GESCON PHOENIX MANUAL DE LUCRATIVIDADE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESCON PHOENIX MANUAL DE LUCRATIVIDADE"

Transcrição

1 GESCON PHOENIX MANUAL DE LUCRATIVIDADE

2 ÍNDICE Conceito... 3 Quais os itens Considerados para a Apuração... 3 Formas de Cálculo de Lucratividade... 3 Parâmetro do Sistema... 4 Time Sheet... 4 Que Percentual é este e para que será Utilizado?... 5 Time Sheet / Ficha de Apontamento... 6 Menu Cadastro... 7 Item : Cadastro de Despesas e Receitas... 7 Menu Contas a Pagar... 8 Menu Lucratividade... 8 Item Rateio de Materiais... 8 Menu Lucratividade... 8 Relatório de Lucratividade Auxiliar... 9 Relatório de Lucratividade Auxiliar Relatório de Lucratividade Analítico Relatório de Lucratividade Analítico Rateio de Materiais Menu: Lucratividade Item: Rateio de Materiais Relatório de Lucratividade Analítico Por Perfil de Cliente Passo a passo Criação da tabela de Pesos por Perfil de Cliente no Sistema Menu: Lucratividade Item: Cadastro de Peso Por Perfil de Cliente Cadastro de Clientes Item: Cálculo de Lucratividade Cálculo da Lucratividade Relatório de Lucratividade Analítico Pesos por Demanda de Trabalho Menu: Cadastro Item: Parâmetros do Sistema Item: Pesos Por Demanda de Trabalho Item: Cálculo da Lucratividade Para chegar ao percentual Softmatic Sistemas Aut. de Informática 2

3 Introdução O Sistema Gescon Phoenix tem a finalidade de Gerenciar o Escritório de Contabilidade. Esse Gerenciamento é composto por diversas rotinas que gerenciam as tarefas do dia a dia do Escritório Contábil deixando mais fácil e prática a execução das mesmas.as principais rotinas são Controle de chamadas recebidas, emissão de recibos e boletos (matricial e laser), controle de Contas a Receber, importação de francesas, controle de Contas a Pagar e Fluxo de Caixa totalmente automatizados. Emissão de Notas Fiscais e Notas de Despesas, controle e emissão dos impostos retidos na fonte (IR, PIS, COFINS, CSLL) e o melhor, tudo isso integrado com nosso sistema G5 Phoenix e Contábil Phoenix. Temos também no Gescon Phoenix a Rotina de Emissão de Protocolos acompanhado do gerenciamento de protocolos e gerenciamento dos itens protocolados inclusive Guias enviadas para os Clientes. Temos também o Gerenciamento de Guias, ou seja, o controle de envio de Guias enviadas para os clientes tal como o controle de guias dos Clientes pagas pelo Escritório contábil, nessa rotina por exemplo ele controla tanto a obrigatoriedade do pagamento que passa a ser do escritório contábil como também o controle do reembolso da guia. Visto que temos todas essas informações, temos o cálculo da lucratividade que tem a finalidade de relacionar o custo com serviços prestados e despesas do Escritório com o valor dos honorários cobrados. Para chegarmos na margem de lucro por cliente, apuramos todas as Receitas, despesas e custo do Escritório Contábil a partir de um parâmetro escolhido pelo próprio gerenciador do Escritório. É importante ressaltar também que o Gescon Phoenix, não é só um sistema de deve ser usado pelo gerenciador do Escritório Contábil, mas também pelos funcionários, pois nosso sistema também dispõe de um controle de Trabalhos e Tarefas, Time Sheet, CRM, Protocolos dentre outros. O Sistema como é direcionado tanto para o Administrador quanto para os funcionários do Escritório Contábil dispões de um rígido controle personalizado de acesso as rotinas do sistema, esse controle também é configurado pelo próprio administrador do Escritório Contábil. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA PARA UTILIZAÇÃO DO GESCON Gescon Processador 800Mhz 128Mb de memória Win98 Gescon Processador 800Mhz 256Mb de memória 2000 / XP - Trabalhar utilizando como protocolo de comunicação o TCP/IP no caso de uma rede ponto-a-ponto com endereços fixos. - Devido ao fato do NetBeui trabalhar com Broadcasting retirar das configurações da rede de todas as máquinas este protocolo. - Verificar se existe em todas as máquinas a placa de rede modelo RTL8029, caso exista entrar na página do fabricante e fazer download do driver para atualização, pois com o driver original que vem com a placa o time out de acesso é pequeno podendo gerar erros e até mesmo corromper dados (apenas para Win98). - Em uma rede ponto-a-ponto não utilizar mais que 8 computadores na rede. - As configurações de vídeo tem que ser no mínimo 256 cores e 800 x 600 de resolução. - Deixar as fontes de vídeo como fontes pequenas. - O nome do servidor não pode conter caracteres especiais como *.- / espaço pois influenciam no desempenho do sistema e na criação de arquivos. - Os terminais devem estar com as unidades Mapeadas. - A pasta de instalação do sistema não pode estar mapeada diretamente, deve-se mapear o C:do Servidor ou uma pasta qualquer e fazer a instalação dentro desta pasta. Como baixar os sistemas da internet Entrar em e na área de clientes após digitar o código e senha salvar as instalações, como mostra a tela ao lado. Os arquivos na internet são compactados para diminuir o tamanho, agilizando o Download. Softmatic Sistemas Aut. de Informática 3

4 Processo para Download : 1- Entrar na área de clientes e digitar o código sem o dígito. 2- Selecionar o sistema no qual vai fazer o download. (Ao clicar no arquivo será aberto uma tela como a figura abaixo). 3- Ao clicar em salvar será aberta uma tela para indicar o local onde será salvo o arquivo. 4- Fazer o processo para todos os arquivos do programa selecionado, salvando todos no mesmo local. 5- Após fazer o download, entrar no local onde foi salvo e clicar duas vezes sobre cada arquivo salvo. 6- Será aberto uma tela com algumas instruções, onde mostra a versão do sistema e local onde será descompactado a instalação, como a tela abaixo. 7- Clique em OK 8- Após este processo será criado dentro da pasta Phoenix uma pasta de acordo com o sistema baixado. Softmatic Sistemas Aut. de Informática 4

5 LUCRATIVIDADE CONCEITO É a apuração do Lucro Liquido obtido das prestações de serviços executadas pelo Escritório contábil. QUAIS OS ITENS CONSIDERADOS PARA A APURAÇÃO? Pra ficar mais fácil vamos compará-la com a DRE. 1 É apurada a RECEITA BRUTA Entende-se por Receita Bruta todos os Serviços Prestados pelo Escritório Contábil para um determinado cliente com incidência ou não de impostos (ISS, IR, PIS, COFINS, CSLL), visto que o Gescon apura a lucratividade separadamente, cliente por cliente. 2 É feita a apuração das DEDUÇÕES No caso do Gescon temos como dedução apenas o valor do IR apurado. 3 Apuração dos CUSTOS: a) É o valor gasto para execução dos serviços prestados. Ex.: O Escritório Contábil oferece um serviço de Auditoria, mas para manter esse serviço, ele tem como custo o valor gasto para deslocamento do profissional. b) Temos ainda a apuração de Outros Custos como Custo com Funcionários, Custos com Materiais de Escritório. 4 Apuração das DESPESAS: Nessa etapa é apurado o Valor das despesas do Escritório Contábil que estão cadastradas no Contas a Pagar cujo grupo de despesas correspondente tenha marcada a opção Usar esta despesa para o cálculo da lucratividade. Ex.: água, luz, telefone, aluguel... Para enfim chegarmos ao percentual de lucratividade apurado vamos seguir a seguinte fórmula. RECEITA BRUTA (DEDUÇÕES + CUSTOS + DESPESAS) = RESULTADO RESULTADO / (DEDUÇÕES + CUSTOS + DESPESAS) * 100] = PERCENTUAL DE LUCRATIVIDADE. Agora que já sabemos o conceito de Lucratividade no Gescon, vamos partir para os exemplos e formas de cálculo de lucratividade. FORMAS DE CÁLCULO DE LUCRATIVIDADE. O primeiro passo para o cálculo da Lucratividade é definir na tela de Parâmetros do Sistema qual o tipo de rateio a ser considerado para o cálculo. Devemos também informar, se o Escritório deve ou não fazer parte do cálculo da lucratividade. Podemos Também fixar um Percentual Presumido de impostos, esse percentual vai ser aplicado sobre o valor do Faturamento Bruto. Obs.: Só será considerado como Base de Cálculo de impostos os eventos que ao serem criados estiverem com o item TRIBUTÁVEL marcado. Softmatic Sistemas Aut. de Informática 5

6 Parâmetros do Sistema Existem quatro tipos de rateios diferentes para cálculo da lucratividade, são eles: Time Sheet, Igual para Todos os Clientes, Por Perfil de Cliente e Por Demanda de Trabalho. Nesta 4º opção (Por Demanda de Trabalho), a mesma poderá ser utilizada individualmente ou poderá ser casada com umas das três primeiras. TIME SHEET / FICHA DE APONTAMENTO O cálculo da lucratividade que usa o Time Sheet como tipo de rateio segue a seguinte ordem. 1 Apuração de Horas Mensais utilizadas por cada cliente. 2 Apuração do Total geral de horas utilizadas, ou seja, o total das horas trabalhadas para todos os clientes do escritório. Para obtermos as informações de quantidade de horas por cliente e quantidade total de horas (todos os clientes), basta utilizarmos o relatório do Time Sheet com Agrupamento por Cliente que trará a soma individual de horas trabalhadas para cada e um e no fim um Total Geral de todos os clientes. Veja agora alguns relatórios que o nosso sistema fornece para auxiliar na apuração de despesas e custos, apuração do percentual e também na divisão dos mesmos entre os clientes. Softmatic Sistemas Aut. de Informática 6

7 Esta é a quantidade de Horas Mensais Trabalhadas para o Cliente 2 Softmatic Sistemas Aut. de Informática 7

8 Este é o Total de Horas Trabalhadas pelo Escritório para Todos os Clientes Após tirar esses relatórios já teremos em mãos todas as informações necessárias pra chegar no percentual para cálculo da lucratividade. Ex.: Em primeiro lugar vamos levar em consideração que este Escritório Contábil tem 2 Clientes. Apelidos: 001 e 002. A quantidade de horas apuradas através do Time Sheet, como vimos nos relatórios acima, foram: a) CLIENTE 1 => 224 H b) CLIENTE 2 => 139 H TOTAL GERAL HORAS Caso a quantidade das horas utilizadas por cada cliente seja composta por horas e minutos devemos transformar as horas em minutos e após a isso darmos seqüência aos cálculos. Para acharmos o percentual de cada cliente usaremos a seguinte fórmula: Percentual = Total de horas do Cliente / Total Geral de horas * 100 a) CLIENTE 1 => 61,71 % b) CLIENTE 2 => 38,29 % QUE PERCENTUAL É ESTE E PARA QUE SERÁ UTILIZADO? Como foi dito no inicio da apostila, o sistema apura o valor total dos CUSTOS e DESPESAS. Então, baseado nas horas gastas por cada cliente durante o mês, esse é o percentual com o qual cada cliente vai ter que arcar, ou seja, na hora de dividir as despesas, custo e deduções entre os clientes ele vai usar esse percentual como parâmetro. Softmatic Sistemas Aut. de Informática 8

9 Ex.: CUSTO COM FUNCIONÁRIOS: R$ ,00 a) CLIENTE 1 => ,00 * 61,71 % = R$ 6.171,00 b) CLIENTE 2 => ,00 * 38,29 % = R$ 3.829,00 Obs.: Isso irá acontecer com todas as Despesas e Custos. Antes de mostrar o relatório de Despesas e Custos apurados, devemos atentar ao Cadastro grupos de Despesas e Receitas (Menu Cadastro - Item Grupos de Despesas e Receitas), pois lá é que vamos definir quais os Grupos de Despesas e Receitas entrarão para o Cálculo de Lucratividade. Vamos definir também quais as despesas serão vistas como Despesa Com Material de Escritório, pois as mesmas terão que ser rateadas. Veja o Exemplo: Se tenho uma conta a pagar considerada Despesa com Material de Escritório no valor de R$ 1.000,00 (um mil reais), o sistema automaticamente levará a mesma para a tela de Rateio de Matérias (Menu Lucratividade - Item Rateio de Materiais), lá defino a duração desse Material de Escritório, ou seja: Destes R$ 1.000,00 pode ser que R$ 500,00 seja de cartucho para a impressora que terá uma duração de dois meses, já os outros R$ 500,00 são referentes a outros materiais como: folha, carbono, cola, canetas, etc. que terão a duração de apenas um mês. Então o sistema quando for apurar o valor do Custo com Material de escritório vai respeitar o Rateio levando somente o valor referente àquele mês. Veja agora uma seqüência de telas que certamente irá facilitar a compreensão do que foi dito acima. 1º Passo: Menu Cadastro - Item Cadastro de Despesas e Receitas. Aqui Cadastraremos os Grupos de Despesas e Receitas, e, no caso do Material de Escritório deverá ser marcada essa opção. Já as demais despesas basta marcar a opção Usar esta despesa para cálculo da lucratividade Softmatic Sistemas Aut. de Informática 9

10 Menu Contas a Pagar Item: Cadastro de Contas a Pagar Neste campo iremos amarrar essa conta a pagar com o Grupo de Despesas de Material de Escritório, criado na tela anterior. Sendo assim ele levará essa Despesa para o Rateio de Materiais, enquanto as outras serão apenas somadas e depois rateadas entre os clientes. Menu Lucratividade Item: Rateio de Materiais Softmatic Sistemas Aut. de Informática 10

11 Depois de feito esse rateio, já podemos efetuar o cálculo da lucratividade, visto que as outras despesas e custos são apurados automaticamente. Além da despesa com Material de Escritório, serão apurados também: Custo com Funcionários, Custo com Serviços Prestados (Eventos Lançados com custos), Despesas Cadastradas no Contas a Pagar cujo grupo de despesa participe do cálculo da Lucratividade, Imposto Presumido (percentual informado lá nos Parâmetros do Sistema, veja no início do manual). Vejamos abaixo o Relatório de Lucratividade Auxiliar, onde encontram-se os valores de despesas e custos mencionados acima, exceto Custo com Serviços e Valor de Imposto apurado que só irá aparecer no Relatório de Lucratividade Sintético e Analítico. Menu Lucratividade Item: Cálculo de Lucratividade. Após essa mensagem poderemos visualizar o resultado do Cálculo da Lucratividade e seus relatórios Auxiliares. Softmatic Sistemas Aut. de Informática 11

12 Relatório de Lucratividade Auxiliar Agora veremos o Relatório de Lucratividade Sintético: Relatório de Lucratividade Sintético Para chegarmos ao valor da lucratividade usaremos a seguinte fórmula: [RECEITA BRUTA (DEDUÇÕES + CUSTOS + DESPESAS)] = RESULTADO [RESULTADO / (DEDUÇÕES + CUSTOS + DESPESAS) * 100] = PERCENTUAL DE LUCRATIVIDADE Softmatic Sistemas Aut. de Informática 12

13 Relatório de Lucratividade Analítico Onde além de trazer o percentual de lucratividade, é demonstrado também o Percentual de Lucro com Relação a cada Serviço Prestado. Veja agora o Relatório Analítico dos Clientes. Se formos analisar o relatório veremos que O Escritório Contábil ganhou com a prestação de Serviços Extras, porém, o valor da mensalidade é desproporcional ao valor das Despesas, Custos e Impostos apurados. Porém devemos considerar que para Cálculo desse Relatório usamos o Time Sheet como parâmetro. Temos que ver analisar bem o perfil de nossos Clientes para escolhermos enfim a melhor maneira de apurar a LUCRATIVIDADE. Softmatic Sistemas Aut. de Informática 13

14 Vamos agora demonstrar o Cálculo da Lucratividade, porém usando um outro Tipo de Rateio para cálculo. IGUAL PARA TODOS OS CLIENTES Quando o parâmetro definido for IGUAL PRA TODOS faremos o seguinte cálculo: 100 (Veja como percentual) / Quantidade de Clientes Ativos = % Lucratividade No nosso caso, já que temos apenas 2 clientes o cálculo será: 100 / 2 = 50% Sendo assim cada Cliente vai arcar com 50% do valor das Despesas, Custos e Impostos. Primeiro definiremos qual Tipo de Rateio será utilizado para Rateio das Despesas e Custos nos Parâmetros do Sistema: Softmatic Sistemas Aut. de Informática 14

15 NESSE CAMPO SERÁ INFORMADO O TIPO DE RATEIO PARA CÁLCULO DA LUCRAVIDADE Rateio de Materiais Menu Lucratividade Item: Rateio de Materiais Softmatic Sistemas Aut. de Informática 15

16 Em seguida devemos novamente efetuar o calculo da Lucratividade: Menu Lucratividade Item: Cálculo de Lucratividade Após cálculo efetuado vamos então visualizar os Relatórios. Vejamos agora o relatório de Lucratividade Auxiliar que traz o percentual apurado para cada Cliente. Softmatic Sistemas Aut. de Informática 16

17 Agora que já temos o Percentual apurado podemos visualizar os relatórios de Lucratividade Sintético e Analítico: Relatório de Lucratividade Sintético: Este é o percentual de Lucro do Cliente 1 para o Escritório Este é o percentual de Lucro do Cliente 2 para o Escritório Softmatic Sistemas Aut. de Informática 17

18 Agora vamos visualizar o Relatório de Lucratividade Analítico: Softmatic Sistemas Aut. de Informática 18

19 Vamos agora demonstrar o Cálculo da Lucratividade, porém usando um outro Parâmetro para cálculo chamado Por Perfil de Cliente. POR PERFIL DE CLIENTE Nesse tipo de rateio vamos ter que dividir nossos clientes em grupos e depois pontuar esses grupos levando em consideração o critério que deverá ser escolhido pelo próprio Administrador do Escritório Contábil. Vamos ao Passo a Passo: 1 Escolha de um Critério; 2 Definição de Pesos para o Critério adotado; Vamos agora a um exemplo prático: 1 Critério Escolhido ENQUADRAMENTO FEDERAL Podemos por exemplo criar uma tabela por grau de "exigência" do cliente, com relação ao serviço oferecido pelo escritório. Vamos agora ao próximo passo que é a definição do Tipo de Rateio. Menu Cadastros Item: Parâmetros do Sistema Softmatic Sistemas Aut. de Informática 19

20 Criação da tabela de Pesos Por Perfil de Cliente no Sistema: PERFIL DE CLIENTE PONTUAÇÃO SIMPLES FEDERAL 25 LUCRO PRESUMIDO 50 LUCRO REAL 75 LUCRO ARBITRADO 100 Menu Lucratividade Item: Cadastro de Pesos Por Perfil de Cliente Depois de criarmos os Pesos Por Perfil de Cliente devemos informar no Menu Cadastros - Item Cadastro de Clientes na Orelhinha Gescon o Campo Peso Por Perfil de cliente, o Perfil no qual o Cliente selecionado se enquadra. Veja a orelhinha Gescon do Cadastro de Clientes Deve ser informado neste campo o Perfil em que o cliente selecionado se enquadra Softmatic Sistemas Aut. de Informática 20

21 Após o preenchimento dessa tela podemos partir para o Rateio de Materiais no Menu Lucratividade Item Rateio de Materiais. E em seguida, efetuaremos o cálculo da lucratividade. Menu Lucratividade Item: Cálculo de Lucratividade Agora já podemos analisar os Relatórios Auxiliares e também o Relatório de Lucratividade. Vejamos o Relatório de Lucratividade Auxiliar que traz os dados da apuração do Rateio: Softmatic Sistemas Aut. de Informática 21

22 Para chegarmos ao percentual apurado devemos seguir a seguinte fórmula: Percentual para Rateio = Peso do Cliente / Total de Peso Apurado *100 No nosso caso: % = 75 (Peso do Cliente 100) / 125 (Total de Peso Apurado) * 100 % = 60 % = 50 (Peso do Cliente 200) / 125 (Total de Peso Apurado) * 100 % = 40 Vamos agora ao Relatório de Lucratividade Sintético: Softmatic Sistemas Aut. de Informática 22

23 Agora veremos o Relatório de Lucratividade Analítico: Softmatic Sistemas Aut. de Informática 23

24 Vamos ver agora o 4º e último tipo de rateio da lucratividade, que pode ser utilizado individualmente ou em conjunto com um dos demais como dito anteriormente. PESOS POR DEMANDA DE TRABALHO Este item quando selecionado tem a função apurar a demanda de trabalho. Como? Ele irá buscar em nossos outros sistemas a quantidade de: - Funcionários - Rescisões - Sócios - Autônomos - Lançamentos Contábeis - Notas Fiscais Entrada e Saída (Comércio) - Notas Fiscais Entrada e Saída (Industria) - Notas Fiscais Entrada e Saída (Prestação de Serviço) - Lançamentos do Caixa Vamos ao passo a passo. 1º - Menu Cadastros Item: Parâmetros do Sistema Se este item ficar marcado sem nenhuma definição no campo acima dele, o sistema fará o rateio considerando apenas o percentual gerado pela Demanda de Trabalho, mas se for utilizada outra opção junto a esta, o sistema fará a média dos percentuais do item escolhido com a Demanda de Trabalho. Faremos primeiro o cálculo utilizando apenas o Tipo de Rateio Por demanda de trabalho individualmente. Softmatic Sistemas Aut. de Informática 24

25 2º - Alimentar e Pontuar a tabela de apuração de Demanda de Trabalho. Menu Lucratividade Item: Pesos Por Demanda de Trabalho. Veja a tabela acima: Foram cadastrados diversos Perfis de forma gradativa, a pontuação também segue o mesmo padrão. O mais interessante é que esta tabela por ser cadastrada manualmente, pode ser perfeitamente adaptada a Demanda de Trabalho do seu Escritório. Softmatic Sistemas Aut. de Informática 25

26 Depois de cadastrar essa tabela vamos efetuar o cálculo da Lucratividade: Menu Lucratividade Item: Cálculo da Lucratividade Suponhamos que ao acessar o sistema ele apurou a quantidade abaixo de: CLIENTE 1 PERFIL QUANTIDADE PESO FUNCIONÁRIOS RESCISÕES 9 35 SÓCIOS 4 20 AUTONOMOS LANÇAMENTOS CONTÁBEIS NOTAS FISCAIS ENTRADA COMERCIO NOTAS FISCAIS SAÍDA COMÉRCIO NOTAS FISCAIS ENTRADA INDUSTRIA NOTAS FISCAIS SAÍDA INDUSTRIA NOTAS FISCAIS ENTRADA PREST. SERVIÇO 10 5 NOTAS FISCAIS SAÍDA PREST. SERVIÇO LANÇAMENTOS DO CAIXA TOTAL 400 CLIENTE 2 PERFIL QUANTIDADE PESO FUNCIONÁRIOS RESCISÕES 2 10 SÓCIOS 5 20 AUTONOMOS LANÇAMENTOS CONTÁBEIS NOTAS FISCAIS ENTRADA COMERCIO NOTAS FISCAIS SAÍDA COMÉRCIO NOTAS FISCAIS ENTRADA INDUSTRIA NOTAS FISCAIS SAÍDA INDUSTRIA NOTAS FISCAIS ENTRADA PREST. SERVIÇO 10 5 NOTAS FISCAIS SAÍDA PREST. SERVIÇO LANÇAMENTOS DO CAIXA TOTAL 255 Softmatic Sistemas Aut. de Informática 26

27 Esta tabela acima retrata a apuração que o sistema vai fazer INTERNAMENTE, cliente por cliente para verificar a demanda, a quantidade ele lê de nossos outros sistemas da Linha Phoenix e o Peso o sistema verifica também aliando a quantidade encontrada à tabela que criamos lá no Menu Lucratividade no Item Pesos por Demanda de Trabalho. Agora já podemos chegar ao percentual do Rateio. Para chegar ao percentual: Total Cliente 1 / Total Geral (Total Cliente 1 + Total Cliente 2) * 100 Ou seja, Cliente 1 = 400 / 655 *100 = % (percentual da demanda de trabalho) Cliente 2 = 255 / 655 * 100 = % (percentual da demanda de trabalho) Esse percentual da mesma maneira que os outros, Time Sheet, Por perfil de cliente, Igual para Todos os Clientes, será utilizado para apuração da lucratividade. Faremos agora o cálculo utilizando dois Tipos de Rateio ( Por Demanda de Trabalho e Igual para Todos os Clientes ) juntos. Ou seja, o sistema fará a apuração dos dois individualmente e depois será feita a média da soma dos dois. Vamos ao passo a passo. 1º - Menu Cadastros Item: Parâmetros do Sistema Como temos dois tipos de rateio selecionados o sistema fará a média após a apuração dos dois individualmente Softmatic Sistemas Aut. de Informática 27

28 2º - Menu Lucratividade Item: Cálculo da Lucratividade Lembrando, as opções que selecionamos foram: IGUAL PARA TODOS OS CLIENTES + DEMANDA DE TRABALHO. Desta forma, o sistema apura a demanda como mencionado acima e ao invés de pegar somente o percentual da DEMANDA DE TRABALHO ele vai pegar também o percentual de Igual para Todos os Clientes conforme calculado e demonstrado nas Páginas 14 a 16 deste manual, veja abaixo o Exemplo: Para fazermos a média vamos considerar: (% Igual para todos os Clientes + % Rateio por Demanda de Trabalho) / 2 Logo: Cliente 1: ( ) / 2 = 55.54% Cliente 2 : ( ) / 2 = 44.46% O percentual da lucratividade será: Cliente 1 = % Cliente 2 = % Esse percentual da mesma maneira que os outros, Time Sheet, Por perfil de Cliente, Igual para Todos os Clientes, será utilizado para apuração da lucratividade. Obs.: Assim como casamos Demanda de Trabalho com Igual para Todos os Clientes, também podemos casar com qualquer uma das outras duas opções (Time Sheet e Por Perfil de Cliente). Softmatic Sistemas Aut. de Informática 28

29 Exemplo de Relatório de Lucratividade Auxiliar após Cálculo com Tipo de Rateio Por Demanda de Trabalho individualmente: Softmatic Sistemas Aut. de Informática 29

30

25. Lançamentos... 26 25.1. Lançamentos de Eventos... 26 26. Programação... 26 26.1. Programação Geral... 26 26.2. Programaçao Múltipla e Exclusão

25. Lançamentos... 26 25.1. Lançamentos de Eventos... 26 26. Programação... 26 26.1. Programação Geral... 26 26.2. Programaçao Múltipla e Exclusão GESCON PHOENIX Sumário Índice 1. Introdução... 6 2. Configurações Mínima para utilização do Gescon... 6 3. Como baixar o sistema da internet... 7 4. Processos para Download... 7 Menu Cadastro...... 9 5.

Leia mais

Escritório Virtual Administrativo

Escritório Virtual Administrativo 1 Treinamento Módulos Escritório Virtual Administrativo Sistema Office Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual e módulo Administrativo do sistema Office 2 3 1. Escritório

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13 1-13 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Manual do Usuário 5. EXECUTANDO OPERAÇÕES NO MENU IMPOSTO...2

Manual do Usuário 5. EXECUTANDO OPERAÇÕES NO MENU IMPOSTO...2 1 5. EXECUTANDO OPERAÇÕES NO MENU IMPOSTO...2 5.1 Digitações dos Sócios...2 5.1.1 Campo CPF...2 5.1.1.a Campo Saldo Anterior...3 5.1.1.b Campo Saldo...3 5.1.1.c Campo Isento...3 5.1.1.d Campo Tributado...3

Leia mais

Principais Novidades Abril/2013 a Junho/2013

Principais Novidades Abril/2013 a Junho/2013 Principais Novidades Abril/2013 a Junho/2013 Sumário 1. Ambiente Group Shopping... 3 2. Alteração na Tela de Contratos e Controle de Edições... 7 3. Propagação de Contratos... 10 4. Configuração de Impressora

Leia mais

E&L Nota Fiscal de Serviços Eletrônica. Manual do Ambiente do Prestador de Serviços do Município

E&L Nota Fiscal de Serviços Eletrônica. Manual do Ambiente do Prestador de Serviços do Município E&L Nota Fiscal de Serviços Eletrônica Manual do Ambiente do Prestador de Serviços do Município Após receber a confirmação de aceite do Credenciamento via e-mail já é possível efetuar o login no sistema

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com. Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.br 1-15 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior,

Leia mais

Novas funcionalidades do Gerenciador Contábil

Novas funcionalidades do Gerenciador Contábil 1 Novas funcionalidades do Gerenciador Contábil Na versão 7.0.2.102, as seguintes opções foram implementadas no sistema: Integração das Contas a Pagar/Receber com a Contabilidade; Integração das Notas

Leia mais

1. Escritório Virtual... 5. 1.1. Atualização do sistema...5. 1.2. Instalação e ativação do sistema de Conexão...5

1. Escritório Virtual... 5. 1.1. Atualização do sistema...5. 1.2. Instalação e ativação do sistema de Conexão...5 1 2 Índice 1. Escritório Virtual... 5 1.1. Atualização do sistema...5 1.2. Instalação e ativação do sistema de Conexão...5 1.3. Cadastro do Escritório...5 1.4. Logo Marca do Escritório...6...6 1.5. Cadastro

Leia mais

Treinamento Sistema Condominium Módulo II

Treinamento Sistema Condominium Módulo II CONDOMINIUM - Módulo II GERAÇÃO DE EMISSÕES RATEIO Neste módulo o aprendizado será a emissão dos boletos bancários. O sistema disponibiliza algumas maneiras para facilitar o seu dia-a-dia: Sequencia para

Leia mais

Módulo Faturamento. Da prestação de serviço à remuneração dos médicos. www.centralxclinic.com.br. 1 Configuração do faturamento

Módulo Faturamento. Da prestação de serviço à remuneração dos médicos. www.centralxclinic.com.br. 1 Configuração do faturamento Centralx Clinic O ciclo de trabalho completo em um só sistema. Para ambientes de alta produtividade, do agendamento à consulta, do faturamento ao rateio entre prestadores de serviço, o Centralx Clinic

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. SISTEMA CONTÁBIL WEB versão: GA2.0.5

MANUAL DO USUÁRIO. SISTEMA CONTÁBIL WEB versão: GA2.0.5 MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA CONTÁBIL WEB versão: GA2.0.5 Atualizado em: 30/01/2010 Planeta Contábil 2009 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/25 CONSIDERAÇÕES: Este manual é destinado

Leia mais

Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido)

Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido) Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido) Parametrizar a empresa como Lucro Presumido. 1 - Regime de Competência Qual o Regime de apuração adotado? 2 - Regime de Caixa Qual será a forma

Leia mais

Manual do Visualizador NF e KEY BEST

Manual do Visualizador NF e KEY BEST Manual do Visualizador NF e KEY BEST Versão 1.0 Maio/2011 INDICE SOBRE O VISUALIZADOR...................................................... 02 RISCOS POSSÍVEIS PARA O EMITENTE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA.................

Leia mais

G5 PHOENIX INTEGRAÇÃO CONTÁBIL

G5 PHOENIX INTEGRAÇÃO CONTÁBIL G5 PHOENIX INTEGRAÇÃO CONTÁBIL G5 PHOENIX - COMO FAZER INTEGRAÇÃO DOS LANÇAMENTOS FISCAIS PARA A CONTABILIDADE 1º passo Através do menu Cadastro/ das Empresas, ficha Escrita, determinar se o plano de contas

Leia mais

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO 2012 TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 PÓS MÉDIO 1 AULA 1 Verificação de Erros cometidos no Domínio Escrita Fiscal Para verificar o que já foi realizado no domínio escrita fiscal (e também

Leia mais

Tutorial contas a pagar

Tutorial contas a pagar Tutorial contas a pagar Conteúdo 1. Cadastro de contas contábeis... 2 2. Cadastro de conta corrente... 4 3. Cadastro de fornecedores... 5 4. Efetuar lançamento de Contas à pagar... 6 5. Pesquisar Lançamento...

Leia mais

CURSO SPED PIS COFINS CONTRIBUIÇOES MATÉRIA

CURSO SPED PIS COFINS CONTRIBUIÇOES MATÉRIA CURSO SPED PIS COFINS CONTRIBUIÇOES MATÉRIA POR NEOMAR ANTONIO CÓRDOVA Como é do conhecimento dos alunos que participaram do roteiro de cursos do CRC/SC, sobre SPED CONTRIBUIÇÕES, alguma modificações foram

Leia mais

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 MANUAL DE USO DO SISTEMA GOVERNO DIGITAL ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 2.0. SOLICITAÇÕES DE AIDF E AUTORIZAÇÃO DE EMISSÃO DE NOTA

Leia mais

Manual de Integração - E-Fiscal X Telecont

Manual de Integração - E-Fiscal X Telecont Atualizado em Maio/2008 Pág 1/36 Para integrar os dados do sistema Efiscal com o sistema Telecont, efetue os procedimentos abaixo: CADASTRO DE EMPRESAS ABA BÁSICO Acesse menu Arquivos Empresas Usuárias

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento do Imposto sobre

Leia mais

Treinamento Módulo Contas a Pagar

Treinamento Módulo Contas a Pagar Contas a Pagar Todas as telas de cadastro também são telas de consultas futuras, portanto sempre que alterar alguma informação clique em Gravar ou pressione F2. Teclas de atalho: Tecla F2 Gravar Tecla

Leia mais

ADM PHOENIX ADMINISTRADOR DE ESCRITÓRIO

ADM PHOENIX ADMINISTRADOR DE ESCRITÓRIO ADM PHOENIX ADMINISTRADOR DE ESCRITÓRIO Sumário Introdução...5 Configurações Mínimas para Utilização do ADM Phoenix...5 Como Baixar os Sistemas da Internet...7 Processo para Download...7 Executando o Arquivo

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Softmatic Sistemas Integrados de Informática Rua Padre Estevão Pernet 215 Tatuapé - SP ENFS Phoenix Emissor de Notas Fiscais de Serviço Manual de Utilização Sumário ENFS Phoenix...1 Emissor de Notas Fiscais

Leia mais

- No primeiro campo informe o numero da empresa que serão copiadas as informações.(ex: 9999)

- No primeiro campo informe o numero da empresa que serão copiadas as informações.(ex: 9999) 1 2 1. Duplicação das informações de uma empresa para outra Juntamente com a instalação do sistema Office encaminhamos anexada a empresa modelo, que contem cadastros que podem ser utilizados nas empresas

Leia mais

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo em sua oficina. O sistema foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Sistema Nota Fiscal Eletrônica. Sil Tecnologia LTDA

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Sistema Nota Fiscal Eletrônica. Sil Tecnologia LTDA Sistema Nota Fiscal Eletrônica Sil Tecnologia LTDA SUMÁRIO INTRODUÇÃO 4 1. CONHECENDO OS COMANDOS DO SISTEMA 5 1.1 Tela Inicial do Sistema 5 1.2 Navegador de registros 6 1.3 Filtro de Registros 6 2. TELA

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

MANUAL ISS DIGITAL Av. Augusto de Lima, 479-15º Andar - Sala 1511 Centro - Belo Horizonte/MG CEP: 30.190-000 (31) 3201-1639 / Fax: (31) 3212-1215

MANUAL ISS DIGITAL Av. Augusto de Lima, 479-15º Andar - Sala 1511 Centro - Belo Horizonte/MG CEP: 30.190-000 (31) 3201-1639 / Fax: (31) 3212-1215 Av. Augusto de Lima, 479-15º Andar - Sala 1511 Centro - Belo Horizonte/MG CEP: 30.190-000 (31) 3201-1639 / Fax: (31) 3212-1215 1. INTRODUÇÃO Dispõe sobre o sistema eletrônico de gerenciamento de dados

Leia mais

Novidades Group Shopping

Novidades Group Shopping Novidades Group Shopping 1. Geração do Arquivo Disponível na nova versão do Group Shopping uma tela que permite preencher as informações requeridas na geração do arquivo a ser enviado à Receita Federal

Leia mais

Manual Do Usuário ClinicaBR

Manual Do Usuário ClinicaBR Manual Do Usuário ClinicaBR SUMÁRIO 1 Introdução... 01 2 ClinicaBR... 01 3 Como se cadastrar... 01 4 Versão experimental... 02 5 Requisitos mínimos p/ utilização... 03 6 Perfis de acesso... 03 6.1 Usuário

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

MANUAL SPED(EFD) PIS-COFINS

MANUAL SPED(EFD) PIS-COFINS MANUAL SPED(EFD) PIS-COFINS O que é SPED? É um arquivo de texto que detalha todas as movimentações fiscais da empresa em um determinado período, listando todas as operações de compra (Notas de compra)

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Av. Padre Claret, 146 Conj. 503 Centro Esteio/ RS Fone/ Fax: (51) 3033-6663 www.maxce.com.br

Av. Padre Claret, 146 Conj. 503 Centro Esteio/ RS Fone/ Fax: (51) 3033-6663 www.maxce.com.br PARÂMETROS DE LANÇAMENTOS PARAMETRIZAÅÇO PARA O MÉDULO LANÅAMENTOS NO SISTEMA ARQUIVO > LANÅAMENTOS > PARÑMETROS E CONFIGURAÅÖES PREENCHIMENTO DAS GUIAS: 1. GUIA IMPOSTOS: a) Contas relacionadas à apuração

Leia mais

Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar

Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar Desenvolvido por Hamilton Dias (31) 8829.9195 Belo Horizonte hamilton-dias@ig.com.br www.h-dias.cjb.net ÍNDICE Introdução...3 Implantação...3 Instalação...3

Leia mais

MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e

MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e 130729 SUMÁRIO EMISSÃO DE NFS-E... 2 NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA... 2 ACESSANDO O SISTEMA... 2 ACESSO AO SISTEMA... 3 SELEÇÃO DA EMPRESA... 4 CONFERÊNCIA DOS DADOS E EMISSÃO

Leia mais

Neo Solutions Manual do usuário Net Contábil. Índice

Neo Solutions Manual do usuário Net Contábil. Índice Manual Neo Fatura 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Configurando o software para importar dados de clientes... 3 3. Importando o cadastro de clientes... 4 4. Cadastro de Bancos... 5 5. Cadastro de Conta Correntes...

Leia mais

1-Outras Informações, 2-Balanço (Ativo e Passivo), 3-DRE (Custos, Despesas e Resultado), 4- DLPA, 5-REFIS e 6-PAES.

1-Outras Informações, 2-Balanço (Ativo e Passivo), 3-DRE (Custos, Despesas e Resultado), 4- DLPA, 5-REFIS e 6-PAES. Prezado Cliente, Para exportar os dados do programa JBCepil- Windows para a -2012 (Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica), segue configurações abaixo a serem realizadas. Configurações

Leia mais

APOSTILA PARA O CURSO WCOBRANÇA COBRANÇA FÁCIL ALTERDATA

APOSTILA PARA O CURSO WCOBRANÇA COBRANÇA FÁCIL ALTERDATA Visão Estar posicionada entre as maiores e melhores provedoras de solução de gestão empresarial do Brasil. Missão Desenvolvimento e fornecimento de soluções e serviços através de softwares para tornar

Leia mais

Módulo Vendas Balcão. Roteiro passo a passo. Sistema Gestor New

Módulo Vendas Balcão. Roteiro passo a passo. Sistema Gestor New 1 Roteiro passo a passo Módulo Vendas Balcão Sistema Gestor New Instruções para configuração e utilização do módulo Vendas balcão com uso de Impressora fiscal (ECF) 2 ÍNDICE 1. Cadastro da empresa......3

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO. ASP Consultoria e Desenvolvimento de Softwares Ltda. SISTEMA DE GESTÃO COMERCIAL. Manual de Operação do SIMPLES 1

MANUAL DE OPERAÇÃO. ASP Consultoria e Desenvolvimento de Softwares Ltda. SISTEMA DE GESTÃO COMERCIAL. Manual de Operação do SIMPLES 1 Manual de Operação do SIMPLES 1 MANUAL DE OPERAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO COMERCIAL ASP Consultoria e Desenvolvimento de Softwares Ltda. Manual de Operação do SIMPLES 2 A Empresa A ASP Desenvolvimento de Softwares

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Passo a Passo do Orçamentos de Entrada no SIGLA Digital

Passo a Passo do Orçamentos de Entrada no SIGLA Digital Passo a Passo do Orçamentos de Entrada no SIGLA Digital Página 1 de 9 Este é um dos principais módulos do SIGLA Digital. Utilizado para dar entrada de produtos no estoque, essa ferramenta segue a seguinte

Leia mais

Roteiro de Cadastros - GESTOR

Roteiro de Cadastros - GESTOR Página1 INDICE 1. MODULO EMPRESA 1.1. CADASTRO DE USUARIO --------------------------------------------------------------------- 4 1.2. CADASTRO DA EMPRESA --------------------------------------------------------------------

Leia mais

Instruções para configuração e utilização do. fiscal (ECF)

Instruções para configuração e utilização do. fiscal (ECF) 1 Instruções para configuração e utilização do módulo Vendas balcão SEM Impressora de cupom fiscal (ECF) 2 ÍNDICE 1. Cadastro da empresa...3 2. Configurações dos Parâmetros......3 3. Cadastro de cliente...4

Leia mais

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição SSE 3.0 Guia Rápido Módulo Secretaria Nesta Edição 1 Acessando o Módulo Secretaria 2 Cadastros Auxiliares 3 Criação de Modelos Definindo o Layout do Modelo Alterando o Layout do Cabeçalho 4 Parametrização

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO Versão 1.0 Julho/2012 ÍNDICE 1 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO... 4 1.1 Equipamento e Sistemas Operacionais 4 1.1.1

Leia mais

Neste bip. Como converter o arquivo CAGED para acerto. Você Sabia? Edição 52 Dezembro de 2014

Neste bip. Como converter o arquivo CAGED para acerto. Você Sabia? Edição 52 Dezembro de 2014 Neste bip Como converter o arquivo CAGED para acerto... 1 Novo modo de alterar senha de operador... 2 Novo recurso no lançamento [+ planilha]... 2 13 parcela final e SEFIP... 3 Como converter o arquivo

Leia mais

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9 OBJETIVOS DO PROGRAMA DE COMPUTADOR IREasy Permitir a apuração do Imposto de Renda dos resultados das operações em bolsa de valores (mercado à vista, a termo e futuros). REQUISITOS MÍNIMOS DO COMPUTADOR

Leia mais

Manual de Utilização. Sistema. Recibo Provisório de Serviço

Manual de Utilização. Sistema. Recibo Provisório de Serviço Manual de Utilização Sistema Recibo Provisório de Serviço Versão 1.0 17/08/2011 Sumário Introdução... 5 1. Primeiro Acesso... 7 2. Funções do e-rps... 8 2.1 Menu Superior... 8 2.1.1 Arquivo......8 2.1.2

Leia mais

Entrada de Notas. Manual desenvolvido para Célula Materiais Equipe Avanço Informática

Entrada de Notas. Manual desenvolvido para Célula Materiais Equipe Avanço Informática Entrada de Notas Manual desenvolvido para Célula Materiais Equipe Avanço Informática 1 Índice Parametrização... 2 Criando os Diretórios... 2 Parametrização que influenciam a Entrada da Nota Fiscal... 3

Leia mais

MANUAL DO PEP ATUALIZADO EM 13-08-2014 PROPOSTA ELETRÔNICA DE PREÇOS REFERENTE A VERSÃO DO PEP: 2.0.0.25

MANUAL DO PEP ATUALIZADO EM 13-08-2014 PROPOSTA ELETRÔNICA DE PREÇOS REFERENTE A VERSÃO DO PEP: 2.0.0.25 MANUAL DO PEP ATUALIZADO EM 13-08-2014 PROPOSTA ELETRÔNICA DE PREÇOS REFERENTE A VERSÃO DO PEP: 2.0.0.25 1 Sumário 1.Objetivo...03 2.Suporte...03 3.Como instalar...03 4.Usando o PEP...09 2 1. Objetivo:

Leia mais

Nota Fiscal de Serviço eletrônica NFSe. Manual de acesso e utilização do sistema

Nota Fiscal de Serviço eletrônica NFSe. Manual de acesso e utilização do sistema PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Nota Fiscal de Serviço eletrônica NFSe Manual de acesso e utilização do sistema Versão: 1.0.30 Maio/2011 SUMÁRIO 1. TELA INICIAL... 3 2. CADASTRO DO PRESTADOR... 4

Leia mais

Manual Módulo Livro Caixa Livro Caixa Atualizada com a versão 1.3.0

Manual Módulo Livro Caixa Livro Caixa Atualizada com a versão 1.3.0 Manual Módulo Livro Caixa Livro Caixa Atualizada com a versão 1.3.0 Noções Gerais: Pg. 02 Instruções para instalação Pg. 02 Ferramentas úteis Pg. 04 Menu Arquivos Empresas Usuárias Pg. 05 Ativar Empresa

Leia mais

Treinamento. Módulo. Escritório Virtual. Sistema Office. Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual do sistema Office

Treinamento. Módulo. Escritório Virtual. Sistema Office. Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual do sistema Office Treinamento Módulo Escritório Virtual Sistema Office Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual do sistema Office 1. Atualização do sistema Para que este novo módulo seja ativado,

Leia mais

ÍNDICE. ISS Online. Guia do Usuário ÍNDICE

ÍNDICE. ISS Online. Guia do Usuário ÍNDICE Guia do Usuário ÍNDICE ÍNDICE Setembro /2009 www.4rsistemas.com.br 15 3262 8444 IDENTIFICAÇÃO E SENHA... 3 Sou localizado no município... 4 Não sou localizado no município... 4 ACESSO AO SISTEMA... 5 Tela

Leia mais

Manual de Acesso e Utilização ao Safeweb enota NFSe

Manual de Acesso e Utilização ao Safeweb enota NFSe Manual de Acesso e Utilização ao Safeweb enota NFSe Safeweb enota NFSe Sistema de Nota Fiscal de Serviço eletrônica Manual do Usuário - Versão 1.0.0 1. Sobre O enota NFSe é um sistema de emissão de Nota

Leia mais

Manual Operacional Versão 2.2

Manual Operacional Versão 2.2 1 Manual Operacional Versão 2.2 2 SUMÁRIO 1) Assistente de configuração 4 2) Módulo Geral 9 2.1) Administradora 9 2.2) Empresa 9 2.3) Grupo de Empresa 12 2.4) Responsável 13 2.5) CEP 13 2.6) Configurações

Leia mais

Orçamento 2013 e Sicom

Orçamento 2013 e Sicom Orçamento 2013 e Sicom Abertura do Orçamento 2013 Lançamento das Receitas e suas fontes Lançamento das fichas e suas fontes Relatórios de conferência IN 15 de 2011 Sicom Nesta tela selecionaremos os

Leia mais

Sistema de Controle de Cheques GOLD

Sistema de Controle de Cheques GOLD Sistema de Controle de Cheques GOLD Cheques GOLD é um sistema para controlar cheques de clientes, terceiros ou emitidos. Não há limitações quanto as funcionalidades do programa, porém pode ser testado

Leia mais

Guia Prático. PGRural. Adendo Livro Caixa Avançado

Guia Prático. PGRural. Adendo Livro Caixa Avançado Guia Prático PGRural Adendo Livro Caixa Avançado Índice Sobre o PGRural... 3 Conceito... 3 Configurando a empresa... 4 Plano de contas... 5 Conta padrão para participante... 6 Forçar vínculo... 6 Tela

Leia mais

Implantação do sistema Condominium

Implantação do sistema Condominium Implantação do sistema Condominium Nesse manual iremos acompanhar o passo a passo para a implantação do sistema, portanto iremos pular algumas telas do cadastro, que deverão ser preenchidas após a implantação

Leia mais

Configuração de Acumuladores

Configuração de Acumuladores Configuração de Acumuladores Os acumuladores são cadastro usados pelo Módulo Domínio Sistemas Fiscal para permitir a totalização dos valores lançados nos movimentos de entradas, saídas, serviços, outras

Leia mais

Configuração para Contabilização Automática. Neste bip. Você Sabia? Edição 57 Maio de 2015

Configuração para Contabilização Automática. Neste bip. Você Sabia? Edição 57 Maio de 2015 Neste bip Configuração para Contabilização Automática... 1 Vale Transporte... 2 Como Programar Reajuste Salarial... 3 Contabilização da Folha... 4 Configuração para Contabilização Automática O cadastro

Leia mais

MANUAL DE CADASTRO DOS CLIENTES DA EMPRESA CONTÁBIL

MANUAL DE CADASTRO DOS CLIENTES DA EMPRESA CONTÁBIL MANUAL DE CADASTRO DOS CLIENTES DA EMPRESA CONTÁBIL IMPORTANTE Prezado Cliente, Atendimento On-Line (Via Internet). Estivemos trabalhando no desenvolvimento de uma ferramenta de atendimento que permitisse

Leia mais

Resumo Socion das configurações no JB Cepil para geração da ECF

Resumo Socion das configurações no JB Cepil para geração da ECF Resumo Socion das configurações no JB Cepil para geração da ECF 1 - Configurações Necessárias Empresa Lucro Real: 1.1 Pacote 3000 Apontar o plano referencial a ser utilizado pela empresa; 1.2 Pacote 3012

Leia mais

DIF-e - MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CONTRIBUINTE

DIF-e - MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CONTRIBUINTE Página 1 de REVISÃO DATA VERSÃO DO HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES SISTEMA 00 1.0 Emissão inicial. Página 2 de Sumário 1. Introdução... 4 2. Modelo Conceitual... 4 3. Programa Cliente... 5 3.1 Telas de Configuração...

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA e-nota

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA e-nota EBM ASSESSORIA E CONSULTORIA EM INFORMÁTICA LTDA MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA e-nota PRESTADOR / CONTADOR Versão 2.0 Índice 1. Acessar o sistema 2. Notas Eletrônicas 2.1. Emitir

Leia mais

TUTORIAL WINTHOR CONTABIL PARAMETRIZAÇÃO CONTABIL

TUTORIAL WINTHOR CONTABIL PARAMETRIZAÇÃO CONTABIL TUTORIAL WINTHOR CONTABIL PARAMETRIZAÇÃO CONTABIL Tutorial do Sistema WinThor Módulo Contábil Copyright - PC Informática Ltda. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução parcial ou total por qualquer

Leia mais

Manual para envio de XML e relatório do SAT para o escritório contábil.

Manual para envio de XML e relatório do SAT para o escritório contábil. Manual para envio de XML e relatório do SAT para o escritório contábil. Todo início de mês as empresas que tem SAT instalado devem enviar as informações de vendas para os Escritórios Contábeis para apuração

Leia mais

1998-2009 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2009 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas poderá ter

Leia mais

Manual de Instalação do AP_Conta Windows

Manual de Instalação do AP_Conta Windows Manual de Instalação do AP_Conta Windows aplicativo off line para geração e envio de cobranças eletrônicas no padrão TISS CAPESESP ANS nº 324477 atualizado em 24/04/2012 AP_Conta Windows O AP_Conta Windows

Leia mais

1998-2009 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2009 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas poderá ter

Leia mais

ECF ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL

ECF ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL ECF ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL Geração da ECF para empresas optantes pelo Lucro Presumido Informações importantes A Escrituração Contábil Fiscal é uma nova obrigação acessória, cuja primeira entrega

Leia mais

Índice. http://www.gosoft.com.br/atualiza/gosoftsigadmservico.pdf Versão 4.0

Índice. http://www.gosoft.com.br/atualiza/gosoftsigadmservico.pdf Versão 4.0 Índice I ENVIO DE BOLETOS POR E-MAIL... 2 APRESENTAÇÃO... 2 ALTERAÇÕES NO SIGADM CONDOMÍNIO... 4 ALTERAÇÕES NO SIGADM IMÓVEIS... 6 ALTERAÇÕES NO SIGADM CONCILIAÇÃO BANCÁRIA... 8 ALTERAÇÕES NO SIGADM CONDOMÍNIO

Leia mais

Manual - Versão 1.2 1

Manual - Versão 1.2 1 Manual - Versão 1.2 1 2 Requisitos para emissão da Nota Fiscal de Consumidor eletrônica - Sistema Gerenciador Gestor Prime - Sistema Transmissor - Uninfe Instalado automaticamente pelo Gestor. - Internet

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. - INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Lei do Imposto. Dezembro

Lei do Imposto. Dezembro Lei do Imposto Dezembro 2014 Guia para adaptação do sistema Wingas à Lei do Imposto 2.741/2012. Compatível com as versões 1.8.5 e posteriores. Atualizado em: 16/12/2014. 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2 1.1 OBJETIVOS

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Í n d i c e Julho, 2010 Introdução... 2 1. Acerto dos cadastros de Clientes e de Produtos... 4 1.1. Cadastros Básicos - Cadastro de Clientes... 4 1.2. Cadastros Básicos Cadastro

Leia mais

Manual de Geração da ECF Escrituração Contábil e Fiscal Contábil Phoenix

Manual de Geração da ECF Escrituração Contábil e Fiscal Contábil Phoenix Manual de Geração da ECF Escrituração Contábil e Fiscal Contábil Phoenix A seguir iremos demonstrar o processo para uma perfeita geração da ECF (Escrituração Contábil e Fiscal). Fique atento as telas e

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO WFISCAL SPED PIS COFINS. Lucro Presumido Regime de Competência Escrituração Consolidada por CFOP

MANUAL DO USUÁRIO WFISCAL SPED PIS COFINS. Lucro Presumido Regime de Competência Escrituração Consolidada por CFOP MANUAL DO USUÁRIO WFISCAL SPED PIS COFINS Lucro Presumido Regime de Competência Escrituração Consolidada por CFOP Página: 1 INTRODUÇÃO Este material traz as informações sobre as características do SPED

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DO ISSQN

SISTEMA INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DO ISSQN SISTEMA INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DO ISSQN MIGRAÇÃO DAS INFORMACOES DO ATUAL SISTEMA PARA O SIGISSWEB 1ª FASE: Em 1º de Maio de 2015, o sistema SIGISSWEB deverá estar carregado com todos os cadastros

Leia mais

SCIM 1.0. Guia Rápido. Instalando, Parametrizando e Utilizando o Sistema de Controle Interno Municipal. Introdução

SCIM 1.0. Guia Rápido. Instalando, Parametrizando e Utilizando o Sistema de Controle Interno Municipal. Introdução SCIM 1.0 Guia Rápido Instalando, Parametrizando e Utilizando o Sistema de Controle Interno Municipal Introdução Nesta Edição O sistema de Controle Interno administra o questionário que será usado no chek-list

Leia mais

ROTEIRO NOTA FISCAL ELETRONICA A partir de Agosto/2012

ROTEIRO NOTA FISCAL ELETRONICA A partir de Agosto/2012 ROTEIRO NOTA FISCAL ELETRONICA A partir de Agosto/2012 1. INSTALAÇÃO DO GESTOR Confira abaixo as instruções de como instalar o sistema Gestor. Caso já tenha realizado esta instalação avance ao passo seguinte:

Leia mais

Livro Caixa. www.controlenanet.com.br. Copyright 2015 - ControleNaNet

Livro Caixa. www.controlenanet.com.br. Copyright 2015 - ControleNaNet www.controlenanet.com.br Copyright 2015 - ControleNaNet Conteúdo Tela Principal... 3 Como imprimir?... 4 As Listagens nas Telas... 7 Clientes... 8 Consulta... 9 Inclusão... 11 Alteração... 13 Exclusão...

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. Conteúdo 1. Descrição geral 2 2. Resumo das funcionalidades 3 3. Efetuar cadastro no sistema 4 4. Acessar o sistema 6 5. Funcionalidades do menu 7 5.1 Dados cadastrais 7 5.2 Grupos de usuários 7 5.3 Funcionários

Leia mais

Manual de Utilização Portal de Serviços do Inmetro nos Estados - PSIE

Manual de Utilização Portal de Serviços do Inmetro nos Estados - PSIE Manual de Utilização Portal de Serviços do Inmetro nos Estados - PSIE Sumário PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ETIQUETAS DE REPARO...3 Figura 1.0...3 Figura 2.0...4 Figura 3.0...5 Figura 4.0...5 1. Proprietário

Leia mais

AJUDA NO CONTROLE DA EMPREGADA

AJUDA NO CONTROLE DA EMPREGADA Planilhas I Empregada doméstica AJUDA NO CONTROLE DA EMPREGADA CALCULE E EMITA RECIBOS E GUIAS DE PAGAMENTOS DE IMPOSTOS PARA EMPREGADOS DOMÉSTICOS Amelhor maneira de evitar dores de cabeça futuras em

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DO ODONTO TECHNOLOGY

MANUAL DE INSTALAÇÃO DO ODONTO TECHNOLOGY MANUAL DE INSTALAÇÃO DO ODONTO TECHNOLOGY 1 Índice I - Prefácio...3 II - Instalação do tipo servidor...4 III Obter o nome do computador servidor...17 IV Instalação do tipo cliente...19 V Como inserir a

Leia mais

DIVISÃO DE ASSESSORAMENTO TÉCNICO MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

DIVISÃO DE ASSESSORAMENTO TÉCNICO MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DIVISÃO DE ASSESSORAMENTO TÉCNICO MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 1) ORIENTAÇÃO GERAL De acordo com o artigo 917 do Código de Processo Civil, as contas, assim do autor como do réu, serão apresentadas em

Leia mais

PARAMETRIZACAO MODULO ESCRITA FISCAL

PARAMETRIZACAO MODULO ESCRITA FISCAL PARAMETRIZACAO MODULO ESCRITA FISCAL Primeiro passo: importar impostos, para isso proceda da seguinte maneira: entre na empresa EXEMPLO, no menu Arquivos clique em Impostos, logo após, do lado direito

Leia mais

Manual de Instalação ( Client / Server ) Versão 1.0

Manual de Instalação ( Client / Server ) Versão 1.0 1 pág. PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DO SGCOM ATENÇÃO: É OBRIGATÓRIO UMA CONEXÃO COM A INTERNET PARA EXECUTAR A INSTALAÇÃO DO SGCOM. Após o Download do instalador do SGCOM versão Server e Client no site www.sgcom.inf.br

Leia mais

RELATÓRIOS GERENCIAIS

RELATÓRIOS GERENCIAIS RELATÓRIOS GERENCIAIS Neste treinamento vamos abordar o funcionamento dos seguintes relatórios gerenciais do SisMoura: Curva ABC Fluxo de Caixa Semanal Análise de Lucratividade Análise Financeira o Ponto

Leia mais

CeC. Cadastro eletrônico de Contribuintes. Usuário Anônimo

CeC. Cadastro eletrônico de Contribuintes. Usuário Anônimo CeC Cadastro eletrônico de Contribuintes Usuário Anônimo Versão 1.3 11/02/2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Objetivos... 3 1. Solicitação de CeC... 4 1.1. Cadastro de Pessoas Físicas... 6 1.1.1 Cadastro de

Leia mais

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES Maio de 2012 O QUE É A EFD-Contribuições trata de arquivo digital instituído no Sistema Publico de Escrituração Digital SPED, a ser utilizado pelas pessoas jurídicas de direito

Leia mais