Macroeconometria 1. Mestrado em Economia Monetária e Financeira Mestrado em Economia. ISCTE-IUL, Dep. de Economia. Luís Filipe Martins

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Macroeconometria 1. Mestrado em Economia Monetária e Financeira Mestrado em Economia. ISCTE-IUL, Dep. de Economia. Luís Filipe Martins"

Transcrição

1 1 Macroeconometria 1 Mestrado em Economia Monetária e Financeira Mestrado em Economia ISCTE-IUL, Dep. de Economia INTRODUÇÃO Luís Filipe Martins Departamento de Métodos Quantitativos, ISCTE-IUL, Escola de Gestão Lisboa, Setembro de 2009

2 1 Ciclos Económicos (Business Cycles) Decisões de investimento, consumo, scalidade,... dos diferentes agentes que compoem uma economia são muito inuenciadas pela fase do ciclo economico em que se vive ou se prevê registar. Retirar a tendência da série. Exemplo: detrended real GDP. Co-movimento de variaveis. (1) co-movimento de outputs sectoriais; (2) produto de bens duráveis com mais volatilidade do que os não-duráveis; (3) emprego, preços, taxas de juro e agregados monetários são pró-ciclicas, desemprego é contraciclico... Ver também Frontiers of Business Cycle Research, Cooley (1995) páginas e Datas dos pontos extremos (pico-peak / fosso-trough)... Duração de expansões e recessões... Indicadores (medidas) técnicos que denem uma recessão (2 trimestres consecutivos de decrescimento do GDP verus NBER: conceito mensal e com indicadores - employment, personal income, industrial production, and quarterly GDP growth)... Metodologia do NBER (datas e durações): Sosticada e em que faz use de inumeras variaveis (output, rendimento, preços, juro,...). Ver (em particular de Our rst step... da pag 76 até... time and country da pag 77) além de e de 2

3 As 5 perguntas sobre ciclos económicos (CE), de acordo com Diebold and Rudebusch (1999)... (a) (Durations) Os CE tornaram-se recentemente mais moderados /estáveis? No periodo pós-guerra mundial, as economias passaram a enfrentar recessões mais curtas e menos profundas. (b) (Durations) O regime (a fase) do ciclo (expansão ou recessão) tende a acabar à medida que este se prolonga no tempo? No periodo pós-guerra mundial, parece que há pouca evidência empirica deste fenómeno. (c) (Durations and Dynamics) Quais são as caracteristicas dominantes de um CE? Primeiro, como é que as variáveis económicas co-variam ao longo do CE (efeito contágio na economia)? Ver os conceitos de indicadores económicos (desfasados, coincidentes e avançados). Segundo, qual é o timing de alternância entre expansões e recessões? Ver os modelos que especicam a persistência dos regimes do CE. (d) (Dynamics) Como distinguir crescimento de longo-prazo (secular growth / tendência) de utuações ciclicas? Ver os conceitos e modelos que separam tendência de ciclo (trend/cycle decompositions). (e) (Forecasting) Como prever os CE? Há que denir a metodologia de previsão e a avaliação da qualidade da previsão. Além do interesse pela previsão do nível de 3

4 actividade económica, também se pode estudar a previsão do periodo em que a fase do ciclo se altera. Há evidência de que os indicadores avançados são previsores de fraca qualidade. Sobre Volatilidade 6= Duração! Detrended Real Output no periodo pos-guerra tem uma variância mais baixa do que no préguerra (amplitudes no ciclo). Versus... Expansões duram mais tempo e recessões menos tempo no periodo pos-guerra (frequências no ciclo). Método: Testar a igualdade das distribuições do CE nos periodos pre e pos-guerra. Como: CDF das durações em meses de cada fase do CE (expansões e recessões) de acordo com, por exemplo, a cronologia NBER dos periodos de alteração da fase do ciclo. Cronologia do NBER usa um vasto numero de indicadores (não apenas as componentes do produto). Ver as alternativas de Romer (1994) e de Watson (1994). Sobre À medida que a fase expansionista do CE se mantém, julgase que tende a ter uma maior probabilidade de terminar! Quando terminará uma fase do ciclo? Há evidência de que, para uma fase que já dura x 1 meses, a probabilidade de acabar é a mesma de se esta já tivesse durado x 2 meses. Método: Harzard and survival analysis (estudo do formato da CDF das durações da fase do CE). 4

5 Antes da 1 a guerra mundial, recessões mantinham-se com a mesma probablidade; expansões tendiam a terminar com o tempo. Após a GG e nos EUA é ao contrário: expansões mantêm-se com a mesma probablidade; recessões tendem a terminar com a idade. Relação com a periodicidade dos ciclos (tempo entre picos consecutivos do CE): Pouca evidência de periodicidade dos ciclos, i.e., ciclos com mais de 4 anos têm a mesma probabilidade de acabar que ciclos com menos de 4 anos. Métodos alternativos incluem Testes de quebras e modelos MS com ou sem TVTP. Sobre Facto1: Há um conjunto de variaveis de co-movimentam-se ao longo do CE. Facto2: Desvios em relação à tendência (ciclo) com inércia/persistência, i.e., a alternância entre fases do CE é lenta. Métodos Facto1: Factor models (estatico/dinâmicos) com recurso a indicadores económicos (Sargent and Sims, 1977, Stock and Watson, 1989, 1997, e Quah and Sargent, 1993); Cointegração;... Métodos Facto2: Stochastic difference equations (AR(p)); dynamic linear models; long-memory (Baillie, 1996); MS models (Hamilton, 1989) and TVTP (Filardo, 1994); raizes unitarias e quebras (Nelson and Plosser, 1982); VAR's 5

6 (Sims, 1980);... Sobre Tendência = percurso de crescimento de longo-prazo; Ciclo = utuações de curto-prazo em torno da tendência. Fraca evidência de tendência constante (e por isso independente do ciclo). A tendência contém quebras (deterministicas ou estocasticas) e por isso poderá estar ligada ao ciclo. Em geral, pouco se pode dizer em relação à natureza da decomposição tendência/ciclo. O produto real terá certamente uma tendência alisada, não exactamente linear. Métodos: TSP (serie é estável em torno de uma tendencia deterministica) versus DSP (estocastica e, por isso, innitamente persistente). Para Nelson and Plosser (1982) a maior parte das variaveis economicas é DSP; MAS... pode haver quebras; depende da frequência dos dados; testes de raizes unitarias com fraca qualidade estatistica; pode ser LM (mais geral que TSP ou DSP);... Sobre As decisões dos diferentes agentes na economia são inuenciadas pelo CE. Portanto, é necessário saber prever com qualidade o CE. E para prever com qualidade temos de saber com rigor a duração e dinâmica do CE (ver pontos 1,2,3 e 4). Prever com modelos estruturais (baseados em teoria economica) versus modelos não-estruturais (por exemplo, analise de correlações, modelos ARMA, 6

7 alisamento,...). Qual é a utilidade e qualidade previsional com recurso a indicadores economicos? Como avaliar e comparar previsões em tempo real (recursive versus rolling,... schemes; ex-post versus ex-ante)? Indicadores avançados têm sido usados para prever os picos dos CE. Se o interesse está na previsão da alteração da fase do ciclo (turning period) e não tanto no nivel da série, então uma opção é o uso de indicadores compostos (composite leading index - ver CLI do Department of Commerce, USA). Um declinio indicia o inicio de recessão. Há evidência de que os CLI têm pouca qualidade para prever turning points (real-time CLI é pior do que nal/revised/ex-ante CLI porque o indice é sujeito a constantes revisões). Métodos: MS, Causality tests (modelos lineares), cointegração;... Indices compostos alternativos: Conference Board; Stock and Watson (1989, 1993, 1997); indices nanceiros;... Data mining pode inquinar a previsão; o modo como os modelos teoricos são construidos inuencia a qualidade previsional; a previsão, a diferença de previsões, e o erro de previsão sendo aleatórios requerem testes estatisticos. Num mundo global, CE's de diferentes paises tendem a coincidir... Teorias modernas de CE inclui a real business cycle (métodos recursivos de optimização estocástica)... 7

8 2 Indicadores Económicos Os indicadores economicos servem essencialmente para estudar CE porque são uma medida da actividade economica. Vários tipos... Indicadores economicos individuais (coincidentes, avançados ou desfasados): Ver componentes dos compositos, além de outros que podem ser usados... Os avançados contêm informação que pode sinalizar mudanças da actividade economica. Indices compositos de indicadores coincidentes (composite coincident indicators, CCI): Nos EUA... Department of Commerce (inclui o BEA): Pesos relativos de personal income less transfer payments, index of industrial production, manufacturing and trade sales, and employees on non-agricultural payrolls. Ver e Em 1995 (?) o Department of Commerce delegou no Conference Board essa tarefa. Ver Stock and Watson (1989): employees on non-agricultural payrolls é substituido por hours of employees on nonagricultural payrolls e o método é diferente (factor models / kalman lter...). Ver Indices compositos de indicadores avançados (composite 8

9 leading indicators): Department of Commerce e Stock and Watson (1989). Do Department of Commerce temos Average weekly hours,..., contracts and orders for plant and equipment, index of new private housing,..., index of stock prices, money supply M2,... e ver Business Conditions Digest (revista do BEA) em Nefti (1979) regressão de indicadores coincidentes em indicadores avançados... Auerbach (1982), entre outros, VAR/Causalidade de CLI para explicar IPI (produção industrial). Nota: O CLI é regularmente actualizado (há uma estimativa preliminar - ex-ante/real-time - que é revista por (1) novos dados; (2) reconguração do método - ex-post). Indices compositos de indicadores desfasados (composite lagging indicators): Department of Commerce average duration of unemployment,..., change in labor cost per unit of output, average prime rate charged by banks,..., change in CPI. Indicadores economicos em Portugal: OCDE: 9

10 3 Filtros Objectivo principal de aplicar um ltro aos dados? Remover as componentes tendência e sazonalidade (car com ciclo). Os mais populares para medir os CE são o HP (Hodrick and Prescott, 1997) e o BK (Baxter and King, 1999). Esta é uma alternativa mais sosticada à simples remoção da tendencia através da subtração aos dados de uma estimativa da tendencia (linear?) OU através de VAR's OU mesmo raizes unitárias.... Os ltros HP e BK são, de facto, tecnicamente avançados e por isso não são alvo de estudo detalhado na disciplina. No entanto, e porque o software constroi estes ltros para nós, alguma intuição pode ser explicada... BK: Análise espectral... frequências (baixas versus altas)... X t =Tendencia+Ciclo+Irregular, em que o Ciclo varia entre 1.5 e 8 anos; frequencias acima de 8 anos são tendencia; abaixo são irregular. As frequencias a que correspondem o intervalo de 1.5 a 8 anos são usadas para estimar a componente ciclica, X B t : A este ltro chama-se band-pass lter. No high-pass lter incluem-se as frequencias irregulares no ciclo (Xt H com base nas frequencias a que correspondem a menos de 8 anos). 10

11 Se passarmos da analise espectral para a analise temporal é necessário uma truncagem. HP: X t = T t + C t ; em que T t =Tendencia e C t =Ciclo. Estimar ft t g tal que minimiza a variância do ciclo impondo uma penalização pelas segundas diferenças da tendência (i.e., (T t+1 T t ) (T t T t 1 )) : ( 1 " #) X min (X t T t ) '(T t+1 2T t + T t 1 ) ; (1) ft t g var C t 2 a dif: T t 1 em que ' é o multiplicador de lagrange que controla o alisamento da componente tendência. Para dados trimestrais, usar ' = 1600: Se ' = 0; T t = X t (zero alisamento); '! 1; T t! função linear (alisamento máximo). A escolha para ' tem o objectivo de se retirar a tendência (frequências baixas). Solução: C t é uma média-movel de X t ; C t = HP (L)X t = ' (1 L)2 1 L ' (1 L) 2 (1 L 1 ) 2X t: (2) Pode-se provar que HP (L) é aproximadamente um high-pass lter de limite 8 anos por ciclo. Por isso, os ltros BK e HP dão resultados muito parecidos.

Grupo I Perguntas de resposta rápida (1 valor cada)

Grupo I Perguntas de resposta rápida (1 valor cada) ISCTE INSTITUTO UNIVERSITÁRIO de LISBOA Mestrado de Economia Mestrado de Economia Monetária e Financeira MACROECONOMIA e ANÁLISE da CONJUNTURA Teste Exemplo 4 Dezembro 2009 Duração: 2.00 h SOLUÇÕES Grupo

Leia mais

Complementos de Econometria. Licenciatura em Economia. ISCTE-IUL, Dep. de Economia MODELOS EM TIME SERIES (PARTE 2) Luís Filipe Martins

Complementos de Econometria. Licenciatura em Economia. ISCTE-IUL, Dep. de Economia MODELOS EM TIME SERIES (PARTE 2) Luís Filipe Martins Complementos de Econometria Licenciatura em Economia ISCTE-IUL, Dep. de Economia MODELOS EM TIME SERIES (PARTE 2) Luís Filipe Martins luis.martins@iscte.pt http://iscte.pt/~lfsm Departamento de Métodos

Leia mais

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes Setembro/2013 Introdução Estimativas acuradas do volume de produtos e serviços processados pela

Leia mais

PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO

PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO José Gilberto S. Rinaldi (UNESP/Presidente Prudente) Randal Farago (Faculdades Integradas FAFIBE) Resumo: Este trabalho aborda técnicas

Leia mais

Macroeconometria 2. Mestrado em Economia Monetária e Financeira Mestrado em Economia. ISCTE-IUL, Dep. de Economia

Macroeconometria 2. Mestrado em Economia Monetária e Financeira Mestrado em Economia. ISCTE-IUL, Dep. de Economia 1 Macroeconometria 2 Mestrado em Economia Monetária e Financeira Mestrado em Economia ISCTE-IUL, Dep. de Economia MODELOS DE HETEROCEDASTICIDADE CONDICIONADA Luís Filipe Martins luis.martins@iscte.pt http://iscte.pt/~lfsm

Leia mais

Alisamento Exponencial (EWMA) e Holt-Winters

Alisamento Exponencial (EWMA) e Holt-Winters Alisamento Exponencial (EWMA) e Holt-Winters 1 - Alisamento Exponencial Simples Admita-se que pretendemos prever os valores futuros da série representada no gráfico 1. Gráfico 1 - esta série não apresenta

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES

MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

O DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CEARENSE EM 2007: UMA ANÁLISE UTILIZANDO O ÍNDICE COINCIDENTE DA INDÚSTRIA CEARENSE ICIC

O DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CEARENSE EM 2007: UMA ANÁLISE UTILIZANDO O ÍNDICE COINCIDENTE DA INDÚSTRIA CEARENSE ICIC GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 28 O DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CEARENSE EM 2007: UMA

Leia mais

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA OBSERVATÓRIO POLÍTICO DOS ESTADOS UNIDOS INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS INCT-INEU ISSN 2317-7977 VOL.

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

' ( ) *+,-& *+../ #$ $% ! &

' ( ) *+,-& *+../ #$ $% ! & ' ( ) # *+,-& *+../!" # #$ $%! & # O SUBSÍDIO DE DESEMPREGO E A RELAÇÃO NEGATIVA ENTRE SALÁRIO E RISCO DE FALÊNCIA: UMA TEORIA EM EQUILÍBRIO PARCIAL Pedro Cosme da Costa Vieira (pcosme@fep.up.pt), Faculdade

Leia mais

1. Conceitos Básicos de Avaliação de Projetos 2. Classificação dos Projetos de Investimento 3. Estudos prévios

1. Conceitos Básicos de Avaliação de Projetos 2. Classificação dos Projetos de Investimento 3. Estudos prévios 1. Conceitos Básicos de Avaliação de Projetos... 1.1. Valor Atual... 1.2. Capital Investido... 1.3. Cash Flow... 1.4. Valor residual do investimento... 1.5. Vida económica do equipamento... 2. Classificação

Leia mais

Juros caem em semana de forte ingresso de capital estrangeiro no mercado;

Juros caem em semana de forte ingresso de capital estrangeiro no mercado; 31-mar-2014 Juros caem em semana de forte ingresso de capital estrangeiro no mercado; Dólar se deprecia 2,7% na semana, influenciado por entrada de fluxo positivo; Ibovespa sobe 5,0% na semana, se aproximando

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

MUDANÇAS NA RELAÇÃO ENTRE A PME E A PED COM A NOVA METODOLOGIA DA PME

MUDANÇAS NA RELAÇÃO ENTRE A PME E A PED COM A NOVA METODOLOGIA DA PME MUDANÇAS NA RELAÇÃO ENTRE A PME E A PED COM A NOVA METODOLOGIA DA PME Maurício Cortez Reis Professor do Dept de Economia da PUC - Rio 1 INTRODUÇÃO A Pesquisa Mensal de Emprego (PME), realizada pelo IBGE

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Março de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fed e Curva de Juros...Pág.3 Europa: Melhora dos Indicadores...Pág.4

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia Curso: Administração Disciplina: Administração de Materiais. Unidade 1 Previsão de Demanda. Revisão 0, de 07/08/2012

Faculdade Pitágoras de Uberlândia Curso: Administração Disciplina: Administração de Materiais. Unidade 1 Previsão de Demanda. Revisão 0, de 07/08/2012 Faculdade Pitágoras de Uberlândia Curso: Administração Disciplina: Administração de Materiais Unidade 1 Previsão de Demanda Revisão 0, de 07/08/2012 Prof. João Paulo Seno jpseno.pitagoras@gmail.com O que

Leia mais

Gestão de Stocks. Maria Antónia Carravilla. Março 2000. Maria Antónia Carravilla

Gestão de Stocks. Maria Antónia Carravilla. Março 2000. Maria Antónia Carravilla Gestão de Stocks Março 2000 Introdução Objectivos Perceber o que é o stock Saber como classificar stocks Saber fazer uma análise ABC Saber comparar modelos de gestão de stocks Saber utilizar modelos de

Leia mais

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de 30 3. Metodologia Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de dados utilizada, identificando a origem das fontes de informação, apresentando de forma detalhada as informações

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

GRANDE DETERMINAÇÃO E EMPENHO NA REVISÃO DAS CONVENÇÕES

GRANDE DETERMINAÇÃO E EMPENHO NA REVISÃO DAS CONVENÇÕES RELATÓRIO DO 1.º TRIMESTRE NEGOCIAÇÃO COLECTIVA 2011 GRANDE DETERMINAÇÃO E EMPENHO NA REVISÃO DAS CONVENÇÕES No que respeita a actualização salarial os últimos anos foram de crescimento moderado mas actualmente

Leia mais

Macroeconometria 1. Mestrado em Economia Monetária e Financeira Mestrado em Economia. ISCTE-IUL, Dep. de Economia MÉTODOS TRADICIONAIS DE PREVISÃO

Macroeconometria 1. Mestrado em Economia Monetária e Financeira Mestrado em Economia. ISCTE-IUL, Dep. de Economia MÉTODOS TRADICIONAIS DE PREVISÃO 1 Macroeconometria 1 Mestrado em Economia Monetária e Financeira Mestrado em Economia ISCTE-IUL, Dep. de Economia MÉTODOS TRADICIONAIS DE PREVISÃO Luís Filipe Martins luis.martins@iscte.pt http://iscte.pt/~lfsm

Leia mais

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Fernando Lopes - Universidade dos AçoresA Mercado de Bens e a Relação IS Existe equilíbrio no mercado de bens quando a produção, Y, é igual à procura por

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO HELENO PIAZENTINI VIEIRA

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO HELENO PIAZENTINI VIEIRA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO HELENO PIAZENTINI VIEIRA VELOCIDADE DA MOEDA, INFLAÇÃO E CICLOS DE NEGÓCIOS NO BRASIL, 1900-2013 SÃO PAULO 2014 HELENO PIAZENTINI VIEIRA VELOCIDADE

Leia mais

Análise da mortalidade em Portugal.

Análise da mortalidade em Portugal. Análise da mortalidade em Portugal. Paulo Canas Rodrigues; João Tiago Mexia (E-mails: paulocanas@fct.unl.pt; jtm@fct.unl.pt) Resumo Neste trabalho apresentam-se tabelas de mortalidade para a população

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Marcelo Maciel Monteiro Universidade Federal Fluminense, Engenharia de Produção Rua Martins Torres 296, Santa Rosa, Niterói, RJ, Cep 24240-700

Leia mais

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão Gestão Financeira O custo do capital MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão A criação de valor para os accionistas/sócios pressupõe a remuneração do capital investido a uma taxa superior à do custo desse

Leia mais

Módulo 13. Regulação em reprodutores contínuos: a eq. logística

Módulo 13. Regulação em reprodutores contínuos: a eq. logística Módulo 13. Regulação em reprodutores contínuos: a eq. logística Objectivos Suponhamos que se dispõe de observações da densidade populacional ( 1, 2, 3,...) duma população de reprodutores contínuos, na

Leia mais

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Conceitos Iniciais Prever é a arte e a ciência de predizer eventos futuros, utilizando-se de dados históricos e sua projeção para o futuro, de fatores subjetivos ou intuitivos,

Leia mais

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado Macroeconomia Faculdade de Direito UNL 2008/09 José A. Ferreira Machado 1. As principais grandezas macroeconómicas e a sua medição Medição do rendimento nacional, do nível geral de preços e da taxa de

Leia mais

MESTRADO EM MÉTODOS QUANTITATIVOS EM FINANÇAS

MESTRADO EM MÉTODOS QUANTITATIVOS EM FINANÇAS MESTRADO EM MÉTODOS QUANTITATIVOS EM FINANÇAS 1ª Edição a realizar no ano lectivo 2008/2009 Departamento de Matemática da FCTUC Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (Curso de Mestrado aprovado

Leia mais

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO Andréa Crispim Lima dekatop@gmail.com Manoela Alves Vasconcelos manoelavasconcelos@hotmail.com Resumo: A previsão de demanda

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Utilização da metodologia de Box & Jenkins na previsão do preço futuro pago as exportações paranaenses de madeira serrada

Utilização da metodologia de Box & Jenkins na previsão do preço futuro pago as exportações paranaenses de madeira serrada Utilização da metodologia de Box & Jenkins na previsão do preço futuro pago as exportações paranaenses de madeira serrada Vanderlei Santos de Souza 1 Blas Henrique Cabalero Nuñes 2 Alexandre Nascimento

Leia mais

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu.

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PREVISÃO DE ESTOQUES NO CONTROLE E PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA EM UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE FRANGOS DE CORTE: UM ESTUDO DE CASO BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br

Leia mais

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1 Modelagem da Venda de Revistas Mônica Barros Julho de 1999 info@mbarros.com 1 Modelagem Matemática e Previsão de Negócios Em todas as empresas, grandes e pequenas, é necessário fazer projeções. Em muitos

Leia mais

Indicadores Económicos & Financeiros Julho 2013. Banco de Cabo Verde

Indicadores Económicos & Financeiros Julho 2013. Banco de Cabo Verde Indicadores Económicos & Financeiros Julho 2013 Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Departamento de Estudos Económicos e Estatísticas Avenida Amílcar Cabral, 27 CP 7600-101 - Praia - Cabo Verde Tel:

Leia mais

Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em 4T14

Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em 4T14 dez 1 ANÁLISE ECONÓMICA Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em T1 Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento / Ana María Almeida Claudino Neste último trimestre

Leia mais

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica dossiers Economic Outlook Conjuntura Económica International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China Last Update Última Actualização: 10-02-2015 Prepared

Leia mais

MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007

MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007 MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007 PROGRAMA DAS DISCIPLINAS 1 1º trimestre PESQUISA DE MERCADOS Objectivos Pretende-se que os alunos: (a) adquiram os conceitos e semântica próprios do tema, (b)

Leia mais

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Banking and Payments Authority of Timor-Leste Av a Bispo Medeiros, PO Box 59, Dili, Timor-Leste Tel. (670) 3 313 718, Fax. (670) 3 313 716 Briefing Paper

Leia mais

Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo)

Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo) Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo) Prof. Esp. João Carlos Hipólito e-mail: jchbn@hotmail.com Sobre o professor: Contador; Professor da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais

Leia mais

A União Monetária Europeia. Capitulo 10. Revisão de Conceitos. Moeda Taxa de Câmbio Inflação Deficit Orçamental Divida Publica

A União Monetária Europeia. Capitulo 10. Revisão de Conceitos. Moeda Taxa de Câmbio Inflação Deficit Orçamental Divida Publica A União Monetária Europeia Capitulo 10 Revisão de Conceitos Moeda Taxa de Câmbio Inflação Deficit Orçamental Divida Publica História Monetária da Europa Moeda Metálica O valor de cada moeda era definido

Leia mais

4 Gráficos de controle

4 Gráficos de controle 4 Gráficos de controle O gráfico de controle é uma ferramenta poderosa do Controle Estatístico de Processo (CEP) para examinar a variabilidade em dados orientados no tempo. O CEP é composto por um conjunto

Leia mais

2.3. Sistemas de Informação

2.3. Sistemas de Informação 2.3. Sistemas de Informação 2.3.1. Sistema Comecemos por observar como definem diversos autores o que será um sistema, sistema é um conjunto complexo de inúmeras partes que interagem (MAXIMIANO, Antonio

Leia mais

Gestão da Produção Planeamento

Gestão da Produção Planeamento Planeamento José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 1 Tópicos O ciclo geral de planeamento O planeamento agregado O Director da Produção (PDP ou MPS) O Materials Requirement Planning (MRP)

Leia mais

Efeitos da Desaceleração Econômica Internacional na Economia Brasileira

Efeitos da Desaceleração Econômica Internacional na Economia Brasileira Efeitos da Desaceleração Econômica Internacional na Economia Brasileira Períodos de deterioração da conjuntura macroeconômica requerem de bancos centrais aprofundamento dos processos analíticos. Nesse

Leia mais

Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego

Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro de Estudos Aplicados Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego Versão Final Manuel Leite Monteiro Lisboa 2006 Universidade

Leia mais

&RQWH[WRHFRQyPLFRHGHVHPSHQKRGRHPSUHJR. Bruxelas, 6 de Setembro de 2002

&RQWH[WRHFRQyPLFRHGHVHPSHQKRGRHPSUHJR. Bruxelas, 6 de Setembro de 2002 ,3 Bruxelas, 6 de Setembro de 2002 &RPLVVmR DILUPD TXH DV PHWDV GH HPSUHJR GH /LVERDVmRDLQGDUHDOL]iYHLVVHRV(VWDGRV0HPEURV GHUHP SULRULGDGH jv UHJL}HV SUREOHPiWLFDV H D HPSUHJRVSDUDDVPXOKHUHVHRVWUDEDOKDGRUHVPDLV

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

ConjunturaSemanal. Sinais de menor inflação e atividade fraca explicam queda dos juros futuros;

ConjunturaSemanal. Sinais de menor inflação e atividade fraca explicam queda dos juros futuros; 06-jun-2014 Sinais de menor inflação e atividade fraca explicam queda dos juros futuros; Dólar encerra semana em alta diante de expectativa de retirada de operações de swap; Ibovespa recuou 2,6% na semana,

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

EnterpriseOne 8.9 Previsão PeopleBook

EnterpriseOne 8.9 Previsão PeopleBook EnterpriseOne 8.9 Previsão PeopleBook Setembro 2003 PeopleSoft EnterpriseOne 8.9 Previsão PeopleBook SKU SCM89PFC0309 Copyright 2003 PeopleSoft, Inc. Todos os direitos reservados. Todas as informações

Leia mais

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10 RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS Luís Portugal Série Estudos nº10 2 de Março de 2010 Actuarial - Consultadoria 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. EVOLUÇÃO DOS ÍNDICES... 3 3. RENTABILIDADE E

Leia mais

Portugal entre dois fogos: desafios internos e obstáculos externos Rafael Doménech

Portugal entre dois fogos: desafios internos e obstáculos externos Rafael Doménech Portugal entre dois fogos: desafios internos e obstáculos externos Rafael Doménech Lisboa, Dezembro 15-16, 2014 Mensagens principais Crescimento global vai acelerar em 2015 apesar da correção em baixa

Leia mais

MODELOS DE PREVISÃO DE PREÇOS APLICADOS AOS CONTRATOS FUTUROS DE CAFÉ

MODELOS DE PREVISÃO DE PREÇOS APLICADOS AOS CONTRATOS FUTUROS DE CAFÉ MODELOS DE PREVISÃO DE PREÇOS APLICADOS AOS CONTRATOS FUTUROS DE CAFÉ BRESSAN, A.A. 1 E LIMA, J.E. 2 - Tais informações podem ser obtidas junto ao endereço eletrônico da BM&F: - 1 Professor

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES Mestrado em Gestão (MBA)

UNIVERSIDADE DOS AÇORES Mestrado em Gestão (MBA) UNIVERSIDADE DOS AÇORES Mestrado em Gestão (MBA) Métodos Estatísticos 1º ano -1º Trimestre 2009/2010 Ficha de trabalho nº 1 Exercícios usando o SPSS PARTE 1 - Estatística Descritiva 1. As notas de 32 alunos

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa.

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 8 Agosto 2008 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

1 MÊS EM 10 IMAGENS. Agosto 2015. Índice. 1. Economia mundial A dinâmica vem das economias desenvolvidas. Expansion. Contraction

1 MÊS EM 10 IMAGENS. Agosto 2015. Índice. 1. Economia mundial A dinâmica vem das economias desenvolvidas. Expansion. Contraction 1 MÊS EM 1 IMAGENS Agosto 1 Todo mês, a SYZ Wealth Management publica em 1 mês em 1 imagens um panorama da atividade econômica do mundo. Uma imagem, muitas vezes, vale mais que um longo discurso. A cada

Leia mais

CRM e Prospecção de Dados

CRM e Prospecção de Dados CRM e Prospecção de Dados Marília Antunes aula de 6 Abril 09 5 Modelos preditivos para classificação 5. Introdução Os modelos descritivos, tal como apresentados atrás, limitam-se à sumarização dos dados

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES. José M. Viegas (Março 2000)

A UTILIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES. José M. Viegas (Março 2000) A UTILIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES José M. Viegas (Março 2000) I - A NECESSIDADE DO RECURSO AOS MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES

Leia mais

Gestão de Configurações II

Gestão de Configurações II Gestão de Configurações II Bibliografia Livro: Software Configuration Management Patterns: Effective Teamwork, Practical Integration Gestão de Projecto 14 Padrões de Gestão Os padrões de gestão de configurações

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder Comentário Geral: Prova muito difícil, muito fora dos padrões das provas do TCE administração e Economia, praticamente só caiu teoria. Existem três questões (4, 45 e 47) que devem ser anuladas, por tratarem

Leia mais

PPCP Planejamento, Programação e Controle da Produção. Qualidade, confiabilidade, custo, flexibilidade

PPCP Planejamento, Programação e Controle da Produção. Qualidade, confiabilidade, custo, flexibilidade PPCP Planejamento, Programação e Controle da Produção Wheelwrigt Skinner Swamidass Leong Slack Qualidade, confiabilidade, custo, flexibilidade Custo, entrega, qualidade, serviço confiável, flexibilidade

Leia mais

Workshop de Economia da Saúde

Workshop de Economia da Saúde A Doença de Baumol Portugal e a Experiência dos Países da OCDE UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA João Tovar Jalles Fevereiro 2006 (1) Sector da Saúde com importância económica e social crescente na sociedade

Leia mais

ANÁLISE DAS VAZÕES DO RIO SÃO FRANCISCO COM O FILTRO HODRICK-PRESCOTT

ANÁLISE DAS VAZÕES DO RIO SÃO FRANCISCO COM O FILTRO HODRICK-PRESCOTT ANÁLISE DAS VAZÕES DO RIO SÃO FRANCISCO COM O FILTRO HODRICK-PRESCOTT Igor Madson Fernandes dos Santos 1, Bruno dos Santos Guimarães 1, Renato Vieira Costa 1, Luiz Carlos Baldicero Molion² e João Rafael

Leia mais

A demanda pode ser entendida como a disposição dos clientes ao consumo de bens e serviços ofertados por uma organização.

A demanda pode ser entendida como a disposição dos clientes ao consumo de bens e serviços ofertados por uma organização. Previsão da Demanda As previsões têm uma função muito importante nos processos de planejamento dos sistemas logísticos, pois permite que os administradores destes sistemas antevejam o futuro e planejem

Leia mais

O Custo Unitário do Trabalho na Indústria

O Custo Unitário do Trabalho na Indústria O Custo Unitário do Trabalho na Indústria O mercado de trabalho é fonte de indicadores muito importantes à condução da política monetária como, por exemplo, a taxa de desemprego, os níveis de salários

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

A Análise de Componentes Principais sobre dados dependentes.

A Análise de Componentes Principais sobre dados dependentes. A Análise de Componentes Principais sobre dados dependentes. Paulo Canas Rodrigues Faculdade de Ciências e Tecnologia/Universidade Nova de Lisboa João A. Branco Instituto Superior Técnico/Universidade

Leia mais

Método de previsão de demanda e detecção de sazonalidade para o planejamento da produção de indústrias de alimentos.

Método de previsão de demanda e detecção de sazonalidade para o planejamento da produção de indústrias de alimentos. XXIII Encontro Nac. de Eng. de Produção - Ouro Preto, MG, Brasil, 2 a 24 de out de 2003 de previsão de demanda e detecção de sazonalidade para o planejamento da produção de indústrias de alimentos. Abelardo

Leia mais

A Volatilidade recente dos Preços das Acções. em Portugal e na Europa

A Volatilidade recente dos Preços das Acções. em Portugal e na Europa A Volatilidade recente dos Preços das Acções em Portugal e na Europa 0 Introdução Os principais mercados accionistas europeus registaram elevados níveis de volatilidade durante 2002, colocando no centro

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Introdução Alguns Conceitos Básicos O Conceito de Investimento Tipologias de Investimentos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Introdução Alguns Conceitos Básicos O Conceito de Investimento Tipologias de Investimentos Análise de Projectos ESAPL / IPVC Introdução Alguns Conceitos Básicos O Conceito de Investimento Tipologias de Investimentos Uma definição de empresa Uma empresa é um sistema em que se coordenam, para

Leia mais

Índice. Logística e Gestão Logística. Gestão da Cadeia de Abastecimento. Introdução 17. Capítulo 1

Índice. Logística e Gestão Logística. Gestão da Cadeia de Abastecimento. Introdução 17. Capítulo 1 Índice Introdução 17 Capítulo 1 Logística e Gestão Logística 1. Introdução 23 2. Logística e Gestão Logística 24 3. Dimensões da Logística e da Gestão Logística 29 4. Características intrínsecas da Logística

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

7. Oferta Agregada de Bens/Serviços no Longo Prazo

7. Oferta Agregada de Bens/Serviços no Longo Prazo 7. Oferta Agregada de Bens e Serviços no Longo Prazo 7.1. Crescimento Económico 7.2. Poupança e Acumulação de Capital 7.3. Crescimento Populacional 7.4. Progresso Técnico 7.5. Contabilidade de Crescimento

Leia mais

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Os termos de troca no comércio exterior são definidos pela relação entre os preços das exportações de um país e os das suas importações.

Leia mais

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas,

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, MODELAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS CINÉTICOS FILIPE GAMA FREIRE 1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, etc. a que chamaremos y

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A AIHA (AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION) O problema básico na avaliação da exposição ocupacional é reconhecer todas as exposições, avaliar

Leia mais

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Tânia Cristina Simões de Matos dos Santos Instituto Politécnico de Leiria 2012 Working paper nº 83/2012 globadvantage Center

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Aula 13 Mobilidade 2004-2005

Aula 13 Mobilidade 2004-2005 Aula 13 Mobilidade FCUL 2004-2005 . Encaminhamento em redes ad hoc Permitir que um nó esteja sempre acessível usando o mesmo endereço, independentemente da sua localização física. Problema: O endereço

Leia mais

Editorial 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0

Editorial 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 02 de junho 2014 www.millenniumbcp.pt Editorial Nos, a atividade deverá recuperar no segundo trimestre 5 3 1-1 -3-5 30 Mar-08 Mar-09 Mar-10 Mar-11 Mar-12 Mar-13 Mar-14 PIB (%, tvh) Índice ISM de sentimento

Leia mais

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Ana Flávia Brito Rodrigues (Anafla94@hotmail.com / UEPA) Larissa Pinto Marques Queiroz (Larissa_qz@yahoo.com.br / UEPA) Luna Paranhos Ferreira

Leia mais

Tendências na Europa. Melhorias de desempenho a curto-prazo, evidenciam recuperação dos níveis de rendibilidade da indústria.

Tendências na Europa. Melhorias de desempenho a curto-prazo, evidenciam recuperação dos níveis de rendibilidade da indústria. Maio 25 Tendências na Europa O investimento europeu em private equity aumenta 5% em 24. De acordo com os dados preliminares divulgados pela EVCA (os finais serão conhecidos em Junho), o investimento total

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO DA CADEIA DE ABASTECIMENTO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO DA CADEIA DE ABASTECIMENTO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular GESTÃO DA CADEIA DE ABASTECIMENTO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Empresa 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

TAX & BUSINESS M E D I D A S D E E S T Í M U L O A O E M P R E G O ( A C T U A L I Z A Ç Ã O ) N º 1 7 / 1 5 INTRODUÇÃO

TAX & BUSINESS M E D I D A S D E E S T Í M U L O A O E M P R E G O ( A C T U A L I Z A Ç Ã O ) N º 1 7 / 1 5 INTRODUÇÃO i N º 1 7 / 1 5 M E D I D A S D E E S T Í M U L O A O E M P R E G O ( A C T U A L I Z A Ç Ã O ) INTRODUÇÃO Nos últimos anos e com o intuito de contrariar os efeitos da recessão económica no emprego, o

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Endividamento Familiar Português

Endividamento Familiar Português UNIVERSIDADE DE AVEIRO Endividamento Familiar Português Macroeconomia Carlos Diogo Joana Amaral Joaquim Lino 02-12-2008 Este trabalho pretende efectuar o estudo macroeconométrico sobre a problemática do

Leia mais

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips):

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips): Concurso TCE/MG elaborado pela FCC em abril de 2007. Atendendo a alguns pedidos de colegas que frequentaram o curso de Economia parte teórica nos meses de fevereiro, março e abril de 2007 bem como aqueles

Leia mais

Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global

Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global João Sousa Andrade 18 de Novembro de 2004 Faculdade de Economia - Mestrado de Economia Ano Lectivo de 2004/05 Texto com carácter provisório para acompanhamento

Leia mais

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes Programa de Pós-Graduação em Estatística e Modelagem Quantitativa CCNE UFSM, Santa Maria RS

Leia mais

Edição 2010 Estágios Curriculares

Edição 2010 Estágios Curriculares Edição 2010 Estágios Curriculares Direcção de Auditoria Crédito Descrição Sumária do Projecto 01/24 Desenvolvimento de metodologias de análise dos critérios de validação técnica dos modelos de rating de

Leia mais

Portfólio Dinâmico Julho 2013

Portfólio Dinâmico Julho 2013 Portfólio Dinâmico Julho 2013 : : O ÚLTIMO MÊS O desempenho dos ativos em Julho e no acumulado de 12 meses está descrito nas figuras abaixo: ntnb 1,51 ntnb 0,6 pré 1,34 pré 5,4 ações 1,49 ações 6,0 dolar

Leia mais