Publicação Semestral n o 4. Perfil e dinâmica dos pequenos negócios em territórios do Rio de Janeiro com UPP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Publicação Semestral n o 4. Perfil e dinâmica dos pequenos negócios em territórios do Rio de Janeiro com UPP"

Transcrição

1 Publicação Semestral n o 4 Perfil e dinâmica dos pequenos negócios em territórios do Rio de Janeiro com UPP

2 ESTRUTURA Apresentação - Cézar Vasquez e Carla Teixeira Perfil e dinâmica dos empreendedores em favelas pacificadas do Rio de Janeiro - Valéria Pero, Adriana Fontes e Fabrícia Guimarães Discussão mais geral: Territórios da Paz: Territórios Produtivos? - Guiseppe Cocco Formas de regulação e de desenvolvimento nas favelas cariocas - Jailson de Souza e Silva Questões temáticas: A virada do Rio de Janeiro e a inclusão dos jovens - Gustavo Morelli e Adriana Fontes Redes de inteligência empreendedora: uma proposta para estimular o empreendedorismo nas áreas das UPPs - Marcos Cavalcanti Metrópole carioca: turismo, integração e unidades pacificadoras - Mauro Osório da Silva Estudo de caso: A Economia da Rocinha e do Alemão e Efeitos UPP - Marcelo Cortes Neri

3 Perfil e dinâmica dos empreendedores em favelas pacificadas do Rio de Janeiro I. A Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) II. Características dos microempreendedores e dos microempreendimentos III. Formalização e apoio ao microempreendedor IV. Características dos mercados e potencial dos pequenos negócios

4 Perfil e dinâmica dos empreendedores em favelas pacificadas do Rio de Janeiro I. A Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS)

5 A Pesquisa Unidades de Polícia Pacificadora pesquisadas, ano de instalação e percentual de microempreendedores da amostra UPP Ano % Alemão ,9 Andaraí ,4 Babilônia e Chapéu Mangueira ,4 Batan ,1 Borel ,4 Cidade de Deus ,9 Coroa, Fallet e Fogueteiro ,3 Escondidinho e Prazeres ,0 Formiga ,2 Macacos ,6 Pavão-Pavãozinho e Cantagalo ,3 Providência ,8 Salgueiro ,5 Santa Marta ,4 São Carlos ,7 São João, Matriz e Quieto ,6 Tabajaras e Cabritos ,9 Turano ,6 Total 100 Pesquisa de campo: 6 de janeiro a 24 de maio de 2012 Amostra: questionários aplicados Amostra expandida: Universo da pesquisa: 91% trabalhadores por conta própria e 9% empregadores (mesma da PNAD/IBGE de 2012

6 Perfil e dinâmica dos empreendedores em favelas pacificadas do Rio de Janeiro I. Características dos microempreendedores e dos microempreendimentos

7 Características dos microempreendedores Entre os empregadores das favelas pesquisadas, o maior percentual é de homens (58%). As mulheres constituem 57% dos trabalhadores por conta própria. 44 Distribuição (%) dos microempreendedores segundo gênero e cor em favelas com UPP e na RMRJ Homem Mulher Branca Não branca Sexo Cor Favelas com UPP RMRJ Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012 e PNAD/IBGE, 2012

8 Características dos microempreendedores A taxa de analfabetismo em favelas com UPP é 7% e de analfabetismo funcional é 19%. A escolaridade média é de 6,8 anos ,1 0,6 6,3 5,8 Até 17 anos De 18 a 24 anos Distribuição (%) dos microempreendedores por faixa etária e nível de escolaridade em favelas com UPP e na RMRJ 80,4 80,0 De 25 a 59 anos 12,2 13,6 60 anos ou mais Ensino fundamental incompleto Ensino fundamental completo 8 6 Ensino médio incompleto Ensino médio completo 4 20 Ensino superior incompleto ou mais Faixa etária Favelas com UPP RMRJ Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012 e PNAD/IBGE, 2012 Nível de escolaridade

9 Características dos microempreendedores Chefe/ responsável Distribuição (%) dos microempreendedores por condição no domicílio e arranjo familiar em favelas com UPP e na RMRJ Cônjuge 5 12 Filho ou enteado 2 Outro Família sem criança e sem idoso Família com criança e sem idoso 9 12 Família sem criança e com idoso 4 5 Família com criança e com idoso Condição no domicílio Favelas com UPP RMRJ Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012 e PNAD/IBGE, 2012 Arranjo familiar

10 Características dos microempreendedores Distribuição (%) dos microempreendedores segundo principal motivo de abertura do negócio em favelas com UPP Estava desempregado Para aumentar a minha renda Identificou uma oportunidade de cio Preferia trabalhar como auto nomo Tinha experie ncia anterior no ramo Tinha tempo vel Estava insatisfeito no emprego Horário flexível o abriu, herdou/ganhou Outro motivo Problemas de saúde Tinha capital vel Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012

11 Características dos microempreendedores Renda média da ocupação principal por faixa de escolaridade (em R$/mês) em favelas com UPP e na RMRJ Ensino fundamental incompleto Ensino fundamental completo Ensino médio incompleto Ensino médio completo Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012 e PNAD/IBGE 2012 Ensino superior incompleto ou mais Favelas com UPP RMRJ Renda média - Favelas Renda média - RMRJ

12 Características dos microempreendedores O coeficiente de Gini para o conjunto de favelas com UPP é de 0,465 e da RMRJ é de 0,511, segundo a Pnad/IBGE de Distribuição (%) de microempreendedores pobres e extremamente pobres em favelas com UPP e na RMRJ 21 Renda média mensal (R$) dos pobres e extremamente pobres em favelas com UPP e na RMRJ % Pobres % Extremamente pobres Favelas com UPP RMRJ Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012 e PNAD/IBGE 2012 Pobres Extremamente pobres Favelas com UPP RMRJ

13 Características dos microempreendedores e dos microempreendimentos Distribuição (%) dos microempreendedores segundo atividades do empreendimento por gênero e tipo de microempreendedor em favelas com UPP Atividades Comércio atacadista e varejista Homens Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012 Mulheres Empregador Conta Própria Empregador Conta Própria Construção Civil Serviços de Alojamento e Alimentação Outros Serviços Coletivos, Sociais e Pessoais Indústria de Transformação Serviços Domésticos Transporte, Armazenagem e Comunicações Outros

14 Características dos microempreendimentos Distribuição (%) dos microempreendedores por localização do negócio em favelas com UPP Total Empregador Conta Própria No domicílio Fora do domicílio sem estabelecimento Fora do domicílio com estabelecimento Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012

15 Características dos microempreendimentos 60 Distribuição (%) dos microempreendedores cujo negócio está localizado fora do domicílio por tipo de microempreendedor em favelas com UPP Próprio, já pago ou herdado Alugado Cedido ou outra condição Comprou o Comprou o imóvel Comprou o imóvel terreno e construiu o imóvel e não fez reforma e fez reforma Outras formas Condição do local do negógio Forma de aquisição do imóvel onde se localiza o negócio Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012 Total Empregador Conta Própria

16 Características dos microempreendedores e dos microempreendimentos 1/3 dos negócios possuem até 42 meses de existência (3,5 anos). O tempo médio de funcionamento dos negócios é 10 anos Distribuição (%) dos microempreendedores segundo estágio do negócio por faixa etária e nível de escolaridade nas favelas com UPP Até 17 anos 18 a 24 anos 25 a 59 anos 60 anos ou mais Fundamental incompleto Fundamental completo 8 9 Médio incompleto Médio completo 4 5 Superior incompleto ou mais Faixa etária Mais de 42 meses de existência Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012 Nível de escolaridade Até 42 meses de existência (TEA)

17 Perfil e dinâmica dos empreendedores em favelas pacificadas do Rio de Janeiro III. Formalização e apoio ao microempreendedor

18 Formalização e apoio ao microempreendedor 70% dos microempreendedores não contribuem para a Previdência Social. Na RMRJ, 67% não contribuem, segundo a PNAD/IBGE Distribuição (%) dos microempreendedores que possuem CNPJ em favelas com UPP e RMRJ Favelas com UPP RMRJ 0 Total Empregador Conta Própria Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012 e PNAD/IBGE 2012.

19 Formalização e apoio ao microempreendedor 17% dos microempreendedores possuem algum tipo de registro. Entre os empregadores, o percentual é de 38% e entre os trabalhadores por conta própria, 14% Distribuição (%) dos microempreendedores que possuem registro por tipo de registro de negócio e por tipo de microempreendedor em favelas com UPP CNPJ Microempreendedor individual (MEI) Alguma licença ou permissão municipal ou estadual Alvará Outro Total Empregador Conta Própria Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012

20 Formalização e apoio ao microempreendedor Distribuição (%) dos microempreendedores segundo principal motivo para não formalização do negócio por tipo de microempreendedor em favelas com UPP Falta de informação Acham que não é preciso Alto custo da legalização Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012 Burocracia necessária para fazer o registro Outros Total Empregador Conta Própria Acreditam que o negócio é temporário Não ter que pagar os impostos e taxas

21 Serviços de apoio ao microempreendedor 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Distribuição (%) dos microempreendedores segundo utilização por tipos de assistências em favelas com UPP Têm ou já tiveram Nunca tiveram Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012

22 Formalização e apoio ao microempreendedor Distribuição (%) dos microempreendedores segundo tipos de assessoria que consideram úteis para a melhoria do negócio por tipo de microempreendedor em favelas com UPP Nenhuma Financeira Gestão empresarial Marketing Capacitação técnica Contabilidade Pesquisa de mercado Jurídica Logística e distribuição Tributária Outra Conta Própria Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012 Empregador

23 Acesso a TICs Distribuição (%) dos microempreendedores por posse de tecnologias de informação e comunicação e tipo de microempreendedor em favelas com UPP Possui telefone fixo no negócio Possui telefone celular sem acesso à internet Possui celular com acesso à internet Possui computador Total Empregador Conta Própria 23

24 Serviços de apoio ao microempreendedor Distribuição (%) dos microempreendedores por principais dificuldades que afetaram o desenvolvimento dos negócios no último ano por tipo de microempreendedor em favelas com UPP Não tive dificuldade Outras Diminuição dos clientes Falta de crédito Diminuição das vendas Falta de capital próprio Baixo lucro Falta de instalações adequadas Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de Conta Própria Empregador 47 52

25 Perfil e dinâmica dos empreendedores em favelas pacificadas do Rio de Janeiro IV. Características dos mercados e potencial dos pequenos negócios

26 Características dos mercados e potencial dos pequenos negócios Distribuição (%) dos microempreendedores segundo características dos clientes do empreendimento por tipo de microempreendedor em favelas com UPP Maior parte dos clientes residemaior parte dos clientes reside na comunidade fora da comunidade Pessoa física Outro tipo Local de residência dos clientes/fregueses Tipo de cliente Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012

27 Características dos mercados e potencial dos pequenos negócios Distribuição (%) dos microempreendedores segundo características dos fornecedores por tipo de microempreendedor em favelas com UPP Em bairros vizinhos No pio Na comunidade Outros À vista Cartão de crédito Outros O preço é mais baixo A qualidade é melhor Acesso (mais próximo) Outros Localização dos fornecedores de mercadorias/mp Forma de pagamento aos fornecedores Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012 Principal motivo para compra de mp/mercadoria com esse fornecedor

28 Características dos mercados e potencial dos pequenos negócios 100% 90% 80% 70% 60% Distribuição (%) dos microempreendedores segundo planos para o futuro do negócio por tipo de microempreendedor em favelas com UPP % 40% 30% 20% % 0% Total Empregador Conta Própria Aumentar o negócio Continuar o negócio no mesmo nível Mudar de atividade e continuar independente Abandonar a atividade e procurar emprego Outra Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012

29 Empregador Conta Própria Empregador Conta Própria Empregador Conta Própria Empregador Conta Própria Empregador Conta Própria Empregador Conta Própria Características dos mercados e potencial dos pequenos negócios 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Distribuição (%) dos microempreendedores segundo a avaliação do impacto da UPP sobre o negócio, por tipo de microempreendedor em favelas com UPP Impacto nas vendas e na prestação do serviço Impacto no lucro Impacto nos custos e despesas Impacto na relação com fornecedores Impacto na fiscalização Impacto na segurança Fonte: Pesquisa sobre microempreendedorismo em favelas com UPP (Sebrae/IETS) de 2012 Negativo Nenhum Positivo

30 Em síntese... 91% atuam como conta própria Tem em média 43 anos Possuem baixa escolaridade (em média 7 anos) São, em sua maioria, mulheres Nasceram no município do Rio de Janeiro Quando iniciam seus negócios, empreendem por necessidade São negócios estabelecidos (em média com 10 anos no mercado) Estão concentrados no setor de comércio e prestação de serviços Quase a totalidade dos microempreendedores não tem acesso a algum curso de capacitação Apenas 16% dos microempreendedores utilizam computador em sua atividade

31 TOTAL JOVENS 24,6 15,7 SÃO JOÃO 35,6 19,9 BATAM CIDADE DE DEUS 22,0 16,3 22,7 MACACOS 13,8 FIGURA 4. OCIOSIDADE 21,1 11,8 FORMIGA 14,7 22,9 ANDARAÍ PAVÃO PAVÃOZINHO 20,0 15,6 BOREL TURANO SALGUEIRO PROVIDÊNCIA MORRO AZUL LADEIRA DOS TABAJARAS CANTAGALO 22,5 12,3 20,5 14,6 23,2 13,8 28,0 22,0 12,4 11,3 14,7 8,1 22,4 15,0 22,1 15,1 Nas favelas com UPP, em média, 37,3% da população é jovem, proporção maior do que na RMRJ (29%, segundo a PNAD). O percentual de conta própria corresponde a 6,7% do total de jovens enquanto os empregadores representam apenas 0,1% do total Percentual que não estuda e não trabalha Percentual que não estuda, não trabalha e não procura emprego Fonte: IETS (2010/2011) Fonte: Pesquisa realizada pelo IETS, em parceria com a Firjan, em 14 comunidades nos meses de junho de 2010 e julho de 2011

32 CONSIDERAÇÕES FINAIS A análise dos microempreendimentos em favelas com UPP comparativa à RMRJ mostra diferenças, mas também semelhanças. Apesar da predominância do empreendedorismo por necessidade na abertura do negócio, as expectativas quanto ao futuro dos negócios são positivas. A maior parte não identifica problema na condução do negócio, tampouco demanda assessoria. Quando identificam algum problema, a questão do mercado sobressai e a assessoria mais citada é a financeira.

33 CONSIDERAÇÕES FINAIS O nível de formalização previdenciária é próximo à média da RMRJ, enquanto a proporção de negócios registrados é inferior. A falta de informação é principal motivo para não formalizar o negócio. O aumento da formalização só ocorrerá se as vantagens da formalização estiverem claras e se o registro permitir expansão dos mercados, dos canais de comercialização que poderiam levar ao aumento da receita e do lucro. A comercialização parece uma questão central no desempenho desses negócios. As dificuldades de comercialização estão relacionadas a falta de acesso aos canais de comercialização, mas também a baixa qualidade do produto ou serviço, sendo essencial aumentar o acesso a serviços de desenvolvimento empresarial.

34 CONSIDERAÇÕES FINAIS Atender esse público de baixa escolaridade, que não identifica problema, tem baixa informação, pouco acesso à TIC e não demandam assessoria é um grande desafio para as políticas públicas. A melhoria desses negócios em um ambiente de elevada informalidade requer uma ação combinada de diferentes atores e politicas. A atuação junto jovens, fundamental para a sustentabilidade da pacificação, deve ser voltada para setores inovadores e atrativos, como cultura e conhecimento. Por ser um processo recente, é fundamental o monitoramento dessas informações a fim de identificar possíveis efeitos da pacificação e das ações de desenvolvimento empresarial nesses territórios, ampliando assim a sua efetividade.

35 O relatório da pesquisa está disponível no site do Sebrae:

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Pesquisa sobre Empreendedorismo em Domicílios em Unidades de Polícia Pacificadora Parceria

Pesquisa sobre Empreendedorismo em Domicílios em Unidades de Polícia Pacificadora Parceria Julho 2011 Pesquisa sobre Empreendedorismo em Domicílios em Unidades de Polícia Pacificadora Parceria Empreendedores em Comunidades com UPP SEBRAE-RJ e IETS _2_ 1. Argumento As Unidades de Polícia Pacificadora

Leia mais

Pesquisa nas Favelas com Unidades de Polícia Pacificadora. da Cidade do Rio de Janeiro

Pesquisa nas Favelas com Unidades de Polícia Pacificadora. da Cidade do Rio de Janeiro Pesquisa nas Favelas com Unidades de Polícia Pacificadora da Cidade do Rio de Janeiro Dezembro de 2010 1. Argumento Ao longo dos últimos anos, um amplo espectro de políticas públicas foi implantado em

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

LAJES PINTADAS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

LAJES PINTADAS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 31/12/1958 - Distância da capital: 128 km - Área: 130 Km 2 - Localização Mesorregião: Agreste Potiguar Microrregião: Borborema Potiguar - População: 4.217 (IBGE/2007)

Leia mais

UPP - A EXPERIÊNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UPP - A EXPERIÊNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA ESTADO DO RIO DE JANEIRO UPP - A EXPERIÊNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA ESTADO DO RIO DE JANEIRO Breve Histórico... Rio de Janeiro Década de 70 - Facções criminosas Final de 70 e início de 80

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

EMPREENDEDORES DE BAIXA RENDA NO RIO DE JANEIRO CAPACIDADES E DESENVOLVIMENTO ESTUDO ESTRATÉGICO

EMPREENDEDORES DE BAIXA RENDA NO RIO DE JANEIRO CAPACIDADES E DESENVOLVIMENTO ESTUDO ESTRATÉGICO EMPREEN DE BAIXA RENDA NO RIO DE JANEIRO CAPACIDADES E DESENVOLVIMENTO ESTUDO ESTRATÉGICO SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro Rua Santa Luzia, 685 6º, 7º

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS

Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS Proposta para SEBRAE/RJ Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS Maio de 2011 Introdução As boas perspectivas de desenvolvimento para o Estado do Rio de Janeiro, com grandes

Leia mais

Pesquisa nas Favelas com Unidades de Polícia Pacificadora. da Cidade do Rio de Janeiro

Pesquisa nas Favelas com Unidades de Polícia Pacificadora. da Cidade do Rio de Janeiro Pesquisa nas Favelas com Unidades de Polícia Pacificadora da Cidade do Rio de Janeiro Fevereiro de 2011 1. Contextualização das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) As Unidades de Polícia Pacificadora

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Características dos empreendedores formais e informais do Estado de São Paulo. Novembro/03

Características dos empreendedores formais e informais do Estado de São Paulo. Novembro/03 Características dos empreendedores formais e informais do Estado de São Paulo Novembro/03 1 Objetivos: Informações sobre a Pesquisa Identificar as principais características dos empreendedores paulistas

Leia mais

Avaliação de programa governamental: o Micro Empreendedor Individual (MEI) no Estado de Rondônia.

Avaliação de programa governamental: o Micro Empreendedor Individual (MEI) no Estado de Rondônia. CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Linha temática: Tema 3: Inclusão Produtiva. Critério de Avaliação escolhido: Avaliar o acesso, a implantação e os efeitos de ações do Programa

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

Notas sobre experiências de Pacificação em favelas do Rio de Janeiro - Brasil.

Notas sobre experiências de Pacificação em favelas do Rio de Janeiro - Brasil. Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Notas sobre experiências de Pacificação em favelas do Rio de Janeiro - Brasil. Lia de Mattos Rocha Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Conceito de Plano de Negócios

Conceito de Plano de Negócios Conceito de Plano de Negócios O Plano de Negócio é um documento escrito e organizado que permite ao empreendedor analisar a viabilidade do seu projeto. 4 Conceito de Plano de Negócios Descreve o modelo

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

Favela é Cidade: Fazer Acontecer (Inclusive na Cultura)

Favela é Cidade: Fazer Acontecer (Inclusive na Cultura) ESTUDOS E PESQUISAS Nº 614 Favela é Cidade: Fazer Acontecer (Inclusive na Cultura) João Paulo dos Reis Velloso * XXVII Fórum Nacional A Hora e Vez do Brasil: (Povo Brasileiro) Diante da Nova Revolução

Leia mais

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco Estudo Estratégico n o 4 Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco PANORAMA GERAL ERJ receberá investimentos recordes da ordem

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MEI PARA O ATENDIMENTO EMPRESARIAL DO SEBRAE

A IMPORTÂNCIA DO MEI PARA O ATENDIMENTO EMPRESARIAL DO SEBRAE A IMPORTÂNCIA DO MEI PARA O ATENDIMENTO EMPRESARIAL DO SEBRAE Celso Valente Silveira Unidade de Atendimento Individual SEBRAE Nacional Cenário de Empreendedorismo no Brasil A proporção dos brasileiros

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

Rafael de Farias Costa Moreira (Sebrae)

Rafael de Farias Costa Moreira (Sebrae) Rafael de Farias Costa Moreira (Sebrae) Metodologia Entrevistas por telefone com 9.657 Microempreendedores Individuais feitas em abril de 2015. Análise da base de dados do Microempreendedor Individual

Leia mais

Mercado do Rio de Janeiro- 2011

Mercado do Rio de Janeiro- 2011 Gávea Green Residencial Parque Cidade Barra Prime Offices Torre IV Mercado do Rio de Janeiro- 2011 1 Mercado Imobiliário 2006, 2007- Rio de Janeiro 2006- Expansão do Financiamento Imobiliário. Abecip-

Leia mais

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga Inovação em seguros edição 2012 CONTEÚDO 1 Introdução... 2 2 Objetivo... 3 3 Desenvolvimento do trabalho... 4 Parceria entre as duas áreas

Leia mais

FICHA DE CADASTRO EMPRETEC. Município Data: / /

FICHA DE CADASTRO EMPRETEC. Município Data: / / FICHA DE CADASTRO EMPRETEC Município Data: / / Caro Empreendedor, Obrigado por seu interesse pelo Empretec, um dos principais programas de desenvolvimento de empreendedores no Brasil e no Mundo! As questões

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE SEGURANÇA A G E N D A

ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE SEGURANÇA A G E N D A Subsecretaria de Planejamento e Integração Operacional ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE SEGURANÇA A G E N D A UNIDADE DE POLÍCIA PACIFICADORA U.P.P. O SISTEMA DE METAS E ACOMPANHAMENTO DE RESULTADOS

Leia mais

30 de setembro de 2010. Caderno: Ladeira dos Tabajaras

30 de setembro de 2010. Caderno: Ladeira dos Tabajaras 30 de setembro de 2010 Caderno: Ladeira dos Tabajaras Pesquisa nas favelas com Unidade de Polícia Pacificadora da cidade do Rio de Janeiro _Ladeira dos Tabajaras 2010 _ 2 _ > Rio de Janeiro 30 de setembro

Leia mais

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE RIO CLARO AUTOR(ES):

Leia mais

Apresentação. Torne-se um Empreendedor Individual e traga para o seu negócio todos os benefícios da formalização. Guia do Empreendedor Individual

Apresentação. Torne-se um Empreendedor Individual e traga para o seu negócio todos os benefícios da formalização. Guia do Empreendedor Individual Apresentação Muitos brasileiros trabalham informalmente por conta própria, ou seja, não têm nenhum tipo de registro. E por isso ficam sem acesso a diversos benefícios, como a Previdência Social, cursos

Leia mais

Palestra Ana Afonso Formalização da atividade

Palestra Ana Afonso Formalização da atividade Bem-Vindos! APRESENTAÇÃO Ana Afonso organizadora profissional em São Paulo atua desde 2006 realizando serviços de organização de espaços, gestão de residências, treinamento de funcionários domésticos,

Leia mais

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 PANORAMA GERAL Os movimentos de transição da população ocupada entre as

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Censo Demográfico 2010 Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2012 As presentes publicações dão continuidade à divulgação dos resultados do Censo Demográfico 2010

Leia mais

Perspectivas & Oportunidades do Mercado Segurador frente aos Novos Consumidores. Marco Antonio Rossi Presidente

Perspectivas & Oportunidades do Mercado Segurador frente aos Novos Consumidores. Marco Antonio Rossi Presidente Perspectivas & Oportunidades do Mercado Segurador frente aos Novos Consumidores Marco Antonio Rossi Presidente AGENDA I O Universo dos Novos Consumidores 2 O Mundo do Seguros 3- Perspectivas e Oportunidades

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) é uma entidade privada, sem fins lucrativos, criada em 1972. Desvinculado da administração pública

Leia mais

RENDA, TRABALHO E EMPREENDEDORISMO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

RENDA, TRABALHO E EMPREENDEDORISMO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RENDA, TRABALHO E EMPREENDEDORISMO NOTA CONJUNTURAL Nº35 2015 NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL Nº35 2015 PANORAMA GERAL O ano de 2015 se inicia com grandes incertezas com relação à economia

Leia mais

Gráfico 1: Participação de empregadores e trabalhadores por conta própria nos ocupados por gênero - 2008 30% 30% 29% 27% 27% 23% 23% 19%

Gráfico 1: Participação de empregadores e trabalhadores por conta própria nos ocupados por gênero - 2008 30% 30% 29% 27% 27% 23% 23% 19% Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.6 Empreendedoras Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo A força de trabalho passou por profundas alterações nas

Leia mais

Carências no acesso a serviços e informalidade nas favelas cariocas Dialogando com as pesquisas recentes. Sergio Guimarães Ferreira Maína Celidonio

Carências no acesso a serviços e informalidade nas favelas cariocas Dialogando com as pesquisas recentes. Sergio Guimarães Ferreira Maína Celidonio Carências no acesso a serviços e informalidade nas favelas cariocas Dialogando com as pesquisas recentes Sergio Guimarães Ferreira Maína Celidonio Estrutura da apresentação Distribuição e crescimento populacional

Leia mais

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras 2012 2 Sumário Apresentação... 3 A Pesquisa Perfil dos Empreendedores Sul Mineiros Sexo. 4 Estado Civil.. 5 Faixa Etária.. 6 Perfil

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 O I N V E S T I M E N T O P E L A L Ó G I C A D A D E M A N D A R E N A T O M E I R E L L E S r e n a t o @ d a t a p

Leia mais

Oportunidades para o Jovem Administrador em Novos Negócios

Oportunidades para o Jovem Administrador em Novos Negócios Oportunidades para o Jovem Administrador em Novos Negócios As MPEs As micro e pequenas empresas contribuem de forma significativa para o desenvolvimento econômico de um País. No Brasil, elas representam

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais:

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais: PROJETO DA SHELL BRASIL LTDA: INICIATIVA JOVEM Apresentação O IniciativaJovem é um programa de empreendedorismo que oferece suporte e estrutura para que jovens empreendedores de 18 a 30 anos desenvolvam

Leia mais

30 de setembro de 2010

30 de setembro de 2010 30 de setembro de 2010 Pesquisa nas favelas com Unidade de Polícia Pacificadora da cidade do Rio de Janeiro _Cantagalo 2010 _ 2 _ > Rio de Janeiro 30 de setembro de 2010 Equipe: Adriana Fontes Fabricia

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Gênero e Pobreza no Brasil: contexto atual

Gênero e Pobreza no Brasil: contexto atual Gênero e Pobreza no Brasil: contexto atual Hildete Pereira de Melo Economia/UFF Projeto SPM/CEPAL Caracterização do tema Gênero: visão diferenciada dos papéis de mulheres e homens na vida econômica e social.

Leia mais

Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de trabalho

Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de trabalho RIO DE JANEIRO: TRABALHO E SOCIEDADE -Ano 1-Nº 1 JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO DO RIO DE JANEIRO* 1. Introdução DANIELLE CARUSI MACHADO** Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de

Leia mais

Considerações sobre as barreiras de acesso as microfinanças. Mauricio Blanco e Tatiana Amaral

Considerações sobre as barreiras de acesso as microfinanças. Mauricio Blanco e Tatiana Amaral Considerações sobre as barreiras de acesso as microfinanças Mauricio Blanco e Tatiana Amaral Objetivos Identificar os principais entraves ao acesso a serviços de microfinanças pela população de baixa renda;

Leia mais

Programa de Desenvolvimento do Empreendedorismo em Comunidades Pacificadas

Programa de Desenvolvimento do Empreendedorismo em Comunidades Pacificadas ESTUDOS E PESQUISAS Nº 621 Programa de Desenvolvimento do Empreendedorismo em Comunidades Pacificadas Carla Panisset * XXVII Fórum Nacional A Hora e Vez do Brasil: (Povo Brasileiro) Diante da Nova Revolução

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE CAMPO

RESULTADOS DA PESQUISA DE CAMPO CENTRO UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO EUFRÁSIO DE TOLEDO DE PRESIDENTE PRUDENTE RESULTADOS DA PESQUISA DE CAMPO BAIRRO PARQUE FURQUIM, PRESIDENTE PRUDENTE - SP Introdução/Metodologia Iniciação Científica NEPE/TOLEDO

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

TRAÇOS DO PERFIL DOS CATADORES DEMATERIAIS RECICLÁVEIS DO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA/RS 1

TRAÇOS DO PERFIL DOS CATADORES DEMATERIAIS RECICLÁVEIS DO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA/RS 1 TRAÇOS DO PERFIL DOS CATADORES DEMATERIAIS RECICLÁVEIS DO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA/RS 1 SILVA, Enedina Maria Teixeira 2, VIRGOLIN, Isadora Cadore 3, ISRAEL, Ana Lúcia Pinheiro 4, VERISSIMO, Fabiane 5, GUMA,

Leia mais

Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional no Espírito Santo

Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional no Espírito Santo GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES IJSN NOTA TÉCNICA 31 Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 26/09/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais

Relatório da Pessoa Idosa

Relatório da Pessoa Idosa Relatório da Pessoa Idosa 2012 O Relatório da Pessoa Idosa 2012, com base nos dados de 2011, se destina à divulgação dos dados de criminalidade contra a pessoa idosa (idade igual ou superior a 60 anos),

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

Sinduscon-Rio 18/06/2013

Sinduscon-Rio 18/06/2013 Sinduscon-Rio 18/06/2013 Balanço de Ações Concluídas (Tangíveis) JAN/FEV Apoio ao Desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro Empresa AgeRio: Quem somos A AgeRio Agência Estadual de Fomento é uma instituição

Leia mais

EDITAL PROJETO FPSSA APOIO Á EMPREENDIMENTOS TURISTICOS SOLIDÁRIOS DE JOVENS E MULHERES AFRODESCENDENTES DO BAIRRO DA PAZ E ENTORNOS, SALVADOR.

EDITAL PROJETO FPSSA APOIO Á EMPREENDIMENTOS TURISTICOS SOLIDÁRIOS DE JOVENS E MULHERES AFRODESCENDENTES DO BAIRRO DA PAZ E ENTORNOS, SALVADOR. EDITAL PROJETO FPSSA APOIO Á EMPREENDIMENTOS TURISTICOS SOLIDÁRIOS DE JOVENS E MULHERES AFRODESCENDENTES DO BAIRRO DA PAZ E ENTORNOS, SALVADOR. O Projeto Formação profissional e geração de renda para jovens

Leia mais

NOVA AGENDA PARA PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO EM APLs

NOVA AGENDA PARA PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO EM APLs NOVA AGENDA PARA PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO EM APLs 3ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais (APLs) Mansueto Almeida -IPEA 1. Principais desafios Vários APLs estão localizados em cidades

Leia mais

PAINEL REGIONAL RIO DE JANEIRO

PAINEL REGIONAL RIO DE JANEIRO PAINEL REGIOL N O R T E RIO DE JANEIRO PAINEL REGIOL NORTE RIO DE JANEIRO 2013 SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro Rua Santa Luzia, 685 6º, 7º e 9º andares

Leia mais

A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira. Setembro de 2014

A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira. Setembro de 2014 A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira Setembro de 2014 Lógica Econômica da Terceirização Contratos de Prestação de Serviços entre Empresas Criação de empregos no setor de serviços,

Leia mais

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como Sonho Brasileiro.(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2009 Fórum Especial INAE Luciano

Leia mais

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009 Campinas, 29 de fevereiro de 2012 AVANÇOS NO BRASIL Redução significativa da população em situação de pobreza e extrema pobreza, resultado do desenvolvimento econômico e das decisões políticas adotadas.

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014 Janeiro-2014 / Sebrae - GO Sebrae em Goiás Elaboração e Coordenação Técnica Ficha Técnica Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles

INCT Observatório das Metrópoles INCT Observatório das Metrópoles INDICADORES SOCIAIS PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS: EXPLORANDO DADOS DE 2001 A 2009 Apresentação Equipe Responsável Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Marcelo Gomes

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

Aula 2 Elementos necessários para a Avaliação Econômica

Aula 2 Elementos necessários para a Avaliação Econômica Aula 2 Elementos necessários para a Avaliação Econômica A avaliação econômica é um importante instrumento de gestão de qualquer projeto social ou política pública. Deve-se pensar o desenho da avaliação

Leia mais

Taller sobre remesas, educación financiera y microemprendimiento en Goíanía, Brasil, 26 y 27 de Noviembre 2014.

Taller sobre remesas, educación financiera y microemprendimiento en Goíanía, Brasil, 26 y 27 de Noviembre 2014. Fortalecimiento del diálogo y de la cooperación entre la Unión Europea (UE) y América Latina y el Caribe (ALC) para el establecimiento de modelos de gestión sobre migración y políticas de desarrollo www.migracion-ue-alc.eu

Leia mais

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 - INTRODUÇÃO Define-se como risco de mercado a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado de posições detidas pela Cooperativa, o que inclui os riscos das operações

Leia mais

INSTITUTO PEREIRA PASSOS IPP RIO

INSTITUTO PEREIRA PASSOS IPP RIO Localização das UPPs 12 19 18 1- Escondidinho / Prazeres 2- Fallet-Fogueteiro / Coroa 3- Providência 4- Cidade de Deus 5- Borel 6- Macacos 7- Chapéu Mangueira / Babilônia 8- Turano 9- São Carlos 10- Cantagalo

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio Patrocínio Institucional Parcerias Apoio O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam

Leia mais

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Autores: Luís Otávio Farias Clarice Melamed VI Encontro Nacional de Economia da Saúde Nova Friburgo,

Leia mais

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas.

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Rio de Janeiro, 18/09/2014 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil Fecundidade Características

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional

O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional O guia online Vitrine de Guarulhos é um dos produtos do Grupo Vitrine X3, lançado no dia 11/11/11 com o objetivo de promover

Leia mais

DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL

DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SE É DESENVOLVIMENTO É PRIORIDADE DO SEBRAE LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA REGULAMENTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA LG REGULAMENTADA LG REGULAMENTADA

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

Previdência Privada no Mercado Brasileiro. Nobody s Unpredictable

Previdência Privada no Mercado Brasileiro. Nobody s Unpredictable Previdência Privada no Mercado Brasileiro Nobody s Unpredictable Objetivos e Características 2 Objetivos e metodologia Metodologia Quantitativa, por meio de pesquisa amostral com questionário estruturado

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ 1.0 Introdução Prof. Dr. Joilson Dias Assistente Científica: Cássia Kely Favoretto Costa Departamento de Economia Universidade Estadual de Maringá

Leia mais