Ficha de Caracterização dos Pacientes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ficha de Caracterização dos Pacientes"

Transcrição

1 Ficha de Caracterização dos Pacientes Módulos 1 e 2 Identificação e Dados Demográficos CPF: Registro hospitalar: Leito na Unidade: Reinternação na UTI: sim não Reinternação < 24h? sim não Reinternação no Hospital:... Convênio/Seguro Saúde:... Nome:... Data de Nascimento: / / Gênero: M F Data Internação: Hospitalar: / / Na Unidade: / / Hora da Internação na Unidade: / Peso: kg Altura: cm Módulo 3 - Comorbidades e Capacidade Funcional (Marque Sim ou Não para todas as opções) Comorbidades Graves: ICC NYHA Classes II-III sim não ICC NYHA classe IV sim não IRC sem diálise sim não IRC em diálise sim não DPOC grave sim não Cirrose Chlid A-B sim não Cirrose Child C sim não Insuficiência Hepática sim não Tumor locorregional sim não Tumor metastático sim não Sítio do Tumor Locorregional: Cavidade oral/orofaringe sim não Cérebro sim não Esôfago sim não Estômago sim não Fígado/Vas Biliares sim não Intestino Delgado sim não Intestino Grosso/Canal Anal sim não Laringe sim não Mama sim não Medula Espinhal sim não Ossos e Cartilagens sim não Pâncreas sim não Partes Moles sim não Pele sim não Próstata sim não Pulmão sim não Rim e Vias Urinárias sim não Tireóide sim não Ovários sim não Útero sim não Outros sim não Sítio do Tumor Metastático: Cavidade oral/orofaringe sim não Cérebro sim não Esôfago sim não Estômago sim não Fígado/Vas Biliares sim não Intestino Delgado sim não Intestino Grosso/Canal Anal sim não Laringe sim não Mama sim não Medula Espinhal sim não Ossos e Cartilagens sim não Pâncreas sim não Partes Moles sim não Pele sim não Próstata sim não Pulmão sim não Rim e Vias Urinárias sim não Tireóide sim não Ovários sim não Útero sim não Outros sim não

2 Tumor Hematológico sim não Mieloma Múltiplo sim não Leucemia sim não Linfoma sim não Outros sim não Imunossupressão sim não Uso de corticosteróides sim não SIDA sim não Outras Comorbidades: Alcoolismo sim não Angina sim não Asma sim não AVC c/ sequela sim não AVC sem seqüela sim não Demência sim não Desnutrição sim não Diabetes c/ complicações sim não Diabetes s/ complicação sim não Dça Arterial Periférica sim não Doença Psiquiátrica sim não Doenças Reumáticas sim não Dça Ulcerosa Péptica sim não Fibrilação Atrial Crônica sim não Hipertensão arterial sim não IAM Prévio sim não Obesidade Mórbida sim não Outras Arritmias Cardíacas sim não Tabagismo (nos últimos 12 meses) sim não Trombose Venosa sim não Capacidade funcional: ( 0 ) Independente ( 1 ) Necessidade de assistência ( 2 ) Restrito/acamado Módulo 4 - Diagnóstico Principal à Internação Origem: 1 Enfermaria/quarto 2 Emergência 3 Centro Cirúrgico 4 Outra UTI/UCI do seu hospital 5 Unidade Semi-intensiva 6 Transferência de outra unidade hospitalar 7 Home-care 8 Sala de hemodinâmica 9 Outra-Não especificada Tipo de internação e categorias principais de diagnóstico: ( ) Clínica: [ 1 ] Infecção/Sepse [ 2 ] Respiratório (exceto sepse/infecção) [ 3 ] Choque (exceto sepse) [ 4 ] Neurológico [ 5 ] Renal [ 6 ] Obstétrico [ 7 ] Pós PCR [ 8 ] Cardiovascular [ 9 ] Fígado, Vias Biliares e Pâncreas [ 10 ] Hematológica [ 11 ] Gastrintestinal [ 12 ] Trauma não-cirurgico [ 13 ] Monitoração [ 14 ] Outras [15] Cuidados paliativos [16] Doenças alérgicas, auto-imunes e colagenoses [17] Endócrino/Metabólico [18] Oncológico [19] Disfunção de Múltiplos Órgãos [20] Osteoarticular ( ) Cirurgia eletiva: [ 1 ] Neurocirurgia [ 2 ] Cirurgia de coluna [ 3 ] Cirurgia de cabeça e pescoço

3 [ 4 ] Cirurgia- Pulmão,traquéia e brônquios [ 5 ] Cirurgia torácica outras [ 6 ] Proc. Invasivos Cardíacos [ 7 ] Cir. vasculares [ 8 ] Cir. do esôfago [ 9 ] Cir. Gástricas [ 10 ] Fígado / Vias biliares / Pâncreas [ 11 ] Cirurgia do intestino delgado [ 12 ] Cirurgia do cólon / sigmóide / reto / canal anal [ 13 ] Cirurgia ginecológica / mama [ 14 ] Cir. vias urinárias [ 15 ] Cir. Próstata [ 16 ] Cir. bariátrica [ 17 ] Cir. ortopédicas [ 18 ] Transplantes de órgãos sólidos [ 19 ] Outras cirurgia eletivas [ 20 ] Cirurgias oftamológicas [ 21 ] Glândulas endócrinas [ 22 ] Obstétricos [ 23 ] Pele e tec.moles [ 24 ] Politrauma Cirúrgico [ 25 ] Abdominais / retroperitôneo [ 26 ] Cirurgias cardíacas Cardiopatias Congênitas [ 27 ] Cirurgia cardíaca (exceto cardiopatia congênita) [ 28 ] Cirurgias otorrinolaringológicas [ 29 ] Correção de hérnias e defeitos da parede abdominal [ 30 ] Procedimentos Endovasculares ( ) Cirurgia de Emergência: [ 1 ] Cir. do esôfago [ 2 ] Cir. Gástricas [ 3 ] Cir. Ortopédicas [ 4 ] Cir. Próstata [ 5] Cir. Vasculares [ 6 ] Cir. vias urinárias [ 7 ]Cirurgia - Pulmão, traqueia e brônquios [ 8 ] Cirurgia de cabeça e pescoço [ 9 ]Cirurgia de coluna [ 10 ] Cirurgia do cólon / sigmóide / reto / canal anal [ 11 ] Cirurgia do intestino delgado [ 12 ]Cirurgia ginecológica / mama [ 13 ]Cirurgia torácica outras [ 14 ] Cirurgias abdominais / retroperitôneo [ 15 ]Cirurgias Cardíacas - Cardiopatias Congênitas [ 16 ]Cirurgias cardíacas (exceto cardiopatia congênita) [ 17 ] Cirurgias cardíacas combinadas [ 18 ]Cirurgias oftalmológicas [ 19 ] Cirurgias Otorrinolaringológicas [ 20 ] Correção de hérnias e defeitos da parede abdominal [ 21 ] Fígado / Vias biliares / Pâncreas [ 22 ] Glândulas endócrinas [ 23 ] Neurocirurgia [ 24 ] Obstétricos [ 25 ] Outras cirurgias de urgência [ 26 ] Pele e tecidos moles [ 27 ] Politrauma Ciúrgico [ 28 ] Procedimentos endovasculares [ 29 ] Procedimentos invasivos cardíacos [ 30 ] Transplantes de órgãos sólidos Diagnósticos: Diagnóstico definido pela categoria selecionada Módulo 5 SAPS 3 Complicações e Diagnósticos à Internação na Unidade Razões para a internação (Marque todos que se aplicam) [ ] Neuro: alt. nível de consciência / delirium [ ] Neuro: convulsões [ ] Neuro: déficit neurológico focal [ ] Neuro: efeito de massa intracraniano [ ] Cardiovascular: choque hemorrágico / hipovolêmico [ ] Cardiovascular: choque séptico [ ] Cardiovascular: arritmias cardíacas [ ] Cardiovascular: Choque anafilático, misto indefinido [ ] Abdome agudo [ ] Pancreatite aguda grave [ ] Insuficiência hepática [ ] Transplante de órgão sólidos [ ] Politrauma / Trauma [ ] Revascularização miocárdica [ ] Neurocirurgia para AVC [ ] Infecção Nosocomial [ ] Pneumonia

4 Módulo 6 Complicações e Suporte Invasivo - 1º dia À internação na unidade (+/- 1h) Insuficiência respiratória sim não Ventilação Mecânica sim não Ventilação não-invasiva sim não Aminas vasoativas> 1h sim não Arritmia cardíaca sim não Parada cardiorrespiratória sim não Insuficiência renal aguda sim não Suporte renal sim não Hemorragia digestiva sim não Efeito massa intracraniano sim não Neutropenia sim não Complicações ao final das primeiras 24h de internação na UTI Insuficiência respiratória sim não Ventilação Mecânica sim não Ventilação não-invasiva sim não Aminas vasoativas> 1h sim não Arritmia cardíaca sim não Parada cardiorrespiratória sim não Insuficiência renal aguda sim não Suporte renal sim não Hemorragia digestiva sim não Efeito massa intracraniano sim não Neutropenia sim não Módulo 7 Dados Fisiológicos e Laboratoriais (1h) Assinale o Resultado mais Alterado à Internação na UTI (período de 1h) Fisiológicas Laboratoriais Variável Maior valor Menor valor Variável Maior valor Menor valor PA (mmhg) Leucócitos (x10 3 /mm 3 ) Freq. cardíaca (bpm) Plaquetas (x10 3 /mm 3 ) Freq. respiratória (irpm) Creatinina (mg/dl) Temperatura (ºC) Uréia (mg/dl) E. Coma Glasgow (pontos) Bilirrubinas totais (mg/dl) ph PaO 2 (mmhg) PaCO 2 (mmhg) FiO 2 (%) Lactato arterial (mmol/l)

5 Módulo 8 Intervenções e Medidas de Suporte Avançado Procedimentos Invasivos: Monitoração hemodinâmica minimamente invasiva Cateter venoso central sim não Cateter de Swan-Ganz sim não Cateter vesical sim não Cateter arterial sim não sim não Suporte Neurológico: PIC Monitorização da Pressão Intracraniana Derivação ventricular externa sim não Cateter de mensuração da SjVO2 sim não Cateter de microdiálise sim não Cateter de PtiO2 sim não sim não Suporte Respiratório: Vent. não-invasiva sim não Ventilação Mecânica sim não Duração da VM (dias)... Dias Livre de Ventilação... Traqueostomia sim não Falha da VNI sim não Suporte Cardiovascular: Marcapasso sim não Aminas sim não BIA Balão intra-aórtico sim não ECMO sim não Outros Procedimentos e Medidas de Suporte: Suporte renal (hemodiálise) sim não Fator VIIa sim não Trombolíticos sim não Hemotransfusão sim não Conc Hemácias sim não Plasma sim não Conc Plaquetas sim não Criopreciptado sim não Outros hemocomponentes sim não Hipotermia terapêutica sim não Concentrado de Fibrinogênio liofilizado sim não Nutrição parenteral sim não Complexo protrombínico sim não Plasmaferese sim não Diálise peritoneal (Cateter Tenckhoff) sim não VNI; ventilação não-invasiva; VM: vent mecânica; BIA: balão intra-aórtico; MH pouco invas: monitoriação hemodinâmica minimamenmte invasiva

6 Módulo 9 Dispositivos Invasivos Data de início: / Data de Término: / Grupo:... Tipo:... Sítio:... Data de início: / Data de Término: / Grupo:... Tipo:... Sítio:... Data de início: / Data de Término: / Grupo:... Tipo:... Sítio:... Módulo 10 - Complicações infecciosas à internação na UTI? sim não Data: / Foco: [ 1 ] Corrente sanguínea primária [ 2 ] Relacionado ao acesso vascular [ 3 ] Pneumonia [ 4 ] Pneumonia associada a VM [ 5 ] Urinário [ 6 ] Pele/Subcutâneo (exceto impetigo) [ 7 ] Tecidos moles [ 8 ] Sinusite [ 9 ] Peritonite [ 10 ] Sítio cirúrgico [ 11 ] Sist. Nervoso [ 12 ] Outras Infecções [ 13 ] Abcesso cerebral [14] Encefalite [15] Endometrite/Salpingite [16] Hepatite/Abcesso hepático [17] Infecção pancreática [18] Megacólon tóxico [19] Sepse puerperal [20] Artrite Infecciosa [21] Endocardite [22] Faringite/laringite/epiglotite [23] Indeterminado [24] Mastoidite/otite [25] Tiflite [26] Endoftalmite [27] Gastroenterite [28] Infecção do trato biliar [29] Mediastinite [30] Osteomielite [31] Traqueobronquite/bronquiolite Origem: Comprovação 1 Comunitária 0 Sem sepse 2 Hospitalar 1 Sepse 3 Não especificado/não informado Gravidade: 2 Sepse grave 1 Clinica 3 Choque séptico 2 Microbiológica 4 Não especificado/não informado Microorganismo (Marque todas que se apliquem): 1 Staphylococcus coag. Neg. 2 Staphylooccus aureus 3 Enterococos 4 Pneumococo 5 Outros Gram positivos 6 E. coli 7 Proteus sp. 8 Morganella sp 9 P. aeruginosa 10 Serratia sp. 11 Acinetobacter sp. 12 Klebsiella sp 13 Enterobacter sp 14 S. maltophilia 15 B. cepacia 16 Outros BGN 17 Candida sp. 18 Outros fungos 19 Micobactérias 20 Vírus 21 Outros Microorganismos Multirresistentes? sim não

7 1 P. aeruginosa resist. carbapen 2 Acinetobacter sp. resist. carbapen 3 Outros BGN resist carbapen 4 BGN produtor de ESBL 5 MRSA 6 Enterococo resist. vancomicina Antimicrobianos: 1 Cefalosporinas de 3ª e 4ª 2 Outras cefalosporinas. 3 Piperacilina/tazobactam 4 Outras penicilinas 5 Macrolideos 6 Imipenem 7 Meropenem 8 Ertapenem 9 Outros carbapenêmicos 10 Aminoglicosídeos 11 Polimixinas 12 Quinolonas 13 Linezolida 14 Glicopeptídeos 14 Tigeciclina 15 Metronidazol 16 Imidazólicos 17 Anfotericina B 18 Equinocandinas 19 Outros Antibioticoterapia inicial ou empírica adequada: sim não Módulo 11 - Evolução à Saída da UTI e do Hospital Saída da UTI: CID - 10 à saída:... [ ] Óbito [ ] Alta Data de decisão da alta da unidade: / / Hora da decisão da alta da unidade:... :... Data de saída da unidade: / / Hora de saída da unidade:... :... Destino após a alta da UTI: 1 Enfermaria ou quarto 2 Unidade semi-intensiva 3 Outra UTI/UCI do seu hospital 4 Outro Hospital 5 home-care 6 Outro/ignorado 7 Óbito 8 Residência 9 Hospice/ Casa de apoio Avaliação da adequação da internação na UTI/UCI de acordo com o Modelo de Priorização da SCCM ( opcional ) :... Houve decisão para de cuidados paliativos na UTI? sim não Data: / / Ficha do paciente fechada: sim não

8 Módulo 12 - Saída do Hospital: [ ] Óbito [ ] Alta Data: / / Destino após alta hospitalar: 1 Residência 2 home-care 3 Outro hospital 4 Outro / Ignorado 5 Óbito 6 Hospice / casa de apoio

Ficha de Caracterização dos Pacientes

Ficha de Caracterização dos Pacientes Ficha de Caracterização dos Pacientes Módulos 1 e 2 Identificação e Dados Demográficos CPF:........................... -...... Registro hospitalar:........................ Leito na Unidade:............

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5

Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5 Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5 Tabela 01 - Pacientes de Cirurgia Cardíaca - Principais Características Clinicas - Gênero (n, %) Masculino 473 68,55 Feminino 217 31,45 Idade (anos) (média ± DP) 60,78

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

Exercícios. Regras de Seleção e de Modificação

Exercícios. Regras de Seleção e de Modificação Exercícios Regras de Seleção e de Modificação 1 Um só Causa Masc. 54 anos CA pâncreas C25.9 I 2 Princípio Geral Fem. 68 anos Parada respiratória - R09.2 Pneumonia - J18.9 AVC - I64 I 3 Regra de Seleção

Leia mais

Código: ENFDIG Disciplina: DIDÁTICA GERAL Fase: 5ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos: Psicologia da Educação DESCRIÇÃO DO PROGRAMA:

Código: ENFDIG Disciplina: DIDÁTICA GERAL Fase: 5ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos: Psicologia da Educação DESCRIÇÃO DO PROGRAMA: 21cir FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecimento: Portaria nº 604, de 31 de maio de 1995 E-mail: denf@unir.br Campus Porto Velho/RO. BR 364,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica

Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica 01 Demências; 02 Depressão; 03 Hipertensão Arterial Sistêmica Primária e Secundária; 04 Infecções

Leia mais

AULAS TEÓRICAS SEMIOLOGIA MÉDICA GERAL I 5º PERÍODO 2009/2 DATA HORÁRIO ASSUNTO PROFESSORES

AULAS TEÓRICAS SEMIOLOGIA MÉDICA GERAL I 5º PERÍODO 2009/2 DATA HORÁRIO ASSUNTO PROFESSORES SEMIOLOGIA MÉDICA GERAL I 5º PERÍODO 2009/2 4 ago 11:00 ÀS 11:50 RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE E ÉTICA MÉDICA FLÁVIA MAGALHÃES 11 ago 11:00 ÀS 11:50 ANAMNESE FLÁVIA MAGALHÃES 18 ago 11:00 ÀS 11:50 SEMIOLOGIA

Leia mais

Ficha de Caracterização dos Pacientes

Ficha de Caracterização dos Pacientes Ficha de Caracterização dos Pacientes Identificação e Dados Demográficos do Paciente: Nome:... Tipo de documento: [ ] CPF [ ] Reg. Geral [ ] Reg. Prof. [ ] Outro Nº Doc:.................................

Leia mais

Lista de Tabulação CID-BR

Lista de Tabulação CID-BR Mortalidade CID-10 Lista de Tabulação CID-BR Esta classificação foi elaborada a partir da Lista de Tabulação da CID-BR-9, uma versão da Lista Básica de Tabulação da Classificação Internacional de Doenças

Leia mais

www.epimedsolutions.com

www.epimedsolutions.com www.epimedsolutions.com O Epimed Monitor possibilita a monitoração e gestão de indicadores de qualidade e segurança do paciente. Está em consonância com as seguintes diretrizes atuais: OMS, Agências Certificadoras

Leia mais

Parâmetros para profilaxia cirúrgica

Parâmetros para profilaxia cirúrgica Parâmetros para profilaxia cirúrgica O objetivo da profilaxia antimicrobiana em cirurgia é prevenir a infecção de sítio cirúrgico, atingindo níveis do antibiótico no sangue e nos tecidos que exceda, em

Leia mais

CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO

CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO Prezado (a) Beneficiário (a), CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituição que regula as atividades das operadoras de planos privados de assistência à

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul DECRETO Nº 17.276, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta o inciso III do art. 8º da Lei Complementar nº 298, de 20 de dezembro de 2007, acrescido pela Lei Complementar nº 475, de 27 de novembro de 2014.

Leia mais

Relatório Global Consolidado 1 / 13

Relatório Global Consolidado 1 / 13 Relatório Global Consolidado 1 / 13 Tabela 01 - Fluxo de Pacientes na Unidade no Período Todas a Internações no Período *. Total de internações na unidade no período (n) * 1.544 Internações do período

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Mortalidade CID-10 Lista de Tabulação CID-BR

Mortalidade CID-10 Lista de Tabulação CID-BR Mortalidade CID-10 Lista de Tabulação CID-BR Esta classificação foi elaborada a partir da Lista de Tabulação da CID-BR-9, uma versão da Lista Básica de Tabulação da Classificação Internacional de Doenças

Leia mais

10101004 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - CONSULTA 10102000 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - VISITAS 10103007 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS -

10101004 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - CONSULTA 10102000 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - VISITAS 10103007 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - Código SUGRUPO 10101004 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - CONSULTA 10102000 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - VISITAS 10103007 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - RECÉM-NASCIDO 10104003 PROCEDIMENTOS

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO 98 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO 1 Curso de educação continuada em odontologia Abordagem terapêutica dos pacientes com traumatismo

Leia mais

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1-Absorção, digestão, energia, água e álcool 2-Vitaminas e minerais 3-Proteínas, lipídios, carboidratos e fibras 4-Cálculo das necessidades energéticas 5-Doenças do aparelho digestivo

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Hospital Universitário Pedro Ernesto Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. Guia de Antibioticoterapia 2014

Hospital Universitário Pedro Ernesto Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. Guia de Antibioticoterapia 2014 Hospital Universitário Pedro Ernesto Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Guia de Antibioticoterapia 2014 Situação Clínica Situações Especiais Erisipela ou Celulite Clavulim Oxacilina sepse ou sepse

Leia mais

Relatório Global Consolidado 1 / 13

Relatório Global Consolidado 1 / 13 Relatório Global Consolidado 1 / 13 Tabela 01 - Fluxo de Pacientes na Unidade no Período Todas a Internações no Período *. Total de internações na unidade no período (n) * 1.550 Internações do período

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA EMPÍRICA DA FEBRE NEUTROPÉNICA

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA EMPÍRICA DA FEBRE NEUTROPÉNICA TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA EMPÍRICA DA FEBRE NEUTROPÉNICA DEFINIÇÕES Febre neutropénica: T. auricular > 38ºC mantida durante 1 h, em doente com contagem absoluta de neutrófilos (CAN) < 500/mm 3, ou < 1000/mm

Leia mais

PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 R1, R2, R3 HSF

PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 R1, R2, R3 HSF PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 (CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA) R1, R2, R3 HSF Residência em Medicina Intensiva Introdução: A Residência em Medicina Intensiva foi criada nesta instituição

Leia mais

OBESIDADE MÓRBIDA. 2012 doutorpinnacabral.com.br Este documento é original e não pode ser modificado!

OBESIDADE MÓRBIDA. 2012 doutorpinnacabral.com.br Este documento é original e não pode ser modificado! OBESIDADE MÓRBIDA Este documento é original e não pode ser modificado! SENTE-SE SOLITÁRIO? PESO IDEAL E IMC Peso ideal: altura X altura X 25 = Exemplo: 1.72 X 1.72 X 25 = 74 kg Excesso de peso : 89 kg

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

EXAME ADMISSIONAL Ficha Clínica página 1

EXAME ADMISSIONAL Ficha Clínica página 1 Nome: Nome da Mãe EXAME ADMISSIONAL Ficha Clínica página 1 1.Dados Pessoais Data nascimento: Cargo: RG / órgão emissor / Endereço atual: Esta ficha clínica foi elaborada para seu exame admissional e servirá

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO MARÇO DE 2013 Programa de Residência Médica em Terapia Intensiva 2013 Unidade: Hospital Copa D Or Coordenador do Programa de Residência Médica

Leia mais

GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA PARA O ANO DE 2011

GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA PARA O ANO DE 2011 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA PARA O ANO DE 2011 INFECÇÕES S SITUAÇÃO CLÍNICA

Leia mais

Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos?

Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos? Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos? Dra. Vanessa Schultz Médica Infectologista Especialização em Gestão de Risco Hospitalar Coordenadora do SCIH do Hospital Mãe de Deus Canoas Não possuo;

Leia mais

Edital Para Ingresso nos Programas de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas - 2015

Edital Para Ingresso nos Programas de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas - 2015 Edital Para Ingresso nos Programas de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas - 2015 A COREME- Comissão de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas comunica que estarão

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

As principais causas de morte em Portugal de 1990-1999

As principais causas de morte em Portugal de 1990-1999 As principais causas de morte em Portugal de 199-1999 Observatório Nacional de Saúde. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge Lisboa 3 1 Ficha Técnica Portugal. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo

Leia mais

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática.

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Faz tratamento para hipertensão arterial e insuficiência cardíaca

Leia mais

Relatório Global Consolidado 1 / 13

Relatório Global Consolidado 1 / 13 Relatório Global Consolidado 1 / 13 Tabela 01 - Fluxo de Pacientes na Unidade no Período Todas a Internações no Período *. Total de internações na unidade no período (n) * 2.087 Internações do período

Leia mais

PROVA DE MEDICINA. Em relação à Diabetes Mellitus, assinale a opção INCORRETA:

PROVA DE MEDICINA. Em relação à Diabetes Mellitus, assinale a opção INCORRETA: 18 PROVA DE MEDICINA QUESTÃO 41 Em relação à Diabetes Mellitus, assinale a opção INCORRETA: a) Os pacientes portadores de Diabetes Mellitus tipo I apresentam pouca ou nenhuma capacidade de secreção de

Leia mais

Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco

Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco Comissão de Tabagismo da SociedadePortuguesa de Pneumologia > 4.000 compostos Monóxido de carbono Hipóxia no sangue e tecidos Benzopireno cancerígeno FUMO DO

Leia mais

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO 1 PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 A CIRCULAÇÃO EXTRACORPOREA NA CIRURGIA CARDÍACA BRASILEIRA: HISTÓRICO, AVANÇOS E DESAFIOS. 2 A DISSECÇÃO AÓRTICA E O TRATAMENTO ENDOVASCULAR 3 A IMPORTÂNCIA DA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS ASSESSORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM OTORRINOLARINGOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS ASSESSORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM OTORRINOLARINGOLOGIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS ASSESSORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM OTORRINOLARINGOLOGIA EDITAL 2008 A Universidade Federal Fluminense, através

Leia mais

AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS SETEMBRO./2014.02 Proced com finalidade diagnóstica 16.443.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia

AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS SETEMBRO./2014.02 Proced com finalidade diagnóstica 16.443.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS SETEMBRO./2014.02 Proced com finalidade diagnóstica 16.443.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia 66.02.01.01 biópsia do colo uterino 4.02.01.01 Biópsia de

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS GERAIS O Programa de Residência Médica opcional de Videolaparoscopia em Cirurgia do Aparelho Digestivo (PRMCAD) representa modalidade de ensino de Pós Graduação visando ao aperfeiçoamento ético,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações Um pouco sobre nós. Referência em Medicina Ocupacional, Saúde do Trabalhador em Uberlândia e Região. Nosso objetivo é solucionar os problemas ligados à preservação da saúde e segurança do trabalhador,

Leia mais

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo? 10 a Jornada de Controle de Infecção Hospitalar CCIH Hospital de Câncer de Barretos da Maternidade Sinhá Junqueira Ribeirão Preto, 29 e 30 de julho de 2005 Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Leia mais

ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA

ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA De acordo com a RDC 07/10, o coordenador de enfermagem da UTI deve ser especialista em terapia intensiva, isto é, enfermeiro intensivista. Assim,

Leia mais

DOENÇAS RELACIONADAS COM O TABACO

DOENÇAS RELACIONADAS COM O TABACO DOENÇAS RELACIONADAS COM O TABACO BOCA E FARINGE Cancro CÉREBRO Acidente vascular cerebral LARINGE E TRAQUEIA Cancro Inflamação CORAÇÃO Doença coronária/ Enfarte ESÓFAGO E ESTÔMAGO Cancro Úlcera PÂNCREAS

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina Preâmbulo: Vancomicina é um glicopeptídeo que tem uma ação bactericida por inibir

Leia mais

Insuficiência cardíaca / Edema agudo de pulmão

Insuficiência cardíaca / Edema agudo de pulmão UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES MATERNIDADE ESCOLA JANUÁRIO CICCO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANA BEZERRA COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA PROCESSO SELETIVO PARA

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

rim medula óssea familiar tecidos córneas tecidos órgãos fígado fígado pulmão pulmão pâncreas pâncreas intestino intestino pâncreas pâncreas

rim medula óssea familiar tecidos córneas tecidos órgãos fígado fígado pulmão pulmão pâncreas pâncreas intestino intestino pâncreas pâncreas familiar rim medula óssea fígado fígado pulmão pulmão pâncreas pâncreas intestino intestino tecidos córneas rim rim pâncreas pâncreas fígado fígado pulmão pulmão órgãos tecidos órgãos rins rins coração

Leia mais

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI PROTOCOLO D EREGULAÇÃO DE UTI Introdução A Política Nacional de Regulação traz como responsabilidade das três esferas do governo, em seu âmbito administrativo, o exercício

Leia mais

3. Administre antibióticos de amplo espectro, de preferência bactericidas, em dose máxima e sem correção de dose para insuficiência renal ou

3. Administre antibióticos de amplo espectro, de preferência bactericidas, em dose máxima e sem correção de dose para insuficiência renal ou ATENÇÃO O ILAS disponibiliza esse guia apenas como sugestão de formato a ser utilizado. As medicações aqui sugeridas podem não ser adequadas ao perfil de resistência de sua instituição. GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA

Leia mais

Prezado(a) Beneficiário(a),

Prezado(a) Beneficiário(a), CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO Prezado(a) Beneficiário(a), A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituição que regula a atividades das operadoras de planos privados de assistência à saúde,

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA PARA ADULTOS

ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA PARA ADULTOS PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA PARA ADULTOS C AD ER N O 2013 DO CURSO Ficha Catalográfica Biblioteca Dr. Fadlo Haidar Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa M129 Machado, Fabio

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA - 2014. Centro de Terapia Intensiva Hospital Bangu

EDITAL DE SELEÇÃO PARA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA - 2014. Centro de Terapia Intensiva Hospital Bangu EDITAL DE SELEÇÃO PARA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA - 2014 Centro de Terapia Intensiva Hospital Bangu Associação de Medicina Intensiva Brasileira COORDENADOR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO:

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Frequência de internação nos hospitais do SUS-BH, por causa básica, em menores de 1 ano, residentes em Belo Horizonte, 1996-1999.

Frequência de internação nos hospitais do SUS-BH, por causa básica, em menores de 1 ano, residentes em Belo Horizonte, 1996-1999. Frequência de internação nos hospitais do SUS-BH, por causa básica, em menores de 1 ano, residentes em Belo Horizonte, 1996-1999. Broncopneumonia não especificada 3388 2564 1637 1734 Diarréia e gastroenterite

Leia mais

Dra. Thaís Guimarães

Dra. Thaís Guimarães Dra. Thaís Guimarães ANTIMICROBIANOS Produtos capazes de destruir microorganismos ou de suprimir sua multiplicação ou crescimento. Antibióticos = produzidos por microorganismos Quimioterápicos = sintetizados

Leia mais

Anhanguera - Uniderp

Anhanguera - Uniderp Anhanguera - Uniderp CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA A SELEÇÃO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICO- VETERINÁRIA - PRMV R1 / TURMA 2012 ÁREA DE CLÍNICA E CIRURGIA DE PEQUENOS ANIMAIS 1. Terapêutica Clínica Geral

Leia mais

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica Programa de Pós-Graduação 2014 Caracterização do curso: Instituições: Instituto D Or de Pesquisa e

Leia mais

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 211, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2014.

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 211, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2014. PORTARIA CNMP-PRESI Nº 211, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os critérios para o concurso público de provimento dos cargos de Analista e Técnico Administrativo do CNMP e procedimentos de inspeção

Leia mais

ABAD. Contrato de adesão Contrato de plano de saúde coletivo por adesão. Produto Participativo Nacional. Sestini. Proposta nº º

ABAD. Contrato de adesão Contrato de plano de saúde coletivo por adesão. Produto Participativo Nacional. Sestini. Proposta nº º Administradora de Benefícios ANS - 41.771-8 Contrato de adesão Contrato de plano de saúde coletivo por adesão. Produto Participativo Nacional º Início da vigência do benefício: 20 Entidade Associação Brasileira

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO N 01/2013

EDITAL DE RETIFICAÇÃO N 01/2013 EDITAL DE RETIFICAÇÃO N 0/203 A PREFEITURA MUNICIPAL DE TABOAO DA SERRA, no uso de suas prerrogativas e atribuições legais, torna pública a retificação e inclusão de cargo no Concurso Público Nº 0/203,

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

PROFILAXIA DA INFECÇÃO DA FERIDA CIRÚRGICA E TRAUMA

PROFILAXIA DA INFECÇÃO DA FERIDA CIRÚRGICA E TRAUMA PROFILXI D INFECÇÃO D FERID CIRÚRGIC E TRUM INDICÇÕES 1. Cirurgia limpa-contaminada 2. Cirurgia limpa: a. Com prótese vascular b. Com prótese intra-articular c. Em que a infecção do local cirúrgico se

Leia mais

AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS JANEIRO./2015.02 Proced com finalidade diagnóstica 8.946.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia

AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS JANEIRO./2015.02 Proced com finalidade diagnóstica 8.946.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS.02 Proced com finalidade diagnóstica 8.946.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia 33.02.01.01 biópsia do colo uterino 0.02.01.01 biópsia de fígado por punção

Leia mais

Planificação anual de Saúde- 10ºano

Planificação anual de Saúde- 10ºano CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Turmas: 10ºI Professora: Ana Margarida Vargues Planificação anual de Saúde- 10ºano 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde do Curso

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA SP Curso: Enfermagem Disciplina: Enfermagem na Saúde do Adulto Ano letivo 2011 Série 4º Carga Horária Total 270 h/a T 54 h/a P 216 h/a Professor: Jorge de Souza

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis Abordagem do Choque Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis CONCEITO Hipóxia tecidual secundária ao desequilíbrio na relação entre oferta e consumo de oxigênio OU a incapacidade celular na

Leia mais

Residência Médica em Medicina Intensiva

Residência Médica em Medicina Intensiva Residência Médica em Medicina Intensiva A Unidade de Terapia Intensiva Adulto da Casa de Saúde São Jose possui programa de residência médica com duração de 2 anos, cujo objetivo primordial é capacitar

Leia mais

PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS

PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS A PROGRAMA BÁSICO TEÓRICO PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS Abdome agudo Abordagem neurológca da fraqueza AIDS (SIDA) Anemias Antibióticos Arritmias cardíacas Asma Auto-imunidade e doenças imunológicas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 01.2014 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA DA FUNDAÇÃO DE SAÚDE PÚBLICA DE NOVO HAMBURGO RESIDÊNCIA MÉDICA MEDICINA INTENSIVA

PROCESSO SELETIVO Nº 01.2014 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA DA FUNDAÇÃO DE SAÚDE PÚBLICA DE NOVO HAMBURGO RESIDÊNCIA MÉDICA MEDICINA INTENSIVA PROCESSO SELETIVO Nº 01.2014 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA DA FUNDAÇÃO DE SAÚDE PÚBLICA DE NOVO HAMBURGO RESIDÊNCIA MÉDICA MEDICINA INTENSIVA EDITAL DE ABERTURA Nº 01.2014 FUNDAÇÃO DE SAÚDE PÚBLICA DE

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina

Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina Caso Clínico Masc, 30 anos, apresentando febre após QT para LMA (3 o ciclo). Nos 2 ciclos anteriores apresentou

Leia mais

Padronização de Antimicrobianos

Padronização de Antimicrobianos Padronização de Antimicrobianos GE-CIH Infectologia Hospital do Servidor Público Estadual Fevereiro de 2011 Padronização de Antimicrobianos Objetivos Uniformizar condutas quanto à prescrição de antimicrobianos

Leia mais

1 - Estrutura e Finalidades da disciplina

1 - Estrutura e Finalidades da disciplina CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de SAÚDE 10º ano 014/015 Turma K Professora: Maria de Fátima Martinho. 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 Recomendações para prevenção e controle das enterobactérias produtoras

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 1/2014-EBSERH/HUSM-UFSM ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014. RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 1/2014-EBSERH/HUSM-UFSM ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014. RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 1/2014-EBSERH/HUSM-UFSM ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014. RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 801 Médico Alergia

Leia mais

Pref e i t u r a M u n i c i p a l d e S a n t o E x p e d i t o

Pref e i t u r a M u n i c i p a l d e S a n t o E x p e d i t o ANEXO II DO CONCURSO PÚBLICO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ENSINO SUPERIOR Para os Cargos de: 01. Médico PSF, 02. Médico I, 03. Médico II. 01. MÉDICO PSF Programa: I. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: 01. Abordagem

Leia mais

Doenças e Recomendações de Tratamento De acordo com o livro Mein Vitalkonzept de Dr. Jean-Bernard Delbé e com as recomendações do catálogo

Doenças e Recomendações de Tratamento De acordo com o livro Mein Vitalkonzept de Dr. Jean-Bernard Delbé e com as recomendações do catálogo Cérebro Alzheimer, Parkinson, Demência, Esclerose Múltipla, Epilepsia Aloe Vera Mel, Pêssego, Sivera ou Freedom Purificar Vita Aktiv 1 colher de chá, 2 vezes ao dia Proteção celular LRoxan 1 comprimidos,

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

COORDENADORES. Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini

COORDENADORES. Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini COORDENADORES Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini Sumário Prefácio...XXXVII Apresentação... XXXIX Parte 1 Estabilização

Leia mais

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA RISCO CIRÚRGICO. 9/7/2003 Dr. José Mário Espínola - AMPB 1

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA RISCO CIRÚRGICO. 9/7/2003 Dr. José Mário Espínola - AMPB 1 ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA 1 I- CONCEITO: avaliação realizada por cardiologista, com fortes bases epidemiológicas, objetivando determinar classificação funcional do paciente, e risco de complicações

Leia mais

Cefaléias e Enxaqueca Convulsões febris. Desidratação. Crescimento e do desenvolvimento

Cefaléias e Enxaqueca Convulsões febris. Desidratação. Crescimento e do desenvolvimento Saúde da Criança Alimentação o Aleitamento materno Orientações gerais e manejo das principais dificuldades o Alimentação saudável o Desnutrição energético-protéica o Distúrbios da absorção o Anemia ferropriva

Leia mais

D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E. Nome: Data Nasc.: / / Grau de Parentesco Titular Esposo (a) Companheiro (a)

D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E. Nome: Data Nasc.: / / Grau de Parentesco Titular Esposo (a) Companheiro (a) Identificação: D E C L A R A Ç Ã O D E S A Ú D E Nome: Data Nasc.: / / Grau de Parentesco Titular Esposo (a) Companheiro (a) Filho (a) Enteado (a) Instrução Gerais: 1. A presente declaração de saúde deverá

Leia mais

Declaração de Saúde. Nº de Registro da Operadora na ANS 312851. Nº de Registro do Produto: Nome do Declarante:

Declaração de Saúde. Nº de Registro da Operadora na ANS 312851. Nº de Registro do Produto: Nome do Declarante: Declaração de Saúde Nº de Registro da Operadora na ANS 312851 Nº de Registro do Produto: Nome do Declarante: Contratante: Responsável Legal: Beneficiário: Para cada doença ou lesão listada abaixo, o declarante

Leia mais