSN

9 pessoa avançadas que visem ao crescimento tanto dos membros da equipe quanto da organização. O treinamento, desde que não seja usado apenas como forma de adaptação a um esquema pré-determinado será útil quando as políticas, os objetivos e os projetos forem construídos em conjunto. Nesse caso, haverá sim necessidade de sistematizar as ações, as funções e as normas a fim de que todos trabalhem pelo objetivo comum. Outra ferramenta que pode ser utilizada pelo gestor são os mecanismos do processo de recrutamento e seleção de pessoal. Ressalva-se que no contexto de escola privada, o gestor local é quem faz a seleção e na escola pública, de modo geral, quem faz isso é o gestor que está trabalhando no sistema e não o gestor de escola. Tal condição não impede que o gestor do sistema utilize as ferramentas de ARH para esse processo porque elas poderão dar indícios de que o candidato tem ou não algumas competências exigidas para determinada função em uma escola. Assim como na empresa, a preocupação com a segurança e higiene de seus colaboradores também é importante, seja no espaço escolar público ou particular. É questão de formação, de sensibilização e de responsabilidade gestora. Uma outra prática do setor de RH que deveria ser adotada nas escolas é ter um banco de talentos. Essa prática ainda não é habitual entre os gestores escolares, o que prejudica o processo quando se precisa de alguém para cumprir determinada atividade ou função. Na escola, é muito comum acontecer licença médica de professores e a escola não saber onde buscar um substituto que possa substituí-lo com pouca mudança no processo em andamento, se houvesse um banco de dados, o gestor saberia onde buscar e a quem recorrer. Enfim, estes são exemplos de que os processos ligados à Administração de Recursos Humanos podem servir de propostas para o enriquecimento do gestor escolar. CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente trabalho objetivou defender a possibilidade de utilizar práticas de RH no processo da Gestão Escolar por ser este o responsável pela administração do espaço acadêmico. Para tanto, conceituou-se RH, destacando a importância das interações entre indivíduo e a organização. Observou-se que no decorrer da história o enfoque do trabalho de ARH mudou, deixando de ser apenas um trabalho burocrático, com a aplicação de leis trabalhistas Revista Conteúdo, Capivari, v.1, n.5, jan./jul ISSN

10 para um contexto mais social. Nas empresas, já se considera as pessoas como parte da empresa e a preocupação com a interligação entre os diversos setores é cada vez mais presente nas organizações da atualidade. No espaço escolar, onde a preocupação pedagógica é a principal mas não sustenta uma gestão sem outras ações percebeu-se que há também possibilidade de aplicação dos princípios administrativos, uma vez que a nova organização acadêmica exige maior participação e inovação. Se a empresa contemporânea quer que os seus colaboradores tenham uma educação profissional que comece pela formação inicial e continue no desenvolvimento profissional com treinamentos específicos para atender aos objetivos da organização, a escola que é uma instituição educacional não deve se contentar apenas com a formação inicial de quem participa desse processo. Ela deve criar condições para o desenvolvimento das pessoas e numa gestão participativa deve definir os objetivos a serem atingidos. Objetivos definidos, não haverá contradição ente educação e treinamento porque eles existirão para um objetivo comum. Sendo assim, nada impede que o novo conceito de gestão da educação se interesse para o estudo das novas organizações sociais e seus conflitos, da aplicação de atividades que despertem a motivação ao ser humano, de um conhecimento maior sobre as práticas de RH nas empresas e contribuir de forma eficaz para um novo fazer pedagógico e uma ousada gestão escolar, com novos desafios e novas propostas sem abandonar os princípios educacionais e a concepção da escola como espaço educacional. REFERÊNCIAS BILIOGRÁFICAS BRASIL. Lei Federal nº 9394/96: Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional. Brasília: Presidência da República, CHIAVENATO, Idalberto. Recursos Humanos. Ed. Compacta. São Paulo: Atlas, KRAWCZYK, Nora. A gestão escolar: um campo minado... Análise das propostas de 11 municípios brasileiros. Educ. Soc.,, v. 20, n. 67, Campinas: ago Disponível em Acesso em 01/12/2010. p. 1. NOVAES, Marília Vieira. A importância da motivação para o sucesso das equipes no contexto organizacional. Revista Eletrônica de Psicologia. Ano I, n. 1. Maceió, Alagoas: Julho de ISSN RECURSOS HUMANOS. Adotada pela ONU em 10 de dezembro de Disponível em Acesso em 12/05/2011. Revista Conteúdo, Capivari, v.1, n.5, jan./jul ISSN

11 SANTOS, Fernando César Almada ; CARPINETTI, Luís Cesar Ribeiro; GONÇALVES, Marilson Alves. Contribuições de recursos humanos para a competitividade em qualidade: um estudo de caso. Rev. De Admin. Contemp. Vol. 1. nº 03. Curitiba: set/dez ISSN Disponível em Acesso em 19/12/2010. TORRES, Henderson Carvalho. Administração em Recursos Humanos. Disponível em Acesso em 01/12/2010. Revista Conteúdo, Capivari, v.1, n.5, jan./jul ISSN

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO Considerando que o ser humano é formado por características de personalidade únicas e complexas, o seu comportamento no trabalho e em outros lugares,

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

GESTOR EDUCACIONAL, GESTOR ESCOLAR

GESTOR EDUCACIONAL, GESTOR ESCOLAR GESTOR EDUCACIONAL, GESTOR ESCOLAR A ênfase posta na atualidade no termo gestão educacional tem origem nas mudanças ocorridas nas relações da administração pública (aparato de Estado) com a sociedade.

Leia mais

Processos de Recursos Humanos

Processos de Recursos Humanos Gestão Integrada RH Recursos Humanos Unida 2 Rosemeri da Silva Paixão Recursos Humanos 28 Gestão Integrada RH Sumário Introdução... 30 Objetivos... 31 Estrutura da Unida... 31 UNIDADE 2: Recursos Humanos

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

A Inclusão do Profissional Portador de Deficiência e a lei 8213 de 24/07/91

A Inclusão do Profissional Portador de Deficiência e a lei 8213 de 24/07/91 A Inclusão do Profissional Portador de Deficiência e a lei 8213 de 24/07/91 Luiz Carlos Rodrigues Resumo: Com a criação da Lei que estabelece cotas para a inclusão do profissional portador de deficiências

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO?

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO? Resumo: O texto cita algumas evoluções no processo de recrutamento e seleção realizado pelas empresas. Avalia a importância dos recursos humanos, no contexto organizacional. Palavras-Chave: 1. Incentivo

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Trabalho de Gestão de Pessoas Alunos: Nilce Faleiro Machado Goiânia,4 de dezembro de 2015 1 Sumário Capa...1 Sumário...2 Introdução...3

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA 1. FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2. JUSTIFICATIVA. Promover a saúde e a segurança dos servidores e magistrados.

QUALIDADE DE VIDA 1. FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2. JUSTIFICATIVA. Promover a saúde e a segurança dos servidores e magistrados. QUALIDADE DE VIDA 1. FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Promover a saúde e a segurança dos servidores e magistrados. 2. JUSTIFICATIVA Segundo França (1996), a Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) representa

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS Juliana da Silva, RIBEIRO 1 Roberta Cavalcante, GOMES 2 Resumo: Como a cultura organizacional pode influenciar no processo de agregar

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 GESTÃO PARTICIPATIVA NA CONSTRUÇÃO DA QUALIDADE DE ENSINO EM COOPERATIVAS EDUCACIONAIS DO PIAUÍ Cyjara Orsano

Leia mais

FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE CURVELO

FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE CURVELO BEATRIZ APARECIDADE MOURA JOYCE SOARES RIBAS JUCIELE OTTONE MALAQUIAS MARTINS LUANA PÉRSIA DINIZ MÍRIAN DUARTE MACHADO GONZAGA DA SILVA O PAPEL DO GESTOR E A AUTO-ESTIMA DOS FUNCIONÁRIOS UMA ANÁLISE DA

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas DA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS À GESTAO DE PESSOAS Josiane de C. Aparecida Lacerda 1, Renata Valentina Bigolotti 2, Nivaldo Carleto 3 1 Fatec-Taquaritinga. Gestão do Agronegócio. Taquaritinga-SP

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

Introdução à Gestão Financeira e Controladoria

Introdução à Gestão Financeira e Controladoria Mario da Silva Oliveira O único propósito de um negócio é criar um cliente! (Peter Drucker) O único propósito de um negócio e fazer com que ele retorne! (Walker & Lundberg) 1 1. A Conceituação do Empreendimento

Leia mais

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR Neiva Maestro 1 A participação, sem dúvida, é o principal meio de se assegurar a gestão da escola que se quer democrática. Deve possibilitar

Leia mais

Como atrair e reter talentos

Como atrair e reter talentos Como atrair e reter talentos na Panificação PORQUE A DISCUSSÃO DE TALENTOS É IMPORTANTE PARA ORGANIZAÇÕES COMPETITIVAS? Em toda a história do mundo empresarial, nunca houve tanta preocupação e cuidados

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA

É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA Maria Beatriz de Carvalho Melo Lobo Instituições universitárias, todas elas, são empresas, com missões distintas e oriundas da concessão de um serviço

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR

TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR Heloísa Luck O trabalho escolar é uma ação de caráter coletivo, realizado a partir da participação conjunta e integrada dos membros de todos os segmentos

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

MBA GESTÃO DE PESSOAS

MBA GESTÃO DE PESSOAS MBA GESTÃO DE PESSOAS 1- OBJETIVOS Capacitar profissionais de Administração e áreas afins, que atuam ou pretendem atuar em empresas de qualquer porte, desempenhando funções de coordenação de pessoas ou

Leia mais

O QUE SUA EMPRESA PODE FAZER PARA SER MAIS COMPETITIVA?

O QUE SUA EMPRESA PODE FAZER PARA SER MAIS COMPETITIVA? O QUE SUA EMPRESA PODE FAZER PARA SER MAIS COMPETITIVA? O IEL O Instituto Euvaldo Lodi é uma entidade vinculada à CNI - Confederação Nacional da Indústria. Com 101 unidades em 26 estados e no Distrito

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas:

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas: Gestão de Pessoas: Conceitos, importância, relação com os outros sistemas de organização. Fundamentos, teorias, escolas da administração e o seu impacto na gestão de pessoas. Função do órgão de recursos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES THE IMPORTANCE OF PERSONNEL MANAGEMENTIN ORGANIZATIONS

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES THE IMPORTANCE OF PERSONNEL MANAGEMENTIN ORGANIZATIONS A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES THE IMPORTANCE OF PERSONNEL MANAGEMENTIN ORGANIZATIONS Lidiane Vieira 1 Nerci Maria Rezende Carvalho 2 Resumo Ao falar-se de Gestão de Pessoas nos deparamos

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional

1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional 1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional Conteúdo 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora Atlas Administração - Teoria, Processo e Prática

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Construção de redes sociais e humanas: um novo desafio. Sonia Aparecida Cabestré Regina Celia Baptista Belluzzo

Construção de redes sociais e humanas: um novo desafio. Sonia Aparecida Cabestré Regina Celia Baptista Belluzzo Construção de redes sociais e humanas: um novo desafio. Sonia Aparecida Cabestré Regina Celia Baptista Belluzzo Um pouco de história... Características Sociedade Agrícola Agricultura, Caça TERRA Sociedade

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

TÍTULO: TREINAMENTO PROFISSIONAL: FERRAMENTA EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: TREINAMENTO PROFISSIONAL: FERRAMENTA EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TREINAMENTO PROFISSIONAL: FERRAMENTA EMPRESARIAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR INFORMAÇÕES GERAIS: Denominação: Curso Técnico em Infraestrutura Escolar Eixo Tecnológico: Apoio Educacional Titulação Conferida:

Leia mais

Gestão de Equipas. Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC

Gestão de Equipas. Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC www.pwc.pt/academy Gestão de Equipas Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013 Academia da PwC O sucesso das organizações depende cada vez mais de equipas de alto desempenho. Venha conhecer connosco as melhores

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

PERIFÉRICO OU ESTRATÉGICO, QUAL RH VOCÊ QUER SER? IESFAVI - 6/20012

PERIFÉRICO OU ESTRATÉGICO, QUAL RH VOCÊ QUER SER? IESFAVI - 6/20012 PERIFÉRICO OU ESTRATÉGICO, QUAL RH VOCÊ QUER SER? IESFAVI - 6/20012 NOSSA TRAJETÓRIA 1 ERA UMA VEZ...E O RH SURGIU! 2 - CENÁRIOS E ESTRATEGIA EMPRESARIAL 3 RH CUSTO / RH LUCRO 1- CENÁRIO E ESTRATEGIA EMPRESARIAL

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias OS CICLOS DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO HUMANO E A REALIDADE DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA PÚBLICA Suzane Ribeiro Milhomem E-mail:

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL

FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL Regina Lúcia Maciel De Sousa RESUMO As constantes mudanças econômicas e sociais configuram um novo cenário de valorização

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007 FACULDADE DE CUIABÁ Curso GESTÃO PÚBLICA Disciplina GESTÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Dr. RUBEM JOSÉ BOFF, Ph.D. rubemboff@yahoo.com.br Aulas: 4 e 5/5/2007 Dr. Rubem José Boff, Ph.D. Cuiabá-MT,

Leia mais