CONGLOMERADO ALFA CONGLOMERADO FINANCEIRO ALFA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONGLOMERADO ALFA CONGLOMERADO FINANCEIRO ALFA"

Transcrição

1 CONGLOMERADO FINANCEIRO ALFA Monitoramento de R a t i n g A LFRating comunica ao Banco Alfa S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 4 de junho de 2009, foi confirmada a nota atribuída ao referido banco no Relatório de Rating emitido em 11 de maio de A confirmação está baseada na avaliação dos aspectos econômico-financeiros do Grupo ALFA relativos ao primeiro trimestre de, assim como nas demais informações que temos conhecimento até o momento da divulgação deste Relatório, cujos principais pontos descrevemos a seguir. Junho de dados do exercício de

2 Tel.: CONJUNTURA NACIONAL - EXERCÍCIO DE 1 Embora a economia brasileira tenha revelado um desempenho bastante promissor durante o primeiro semestre de, a partir de meados de setembro, após a falência do Lehman Brothers, o ambiente de incertezas e de alta volatilidade que já afetava os mercados financeiros internacionais rapidamente se deteriorou e logo passou a impactar mais fortemente o sistema financeiro brasileiro, contaminando em seguida toda nossa economia. 2 Assim, os números alcançados até junho não se repetiram no segundo semestre. Apesar disso, no encerramento do exercício de, a taxa de inflação medida pelo IPCA ficou em 5,9% (3,6% até junho e 4,5% em 2007), a taxa de juros foi fixada em 13,75% (13% em junho e 11,25% em dez.07) e a taxa de conversão do real frente ao dólar cresceu para R$ 2,30 (R$ 1,59 em junho e R$ 1,77 em dez.07), consequência, principalmente, do elevado grau de incertezas então dominante. 3 Nesse contexto, o comércio exterior encerrou o ano com exportações de US$ 198,0 bilhões (+23%), importações de US$ 173,2 bilhões (+43,6%) e saldo comercial de US$ 24,8 bilhões (US$ 40,0 bilhões em 2007); a produção industrial acumulada cresceu 3,1% (6,0% em 2007); o PIB alcançou US$ bilhões, com evolução de 5,1 % sobre o de 2007, e as operações de empréstimo do sistema financeiro nacional atingiram R$ bilhões, com aumento de 32% sobre o volume operado em O satisfatório desempenho anual da economia brasileira foi, no entanto, suportado basicamente pelo bom resultado acumulado até agosto, pois à medida que o final do ano se aproximava novos fatos revelavam um crescente e indefinido volume de perdas no mercado norte-americano, provocadas pelas operações no subprime. Assim, a crise evoluiu, envolveu novas instituições e se alastrou pela Europa. Nesse contexto, instaurou-se, também no Brasil, um processo crescente e generalizado de incertezas (quase pânico), contaminando ainda o lado real da economia e provocando, em paralelo, o tradicional movimento de capitais conhecido como fly to quality. 5 A análise dos números relativos ao último trimestre do ano, quando se conviveu com alta volatilidade, drástico aperto de liquidez e consequentes impactos negativos em todos os segmentos de atividade, retratou esse quadro, desenhando um panorama para a economia nacional bastante pessimista. Como é natural em períodos de crise, foram constantes as notícias, muitas delas alarmistas, envolvendo quebra de instituições, corte de produção, demissões, forte contração das operações de crédito e de prazos, inadimplência, queda generalizada de vendas e de preços de ativos, de ações, de commodities, etc.. Vale ressaltar que, refletindo essa situação, o último trimestre do ano, comparado com o período julho/setembro, mostrou queda de 9,4% na produção industrial e de 22% nas exportações. 6 Apesar de tudo, as autoridades monetárias dos países mais afetados agiram rapidamente, injetando dinheiro novo na economia e adotando medidas paralelas com o objetivo de minimizar riscos de insolvência e, principalmente, restabelecer a confiança no sistema financeiro. Embora o sistema bancário brasileiro não tenha participado das operações do subprime, verdadeira origem da crise, para evitar desdobramentos nocivos nossas autoridades monetárias também agiram, promovendo alterações nas normas regulamentares do BACEN e nos modelos regimentais das instituições controladas pelo Governo Federal, especialmente Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e BNDES, o que injetou maior grau de confiança no mercado financeiro, tranquilizou a sociedade e, ao mesmo tempo, fortaleceu as instituições financeiras, que afinal demonstraram saúde suficiente para superar os momentos mais críticos da crise. 2/13

3 Tel.: 7 Ainda que não haja possibilidade de se arriscar uma projeção confiável para a evolução da economia mundial em 2009, tornou-se evidente que seu desempenho dificilmente será positivo. Uma vez que a economia americana está em recessão, uma grande parte de suas principais empresas está debilitada e/ou necessitando de ajuda e as principais economias européias também evidenciam indícios de declínio, não se acredita que a China possa sustentar, isoladamente, um cenário mundial positivo. Por outro lado, não há, no momento, elementos para estimar por quanto tempo os efeitos da tempestade irão perdurar. 8 Em consequência, espera-se que o ano de 2009 não seja brilhante também para as atividades internas. As projeções iniciais, sensivelmente mais complexas nesses períodos, indicam que o desempenho de nossa economia para este ano está fortemente comprometido: PIB, otimisticamente, crescendo na faixa de 0,2%, desemprego em alta (8,5% da PEA), inflação (IPCA) em torno de 4,4%, câmbio (sob intenso e permanente controle do BACEN) próximo a R$2,00/US$1,00, taxa de juros fixada em 9,25% e operações totais de crédito próximas a R$ 1,3 trilhão. O comércio exterior, com as grandes economias em recessão e os preços de nossas commodities em queda, deverá declinar, com possibilidade de apurarmos um saldo comercial de no máximo US$ 15 bilhões, mas a conta corrente, que contabiliza também os serviços (remessa de juros, dividendos, lucros, royalties, etc.), deve registrar elevado déficit. Ressalte-se, no entanto, que, em vista de uma conjuntura internacional fortemente debilitada, caso essa performance se realize não deve ser considerada de todo ruim. 9 Neste cenário, acredita-se que as instituições financeiras adotem posições cautelosas, mantenham rigoroso controle de custos, nível de liquidez adequado e sustentem suas operações de crédito sob uma austera política de concessão, decisões seletivas, fortes garantias, prazos reduzidos e rígido acompanhamento da carteira. A inadimplência deve elevar-se e oscilar entre 6,0% e 7,0%, passando a prejudicar o desempenho das carteiras de crédito e, por conseguinte, a rentabilidade das instituições. PRINCIPAIS EVENTOS NÃO CONTÁBEIS 1 O ALFA conduz suas operações no contexto de um conjunto integrado de instituições que atuam no mercado financeiro e certas operações têm a participação ou a intermediação de instituições financeiras associadas. Assim, as atividadesdo Conglomerado incluem, principalmente, carteiras de crédito, financiamento e arrendamento mercantil alem da administração de fundos de investimentos, distribuição e corretagem de cambio e valores mobiliarios 2 Seu risco de mercado está relacionado à probabilidade de perda decorrente dos impactos de flutuações de preços e taxas de mercado, sobre as posições ativas e passivas da carteira própria. De acordo com sua filosofia, o ALFA adota política conservadora, sendo a estratégia e os limites de VaR definidos pelo Comitê Estratégico de Gestão de Risco de Mercado. Seu monitoramento é executado diariamente por área independente à gestão das carteira e utiliza métodos e modelos estatísticos e financeiros desenvolvidos de acordo com a realidade do mercado. A metodologia para apuração do VaR é baseada em modelo paramétrico, com intervalo de confiança de 99% para o horizonte de tempo de um dia, sendo as volatilidades calculadas pela metodologia EWMA, com a utilização de lambda de 0,94. Além disso, o Banco adota parâmetros de risco acumulado mensal e situações de stress, onde são elaborados cenários históricos e hipotéticos para as taxas de mercado. As informações para elaboração das 3/13

4 Tel.: curvas de mercado são obtidas via boletins da BMFBOVESPA. Em conformidade com a Res do BACEN, são também calculados diariamente os valores exigidos de capital para cobertura das exposições ao risco de mercado,. O ALFA disponibiliza a descrição de sua estrutura de gerenciamento de risco de mercado no site 3 Com o objetivo de analisar o comportamento dos diversos mercados (juros, dólar e bolsas, domésticos e internacionais), avaliar o risco de liquidez, definir as estratégias do dia e programar o fluxo de caixa das empresas financeiras, o Comitê de Caixa reúne-se diariamente, antes do início das operações. Órgão encarregado de executar o controle e a estratégia de liquidez, o Comitê de Caixa gerencia o risco de liquidez, concentrando sua carteira em ativos de alta qualidade e de grande liquidez. A finalidade é monitorar as posições on-line e efetuar o casamento das operações, levando em conta moedas e prazos. Em complemento, são utilizados também fluxos de caixa projetados, onde são adotadas premissas de fluxo de vencimento das operações financeiras, fluxo de caixa de despesas, nível de atraso das carteiras, antecipação de passivos, etc. 4 A gestão do risco de crédito do Banco, decorrente da possibilidade de perda devido ao não recebimento, de contrapartes ou de credores, de valores contratados, tem por objetivo preservar a integridade e a independência dos processos e orientar o gerenciamento do risco. Esse processo implica em rigoroso controle das análises e do acompanhamento das operações efetuadas. Os princípios adotados, além de recomendarem segurança, qualidade e liquidez dos recursos aplicados, buscam agilidade e rentabilidade dos negócios, minimizando o risco das operações. Ao mesmo tempo, determinam os limites operacionais e os parâmetros utilizados na concessão do crédito. Nesse processo, assumem papel importante o Departamento de Análise de Crédito e o Comitê de Crédito, que deliberam negócios acima das alçadas dos Superintendentes Regionais. Com isso, atestam elevado grau de segurança na concessão de crédito, atividade essencial no dia a dia do Banco. A análise das operações de menor valor, que requer velocidade e baixo custo operacional, é realizada de forma sistemática e automatizada por atribuição de rating e perfil na modelagem de score. 5 A administração do risco operacional tem por objetivo identificar, avaliar e monitorar os riscos, conceituados na Res do BACEN e a conseqüente adoção de medidas preventivas. Seu objetivo é resguardar a imagem de integridade e correção da instituição perante a comunidade, acionistas, colaboradores e autoridades reguladoras, gerando, em contrapartida, os benefícios derivados da boa gestão destes riscos. O gerenciamento do risco operacional está sob a responsabilidade do departamento de Gestão de Riscos, setor ligado diretamente à Diretoria de Controladoria. Além de coordenar as atividades desse processo, essa unidade desempenha a função de divulgar a cultura de prevenção ao risco operacional em todas as empresas do Grupo. É sua responsabilidade comunicar ao Comitê de Controles de Risco Operacional a apuração de falhas e a correspondente solução. Todas as decisões desse comitê são registradas em ata e encaminhadas diretamente à Presidência e ao Conselho de Administração do Grupo. A descrição da estrutura de gerenciamento de risco operacional do ALFA está disponível no site 6 A Res do BACEN, acima referida, dispõe sobre a implementação da estrutura de gerenciamento do risco operacional a ser seguida pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo BACEN. A norma enfatiza que essa estrutura deve ser compatível com a natureza e a complexidade dos produtos, serviços, atividades, processos e sistemas operacionalizados pela instituição e define como risco operacional a possibilidade de 4/13

5 Tel.: a ocorrência de perdas resultantes de falha, deficiência ou inadequação de processos internos, pessoas e sistemas, ou de eventos externos. Essa definição também considera risco operacional aqueles associados à inadequação ou deficiência em contratos firmados pela instituição, bem como as sanções em razão de descumprimento de dispositivos legais e a indenização por danos a terceiros decorrentes das atividades desenvolvidas pela instituição. 7 Entre os eventos elencados pela referida resolução como risco operacional, incluem-se os seguintes: fraudes internas, fraudes externas, demandas trabalhistas, segurança deficiente do local de trabalho, práticas inadequadas relativas a clientes, produtos e serviços; danos a ativos físicos próprios ou em uso pela instituição, problemas que acarretem a interrupção das atividades da instituição, defeitos nos sistemas de tecnologia da informação, falhas na execução, cumprimento de prazos e gerenciamento das atividades na instituição. DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO - PRIMEIRO TRIMESTRE / 1 Com o objetivo de possibilitar uma adequada análise do conjunto de instituições integrantes do Conglomerado Financeiro Alfa, estamos utilizando em nossa análise as demonstrações financeiras combinadas, que consolidam os demonstrativos individuais das seguintes empresas: Banco Alfa S.A., Financeira Alfa S.A. - Crédito, Financiamento e Investimentos e Banco Alfa de Investimento S.A. e suas empresas controladas diretas e indiretas com os correspondentes percentuais de participação: Alfa Arrendamento Mercantil S.A. 99,8%, Alfa Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S.A. 60,3% e BRI Participações Ltda. 99,5%. As demonstrações combinadas foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas e em conformidade com as normas do BACEN, da CVM e do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 2 Durante o exercício de, os Ativos do Banco cresceram 11%, atingiram o patamar de R$ 15 bilhões e colocaram o ALFA na décima sétima posição entre os maiores bancos nacionais em volume de Ativos. Considerando-se o critério Depósitos, sua carteira avançou 34%, elevou-se a R$ 4,4 bilhões e classificou o Banco na décima quinta posição. Em relação às Receitas Financeiras, registrou-se uma evolução de 5% em, o que elevou seu valor para R$ 2,9 bilhões, posicionando o Banco na décima sétima colocação. EVOLUÇÃO DAS CONTAS ATIVAS DEZ/04 DEZ/05 DEZ/06 DEZ/07 DEZ/08 APLIC. INTERFINANCEIRAS OPERAÇÕES DE CRÉDITO OUTROS ATIVOS TÍTULOS E DERIVATIVOS OUTROS CRÉDITOS 3 No encerramento do exercício de, o valor dos Títulos e Derivativos do Banco pouco se alterou em relação à posição contabilizada em No entanto, em consequência do crescimento de outras contas ativas, em termos relativos perdeu posição, regrediu de 46% para 41% e passou a posicionar-se agora, como a segunda maior conta ativa. Historicamente cauteloso, no encerramento do ano o ALFA manteve uma parcela equivalente a 89% dos TVMs lastreada 5/13

6 Tel.: em títulos federais (LFT, NTN e NTN), diversificando o restante da carteira em notas promissórias (3%), debêntures (2%) e cotas de fundos de investimento em direitos creditórios (3%). Levando-se em conta prazos de realização, os Títulos e Derivativos mostraram a seguinte configuração: 1% vencia em até três meses, 17% vencia entre três e doze meses, 60% entre um e três anos e os 22% restantes em prazo superior a três anos. 4 Em dez.08, as Operações de Crédito evoluíram 20% sobre a posição contabilizada em Esse desempenho elevou sua participação de 44% para 48% do ativo e com isso as operações de crédito voltaram à posição de maior canal de aplicação de recursos do ALFA. Nessa data, o Banco direcionava 0,6% das operações ao setor público, aplicando o restante junto a indústrias (38,4%), empresas de serviços (13,3%), comércio (9,9%), pessoas físicas (30,3%), instituições financeiras (7,3%) e atividades rurais (0,2%). 5 Em termos de prazo, enquanto 0,2% da carteira estavam vencidos, 52% venciam no curto prazo (35% em até seis meses e 17% entre seis e doze meses) e 48% em período superior a um ano. Quanto à classificação de risco (Res do BACEN), 46% das operações estavam relacionadas no nível, 34% no nível A, 15% no nível B, 4% no nível C e apenas 1% em níveis inferiores. Levando-se em conta concentração (vide tabela ao lado), o maior tomador, uma empresa do segmento de química/ petroquímica, possuía um risco de 2,7% da carteira, os vinte maiores 29,4%, os cinquenta maiores 43,1% e os cem maiores 54,1%. No conjunto, observa-se um satisfatório posicionamento. 6 Na vertente das contas Passivas, a exemplo do comportamento de anos anteriores, verificamos uma saudável diversificação de captação de fundos. Assim, os Depósitos, tradicional e importante fonte de recursos, evoluíram 34% sobre dez.07 e passaram a contribuir com 30% das captações. A carteira de depósitos permanecia fortemente concentrada em CDBs (89% do total) e o maior aplicador contribuía com 9% da carteira, os vinte maiores com 37%, os cinquenta com 47% e os cem maiores com 53% EVOLUÇÃO DAS CONTAS PASSIVAS MAIORES TOMADORES SETOR DE ATIVIDADE % Química e Petroquímica 2,7 Celulose e Papel 2,6 Indústria de Combustível 2,3 Indústria Automotiva 2,0 Serviços - Logística 2,0 Trading 1,6 Elétricos e Eletrônicos 1,6 Siderurgia e Metalúrgica 1,6 Indústria de Combustível 1,6 Energia Elétrica 1,5 Elétricos e Eletrônicos 1,5 Contrução Civil 1,1 Telecomunicações 1,1 Instituição Financeira 1,0 Comércio Varejista 0,9 Comércio de Bebidas 0,9 Telecomunicações 0,9 Instituição Financeira 0,9 Contrução Civil 0,8 Indústria de Combustível 0,8 ACUMULADO 20 MAIORES 29, DEZ/04 DEZ/05 DEZ/06 DEZ/07 DEZ/08 DEPÓSITOS TOTAIS CAMBIAIS E DEBÊNTURES DERIVATIVOS PATRIMÔNIO LÍQUIDO MERCADO ABERTO EMPRESTIMOS E REPASSES OUTRAS OBRIGAÇÕES 7 Outros importantes canais de captação de recursos utilizados pelo Banco foram Mercado Aberto (17%), Aceites Cambiais/Debêntures (6%), Obrigações por Empréstimos e Repasses 6/13

7 Tel.: (14%), Outras Obrigações (19%) e o Patrimônio Líquido do Banco (11%). Durante, as Captações no Mercado Aberto, compensando o aumento de outras fontes de recursos, caíram 39% e mantiveram-se restritas à Carteira Própria. 8 No período, enquanto os recursos captados via Aceites Cambiais cresceram 52% e atingiram R$ 878 milhões, as Debêntures foram reduzidas em 34%, para R$ 50 milhões. No conjunto, em função das alterações ocorridas, essas contas passaram a compor 6% das contas passivas, contra 5% em As Obrigações por Empréstimos e Repasses evoluíram 56% no exercício e atingiram a parcela de 14% dos passivos. Os recursos captados no mercado internacional (19% do item), tinham vencimentos até ago.11 e estavam indexados à taxa libor mais spread de 1,4% a.a.. Os recursos derivados de repasses captados junto ao BNDES/FINAME elevavam-se a 81% da conta, tinham vencimentos que se estendiam até nov.18 e haviam sido contratados a taxas préfixadas de 11,4% a.a. e pós-fixadas de 4,0% a.a., mais TJLP. 10 A conta de Outras Obrigações evoluiu 154% sobre a posição de dez.07, atingiu o valor de R$ 2,9 bilhões e passou a participar com 19% dos passivos. Destaque-se que nesse item estão contabilizadas responsabilidades por operações de câmbio (24%), obrigações fiscais e previdenciárias (15%) e, principalmente, obrigações por operações de venda de ativos financeiros (56%), conforme detalhado a seguir. 11 Durante o exercício de o ALFA realizou operações de cessão de crédito com coobrigação de contratos de capital de giro, nota de crédito de exportação, crédito pessoal consignado, operações de CDC e operações de leasing. O registro dessas operações foi executado de acordo com os critérios contábeis estabelecidos na Res do BACEN, tendo em vista a faculdade da utilização desse critério, já no exercício de, prevista na Res também do BACEN. Assim, por se tratar de cessão com coobrigação, os valores cedidos permaneceram contabilizados no Ativo, na subconta Empréstimos e Títulos Descontados, pelo valor, na data do balanço, de R$ 1,65 bilhão. Os recursos correspondentes a essas cessões foram registrados no Passivo, na rubrica Obrigações por Operações de Venda de Ativos Financeiros - Outras Obrigações Diversas, cujo saldo na data do balanço era de R$ 1,62 bilhão. Essas operações geraram resultado negativo no valor total de R$ 39 milhões, que serão reconhecidos na conta de resultados ao longo do prazo das operações. 12 Durante o exercício de as Receitas Financeiras do ALFA, impulsionadas pelas receitas derivadas de operações de crédito e de operações de tesouraria, cresceram 51% e atingiram o patamar de R$ 2,9 bilhões. Esse bom desempenho, no entanto, não foi suficiente para superar o aumento das Despesas Financeiras, que evoluindo 57% no ano, reduziram a margem financeira de 17% em dez.07 para 13% em dez.08. Assim, apesar de ter reconhecido um resultado não recorrente no valor de R$ 30,7 milhões (derivado de sua participação nos ganhos obtidos pela controlada Alfa Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S.A., face à venda parcial das ações de emissão da BM&FBOVESPA), o resultado não-financeiro não se sustentou no nível dos anos anteriores, influenciando negativamente na queda de 24% do Lucro Líquido. Assim, a margem líquida também regrediu, de 13% em 2007 para 7% em. 13 No entanto, os indicadores mostrados no highlights da página 11/13, evidenciam um elevado Caixa Livre, alta liquidez, boa qualidade da carteira de crédito, baixos índices de inadimplência, rentabilidade estável, moderada alavancagem e satisfatório Índice de Basileia, características de um quadro bastante satisfatório. 7/13

8 Tel.: ORGANOGRAMA ACIONÁRIO 8/13

9 ALFA ESTRUTURA PATRIMONIAL R$ 31.DEZ DEZ DEZ DEZ DEZ.04 TOTAL DE ATIVOS DISPONIBILIDADES APLICAÇÕES INTERFINANCEIRAS Aplicações em Mercado Aberto Aplicações em CDI Aplicações em Moeda Estrangeira TÍTULOS E DERIVATIVOS Operações Compromissadas Títulos de Renda Fixa - Carteira Própria Títulos de Renda Variável - Carteira Própria Fundos de Investimentos Instrumentos Financeiros Derivativos RELAÇÕES ENTRE BANCOS E AGÊNCIAS OPERAÇÕES DE CRÉDITO E LEASING Empréstimos e Títulos Descontados Financiamentos Arrendamento Mercantil Provisão para Créditos em Atraso ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) OUTROS CRÉDITOS OUTROS VALORES E BENS ATIVO PERMANENTE TOTAL DE PASSIVOS DEPÓSITOS TOTAIS Depósitos à Vista Depósitos de Poupança Depósitos Interfinanceiros Depósitos a Prazo Depósitos em Moeda Estrangeira CAPTAÇÕES NO MERCADO ABERTO Carteira Própria Carteira de Terceiros REC. ACEITES CAMBIAIS E DEBÊNTURES RELAÇÕES ENTRE BANCOS E AGÊNCIAS OBRIGAÇÕES EMPRÉSTIMOS E REPASSES DERIVATIVOS OUTRAS OBRIGAÇÕES RESULTADO EXERCÍCIOS FUTUROS PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Lucros Acumulados Coobrigações e Riscos por Garantias Prestadas Avais e Fianças Créditos em Write Off /13

10 ALFA DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS R$ JAN-DEZ/08 JAN-DEZ/07 JAN-DEZ/06 JAN-DEZ/05 JAN-DEZ/04 RECEITAS DA ATIVIDADE FINANCEIRA RECEITAS DE OPERAÇÕES DE CRÉDITO RENDAS DE ARRENDAMENTO MERCANTIL CRÉDITOS RECUPERADOS RENDAS DE CÂMBIO RECEITAS DE TESOURARIA GANHOS COM TÍTULOS E DERIVATIVOS DESPESAS DA ATIVIDADE FINANCEIRA ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) DESPESAS DE CAPTAÇÃO - DEPÓSITOS ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) DESPESAS DE CAPTAÇÃO - EMPRÉSTIMOS ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) DESPESAS DE ARRENDAMENTO MERCANTIL ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) PERDAS COM TÍTULOS E DERIVATIVOS ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) PROVISÃO PARA CRELI ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) RESULTADO DA ATIVIDADE FINANCEIRA DESPESAS TRIBUTÁRIAS ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) RESULTADO DE PARTICIPAÇÕES RECEITAS DE SERVIÇOS DESPESAS DE CUSTEIO ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) OUTROS RESULTADOS OPERACIONAIS OUTROS RESULTADOS NÃO OPERACIONAIS ( ) PROVISÃO PARA IR E CS ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) LUCRO LÍQUIDO DO PERÍODO LUCRO LÍQUIDO AJUSTADO LUCRO TRIMESTRAL AJUSTADO DEPRECIAÇÃO E AMORTIZAÇÃO - DRE ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) JUROS SOBRE O CAPITAL ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) 10/13

11 ALFA HIGHLIGHTS DEZ.08 SET.06 DEZ.06 DEZ.05 DEZ.04 CAPACIDADE DE PAGAMENTO CAIXA LIVRE - R$ mil CAIXA LIVRE EM RELAÇÃO AO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 183,2% 143,2% 106,3% 102,7% 65,6% LIQUIDEZ DE CURTO PRAZO 0,72 0,49 0,40 0,45 0,38 SOLVÊNCIA 1,12 1,13 1,12 1,14 1,15 GERAÇÃO DE CAIXA - R$ mil MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO 21,1% 27,2% 28,1% 26,1% 27,4% MARGEM FINANCEIRA - R$ mil QUALIDADE DO CRÉDITO QUALIDADE DA CARTEIRA 9,36 8,82 8,84 8,94 8,98 INADIMPLÊNCIA CONTÁBIL SOBRE OPERAÇÕES DE CRÉDITO 0,7% 0,8% 0,8% 0,5% 0,5% INADIMPLÊNCIA REAL SOBRE OPERAÇÕES DE CRÉDITO (1) 0,7% 0,8% 0,8% 0,5% 0,5% INADIMPLÊNCIA TOTAL SOBRE PATRIMÔNIO LÍQUIDO 3,3% 3,0% 3,3% 1,9% 1,6% PROVISÃO/INADIMPLÊNCIA 272,7% 199,4% 200,9% 271,1% 266,1% RENTABILIDADE - % RENTABILIDADE ÚLTIMOS 12 MESES - ROE 13,4% 13,2% 13,4% 13,3% 7,8% RENTABILIDADE ÚLTIMOS 12 MESES - ROA 1,4% 1,6% 1,5% 1,7% 1,1% SPREAD MÉDIO -0,4% 0,2% 0,4% 0,3% 0,3% ATIVOS QUE GERAM JUROS EM RELAÇÃO AO ATIVO TOTAL 92,0% 93,5% 91,8% 90,6% 89,2% PASSIVOS QUE PAGAM JUROS EM RELAÇÃO AO PASSIVO TOTAL 69,6% 81,9% 81,0% 76,3% 74,9% EFICIÊNCIA - R$ mil (exceto Índice) ÍNDICE DE EFICIÊNCIA 0,54 0,45 0,55 0,55 0,59 OPERAÇÕES DE CRÉDITO POR UNIDADE DE PRODUÇÃO DEPÓSITOS POR UNIDADE DE PRODUÇÃO LUCRO LÍQUIDO POR UNIDADE DE PRODUÇÃO (*) OPERAÇÕES DE CRÉDITO POR FUNCIONÁRIO DEPÓSITOS POR FUNCIONÁRIO LUCRO LÍQUIDO POR FUNCIONÁRIO (*) 49,12 35,45 50,39 44,93 39,82 ALAVANCAGEM DOS PASSIVOS SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO 8,52 7,57 7,99 6,85 6,18 DA CARTEIRA DE CRÉDITO SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO 3,80 3,65 3,84 3,47 3,28 DO IMOBILIZADO SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,02 0,04 0,04 0,04 0,06 DO TOTAL RECURSOS EXTERNOS SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO 0,26 0,20 0,22 0,20 0,39 ÍNDICE DE RISCO BASEADO EM ATIVOS - RBA - BASILÉIA 15,1% 17,5% 17,5% 17,5% 17,5% PATRIMÔNIO LÍQUIDO REAL - R$ mil (**) (*) Lucro Líquido Trimestral Ajustado (**) Ajustado por despesas diferidas, ágios e deságios, créditos tributários e excesso de provisionamento (1) inclui créditos cedidos com coobrigação (a) utilizados os relatórios denominados Cosif /13

12 Tel.: INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS DO AVALIADOR - LFRating A LFRating foi criada em 2002 como complemento dos serviços de avaliação de instituições financeiras e não financeiras que a Lopes Filho & Associados já realizava há 29 anos. É formada por profissionais de elevada experiência em avaliação corporativa, que uniram seus conhecimentos para prover o mercado brasileiro de serviços de análise de risco de todas as modalidades, baseados em três princípios fundamentais.. Independência entre o processo e o objeto de classificação;. Transparência dos fundamentos da classificação; e. Capacidade técnica e ética irreprovável de todos os envolvidos na A LFRating produz ratings de emissões de empresas nacionais, utilizando-se da expertise de seus analistas e de uma cultura formada ao longo de 29 anos em trabalhos de análises e avaliações de empresas, bancos e fundos de investimentos para os mais diversos propósitos. Um rating emitido pela LFRating é o resultado de uma criteriosa análise que envolve:. uma definição precisa dos riscos envolvidos no objeto avaliado;. a análise detalhada de uma extensa gama de informações estruturais, estratégicas e econômicofinanceiras;. um pormenorizado trabalho de due diligence, incluindo abrangente entrevista com os dirigentes e responsáveis pela emissão e pela administração das garantias; e. um capacitado comitê de avaliação que definirá o rating adequado para expressar o entendimento da LFrating sobre o risco de crédito do avaliado. A equipe de análise é especializada e formada por: Cristina Meyer ( empresas e títulos ) Daniel Rangel ( bancos ) Graça Paiva ( empresas e títulos ) Helio Darwich Nogueira ( bancos ) João Batista Simões ( empresas e títulos ) Joel Sant Ana Junior ( empresas, títulos, fundos e cooperativas ) José Luiz Marques da Silva ( empresas e títulos ) ( bancos ) Rubem Crusius ( empresas e títulos ) Rodrigo Pires ( empresas e títulos ) Tarciso Gouveia da Silva ( cooperativas de crédito ) O Comitê de Rating é presidido por Joel Sant Ana Junior e formado por pelo menos dois analista envolvidos na avaliação em questão, além de dois outros componentes, no mínimo. A escala utilizada para classificação de instituições financeiras é baseada em nossa experiência e ajustada ao longo do tempo por fatos concretos que alterem a estrutura do Sistema Financeiro Nacional ou da Economia Brasileira. 12/13

13 Tel.: ESCALA DE CLASSIFICAÇÃO DE RATING INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NOTA CONCEITO - MOEDA NACIONAL A A oferecem a mais alta segurança para com fortes bases patrimoniais, excelente política de crédito e histórico de resultados acima da média da indústria financeira. Sua capacidade de geração de caixa é diferenciada e não é seriamente afetada por mudanças nas condições econômicas e regulatórias possíveis de serem previstas. honrar compromissos com saudável política de crédito nesta faixa, no entanto, estão econômicas e regulatórias do oferecem boa segurança para honrar compromissos com adequada política de crédito, mas que possuem uma ou mais áreas com fragilidades, com condições, no entanto, de superá-las no curto prazo. As instituições estão que aquelas das faixas superiores. BBB BB B C D oferecem moderada segurança para que possuem algumas áreas que precisam ser melhor desenvolvidas. Estas instituições, no entanto, são consideradas capazes de fazê-lo no médio prazo, embora mudanças adversas nas condições econômicas e regulatórias possam prejudicar sua capacidade de honrar compromissos financeiros. apresentam perda de alguns fatores de proteção financeira que podem resultar em inadequado nível de segurança para que dependem de mudanças favoráveis no ambiente econômico e regulatório que lhes permita de maneira periódica. apresentam baixa capacidade para financeiros regulares. A capacidade de gerar caixa está seriamente afetada por várias fragilidades em várias áreas. Ainda que estas instituições possam estar honrando os compromissos nas datas pactuadas, a continuidade deste procedimento depende grandemente de mudanças favoráveis nas condições econômicas e regulatórias, além de algum suporte externo. apresentam elevado risco de não honrarem compromissos financeiros. O rating com muitos sérios problemas e, a menos que algum suporte externo seja providenciado, elas não terão capacidade de honrar os compromissos financeiros assumidos. estão inadimplentes ou muito próximas de não honrarem compromissos financeiros. O rating com graves problemas de geração de caixa, exigindo imediato suporte externo de grande capacidade financeira. Obs.: Com o objetivo de diferenciar os bancos que apresentam diferenças sensíveis dentro do mesmo segmento de rating, LFRating acrescenta sinais de + ou ao lado de cada nota entre e B. 13/13

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A.

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. BI Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco Industrial S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 6 de agosto de 2008, foi confirmada a nota A+ atribuída ao referido banco

Leia mais

BRB. Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating

BRB. Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco de Brasília S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 19 de Agosto de 2009, foi confirmada a nota atribuída

Leia mais

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A.

BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco Industrial S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 09 de Setembro de 2010, foi confirmada a nota atribuída ao referido banco no

Leia mais

BRB. Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating

BRB. Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating Banco de Brasília S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao Banco de Brasília S.A. e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 20 de dezembro de 2007, foi confirmada a nota atribuída

Leia mais

CACIQUE. Banco Cacique S.A.

CACIQUE. Banco Cacique S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 23 de Julho de 2012, foi confirmada a nota, perspectiva, atribuída ao referido banco no Relatório

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

CACIQUE. Banco Cacique S.A.

CACIQUE. Banco Cacique S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 17 de Setembro de 2012, foi confirmada a nota, perspectiva, atribuída ao referido banco no Relatório

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T09

Teleconferência de Resultados 4T09 Teleconferência de Resultados 4T09 Índice Comentários de Mercado Pág. 3 Qualidade da Carteira de Crédito Pág. 10 Liquidez Pág. 4 Índice de Eficiência Pág. 14 Funding e Carteira de Crédito Pág. 5 Rentabilidade

Leia mais

FICSA. Banco Ficsa S.A.

FICSA. Banco Ficsa S.A. Banco Ficsa S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao - Banco Ficsa S.A, e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 25 de maio de 2011, foi confirmada a nota BBB atribuída ao referido

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

INTERCAP. Banco Intercap S.A.

INTERCAP. Banco Intercap S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 26 de abril de 2012, foi mantida a nota atribuída ao referido banco no Relatório de Rating emitido

Leia mais

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras As principais modalidades de aplicação financeira disponíveis no mercado doméstico caderneta de poupança, fundos de investimento e depósitos a prazo

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

PECÚNIA. Banco Pecúnia S.A.

PECÚNIA. Banco Pecúnia S.A. Monitoramento de Rating A LFRating comunica ao e ao mercado que, em reunião de Comitê realizada no dia 12 de dezembro de 2012, foi confirmada a nota, Perspectiva Neutra, atribuída ao referido Banco no

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

Teleconferência Resultados 1T10

Teleconferência Resultados 1T10 Teleconferência Resultados 1T10 18 de maio de 2010 Visão Geral da Administração Venda da estrutura de Varejo + Foco no segmento de crédito a Empresas Transferência das atividades de originação e crédito

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

Release de Resultado 2T14

Release de Resultado 2T14 BANCO BMG ANUNCIA SEUS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO 2T14 São Paulo, 07 de agosto de 2014 O Banco BMG S.A. e suas controladas ( BMG ou Banco ) divulgam seus resultados consolidados referentes ao período encerrado

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 Brasília, 26 de agosto de 2015 O BRB - Banco de Brasília S.A., sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo de Brasília, anuncia seus resultados do

Leia mais

CONGLOMERADO FINANCEIRO

CONGLOMERADO FINANCEIRO CONGLOMERADO FINANCEIRO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS DOS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO DE 2006 E 2005 ÍNDICE Demonstrações Financeiras Combinadas do Conglomerado Financeiro Alfa PÁGINA - Relatório

Leia mais

www.panamericano.com.br

www.panamericano.com.br www.panamericano.com.br Agenda Principais dados do Banco Histórico Divulgação das Demonstrações Financeiras Resultado e Balanço Providências e Perspectivas 2 Agenda Principais dados do Banco 3 Composição

Leia mais

REAL LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL INCORPORADO POR SANTANDER LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL

REAL LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL INCORPORADO POR SANTANDER LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL REAL LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL INCORPORADO POR SANTANDER LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL 5ª Emissão Pública de Debêntures Não Conversíveis Ações em Série Única da Espécie Subordinada Relatório

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A.

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A. 4 trimestre de 2010 Sumário Executivo Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco) do quarto trimestre de 2010 e do exercício findo em 31 de dezembro de 2010. (exceto

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Destaques Operacionais. Desempenho Financeiro

Destaques Operacionais. Desempenho Financeiro Press Release Destaques Operacionais O Banrisul apresentou, nos nove meses de 2011, trajetória ascendente de crescimento no crédito. Os indicadores de inadimplência e de qualidade da carteira mantiveram-se

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV INVESTIMENTOS Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV Uma questão de suma importância para a consolidação e perenidade de um Fundo de Pensão é a sua saúde financeira, que garante

Leia mais

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Apresentação da Teleconferência 06 de agosto de 2015 Para informações adicionais, favor ler cuidadosamente o aviso ao final desta apresentação. Divulgação

Leia mais

Release de Resultado 4T14

Release de Resultado 4T14 BANCO BMG ANUNCIA SEUS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO 4T14 São Paulo, 12 de fevereiro de 2015 O Banco BMG S.A. e suas controladas ( BMG ou Banco ) divulgam seus resultados consolidados referentes ao período

Leia mais

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Dezembro/2008 Agenda 1. Histórico 2. Escopo de Aplicação 3. Estrutura da Norma 4. Detalhamento da Norma Normativos similares Histórico Resolução

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Seminário Internacional

Seminário Internacional Seminário Internacional Possíveis desdobramentos da crise financeira internacional: aperfeiçoamento na regulamentação dos sistemas financeiros e na governança global A crise e a re-regulamentação do sistema

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. 1 Objetivo. 2 Diretrizes. 2.1 Princípios para Gerenciamento do Risco de Liquidez

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. 1 Objetivo. 2 Diretrizes. 2.1 Princípios para Gerenciamento do Risco de Liquidez ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ 1 Objetivo Apresentar o modelo de gerenciamento de Risco de Liquidez no Banco Safra e os princípios, as diretrizes e instrumentos de gestão em que este modelo

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

Teleconferência 2T14. 18 de agosto de 2014

Teleconferência 2T14. 18 de agosto de 2014 Teleconferência 18 de agosto de 2014 1T14 x Estabilidade da Carteira de Créditos, próxima a R$ 10,5 bilhões; Nível de liquidez imediata mantido dentro de parâmetros confortáveis; Redução dos NPLs, tanto

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

SANTANDER LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL

SANTANDER LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL SANTANDER LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL 5ª Emissão Pública de Debêntures Não Conversíveis Ações em Série Única da Espécie Subordinada Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício 2010 1 RELATÓRIO

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação.

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação. 2013 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do Banco Central do Brasil, através da Circular 3.477, de 24/12/2009,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

Basiléia. Patrimônio Líquido 6.368 5.927 5.117. Jun/09 Jun/10 Jun/11 Jun/12 Jun/13. Captações (líquidas de compulsório) 58.406 52.950 42.

Basiléia. Patrimônio Líquido 6.368 5.927 5.117. Jun/09 Jun/10 Jun/11 Jun/12 Jun/13. Captações (líquidas de compulsório) 58.406 52.950 42. Avenida Paulista, 2.100 - São Paulo - SP CNPJ 58.160.7890001-28 Se escolher navegar os mares do sistema bancário, construa seu banco como construiria seu barco: sólido para enfrentar, com segurança, qualquer

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Sumário do Resultado 2T09

Sumário do Resultado 2T09 Sumário do Resultado 1 BB lucra R$ 4,0 bilhões no 1º semestre de 2009 O Banco do Brasil registrou lucro líquido de R$ 4.014 milhões no 1S09, resultado que corresponde a retorno sobre Patrimônio Líquido

Leia mais

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Balanço Patrimonial - Conglomerado Prudencial em 30 de Junho ATIVO 2014 CIRCULANTE 1.893.224 Disponibilidades

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Lucro que não gera caixa é ilusão "Se você tiver o suficiente, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não tiver, nada é mais importante. É uma

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO - COMGÁS. 2ª Emissão Pública de Debêntures

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO - COMGÁS. 2ª Emissão Pública de Debêntures COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO - COMGÁS 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 Companhia de Gás de São Paulo - Comgás 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório

Leia mais

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CAPITAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão do Risco de Capital; 3. Estrutura,

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS

RELEASE DE RESULTADOS RELEASE DE RESULTADOS BANCO PAULISTA SOCOPA Corretora Resultados 1 Trimestre de 2011 1 O BANCO PAULISTA, reconhecido pela sua prestação de serviços de câmbio e de tesouraria, assim como pelo financiamento

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Base normativa: Circular 3477, de 24.12.2009. Data base: 30.06.2013 1 I INTRODUÇÃO Visando atendimento as diversas resoluções que tratam sobre Riscos

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições financeiras que especifica. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

CIBRASEC - COMPANHIA BRASILEIRA DE SECURITIZAÇÃO

CIBRASEC - COMPANHIA BRASILEIRA DE SECURITIZAÇÃO CIBRASEC - COMPANHIA BRASILEIRA DE SECURITIZAÇÃO 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários Série: 153ª Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 CIBRASEC - COMPANHIA BRASILEIRA

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Comunicado à Imprensa. S&P reafirma ratings da Tele Norte Leste Participações S.A.

Comunicado à Imprensa. S&P reafirma ratings da Tele Norte Leste Participações S.A. Comunicado à Imprensa S&P reafirma ratings da Tele Norte Leste Participações S.A. Analistas: Ana Claudia Nunes, São Paulo (55) 11-5501-8956; Reginaldo Takara, São Paulo (55) 11-5501- 8932; Milena Zaniboni,

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 3º Trimestre 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 1. INTRODUÇÃO 2. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 3. GERENCIAMENTO DE CAPITAL

Leia mais