TERCEIRIZAÇÃO NA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO DO VESTÚARIO: UMA AVALIAÇÃO SOB A ÓTICA DA CONTRATANTE NA EMPRESA SPADER & DE GODOI, DE CRICIÚMA, SC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERCEIRIZAÇÃO NA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO DO VESTÚARIO: UMA AVALIAÇÃO SOB A ÓTICA DA CONTRATANTE NA EMPRESA SPADER & DE GODOI, DE CRICIÚMA, SC"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM MODA: CRIAÇÃO E PROCESSO PRODUTIVO MIRELA DE GODOI TERCEIRIZAÇÃO NA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO DO VESTÚARIO: UMA AVALIAÇÃO SOB A ÓTICA DA CONTRATANTE NA EMPRESA SPADER & DE GODOI, DE CRICIÚMA, SC CRICIÚMA, JULHO DE 2010

2 2 MIRELA DE GODOI TERCEIRIZAÇÃO NA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO DO VESTÚARIO: UMA AVALIAÇÃO SOB A ÓTICA DA CONTRATANTE NA EMPRESA SPADER & DE GODOI, DE CRICIÚMA, SC Monografia apresentada ao Curso de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade do Extremo Sul Catarinense- UNESC, Especialização em Moda: Criação e Processo Produtivo, como requisito para a obtenção do titulo de Especialista em Moda: Criação e Desenvolvimento. Orientador: Prof. Lucas da Rosa. CRICIÚMA, JULHO DE 2010

3 3 DEDICATÓRIA A minha filha Laís, a quem quero demonstrar o quanto é importante preservar nossos sonhos e metas.

4 4 AGRADECIMENTOS Ao Deus Supremo, por toda proteção, orientação e pela permissão de estar aqui neste espaço e neste tempo, vivendo, convivendo e aprendendo. Ao meu marido, Aguinaldo, que comigo compartilha sonhos, ideais e conquistas. A minha filha, Laís, pelos momentos de espera e pelo colorido especial que traz à vida. Aos meus pais, Zuleide e João, pelos ensinamentos transmitidos e pelos exemplos demonstrados, que nos guiam nessa trajetória chamada vida. A minha irmã Michele, as minhas sobrinhas, Isabelle e Marielle, e ao meu cunhado, André, pela torcida e vibração por ter alcançado esse degrau. A minha tia Zélia, que sempre me incentivou e deu forças para eu não desistir jamais. Ao professor, Lucas da Rosa, pelo apoio, incentivo e trabalho dedicado, ajudando a solucionar dificuldades e dúvidas. Aos amigos e companheiros de sonhos de fazer da Moda mais que um meio de vida, mas uma prática prazerosa de realização pessoal e profissional. Aos alunos que venho atendendo nesse tempo de experiência profissional, que me ajudam a crescer nos erros e nos acertos. A eles, também dedico este trabalho e a vontade de mais aprender para melhor atendê-los. À empresa Marisol Indústria do Vestuário Ltda, que abriu as portas para a realização deste estudo, fornecendo todas as informações necessárias, extensivo aos profissionais que participaram da pesquisa. À empresa Spader & De Godoi Ltda e a todos os seus funcionários, por todo aprendizado adquirido e pela felicidade de trabalhar em um lugar com pessoas a quem posso chamar de amigos. A todos os que diretamente e indiretamente contribuíram para a realização desta pesquisa. E, principalmente, a todas aquelas pessoas que transformam suas idéias e sonhos em projetos reais, ajudando a construir uma sociedade melhor.

5 5 Em tua fé, empreende, progride, esforça-te. Quem persegue com fervor o infinito, avança sempre, mesmo se por acaso não chegar ao fim. [...] Procura entender que esta verdade ultrapassa toda e qualquer compreensão. (Santo Hilário)

6 6 RESUMO O objetivo deste trabalho foi verificar a opinião da empresa Marisol Indústria do Vestuário Ltda em relação aos serviços prestados pela empresa Spader & De Godoi Ltda. Para tanto, foi realizada uma pesquisa descritiva, com abordagem qualitativa. Para a coleta dos dados, utilizou-se um questionário, com perguntas abertas e fechadas, direcionado ao setor de gestão da qualidade. Pôde-se concluir que existe pouca ocorrência de problemas com relação à qualidade dos produtos da empresa. Assim, os resultados permitiram formular algumas ações para a empresa em estudo, bem como para a ampliação de estudos futuros relacionados ao tema. Palavras-chave: Terceirização; Qualidade; Empresas de Confecção.

7 7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Empresa Spader & De Godoi: Fluxograma do processo produtivo...37

8 8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROBLEMA OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos JUSTIFICATIVA ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO DEFINIÇÃO DA QUALIDADE Histórico da preocupação com a qualidade Importância da qualidade DEFINIÇÃO DE TERCEIRIZAÇÃO Breve histórico da estratégia de terceirização Vantagens e desvantagens da terceirização Requisitos para ser considerado um prestador de serviços confiável A terceirização na indústria de confecção do vestuário MATERIAIS E MÉTODOS UNIVERSO DA PESQUISA TIPO DE PESQUISA E MATERIAL RESULTADOS DA PESQUISA CARACTERIZAÇÃO DO LOCAL DE ESTUDO ASPECTOS SOBRE A EMPRESA PESQUISADA O processo de terceirização na empresa A TERCEIRIZAÇÃO COM A EMPRESA SPADER & DE GODOI LTDA CONSIDERAÇÕES FINAIS...42 REFERÊNCIAS...44 APÊNDICES...47

9 9 1 INTRODUÇÃO Observa-se que o mercado de atuação das organizações empresariais está cada vez mais competitivo. Para atender essa realidade, as empresas estão investindo em tecnologias, profissionais qualificados e novas estratégias de produção para atender as suas necessidades, de maneira a obter vantagens competitivas frente à concorrência e aos clientes, como as atividades-meio, por exemplo: montagem das peças, que demandam um elevado controle de processos e pessoas. Isso gera pouca flexibilidade para atender a lotes pequenos de encomendas e que exigem treinamento, máquinas e equipamentos que acompanhem as mudanças de mercado. Assim, optam em enviar para terceiros a parte que requer um elevado número de trabalhadores e, consequentemente, impulsionou o aumento do número de empresas prestadoras de serviços especializados. A terceirização surgiu como uma opção para organizações que desejam dedicar-se apenas a sua atividade principal, delegando a outras empresas funções que são inerentes a muitas fases de seu processo produtivo (em muitos casos, desde o planejamento dos produtos), ou que por motivos estratégicos, é mais vantajoso delegar a outras organizações. Devido a isso, a terceirização de serviços é uma estratégia de gestão que ganha cada vez mais espaço, pois ao passar para um contratado especializado uma atividade que não é a atividade principal da contratante, cada empresa estará executando apenas as atividades de seu maior interesse ou habilidade - o núcleo do seu negócio - e, assim, tornando mais flexível na fabricação e gestão de diferentes produtos. Para tanto, o processo de terceirização envolve o relacionamento entre contratante e contratada. No ramo da confecção, o cliente contrata serviços de uma determinada indústria para confecção de suas peças, muitas vezes, informando somente o modelo a ser produzido com a sua marca. Segundo Lakatos (1997), a maioria dos contratantes escolhe empresas habilitadas para entregar em dia as suas encomendas, pois prezam por requisitos pertinentes, tais como tecnologias, funcionários qualificados, metodologia de trabalho, programas de qualidade, responsabilidades no cumprimento de prazos, flexibilidade na negociação de preços dos serviços prestados e outros.

10 10 Com base nessas considerações, este trabalho verificou aspectos relacionados à estratégia de terceirização, com o foco direcionado para uma empresa do setor de confecção de peças do vestuário, que é uma das parceiras de uma organização já fortemente consolidada nesse mercado de atuação. 1.1 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA O ramo da confecção na região de Criciúma começou a desenvolver-se nos anos de 1970, quando algumas indústrias de malharia ampliaram suas atividades, passando a desenvolver e produzir tecidos planos, mais especificamente o blue jeans. Juntamente com a produção das marcas regionais, surgiu com muita força, por volta de 1974, a terceirização de mão-de-obra para marcas, tais como: Lee, Levi s, Ellus, Staroup, entre outras. Com o passar do tempo a qualidade dos produtos desenvolvidos na região de Criciúma assumiu o status de boa qualidade e, desta maneira foi possível acelerar o desenvolvimento e consolidação da estratégia de terceirização na cidade e região. A partir disso, criaram-se novas empresas de prestação de serviços, instalaram-se inúmeras lavanderias industriais com tecnologia moderna, revendas de máquinas de costura, estamparias, tinturarias, dentre outras. Outro fator que contribuiu para a consolidação do setor na região foi a fundação do Sindicato da Indústria do Vestuário de Criciúma, em Com isso, algumas empresas ousaram ainda mais, passando a licenciar marcas de renome internacional, produzindo e distribuindo estas marcas para todo o Brasil e para o exterior. Hoje consolidado, o segmento de terceirização é de vital importância para a economia do Estado e da região, contribuindo com milhares de empregos, gerando impostos e movimentando a economia, movimentando a economia tanto na geração de emprego e renda, atraindo novos investidos em diferentes áreas de atuação, como exemplo: restaurantes, supermercados, entre outros. Logo, as empresas contratantes utilizam a terceirização para agregar atributos que permitem a gestão para se tornarem competitivas e flexíveis, deslocando para terceiros os serviços de montagem das peças, entre outros. Nesse sentido, as contratadas são impelidas a se especializarem para atender às exigências do contratante. Porém, muitas empresas são micro ou pequenos

11 11 negócios familiares que, de acordo com o nível de vendas do contratante, podem gerar um entrave para o prestador de serviço se o que foi vendido não ocupe a capacidade produtiva da empresa. Nos casos em que as empresas contratadas atendem exclusivamente uma só empresa, ao ocorrer algum grau de insatisfação ou mudança de política das contratantes, isso poderá comprometer as relações comerciais e levá-la a falência. Por outro lado, muitas vezes, as empresas contratadas possuem um relacionamento com as contratantes que dificulta a troca de dados sobre a satisfação dos trabalhos realizados pela mesma, como por exemplo, a falta de relatórios que sejam destinados a avaliação de variáveis do tipo, preço, prazo de entrega, entre outros, visto que, em grande parte, a opinião dos terceirizados é pouco considerada. Para tanto, no caso deste trabalho pretende-se entender as relações entre as empresas Spader & De Godoi Ltda, situada na cidade de Criciúma (SC), e a Marisol Indústria do Vestuário Ltda, com matriz em Jaraguá do Sul (SC). A empresa terceirizada se especializou, há alguns anos, na confecção de peças do vestuário no segmento infantil beachwear (moda praia), para as marcas Lilica Ripilica e Tigor. A empresa contratada procura atender as exigências, feitas pela empresa Marisol, no que diz respeito ao cumprimento dos contratos estabelecidos. Por outro lado, a empresa contratada concentra grande parte de sua produção voltada para a Marisol. Assim, qualquer desacordo que ocorrer entre ambas poderá comprometer o andamento do negócio da contratada. Desta maneira, surge à seguinte indagação: Qual a opinião da empresa Marisol Indústria do Vestuário Ltda em relação aos serviços prestados pela empresa Spader & De Godoi Ltda? 1.2 OBJETIVOS Objetivo geral Verificar a opinião da empresa Marisol Indústria do Vestuário Ltda em relação aos serviços prestados pela empresa Spader & De Godoi Ltda.

12 Objetivos específicos Apresentar aspectos sobre a estratégia de terceirização na empresa contratante; Levantar as vantagens e desvantagens de terceirizar partes do processo produtivo; Levantar os principais motivos que a Marisol destaca para contratar os serviços da empresa Spader e De Godoi Ltda. 1.3 JUSTIFICATIVA Diante do avanço rápido no setor de tecnologia informatizada, os consumidores finais estão passando a entender, cada vez mais, o tipo de qualidade que esperam nos produtos que consomem. Com base nisso e diante da expressiva competitividade entre as empresas pela conquista e manutenção de clientes, os cuidados no que se refere aos produtos e serviços torna-se fundamental na elaboração de estratégias competitivas em qualquer organização que tenha por objetivo manter-se no seu mercado, sendo a terceirização de serviços uma estratégia que tem se mostrado muito eficaz. A empresa Spader & De Godoi Ltda, umas das terceirizadas da empresa Marisol Indústria do Vestuário Ltda busca o cumprimento do contrato estabelecido com a empresa contratante, bem como pelas principais questões exigidas pela Marisol, desde a fase do desenvolvimento do produto, disponibilidade de capacidade produtiva, negociação de preços, qualidade do produto, até o prazo previsto para entrega do mesmo. Assim com a demanda crescente de serviços terceirizados, tomam-se, portanto, cada vez mais necessárias, as pesquisas que demonstrem e abordem as características e especificidades dessa parceria, visando ajustar pontos fracos que possam estar ocorrendo, bem como aprimorar os pontos fortes detectados. Além disso, acredita-se que este trabalho também é relevante para a indústria de confecção do vestuário da região, decorrente da exigüidade bibliográfica disponível na área de terceirização nesse setor industrial. Com isso, o estudo pode vir a beneficiar empresas do setor que procuram embasamento sobre terceirização e também empresas que prestam esses serviços.

13 ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO O trabalho foi estruturado para alcançar os objetivos propostos, tendo sido composto da seguinte estrutura: No capítulo 1, apresenta-se essa introdução, onde constam a caracterização do tema, o problema de estudo, os objetivos, justificativa e a forma pela qual a trabalho foi estruturado. O capítulo 2 apresenta a base teórica, onde se verificam basicamente aspectos sobre administração da produção, qualidade e terceirização. No capítulo 3 são apresentados os materiais e os métodos adotados para a realização do estudo, onde se discorre sobre o universo da pesquisa, e o tipo de pesquisa e os materiais.. Na seqüência, o capítulo 4 apresenta os resultados obtidos, discorrendo sobre a caracterização do local de estudo, aspectos sobre a empresa pesquisada, o processo de terceirização na empresa, além de dados sobre a terceirização na empresa Spader & De Godoi Ltda, sob a ótica da Marisol. O trabalho prossegue com as considerações finais, as referências e os apêndices.

14 14 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo, busca-se fundamentar teoricamente a pesquisa, reunindose aportes teóricos sobre temas de interesse para o estudo, tais como administração da produção, qualidade, terceirização, entre outros. 2.1 ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Produção, segundo Ferreira (1999), é o ato ou efeito de criar, gerar, elaborar, realizar; aquilo que é produzido pelo homem e, especialmente, por seu trabalho associado ao capital e à técnica; o volume da produção de um indivíduo ou de um grupo, levando-se em consideração fatores circunstanciais, como tempo, qualidade e procura. Na visão de Contador (1997, p. 119) é o resultado da aplicação de recursos produtivos com alguma forma de administração. Ainda conforme o autor é a obtenção de qualquer elemento considerado como objetivo da empresa (peças, automóveis, geladeiras, projetos, planos, etc.). Assim, a produção consiste em todas as atividades relacionadas com a produção de bens (atividades de fabricação e montagens e serviços) e serviços (operações de armazenagem, entretenimento, aluguel, etc.). Para SIack et al (1996), a função produção na organização representa a reunião de recursos destinados à produção de seus bens e serviços. Qualquer organização possui uma função produção porque produz algum tipo de bem e/ou serviço. Desse modo, compreende-se que a produção busca apresentar um resultado final, que são os produtos. O produto, portanto, é a materialização do desejo do consumidor. A ele, ficam condicionados todos os outros recursos utilizados na empresa. Tanto que, a função da manufatura, na maioria das empresas, representa o maior percentual de seu ativo. Toda a empresa, para poder funcionar, adota um sistema de produção visando realizar suas operações e produzir seus produtos ou serviços da melhor maneira possível e, com isso, garantir sua eficiência e eficácia. SIack et al (1996) afirmam que um sistema de manufatura é um sistema cujos elementos ou partes

15 15 integrantes são homens, máquinas, ferramentas, computadores, materiais, métodos, projetos, programas, entre outros. Com base nas definições de sistema e de produção, compreende-se, então, que o sistema de manufatura é a maneira pela qual a empresa organiza seus órgãos e realiza suas operações de produção - adotando uma interdependência lógica entre todas as etapas do processo produtivo, desde o momento em que os materiais vêm do fornecedor até chegarem à expedição ou depósito de produtos acabados. Slack et al (1996) também apresentam o funcionamento de um sistema de produção fabril, considerando que, para que a produção aconteça, as entradas e insumos provenientes dos fornecedores (matéria-prima), ingressam no sistema de produção através do almoxarifado, sendo ali estocados até sua eventual utilização pela produção. A produção processa e transforma os materiais e matérias-primas em produtos acabados, os quais são estocados no depósito até sua entrega aos clientes e consumidores. Um sistema de produção, portanto, começa a tomar forma desde que se formula um objetivo e se elege o produto que se vai comercializar. Desse modo, toda empresa, como um sistema de produção, tem por finalidade organizar todos os setores que integram a mesma para realizar suas operações de produção, adotando uma interdependência lógica entre todas as etapas do processo produtivo, desde que as matérias-primas ou materiais deixam os almoxarifados até chegar (após sofrer uma alteração) ao depósito de produtos acabados na qualidade de produto final. Segundo Contador (1997), para que o sistema de produção funcione bem, torna-se necessário ajustar e balancear os três subsistemas entre si, sendo que a interdependência entre almoxarifado, a produção e o depósito é muito estreita, fazendo com que qualquer alteração em um deles provoque influências sobre os demais. Contador (1997), explica que os insumos são os recursos a serem transformados diretamente em produtos, como as matérias-primas, e mais os recursos que movem o sistema, como a mão-de-obra, o capital, as máquinas e equipamentos, as instalações, os conhecimentos técnicos dos processos, entre outros. O processo de conversão, em manufatura, é o meio de mudar o formato das

16 16 matérias-primas e/ou a composição e a forma dos recursos. Sistema de controle é a designação genérica que se dá ao conjunto de atividade que visa a assegurar que programações sejam cumpridas, que padrões sejam obedecidos, que os recursos estejam sendo usados de forma eficaz e que a qualidade desejada seja obtida. O sistema de controle promove a monitoração dos três elementos de produção. Entretanto, conforme Slack et al (1996), para atingir seus objetivos, os sistemas produtivos devem exercer uma série de funções operacionais desempenhadas por pessoas, que vão desde o projeto dos produtos, até o controle dos estoques. Também nesse processo, podem ser considerados o recrutamento e treinamento de funcionários, aplicação dos recursos financeiros, distribuição dos produtos, entre outras, sempre visando a obter a qualidade de seus processos com vistas a oferecer produtos e serviços de qualidade. Dentro desse contexto, pode-se observar que a empresa que segue as recomendações feitas pelos estudiosos sobre administração da produção, consegue um desempenho mais eficiente, tanto dos produtos como dos serviços. Para tanto, toda setor produtivo conta com recursos humanos, instalações, máquinas, equipamentos, materiais e demais recursos para fabricar os produtos. Porém, caso os produtos não sejam elaborados com um padrão de qualidade, o usuário poderá ficar insatisfeito. Assim, no próximo item será estudado com a qualidade tem impacto sobre a produção de bens e serviços. 2.2 DEFINIÇÃO DA QUALIDADE Nos tempos atuais, o futuro de uma empresa ou organização depende dela conseguir satisfazer requisitos de qualidade requeridos por seu mercado-alvo. Ela precisa produzir e entregar bens e serviços que satisfaçam às exigências e expectativas de seus clientes. Porém, uma empresa não poderá satisfazer com consistência os requisitos de qualidade de seu mercado, a menos que seus bens e serviços sejam produzidos e prestados por pessoas com alto nível de qualidade pessoal. Um produto ou serviço de qualidade é aquele que atende perfeitamente as necessidades do cliente, de forma acessível, confiável, segura e no tempo certo. Esse é o entendimento de Campos (1992), que também afirma que, o verdadeiro

17 17 critério da boa qualidade é a preferência do consumidor, sendo isso que garantirá a sobrevivência da empresa, ou seja, a preferência do consumidor pelo seu produto em relação ao seu concorrente, hoje e no futuro. Na verdade, a economia mundial com seus aspectos competitivos globais, está exigindo, cada vez mais, produtos com alto padrão de qualidade. Por isso, segundo Robles Júnior (2003, p. 75): A competitividade, em razão da globalização, tem levado as empresas a reverem suas formas de organização. A nova forma de competição global exige que as empresas estejam comprometidas com o contínuo e completo aperfeiçoamento de seus produtos, processos e colaboradores. Isso porque, numa era globalizada, não é mais possível garantir a sobrevivência da empresa apenas exigindo que as pessoas façam o melhor que puderem ou cobrando apenas resultados. Hoje, são necessários métodos que possam ser utilizados por todos em direção aos objetivos e sobrevivência da organização. A qualidade, então, virou palavra de ordem. Por esse motivo, Davis et al (2001, p. 42) afirmam que hoje é cada vez maior o número de empresas que reconhecem o valor da utilização da qualidade como uma arma estratégica ofensiva. Adotando essa abordagem, estas empresas são capazes tanto de identificar novos nichos de mercado quanto aumentar sua participação nos mercados já conquistados. Com base nessa consideração, pode-se entender que a qualidade é uma solução para a necessidade permanente de redução de custos e de ganho de competitividade no atual contexto. Conforme Reis (1998), sob o ponto de vista da empresa, a qualidade pode-se ser definida como a conformidade do produto às suas especificações; a adequação ao uso, ao atendimento contínuo das necessidades dos clientes a um preço que eles estejam dispostos a pagar e a totalidade de aspectos e características de um produto ou serviço que propiciam a habilidade de satisfazer dadas necessidades. Porém, no senso comum, a idéia de qualidade vincula-se àquilo que se espera de um produto ou serviço: durabilidade, preço, segurança, bom acabamento, entre outras características, que definem a qualidade de um produto. Teboul (2001, p. 32) define qualidade: [...] é, antes de mais nada, a conformidade às especificações. É também a resposta ajustada à utilização que se tem em mente, na hora da compra e também a longo prazo.

18 18 Para Reis (1998), há muitas definições para a idéia da qualidade, geralmente, baseada nos seguintes termos: - Excelência: Excelência é a característica que distingue alguma coisa pela superioridade em relação aos semelhantes e depende do contexto. Quando se fala em qualidade como sinônimo de melhor, ou de nível mais alto de desempenho, usam-se conceitos que continuam atuais há mais de 25 séculos. Assim, a idéia contemporânea de fazer bem feito da primeira vez é a tradução contemporânea da excelência. É o princípio no qual se fundamenta a qualidade orientada para a busca de padrões superiores de desempenho. Ainda conforme Reis (1998), outros termos utilizados para se definir qualidade são: valor, especificações, regularidade e conformidade com especificações. - Valor: A noção de qualidade associada a valor estabeleceu-se em meados do século XVIII, quando a indústria começou a produzir bens massificados e baratos. A idéia do produto barato, para as massas, contrasta com a idéia de produto de luxo ou de alto desempenho, que poucos podem comprar ou que custa mais caro. Portanto, qualidade passou a significar produto de luxo ou que vale mais. - Especificações: Do ponto de vista das especificações, qualidade significa o conjunto das características de um produto ou serviço. As características são chamadas especificações e descrevem o produto ou serviço em termos de sua utilidade, desempenho ou de seus atributos. Por exemplo, comprimento, peso, cor, velocidade, composição química, ponto de ebulição, consumo de combustível, quantidade e tipos de itens que entram no recheio de um sanduíche, comportamento de funcionário ao atender o cliente, higiene de uma cozinha ou o salão de um restaurante. Esta é a qualidade que estabelece como o produto ou serviço deve ser, é a qualidade planejada. - Regularidade: Qualidade significa ainda minimização ou redução da variação que ocorre em qualquer processo de trabalho, seja para fabricar produtos, seja para prestar serviços. Nesta acepção, qualidade é sinônimo de regularidade ou confiabilidade. - Conformidade com especificações: A contrapartida da qualidade planejada é a qualidade que o cliente recebe. É a qualidade real, que pode estar

19 19 próximo ou distante da qualidade planejada. Quanto mais próximas, a qualidade planejada e a qualidade real, mais alta a qualidade do produto ou serviço. Sobre isso, Werkema (1995, p. 4) afirma: Esta dimensão se refere às características específicas dos produtos (bens ou serviços) finais ou intermediários da empresa, as quais definem a capacidade destes bens ou serviços de promoverem a satisfação do cliente. A qualidade intrínseca inclui a qualidade do bem ou serviço (ausência de defeitos e presença de características que agradem o consumidor). Porém, apesar de a preocupação com a qualidade estar bastante acentuada nos tempos atuais, essa preocupação vem de longa data, conforme se apresenta no item a seguir Histórico da preocupação com a qualidade É difícil conhecer as origens da preocupação histórica a respeito da qualidade, pois essa preocupação é tão remota como o próprio homem. Segundo Reis (1998), já na Idade da Pedra, o homem se preocupava em analisar o resultado do seu trabalho antes de o utilizar e, em a.c, era comum marcarem-se os potes de barro com um sinal significativo da qualidade. O artesão executava todas as atividades desde a concepção do produto até à sua venda, incluindo todas as atividades de controlar a qualidade necessária para detectar e corrigir os erros. Mas, à medida que a fabricação foi crescendo, as oficinas tomaramse maiores e surgiu o mestre, que chefiava vários artesãos. Registre-se que o mestre da oficina era geralmente o seu proprietário e que o seu rendimento estava dependente da aptidão ao uso que o produto apresentava. Este conhecimento da aptidão ao uso, ou seja, a qualidade foi-se no entanto diluindo à medida que as oficinas cresceram. Segundo Maximiano (1998), a partir da Revolução Industrial, as unidades produtivas dominantes eram de grandes dimensões, organizadas em vários setores com antiguidades diferentes em que cada uma era dirigida por um encarregado que era responsável também pelos inspetores necessários à verificação do produto. À medida que as dimensões das unidades aumentavam a sua responsabilidade, restringia-se mais a aspectos ligados à produção.

20 20 Com o advento do Taylorismo, que inseriu nas indústrias o conceito de Administração Científica, aponta Maximiano (1998), aconteceu uma grande revolução na organização e racionalização do trabalho. Procurava-se uma alta produtividade através do trabalho em série, o que veio provocar uma diminuição da qualidade do produto. A causa apontada era o fato dos inspetores estarem dependentes do chefe de produção cujo principal objetivo era a produtividade e cumprimento das metas quantitativas de produção. Ainda segundo Maximiano (1998, p, 101): Esta situação tornou-se mais grave durante a 1 a Guerra Mundial devido a numerosos defeitos surgidos em produtos militares. A solução dada pelas empresas consistiu em retirar os inspetores da produção e colocá-los sobre a responsabilidade de um chefe de inspeção: Em muitos casos, a responsabilidade do chefe de inspeção foi sendo complementada com outras atividades: decisão sobre o destino de materiais defeituosos; metrologia (é o domínio do conhecimento relativo à medição); concepção de alguns aparelhos de medida e ensaio; manutenção e calibração dos aparelhos de medida; planejamento da inspeção e análise de dados e prevenção. No início da 2 a Grande Guerra, relata Ramos (1998), houve uma grande conversão de muitas empresas para fabricarem produtos militares e fornecerem com qualidade e dentro dos prazos. Após a guerra, também a conversão da produção militar para a produção civil a qual se mostrou difícil. Isso, segundo o autor, veio gerar graves problemas de qualidade, durante e após a 2 a Guerra Mundial. Porém, segundo Ramos (1998), a resposta dada pelas empresas a esta situação foi o incremento das atividades de planejamento e análise de resultados, para níveis de exigência muito superiores aos anteriormente praticados pelos setores de inspeção. Esta evolução veio a traduzir-se em alguns ajustamentos organizacionais, que permitiram um planejamento e análise mais eficazes. Foi também nesta fase que se começou a introduzir o Controle Estatístico da Qualidade. Assim, pode-se verificar que a preocupação com a qualidade sempre existiu. Entretanto, nos dias atuais, seu conceito e aplicação não são os mesmos do tempo do homem das cavernas, pois a acepção de qualidade evoluiu tanto quanto o homem. Neste sentido, o conceito de qualidade foi tendo sua abrangência constantemente ampliada, conforme os estudos sobre o mercado se expandiam.

21 21 Brocka e Brocka (2003), analisando a evolução do conceito, assinalam que existiram cinco grandes preocupações em torno da qualidade: - Foco no padrão (1950): o objetivo da qualidade era que o produto final seguisse exatamente o padrão estabelecido no projeto. Surgem, então, as padronizações, as normas e os trabalhos de inspeção desenvolvidos no chão-defábrica. A preocupação é com o controle do produto. - Foco no uso (1960): a preocupação era satisfazer o cliente pelo uso do produto. Surgem as pesquisas de mercado, de opinião. A expectativa do consumidor é quem influencia as regras da qualidade. A preocupação continua com o controle do produto. - Foco no custo (1970): com o impacto da crise do petróleo, o dinheiro torna-se escasso e as empresas passam a preocuparem-se com os custos. Além da preocupação com o produto, as organizações tentavam produzir com a mesma qualidade a custos cada vez mais baixos, que resultassem em menores preços de venda e tornassem os produtos cada vez mais competitivos. Surge a espionagem industrial. A preocupação não é mais somente com o produto, mas também com o controle do processo. Para as empresas, dessa forma, a preocupação não deve ser somente com a qualidade do produto final, mas sim com matérias-primas, transporte, serviços, atendimento e. principalmente, com o processo de produção, pois com a redução de problemas/defeitos no processo de produção, diminui-se custos, transtornos e insatisfações. - Foco no desejo (1980): com as grandes transformações econômicas e políticas da época, muitos países passaram a fazer parte de diferentes blocos econômicos cada vez mais fortes e com consumidores cada vez mais exigentes. Devido à grande concorrência, a qualidade procurava descobrir os desejos do consumidor. A atenção das empresas volta-se para o consumidor. A intenção da aproximação com estes clientes era descobrir seus desejos antes que os concorrentes. - Foco no investidor (1990): a qualidade passa ter uma visão muito mais abrangente do consumidor. Investidores, acionistas, fornecedores, consumidores passam a ser vistos como parceiros. A qualidade passa a ser estratégica e é incorporada às questões de planejamento e de gestão empresarial.

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart Organização e a Terceirização da área de TI Profa. Reane Franco Goulart Como surgiu? A terceirização é uma ideia consolidada logo após a Segunda Guerra Mundial, com as indústrias bélicas americanas, as

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas Perfil... Atuando há 20 anos em vendas Jean Oliveira já viveu na pele cada experiência que essa profissão promove, é especialista com MBA em Estratégias de Negócios e graduado em Tecnologia de Processamento

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA.

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA. Elton Dias Paz Aluno de administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS. Elton.paz@fibria.com.br

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO Colombo, 06 de abril de 2010. Instrutora: Amanda G. Gagliastri Formação: Administradora de Empresas O momento em que vivemos Processo acelerado de mudanças

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Um novo. modismo gerencial?

Um novo. modismo gerencial? Um novo modismo gerencial? por Cesar Gomes de Mello A imprensa vem divulgando várias notícias sobre empresas e projetos de quarteirização. Afinal, o que é isto? Um novo modismo que aparece no mundo dos

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Governança de TI - Aula 2 Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com Projetos Altos investimentos em TI - importante que tenhamos processos eficazes para

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

FORMAÇÃO: ADMINISTRAÇÃO PADRÃO DE RESPOSTA ( 2 a FASE)

FORMAÇÃO: ADMINISTRAÇÃO PADRÃO DE RESPOSTA ( 2 a FASE) Questão n o 1 a) Na visão de Chiavenato, há pelo menos 10 ações que podem colaborar para a criação de um ambiente de criatividade na organização, duas das quais o candidato deve citar e descrever (evidentemente

Leia mais

Outsourcing e Terceirização

Outsourcing e Terceirização ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 4) Outsourcing e Terceirização Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Definições Processo de gestão pelo qual se

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos Governança Corporativa e o Escritório de Projetos OBJETIVOS Conhecer a Governança Corporativa Entender os tipos de estruturas organizacionais Compreender o modelo de Escritório de Projetos O que é Governança

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

SOBRE A NOSSA EMPRESA

SOBRE A NOSSA EMPRESA SOBRE A NOSSA EMPRESA A Resolve Serviços Empresariais Ltda., fundou-se em 1991, com o propósito de oferecer o serviço de mão de obra temporária fundamentada na Lei 6019/74, destacando-se pela ética, agilidade,

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA Uilson Jose Nepchji eliziane.uilson@gmail.com Pedro Anotonio Laurentino Valdemir Monteiro Sandra Mara Matuik Mattos Professora do Curso Ciências Econômicas/

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS

TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS Aline Cachadare BROGGIO 1 - RGM 072128 Gabriela de Cassia BRAGA¹ - RGM 073270 Jaqueline Macedo PERIN¹ - RGM 073967 Natali de Fatima SILVA¹ - RGM 069900 Renato Francisco

Leia mais