ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE SEGURANÇA A G E N D A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE SEGURANÇA A G E N D A"

Transcrição

1 Subsecretaria de Planejamento e Integração Operacional ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE SEGURANÇA A G E N D A UNIDADE DE POLÍCIA PACIFICADORA U.P.P. O SISTEMA DE METAS E ACOMPANHAMENTO DE RESULTADOS (SIM) COMO FERRAMENTA DO CONTROLE À CRIMINALIDADE SEGURANÇA VOLTADA AO TURISTA

2 SEGURANÇA PÚBLICA NO BRASIL ESFERA FEDERAL POLÍCIA FEDERAL Terrorismo, Contrabando, Vigilância de Fronteiras Segurança de Autoridades e Fiscalização da Segurança Privada RECEITA FEDERAL Aduana Lavagem de Dinheiro POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL Vigilância das Fronteiras Rodovias Federais ESFERA MUNICIPAL GUARDA MUNICIPAL Proteção do Patrimônio Público Ordem Pública / homens

3 SEGURANÇA PÚBLICA NO BRASIL ESFERA ESTADUAL POLÍCIA CIVIL Investigação Apurar autorias de crimes homens POLÍCIA MILITAR Policiamento Ostensivo Prevenção homens CORPO DE BOMBEIROS Defesa Civil homens

4 SECRETARIA DE SEGURANÇA RJ

5 Objetivos da SESEG em relação a segurança pública PLANEJAR E GERIR A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA A SER EXECUTADA DE FORMA INTEGRADA PELAS POLÍCIAS CIVIL E MILITAR, VISANDO A MELHORIA DA PREVENÇÃO E DA REPRESSÃO QUALIFICADA À CRIMINALIDADE. Fonte: Plano Estratégico

6 Objetivos da SESEG em relação a segurança pública REUNIDOS NA SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA, NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, AO LONGO DO PERÍODO SETEMBRO DE 2009 A JANEIRO DE 2010, A CÚPULA DE EXECUTIVOS DA SECRETARIA DE SEGURANÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONTANDO COM A PRESENÇA DA POLÍCIA MILITAR, POLÍCIA CIVIL E ISP-INSTITUTO DE SEGURANÇA PÚBLICA E PRESIDIDA PELO SECRETARIO DE ESTADO DE SEGURANÇA, DR. JOSÉ MARIANO BELTRAME, ELABORARAM A IDENTIDADE ORGANIZACIONAL DA SECRETARIA, DEFINIRAM SUAS METAS E AS ESTRATÉGIAS QUE CONSTITUEM O PLANO ESTRATÉGICO PARA O PERÍODO DE 2010 A Fonte: Plano Estratégico

7 METAS GLOBAIS REDUZIR O ÍNDICE DE HOMICÍDIO DOLOSO PARA 23 POR 100 MIL HABITANTES ATÉ DEZEMBRO DE REDUZIR O ROUBO DE VEÍCULOS PARA 20 MIL OCORRÊNCIAS POR ANO ATÉ DEZEMBRO DE REDUZIR O ÍNDICE DE ROUBOS DE RUA PARA 428 POR 100 MIL HABITANTES ATÉ DEZEMBRO DE REDUZIR O ÍNDICE DE LATROCÍNIO PARA 1 POR 100 MIL HABITANTES ATÉ DEZEMBRO DE Fonte: Plano Estratégico

8 Fonte: Plano Estratégico METAS GLOBAIS

9 Taxa de Latrocínio por cem mil habitantes METAS GLOBAIS Taxa de Latrocínio por cem mil habitantes 1,8 1,7 1,6 1,4 1,2 1,0 1,4 1,3 1,2 1,2 1,3 1,3 1,2 1,4 1,4 1,4 1,3 1,2 1,1 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2 0, Fonte: Plano Estratégico

10 Fonte: Plano Estratégico METAS GLOBAIS

11 Fonte: Plano Estratégico METAS GLOBAIS

12 AÇÕES ESTRATÉGICAS Já em andamento na PMERJ as seguintes ações de gestão: Recuperação de efetivo Fusão de algumas unidades operacionais

13 UNIDADES DE POLÍCIA PACIFICADORA 13

14 COMO RETOMAR O CONTROLE? AÇÕES POLICIAIS Retomada de territórios Polícia de proximidade Repressão qualificada Gestão do conhecimento AÇÕES SOCIAIS Programas sociais Reinserção social Emprego/educação UPPSocial 14

15 UNIDADE DE POLÍCIA PACIFICADORA De acordo com o previsto no DECRETO Nº DE 06 DE JANEIRO DE 2011, as Unidades de Polícia Pacificadora (UPP), foram criadas para a execução de ações especiais concernentes à pacificação e à preservação da ordem pública, destinam-se a aplicar a filosofia de polícia de proximidade nas áreas designadas para sua atuação. ONDE SÃO IMPLEMENTADAS? Em áreas compreendidas por comunidades pobres, com baixa institucionalidade e alto grau de informalidade, em que a instalação oportunista de grupos criminosos, ostensivamente armados, afronta o Estado Democrático de Direito. PARA QUE FORAM CRIADAS? Para garantir a presença diuturna do Estado e a execução de ações especiais concernentes à pacificação e à preservação da ordem pública, aplicando a filosofia de polícia de proximidade nas áreas designadas para sua atuação.

16 UNIDADES DE POLÍCIA PACIFICADORA PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Policiais recém formados Comando local Doutrina de policiamento comunitário Bonificação 16

17 FASES DA PACIFICAÇÃO Fase 1: Retomada Fase 2: Estabilização Fase 3: Implantação da UPP Fase 4: Pós Implantação 17

18 UPP INAUGURADAS UPP Data de Inauguração Delimitação Territorial Dona Marta DOERJ nº 044 de 10/03/11 Cidade de Deus DOERJ nº 039 de 28/02/11 Batam DOERJ nº 044 de 10/03/11 Chapéu Mangueira e Babilônia DOERJ nº 044 de 10/03/11 Pavão-Pavãozinho e Cantagalo DOERJ nº 044 de 10/03/11 Ladeira dos Tabajaras e Cabritos DOERJ nº 044 de 10/03/11 Morro da Providência, Pedra Lisa e Moreira Pinto Morro do Borel, Casa Branca, Chácara do Céu, Indiana, Morro do Cruz, Catrambi DOERJ nº 044 de 10/03/ DOERJ nº 044 de 10/03/11 Formiga DOERJ nº 044 de 10/03/11 Morro do Andaraí, Nova Divinéia, João Paulo II, Juscelino Kubitschek, Jamelão, Morro Santo Agostinho e Arrelia DOERJ nº 044 de 10/03/11 Salgueiro DOERJ nº 044 de 10/03/11 Turano DOERJ nº 044 de 10/03/11 Macacos DOERJ nº 044 de 10/03/11 Quieto, São João e Matriz DOERJ nº 019 de 31/01/11 Fallet, Fogueteiro, Coroa DOERJ nº 037 de 24/02/11 Prazeres, Escondidinho DOERJ nº 037 de 24/02/11 Morro São Carlos, Mineira, Zinco e Querosone DOERJ nº 090 de 17/05/11

19 SANTA MARTA APREENSÃO SANTA MARTA OUTUBRO/

20 20

21 21

22 22

23 23

24 24

25 25

26 26

27 27

28 SISTEMA DE METAS E ACOMPANHAMENTO DE RESULTADOS 28

29 Compatibilização Territorial: Criação das RISP, Consolidação das AISP e criação das CISP. Foco em indicadores estratégicos: Letalidade violenta, Roubos de Rua e Roubos de Veículos. 29

30 Definição de metas conjuntas para PM e PC, a fim de reduzir as ocorrências dos indicadores estratégicos. Metodologia de gestão e acompanhamento de resultados, incentivando a qualificação do policial em análise criminal e tratamento de desvios negativos dos indicadores estratégicos. Bonificação por resultados 30 Planilha acompanhamento_v25_setembro 2010.xlsm

31 SISTEMA INTEGRADO DE METAS E ACOMPANHAMENTO DE RESULTADOS Conjunto de procedimentos e rotinas gerenciais para identificação de problemas, análises do fenômeno criminal, identificação de causas e elaboração de Planos de Ação Integrados para o alcance de metas de redução de Indicadores de criminalidade; Os indicadores de Criminalidade escolhidos pelo Governo e que tiveram metas e acompanhamento gerencial são LETALIDADE VIOLENTA, ROUBOS DE VEÍCULOS e ROUBOS DE RUA (roubos a transeuntes, coletivos e celular); Cada Indicador Estratégico possuirá uma meta geral a ser atingida conjuntamente pela PCERJ e PMERJ, que será desdobrada nas RISP, AISP e CISP que possuirão metas individualizadas.

32 CERIMÔNIA DE PREMIAÇÃO PELOS BONS RESULTADOS OBTIDOS

33

34

35

36 TURISTA Quais os cuidados na segurança do turista, partindo do princípio de que o principal indicador que os atinge é o roubo de rua?

37 RESULTADO DO INDICADOR ESTRATÉGICO ROUBO DE RUA

38 ROUBO DE RUA NAS AISP S Centro, Zona Sul e Barra 2008 / 2011 (jan a out/11) Roubo de Rua % Fonte: ISP

39 39

40 BOAS PRÁTICAS Batalhão de Policiamento em áreas turísticas - BPTUR emprego de 4 (quatro) viaturas, 3 (três) quadriciclos e 11 (onze) duplas de POG em pontos estratégicos planejados, de acordo com a mancha criminal, na orla de Copacabana; Medidas administrativas que buscam oferecer melhor qualidade de vida ao Policial Militar, por exemplo, com a mudança da escala, de modo que possa passar mais tempo junto à família. Isso foi possível enxugando parte da tropa utilizada na atividade meio para aumentar o efetivo de policiais da atividade fim. Delegacia de Atendimento ao Turista - DEAT Há mais de 10 anos, a Delegacia Especial de Apoio ao Turismo (Deat) tem cuidado do bem-estar dos visitantes do Rio de Janeiro. Na unidade policial, turistas estrangeiros contam com uma equipe formada por profissionais qualificados que falam idiomas como inglês, espanhol, francês e italiano. Com a chegada do Verão, a cidade maravilhosa se torna um dos locais mais visitados do país. Os interessados podem conferir as ações da Delegacia Especial de Apoio ao Turismo (Deat) no site

41 NOTÍCIAS Polícia prende dois suspeitos de clonar cartões em hotel no Rio Turismo (DEAT) prenderam em um quarto de hotel na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, dois homens suspeitos de clonar cartões e usá-los para fazer compras. A prisão em flagrante aconteceu após agentes receberem informações de que os suspeitos usavam quarto de hotéis como escritório para produzir os cartões. Nessa época de verão, os turistas aumentam e eles são os alvos principais desses estelionatários. Por isso, realizamos reuniões com hotéis da cidade para identificar o perfil desses suspeitos, afirmou o delegado titular da DEAT, Fernando César Reis. Com os acusados, a polícia apreendeu um computador, uma impressora, 36 cartões clonados e algumas notas fiscais que denunciam as compras feitas com os cartões falsos em estabelecimentos da Barra da Tijuca. Um dos presos, de 27 anos, possuía ainda uma carteira regional de contabilidade. Os dois suspeitos, que têm passagens pela polícia, responderão pelo crime de estelionato e podem pegar até cinco anos de prisão. Fonte: site DEAT - January 6, 2011

42 SEJAM BEM VINDOS À CIDADE MARAVILHOSA. OBRIGADO! Cel Alexandre de Souza Coordenador de Análise e Integração SSPIO/SESEG Tel. (21) e E mail:

UPP - A EXPERIÊNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UPP - A EXPERIÊNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA ESTADO DO RIO DE JANEIRO UPP - A EXPERIÊNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA ESTADO DO RIO DE JANEIRO Breve Histórico... Rio de Janeiro Década de 70 - Facções criminosas Final de 70 e início de 80

Leia mais

Sistema Integrado de Metas e Acompanhamento de Resultados da Secretaria de Estado de Segurança do Rio de Janeiro

Sistema Integrado de Metas e Acompanhamento de Resultados da Secretaria de Estado de Segurança do Rio de Janeiro Sistema Integrado de Metas e Acompanhamento de Resultados da Secretaria de Estado de Segurança do Rio de Janeiro Cel PM Alexandre de Souza Superintendente de Programas Estratégicos Abril de 2014 Introdução

Leia mais

SESEG cria RISP: novo modelo de gestão em segurança pública que trabalha com sistema de metas e premiação

SESEG cria RISP: novo modelo de gestão em segurança pública que trabalha com sistema de metas e premiação SESEG cria RISP: novo modelo de gestão em segurança pública que trabalha com sistema de metas e premiação A Secretaria de Estado de Segurança (SESEG), através da subsecretaria de Planejamento e Integração

Leia mais

DPF ROBERTO ALZIR DIAS CHAVES

DPF ROBERTO ALZIR DIAS CHAVES DPF ROBERTO ALZIR DIAS CHAVES SUBSECRETÁRIO EXTRAORDINÁRIO DE GRANDES EVENTOS SSEGEV@SEGURANCA.RJ.GOV.BR SEGURANÇA DOS JOGOS OLÍMPICOS MISSÃO Garantir a segurança dos Jogos, sob a liderança do Governo

Leia mais

Publicação Semestral n o 4. Perfil e dinâmica dos pequenos negócios em territórios do Rio de Janeiro com UPP

Publicação Semestral n o 4. Perfil e dinâmica dos pequenos negócios em territórios do Rio de Janeiro com UPP Publicação Semestral n o 4 Perfil e dinâmica dos pequenos negócios em territórios do Rio de Janeiro com UPP ESTRUTURA Apresentação - Cézar Vasquez e Carla Teixeira Perfil e dinâmica dos empreendedores

Leia mais

Sistema de Segurança Pública Estado do Rio de Janeiro

Sistema de Segurança Pública Estado do Rio de Janeiro Sistema de Segurança Pública Estado do Rio de Janeiro Manual de procedimentos para o sistema de metas e acompanhamento de resultados Melhoria da Gestão do Sistema de Segurança Pública Edição revisada em

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas Faculdade de Direito TEMA: O DIREITO À SEGURANÇA A COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL

Universidade Federal de Alagoas Faculdade de Direito TEMA: O DIREITO À SEGURANÇA A COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL TEMA: O DIREITO À SEGURANÇA A COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL O QUE É DIREITO? O QUE É DIREITO FUNDAMENTAL? O QUE É SEGURANÇA? A? COMO GARANTIR O DIREITO À SEGURANÇA NUM ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO? MAPA

Leia mais

Pesquisa nas Favelas com Unidades de Polícia Pacificadora. da Cidade do Rio de Janeiro

Pesquisa nas Favelas com Unidades de Polícia Pacificadora. da Cidade do Rio de Janeiro Pesquisa nas Favelas com Unidades de Polícia Pacificadora da Cidade do Rio de Janeiro Fevereiro de 2011 1. Contextualização das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) As Unidades de Polícia Pacificadora

Leia mais

Pesquisa sobre Empreendedorismo em Domicílios em Unidades de Polícia Pacificadora Parceria

Pesquisa sobre Empreendedorismo em Domicílios em Unidades de Polícia Pacificadora Parceria Julho 2011 Pesquisa sobre Empreendedorismo em Domicílios em Unidades de Polícia Pacificadora Parceria Empreendedores em Comunidades com UPP SEBRAE-RJ e IETS _2_ 1. Argumento As Unidades de Polícia Pacificadora

Leia mais

Relatório da Pessoa Idosa

Relatório da Pessoa Idosa Relatório da Pessoa Idosa 2012 O Relatório da Pessoa Idosa 2012, com base nos dados de 2011, se destina à divulgação dos dados de criminalidade contra a pessoa idosa (idade igual ou superior a 60 anos),

Leia mais

Condomínios mais Seguros

Condomínios mais Seguros Condomínios mais Seguros Palestra ministrada pelo Capitão Yasui Comandante da 2ª Companhia do 49º Batalhão de Polícia Militar. 13/04/2011 Formulado por um grupo de trabalho composto por policiais civis

Leia mais

23ª Área Integrada de Segurança Pública - AISP

23ª Área Integrada de Segurança Pública - AISP 23ª Área Integrada de Segurança Pública - AISP Unidade Territorial E Leblon, Ipanema, Jardim Botânico, Lagoa,, São Conrado, Gávea e Vidigal (Clique no bairro para visualizar o relatório) ANÁLISE DO LEBLON

Leia mais

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro Aluno: Gabriel Ferreira de Carvalho gabriel_fc.90@hotmail.com Orientador: Dr. Augusto César Pinheiro da Silva augustoc@puc-rio.br

Leia mais

Notas sobre experiências de Pacificação em favelas do Rio de Janeiro - Brasil.

Notas sobre experiências de Pacificação em favelas do Rio de Janeiro - Brasil. Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Notas sobre experiências de Pacificação em favelas do Rio de Janeiro - Brasil. Lia de Mattos Rocha Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1º COMANDO DE POLICIAMENTO DE ÁREA 2º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1º COMANDO DE POLICIAMENTO DE ÁREA 2º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1º COMANDO DE POLICIAMENTO DE ÁREA 2º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR OBJETIVO Apresentar o cenário atual da Unidade, para o público presente por ocasião dos Eventos

Leia mais

Geointeligência na Copa e Olimpíadas

Geointeligência na Copa e Olimpíadas 20 de junho de 2013 Fórum Geointeligência para Defesa e Segurança Grandes Eventos Planejamento e Monitoramento Geointeligência na Copa e Olimpíadas Marcus Ferreira - Ten Cel PMERJ Vice Presidente do ISP

Leia mais

02ª Área Integrada de Segurança Pública - AISP

02ª Área Integrada de Segurança Pública - AISP 02ª Área Integrada de Segurança Pública - AISP Unidade Territorial E Botafogo,, Laranjeiras, Urca e Glória (Clique no bairro para visualizar o relatório) a. Mídias em Geral ANÁLISE DE BOTAFOGO Ø Fonte:

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO - AME/RJ

ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO - AME/RJ ot nojo ~ /20U Rio de Janeiro, 27 de setembro de ~OU. Do: Presidente da AMEIRJ. ;\0: ~xmo Sr. Procurador Geral de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Assunto: Desvio de função. Esta Associação, considerando

Leia mais

Mercado do Rio de Janeiro- 2011

Mercado do Rio de Janeiro- 2011 Gávea Green Residencial Parque Cidade Barra Prime Offices Torre IV Mercado do Rio de Janeiro- 2011 1 Mercado Imobiliário 2006, 2007- Rio de Janeiro 2006- Expansão do Financiamento Imobiliário. Abecip-

Leia mais

Anexo I - Plano de Classificação de Documentos 33.01.01.01

Anexo I - Plano de Classificação de Documentos 33.01.01.01 Anexo I - Plano de Classificação de Documentos Secretaria de Estado de Segurança - SESEG Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro - PMERJ 33 - Competência: Exercer a polícia ostensiva e a preservação

Leia mais

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 Estabelece as competências da Secretaria de Segurança Legislativa do Senado Federal e das Subsecretarias e Serviços a ela subordinados. O DIRETOR-GERAL DO SENADO FEDERAL,

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: SEGURANÇA Visão: Que Santa Maria tenha os melhores indicadores de Segurança Pública, entre os municípios do Rio Grande do Sul com mais de 100 mil habitantes, garantindo a prevenção e o controle

Leia mais

PMERJ/CETIC. Novas Tecnologias na Polícia Militar

PMERJ/CETIC. Novas Tecnologias na Polícia Militar PMERJ/CETIC Novas Tecnologias na Polícia Militar Apresentação pessoal CEL PM DJALMA JOSÉ BELTRAMI TEIXEIRA PMERJ Coordenador do CETIC Coordenadoria Especializada em Tecnologia e Comunicações Atribuições

Leia mais

O que é o Sinesp? julho de 2012, que tornará obrigatória a produção e o envio de

O que é o Sinesp? julho de 2012, que tornará obrigatória a produção e o envio de O que é o Sinesp? O Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisional e sobre Drogas (Sinesp) é um portal de informações integradas, possibilitando consultas operacionais, investigativas

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão de Fiscalização Financeira e Controle CFFC

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão de Fiscalização Financeira e Controle CFFC REQUERIMENTO Nº, DE 2013 (do Sr. Fernando Francishcini) Requer que seja convocado o Sr. Manoel Dias, Ministro de Estado do Trabalho e Emprego para expor acerca dos últimos acontecimentos naquele Ministério,

Leia mais

37º Encontro Anual da ANPOCS

37º Encontro Anual da ANPOCS 37º Encontro Anual da ANPOCS ST38 Violência, criminalidade e punição no Brasil UPP e Sistema Integrado de Metas: impacto na redução da criminalidade violenta? Daniel Ganem Misse (PPGSD/UFF) RESUMO O processo

Leia mais

Formulação Estratégica da PMERJ

Formulação Estratégica da PMERJ Formulação Estratégica da PMERJ Dezembro.2012 Projeto de Formulação Estratégica da PMERJ O Projeto de Formulação Estratégica da PMERJ foi resultado de todo realinhamento estratégico da SESEG, facilitado

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 442, DE 1º DE JULHO DE 2010

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 442, DE 1º DE JULHO DE 2010 RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 442, DE 1º DE JULHO DE 2010 Institui o Centro Integrado de Operações de Segurança Pública CIOSP no âmbito da Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa

Leia mais

CURSOS AVANÇADOS 2 / 5

CURSOS AVANÇADOS 2 / 5 Cursos especializados em várias áreas de prevenção e combate à criminalidade, bem como em prevençã CURSOS BÁSICOS Técnicas Operacionais de Prevenção Estratégica - A prevenção é o fator-chave do sucesso

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E LEGADOS

QUALIFICAÇÃO E LEGADOS QUALIFICAÇÃO E LEGADOS COPA SEGURA SEGURANÇA Estrutura Existente Recomendações FIFA Redução de Indicadores de Criminalidade (Furto, Furto de Veículos, Roubo, Roubo de Veículo e Homicídios índices aceitáveis

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

Pesquisa nas Favelas com Unidades de Polícia Pacificadora. da Cidade do Rio de Janeiro

Pesquisa nas Favelas com Unidades de Polícia Pacificadora. da Cidade do Rio de Janeiro Pesquisa nas Favelas com Unidades de Polícia Pacificadora da Cidade do Rio de Janeiro Dezembro de 2010 1. Argumento Ao longo dos últimos anos, um amplo espectro de políticas públicas foi implantado em

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO USO DA INFORMAÇÃO NA PREVENÇÃO DO ROUBO A TRANSEUNTE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO USO DA INFORMAÇÃO NA PREVENÇÃO DO ROUBO A TRANSEUNTE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 16, 17 e 18 de abril de 2013 AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO USO DA INFORMAÇÃO NA PREVENÇÃO DO ROUBO A TRANSEUNTE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Vanessa Campagnac

Leia mais

LEVS Laboratório de Estudos da Violência e Segurança da UNESP Reflexão acadêmica e instrumento de política pública de segurança

LEVS Laboratório de Estudos da Violência e Segurança da UNESP Reflexão acadêmica e instrumento de política pública de segurança LEVS Laboratório de Estudos da Violência e Segurança da UNESP Reflexão acadêmica e instrumento de política pública de segurança (espaço coletivo de consulta e interação global através de um web site) www.levs.marilia.unesp.br

Leia mais

Plano de Metas 2010/2011 do CCS12 AISP 12 Niterói.

Plano de Metas 2010/2011 do CCS12 AISP 12 Niterói. CCS12 AISP 12 Niterói. Desafio: Conseguir um imóvel com infra-estrutura no Município de Niterói para instalação do ccs-aisp 12 Niterói. Estratégias: sensibilizar os Governos Estadual,Municipal e iniciativa

Leia mais

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO 1. Contextualização e finalidades A violência, a falta de segurança e o medo da criminalidade

Leia mais

Crack, é possível vencer

Crack, é possível vencer Crack, é possível vencer Prevenção Educação, Informação e Capacitação Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas

Leia mais

Crime, Preços de Imóveis e Desigualdade: o Efeito das

Crime, Preços de Imóveis e Desigualdade: o Efeito das Crime, Preços de Imóveis e Desigualdade: o Efeito das UPPs no Rio de Janeiro Claudio Frischtak (International Growth Centre & Inter.B Consultoria Internacional de Negócios) Benjamin Mandel 9 de Dezembro

Leia mais

A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO. Diversos problemas levaram à situação atual

A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO. Diversos problemas levaram à situação atual A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO Diversos problemas levaram à situação atual O problema sempre foi tratado com uma série de OUs Natureza ou policial ou social Responsabilidade ou

Leia mais

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE Silvia Ramos A pesquisa mídia e violência O Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade

Leia mais

Segurança Pública no Brasil Gestão e Tecnologia na redução criminal O exemplo de São Paulo

Segurança Pública no Brasil Gestão e Tecnologia na redução criminal O exemplo de São Paulo Secretaria de Segurança Pública Segurança Pública Polícia Militar de S. Paulo Segurança Pública no Brasil Gestão e Tecnologia na redução criminal O exemplo de São Paulo Coronel PM Ricardo Gambaroni Comandante

Leia mais

Violência homicida. Diferenças regionais

Violência homicida. Diferenças regionais 1 de 6 31/01/2014 23:35 Aumentar a fonte Diminuir a fonte VIOLÊNCIA CORPO NO CHÃO Morto em outubro de 2012, em Itaquera, Zona Leste paulistana: mais uma entre as mais de 40 mil pessoas assassinadas no

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL DANIELA MURARO DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS

DIREITO CONSTITUCIONAL DANIELA MURARO DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS 11.1 DEFINIÇÃO A Constituição de 1988, nos arts. 136 a 141, prescreve as regras relativas ao Estado de Defesa e ao Estado Sítio. São normas que visam à

Leia mais

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2012) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA)

Leia mais

Guarda Municipal de Fortaleza Direito Constitucional Segurança Pública Emilly Albuquerque

Guarda Municipal de Fortaleza Direito Constitucional Segurança Pública Emilly Albuquerque Guarda Municipal de Fortaleza Direito Constitucional Segurança Pública Emilly Albuquerque 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. SEGURANÇA PÚBLICA Art. 144 CF Art.

Leia mais

Metodologia de Reagregação de Códigos para Publicação em DOERJ

Metodologia de Reagregação de Códigos para Publicação em DOERJ Metodologia de Reagregação de Códigos para Publicação em DOERJ Em atendimento à determinação do Exmo. Sr. Secretário de Segurança, foi elaborado um modelo de adequação do sistema de agregação dos títulos

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR Maslow e as necessidades humanas: A preocupação com a segurança. Qualificando a palavra segurança : Conceito

Leia mais

INSTITUTO PEREIRA PASSOS IPP RIO

INSTITUTO PEREIRA PASSOS IPP RIO Localização das UPPs 12 19 18 1- Escondidinho / Prazeres 2- Fallet-Fogueteiro / Coroa 3- Providência 4- Cidade de Deus 5- Borel 6- Macacos 7- Chapéu Mangueira / Babilônia 8- Turano 9- São Carlos 10- Cantagalo

Leia mais

VII Curso de Extensão em Defesa Nacional / UFMS. A segurança das áreas de fronteira Brasileira. Campo Grande - MS, 05 a 07 de junho de 2013

VII Curso de Extensão em Defesa Nacional / UFMS. A segurança das áreas de fronteira Brasileira. Campo Grande - MS, 05 a 07 de junho de 2013 SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA VII Curso de Extensão em Defesa Nacional / UFMS A segurança das áreas de fronteira Brasileira Campo Grande - MS, 05 a 07 de junho de 2013 Fronteira, aqui começa

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO SEGUNDO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.12 7 de março de 2012 CICTE/INF.1/12 Washington, D.C. 7 março 2012 Original: inglês DISCURSO

Leia mais

POLÍCIA FEDERAL. Apresentação Institucional DIVISÃO DE CONTROLE DE PRODUTOS QUÍMICOS

POLÍCIA FEDERAL. Apresentação Institucional DIVISÃO DE CONTROLE DE PRODUTOS QUÍMICOS POLÍCIA FEDERAL Apresentação Institucional DIVISÃO DE CONTROLE DE PRODUTOS QUÍMICOS AGENDA NOSSA ESTRUTURA O QUE FAZEMOS NOSSA MISSÃO NOSSA GESTÃO NOSSAS REALIZAÇÕES NOSSO FUTURO NOSSA ESTRUTURA ESTRUTURA

Leia mais

SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA

SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA Segurança SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA A sensação de segurança é uma questão que influencia significativamente a qualidade de vida de toda a sociedade devendo ser tratada

Leia mais

SEGURANÇA MUNICIPAL EM GUARULHOS DIAGNÓSTICO E PROJETOS

SEGURANÇA MUNICIPAL EM GUARULHOS DIAGNÓSTICO E PROJETOS SEGURANÇA MUNICIPAL EM GUARULHOS DIAGNÓSTICO E PROJETOS INTRODUÇÃO PROPOSTA ELABORAÇÃO DE UM DIAGNÓSTICO REALISTA. MATERIAL ESTATÍSTICAS, MAPEAMENTO DO CRIME MAPEAMENTO DA CONDIÇÃO SOCIAL ENTREVISTAS COM

Leia mais

SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA

SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA Segurança SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA A falta de segurança é uma questão que influencia significativamente a qualidade de vida de toda a sociedade devendo ser tratada pelos

Leia mais

Instituto São Paulo Contra a Violência. Eixos

Instituto São Paulo Contra a Violência. Eixos Instituto São Paulo Contra a Violência É uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), sem fins lucrativos, fundada em 25 de novembro de 1997 com o objetivo de colaborar com o poder

Leia mais

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos VII e X do Art. 100 da Lei Orgânica do Distrito Federal, DECRETA:

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos VII e X do Art. 100 da Lei Orgânica do Distrito Federal, DECRETA: Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF DECRETO Nº 36.620, DE 21 DE JULHO DE 2015. Dispõe sobre a obrigatoriedade da divulgação periódica de dados e informações de segurança pública

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais

Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais Cláudio Medeiros Leopoldino Coordenador-Geral Adjunto Brasil: 16.886 km de fronteiras terrestres 10 países vizinhos fronteiras plenamente

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 25, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2007.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 25, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2007. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 25, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2007. Cria o Núcleo de Ação Estratégica NAE, altera dispositivos da Resolução n. 12, de 2006, e dá outras providências. O CONSELHO

Leia mais

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO DO CAMPO E DA FLORESTA

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO DO CAMPO E DA FLORESTA PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO DO CAMPO E DA FLORESTA Departamento de Apoio à Gestão Participativa /DAGEP Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa /SGEP Ministério

Leia mais

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 15.506, de 31 de julho de 1991; Decreto nº 15.813, de 24 de abril de 1992; Lei nº 15.738, de

Leia mais

Esfera: 10 Função: 06 - Segurança Pública Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 30101 - Ministério da Justiça

Esfera: 10 Função: 06 - Segurança Pública Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 30101 - Ministério da Justiça Programa 1127 Sistema Único de Segurança Pública - SUSP Numero de Ações 12 Ações Orçamentárias 2272 Gestão e Administração do Programa Produto: - Unidade de Medida: - Esfera: 10 Função: 06 - Segurança

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL COSTA DOS CORAIS APACC

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL COSTA DOS CORAIS APACC TAMANDARÉ - 2013 - CONTEXTUALIZAÇÃO; - PRINCIPAIS ESTRATÉGIAS; - PROBLEMAS; - AVANÇOS RESULTADOS; - DESAFIOSEMETAS2013. CONTEXTUALIZAÇÃO - Área de Proteção Ambiental: Fragilidade Legislação; Ordenamento,

Leia mais

COMANDO DE POLICIAMENTO DO INTERIOR-2

COMANDO DE POLICIAMENTO DO INTERIOR-2 COMANDO DE POLICIAMENTO DO INTERIOR-2 Nós, Policiais Militares, sob a proteção de Deus, estamos compromissados com a Defesa da Vida, da Integridade Física e da Dignidade da Pessoa Humana. RONDONCAMP UM

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CAPACITAÇÃO

EIXO TECNOLÓGICO: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CAPACITAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CAPACITAÇÃO Cursos destinados a pessoas com escolaridade variável, que objetivam desenvolver competências necessárias

Leia mais

Plano Diretor: breve histórico

Plano Diretor: breve histórico Plano Diretor: breve histórico 1988 Constituição Federal e 1990 Lei Orgânica Municipal: instituição do Plano Diretor como instrumento básico da política urbana 1992 Plano Diretor Decenal Meio ambiente

Leia mais

Desigualdade Racial e Segurança Pública em São Paulo

Desigualdade Racial e Segurança Pública em São Paulo Desigualdade Racial e Segurança Pública em São Paulo Letalidade policial e prisões em flagrante SUMÁRIO EXECUTIVO AUTORAS PROFª DRª JACQUELINE SINHORETTO GIANE SILVESTRE MARIA CAROLINA SCHLITTLER 02 de

Leia mais

OS DONOS DO MORRO : UMA AVALIAÇÃO EXPLORATÓRIA DO IMPACTO DAS UNIDADES DE POLÍCIA PACIFICADORA (UPPs) NO RIO DE JANEIRO

OS DONOS DO MORRO : UMA AVALIAÇÃO EXPLORATÓRIA DO IMPACTO DAS UNIDADES DE POLÍCIA PACIFICADORA (UPPs) NO RIO DE JANEIRO OS DONOS DO MORRO : UMA AVALIAÇÃO EXPLORATÓRIA DO IMPACTO DAS UNIDADES DE POLÍCIA PACIFICADORA (UPPs) NO RIO DE JANEIRO FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA em cooperação com o Laboratório de Análise

Leia mais

Plano Nacional de. Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos. Curso LíderesL

Plano Nacional de. Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos. Curso LíderesL Plano Nacional de Prevenção, Preparação e Resposta Rápida R a Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos Curso LíderesL Brasília, 20 de agosto de 2008 1 Como surgiu o P2R2 Histórico de ocorrência

Leia mais

Estradas do PR somam 32 mortes no feriado prolongado de Natal

Estradas do PR somam 32 mortes no feriado prolongado de Natal ** Elotech ** 26/12/2012 Pág. 1/2 4 27 DE DEZEMBRO DE 2012 ANO XVIII N 0 2372 Editais Quatro Barras / Geral PREFEITURA MUNICIPAL DE QUATRO BARRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE QUATRO BARRAS Estado do Paraná

Leia mais

Proposta de Política Pública para Expansão dos Serviços de Bombeiros no Estado de São Paulo

Proposta de Política Pública para Expansão dos Serviços de Bombeiros no Estado de São Paulo GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS Proposta de Política Pública para Expansão dos Serviços de

Leia mais

SEGURANÇA NA USP. Faculdade de Ciências Farmacêuticas - USP

SEGURANÇA NA USP. Faculdade de Ciências Farmacêuticas - USP SEGURANÇA NA USP GUARDA Faculdade de Ciências Farmacêuticas - USP MAPAS DE RISCO GUARDA GUARDA MAPA DE RISCO - USP 2011 Esporte para Todos ÁREA F ÁREA B Praça do Relógio ÁREA B1 ÁREA A Portão Fepasa ÁREA

Leia mais

3 Breve história da criminalidade nas favelas

3 Breve história da criminalidade nas favelas 3 Breve história da criminalidade nas favelas A origem das favelas no Rio de Janeiro é consensualmente datada no final do século XIX. A primeira favela foi a ocupação do Morro da Providência no centro

Leia mais

Governança Clínica. As práticas passaram a ser amplamente utilizadas em cuidados de saúde à partir de 1.995.

Governança Clínica. As práticas passaram a ser amplamente utilizadas em cuidados de saúde à partir de 1.995. Governança Clínica As práticas passaram a ser amplamente utilizadas em cuidados de saúde à partir de 1.995. O Modelo de Gestão Atual foi desenvolvido a 100 anos. Repensar o Modelo de Gestão nos serviços

Leia mais

ÍNDICE - 23/09/2006 Tribuna da Imprensa (RJ)...2 País/Cidades...2 Estado de Minas (MG)...3 Nacional...3 Folha de Londrina (PR)...4 Geral...

ÍNDICE - 23/09/2006 Tribuna da Imprensa (RJ)...2 País/Cidades...2 Estado de Minas (MG)...3 Nacional...3 Folha de Londrina (PR)...4 Geral... ÍNDICE - Tribuna da Imprensa (RJ)...2 País/Cidades...2 Presos mais 3 que traficavam remédios pela internet...2 Estado de Minas (MG)...3 Nacional...3 Federais prendem 19 patrulheiros...3 Folha de Londrina

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012

CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012 CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012 Os participantes do I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE, representantes de Conselhos da Comunidade

Leia mais

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 GESTÃO PÚBLICA Garantir ampla participação popular na formulação e acompanhamento das políticas públicas; Criação do SOS Oprimidos, onde atenda desde pessoas carentes

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal Programa 1127 Sistema Único de Segurança Pública - SUSP Ações Orçamentárias 12OM Ações Preventivas de Segurança Pública para a Copa do Mundo de 2014 Produto: Ação im plem entada Num ero de Ações 13 Desenvolver

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DAS ATIVIDADES DA CTI 1

RELATÓRIO FINAL DAS ATIVIDADES DA CTI 1 RELATÓRIO FINAL DAS ATIVIDADES DA CTI 1 1. INTRODUÇÃO A discussão em torno do tema criminalidade e violência é um assunto recorrente e atual em nossa sociedade. Aliado também ao crescente tráfico e uso

Leia mais

regionalização e contratos organizativos de ação pública.

regionalização e contratos organizativos de ação pública. A Regulamentação da Lei 8.080/90: A Regulamentação da Lei 8.080/90: regionalização e contratos organizativos de ação pública. Seminário Nacional PRÓ Saúde e PET Saúde Brasília, 19 de outubro de 2011.,

Leia mais

Projeto Qualidade Fiscal. Iniciativas, indicadores

Projeto Qualidade Fiscal. Iniciativas, indicadores Projeto Qualidade Fiscal Iniciativas, indicadores André Reis Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto Fórum de SPGFs, 27 de março de 2012 Conceito de Qualidade do Gasto QUALIDADE E

Leia mais

Projeto: Melhoria da Gestão para Resultados na Brigada Militar

Projeto: Melhoria da Gestão para Resultados na Brigada Militar Projeto: Melhoria da Gestão para Resultados na Brigada Militar Patrocínio: O Projeto é fruto de uma parceria entre a Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul e o Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade

Leia mais

William Nascimento Santos

William Nascimento Santos William Nascimento Santos Curriculum Vitae Dados pessoais Nome: WILLIAM NASCIMENTO SANTOS Filiação: Genésio José dos Santos e Anália Batista do Nascimento Nascimento: 23/01/1967 Montes Claros/MG Brasil

Leia mais

Apresentada operação de segurança para o Carnaval da Bahia 2016 Com a presença do governador Rui Costa e demais autoridades, foi apresentada, nesta

Apresentada operação de segurança para o Carnaval da Bahia 2016 Com a presença do governador Rui Costa e demais autoridades, foi apresentada, nesta Apresentada operação de segurança para o Carnaval da Bahia 2016 Com a presença do governador Rui Costa e demais autoridades, foi apresentada, nesta quarta-feira (27), no Hotel Fiesta, em Salvador, a operação

Leia mais

Rede de Defesa e Segurança

Rede de Defesa e Segurança Rede de Defesa e Segurança 1 PROGRAMA ALIANÇA PELA VIDA Objetivo: Estruturar ações integradas de prevenção, acolhimento e tratamento dos usuários e dependentes de álcool e outras drogas e seus familiares,

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa visa à implantação do Centro de Segurança Institucional CESI, mediante resolução da Corte Superior, considerando a necessidade de estruturar, organizar,

Leia mais

GESTÃO DA TRANSVERSALIDADE DAS AÇÕES SOCIAIS E POLICIAIS NOS TERRITÓRIOS DE PAZ JANEIRO / 2012

GESTÃO DA TRANSVERSALIDADE DAS AÇÕES SOCIAIS E POLICIAIS NOS TERRITÓRIOS DE PAZ JANEIRO / 2012 GESTÃO DA TRANSVERSALIDADE DAS AÇÕES SOCIAIS E POLICIAIS NOS TERRITÓRIOS DE PAZ JANEIRO / 2012 1 APRESENTAÇÃO: 1) CENTRO DE REFERÊNCIA DO RSnaPAZ 2) COMITÊ GESTOR DO TERRITÓRIO DE PAZ 3) BANCO DE DADOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO REDONDO PLANO PLURIANUAL 2014/2017 ANEXO I - PROGRAMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO REDONDO PLANO PLURIANUAL 2014/2017 ANEXO I - PROGRAMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO REDONDO PLANO PLURIANUAL 2014/2017 ANEXO I - PROGRAMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL PROGRAMA: 0070- Gestão do SUS do Município OBJETIVO: Gerir e controlar

Leia mais

DCCP - DELEGACIA DE DEFESA DO CONSUMIDOR OBJETIVO

DCCP - DELEGACIA DE DEFESA DO CONSUMIDOR OBJETIVO OBJETIVO A delegacia de defesa do consumidor é especializada e fica sob a coordenação no Departamento de crimes contra o patrimônio. Tem atribuição para os crimes cujo motriz seja a relação de consumo,

Leia mais

XXI Seminário Nacional de Segurança das IPES UFPA - 2012 Legislação e suas Contradições na Segurança das IPES

XXI Seminário Nacional de Segurança das IPES UFPA - 2012 Legislação e suas Contradições na Segurança das IPES XXI Seminário Nacional de Segurança das IPES UFPA - 2012 Legislação e suas Contradições na Segurança das IPES Armando Luís do Nascimento Universidade Federal de Pernambuco Pesquisador do Núcleo de Estudos

Leia mais

Fortus Consultoria Contábil Case Qualidade. Gestão de Resultados Solução Independente de Setor e Tamanho

Fortus Consultoria Contábil Case Qualidade. Gestão de Resultados Solução Independente de Setor e Tamanho Fortus Consultoria Contábil Case Qualidade Gestão de Resultados Solução Independente de Setor e Tamanho A Motivação da Busca de Programas de Qualidade 34 Experiência com manuais sobre qualidade em indústria

Leia mais

1 Educar para o Trânsito

1 Educar para o Trânsito PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DE MOBILIDADE URBANA E RODOVIAS - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão de Futuro: Que Santa Maria tenha em 2050 um Sistema Viário e de transporte público sustentável,

Leia mais

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO 1. Até a década de 70 não eram reconhecidos os crimes contra o patrimônio como risco a ser efetivamente protegido no transporte rodoviário de cargas,

Leia mais

Coordenação de Vigilância Sanitária de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados do Rio Grande do Sul

Coordenação de Vigilância Sanitária de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados do Rio Grande do Sul Eventos de Massa Coordenação de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados do Rio Grande do Sul Karem Gomes Modernell Porto Alegre, 14/04/2014 Eventos de Massa OBJETIVO GERAL Intensificar a

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para investir

Rio de Janeiro: o melhor lugar para investir Rio de Janeiro: o melhor lugar para investir Renato Villela Secretário de Fazenda do ERJ Agosto, 2013 Indicadores fiscais R$ Milhões DESCRIÇÃO 2008 2009 2010 2011 2012 1 Resultado Orçamentário 1.806 (893)

Leia mais

Edição nº 198/2013 Recife - PE, quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Edição nº 198/2013 Recife - PE, quarta-feira, 23 de outubro de 2013 Torna pública a abertura de inscrições para o Curso Gestão de Pessoas, destinado ao aperfeiçoamento de Servidores. TORNA PÚBLICA a abertura das inscrições para o Curso Gestão de Pessoas. O curso será destinado

Leia mais

Pedro Ivo Costa Miranda

Pedro Ivo Costa Miranda CURRICULUM VITAE Informações Pessoais Pedro Ivo Costa Miranda Nacionalidade: brasileiro Idade: 36 anos Naturalidade: Rio de Janeiro (RJ) em 11-11-1975 Filiação: Leonardo Miranda e Waldete G. Costa Miranda

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO GERENCIAMENTO DE INCIDENTES E PLANEJAMENTO DE CONTINGÊNCIA

CURSO DE EXTENSÃO GERENCIAMENTO DE INCIDENTES E PLANEJAMENTO DE CONTINGÊNCIA CURSO DE EXTENSÃO GERENCIAMENTO DE INCIDENTES E PLANEJAMENTO DE CONTINGÊNCIA Edição agosto de 2015 APRESENTAÇÃO O curso GERENCIAMENTO DE INCIDENTES E PLANEJAMENTO DE CONTINGÊNCIA aborda os aspectos conceituais

Leia mais