ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente."

Transcrição

1 ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente. Evelyse Amorim Lourival Amorim Florianópolis, 11 de novembro de 2014

2 ITG 2002 Introdução e Principais aspectos da norma Importância da Auditoria nas Entidades s/ Fins Lucrativos Check List de aplicação da ITG 2002 O reconhecimento do trabalho voluntário A renúncia fiscal e sua apuração Possibilidade de lançamento do Custo atribuído Divulgações

3 Introdução Em setembro de 2012 foi publicada a Resolução 1.409/2012, que aprovou a ITG 2002, norma aplicável à Entidades sem finalidades de lucro. Apesar da publicação ter sido efetuada em setembro de 2012, a norma já seria base para janeiro de 2012.

4 Introdução OBJETIVO Esta Interpretação estabelece critérios e procedimentos específicos de avaliação, de reconhecimento das transações e variações patrimoniais, de estruturação das demonstrações contábeis e as informações mínimas a serem divulgadas em notas explicativas de entidade sem finalidade de lucros.

5 Introdução ALCANCE A entidade sem finalidade de lucros pode ser constituída sob a natureza jurídica de fundação de direito privado, associação, organização social, organização religiosa, partido político e entidade sindical. Aplicam-se à entidade sem finalidade de lucros os Princípios de Contabilidade e esta Interpretação. Aplicase também a NBC TG 1000 ou as (IFRS completas) naqueles aspectos não abordados por esta Interpretação.

6 Introdução ALCANCE Esta Interpretação aplica-se às pessoas jurídicas de direito privado sem finalidade de lucros, especialmente entidade imune, isenta, beneficente de assistência social. Esta Interpretação aplica-se também à entidade sindical e NÃO se aplica a Conselhos Federais, Regionais e Seccionais de profissões liberais, criados por lei federal, de inscrição compulsória, para o exercício legal da profissão.

7 Introdução

8 Importância da Auditoria nas Entidades s/ Fins Lucrativos A auditoria independente na contabilidade é obrigatória para entidades filantrópicas que arrecadam mais de R$ 2,4 milhões.(lei Federal nº /2009) Entretanto, independentemente desta obrigatoriedade, muitas Entidades sem fins lucrativos buscam firmas de auditoria para certificarem suas Demonstrações visando obter maior segurança em seus demonstrativos, transparência para com associados e doadores, maior garantia de atendimento aos requisitos legais, assim como suporte técnico em suas operações.

9 Importância da Auditoria nas Entidades s/ Fins Lucrativos Através de uma auditoria independente permanente, as Entidades sem fins lucrativos se beneficiam com: Exame da movimentação e saldos das principais contas de ativos, passivos e de resultados do período auditado; Análise de movimentações dos ativos imobilizados ocorridos no período; Exame da documentação comprobatória das operações selecionadas; Avaliação de controles internos existentes e de procedimentos contábeis adotados; Exame de procedimentos operacionais e legais na área de Recursos Humanos, Licitações e junto à Órgãos Fiscalizadores.

10 Check List de aplicação da ITG As receitas são reconhecidas, mensalmente, respeitando o regime de competência? Reconhecimento Sim Não N/A 2. As doações e subvenções recebidas para custeio e investimentos estão sendo reconhecidas como receita no resultado conforme disposto na NBC TG 07? Registros Contábeis Sim Não N/A 1. As contas de receitas e despesas estão sendo registradas de forma segregada, identificáveis por tipo de atividade? 2. Enquanto não atendidos os requisitos para reconhecimento no resultado, a contrapartida da subvenção, contribuição para custeio e investimento, bem como da isenção, incentivo fiscal registrados no ativo vem sendo registrado em conta especifica do passivo? 3. As receitas decorrentes de doação, contribuição, convênio, parceria, auxílio e subvenção através de convênios, editais, contratos, termos de parceiras e outros instrumentos, para aplicação específica, mediante constituição ou não de fundos, e as respectivas despesas vem sendo registradas em contas próprias, inclusive as patrimoniais, segregadas das demais contas da entidade? 4. Os benefícios concedidos a título de gratuidade estão sendo reconhecidos de forma segregada, destacando-se aqueles que devem ser utilizados em prestações de contas junto aos órgãos governamentais? 5. A constituição da provisão está mensurada em montante suficiente para cobrir as perdas esperadas, com base em estimativa de seus prováveis valores de realização e baixar os valores prescritos, incobráveis e anistiados?

11 Check List de aplicação da ITG 2002 Registros Contábeis Sim Não N/A 6. O valor do superávit ou déficit está sendo incorporado ao Patrimônio Social? 7. O Superávit, ou parte de que tenha restrição para aplicação, está sendo reconhecido em conta específica do Patrimônio Líquido? 8. A bolsa de estudo, concedida como gratuidade escolar, está sendo reconhecida pelo valor da mensalidade efetivamente praticada? 9. Os registros contábeis estão segregados de forma que permitam a apuração das informações para prestação de contas exigidas por órgãos governamentais e usuários em geral? 10. A dotação inicial disponibilizada pelo instituidor/fundador em ativo monetário ou não monetários, no caso das Fundações, está resgiatrada como doação patrimonial e reconhecida em conta do patrimônio social? 11. O trabalho voluntário está sendo reconhecido pelo valor justo da prestação do serviço como se tivesse ocorrido o desembolso financeiro? 12. A entidade vem aplicando a Seção 27 da NBC TG 1000 que trata da redução ao valor recuperável de ativos?

12 Check List de aplicação da ITG 2002 Demostrações Contábeis Sim Não N/A 1. A entidade elaborou o Balanço Patrimonial, a Demostração do Resultado, a DMPL e a DFC conforme previsto na seção 3 da NBC TG 1000? 2. No Balanço Patrimonial a denominação da conta "Capital" está substituída por "Patrimônio Social"? 3. Os termos "Lucros ou Prejuízos Acumulados" foram substituídos por "Superávit ou Déficit" no Balanço Patrimonial? 4. Na Demostração do Resultado, DMPL e DFC as palavras "lucro e prejuízo" foram substituídos por "superávit e déficit"? 5. Na demonstração do resultado, estão destacadas as informações de gratuidade concedidas e serviços voluntários obtidos, e divulgadas em notas explicativas por tipo de atividade? 6. Na demonstração dos fluxos de caixa, as doações dos associados estão classificadas nos fluxos das atividades operacionais?

13 Check List de aplicação da ITG 2002 Contas de Compensação Sim Não N/A 1. A entidade controla em conta de compensação transações referentes a isenções, gratuidades e outras informações para a melhor evidenciação contábil? (facultativo) Divulgações - A entidade divulga em Notas Explicativas, pelo menos as seguintes informações: Sim Não N/A 1.Foram informados o contexto operacional da entidade, incluindo a natureza social e econômica e os objetivos sociais? 2. Divulgou-se os critérios de apuração da receita e da despesa, especialmente com gratuidade, doação, subvenção, contribuição e aplicação de recursos? 3. As isenções tributárias relacionadas com a atividade estão sendo demonstradas como se a entidade não gozasse de isenção? 4. São divulgadas as subvenções recebidas pela entidade, a aplicação dos recursos e as responsabilidades decorrentes dessas subvenções? 5. A Entidade informou os recursos de aplicação restrita e as responsabilidades decorrentes destes? 6. Houve a divulgação dos recursos sujeitos a restrição ou vinculação por parte do doador?

14 Check List de aplicação da ITG 2002 Divulgações - A entidade divulga em Notas Explicativas, pelo menos as seguintes informações: Sim Não N/A 7. Caso tenham ocorrido, foram informados eventos subsequentes à data do encerramento do exercício que tenham, ou possam vir a ter, efeito relevante sobre a situação financeira e os resultados futuros da entidade? 8. Apresentou as taxas de juros, as datas de vencimento e as garantias das obrigações a longo prazo? 9. Relacionou informações sobre os seguros contratados? 10. Se entidade educacional de ensino superior evidenciou a adequação da receita com a despesa de pessoal, segundo parâmetros estabelecidos pela lei das Diretrizes e Bases da Educação e sua regulamentação; 11. Apresentou os critérios e procedimentos do registro contábil de depreciação, amortização e exaustão do ativo imobilizado, devendo ser observado a obrigatoriedade do reconhecimento com base em estimativa de sua vida útil ou econômica; 12. Segregou os atendimentos com recursos próprios dos demais atendimentos realizados pela entidade; 13. Apresentou todas as gratuidades praticadas de forma segregada, destacando aquelas que devem ser utilizadas na prestação de contas junto aos órgãos governamentais, apresentando dados quantitativos e qualitativos, ou seja, valores dos benefícios, número de atendidos, número de atendimentos, número de bolsistas com valores e percentuais representativos? 14. A entidade demostrou, comparativamente, o custo e o valor recebido quando este valor não cobrir os custos dos serviços prestados?

15 O reconhecimento do trabalho voluntário O Trabalho voluntário deve ser reconhecido pelo valor justo da prestação do serviço como se tivesse ocorrido o desembolso financeiro. D: Despesa - (correspondente à natureza do serviço consumido) C: Receita - (correspondente à gratuidade obtida)

16 A renúncia fiscal e sua apuração Enquanto não atendidos os requisitos para reconhecimento no resultado, a contrapartida da subvenção, de contribuição para custeio e investimento, bem como de isenção e incentivo fiscal registrados no ativo, deve ser em conta Específica do passivo. A renúncia fiscal relacionada com a atividade deve ser evidenciada nas demonstrações contábeis como se a obrigação devida fosse, por área de atuação; D Despesa c/ Contribuição Social - Cota Patronal, SAT, Autônomos etc. C Passivo Circulante CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS USUFRUÍDAS D Passivo Circulante CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS USUFRUÍDAS C Outras Receitas RECEITA - ISENÇÃO DE CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS

17 Possibilidade de lançamento do Custo atribuído item 21 da norma TERRENO IMOBILIZADO SIMULANDO LAUDO DE 10 MILHÕES TERRENO ,60 D IMOBILIZADO CONTA TERRENO CUSTO ATRIBUÍDO ( ATIVO NAO CIRCULANTE ) ,40 C PL - AJUSTE DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL ( PL ) IMOBILIZADO TERRENO CUSTO ATRIBUÍDO ,40 LANÇAMENTO DO IMPOSTO DIFERIDO APLICAR 34% (IR E CS) SOBRE O VALOR DO CUSTO ATRIBUÍDO SEPARADO PARA TERRENO INVESTIMENTO, TERRENO IMOBILIZADO E PRÉDIO IMOBILIZADO AJUSTE DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL C PASSIVO NAO CIRCULANTE IR E CS DIFERIDO TERRENO INVETIMENTO D PL AJUSTE DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL IR E CS DIFERIDO TERRENO INVETIMENTO

18 Principais Divulgações

19 Principais Divulgações

20 Principais Divulgações

21 Principais Divulgações

22 Principais Divulgações

23 Principais Divulgações

24 OBRIGADA!! Em caso de dúvidas, escreva-nos:

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS Índice Item CONTETO 1 6 ALCANCE 7 8 RECONHECIMENTO 9 10 REGISTROS CONTÁBEIS 11 22 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 23 25 CONTAS DE

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS OBJETIVO 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos de avaliação, de registro dos componentes e variações

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DA RESOLUÇÃO CFC No. 1.409/12 ITG 2002

INTERPRETAÇÃO DA RESOLUÇÃO CFC No. 1.409/12 ITG 2002 INTERPRETAÇÃO DA RESOLUÇÃO CFC No. 1.409/12 ITG 2002 NO CONTEXTO OPERACIONAL DEVE TER OS REQUISITOS QUE ENQUADRAM A ENTIDADE COMO SEM FINS LUCRATIVOS: A) pessoas jurídicas de direito privado sem finalidade

Leia mais

CONTABILIDADE E AUDITORIA CEBAS - EDUCAÇÃO ASPECTOS PRÁTICOS E ITG 2002

CONTABILIDADE E AUDITORIA CEBAS - EDUCAÇÃO ASPECTOS PRÁTICOS E ITG 2002 CONTABILIDADE E AUDITORIA CEBAS - EDUCAÇÃO ASPECTOS PRÁTICOS E ITG 2002 AGENDA Introdução Terceiro Setor Contabilidade Demonstrações Contábeis Auditoria Perguntas TERCEIRO SETOR TERCEIRO SETOR LEI 12.101/09

Leia mais

NOVA NORMA CONTÁBIL PARA TERCEIRO SETOR

NOVA NORMA CONTÁBIL PARA TERCEIRO SETOR NOVA NORMA CONTÁBIL PARA TERCEIRO SETOR O Conselho Federal de Contabilidade editou uma nova norma contábil para o terceiro setor. É a NBC ITG 2002/12. Com objetivo de orientar às entidades e seus contadores,

Leia mais

A RESOLUÇÃO CFC Nº 1409/12 REFLEXOS NA CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS

A RESOLUÇÃO CFC Nº 1409/12 REFLEXOS NA CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS NUTRINDO RELAÇÕES A RESOLUÇÃO CFC Nº 1409/12 REFLEXOS NA CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS APRESENTAÇÃO José Alberto Tozzi Adm. Empresas FGV MBA USP Mestre pela PUC-SP Instrutor de Gestão

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12. Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12. Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12 Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com fundamento no disposto na

Leia mais

Aspectos contábeis do Terceiro Setor. Outubro/2014

Aspectos contábeis do Terceiro Setor. Outubro/2014 Aspectos contábeis do Terceiro Setor Outubro/2014 Rafael Minotti FACILITADOR: Bacharel em Administração de Empresas, Contabilista, Proprietário da Ágere Soluções Empresariais empresa especializada em terceiro

Leia mais

Principais Rotinas para Encerramento de Balanço das Entidades sem Finalidade de Lucros

Principais Rotinas para Encerramento de Balanço das Entidades sem Finalidade de Lucros Realização: Apoio: Principais Rotinas para Encerramento de Balanço das Entidades sem Finalidade de Lucros Por Marcelo Monello e Jair Gomes de Araújo Março de 2013 Programa: 1. Considerações Iniciais; 2.

Leia mais

NBC T 10.16. Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações AUDIT

NBC T 10.16. Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações AUDIT NBC T 10.16 Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações AUDIT NBC T 10.16 - Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações Foco do seminário em: Conceito (conceituando

Leia mais

XV CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 26 a 28 de agosto de 2015 Bento Gonçalves-RS ÁREA 4 CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL E DO TERCEIRO SETOR

XV CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 26 a 28 de agosto de 2015 Bento Gonçalves-RS ÁREA 4 CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL E DO TERCEIRO SETOR 1 XV CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 26 a 28 de agosto de 2015 Bento Gonçalves-RS ÁREA 4 CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL E DO TERCEIRO SETOR ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA ITG 2002 ENTIDADE SEM FINS

Leia mais

Seminário. Contabilidade no Terceiro Setor (ITG 2002 na Contabilidade e Aspectos de Auditoria) Maio 2013. Fernando Fernand Cesar Rinaldi

Seminário. Contabilidade no Terceiro Setor (ITG 2002 na Contabilidade e Aspectos de Auditoria) Maio 2013. Fernando Fernand Cesar Rinaldi Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Demonstrações Contábeis Em 31

Leia mais

ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS Contabilidade

ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS Contabilidade ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS Contabilidade Sumário 1. Introdução 2. Conceito 3. Regras Aplicáveis 3.1 - Regime de Competência 4. Registros Contábeis 4.1 - Reavaliações do Imobilizado 4.2 - Depreciação,

Leia mais

Gestão Financeira e Contábil para o Terceiro Setor. Transparência, Prestação de Contas e Orçamento

Gestão Financeira e Contábil para o Terceiro Setor. Transparência, Prestação de Contas e Orçamento Gestão Financeira e Contábil para o Terceiro Setor Transparência, Prestação de Contas e Orçamento Reflexão Como acontece a Gestão Financeira e Contábil na minha Entidade? Gestão Assim, como nas entidades

Leia mais

31/03/2015. Aspectos contábeis aplicados ao Terceiro Setor: Escrituração e plano de contas

31/03/2015. Aspectos contábeis aplicados ao Terceiro Setor: Escrituração e plano de contas Aspectos contábeis aplicados ao Terceiro Setor: Escrituração e plano de contas 1 ITG 2000: Escrituração Contábil (Resolução CFC n 1.330/11) Objetivo: 1. Esta Interpretação estabelece critérios e procedimentos

Leia mais

No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação.

No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação. Gestão e Sustentabilidade para o 3 Setor Orientações Técnicas CONCEITOS No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação. Pessoa Jurídica:

Leia mais

CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (CEBAS)

CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (CEBAS) CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (CEBAS) XIII Oficina de Conhecimento Terceiro Setor: Gestão e Sustentabilidade Goiânia, 09/10/12 Wagner Nogueira da Silva Advogado OAB/GO 14.374

Leia mais

ESPECIAIS AGRADECIMENTOS

ESPECIAIS AGRADECIMENTOS Resolução 1.409/12 - ITG 2002 1 Resolução 1.409/12 - ITG 2002 ESPECIAIS AGRADECIMENTOS 2 1 Cursos da Inicial Treinamentos pontuados pelo CFC Curso de atualização em IFRS 40 Hs Finanças Aplicada aos Aspectos

Leia mais

Seminário. Terceiro Setor: Como Demonstrar as Contas por Atividade para Atendimento à Lei do CEBAS. Maio 2013

Seminário. Terceiro Setor: Como Demonstrar as Contas por Atividade para Atendimento à Lei do CEBAS. Maio 2013 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Estado do Pará MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO CONJUNTO Nº 010/2015-MP/PGJ/CGMP

Estado do Pará MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO CONJUNTO Nº 010/2015-MP/PGJ/CGMP PROVIMENTO CONJUNTO Nº 010/2015-MP/PGJ/CGMP Define os documentos e modelos de demonstrações contábeis exigidos para prestação de contas finalística das entidades do terceiro setor sujeitas ao velamento

Leia mais

FUNDAÇÃO LAR HARMONIA CNPJ: 00.405.171/0001-09 NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013

FUNDAÇÃO LAR HARMONIA CNPJ: 00.405.171/0001-09 NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 FUNDAÇÃO LAR HARMONIA CNPJ: 00.405.171/0001-09 NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 I- OBJETIVOS DA ENTIDADE E CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Lar Harmonia

Leia mais

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 José Félix de Souza Júnior Objetivo e Alcance Deve ser aplicado na contabilização e na divulgação de subvenção governamental

Leia mais

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$)

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) ATIVO 2012 2011 PASSIVO E PATRIMONIO SOCIAL 2012 2011 CIRCULANTE 41.213,54 37.485,00 CIRCULANTE 12.247,91 11.914,91 EQUIVALENCIA DE

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE CENÁRIO ANTERIOR Gestão Dívida Financeira Pública ORÇAMENTO PUBLICO Contabilidade Receita e Despesa Demonstrativos Contábeis:

Leia mais

Demonstrações Contábeis Obrigatórias

Demonstrações Contábeis Obrigatórias Demonstrações Contábeis Obrigatórias 1.Introdução As demonstrações contábeis são os meios pelos quais as empresas e as demais entidades informam à sociedade as condições de seu patrimônio. A legislação

Leia mais

RELATÓRIO DA CÂMARA TÉCNICA Nº. 06/13

RELATÓRIO DA CÂMARA TÉCNICA Nº. 06/13 Brasília, 21 de março de 2013. RELATÓRIO DA CÂMARA TÉCNICA Nº. 06/13 Origem: Valdir Coscodai. Interessado: Valdir Coscodai. Assunto: Consulta sobre o reconhecimento das receitas de doações e subvenções

Leia mais

PRINCIPAIS REFLEXOS CONTÁBEIS DA NOVA LEI DA FILANTROPIA ENTIDADES BENEFICENTES (Lei Federal nº 12.101/09) Autores: Ivan Pinto Ricardo Monello

PRINCIPAIS REFLEXOS CONTÁBEIS DA NOVA LEI DA FILANTROPIA ENTIDADES BENEFICENTES (Lei Federal nº 12.101/09) Autores: Ivan Pinto Ricardo Monello PRINCIPAIS REFLEXOS CONTÁBEIS DA NOVA LEI DA FILANTROPIA ENTIDADES BENEFICENTES (Lei Federal nº 12.101/09) Autores: Ivan Pinto Ricardo Monello No dia 30 de novembro de 2009 foi publicado no Diário Oficial

Leia mais

Palestra. Terceiro Setor - Contabilidade e Aspectos Tributários. Julho 2013. Elaborado por: Giovana Garcia Firmino

Palestra. Terceiro Setor - Contabilidade e Aspectos Tributários. Julho 2013. Elaborado por: Giovana Garcia Firmino Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

PRÁTICAS CONTÁBEIS E PRESTAÇÕES DE CONTAS APLICÁVEIS A ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR ITG 2002

PRÁTICAS CONTÁBEIS E PRESTAÇÕES DE CONTAS APLICÁVEIS A ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR ITG 2002 PRÁTICAS CONTÁBEIS E PRESTAÇÕES DE CONTAS APLICÁVEIS A ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR ITG 2002 1 Linha do tempo 1935 Lei 91 regras para as sociedades declaradas de utilidade 1961 Decreto 50.517- declaração

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Diretores, Conselheiros e Associados da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA MONTE AZUL SÃO PAULO SP 1. Examinamos o Balanço Patrimonial da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA MONTE AZUL,

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.159, de 13/02/2009 DOU 1 de 04/03/2009 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº 11.638/07 e MP

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/2014 e 31/12/2013

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/2014 e 31/12/2013 Registro no Cartório de Títulos e Documentos em 02/10/1934. Sob o nº 1.152, Livro "A" nº 6. BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/2014 e 31/12/2013 2014 2013 Variação ATIVO ATIVO CIRCULANTE Caixa - - - Banco do

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores

Leia mais

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social Associação Fundação Privada Associação Sindical Partidos Políticos (1) renúncia fiscal Subvencionada 1 Entidades

Leia mais

Auditoria das Demonstrações Contábeis das Fundações no ES.

Auditoria das Demonstrações Contábeis das Fundações no ES. VIII ENCONTRO DE AUDITORES E PERITOS DO ES Auditoria das Demonstrações Contábeis das Fundações no ES. Klaus Xavier de Oliveira. Auditoria das Demonstrações Contábeis das Fundações no ES As opiniões ou

Leia mais

Cartilha Contábil de apoio

Cartilha Contábil de apoio Cartilha Contábil de apoio Conteúdo Introdução... 3 A Cartilha... 4 Receita Operacional... 5 Receitas de mensalidades / semestralidades / anuidades... 5 Outros serviços educacionais... 5 Subvenções para

Leia mais

Associação Arte Despertar Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes

Associação Arte Despertar Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes PricewaterhouseCoope~ Av. Francisco Matarauo, 1400 Torre Torino Caixa

Leia mais

Auditoria Externa do Terceiro Setor

Auditoria Externa do Terceiro Setor Auditoria Externa do Terceiro Setor 24 de setembro de 2004 AUDIT 2004 KPMG Auditores Independente, é uma sociedade brasileira simples, membro da KPMG International, uma coorperativa suíça. Obrigatoriedade

Leia mais

Instituto Acaia Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

Instituto Acaia Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis Aos Administradores Instituto Acaia Examinamos

Leia mais

Demonstrações Contábeis referente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2005 e Parecer dos Auditores Independentes

Demonstrações Contábeis referente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2005 e Parecer dos Auditores Independentes CENTRO ESPÍRITA NOSSO LAR CASAS ANDRÉ LUIZ CNPJ 62.220.637/0001-40 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores membros do Conselho Deliberativo e do Conselho Fiscal: o Conselho Diretor submete à apreciação de

Leia mais

Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2012 Acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2012 Acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2012 Acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA - FUNEPU CNPJ 20.054.326/0001-09 BALANÇO PATRIMONIAL PARA

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013, COMPARATIVAS AO EXERCÍCIO FINDO EM 31.12.2012

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013, COMPARATIVAS AO EXERCÍCIO FINDO EM 31.12.2012 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013, COMPARATIVAS AO EXERCÍCIO FINDO EM 31.12.2012 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013. CONTEÚDO I. RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL MISSAO AMOR CNPJ:

BALANÇO PATRIMONIAL MISSAO AMOR CNPJ: Folha 20 BALANÇO PATRIMONIAL MISSAO AMOR Demontrações Contabeis em 31 de Dezembro de 2009 2008 MISSAO AMOR Demontrações Contabeis em 31 de Dezembro de (Valores expressos em milhares de reais) 2009 2008

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO ATIVO R$ CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 Disponibilidades 1.222.288,96 946.849,34 Mensalidades a receber 4.704.565,74 4.433.742,86 Endosso para terceiros 1.094.384,84

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL CRECHE COMUNITARIA CRIANÇA ESPERANÇA CNPJ:

BALANÇO PATRIMONIAL CRECHE COMUNITARIA CRIANÇA ESPERANÇA CNPJ: Folha 53 BALANÇO PATRIMONIAL CRECHE COMUNITARIA CRIANÇA ESPERANÇA Demontrações Contabeis em 31 de Dezembro de 2009 2008 CRECHE COMUNITARIA CRIANÇA ESPERANÇA Demontrações Contabeis em 31 de Dezembro de

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC TE 11 para ITG 2001 e de outras normas citadas: de NBC T 19.27 para NBC TG 26; de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL.

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

NEATS NÚCLEO DE ESTUDOS AVANÇADOS DO TERCEIRO SETOR

NEATS NÚCLEO DE ESTUDOS AVANÇADOS DO TERCEIRO SETOR NEATS NÚCLEO DE ESTUDOS AVANÇADOS DO TERCEIRO SETOR 1 APRESENTAÇÃO José Alberto Tozzi Adm. Empresas FGV MBA USP Mestre pela PUC-SP Instrutor de Gestão Financeira do GESC Instrutor do Curso de Contabilidade

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL CRECHE LAR DOS INOCENTES CNPJ:

BALANÇO PATRIMONIAL CRECHE LAR DOS INOCENTES CNPJ: Folha 47 BALANÇO PATRIMONIAL CRECHE LAR DOS INOCENTES Demontrações Contabeis em 31 de Dezembro de 2009 2008 CRECHE LAR DOS INOCENTES Demontrações Contabeis em 31 de Dezembro de (Valores expressos em milhares

Leia mais

6º Congresso Brasileiro de Contabilidade e Direito do Terceiro Setor

6º Congresso Brasileiro de Contabilidade e Direito do Terceiro Setor 6º Congresso Brasileiro de Contabilidade e Direito do Terceiro Setor 16 de setembro de 2005 AUDIT 2005 KPMG Auditores Independente, é uma sociedade brasileira simples, membro da KPMG International, uma

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Av. Queiroz Filho, 1700 6 andar - 608 Sunny Tower Torre D 05319-000 - São Paulo SP Brasil Tel: (11) 3862-1844 Fax: (11) 3873-7342 sgs@sgsauditores.com.b r www.sgsauditores.com.b r RELATÓRIO DOS AUDITORES

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores

Leia mais

Isenção Previdenciária das Entidades Beneficentes. Adriana Gomes Rêgo

Isenção Previdenciária das Entidades Beneficentes. Adriana Gomes Rêgo Isenção Previdenciária das Entidades Beneficentes Adriana Gomes Rêgo Subtemas A certificação de entidade beneficente concedida pelos Ministérios da Educação, Saúde e Desenvolvimento Social, traduz na isenção

Leia mais

Nova Lei de Filantropia

Nova Lei de Filantropia Nova Lei de Filantropia A nova Lei da Filantropia e seus aspectos preponderantes para a Assistência Social e o Conselho Municipal de Assistência Social Títulos Públicos Existentes (Federal) TÍTULOS Nº

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

$VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV

$VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV $VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 3DUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 17 de janeiro de 2003 Aos Administradores

Leia mais

NBC T 2 Da Escrituração Contábil NBC T 2.2 Da Documentação Contábil

NBC T 2 Da Escrituração Contábil NBC T 2.2 Da Documentação Contábil A CONTABILIDADE DO TERCEIRO SETOR Júlio César Zanluca - Contabilista Chama-se terceiro setor as organizações não governamentais (sigla ONG), que não têm finalidade de lucro, mas congregam objetivos sociais,

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE - FERJ BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos em Reais. ATIVO Notas 2010 2009

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE - FERJ BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos em Reais. ATIVO Notas 2010 2009 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2010 2009 CIRCULANTE Caixa e bancos 422.947 20.723 Contas a receber 4 698.224 903.098 Outras contas a receber 5 3.304.465 121.908 Estoques 14.070

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

CAU - PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Paraná CNPJ: 14.804.099/0001-99

CAU - PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Paraná CNPJ: 14.804.099/0001-99 Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Paraná CNPJ: 14.804.099/0001-99 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE Especificação CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A CURTO PRAZO Atual

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL CRECHE LAR DAS CRIANÇAS SSVP CNPJ:

BALANÇO PATRIMONIAL CRECHE LAR DAS CRIANÇAS SSVP CNPJ: Folha 51 BALANÇO PATRIMONIAL CRECHE LAR DAS CRIANÇAS SSVP CNPJ: 19.714.203/000178 Demontrações Contabeis em 31 de Dezembro de 2009 2008 CRECHE LAR DAS CRIANÇAS SSVP CNPJ: 19.714.203/000178 Demontrações

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes 21 de março de 2003

Leia mais

WRM Auditoria e Consultoria Ltda. - CNPJ (MF) 00.164.845/0001/12.

WRM Auditoria e Consultoria Ltda. - CNPJ (MF) 00.164.845/0001/12. Lins (SP), 12 de Março de 2.010. À SOCIEDADE DE PROMOÇÃO SOCIAL DO FISSURADO LÁBIO- PALATAL - PROFIS Rua Silvio Marchione 3-55 Bauru SP. ILMO.SR. Diretor - Presidente Encaminhando em anexo, o Relatório

Leia mais

Demonstrações Financeiras Instituto Walmart

Demonstrações Financeiras Instituto Walmart Demonstrações Financeiras Instituto Walmart com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras... 1 Demonstrações

Leia mais

O Sistema de contabilidade para Organizações do terceiro setor

O Sistema de contabilidade para Organizações do terceiro setor O Sistema de contabilidade para Organizações do terceiro setor Evidenciar é uma palavra imprescindível ao mundo dos negócios em que se alinha por todo o mundo, devido seu tamanho de proporções universais

Leia mais

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2006 E DE 2005 E RELATÓRIO SOBRE A REVISÃO LIMITADA A BDO International é

Leia mais

Demonstrações Financeiras Turma do Bem

Demonstrações Financeiras Turma do Bem Demonstrações Financeiras Turma do Bem com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras... 1 Demonstrações

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

Instituto Social Sotreq - ISSO Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

Instituto Social Sotreq - ISSO Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Mantenedores Instituto

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 NOTA 01- Contexto Operacional: SIMPROEL Sindicato Municipal dos Profissionais em Educação de Lages - SC Fundado em 17/12/1997,

Leia mais

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes 18

Leia mais

PRÁTICAS CONTÁBEIS E PRESTAÇÕES DE CONTAS APLICÁVEIS A ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR

PRÁTICAS CONTÁBEIS E PRESTAÇÕES DE CONTAS APLICÁVEIS A ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR PRÁTICAS CONTÁBEIS E PRESTAÇÕES DE CONTAS APLICÁVEIS A ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR 1 Organização Jurídica Código Civil Brasileiro (Lei nº 10.406/02 e alterações): Art. 44. São pessoas jurídicas de direito

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas.

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01 Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR E REGIME TRIBUTÁRIO PROF. SERGIO MONELLO

ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR E REGIME TRIBUTÁRIO PROF. SERGIO MONELLO ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR E REGIME TRIBUTÁRIO PROF. SERGIO MONELLO 08/10/2013 Para as desonerações tributárias, as entidades podem ser divididas em dois campos: 1) as imunes 2) as isentas 2 IMUNIDADE

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

0,00 0,00 CONTAS A RECEBER TERCEIROS 68.197,37 38.637,80 CONTAS A RECEBER CONTRIBUINTES 0,00 0,00 CONTAS A RECEBER ASSOCIADOS

0,00 0,00 CONTAS A RECEBER TERCEIROS 68.197,37 38.637,80 CONTAS A RECEBER CONTRIBUINTES 0,00 0,00 CONTAS A RECEBER ASSOCIADOS FUNDAÇÃO HERMON CONSOLIDADO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 Srs.Instituidores e Contribuintes: Atendendo disposições legais e estatutárias, submetemos a apreciação de V.Sas., o Balanço

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DLPA DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS A DLPA expõe as variações ocorridas, durante o exercício, na conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. Ela pode ser incluída na DMPL Demonstração das Mutações

Leia mais

*Aguardando a análise do pedido de renovação cujo processo é o de nº 25000.100628/2013-68

*Aguardando a análise do pedido de renovação cujo processo é o de nº 25000.100628/2013-68 inovdesign Nota 1 - Contexto Operacional A SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE DIADEMA foi constituída sob a forma de Associação Civil, de natureza filantrópica para fins não econômicos, que tem por finalidade

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

À ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS DE RIBEIRÃO PRETO - APAE

À ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS DE RIBEIRÃO PRETO - APAE Ribeirão Preto, 20 de maio de 2015. À ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS DE RIBEIRÃO PRETO - APAE Ribeirão Preto - SP. Atenção do Senhor Celso Fujioka Diretor Financeiro Prezados Senhores Apresentamos

Leia mais

SPDM - Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Programa de Atenção Integral à Saúde

SPDM - Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Programa de Atenção Integral à Saúde SPDM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE HOSP. REG. ARARANGUÁ CNPJ: 61.699.567/0046-94 ATIVO ATIVO 150.625.013,80 4.740.295,80 4.814.640,18 150.550.669,42 ATIVO CIRCULANTE 44.127.467,31 4.728.393,33

Leia mais

AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE. Jackson

AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE. Jackson AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE 1 Jackson Auditoria É um conjunto de técnicas que devem ser aplicadas, para permitir ao auditor emitir uma opinião sobre a razoabilidade das demonstrações contábeis

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SAÚDE CRIANÇA FLORIANÓPOLIS

ASSOCIAÇÃO SAÚDE CRIANÇA FLORIANÓPOLIS ASSOCIAÇÃO SAÚDE CRIANÇA FLORIANÓPOLIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E DE 2011 ACOMPANHADAS DO RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONTEÚDO: Relatório

Leia mais

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015 Escrituração Contábil Fiscal - ECF Me. Fábio Luiz de Carvalho Varginha-MG, 31.julho.2015 Causa & Efeito A Lei n. 11.638/07 combinada com os Pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis

Leia mais

Pro-Bem Assessoria e Gestão Criança

Pro-Bem Assessoria e Gestão Criança Pro-Bem Assessoria e Gestão Criança Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Exercício findo em 31 de dezembro de 2014 (Em Reais) 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Pró-Bem é pessoa jurídica de direito privado,

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA

ASSOCIAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA ASSOCIAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 ASSOCIAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Seminário Contabilidade do Terceiro Setor de acordo com as Novas Normas

Seminário Contabilidade do Terceiro Setor de acordo com as Novas Normas Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais