Balanço Socioambiental Relatório Anual de Sustentabilidade e Fatos Relevantes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Balanço Socioambiental Relatório Anual de Sustentabilidade e Fatos Relevantes"

Transcrição

1

2 ESPORTE CLUBE VITÓRIA BALANÇO SOCIOAMBIENTAL RELATÓRIO ANUAL DE SUSTENTABILIDADE E FATOS RELEVANTES 2013

3 A prática demonstra que um programa de responsabilidade social só traz resultados positivos para a sociedade e para a empresa se for realizado de forma autêntica. É necessário que a empresa tenha a cultura da responsabilidade social incorporada à sua visão de negócio. Oded Grajew

4 Nome da Instituição: Esporte Clube Vitória Tipo/categoria: Instituição Sócio-Esportiva de Interesse Público Natureza jurídica: [x] Associação [ ] Fundação [ ] Sociedade Sem fins lucrativos? [x] Sim [ ] Não Isenta da cota patronal do INSS? [x] Sim [ ] Não Possui Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (CEAS)? [x] Sim [ ] Não Possui registro no: [x] CNAS [x] CEAS [x] CMAS De utilidade pública? [ ] Não Se Sim, [x] Federal [x] Estadual [x] Municipal Classificada como OSCIP (Lei 9790/99)? [ ] Sim [x] Não

5 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO GESTÃO INSTITUCIONAL Negócio Missão Visão Valores Diretrizes e Fatores Críticos de Sucesso Entidades de Relacionamento Organograma... 18

6 3.8 Eleições no ECV GENTE E GESTÃO SOCIAL GESTÃO SOCIOAMBIENTAL GOVERNANÇA E TRANSPARÊNCIA INFORMAÇÕES ADICIONAIS... 32

7 1. APRESENTAÇÃO O Desafio da responsabilidade socioambiental e o clube mais valioso do Norte-Nordeste Em 2006 quando o Conselheiro Alexi Portela Jr. e um grupo de abnegados rubro-negros tiveram a coragem de assumir o Esporte Clube Vitória, encontraram um clube no fundo do poço do futebol brasileiro. Uma organização que, em seu segmento de mercado, estava na terceira classe, com vários meses e até anos de salários atrasados, sem crédito na praça, centenas de títulos protestados, centenas de ações nas mais diversas esferas do Poder Judiciário, déficit operacional altíssimo, passivo descontrolado e crescente, patrimônio depreciado e dado em garantia de dívidas, colaboradores insatisfeitos e desmotivados, um conflito gigantesco com o principal acionista da época, Conselho desprestigiado e distante, jogadores profissionais insuficientes para montar, sequer, um time e o pior: torcedores revoltados, insatisfeitos e com a autoestima no chão. O Esporte Clube Vitória estava quase falimentar há apenas sete anos. Contrariando todas as previsões, este tradicional e centenário Clube conseguiu, fundamentalmente pela capacidade empresarial e de gestão da equipe do ex-presidente Alexi, pelo apoio do nosso Conselho, hoje tão participativo e plural, e pela fidelidade da nossa torcida, em pouquíssimo tempo, transformar paixão em doação, planejamento em ação e esta em resultados. A adoção de métodos, antes exclusivos do mundo corporativo, a atração de talentos apaixonados, a contratação de executivos profissionais e sérios nos principais postos decisórios, a criação de grupos de trabalho multidisciplinares com notória especialização em áreas como gestão e patrimônio, a implementação de um Planejamento Estratégico por consultoria especializada, uma política formal de 6

8 transparência financeira e governança, além da reinvenção do seu programa de sócios e de ações premiadas de marketing, foram algumas das estratégias que fizeram o rubro-negro baiano mudar o curso da sua história. Fomos, em 2013, o clube que mais se valorizou na América Latina. Somos o segundo clube mais transparente do Brasil, um dos quatro clubes de melhor gestão financeira e temos a torcida jovem que mais cresceu no Brasil na última década. Tudo isso sem esquecer da nossa responsabilidade socioambiental. No século XXI, o ECV, junto com o Internacional de Porto Alegre, detém a maior hegemonia de títulos regionais do Brasil, com a melhor campanha de um Clube nordestino na história dos pontos corridos da série A do Futebol Brasileiro, conquistando triunfos, títulos e respeito. Além do quinto lugar no Campeonato Brasileiro Série A em 2013, foi finalista da Copa do Brasil em É vanguarda nacional das divisões de base, tendo sido Campeão Brasileiro Sub 20 em Gestão dá resultado. Sem dúvida, o ECV, apesar de ainda não viver uma situação financeiramente confortável e do abismo que separa seu orçamento dos principais concorrentes do Sul e Sudeste, é hoje o melhor e mais valioso Clube do Norte-Nordeste do Brasil, respeitado em todo território nacional. Um olhar menos atento, pode supor que, agora, a tarefa que se nos apresenta é mais simples e mais fácil. Não é! Ao contrário do que ocorreu com Alexi Portela Jr, que teve a missão de "administrar o caos", a Diretoria do ECV atuará em substituição ao grande Presidente que devolveu para a família rubro-negra, não apenas o alento, a alegria e a autoestima, mas um nível de expectativa e exigência infinitamente superior ao de um passado recente, onde sonhávamos, tão somente, sair de uma Série C e pagar a folha de salários no mês seguinte. Novos tempos trazem novos e diferentes desafios e o ECV está se preparando para manter esta hegemonia regional, conquistar a sonhada vaga para a Copa Libertadores, que, não por acaso, quase veio em 2013, e continuar perseguindo com obstinação e sem trégua os títulos nacionais e internacionais no futebol profissional. Esse é o norte de nosso trabalho, nossa meta, nossa missão. 7

9 Precisamos manter a qualidade de nossas contratações e apesar das restrições orçamentárias, investir mais no time, porém com uso intensivo de inteligência organizacional e sofisticados mecanismos de busca, fazer mais errando menos. Vamos prestigiar o futebol das bases; requalificar o equipamento e lançar as bases para um moderno complexo multiuso; otimizar ainda mais, o programa de sócios; potencializar os esportes olímpicos, para um nível reconhecidamente nacional; implementar um moderno Programa de Desenvolvimento da Gestão, que desdobre nosso Planejamento Estratégico, entre muitos outros desafios para os próximos três anos. Não será fácil! A experiência adquirida em mais de 25 anos, como executivo e consultor de grandes organizações, bem como os sete anos como vice-presidente do nosso Clube, fazem ver que será preciso muito mais que boa vontade, honestidade, profissionalismo e preparo técnico. É imprescindível que nosso torcedor transforme sua paixão e vontade de contribuir em adesão ao nosso programa Sou Mais Vitoria. Esse é o nosso único caminho, com apoio de nossa apaixonada e imensa nação nossos sonhos virarão realidade. Esse Vitoria que sonhamos já está sendo construído dentro de um planejamento, com responsabilidade orçamentária e compromisso com o futuro do Clube. Juntos faremos mais, melhor e mais rápido! É neste contexto que apresentamos a síntese do nosso primeiro Balanço Socioambiental, integrado ao nosso relatório anual de fatos relevantes e sustentabilidade. Já de início, este formato integrado, vem demonstrar a compreensão holística que nossa instituição tem acerca do tripé da sustentabilidade, que nos direciona. No Vitória, o desenvolvimento organizacional, a responsabilidade social e a consciência ambiental, caminham de mãos dadas. Mais do que um relatório formal que reflete as práticas administrativas voltadas à gestão social e ambiental, ele representa um elemento gerencial, fruto de um trabalho conjunto, com parcerias e alianças estratégicas, que nos direcionam para um processo contínuo, sistemático e 8

10 irreversível na busca incessante pela manutenção da transparência, por meio de uma gestão que promova um clube sustentável e eticamente responsável. Longe de querer, em apenas um documento, esgotar tão vasto leques de ações do ECV no campo da Sustentabilidade, como resta comprovado em diversos documentos atos e fatos, disponíveis em nosso portal, este relatório é mais um passo que ratifica a vocação vanguardista do Vitória e, seguramente, um novo elemento que estará incorporado doravante à cultura organizacional da nossa instituição que, há muito, já tomo a irreversível decisão de ser profissional, ética sustentável e competitiva, a um só tempo, sem jamais retroceder a práticas subalternas ou abrir mão dos seus valores fundamentais. Saudações Rubro-Negras, Carlos Sérgio Sampaio Falcão Presidente do Esporte Clube Vitória Gestão

11 2. INTRODUÇÃO O Balanço Socioambiental solidifica o compromisso do Clube nas ações de responsabilidade socioambiental, tornando-se evidente o papel do desporto, como fator de promoção de saúde integral e do desenvolvimento humano na sociedade. Elaborado em consonância com as Normas Brasileiras de Contabilidade, este documento traz, além da presente introdução, mais quatro capítulos que versam, respectivamente, acerca de: Gestão Institucional, com o enunciado da estrutura organizacional, os valores, a organização e métodos do ECV; Gente e Gestão, com os indicadores elementares, relacionados à gestão com pessoas, seus avanços e lacunas, no ano de 2013; Gestão Socioambiental, que sumariza as ações de responsabilidade social e ambiental do clube em 2013; e Balanço Socioambiental em dados, que quantifica muitas das ações do ECV, neste campo. Embora o modelo de Balanço Socioambiental não seja regulamentado, sua estrutura pode ser utilizada como base de orientação para as empresas públicas e privadas que desejam adotá-lo. No caso do Vitória, este instrumento pretende, tanto contribuir para a estratégia de ações a serem desenvolvidas, como demonstrar os passos essenciais a serem dados para a consolidação desta importante ferramenta de gestão. 10

12 Este balanço, ou relatório de sustentabilidade, é um meio de dar transparência às atividades corporativas, de modo a ampliar o diálogo do Vitória com a sociedade. É também uma ferramenta de gestão da responsabilidade social, pela qual a empresa entende de que forma sua gestão atende à sua visão e a seus compromissos estabelecidos em relação ao tema da Governança e em direção à sustentabilidade. A Elaboração do Balanço Social e Relatório de Sustentabilidade, tem o objetivo de apontar os elementos fundamentais e diretrizes gerais que ajudaram o Vitória a organizar e a comunicar as informações sobre os desafios da estratégia socioambiental e a coerência ética das operações. 11

13 3. GESTÃO INSTITUCIONAL O Vitória é uma associação civil de caráter desportivo, sem fins lucrativos, reconhecida de utilidade pública pela Lei 6917 de 16 de novembro de 1995, com sede e foro na cidade de Salvador, tendo como endereço a Rua Arthêmio Valente, 01, Praça Nossa Senhora da VITÓRIA, Canabrava, Salvador, Bahia, CEP , inscrito no CNPJ /001-59, com personalidade jurídica distinta de seus associados, que não respondem solidária ou subsidiariamente por suas obrigações, e que tem por finalidade: a) Desenvolver, difundir e proporcionar a prática de esportes e o aprimoramento da educação física, pela prática das diversas modalidades desportivas; b) Promover reuniões e atividades de caráter esportivo, cívico, educacional gratuito, cultural e social; c) Organizar ou participar da organização e administração de equipes competitivas, profissionais ou não profissionais, em diversas modalidades desportivas, observados a legislação pertinente em vigor e os termos deste estatuto. 12

14 3.1 Negócio 13

15 3.4. Valores ÉTICA E INTEGRIDADE A integração sentir-pensar-falar-agir, pautada na coerência e em princípios sólidos, devem preceder a tudo, norteando todas as ações de nossos conselheiros, atletas e colaboradores. COMPETITIVIDADE E INOVAÇÃO O aprendizado contínuo, a vocação pela superação e melhoria permanente são a marca do nosso clube, que associa uma presença centenária à renovação das formas de bem cumprir sua missão. IDENTIDADE E TRADIÇÃO O orgulho de ser uma das agremiações mais tradicionais do Brasil deve ser transmitido, juntamente com nossos valores, a um número cada vez maior de adeptos, de outras gerações. 14

16 PARTICIPAÇÃO E DIVERSIDADE A democracia representativa, a contribuição de todos os setores e referências da nação rubro-negra é um pilar fundamental, para o nosso fortalecimento e associativismo. PAIXÃO E DOAÇÃO A democracia representativa, com a contribuição de todos os setores e referências da nação rubronegra, é um pilar fundamental, para o nosso fortalecimento e associativismo. TRANSPARÊNCIA E GOVERNANÇA A publicidade dos atos e fatos administrativos da vida do clube, o respeito à legislação vigente, a responsabilidade sócio-ambiental e o foco na sustentabilidade, diferenciam o Vitória em seu mercado. 15

17 3.5 Diretrizes e Fatores Críticos de Sucesso Consoante com o seu Planejamento Estratégico, o ECV tem como principais diretrizes e fatores críticos para o sucesso da organização, nos próximos anos: FCS 1 Reestruturação Organizacional FCS 4 Desenvolvimento de Recursos Humanos FCS 2 Comunicação integrada e otimizada FCS 5 Auto-suficiência e equilíbrio financeiro definitivos FCS 3 Título de expressão no futebol profissional FCS 6 Requalificação e modernização patrimonial 16

18 3.6 Entidades de Relacionamento Ao firmar novas parcerias e renovar aquelas já existentes, o ECV tem como metas desenvolver ampla relação social para o cumprimento de sua missão, a concretização da sua visão e a realização dos seus objetivos organizacionais. Entre outras, as seguintes entidades são parceiras do ECV: Comitê Olímpico Brasileiro, Confederações e Federações Associadas; Confederação Brasileira de Futebol; Federação Baiana de Futebol; Fédération Internationale de Football Association - FIFA; Governo do Estado da Bahia; Instituições de Ensino Superior (IES); Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC); Organizações sociais, como creches, escolas e projetos de natureza sócio-ambiental, que ombrearam com o clube em 2013, no cumprimento recíproco de suas respectivas missões; Polícia Militar do Estado da Bahia; Prefeitura Municipal de Salvador. 17

19 3.7 Organograma O ECV mantém a seguinte estrutura organizacional estatutária e executiva: 18

20 3.8 Eleições no ECV As eleições para a renovação do Conselho Deliberativo e, posteriormente, para escolha do Presidente e Vice-Presidente do Conselho Diretor do ECV, foram realizadas, em reuniões ordinárias da Assembléia de Sócios e do Conselho Deliberativo, respectivamente, e marcaram a consolidação da transparência e democracia no clube, com rigoroso cumprimento do que prevê o seu estatuto social. Conselho Diretor Presidente Carlos Sergio Falcão Vice-Presidente Epifânio Carneiro Filho Diretor Jurídico Nilton Almeida Diretor de Esportes Olímpicos Mário Ferrari Diretor Social Heron Mattos de Almeida Diretor Patrimonial Hildebrando Maia Diretor de Planejamento e Controle Ricardo David Diretor de Futebol de Base Manoel Matos Diretor Médico José Carlos Brito Diretor de Relações Institucionais - Paulo Catharino Gordilho Diretor Secretário - Ricardo Neri 19

21 Conselho Deliberativo Presidente: José Alves Rocha Vice-Presidente: Silvoney Sales de Almeida Conselho Fiscal Presidente: Alexi Pelágio Portela Jr. Conselho Fiscal: Raimundo Dias Viana Conselho Fiscal: Carlos Fernando Amaral Júnior Conselho Fiscal: Pedro Amâncio de Araújo Filho Conselho Fiscal: Carlos Alberto Silveira Conselho Fiscal Suplente: Luciano Patrício de Oliveira Conselho Fiscal Suplente: Antônio Ricardo Góes Lima Conselho Fiscal Suplente: Jair de Oliveira Santos Filho A relação completa de integrantes do Conselho deliberativo encontra-se disponível no site do clube. 20

22 4. GENTE E GESTÃO Todo o quadro de colaboradores do ECV tem seu fazer balizado por uma moderna política de Recursos Humanos, que direciona todos os esforços de Gestão com Pessoas, no que concerne à Provisão, Avaliação, Desenvolvimento e Manutenção. Perfil do Quadro Funcional O Vitória conta com um quadro de colaboradores total de 211 (duzentos e onze) colaboradores, sendo 158 (cento e cinquenta e oito) do sexo masculino e 53 (cinquenta e três) do sexo feminino. Tempo de Serviço O ECV valoriza o trabalho dos seus empregados e estimula o desenvolvimento profissional com iniciativas, como, por exemplo, planejamento de carreira, treinamentos e cursos. O investimento do clube, para a manutenção do quadro de pessoal, é refletido em um dos mais baixos indices de Turnover do segmento, com baixa rotatividade do seu quadro de pessoal. 21

23 Menor Aprendiz O Programa Aprendiz Legal voltado para a preparação e a inserção de jovens no mercado de trabalho (Lei n.º /00) cumpre importante papel social, contribuindo com o desenvolvimento profissional de jovens aprendizes. O ECV acredita que a responsabilidade compartilhada, com o Estado, a sociedade e a família, propicia a inserção dos jovens no mercado de trabalho e fortalece a sua condição de cidadania. Em 2013, o clube contou com 12 (doze) menores aprendizes. Estagiários O ECV, em mais uma ação de inclusão social, estimula a inserção, no mercado de trabalho, do jovem estudante de várias áreas de conhecimento. Em 2013, atuaram no ECV 12 (doze) estagiários. Resocialização O Vitória participa do projeto de resocialização da comunidade carcerária, em projeto conjunto com a Secretaria Estadual de Justiça e Direitos Humanos, pelo qual mantém em seus quadros 04 (quatro) colaboradores que cumpriram pena ou cumprem, atualmente, regime semiaberto. 22

24 Educação e Treinamento As iniciativas em Educação e Treinamento foram fundamentais para o fortalecimento do ECV. Além de atualizar e aperfeiçoar as habilidades técnicas dos colaboradores, nossos processos de Treinamento e Desenvolvimento trazem grande retorno para os profissionais e para o ECV. Em 2013, foram realizados: - Programa de qualificação em serviço, ministrado pelo Instituto de Gestão, Educação, Política e Estratégia (INGEPE); - Coaching e orientação técnica em serviço para os gerentes das áreas de Marketing, Controladoria e Patrimônio; - Provisão de um curso de MBA em Gestão Esportiva para um gerente e dois coordenadores, da atividade meio e atividade fim, respectivamente; - Formatação das bases para um moderno PDG (Programa de Desenvolvimento da Gestão), com foco em todos os colaboradores de coordenação, supervisão e gerência. Segurança no Trabalho Visando proporcionar a segurança dos seus colaboradores, o ECV adota medidas que previnem acidentes de trabalho, entre elas, o redesenho do leiaute nas áreas de trabalho, a manutenção do sistema de segurança. Já foram iniciadas, em 2013, as primeiras tratativas para implementação da Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho (SIPAT). 23

25 Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR) Além de contribuir para a política de recursos humanos, o PCCS prima pela normatização das relações de trabalho entre o ECV e seus colaboradores. O PCCS disponibiliza uma série de alternativas que permitem ao gestor administrar os recursos humanos do ECV de forma estimulante e competitiva, valorizando o conhecimento, a competência e o desempenho da força de trabalho. Avaliação de Desempenho Baseada na Gestão por Competências (GPC) Em 2013, o ECV desenhou o modelo de avaliação de desempenho baseado na gestão por competências. Trata-se de um sistema dinâmico, que tem como referência a estratégia do clube para direcionar as ações de desenvolvimento, gestão de carreira, desempenho e desenvolvimento das competências técnicas, comportamentais e gerenciais, necessárias ao alcance dos objetivos estratégicos. Outros benefícios sociais empreendidos para os colaboradores - Plano Odontológico. - Cartão multi-benefícios Nutricach. - Décimo quarto salário. - Auxílio educação. 24

26 5. SOCIAL Integração Sócio-Esportiva Através da sua Diretoria Social, o ECV empreendeu no ano de 2013, uma série de atividades, visando a integração da família rubro-negra e o entretenimento sócio-esportivo, dentre as quais, podemos destacar: Visitação interna ao complexo poliesportivo do clube, por alunos de creches, escolas e projetos sociais com interação entre visitantes e atletas da instituição, com destaque para a Legião da Boa Vontade (LBV) e a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE), entre outras; Visitas externas de ídolos do clube à diversos espaços, com alto nível de vulnerabilidade e risco social, para distribuição de alimentos, palestras de prevenção ao uso de drogas e entorpecentes, entre outras; Projeto mãe social para acolhimento e apoio biopsicossocial, aos mais de trezentos adolescentes e jovens, integrantes das divisões de base do Esporte Clube Vitória; Desdobramento do apoio ao Hemocentro da Bahia (HEMOBA), iniciado em 2012, com a campanha Meu Sangue é Rubro-Negro, o que fez do ECV, um destaque nacional e internacional, no ano de 2013, na luta pelo aumento das doações de sangue e fortalecimento dos Hemocentros em todo o país. 25

27 Divisões de Base o Uma das melhores divisões de base do Brasil, foi coroada de êxito com a participação e conquista no torneio Real Sociedade, na Espanha. o Entre 2006 e 2013, são quase R$ ,00 (trinta milhões) de reais investidos pelo ECV, na formação integral de jovens atletas, com foco na cidadania e inclusão social, para além de um grande número de profissionalização e transição para a equipe profissional de Futebol. Esportes Olímpicos Em 2013 foram doze modalidades, com 350 atletas federados, fazendo do ECV o maior vetor de emancipação sócio-esportiva do norte e nordeste do Brasil. o Remo: Uno deca campeão baiano; Tetra campeão do Norte e Nordeste; Vice-campeão brasileiro; Campeão brasileiro no barco de 4-sem peso leve. Convocação do atleta Diego Souza para seleção brasileira juvenil. o Voleibol: Bicampeão baiano e da Copa Estado da Bahia, categoria adulto masculino; Campeão baiano e da Copa Estado da Bahia, categoria sub-20 masculino. Convocação do atleta Maicon Lima, de 16 anos para seleção brasileira infanto-juvenil. 26

28 o Vôlei de Praia: Campeão baiano em 2012 e campeão baiano de duplas em o Basquete: Campeão baiano invicto, categoria adulto masculino. Além da categoria adulto, equipes sub-22, sub-19, sub-17, sub-15, sub-13. o Judô: Campeão baiano por equipes; campeão baiano absoluto (todos os pesos com o atleta Maicon França); Sétimo colocado no campeonato brasileiro. Existe esperança de termos representante olímpico. o Taekwendo: Campeão baiano por equipe, vice-campeão brasileiro sênior com o atleta Giovani Santana. Convocação do atleta Josy henrique Cruz para seleção brasileira. o Natação: A nadadora paraolímpica Mônica Veloso conquista títulos nacionais e internacionais. o Boliche: Campeão baiano de duplas em O atleta Márcio Menezes conquista quinta colocação no campeonato brasileiro. A atleta Titila Alvarez é campeã estadual e participa da seleção brasileira, tendo inclusive disputado o campeonato pan-americano. o Futebol de Salão: Equipe adulta masculina conquista terceiro lugar no campeonato baiano; Equipe sub-20 conquista segundo lugar no campeonato baiano. o Surf: O atleta Marcos Fernandez representa o Clube em torneios mundiais. Ele está no ranking dos trinta melhores surfistas do mundo. o Futebol Feminino: Conta com cerca de trinta atletas e está se preparando para o campeonato baiano. Nosso mando de campo é o Centro de Treinamento do Estádio Manoel Barradas Barradão. o Handebol: Equipe já montada e treinando, nas categorias: masculino e feminino. 27

29 6. GESTÃO SOCIOAMBIENTAL A gestão socioambiental no ECV está fundamentada nos seguintes princípios: Bom relacionamento com a comunidade e com os organismos ambientais; Garantia de segurança e bem-estar dos empregados; Busca do compromisso ambiental; A questão ambiental como valor agregado ao negócio; Contribuição para o desenvolvimento sustentável da sociedade, por meio de ações e projetos. Projetos Socioambientais 2013 O Esporte Clube Vitória, a Secretaria do Meio Ambiente da Bahia e outras instituições, firmaram parcerias para ações de sustentabilidade ambiental, dentre as quais, pode-se destacar: O plantio de mais de trezentas mudas ao redor do complexo poliesportivo, Benedito Dourado da Luz; A busca do selo "Barradão Carbono Zero", com a redução de impactos ambientais e compensação da emissão de carbono, gerada pela utilização do equipamento; Concepção do projeto de coleta seletiva e reciclagem de resíduos, em todas as instalações do ECV, com previsão de consolidação em

30 7. GOVERNANÇA E TRANSPARÊNCIA Quando o assunto é transparência, o Vitória só joga aberto! As Políticas e Gestão em Transparência e Governança Corporativa, até aqui, rendem ao Vitória, a condição de agremiação destaque neste campo. Não obstante, considerando a natureza dialética e dinâmica dos atos e fatos inerentes aos ambientes da organização, existe a previsão para atualização continuada das práticas do clube. Para tal, a instituição conta com um Grupo de Trabalho de Transparência e Gestão, formado por conselheiros de notória especialização e comprovada expertise, com a incumbência de acompanhar a dinâmica do mercado, os ditames da sociedade e as idiossincrasias do clube, no sentido de propor, a partir de construções coletivas mediadas que levem em conta todos os setores da instituição, metodologias e técnicas que aprimorem as práticas da Governança e ajudem a efetivar, dia a dia, o ideal de transparência máxima de suas ações. Em nosso site, bem como em outros meios de comunicação ligados ao clube, podemos encontrar sintetizados todos os esforços do Esporte Clube Vitória, neste campo, sendo importante destacar: 29

31 Área específica para Governança e Transparência em nosso portal; Construção participativa e Publicação da Política de Governança do Esporte Clube Vitória, inédita para o nosso segmento no país; Publicação no site e estrito cumprimento do estatuto social do clube; Construção coletiva de um moderno Código de Ética e Conduta, integrado à uma política quanto à conflitos de interesses; Existência, publicação no site e estrito cumprimento dos organogramas, estatutário e executivo; Publicação aberta do orçamento para o ano vigente; Publicação, dentro do prazo legal, de balanço anual do último exercício (2013) e de anos anteriores; Publicação, dentro do prazo legal, de balanços trimestrais e mensais; Publicação dos pareceres dos auditores referentes à todos os balanços e notas explicativas, sem ressalvas relacionadas à transparência; Publicação frequente de notas relacionadas à fatos relevantes em nosso site, sempre que a dinâmica, os atos e fatos da vida da agremiação nos impõe; Publicação dentro do prazo de todas as demonstrações financeiras, do exercício de 2014 e dos exercícios anteriores; 30

32 Convocação de coletiva de imprensa e divulgação de press release, para apresentação das contas do clube no exercício, posterior à apresentação das mesmas para o Conselho Deliberativo, com aprovação por unanimidade; Publicação do Planejamento Estratégico; Publicação de um inédito Balaço Social, com relatório anual de sustentabilidade, integrado à fatos relevantes, além da divulgação permanente dos mesmos nas diversas mídias; Publicação das atas das reuniões dos Conselhos do Clube, com seus respectivos pareceres, acerca dos assuntos, os quais lhes compete apreciar, opinar e arbitrar; Destinação de conselheiros, especificamente, para mediação da relação com nossos stakeholders, nas funções de Ouvidor e de Relações institucionais, respectivamente. Todas estas ações e avanços estão lastreadas em modernas metodologias de gestão da informação, difusão do conhecimento e transparência, consoantes com os ditames de organismos como Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas e do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Todo este esforço e os resultados colhidos são fruto de um trabalho coletivo e da paixão que nos fez construir uma das maiores, mais transparentes e competitivas agremiações desportivas do futebol. 31

33 8. INFORMAÇÕES ADICIONAIS Para esclarecimentos sobre as informações declaradas: Endereço: Rua Arthêmio Valente, 01, Praça Nossa Senhora da VITÓRIA, Canabrava, Salvador, Bahia, CEP Bairro: Canabrava Cidade: Salvador Estado: Bahia Telefone: (71) Site: CNPJ: / Representante legal: Carlos Sérgio Sampaio Falcão - Presidente 32

34 33

Política de Governança

Política de Governança José Alves Rocha Presidente do Conselho Deliberativo Silvoney Sales de Almeida Vice-Presidente do Conselho Deliberativo Carlos Sérgio Sampaio Falcão Presidente do Conselho Diretor Epifânio Carneiro Vice-Presidente

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

SÃO PAULO, DEZEMBRO 2014

SÃO PAULO, DEZEMBRO 2014 SÃO PAULO, DEZEMBRO 2014 Objetivo e público Programa para incentivar a prática esportiva nas escolas, democratizar o acesso ao esporte, desenvolver e difundir valores olímpicos e paraolímpicos entre estudantes

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015.

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015. REV.: 03 Pág.: 1 de 6 A Manaus Ambiental torna público que estão abertas as inscrições para a seleção de Instituições e Projetos Sociais para o 14º Dia do Voluntariado. A empresa realizará o processo de

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

MBA em Gestão de Ativos.

MBA em Gestão de Ativos. /biinternational /biinternational MBA em Gestão de Ativos. Unidade WTC www.biinternational.com.br O B.I. International O B.I. International é uma escola de educação executiva que propõe um Modelo Único

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005 Institui orientação para regulamentação do art. 3º

Leia mais

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente Portfólio QUEM SOMOS Somos uma empresa de consultoria organizacional que vem desenvolvendo e implementando em diversas clientes projetos nas áreas de Gestão Recursos Humanos e Comercial/Vendas. Silmar

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários de qualidade.

VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários de qualidade. MISSÃO Oferecer serviços imobiliários de qualidade, gerando valor para os clientes, colaboradores, sociedade e acionistas. VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários

Leia mais

Estrutura de Governança Corporativa

Estrutura de Governança Corporativa Estrutura de Governança Corporativa Conselho de Administração Composto de nove membros, sendo dois independentes (sem vínculos com os acionistas signatários do acordo de acionistas, na forma da regulamentação

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Proposta de projetos para o desenvolvimento do remo nacional Autor: Gustavo Maia Atualizado em: 27/03/2015

Proposta de projetos para o desenvolvimento do remo nacional Autor: Gustavo Maia Atualizado em: 27/03/2015 P1. Implantação e manutenção de unidades gerenciais na CBR Aumentar o nível de maturidade gerencial da CBR A melhoria do gerenciamento da CBR causará impacto positivo em todas as partes interessadas Captação

Leia mais

Projeto Voleibol Valinhos

Projeto Voleibol Valinhos Projeto Voleibol Valinhos Atualmente o Country Club Valinhos em parceria com a Prefeitura Municipal de Valinhos e apoiado pela Lei Paulista de Incentivo ao Esporte possui 4 categorias de Voleibol Feminino,

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP DADOS JURÍDICOS O Instituto SAVIESA DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA é uma associação, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede no município de Vitória, Estado do Espírito Santo, à Rua

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

A Prática na Unimed João Pessoa

A Prática na Unimed João Pessoa A Prática na Unimed João Pessoa 27º Encontro Nacional de Núcleos de Desenvolvimento Humano e Comitês Educativos Unimed do Brasil São Paulo, Julho/2015 COOPERATIVISMO E GOVERNANÇA Princípios e Características

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

O PAPEL DO ADMINISTRADOR NA RECUPERAÇÃO DAS EMPRESAS. BDO Brazil Page 1

O PAPEL DO ADMINISTRADOR NA RECUPERAÇÃO DAS EMPRESAS. BDO Brazil Page 1 O PAPEL DO ADMINISTRADOR NA RECUPERAÇÃO DAS EMPRESAS Page 1 Raul Corrêa da Silva Sócio-fundador e Presidente da BDO RCS; Administrador de empresas, Contador e Advogado ; Auditor Independente registrado

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Ref: Proposta de convênio para a participação nos MBAs da Fundação Getúlio Vargas em Goiânia, para 2005.

Ref: Proposta de convênio para a participação nos MBAs da Fundação Getúlio Vargas em Goiânia, para 2005. Goiânia, 10 de dezembro de 2004. Sra. Maria D Abadia de Oliveira Borges Brandão Gerente Executiva da Escola de Governo Escola de Governo do Estado de Goiás Ref: Proposta de convênio para a participação

Leia mais

Exposição de marca Além de obter maior visibilidade na mídia, através da associação com equipes e atletas de alto rendimento, a marca da instituição

Exposição de marca Além de obter maior visibilidade na mídia, através da associação com equipes e atletas de alto rendimento, a marca da instituição Os jogos olímpicos mais diretamente possuem vinculação com o ensino superior por ter a participação de atletas oriundos de disputas universitárias. Conforme aponta estimativa da Koch Tavares, empresa especializada

Leia mais

3º EDITAL SULAMÉRICA SEGUROS E PREVIDÊNCIA PARA CAPTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS PELA LEI DE INCENTIVO FISCAL 8.069/1990 NA CIDADE DE SÃO PAULO

3º EDITAL SULAMÉRICA SEGUROS E PREVIDÊNCIA PARA CAPTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS PELA LEI DE INCENTIVO FISCAL 8.069/1990 NA CIDADE DE SÃO PAULO 3º EDITAL SULAMÉRICA SEGUROS E PREVIDÊNCIA PARA CAPTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS PELA LEI DE INCENTIVO FISCAL 8.069/1990 NA CIDADE DE SÃO PAULO I. APRESENTAÇÃO A SulAmérica Seguros, Previdência e Investimentos

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

Valor das marcas dos 17 clubes mais valiosos do Brasil

Valor das marcas dos 17 clubes mais valiosos do Brasil Valor das marcas dos 17 clubes mais valiosos do Brasil Edição de 2012 Valor das marcas dos 12 clubes mais valiosos do Brasil Pelo quarto ano consecutivo a BDO publica seu estudo avaliando as marcas dos

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro Gestão e Marketing Esportivo Prof. José Carlos Brunoro O Sucesso depende de 3 pontos importantes 1. CONHECIMENTO 2. LIDERANÇA 3. CONDUTA PESSOAL 1 CONHECIMENTO Estudo Constante Aprender com todos Idioma

Leia mais

Desde a criação do programa, a New Age implementou e tem monitorado diversas ações com foco ambiental, social e econômico.

Desde a criação do programa, a New Age implementou e tem monitorado diversas ações com foco ambiental, social e econômico. Faz parte da vontade da diretoria da New Age contribuir socialmente para um mundo melhor, mais justo e sustentável. Acreditamos que através da educação e com a experiência que temos, transportando tantos

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Banco Cooperativo Sicredi S.A. Versão: Julho/2015 Página 1 de 1 1 INTRODUÇÃO O Sicredi é um sistema de crédito cooperativo que valoriza a

Leia mais

AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS

AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS Relatório de Atividades 2014 Sumário 1.0 Introdução - Pág 3 2.0 Quem Somos, Estatísticas, Valores - Pág 4 3.0 Projetos 2014 - Pág 5 a 15 3.1 Novo site - Pág 5 a 12

Leia mais

ESPORTE E CIDADANIA, PROGRAMA MEDALHA DE OURO GINÁSTICA DE TRAMPOLIM E ARTÍSTICA

ESPORTE E CIDADANIA, PROGRAMA MEDALHA DE OURO GINÁSTICA DE TRAMPOLIM E ARTÍSTICA ESPORTE E CIDADANIA, PROGRAMA MEDALHA DE OURO GINÁSTICA DE TRAMPOLIM E ARTÍSTICA Projeto enviado por Lúcia de Fátima Albuquerque Silva - Juíza de Direito Titular da Vara Criminal e da Infância e da Juventude

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

Indústria do Esporte. Futebol, a maior paixão dos brasileiros Potencial mercadológico atual

Indústria do Esporte. Futebol, a maior paixão dos brasileiros Potencial mercadológico atual Indústria do Esporte Futebol, a maior paixão dos brasileiros Potencial mercadológico atual Abril 2011 Futebol, a maior paixão dos brasileiros Potencial mercadológico atual A BDO RCS, por meio de sua área

Leia mais

Crianças e jovens, de 09 até 17 anos de idade, participam de Escolinha e das Equipes nas competições oficiais.

Crianças e jovens, de 09 até 17 anos de idade, participam de Escolinha e das Equipes nas competições oficiais. ABIG / JEQUIÁ BASQUETE * Localizado na Ilha do Governador * Há 40 anos participando das competições de Basquete no Estado do Rio de Janeiro * Equipes participando de 5 categorias nesta temporada Crianças

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão 00-fevereiro de 2014 1/11 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 2. OBJETIVOS DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 3. ORGANIZAÇÃO... 4 4. HISTÓRICO... 6 5.

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Tendências em Gestão de Pessoas

Tendências em Gestão de Pessoas Tendências em Gestão de Pessoas Iniciamos um novo ano, 2011. Dois meses já se passaram, e voltamos aos artigos sobre RH estratégico, Tendências de Recursos Humanos, Novos Rumos para a área de Recursos

Leia mais

Discurso 04/12/2003. Dr. Alfredo Setubal

Discurso 04/12/2003. Dr. Alfredo Setubal Discurso 04/12/2003 Dr. Alfredo Setubal Presidente do Conselho de Administração do IBRI - Instituto Brasileiro de Relações com Investidores Boa Noite! Esta cerimônia de final de ano é a minha última à

Leia mais

Futebol alemão X Futebol brasileiro

Futebol alemão X Futebol brasileiro Futebol alemão X Futebol brasileiro Um fez sua revolução. Outro nem começou! Novembro de 2015 A revolução na Alemanha Eliminação precoce na Eurocopa de 2000 impulsionou as mudanças. Plano de longo prazo

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE.

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE. CARTA DE RECIFE O Fórum Nacional de Conselhos Estaduais de Educação realizou em Recife, no período de 16 a 18 de setembro a Reunião Plenária da Região Nordeste, com a participação dos Conselhos Estaduais

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

I Encontro de Prefeitos e Secretários de Finanças dos Municípios do Estado da Bahia

I Encontro de Prefeitos e Secretários de Finanças dos Municípios do Estado da Bahia I Encontro de Prefeitos e Secretários de Finanças dos Municípios do Estado da Bahia A Associação Transparência Municipal ATM foi fundada em 5 de abril de 2008 DEFINIÇÃO A ASSOCIAÇÃO TRANSPARÊNCIA MUNICIPAL

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

Guia para Boas Práticas

Guia para Boas Práticas Responsabilidade Social Guia para Boas Práticas O destino certo para seu imposto Leis de Incentivo Fiscal As Leis de Incentivo Fiscal são fruto da renúncia fiscal das autoridades públicas federais, estaduais

Leia mais

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor O que é o Padrão de Gestão e Transparência O Padrão de Gestão e Transparência (PGT) é um conjunto de práticas e ações recomendadas para as organizações sem fins lucrativos brasileiras organizadas na forma

Leia mais

CFO Estrategista Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

CFO Estrategista Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES Governo do Estado do Espírito Santo Secretaria de Estado da Fazenda do Espírito Santo Subsecretaria de Estado da Receita Subsecretária do Tesouro Estadual Subsecretário de Estado para Assuntos Administrativos

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Ações de Adaptação de Comunidades e seus Ecossistemas aos Eventos Climáticos

Ações de Adaptação de Comunidades e seus Ecossistemas aos Eventos Climáticos PROCESSO SELETIVO 2011 Ações de Adaptação de Comunidades e seus Ecossistemas aos Eventos Climáticos REGULAMENTO Prezado Gestor, Criado em 2006, o Instituto HSBC Solidariedade é responsável por gerenciar

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

Edital de Convocação nº 01/2015. Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais

Edital de Convocação nº 01/2015. Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais Edital de Convocação nº 01/2015 Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais A Presidente do CMAS Conselho Municipal de Assistência Social de Cáceres, no uso de suas atribuições

Leia mais

Nossos Valores Quem Somos? Nossa Missão Nossa Visão Nossa Atuação Nossos Resultados Modelos de Ecovilas e Projetos Sustentáveis.

Nossos Valores Quem Somos? Nossa Missão Nossa Visão Nossa Atuação Nossos Resultados Modelos de Ecovilas e Projetos Sustentáveis. Nossos Valores Quem Somos? Nossa Missão Nossa Visão Nossa Atuação Nossos Resultados Modelos de Ecovilas e Projetos Sustentáveis Localização Missão, Valores e Visão Os 5 Pilares Objetivos e estratégias

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Atualização e Capacitação Sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Módulo III Gestão das Políticas Públicas Aula 5 Parcerias na gestão e execução

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 05/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 05/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 05/2014 O Instituto Aliança com o Adolescente, associação civil sem fins lucrativos e qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP, MJ nº 08015.013735/2002-16,

Leia mais

Grupo A (Temas discutidos) - Como atrair a Comunidade para as propostas do Conselho da Comunidade?

Grupo A (Temas discutidos) - Como atrair a Comunidade para as propostas do Conselho da Comunidade? CONCLUSÕES DO I ENCONTRO DE CONSELHOS DA COMUNIDADE DA REGIÃO SUL DO BRASIL E DO III SEMINÁRIO DO PROJETO TRABALHO PARA A VIDA DA CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA DO RS, REALIZADO EM PORTO ALEGRE, EM 18 DE

Leia mais

A HISTÓRIA DA MODALIDADE EM INDAIATUBA

A HISTÓRIA DA MODALIDADE EM INDAIATUBA 1 A HISTÓRIA DA MODALIDADE EM INDAIATUBA O handebol é praticado em Indaiatuba há 20 anos. Nos primeiros anos sem um forte trabalho de base, os times foram montados com atletas migrados de outros esportes

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA Função no Projeto: Contratação de consultoria especializada para desenvolver e implementar estratégias de impacto e sustentabilidade da Campanha Coração Azul no

Leia mais

Demonstrações Financeiras ano Base 2009

Demonstrações Financeiras ano Base 2009 O Movimento Somos Mais Vitória, que luta por Democracia, Transparência, Respeito ao Torcedor e Profissionalismo na gestão do Esporte Clube Vitória, vem através deste documento, elaborado pelos seus coordenadores

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Brasília, Maio de 2014

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Brasília, Maio de 2014 Programa de Desenvolvimento Gerencial Brasília, Maio de 2014 A Embrapa Missão Viabilizar soluções de pesquisa, desenvolvimento e inovação para a sustentabilidade da agricultura em benefício da sociedade

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Palavra do Presidente

Palavra do Presidente Palavra do Presidente Estou feliz por reiniciar os trabalhos de nossa entidade, especialmente em ano de véspera de copa do mundo uma temporada diferente pela realização do próximo mundial sendo no Brasil

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida profissionais

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação A Dinâmica da Terra é uma empresa onde o maior patrimônio é representado pelo seu capital intelectual. Campo de atuação: Elaboração de estudos,

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PARA ATENDIMENTO AO CONVENIO Nº 711591/2009 MDS/ITS/CEDEP

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais