Gestão em Comércio Eletrônico AULA 1. estrutura do curso e conceitos fundamentais. professor Luciano Roberto Rocha.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão em Comércio Eletrônico AULA 1. estrutura do curso e conceitos fundamentais. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com."

Transcrição

1 Gestão em Comércio Eletrônico AULA 1 estrutura do curso e conceitos fundamentais professor Luciano Roberto Rocha 1

2 Conteúdo programático Conceitos Evolução da comunicação entre computadores; Internet e comércio eletrônico - Aspectos; Segmentos de negócios na Internet: B2B, B2C,C2B e C2C; Empresas reais X Empresas virtuais; Categorias de negócios eletrônicos; Gestão de Negócios Eletrônicos Planejar as principais etapas da criação de um site de comércio eletrônico; Sistemas de segurança e criptografia para comércio eletrônico. Utilização de certificados digitais; Marketing Eletrônico Planejamento e acompanhamento de ações de marketing digital. Otimização de mecanismos de busca Marketing digital em redes sociais e-recommender: Mapeamento de perfil de consumo de usuários 2

3 Conteúdo programático Especialista em Desenvolvimento Web (UEM) Mestre em Tecnologia Educacional (UFPR) Doutorando em Educação - TICs (UFPR) Diretor do departamento de desenvolvimento Web da Secretaria de Educação Castro Consultor em TI da União Nacional dos Dirigentes em Educação - UNDIME (Brasília) Sócio-diretor CONSTAT educacional Instrutor Certificado Adobe System Incorporated (ACE/ACI) 3

4 Competências e habilidades Desenvolver a capacidade de analisar e avaliar as diversas técnicas de comércio eletrônico; Possibilitar a capacidade de implementação dos conceitos aplicáveis a mercados eletrônicos em qualquer área de atuação; Propiciar o desenvolvimento prático de um modelo de gestão organizacional para mercados eletrônicos; Incentivar o interesse pela pesquisa em informática em especial ao aperfeiçoamento das técnicas voltadas ao comércio eletrônico; Tornar o profissional apto à gestão e implementação de sistemas comerciais e/ou negócios na plataforma web. 4

5 Procedimentos didáticos Exposição/Debate/Diálogo sobre conteúdo proposto no plano de curso. Realização de exercícios práticos com o auxílio do laboratório de informática para aplicação e utilização das diversas técnicas de comércio eletrônico e e- business. Desenvolvimento de dinâmicas em grupos e estudo de casos pertinentes à disciplina. 5

6 Referencial teórico BIBLIOGRAFIA BÁSICA: ALBERTIN, Alberto L. Comércio Eletrônico: modelo, aspectos e contribuições de suas aplicações. São Paulo: Atlas, SEYBOLD, Patricia B. Clientes.com : como criar uma estratégia empresarial para a Internet que proporcione lucros reais KALAKOTA, Ravi. e-bussiness: Estratégia para alcançar o sucesso no mundo digital. Porto Alegre: Bookman, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: FLEURY, André L, Dinâmicas Organizacionais em Mercados Eletrônicos. São Paulo: Atlas, REEDY, Joel. Marketing Eletrônico: A Interação de recursos eletrônicos ao processo de marketing. Porto Alegre: Bookman, MATTE, Mauricio de S, Internet Comércio Eletrônico: Aplicabilidade do Código de Defesa do Consumidor nos Contratos de e-commerce

7 Comércio Eletrônico EVOLUÇÃO DA COMUNICAÇÃO ENTRE COMPUTADORES 7

8 Eventos relevantes primeiros experimentos: I/O ainda feita com cartões perfurados; American Airlines: forneceu terminal de reserva de passagens entre agências (Sabre); 1978 Surgimento das BBSs (Bulletin Board System) 1989 Criação do HTML, HTTP e URL por Tim Berners-Lee; 1993 Criação do Browser MOSAIC que serviu de base para a grande maioria dos navegadores conhecidos atualmente; 1995 Regulamentação para a exploração comercial da Internet e surgimento das primeiras lojas virtuais; 8

9 Eventos relevantes A principal finalidade da comunicação entre computadores é transferir informações entre dois locais de processamento, agilizando o processo de tomada de decisões em cada local envolvido. (EDI Electronic Data Interchange) 9

10 Evolução da EDI Ano Evento Processamento de tarefas Transferência de informações dentro da empresa Transferência de informações entre empresas Antes de Difusão na utilização do computador pessoal 1990 Difusão na utilização da arquitetura cliente servidor 1995 Difusão na utilização da Internet Manual Manual Manual Eletrônico Manual Manual Eletrônico Eletrônica Manual Eletrônico Eletrônica Eletrônica 10

11 Comércio Eletrônico INTERNET E COMÉRCIO ELETRÔNICO ASPECTOS 11

12 Internet e Comércio Eletrônico e-commerce e-business 12

13 Internet e Comércio Eletrônico e-commerce o conjunto de atividades comerciais que utilizam qualquer meio eletrônico. e-business é um negócio eletrônico, uma negociação feita pela Internet mas que não envolve necessariamente uma transação comercial. Um tem em seu trabalho a atividade de vendas e o outro não. 13

14 Comércio Eletrônico PESQUISA SOBRE O MERCADO DA INTERNET 14

15 O mercado da Internet PAÍSES COM MAIOR NÚMERO DE INTERNAUTAS 01 China 291,5 milhões 02 Estados Unidos 180,9 milhões 03 Japão 73 milhões 04 Alemanha 49,3 milhões 05 Rússia 46,1 milhões 06 França 41,9 milhões 07 Índia 41,5 milhões 08 Brasil 40 milhões 09 Reino Unido 38,6 milhões 10 Coreia do Sul 30,2 milhões 15

16 O perfil do Internauta brasileiro Fonte: OJornalista.com Brasil Set/

17 O perfil do Internauta brasileiro Fonte: OJornalista.com Brasil jan/

18 O perfil do Internauta brasileiro Fonte: OJornalista.com Brasil nov/

19 O perfil do Internauta brasileiro Fonte: OJornalista.com Brasil jan/

20 Ranking das Redes Sociais no Brasil o Facebook triplicou sua audiência em 2011 e tomou a liderança do Orkut. 41,2% dos usuários do Facebook tem mais de 35 anos (71,8% tem mais de 25 anos). O Google+ já ocupa a 6ª posição no ranking nacional. A rede social que mais cresceu no período foi o Vostu especializada em jogos on-line O Tumblr avançou bastante também quem disse que os blogs morreram? O Twitter Cresceu 40% no ano O Windows Live Profile (MSN) não está conseguindo acompanhar o ritmo dessas redes. Fonte: ComScore Brasil Jan/

21 Comércio Eletrônico PESQUISA SOBRE O CONSUMIDOR ON-LINE 21

22 Produtos mais vendidos no Brasil Produto 2012 Livros e Revistas 21% Produtos de Informática 12% Saúde e Beleza 9% Eletrônicos 7% Eletrodomésticos 6% Pesquisa ebit 22

23 Perfil do consumidor Renda Familiar Quantidade de Transações: de 5001 a mais de Prefiro não dizer 19 Menos de de 3001 a de 1000 a

24 Perfil do consumidor IDADE QUANTIDADE DE TRANSAÇÕES: de 18 a Mais de 65 1 Não respondeu 2 de 50 a de 25 a de 35 a

25 Perfil do consumidor ESCOLARIDADE QUANTIDADE DE TRANSAÇÕES: Pós-Graduação 20 Não Ensino respondeu Fundamental 5 2 Ensino Médio 14 Superior Completo 35 Superior Incompleto 24 25

26 Perfil do consumidor ESCOLARIDADE QUANTIDADE DE TRANSAÇÕES: Pós-Graduação 20 Não Ensino respondeu Fundamental 5 2 Ensino Médio 14 Superior Completo 35 Superior Incompleto 24 26

27 Perfil do consumidor SEXO QUANTIDADE DE TRANSAÇÕES: Feminino 25% Masculino 75% 27

28 COMÉRCIO ELETRÔNICO TENDÊNCIAS NO CONSUMO ON-LINE 28

29 TENDÊNCIAS NO CONSUMO ON-LINE DADOS DEMOGRÁFICOS DOS COMPRADORES BRASIL USA MUNDO Média de idade Renda Anual Média (US$) Sexo - % Masculino 75% 40% 67% % Feminino 25% 60% 33% Estado Civil - casados 40% 59% 46% Curso Superior Completo 67% 35% 47% 29

30 TENDÊNCIAS NO CONSUMO ON-LINE EFEITO DAS COMPRAS ON-LINE SOBRE AS COMPRAS TRADICIONAIS BRASIL USA MUNDO Compra mais nas lojas 65% 57% 54% Compra menos nas lojas 7% 4% 7% Fez compras on-line que teriam sido feitas em lojas tradicionais 50% 59% 56% 30

31 TENDÊNCIAS NO CONSUMO ON-LINE PREVISÃO DE COMPRAS ON-LINE Para os próximos 12 meses BRASIL USA MUNDO % de compradores que pretendem comprar 98% 98% 97% % de NÃO compradores que pretendem comprar 80% 57% 64% 31

32 COMÉRCIO ELETRÔNICO SEGMENTOS DE NEGÓCIOS NA INTERNET 32

33 SEGMENTOS DE NEGÓCIOS NA INTERNET Mercado corporativo Mercado final Empresa A B2C C2B Cliente consumidor B2B C2C Empresa B C2B B2C Cliente Consumidor 33

34 BUSINESS TO BUSINESS (B2B) Empresa A B2B Empresa B É composto por empresas que utilizam a Internet como ambiente transacional; Envolve os portais verticais que buscam atrair para um mesmo local todos os participantes de uma cadeia produtiva; Realizam por exemplo leilões reversos (apresenta uma demanda ao mercado e aguarda ofertas de possíveis fornecedores); Ex.: Petrobras, Banco do Brasil, IBM, Sabesp, GM, Dell; 34

35 BUSINESS TO CONSUMER (B2C) Empresa A B2C Cliente consumidor Envolvem interações entre uma corporação e um indivíduo ou grupo de indivíduos; Compõe esse segmento os sites que comercializam produtos em pequena quantidade (varejo); É o segmento comercial mais dinâmico da Internet e que apresenta maior número de informações e maior concorrência Ex.: amazon.com, americanas.com.br, kalunga.com.br submarino.com.br; 35

36 CONSUMER TO BUSINESS (C2B) Cliente consumidor C2B Empresa A É composto pelos sites que disponibilizam informações provenientes de pessoas físicas, destinadas às pessoas jurídicas; Compõe esse segmento as bolsas de empregos, nas quais pessoas interessadas em conseguir uma ocupação no mercado disponibilizam suas informações para empresas interessadas em contratá-las; Outro exemplo de transação C2B ocorre quando indivíduos (compradores) definem o preço e todas as suas preferências relacionadas à intenção de consumo e, após a publicação destas informações, vendedores competem e jogam com suas margens de lucro para conquistar a venda. Ex.: catho.com.br, manager.com.br, jobline.com.br, priceline.com, valeu.com.br; 36

37 CONSUMER TO CONSUMER (C2C) Cliente consumidor C2C Cliente consumidor Envolve sites que intermedeiam transações entre duas pessoas físicas; Esse é o tipo de transação em que um indivíduo negocia bens com outros indivíduos. A plataforma típica para a realização desse tipo de transação é o leilão virtual; Nesse segmento qualquer pessoa interessada em negociar um bem pode disponibilizar informações sobre o mesmo, incluindo um preço inicial para os possíveis interessados, que deverão dar lances para adquiri-los; Ex.: ebay.com, mercadolibre.com, ibazar.com, mercadolivre.com.br, lancefinal.com.br; 37

38 COMÉRCIO ELETRÔNICO EMPRESAS REAIS X EMPRESAS VIRTUAIS 38

39 EMPRESAS REAIS X EMPRESAS VIRTUAIS Essa classificação divide as empresas de acordo com seu histórico: Empresas que surgiram e atuam somente na Internet são consideradas empresas virtuais; Empresas que atuam no mercado tradicional encontramse expandindo sua atuação para a Internet são consideradas empresas reais; 39

40 EMPRESAS REAIS X EMPRESAS VIRTUAIS Com o passar dos anos e o aumento exponencial da utilização da Internet por empresas e indivíduos essa classificação se tornará cada vez mais confusa; Muitas empresas puramente virtuais possuem operações consideradas tradicionais no mundo real e empresas consideradas conservadoras no mundo real lançam-se no mercado eletrônico mais agressivamente que suas concorrentes virtuais. 40

41 EMPRESAS REAIS X EMPRESAS VIRTUAIS TECNOLOGIA DE RUPTURA Possíveis conseqüências Canibalizar os negócios da empresa tradicional Subverter um modelo tradicional de negócios Causar desconforto na ordem estabelecida Dificultar a gestão de uma grande corporação ou de um setor inteiro 41

42 EMPRESAS REAIS X EMPRESAS VIRTUAIS TECNOLOGIA DE RUPTURA Vantagens Conveniência Baixo custo de expansão Distribuição mais barata de serviços e produtos. 42

43 MODELOS varejo shopping corretor divulgação assinante híbrido locadora 43

44 COMÉRCIO ELETRÔNICO CATEGORIAS DE NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 44

45 CATEGORIAS DE NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Classificação dos sites que visam lucro segundo CLARK(1998) Modelo varejo Modelo shopping Modelo corretor Modelo divulgação Modelo assinante Modelo híbrido Modelo locadora 45

46 CATEGORIAS DE NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Modelo varejo Vitrine eletrônica; Venda de produtos diretamente ao consumidor; Inclui a maioria das lojas virtuais; Vantagem: Sites simples e de baixo custo de criação e manutenção; Desvantagem: Segmento de alta concorrência. Ex.: amazon.com, submarino.com.br, Saraiva 46

47 CATEGORIAS DE NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Modelo shopping cria-se um lugar na Internet e cobra-se de varejistas para vender seus produtos; deve-se criar um mix atraente de lojas e promover eficazmente o shopping Vantagem: é um ambiente onde o consumidor pode realizar todas as suas transações (one stop shopping); Desvantagem: Os investimentos em divulgação e publicidade devem ser expressivos. Ex.: virtuastore.com.br e visaeurope.com 47

48 CATEGORIAS DE NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Modelo corretor visa atrair fornecedores e consumidores para um mesmo ambiente; realiza transações entre as partes e cobra um percentual a título de serviços prestados; Vantagem: Custos transacionais reduzidos; Desvantagem: Falta de personalização e aumento significativo da concorrência. Ex.: e-bay.com, mercadolivre.com.br e catho.com.br 48

49 CATEGORIAS DE NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Modelo divulgação procura oferecer produtos e serviços gratuitos aos clientes; cobram de anunciantes que desejam expor suas marcas; Vantagem: Atrai grande número de usuário; Desvantagem: a maioria dos recursos disponíveis para publicidade eletrônica encontram-se concentrados em apenas alguns sites bemsucedidos; Ex.: google.com.br, ig.com.br e elefante.com.br 49

50 CATEGORIAS DE NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Modelo assinante cobra acesso às informações contidas no site; Vantagem: Oferece informações personalizadas e para um público-alvo seletivo, sendo interessante apenas para as organizações que possuem informações com alto valor agregado; Desvantagem: reduz o número de visitantes diminuindo os investimentos em publicidade Ex.: (The Wall Street Journal); 50

51 CATEGORIAS DE NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Modelo híbrido divulgação + assinante; apresenta uma seleção gratuita de matérias e cobra por conteúdos especiais; Vantagem: atrai os dois tipos de visitantes; Desvantagem: dificuldade em reunir, disponibilizar e gerenciar uma ampla variedade de informações de qualidade em diversas áreas; Ex.: UOL, globo.com e terra.com.br 51

52 CATEGORIAS DE NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Modelo locadora cobra pequenas quantias pelo uso de materiais ou serviços disponíveis no site; programas remotos: o cliente utiliza o sistema hospedado no site; Vantagem: ainda é pouco difundido mas apresenta um potencial de crescimento comercial significativo; Desvantagem: os valores das transações envolvidas geralmente apresentam valores baixos. Ex.: Google Apps, mapalink, Netflix e Netmovies 52

53 COMÉRCIO ELETRÔNICO MERCADO ELETRÔNICO 53

54 MERCADO ELETRÔNICO A Internet apresenta-se como um ambiente transacional novo, pouco explorado e bastante favorável ao surgimento de inovações. 54

55 REGULAMENTAÇÃO DA INTERNET INFRA-ESTRUTURA ASPECTOS FISCAIS CRIMES VIRTUAIS 55

56 REGULAMENTAÇÃO DA INTERNET INFRA-ESTRUTURA NO BRASIL ICANN Internet Society ANATEL CG FAPESP 56

57 REGULAMENTAÇÃO DA INTERNET INFRA-ESTRUTURA No Brasil Desde 1995 Comitê Gestor da Internet Brasil (CG) Comitê de voluntários renovado a cada 2 anos Designado pelo Governo Federal Atribuições do CG: Gestão e administração de nomes de domínios e números IP Gestão do tráfego Internet Segurança operacional da rede Representação da Internet brasileira junto aos organismos internacionais de gestão e operação da Internet (ICANN) 57

58 REGULAMENTAÇÃO DA INTERNET COMÉRCIO ELETRÔNICO O documento básico e fundamental para a regulamentação da Internet no campo do comércio eletrônico, em todo o mundo, no qual todos os países devem se fundamentar ao regulamentar a Internet, é a "Lei modelo da UNCITRAL para o comércio eletrônico produzido em United Nations Commission on International Trade Law Comisissão das Nações Unidas para o direito mercantil internacional 58

59 REGULAMENTAÇÃO DA INTERNET ASPECTOS FISCAIS SOBRE AS TRANSAÇÕES REALIZADAS Nesse caso, a maioria das transações obedece às mesmas leis que regem o mercado tradicional; Considera-se a Internet como mais um canal de comercialização; Impostos e taxas de importação e exportação seguem as mesmas regras do mercado tradicional; 59

60 REGULAMENTAÇÃO DA INTERNET CRIMES VIRTUAIS Os órgãos responsáveis são os mesmos que atuam nos mercados tradicionais; - Principais crimes: Invasão de servidores; furto de listas de cartões de crédito; vazamento de informações confidenciais; exploração de pedofilia; phishing; engenharia social; 60

61 REGULAMENTAÇÃO DA INTERNET CRIMES VIRTUAIS Princípios: Garantir a concorrência leal entre seus participantes; proteger a propriedade intelectual; garantir a privacidade de seus usuários. 61

62 COMÉRCIO ELETRÔNICO INTELIGÊNCIA EM NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 62

63 INTELIGÊNCIA EM NEGÓCIOS ELETRÔNICOS FASES 1 Ser diferenciado 2 Ser disponível 3 Ser produtivo 4 Ser inteligente

64 INTELIGÊNCIA EM NEGÓCIOS ELETRÔNICOS USOS DA INTERNET LAZER 68% NEGÓCIOS 14% PESQUISA 11% COMUNICAÇÃO 7%

65 INTELIGÊNCIA EM NEGÓCIOS ELETRÔNICOS LAZER Música Filmes Jogos Sites diversos Problemas: Modificações comportamentais e culturais Isolamento Doenças pelo mau uso do computador

66 INTELIGÊNCIA EM NEGÓCIOS ELETRÔNICOS NEGÓCIOS e-business: Diferentes áreas de atuação por segmento econômico e-auction - leilão eletrônico - e-banking - acesso aos serviços bancários via Internet e-commerce: e-directories: e-gambling: cassinos eletrônicos - e-learning: ensino à distância e-trade: informações das bolsas e-drugs: comércio de medicamentos via Internet - (Farmácia em Casa) e-saúde:

67 INTELIGÊNCIA EM NEGÓCIOS ELETRÔNICOS NEGÓCIOS - Desafios Grupo de tendência Clientes Fatores críticos Velocidade Comodidade Segurança Tecnologia aplicada Alteração de sistemas legados Integração multimídia Integração multicanais

68 INTELIGÊNCIA EM NEGÓCIOS ELETRÔNICOS NEGÓCIOS - Desafios Grupo de tendência Fatores críticos processos serviços Integração customização facilidade de uso flexibilidade empresas concentrar foco de atuação nas áreas afins terceirização das áreas meios transparência e visibilidade manutenção e satisfação do cliente

69 INTELIGÊNCIA EM NEGÓCIOS ELETRÔNICOS NEGÓCIOS - Desafios Em relação aos Clientes Incorporar: o poder de compra do usuário; o grau de instrução do usuário; o custo transacional e de conexão a Internet. Clientes identificados clientes já ativos (consumo, compras, consultas etc) No e-business todo tratamento com o cliente deve ser direto e pessoal.

70 INTELIGÊNCIA EM NEGÓCIOS ELETRÔNICOS NEGÓCIOS - Desafios Canais de comunicação é necessário estabelecer canais de comunicação com os clientes; envolver áreas de marketing e sistemas de informação; usar ferramentas (entrevistas, questionários e observação) - sigilo criar canais que possibilitem ao cliente localizar e comunicar-se com a empresa de forma voluntária. Estratégias de marketing a) produto e cliente - cliente determina o produto b) praça e comodidade - pontos de venda - montagem de links c) promoção e comunicação

FACULDADE UNIÃO COMÉRCIO ELETRÔNICO PROFESSOR LUCIANO ROCHA

FACULDADE UNIÃO COMÉRCIO ELETRÔNICO PROFESSOR LUCIANO ROCHA 1 Conteúdo Evolução da Comunicação Entre Computadores... 2 Evolução do Processamento e Transferência Eletrônica de Informações... 2 INTERNET E COMÉRCIO ELETRÔNICO ASPECTOS... 3 PESQUISAS SOBRE O MERCADO

Leia mais

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Marketing direto e mediação eletrônica Como a internet criou novos meios de intermediação entre as pessoas e as organizações? O que é marketing direto?

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

Sistemas para internet e software livre

Sistemas para internet e software livre Sistemas para internet e software livre Aula 3 - Modelos de Negócios na Web Image: FreeDigitalPhotos.net Modelo de negócios Definição clássica "É um método de fazer negócios por meio do qual uma empresa

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

Fundamentos do Comércio Eletrônico

Fundamentos do Comércio Eletrônico Administração e Finanças Uniban Notas de Aula Comércio (e-commerce) Prof. Amorim Fundamentos do Comércio Comércio Mais do que a mera compra e venda de produtos on-line. Engloba o processo on-line inteiro:

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS. Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho

AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS. Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho Adm. Paulo Adriano da S. Carvalho Formado em Administração; MBA em Gestão Empresarial; Formado em Ciências da Computação;

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Comércio Eletrônico Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik

Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik Mestre em Design (UFPR). MBA e pós-graduação em Marketing (UFPR). Pós-graduada em Web Design (PUCPR). Graduação em Desenho Industrial (UFPR). Técnico

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce?

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce? E-Commerce O que é e-commerce? Comércio electrónico ou e-commerce é um conceito aplicável a qualquer tipo de negócio ou transação comercial que implique a transferência de informação através da Internet.

Leia mais

Utilização do comércio eletrônico como elemento facilitador da sociedade

Utilização do comércio eletrônico como elemento facilitador da sociedade Utilização do comércio eletrônico como elemento facilitador da sociedade Prof. Esp. Lângesson Lopes da Silva. Professor da Faculdade José Augusto Vieira. e-mail: prof_langesson@yahoo.com.br Cleide Ane

Leia mais

E-COMMERCE: DIFERENCIAL NO MERCADO

E-COMMERCE: DIFERENCIAL NO MERCADO E-COMMERCE: DIFERENCIAL NO MERCADO Antonio Donizete Lemes (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) e-mail: lemesad@ig.com.br Desireé de Castro Perecin (Discente do 4º ano do curso de Administração

Leia mais

NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL. Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares

NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL. Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares MODELOS DE NEGÓCIOS DIGITAIS Tópicos: ü e- business ü e- commerce ü e- procurement ü e-

Leia mais

Vendas Coletivas e publicidade nas indústrias criativas. Laura Fragomeni

Vendas Coletivas e publicidade nas indústrias criativas. Laura Fragomeni Vendas Coletivas e publicidade nas indústrias criativas Laura Fragomeni Agenda Crescimento do E-commerce Modelos de negócio Breve histórico das Vendas Coletivas Vendas Coletivas e o Marketplace Novas Tendências

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

e-commerce Deyglom Moreira Franz Magpantay Ricardo Perez

e-commerce Deyglom Moreira Franz Magpantay Ricardo Perez e-commerce Deyglom Moreira Franz Magpantay Ricardo Perez "As projeções de crescimento do e- commerce para 2010 são grandes, atingindo em 2009 a marca de R$ 10,5 bilhões no Brasil." Fonte: ReadWriteWeb

Leia mais

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2 MBA Gestão de TI Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com 2 3 Um otimista vê uma oportunidade em cada calamidade; um pessimista vê uma calamidade em

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Governo Eletrônico. Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas. Leandro Carioni

Governo Eletrônico. Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas. Leandro Carioni Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas Governo Eletrônico Capítulos 1, 2 e 3 do Livro Verde Leandro Carioni Cenário Futuro E-business E-Group E-Commerce E-Government

Leia mais

Ambientes de Mercado

Ambientes de Mercado INFORMAÇÃO O sucesso ou fracasso organizacional muitas vezes pode depender de se saber de qual deles precisamos, com o qual deles contamos e o que podemos ou não fazer com cada um deles PLANO DE AÇÃO Fornecedores

Leia mais

Comércio Eletrônico em Números

Comércio Eletrônico em Números Comércio Eletrônico em Números Evolução do E-commerce no Brasil 23 milhões é um grande número. 78 milhões 23 milhões Enorme potencial de crescimento no Brasil Mas fica pequeno se comprarmos com o número

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 13 E-commerce Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative Commons 15 de Outubro

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

Ádrian da Silva Barbosa Raimunda Mônica Oliveira Correia Rosiney Costa Bezerra Silvia Leticia Tavares Suelen Castillo Coelho EMPREENDEDORISMO

Ádrian da Silva Barbosa Raimunda Mônica Oliveira Correia Rosiney Costa Bezerra Silvia Leticia Tavares Suelen Castillo Coelho EMPREENDEDORISMO Ádrian da Silva Barbosa Raimunda Mônica Oliveira Correia Rosiney Costa Bezerra Silvia Leticia Tavares Suelen Castillo Coelho EMPREENDEDORISMO MACAPÁ-AP, 04/09/13 Ádrian da Silva Barbosa Raimunda Mônica

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

VIVIANE DE AQUINO CORREIA A INTERNET E O COMÉRCIO ELETRÔNICO: ANÁLISE ESTRUTRAL E EVOLUÇÃO

VIVIANE DE AQUINO CORREIA A INTERNET E O COMÉRCIO ELETRÔNICO: ANÁLISE ESTRUTRAL E EVOLUÇÃO VIVIANE DE AQUINO CORREIA A INTERNET E O COMÉRCIO ELETRÔNICO: ANÁLISE ESTRUTRAL E EVOLUÇÃO SALVADOR 2004 VIVIANE DE AQUINO CORREIA A INTERNET E O COMÉRCIO ELETRÔNICO-ANÁLISE ESTRUTRAL E EVOLUÇÃO Versão

Leia mais

Estratégias de Marketing Digital

Estratégias de Marketing Digital Estratégias de Marketing Digital @SandraTurchi www.sandraturchi.com.br E-commerce no Mundo Movimentou US$ 1 trilhão em 2012 Tíquete médio US$ 73 Brasil será o 4º país até 2015 (atrás de China, EUA e Japão).

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E ELETRÔNICOS Capítulo 4 A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 4.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? O que é comércio eletrônico?

Leia mais

Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce

Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce 3.1 Fundamentos do Comércio Eletrônico Introdução O comércio eletrônico é mais do que a mera compra e venda de produtos online. Em lugar disso, ele engloba o processo

Leia mais

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda The global language of business O que é ecommerce? Da perspectiva de processo de negócio,

Leia mais

e-commerce Deyglom Moreira Franz Magpantay Ricardo Perez

e-commerce Deyglom Moreira Franz Magpantay Ricardo Perez e-commerce Deyglom Moreira Franz Magpantay Ricardo Perez "As projeções de crescimento do e- commerce para 2010 são grandes, atingindo em 2009 a marca de R$ 10,5 bilhões no Brasil." Fonte: ReadWriteWeb

Leia mais

Comércio Eletrônico E-commerce

Comércio Eletrônico E-commerce Comércio Eletrônico E-commerce Introdução Para atingir 50 milhões de pessoas: O rádio levou 38 anos; A TV aberta 16 anos; A TV a cabo 10 anos e A Web apenas 5 anos. 1 Origens do E-Commerce Transferência

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 1 OBJETIVOS 1. Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? 2. O que é comércio eletrônico?? Como esse tipo de comércio

Leia mais

e-business (Negócio Eletrônico): Conceitos e Estratégia

e-business (Negócio Eletrônico): Conceitos e Estratégia e-business (Negócio Eletrônico): Conceitos e Estratégia DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos DAS Departamento de Automação e Sistemas UFSC Universidade Federal de Santa Catarina SUMÁRIO Conceitos

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL MARCOS MENDES. MBA em Tecnologia da Informação e da Comunicação na Educação (PUC-RS). Docente das Faculdades IESAP e CEAP. Professor das disciplinas Computação Gráfica,

Leia mais

Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET. Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline

Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET. Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline OPORTUNIDADES Divulgar, vender e lucrar na internet O QUE SIGNIFICA TER UM COMÉRCIO ELETRÔNICO? VANTAGENS DO

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE AULA 1. estrutura do curso e conceitos fundamentais. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ENGENHARIA DE SOFTWARE AULA 1. estrutura do curso e conceitos fundamentais. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ENGENHARIA DE SOFTWARE AULA 1 estrutura do curso e conceitos fundamentais professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com Sobre o docente Especialista em Desenvolvimento Web (UEM) Mestre em Tecnologia Educacional

Leia mais

Comércio Eletrônico AULA 06. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis

Comércio Eletrônico AULA 06. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis Comércio Eletrônico AULA 06 Professora Ms Karen Reis 2011 Sistemas para Internet 1 APRESENTAÇÃO ESTUDOS DE ESTUDOS DE CASOS B2B B2C B2G G2C G2G C2C 2 Os emarketplaces podem ser classificados em verticais

Leia mais

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC sua empresa na Internet A criação de um site é uma regra geral para empresas que querem sobreviver em um mercado cada vez mais agressivo e um mundo globalizado,

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS. Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011

COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS. Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011 COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011 UM BANHO DE LOJA NOS SITES DA GAP Problema: Concorrência pesada, site difícil de usar (excesso

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico. Manuel Matos

Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico. Manuel Matos Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico Manuel Matos Camara-e.net Pressupostos Visão A Economia Digital será a base do desenvolvimento sustentável e a principal fonte de geração de riqueza das nações

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

VISÃO GERAL DO CAPÍTULO

VISÃO GERAL DO CAPÍTULO CAPÍTULO 8.I Sistemas de e-commerce VISÃO GERAL DO CAPÍTULO O propósito deste capítulo é descrever e apresentar os componentes básicos do processo de sistemas de e-commerce, e explicar importantes tendências,

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 04: Mecanismos

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 04: Mecanismos OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 04: Mecanismos Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Mercados eletrônicos Os mercados facilitam a troca de: Informações Bens Serviços Pagamentos

Leia mais

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Definição Toda atividade de compra e venda realizada com recursos eletrônicos; Uso de mecanismos eletrônicos para a

Leia mais

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja.

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja. Com a consolidação do comércio eletrônico no Brasil e mundo, fica cada vez mais claro e a necessidade de estar participando, e mais a oportunidade de poder aumentar suas vendas. Mas é claro que para entrar

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

Sistemas. ções Gerenciais

Sistemas. ções Gerenciais Sistemas Como elaborar seu currículo? de Informaçõ 04/2006 ções Gerenciais Um currículo bem feito não garante sua contratação mas um currículo mal elaborado elimina-o do processo seletivo. Novas Tecnologias...

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Gerenciamento de Comércio Eletrônico e Marketing Digital em Salvador

Gerenciamento de Comércio Eletrônico e Marketing Digital em Salvador ECOMMERCE SCHOOL Fundada em junho de 2007, com o objetivo de ser um centro voltado para o desenvolvimento de profissionais de Internet, reunindo parcerias com escolas de excelência e importantes centros

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão I

Sistemas Integrados de Gestão I Sistema Binário Faculdades Integradas Campos Salles Sistemas Integrados de Gestão I Aula - 9 Comércio Eletrônico (E-commerce) Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 O que a Web mudou na vida das

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 7 Desafios para a Administração Comercio eletrônico e negócios eletrônicos

Leia mais

www.portaldoaluno.info GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton

www.portaldoaluno.info GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton 1 BASES TECNOLÓGICAS Direcionadores do uso de tecnologia da informação. Uso de Tecnologia da Informação nas organizações. Benefícios do uso de Tecnologia de

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

Prezado Futuro Cliente

Prezado Futuro Cliente Prezado Futuro Cliente É com grade satisfação que encaminhamos nossa apresentação institucional e certos de estabelecermos uma parceria de sucesso e duradoura. Ela foi desenvolvida com objetivo de mostrar

Leia mais

Site Empresarial Uma oportunidade de negócios na Internet. jairolm@sebraesp.com.br

Site Empresarial Uma oportunidade de negócios na Internet. jairolm@sebraesp.com.br Site Empresarial Uma oportunidade de negócios na Internet jairolm@sebraesp.com.br O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio Consultorias SEBRAE Mais Programas setoriais Palestras Trilha de aprendizagem

Leia mais

Comércio na internet: muito mais que e-commerce

Comércio na internet: muito mais que e-commerce Comércio na internet: muito mais que e-commerce Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência

Leia mais

28/08/2015. e-business. Reflita...

28/08/2015. e-business. Reflita... e-business Reflita... 1 Você topa um desafio? Desafio A Universidade dos Negócios é uma empresa jovem na área de Cursos e Treinamentos, consultoria empresarial e palestras. Ela agrega, através de agenciamento,

Leia mais

Unidade I TÓPICOS ESPECIAIS DE. Prof. Flavio Martin

Unidade I TÓPICOS ESPECIAIS DE. Prof. Flavio Martin Unidade I TÓPICOS ESPECIAIS DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Flavio Martin Objetivos Esta disciplina aborda o tema do e- commerce: Ambiente de negócios eletrônicos Comércio eletrônico Estratégia de marketing na

Leia mais

Índice. 03 A Empresa. 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente

Índice. 03 A Empresa. 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente MÍDIA KIT 2014 Índice 03 A Empresa 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente A empresa Fundada em 2007, a empresa possui uma grade anual com diversos

Leia mais

INTERATIVIDADE E ENTRETENIMENTO WEB AULA 1. Estrutura do curso e conceitos fundamentais. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.

INTERATIVIDADE E ENTRETENIMENTO WEB AULA 1. Estrutura do curso e conceitos fundamentais. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha. INTERATIVIDADE E ENTRETENIMENTO WEB AULA 1 Estrutura do curso e conceitos fundamentais professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com Sobre o docente Especialista em Desenvolvimento Web (UEM) Mestre em

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

E-COMMERCE / LOJA VIRTUAL

E-COMMERCE / LOJA VIRTUAL 1 ÍNDICE 1. WIX SISTEMAS E O /LOJA VIRTUAL 03 1.1.1 GRANDE VARIEDADE DE LAYOUTS E PERSONALIZAÇÃO 03 1.1.2 SERVIDOR E SSL (CADEADO DE SEGURANÇA) COMPARTILHADOS 04 2. RECURSOS 05 3. NOSSOS PLANOS DE /LOJA

Leia mais

VISÃO GERAL DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

VISÃO GERAL DO COMÉRCIO ELETRÔNICO VISÃO GERAL DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Profº Celio Conrado Sumário 1.1 - Definições e conceitos do Comércio Eletrônico... 4 COMÉRCIO ELETRÔNICO... 4 E-BUSINESS... 4 ESTATÍSTICA DO DESEMPENHO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

Leia mais

MAC5743 - Computação Móvel

MAC5743 - Computação Móvel Departamento de Ciência da Computação IME/USP MAC5743 - Computação Móvel Cássio Alexandre Paixão Silva Alkmin {cassiop@ime.usp.br} Tema da Monografia: Mobile Commerce 1 Introdução O constante aumento nas

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

Marketing Eletrônico e Comércio Eletrônico Prof. Dr. Sérgio Alves

Marketing Eletrônico e Comércio Eletrônico Prof. Dr. Sérgio Alves Marketing Eletrônico e Comércio Eletrônico Prof. Dr. Sérgio Alves www.profsergio.net CONCEITOS Reedy, Schullo e Zimmerman (2001, p. 26) colocam MARKETING ELETRÔNICO como todas as atividades on-line ou

Leia mais

Comércio Eletrônico. Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com. Comércio Eletrônico 1

Comércio Eletrônico. Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com. Comércio Eletrônico 1 Comércio Eletrônico Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com Comércio Eletrônico 1 31/03/2014 Introdução Por proporcionar uma série de vantagens,

Leia mais