Grupo I Perguntas de resposta rápida (1 valor cada)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Grupo I Perguntas de resposta rápida (1 valor cada)"

Transcrição

1 ISCTE INSTITUTO UNIVERSITÁRIO de LISBOA Mestrado de Economia Mestrado de Economia Monetária e Financeira MACROECONOMIA e ANÁLISE da CONJUNTURA Teste Exemplo 4 Dezembro 2009 Duração: 2.00 h SOLUÇÕES Grupo I Perguntas de resposta rápida ( valor cada) O teste deverá conter 5 questões deste tipo:. Quais são as principais limitações do modelo de Solow que são eliminadas na formalização do modelo dos "Real Business Cycles"? Justi que. 2. Quais as principais diferenças e semelhanças entre o modelo dos "RBC"e o Novo Modelo Keynesiano? 3. Que importância terão shocks sobre a produtividade total dos factores (total factor productivity) no modelo dos "real business cycles"? 4. Quais são as principais limitações do modelo dos "Real Business Cycles"? 5. O que é a "Equação de Euler"? 6. Qual é a diferença entre a actuação do banco central com "commitment"e com "discretion"? Qual delas leva a um melhor resultado em termos do bem-estar social? 7. Compare o velho modelo Keynesiano e o novo modelo Keynesiano relativamente ao principal instrumento de política monetária. 8. Compare o velho modelo Keynesiano e o novo modelo Keynesiano relativamente à existência de trade o entre a in ação e o desemprego.

2 2 Grupo II Perguntas com derivação de resultados (3 valor cada) O teste deverá conter 5 perguntas do seguinte tipo. Pergunta. Considere o modelo de Solow, onde o nível do output em termos intensivos (y t ) é dado por y t = kt ; sendo k t o stock de capital em termos intensivos e a correspondente elasticidade. Neste modelo, a equação fundamental pode ser escrita como k t ( + m)( + n) = k t + s y t k t onde n e m são, respectivamente, a taxa de crescimento do factor trabalho e da tecnologia, s é a taxa de poupança, e a taxa de amortização é dada por : Pretende-se que responda às seguintes questões:. (a) Este modelo tem um equilíbrio de longo prazo? Justi que. (b) Tendo os seguintes valores para os parâmetros (s = 0:2, = 0:; m = 0:03; n = 0:0), determine o valor correspondente a esse equilibrio. (c) Este equilíbrio é único? Justi que. (d) Este equilíbrio é estável ou instável? Justi que. Solução : vide slides 0 e seguintes em "Introduction to Real Business Cycles: The Solow Model and Dynamic Optimization". a. Sabemos que e que logo a primeira eq. virá k t ( + m)( + n) = k t + s y t k t y t = k t k t ( + m)( + n) = k {z } t + s kt k t = simpli cando, virá k t = k t + s k t k t subtraindo k t a ambos os lados teremos k t k t = k t + s k t k t k t Agora aplicamos o seguinte truque k t k t = k t + s k t k t k t

3 3 e obteremos k t k t = k t + s k t k t k t 2 = 4( ) k {z } t + s k 5 t <0 3 Para determinar o eq. de longo prazo impomos a condição a resultado anterior k t = k t = k e teremos o seguinte resultado ( ) k = s k de onde se pode facilmente calcular k = s ( ) b. Tendo os seguintes valores para os parâmetros: s = 0:2, = 0:; m = 0:03; n = 0:0; = 0:4; o valor de k pode ser facilmente obtido basta substituir. c. Sim, do ponto de vista económico, este equilíbrio é único, já que só obtivemos um valor para k que satisfaz a condição de equilíbrio de longo prazo. Note que k = 0; também satisfaz a condição de equilíbrio, mas não é relevante do ponto de vista económico (não há nenhuma economia com um stock de capital nulo). d. Reproduzir a gura no slide 2. Quando s k t > ( ) k {z } t, então k t > k t e portanto k t está a aumentar até atingir o ponto A. Quando se veri car o inverso... <0 Pergunta 2. Suponha a seguinte secção do modelo dos RBC (note que o operador de expectativas não faz parte deste mini modelo) Y t =N t = [= ( )] C t (S4) Y t = A t Kt Nt (S6) ln A t = ( ) ln A + ln A t + " t (S7) onde ; ; ; são parâmetros, e " t é um shock aleatório com valores independentes e identicamente distribuídos. Sabe-se que 0 < <. Responda às seguintes questões:. (a) Apresente o modelo reescrito com as variáveis expressas em termos de taxas de variação (vide slides RBC)

4 4 (b) Sabe-se que no equilíbrio de longo prazo, a taxa de crescimento de C é de 0.02 (ou seja, c t = c t = 0:02), enquanto que a taxa de crescimento de K é de Sabe-se ainda que = 0:5: Determine a taxa de crescimento de Y no equilíbrio de longo prazo. (c) Ajuda. Note que no equilíbrio de longo prazo, como 0 < <, a parte estocástica em nada afecta este equilíbrio (ou seja o seu valor esperado). Portanto, para determinar este equilíbrio, acaba por car apenas com uma equação às diferenças determinística e... Solução 2. Vide slides 3 a 37 para aprender a técnica da linearização (The Real Business Cycle Model). Vide slide 39 já com as soluções para as equações acima. Depois da linearização a solução é extremamente fácil. a. Vide slide 39: Y t =N t = [= ( )] C t, n t = y t c t Y t = A t K t N t, y t = a t + k t + ( )n t ln A t = ( ) ln A + ln A t + " t, a t = a t + " t Portanto, utilizando as equações na forma linear teremos y t = a t + k t + ( ) (y t c t ) b. Como sabemos que 0 < <, portanto a t é um processo autogressivo cujo valor esperado converge para zero. Assim, no equilíbrio de longo prazo, o valor esperado de y t em nada depende do valor que a t possa assumir. Portanto, podemos assumir que a t na eq. acima é igual a zero. Assim a eq. acima pode ser simpli cada y t = 0 + k t + ( ) (y t c t ) y t ( )y t = 0 + k t ( )c t y t ( + ) = 0 + k t ( )c t y t = k t ( ) c t y t = 0:04 0:5 0:02 0:5 y t = 0:02 Ou seja, no equilíbrio de longo prazo, Y cresce à taxa de 2%. Pergunta 3. Considere uma função do tipo y t = E t y t+ + a t onde y é a variável endógena, t representa um shock, t = t + " t, com " t (0; 2 ); e 0 < <. E é o operador de expectativas, e a um parâmetro. Pretende-se:

5 5. (a) Obtenha uma solução para este processo; (b) Discuta a volatilidade do processo em função do valor dos diferentes parâmetros. (c) Qual a relevância deste tipo de processos para explicar o comportamento de processos económicos reais. (d) Ajuda: a solução pode ser encontrada em "optimal interest rates: discretion", bloco de matéria "Optimal Monetary Policy in the NKM", em particular slides 2 e 3. Solução 3. Vide slides 2 e 3 de "Optimal Monetary Policy in the NKM". Matéria também leccionada nas aulas sobre soluções de modelos com expectativas racionais. Vide soluções de problemas deste tipo fornecidas antes do teste intercalar. Nestas soluções encontrará duas formas de resolver o problema: (i) uma levando em consideração o equilíbrio de longo prazo (shocks desaparecem), (ii) outra levando em consideração o impacto dos shocks na solução. Como na alínea (b) pede-se que discuta a volatilidade do processo em função dos diferentes parâmetros, faz todo o sentido ter uma solução onde apareçam os shocks. Assim, vamos utilizar o segundo método. a. Temos a seguinte eq. y t = E t y t+ + a t Podemos aplicar o método de substituição repetida para eliminar o termo com expectativas. Poderão aplicar passo a passo este método, e como é sabido basta iterar até à 3 a iteração para se obter o padrão. Se o zerem, e impondo a condição jj <, vão chegar aqui y t = a Por outro lado sabemos que (vide slide 2) Logo, por mera substituição teremos ou seja X i E t t+i i=0 E t t+i = ( ) i t y t = a X i ( ) i t i=0 X y t = a t ( ) i i=0 Como P i=0 ( ) i é uma série geométrica com razão ; e com o primeiro termo igual a ; (note que ( ) 0 = ) então X i=0 ( ) i = o termo raz~ao =

6 6 Logo a solução nal será y t = a t b. A volatilidade depende do valor dos parâmetros a; ; : Para um dado shock t, quanto maior for a, maior será a volatilidade (valor de y t ). O mesmo para e. c. O que temos aqui é uma eq. estocástica (portanto shocks afectam o resultado) com expectativas "forward looking". Muitos processos económicos e nanceiros pedem ser representados por uma eq. deste tipo. A xação de preços por empresas que não podem depois mexer nesses preços durante um certo período de tempo (por exemplo, devido a contratos assinados), enquadra-se neste tipo de equação. O preço de um activo nanceiro com rendimento variável também se enquadra... Ou seja, sempre que o futuro e a incerteza afectem decisões presentes, este tipo de equação é de importância fundamental. Pergunta 4. Assuma o seguinte sistema deterministico de dimensão 2 x t+ = 3x t + y t y t+ = 2 + 5y t Pretende-se: (i) Determine o equilíbrio de longo prazo do sistema; (ii) Este equilíbrio é único ou há mais que um equilíbrio; (iii) Determine se o equilíbrio é estável ou instável? Solução 4. Esta é a única questão que não tem solução directamente encontrada na consulta dos slides da segunda parte da matéria. No entanto, a matéria leccionada por Machado Lopes exigia a compreensão deste problema. No bloco de matéria "Introduction to Real Business Cycles: The Solow Model and Dynamic Optimization", foi visto que uma equação às diferenças (sem expectativas racionais) do tipo x t+ = b + a t y t+ ; terá solução ou não, será esta estável ou instável, depende do valor do parâmtero a. Se jaj < ; o eq. de longo prazo existe e é estável, se jaj > ; o eq. de longo prazo existe mas é instável, se jaj < este equilíbrio não existe. É este tipo de problema que temos aqui neste exercício. Só que com uma pequena nuance: temos um sistema com duas eq., não apenas uma. O que é equivalente neste sistema ao nosso a na eq. acima? Os valores próprios da matriz que representa os parâmetros do sistema relativamente a x e y. i. Para determinar o eq. de longo prazo, basta aplicar a condição Assim da segunda eq. obteremos x t+ = x t = x y t+ = y t = y y t+ = 2 + 5y t y = 2 + 5y y = 0:5

7 7 Agora a segunda virá x t+ = 3x t + y t x = 3x + y x = 0:5= 2 = 0:25 Portanto, o equilíbrio de longo existe (y = 0:5; x = 0:25) ii. É único pois só existe um par de valores que satisfaz a condição de equilíbrio (o sistema é linear, logo só pode existir um par de valores). iii. Será estável? A resposta requer o cálculo daquilo a que chamamos valores próprios. O que são estes? Vamos re-escrever o sistema acima na forma matricial (note que é totalmente equivalente) Agora teremos ou seja xt+ y t+ x t+ = 3x t + y t + 0 y t+ = 0x t + 5y t + 2 = xt y t z t+ = A z t + v Para calcular os valores próprios (eigenvalues) da matriz A fazemos 3 [A I] = 0 5 onde I é a matriz identidade. Calculando o determinante de (A de onde obteremos I) e igualando-o o zero virá det [(3 ) (5 ) ( 0)] = = = 0 Desta expressão quadrática poderemos obter dois valores para que staisfazem aquela igualdade, ou seja os valores dos tais valores próprios. A expressão geral da solução da expressão quadrática é b p b ; 2 = 2 4ac 2a ( 8) p ( 8) = = 8 p

8 8 Ou seja = (8 + 2)=2 = 5; 2 = (8 2)=2 = 3: Como ambos os valores próprios ( ; 2 ) são maiores que, logo o equilíbrio de longo prazo é instável (é o equivalente ao parâmetro a da nossa equação às diferenças ser maior que ). Pergunta 5. Assuma uma economia a 2-periodos, tendo as famílias as seguintes restrições nanceiras P 0 C 0 + A 0 = W 0 P C = W + A 0 ( + r 0 ) onde P () representa o preços dos bens de consumo, W () o nível do rendimento do trabalho, (A 0 ) é o nível de poupança que é investida no período inicial. Assuma ainda que as famílias maximizam a sua utlidade que resulta do consumo intertemporal U(C 0 ; C ) max u(c 0 ) + u(c ) C 0 ;C ;A 0 A partir destas hipóteses, poderemos obter a equação de Euler que é dada por u 0 (C 0 ) = u 0 (C ) ( + r 0) ( + ) sendo = (P =P 0 ) : A partir da equação de Euler, com a seguinte função especí ca para a utilidade (U(c t ) = c t ), e considerando incerteza sobre as evolução das variáveis endógenas no futuro, pretende-se que derive a função IS do Novo Modelo Keynesiano. Solução 5. A solução é reproduzir integralmente os passos nos slides 29, 30 e 3 relativamente à matéria "The New Keynesian Model: Introduction"(obviamente sem todos os detalhes de exposição necessários numa aula, mas não num teste). Pode parar na eq. ou na 2, como queira. Pergunta 6. Assuma que a função oferta é dada pela seguinte expressão y = y n + a( e ) y é o output, y n é o nível natural do output, é a taxa de in ação e a é um parâmetro positivo. A função "Perda"do banco central é uma função quadrática, onde representa o valor desejado para cada variável L = (y y ) 2 + ( ) 2 2 Assumindo expectativas racionais e =, e que k é o gap entre os níveis desejado e natural do output (k y y n ); pretende-se:. (a) determine os níveis óptimos para a in ação resultantes do banco central usar a estratégia de "commitment"ou de "discretion";

9 9 (b) conclua quanto à maximização do bem-estar social. (c) O que acontece se o banco central deixa de se preocupar com o output gap? Solução 6. A solução é reproduzir integralmente os passos nos slides 4 a 8 relativamente à matéria "The New Keynesian Model: Introduction"(obviamente sem todos os detalhes de exposição necessários numa aula, mas não num teste). a. Reproduzir os passos e obtenha o valor óptimo para a in ação nos dois cenários: d ; c. (Depois disto, não se preocupe com o cálculo da função perda L, tal como referido nas aulas: nos slides não aparece qualquer processo de cálculo sobre o valor de L relativamente às duas situações). b. Como c = 0; d = ak; então é imediato con rmar que sempre que ak > 0; a perda social é maior em "discretion"do que em "commitment". c. Se o banco central deixa de se preocupar com o output gap, então a = 0, e d = ak = 0; ou seja, "discretion"e "commitment"dão o mesmo resultado. Pergunta 7. No Novo Modelo Keynesiano, o objectivo do Banco Central (BC) pode ser de nido pela seguinte expressão " min 2 E X t s ax 2 t+s + 2 # t+s s=0 one x =output gap, =in ação, e a representa a importância relativa que o banco dá ao output gap. Neste modelo, a política monetária óptima com "discrição"pode ser sintetizada pelas seguintes três equações: (d para discrição): x d t = t d t = a t r d t = E t t+ + ' t onde r = taxa de juro nominal a; ' (parametros) e ; ; representam somas de parâmetros com > 0; 0 < < ; >. Note que t ; t são shocks aleatórios, respectivamente, da oferta e da procura. Pretende-se que responda às seguintes questões:. (a) Qual a importância dos shocks para a condução da política monetária? (b) Se existirem expectativas de aumento da in ação para o próximo período em cerca de ponto perecentual, o que deve o BC fazer no sentido de maximizar o bem estar social? (c) Em que condições existe um trade o entre a in ação e o desemprego neste modelo? (d) O que acontece neste modelo se o BC deixa de se preocupar com o nível do output gap (ou variáveis reais)? Justi que.

10 0 Solução 7. A solução não exige quaisquer cálculos. A solução do modelo com "discretion"já é dada, Assim as alíneas incidem sobre a interpretação dos resultados acima dados. Vide slides relativamente à matéria "Optimal Monetary Policy in the NKM". A única questão que poderá não estar "escarrapachada"nos slides é a resposta à alínea (d). Mas se "o BC deixa de se preocupar com o nível do output gap (ou variáveis reais)", logo na função objectivo do BC é como se a = 0. Portanto, se a = 0, logo d t = a t = 0 e portanto x d t = 0; para todo o t. E como E t t+ = 0; então r d t = ' t: (Este último resultado poderia ser deixado de fora).

OModelodeSolow: Equilíbrio de Longo Prazo

OModelodeSolow: Equilíbrio de Longo Prazo Capítulo 3 OModelodeSolow: Equilíbrio de Longo Prazo Robert Solow, um economista do MIT (Massachusetts Institute of Technology) e prémio Nobel da Economia em 1987, apresentou em 1956 um modelo de crescimento

Leia mais

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Formulação A programação linear lida com problemas nos quais uma função objectivo linear deve ser optimizada (maximizada ou minimizada)

Leia mais

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO É expressamente proibido reproduzir, no todo ou em parte, sob qualquer forma ou meio, NOMEADAMENTE FOTOCÓPIA, esta obra. As transgressões serão passíveis das

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens)

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 4 (O mercado de bens) 4.1. Determine a função representativa do consumo privado de uma economia em relação à qual se sabe o seguinte: - As intenções de consumo das famílias são caracterizadas por uma dependência linear relativamente

Leia mais

Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica

Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica Capítulo 4 Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica No capítulo anterior vimos que, quando a economia atinge o seu equilíbrio de longo prazo, todas as variáveis endógenas passam a crescer a uma taxa

Leia mais

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA OU GRANDE ECONOMIA ABERTA Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O modelo IS/LM, na sua versão mais simples, descreve, formalizando analítica e

Leia mais

1 Macroeconomia II - Aula 11

1 Macroeconomia II - Aula 11 Macroeconomia II - Aula. Set-up do Modelo de Crescimento Endógeno: Progresso Tecnológico Endógeno. Modelo de Equilíbrio Geral com Microfundações (excepto no que respeita as decisões de poupança/consumo).

Leia mais

Levando em conta decisões de investimento não-triviais.

Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Olivier Blanchard* Abril de 2002 *14.452. 2º Trimestre de 2002. Tópico 4. 14.452. 2º Trimestre de 2002 2 No modelo de benchmark (e na extensão RBC),

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 04. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 04. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 04 Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo para Aula 04 Aplicação de Produto Escalar - Interpretação do produto escalar

Leia mais

Sistemas Lineares no CAp UFRJ: Resolvendo Equações Matriciais no Excel

Sistemas Lineares no CAp UFRJ: Resolvendo Equações Matriciais no Excel Sistemas Lineares no CAp UFRJ: Resolvendo Equações Matriciais no Excel O que o aluno poderá aprender com esta aula Escrever um sistema linear que corresponda a uma situação-problema. Interpretar um sistema

Leia mais

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 5 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia.

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Linear Aula 25: Programação Não-Linear - Funções de Uma única variável Mínimo; Mínimo Global; Mínimo Local; Optimização Irrestrita; Condições Óptimas; Método da Bissecção; Método de Newton.

Leia mais

a 1 x 1 +... + a n x n = b,

a 1 x 1 +... + a n x n = b, Sistemas Lineares Equações Lineares Vários problemas nas áreas científica, tecnológica e econômica são modelados por sistemas de equações lineares e requerem a solução destes no menor tempo possível Definição

Leia mais

MAT1154 ANÁLISE QUALITATIVA DE PONTOS DE EQUILÍBRIO DE SISTEMAS NÃO-LINEARES

MAT1154 ANÁLISE QUALITATIVA DE PONTOS DE EQUILÍBRIO DE SISTEMAS NÃO-LINEARES MAT1154 ANÁLISE QUALITATIVA DE PONTOS DE EQUILÍBRIO DE SISTEMAS NÃO-LINEARES VERSÃO 1.0.2 Resumo. Este texto resume e complementa alguns assuntos dos Capítulo 9 do Boyce DiPrima. 1. Sistemas autônomos

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 3.2 O Espaço Nulo de A: Resolvendo Ax = 0 11 O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 Esta seção trata do espaço de soluções para Ax = 0. A matriz A pode ser quadrada ou retangular. Uma solução imediata

Leia mais

5. Moeda e Política Monetária

5. Moeda e Política Monetária 5. Moeda e Política Monetária 5.1. Introdução 5.3. Procura de Moeda 5.4. Equilíbrio de curto Prazo no Mercado Monetário Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 9 Nota: A secção 5.2. é muito abreviada, porque

Leia mais

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma.

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma. 2ª Fase Matemática Introdução A prova de matemática da segunda fase é constituída de 12 questões, geralmente apresentadas em ordem crescente de dificuldade. As primeiras questões procuram avaliar habilidades

Leia mais

Crescimento em longo prazo

Crescimento em longo prazo Crescimento em longo prazo Modelo de Harrod-Domar Dinâmica da relação entre produto e capital Taxa de poupança e produto http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo keynesiano Crescimento = expansão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR Assuntos: Matrizes; Matrizes Especiais; Operações com Matrizes; Operações Elementares

Leia mais

Introdução às equações diferenciais

Introdução às equações diferenciais Introdução às equações diferenciais Professor Leonardo Crochik Notas de aula 1 O que é 1. é uma equação:... =... 2. a incógnita não é um número x R, mas uma função x(t) : R R 3. na equação estão presentes,

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época Ana Balcão Reis 28 de Junho de 2012 Inácia Pimentel João Miguel Silva Duração Total: 2h15m I ( 9 val) Nos exercícios seguintes

Leia mais

4.10 Solução das Equações de Estado através da Transformada de Laplace Considere a equação de estado (4.92)

4.10 Solução das Equações de Estado através da Transformada de Laplace Considere a equação de estado (4.92) ADL22 4.10 Solução das Equações de Estado através da Transformada de Laplace Considere a equação de estado (4.92) A transformada de Laplace fornece: (4.93) (4.94) A fim de separar X(s), substitua sx(s)

Leia mais

Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global

Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global Macroeconomia - Lição 3 - Oferta e Procura Global João Sousa Andrade 18 de Novembro de 2004 Faculdade de Economia - Mestrado de Economia Ano Lectivo de 2004/05 Texto com carácter provisório para acompanhamento

Leia mais

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste.

Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Os telemóveis deverão ser desligados e guardados antes do início do teste. LICENCIATURA EM ECONOMIA MACROECONOMIA II LEC 206 (2006-2007) Avaliação Distribuída 2º Mini-Teste (30 de Abril de 2007 15h00) Duração: 60 minutos Não é permitida qualquer forma de consulta. Os telemóveis

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Linear (PL) Aula 5: O Método Simplex. 2 Algoritmo. O que é um algoritmo? Qualquer procedimento iterativo e finito de solução é um algoritmo. Um algoritmo é um processo que se repete (itera)

Leia mais

Gestão de Stocks. Maria Antónia Carravilla. Março 2000. Maria Antónia Carravilla

Gestão de Stocks. Maria Antónia Carravilla. Março 2000. Maria Antónia Carravilla Gestão de Stocks Março 2000 Introdução Objectivos Perceber o que é o stock Saber como classificar stocks Saber fazer uma análise ABC Saber comparar modelos de gestão de stocks Saber utilizar modelos de

Leia mais

NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1

NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA CURSO de ECONOMIA 2004-2005 NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1 Porquê estudar mercados financeiros? Porquê estudar os bancos e as outras instituições financeiras?

Leia mais

Equações do segundo grau

Equações do segundo grau Módulo 1 Unidade 4 Equações do segundo grau Para início de conversa... Nesta unidade, vamos avançar um pouco mais nas resoluções de equações. Na unidade anterior, você estudou sobre as equações de primeiro

Leia mais

Variantes sobre o método Simplex: Método do grande M

Variantes sobre o método Simplex: Método do grande M Variantes sobre o método Simplex: Método do grande M Revisões Simplex básico Solução óptima multipla Em simplex: valores 0 na função custo Solução degenerada Em simplex: empates na variável a sair, variáveis

Leia mais

CAPÍTULO 11. Poupança, acumulação de capital e produto. Olivier Blanchard Pearson Education

CAPÍTULO 11. Poupança, acumulação de capital e produto. Olivier Blanchard Pearson Education Olivier Blanchard Pearson Education Poupança, acumulação de capital e CAPÍTULO 11 2006 Pearson Education Macroeconomics, 4/e Olivier Blanchard Poupança, Os efeitos da taxa de poupança a razão entre a poupança

Leia mais

Flutuações. Choques, Incerteza e a Escolha de Consumo/Poupança

Flutuações. Choques, Incerteza e a Escolha de Consumo/Poupança Flutuações. Choques, Incerteza e a Escolha de Consumo/Poupança Olivier Blanchard* Abril de 2002 *14.452. 2º Trimestre de 2002. Tópico 2. 14.452. 2º Trimestre de 2002 2 Quero iniciar com um modelo com dois

Leia mais

O Método Simplex para

O Método Simplex para O Método Simplex para Programação Linear Formas de Programas Lineares O problema de Programação Matemática consiste na determinação do valor de n variáveis x 1, x 2,, x n que tornam mínimo ou máximo o

Leia mais

Investimento. Alexandre Rands Barros 1. 1. Introdução

Investimento. Alexandre Rands Barros 1. 1. Introdução Investimento Alexandre Rands Barros 1 1. Introdução Uma das grandes contribuições de Keynes (1936), na Teoria Geral, foi a sua ênfase no papel das expectativas dos empresários quanto ao futuro na determinação

Leia mais

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO AULA QUINZE: Matrizes & Determinantes (Parte II) Olá, amigos! Pedimos desculpas por não ter sido possível apresentarmos esta aula na semana passada. Motivos de força maior nos impediram de fazê-lo, mas

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio

Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de ATE SEFAZ/PI

Leia mais

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2015. Professor: Rubens Penha Cysne

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2015. Professor: Rubens Penha Cysne Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2015 Professor: Rubens Penha Cysne Lista de Exercícios 6 Crescimento com Inovações Verticais (Modelo Schumpeteriano)

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 CAP. 2 A MEDIÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA --- EXERCÍCIOS 1. EXERCÍCIOS DAS AULAS 1.1. Contas Nacionais Considere o Quadro 1, com os principais agregados

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Lic. Eng. Biomédica e Bioengenharia-2009/2010 Para determinarmos um valor aproximado das raízes de uma equação não linear, convém notar inicialmente

Leia mais

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d Determinação da renda e produtos nacionais: O mercado de Bens e Serviços Capítulo III 3.1 Da contabilidade nacional para a teoria macroeconômica A Contabilidade Nacional: medição do produto efetivamente

Leia mais

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este artigo tem por objetivo analisar as taxas de aversão ao risco em alguns ramos do mercado

Leia mais

Dificuldades de Modelos de PNL. Onde está a solução ótima? Outro exemplo: Condição ótima Local vs. Global. 15.053 Quinta-feira, 25 de abril

Dificuldades de Modelos de PNL. Onde está a solução ótima? Outro exemplo: Condição ótima Local vs. Global. 15.053 Quinta-feira, 25 de abril 15.053 Quinta-feira, 25 de abril Teoria de Programação Não-Linear Programação Separável Dificuldades de Modelos de PNL Programa Linear: Apostilas: Notas de Aula Programas Não-Lineares 1 2 Análise gráfica

Leia mais

Método Simplex - Variantes V 1.1, V.Lobo, EN / ISEGI, 2008

Método Simplex - Variantes V 1.1, V.Lobo, EN / ISEGI, 2008 Revisões Variantes sobre o método Simplex: Método do grande M Simplex básico Solução óptima multipla Em simplex: valores 0 na função custo Solução degenerada Em simplex: empates na variável a sair, variáveis

Leia mais

Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais

Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais 3.1. Aspectos conceptuais - antecipação do futuro, informação e expectativas racionais 3.2. A restrição orçamental intertemporal das famílias 3.3. Teoria

Leia mais

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se:

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se: Macroeconomia Aula 2 1. Modelo Keynesiano Simples 1.1. Clássicos x Keynes Para os economistas clássicos, a economia de mercado era auto-regulável e tendia quase que automaticamente para o pleno emprego.

Leia mais

[a11 a12 a1n 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo

[a11 a12 a1n 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 1 a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 2... a n1 x 1 + a

Leia mais

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM

Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Mercados de Bens e Financeiros: O Modelo IS-LM Fernando Lopes - Universidade dos AçoresA Mercado de Bens e a Relação IS Existe equilíbrio no mercado de bens quando a produção, Y, é igual à procura por

Leia mais

PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO

PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO PROBLEMA DE TRANSPORTE: MODELO E MÉTODO DE SOLUÇÃO Luciano Pereira Magalhães - 8º - noite lpmag@hotmail.com Orientador: Prof Gustavo Campos Menezes Banca Examinadora: Prof Reinaldo Sá Fortes, Prof Eduardo

Leia mais

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5 Truques e Dicas O que se segue serve para esclarecer alguma questão que possa surgir ao resolver um exercício de matemática. Espero que lhe seja útil! Cap. I Fracções. Soma e Produto de Fracções Para somar

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

ficha 3 espaços lineares

ficha 3 espaços lineares Exercícios de Álgebra Linear ficha 3 espaços lineares Exercícios coligidos por Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico 2 o semestre 2011/12 3 Notação Sendo

Leia mais

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1 O Comportamento da Taxa de Juros Prof. Giácomo Balbinotto Neto Introdução A taxa de juros é o preço que é pago por um tomador de empréstimos a um emprestador pelo uso dos recursos durante um determinado

Leia mais

1. Extremos de uma função

1. Extremos de uma função Máximo e Mínimo de Funções de Várias Variáveis 1. Extremos de uma função Def: Máximo Absoluto, mínimo absoluto Seja f : D R R função (i) Dizemos que f assume um máximo absoluto (ou simplesmente um máximo)

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA II Licenciaturas: Economia, Gestão º A/º S CADERNO EXERCÍCIOS Nº INVESTIMENTO E POUPANÇA

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y).

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y). PUCRS FACULDADE DE ATEÁTICA EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PROF. LUIZ EDUARDO OURIQUE EQUAÇÔES EXATAS E FATOR INTEGRANTE Definição. A diferencial de uma função de duas variáveis f(x,) é definida por df = f x (x,)dx

Leia mais

2 Independência e dependência das taxas de juro

2 Independência e dependência das taxas de juro 1 Incerteza e juro aleatório Considere-se o intervalo [0, n], o tempo medido em anos, e a partição [0, 1], (1, 2],..., (n 1, 1] e suponha-se que no início do ano t são aplicadas C t unidades de capital,

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 1

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 1 597 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Movimentos Periódicos Para estudar movimentos oscilatórios periódicos é conveniente ter algum modelo físico em mente. Por exemplo, um

Leia mais

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Matemática - (1ª série)

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Matemática - (1ª série) Relacionar e resolver problemas que envolvem conjuntos; Reconhecer, operar e resolver problemas com conjuntos numéricos; Compreender os conceitos e propriedades aritméticas; Resolver problemas de porcentagem,

Leia mais

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas,

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, MODELAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS CINÉTICOS FILIPE GAMA FREIRE 1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, etc. a que chamaremos y

Leia mais

I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS

I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS Custos Industriais e Custos Não Industriais Custos controláveis e não controláveis Custos

Leia mais

5 Transformadas de Laplace

5 Transformadas de Laplace 5 Transformadas de Laplace 5.1 Introdução às Transformadas de Laplace 4 5.2 Transformadas de Laplace definição 5 5.2 Transformadas de Laplace de sinais conhecidos 6 Sinal exponencial 6 Exemplo 5.1 7 Sinal

Leia mais

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação).

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação). 5. FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL 5.1. INTRODUÇÃO Devemos compreender função como uma lei que associa um valor x pertencente a um conjunto A a um único valor y pertencente a um conjunto B, ao que denotamos por

Leia mais

A POLITICA DE DIVIDENDOS E OUTROS PAYOUTS ESTV-IPV

A POLITICA DE DIVIDENDOS E OUTROS PAYOUTS ESTV-IPV A POLITICA DE DIVIDENDOS E OUTROS PAYOUTS ESTV-IPV Sumário Diferentes Tipos de Dividendos O Modelo de Distribuição de Dividendos O caso da Irrelevância da Política de Dividendos Recompra de Acções e Ampliações

Leia mais

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14 EQUAÇÃO DO 1º GRAU EQUAÇÃO: Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que esteja escrita em linguagem matemática. Esta

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

A Análise IS-LM: Uma visão Geral

A Análise IS-LM: Uma visão Geral Interligação entre o lado real e o lado monetário: análise IS-LM Capítulo V A análise IS-LM procura sintetizar, em um só esquema gráfico, muitas situações da política econômica, por meio de duas curvas:

Leia mais

Controlo Em Espaço de Estados. Exame

Controlo Em Espaço de Estados. Exame Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Controlo Em Espaço de Estados 4/5 Eame 9 de Junho de 5, 5h horas salas F, F Duração horas Não é permitida consulta nem uso de calculadoras

Leia mais

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard O mercado de bens Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 3 3.1 A composição do PIB A composição do PIB Consumo (C) são os bens e serviços adquiridos pelos consumidores. Investimento (I), às vezes

Leia mais

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado Macroeconomia Faculdade de Direito UNL 2008/09 José A. Ferreira Machado 1. As principais grandezas macroeconómicas e a sua medição Medição do rendimento nacional, do nível geral de preços e da taxa de

Leia mais

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros Sumário Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros ISEG Universidade Técnica de Lisboa 6 de Maio de 2005 Parte I Sumário Parte I: Arbitragem com Futuros Parte II: Especulação com Futuros

Leia mais

Capítulo 3. Cálculo Vetorial. 3.1 Segmentos Orientados

Capítulo 3. Cálculo Vetorial. 3.1 Segmentos Orientados Capítulo 3 Cálculo Vetorial O objetivo deste capítulo é o estudo de vetores de um ponto de vista geométrico e analítico. De acordo com a necessidade, a abordagem do assunto será formal ou informal. O estudo

Leia mais

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises.

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises. Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização Uma desvalorização ocorre quando o preço das moedas estrangeiras sob um regime de câmbio fixa é aumentado por uma ação oficial.

Leia mais

Capítulo 5. O Mercado Cambial: A Função BP. Versão Preliminar 1

Capítulo 5. O Mercado Cambial: A Função BP. Versão Preliminar 1 Capítulo 5 O Mercado Cambial: A Função BP Versão Preliminar 1 Vivaldo Mendes c Copyright. All rights reserved: Vivaldo Mendes e So a Vale Macroeconomia, a publicar em 2001 ISCTE, Setembro 2000 1 Este texto

Leia mais

Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio

Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio TEXTO PARA DISCUSSÃO DGE-08/00 Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio Carlos Osório, Paulo Maçãs Julho 00 Departamento de Gestão e Economia (DGE) Universidade da Beira Interior Pólo das

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL: NOTAS DE AULA

ECONOMIA INTERNACIONAL: NOTAS DE AULA CONOMIA INTRNACIONAL: NOTAS D AULA ste documento consiste em notas de aula para o capítulo 13 de Krugman & Obstfeld (conomia Internacional. 8 ā edição. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010). laboração:

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

O caso estacionário em uma dimensão

O caso estacionário em uma dimensão O caso estacionário em uma dimensão A U L A 6 Meta da aula Aplicar o formalismo quântico no caso de o potencial ser independente do tempo. objetivos verificar que, no caso de o potencial ser independente

Leia mais

Método de Eliminação de Gauss. Eduardo Camponogara

Método de Eliminação de Gauss. Eduardo Camponogara Sistemas de Equações Lineares Método de Eliminação de Gauss Eduardo Camponogara Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle e Automação

Leia mais

4 Sistemas de Equações Lineares

4 Sistemas de Equações Lineares Nova School of Business and Economics Apontamentos Álgebra Linear 4 Sistemas de Equações Lineares 1 Definição Rank ou característica de uma matriz ( ) Número máximo de linhas de que formam um conjunto

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 2º CADERNO DE EXERCÍCIOS Estudo dos Ciclos Económicos 1. O MERCADO DO PRODUTO 1.1. Modelo Simples

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo Capítulo 4 Moeda e mercado cambial Objectivos do capítulo Perceber o papel das taxas de câmbio no comércio internacional. Como são determinadas as taxas de câmbio de equilíbrio no mercado internacional

Leia mais

INVESTI M E N T O A VISO:

INVESTI M E N T O A VISO: ai nha Macr oecono mia 1 turmas T01, T03 e T05 Docent e El sa Font AVISO: INVESTIMENTO Investim e nto-questões gerais Princípio do Acelerador Acelerador Simples e Acelerador Flexível Capitalóptimo/desejado

Leia mais

objetivo Exercícios Meta da aula Pré-requisitos Aplicar o formalismo quântico estudado neste módulo à resolução de um conjunto de exercícios.

objetivo Exercícios Meta da aula Pré-requisitos Aplicar o formalismo quântico estudado neste módulo à resolução de um conjunto de exercícios. Exercícios A U L A 10 Meta da aula Aplicar o formalismo quântico estudado neste módulo à resolução de um conjunto de exercícios. objetivo aplicar os conhecimentos adquiridos nas Aulas 4 a 9 por meio da

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais Matemática (AP) - 2008/09 - Introdução ao estudo de equações diferenciais 77 Introdução ao estudo de equações diferenciais Introdução e de nição de equação diferencial Existe uma grande variedade de situações

Leia mais

Forex. 2013, Março. O Mercado Cambial

Forex. 2013, Março. O Mercado Cambial Forex 2013, Março O Mercado Cambial AVISO O presente documento foi preparado pelo Banco BEST com o objectivo de informar os leitores sobre as principais características dos produtos derivados aqui apresentados,

Leia mais

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012 NIVELAMENTO MATEMÁTICA 202 Monitor: Alexandre Rodrigues Loures Monitor: Alexandre Rodrigues Loures SUMÁRIO. LOGARITMOS... 3.. Mudança de base... 3.2. Propriedades dos logaritmos... 4 2. DERIVADAS... 4

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Título: Sistemas Lineares no CAp UFRJ: Interpretações Algébrica e Gráfica

Título: Sistemas Lineares no CAp UFRJ: Interpretações Algébrica e Gráfica Autor Letícia Guimarães Rangel Co-autor(es): Fernando Celso Villar Marinho Lílian Káram Parente Cury Spiller Rita Maria Cardoso Meirelles Tipo de Pesquisa Ensino Médio Números e Operações Componente Curricular

Leia mais

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8.1. Introdução 8.3. Interpretação Estática do Desemprego 8.4. Interpretação Dinâmica do Desemprego Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 5 1 8.1. Introdução

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Segundo grau Conteúdo Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ 1 Introdução

Leia mais

Alguns apontamentos da história da Análise Numérica

Alguns apontamentos da história da Análise Numérica Análise Numérica 1 Âmbito da Análise Numérica Determinar boas soluções aproximadas num tempo computacional razoável? Slide 1 Porquê? Porque em muitos problemas matemáticos e respectivas aplicações práticas

Leia mais