INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época"

Transcrição

1 NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época Ana Balcão Reis 28 de Junho de 2012 Inácia Pimentel João Miguel Silva Duração Total: 2h15m I ( 9 val) Nos exercícios seguintes escolha a alínea correcta. (0,45 por cada resposta certa, -0,15 por cada resposta errada) certas + erradas = 1. Para Portugal nos últimos 5 anos a taxa de desemprego, a) situou-se entre 0% e 3%. b) situou-se entre 3% e 8%. c) situou-se entre 6% e 14%. d) foi sempre superior a 12%. 2. Suponha que o Banco Central decide aumentar a taxa de reservas obrigatórias e que isso aumenta a taxa de reservas efectivamente praticada pelos Bancos Comerciais. Após esta alteração, um aumento da base monetária que antes levava a aumento de x na massa monetária, implica agora: a) não sabemos qual das anteriores é correcta. b) um aumento da massa monetária igual a x. c) um aumento da massa monetária menor que x. d) um aumento da massa monetária maior que x. 3. Nos últimos 4 anos a Dívida Pública portuguesa: a) tem tido um peso no PIB superior a 100%. b) tem tido um peso no PIB entre 60% e 110%. c) tem tido um peso no PIB entre 40% e 70%. d) tem tido um peso no PIB inferior a 50%. 4. Sendo i a taxa de juro nominal e r a taxa de juro real, a) O Investimento e a procura de Moeda dependem negativamente de i. b) O Investimento e a procura de Moeda dependem negativamente de r. c) O Investimento depende negativamente de i e a procura de Moeda depende negativamente de r. d) O Investimento depende negativamente de r e a procura de Moeda depende negativamente de i. Nome: Nº:

2 5. Os dados empíricos mostram que desde a década de 60 até anos nossos dias nas economias desenvolvidas: a) a taxa de inflação e a taxa de desemprego têm permanecido constantes. b) a taxa de inflação e a taxa de desemprego não apresentam uma correlação negativa nem positiva. c) a taxa de inflação e a taxa de desemprego apresentam uma correlação positiva. d) a taxa de inflação e a taxa de desemprego apresentam uma correlação negativa. 6. Em determinada economia o valor corrente da taxa de juro é 2% e o multiplicador da base monetária é actualmente igual a 4. Se a autoridade monetária quiser aumentar a oferta de moeda em 100 milhões deve: a) comprar títulos no valor de 25 milhões. b) vender títulos no valor de 25 milhões. c) comprar títulos no valor de 100 milhões. d) vender títulos no valor de 100 milhões. 7. Considere 2 economias A e B que se comportam de acordo com o o modelo de Solow e têm a mesma taxa de crescimento da população, igual taxa de depreciação e igual taxa de poupança. A função de produção 1/ 2 1/ 2 em ambas as economias é Y = θk L. i) Sendo s =0,14 a taxa de poupança, δ = 0,05 a taxa de depreciação e n=0,02 a taxa de crescimento da população, e sabendo que θ =10, o valor do capital por trabalhador no steady-state é: a) 200. b) 400. c) 900. d) ii) Se as duas economias estiverem em steady-state e a taxa de poupança aumentar na economia A sem se alterar na economia B: a) o PIB por trabalhador da economia A será menor que o da economia B nos próximos períodos mas será igual ao da economia B no longo prazo. b) o PIB por trabalhador da economia A será maior que o da economia B nos próximos períodos mas será igual ao da economia B no longo prazo. c) o PIB por trabalhador da economia A será menor que o da economia B nos próximos períodos e no longo prazo. d) o PIB por trabalhador da economia A será maior que o da economia B nos próximos períodos e no longo prazo. iii) Se as duas economias estiverem em steady-state e a taxa de poupança aumentar na economia A sem se alterar na economia B: a) a taxa de crescimento do PIB por trabalhador da economia A será menor que o da economia B nos próximos períodos mas será igual à da economia B no longo prazo. b) a taxa de crescimento do PIB por trabalhador da economia A será maior que a da economia B nos próximos períodos mas será igual à da economia B no longo prazo. c) a taxa de crescimento do PIB por trabalhador da economia A será menor que a da economia B nos próximos períodos e no longo prazo. d) a taxa de crescimento do PIB por trabalhador será maior que a da economia B nos próximos períodos e no longo prazo. A

3 iv) Se no momento corrente a economia A estiver em steady-state e a economia B tiver o dobro do stock de capital por trabalhador da economia A, então neste momento: a) o produto por trabalhador é menor na economia A e o consumo por trabalhador é igual nas duas economias. b) o produto por trabalhador é maior na economia A e o consumo por trabalhador é igual nas duas economias. c) o produto por trabalhador e o consumo por trabalhador são menores na economia A. d) o produto por trabalhador e o consumo por trabalhador são maiores na economia A. v) Se no momento corrente a economia A estiver em steady-state e a economia B tiver o dobro do stock de capital por trabalhador da economia A, então neste momento: a) não sabemos comparar a taxa de crescimento do produto por trabalhador nas duas economias. b) a taxa de crescimento do produto por trabalhador é igual nas duas economias. c) a taxa de crescimento do produto por trabalhador é menor na economia B. d) a taxa de crescimento do produto por trabalhador é maior na economia B. vi) Volte a considerar que as duas economias têm a mesma taxa de poupança. Se na economia A θ aumentar e na economia B a taxa de crescimento da população diminuir de tal modo que o novo valor de steady-state do capital por trabalhador volta a ser igual nas duas economias, então no novo steady-state: a) o produto por trabalhador é menor na economia A e e não sabemos comparar o consumo por trabalhador nas duas economias. b) o produto por trabalhador é maior na economia A e não sabemos comparar o consumo por trabalhador nas duas economias. c) o produto por trabalhador e o consumo por trabalhador são menores na economia A. d) o produto por trabalhador e o consumo por trabalhador são maiores na economia A. 8. Considere que dispõe dos seguintes dados para determinada economia: PIB a preços correntes Deflator do PIB Base 2005 PIB real base ,082 A ,060 B ,035 C ,025 D ,015 E ,000 F O valor A da última coluna é igual a: a) /(1,035/1,082) b) /(1,082/1,035). c) /1,035. d) /1, O Saldo Orçamental Estrutural é igual a: a) receitas totais menos despesas totais. b) receitas totais menos despesas totais avaliadas para o PIB potencial menos Juros da Dívida Pública. c) receitas totais menos despesas totais avaliadas para o PIB potencial mais Juros da Dívida Pública. d) receitas totais menos despesas totais avaliadas para o PIB potencial. Nome: Nº:

4 10. Considere as seguintes funções de impostos: (i) T= -100 e (ii) T = 0,2Y (iii) T = ,2Y, onde Y é o rendimento. Indique em que caso(s) estamos na presença de um estabilizador automático. a) (iii). b) (ii). c) (ii) e (iii). d) (i) e (iii). 11. A base monetária é constituída por: a) circulação monetária e reservas dos Bancos Comerciais. b) notas e moedas impressas. c) circulação monetária. d) circulação monetária e depósitos. 12. O melhor indicador de uma política orçamental contraccionista é, a) um aumento do Saldo Orçamental Primário. b) um aumento do Saldo Orçamental Estrutural Primário. c) uma diminuição do Saldo Orçamental Primário. d) uma diminuição do Saldo Orçamental Estrutural Primário. 13. Em Portugal nos últimos anos a Balança Corrente + Balança de Capital, a) tem tido um saldo positivo. b) tem tido um saldo negativo. c) tem tido um saldo aproximadamente nulo. d) tem tido nalguns anos saldo negativo e noutros saldo positivo, oscilando muito. 14. O PIB per capita português, a preços correntes, em 2010 foi aproximadamente, a) euros. b) euros. c) euros. d) euros. 15. Políticas de estabilização são políticas que pretendem: a) aumentar o nível da produção da economia. b) diminuir a amplitude dos ciclos económicos. c) diminuir a taxa de desemprego da economia. d) aumentar a taxa de crescimento da economia. A B

5 II (3,25 val) Para uma dada economia conhecem-se os dados seguintes. Com base nesta informação responda às perguntas abaixo. Rendimentos Líquidos dos Factores no exterior 15 Saldo Orçamental -25 Transferências do governo para as famílias 50 Salários (incluindo Cont. Seg Social) 800 Transferências Líquidas do Exterior 10 Poupança Privada 150 Subsídios à produção 20 Impostos indirectos 250 Amortizações 60 Consumo privado 1100 Consumo público 900 Exportações 450 Importações 500 a) Calcule a Balança Corrente e de Capital. b) Calcule o PIB a preços de mercado. c) Calcule o Rendimento Nacional. (Se não chegar ao valor pedido em b) assuma que PIBpm = 1000) Nome: Nº:

6 A

7 III ( 3,6 val) Considere uma economia com preços flexíveis que estava inicialmente em pleno-emprego e onde um choque nos mercados internacionais de petróleo faz aumentar os custos da energia. a) Qual o efeito de curto prazo deste choque sobre o rendimento e o nível geral de preços? Represente graficamente e justifique a sua resposta. b) Supondo que o produto potencial não se altera e que as autoridades económicas não intervêm, explique o processo de ajustamento após o efeito inicial do aumento do custo da energia até ao equilíbrio de longo prazo e represente-o graficamente. c) Se o governo pretender acelerar o processo de ajustamento até ao equilíbrio de longo prazo como deve variar os Gastos Públicos? Explique e represente graficamente no diagrama keynesiano e no diagrama AD-AS. d) Compare os equilíbrios finais obtidos em b) e c) relativamente aos valores do rendimento, do nível geral de preços, do Consumo, do Investimento e da Balança Comercial. Justifique cuidadosamente. Nome: Nº:

8 A

9 Continuação da resposta do Grupo III. SÓ DO GRUPO III. Nome: Nº:

10 A

11 IV (4,15 val) Considere que determinada economia é descrita pelas seguintes equações: ,1 Considere ainda que: O nível geral de preços, p, é fixo e igual a 1 e 6. A taxa de juro está fixa pela autoridade monetária e é igual a 2% (i = 2). a) Obtenha a forma reduzida do modelo e calcule o rendimento de equilíbrio. b) Um choque na economia mundial faz aumentar as exportações: o termo autónomo das exportações,, aumenta para 220. Qual o efeito sobre o rendimento de equilíbrio? Quantifique a sua resposta. Explique a intuição do resultado e represente graficamente. Considere agora que os preços são flexíveis tendo a Oferta Agregada de Curto Prazo o comportamento representado na figura abaixo. A taxa de juro continua fixa e igual a 2. c) Obtenha a expressão da curva da Procura Agregada, supondo que a taxa de juro continua fixa em 2% - não é preciso chegar aos valores finais mas escreva a expressão detalhadamente. p AS CP d) Represente graficamente o efeito de curto prazo do aumento das exportações mencionado em b) supondo que a economia estava inicialmente em Pleno Emprego. Compare o resultado com o obtido na alínea b), justificando. (Não faça cálculos, apenas análise gráfica). e) Se a autoridade monetária fixasse a quantidade de Moeda e deixasse variar a taxa de juro como é que isso afectava o deslocamento da AD e o efeito final sobre Y estudado em d)? Justifique cuidadosamente. Y Nome: Nº:

12 A

13 Continuação da resposta do Grupo IV. SÓ DO GRUPO IV. Nome: Nº:

14 A

15 Folha de Rascunho Não vai ser corrigida Nome: Nº:

16 NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época TÓPICOS DE CORRECÇÃO Ana Balcão Reis 28 de Junho de 2012 Inácia Pimentel João Miguel Silva Duração Total: 2h15m I ( 9 val) Nos exercícios seguintes escolha a alínea correcta. (0,45 por cada resposta certa, -0,15 por cada resposta errada) Versão A 1. Para Portugal nos últimos 5 anos a taxa de desemprego, a) situou-se entre 0% e 3%. b) situou-se entre 3% e 8%. X c) situou-se entre 6% e 14%. d) foi sempre superior a 12%. 2. Suponha que o Banco Central decide aumentar a taxa de reservas obrigatórias e que isso aumenta a taxa de reservas efectivamente praticada pelos Bancos Comerciais. Após esta alteração, um aumento da base monetária que antes levava a aumento de x na massa monetária, implica agora: a) não sabemos qual das anteriores é correcta. b) um aumento da massa monetária igual a x. X c) um aumento da massa monetária menor que x. d) um aumento da massa monetária maior que x. 3. Nos últimos 4 anos a Dívida Pública portuguesa: a) tem tido um peso no PIB superior a 100%. X b) tem tido um peso no PIB entre 60% e 110%. c) tem tido um peso no PIB entre 40% e 70%. d) tem tido um peso no PIB inferior a 50%. 4. Sendo i a taxa de juro nominal e r a taxa de juro real, a) O Investimento e a procura de Moeda dependem negativamente de i. b) O Investimento e a procura de Moeda dependem negativamente de r. c) O Investimento depende negativamente de i e a procura de Moeda depende negativamente de r. X d) O Investimento depende negativamente de r e a procura de Moeda depende negativamente de i. Nome: Nº:

17 5. Os dados empíricos mostram que desde a década de 60 até anos nossos dias nas economias desenvolvidas: a) a taxa de inflação e a taxa de desemprego têm permanecido constantes. X b) a taxa de inflação e a taxa de desemprego não apresentam uma correlação negativa nem positiva. c) a taxa de inflação e a taxa de desemprego apresentam uma correlação positiva. d) a taxa de inflação e a taxa de desemprego apresentam uma correlação negativa. 6. Em determinada economia o valor corrente da taxa de juro é 2% e o multiplicador da base monetária é actualmente igual a 4. Se a autoridade monetária quiser aumentar a oferta de moeda em 100 milhões deve: X a) comprar títulos no valor de 25 milhões. b) vender títulos no valor de 25 milhões. c) comprar títulos no valor de 100 milhões. d) vender títulos no valor de 100 milhões. 7. Considere 2 economias A e B que se comportam de acordo com o o modelo de Solow e têm a mesma taxa de crescimento da população, igual taxa de depreciação e igual taxa de poupança. A função de 1/ 2 1/ 2 produção em ambas as economias é Y = θk L. i) Sendo s =0,14 a taxa de poupança, δ = 0,05 a taxa de depreciação e n=0,02 a taxa de crescimento da população, e sabendo que θ =10, o valor do capital por trabalhador no steady-state é: a) 200. X b) 400. c) 900. d) ii) Se as duas economias estiverem em steady-state e a taxa de poupança aumentar na economia A sem se alterar na economia B: a) o PIB por trabalhador da economia A será menor que o da economia B nos próximos períodos mas será igual ao da economia B no longo prazo. b) o PIB por trabalhador da economia A será maior que o da economia B nos próximos períodos mas será igual ao da economia B no longo prazo. c) o PIB por trabalhador da economia A será menor que o da economia B nos próximos períodos e no longo prazo. X d) o PIB por trabalhador da economia A será maior que o da economia B nos próximos períodos e no longo prazo. iii) Se as duas economias estiverem em steady-state e a taxa de poupança aumentar na economia A sem se alterar na economia B: a) a taxa de crescimento do PIB por trabalhador da economia A será menor que o da economia B nos próximos períodos mas será igual à da economia B no longo prazo. X b) a taxa de crescimento do PIB por trabalhador da economia A será maior que a da economia B nos próximos períodos mas será igual à da economia B no longo prazo. c) a taxa de crescimento do PIB por trabalhador da economia A será menor que a da economia B nos próximos períodos e no longo prazo. d) a taxa de crescimento do PIB por trabalhador será maior que a da economia B nos próximos períodos e no longo prazo. A

18 iv) Se no momento corrente a economia A estiver em steady-state e a economia B tiver o dobro do stock de capital por trabalhador da economia A, então neste momento: a) o produto por trabalhador é menor na economia A e o consumo por trabalhador é igual nas duas economias. b) o produto por trabalhador é maior na economia A e o consumo por trabalhador é igual nas duas economias. X c) o produto por trabalhador e o consumo por trabalhador são menores na economia A. d) o produto por trabalhador e o consumo por trabalhador são maiores na economia A. v) Se no momento corrente a economia A estiver em steady-state e a economia B tiver o dobro do stock de capital por trabalhador da economia A, então neste momento: a) não sabemos comparar a taxa de crescimento do produto por trabalhador nas duas economias. b) a taxa de crescimento do produto por trabalhador é igual nas duas economias. X c) a taxa de crescimento do produto por trabalhador é menor na economia B. d) a taxa de crescimento do produto por trabalhador é maior na economia B. vi) Volte a considerar que as duas economias têm a mesma taxa de poupança. Se na economia A θ aumentar e na economia B a taxa de crescimento da população diminuir de tal modo que o novo valor de steady-state do capital por trabalhador volta a ser igual nas duas economias, então no novo steady-state: a) o produto por trabalhador é menor na economia A e e não sabemos comparar o consumo por trabalhador nas duas economias. b) o produto por trabalhador é maior na economia A e não sabemos comparar o consumo por trabalhador nas duas economias. c) o produto por trabalhador e o consumo por trabalhador são menores na economia A. X d) o produto por trabalhador e o consumo por trabalhador são maiores na economia A. 8. Considere que dispõe dos seguintes dados para determinada economia: PIB a preços correntes Deflator do PIB Base 2005 PIB real base ,082 A ,060 B ,035 C ,025 D ,015 E ,000 F O valor A da última coluna é igual a: a) /(1,035/1,082) X b) /(1,082/1,035). c) /1,035. d) /1, O Saldo Orçamental Estrutural é igual a: a) receitas totais menos despesas totais. b) receitas totais menos despesas totais avaliadas para o PIB potencial menos Juros da Dívida Pública. c) receitas totais menos despesas totais avaliadas para o PIB potencial mais Juros da Dívida Pública. X d) receitas totais menos despesas totais avaliadas para o PIB potencial. Nome: Nº:

19 10. Considere as seguintes funções de impostos: (i) T= -100 e (ii) T = 0,2Y (iii) T = ,2Y, onde Y é o rendimento. Indique em que caso(s) estamos na presença de um estabilizador automático. a) (iii). b) (ii). X c) (ii) e (iii). d) (i) e (iii). 11. A base monetária é constituída por: X a) circulação monetária e reservas dos Bancos Comerciais. b) notas e moedas impressas. c) circulação monetária. d) circulação monetária e depósitos. 12. O melhor indicador de uma política orçamental contraccionista é, a) um aumento do Saldo Orçamental Primário. X b) um aumento do Saldo Orçamental Estrutural Primário. c) uma diminuição do Saldo Orçamental Primário. d) uma diminuição do Saldo Orçamental Estrutural Primário. 13. Em Portugal nos últimos anos a Balança Corrente + Balança de Capital, a) tem tido um saldo positivo. X b) tem tido um saldo negativo. c) tem tido um saldo aproximadamente nulo. d) tem tido nalguns anos saldo negativo e noutros saldo positivo, oscilando muito. 14. O PIB per capita português, a preços correntes, em 2010 foi aproximadamente, X a) euros. b) euros. c) euros. d) euros. 15. Políticas de estabilização são políticas que pretendem: a) aumentar o nível da produção da economia. X b) diminuir a amplitude dos ciclos económicos. c) diminuir a taxa de desemprego da economia. d) aumentar a taxa de crescimento da economia.

20 I ( 9 val) Nos exercícios seguintes escolha a alínea correcta. (0,45 por cada resposta certa, -0,15 por cada resposta errada) Versão B 1. O PIB per capita português, a preços correntes, em 2010 foi aproximadamente, a) euros. b) euros. c) euros. X d) euros. 2. Políticas de estabilização são políticas que pretendem: a) aumentar a taxa de crescimento da economia. b) diminuir a taxa de desemprego da economia. X c) diminuir a amplitude dos ciclos económicos. d) aumentar o nível da produção da economia. 3. Para Portugal nos últimos 5 anos a taxa de desemprego, a) foi sempre superior a 12%. X b) situou-se entre 6% e 14%. c) situou-se entre 3% e 8%. d) situou-se entre 0% e 3%. 4. O melhor indicador de uma política orçamental contraccionista é, a) uma diminuição do Saldo Orçamental Estrutural Primário. b) uma diminuição do Saldo Orçamental Primário. X c) um aumento do Saldo Orçamental Estrutural Primário. d) um aumento do Saldo Orçamental Primário. Nome: Nº:

21 5. Considere 2 economias A e B que se comportam de acordo com o o modelo de Solow e têm a mesma taxa de crescimento da população, igual taxa de depreciação e igual taxa de poupança. A função de 1/ 2 1/ 2 produção em ambas as economias é Y = θk L. i) Sendo s =0,21 a taxa de poupança, δ = 0,05 a taxa de depreciação e n=0,02 a taxa de crescimento da população, e sabendo que θ =10, o valor do capital por trabalhador no steady-state é: a) 200. b) 400. X c) 900. d) ii) Se no momento corrente a economia A estiver em steady-state e a economia B tiver o dobro do stock de capital por trabalhador da economia A, então neste momento: a) o produto por trabalhador e o consumo por trabalhador são maiores na economia A. X b) o produto por trabalhador e o consumo por trabalhador são menores na economia A. c) o produto por trabalhador é maior na economia A e o consumo por trabalhador é igual nas duas economias. d) o produto por trabalhador é menor na economia A e o consumo por trabalhador é igual nas duas economias. iii) Se no momento corrente a economia A estiver em steady-state e a economia B tiver o dobro do stock de capital por trabalhador da economia A, então neste momento: a) a taxa de crescimento do produto por trabalhador é maior na economia B. X b) a taxa de crescimento do produto por trabalhador é menor na economia B. c) a taxa de crescimento do produto por trabalhador é igual nas duas economias. d) não sabemos comparar a taxa de crescimento do produto por trabalhador nas duas economias. iv) Se as duas economias estiverem em steady-state e a taxa de poupança aumentar na economia A sem se alterar na economia B: X a) o PIB por trabalhador da economia A será maior que o da economia B nos próximos períodos e no longo prazo. b) o PIB por trabalhador da economia A será menor que o da economia B nos próximos períodos e no longo prazo. c) o PIB por trabalhador da economia A será maior que o da economia B nos próximos períodos mas será igual ao da economia B no longo prazo. d) o PIB por trabalhador da economia A será menor que o da economia B nos próximos períodos mas será igual ao da economia B no longo prazo. v) Se as duas economias estiverem em steady-state e a taxa de poupança aumentar na economia A sem se alterar na economia B: a) a taxa de crescimento do PIB por trabalhador será maior que a da economia B nos próximos períodos e no longo prazo. b) a taxa de crescimento do PIB por trabalhador da economia A será menor que a da economia B nos próximos períodos e no longo prazo. X c) a taxa de crescimento do PIB por trabalhador da economia A será maior que a da economia B nos próximos períodos mas será igual à da economia B no longo prazo. d) a taxa de crescimento do PIB por trabalhador da economia A será menor que o da economia B nos próximos períodos mas será igual à da economia B no longo prazo. B

22 vi) Volte a considerar que as duas economias têm a mesma taxa de poupança. Se na economia A θ aumentar e na economia B a taxa de crescimento da população diminuir de tal modo que o novo valor de steady-state do capital por trabalhador volta a ser igual nas duas economias, então no novo steady-state: X a) o produto por trabalhador e o consumo por trabalhador são maiores na economia A. b) o produto por trabalhador e o consumo por trabalhador são menores na economia A. c) o produto por trabalhador é maior na economia A e não sabemos comparar o consumo por trabalhador nas duas economias. d) o produto por trabalhador é menor na economia A e e não sabemos comparar o consumo por trabalhador nas duas economias. 6. Sendo i a taxa de juro nominal e r a taxa de juro real, X a) O Investimento depende negativamente de r e a procura de Moeda depende negativamente de i. b) O Investimento depende negativamente de i e a procura de Moeda depende negativamente de r. c) O Investimento e a procura de Moeda dependem negativamente de r. d) O Investimento e a procura de Moeda dependem negativamente de i. 7. Considere as seguintes funções de impostos: (i) T= -100 e (ii) T = 0,2Y (iii) T = ,2Y, onde Y é o rendimento. Indique em que caso(s) estamos na presença de um estabilizador automático. a) (i) e (iii). X b) (ii) e (iii). c) (ii). d) (iii). 8. A base monetária é constituída por: a) circulação monetária e depósitos. b) circulação monetária. c) notas e moedas impressas. X d) circulação monetária e reservas dos Bancos Comerciais. 9. Suponha que o Banco Central decide aumentar a taxa de reservas obrigatórias e que isso aumenta a taxa de reservas efectivamente praticada pelos Bancos Comerciais. Após esta alteração, um aumento da base monetária que antes levava a aumento de x na massa monetária, implica agora: a) um aumento da massa monetária maior que x. X b) um aumento da massa monetária menor que x. c) um aumento da massa monetária igual a x. d) não sabemos qual das anteriores é correcta. 10. Nos últimos 4 anos a Dívida Pública portuguesa: a) tem tido um peso no PIB inferior a 50%. b) tem tido um peso no PIB entre 40% e 70%. X c) tem tido um peso no PIB entre 60% e 110%. d) tem tido um peso no PIB superior a 100%. Nome: Nº:

23 11. Em Portugal nos últimos anos a Balança Corrente + Balança de Capital, a) tem tido um saldo positivo. X b) tem tido um saldo negativo. c) tem tido um saldo aproximadamente nulo. d) tem tido nalguns anos saldo negativo e noutros saldo positivo, oscilando muito. 12. Os dados empíricos mostram que desde a década de 60 até anos nossos dias nas economias desenvolvidas: a) a taxa de inflação e a taxa de desemprego apresentam uma correlação negativa. b) a taxa de inflação e a taxa de desemprego apresentam uma correlação positiva. X c) a taxa de inflação e a taxa de desemprego não apresentam uma correlação negativa nem positiva. d) a taxa de inflação e a taxa de desemprego têm permanecido constantes. 13. Considere que dispõe dos seguintes dados para determinada economia: PIB a preços correntes Deflator do PIB Base 2005 PIB real base ,082 A ,060 B ,035 C ,025 D ,015 E ,000 F O valor A da última coluna é igual a: a) /1,082. b) /1,035. X c) /(1,082/1,035). d) /(1,035/1,082) 14. O Saldo Orçamental Estrutural é igual a: X a) receitas totais menos despesas totais avaliadas para o PIB potencial. b) receitas totais menos despesas totais avaliadas para o PIB potencial mais Juros da Dívida Pública. c) receitas totais menos despesas totais avaliadas para o PIB potencial menos Juros da Dívida Pública. d) receitas totais menos despesas totais. 15. Em determinada economia o valor corrente da taxa de juro é 2% e o multiplicador da base monetária é actualmente igual a 4. Se a autoridade monetária quiser aumentar a oferta de moeda em 100 milhões deve: a) vender títulos no valor de 100 milhões. b) comprar títulos no valor de 100 milhões. c) vender títulos no valor de 25 milhões. X d) comprar títulos no valor de 25 milhões.

24 I ( 9 val) Nos exercícios seguintes escolha a alínea correcta. (0,45 por cada resposta certa, -0,15 por cada resposta errada) Versão C 1. Políticas de estabilização são políticas que pretendem: a) diminuir a taxa de desemprego da economia. b) aumentar a taxa de crescimento da economia. c) aumentar o nível da produção da economia. X d) diminuir a amplitude dos ciclos económicos. 2. Os dados empíricos mostram que desde a década de 60 até anos nossos dias nas economias desenvolvidas: a) a taxa de inflação e a taxa de desemprego apresentam uma correlação positiva. b) a taxa de inflação e a taxa de desemprego apresentam uma correlação negativa. c) a taxa de inflação e a taxa de desemprego têm permanecido constantes. X d) a taxa de inflação e a taxa de desemprego não apresentam uma correlação negativa nem positiva. 3. Para Portugal nos últimos 5 anos a taxa de desemprego, X a) situou-se entre 6% e 14%. b) foi sempre superior a 12%. c) situou-se entre 3% e 8%. d) situou-se entre 0% e 3%. 4. Em Portugal nos últimos anos a Balança Corrente + Balança de Capital, X a) tem tido um saldo negativo. b) tem tido um saldo positivo. c) tem tido nalguns anos saldo negativo e noutros saldo positivo, oscilando muito. d) tem tido um saldo aproximadamente nulo. Nome: Nº:

25 5. O melhor indicador de uma política orçamental contraccionista é, a) uma diminuição do Saldo Orçamental Primário. b) uma diminuição do Saldo Orçamental Estrutural Primário. c) um aumento do Saldo Orçamental Primário. X d) um aumento do Saldo Orçamental Estrutural Primário. 6. Considere que dispõe dos seguintes dados para determinada economia: PIB a preços correntes Deflator do PIB Base 2005 PIB real base ,082 A ,060 B ,035 C ,025 D ,015 E ,000 F O valor A da última coluna é igual a: a) /1,035. b) /1,082. c) /(1,035/1,082). X d) /(1,082/1,035). 7. Considere 2 economias A e B que se comportam de acordo com o o modelo de Solow e têm a mesma taxa de crescimento da população, igual taxa de depreciação e igual taxa de poupança. A função de 1/ 2 1/ 2 produção em ambas as economias é Y = θk L. i) Sendo s =0,28 a taxa de poupança, δ = 0,05 a taxa de depreciação e n=0,02 a taxa de crescimento da população, e sabendo que θ =10, o valor do capital por trabalhador no steady-state é: a) 200. b) 400. c) 900. X d) ii) Se no momento corrente a economia A estiver em steady-state e a economia B tiver o dobro do stock de capital por trabalhador da economia A, então neste momento: X a) a taxa de crescimento do produto por trabalhador é menor na economia B. b) a taxa de crescimento do produto por trabalhador é maior na economia B. c) não sabemos comparar a taxa de crescimento do produto por trabalhador nas duas economias. d) a taxa de crescimento do produto por trabalhador é igual nas duas economias. iii) Se no momento corrente a economia A estiver em steady-state e a economia B tiver o dobro do stock de capital por trabalhador da economia A, então neste momento: X a) o produto por trabalhador e o consumo por trabalhador são menores na economia A. b) o produto por trabalhador e o consumo por trabalhador são maiores na economia A. c) o produto por trabalhador é menor na economia A e o consumo por trabalhador é igual nas duas economias. d) o produto por trabalhador é maior na economia A e o consumo por trabalhador é igual nas duas economias. C

26 iv) Se as duas economias estiverem em steady-state e a taxa de poupança aumentar na economia A sem se alterar na economia B: a) a taxa de crescimento do PIB por trabalhador da economia A será menor que a da economia B nos próximos períodos e no longo prazo. b) a taxa de crescimento do PIB por trabalhador será maior que a da economia B nos próximos períodos e no longo prazo. c) a taxa de crescimento do PIB por trabalhador da economia A será menor que o da economia B nos próximos períodos mas será igual à da economia B no longo prazo. X d) a taxa de crescimento do PIB por trabalhador da economia A será maior que a da economia B nos próximos períodos mas será igual à da economia B no longo prazo. v) Se as duas economias estiverem em steady-state e a taxa de poupança aumentar na economia A sem se alterar na economia B: a) o PIB por trabalhador da economia A será menor que o da economia B nos próximos períodos e no longo prazo. X b) o PIB por trabalhador da economia A será maior que o da economia B nos próximos períodos e no longo prazo. c) o PIB por trabalhador da economia A será menor que o da economia B nos próximos períodos mas será igual ao da economia B no longo prazo. d) o PIB por trabalhador da economia A será maior que o da economia B nos próximos períodos mas será igual ao da economia B no longo prazo. vi) Volte a considerar que as duas economias têm a mesma taxa de poupança. Se na economia A θ aumentar e na economia B a taxa de crescimento da população diminuir de tal modo que o novo valor de steady-state do capital por trabalhador volta a ser igual nas duas economias, então no novo steady-state: a) o produto por trabalhador e o consumo por trabalhador são menores na economia A. X b) o produto por trabalhador e o consumo por trabalhador são maiores na economia A. c) o produto por trabalhador é menor na economia A e e não sabemos comparar o consumo por trabalhador nas duas economias d). o produto por trabalhador é maior na economia A e não sabemos comparar o consumo por trabalhador nas duas economias. 8. Sendo i a taxa de juro nominal e r a taxa de juro real, a) O Investimento depende negativamente de i e a procura de Moeda depende negativamente de r. X b) O Investimento depende negativamente de r e a procura de Moeda depende negativamente de i. c) O Investimento e a procura de Moeda dependem negativamente de i. d) O Investimento e a procura de Moeda dependem negativamente de r. 9. O PIB per capita português, a preços correntes, em 2010 foi aproximadamente, a) euros. b) euros. c) euros. X d) euros. Nome: Nº:

27 10. Em determinada economia o valor corrente da taxa de juro é 2% e o multiplicador da base monetária é actualmente igual a 4. Se a autoridade monetária quiser aumentar a oferta de moeda em 100 milhões deve: a) comprar títulos no valor de 100 milhões. b) vender títulos no valor de 100 milhões. X c) comprar títulos no valor de 25 milhões. d) vender títulos no valor de 25 milhões. 11. Considere as seguintes funções de impostos: (i) T= -100 e (ii) T = 0,2Y (iii) T = ,2Y, onde Y é o rendimento. Indique em que caso(s) estamos na presença de um estabilizador automático. X a) (ii) e (iii). b) (i) e (iii). c) (iii). d) (ii). 12. A base monetária é constituída por: a) circulação monetária. b) circulação monetária e depósitos. X c) circulação monetária e reservas dos Bancos Comerciais. d) notas e moedas impressas. 13. O Saldo Orçamental Estrutural é igual a: a) receitas totais menos despesas totais avaliadas para o PIB potencial mais Juros da Dívida Pública. X b) receitas totais menos despesas totais avaliadas para o PIB potencial. c) receitas totais menos despesas totais. d) receitas totais menos despesas totais avaliadas para o PIB potencial menos Juros da Dívida Pública. 14. Suponha que o Banco Central decide aumentar a taxa de reservas obrigatórias e que isso aumenta a taxa de reservas efectivamente praticada pelos Bancos Comerciais. Após esta alteração, um aumento da base monetária que antes levava a aumento de x na massa monetária, implica agora: a) um aumento da massa monetária igual a x. b) um aumento da massa monetária maior que x. X c) um aumento da massa monetária menor que x. d) não sabemos qual das anteriores é correcta. 15. Nos últimos 4 anos a Dívida Pública portuguesa: a) tem tido um peso no PIB entre 40% e 70%. b) tem tido um peso no PIB inferior a 50%. c) tem tido um peso no PIB superior a 100%. X d) tem tido um peso no PIB entre 60% e 110%. C

28 II (3,25 val) Para uma dada economia conhecem-se os dados seguintes. Com base nesta informação responda às perguntas abaixo. Versão A Versão B Versão C Rendimentos Líquidos dos Factores no exterior Saldo Orçamental -25 Transferências do governo para as famílias 50 Salários (incluindo Cont. Seg Social) 800 Transferências Líquidas do Exterior 10 Poupança Privada 150 Subsídios à produção 20 Impostos indirectos 250 Amortizações 60 Consumo privado 1100 Consumo público 900 Exportações 450 Importações 500 a) Calcule a Balança Corrente e de Capital. b) Calcule o PIB a preços de mercado. c) Calcule o Rendimento Nacional. (Se não chegar ao valor pedido em b) assuma que PIBpm = 1000) a) BCC = Balança Comercial +REX + Transferências Líquidas do exterior = X IM + REX + Transferências Líquidas do exterior Versão A: BCC = = -25 Versão B: BCC = = -30 Versão C: BCC = = -10 b) PIB pm = C + I B + G + X IM I B = I L +Amortizações Temos os dados para todas as componentes da despesa excepto o Investimento Líquido. Da Identidade Fundamental da economia temos que: S + SO BCC = I L Substituindo os valores obtém-se: Versão A: I L = (-25) = 150 e PIBpm = ( ) = 2160 Versão B: I L = (-30) = 155 e PIBpm = ( ) = 2165 Versão C: I L = (-10) = 135 e PIBpm = ( ) = 2145 c) RN = PNLpbase PNL pbase = PNB pbase - Amort PNB pbase = PIB pbase + REX PIB pbase = PIBpm Ti + Ze Juntando tudo: PNL pbase = PIBpm Ti + Ze + REX - Amort Logo, Versão A: RN = PNL p base = = 1885 Versão B: RN = PNL p base = = 1885 Versão C: RN = PNL p base = = 1885

29 III ( 3,6 val) a) Um aumento do custo da energia aumenta os custos unitários de produção e leva as empresas a subir preços e/ou baixar a produção. Com custos de produção mais altos as empresas só estão dispostas a produzir o mesmo se os preços forem mais altos ou então baixam a produção. Assim a Oferta Agregada de curto prazo desloca-se para cima. Ao nível de preços inicial haveria excesso de procura. Quando os preços sobem as empresas produzem mais e, ao longo da AD, a subida do nível geral de preços faz cair a taxa de câmbio real fazendo cair as exportações líquidas, e altera o equilíbrio no mercado monetário, fazendo subir a taxa de juro e cair o Consumo e o Investimento. Assim, rendimento de equilíbrio cai e os preços sobem. p AS CP AD Y 1 Y P Y b) Após a queda inicial Y causada pelo aumento dos custos da energia, o valor de equilíbrio de curto-prazo de Y está abaixo do pleno-emprego, logo há desemprego, o que vai provocar uma pressão para os salários caírem. Quando os salários forem renegociados serão reduzidos, isso faz cair os custos de produção e expande a oferta, deslocando a AScp para baixo. Isto vai acontecendo até que a economia volte ao output de Pleno Emprego. p AS CP Y 1 Y P Y AD c) Para acelerar o ajustamento para o equilíbrio de longo prazo após a subida dos custos da energia o Governo pode expandir a Procura Agregada através de um aumento dos Gastos Públicos. O aumento dis Gastos Públicos aumenta a Despesa Planeada, levando a um excesso de procura e aumentando o nível de rendimento que equilibra o mercado de bens e serviços.

30 AE Y=AE AE A 1 G AE A 0 45º * * Y 0 Y 1 Y p AS CP AD Y 1 Y P Y AD Assim a AD desloca-se para a direita e a economia pode convergir mais rapidamente para o Pleno Emprego sem ter que esperar pelas negociações salariais que permitiriam o ajustamento da Oferta Agregada mas que podem levar muito tempo. d) Quer na alínea b) em que a economia ajusta automaticamente, quer na alínea c) onde há aumento dos Gastos Públicos, o equilíbrio final dá-se no Pleno Emprego. Por isso nos dois casos o valor final do rendimento é igual Y=Yp. Mas o nível geral de preços é mais alto quando há o aumento dos Gastos Públicos que desloca a AD para a direita, p é mais alto no equilíbrio final em c) que em b). O nível do rendimento, Y é igual nos dois equilíbrios mas a composição da despesa é diferente. Em c) o nível geral de preços é mais alto, logo a taxa de câmbio real cai e as exporações líquidas são mais baixas. O facto de p ser mais alto também leva a um valor mais baixo da oferta real de moedaque implica excesso de procura de Moeda e, portanto excesso de oferta de títulos, queda do preço dos títulos e um aumento da taxa de juro (no caso de esta não estar fixa). Se a taxa de juro é mais alta, então no equilíbrio final em c) o Consumo e o Investimento são menores que em b). Em c) Consumo, Investimento e Exportações Líquidas são menores que em b) e os Gastos Públicos são mais altos, esse é o resultado do aumento dos Gastos Públicos.

31 IV (4,15 val) Considerando que determinada economia é descrita pelas seguintes equações e que p=1, 6 e i=2: ,1 a) Em equilíbrio Y = Despesa Planeada (AE) F d ep AE = C+ I + G+ X IM = C + cy ai+ I bi+ G + X + x IM my p Substituindo na condição de equilíbrio obtém-se a forma reduzida do modelo: F ep Y = C + c( Y ty ) ai+ I bi+ G + X + x IM my p ep p [ 1 c( 1 t) ) + m] Y = C + I + G + X IM + x ( a+ b) i 1 ep Y* = C + I + G + X IM + x 1 c(1 t) + m p Substituindo com os valores para esta economia vem: F F ( a+ b) i Versão A: 1 Y* = = 1 0,8 0,75+ 0,1 Y Versão B: ( (5+ 20) 2) * = Y* = = 1 0,8 0,75+ 0,1 Y Versão C: ( (5+ 20) 2) * = Y* = = 1 0,8 0,75+ 0,1 Y ( (5+ 20) 2) * = b) Quando as exportações aumentam, a despesa planeada aumenta. Isto leva a um esgotamento de stocks que faz aumentar a produção. O aumento de produção implica aumento de rendimento que faz aumentar novamente a despesa planeada e o mecanismo repete-se até se chegar a um novo equilíbrio com rendimento de equilíbrio mais alto. Dado que os preços estão fixos o efeito é explicado no contexto do modelo keynesiano. Da forma reduzida do modelo obtida em a) podemos concluir que: 1 Y* = X 1 c(1 t) + m Versão A: As exportações aumentaram 50, logo: Y * = 2 50= 100 Versão B: As exportações aumentaram 30, logo: Y * = 2 30= 60 Versão C: As exportações aumentaram 100, logo: Y * = 2 100= 200

32 Y=AE AE AE A 1 X AE A 0 c) A curva da Procura Agregada é obtida a partir da expressão do equilíbrio no mercado dos bens mas considerando preços fleíveis: Da alínea a): 45º * * Y 0 Y 1 F = 1 ep Y* C + I + G + X IM + x ( a+ b) 1 c(1 t) + m i p Substituindo com os valores para esta economia, mas deixando p variável, obtém-se: = 1 6 AD : Y* G ,8 0,75+ 0,1 2 p Y Fazendo as contas o que não era pedido - obtinha-se: Versão A : Y* = Y* = p p Versão B : Y* = Y* = p p Versão C : Y* = Y* = p p p AD Y d) Agora a AScp é positivamente inclinada. Como vimos em b) após o aumento das exportações, o rendimento que equilibra o mercado de bens aumenta, para o mesmo nível de p. Logo a AD desloca-se para a direita. O deslocamento na horizontal da AD é igual à variação de Y obtida em b). Mas agora os preços são flexíveis, por isso o equilíbrio de curto prazo verifica-se com uma menor variação de Y e com aumento de p. Y final é menor porque o aumento de p leva a uma queda da taxa de câmbio real que faz diminuir as exportações, compensando em parte o aumento inicial.

33 p AS CP AD AD Y P Y 1 Y e) Se a autoridade monetária fixasse a quantidade de Moeda e deixasse variar a taxa de juro, o aumento inicial de Y levaria ao aumento da taxa de juro. Isto porque o aumento do rendimento faz aumentar a procura de Moeda. O excesso de procura de moeda que equivale a um excesso de oferta de títulos, leva à queda do preço dos títulos e subida da taxa de juro. O aumento da taxa de juro faz cair o Consumo e o Investimento logo, para o mesmo nível de preços, o aumento do rendimento é menor do que na situção da alínea b) com preços fixos (é menor que o multiplicador da despesa autónoma a multiplicar pela variação das exportações). Assim, o deslocamento na horizontal da AD seria menor que em d). Quando p sobe, além do aumento da taxa de câmbio real que faz cair as exportações, há também queda da oferta real de moeda que reforça a subida da taxa de juro, e a consequente queda de C e I. Assim, o aumento final do rendimento é menor que em d).

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA I Licenciaturas: Economia, Gestão 1º A/1º S CADERNO 2 Actividade Económica, Produção

Leia mais

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste.

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste. LICENCIATURA EM ECONOMIA MACROECONOMIA II LEC 206 (2006-2007) Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Duração: 60 minutos Não é permitida qualquer forma de consulta. Os telemóveis

Leia mais

AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO)

AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO) AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO) 1 A FUNÇÃO PROCURA AGREGADA No final deste texto o leitor deverá ser capaz de: Compreender o conceito de função de procura agregada. Entender a curva de

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame 2ª época

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame 2ª época NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame 2ª época Ana Balcão Reis 2 de Julho de 2011 Erica Marujo Guilherme Oliveira João Almeida Marques Margarida Rodrigues Duração Total:

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÂO EXEMPLO de TESTE 1.Discuta a diferença entre os seguintes conceitos? (a) Produto Interno Bruto - Produto Interno Líquido; (b) Produto Nacional

Leia mais

Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II

Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II DISCIPLINA: MACROECONOMIA 24/03/2015 Prof. João Basilio Pereima Neto E-mail: joaobasilio@ufpr.com.br Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II 1. Modelo OA - Mercado de Trabalho com flexibilidade de Preços

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

ADMISSÃO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS Prova de Economia 24 de Junho de 2008 Duração: 2h. Grupo I (5 valores)

ADMISSÃO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS Prova de Economia 24 de Junho de 2008 Duração: 2h. Grupo I (5 valores) UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia ADMISSÃO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS Prova de Economia 24 de Junho de 2008 Duração: 2h Grupo I (5 valores) Para cada uma das seguintes

Leia mais

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Fernando Lopes - Universidade dos AçoresA Mercado de Bens e a Relação IS Existe equilíbrio no mercado de bens quando a produção, Y, é igual à procura por

Leia mais

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com Curso DSc IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV Prof.: Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso Economista - 2015 51 - Considere as seguintes

Leia mais

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado Macroeconomia Faculdade de Direito UNL 2008/09 José A. Ferreira Machado 1. As principais grandezas macroeconómicas e a sua medição Medição do rendimento nacional, do nível geral de preços e da taxa de

Leia mais

Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global

Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global João Sousa Andrade 18 de Novembro de 2004 Faculdade de Economia - Mestrado de Economia Ano Lectivo de 2004/05 Texto com carácter provisório para acompanhamento

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 2º CADERNO DE EXERCÍCIOS Estudo dos Ciclos Económicos 1. O MERCADO DO PRODUTO 1.1. Modelo Simples

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8

www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8 Comentários Macroeconomia (Área 3) Olá Pessoal. O que acharam da prova do BACEN? E especificamente em relação à macro (área 3)? A prova foi complexa? Sim! A complexidade foi acima do esperado? Não! Particularmente,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA I Licenciaturas: Economia, Gestão 1º A/1º S CADERNO 4 A Moeda e a Inflação A Macroeconomia

Leia mais

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores)

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores) Universidade do Minho Curso de Comunicação Social Disciplina de Economia 9 de Junho de 2003 PROVA DE AVALIAÇÃO NOME: NÚMERO: Observações obrigatórias - antes de começar a responder, siga as seguintes instruções:

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Prova de Macroeconomia

Prova de Macroeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Macroeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos do Processo Seletivo Stricto Sensu UFAL 2012.1 CADERNO DE PROVA

Leia mais

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard O mercado de bens Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 3 3.1 A composição do PIB A composição do PIB Consumo (C) são os bens e serviços adquiridos pelos consumidores. Investimento (I), às vezes

Leia mais

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel Aula 7 Inflação Prof. Vladimir Maciel Estrutura Ferramenta de análise: OA e DA. Inflação Conceitos básicos. Causas. Trade-off com desemprego. Fator sancionador: expansão de moeda. Instrumentos de Política

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

School of Economics and Management

School of Economics and Management School of Economics and Management TECHNICAL UNIVERSITY OF LISBON Department of Economics Carlos Pestana Barros & Nicolas Peypoch Pedro Leão Consequências A Comparative Analysis de desequilíbrios of Productivity

Leia mais

Economia II. A Procura Agregada de Bens e Serviços e a Função IS. Francisco Camões / Sofia Vale / Vivaldo Mendes. Setembro 2007

Economia II. A Procura Agregada de Bens e Serviços e a Função IS. Francisco Camões / Sofia Vale / Vivaldo Mendes. Setembro 2007 Economia II A Procura Agregada de Bens e Serviços e a Função IS Francisco Camões / Sofia Vale / Vivaldo Mendes Setembro 2007 1 A Procura Agregada de Bens e Serviços e a Função IS Equações de Comportamento

Leia mais

Noções de Economia. As sociedades humanas, de modo geral, se defrontam com três problemas econômicos fundamentais:

Noções de Economia. As sociedades humanas, de modo geral, se defrontam com três problemas econômicos fundamentais: 1 Noções de Economia 1. Microeconomia A Ciência Econômica, conhecida como ciência da escassez, parte do princípio que as necessidades humanas são ilimitadas, enquanto que os recursos necessários para que

Leia mais

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores)

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores) Universidade do Minho Curso de Comunicação Social Disciplina de Economia 8 de Junho de 2004 PROVA DE AVALIAÇÃO NOME: NÚMERO: Observações obrigatórias - antes de começar a responder, siga as seguintes instruções:

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

A procura agregada de bens e serviços: a função IS

A procura agregada de bens e serviços: a função IS A procura agregada de bens e serviços: a função IS Orçamento, saldo orçamental e dívida pública Francisco Camões Fevereiro 2014 1 Orçamento Saldo orçamental Dívida pública Orçamento Saldos orçamentais

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Objetivos

Leia mais

A diferença entre o curto e o longo prazo

A diferença entre o curto e o longo prazo Aula Teórica nº 14 Sumário: Procura e oferta agregada Procura agregada - inclinação - deslocação Oferta agregada de curto e de longo prazo O modelo procura agregada/oferta agregada - choques da procura

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA OU GRANDE ECONOMIA ABERTA Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O modelo IS/LM, na sua versão mais simples, descreve, formalizando analítica e

Leia mais

Produto Vendas Custo da matéria-prima

Produto Vendas Custo da matéria-prima Conceitos básicos de economia A economia pode ser subdividida em dois grandes segmentos: - Macroeconomia: trata da evolução da economia como um todo, analisando a determinação, comportamento e relações

Leia mais

Macroeconomia 2. 8. Equilíbrio Geral

Macroeconomia 2. 8. Equilíbrio Geral Macroeconomia 2 FEP, Licenciatura em Economia 8. Equilíbrio Geral 8.1. Equilíbrio geral com preços flexíveis Álvaro Almeida, Maio de 2007 8.1.1. Determinação do equilíbrio geral em economias grandes Equilíbrio

Leia mais

Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social)

Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social) 1 Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social) 1. Para a ciência econômica, formação de capital significa especificamente: a) A compra de qualquer mercadoria nova. b) Investimento líquido.

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O COMPORTAMENTO DA TAXA DE CÂMBIO, TAXA DE JUROS, INFLAÇÃO, DÍVIDA PÚBLICA E DO CRESCIMENTO DO PIB ENTRE 1995 E 2015

REFLEXÕES SOBRE O COMPORTAMENTO DA TAXA DE CÂMBIO, TAXA DE JUROS, INFLAÇÃO, DÍVIDA PÚBLICA E DO CRESCIMENTO DO PIB ENTRE 1995 E 2015 REFLEXÕES SOBRE O COMPORTAMENTO DA TAXA DE CÂMBIO, TAXA DE JUROS, INFLAÇÃO, DÍVIDA PÚBLICA E DO CRESCIMENTO DO PIB ENTRE 1995 E 2015 Gabriela Bulhões Estudante do Curso de Jornalismo da Universidade Estadual

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO Exame Nacional de 2006 (1.ª Fase, versão 1) 1. B 16. C 11. C 16. B 2. C 17. D 12. D 17. D 3. A 18. D 13. C 18. B 4. B 19. A 14. D 19. A 5. B 10. A 15. A 20. C I II 1. A recuperação

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

2. CONTABILIDADE NACIONAL

2. CONTABILIDADE NACIONAL 2. CONTABILIDADE NACIONAL 2.1. MEDIÇÃO DO PRODUTO 1. Uma boa contabilidade transforma dados em informação. Estudamos contabilidade nacional por duas razões. Em primeiro lugar, porque fornece a estrutura

Leia mais

PARTE I As Finanças Públicas e o Papel do Estado

PARTE I As Finanças Públicas e o Papel do Estado Índice v Prefácio... xix Apresentação da 1ª edição... xxii Agradecimentos... xxiv Nota dos autores à 4ª edição... xxiv Os autores... xxvii PARTE I As Finanças Públicas e o Papel do Estado 1 Economia e

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Aula 4: Política Cambial

Aula 4: Política Cambial Aula 4: Política Cambial Macroeconomia Política Cambial Gilmar Ferreira Abril 2010 Taxa de Câmbio Taxa de Câmbio A taxa de câmbio mostra qual é a relação de trocas entre duas unidades monetarias diferentes,

Leia mais

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 5 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia.

Leia mais

Modelos de Mundell-Fleming

Modelos de Mundell-Fleming Modelos de Mundell-Fleming de Bens e Serviços com Mobilidade Perfeita de Capitais Abril 2013 1 O equilíbrio simultâneo nos 3 mercados Equilíbrio nos mercados de bens e serviços, cambial e monetário 2 3

Leia mais

Aula 8. Política Fiscal: déficit e dívida pública

Aula 8. Política Fiscal: déficit e dívida pública Aula 8 Política Fiscal: déficit e dívida pública O Crescimento da Participação do Setor Público na Atividade Econômica Crescimento da renda per capita - gera um aumento da demanda de bens e serviços públicos

Leia mais

Macroeconomia. 6. O Mercado Monetário. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 6. O Mercado Monetário. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 6. O Mercado Monetário Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Uma visão geral sobre a forma como a política monetária afecta o produto

Leia mais

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens)

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens) 4.1. Determine a função representativa do consumo privado de uma economia em relação à qual se sabe o seguinte: - As intenções de consumo das famílias são caracterizadas por uma dependência linear relativamente

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

Não são considerados bens produzidos em período anterior, apenas a remuneração do vendedor (que é remuneração a um serviço corrente)

Não são considerados bens produzidos em período anterior, apenas a remuneração do vendedor (que é remuneração a um serviço corrente) Macroeconomia Contabilidade Nacional VASCONCELLOS, M. A. S. Economia micro e macro. 3ª ed. São Paulo: Atlas. 2002. Capítulo 9: Contabilidade social Tópicos para Discussão Principais Agregados Macroeconômicos

Leia mais

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof.

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof. (Aula-V) 19/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Economia 2º Período Noções de Contabilidade Nacional e Cálculo do PIB Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 5. Noções

Leia mais

Mercados financeiros CAPÍTULO 4. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Mercados financeiros CAPÍTULO 4. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Mercados Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 4 4.1 Demanda por moeda O Fed (apelido do Federal Reserve Bank) é o Banco Central dos Estados Unidos. A moeda, que você pode usar para transações,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS I NOÇÕES DE CONTABILIDADE SOCIAL E MODELO KEYNESIANO SIMPLES

LISTA DE EXERCÍCIOS I NOÇÕES DE CONTABILIDADE SOCIAL E MODELO KEYNESIANO SIMPLES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA DISCIPLINA: ANÁLISE MACROECONÔMICA PROF. RAFAEL TIECHER CUSINATO LISTA DE EXERCÍCIOS I NOÇÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio Ana Balcão Reis Catarina Ângelo 24 de Novembro de 2012 Inácia Pimentel Simão Arouca Duração Total: 1h45m I ( 8,1 val) Nos

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

A Análise IS-LM: Uma visão Geral

A Análise IS-LM: Uma visão Geral Interligação entre o lado real e o lado monetário: análise IS-LM Capítulo V A análise IS-LM procura sintetizar, em um só esquema gráfico, muitas situações da política econômica, por meio de duas curvas:

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO S FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO ANO 2012 JANEIRO A JUNHO RELATÓRIO 1. Introdução 2. Equilíbrio Orçamental 3. Receitas do Estado 4. Financiamento

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO. Profa.: Enimar J. Wendhausen

CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO. Profa.: Enimar J. Wendhausen CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO Profa.: Enimar J. Wendhausen TEORIA MACROECONÔMICA A partir da teoria macroeconômica foram empregados esforços para a construção de um sistema

Leia mais

Marketing e Publicidade 2ºANO 1º SEMESTRE

Marketing e Publicidade 2ºANO 1º SEMESTRE INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO E TECNOLOGIA DE SANTARÉM Marketing e Publicidade 2ºANO 1º SEMESTRE FINANÇAS Docente: Professor Coordenador - António Mourão Lourenço Discentes:

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d Determinação da renda e produtos nacionais: O mercado de Bens e Serviços Capítulo III 3.1 Da contabilidade nacional para a teoria macroeconômica A Contabilidade Nacional: medição do produto efetivamente

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Julho de 2005 Risco Macroeconômico 2 Introdução: Risco Financeiro e Macroeconômico Um dos conceitos fundamentais na área financeira é o de risco, que normalmente

Leia mais

CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS

CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS OBJETIVO: ILUSTRAR CONCEITOS TRABALHADOS EM MACROECONOMIA Patricia Bonini - patriciabonini@gmail.com Roteiro

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

MACROECONOMIA ABERTA

MACROECONOMIA ABERTA MACROECONOMIA ABERTA 1- (APO-MP 2005) Considerando E = taxa real de câmbio calculada considerando os índices de preços interno e no estrangeiro e a taxa nominal de câmbio segundo conceito utilizado no

Leia mais

Questões de Exames Passados. Escolha Múltipla Escolha uma entre as cinco alternativas para cada questão.

Questões de Exames Passados. Escolha Múltipla Escolha uma entre as cinco alternativas para cada questão. Faculdade de Economia, Universidade Nova de Lisboa Introdução à Macroeconomia André C. Silva Questões de Exames Passados Escolha Múltipla Escolha uma entre as cinco alternativas para cada questão. 1. Uma

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA

FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA O que a macroeconomia analisa? Analisa a determinação e o comportamento dos grandes agregados como: renda, produto nacional, nível geral de preços, nível

Leia mais

Economia. Contabilidade Social. Introdução. Prof.Carlos Nemer j20@momentus.com.br 1. Sumário. Contabilidade Social. Capítulo 12:

Economia. Contabilidade Social. Introdução. Prof.Carlos Nemer j20@momentus.com.br 1. Sumário. Contabilidade Social. Capítulo 12: Economia Carlos Nemer 3ª Ed. Contabilidade Social Capítulo 12: Contabilidade Social Poli-UFRJ Copyright 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 1 de 54/2005.1 Sumário

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

turbo warrants manual /////// www warrants commerzbank com ///////////////////////////////////////////////////////////////////// Warrants Estruturados Turbo warrants Turbo Warrants Acelere os seus investimentos

Leia mais

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial Relato Financeiro Intercalar 1º trimestre de 2014 = Contas Consolidadas = (Não Auditadas) Elaboradas nos termos do Regulamento da CMVM nº 5/2008 e de acordo com a IAS34 Relatório de Gestão Enquadramento

Leia mais

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento Conteúdo Temático 1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro 2. Critérios de análise da rendibilidade de projectos de investimento 9.1. A dimensão temporal

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 17. AS ELASTICIDADES DA DEMANDA (continuação)

ECONOMIA MÓDULO 17. AS ELASTICIDADES DA DEMANDA (continuação) ECONOMIA MÓDULO 17 AS ELASTICIDADES DA DEMANDA (continuação) Índice 1. As Elasticidades da Demanda (continuação)...3 1.1. Elasticidade-preço cruzada da demanda... 3 1.2. Elasticidade-renda da demanda...

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014)

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Procedimento dos Défices Excessivos 2ª Notificação 2014 30 de setembro de 2014 Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Nos termos dos Regulamentos da União Europeia, o INE envia hoje

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Estrutura e Processo de Elaboração do Cash-Flow

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Estrutura e Processo de Elaboração do Cash-Flow Análise de Projectos ESAPL / IPVC Estrutura e Processo de Elaboração do Cash-Flow A necessidade do Cash Flow Sempre que um investimento possa ter uma incidência significativa sobre o sistema de produção

Leia mais

PARTE I ESCOLHA MÚLTIPLA

PARTE I ESCOLHA MÚLTIPLA - SOLUÇÕES - 1 PARTE I ESCOLHA MÚLTIPLA 1. Considere os seguintes elementos A empresa XPTO adquiriu 80% da empresa Beta em 30.06.2003 por 300k. A empresa mãe manteve as suas reservas estáveis nos últimos

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II EXAME FINAL

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II EXAME FINAL CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Cristina Neto de Carvalho Gioconda Magalhães Data: 30 de Junho de 2007 Sílvia Cortês Duração: 2 horas e 30 minutos Joana Peralta Sofia Pereira Luiz Ribeiro EXAME

Leia mais

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE GOVERNO Orçamento Cidadão 2015 Os recursos públicos do Estado são recursos públicos do povo e para o povo, condição que dá ao cidadão o direito de saber como

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL 1

CONTABILIDADE NACIONAL 1 CONTABILIDADE NACIONAL 1 Ópticas de cálculo do valor da produção O produto de um país pode ser obtido por três ópticas equivalentes: Óptica do Produto permite-nos conhecer o valor do produto por sector

Leia mais

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo Capítulo 4 Moeda e mercado cambial Objectivos do capítulo Perceber o papel das taxas de câmbio no comércio internacional. Como são determinadas as taxas de câmbio de equilíbrio no mercado internacional

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Economia PPE FOLHA DE PROVA DA PCE EDITAL 001/2015 MACROECONOMIA

Programa de Pós-Graduação em Economia PPE FOLHA DE PROVA DA PCE EDITAL 001/2015 MACROECONOMIA MACROECONOMIA QUESTÃO 01 EXAME ANPEC - 2004 Tendo em conta conceitos relativos ao sistema monetário, julgue as proposições: (0) Define-se papel-moeda em poder do público como sendo o saldo do papel-moeda

Leia mais

CORREÇÃO GRUPO I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinala-a. 1.

CORREÇÃO GRUPO I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinala-a. 1. CORREÇÃO GRUPO I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinala-a. 1. O fornecimento de bens e serviços não mercantis (não comercializáveis)

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Orçamento anual: instrumento de planeamento a curto prazo que permitirá à empresa quantificar os seus objectivos em termos

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Fidelity Poupança FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA TARGET 2040

Fidelity Poupança FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA TARGET 2040 Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA TARGET 2040 ALERTA GRÁFICO Entidade Gestora: T-Vida, Companhia de Seguros,

Leia mais

CAPITULO 9 CONTABILIDADE NACIONAL

CAPITULO 9 CONTABILIDADE NACIONAL CAPITULO 9 CONTABILIDADE NACIONAL O estudo da Macroeconomia exige o conhecimento do significado de diversas variáveis, atais como o consumo, o investimento, as exportações, as importações, o produto, etc.,

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP)

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) Economia Portuguesa 2009 GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) MFAP GPEARI Unidade de Política Económica i i Ficha Técnica Título Economia Portuguesa

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2006 e 1 o semestre letivo de 2007 CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este caderno contém:

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO Um título público consiste, de maneira simplificada, um empréstimo ao governo federal, ou seja, o governo fica com uma dívida com o comprador

Leia mais