UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora: Adriana Feliciana Melo

2 FERIDA CIRÚRGICA Classificação Ferida aguda OBJETIVOS DO CURATIVO: Prevenir infecções Absorver exsudatos Promover proteção e conforto Promover limpeza

3 Cicatrização por Primeira intenção Quando não há perda de tecido e as extremidades da pele ficam justapostas uma à outra. Curativo seco e utilizado para proteção.

4

5 Segunda intenção Ocorre em feridas onde houve perda de tecido e as extremidades da pele ficam distantes umas das outras, sendo necessário formação de tecido de granulação até que a contração e epitelização aconteçam

6

7

8 Terceira intenção A ferida é deixada aberta por um determinado período, funcionando como cicatrização por segunda intenção, sendo suturada posteriormente, como cicatrização por primeira intenção

9 Deiscência de sutura

10 Fatores que interferem na cicatrização Gerais: idade, estado nutricional, fumo, anemia, DM, obesidade, corticóides e QTs. Locais: vascularização e oxigenação tissular (condições do paciente), grau de contaminação da ferida,cuidados e aspectos técnicos, drenos de sistema aberto.

11 Processo Cicatricial

12 FERIDA CIRÚRGICA Avaliação e intervenções de enfermagem no pós-operatório Fase inflamatória (1-4 dias) Fase proliferativa (5-14 dias) Fase remodeladora (15 o dia a 1-2 anos)

13 Fase inflamatória (1 4 dias) Reações vasculares Reações celulares

14

15 Fase inflamatória Dor Calor Rubor Tumor Perda da função

16

17 Fase Proliferativa (5-14 dias) Tecido de granulação Angiogênese Colágeno

18

19 Fase de maturação Diminuição da vascularização Aumento da força tensil Reorientação das fibras de colágeno

20

21

22

23

24 Resultados esperados e indesejados em cada fase do processo de cicatrização

25 Fase inflamatória Observar sinais inflamatórios Sítio cirúrgico reepitelizado em 72hs Força tênsil é pequena Mudança da coloração da incisão

26 Fase inflamatória: Mensuração do resultado Resultados desejados Resultados indesejados Cor da incisão Vermelha, bordas aproximadas Vermelha, bordas aproximadas, mas tensão evidente na linha de incisão Inflamação do tecido adjacente Tipo de drenagem Tumefação, vermelhidão, ou despigmentação da pele; calor, dor Sanguinolenta, progredindo para serosa Nenhum sinal de inflamação, pouca dor no sítio cirúrgico, formação de hematoma. Não se aplica Quantidade de drenagem De moderada a mínima Não se aplica Material de sutura Presente podem ser suturas ou grampos Não se aplica Novo tecido Presente por volta do 4 dia ao longo de toda incisão Ausente ao longo de toda a incisão Cicatrização das bordas Ausente Ausente

27 Fase proliferativa Palpação: observa-se halo cicatricial Diminuição do exsudato Observar a coloração e palpar o tecido subjacente Remover os fios de sutura entre o 7 e o 10 dia de PO. A presença contínua de sutura promove força tênsil adicional à ferida, mas pode também, causar aumento do risco de infecção. Observar presença de complicações associadas à cicatrização de feridas, como: sangramentos, deiscência, evisceração, infecções e formação de fístulas.

28 Fase proliferativa: Mensuração do resultado Resultados desejados Resultados indesejados Cor da incisão Vermelha, progredindo para rosa claro (tonicidade da pele) Inflamação do tecido adjacente Entre 5 e 9 dia as bordas vermelhas podem não estar bem aproximadas; tensão evidente na linha de incisão. Entre 10 e 14 dia pode permanecer vermelha, progredindo para rosa claro. Ausente Resposta inflamatória prolongada e entre o 5 e 9 dia formação de hematoma. Tipo de drenagem Ausente Qualquer tipo de drenagem Quantidade de drenagem Ausente Entre 5 e 9 dia: de moderada a mínima Entre 10 e 14 dia: qualquer quantidade Materiais de sutura Indicação de remoção da sutura entre o sétimo e décimo dia levando em consideração a situação clínica do cliente e a localização topográfica do sítio cirúrgico. Novo tecido Presente ao longo de toda incisão Cicatrização das bordas Presente por volta do 9 dia ao longo de toda a incisão Nenhuma remoção de qualquer tipo de suturas ou fitas externas Ausente ao longo de toda a incisão. Entre 10 ₒ e 14 ₒ dia abertura da linha de incisão Ausente ao longo de toda a incisão. Entre 10 e 14 dia abertura da linha de incisão

29

30

31 Fase remodelação Mudança na coloração Aumento da força tênsil do tecido

32 Fase de remodelamento: Mensuração do resultado Resultados desejados Resultados indesejados Cor da incisão Inflamação do tecido adjacente Rosa-pálido, progredindo para branco ou prata em clientes com pele clara, rosa-pálido, progredindo para mais escuro do que a cor normal da pele ou de pálido para branco em clientes com pele escura. Formação de novo tecido, quelóide ou formação de cicatriz hipertrófica Ausente Processo de cicatrização pode estar estagnado sem evidência de cicatrização e sinais contínuos de vermelhidão, pus, calor ou dor Tipo de drenagem Ausente Qualquer tipo de drenagem presente Quantidade de drenagem Ausente Qualquer quantidade presente Material de sutura Ausente Na cicatrização por segunda intenção a ferida não se contrai ou as bordas não se aproximam Novo tecido Presente Ausente ou pele de aparência anormal, tais como quelóide ou cicatriz hipertrófica Cicatrização das bordas Presente Formação de abscesso com ferida aberta para cicatrizar por segunda intenção

33 FERIDA CIRÚRGICA Curativo Técnica asséptica; Curativo seco e oclusivo até 48 horas;

34 FERIDA CIRÚRGICA Nos casos de permanência da drenagem de secreções, manter o curativo oclusivo, e nas indicações de proteção da ferida, manter, também, o curativo oclusivo, no entanto, colocando gazes esterilizadas sobre a linha de sutura e micropore ao redor da gaze deixando o centro livre. Iniciar o curativo pela ferida mais limpa quando o cliente apresentar múltiplas lesões.

35 FERIDA CIRÚRGICA Observar a presença de reações ocasionadas pelo material, prolongando dessa forma a fase inflamatória. Realizar a limpeza da ferida cirúrgica após 48 horas da sutura com água e sabonete, durante o banho, quando a pele não apresentar complicações visíveis.

36 Avaliação e registro Características da ferida cirúrgica Localização da incisão Tamanho em centímetros Presença de fios de sutura Exsudato: aspecto, coloração, quantidade e odor Presença ou ausência de halo cicatricial

37 Avaliação e registro Tempo decorrido desde a cirurgia Cobertura primária e secundária Quantificar o material utilizado

38 Avaliação e registro Características da pele adjacente Aspecto: pele íntegra, macerada e endurecida Coloração: hiperemiada, esbranquiçada e ou sem alterações Flutuação Temperatura

39 Avaliação para retirada de pontos Critérios: Ausência de sinais flogísticos Ausência de tensão na linha de sutura Presença de halo cicatricial pela palpação Situação clínica do cliente Localização topográfica e o tamanho da ferida Área do corpo Dias Tronco 6-14 Membros Articulações 14

40 Referências bibliográficas FERREIRA, AM; ANDRADE, D. Sítio cirúrgico: avaliação e intervenções de enfermagem no pós-operatório, Arq. Ciênc Saúde 2006 janmarç; 13 (1): CAMPOS, ACL,BORGES-BRANCO A,GROTH AK. Cicatrização de feridas. ABCD Arq Bras Cir Dig, 2007; 20 (1): FERREIRA, AM; ANDRADE, D. Revisão integrativa da técnica limpa e estéril: consensos e controvérsias na realização de curativos.

41 OBRIGADA!

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio CICATRIZAÇÃO! Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio Gustavo Rêgo Coêlho Cirurgia do Aparelho Digestivo Transplante de Fígado CICATRIZAÇÃO Aquiles

Leia mais

Avaliação do sítio cirúrgico: condutas de enfermagem. Assessment of surgical site: nursing care. Introdução

Avaliação do sítio cirúrgico: condutas de enfermagem. Assessment of surgical site: nursing care. Introdução Rev Inst Ciênc Saúde 2004 out-dez; 22(4): 273-8 Avaliação do sítio cirúrgico: condutas de enfermagem Assessment of surgical site: nursing care Adriano Menis Ferreira* Adriana Pelegrini dos Santos Pereira**

Leia mais

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007)

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Hospital Municipal Miguel Couto 1 Objetivos: Oferecer informações técnicas e científicas atualizadas para as equipes médicas

Leia mais

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão DRENOS CONCEITO É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão ou podem estar ali presentes. OBJETIVOS DOS DRENOS Permitem

Leia mais

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida Reparo, formação de cicatriz e fibrose Prof. Thais Almeida Reparo Definição: Restituição incompleta do tecido lesado, com substituição apenas de algumas estruturas perdidas. Quando há acometimento do parênquima

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) Enf.ª Cláudia Cristina Castro de Andrade SEC/SCIH devidos créditos! Plágio é Crime! UM POUCO DE HISTÓRIA... Até a metade do século XIX ISC= óbito Joseph Lister,

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

Estabelecer padrões para a realização de curativo nos diversos tipos de lesão ou ferida.

Estabelecer padrões para a realização de curativo nos diversos tipos de lesão ou ferida. 1/5 1. OBJETIVO Estabelecer padrões para a realização de curativo nos diversos tipos de lesão ou ferida. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO Curativo - Curativo ou penso é um material aplicado diretamente sobre feridas

Leia mais

Sítio cirúrgico: avaliação e intervenções de enfermagem no pós-operatório.

Sítio cirúrgico: avaliação e intervenções de enfermagem no pós-operatório. ARTIGO DE ATUALIZAÇÃO Sítio cirúrgico: avaliação e intervenções de enfermagem no pós-operatório. Surgical site: nursing evaluation and interventions in the postoperative Adriano M. Ferreira¹; Denise de

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS PORTADORES DE ALTERAÇÕES DO TECIDO CUTÂNEO EDINELMA CARVALHO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS PORTADORES DE ALTERAÇÕES DO TECIDO CUTÂNEO EDINELMA CARVALHO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS PORTADORES DE ALTERAÇÕES DO TECIDO CUTÂNEO EDINELMA CARVALHO REVISÃO DA ANATOMIA E FISIOLOGIA DA PELE É o maior órgão do corpo humano; Principais funções: - proteção contra

Leia mais

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula Revisão: 01 PÁG: 1 CONCEITO Consiste no procedimento de remoção dos fios cirúrgicos com técnica asséptica, o qual pode ser retirada pode ser total ou alternada. FINALIDADE Oferecer a limpeza da incisão

Leia mais

Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização

Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização Professora Daniele Domingues Anatomia da Pele Anatomia da Pele Pele é o maior órgão do corpo humano. É composta por 2 camadas:

Leia mais

CURATIVOS E ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM

CURATIVOS E ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM CURATIVOS E ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM Dagma Costa Enfermeira saúde da criança e adolescente Pollyane Silva Enfermeira saúde do adulto Roberta Tirone Enfermeira saúde do idoso Residencia Integrada multiprofissional

Leia mais

Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas

Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas Profª Drª Fabiana Flores Sperandio O que é câncer de mama? É uma doença que surge quando células da mama sofrem uma mutação e se

Leia mais

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Neuropatia Diabética e o Pé Diabético Instrutora:

Leia mais

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL Regeneração, cicatrização e fibrose http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Reparação Tecidual "Processo de reposição do tecido

Leia mais

Drenos. Prof. Claudia Witzel

Drenos. Prof. Claudia Witzel Drenos 1 Conceito É um material que quando necessário ;e colocado em uma cavidade, ou ferida, para saída de líquidos, secreções, e ou ar, pois estes não deveriam estar presentes no local. 2 Objetivos dos

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Alterações da polpa, do periápice e do periodonto

Alterações da polpa, do periápice e do periodonto Disciplina: Patologia Oral Alterações da polpa, do periápice e do periodonto Parte 2 Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2º Semestre - 2012 ALTERAÇÕES DA POLPA, DO PERIÁPICE E DO PERIODONTO PATOLOGIA

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Julgue os itens que se seguem, a respeito da assistência de enfermagem na prevenção e no controle de infecção hospitalar. 41 O curativo da ferida operatória em ambiente hospitalar deve ser realizado diariamente

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Proporcionar o ambiente ideal para a reparação tecidual. 2. APLICAÇÃO: Aos pacientes com feridas abertas (com exposição de tecidos, ex. úlceras por pressão, deiscências

Leia mais

CARTA DE INFORMAÇÕES

CARTA DE INFORMAÇÕES Caro(a) paciente, CARTA DE INFORMAÇÕES É objetivo tanto do paciente e de familiares como também de seu cirurgião plástico que tudo dê certo com a cirurgia. Para que o paciente não se depare com surpresas,

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

Prof. Diogo Mayer Fernandes Técnica Cirúrgica Curso de Medicina Veterinária Anhanguera Dourados

Prof. Diogo Mayer Fernandes Técnica Cirúrgica Curso de Medicina Veterinária Anhanguera Dourados Prof. Diogo Mayer Fernandes Técnica Cirúrgica Curso de Medicina Veterinária Anhanguera Dourados TERMINOLOGIA PLIABILIDADE FACILIDADE NO MANUSEIO CIRÚRGICO DE UM FIO MEMÓRIA CAPACIDADE DE UM FIO SE MANTER

Leia mais

A Estética da Mama CLÍNICA FERNANDO BASTO

A Estética da Mama CLÍNICA FERNANDO BASTO A Estética da Mama A estética da mama responde a costumes étnicos, sociais e culturais. Há não muitos anos, no Brasil as mulheres solicitavam a diminuição do volume do seio, quando a aspiração do inconsciente

Leia mais

1. O enfermeiro(a) que vai buscar o doente à UCPA deve:

1. O enfermeiro(a) que vai buscar o doente à UCPA deve: Enfermagem Perioperatória Período Pós-Operatório Tardio Enfermagem Perioperatória Admissão do Utente na U.C.Intermédios 1. O enfermeiro(a) que vai buscar o doente à UCPA deve: Observar Estado Respiratório:

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO A IMPORTÂNCIA DOS TRATAMENTOS ESTÉTICOS NO PRÉ E PÓS- OPERATÓRIO DE CIRURGIA DO CONTORNO CORPORAL

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico O seu médico recomendou uma cirurgia para tratar doença do refluxo gastroesofágico. Mas o que isso realmente significa? Seu diafragma é um músculo que separa o tórax de seu abdômen e o ajuda

Leia mais

Saúde Coletiva ISSN: 1806-3365 editorial@saudecoletiva.com.br Editorial Bolina Brasil

Saúde Coletiva ISSN: 1806-3365 editorial@saudecoletiva.com.br Editorial Bolina Brasil Saúde Coletiva ISSN: 1806-3365 editorial@saudecoletiva.com.br Editorial Bolina Brasil GUITTON R. B.OLIVEIRA, BEATRIZ; ABREU CASTRO, JOYCE BEATRIZ DE; CARVALHO ANDRADE, NELSON Técnicas Utilizadas na Aferição

Leia mais

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato M.Sc.Viviane Marques DIAGNÓSTICO 1º diagnóstico: Através da ultrasonografia (Entre a 12ª e 14ª semana de gestação). O diagnóstico das fissuras submucosa

Leia mais

DELIBERAÇÃO COREN-MG -65/00

DELIBERAÇÃO COREN-MG -65/00 DELIBERAÇÃO COREN-MG -65/00 Dispõe sobre as competências dos profissionais de enfermagem na prevenção e tratamento das lesões cutâneas. O Conselho Regional de Enfermagem de Minas Gerais, no exercício de

Leia mais

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ)

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ) LIMPEZA Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem (UERJ) A limpeza é um dos elementos eficaz nas medidas de controle para romper a cadeia epidemiológica das infecções. Ela constitui um fator

Leia mais

Palavras chave: úlceras vasculares, atendimento de enfermagem.

Palavras chave: úlceras vasculares, atendimento de enfermagem. ATIVIDADES REFERIDAS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS PESSOAS COM ÚLCERAS VASCULARES: MAPEANDO O ATENDIMENTO NAS SALAS DE CURATIVO NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA Adriana Cristina de SANTANA 1 ; Maria Márcia

Leia mais

Tecnologias Atuais para o Tratamento de Feridas Hidrogel Hidrocolóide e Espuma com Prata. Prof. Antonio Marinho UERJ/ABAH/UFRJ Ano: 2008

Tecnologias Atuais para o Tratamento de Feridas Hidrogel Hidrocolóide e Espuma com Prata. Prof. Antonio Marinho UERJ/ABAH/UFRJ Ano: 2008 Tecnologias Atuais para o Tratamento de Feridas Hidrogel Hidrocolóide e Espuma com Prata Prof. Antonio Marinho UERJ/ABAH/UFRJ Ano: 2008 Hidrogéis Definição/ação: São redes tridimensionais de polímeros

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

O QUE ESPERAR DA CONSULTA

O QUE ESPERAR DA CONSULTA Manual do Paciente Manual do paciente O QUE ESPERAR DA CONSULTA O sucesso e a segurança do procedimento cirúrgico dependem de sua sinceridade durante a consulta. Você será questionado sobre sua saúde,

Leia mais

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Ms. Giovana B. Milani Mestre em Ciências pela FMUSP Pós- Graduada em Fisioterapia Dermatofuncional Pós- Graduada em Aparelho locomotor no esporte

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR CENTRAL DE CURATIVOS MANUAL DE CURATIVOS

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR CENTRAL DE CURATIVOS MANUAL DE CURATIVOS COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR CENTRAL DE CURATIVOS MANUAL DE CURATIVOS Elaboração: Drª. Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da SCIH / CCIH Drª.

Leia mais

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SERVIÇO DE CIRURGIA PLÁSTICA HU/UFSC DISCIPLINA DE TÉCNICA OPERATÓRIA E CIRURGIA EXPERIMENTAL - TOCE Úlceras de pressão Profº. Jorge Bins-Ely

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos 09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos como os resíduos nos estados sólidos e semissólido,

Leia mais

REGISTROS DE ENFERMAGEM

REGISTROS DE ENFERMAGEM REGISTROS DE ENFERMAGEM MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ) Conceito: Os registros efetuados pela equipe de enfermagem (enfermeiro, técnico e auxiliar) têm a finalidade essencial

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Cuidados com a Integridade Cutânea

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Cuidados com a Integridade Cutânea Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Cuidados com a Integridade Cutânea Elaborado por: Djeimis Willian Kremer, Jaçany A. Borges Prudente, Roselene Marques

Leia mais

Aspecto da ferida: avaliação de enfermagem

Aspecto da ferida: avaliação de enfermagem REVISÃO Aspecto da ferida: avaliação de enfermagem Adriana Rodrigues do Nascimento Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Maísa Namba Docente do Curso de Graduação em Enfermagem. Orientadora. RESUMO

Leia mais

Centro de Cuidados de Enfermagem: Integrando o ensino, a pesquisa e extensão ;

Centro de Cuidados de Enfermagem: Integrando o ensino, a pesquisa e extensão ; DESENVOLVIMENTO DO PROTOCOLO DE CURATIVO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA DEMANDA DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Peruzzo, Simone Aparecida 1 ; Boller, Shirley 2 ; Taube, Samanta AM 3 ; Soares, Franciele 4 ; Stahlhoefer,

Leia mais

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos.

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos. CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU CURSO DE ESTÉTICA E COSMÉTICA Gresemar Aparecida Silva Vedat Sevilla RA 5250988 Natalia Matos da Silva RA: 6837127 Coordenadora: Prof. Natalie

Leia mais

PROTOCOLO PARA AVALIAR, PREVENIR E TRATAR LESÕES DE PELE

PROTOCOLO PARA AVALIAR, PREVENIR E TRATAR LESÕES DE PELE PROTOCOLO PARA AVALIAR, PREVENIR E TRATAR LESÕES DE PELE A pele é a principal barreira de proteção do organismo e tem como funções básicas impedir a perda excessiva de líquidos, proteger de agentes externos,

Leia mais

REAÇÕES DE PELE Enfermeiro Ricardo Isaias Testoni

REAÇÕES DE PELE Enfermeiro Ricardo Isaias Testoni REAÇÕES DE PELE Enfermeiro Ricardo Isaias Testoni Especialista em Enfermagem Oncológica- Hospital Erasto Gaertner Mestrando em Distúrbios da Comunicação UTP Coordenador do Serviço de Oncologia - Hospital

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

USO DE MEMBRANA REGENERADORA POROSA EM LESÕES DECORRENTES DE QUEIMADURA EM CRIANÇAS

USO DE MEMBRANA REGENERADORA POROSA EM LESÕES DECORRENTES DE QUEIMADURA EM CRIANÇAS USO DE MEMBRANA REGENERADORA POROSA EM LESÕES DECORRENTES DE QUEIMADURA EM CRIANÇAS Miriam Thereza Torres Grams Lauri Iva Renck Orientação: Dr. Mauricio J. Lopes Pereima Florianópolis 20 maio de 2006.

Leia mais

IMPERMEÁVEL E ABSORVENTE. O Curativo Transparente com Compressa Absorvente consiste de:

IMPERMEÁVEL E ABSORVENTE. O Curativo Transparente com Compressa Absorvente consiste de: 3BOLETIM TÉCNICO TEGADERM TM PAD Curativo transparente com compressa absorvente IMPERMEÁVEL E ABSORVENTE DESCRIÇÃO DO PRODUTO O Curativo Transparente com Compressa Absorvente consiste de: DORSO - Filme

Leia mais

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013 Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO FINALIDADE: Promover a Prevenção da ocorrência de UPP e outras lesões da pele. JUSTIFICATIVAS: A- Longa permanência

Leia mais

CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido

CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido Eu, RG n solicito e autorizo o Dr. Fausto A. de Paula Jr, CRM-SP 103073, medico otorrinolaringologista,

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

PT IMPLANTES FACIAIS 1

PT IMPLANTES FACIAIS 1 PT IMPLANTES FACIAIS 1 2 PAIXÃO INSPIRANDO A CIÊNCIA. 3 SILIMED HÁ 35 ANOS LANÇANDO AS NOVAS GERAÇÕES DE IMPLANTES DE SILICONE NO MUNDO. Criada em 1978, no Rio de Janeiro, a Silimed atende as áreas de

Leia mais

Soluções Utilizadas para Limpeza de Feridas. Dra. Alciclea dos Santos Oliveira Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo

Soluções Utilizadas para Limpeza de Feridas. Dra. Alciclea dos Santos Oliveira Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo Soluções Utilizadas para Limpeza de Feridas Dra. Alciclea dos Santos Oliveira Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo Soluções Utilizadas para a Limpeza de Feridas A infecção é, sem dúvida alguma,

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

REPARAÇÃO. M.Sc Isabela Brcko

REPARAÇÃO. M.Sc Isabela Brcko REPARAÇÃO M.Sc Isabela Brcko Conceito: "Processo de reposição do tecido destruído observado após a extinção dos agentes flogísticos Objetivo: restaurar o tecido a seu estado natural A reparação pode acontecer

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FERIDAS DE PRESSÃO E SEUS CURATIVOS MAIS UTILIZADOS NO ANO 2000 DORALICE

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE TRÁUMATO-ORTOPEDIA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE TRÁUMATO-ORTOPEDIA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE TRÁUMATO-ORTOPEDIA Diretor do INTO: Sérgio Luiz Côrtes da Silveira Coordenador de Ensino e Pesquisa: Sérgio Eduardo Vianna Coordenador

Leia mais

B BRAUN. Askina Calgitrol Ag. Curativo de Alginato e Prata para Feridas. SHARING EXPERTISE

B BRAUN. Askina Calgitrol Ag. Curativo de Alginato e Prata para Feridas. SHARING EXPERTISE Askina Calgitrol Ag Curativo de Alginato e Prata para Feridas. Askina Calgitrol Ag é um curativo desenvolvido pela tecnologia B. Braun que combina a alta capacidade de absorção do alginato de cálcio e

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

05 Queimaduras em cozinhas

05 Queimaduras em cozinhas 05 Queimaduras em cozinhas As queimaduras mais comuns são as provocadas por líquidos e a maioria das vítimas são as crianças. O álcool líquido está envolvido em grande parte dos acidentes que provocam

Leia mais

Coberturas Especificas

Coberturas Especificas 1 de 10 995 77 RESULTADO ESPERADO: - Promover a cicatrização da ferida, e o reestabelecimento da pele ao seu estado integro. 995 PROCESSOS RELACIONADOS: Enfermagem Atendimento Cirúrgico Internação Tratamento

Leia mais

Instituto de Ciências da Saúde Curso de Graduação em Enfermagem Campus Jundiaí

Instituto de Ciências da Saúde Curso de Graduação em Enfermagem Campus Jundiaí 1 Instituto de Ciências da Saúde Curso de Graduação em Enfermagem Campus Jundiaí Camila Mansano RA: 994988-7 Ilídio Mazzolini Neto RA: 954293-0 Jéssica G. S. Araújo RA: 919816-4 Juliana C. de S. Agostinho

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

_, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à)

_, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável _, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TÉCNICA PARA REALIZAÇÃO DE CURATIVOS

TÉCNICA PARA REALIZAÇÃO DE CURATIVOS Revisão: 23/03/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na realização de procedimentos com o paciente portador de feridas, instituindo tratamento adequado, proporcionando ambiente ideal para a cicatrização. FINALIDADE

Leia mais

MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO

MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO A mama é considerada um dos grandes símbolos da feminilidade, pois além de ser uma das partes mais sensuais do corpo feminino, também está fortemente ligada a maternidade.

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA REGISTROS DE CUIDADOS GERAIS E ESPECÍFICOS

ORIENTAÇÕES PARA REGISTROS DE CUIDADOS GERAIS E ESPECÍFICOS ORIENTAÇÕES PARA REGISTROS DE CUIDADOS GERAIS E ESPECÍFICOS Nível de consciência: Consciente, inconsciente, semiconsciente, coma superficial, coma profundo. Obnubilada (escurecimento, torpor, semiconsciência)

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

workshop» tratamento de feridas

workshop» tratamento de feridas workshop» tratamento de feridas protocolos de orientação no tratamento de feridas vila real 2014 índice 00.1» introdução protocolo 01» ferida hemorrágica protocolo 02» ferida com tecido de granulação não

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Hiperbárica São Paulo

Hiperbárica São Paulo ESTUDO DE CASOS L.M 28 anos, portador da lesão infectada, em região patelar esquerda, com múltiplos abscessos e sub-cutâneo, com stafilococcia. Foto 1: L.M 28 anos, portador da lesão infectada, em região

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica Intervenções de Enfermagem à pessoa submetida a amputação

Leia mais

Dr. Fábio Luiz Frade CIRURGIA PLÁSTICA

Dr. Fábio Luiz Frade CIRURGIA PLÁSTICA LIPOASPIRAÇÃO/LIPOESCULTURA (CIRURGIA DE CONTORNO CORPORAL) A lipoaspiração é um método cirúrgico desenvolvido na Europa, particularmente na Suíça e França a partir de 1977. Foi apresentado pela primeira

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO MEPILEX LITE

INSTRUÇÕES DE USO MEPILEX LITE VERSÃO 1 INSTRUÇÕES DE USO MEPILEX LITE Nome técnico: Curativo Nome comercial: Mepilex Modelo: Mepilex Lite 6x8,5 cm, Mepilex Lite 10x10 cm, Mepilex Lite 15x15 cm ou Mepilex Lite 20x50 cm Verifique no

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia Febre Reumática CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.guildford.gov.uk/play EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright SBR-, 2011 O conteúdo desta

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria.

Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria. Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria. Dr. Theodore Tromovich Burlingame CA. Mais que um curativo, Omiderm é o resultado de todo um trabalho

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico Será solicitado que você coloque uma bata cirúrgica. Poderá receber um sedativo pela boca. Será então transferido para a mesa de operações. Você será submetido a uma anestesia peridural ou

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

LUZ INTENSA PULSADA FOTOREJUVENESCIMENTO. Princípios Básicos - P arte II. Dra Dolores Gonzalez Fabra

LUZ INTENSA PULSADA FOTOREJUVENESCIMENTO. Princípios Básicos - P arte II. Dra Dolores Gonzalez Fabra LUZ INTENSA PULSADA Princípios Básicos - P arte II FOTOREJUVENESCIMENTO Dra Dolores Gonzalez Fabra O Que é Fotorejuvescimento? Procedimento não ablativo e não invasivo. Trata simultaneamente hiperpigmentações,

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010)

Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010) Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010) Van Hof N, Balak FSR, Apeldoorn L, De Nooijer HJ, Vleesch Dubois V, Van Rijn-van Kortenhof NMM traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Oxigenação tecidular Normotermia Antibioterapia profilática. Técnica cirúrgica Duração da cirurgia Hemorragia/Transfusão

Oxigenação tecidular Normotermia Antibioterapia profilática. Técnica cirúrgica Duração da cirurgia Hemorragia/Transfusão INFECÇÃO DO LOCAL CIRÚRGICO: DESTINO, AGOIRO?? José Polónia (CHP-HSA) HSA) Ignaz Semmelweis 1840 s Joseph Lister 1860 s William Halsted 1880 s John Burke 1960 s Oxigenação tecidular Normotermia Antibioterapia

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

HIDRO-OZONIOTERAPIA: UMA REVOLUÇÃO NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS DIABETICAS, E UM POSSÍVEL AVANÇO NO COMPANHAMENTO AOS PORTADORES DE PSORÍASE

HIDRO-OZONIOTERAPIA: UMA REVOLUÇÃO NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS DIABETICAS, E UM POSSÍVEL AVANÇO NO COMPANHAMENTO AOS PORTADORES DE PSORÍASE HIDRO-OZONIOTERAPIA: UMA REVOLUÇÃO NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS DIABETICAS, E UM POSSÍVEL AVANÇO NO COMPANHAMENTO AOS PORTADORES DE PSORÍASE Resumo Diabetes Melittus é uma doença crônica que poderá acometer

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) Médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) Médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais