Dr. Ivan Mário Zanotto Adami - Projeto de Pesquisa Mestrado. Orientador: Prof. Dr. João Luiz M. C. Azevedo INTRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dr. Ivan Mário Zanotto Adami - Projeto de Pesquisa Mestrado. Orientador: Prof. Dr. João Luiz M. C. Azevedo INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 ESÔFAGO-CÁRDIO-MIOTOMIA DE HELLER POR ACESSO VIDEOLAPAROSCÓPICO COM E SEM FUNDOCARDIOPLASTIA DE DOR ASSOCIADA: COMPARAÇÃO DA PREVALÊNCIA DO REFLUXO GASTROESOFAGIANO PATOLÓGICO IATROGÊNICO, EM CÃES. Dr. Ivan Mário Zanotto Adami - Projeto de Pesquisa Mestrado Orientador: Prof. Dr. João Luiz M. C. Azevedo INTRODUÇÃO Atualmente é recomendado que a extensão da esôfago-cárdio-miotomia de Heller-Zaaijer (Heller, ; Zaaijer, ) no tratamento da acalásia esofagiana deva ser suficientemente extensa para secionar todas as fibras musculares do esfíncter inferior do esôfago e os três centímetros proximais do estômago (secção parcial do colar de Helvetius), de modo a ser eliminado por inteiro o obstáculo intrínseco da junção esôfago-gástrica à progressão do bolo alimentar 3. Dessa forma, está indicada uma miotomia completa com um mínimo de 8 cm de extensão na parede anterior do esôfago, devendo progredir distalmente à junção esôfago-gástrica por 3 cm, pelo menos 3. Tal incisão suprime por completo uma importante barreira anti-refluxo: o mecanismo esfinctérico intrínseco do esôfago inferior. Em decorrência, prevenir o refluxo gastroesofagiano após miotomia é preocupação dos cirurgiões desde Heller ( ): O esfíncter após miotomia deve ser suficientemente débil para permitir a passagem dos alimentos, mas não ao ponto de permitir o refluxo. Na cirurgia convencional, é quase unânime a recomendação de se adicionar um procedimento anti-refluxo à miotomia 4. Recentemente o acesso para a miotomia de Heller passou de aberto para laparoscópico 5,6,7, ou toracoscópico 8, pois a benignidade dessas vias minimamente invasivas impôs a miotomia como tratamento primário da acalásia esofagiana 9. Não obstante, mesmo por cirurgia minimamente invasiva, muitos recomendam expressamente a associação de procedimento anti-refluxo após miotomia do esfíncter inferior do esôfago 10, enquanto outros cirurgiões laparoscopistas concluiram não ser necessária a associação de válvula anti-refluxo, nesses casos Entre os que preconizam a necessidade da realização obrigatória de procedimento anti-refluxo associado mesmo nas miotomias por videolaparoscopia, há os partidários da fundocardioplastia parcial anterior de Dor 14-19, descrita para a cirurgia aberta em 1962 (Dor et al.) 20. Esses autores argumentam que a destruição total do esfíncter inferior do esôfago pela miotomia determina o aparecimento de refluxo gastroesofagiano patológico (doença do refluxo gastroesofagiano) em significativo percentual de pacientes Contrariamente a isso, os partidários da evitação do procedimento anti-refluxo associado à miotomia alegam que, ao contrário da cirurgia convencional, a intervenção laparoscópica permite que permaneça in situ a face póstero-lateral do esôfago, dessa forma preservando os

2 outros meios de contenção do refluxo gastroesofagiano de modo eficaz 12. Adicionalmente, região de alta pressão localizada na zona de transição tóracoabdominal (com características de esfíncter e atribuída à ação do diafragma) foi detectada em pacientes submetidos a esofagogastrectomia 21. Autores sustentam que a ação do esfíncter inferior do esôfago é superimposta ao efeito constritor do esôfago terminal por parte da crura diafragmática, sendo a zona de pressão aumentada na junção esôfago-gástrica resultante do somatório das ações da musculatura lisa intrínseca do esfínter inferior do esôfago e da musculatura estriada extrínseca do hiato esofagiano 22. Nessa ordem de idéias, haveria não um mas dois esfíncteres inferiores do esôfago, sendo um intrínseco e outro extrínseco ao órgão 23. O conceito da existência desses dois esfíncteres tem considerável relevância do ponto de vista fisiopatológico 23, sendo a principal a desnecessidade de se associar um procedimento anti-refluxo após a miotomia de Heller por videolaparoscopia, pois esse acesso preserva a situação da junção esôfago-gástrica, dessa forma propiciando a contenção do refluxo em decorrência da ação esfinctérica do hiato esofagiano 24. Nesse cenário, é proposta a presente pesquisa experimental. Assumem os autores desta pesquisa que o acesso videolaparoscópico, com sua magnificação do campo operatório e precisão e delicadeza das manobras, propicia a realização da miotomia de Heller sem a mobilização do esôfago, isto é, permitindo que o órgão permaneça acoplado ao hiato diafragmático pelas suas faces posterior e laterais. Nessas circunstâncias, a ação esfinctérica extrínseca da musculatura estriada do hiato esofagiano pode ser exercida eficazmente na junção esôfago-gástrica, de forma a conter o refluxo patológico iatrogênico pós-miotomia do esfíncter intrínseco do esôfago inferior. 1.OBJETIVO: Comparar a prevalência de refluxo gastroesofagiano patológico iatrogênico pós-miotomia de Heller com e sem procedimento antirefluxo associado, em cães. 2. MÉTODO 2.1 Animal de experimentação Caracterização da amostra Serão utilizados 12 cães machos, da espécie canis familiaris, sem raça definida, com idade desconhecida, aparentemente jovens e saudáveis, com estado nutricional satisfatório, boa dentição, peso corpóreo variando entre 15 kg e 22 kg, providos de pelagem curta ou média, escolhidos segundo critérios específicos (quadro 1)

3 QUADRO 1: Critérios para a seleção dos animais Peso (de 15 a 22 kg) Pelagem (curta ou média) Focinho (úmido e frio) Temperamento (dócil) Idade (aparentemente jovem) Olhos (limpos e brilhantes) Postura (saudável) Movimentação (normal) Ecologia Animal Os cães escolhidos para o experimento ficarão albergados em boxes individuais, sob iluminação artificial e nível de ruído baixo, com temperatura ambiente e demais condições ambientais sob controle (ruídos, renovação de ar etc) Distribuição em grupos Mediante sorteio com os cães anestesiados sob narcose, os animais serão distribuídos em 2 grupos de 6 indivíduos, segundo o tipo de acesso à cavidade peritoneal: Grupo 1: Miotomia sem procedimento antirefluxo Grupo 2: Miotomia com procedimento antirefluxo. 2.2 Delineamento experimental Anestesia Como medicação pré-anestésica será utilizada acepromazina na dose de 0,1 mg/kg por via intramuscular, em associação com midazolan na dose de 0,5mg/kg. Decorridos 15 a 20 minutos, canula-se a veia marginal da orelha e inicia-se a infusão de solução fisiológica 0,9% na dose de 10/ml/kg/hora. A indução anestésica é feita com Thiopental na dose de 10mg/kg. A seguir, realiza-se a intubação orotraqueal seguida pela aplicação intravenosa de pancurônio na dose de mg/kg. A manutenção da anestesia é feita com isoflurano. O animal é mantido sob ventilação por pressão positiva. A duração do tempo inspiratório não deve ultrapassar dois segundos. A freqüência de ventilação deve ser mantida entre 10 e 15 ciclos por minuto. A relação tempo inspiratório/expiratório está entre 1:2 a 1: Endoscopia pré-operatória com biópsia Com os animais sob narcose, procede-se a endoscopia digestiva alta com fibroscópio flexível, com vistas especiais para a presença de esofagite. Realizada

4 no 7. PO. Passagem esofágica do endoscópico. Visibilização e gravação em fita cassete do aspecto endoscópico do esôfago, estômago e duodeno. Pesquisa de refluxo gastroesofágico. Biópsia de mucosa esofagiana Sondagem orogástrica e aspiração Colocação de sonda orogástrica com aspiração do conteúdo gástrico Técnica operatória Os animais estarão sob anestesia geral, com intubação orotraqueal e pressão positiva intermitente, posicionados em decúbito dorsal, em proclive de 20 graus e sondagem nasogástrica. O cirurgião coloca-se de frente para a extremidade posterior do animal, com o primeiro auxiliar e a instrumentadora à sua direita e o segundo auxiliar à sua esquerda. Será feita punção com agulha de Veress no hipocôndrio esquerdo, com insuflação de CO2 até 12 mm/hg. Serão posicionadas 5 portas laparoscópicas, sendo três de 10 mm e duas de 5 mm. A ótica de 30 graus é posicionada em porta de 10 mm situada na linha média, ao nível da cicatriz umbilical. Dois centímetros abaixo do apêndice xifóide se coloca uma porta de 10 mm para o afastamento cranial do fígado pelo segundo auxiliar. Em porta situada a oito centímetros abaixo do rebordo costal direito, ao nível da linha hemiclavicular, posiciona-se uma porta de 5 mm para o trabalho da mão esquerda do cirurgião. Para a sua mão direita, uma porta de 10 mm na linha axilar anterior esquerda, seis cm abaixo do rebordo costal. Uma outra porta de 5 mm é postada na linha hemiclavicular esquerda, 6 cm abaixo da cicatriz umbilical, para tração do estômago em direção caudal e esquerda. Inicia-se a intervenção propriamente dita pela abertura da membrana frenoesofagiana na extensão do seu hemiperímetro anterior. Disseca-se a face anterior do esôfago numa extensão de 8 cm acima do hiato. Procede-se à secção anterior das camadas da muscular própria (miotomia de Heller), interessando os oito centímetros distais do esôfago, o cárdia e os três centímetros proximais do estômago. Após clampeamento do estômago imediatamente distal à miotomia, procede-se à instilação de solução de azul de metileno para testar a impermeabilidade da parede do tubo digestivo no local da miotomia. A seguir registra-se a pressão do esfíncter inferior do esôfago por meio de manometria. Permanece com a ponta no esôfago inferior o catéter da manometria, que sairá do lume esofágico mediante esofagostomia cervical, será tunelizado subcutaneamente e se exteriorizará no dorso do animal. Esse catéter servirá para manometria e phmetria pós-operatórias. Procede-se à randomização do animal valendo-se de uma moeda e do sistema cara ou coroa. Nos animais do

5 Grupo A (miotomia sem procedimento anti-refluxo associado) a intervenção cirúrgica estará encerrada, procedendo-se à retirada das cânulas, desinsuflação do abdome e fechamento das portas laparoscópicas de 10 cm. Nos animais do Grupo B (associação de válvula de Dor à miotomia) a intervenção prossegue com o ancoramento mediante suturas da parede anterior do fundo gástrico às bordas da miotomia, após o que encerra-se a operação da mesma forma que nos animais do Grupo A Evolução pós-operatória Analgesia com Tartarato de butorfanol (Turbogesic), 10mg/kg e acetaminofen, 10 mg 3 x dia, iniciando no 1.PO. Jejum por 24 hs PO. Ringer Lactato com dextrose a 5%, 30 ml/kg, Líquidos no 1.PO, dieta branda (arroz, ovos, carne) no 2.PO e dieta normal canina (Purina) do 3.PO em diante Manometria e phmetria pós-operatórias No 4. PO os animais serão submetidos a phmetria e manometria esofagianas, após as quais o catéter é retirado Necrópsia Os animais serão sacrificados com aplicação intravenosa de T61 (Embutamida, Iodeto de Mebezônio e Cloridrato de Tetracaína) na dose de 0,3ml/kg. A realização da necropsia começa por laparotomia ampla e têm por finalidade examinar macroscopicamente a cavidade abdominal em busca de sinais de hematoma, hemoperitônio, escapes de conteúdo gastrintestinal, e outras anormalidades. O exame continua com toracotomia bilateral, em busca de derrames pleurais ou outras anormalidades. A junção esôfago-gástrica será retirada para exame macroscópico e microscópico Tratamento estatístico Nesta pesquisa a hipótese de nulidade (Ho) é a da igualdade dos dois grupos em relação à presença ou ausência de doença do refluxo gastroesofagiano (DRGE) iatrogênica (end-point) demonstrada na endoscopia digestiva alta pós-operatória mediante o achado de sinais macroscópicos e/ou microscópicos de inflamação, aliado à constatação de refluxo gastroesofagiano à phmetria. Foi utilizado o teste exato de Fisher para confrontar os grupos A e B em relação à presença ou ausência de DRGE (Siegel e col. 25, 1988) Cronograma

6 Será operado um cão por semana, e sacrificado um cão por seman a pártir da segunda semana, num total de 13 semanas para a fase experimental da pesquisa 3.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: 1. Heller E. Extramuköse Cardiaplastik beim chronischen Cardiospasmus mit Dilatation des Oesophagus. Mitteikungen aus den Grenzgebieten der Medizin und Chirurgie 1913; 27: Zaaijer JH. Cardiospasm in the aged. Ann Surg 1923; 77: Liebermann-Meffert D, Stein H-J. What precisions concerning the site and lenght of myotomy could be expected from the present knowledge on the muscular structure of the lower esophageal sphincter? In: Giulli R, Galmiche J-P, Jamieson G-J, Scarpignato C (eds.). O.E.S.O. - Organisation Internationale d Études Statistiques pour les Maladies de l Öesophage. The esophagogastric junction: 420 questions, 420 answers. Paris, John Libbey Eurotext, p Andreollo NA, Earlam RJ. Heller myotomy for achalasia: is an added anti-reflux procedure necessary? Br J Surg 1987; 37: Finley RJ, Clifton JC, Stewart KC, Graham AJ, Worsley DF. Laparoscopic Heller myotomy improves esophageal emptying and the symptoms of achalasia. Arch Surg 2001;136: Patti MG, Feo CV,Diener U, Tamburini A, Arcerito M, Safadi B, Way LW. Laparoscopic Heller myotomy relieves disphagia in achalasia when the esopahgus is dilated. Surg Endosc. 1999; 13: Hunt DR, Wills VL. Laparoscopic Heller myotomy for achalasia. Aust N Z J Surg. 2000; 70: Monson JR, Darzi A, Carey PD, Guillou PJ. Thoracoscopic Heller s cardiomyotomy: a new approach for achalasia. Surg Laparosc Endosc. 1994; 4: Peillon C, Fromont G, Auvray S, Siriser F. Achalasia: the case for primary laparoscopic treatment. Surg Laparosc Endosc Percutan Tech 2001; 11: Vogt D, Curet M, Pitcher D, Josloff R, Milne RL, Zucker. Successful treatment of esophageal achalasia with laparoscopic Heller myotomy with Toupet fundoplication. Am J Surg. 1997; 174: Boulez J, Meeus P, Espalieu P. Oesocardiomyotomie de Heller sans anti-reflux par voie laparoscopique: analyse d une série de 27 cas. Ann Chir 1997; 51: Richards WO, Sharp KW, Holzman MD. An antireflux procedure should not routinely be added to a Heller myotomy. J Gastrointest Surg 2001; 5: Wang PC, Sharp KW, Holzman MD, Clements RH, Holcomb GW, Richards WO. The outcome of laparoscopic Heller myotomy without antireflux procedure in patients with achalasia. Am Surg 64:

7 14. Patti MG, Albanese CT, Holcomb GW 3rd, Molena D, Fisichella PM, Perreta S, Way LW. Laparoscopic Heller myotomy and Dor fundoplication for esophageal achalasia. J Pediatr Surg. 2001; 36: Ancona E, Anselmino M, Zaninotto G, Constantini M, Rossi M, Bonavina L, Boccu C, Peracchia A. Esophageal achalasia: laparoscopic versus conventional open Heller-Dor operation. Am J Surg 1995; 170: Anselmino M, Zaninotto M, Constantini M, Rossi M, Boccu C, Molena D, Ancona E. One-layer follow-up after laparoscopic Heller-Dor operation for esophageal achalasia. Surg Endosc 1997; 11: Zaninotto G, Constantini M, Molena D, Buin F, Carta A, Nocoletti L, Ancona E.Treatment of esophageal achalasia with laparoscopic Heller myotomy an Dor anterior fundoplication: prospective evaluation of 100 consecutive patients. J Gastroentest Surg 2000; 4: Yamamura MS, Gilster JC, Myers BS, Deveney CW, Sheppard BC. Laparoscopic Heller myotomy and anterior fundoplication for achalasia results in a high degree of patient satisfaction. Arch Surg 2000; 135: Xynos E, Tzavoras G, Petrakis I, Chrysos E, Vassilakis JS. Laparoscopic Heller s cardiomyotomy and Dor s fundoplication for esophageal achalasia. J Laproendosc Surg 1996; 6: Dor J, Humbert P, Dor V, Figarella J. L intérêt de la technique de Nissen modifiée dans la prévention du reflux après cardiomyotomie extramuqueuse de Heller. Mém Acad Chir 1962; 88: Walter AK, Parkman HP, Dempsey DT, Fisher RS. Sphincterlike thoracoabdominal high pressure zone after esophagogastrectomy. Gastroenterology 1993; 105: Mittal RK, Sivri B. Characteristics of sphincteric action of crural diaphragm and lower esophageal sphincter. Gastroenterology 1990; 98:A Mittal RK. How can the sphincteric action of the diaphragm in humans be described? What is the relationship between contraction at the esophagogastric juntion and increase in intra-abdominal pressure? In: Giulli R, Galmiche J-P, Jamieson G-J, Scarpignato C (eds.). O.E.S.O. - Organisation Internationale d Études Statistiques pour les Maladies de l Öesophage. The esophagogastric junction: 420 questions, 420 answers. Paris, John Libbey Eurotext, p Martin JL. Diaphragmatic contribution to gastroesophageal competence and reflux in dogs. Am J Physiol 1992; 263: Siegel S, Castellan Jr NJ. Nonparametrics statistics. 2 ed. New York, McGraw-Hill, p.

COMPARAÇÃO ENTRE A CICATRIZAÇÃO DA MIOTOMIA ESOFAGIANA POR ACESSO VIDEOLAPAROSCÓPICO COM E SEM FUNDOCARDIOPLASTIA DE DOR ASSOCIADA, EM PORCOS.

COMPARAÇÃO ENTRE A CICATRIZAÇÃO DA MIOTOMIA ESOFAGIANA POR ACESSO VIDEOLAPAROSCÓPICO COM E SEM FUNDOCARDIOPLASTIA DE DOR ASSOCIADA, EM PORCOS. FÁBIO OKUTANI KOZU COMPARAÇÃO ENTRE A CICATRIZAÇÃO DA MIOTOMIA ESOFAGIANA POR ACESSO VIDEOLAPAROSCÓPICO COM E SEM FUNDOCARDIOPLASTIA DE DOR ASSOCIADA, EM PORCOS. Tese apresentada à Universidade Federal

Leia mais

DEFINIÇÃO ANATOMO-ENDOSCÓPICA DA TRANSIÇÃO ESOFAGOGÁSTRICA. HW,Boyce Gastrointest Endosc 51 (5) 2000

DEFINIÇÃO ANATOMO-ENDOSCÓPICA DA TRANSIÇÃO ESOFAGOGÁSTRICA. HW,Boyce Gastrointest Endosc 51 (5) 2000 DEFINIÇÃO ANATOMO-ENDOSCÓPICA DA TRANSIÇÃO ESOFAGOGÁSTRICA. HW,Boyce Gastrointest Endosc 51 (5) 2000 Tradução : Kendi Yamazaki / Eduardo Guimarães Hourneaux de Moura A definição endoscópica do ponto de

Leia mais

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA Diafragma Hérnia diafragmática o Hérnia de Bochdalek o Hérnia de Morgagni o Hérnia do hiato esofágico o Hérnia traumática Eventração ou elevação Ausência congênita

Leia mais

Comprometimento esofágico (torácico) Obstrução por corpo estranho; Perfuração do esôfago por corpo estranho; Divertículo esofágico; Neoplasias;

Comprometimento esofágico (torácico) Obstrução por corpo estranho; Perfuração do esôfago por corpo estranho; Divertículo esofágico; Neoplasias; CIRURGIA TORÁCICA Toracotomia ABERTURA E O FECHAMENTO DA CAVIDADE TORÁCICA INDICAÇÕES Comprometimento esofágico (torácico) Obstrução por corpo estranho; Perfuração do esôfago por corpo estranho; Divertículo

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico O seu médico recomendou uma cirurgia para tratar doença do refluxo gastroesofágico. Mas o que isso realmente significa? Seu diafragma é um músculo que separa o tórax de seu abdômen e o ajuda

Leia mais

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa?

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa? Hérnia de Hiato e Refluxo Gastroesofágico. Atualmente cresce o número de pessoas que estão apresentando sintomas relativas ao aparelho digestivo, como má digestão ou sensação de queimação no estômago entre

Leia mais

MEGAESÔFAGO IDIOPÁTICO NÃO AVANÇADO: RELATO DE CASO 1.

MEGAESÔFAGO IDIOPÁTICO NÃO AVANÇADO: RELATO DE CASO 1. RELATO DE CASO MEGAESÔFAGO IDIOPÁTICO NÃO AVANÇADO: RELATO DE CASO 1. NOT ADVANCED ESOPHAGEAL IDIOPATHIC ACHALASIA: CASE REPORT. Acácio Augusto CENTENO NETO 2, Alexandre Augusto Calado NOGUEIRA 3, Manoela

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PORTADORES DE MEGAESÔFAGO NÃO AVANÇADO SUBMETIDOS À CIRURGIA DE HELLER-PINOTTI POR VIDEOLAPAROSCOPIA E LAPAROTOMIA

AVALIAÇÃO DOS PORTADORES DE MEGAESÔFAGO NÃO AVANÇADO SUBMETIDOS À CIRURGIA DE HELLER-PINOTTI POR VIDEOLAPAROSCOPIA E LAPAROTOMIA AVALIAÇÃO DOS PORTADORES DE MEGAESÔFAGO NÃO AVANÇADO SUBMETIDOS À CIRURGIA DE HELLER-PINOTTI POR VIDEOLAPAROSCOPIA E LAPAROTOMIA 1. RESUMO O megaesôfago não-avançado, cujo principal sintoma é a disfagia,

Leia mais

da Junção Esofagogástrica

da Junção Esofagogástrica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 15/04/04 Carcinoma da Junção Esofagogástrica strica Diego Teixeira Alves Rangel Casos do Serviço (2001 2004) Nome Idade Diagnóstico Acesso Cirurgia

Leia mais

Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret

Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret Serviço de Cirurgia Geral III Dr Antônio Borges Campos Denissa F. G. Mesquita Extensionista da Cir. do Ap. Digestório Samuel Luz Moreno

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Doença do Refluxo Gastroesofágico. O Que é Doença do Refluxo? Nas pessoas normais, o conteúdo do estômago (comida ou acido clorídrico)

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: REFLUXO GASTROESOFÁGICO EM ADULTO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

Sistematização técnica da gastrectomia total

Sistematização técnica da gastrectomia total Sistematização técnica da gastrectomia total Cláudio Bresciani, Fábio Pinatel Lopasso, Donato Roberto Mucerino,Marcelo Mester,Carlos Eduardo Jacob,Osmar Kenji Yagi,Leandro Cardoso Barchi,Rodrigo,José de

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Anestesia no Transplante Renal

Diretrizes Assistenciais. Anestesia no Transplante Renal Diretrizes Assistenciais Anestesia no Transplante Renal Versão eletrônica atualizada em 2011 Anestesia no Transplante Renal Protocolo 1. Transplante renal intervivos 1.1. Doador: - Medicação pré-anestésica:

Leia mais

DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO: QUAL A EFICÁCIA DOS EXAMES NO DIAGNÓSTICO?

DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO: QUAL A EFICÁCIA DOS EXAMES NO DIAGNÓSTICO? ABCDDV/685 ABCD Arq Bras Cir Dig 2010;23(1):6-10 Artigo Original DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO: QUAL A EFICÁCIA DOS EXAMES NO DIAGNÓSTICO? Gastroesophageal reflux disease: what is the effectiveness

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

2. PRÉ- REQUISITOS PARA A INSCRIÇÃO:

2. PRÉ- REQUISITOS PARA A INSCRIÇÃO: EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO EXAME DE SUFICIÊNCIA CATEGORIA ESPECIAL PARA OBTENÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA EM CIRURGIA DO APARELHO DIGESTIVO 2010 Pelo presente edital, o CBCD Colégio Brasileiro de Cirurgia

Leia mais

Copyright Medical Port 2015 PROGRAMA DE PERDA DE PESO!

Copyright Medical Port 2015 PROGRAMA DE PERDA DE PESO! PROGRAMA DE PERDA DE PESO Agenda O método holístico de Perda de Peso Apresentação do corpo clínico Diferentes programas de perda de peso Unidades de saúde O Método holístico de Perda de Peso The importance

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

Gabriela Moreira Costa Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida gabriela.mc@puccampinas.edu.br

Gabriela Moreira Costa Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida gabriela.mc@puccampinas.edu.br AVALIAÇÃO DA ANASTOMOSE ESOFAGOGÁSTRICA PELA TÉCNICA MANUAL EM DOIS PLANOS DE SUTURA EM PACIENTES COM MEGAESÔFAGO NÃO AVANÇADO RECIDIVADO E DE ORIGEM IDIOPÁTICA SUBMETIDOS A ESOFAGOCARDIOPLASTIA Gabriela

Leia mais

Prof. Diogo Mayer Fernandes Curso de Medicina Veterinária FAD Patologia e Clínica Cirúrgica I

Prof. Diogo Mayer Fernandes Curso de Medicina Veterinária FAD Patologia e Clínica Cirúrgica I Prof. Diogo Mayer Fernandes Curso de Medicina Veterinária FAD Patologia e Clínica Cirúrgica I PRÉ-ESTÔMAGO RÚMEN Epitélio papilar Fermentação anaeróbia Funções: 1. Estocagem 2. Mistura 3. Fermentação microbiana

Leia mais

TRATAMENTO CIRÚRGICO DO MEGAESÔFAGO

TRATAMENTO CIRÚRGICO DO MEGAESÔFAGO TRATAMENTO CIRÚRGICO DO MEGAESÔFAGO MONOGRAFIA DE CONCLUSÃO DA RESIDÊNCIA MÉDICA EM CIRURGIA GERAL HOSPITAL GERAL DE JACAREPAGUÁ -RJ SÉRGIO CAMPOS MEDEIROS RIO DE JANEIRO, RJ - BRASIL JANEIRO DE 2008 Feliz

Leia mais

[ Técnicas de analgesia/anestesia local] Universidade de Évora

[ Técnicas de analgesia/anestesia local] Universidade de Évora 2012 Universidade de Évora Maria Margarida Fragoso Costa [ Técnicas de analgesia/anestesia local] Texto de apoio às aulas práticas de Anestesiologia do curso de Medicina Veterinária da Universidade de

Leia mais

Em resposta a Portaria n. 228/2011, no qual sou nomeado para análise e emissão de parecer, passo abaixo meu relatório para apreciação na plenária.

Em resposta a Portaria n. 228/2011, no qual sou nomeado para análise e emissão de parecer, passo abaixo meu relatório para apreciação na plenária. PROCESSO CONSULTA 00009/2011 INTERESSADO: Dr. Marcelo Luiz Feitosa Ferrari CRM/RO 1.366 ASSUNTO: Solicitação de parecer sobre repassagem de Sonda de Gastrostomia. Relatora: Cons. Inês Motta de Morais Senhor

Leia mais

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Cirurgia do Esôfago Painel de perguntas e filmes cirúrgicos

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL. Respiração das Aves. Monitor: André Fernandes de Azevedo

Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL. Respiração das Aves. Monitor: André Fernandes de Azevedo Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL Respiração das Aves Monitor: André Fernandes de Azevedo Revisão: Nos mamíferos http://veterinerara.com/wp-content/uploads/2009/08/liver-feline-anatomy.gif

Leia mais

Ótica nova e aperfeiçoada de aplicação universal para o consultório veterinário de animais de pequeno porte VET 16 7.0 07/2015-PT

Ótica nova e aperfeiçoada de aplicação universal para o consultório veterinário de animais de pequeno porte VET 16 7.0 07/2015-PT Ótica nova e aperfeiçoada de aplicação universal para o consultório veterinário de animais de pequeno porte VET 16 7.0 07/2015-PT Ótica de aplicação universal para o consultório veterinário de animais

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO SISTEMA DIGESTÓRIO Universidade Federal do Ceará Departamento de Morfologia Prof. Erivan Façanha SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO Órgãos que no conjunto cumprem a função de tornar os alimentos solúveis, sofrendo

Leia mais

PRINCIPAIS PROCEDIMENTOS

PRINCIPAIS PROCEDIMENTOS PRINCIPAIS PROCEDIMENTOS NEONATOLOGIA ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br VIAS AÉREAS e VENTILAÇÃO Intubação Traqueal Seqüência Intubação Traqueal Técnica de Intubação Oxigenação com ambu com O2

Leia mais

PROTOCOLOS RAIO-X CONTRASTADOS

PROTOCOLOS RAIO-X CONTRASTADOS Pg. Página 1 de 14 ÍNDICE PROTOCOLO DE ENEMA OPACO... 2 PROTOCOLO DE ESOFAGOGRAMA... 4 PROTOCOLO DE ESTUDO DE ESÔFAGO-ESTÔMAGO E DUODENO (EED)... 5 PROTOCOLO DE ESTUDO DE ESÔFAGO-ESTÔMAGO PÓS GASTROPLASTIA...

Leia mais

sondagem Friday, April 23, 2010 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6

sondagem Friday, April 23, 2010 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6 Definição Sondagem Nasoenteral é a introdução através da cavidade nasal/oral de uma sonda de poliuretano ou outro material, posicionada

Leia mais

Vias de administração

Vias de administração Vias de administração Parenteral Intravenosa: I.V. Intraperitoneal: I.P. Intramuscular: I.M. Subcutânea: SC Intradérmica: ID Infiltração Local Aplicação tópica Considerações Antes de tudo: Observação Treinamento

Leia mais

Sabrina Bortolin Nery. Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo

Sabrina Bortolin Nery. Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo Sabrina Bortolin Nery Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo Introdução Atualmente, o exame complementar mais utilizado no diagnóstico

Leia mais

Boas Práticas no Manuseio de Animais de Laboratório: Cuidado com os Animais Experimentais

Boas Práticas no Manuseio de Animais de Laboratório: Cuidado com os Animais Experimentais Boas Práticas no Manuseio de Animais de Laboratório: Cuidado com os Animais Experimentais Marcella M. Terra Biomédica 2013 1 Pesquisa Pré-Cliníca - Importância Melhorar a Qualidade de Vida Buscar a cura

Leia mais

www.ettinger.med.br Doença do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato Manual do paciente João Ettinger 18 Anos de Cirurgia Laparoscópica

www.ettinger.med.br Doença do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato Manual do paciente João Ettinger 18 Anos de Cirurgia Laparoscópica Doença do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato Manual do paciente João Ettinger 18 Anos de Cirurgia Laparoscópica Desde 1992 1 O Que é Doença do Refluxo? Nas pessoas normais, o conteúdo do estômago

Leia mais

AVALIAÇÃO MACROSCÓPICA GÁSTRICA DE CÃES INTOXICADOS EXPERIMENTALMENTE COM TETRACLORETO DE CARBONO

AVALIAÇÃO MACROSCÓPICA GÁSTRICA DE CÃES INTOXICADOS EXPERIMENTALMENTE COM TETRACLORETO DE CARBONO AVALIAÇÃO MACROSCÓPICA GÁSTRICA DE CÃES INTOXICADOS EXPERIMENTALMENTE COM TETRACLORETO DE CARBONO Brunno Medeiros dos SANTOS 1, Naida Cristina BORGES 2, Rômulo Ferreira SILVAINO 3, Andréia Vitor Couto

Leia mais

Hipertrofia Muscular Idiopática Tratada Com Transposição Gástrica Completa. Relato de Caso e Revisão da Literatura

Hipertrofia Muscular Idiopática Tratada Com Transposição Gástrica Completa. Relato de Caso e Revisão da Literatura UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Hipertrofia Muscular Idiopática Tratada Com Transposição Gástrica Completa. Relato de Caso e Revisão da Literatura Serviço de Cirurgia Pediátrica IPPMG/UFRJ Douglas

Leia mais

Prof. Diogo Mayer Fernandes Disciplina de Técnica Cirúrgica Medicina Veterinária FAD

Prof. Diogo Mayer Fernandes Disciplina de Técnica Cirúrgica Medicina Veterinária FAD Prof. Diogo Mayer Fernandes Disciplina de Técnica Cirúrgica Medicina Veterinária FAD Incisão cirúrgica para acesso à cavidade abdominal SINÔNIMO Celiotomia TERMOS Abdômen Agudo = Alteração repentina dos

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO:

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: CONJUNTO DE ÓRGÃOS FORMANDO UM CANAL ALIMENTAR COM A FINALIDADE DE NUTRIÇÃO DO ORGANISMO. FUNÇÕES: Sistema Digestório INSERÇÃO MASTIGAÇÃO DEGLUTIÇÃO DIGESTÃO ABSORÇÃO EXCREÇÃO

Leia mais

Cirurgia da Doença do Refluxo Gastroesofágico Indicações e Diferentes Tipos de Cirurgia

Cirurgia da Doença do Refluxo Gastroesofágico Indicações e Diferentes Tipos de Cirurgia 2013/2014 Maria Carolina Martins Coutinho de Sousa Tavares Cirurgia da Doença do Refluxo Gastroesofágico Indicações e Diferentes Tipos de Cirurgia abril, 2014 Maria Carolina Martins Coutinho de Sousa Tavares

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO Identificação do animal Nome/número RG do HV Espécie: Raça: Idade: Sexo: Peso: Cor: Data e hora do

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia AFECÇÕES CIRÚRGICAS DO ESÔFAGO Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos DIAGNÓSTICO DA DOENÇA ESOFÁGICA SINAIS CLÍNICOS Regurgitação Disfagia, dificuldade de preensão Ptialismo Tosse, estertores Dispnéia

Leia mais

17/02/2012. Diafragma

17/02/2012. Diafragma Diafragma Topografia Repouso - linha retilínea da 7º costela à 13º costela. Inspiração - linha ligeiramente convexa da 7º costela à 3º vértebra lombar. Expiração - linha convexidade cranial da 7º costela

Leia mais

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1. Na atresia de esôfago pode ocorrer fistula traqueoesofágica. No esquema abaixo estão várias opções possíveis. A alternativa indica a forma mais freqüente é: Resposta B 2. Criança

Leia mais

SERVIÇO DE ANESTESIOLOGIA

SERVIÇO DE ANESTESIOLOGIA SERVIÇO DE ANESTESIOLOGIA PROTOCOLO ASSISTENCIAL 2: CUIDADOS PERIOPERATÓRIOS E ANESTESIA PARA CIRURGIA BARIÁTRICA AUTORES: Lorena Antonia Sales Vasconcelos Oliveira Antônio Rubens Cordeiro Filho Cláudia

Leia mais

SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA SONDAGEM NASOGÁSTRICA E LAVAGEM INTESTINAL

SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA SONDAGEM NASOGÁSTRICA E LAVAGEM INTESTINAL SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA SONDAGEM NASOGÁSTRICA E LAVAGEM INTESTINAL SISTEMA DIGESTÓRIO Formado pelo tubo digestivo e as glândulas anexas; Subdividido em: -cavidade oral - esôfago - estômago - intestino

Leia mais

Via aérea definiva no trauma

Via aérea definiva no trauma Via aérea definiva no trauma Mauricio Vidal de Carvalho Israel Figueiredo júnior A sistematização do atendimento inicial a vítimas de traumas trouxe importantes avanços na condução destes pacientes. Diante

Leia mais

ESTUDO ELETROMANOMÉTRICO DO ESÔFAGO EM PORTADORES DA DOENÇA DE CHAGAS EM SUA FORMA INDETERMINADA

ESTUDO ELETROMANOMÉTRICO DO ESÔFAGO EM PORTADORES DA DOENÇA DE CHAGAS EM SUA FORMA INDETERMINADA Vol. Artigo 31 - Nº Original 2, Mar. / Abr. 2004 Vol. 31 - Nº 2: 107-111, Mar. / Abr. 2004 ESTUDO ELETROMANOMÉTRICO DO ESÔFAGO EM PORTADORES DA DOENÇA DE CHAGAS EM SUA FORMA INDETERMINADA MANOMETRIC FINDINGS

Leia mais

Redução e Reparo Laparoscópico de Emergência de um Volvo Gástrico Intratorácico após Fundoplicatura de Nissen. Relato de Caso

Redução e Reparo Laparoscópico de Emergência de um Volvo Gástrico Intratorácico após Fundoplicatura de Nissen. Relato de Caso 170 Carvalho GL e cols. Rev Comunicação bras videocir, Out./Dez. Preliminar 2006 Relato de Caso Redução e Reparo Laparoscópico de Emergência de um Volvo Gástrico Intratorácico após Fundoplicatura de Nissen

Leia mais

Doença a do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato

Doença a do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato www.bahiagastrocenter.com.br Doença a do Refluxo Gastroesofágico e Hérnia de Hiato Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral Edvaldo Fahel Copyright Bahia Gastro Center - 2009 1 O Que é

Leia mais

Descrição: - Tecnologia Médica INSTRUÇÕES DE USO:

Descrição: - Tecnologia Médica INSTRUÇÕES DE USO: INSTRUÇÕES DE USO: - Tecnologia Médica MÁSCARA LARÍNGEA NovaMASC DESCARTÁVEL Figura 1 Máscara Laríngea em posição A Máscara Laríngea NovaMASC descartável, é um dispositivo supraglótico para ventilação,

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS GERAIS O Programa de Residência Médica opcional de Videolaparoscopia em Cirurgia do Aparelho Digestivo (PRMCAD) representa modalidade de ensino de Pós Graduação visando ao aperfeiçoamento ético,

Leia mais

MÁSCARA LARÍNGEA. Descrição:

MÁSCARA LARÍNGEA. Descrição: MÁSCARA LARÍNGEA ** Este dispositivo deve ser utilizado unicamente por pessoas devidamente treinadas e que estejam familiarizadas com suas restrições e cuidados ** A Sonda Laríngea, modelo: Máscara Laríngea

Leia mais

RADIOLOGIA DO ESÔFAGO

RADIOLOGIA DO ESÔFAGO RADIOLOGIA DO ESÔFAGO Esofagograma : administração de substância com densidade diferente do órgão. São elas sulfato de bário (rotina) e soluções iodadas (casos de suspeita de ruptura) na dose de 2 a 6

Leia mais

Via Aérea Difícil. Dr. Antonio Roberto Carraretto, TSA-SBA

Via Aérea Difícil. Dr. Antonio Roberto Carraretto, TSA-SBA Via Aérea Difícil Dr. Antonio Roberto Carraretto, TSA-SBA 2 Via Aérea Difícil Definições: Não é possível visualizar nenhuma parte das cordas vocais pela laringoscopia convencional. A intubação requer mais

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA COMPARAÇÃO DA FREQÜÊNCIA DE BLOQUEIO DA DRENAGEM VENOSA EM FÍGADOS TRANSPLANTADOS PELOS MÉTODOS CONVENCIONAL OU PIGGYBACK

PROJETO DE PESQUISA COMPARAÇÃO DA FREQÜÊNCIA DE BLOQUEIO DA DRENAGEM VENOSA EM FÍGADOS TRANSPLANTADOS PELOS MÉTODOS CONVENCIONAL OU PIGGYBACK PROJETO DE PESQUISA COMPARAÇÃO DA FREQÜÊNCIA DE BLOQUEIO DA DRENAGEM VENOSA EM FÍGADOS TRANSPLANTADOS PELOS MÉTODOS CONVENCIONAL OU PIGGYBACK Pesquisador Responsável: Dr. Paulo Celso Bosco Massarollo PROJETO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Mensuração de Pressão Intra-Abdominal *

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Mensuração de Pressão Intra-Abdominal * 1 CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Mensuração de Pressão Intra-Abdominal * A medida da Pressão Intra-Abdominal (PIA) é considerada um procedimento de menor risco do

Leia mais

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes CIRURGIA CITORREDUTORA E QUIMIOTERAPIA INTRAPERITONEAL HIPERTÉRMICA NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL Ademar Lopes CÂNCER COLORRETAL SOB mediana em doença avançada versus tratamento sistêmico Meyerhardt

Leia mais

www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral

www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral www.bahiagastrocenter.com.br Cálculos (pedras) da Vesícula biliar Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral Copyright Bahia Gastro Center - 2009 1 Quem pode ter pedra (cálculo) na vesícula?

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO PROPICIA APRENDIZADO E BEM-ESTAR ANIMAL EM TEMPO DE PARALISAÇÃO ACADÊMICA

PROJETO DE EXTENSÃO PROPICIA APRENDIZADO E BEM-ESTAR ANIMAL EM TEMPO DE PARALISAÇÃO ACADÊMICA 1 PROJETO DE EXTENSÃO PROPICIA APRENDIZADO E BEM-ESTAR ANIMAL EM TEMPO DE PARALISAÇÃO ACADÊMICA NILVA MARIA FRERES MASCARENHAS ¹, CARMEN LÚCIA SCORTECCI HILST ¹, FERNANDO DE BIASI ¹, ANGELITA ZANATA RÉIA

Leia mais

Laparoscopia nas hérnias diafragmáticas: estudo experimental em cães

Laparoscopia nas hérnias diafragmáticas: estudo experimental em cães Ciência Rural, Santa Maria, v.34, Laparoscopia n.6, p.1849-1855, nas hérnias nov-dez, diafragmáticas: 2004 estudo experimental em cães. ISSN 0103-8478 1849 Laparoscopia nas hérnias diafragmáticas: estudo

Leia mais

CIRURGIA POR JATO DE ÁGUA ERBEJET 2

CIRURGIA POR JATO DE ÁGUA ERBEJET 2 CIRURGIA POR JATO DE ÁGUA ERBEJET 2 A diversidade da cirurgia por jato de água: ERBEJET 2 com Instrumentos híbridos Intervenções menos invasivas na cirurgia e endoscopia A cirurgia por jato de água com

Leia mais

POSICIONAMENTO DO PACIENTE PARA CIRURGIA: ENFERMAGEM CIRÚRGICA

POSICIONAMENTO DO PACIENTE PARA CIRURGIA: ENFERMAGEM CIRÚRGICA POSICIONAMENTO DO PACIENTE PARA CIRURGIA: ENFERMAGEM CIRÚRGICA PROF. CRISTIANA COSTA LUCIANO POSICIONAMENTO CIRÚRGICO: - POSIÇÃO CIRÚRGICA É AQUELA EM QUE É COLOCADO O PACIENTE, APÓS ANESTESIADO, PARA

Leia mais

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea Nefrolitotripsia Percutânea A cirurgia renal percutânea é a forma menos agressiva de tratamento para cálculos renais grandes e que não podem ser tratados adequadamente pela fragmentação com os aparelhos

Leia mais

como intervir Héber Salvador de Castro Ribeiro Departamento de Cirurgia Abdominal A.C. Camargo Cancer Center

como intervir Héber Salvador de Castro Ribeiro Departamento de Cirurgia Abdominal A.C. Camargo Cancer Center Esôfago de Barrett: quando acompanhar e como intervir Héber Salvador de Castro Ribeiro Departamento de Cirurgia Abdominal A.C. Camargo Cancer Center Não possuo conflitos de interesse; Esôfago de Barrett

Leia mais

HOSPITAL PEQUENO PRÍNCIPE

HOSPITAL PEQUENO PRÍNCIPE 1 HOSPITAL PEQUENO PRÍNCIPE TRATAMENTO DE FERIDA COM EXTRATO HIDROGLICÓLICO DE CALÊNDULA OFFICINALIS PHYTOPLENUS 2% EM PACIENTE COM ONFALOCELE RELATO DE CASO 1. INTRODUÇÃO Nas ultimas décadas houve grande

Leia mais

A nova alça renal da KARL STORZ

A nova alça renal da KARL STORZ URO 39 4.0 03/2015-PT A nova alça renal da KARL STORZ Um passo decisivo contra a isquemia quente na ressecção laparoscópica parcial do rim A nova alça renal da KARL STORZ - Um passo decisivo contra a isquemia

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

Para pacientes portadores de carcinoma de esôfago em boas condições clínica

Para pacientes portadores de carcinoma de esôfago em boas condições clínica Toracoscopia no tratamento do câncer de esôfago Rubens Antonio Aissar Sallum, Flavio Roberto Takeda, Ivan Cecconello Para pacientes portadores de carcinoma de esôfago em boas condições clínica e com estadiamento

Leia mais

A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa.

A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa. A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa. Projeto coordenado por Profa. Dra. Denise Costa Dias 1. Selecionar a veia e os materiais

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO EMBRIOLOGIA E ANATOMIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO

ESTUDO DIRIGIDO EMBRIOLOGIA E ANATOMIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO DISCIPLINA: SISTEMA GASTROINTESTINAL Área do conhecimento: Anatomia Professora: Jákina Guimarães Vieira ESTUDO DIRIGIDO EMBRIOLOGIA E ANATOMIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO 1. Qual (is) o (s) folheto (s) embrionário

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. MORFOLOGIA

1. INTRODUÇÃO 2. MORFOLOGIA 1. INTRODUÇÃO O diafragma é o principal músculo da respiração. Muito já foi estudado sobre sua forma e ação na mecânica respiratória. O objetivo deste trabalho é realizar uma breve revisão destes aspectos,

Leia mais

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE 1. OBJETO: 2.1. Eventual AQUISIÇÃO DE MATERIAL MÉDICO HOSPITALAR (sondas, cânulas, tubos e drenos), destinados a atender as Unidades de Saúde do Estado de Roraima, conforme descrição neste Termo de Referência.

Leia mais

Doença do Refluxo Gastroesofágico

Doença do Refluxo Gastroesofágico Doença do Refluxo Gastroesofágico Gustavo Rigon Narciso Agosto 2014 Definições Inicialmente era sinônimo de esofagite e hérnia de hiato. Posteriormente foi definida como uma desordem de motilidade associada

Leia mais

SEMIOLOGIA DO ABDOME. Prof. Semi Haurani Semiologia Médica II

SEMIOLOGIA DO ABDOME. Prof. Semi Haurani Semiologia Médica II SEMIOLOGIA DO ABDOME Prof. Semi Haurani Semiologia Médica II ABDOME ABDOME INSPEÇÃO PELE: CICATRIZES, ESTRIAS, VEIAS E LESÕES UMBIGO CONTORNO ABDOMINAL: FORMA, SIMETRIA, VOLUME, MASSAS E VÍSCERAS PERISTALSE

Leia mais

LUCELIA CATANI. Orientadora: Profª. Karen Andréa Comparin

LUCELIA CATANI. Orientadora: Profª. Karen Andréa Comparin LUCELIA CATANI A PREVALÊNCIA DE PACIENTES DE ZERO A CINCO ANOS COM COMPLICAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS AO REFLUXO GASTROESOFÁGICO INTERNADOS NO SETOR DE PEDIATRIA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE

Leia mais

AVALIAÇÃO FUNCIONAL DO ESÔFAGO. Mirna da Mota Machado José Carlos Felicetti Paulo F. Guerreiro Cardoso. Introdução

AVALIAÇÃO FUNCIONAL DO ESÔFAGO. Mirna da Mota Machado José Carlos Felicetti Paulo F. Guerreiro Cardoso. Introdução AVALIAÇÃO FUNCIONAL DO ESÔFAGO Introdução Mirna da Mota Machado José Carlos Felicetti Paulo F. Guerreiro Cardoso Os recentes avanços tecnológicos trouxeram para o alcance do cirurgião torácico que atua

Leia mais

Sistema Respiratório I - INTRODUÇÃO. O que é respiração? Respiração celular. Respiração pulmonar III - ESTRUTURA II - FUNÇÃO. Ventilação Pulmonar

Sistema Respiratório I - INTRODUÇÃO. O que é respiração? Respiração celular. Respiração pulmonar III - ESTRUTURA II - FUNÇÃO. Ventilação Pulmonar I - INTRODUÇÃO O que é respiração? Respiração celular Ocorre no interior das mitocôndrias subs orgânicas + O2 energia + CO2 + H2O Respiração pulmonar Trocas gasosas entre o ar atmosférico e o sangue Hemerson

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação ANATOMIA HUMANA I Sistema Digestório Prof. Me. Fabio Milioni Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação Sistema Digestório 1 Órgãos Canal alimentar: - Cavidade oral

Leia mais

Sondagens Gastro Gastro-intestinal Vesical Retal Priscilla Roberta Rocha Enfermeira - Especialista em Clínica Médica DEFINIÇÕES SONDA - Tubo que se introduz no organismo em canal natural ou não, para reconhecer-

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Acesse as lâminas digitalizadas dos casos do fórum de lâminas no site: patologiadigital.no-ip.org/casecenter User: patologiaveterinaria Senha: 12345

Acesse as lâminas digitalizadas dos casos do fórum de lâminas no site: patologiadigital.no-ip.org/casecenter User: patologiaveterinaria Senha: 12345 Acesse as lâminas digitalizadas dos casos do fórum de lâminas no site: patologiadigital.no-ip.org/casecenter User: patologiaveterinaria Senha: 12345 #Caso 1 1. Identificação do animal: ovino, fêmea, dois

Leia mais

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Câncer do pâncreas Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Diagnóstico A tomografia helicoidal com dupla fase é o melhor exame de imagem para diagnosticar e estadiar uma suspeita de carcinoma

Leia mais

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM HOSPITALAR Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Chefia do Serviço de Enfermagem Supervisor de Enfermagem Enfermeiro Encarregado de Unidade/Setor Enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva

Leia mais

Roteiro de aulas teórico-práticas

Roteiro de aulas teórico-práticas Roteiro de aulas teórico-práticas Sistema digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta

Leia mais

PARA SUBMETER PROJETOS SIGA AS ETAPAS:

PARA SUBMETER PROJETOS SIGA AS ETAPAS: CEUA UNIFESP 2015 PARA SUBMETER PROJETOS SIGA AS ETAPAS: 1. Entre na página da CEUA Comissão de Ética no Uso de Animais (https://www.unifesp.br/reitoria/ceua/) passe o cursor sobre SUBMISSÃO DE PROJETOS

Leia mais

TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL

TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL ÍNDICE TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL 1. INTRODUÇÃO 01 2. ALIMENTANÇÃO ENTERAL: O QUE É? 02 3. TIPOS DE NUTRIÇÃO ENTERAL 03 4. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DA ALIMENTAÇÃO 04 ENTERAL 5. TIPOS DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SERVIÇO DE CIRURGIA PLÁSTICA HU/UFSC DISCIPLINA DE TÉCNICA OPERATÓRIA E CIRURGIA EXPERIMENTAL - TOCE Úlceras de pressão Profº. Jorge Bins-Ely

Leia mais

Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR

Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR Versão eletrônica atualizada em fev/2012 Março - 2009 1. Conceito, Etiologia e Epidemiologia 1. Trauma raquimedular é a lesão da medula espinhal que provoca

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

CIRURGIA COLORRECTAL LAPAROSCÓPICA

CIRURGIA COLORRECTAL LAPAROSCÓPICA CIRURGIA COLORRECTAL LAPAROSCÓPICA A Experiência de uma Unidade de Coloproctologia Sónia Ribas, Pedro Leão, Ricardo Pereira, Nisalda Rosa, Sandra Martins, Javier Lamelas, Mesquita Rodrigues Hospital de

Leia mais

PLANO DE CURSO 7º PERÍODO - 2015.1

PLANO DE CURSO 7º PERÍODO - 2015.1 PLANO DE CURSO 7º PERÍODO - 2015.1 CURSO: MEDICINA COMPONENTE CURRICULAR: Clínica Cirúrgica I CARGA HORÁRIA TOTAL: 108 horas TEÓRICA: 72 horas PRÁTICA: 36 horas PROFESSOR RESPONSÁVEL: Fernando Manoel PROFESSORES:

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

Escrito por Prof. Dr. Sabas Carlos Vieira Sex, 18 de Junho de 2010 14:48 - Última atualização Qui, 15 de Julho de 2010 14:30

Escrito por Prof. Dr. Sabas Carlos Vieira Sex, 18 de Junho de 2010 14:48 - Última atualização Qui, 15 de Julho de 2010 14:30 Prof. Dr. Sabas Carlos Vieira INTRODUÇÃO Para o ano de 2010, o INCA estima que ocorrerão cerca de 500mil novos casos de câncer no Brasil. Hoje cerca de 60% destes pacientes terão seus tumores controlados

Leia mais

TÍTULO DE ESPECIALISTA EM CIRURGIA DO APARELHO DIGESTIVO

TÍTULO DE ESPECIALISTA EM CIRURGIA DO APARELHO DIGESTIVO EDITAL 2010 TÍTULO DE ESPECIALISTA EM CIRURGIA DO APARELHO DIGESTIVO A Secretaria do Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva (C.B.C.D.) informa que do estarão abertas as inscrições para obtenção do Título

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais?

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Trocando Idéias XIV - 2009 VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Walquíria Quida Salles Pereira Primo Doutorado e Mestrado UnB Professora da Pós-graduação UnB Unidade de Ginecologia

Leia mais