BRB. Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BRB. Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating"

Transcrição

1 Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco de Brasília S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 19 de Agosto de 2009, foi confirmada a nota atribuída ao referido banco no Relatório de Rating emitido em 19 de agosto de A confirmação está baseada na avaliação dos aspectos econômico-financeiros do Banco de Brasília relativos ao primeiro trimestre de 2009, assim como nas demais informações que temos conhecimento até o momento da divulgação deste Relatório, cujos principais pontos descrevemos a seguir. Agosto de 2009, com dados contábeis do primeiro trimestre de 2009

2 Tel.: PRINCIPAIS EVENTOS NÃO CONTÁBEIS 1 No primeiro trimestre de 2009 observou-se uma tendência à estabilização dos cenários econômico e financeiro no Brasil e no mundo, porém muito abaixo dos picos históricos. Com relação ao Brasil, ocorreu uma recuperação nas Bolsas de Valores, onde o Ibovespa ascendeu a patamares em torno de pontos, ainda longe das máximas históricas de 2008 porém com menor volatilidade nos pregões. As previsões para evolução do PIB até o final de 2009 mostram números próximos a zero e há uma clara tendência no câmbio ao recuo das moedas estrangeiras em relação ao real. 2 A indústria e o comércio foram beneficiados por medidas governamentais como a redução ou isenção de IPI para determinados produtos, na forma definitiva para alguns e temporária para outros. O segmento automotivo é um bom exemplo da eficácia desta medida, uma vez que sua produção bateu recordes nos primeiros meses de O mercado bancário foi alvo de inúmeras ações por parte das autoridades monetárias brasileiras, que iniciaram tais procedimentos no segundo semestre de Tais providências tornaram possível a manutenção de uma mínima estabilidade neste mercado, mesmo nos momentos mais agudos da crise, como também possibilitaram a retomada de operações de crédito por parte das instituições, em especial o crédito consignado em folha de pagamento, financiamento a veículos e, ainda em menor escala, o crédito a pequenas e médias empresas. 4 Apesar do crescimento dos níveis de inadimplência nos últimos meses, outros riscos inerentes à atividade bancária foram mitigados de forma sistemática através de medidas como alteração nas regras do depósito compulsório, mudanças na legislação que facilitaram a aquisição de instituições financeiras por parte do Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal e, em especial, a atuação do Fundo Garantidor de Crédito - FGC, inicialmente através das compras de crédito de longo prazo, respeitando a qualidade do mesmo, como o caso dos originados na modalidade de consignado em folha de pagamento, e, posteriormente, com a criação do Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC - DPGE. 5 O DPGE é um depósito que tem suas características próprias definidas pelas Resoluções 3.629/09, 3.717/09 e 3.729/09 do CMN, sem emissão de certificado, com disciplina contábil especificada na Carta-Circular 3.391/09 do Banco Central do Brasil. Tais emissões são garantidas pelo FGC em valores até R$ 20 milhões por CPF ou CNPJ, demandando para tal um recolhimento de 1% ao ano sobre o seu valor, por parte do emitente. 6 Um importante passo para a estabilidade na estrutura de funding dos bancos brasileiros foi dado através da Resolução 3.729/09 do CMN, o qual vedou resgates totais ou parciais de DPGEs emitidos a partir de 25 de maio de Importante lembrar que tais aplicações possuem prazo mínimo de seis meses e máximo de cinco anos. 7 O passa por um processo de mudanças em sua estrutura de empresas controladas e em seu quadro diretivo, mudanças estas que serão abordadas com maior profundidade em futuro relatório de Revisão de Rating, o qual basear-se-á em dados contábeis do primeiro semestre de /9

3 Tel.: PRINCIPAIS EVENTOS FINANCEIROS DO PRIMEIRO 1 O aumento do Capital Social do no exercício de 2008, proveniente de reservas legais e estatutárias, elevou este ao montante de R$ 300 milhões. O Banco registrou ainda, entre mar.08 e mar.09, um crescimento de 17,5% em seu Patrimônio Líquido, superando este a marca de R$ 445 milhões ao final mar O mantém elevado caixa livre, o qual avançou ao patamar de R$ 1,3 bilhão e equivalia, ao final do 1 o.trim.09, a 292,4% do Patrimônio Líquido do Banco. Tal política decorre do perfil de curto prazo de seus depósitos e da necessidade de alta liquidez para os elevados valores depositados pelo GDF, os quais representavam ao final de mar.09 57,8% dos recursos confiados à Instituição. Concentração de Crédito 3 Os ativos do Banco elevaram-se 24,3% entre 31.mar.08 e 31.mar.09. Neste intervalo 15,4% verificou-se um crescimento de 35,5% das 13,0% operações de crédito, as quais possuem baixa 8,5% concentração, representando os 10 maiores 5,3% devedores 5,3% da carteira de crédito do e os 50 e 100 maiores 13% e 15,4%, 10 maiores 20 maiores 50 maiores 100 maiores respectivamente. 4 A Instituição opera majoritariamente concedendo Distribuição das Operações de Crédito crédito a pessoas físicas, que representam 82% do 3% volume da carteira. Com relação às pessoas 16 % Pessoa Física jurídicas, o crédito a estas concedido, através de produtos como conta garantida e antecipação de Pessoa Júridica recebíveis, representa 16% da carteira total do outros Banco. 81% 5 O mantém elevadas suas posições ativas em operações compromissadas, as quais possuem contrapartida no passivo e superavam a casa de R$ 290 milhões ao final de mar.09. Quanto ao montante em títulos de renda fixa, este reduziu- se 27,2% entre mar.08 e mar.09, fechando o 1 o.trim.09 em valores próximos a R$ 700 milhões. 15,3 % 16,4 % Depositantes - Categoria 10,6 % 57,8% Institucionais Governo Distrito Federal Pessoa Jurídica Pessoa Física 6 Os depósitos totais do elevaram-se 22,5% entre mar.08 e mar.09, com a manutenção do crescimento dos depósitos a prazo, que registraram aumento de 22,5%, e destaque para a elevação dos depósitos em caderneta de poupança, que neste período cresceram 14,3%, passando a representar 21% dos depósitos do. Os recursos oriundos do GDF continuam em patamar elevado e fazem deste o maior depositante do Banco. 3/9

4 Tel.: Concentração de Depósitos 7 Como mencionado, o Governo do Distrito Federal constitui-se no maior 77,2% 81,0% 64,6% depositante do, representando seus recursos 57,8% dos depósitos do Banco, o que eleva as concentrações dos 10, 50 e 100 maiores para, respectivamente, 64,6%, 10 maiores 50 maiores 100 maiores 77,2% e 81%. 8 As Receitas da Atividade Financeira elevaram-se 28,5%, se comparados os valores acumulados no 1 o.trim.09 com os do 1 o.trim.08. Observou-se no mesmo período uma elevação de 48,4% nas Despesas da Atividade Financeira, o que levou o Resultado da Atividade Financeira acumulado nos três primeiros meses de 2009 a crescer 5% em relação a igual período do exercício anterior. 9 As Receitas de Serviços, relevantes em um banco de varejo, mantêm a tendência de queda observada no exercício de 2008, tendo acumulado no 1 o.trim.09 valores 29% menores que no 1 o.trim As despesas de custeio do, constituídas majoritariamente por custos fixos, mantiveramse elevadas e cresceram 10,8% nos três primeiros meses do exercício de 2009, se comparadas às observadas em período equivalente de O desempenho do Banco no 1 o.trim.09 refletiu-se em um Lucro Líquido ajustado 41,6% inferior ao verificado no 1 o.trim.08. O apresentou índices de Rentabilidade sobre Ativos e Patrimônio (ROA e ROE) nos últimos 12 meses iguais a 2,4% e 33,2%, respectivamente, níveis estes satisfatórios, porém inferiores aos seu histórico recente. 12 O Índice de Basileia do fechou mar.09 em valor próximo ao observado em mar.08, 12,8% contra 13,8%, já contemplado o conceito de Basileia II, o qual incorporou novos fatores de risco para fins de exigência de capital mínimo e também as alterações nas suas bases de cálculo ocorridas no último trimestre do exercício de /9

5 ESTRUTURA PATRIMONIAL R$ 31.MAR DEZ MAR DEZ MAR DEZ.06 TOTAL DE ATIVOS DISPONIBILIDADES APLICAÇÕES INTERFINANCEIRAS Aplicações em Mercado Aberto Aplicações em CDI Aplicações em Moeda Estrangeira TÍTULOS E DERIVATIVOS Operações Compromissadas Títulos de Renda Fixa - Carteira Própria Títulos de Renda Variável - Carteira Própria Fundos de Investimentos Vinculados ao BACEN Vinculados a prestação de garantias RELAÇÕES ENTRE BANCOS E AGÊNCIAS OPERAÇÕES DE CRÉDITO E LEASING Empréstimos e Títulos Descontados Financiamentos Provisão para Créditos em Atraso ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) OUTROS CRÉDITOS OUTROS VALORES E BENS ATIVO PERMANENTE TOTAL DE PASSIVOS DEPÓSITOS TOTAIS Depósitos à Vista Depósitos de Poupança Depósitos Interfinanceiros Depósitos a Prazo Obrigações por Depósitos Especiais e de Fundos e Programas Depósitos em Moeda Estrangeira CAPTAÇÕES NO MERCADO ABERTO Carteira Própria Carteira de Terceiros REC. ACEITES CAMBIAIS E DEBÊNTURES RELAÇÕES ENTRE BANCOS E AGÊNCIAS OBRIGAÇÕES EMPRÉSTIMOS E REPASSES DERIVATIVOS OUTRAS OBRIGAÇÕES RESULTADO EXERCÍCIOS FUTUROS PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Lucros Acumulados Coobrigações e Riscos por Garantias Prestadas Avais e Fianças Créditos em Write Off /9

6 DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS R$ JAN-MAR/09 JAN-DEZ/08 JAN-MAR/08 JAN-DEZ/07 JAN-MAR/07 JAN-DEZ/06 RECEITAS DA ATIVIDADE FINANCEIRA RECEITAS DE OPERAÇÕES DE CRÉDITO CRÉDITOS RECUPERADOS RENDAS DE CÂMBIO RECEITAS DE TESOURARIA GANHOS COM TÍTULOS E DERIVATIVOS DESPESAS DA ATIVIDADE FINANCEIRA ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) DESPESAS DE CAPTAÇÃO - DEPÓSITOS ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) DESPESAS DE CAPTAÇÃO - EMPRÉSTIMOS ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) PERDAS COM TÍTULOS ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) PROVISÃO PARA CRELI ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) RESULTADO DA ATIVIDADE FINANCEIRA DESPESAS TRIBUTÁRIAS ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) RESULTADO DE PARTICIPAÇÕES RECEITAS DE SERVIÇOS DESPESAS DE CUSTEIO ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) OUTROS RESULTADOS OPERACIONAIS OUTROS RESULTADOS NÃO OPERACIONAIS ( ) PROVISÃO PARA IR E CS ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS 0 ( ) 0 ( ) 0 ( ) LUCRO LÍQUIDO DO PERÍODO LUCRO LÍQUIDO AJUSTADO LUCRO TRIMESTRAL AJUSTADO DEPRECIAÇÃO E AMORTIZAÇÃO - DRE ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) JUROS SOBRE O CAPITAL 0 ( ) 0 ( ) 0 ( ) 6/9

7 HIGHLIGHTS MAR.09 DEZ.08 MAR.08 DEZ.07 MAR.07 DEZ.06 CAPACIDADE DE PAGAMENTO CAIXA LIVRE - R$ mil CAIXA LIVRE EM RELAÇÃO AO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 292,4% 211,0% 305,9% 243,9% 250,4% 106,7% LIQUIDEZ DE CURTO PRAZO 0,45 0,36 0,46 0,42 0,45 0,31 SOLVÊNCIA 1,07 1,07 1,07 1,07 1,08 1,09 GERAÇÃO DE CAIXA - R$ mil MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO 51,3% 61,2% 72,4% 74,3% 79,9% 85,5% MARGEM FINANCEIRA - R$ mil QUALIDADE DO CRÉDITO QUALIDADE DA CARTEIRA 8,52 8,78 8,25 8,19 7,88 7,95 INADIMPLÊNCIA CONTÁBIL SOBRE OPERAÇÕES DE CRÉDITO 4,9% 4,0% 5,1% 6,0% 5,9% 5,9% INADIMPLÊNCIA REAL SOBRE OPERAÇÕES DE CRÉDITO (1) 4,9% 4,0% 5,1% 6,0% 5,9% 5,9% INADIMPLÊNCIA TOTAL SOBRE PATRIMÔNIO LÍQUIDO 30,7% 24,4% 28,5% 31,6% 29,0% 29,3% PROVISÃO/INADIMPLÊNCIA 66,5% 63,9% 95,9% 85,1% 84,2% 90,5% RENTABILIDADE - % RENTABILIDADE ÚLTIMOS 12 MESES - ROE 33,2% 37,2% 38,9% 40,5% 38,4% 37,3% RENTABILIDADE ÚLTIMOS 12 MESES - ROA 2,4% 2,8% 3,1% 3,5% 3,8% 4,1% SPREAD MÉDIO 1,0% 2,1% 1,3% 3,0% 1,8% 4,6% ATIVOS QUE GERAM JUROS EM RELAÇÃO AO ATIVO TOTAL 80,1% 78,8% 74,0% 73,4% 74,0% 69,6% PASSIVOS QUE PAGAM JUROS EM RELAÇÃO AO PASSIVO TOTAL 73,3% 71,5% 71,2% 67,9% 70,0% 63,2% EFICIÊNCIA - R$ mil (exceto Índice) ÍNDICE DE EFICIÊNCIA 0,90 0,80 0,79 0,82 0,82 0,85 OPERAÇÕES DE CRÉDITO POR UNIDADE DE PRODUÇÃO DEPÓSITOS POR UNIDADE DE PRODUÇÃO LUCRO LÍQUIDO POR UNIDADE DE PRODUÇÃO (*) OPERAÇÕES DE CRÉDITO POR FUNCIONÁRIO DEPÓSITOS POR FUNCIONÁRIO LUCRO LÍQUIDO POR FUNCIONÁRIO (*) 6,76 4,84 8,16 10,84 10,27 19,16 ALAVANCAGEM DOS PASSIVOS SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO 11,92 11,91 11,21 10,65 9,55 8,16 DA CARTEIRA DE CRÉDITO SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO 6,07 5,99 5,26 5,01 4,62 4,66 DO IMOBILIZADO SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,17 0,18 0,21 0,22 0,25 0,27 DO TOTAL RECURSOS EXTERNOS SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,01 0,01 0,00 0,00 0,02 0,02 ÍNDICE DE RISCO BASEADO EM ATIVOS - RBA - BASILÉIA 12,8% 13,8% 12,9% 12,8% 14,8% 14,7% PATRIMÔNIO LÍQUIDO REAL - R$ mil (**) (*) Lucro Líquido Trimestral Ajustado (**) Ajustado por despesas diferidas, ágios e deságios, créditos tributários e excesso de provisionamento (1) inclui créditos cedidos com coobrigação 7/9

8 Tel.: INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS DO AVALIADOR - LFRating A LFRating foi criada em 2002 como complemento dos serviços de avaliação de instituições financeiras e não financeiras que a Lopes Filho & Associados já realizava há 26 anos. É formada por profissionais de elevada experiência em avaliação corporativa, que uniram seus conhecimentos para prover o mercado brasileiro de serviços de análise de risco de todas as modalidades, baseados em três princípios fundamentais.. Independência entre o processo e o objeto de classificação;. Transparência dos fundamentos da classificação; e. Capacidade técnica e ética irreprovável de todos os envolvidos na classificação. A LFRating produz ratings de emissões de empresas nacionais, utilizando-se da expertise de seus analistas e de uma cultura formada ao longo de 30 anos em trabalhos de análises e avaliações de empresas, bancos e fundos de investimentos para os mais diversos propósitos. Um rating emitido pela LFRating é o resultado de uma criteriosa análise que envolve:. uma definição precisa dos riscos envolvidos no objeto avaliado;. a análise detalhada de uma extensa gama de informações estruturais, estratégicas e econômico-financeiras;. um pormenorizado trabalho de due diligence, incluindo abrangente entrevista com os dirigentes e responsáveis pela emissão e pela administração das garantias; e. um capacitado comitê de avaliação que definirá o rating adequado para expressar o entendimento da LFrating sobre o risco de crédito do avaliado. A equipe de análise é especializada e formada por: Cristina Meyer (empresas e títulos) - Daniel Amorim Rangel (bancos) - Graça Paiva (empresas e títulos) - (bancos) - João Batista Simões (empresas e títulos) - (empresas, títulos, fundos e cooperativas) - José Luiz Marques da Silva (empresas e títulos) - Julio Flavio Souza Lima (bancos) - Michelle da Silveira Pereira(empresas e títulos)- Rodrigo Pires (empresas e títulos) - Rubem Crusius(empresas e títulos) - Tarciso Gouveia da Silva(cooperativas) - O Comitê de Rating é presidido por e formado por, pelo menos, dois analistas envolvidos na avaliação em questão. A escala utilizada para classificação de instituições financeiras é baseada em nossa experiência e ajustada ao longo do tempo por fatos concretos que alterem a estrutura do Sistema Financeiro Nacional. 8/9

9 Tel.: ESCALA DE CLASSIFICAÇÃO DE RATING INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NOTA AAA AA A BBB BB B C D CONCEITO - MOEDA NACIONAL oferecem a mais alta segurança para honrar compromissos com fortes bases patrimoniais, excelente política de crédito e histórico de resultados acima da média da indústria financeira. Sua capacidade de geração de caixa é diferenciada e não é seriamente afetada por mudanças nas regulatórias possíveis de serem previstas. oferecem alta segurança para honrar compromissos com saudável política de crédito e sem problemas significativos. As instituições classificadas nesta faixa, no entanto, estão mais vulneráveis a mudanças adversas das condições econômicas e regulatórias do que aquelas da faixa superior. oferecem boa segurança para honrar compromissos com adequada política de crédito, mas que possuem uma ou mais áreas com fragilidades, com condições, no entanto, de superá-las no curto prazo. As instituições estão mais vulneráveis a mudanças adversas das regulatórias do que aquelas das faixas superiores. para honrar compromissos que possuem algumas áreas que instituições, no entanto, são mudanças adversas nas apresentam perda de alguns fatores de proteção financeira que podem resultar em inadequado nível de segurança para honrar compromissos que dependem de mudanças favoráveis no ambiente econômico e regulatório que lhes permita honrar compromissos de maneira periódica. apresentam baixa capacidade para honrar compromissos financeiros regulares. A capacidade de gerar caixa está seriamente afetada por várias fragilidades em várias áreas. Ainda que estas instituições possam estar honrando os compromissos nas datas pactuadas, a continuidade deste procedimento depende grandemente de mudanças favoráveis nas regulatórias, além de algum suporte externo. apresentam elevado risco de não honrarem O rating com muitos sérios problemas e, a menos que algum suporte externo seja providenciado, elas não terão capacidade de honrar os compromissos financeiros assumidos. estão inadimplentes ou muito próximas de não honrarem O rating com graves problemas de geração de caixa, exigindo imediato suporte externo de grande capacidade financeira. Obs.: Com o objetivo de diferenciar os bancos que apresentam diferenças sensíveis dentro do mesmo segmento de rating, LFRating acrescenta sinais de + ou ao lado de cada nota entre AA e B. 9/9

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A.

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. BI Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco Industrial S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 6 de agosto de 2008, foi confirmada a nota A+ atribuída ao referido banco

Leia mais

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A.

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco Industrial S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 09 de Setembro de 2010, foi confirmada a nota atribuída ao referido banco no

Leia mais

BRB. Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating

BRB. Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco de Brasília S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 20 de dezembro de 2007, foi confirmada a nota atribuída

Leia mais

CACIQUE. Banco Cacique S.A.

CACIQUE. Banco Cacique S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 23 de Julho de 2012, foi confirmada a nota, perspectiva, atribuída ao referido banco no Relatório

Leia mais

PECÚNIA. Banco Pecúnia S.A.

PECÚNIA. Banco Pecúnia S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 12 de dezembro de 2012, foi confirmada a nota, Perspectiva Neutra, atribuída ao referido Banco no

Leia mais

CACIQUE. Banco Cacique S.A.

CACIQUE. Banco Cacique S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 17 de Setembro de 2012, foi confirmada a nota, perspectiva, atribuída ao referido banco no Relatório

Leia mais

INTERCAP. Banco Intercap S.A.

INTERCAP. Banco Intercap S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 26 de abril de 2012, foi mantida a nota atribuída ao referido banco no Relatório de Rating emitido

Leia mais

Teleconferência Resultados 1T10

Teleconferência Resultados 1T10 Teleconferência Resultados 1T10 18 de maio de 2010 Visão Geral da Administração Venda da estrutura de Varejo + Foco no segmento de crédito a Empresas Transferência das atividades de originação e crédito

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

FICSA. Banco Ficsa S.A.

FICSA. Banco Ficsa S.A. Banco Ficsa S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao - Banco Ficsa S.A, e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 25 de maio de 2011, foi confirmada a nota BBB atribuída ao referido

Leia mais

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 Brasília, 26 de agosto de 2015 O BRB - Banco de Brasília S.A., sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo de Brasília, anuncia seus resultados do

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T09

Teleconferência de Resultados 4T09 Teleconferência de Resultados 4T09 Índice Comentários de Mercado Pág. 3 Qualidade da Carteira de Crédito Pág. 10 Liquidez Pág. 4 Índice de Eficiência Pág. 14 Funding e Carteira de Crédito Pág. 5 Rentabilidade

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

CONGLOMERADO ALFA CONGLOMERADO FINANCEIRO ALFA

CONGLOMERADO ALFA CONGLOMERADO FINANCEIRO ALFA CONGLOMERADO FINANCEIRO ALFA Monitoramento de R a t i n g A LFRating comunica ao Banco Alfa S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 4 de junho de 2009, foi confirmada a nota atribuída

Leia mais

Release de Resultado 2T14

Release de Resultado 2T14 BANCO BMG ANUNCIA SEUS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO 2T14 São Paulo, 07 de agosto de 2014 O Banco BMG S.A. e suas controladas ( BMG ou Banco ) divulgam seus resultados consolidados referentes ao período encerrado

Leia mais

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Balanço Patrimonial - Conglomerado Prudencial em 30 de Junho ATIVO 2014 CIRCULANTE 1.893.224 Disponibilidades

Leia mais

Basiléia. Patrimônio Líquido 6.368 5.927 5.117. Jun/09 Jun/10 Jun/11 Jun/12 Jun/13. Captações (líquidas de compulsório) 58.406 52.950 42.

Basiléia. Patrimônio Líquido 6.368 5.927 5.117. Jun/09 Jun/10 Jun/11 Jun/12 Jun/13. Captações (líquidas de compulsório) 58.406 52.950 42. Avenida Paulista, 2.100 - São Paulo - SP CNPJ 58.160.7890001-28 Se escolher navegar os mares do sistema bancário, construa seu banco como construiria seu barco: sólido para enfrentar, com segurança, qualquer

Leia mais

INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32

INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32 INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32 BALANCETE PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2015 (valores expressos em milhares

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS

RELEASE DE RESULTADOS RELEASE DE RESULTADOS BANCO PAULISTA SOCOPA Corretora Resultados 4 Trimestre de 2011 1 O BANCO PAULISTA e a SOCOPA - CORRETORA PAULISTA anunciam os resultados do quarto trimestre de 2011. O BANCO PAULISTA

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Sumário do Resultado 2T09

Sumário do Resultado 2T09 Sumário do Resultado 1 BB lucra R$ 4,0 bilhões no 1º semestre de 2009 O Banco do Brasil registrou lucro líquido de R$ 4.014 milhões no 1S09, resultado que corresponde a retorno sobre Patrimônio Líquido

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Apresentação Bradesco

Apresentação Bradesco Apresentação Bradesco 1 Perspectivas Econômicas 2013 Bradesco 2014 * Consenso do Mercado ** 2015 * 2014 2015 PIB 2,50% 0,50% 1,50% 0,29% 1,01% Juros(SelicFinal) 10,00% 11,00% 11,00% 11,00% 11,38% Inflação(IPCA)

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS

RELEASE DE RESULTADOS RELEASE DE RESULTADOS BANCO PAULISTA SOCOPA Corretora Resultados 1 Trimestre de 2011 1 O BANCO PAULISTA, reconhecido pela sua prestação de serviços de câmbio e de tesouraria, assim como pelo financiamento

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

www.panamericano.com.br

www.panamericano.com.br www.panamericano.com.br Agenda Principais dados do Banco Histórico Divulgação das Demonstrações Financeiras Resultado e Balanço Providências e Perspectivas 2 Agenda Principais dados do Banco 3 Composição

Leia mais

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A.

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A. 4 trimestre de 2010 Sumário Executivo Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco) do quarto trimestre de 2010 e do exercício findo em 31 de dezembro de 2010. (exceto

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Teleconferência 2T14. 18 de agosto de 2014

Teleconferência 2T14. 18 de agosto de 2014 Teleconferência 18 de agosto de 2014 1T14 x Estabilidade da Carteira de Créditos, próxima a R$ 10,5 bilhões; Nível de liquidez imediata mantido dentro de parâmetros confortáveis; Redução dos NPLs, tanto

Leia mais

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras As principais modalidades de aplicação financeira disponíveis no mercado doméstico caderneta de poupança, fundos de investimento e depósitos a prazo

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Relatório de Estabilidade Financeira Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Pontos abordados para o Sistema Bancário* Base: 1º semestre de 2013 Risco de liquidez Captações Risco de crédito Portabilidade

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS. 3 Trimestre de 2012

RELEASE DE RESULTADOS. 3 Trimestre de 2012 RELEASE DE RESULTADOS 3 Trimestre de 2012 1 RELEASE DE RESULTADOS 3 Trimestre de 2012 MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO O BANCO PAULISTA anuncia seus resultados do 3T12. O BANCO PAULISTA é reconhecido pela sua

Leia mais

Divulgação dos Resultados 1T15

Divulgação dos Resultados 1T15 Divulgação dos Resultados 1T15 Sumário Resultado Itens Patrimoniais Índices Financeiros e Estruturais Guidance 2 Resultado Margem Financeira (em e %) * 1T15 / 1T14 1T15 / 4T14 1T15 / 1T14 21,1% 5,4% 21,1%

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Junho 2015 1 SUMÁRIO ANÁLISE DE DESEMPENHO... 4 SUMÁRIO EXECUTIVO 1S15... 6 MERCADO COMPETITIVO... 8 MARGEM ANALÍTICA... 9 Desempenho da Intermediação Financeira... 9 Variações

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS 1 Semestre de 2013

RELEASE DE RESULTADOS 1 Semestre de 2013 RELEASE DE RESULTADOS 1 Semestre de 2013 1 RELEASE DE RESULTADOS 1 Semestre de 2013 MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO O BANCO PAULISTA anuncia seus resultados do 1S13. O BANCO PAULISTA é reconhecido pela sua prestação

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS CONCURSO PÚBLICO PARA O CARGO DE ANALISTA EDITAL DE RE-RATIFICAÇÃO

BANCO CENTRAL DO BRASIL DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS CONCURSO PÚBLICO PARA O CARGO DE ANALISTA EDITAL DE RE-RATIFICAÇÃO BANCO CENTRAL DO BRASIL DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS CONCURSO PÚBLICO PARA O CARGO DE ANALISTA EDITAL DE RE-RATIFICAÇÃO O CHEFE DO DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DO BANCO CENTRAL DO BRASIL, tendo

Leia mais

Release de Resultado 4T14

Release de Resultado 4T14 BANCO BMG ANUNCIA SEUS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO 4T14 São Paulo, 12 de fevereiro de 2015 O Banco BMG S.A. e suas controladas ( BMG ou Banco ) divulgam seus resultados consolidados referentes ao período

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras 1 ATIVO 1.01 CIRCULANTE 1.01.01 DISPONÍVEL 1.01.01.01 Caixa 1.01.01.02 Valores em Trânsito 1.01.01.03 Bancos Conta Depósitos 1.01.01.04 Aplicações no Mercado Aberto 1.01.02 APLICAÇÕES 1.01.02.01 Títulos

Leia mais

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros Lara Simone Beirão Dezembro de 2014 1 Introdução Outline 2 Carteira de Activos 3 4 Evolução do Passivo Alguns Indicadores 5 Síntese 6 Desafios do Sistema Financeiro

Leia mais

Destaques Operacionais. Desempenho Financeiro

Destaques Operacionais. Desempenho Financeiro Press Release Destaques Operacionais O Banrisul apresentou, nos nove meses de 2011, trajetória ascendente de crescimento no crédito. Os indicadores de inadimplência e de qualidade da carteira mantiveram-se

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

Indicadores do Segmento Bancário. Março 2013

Indicadores do Segmento Bancário. Março 2013 Indicadores do Segmento Bancário Março 2013 Indicadores do segmento bancário O ambiente atual que permeia a indústria bancária, caracterizado pelo acirramento da concorrência, estreitamento de margens,

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 1 Senhores Associados: RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 Temos a satisfação de apresentar o Relatório da Gestão e as Demonstrações Contábeis da CREDICOAMO Crédito Rural Cooperativa, relativas às atividades desenvolvidas

Leia mais

VERAX RPW MICROFINANÇAS FIDC ABERTO. Rating. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios FUNDAMENTOS DO RATING

VERAX RPW MICROFINANÇAS FIDC ABERTO. Rating. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios FUNDAMENTOS DO RATING Relatório Analítico Rating A- As cotas do FIDC encontram-se suportadas por uma carteira de recebíveis com inadimplência muito baixa, a qual garante margem de cobertura muito boa para o pagamento do principal,

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

ING. Demonstrações Financeiras

ING. Demonstrações Financeiras ING Demonstrações Financeiras 30/junho/2002 ÍNDICE ING BANK N.V. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE 2002 E 2001... 3 ING CORRETORA DE CÂMBIO E TÍTULOS S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Base normativa: Circular 3477, de 24.12.2009. Data base: 30.06.2013 1 I INTRODUÇÃO Visando atendimento as diversas resoluções que tratam sobre Riscos

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

PLANO DE CONTAS E CÁLCULO DE ÍNDICES

PLANO DE CONTAS E CÁLCULO DE ÍNDICES PLANO DE CONTAS E CÁLCULO DE ÍNDICES Introdução Em abril de 2009, a Fitch Ratings modificou a estrutura dos demonstrativos sintéticos que acompanham os relatórios dos bancos analisados, adotando um novo

Leia mais

Institucional. Base: Junho/2014

Institucional. Base: Junho/2014 Grupo Seculus Institucional Base: Junho/2014 Estrutura Societária Família Azevedo 50% 50% LATAN Participações e Investimentos S.A. 100% ON 75.896.000 ações 100% PN 75.896.000 ações Quem Somos Nossa história,

Leia mais

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) MÊS 1 MÊS 2 MÊS 3 MÊS N ATIVO ATIVO CIRCULANTE Disponível Aplicações Aplicações Vinculadas a Provisões Técnicas Aplicações

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Cap. V Produtos Financeiros

Cap. V Produtos Financeiros 5.1 CDB/RDB Cap. V Produtos Financeiros Prof. Uérito Cruz Um banco anuncia pagar 22,6% a.a. para aplicação em CDB de sua emissão. É projetada uma inflação de 7,2% a.a. e o mercado trabalha como taxa referencial

Leia mais

metodologias SR RATING

metodologias SR RATING metodologias SR RATING o processo de avaliação de risco de instituição financeira 1. INTRODUÇÃO A intermediação financeira é peça motriz da economia, estando esses agentes financeiros no centro da ebulição

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

LOCALIZA RENT A CAR S.A. 5ª Emissão Pública de Debêntures

LOCALIZA RENT A CAR S.A. 5ª Emissão Pública de Debêntures LOCALIZA RENT A CAR S.A. 5ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 LOCALIZA RENT A CAR S.A. 5ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário

Leia mais

ESTUDO SOBRE A ESTRUTURA DA TAXA DE JUROS NO BRASIL APURAÇÃO DO SPREAD DA INDÚSTRIA BANCÁRIA

ESTUDO SOBRE A ESTRUTURA DA TAXA DE JUROS NO BRASIL APURAÇÃO DO SPREAD DA INDÚSTRIA BANCÁRIA ESTUDO SOBRE A ESTRUTURA DA TAXA DE JUROS NO BRASIL APURAÇÃO DO SPREAD DA INDÚSTRIA BANCÁRIA Prof. Alexandre Assaf Neto Prof. Eliseu Martins Em toda economia encontram-se pessoas que possuem capacidade

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO - COMGÁS. 2ª Emissão Pública de Debêntures

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO - COMGÁS. 2ª Emissão Pública de Debêntures COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO - COMGÁS 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 Companhia de Gás de São Paulo - Comgás 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório

Leia mais

Fundamentos do Rating. Fatores de Evolução do Rating. www.fitchratings.com.br 13 de Outubro de 2009

Fundamentos do Rating. Fatores de Evolução do Rating. www.fitchratings.com.br 13 de Outubro de 2009 Brasil Relatório Sintético Ratings Ratings Atuais Moeda Estrangeira IDR de Longo Prazo - IDR de Curto Prazo - Moeda Local IDR de Longo Prazo - IDR de Curto Prazo - Nacional Longo Prazo Curto Prazo Individual

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

BRASIL: BANCOS ANÁLISE DE RISCO DE BANCOS

BRASIL: BANCOS ANÁLISE DE RISCO DE BANCOS BRASIL: BANCOS ANÁLISE DE RISCO DE BANCOS RATING Set / 02 SOLIDEZ FINANCEIRA A BANCO DO BRASIL S/A 1) A CLASSIFICAÇÃO OBTIDA O Comitê de Classificação de Risco da Austin Rating, em reunião do dia 11 de

Leia mais

Banco Modal S.A. e Banco Modal S.A. e empresas controladas (CONEF) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2010 e de 2009 e parecer dos auditores

Banco Modal S.A. e Banco Modal S.A. e empresas controladas (CONEF) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2010 e de 2009 e parecer dos auditores Banco Modal S.A. e Banco Modal S.A. e empresas controladas (CONEF) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2010 e de 2009 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

3º trimestre de 2011. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas. Itaú Unibanco Holding S.A.

3º trimestre de 2011. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas. Itaú Unibanco Holding S.A. 3º trimestre de 2011 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A. Índice Análise Gerencial da Operação 1 Sumário Executivo 3 Análise do Resultado 11 Margem

Leia mais

Operações de Recebíveis de Royalties de Petróleo II

Operações de Recebíveis de Royalties de Petróleo II 2014 Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro Operações de Recebíveis de Royalties de Petróleo II Nota Técnica 14 Nota Técnica nº 14 Operações de Recebíveis de Royalties de

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. 1 Objetivo. 2 Diretrizes. 2.1 Princípios para Gerenciamento do Risco de Liquidez

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. 1 Objetivo. 2 Diretrizes. 2.1 Princípios para Gerenciamento do Risco de Liquidez ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ 1 Objetivo Apresentar o modelo de gerenciamento de Risco de Liquidez no Banco Safra e os princípios, as diretrizes e instrumentos de gestão em que este modelo

Leia mais

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CAPITAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão do Risco de Capital; 3. Estrutura,

Leia mais

ANEXO A. Informe Mensal

ANEXO A. Informe Mensal ANEXO A Informe Mensal Competência: MM/AAAA Administrador: Tipo de Condomínio: Fundo Exclusivo: Todos os Cotistas Vinculados por Interesse Único e Indissociável? Aberto/Fechado Sim/Não Sim/Não ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 3º Trimestre 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 1. INTRODUÇÃO 2. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 3. GERENCIAMENTO DE CAPITAL

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 54 RELATÓRIO ANUAL GERDAU 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS

Leia mais

Rating BANCO DO ESTADO DE SERGIPE S/A - BANESE. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING

Rating BANCO DO ESTADO DE SERGIPE S/A - BANESE. Bancos FUNDAMENTOS DO RATING Relatório Analítico Semestral: JUN/09 Rating A- O banco apresenta solidez financeira intrínseca boa. São instituições dotadas de negócio seguro e valorizado, boa situação financeira atual e histórica.

Leia mais

SICOOB NORTE. Resultados

SICOOB NORTE. Resultados SICOOB NORTE Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Norte conseguiu ótimos resultados, numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado financeiro

Leia mais

REAL LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL INCORPORADO POR SANTANDER LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL

REAL LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL INCORPORADO POR SANTANDER LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL REAL LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL INCORPORADO POR SANTANDER LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL 5ª Emissão Pública de Debêntures Não Conversíveis Ações em Série Única da Espécie Subordinada Relatório

Leia mais