Anderson Lopes Edgard Antônio Lemos Alves

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anderson Lopes Edgard Antônio Lemos Alves"

Transcrição

1 Anderson Lopes Edgard Antônio Lemos Alves Noções de Administração Geral/Pública 2013

2 2013 Vestcon Editora Ltda. Todos os direitos autorais desta obra são reservados e protegidos pela Lei nº 9.610, de 19/2/1998. Proibida a reprodução de qualquer parte deste material, sem autorização prévia expressa por escrito do autor e da editora, por quaisquer meios empregados, sejam eletrônicos, mecânicos, videográfi cos, fonográfi cos, reprográfi cos, microfílmicos, fotográfi cos, gráfi cos ou outros. Essas proibições aplicam-se também à editoração da obra, bem como às suas características gráfi cas. Título da obra: Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região Módulo 1 Analista Judiciário Área Judiciária Analista Judiciário Área Judiciária Especialidade: Ofi cial de Justiça Avaliador Federal Conhecimentos Gerais e Específi cos Nível Superior Atualizada até (A1-AT571) (Conforme Edital de Abertura de Inscrições, publicado no Diário Ofi cial da União, de 2/10/2013 FCC) Noções de Administração Geral/Pública Autores: Anderson Lopes Edgard Antônio Lemos Alves DIRETORIA EXECUTIVA Norma Suely A. P. Pimentel PRODUÇÃO EDITORIAL Dinalva Fernandes Maria Neves Reina Terra Amaral EDIÇÃO DE TEXTO Cláudia Freires Paulo Henrique Ferreira CAPA/ILUSTRAÇÃO Anderson Lopes de Moraes PROJETO GRÁFICO Clicktime Design ASSISTENTE DE PRODUÇÃO Jaqueline Câmara EDITORAÇÃO ELETRÔNICA Adenilton da Silva Cabral Carlos Alessandro de Oliveira Faria Diogo Alves Marcos Aurélio Pereira REVISÃO Ana Paula Oliveira Pagy Érida Cassiano Giselle Bertho Micheline Cardoso Ferreira Raysten Balbino Noleto ASSISTENTE EDITORIAL Gabriela Tayná Moura de Abreu SEPN 509 Ed. Contag 3º andar CEP Brasília/DF SAC: (61) Tel.: (61) Fax: (61)

3 TRT 15ª REGIÃO SUMÁRIO Noções de Administração Geral/Pública* Processo organizacional: planejamento, direção, comunicação, controle e avaliação...5 Gestão Estratégica: Excelência nos serviços públicos...12 Gestão estratégica do Poder Judiciário brasileiro: ferramentas de análise para gestão e planejamento estratégico, tá co e operacional...13 Balanced scorecard, estratégias, indicadores de gestão, gestão de projetos, gestão por competências...20 Gestão pública eficiente, eficaz e efe va PDCA, monitoramento e avaliação... 59/61 Estrutura organizacional, cultura, liderança e clima organizacional, controle do patrimônio público...66 Gestão pública: é ca no serviço, gestão de pessoas e gestão de processos, simplificação de ro na de trabalho Príncipios da administração pública, princípios gerais da administração... 94/127 * Somente para os cargos: Analista Judiciário Área Judiciária Especialidade Oficial de Jus ça Avaliador Federal, Analista Judiciário Área Judiciária, Analista Judiciário Área Apoio Especializado Especialidade Arquivologia, Analista Judiciário Área Apoio Especializado Especialidade Biblioteconomia, Analista Judiciário Área Administra va Especialidade Contabilidade, Analista Judiciário Área Apoio Especializado Especialidade Engenharia (Civil), Analista Judiciário Área Apoio Especializado Especialidade Psicologia, Analista Judiciário Área Apoio Especializado Especialidade Serviço Social, Analista Judiciário Área Apoio Especializado Especialidade Tecnologia da Informação, Técnico Judiciário Área Apoio Especializado Especialidade Tecnologia da Informação, Técnico Judiciário Área Administra va Especialidade Segurança.

4

5 Anderson Lopes/Edgard Antônio Lemos Alves PROCESSOS ORGANIZACIONAIS A Administração é o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos a fim de alcançar seus obje vos. Estes são os elementos da Administração que cons tuem o chamado processo administra vo. Ciclo das Funções Administra vas Planejamento Em linhas gerais, planejamento é decidir de forma antecipada o que deverá ser feito para a ngir um determinado obje vo ou meta. Quando tratamos de planejamentos administra vos, podemos destacar dois pos principais: Planejamento geral U lizado, em geral, de forma permanente; Planejamento especial É do po que, ao se a ngir o obje vo, não é mais u lizado. O Processo de Planejamento tem por obje vo prever fatos que provavelmente ocorrerão de forma a criar um futuro desejável coordenando os fatos entre si. Conquistando esses obje vos os bene cios conquistados estarão entre a permanência das decisões acertadas com um equilíbrio almejando um maior desempenho futuro. O resultado final do processo de planejamento é a elaboração de planos. Esse processo pode ser resumido em: Avaliação do ambiente; Definição de Obje vos a serem a ngidos Nesta etapa são definidos os resultados finais desejados; Definição da forma de execução Nesta etapa são definidos os meios e recursos a serem u lizados; Definição das formas de controle. Planejamento Conteúdo Extensão de Tempo Amplitude Estratégico Genérico, sinté co, abrangente Longo Prazo Macroorientado. Aborda a empresa como uma totalidade. Tá co Menos genérico e mais detalhado. Médio Prazo. Aborda cada unidade da empresa separadamente. Operacional Detalhado, específico e analí co. Curto Prazo. Microorientado. Aborda cada tarefa ou operação apenas. Organização Organização é o processo administra vo que visa à estruturação da empresa, reunindo pessoas e os equipamentos, de acordo com o planejamento efetuado. Para Chiavenato (2000), organizar consiste em: Fonte: Chiavenato (2000, p. 86) determinar as a vidades específicas necessárias ao alcance dos obje vos planejados (especialização). agrupar as a vidades.em uma estrutura lógica (departamentalização). designar as a vidades às específicas posições e pessoas (cargos e tarefas). 5

6 A organização pode ser estruturada em três níveis diferentes: Abrangência Tipo de Desenho Conteúdo Resultante Nível Ins tucional Desenho Organizacional A empresa como uma Tipos de Organização. totalidade. Nível Intermediário Desenho Departamental Cada Departamento Tipos de Departamentalização Isoladamente. Nível Operacional Desenho de Cargos e Tarefas Cada Tarefa ou operação. Análise e Descrição de Cargos. Fonte: Chiavenato (2000, p. 53) Direção Direção é o processo administra vo de condução e coordenação das execuções de tarefas que foram planejadas anteriormente. Os principais meios de direção empresarial são: 1. Ordens ou Instruções; 2. Mo vação; 3. Comunicação; 4. Liderança; 5. Processo Decisório. Ordens ou Instruções Ordens ou instruções são os atos de transmi r decisões aos subordinados que deverão cumprir o que lhes foi determinado. As ordens podem receber as seguintes classificações: Quanto à amplitude: ordens gerais obrigação de todos os colaboradores da organização; ordens específicas competência de um ou de poucos colaboradores da empresa. Quanto à forma: ordens verbais ordens dadas por meio de viva voz aos executores; ordens escritas ordens entregues por escrito aos executores. Elementos da Comunicação: Emissor e Receptor, Canais de Comunicação, Mensagens, Códigos e Interpretação, Obstáculos à Comunicação, a Voz e suas Funções Segundo Philip Kotler, o processo de comunicação possui nove variáveis, conforme ilustrado no quadro seguinte: Feedback O emissor e o receptor representam as partes envolvidas na comunicação (quem emite e quem recebe a mensagem). A mensagem e o meio representam as principais ferramentas de comunicação: o que se diz e de que forma o receptor tem acesso à informação. A Codificação, a decodificação, a resposta e o feedback (retorno) são os elementos que dizem respeito ao processo de comunicação em si. E o ruído corresponde a todos os fatores que possam interferir na mensagem que se pretende transmi r. Emissor/Receptor O emissor é a pessoa que quer comunicar algo, ou seja, quem emite a mensagem. O receptor é aquele que recebe a mensagem e efetua um retorno. Lembre-se, não existe comunicação sem retorno! Codificação/Decodificação Parte da informação que será recebida pelo receptor está relacionada à forma como o texto é redigido, às fotos e figuras u lizadas na comunicação, à música usada em uma propaganda e a outros códigos. A escolha dos códigos mais adequados para cada público e para cada reação que se deseja gerar é de fundamental importância para o sucesso da comunicação. Segundo Philip Kotler, para que uma mensagem seja efe va, o processo de decodificação (entendimento dos códigos u lizados) precisa ser coerente com as experiências passadas do receptor e com suas expecta vas. O nível de interesse que o receptor tem pelo assunto, obviamente, irá afetar a sua percepção e a retenção da mensagem. Mensagem É o que efe vamente se diz às pessoas. A forma como é codificada a mensagem pode influir no resultado da comunicação (resposta e feedback). A compreensão da mensagem pode ficar prejudicada se ela não levar em conta todo o sistema de crenças e valores do receptor. Os receptores vão ouvir apenas o que se ajusta às suas expectativas e às suas crenças. Eles podem alterar a 6

7 mensagem durante o processo de decodificação, ignorando informações importantes que não estão de acordo com seu sistema de crenças e/ou acrescentar informações que possuem de outras fontes e que também alteram o conteúdo da mensagem que queríamos transmi r. Quanto mais simples, clara e direta for a mensagem, maior a probabilidade de que o receptor a compreenda corretamente, sem distorcer a informação recebida. Mídia Os meios de comunicação devem ser escolhidos de acordo com as caracterís cas do receptor que se deseja a ngir. Além disso, cada meio de comunicação tem caracterís cas próprias, desempenhando um papel diferente no processo de comunicação. Ruído Barreiras nas Comunicações Egocentrismo Incapacidade de enxergar o ponto de vista de quem fala, além de compelir a rebater tudo o que o outro disse, sem ao menos ouvir o que ele disse realmente. Preconceitos e estereó pos que as pessoas têm em relação a outros também são fatores que influenciam a comunicação. Tipos de Comunicação Verbais cons tuídas pela palavra (oral e escrita). Não Verbais emi mos também mensagens não verbais que podem acontecer por meio do olhar, mímicas, posturas do corpo, gestos. A comunicação verbal é tão importante quanto a não verbal. Redes, Níveis, Direções e Barreiras na Comunicação Organizacional Barreiras na Comunicação Organizacional São os problemas que interferem na comunicação e a dificultam. São os ruídos. As barreiras gerais podem ser de natureza mecânica, fisiológica, semân ca ou psicológica. Barreiras mecânicas ou sicas Aparelho de transmissão, como o barulho, ambiente e equipamentos inadequados. A comunicação é bloqueada por fatores sicos; Barreiras fisiológicas Dizem respeito aos problemas gené cos ou de malformação dos órgãos vitais da fala; Barreiras semân cas São as que decorrem do uso inadequado de uma linguagem não comum ao receptor ou a grupos visados; e Barreiras psicológicas São os preconceitos e estereó pos que fazem com que a comunicação fique prejudicada. Levando em consideração as organizações, existem 4 classes de barreiras: barreiras pessoais As pessoas podem facilitar ou difi cultar as comunicações. Tudo irá depender da Os Três Níveis da Direção personalidade de cada um, do estado de espírito, das emoções, dos valores etc. barreiras administra vas/burocrá cas Decorrem das formas como as organizações atuam e processam suas informações. excesso de informações O excesso de informações é outra barreira bastante presente na atualidade. A sobrecarga de informações de toda ordem e nas mais variadas formas, a proliferação de papéis administra vos e ins tucionais, reuniões desnecessárias e inúteis etc. A falta de seleção e de prioridades acabam confundindo o público em vez de propiciar uma comunicação eficaz. comunicações incompletas As comunicações incompletas e parciais também cons tuem mais uma barreira na comunicação organizacional. São encontradas nas informações fragmentadas, distorcidas ou sujeitas a dúvidas, nas informações não transmi das ou sonegadas etc. Redes Formal e Informal O sistema de comunicação das organizações flui basicamente por meio de duas redes: a formal e a informal. A rede formal pode ser conceituada como o conjunto de canais e meios de comunicação estabelecidos de forma consciente e deliberados. A rede informal surge no decorrer do tempo quando o próprio sistema formal é suplementado. Ela se baseia nas relações sociais intraorganiza vas e é uma forma mais rápida de atender a demandas mais urgentes e instáveis. Fluxos Comunica vos Os fluxos mais comumente estudados são: Fluxo descendente ou ver cal É o processo de informações da cúpula dire va da organização para os subalternos, isto é, a comunicação de cima para baixo. Fluxo ascendente É o processo contrário. São as pessoas situadas na posição inferior da estrutura organizacional que enviam à cúpula suas informações. Fluxo horizontal ou lateral É a comunicação que ocorre no mesmo nível. É a comunicação entre os pares e as pessoas situadas em posição hierárquicas semelhantes. Fluxo transversal ou longitudinal Ocorre em todas as direções, fazendo-se presente nos fluxos descendente, ascendente e horizontal nas mais variadas posições das estruturas ou da arquitetura organizacional. Esse po de fluxo acontece nas organizações orgânicas e flexíveis que permitem uma gestão mais par cipa va e integrada, criam condições para que as pessoas passem a intervir em diferentes áreas e com elas interagir; e Fluxo circular Abrange todos os níveis sem se ajustar às direções tradicionais. Surge e se desenvolve muito mais nas organizações informais e favorece a efe vidade no trabalho. Níveis de Organização Níveis de Direção Cargos Envolvidos Abrangência Ins tucional Direção Diretores e altos execu vos A empresa ou áreas da empresa Intermediário Gerência Gerentes e pessoal do meio do campo Cada departamento ou unidade da empresa Operacional Supervisão Supervisores e Encarregados Cada grupo de pessoas ou tarefas Fonte: Chiavenato (2000, p. 69) 7

8 Controle Controle é o processo administra vo que realiza a verificação se tudo está sendo realizado conforme o que foi planejado e ordenado. As principais caracterís cas do controle administra vo são: maleabilidade: possibilitam a introdução de mudanças decorrentes de alterações nos planos e nas ordens; instantaneidade: apontam as faltas e os erros verificados; correção: permitem a reparação das faltas e dos erros, evitando-se a sua repe ção. Além dessas caracterís cas de um controle eficiente, temos ainda algumas classificações do controle: a) Primeira fase do controle de um serviço administra vo: quando do planejamento; quando da execução; quando da apuração dos resultados. b) Classificação do controle quanto ao tempo: controle antecedente (antes do serviço); controle concomitante (durante o serviço); controle subseqüente (depois do serviço). c) Classificação do controle quanto à duração do controle: controle permanente (execução constante); controle temporário (execução variável). d) Classificação do controle quanto ao processo: estabelecimento de padrões (critérios ou normas de serviços); avaliação de desempenho (comparar, medir ou verificar os resultados com o padrão); correção dos desvios (corrigir os planos, modificar obje vos e mudar o pessoal). Fases do Controle Controle Conteúdo Extensão de Tempo Amplitude Estratégico Genérico, sinté co e abrangente Longo Prazo Macroorientado. Aborda a empresa como uma totalidade. Tá co Menos genérico e mais detalhado Médio Prazo Aborda Ca unidade da empresa separadamente. Operacional Detalhado, específico e analí co Curto Prazo Microorientado. Aborda cada tarefa ou operação apenas. Coordenação Segundo Fayol, a coordenação tem por fim ligar, unir e harmonizar todos os atos e esforços. A coordenação deve estar presente em todas as fases da administração, isto é, quando se planeja, organiza, dirige e controla uma empresa. O Processo administra vo Trata-se de uma ferramenta u lizada pelas organizações em geral para determinar suas relações com o futuro. Colocando-se em outros termos, o planejamento envolve o processo de tomada de decisões com relação ao futuro, tentando de alguma forma, influenciá-lo. Podemos definir o ato de planejar de várias maneiras: Planejar é definir obje vos para organização, determinando que resultados devem ser alcançados, e quando isto deve ocorrer. Planejar é também dimensionar os meios necessários à obtenção dos resultados pretendidos. Fonte: Chiavenato (2000, p. 86) Planejar é intervir na realidade, de forma a produzir mudanças na organização de acordo com uma situação desejada no futuro, superior à situação vivida no presente. Planejar é tomar decisões de forma antecipada, no presente, para reduzir as incertezas inerentes ao futuro. Faz parte do trabalho do administrador o processo de tomar decisões de planejamento. A própria criação da organização se dá com a tomada de decisões básicas sobre o seu funcionamento e sobre sua relação com o ambiente organizacional. Assim, diz-se que o Planejamento é uma das aplicações do Processo Decisório, ou seja, do processo de tomada de decisões dentro da organização, que envolve diversas etapas tais como: conhecimento da situação atual, coleta de informações internas e externas à organização, valoração das informações mais relevantes, análise de alterna vas, análise de impactos de decisões prováveis etc. 8

9 A própria sobrevivência das organizações depende de sua capacidade de administrar, de forma dinâmica, seus recursos internos (humanos, materiais, tecnológicos etc.) e suas relações com o ambiente externo. As organizações apresentam diferentes capacidades de respostas aos desafios colocados pelas mudanças no ambiente externo e no meio interno. Algumas têm mais sucesso do que as outras na aplicação do processo de planejamento. Uma das explicações para o sucesso ou insucesso das organizações no que tange à u lização do planejamento como ferramenta eficaz de gestão é a própria a tude dos administradores em relação ao futuro. Os estudiosos da Administração apontam basicamente dois pos de a tude dos administradores em relação ao futuro: a a tude pode ser proa va ou rea va. Dependendo da a tude predominante dos administradores, a organização será mais ou menos afetada pelos eventos e mais ou menos eficaz ao lidar com os mesmos. As informações (internas e externas) captadas pelos administradores podem representar pontos posi vos ou nega vos, que podem ou não desencadear um processo de mudanças. Quando a organização altera de forma dinâmica seus sistemas internos e suas relações com o ambiente, em função das informações que a mesma obtém, estamos diante de uma a tude proa va. Desse modo, a a tude proa va se manifesta por meio de forças que desejam mudanças nos obje vos e na mobilização dos recursos organizações, e as impulsionam. É a a tude dos administradores que processam, de maneira posi va, as informações que vêm do ambiente externo e de dentro da própria organização. Portanto, a a tude proa va faz com que a organização possa rapidamente antecipar as mudanças e adotar os procedimentos necessários nos períodos de transição. O tempo de resposta às mudanças ambientais é curto. Se houver demora na tomada de decisões, o tempo disponível para implementar mudanças diminui; a administração torna-se rea va. A a tude rea va é representada, portanto, pelas forças que desejam a estabilidade, a manutenção do status quo; desse modo, são forças de preservação da situação atual. É uma a tude adotada pelos administradores que processam nega vamente o feedback que recebem, tanto do ambiente externo quanto de dentro da própria organização. Nesse contexto, as informações recebidas não são capazes de provocar qualquer mudança, seja na forma como a organização u liza seus recursos, quanto na maneira pela qual a mesma se relaciona com o ambiente externo. Em qualquer organização os dois pos de forças estão presentes. Ambas são igualmente necessárias. A a tude proa va é importante para promover o crescimento da organização e a mudança nos seus processos, sistemas, ro nas, enfim, em tudo aquilo que possa melhorar o seu desempenho. A a tude rea va é importante para manter o equilíbrio interno, e para impedir mudanças abruptas, desnecessárias e que possam comprometer o desempenho da organização. Mas, enfim, qual é o resultado do próprio processo de planejamento? A resposta é simples: o planejamento resulta na elaboração de planos. Planejar é o processo; os resultados são os planos. Um plano contém obje vos, que precisam estar adequadamente iden ficados, bem como as formas pelas quais a organização pode alcançá-los. Assim, podemos dizer que os planos envolvem metas e métodos. As metas representam a quan ficação dos obje vos, e a data em que os mesmos devem ser a ngidos. Os métodos significam o caminho que a organização deve percorrer para cumprir suas metas. Numa organização iremos encontrar uma grande variedade de planos que, a depender da abrangência e do impacto que têm sobre a mesma, podem ser classificados em três pos principais: Planos Estratégicos, Funcionais e Operacionais. Vejamos em que se cons tuem: Planos Estratégicos São os planos que definem os obje vos para toda a organização, bem como sua relação pretendida com o ambiente. O plano estratégico de uma organização estabelece quais são os produtos e serviços que a organização pretende oferecer. Determina também em que mercado pretende atuar, e a que clientes ela almeja atender. Assim, a preocupação deste po de plano é posicionar a empresa no mundo. Para isto são u lizados alguns conceitos fundamentais, os quais iremos estudar a seguir, tais como a Missão da Organização, sua Visão de Futuro e os seus Valores. A responsabilidade pela definição do plano estratégico é da alta administração. A ferramenta empregada para produzi- -lo é chamada de Planejamento Estratégico. Se a organização resolve adotar o planejamento estratégico em bases consistentes, de forma a torná-lo parte de seus processos normais, estará pra cando uma Gestão Estratégica. Muitas empresas promovem o envolvimento de funcionários de níveis hierárquicos inferiores durante a realização do planejamento estratégico. Trata-se de um dos aspectos da Administração Par cipa va, na qual se busca um processo mais democrá co de tomada de decisão. Em outras empresas, existem setores inteiros executando funções estratégicas, como aqueles voltados para o desenvolvimento de novos produtos e prospecção de tecnologias emergentes. a) Planos Funcionais Estes são também chamados de planos administra vos, departamentais ou tá cos. São elaborados para possibilitar a realização dos obje vos traçados nos planos estratégicos. Os planos funcionais recebem esta denominação porque abrangem áreas de a vidades especializadas da empresa, por exemplo: marke ng, finanças, recursos humanos, produção, tecnologia etc. São, portanto, de responsabilidade dos administradores dessas áreas. Representam um desdobramento dos planos estratégicos, preocupando-se com os aspectos que cabem a cada uma das áreas funcionais da empresa. b) Planos Operacionais Preocupam-se com o nível da execução, para alcançar obje vos específicos de uma determinada a vidade ou tarefa. O planejamento operacional envolve a definição de a vidades a serem realizadas e recursos a serem mobilizados, diante de um produto ou obje vo concreto. Estão ligados, portanto, à base da estrutura organizacional, em que se desempenham as mais variadas operações. Resultam, assim, de desdobramentos de planos funcionais, colaborando para a consecução dos obje vos fixados nestes. O quadro a seguir mostra um exemplo do encadeamento que existe entre os planos estratégicos, funcionais e operacionais: Departamento Presidência Diretoria de Marke ng Gerência de Pesquisa de Mercado Obje vo Aumentar a par cipação da empresa no mercado, nos próximos dois anos, de 20% para 40% das vendas totais. Desenvolver novo produto voltado para os consumidores na faixa de 20 a 30 anos. Realizar pesquisa de mercado para detectar preferências dos consumidores na faixa de 20 a 30 anos. Tipo de Plano Estratégico Funcional Operacional 9

10 Organização Organizar é o processo de dispor qualquer conjunto de recursos em uma estrutura que facilite a realização de obje vos pretendidos. O processo administra vo da organização tem como resultado o ordenamento das partes de um todo, ou a divisão de um todo em partes ordenadas, segundo algum critério ou princípio de classificação. Um conjunto organizado segundo algum po de critério é uma estrutura. Sendo assim, dizemos que uma empresa é organizada quando possui uma estrutura organizacional que iden fique basicamente três elementos: as responsabilidades, a autoridade e a comunicação entre as pessoas que nela trabalham. O processo de organização é um processo de tomada de decisões sobre como dispor responsabilidade, autoridade e linhas de comunicação. Os dados de entrada do processo decisório da organização se originam no próprio processo de planejamento. Por sua vez, o resultado do processo de organização é uma determinada estrutura organizacional. A escolha da estrutura organizacional é uma das principais decisões a serem tomadas pelo administrador. A estrutura organizacional define a autoridade e as responsabilidades das pessoas, como indivíduos e como integrantes de grupos, sendo representada por um gráfico denominado organograma. Observa-se em qualquer organograma os seguintes aspectos: de determinados bens, pois conduz à especialização dentro da empresa. A responsabilidade pela execução de cada tarefa pode ser atribuída a indivíduos ou a grupos (equipes de trabalho). O conjunto de tarefas atribuídas a uma pessoa chama-se cargo. Um cargo é a menor unidade de trabalho da estrutura organizacional. Um cargo consiste de um conjunto de tarefas ou responsabilidades específicas que uma pessoa (ocupante do cargo) deve desempenhar. Uma das providências que devem ser tomadas no processo de definição da estrutura organizacional é justamente descrever os cargos que exis rão nessa estrutura e as correspondentes atribuições. Desse modo, o ocupante do cargo deverá responder perante seus superiores pela execução das a vidades inerentes a ele. Um departamento, por sua vez, é um agregado de cargos, e tem também responsabilidade em relação a uma determinada função na organização (produção, marke ng, finanças etc.). Geralmente os departamentos são iden ficados pelo tulo da função sob sua responsabilidade (ex.: Diretoria de Produção, Gerência de Marke ng, Superintendência de Finanças etc.). Direção e Controle O processo de Direção consiste na realização das a vidades planejadas, cuja natureza depende do po de organização, dos obje vos fixados, das estratégias escolhidas, bem como das competências pessoais, da disponibilidade de recursos materiais e de outros fatores diversos. Também chamado de Processo de Execução, a Direção envolve a supervisão, o acompanhamento, a mo vação, o exercício da autoridade e da liderança, além de outros fatores que efe vamente farão a organização navegar rumo aos obje vos traçados. Os dados de entrada do processo de Direção/Execução são os processos de planejamento e de organização. Os resultados da execução, conforme a figura a seguir, são os próprios produtos e serviços: Divisão do trabalho: os retângulos representam unidades de trabalho (departamentos) e indicam como as responsabilidades estão divididas dentro da organização. Autoridade e Hierarquia: a quan dade de níveis ver- cais em que os retângulos estão agrupados mostra como a autoridade está distribuída, do gerente que tem mais autoridade, no topo da estrutura, até o que tem menos autoridade, na base da estrutura. Comunicação: as linhas que ligam os retângulos mostram a interdependência das unidades de trabalho. As linhas de comunicação nascem das decisões sobre divisão do trabalho e autoridade e hierarquia. Divisão do Trabalho É o processo por meio do qual uma determinada a vidade é dividida em tarefas menores, cada uma das quais atribuídas a uma pessoa ou equipe. A divisão do trabalho permite às organizações realizar tarefas complexas, como a montagem de veículos, a construção de prédios, navios etc. A divisão do trabalho permite ganhos de produ vidade que viabiliza a produção em massa Muitas vezes, planejamento e direção podem se sobrepor. Os planos evoluem na medida em que a execução avança; eles são detalhados e modificados, para incorporar novas decisões e para que sejam implementadas ações corre vas, se for o caso. Autoridade Estamos aqui tratando da autoridade formal, ou seja, do direito legal que os chefes ou gerentes têm de influenciar o comportamento de seus subordinados, bem como de u lizar ou comprometer os recursos organizacionais. Em outras palavras, a autoridade envolve o direito formalmente cons tuído (com base em lei, regulamentos, re- 10

11 gimentos ou outro instrumento de caráter norma vo) que tem o chefe de exigir o cumprimento de determinadas tarefas por parte do subordinando, sendo facultado ao superior a possibilidade de algum po de sanção caso a ordem não seja cumprida. Autoridade envolve também o poder de decisão sobre a u lização dos recursos disponíveis pela organização no cumprimento de certas a vidades. A autoridade é o mecanismo que garante a coordenação e a execução das tarefas especializadas, pois envolve poder. Assim, no desenho da estrutura organizacional, é necessário saber como distribuir de forma adequada este poder dentro da empresa. Além disso, há pos diferentes de autoridade formal, que pode ser vistos a seguir: Autoridade de linha: é inerente à cadeia de comando e define as relações entre chefes e subordinados. O mecanismo da autoridade formal de linha es pula que os chefes têm o direito de emi r ordens e de esperar a obediência ou adesão daquelas pessoas que trabalham para eles, ou em suas equipes. Autoridade de assessoria (ou de staff): baseia-se no desempenho de atividades de aconselhamento. É caracterís ca das funções de apoio para orientar os gerentes de linha. Exemplos: são a assessoria jurídica, assessoria econômica etc. Algumas funções de linha podem também ter autoridade de assessoria, como por exemplo, a administração de recursos humanos e administração da qualidade. Autoridade funcional: sua caracterís ca principal é o poder para determinar o que os outros devem fazer, independente das relações entre chefes e subordinados. As mesmas funções, em certos assuntos, exercem autoridade de linha e autoridade funcional. Por exemplo, a gerência de qualidade pode determinar quais critérios devem ser obedecidos na contratação de fornecedores; a gerência de recursos humanos pode determinar que todos os candidatos a emprego passem por certo processo de seleção. Observe que estamos falando da autoridade formal, que surge em função das normas internas da empresa. No entanto, existe o conceito de liderança (conforme vimos nos conceitos sobre liderança), que envolvem aspectos informais existentes na organização. O Processo de Controle O processo de controle está ligado ao alcance dos obje- vos. Para realizar as metas pretendidas, a empresa precisa dispor de informações adequadas sobre as próprias metas e sobre as a vidades que procuram concre zá-las ou seja, sobre os métodos a serem empregados na busca destas metas. O processo de controle pode ser visualizado através de um exemplo muito simples: imagine o capitão de um navio, que necessita chegar a um determinado porto. Durante toda a viagem, desde a par da, o capitão estará comparando sua posição geográfica, sua velocidade, o trajeto percorrido etc., com o seu plano de viagem. Várias informações são monitoradas constantemente, para que o capitão tenha, a qualquer momento, uma ideia precisa sobre duas coisas: Estamos realmente indo para o porto de destino, conforme traçado em nosso plano de viagem? Chegaremos na data prevista? Assim, a qualquer tempo o capitão poderá tomar medidas corre vas, caso seja necessário, ou seja, se ele verificar que eventualmente a meta (chegar no porto na data prevista) não seja cumprida. O capitão realizará o processo de Direção para fazer a correções devidas (por exemplo, aumentar a velocidade, virar dois graus a es bordo etc.). Nesse caso, como em qualquer outro, o processo de controle produz e usa informações para tomar decisões. As informações e decisões de controle permitem manter qualquer sistema orientado para o seu obje vo primordial. Resumindo, portanto, o processo de controle: Informa ao gerente sobre que obje vos devem ser a ngidos e quando. Informa ao gerente sobre o desempenho atual da organização em comparação com os obje vos traçados. Informa ao gerente que variáveis estão atrapalhando ou auxiliando no cumprimento das metas es puladas. Controlar, em essência, é um processo de tomar decisões que têm por finalidade manter um sistema na direção de um obje vo, com base em informações con nuas sobre as a vidades do próprio sistema e sobre o obje vo. Note que o próprio obje vo se torna o critério ou padrão de avaliação do desempenho da organização, ou seja, torna- -se o padrão de controle. As etapas do processo de controle são: a) Definição dos padrões de controle: permitem avaliar o desempenho da organização, com base nos obje vos fixados no planejamento, e tomar decisões corretas. b) Coleta de informações: conhecer e acompanhar a execução das a vidades, por meio da obtenção de informações sobre a realização das mesmas. c) Comparação com os padrões e ação corre va: a informação sobre o desempenho real é comparada com os padrões desejados. Com base nessa comparação, pode-se iniciar uma ação para corrigir ou reforçar as a vidades ou o desempenho. d) Recomeço do ciclo de planejamento: as informações produzidas pelo processo de controle permitem tomar decisões sobre novos obje vos e novos padrões de controle. Finalmente, cabe destacar que o controle é exercido em diferentes níveis hierárquicos da empresa: a) Controle Estratégico Tem por finalidade acompanhar e avaliar o desempenho da organização na realização de suas missões e acompanhar os fatores externos e internos que a influenciam. É o controle estratégico que produz informações da análise interna pontos fortes e fracos e externa ameaças e oportunidades. Com base nessas informações a alta administração define a relação desejada com o ambiente, ou o desempenho desejado dentro de um ambiente definido, 11

12 par ndo para a seleção das estratégias mais adequadas ao contexto. b) Controles administra vos Estes se ocupam das áreas funcionais, correspondentes aos departamentos de produção, marke ng, finanças, recursos humanos etc. Produzem informações especializadas, possibilitando a tomada de decisão em cada área da organização. A síntese das informações geradas pelos controles administra vos cons tui-se num insumo para o controle de nível estratégico. c) Controle Operacional Tem como foco as a vidades e o consumo de recursos em qualquer área funcional, no nível das tarefas realizadas. Cronogramas e orçamentos são as principais ferramentas de planejamento operacional e, simultaneamente, de controle operacional. No caso das organizações públicas, o desempenho costuma ser medido por meio de indicadores de desempenho específico, que focalizam os obje vos específicos deste po de organização. GESTÃO ESTRATÉGICA Excelência nos Serviços Públicos. Gestão por Resultados na Produção de Serviços Públicos. Gestão de Desempenho A razão de ser da existência de um Estado, qualquer que seja o seu modelo, se ditatorial ou democrá co, se federal ou unitário ou em qualquer outra classificação que se deseje u lizar, é a prestação de serviços públicos aos seus cidadãos, como forma de aumentar o bem-estar de sua população. Unindo-se a própria razão da existência do Estado ao conceito estratégico de qualidade, chega-se ao que modernamente se entende como a excelência em serviços públicos. Longe de ser algo acabado, a excelência na prestação de serviços públicos é um valor a ser buscado, con nuamente buscado. Não há, portanto, uma excelência em serviços públicos, o que há é uma con nua busca por essa excelência. Excelência nos Serviços Públicos Os valores chaves de um produto ou serviço de excelência são, pois, uma projeção da qualidade desses produtos ou serviços, levando em conta a percepção do usuário, que, no caso do serviço público, nunca é demais repe r, também é dono do negócio e tem direito, via cidadania, a ser tratado de forma adequada. Qualidade Centrada no Cliente A qualidade é julgada pelo cliente. Todos os atributos de produtos e serviços que têm valor para o cliente elevam sua sa sfação, determinam sua preferência e devem cons tuir o fundamento do sistema da qualidade da organização. No caso público, o cliente não tem escolha. Mas a democracia impõe o controle eleitoral. Valor, sa sfação e preferência podem ser influenciados por muitos fatores por meio das experiências globais vividas pelos clientes na compra ou no uso dos produtos e serviços. Esses fatores incluem o relacionamento da organização com o usuário do serviço, que conduz à confiança, fidelidade e preferência. Liderança A alta direção da organização pública deve adotar uma polí ca orientada para os clientes, criando valores claros e elevando as expecta vas quanto à qualidade. O reforço dos valores e das expecta vas requer um substancial engajamento e envolvimento pessoal. Os valores básicos e o engajamento da alta direção devem incluir áreas de responsabilidade pública e espírito comunitário da empresa, consubstanciados na criação de estratégias, sistemas e métodos para alcançar a excelência. Melhoria Con nua A ngir os mais altos níveis de qualidade e compe vidade requer um enfoque bem definido e bem executado para a melhoria con nua. A expressão melhoria con nua refere-se tanto a melhorias incrementais quanto a melhorias revolucionárias. A focalização na melhoria deve fazer parte de todas as operações e de todos os setores da empresa. O conceito de excelência insere-se no atual cenário mundial, com a globalização dos mercados e das telecomunicações, com administração com o foco no cliente e a reengenharia nas estruturas organizacionais. É definido como o estágio final dos programas de qualidade total, isto é, o momento no qual todas as funções básicas da organização ou como a produção de serviços públicos, que é o caso do setor público, que é ofertante de serviços públicos, funciona com o máximo de produ vidade e qualidade. Antes uma prerroga va para as empresas que queriam sobreviver em contexto compe vo, os serviços públicos encaixam-se também no conceito de excelência, pois dirigentes e mesmo órgãos ou empresas governamentais também sofrem alguma espécie de compe ção e devem provar a sua u lidade ou o seu potencial de agregação de valor para a sociedade. Com o aprimoramento de técnicas de medição de resultados, com a adoção de parâmetros de responsabilização pelas organizações públicas e com a tendência de maior transparência e possibilidades de controle social e de controle externo da administração, a busca por excelência no serviço público deixa de ser apenas uma espécie de carta de intenções ou de slogan e passa a ser determinante para a con nuação das a vidades de dirigentes e de organizações. Par cipação e Desenvolvimento dos Funcionários O êxito é alcançado por uma organização por meio da realização de seus obje vos quanto à qualidade e ao envolvimento da força de trabalho. O vínculo estreito entre a sa sfação dos servidores e a sa sfação dos clientes ou usuários cria uma relação de corresponsabilidade entre a empresa e os funcionários. Em função disso, a medida da sa sfação dos funcionários proporciona um importante indicador dos esforços da empresa no sen do de melhorar a sa sfação dos clientes e o desempenho operacional. Essa caracterís ca é aquela sobre a qual as organizações públicas brasileiras talvez mais tenham com que se preocupar. A situação dos servidores públicos que interagem diretamente com a população é, na maioria das vezes, muito precária, seja em termos de treinamento ou preparação para a função, seja em termos de remuneração. Resposta Rápida O sucesso em qualquer a vidade requer sempre ciclos cada vez menores de introdução de novos produtos e ser- 12

13 viços no mercado. O advento da TI e do Governo Eletrônico confirmam e possibilitam essa tendência. Além disso, uma resposta mais rápida e flexível no atendimento aos clientes cons tui hoje um requisito crucial da gestão. Melhorias relevantes no tempo de resposta frequentemente exigem que as organizações, os processos e as etapas de trabalho sejam simplificados e encurtados. Daí a importância de se trabalhar com revisão de processos, casos da qualidade total ou mesmo do enfoque mais radical da reengenharia e do benchmarking, com a absorção de competências de outras organizações. Qualidade no Projeto e Prevenção de Problemas A excelência certamente está ligada a um bom desenho da produção de um serviço ou da definição de uma polí ca pública. Um bom desenho leva a um bom processo, facilita a aferição de resultados e possibilita correções rápidas. Por isso, os sistemas da qualidade devem dar maior ênfase à qualidade do projeto, isto é, à prevenção de problemas e desperdício mediante o embu mento da qualidade nos produtos e serviços e nos processos pelos quais são produzidos. Em geral, os custos da prevenção de problemas no estágio de projeto são muito mais baixos que os custos ligados à correção de problemas que ocorrem no estágio final de produção e entrega. A qualidade introduzida no projeto inclui a criação de processos e produtos robustos em termos de capacidade de tolerar falhas. Perspec vas de Longo Prazo Conquistar o reconhecimento dos usuários com relação à qualidade requer da organização pública uma orientação voltada para o futuro e a disposição de assumir compromissos de longo prazo com os funcionários, fornecedores e a comunidade usuária dos serviços. O planejamento deve determinar ou antecipar muitos pos de mudança, inclusive fatores que possam afetar as expecta vas dos usuários e mudanças nas exigências regulamentares e nas expecta vas da comunidade/sociedade. É necessário que os planos, estratégias e alocações de recursos reflitam esses compromissos e mudanças. Parte relevante de tal compromisso a longo prazo refere-se ao desenvolvimento de servidores e fornecedores, ao cumprimento de responsabilidades públicas e ao fortalecimento do papel da organização como modelo na promoção do espírito comunitário. Gestão Baseada em Fatos A realização das metas de melhoria da qualidade e do desempenho de uma organização requer que a gestão de processos seja baseada em dados, informações e análises confiáveis. Os fatos e dados necessários à avaliação e melhoria da qualidade são de muitos pos, podendo incluir os relacionados ao cliente, ao desempenho de produtos e serviços, às operações, ao mercado, às comparações de compe vidade, aos fornecedores, aos funcionários e aos aspectos financeiros e de custo. Fatos, dados e análise servem de base a uma variedade de propósitos da organização, como planejamento, análise crí ca de seu desempenho, melhorias das operações e comparações do desempenho quanto à qualidade em relação aos referenciais de excelência (Benchmarking). Desenvolvimento de Parcerias As organizações devem procurar desenvolver parcerias internas e externas que melhor atendam à realização de suas metas globais. As parcerias internas poderiam incluir esquemas que promovam a cooperação entre a direção e os funcionários, tais como acordos com sindicatos, gerenciamento e par cipação em redes de administração, com compar lhamento de recursos. Tais acordos poderão prever o desenvolvimento dos funcionários, treinamento interfuncional ou novas organizações de trabalho, tais como equipes de trabalho de alto desempenho. Exemplos de parcerias externas incluem ligações estreitas com clientes e fornecedores e com outras organizações. Um po de parceria externa cada vez mais importante é a parceria ou aliança estratégica. Essas parcerias oferecem a uma empresa o ingresso em novos produtos ou serviços ou mesmo mercados. Responsabilidade Pública e Espírito Comunitário Os obje vos do sistema da qualidade de uma organização devem considerar a responsabilidade pública e o espírito comunitário que lhe competem. A responsabilidade pública refere-se às expecta vas básicas da organização: é ca de negócios, segurança, saúde pública e proteção ambiental. Planejamento Estratégico no Judiciário Brasileiro: Resolução nº 70/2009 do Conselho Nacional de Jus ça O planejamento estratégico do Judiciário Brasileiro foi determinado pela resolução nº 70, de 18 de março de Para entender sobre este planejamento em específico, vamos primeiramente entender o que é Planejamento Estratégico. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fundamentos de Estratégia: o que é Estratégia; quais as Condições Necessárias para se Desenvolver a Estratégia; quais são as Questões- Chave em Estratégia A palavra estratégia é muito u lizada no ambiente empresarial, mas o que ela significa? Sun Tzu foi um profundo conhecedor das manobras militares e escreveu, há mais de 2500 anos, o livro in tulado A Arte da Guerra, no qual ensinava estratégias de combate e tá cas de guerra. Atualmente essas tá cas ganharam um contexto empresarial e são bastante u lizadas. Vários autores definem estratégia como sendo o caminho a se seguir para posicionar, favoravelmente, a ins tuição em relação à conjuntura e/ou cenário. Analisando apenas o significado da palavra em si, a palavra vem do grego an go stratègós (de stratos, exército, e ago, liderança ou comando ), que significava a arte do general e designava o comandante militar, à época de democracia ateniense. O dicionário Aurélio define Estratégia como Arte de planejar operações de guerra., ou Arte de combinar a ação das forças militares, polí cas, morais, econômicas, implicadas na condução de uma guerra ou na preparação da defesa de um Estado ou ainda Arte de dirigir um conjunto de disposições: estratégia polí ca. No ambiente empresarial, cabe a definição do autor Edson Gil de Ma os Júnior em seu livro A Nova Gerência : Estratégia é a arte de alcançar resultados. 13

14 Estratégia sob a visão de Michael Porter Michael Porter é consultor e professor da Harvard Business School. Ele, que é considerado uma autoridade mundial em estratégia compe va, definiu os fundamentos da compe ção e da estratégia compe va e é conhecido por estabelecer a ponte entre a teoria econômica da gestão e a sua prá ca, conseguindo transmi r a verdadeira essência da compe ção. Com vários livros publicados na área, Michael Porter acompanhou a evolução da estratégia. Seu úl mo livro foi publicado em 2001 e se chama Strategy and the Internet A Estratégia e a Internet. Porter iniciou a sua análise ao nível de uma indústria singular, dissecando as fórmulas de negócio para diversificadas empresas. A estrutura, a evolução e os meios pelos quais as empresas ganham e mantêm a sua vantagem compe va são pontos fundamentais da compe ção, sendo que a diversificação deve interligar a compe ção nos negócios individuais. A Função do Planejamento Estratégico O planejamento estratégico cons tui uma das mais importantes funções administra vas, pois nele o gestor e sua equipe estabelecem os caminhos para a organização da empresa, a condução da liderança e o controle das a vidades. Mas o que é planejamento estratégico? É um processo gerencial que permite a uma organização estabelecer um direcionamento a ser seguido e também permite instrumentalizar a resposta que a organização precisa apresentar ao seu ambiente diante de um contexto de mudanças. O obje vo do planejamento é fornecer aos gestores e suas equipes uma ferramenta de informações para a tomada de decisão, ajudando-os a atuar de forma a antecipar as mudanças que ocorrem no mercado. Michael Porter diz que uma empresa sem planejamento pode se transformar em uma folha seca, que se move ao capricho dos ventos da concorrência. De fato, o administrador que não exerce a sua função de planejador acaba por se concentrar no planejamento operacional, agindo como um bombeiro que vive apagando incêndios, sem enxergar a causa do fogo. Mas como evitar a armadilha do imedia smo na administração? Como garan r um tempo, no corre-corre do dia a dia, para planejamento dentro da empresa? Como definir um planejamento realista diante das mudanças que ocorrem numa velocidade tão grande? As respostas para essas perguntas não são simples e pode-se afirmar que o crescimento das organizações está cheio de acidentes e eventos imprevisíveis. É inegável que as empresas que crescem e conseguem compe r no mercado possuem algo mais do que sorte e o que determina seu sucesso é a capacidade de se adaptar às mudanças do ambiente, antecipando-se aos seus concorrentes. Saber u lizar os instrumentos do planejamento de forma coerente, adaptando-os à realidade da empresa e às suas necessidades, pode ser uma excelente arma compe va, mas é importante que os gestores conheçam os elementos do planejamento, suas funções, as mudanças que estão ocorrendo no contexto compe vo e as que influenciam na prá ca do planejamento, lançando alguns desafios para a gestão nas empresas. Segundo Hax e Majluf (1984), o sistema de planejamento estratégico representa uma postura, cuja essência é organizar, de maneira disciplinada, as maiores tarefas da empresa e encaminhá-las, visando a manter a eficiência operacional nos seus negócios e a guiar a organização para um futuro melhor e inovador. Em um planejamento estratégico é fundamental estabelecer, antecipadamente, as diretrizes a serem seguidas, pois, assim, o alcance daquilo que foi almejado torna-se uma tarefa mais fácil de ser alcançada. Além do compromisso de conquista e retenção de clientes sa sfeitos, as organizações bem-sucedidas devem estar sempre prontas a se adaptar a mercados em mudança con nua. O planejamento estratégico orientado ao mercado cumpre exatamente essa função, pois busca manter uma flexibilidade viável de seus obje vos, habilidades e recursos enquanto mantém um compromisso com o lucro, o crescimento e sua missão organizacional. O estabelecimento de um planejamento estratégico orientado ao mercado envolve uma metodologia com sete a vidades: 1. projetar uma visão de futuro; 2. definir o negócio; 3. definir a missão ins tucional; 4. definir os princípios; 5. analisar os ambientes interno e externo; 6. definir a visão; 7. definir a missão operacional. 1. Projetar uma visão de futuro: significa iden ficar uma resposta para a pergunta: que necessidades humanas, expecta vas ou desejos a organização está apta ou tem vontade de sa sfazer ou resolver em sua área de a vidade e até, quem sabe, da sociedade brasileira? A visão da Petrobras, por exemplo, é: A Petrobras será uma empresa integrada de energia com forte presença internacional e líder na América La na, atuando com foco na rentabilidade e na responsabilidade social e ambiental até o ano de Definir o negócio: é determinar o que a organização é e o que faz para mobilizar-se na construção do futuro. Para fazer isso é necessário iden ficar em que áreas de negócio deseja atuar e quais unidades de negócio irão compor cada área. Uma área de negócio é entendida pela demanda que atende e pela infraestrutura, tecnologia ou competência que u liza, no caso de serviços. Já uma unidade de negócio caracteriza-se por um produto ofertado e iden ficação do público-alvo e dos concorrentes desse produto. Definidas as áreas de negócio e as respec vas unidades de negócio, pode-se definir o negócio respondendo a 4 perguntas: a) A que necessidades, desejos e expecta vas a organização irá atender? Ou que problema humano se propõe a resolver? b) Atender às necessidades de quem? Qual a sua demanda? c) Com que áreas de negócio? d) Por quais canais e em que regiões? 3. Definir a missão ins tucional: é a razão de existência da organização. Em outras palavras, a organização existe para fazer o quê? É o obje vo maior da organização, que é conseguido por meio do entendimento e da prá ca dos princípios da organização. A missão da empresa Petrobras, por exemplo, é: Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nas a vidades da indústria de óleo, gás e energia, nos mercado nacional e internacional, fornecendo produtos e serviços adequados às necessidades dos seus clientes e contribuindo para o desenvolvimento do Brasil e dos países onde atua. 4. Definir os princípios: é traçar quais são os valores, as crenças e as condutas esperadas de todos, na busca in- 14

15 cessante de concre zar a missão ins tucional. Porém, não basta iden ficar e escrever esses princípios. É necessário estabelecer que comportamentos observáveis e mensurados serão alvo de cada princípio. 5. Analisar os ambientes interno e externo: só conhecendo a atual e real conjuntura é que se tem condições de estabelecer uma visão clara, obje va e fac vel do que se quer. Essa análise é conhecida como Análise Swot. Na análise do ambiente interno devem-se iden ficar os pontos fortes e fracos de toda a estrutura sica/material, humana e financeira e do mix de marke ng (produto preço praça promo on). Na análise do ambiente externo devem-se iden ficar as oportunidades e ameaças das variáveis não controláveis (concorrentes, percepção de consumo e de trocas, fatores ambientais). Realizada essa análise, a organização passa a ter seu verdadeiro diagnós co. 6. Definir a visão: é a projeção do queremos ser, com bases reais no diagnós co realizado na análise dos ambientes. 7. Definir a missão operacional: é fazer a projeção numérica, quan ficável e mensurável do que a organização pretende realizar. Essa missão projetada deve ser desmembrada em obje vos e metas, que, para serem conseguidos, terão de passar pela iden ficação das estratégias e tá cas a serem adotadas em cada obje vo a ser realizado. Elaborado o planejamento estratégico, ele deve ser divulgado e implementado, controlando e avaliando permanentemente a organização. Muitas organizações não conseguem colocar em prá ca seu planejamento estratégico porque não possuem, em seu processo decisório, pessoas com cultura de pensamento estratégico, preparadas, instruídas e principalmente educadas para perceber ocorrências e projetar tendências. É apenas com essas pessoas que a organização conseguirá concre zar a sua missão ins tucional e a sua missão operacional. obje vamente para gerentes, supervisores e funcionários os resultados que devem ser perseguidos pela organização e por cada um de seus membros. É preciso aqui chamar a atenção para um cuidado fundamental que deve ser observado em relação às metas: Sua idoneidade em relação ao obje vo, ou seja, sua capacidade de efe vamente refle r a realização de um obje vo, de modo que, alcançando-a, seja possível considerar que o obje vo foi cumprido. No caso de não haver essa idoneidade, corre-se o risco (muito comum, aliás) de bater a meta e no entanto permanecer a léguas do obje vo visado. É necessário, portanto, que haja não apenas a avaliação de desempenho (ex post), mas também um processo de avaliação ex ante, que se dirija ao próprio planejamento organizacional, especialmente no que diz respeito à definição de obje vos e metas. Já em relação aos meios, a formulação e sistema zação de indicadores consiste, na definição de padrões, de parâmetros e procedimentos que devem ser observados nas diferentes a vidades e ações por meio das quais a organização perseguirá seus obje vos, isto é, na realização de programas, projetos e processos de trabalho. Tal parametrização pode ser observada picamente nos processos de gestão de qualidade (especialmente no setor de produção de bens), dos quais a definição de padrões procedimentais é uma das principais caracterís cas. FERRAMENTAS DE ANÁLISE: INTERNA E EXTERNA Vimos que a avaliação do ambiente da empresa é um dos fatores mais importantes para a definição de sua estratégia. Para essa avaliação, podem ser u lizadas algumas ferramentas. Dentre elas estão: Análise SWOT; Balanced Scorecard (BSC). Indicadores de Desempenho Formulação e Sistema zação A formulação e sistema zação de indicadores é uma a vidade inerente não apenas às a vidades de controle e avaliação de desempenho das organizações, mas também à função de planejamento, da qual depende as duas anteriores. São justamente os indicadores que dão sen do e possibilitam os processos posteriores de controle e avaliação. Ao mesmo tempo, são eles que estabelecem a ligação entre esses processos e a função de planejamento. Aqui, pretende-se frisar mais especificamente a própria natureza desses indicadores e os fundamentos gerais que os orientam. Como já se disse, a formulação e sistema zação de indicadores tem por obje vo a aferição futura do desempenho organizacional, sob duas perspec vas: 1. quanto à produção efe va dos resultados que a organização se propõe a a ngir; 2. quanto à observância de padrões, de parâmetros estabelecidos pela organização para a realização de seus programas, projetos, processos e a vidades. Vale dizer: os indicadores podem se referir a fins ou a meios. Os fins almejados pela organização correspondem aos resultados que ela pretende obter, às transformações que ela visa a produzir na realidade, ou seja, aos seus obje vos. Os indicadores de tais obje vos são as metas, que têm um caráter preferencialmente quan ta vo, mensurável, e são definidas com o propósito específico de indicar, de traduzir Análise Swot A Análise Swot é uma ferramenta criada nas décadas de 1960 e 1970 por Albert Humphrey, na Universidade de Stanford, u lizada para criar análises de cenário e também como base para a gestão e o planejamento estratégico de uma organização. Por ser uma ferramenta muito simples, pode ser u lizada para qualquer po de análise de cenário, desde uma gestão de uma mul nacional até a confecção de uma loja virtual. Auxilia no posicionamento e na verificação da posição estratégica da empresa no ambiente analisado. O termo SWOT é um acrônimo, proveniente do idioma inglês, de Forças (Strengths), Fraquezas (Weaknesses), Oportunidades (Opportuni es) e Ameaças (Threats). 15

16 Essa análise de cenário se divide em ambiente interno (forças e fraquezas) e ambiente externo (oportunidades e ameaças). As forças e fraquezas são determinadas pela posição atual da empresa e se relacionam, quase sempre, a fatores internos. Já as oportunidades e ameaças são antecipações do futuro e estão relacionadas a fatores externos. O ambiente interno pode ser controlado pelos dirigentes da empresa, uma vez que ele é resultado das estratégias de atuação definidas pelos próprios membros da organização. Durante a análise, quando for percebido um ponto forte, ele deve ser ressaltado ao máximo; e quando for percebido um ponto fraco, a organização deve agir para controlá-lo ou, pelo menos, minimizar seu efeito. Já o ambiente externo está totalmente fora do controle da organização. Mas, apesar de não poder controlá-lo, a empresa deve conhecê-lo e monitorá-lo com frequência, de forma a aproveitar as oportunidades e evitar as ameaças. Evitar ameaças nem sempre é possível, no entanto, pode-se fazer um planejamento para enfrentá-las, minimizando seus efeitos. A Matriz Swot deve ser u lizada entre o diagnós co e a formulação estratégica propriamente dita. Balanced Scorecard (BSC) O Balanced Businness Scorecard (ou BSC não há uma tradução precisa em português, significando painel ou placar de resultados balanceados ou combinados) é uma das novas formas de gerenciamento que são usadas pelas empresas para enfrentar o atual ambiente globalizado de alta compe- vidade e acirrada concorrência. É uma das ferramentas que procuram fornecer a visão de conjunto dos fatores crí cos de sucesso. É u lizado por empresas que pretendem obter êxito com suas estratégias de curto, médio e longo prazo, melhorando assim, sua situação no futuro, revelando-se como uma ferramenta capaz de atender às novas exigências de gerenciamento dentro dos cenários econômicos em constante mutação. O Balanced Scorecard reúne medições baseadas em indicadores financeiros a outros três componentes (chamados de perspec vas ): clientes, processos internos e aprendizado e crescimento. À medida que foi sendo u lizado, evoluiu de um sistema de medição aperfeiçoado para se transformar em um sistema gerencial essencial. O sistema de informação gerencial deve contribuir como suporte às estratégias adotadas para que elas possam ser acompanhadas e venham a produzir retornos posi vos para a empresa. Os sistemas tradicionais de avaliação e controle dos resultados da organização têm a tendência de enfa zar o resultado financeiro final. O que conta nos sistemas tradicionais é o demonstra vo de resultados financeiros, que mostra lucro ou prejuízo. Quando o resultado é posi vo, a administração tradicional considera favorável a situação da empresa. No entanto, há casos de empresas que nham bo om line (úl ma linha) posi vo num perío do e ficaram em situação desfavorável no período seguinte. Os sistemas tradicionais de avaliação do desempenho da empresa não têm a capacidade de mostrar problemas que podem comprometer a organização no futuro. As deficiências dos sistemas tradicionais e os desafios que as organizações passaram a enfrentar na passagem para o século XXI criaram a necessidade de sistemas de controle que pudessem dar uma visão de conjunto das diferentes dimensões do desempenho. Essa visão de conjunto deve mostrar não apenas os resultados finais, mas também, os fatores que os produzem, integrando medidas financeiras e não financeiras de desempenho. Na década de 1990, era uma preocupação dos Estados Unidos medirem o desempenho das organizações, pois os métodos existentes para avaliação do desempenho empresarial, que era apoiado nos indicadores contábeis e financeiros, estavam se tornando obsoletos. Acadêmicos e execu vos estudaram, pesquisaram e desenvolveram um novo modelo que considera os obje vos em curto e longo prazos, medidas financeiras e não financeiras, indicadores de performance e as perspec vas interna e externa do desempenho empresarial. O Balanced Scorecard (BSC) surgiu da inicia va dos Drs. Robert Kaplan e David Norton, da Harvard Business School, de criar um novo modelo de medição de desempenho, já que, na opinião dos autores, os modelos de avaliação de desempenho, até então existentes, baseavam-se muito em indicadores contábeis e financeiros. O obje vo era mostrar as desvantagens de usar apenas medidas financeiras para julgar o desempenho empresarial, incen vando as empresas a medir também, fatores como qualidade e sa sfação do cliente. Nessa nova forma de gerenciamento, destaca-se como instrumento da maior importância a construção de uma estrutura de indicadores estratégicos que possua abrangência e coerência compa vel com a nova era do conhecimento e que permite, sobretudo, considerar a importância crescente dos valores intangíveis diante dos tradicionais valores sicos. É mais do que um sistema de medidas, devendo também, traduzir a visão e a estratégia de uma unidade de negócios em obje vos e medidas tangíveis, que representam o equilíbrio entre indicadores externos voltados para acionistas e clientes, e medidas internas dos processos crí cos, de inovação, aprendizado e crescimento. O importante é o equilíbrio entre as medidas de resultado, as consequências dos esforços do passado, e os vetores de desempenho futuro. BSC Perspec vas e Indicadores Essenciais a) Como atendemos aos interesses dos acionistas? 1. Perspec va Financeira retorno sobre inves mento / valor econômico agregado; lucra vidade; aumento / mix de receita; redução de custos / aumento de produ vidade. Na perspec va financeira, as medidas financeiras indicam se a empresa está obtendo êxito com as estratégias definidas. Em geral, esse êxito é medido pela sua lucra vidade, pelo seu crescimento e pelo incremento do valor para o acionista (Shareholder Value). Se os indicadores financeiros não mostram o esperado, pode haver problemas na execução, na implementação, ou até mesmo na definição das estratégias. b) Como o cliente nos enxerga? 2. Perspec va dos Clientes par cipação no mercado; 16

17 aquisição e retenção de clientes; lucra vidade com os clientes; sa sfação dos clientes. A perspec va do cliente deve visar os seguintes pontos-chave: par cipação de mercado, retenção, captação, sa sfação e lucra vidade dos clientes. c) Em que processos precisamos ser eficientes? 3. Processos Internos: desenvolvimento de novos produtos; eficiência dos processos operacionais; eficiência dos serviços pós-venda. As medidas de processo interno devem ser voltadas para aqueles que terão maior impacto na sa sfação do cliente e na consecução dos obje vos financeiros da empresa. d) Como melhorar e criar valor agregado? 4. Aprendizado e Crescimento: sa sfação dos funcionários; retenção de funcionários; lucra vidade por funcionário. O aprendizado e o crescimento da organização vêm de três principais fontes: as pessoas, os sistemas e os procedimentos organizacionais. Com o Balanced Scorecard (BSC) no centro do sistema gerencial, a empresa monitora os resultados de curto prazo corretamente e avalia a estratégia de médio e longo prazo à luz do desempenho recente. Cria condições para que as empresas modifiquem a estratégia em função do aprendizado em tempo real. É mais do que um sistema de medidas tá cas ou operacionais. O BSC não estabelece o valor de um negócio apenas sob a perspec va financeira, como os tradicionais balanços contábeis. Porém, inclui valores baseados nos clientes, nos processos internos e no aprendizado e crescimento da organização, além de considerar também o valor financeiro. Resolução nº 70/2009 do Conselho Nacional de Jus ça Agora que já sabemos o que é o planejamento estratégico, vamos desmembrar o planejamento estratégico do Judiciário Brasileiro. Como já estudamos, o planejamento estratégico do Judiciário Brasileiro é definido pela Resolução nº 70 de 19 de março de 2009, criada pelo Conselho Nacional de Jus ça. Em seu planejamento estratégico, no capítulo I o CNJ definiu os seguintes pontos: Missão: Realizar Jus ça. Visão: ser reconhecido pela Sociedade como instrumento efe vo de jus ça, equidade e paz social. Atributos de Valor para a Sociedade: credibilidade; acessibilidade; celeridade; é ca; imparcialidade; modernidade; probidade: responsabilidade Social e Ambiental; transparência. Além da missão, visão e valores, foram definidos 15 (quinze) obje vos estratégicos divididos em 8 (oito) temas: TEMA Eficiência Operacional Acesso ao Sistema de Jus ça Responsabilidade Social Alinhamento e Integração Atuação Ins tucional Gestão de Pessoas Infraestrutura e Tecnologia Orçamento OBJETIVOS Obje vo 1. Garan r a agilidade nos trâmites judiciais e administra vos. Obje vo 2. Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Obje vo 3. Facilitar o acesso à Jus ça. Obje vo 4. Promover a efe vidade no cumprimento das decisões. Obje vo 5. Promover a cidadania. Obje vo 6. Garan r o alinhamento estratégico em todas as unidades do Judiciário. Obje vo 7. Fomentar a interação e a troca de experiências entre Tribunais nos planos nacional e internacional. Obje vo 8. Fortalecer e harmonizar as relações entre os Poderes, setores e ins tuições. Obje vo 9. Disseminar valores é cos e morais por meio de atuação ins tucional efe va. Obje vo 10. Aprimorar a comunicação com públicos externos. Obje vo 11. Desenvolver conhecimentos, habilidades e a tudes dos magistrados e servidores. Obje vo 12. Mo var e comprometer magistrados e servidores com a execução da Estratégia. Obje vo 13. Garan r a infraestrutura apropriada às a vidades administra vas e judiciais. Obje vo 14. Garan r a disponibilidade de sistemas essenciais de tecnologia de informação. Obje vo 15. Assegurar recursos orçamentários necessários à execução da estratégia. O capítulo II trata sobre os prazos e formas de implantação. Com um prazo de 5 (cinco) anos e as principais diretrizes para implantação do Planejamento Estratégico. O capítulo III trata sobre os Bancos de boas prá cas de Gestão do Poder Judiciário, para que mantenha-se con nuamente atualizado, com o obje vo de promover a divulgação e o compar lhamento de projetos. O capítulo IV trata sobre o acompanhamento de resultados, no qual definiu-se que o acompanhamento deve ser trimestral por meio de reuniões de análise da estratégia. 17

18 O capítulo V apresenta os indicadores de desempenho, metas e projetos nacionais. São as metas: 1. Desenvolver e/ou alinhar planejamento estratégico plurianual (mínimo de 5 anos) aos obje vos estratégicos do Poder Judiciário, com aprovação no Tribunal Pleno ou Órgão Especial; 2. Iden ficar e julgar todos os processos judiciais distribuídos (em 1º, 2º graus ou tribunais superiores) até 31/12/2005; 3. Informa zar todas as unidades judiciárias e interligá-las ao respec vo tribunal e à rede mundial de computadores (Internet); 4. Informa zar e automa zar a distribuição de todos os processos e recursos; 5. Implantar sistema de gestão eletrônica da execução penal e mecanismo de acompanhamento eletrônico das prisões provisórias; 6. Capacitar o administrador de cada unidade judiciária em gestão de pessoas e de processos de trabalho, para imediata implantação de métodos de gerenciamento de ro nas; 7. Tornar acessíveis as informações processuais nos portais da rede mundial de computadores (Internet), com andamento atualizado e conteúdo das decisões de todos os processos, respeitado o segredo de jus ça; 8. Cadastrar todos os magistrados nos sistemas eletrônicos de acesso a informações sobre pessoas e bens e de comunicação de ordens judiciais (Bacenjud, Infojud, Renajud); 9. Implantar núcleo de controle interno; 10. Implantar o processo eletrônico em parcela de suas unidades judiciárias. O capítulo VI trata sobre as disposições finais, definindo as competências para a coordenação das a vidades de planejamento e estratégia do poder judiciário. Abaixo a integra da Resolução: Resolução nº 70, de 18 de Março de 2009* 1 Dispõe sobre o Planejamento e a Gestão Estratégica no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições cons tucionais e regimentais, e Considerando compe r ao Conselho Nacional de Jus ça, como órgão de controle da atuação administra va e financeira dos tribunais, a atribuição de coordenar o planejamento e a gestão estratégica do Poder Judiciário; CONSIDERANDO a unicidade do Poder Judiciário, a exigir a implementação de diretrizes nacionais para nortear a atuação ins tucional de todos os seus órgãos; Considerando que os Presidentes dos tribunais brasileiros, reunidos no I Encontro Nacional do Judiciário, deliberaram pela elaboração de Planejamento Estratégico Nacional, a fim de aperfeiçoar e modernizar os serviços judiciais; Considerando o trabalho realizado nos 12 (doze) Encontros Regionais, consolidado no Plano Estratégico apresentado e validado no II Encontro Nacional do Judiciário, realizado em 16 de fevereiro de 2009, na cidade de Belo Horizonte - MG; Considerando a aprovação, no II Encontro Nacional do Judiciário, de 10 Metas Nacionais de Nivelamento para o ano de 2009; Considerando a necessidade de se conferir maior con nuidade administra va aos tribunais, independentemente das alternâncias de seus gestores; 1 Texto consolidado conforme deliberado pelo Plenário do Conselho Nacional de Jus ça na 100ª Sessão Ordinária, de 9 de março de 2010, no julgamento do processo Ato Norma vo nº Considerando determinar a Resolução CNJ nº 49, de 18 de dezembro de 2007, a criação de Núcleo de Esta s ca e Gestão Estratégica, unidade administra va competente para elaborar, implementar e gerir o planejamento estratégico de cada órgão da Jus ça. Resolve: CAPÍTULO I Do Planejamento e da Gestão Estratégica Disposições Gerais Art. 1º Fica ins tuído o Planejamento Estratégico do Poder Judiciário, consolidado no Plano Estratégico Nacional consoante do Anexo I desta Resolução, sinte zado nos seguintes componentes: I Missão: realizar jus ça. II Visão: ser reconhecido pela Sociedade como instrumento efe vo de jus ça, equidade e paz social. III Atributos de Valor Judiciário para a Sociedade: a) credibilidade; b) acessibilidade; c) celeridade; d) é ca; e) imparcialidade; f) modernidade; g) probidade; h) responsabilidade Social e Ambiental; i) transparência. IV 15 (quinze) obje vos estratégicos, distribuídos em 8 (oito) temas: a) Eficiência Operacional: Obje vo 1. Garan r a agilidade nos trâmites judiciais e administra vos; Obje vo 2. Buscar a excelência na gestão de custos operacionais; b) Acesso ao Sistema de Jus ça: Obje vo 3. Facilitar o acesso à Jus ça; Obje vo 4. Promover a efe vidade no cumprimento das decisões; c) Responsabilidade Social: Obje vo 5. Promover a cidadania; d) Alinhamento e Integração: Obje vo 6. Garan r o alinhamento estratégico em todas as unidades do Judiciário; Obje vo 7. Fomentar a interação e a troca de experiências entre Tribunais nos planos nacional e internacional; e) Atuação Ins tucional: Obje vo 8. Fortalecer e harmonizar as relações entre os Poderes, setores e ins tuições; Obje vo 9. Disseminar valores é cos e morais por meio de atuação ins tucional efe va; Obje vo 10. Aprimorar a comunicação com públicos externos; f) Gestão de Pessoas: Obje vo 11. Desenvolver conhecimentos, habilidades e a tudes dos magistrados e servidores; Obje vo 12. Mo var e comprometer magistrados e servidores com a execução da Estratégia; g) Infraestrutura e Tecnologia: Obje vo 13. Garan r a infraestrutura apropriada às a vidades administra vas e judiciais; Obje vo 14. Garan r a disponibilidade de sistemas essenciais de tecnologia de informação; h) Orçamento: Obje vo 15. Assegurar recursos orçamentários necessários à execução da estratégia; 18

19 CAPÍTULO II Do Prazo e da Forma de Implantação CAPÍTULO IV Do Acompanhamento dos Resultados Art. 2º O Conselho Nacional de Jus ça e os tribunais indicados nos incisos II a VII do art. 92 da Cons tuição Federal elaborarão os seus respec vos planejamentos estratégicos, alinhados ao Plano Estratégico Nacional, com abrangência mínima de 5 (cinco) anos, bem como os aprovarão nos seus órgãos plenários ou especiais até 31 de dezembro de º Os planejamentos estratégicos de que trata o caput conterão: I pelo menos um indicador de resultado para cada obje vo estratégico; II metas de curto, médio e longo prazos, associadas aos indicadores de resultado; III projetos e ações julgados suficientes e necessários para o a ngimento das metas fixadas. 2º Os Tribunais que já disponham de planejamento estratégicos deverão adequá-los ao Plano Estratégico Nacional, observadas as disposições e requisitos do caput e do 1º deste ar go. 3º As propostas orçamentárias dos tribunais devem ser alinhadas aos seus respec vos planejamentos estratégicos, de forma a garan r os recursos necessários à sua execução. 4º Os tribunais garan rão a par cipação efe va de serventuários e de magistrados de primeiro e segundo graus, indicados pelas respec vas en dades de classe, na elaboração e na execução de suas propostas orçamentárias e planejamentos estratégicos. 5º O disposto no parágrafo anterior não se aplica aos tribunais superiores, sem prejuízo da par cipação efe va de ministros e serventuários na elaboração e na execução de suas estratégias. 6º O Conselho Nacional de Jus ça adotará as providências necessárias para fornecer auxílio técnico-cien fico aos tribunais na elaboração e na gestão da estratégia. Art. 3º O Núcleo de Gestão Estratégica dos tribunais ou unidade análoga coordenará ou assessorará a elaboração, implementação e gestão do planejamento estratégico, como também atuará nas áreas de gerenciamento de projetos, o mização de processos de trabalho e acompanhamento de dados esta s cos para gestão da informação. 1º Os tribunais deverão priorizar, inclusive nas suas propostas orçamentárias, a estruturação de Núcleos de Gestão Estratégica ou unidade análoga. 2º O Conselho Nacional de Jus ça encaminhará aos tribunais, por intermédio do Departamento de Gestão Estratégica, sugestão de estruturação das a vidades dos Núcleos de Gestão Estratégica. CAPÍTULO III Do Banco e de Boas Prá cas de Gestão Do Poder Judiciário Art. 4º O Conselho Nacional de Jus ça manterá disponível no seu Portal na Rede Mundial de Computadores (Internet) o Banco de Boas Prá cas de Gestão do Poder Judiciário, a ser con nuamente atualizado, com o intuito de promover a divulgação e o compar lhamento de projetos e ações desenvolvidas pelos tribunais. 1º Os projetos e ações do Banco de Boas Prá cas de Gestão do Poder Judiciário serão subdivididos de acordo com os temas da Estratégia Nacional, a fim de facilitar a iden ficação pelos tribunais interessados na sua u lização. 2º Os projetos e prá cas a serem incluídos no Banco de Boas Prá cas de Gestão do Poder Judiciário devem ser encaminhados ao Departamento de Gestão Estratégica do Conselho Nacional de Jus ça, órgão responsável pela sua gestão. Art. 5º Os tribunais promoverão Reuniões de Análise da Estratégia RAE trimestrais para acompanhamento dos resultados das metas fixadas, oportunidade em que poderão promover ajustes e outras medidas necessárias à melhoria do desempenho. CAPÍTULO V Dos Indicadores, Metas e Projetos Nacionais Art. 6º Sem prejuízo do planejamento estratégico dos órgãos do Poder Judiciário, o Conselho Nacional de Jus ça coordenará a ins tuição de indicadores de resultados, metas, projetos e ações de âmbito nacional, comuns a todos os tribunais. Parágrafo Único. As metas nacionais de nivelamento para o ano de 2009 estão descritas no Anexo II desta Resolução. Art. 6º-A (1) O Conselho Nacional de Jus ça coordenará a realização de Encontros Anuais do Poder Judiciário, preferencialmente no mês de fevereiro, com os seguintes obje vos, entre outros: (1) Redação dada pelo Plenário do Conselho Nacional de Jus ça, na 100ª Sessão Ordinária, de 9 de março de 2010, no julgamento do processo Ato Norma vo I (1) avaliar a Estratégia Nacional; (1) Redação dada pelo Plenário do Conselho Nacional de Jus ça, na 100ª Sessão Ordinária, de 9 de março de 2010, no julgamento do processo Ato Norma vo II (1) divulgar o desempenho dos tribunais no cumprimento das ações, projetos e metas nacionais no ano findo; (1) Redação dada pelo Plenário do Conselho Nacional de Jus ça, na 100ª Sessão Ordinária, de 9 de março de 2010, no julgamento do processo Ato Norma vo III (1) definir as novas ações, projetos e metas nacionais prioritárias. (1) Redação dada pelo Plenário do Conselho Nacional de Jus ça, na 100ª Sessão Ordinária, de 9 de março de 2010, no julgamento do processo Ato Norma vo º (1) Os Encontros Anuais do Poder Judiciário contarão com a par cipação dos presidentes e corregedores dos tribunais e dos conselhos, como também das associações nacionais de magistrados, facultado o convite a outras en dades e autoridades. (1) Redação dada pelo Plenário do Conselho Nacional de Jus ça, na 100ª Sessão Ordinária, de 9 de março de 2010, no julgamento do processo Ato Norma vo º (1) O Encontro Anual poderá ser precedido de reuniões preparatórias com representantes dos tribunais e com as associações nacionais de magistrados. (1) Redação dada pelo Plenário do Conselho Nacional de Jus ça, na 100ª Sessão Ordinária, de 9 de março de 2010, no julgamento do processo Ato Norma vo º (1) As deliberações dos Encontros Anuais, mormente as ações, projetos e metas prioritárias estabelecidas, serão comunicadas ao Plenário do CNJ e publicadas como Anexo desta Resolução. 19

20 (1) Redação dada pelo Plenário do Conselho Nacional de Jus ça, na 100ª Sessão Ordinária, de 9 de março de 2010, no julgamento do processo Ato Norma vo º (1) Caberá ao Conselho Nacional de Jus ça a escolha da sede do Encontro Anual, observadas as candidaturas dos tribunais interessados, privilegiando-se a alternância entre as unidades federa vas. (1) Redação dada pelo Plenário do Conselho Nacional de Jus ça, na 100ª Sessão Ordinária, de 9 de março de 2010, no julgamento do processo Ato Norma vo º (1) A organização dos Encontros Anuais dar-se-á em parceria entre o Conselho Nacional de Jus ça e os tribunais-sede. (1) Redação dada pelo Plenário do Conselho Nacional de Jus- ça, na 100ª Sessão Ordinária, de 9 de março de 2010, no julgamento do processo Ato Norma vo CAPÍTULO VI Das Disposições Finais Art. 7º Compete à Presidência do Conselho Nacional de Jus ça, em conjunto com a Comissão de Esta s ca e Gestão Estratégica, assessorados pelo Departamento de Gestão Estratégica, coordenar as a vidades de planejamento e gestão estratégica do Poder Judiciário. Parágrafo Único. A Presidência do Conselho Nacional de Jus ça ins tuirá e regulamentará Comitê Gestor Nacional para auxiliar as a vidades de planejamento e gestão estratégica do Poder Judiciário, a ser coordenado pelo Presidente da Comissão de Esta s ca e Gestão Estratégica. Art. 8º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Ministro Gilmar Mendes BALANCED SCORECARD, ESTRATÉGIAS, INDICADORES DE GESTÃO, GESTÃO DE PROJETOS, GESTÃO POR COMPETÊNCIAS As formas tradicionais de planejamento estratégico e de mensuração de resultados e desempenho apontavam em uma mesma direção: medir os indicadores financeiros e operacionais das organizações. Até então nenhuma outra perspec va era abordada ou valorizada. Estes indicadores financeiros funcionaram bem durante o período industrial, mas estão fora de sintonia com as habilidades, competências e posicionamento que as empresas precisam abordar atualmente. O Balanced Business Scorecard (ou BSC não há uma tradução precisa em português, significando painel ou placar de resultados balanceados ou combinados), uma das novas formas de gerenciamento, é usado pelas empresas para enfrentar o atual ambiente globalizado de alta compe vidade e acirrada concorrência. É uma das ferramentas que procura fornecer a visão de conjunto dos fatores crí cos de sucesso. É u lizado por empresas que pretendem obter êxito com suas estratégias de curto, médio e longo prazo, melhorando assim sua situação no futuro, revelando-se como uma ferramenta capaz de atender às novas exigências de gerenciamento dentro dos cenários econômicos em constante mutação. O Balanced Scorecard reúne medições baseadas em indicadores financeiros a outros três componentes (chamados de perspec vas ): clientes, processos internos e aprendizado e crescimento. À medida que foi sendo u lizado, evoluiu de um sistema de medição aperfeiçoado para se transformar em um sistema gerencial essencial. O sistema de informação gerencial deve contribuir como suporte às estratégias adotadas para que elas possam ser acompanhadas e venham a produzir retornos posi vos para a empresa. Os sistemas tradicionais de avaliação e controle dos resultados da organização têm a tendência de enfa zar o resultado financeiro final. O que conta nos sistemas tradicio- 20

Anderson Lopes A1-AM281 2/10/2013. Conhecimentos Específi cos

Anderson Lopes A1-AM281 2/10/2013. Conhecimentos Específi cos Anderson Lopes A1-AM281 2/10/2013 Conhecimentos Específi cos 2013 2013 Vestcon Editora Ltda. Todos os direitos autorais desta obra são reservados e protegidos pela Lei nº 9.610, de 19/2/1998. Proibida

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 15 - Sugestões que podem melhorar a coordenação organizacional O objetivo final da coordenação é obter a sinergia organizacional. Não existem regras mágicas

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Funções administrativas ADMINISTRAÇÃO. Revisão de véspera Técnico INSS ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO. Funções administrativas ADMINISTRAÇÃO. Revisão de véspera Técnico INSS ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO Funções administrativas Revisão de véspera Técnico INSS Planejamento Organização Direção Controle 1 2 Funções administrativas Planejamento: Planejamento é a função administrativa que estabelece os objetivos

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado.

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado. GLOSSÁRIO Accountability: obrigação de prestar contas. Responsabilização. Envolve não apenas a transparência dos processos como também a definição de responsabilidades e identificação dos responsáveis.

Leia mais

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS Djair Picchiai Revisado em 05/04/2010 1 MODELOS DE ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS As organizações têm sido estruturadas de acordo com as funções exercidas pelos seus respectivos

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

Retificação de Edital

Retificação de Edital Retificação de Edital Conhecimentos Específi cos 2014 2014 Vestcon Editora Ltda. Todos os direitos autorais desta obra são reservados e protegidos pela Lei nº 9.610, de 19/2/1998. Proibida a reprodução

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

Anderson Lopes. Noções de Administração Financeira, de Recursos Humanos e de Material

Anderson Lopes. Noções de Administração Financeira, de Recursos Humanos e de Material Anderson Lopes A1-AP417 10/9/2013 Noções de Administração Financeira, de Recursos Humanos e de Material O que é uma apos la preparatória? É uma apos la elaborada antes da publicação do edital, com base

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra 29/03/12 Com planejamento cuidadoso e detalhado, pode-se vencer; com planejamento descuidado e menos detalhado, não se pode vencer. A derrota é mais do que certa se não se planeja nada! Pela maneira como

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS No que se refere à gestão, recrutamento e seleção de pessoas, julgue os itens a seguir. 51 A gestão de pessoas recebeu forte influência dos estudos de Hawthrone, especialmente

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROVA ADMINISTRAÇÃO 01. Assinale nas questões abaixo com falso (F) ou verdadeiro (V): ( ) A administração reconhece a importância do estudo do

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE FOMENTO À ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA E CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA.

INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE FOMENTO À ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA E CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA. www.leismunicipais.com.br LEI Nº 14.786 DE 23 DE FEVEREIRO DE 2016 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE FOMENTO À ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA E CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA. A CÂMARA

Leia mais

Política de Fornecedores

Política de Fornecedores Política de Fornecedores Histórico Coocafé A Coocafé foi fundada em 1979, na cidade de Lajinha/MG, com o intuito de fortalecer os produtores de café da região, possibilitando melhores resultados em sua

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Aula N : 09 Tema:

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

O&M Organizações e Métodos I

O&M Organizações e Métodos I UFF Universidade Federal Fluminense O&M Organizações e Métodos I UNIDADE I INTERODUÇÃO À O&M Fabio Siqueira 1. Apresentação do professor 2. Teste de sondagem (reconhecimento da turma) 3. Apresentação dos

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

Apartir da identificação das falhas poderão ser processadas modificações racionalizantes em todo o sistema.

Apartir da identificação das falhas poderão ser processadas modificações racionalizantes em todo o sistema. Gráficos Os gráficos podem ser divididos em dois grupos: Gráficos Informacionais Gráfico é a representação de dados sobre uma superfície plana, através de diferentes formas, de modo a facilitar a visualização

Leia mais

1. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2015

1. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2015 1. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2015 1.1 Metodologia O Planejamento Estratégico (PE) é definido através de reuniões períódicas, a cada dois anos, com par cipação de colaboradores de todas as áreas e unidades

Leia mais

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas:

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EAD MÓDULO IV A EMPRESA COMO SISTEMA Para o estudioso na área de marketing trabalhar melhor o planejamento nas organizações, ele precisa conhecer a empresa na sua totalidade e

Leia mais

A Economia Angolana nos Últimos Anos

A Economia Angolana nos Últimos Anos A Economia Angolana nos Últimos Anos A Economia cresceu : Saiu de uma base pequena para uma base muito maior. Deixou os tempos de grandes taxas de crescimento, mas instáveis, para taxas médias mais sustentáveis.

Leia mais

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações Carlos Campello Introdução Nos dias atuais existe a necessidade de constantes modificações das estratégias

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA 01. Partindo do princípio de que a estratégia é a definição do melhor futuro para a sua equipe ou organização, o mapeamento da rota para alcançá-lo e a sua clara comunicação,

Leia mais

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Ambiente Organizacional voltado a inovação As 6 chaves para o Sucesso Foco Flexibilidade

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Adaptar criativamente

Adaptar criativamente Adaptar criativamente Os fundamentos do benchmarking eficiente e o caminho para a obtenção de vantagem competitiva. Por Robert Camp DOSSIÊ 64 Um dos termos mais comentados e menos compreendidos atualmente

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung) ORÇAMENTO FLEXÍVEL! O que é orçamento flexível?! Qual a principal diferença entre o orçamento flexível e o orçamento empresarial?! Quais

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Índice Fora da sombra da área administrativa 3 Como atingir o equilíbrio financeiro 4 O Financeiro encontra várias barreiras até

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

BPM - Sem Processos, Sem Nada!

BPM - Sem Processos, Sem Nada! BPM - Sem Processos, Sem Nada! Márcio Teschima email: marcio@teschima.com Cientista da Informação, Pós Graduado em Qualidade, Processos e Projetos e com MBA em Gestão Empresarial, busco a oportunidade

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 13

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 13 PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 13 Índice 1. Tecnologia educacional de treinamento...3 2. Dicas: a evolução da tecnologia de treinamento...5 3. EXECUÇÃO DO TREINAMENTO...6

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

PROJETO DE ASSESSORIA TÉCNICA DA UERJ PARA A FUNDAÇÃO PARA A INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA - FIA

PROJETO DE ASSESSORIA TÉCNICA DA UERJ PARA A FUNDAÇÃO PARA A INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA - FIA PROJETO DE ASSESSORIA TÉCNICA DA UERJ PARA A FUNDAÇÃO PARA A INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA - FIA OBJETIVOS Elaboração de diagnóstico da situação presente da Fundação; definição de metas institucionais de curto,

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 Prof. Dr. João Batista Turrioni Objetivo geral Introduzir e discutir a importância da adoção de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Bruno Anselmo Guilhen. Complemento MPU MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO. TÉCNICO DE INFORMÁTICA Conhecimentos Básicos e Específicos.

Bruno Anselmo Guilhen. Complemento MPU MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO. TÉCNICO DE INFORMÁTICA Conhecimentos Básicos e Específicos. Bruno Anselmo Guilhen Complemento MPU MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Conhecimentos Básicos e Específicos Nível Médio 2010 Vestcon Editora Ltda. Todos os direitos autorais desta obra

Leia mais

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas 1. Conceitos e Organização da Auditoria Universidade do Estado de Minas Gerais 1.1 Conceitos Auditoria é uma atividade que engloba o exame de operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

Boletim Gestão & Governança

Boletim Gestão & Governança Boletim Gestão & Governança Edição 18 Ano III Junho 2015 SAVE THE DATE Primeiro encontro de controles internos na cidade do Rio de Janeiro 24 de Setembro 2015 Aguardem a agenda do evento! Vejam nesta edição:

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO INDICADORES DE DESEMPENHO Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. (E. Deming) Os indicadores são ferramentas

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas

Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas Aula 05 Prof. Esp. Gladimir Ceroni Catarino gccatarino@senacrs.edu.br gladimir@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE

Leia mais

Desenvolvimento de pessoas.

Desenvolvimento de pessoas. Desenvolvimento de pessoas. 2.2 FORMULAÇÃO DE UM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Gestão de Pessoas (Antonio Carlos Gil) e Gestão de Pessoas (Idalberto Chiavenato) "Se ensinardes alguma coisa a um

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal GERENCIAMENTO DE CARREIRA PARA O SUCESSO DO GESTOR DE PROJETOS Fernanda Schröder Gonçalves Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Fernanda Schröder Gonçalves Coordenadora do Ibmec

Leia mais

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

ESTRUTURA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TÁTICO E OPERACIONAL

ESTRUTURA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TÁTICO E OPERACIONAL ESTRUTURA DO ORGANIZAÇÃO MISSÃO O POR QUE A ORGANIZAÇÃO EISTE? O QUE A ORGANIZAÇÃO FAZ? PARA QUEM? EEMPLO DE MISSÃO - MICROSOFT Na Microsoft, a nossa função é ajudar as pessoas e empresas em todo o mundo

Leia mais

Exercícios de Gestão de Processos

Exercícios de Gestão de Processos Exercícios de Gestão de Processos Agente de Administração 1) Uma organização formal, também conhecida como tradicional, compõe-se de camadas hierárquicas, enfatizando: a) o meio ambiente. b) os funcionários.

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios Modelo de Plano de Negócios COLEÇÃO DEBATES EM ADMINISTRAÇÃO Empreendedorismo Modelo de Plano de Negócios Elaboração Marcelo Marinho Aidar Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) F U N

Leia mais

Gestão Estratégica de Recursos Humanos

Gestão Estratégica de Recursos Humanos Gestão Estratégica de Recursos Humanos Professor conteudista: Ricardo Shitsuka Sumário Gestão Estratégica de Recursos Humanos Unidade I 1 INTRODUÇÃO...1 1.1 Organizações...1 1.2 Modelos de organizações...4

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Vivian Borim www.vivianborim.com.br viborim@uol.com.br

Vivian Borim www.vivianborim.com.br viborim@uol.com.br MBA em Gestão de Projetos Fundamentos de Gerenciamento de Projetos Vivian Borim www.vivianborim.com.br viborim@uol.com.br 02.08.2013 Conceitos Fundamentais de Projeto 04.08.2013 O Gerente de Projeto Escritório

Leia mais

Liderança com foco em resultados

Liderança com foco em resultados Liderança com foco em resultados Como produzir mais, em menos tempo e com maior qualidade de vida. Introdução O subtítulo deste texto parece mais uma daquelas promessas de milagres. Independentemente de

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais