UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO - CECAU TIAGO LUCAS PEREIRA VIEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO - CECAU TIAGO LUCAS PEREIRA VIEIRA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO - CECAU TIAGO LUCAS PEREIRA VIEIRA CIM MANUFATURA INTEGRADA POR COMPUTADOR MONOGRAFIA DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Ouro Preto, 2013

2 TIAGO LUCAS PEREIRA VIEIRA CIM MANUFATURA INTEGRADA POR COMPUTADOR Monografia apresentada ao Curso de Engenharia de Controle e Automação da Universidade Federal de Ouro Preto como parte dos requisitos para a obtenção do Grau de Engenheiro de Controle e Automação. Orientador: Profª Drª Karla Boaventura Pimenta Palmieri Ouro Preto Escola de Minas UFOP Setembro/2013

3 V658c Vieira, Tiago Lucas Pereira. CIM manufatura integrada por computador. [manuscrito] / Tiago Lucas Pereira Viera f. : il., color. Orientador: Prof. Dr. Karla Boaventura Pimenta Palmieri.. Monografia (Graduação) Universidade Federal de Ouro Preto. Escola de Minas. Colegiado do Curso de Engenharia de Controle e Automação. Área de concentração: Engenharia de Controle e Automação. 1.Automação industrial. 2. Banco de dados. 3. Produtos Fonte de catalogação: industrializados. 4. Sistemas integrados. I. Universidade Federal de Ouro Preto. II. Título. CDU: 681.5

4

5 AGRADECIMENTOS Aos meus pais pela dedicação e confiança ao longo desses anos. Meus heróis! A toda minha família que me apoiou nos momentos mais difíceis. A Universidade Federal de Ouro Preto pelo ensino público de qualidade. A professora Karla Boaventura Pimenta Palmieri e aos mestres da Escola de Minas de Ouro Preto pelos ensinamentos. A república Federal Vira Saia pela formação pessoal e irmandade conquistada.

6 O sábio não é o homem que fornece as verdadeiras respostas, é o que formula as verdadeiras perguntas. Claude Lévi-Strauss

7 RESUMO A evolução da produção tem se apoiado em novas tecnologias, na automação e nos sistemas de informação. Aliando-se essas ferramentas, elas podem ajudar no desenvolvimento de novos produtos, no aumento da qualidade e produtividade, na diminuição dos custos e nos prazos de entrega, resultando em um melhor desempenho operacional das organizações. Esse é objetivo do CIM (Computer Integrated Manufacturing), integrar, por meio de ferramentas computacionais, todos os setores industriais. Devido à evolução dos sistemas de automação, tornou-se possível conectar todas as linhas de produção por meio de controladores lógicos digitais, sistemas de aquisição de dados e redes industriais. Neste trabalho são conceituados todos os subsistemas que compõe a Manufatura Integrada por Computador, de forma que sejam analisados todos os benefícios e empecilhos de implantação. Considerado como uma filosofia de gerenciamento, a aplicação do CIM é gradual, buscando reduzir os custos operacionais de uma planta e permitindo um melhor desempenho dos padrões produtivos. Palavras-chave: CAx, CIM, banco de dados, gerenciamento de ativos, sistemas flexíveis de manufatura.

8 ABSTRACT The evolution of production has been supported by new technologies, automation and information systems. Combining these tools, they can help in the developing of new products, increasing quality and productivity, reducing costs and deadline, resulting in a better organization s operational performance. This is the goal of CIM (Computer Integrated Manufacturing), to integrate, through computational tools, all industrial sectors. Due the evolution of automation systems, it became possible to connect all production lines using digital logic controllers, data acquisition systems and industrial networks. In this article all the sub-systems that define the Computer Integrated Manufacturing are conceptualized, in order to analyze all the benefits and drawbacks of its implementation. Considered as a management philosophy, the deployment of CIM is gradual, seeking the reduction of the plant s operational costs and allowing a better productive performance. Key Words: CAx, CIM, database, asset management, flexible manufacturing systems.

9 LISTA DE ABREVIATURAS AGV CAD CAE CAL CAM CAPP CAQ CASA CAx CEP CIM CLP CNC DAS DCS DNC ERP FMC FMS ICAM JIT MEF MRP MRPII PCP RH SME TG WAN Automated Guided Vehicle Computer-Aided Design Computer-Aided Engineering Computer-Aided Logistics Computer-Aided Manufacturing Computer-Aided Process Planning Computer Aided Quality Automation Systems Association Computer-Aided anything Controle Estatístico de Processo Computer Integrated Manufacturing Controlador Lógico Programável Computerized Numerical Control Data Acquisition System Distributed Control System Distributed Numerical Control Enterprise Resources Planning Flexible Manufacturing Cell Flexible Manufacturing System Integrated Computer Aided Manufacturing Just-In-Time Método dos Elementos Finitos Material Requirement Planning Manufacturing Resources Planning Planejamento e Controle de Produção Recursos Humanos Society of Manufacturing Engineers Tecnologia de Grupo Wide area network

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1.1: Modelo do Sistema CIM... 2 Figura 2. 1: Modelo Organizacional proposto por Eugene Merchant Figura 2. 2: Modelo Organizacional ICAM Figura 2. 3: Modelo Organizacional CASA-SME Figura 2. 4: O Modelo em Y proposto pelo Prof. A. W. Scheer Figura 3. 1: Visualização da deformação do casco de um navio obtida por elementos finitos no CAE Figura 3. 2: Exemplo de analise de tensão em uma peça por sistema CAE Figura 3. 3: Modelo tridimensional realizado por ferramenta CAD Figura 3. 4: Modelo tridimensional realizado por ferramenta CAD Figura 3. 5: Melhorias acumuladas pela adoção da Tecnologia de Grupo Figura 3. 6: Modelos típicos de Sistema de Transporte Figura 3. 7: Hierarquia do CIM e suas tecnologias correntes Figura 3.8: Representação típica da estrutura de redes de computador usadas na indústria... 33

11 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Objetivo Justificativa Metodologia Estrutura do trabalho MANUFATURA INTEGRADA POR COMPUTADOR Histórico Evolução do CIM Eugene Merchant International Institute for Production Engineering (1975) The U.S. Air Force s Integrated Computer Aided Manufacturing - ICAM (1976) CASA-SME Modelo Y de Scheer (1991) ELEMENTOS QUE COMPÕE O CIM Ferramentas computacionais Engenharia Auxiliada por Computador - (Computer Aided Engineering) - CAE Projeto Auxiliado por Computador - (Computer Aided Design) - CAD Planejamento do Processo Auxiliado por Computador - (Computer Aided Process Planning) - CAPP Manufatura Auxiliada por Computador - (Computer Aided Manufacturing) - CAM Qualidade Auxiliada por Computador - (Computer Aided Quality) - CAQ Tecnologia de Grupo - TG Transporte como elemento de integração Gestão hierarquizada Comunicação CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 37

12 1 - INTRODUÇÃO A necessidade de inovação se tornou essencial no mercado, hoje, cada vez mais competitivo. A busca constante pelo aumento de produtividade e qualidade dos produtos reduzindo seu custo de produção é um fator presente em todas as empresas. Buscando elevar o nível de eficiência na produção, surgiu o conceito de Manufatura Integrada por Computador CIM (Computer Integrated Manufacturing). Considerada como uma filosofia de gerenciamento o CIM tem como objetivo a integração e otimização de todos os setores de produção através de sistemas de informação, computação, controle de produção e automação. Segundo Vieira (1996), o CIM pode ser definido como a integração de todas as atividades envolvidas na manufatura, tais como compras, vendas, projetos, planejamento, administração, finanças, marketing e produção. Essa integração ocorre por meio de uma rede de comunicação e de um software de gerenciamento com o objetivo de melhorar a eficiência organizacional, pessoal e produtiva. A Manufatura Integrada por Computador é responsável pela administração da execução, supervisão e controle das atividades nos diversos setores da empresa, possibilitando o interfaceamento desses setores de maneira que eles possam estar perfeitamente integrados. Neste trabalho procura-se introduzir, ordenar e resumir os diversos conceitos associados à manufatura atual, pela forma que é empregada do chão de fábrica até o nível gerencial. Essa integração se torna possível através de diversas ferramentas computacionais que são utilizadas em conjunto por meio de uma constante troca de informação. Uma peça fundamental para a implantação e sucesso do sistema CIM é o banco de dados. Um recurso que possibilita uma tomada de decisões mais rápida. Uma vez que, uma mudança no processo já seja conhecida, caso essa seja solicitada novamente, todas as informações necessárias estão à disposição dos operadores para as devidas atitudes à 1

13 serem tomadas. Isso possibilita uma maior flexibilidade no processo produção, que é outro benefício proporcionado pela implantação da Manufatura Integrada por Computador. A arquitetura CIM é complexa. Sua implantação nas empresas só é possível após todo um planejamento de produção. É necessário todo um estudo prévio antes de adotar essas ferramentas. Esse texto busca esclarecer as medidas tecnológicas do sistema. A figura 1 representa esquematicamente o conceito da Manufatura Integrada por Computador. Figura 1.1: Modelo do sistema CIM, Fonte: VIEIRA, OBJETIVO Estudar a arquitetura típica dos sistemas CIM e como sua aplicação em ambiente industrial pode beneficiar uma linha de produção. Explorar as ferramentas computacionais utilizadas em diferentes níveis organizacionais de uma empresa e analisar suas prioridades de implantação. Analisar os conceitos e aplicações de todos os elementos que copões a Manufatura Integrada por Computador detalhando seus benefícios e dificuldades de implantação. 2

14 1.2 JUSTIFICATIVA A competitividade do mercado exige uma evolução do setor produtivo. As exigências crescentes dos clientes, o aumento do nível de desempenhos dos concorrentes e as frequentes novidades impostas pela tecnologia criam a necessidade de atualização e agilidade nos processos de produção. A busca pelo aumento de produtividade com menores gastos em menor tempo são os princípios para o sucesso da produção. O CIM faz uso das ferramentas necessárias para que isso ocorra. Demonstrar que a automação não é só mais um sistema de operação como também parte integrante do nível gestão industrial. 1.3 METODOLOGIA Para o desenvolvimento do trabalho será pesquisadas as mais importantes e comumente encontradas ferramentas computacionais e subsistemas que compõe o CIM nos processos produtivos. Foi utilizada a pesquisa bibliográfica como metodologia baseada em material composto por livros, artigos, dissertações, revistas e pesquisas eletrônicas (disponibilizado pela Internet). 3

15 1.4 ESTRUTURA DO TRABALHO No capítulo 1 é feita uma introdução sobre o assunto abordado durante o trabalho, assim como o objetivo, a metodologia adotada e a justificativa para tal estudo. No capítulo 2 tem-se um breve histórico da manufatura e sistemas de produção. A evolução do CIM é tratada de forma cronológica, de acordo com os avanços tecnológicos a filosofia da Manufatura Integrada por Computador se tornava mais acessível. No capítulo 3 faz-se uma abordagem aprofundada sobre o sistema CIM e os elementos que o compõe. São definidas e detalhadas as ferramentas computacionais que fazem parte dessa arquitetura. Serão abordados também os recursos que possibilitam a integração de todo o sistema de produção. No capítulo 4 são mostradas as considerações finais a respeito do trabalho e posteriormente as referências bibliográficas. 4

16 2 MANUFATURA INTEGRADA POR COMPUTADOR 2.1 HISTÓRICO A transição da era da agricultura para a era industrial foi acompanhada de profundas transformações no mundo comercial. No início do século XX o pensamento científico expandiu por todos os processos produtivos. Tornou-se necessário criar um plano de produção. A necessidade de se organizar foi o fator que revolucionou o mundo industrial. Surgiram inúmeras estratégicas de produção, algumas foram seguidas e outras melhoradas. A ideia de produção em massa revolucionou o pensamento na forma de produção. De acordo com Martins (1993), a era da produção em massa pode ser divida em três fases: a primeira se dá com o surgimento da indústria têxtil britânica por meio da mecanização dos teares; a segunda fase reflete o surgimento da administração científica difundida por Taylor e sua aplicação por Henry Ford na criação das linhas de montagem. Por fim, a consolidação por meio da criação das grandes corporações, com Alfred Sloan na General Motors, criando divisões descentralizadas e gerenciadas por índices de controle emitidos por meio de relatórios. Esse novo modelo de produção, em largas escalas, trouxe outras necessidades e descobertas para o mundo industrial. Veio a necessidade de investir em tecnologia, mudar a linha de produção, antigamente manual, restrita, para uma produção mecanizada, mais dinâmica e com maiores potenciais. A produção em grandes escalas derivou em uma série de decisões organizacionais, tais como maior especialização das linhas e das atividades de suporte, estoques e qualidade. E que, na verdade, a introdução de tais aperfeiçoamentos não estaria necessariamente ligada a plantas maiores. A ampliação de uma linha produção requer um gasto inicial muito alto. A busca pela redução de custos e implantação da qualidade durante a produção gerou a idéia de fábricas automatizadas. 5

17 Tornou-se necessário utilizar toda tecnologia disponível para permanecer no mercado competitivo. Criaram o CIM (Computer Integrated Manufacturing). O seu objetivo; Padronizar a forma de produção, aumentar o fluxo de trocas de informação entre os setores, aumentar a qualidade, controlar estoque, ou seja, integrar todos os níveis operacionais da empresa e mantê-los conectados durante toda produção. 2.2 EVOLUÇÃO DO CIM O CIM pode ser descrito como sendo uma filosofia gerencial. Segundo Agostinho (2007), é um agrupamento de todas as técnicas, os hardwares, os componentes, as estruturas de dados, a programação, equipamentos, e se estende até o nível gerencial com o objetivo de integrar toda uma linha de produção. A Manufatura Integrada por computador, na maior parte das empresas, continua sendo mais um conceito do que uma técnica comprovada. Hoje, ainda limitados pelo nível tecnológico, se torna quase impossível manter uma integração completa de toda uma linha de produção. Existem inúmeras variáveis que precisam de tempo para ser calculadas, tratadas e respondidas. Cabe lembrar que para criar um sistema de produção integrado muitas teorias de planejamento e controle de produção são levadas em considerações. O estudo de produtividade e competitividade é muito mais complexo e essencial para inicio de qualquer tipo de atividade industrial. As estratégias de manufatura têm que, forçosamente levar estes aspectos em consideração. No inicio da industrialização, nas décadas de 30 e 40, o nível de organização era relativamente simples. As empresas estavam iniciando o processo de formação de grandes corporações, após a sedimentação dos conceitos gerenciais de Taylor, Fayol, Ford entre outros (PALMIERI, 2006). A passagem da informação era feita na forma escrita, de departamento a departamento. Os cargos (Jobs) foram amplamente difundidos, e os recursos de especialização 6

18 cresceram, de forma a suportar através de sistemas essencialmente burocráticos a organização necessária. Esta época foi caracterizada pela produção em massa, grandes organizações, uso de mão de obra intensiva, operações repetidas e contínuas. Até o fim da década de 50 todas as atividades do sistema de manufatura eram feitas essencialmente com algum dispositivo ou aparelho de origem mecânica, máquinas operatrizes, esteiras rolantes, limitadores de curso, pastas, pranchetas, réguas, esquadros, calculadoras mecânicas, tabelas, dentre outros equipamentos desprovidos de tecnologia digital. Durante os anos 60, 70 e 80, com o aparecimento dos computadores de grande porte, caracterizou-se a época do processamento de dados, o foco, nesse caso, era automatizar o fluxo de informações (dados) transformado ou arquivado manualmente. Cada departamento da organização necessitava de um computador (ou terminais) para suportar suas atividades; finanças com contabilidade, controladoria, chão de fábrica com controle de inventários, programação da produção, engenharia com apoio computacional para projeto e desenho. Essas funções deveriam ser transplantadas para um conjunto hardware-software, sempre, porém com os softwares escritos manualmente. Naturalmente, esta automação de atividades, espalhadas em departamentos diferentes, de maneira aleatória, procurava a automação aleatória das atividades e sub-atividades do Sistema de Manufatura. De acordo com as tendências alguns pesquisadores já anteviam o que geralmente designam como Manufatura Integrada por Computador. Porém, devido às limitações tecnológicas da época foram inúmeros os problemas que surgiram antes de atingir o CIM atual. Foram automatizadas via computador operações tal como eram feitas manualmente; ou seja, havia-se automatizado as contradições, confusões e inconsistências das atividades existentes. Nas áreas de chão-de-fábrica, muitos aplicativos de Planejamento de Controle de Produção (PCP) não tinham desempenho adequado devido à falta de 7

19 ligação com atividades e dados importantes. Dentre esses problemas deve-se lembrar da falta de flexibilidade dos computadores (hardwares) e dos programas (softwares). Diante dos problemas apontados, iniciou-se na década de 70 a apresentação de modelos funcionais que pudessem representar as principais atividades de manufatura, com suas respectivas integrações, utilizando-se a tecnologia da informação como recursos de automação. Várias definições sobre Manufatura Integrada por Computador foram apresentadas EUGENE MERCHANT INTERNATIONAL INSTITUTE FOR PRODUCTION ENGINEERING (1975) Durante a década de 70 e 80, foi o principal cientista no setor de Pesquisa de Manufatura, Merchant começou a estudar a forma de trazer o poder dos computadores para suportarem os problemas de fabricação. Analisando uma linha de produção ele percebeu que os produtos gastavam muito mais tempo esperando ou sendo transportados do que realmente passando por algum processo de usinagem. Ele visualizou o Sistema de Manufatura Integrada por Computador muito antes que os outros acreditassem que esse poder poderia ser prático (GROOVER, 2001). Baseou-se na ideia de sistemas computacionais na automação de Sistema de Manufatura completo. Um sistema que se inicia com o modelamento geométrico e projeto de produto, e envolve todos os estágios da atividade industrial. A figura 2.1 ilustra a divisão e as ligações entre as atividades proposta por Eugene Merchant. Esse modelo possibilita uma avalição mais específica de cada processo. Pode-se apontar os erros específicos em cada etapa e corrigi-los conforme a demanda, levando-se em consideração os custos e as capacidades disponíveis. 8

20 Figura 2.1: Modelo Organizacional proposto por Eugene Merchant Fonte: PALMIERI, THE U.S. AIR FORCE S INTEGRATED COMPUTER AIDED MANUFACTURING ICAM (1976) O programa ICAM foi visionário em mostrar que uma nova abordagem seria necessária para alcançar a integração em empresas de manufatura. Mudou o foco da produção de uma série de operações sequenciais para processamentos paralelos. Nesta nova concepção, observa-se a integração da arquitetura do chão-de-fábrica, por base de dados, que deve centralizar todo o esforço de integração. Os dados deveriam ser comuns e partilhados entre as diversas funções e atividades, como pode ser observado na figura 2.2 (PALMIERI, 2006). 9

21 Figura 2. 2: Modelo organizacional ICAM Fonte: PALMIERI, CASA-SME O modelo proposto pela Automation Systems Association (CASA), da Society of Manufacturing Engineers (SME); CASA-SME; evoluiu na visão de automação da Engenharia e Chão-de-Fábrica, incluindo atividades de toda a organização. Esse modelo inclui não somente as atividades citadas, mas também outras atividades como: marketing, suprimentos, finanças, planejamento estratégico, gerenciamento de RH e gerência geral (REHG, 1994). A estrutura base é dividida em 5 setores: Gerenciamento Geral do Negócio: Marketing, finanças, gerenciamento de RH, planejamento estratégico; Planejamento e Controle de Manufatura: Chão-de-fábrica, suprimento de matérias, programação, planejamento de qualidade e facilidades; Definição de Processos e Produtos: Projeto do produto, simulação e análise, documentação; Automação da Fábrica: Manuseio de matérias, montagem, inspeção e testes, processamento de materiais; 10

22 Gerenciamento de Informações e Dados: Base de dados comuns, trânsito de informações, ferramenta de informação. Figura 2. 3: Modelo Organizacional CASA-SME, Fonte: PALMIERI, Essa departamentalização, ilustrada pela figura 2.3, mudou o pensamento científico da produção. Eram vários setores buscando trabalhar em conjunto com alto fluxo de informação. A ideia da filosofia CIM estava implantada. 11

23 2.2.4 MODELO Y DE SCHEER O Modelo em Y proposto pelo Prof. A. W. Scheer, da Universidade de Saarbrucken, na Alemanha, descreve o conceito moderno do CIM. Um conceito funcional, onde a integração global da manufatura precisa ser entendida como um objetivo. Figura 2. 4: O Modelo em Y proposto pelo Prof. A. W. Scheer, Fonte: SCHEER,

24 O modelo Y representa a integração de todos os sistemas de produção, de forma que, do lado esquerdo estão as atividades de planejamento e controle de produção e do lado direito as atividades técnicas do processo. Os dois segmentos superiores apresentam o nível de planejamento e a parte inferior as atividades de implementação dos programas. O topo é representado pela parte gerencial e de finanças, responsável pelas tomada de decisões e recursos. O centro do modelo Y se resume na arquitetura CIM, composta por um banco de dados integrando todos os sistemas produção através de um sistema único de informação. As atividades componentes do sistema obedecem a uma sequência e a uma articulação interna que Pereira e Erdmann (1995) assim apresentam: O sistema de produção inicia pela elaboração do projeto (especificação de materiais, dimensões, análises, etc.) mediante o auxílio de sistemas CAE e CAD; Geração de lista de materiais e respectivos custos; A partir do projeto do produto e de forma interativa com esse, passa-se à definição do processo (operações necessárias, sequências possíveis, máquinas necessárias) através do CAPP, gerando os roteiros de produção; O CAM, com as informações armazenadas no banco de dados pelo projeto do produto e do processo, gera os programas para as máquinas CNC/Robôs para serem utilizados no momento oportuno; O PCP, com o produto já projetado, recebe os pedidos, fixa o preço com base no banco de dados e estima o prazo de entrega (mediante consulta ao módulo de capacidade); Gera-se um plano de fabricação (tipos de produto, respectivas quantidades e prazos), considerando os estoques existentes; Emissão de ordens de fabricação, montagem e compras e respectiva inserção no módulo de planejamento de capacidade; Ajuste de capacidade e sequenciamento para determinação da data de entrega do produto; Envio da programação à produção para processamento, segundo o estabelecido anteriormente, com a utilização do CAM e suas diversas possibilidades; Execução dos controles mediante coleta de dados da produção e realimentação das etapas anteriores. 13

25 Todas as atividades seguem uma linha lógica de ligações. Essa integração das atividades será compreendida mais claramente no próximo capitulo, uma vez que será abordado um conceito mais aprofundado dos subsistemas da Manufatura Integrada por Computador. 14

26 3 ELEMENTOS QUE COMPÕE O CIM 3.1 FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS ENGENHARIA AUXILIADA POR COMPUTADOR - (COMPUTER AIDED ENGINEERING) - CAE Uma vez definido o produto que será produzido torna-se necessário um estudo mais detalhado do material que está em questão. Engenharia Auxiliada por Computador CAE é baseada na construção e teste de protótipos virtuais através de alguns softwares, onde é possível a simulação de resistência dos materiais por meio da variação de temperatura e força, minimizando os custos e o tempo de projeto, ao passo que se aprimora a qualidade do produto (PEREIRA ; ERDMANN, 1998). Esse estudo prévio é de suma importância para o projeto do produto que será produzido. São depois dos testes de resistências e durabilidade que se pode definir os parâmetros do produto final. O tamanho da peça, as propriedades específicas do material e sua geometria são simuladas em situações reais de uso. Após os teste computacionais é possível ver o comportamento da peça e definir se precisa ou não modificar alguma variável ou propriedade do material. De acordo com Costa (1995), o CAE auxilia na determinação de especificações tecnológicas do produto, tais como sua resistividade, dimensões e análise de tensões, proporcionando um considerável ganho de tempo no desenvolvimento dos produtos e levando à vantagem competitiva decorrente do lançamento de produtos mais rapidamente. O CAE é um importante apoio ao CAD, uma ferramenta muito útil que será a próxima ferramenta estudada nesse trabalho, pois evita sobrecargas com protótipos e testes, que passam a ser simulados computacionalmente. Esses dois sistemas trabalham em 15

27 conjunto. É necessário que haja troca de informações constantes entre os profissionais que desenvolvem e projetam o produto. Geralmente, a construção do modelo no CAE é feita através do modelo construído no CAD. É por isso que vários softwares CAE possuem agregados um CAD mais simplificado para evitar transferências de um software para outro. Afora esse aspecto, o CAE não influencia diretamente no contexto da manufatura. Entre os tipos de CAE existe o mais comumente utilizado é CAE baseado nos Métodos de Elementos Finitos (MEF) que permite simular diversos fenômenos físicos em engenharia tais como deformação de estruturas mecânicas sujeitas a um determinado carregamento, distribuição de temperaturas em um motor, campo acústico gerado no interior de um ambiente, escoamento de ar ao redor das asas de um avião, etc. (SILVA, 2001). As figuras 3.1 e 3.2 são exemplos de projetos utilizados pelas ferramentas CAE para simular situações em que os materiais estariam submetidos às atividades cotidianas. Podem ser simuladas também situações extremas para definir pontos máximos de resistência, deformação do material, entre outras propriedades do produto em teste. Figura 3.1: Visualização da deformação do casco de um navio obtida por elementos finitos no CAE Fonte: SCIARRA,

28 Figura 3.2: Exemplo de analise te tensão em uma peça por sistema CAE. Fonte: MIONI, PROJETO AUXILIADO POR COMPUTADOR - (COMPUTER AIDED DESIGN) - CAD O CAD pode ser definido como qualquer atividade de projeto que envolva efetivamente o uso de computadores para criar, modificar ou documentar um projeto. Relacionado com a parte física do produto, o uso de softwares para a criação e detalhamento está diretamente relacionado com a sua produção. É necessário que projeto do produto tenha todas as informações necessárias, tais como: modelagem geométrica e uma documentação a fim de desenvolver uma descrição matemática da geometria do projeto e preparar rapidamente desenhos de alta precisão (MOREIRA, 1993). É de extrema importância o conhecimento dessas funções para os processos posteriores de produção. São essas variáveis que irão definir a forma do produto trabalhado. Uma vez que o modelo 3D esteja concluído, o calculo estrutural do produto se torna teoricamente fácil. É necessário ter o conhecimento de tensões, escoamento, temperatura, volume e propriedades físicas da matéria para a produção de qualquer componente da peça. Outro aspecto relevante no sistema CAD é o banco de dados. Devido ao grande número de variáveis relacionadas ao dimensionamento do produto, é providencial, que todos os 17

29 detalhes sejam armazenados em um banco de dados para que os outros departamentos ou fornecedores possam acessa-los para seu próprio uso (BLACK, 1998). Com o auxilio do computador, os sistemas CAD possibilitam criar e modificar desenhos de produtos. Permitem adicionar formas tais como pontos, arcos, linhas, círculos e textos, para representação do produto na tela do computador. Essas formas podem ser copiadas, transferidas de lugar, giradas, aumentadas ou alongadas. Usualmente, o sistema pode utilizar o zoom para ampliar e reduzir, revelando diferentes níveis de detalhes no desenho. Esses projetos podem ser armazenados na memória do sistema e utilizados posteriormente, dando a liberdade de construir uma biblioteca de desenhos padronizados de peças e componentes (MOREIRA, 1993). Segundo Lepikson (2008), o uso do CAD se justifica pelas seguintes razões principais: Aumento da produtividade do projetista, conseguido pelo apoio oferecido, no caso da aplicação em mecânica, à concepção do produto e seus componentes e pela redução do tempo para sintetizar, analisar, detalhar e documentar o projeto; Aumento da qualidade do projeto, dadas às ferramentas de análise disponíveis e pela opção de analisar várias alternativas de forma prática e efetiva; Melhoria da documentação de projeto, pela possibilidade de padronizar procedimentos, macros de projeto e intercâmbio de informações; Criação das bases de dados de projeto e manufatura, pela organização de estruturas de arquivos, especificações e listas de materiais, dados de processo e outros mais. As figuras 3.3 e 3.4 são exemplos de projetos criados pelo CAD para determinar as dimensões específicas de cada peça do projeto. Essas definições serão essenciais para determinar as programações posteriores na produção. 18

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura O conceito de CIM e a integração de processos Prof. Breno Barros Telles do Carmo Evolução da Manufatura Integração.A evolução da manufatura segundo reportado em Russell e Taylor III (1995) se deu em quatro

Leia mais

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO

Leia mais

Automação de Processos Industriais*

Automação de Processos Industriais* Automação de Processos Industriais* Automação Rígida e Automação Flexível *Moraes, C.C.; Catrucci, P.L. Engenharia de Automação Industrial. Ed. LTC, Rio de Janeiro RJ, 2001. Black, J.T. O Projeto da Fábrica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Profª Danielle Casillo Nome: Automação e Controle Créditos: 4 60 horas Período: 2010.2 Horário: quartas e sextas das 20:40 às 22:20

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Tecnologia de Comando Numérico 164399

Tecnologia de Comando Numérico 164399 164399 Aula 2 Introdução à Automação da Manufatura Mecatrônica; Automação; Níveis de Automação; Tipos de Automação; Justificativas para automatizar; Justificativas para não automatizar; Prof. Edson Paulo

Leia mais

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História Módulo IV Tecnologia Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. TECNOLOGIA Conceito e História A automação em nossas vidas Objetivo: Facilitar nossas vidas no dia-a-dia Em casa: Lavando roupa Esquentando leite

Leia mais

INTEGRAÇÃO DA MANUFATURA ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS CIM E ERP: O CASO DAS OFICINAS DE MANUTENÇÃO DA ARCELORMITTAL TUBARÃO

INTEGRAÇÃO DA MANUFATURA ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS CIM E ERP: O CASO DAS OFICINAS DE MANUTENÇÃO DA ARCELORMITTAL TUBARÃO INTEGRAÇÃO DA MANUFATURA ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS CIM E ERP: O CASO DAS OFICINAS DE MANUTENÇÃO DA ARCELORMITTAL TUBARÃO CRISTIANA GONÇALVES BORGES (UFPB//PPGEP) cristiana.borges@arcelor.com.br Joeli Cuzzuol

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

AUTOMAÇÃO APLICADA À MANUFATURA

AUTOMAÇÃO APLICADA À MANUFATURA AUTOMAÇÃO APLICADA À MANUFATURA Automação e mão de obra Patrícia Lins de Paula 16/04/2012 62 AUTOMAÇÃO APLICADA À MANUFATURA 2. Automação e mão de obra 2.1 Setores e operações de produção 2.2 Instalações

Leia mais

MUDANÇAS NO ARTIGO TÉCNICO

MUDANÇAS NO ARTIGO TÉCNICO MUDANÇAS NO ARTIGO TÉCNICO O último campo Biografias deverá ser substituído pelo campo ANEXOS. Deverão ser anexados os currículos em Plataforma LATTES de todos os membros do grupo. Cadastrar em http://lattes.cnpq.br.

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Laboratório de tecnologia de manufatura - uma experiência aplicada ao ensino da engenharia de produção Wilson de Castro Hilsdorf (FEI) wicastro@fei.edu.br Alexandre Augusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Ementa Proposta CAP: 1 - INTRODUÇÃO ÀS REDES INDUSTRIAIS ; CAP: 2 - MEIOS FÍSICOS ; CAP: 3 - REDES

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Coleta de dados e monitoramento de chão de fábrica na manufatura discreta integração com as ferramentas de gestão

Coleta de dados e monitoramento de chão de fábrica na manufatura discreta integração com as ferramentas de gestão Coleta de dados e monitoramento de chão de fábrica na manufatura discreta integração com as ferramentas de gestão Neury Boaretto (CEFET-PR) neury@pb.cefetpr.br João Luiz Kovaleski (CEFET-PR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

1.Introdução: Sistemas Produtivos

1.Introdução: Sistemas Produtivos Sistemas Flexíveis Automatizados de Manufatura conceitos, tipos e aplicação. Prof. Assoc. 1.Introdução: Sistemas Produtivos Sofreram grandes alterações nas últimas décadas. As empresas tem que reagir rapidamente

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda.

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. O PAPEL DA AUTOMAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. INTRODUÇÃO Peter Drucker, um dos pensadores

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto Razões para Automatizar Alto custo de mão de obra Investimentos em máquinas que possam automatizar a produção com um custo

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. /jcarlos j.c.ferreira@ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO

SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO Eng. Fábio Favaretto, MSC Dep. de Eng. Mecânica da Escola de Eng. de São Carlos - USP Av. Dr. Carlos Botelho,

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

Integração entre sistemas MCAD e ERP Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda.

Integração entre sistemas MCAD e ERP Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda. Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda. Atualmente a tecnologia 3D já esta presente na grande maioria das engenharias do país. O que antes era uma tendência, agora é realidade. O próximo desafio é

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Automação da Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Automação da Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Automação da Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto 2 Objetivo: Histórico da automação. Sistemas de produção e automação (controle e simulação). Automação de Processos Produtivos Contínuos e Discretos.

Leia mais

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico;

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico; EMENTA DE CONTEÚDOS Eletricidade Conceitos fundamentais da eletricidade; Circuitos elétricos de corrente contínua; Tensão alternada; Gerador de funções; Operação do osciloscópio; Tensão e corrente alternadas

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs)

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) A UU L AL A Uma empresa fabrica clipes em três tamanhos: grande, médio e pequeno. Seus clientes consomem os produtos dos três tamanhos, mas a empresa nunca conseguiu

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

UMA RÁPIDA ANÁLISE SOBRE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

UMA RÁPIDA ANÁLISE SOBRE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL UMA RÁPIDA ANÁLISE SOBRE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Antônio Pereira de Araújo Júnior, Christiano Vasconcelos das Chagas Raphaela Galhardo Fernandes DCA-CT-UFRN Natal - RN Resumo Este artigo mostra uma visão

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas Prof Valderi R. Q. Leithardt Objetivo Esta apresentação tem por objetivo mostrar tanto os benefícios como as dificuldades da implantação

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

Automação Industrial Profº Túlio de Almeida

Automação Industrial Profº Túlio de Almeida 2. OS NÍVEIS DA AUTOMAÇÃO 2.1. A PIRÂMIDE DA AUTOMAÇÃO Nível 5: Gerenciamento Corporativo Mainframe máquinas diretamente responsáveis pela produção. É composto principalmente por relés, sensores digitais

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL

Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL DISCIPLINA Aplicações de Sistemas de Prof. Wagner Däumichen Barrella Aplicações de Sistemas de Vínculo Administração-Tecnologia Administração e Tecnologia Revolução

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED 1º MED DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Especificação de elementos que compõem projetos; técnicas de desenho técnico e de representação gráfica correlacionadas com seus fundamentos matemáticos e geométricos;

Leia mais

MES e Eficiência de Linhas de Produção

MES e Eficiência de Linhas de Produção MES e Eficiência de Linhas de Produção por Edson Donisete da Silva e Carlos Roberto Sponteado Melhora constante no processo produtivo. Aumento da qualidade do produto que é entregue ao cliente final. Redução

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 2 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

Gerência da Informação nos Processos de Automação Industrial

Gerência da Informação nos Processos de Automação Industrial Gerência da Informação nos Processos de Automação Industrial Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Redes Industriais Professor Affonso Alessandro J. de Souza / Affonso Guedes Objetivos Discorrer

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Cristiane Mello 1, Maria F. Marinho 1, Antônio Luiz S. Cardoso 1,2 1 Escola de Administração Universidade Federal da Bahia (UFBA) 41.100-903 Salvador

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Informação

Modelagem de Sistemas de Informação Modelagem de Sistemas de Informação Professora conteudista: Gislaine Stachissini Sumário Modelagem de Sistemas de Informação Unidade I 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...1 1.1 Conceitos...2 1.2 Objetivo...3 1.3

Leia mais

PIMS Process Information Management System

PIMS Process Information Management System INTRODUÇÃO O setor industrial vem sofrendo constantes pressões para alcançar a excelência operacional, objetivando garantir sua competitividade. Algumas das principais pressões observadas são: redução

Leia mais

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Prof. Me. Léo Noronha Objetivos Informação estratégica Sistema de informações como fonte de vantagem competitiva (VC) Conceito de informação estratégica

Leia mais

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável.

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável. WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA Eficiente. Flexível. Confiável. Automação SSI Schaefer: Pensamento Global Ação Local Liderança de mercado A SSI SCHAEFER é uma empresa mundialmente conhecida quando se trata

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Capítulo 2 E-Business global e colaboração

Capítulo 2 E-Business global e colaboração Objetivos de estudo Capítulo 2 E-Business global e colaboração Quais as principais características de um negócio que são relevantes para a compreensão do papel dos sistemas de informação? Como os sistemas

Leia mais

FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO

FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO o PROTOCOLO FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO Sup. Eng. de Aplicação de Sistemas da YokogawaAmérica do Sul Neste trabalho discorre-se sobre a rede foundation fieldbus, situando-a dentro do universo

Leia mais

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Cristian Dekkers Kremer (UTFPR) cristian_dk@ig.com.br João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

- Especificações; - Notas de entrega de produção; - Pedidos de Compra.

- Especificações; - Notas de entrega de produção; - Pedidos de Compra. PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO. CAPÍTULO 6 Planejamento, Programação e Controle da Produção (PPCP) é uma função técnica e administrativa que tem por objetivo fazer os planos que orientarão

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS CÓDIGO: IH 104 CRÉDITOS: 04 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL I OBJETIVO DA : Dar conhecimentos gerais do Sistema de Administração de Material, Patrimônio e Conhecimentos Básicos de Compras. EMENTA: Conceitos

Leia mais

MI02 - Manufatura Inteligente, trazendo resultados para o cliente

MI02 - Manufatura Inteligente, trazendo resultados para o cliente MI02 - Manufatura Inteligente, trazendo resultados para o cliente Core Business Soluções para controle e gestão de processos. Mercados Alvo Alimentos; Nutrição animal; Polímeros; Química Auto peças. Unidade

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Por Christian Vieira, engenheiro de aplicações para a América Latina da GE Fanuc Intelligent Platforms, unidade da GE Enterprise

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO g S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO SUMÁRIO 1. Objetivo 2. História 3. O Que é Profibus? 4. Profibus PA 5. Instrumentos 6. Bibliografia 1. OBJETIVO

Leia mais

Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos

Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos Paula Rayane Mota Costa Pereira*, Josemar Rodrigues de Souza**, Resumo * Bolsista de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC,

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais